SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Coccinellidae
Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
Departamento de Engenharia Florestal
Alunos:
Brenda Thaís Barbalho Alencar
Guillermo Enrique Guedes Scheel
Diamantina, 2016
Introdução
 Popularmente conhecidas como joaninhas, a família de insetos
Coccinellidae da ordem Coleoptera possui mais de 6.000 espécies
descritas, sendo 325 presentes no Brasil.
 Boa parte dos coccinelídeos são predadores vorazes de várias
pragas agrícolas.
 O primeiro exemplo de sucesso do controle biológico clássico
ocorreu em 1888 com a introdução da joaninha australiana Rodolia
cardinalis, para o controle de Icerya purchasi, sobre citros no
estado da Califórnia nos EUA.
 Em algumas espécies pode ocorrer o habito do canibalismo.
Introdução
 Quatro espécies que são muito utilizadas no manejo integrados de
pragas (MIP) são:
Harmonia axyridis (Pallas)
Hippodamia convergens (Guérin-Meneville)
Cycloneda sanguínea (Linnaeus)
Cryptolaemus montrouzieri (Mulsant)
Harmonia axyridis
 Predadora voraz de pulgões, cochonilhas e psilídeos. Sendo que
pode utilizar de forma eficaz, outros tipos de presas como fonte de
alimento.
 Muito utilizada no controle biológico em varias culturas agrícolas.
 Praga nas culturas de maçã, pêra e uva.
 Pode apresentar risco ao concorrer com outros coccinelídeos
ameaçando espécies nativas.
 Período médio entre ovo e adulto de 16,5 dias.
Harmonia axyridis
Hippodamia convergens
 Nativa da América do Norte e possui distribuição mundial.
 Importante predador de pulgões e ácaros.
 Encontra-se disponível comercialmente como agente de controle
natural de pragas na América do Norte.
 Sua capacidade predatória é afetada pelos seus hábitos
dependentes do fotoperíodo diário.
Hippodamia convergens
Cycloneda sanguinea
 Um dos principais predadores de pulgões em varias culturas
agrícolas, como por exemplo o pepino.
 É uma espécie cosmopolita.
 Bem adaptada a condições adversas do ambiente.
 Apresenta período médio entre ovo e adulto de 14 dias.
Cryptolaemus montrouzieri
 C. montrouzieri foi utilizada como alternativa para o controle
biológico de cochonilhas sem carapaça e pulgões.
 Estudos visando o controle biológico da cochonilha Planococcus citri
em Cruz das Almas na Bahia, demonstraram que após um mês a
liberação desse predador, ocorreu um decréscimo da praga na de
94,5% (SANCHES et al. 2003).
Fonte: Laboratório de
Entomologia do CPATSA.
Introdução da H. axyridis em ambientes exóticos
 A introdução da espécie H. axyridis em vários locais no mundo,
ocasiona alta pressão competitiva com outras espécies de joaninhas
nativas, ocorrendo uma redução populacional das espécies nativas.
 No Brasil foi avaliado a flutuação populacional de H. axyridis, onde foi
observado um aumento população da espécie exótica, enquanto a de
outros coccinelídeos se reduziu.
 Dentre os vários motivos para a alta capacidade competitiva da espécie
H. axyridis, podemos citar: grande tamanho, maior capacidade
predatória e utilização de forma eficiente de períodos de baixa
temperatura para seu desenvolvimento e procura de presas.
Procedimentos para Manejo da Criação e
Multiplicação do Predador C. montrouzieri
 Descreveremos de forma simplificada o processo de multiplicação
do predador C. montrouzieri em ambiente controlado de SANCHES
& CARVALHO, 2011.
 Para criação e multiplicação de C. montrouzieri foram necessárias
duas salas.
 Utilizada para criar e multiplicar a cochonilha Planococcus citri
mantida em abóbora Cucumis maximo cv Jacarezinho, que será
usada para alimentar o predador.
 As salas foram mantidas sob condições controladas de temperatura
(26 ± 1°C), umidade (60 ± 5%) e fotofase (12 horas).
Multiplicação da P. citri
 Cochonilhas, foram coletadas em campo sobre plantas hospedeiras
infestadas, ou obtidas de criação artificial.
 Foram isoladas e manipuladas.
 Após estabelecimento da colônia inicial, se inicia processo de
multiplicação das cochonilhas e, após um mês, quando as abóboras
estiverem totalmente infestadas.
 Os frutos devem estar próximos na sala de multiplicação, para que
as ninfas recém-eclodidas possam se transferir para novos frutos,
devido a sua mobilidade nessa fase.
Multiplicação do C. montrouzieri
 Abóboras com alta densidade de cochonilhas são escovadas para
coleta e transferidas para potes plásticos transparentes de 1L,
denominados de “Unidade de Produção”, onde serão usadas para
alimentar as fases do ciclo biológico de C. montrouzieri.
 Os potes são acondicionados, sem tampa, no interior de gaiolas de
criação, contendo adultos sexualmente maduros da joaninha, que
completarão o seu ciclo biológico ovipositando no interior da Unidade
de Produção.
 Após a exposição da massa de cochonilhas aos predadores, os
potes são transferidos para novas gaiolas de criação onde ocorrerá o
desenvolvimento natural das larvas, pupas e emergência de novos
adultos.
Ciclo biológico: ovo (5 dias); fase larval composta de 4 estádios (15,5 dias); fase pré-pupal (3
dias); fase pupal séssil (7,3 dias); longevidade do adulto de 72,4 dias; maturidade sexual de 2,7
dias. Oviposição média de 811 ovos/fêmea com viabilidade dos ovos de 62%.
Resultados
 Cada Unidade de Produção tem produtividade média de 400 adultos
de C. montrouzieri por mês.
 Esse método também permite a utilização de embalagens menores,
adequando assim às necessidades de remessa, quantidade e
distribuição.
 Portanto, os procedimentos apresentados possibilitam a criação e
multiplicação da espécie C. montrouzieri com facilidade, qualidade,
eficiência e baixo custo.
 Tornando-se uma ferramenta muito útil no controle biológico de
pulgões e cochonilhas sem carapaça em áreas produtivas.
Obrigado!
Referências Bibliográficas
 PETTER, I. D. Controle biológico com Coleoptera: Coccinellidae das cochonilhas (Homoptera: Diaspididae,
Dactylopiidae), pragas da “palma forrageira”. 2010, Florianópolis Santa catarina, UNIVERSIDADE FEDERAL DE
SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA, novembro de 2010
 SANTOS. L. C. BIOECOLOGIA E CAPACIDADE PREDATÓRIA DE COCCINELLIDAE (INSECTA: COLEOPTERA)
ALIMENTADO COM Schizaphis graminum (Rondani) (HEMIPTERA: APHIDIDAE). UNIVERSIDADE ESTADUAL
PAULISTA “JULIO DE MESQUITA FILHO” FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS
CAMPUS DE JABOTICABAL. JABOTICABAL - SÃO PAULO – BRASIL Fevereiro de 2012
 SANCHES, N. F.; CARVALHO, R. da S.; SILVA, E. S. Validação do predador exótico Cryptolaemus montrouzieri
Mulsant (Coleoptera: Coccinellidae) no controle de afídeos em hortas comunitárias. In: SIMPÓSIO DE CONTROLE
BIOLÓGICO, 8, 2003, São Pedro, SP. Resumos. Piracicaba, ESALQ/USP, 2003.
 SANCHES, N. F. CARVALHO, R. da S. Procedimentos para manejo da criação e multiplicação do predador exótico
Cryptolaemus montrouzieri. Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura, 2010. 5 p. (Embrapa Mandioca e
Fruticultura. Circular técnica, 99). Disponível em: <http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream
/item/29720/1/circular- 99ID27552.pdf> Acesso em 08 set. 2011.
 SANCHES, N. F.; CARVALHO, R. da S.; SILVA, E. S.; SANTOS, I. P.; CALDAS, R. C. Técnica de criação do
predador exótico Cryptolaemus montrouzieri Mulsant (Col.; Coccinellidae) em laboratório. Cruz das Almas:
Embrapa Mandioca e Fruticultura, 2002. 8 p. (Embrapa Mandioca e Fruticultura. Circular Técnica, 47).
 CORRÊA, G. H. Estudo de seis gêneros Neotropicais de Chilocorini e revisão de Harpasus Mulsant, 1850
(Coleoptera, Coccinellidae, Chilocorinae). Curitiba: UFPR, 2008. Dissertação de mestrado. Pós-Graduação em
Ciências Biológicas.
 DEBACH, P. El alcance del control biologico. In: DEBACH, P. Control biológico de las plagas de insectos y malas
hierbas. México: Cia Editorial Continental, 1981.
 KOCH, R.L. The multicolored Asian lady beetle, Harmonia axyridis: A review of its biology, uses in biological control,
and non-target impacts. Journal of Insect Science, Wallingford, v. 3, n. 32, p. 1-16, 2003.
 ALMEIDA, L.M.; SILVA, V.B. Primeiro registro de Harmonia axyridis (Pallas) (Coleoptera, Coccinellidae): um
coccinelídeo originário da região Paleártica. Revista Brasileira de Zoologia, São Paulo, v. 19, n. 3, p. 941-944,
2002.
 MILLÉO, J.; SOUZA, J.M.T.; CASTRO, J.P.; CORRÊA, G.H. Coccinelídeos (Insecta, Coleoptera) presentes em
hortaliças (Ponta Grossa - PR). Publicatio UEPG – Ciências Exatas e da Terra, Agrárias e Engenharias, Ponta
Grossa, v. 13, n. 2, p. 71-80, 2007.
 WARE, R.L.; MAJERUS, M.E.N. Intraguild predation of immature stages of British and Japanese coccinellids by the
invasive ladybird Harmonia axyridis. BioControl, Dordrecht, v. 53, n. 1, p. 169-188, 2008.
 VELOSO, V.R.S.; NAVES, R.V.;. NASCIMENTO, J.L.; FERNANDES, P.M.; GARCIA, A.H. Aspectos biológicos de
Cycloneda sanguinea (L.) (Coleoptera: Coccinellidae). Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 25, n. 2, p.
123-127, 1995.
 AZEREDO, E.H.; CASSINO, P.C.R.; CARVALHO, A.G.; LIMA, E. Occurrence of Cycloneda sanguinea L.
(Coleoptera: Coccinellidae) as predator in an insect infestation associated with potato (Solanum tuberosum L.) in the
district of Pinheiral, RJ. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 7, n. 1, p. 198-207, 2000.
 RANKIN, M.A.; RANKIN, S. Some factors affecting presumed migratory flight activity of the convergent ladybeetle,
Hippodamia Convergens (Coccinellidae: Coleoptera). Biological Bulletin, Taichung, v. 158, p. 356- 369, 1980.
 HOFFMANN, M.P.; FRODSHAM, A.C. Natural enemies of vegetable pests. Ithaca: Cooperative Extension, Cornell
University,1993. 63 p.
 BJORNSON, S. Natural enemies of the convergent lady beetle, Hippodamia convergens Guérin-Méneville: Their
inadvertent importation and potential significance for augmentative biological control. Biological Control, Orlando, v.
44, p. 305–311, 2008.
 HAGEN, K.S. Biology and ecology of predaceous Coccinellidae. Annual Review of Entomology, Stanford, v. 7, p.
289.326, 1962.
 MICHAUD, J.P. Invasion of the Florida citrus ecosystem by Harmonia axyridis 40 (Coleoptera: Coccinellidae) and
asymmetric competition with a native species, Cycloneda sanguinea. Environmental Entomology, College Park, v.
31, p. 827-835, 2002.
 PELL, J.K.; BAVERSTOCK, J.; ROY, H.E.; WARE, R.L.; MAJERUS, M.E.N. Intraguild predation involving Harmonia
axyridis: a review of current knowledge and future perspectives. BioControl, Dordrecht, v. 53,n. 1, p. 147-168, 2008.
 MIZELL, R. F. Impact of Harmonia axyridis (Coleoptera: Coccinellidae) on native arthropod predators in pecan and
crape myrtle. Florida Entomological Society, London, v. 90, n. 3, 2007.
 ACAR, E.B.; MILL, D.D.; SMITH, B.N.; HANSEN, L.D.; BOOTH, G.M. Comparison of respiration in adult Harmonia
axyridis Pallas and Hippodamia convergens GuérinMeneville (Coleoptera: Coccinellidae). Environmental
Entomology, Lanham, v. 34, n. 2, p. 241-245, 2005.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

VESTIBULAR UPE SSA 1 2013 - PRIMEIRO DIA
VESTIBULAR UPE SSA 1 2013  - PRIMEIRO DIAVESTIBULAR UPE SSA 1 2013  - PRIMEIRO DIA
VESTIBULAR UPE SSA 1 2013 - PRIMEIRO DIAIsaquel Silva
 
Reprodução de trichospilus
Reprodução de trichospilusReprodução de trichospilus
Reprodução de trichospilustetrastichus
 
SSA UPE 2013/2014 - Questões de matemática resolvida
SSA UPE 2013/2014 - Questões de matemática resolvidaSSA UPE 2013/2014 - Questões de matemática resolvida
SSA UPE 2013/2014 - Questões de matemática resolvidaEudes Martins
 
Ct de h armigera finalizado
Ct de h  armigera  finalizadoCt de h  armigera  finalizado
Ct de h armigera finalizadoTumate Virtual
 
Provas do segundo dia do SSA2 da UPE
Provas do segundo dia do SSA2 da UPEProvas do segundo dia do SSA2 da UPE
Provas do segundo dia do SSA2 da UPELuiza Freitas
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologiabjsjd
 
Técnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxico
Técnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxicoTécnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxico
Técnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxicoAgricultura Sao Paulo
 
Manejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdf
Manejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdfManejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdf
Manejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdfFernando186673
 
Ciência da natureza e suas tecnologias
Ciência da natureza e suas tecnologiasCiência da natureza e suas tecnologias
Ciência da natureza e suas tecnologiasPaulo Henrique Mota
 
Treinamento para AV2 - Biologia
Treinamento para AV2 - BiologiaTreinamento para AV2 - Biologia
Treinamento para AV2 - Biologiaemanuel
 
Fitossanidade agronegocio mg_agropec
Fitossanidade agronegocio mg_agropecFitossanidade agronegocio mg_agropec
Fitossanidade agronegocio mg_agropecEmbrapa Milho e Sorgo
 

Mais procurados (19)

VESTIBULAR UPE SSA 1 2013 - PRIMEIRO DIA
VESTIBULAR UPE SSA 1 2013  - PRIMEIRO DIAVESTIBULAR UPE SSA 1 2013  - PRIMEIRO DIA
VESTIBULAR UPE SSA 1 2013 - PRIMEIRO DIA
 
Reprodução de trichospilus
Reprodução de trichospilusReprodução de trichospilus
Reprodução de trichospilus
 
SSA UPE 2013/2014 - Questões de matemática resolvida
SSA UPE 2013/2014 - Questões de matemática resolvidaSSA UPE 2013/2014 - Questões de matemática resolvida
SSA UPE 2013/2014 - Questões de matemática resolvida
 
Ct de h armigera finalizado
Ct de h  armigera  finalizadoCt de h  armigera  finalizado
Ct de h armigera finalizado
 
Provas do segundo dia do SSA2 da UPE
Provas do segundo dia do SSA2 da UPEProvas do segundo dia do SSA2 da UPE
Provas do segundo dia do SSA2 da UPE
 
Mini palestra cb ago-2014
Mini  palestra cb ago-2014Mini  palestra cb ago-2014
Mini palestra cb ago-2014
 
Importância dos recursos fitogenéticos.pptx
Importância dos recursos fitogenéticos.pptxImportância dos recursos fitogenéticos.pptx
Importância dos recursos fitogenéticos.pptx
 
6ano bimestre-01-perguntas
6ano bimestre-01-perguntas6ano bimestre-01-perguntas
6ano bimestre-01-perguntas
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Artigo bioterra v19_n2_05
Artigo bioterra v19_n2_05Artigo bioterra v19_n2_05
Artigo bioterra v19_n2_05
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
 
Técnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxico
Técnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxicoTécnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxico
Técnica do Instituto Biológico faz controle de pragas sem agrotóxico
 
Artigo bioterra v19_n2_06
Artigo bioterra v19_n2_06Artigo bioterra v19_n2_06
Artigo bioterra v19_n2_06
 
Manejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdf
Manejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdfManejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdf
Manejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdf
 
Ciência da natureza e suas tecnologias
Ciência da natureza e suas tecnologiasCiência da natureza e suas tecnologias
Ciência da natureza e suas tecnologias
 
Treinamento para AV2 - Biologia
Treinamento para AV2 - BiologiaTreinamento para AV2 - Biologia
Treinamento para AV2 - Biologia
 
Artigo bioterra v16_n2_03
Artigo bioterra v16_n2_03Artigo bioterra v16_n2_03
Artigo bioterra v16_n2_03
 
Fitossanidade agronegocio mg_agropec
Fitossanidade agronegocio mg_agropecFitossanidade agronegocio mg_agropec
Fitossanidade agronegocio mg_agropec
 
SSA 2
SSA 2 SSA 2
SSA 2
 

Semelhante a Coccinellidae

Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucessoControle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucessoRural Pecuária
 
Biologia reprodutiva do surubim (pseudoplatystoma coruscans)
Biologia reprodutiva do surubim (pseudoplatystoma coruscans)Biologia reprodutiva do surubim (pseudoplatystoma coruscans)
Biologia reprodutiva do surubim (pseudoplatystoma coruscans)davidaborges
 
Presença dos insetos parisoschoenus obesulus e bolax sp. em uma população nat...
Presença dos insetos parisoschoenus obesulus e bolax sp. em uma população nat...Presença dos insetos parisoschoenus obesulus e bolax sp. em uma população nat...
Presença dos insetos parisoschoenus obesulus e bolax sp. em uma população nat...AcessoMacauba
 
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]gecoufba
 
Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápias
Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápiasLarvas de moluscos bivalves na criação de tilápias
Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápiasRural Pecuária
 
Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápias
Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápiasLarvas de moluscos bivalves na criação de tilápias
Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápiasRural Pecuária
 
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosAscaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosITPAC PORTO
 
Artigo identificação bovicola caprae
Artigo identificação bovicola capraeArtigo identificação bovicola caprae
Artigo identificação bovicola capraegecoufba
 
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptxRecursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptxRenato Ferraz de Arruda Veiga
 
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)guest599576
 
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdfavaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdfRicardoEliasValeLima
 
Biologia e Doenças de Cobaias - ScienceDirect.pdf
Biologia e Doenças de Cobaias - ScienceDirect.pdfBiologia e Doenças de Cobaias - ScienceDirect.pdf
Biologia e Doenças de Cobaias - ScienceDirect.pdfGabrielRodriguesWern
 

Semelhante a Coccinellidae (20)

Bioterismo
BioterismoBioterismo
Bioterismo
 
Achatina fulica 2003
Achatina fulica 2003Achatina fulica 2003
Achatina fulica 2003
 
Achatina fulica 2003
Achatina fulica 2003Achatina fulica 2003
Achatina fulica 2003
 
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucessoControle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
 
Biologia reprodutiva do surubim (pseudoplatystoma coruscans)
Biologia reprodutiva do surubim (pseudoplatystoma coruscans)Biologia reprodutiva do surubim (pseudoplatystoma coruscans)
Biologia reprodutiva do surubim (pseudoplatystoma coruscans)
 
Presença dos insetos parisoschoenus obesulus e bolax sp. em uma população nat...
Presença dos insetos parisoschoenus obesulus e bolax sp. em uma população nat...Presença dos insetos parisoschoenus obesulus e bolax sp. em uma população nat...
Presença dos insetos parisoschoenus obesulus e bolax sp. em uma população nat...
 
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
 
Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápias
Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápiasLarvas de moluscos bivalves na criação de tilápias
Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápias
 
Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápias
Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápiasLarvas de moluscos bivalves na criação de tilápias
Larvas de moluscos bivalves na criação de tilápias
 
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosAscaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
 
Artigo identificação bovicola caprae
Artigo identificação bovicola capraeArtigo identificação bovicola caprae
Artigo identificação bovicola caprae
 
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptxRecursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
 
Acão degradadores de madeira
Acão  degradadores de madeiraAcão  degradadores de madeira
Acão degradadores de madeira
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
 
Documento2
Documento2Documento2
Documento2
 
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdfavaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
avaliação 3o serie bio 3o bi 2022.pdf
 
Artigo bioterra v14_n2_01
Artigo bioterra v14_n2_01Artigo bioterra v14_n2_01
Artigo bioterra v14_n2_01
 
Biologia e Doenças de Cobaias - ScienceDirect.pdf
Biologia e Doenças de Cobaias - ScienceDirect.pdfBiologia e Doenças de Cobaias - ScienceDirect.pdf
Biologia e Doenças de Cobaias - ScienceDirect.pdf
 

Mais de Guillermo Enrique Guedes Scheel (7)

Greening - Hlb
Greening - HlbGreening - Hlb
Greening - Hlb
 
Adubação café grupo 2
Adubação café grupo 2 Adubação café grupo 2
Adubação café grupo 2
 
Relatório prático da cultura do amendoim
Relatório prático da cultura do amendoimRelatório prático da cultura do amendoim
Relatório prático da cultura do amendoim
 
Sistemas Agroflorestais - SAFS
Sistemas Agroflorestais - SAFSSistemas Agroflorestais - SAFS
Sistemas Agroflorestais - SAFS
 
Determinação de valores físicos, correção atmosférica e transformações radiom...
Determinação de valores físicos, correção atmosférica e transformações radiom...Determinação de valores físicos, correção atmosférica e transformações radiom...
Determinação de valores físicos, correção atmosférica e transformações radiom...
 
Inhame
InhameInhame
Inhame
 
Organismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificadosOrganismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificados
 

Último

ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_ReservadaBiosferadaM
 
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptxCEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptxReservadaBiosferadaM
 
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...atendimento93
 
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptxReservadaBiosferadaM
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptxapresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptxReservadaBiosferadaM
 
avaliação pratica .pdf
avaliação pratica                      .pdfavaliação pratica                      .pdf
avaliação pratica .pdfHELLEN CRISTINA
 
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMPSEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMPReservadaBiosferadaM
 
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMAÁrea de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMAReservadaBiosferadaM
 
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdfAruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdfReservadaBiosferadaM
 
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdfApresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdfReservadaBiosferadaM
 
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdfFazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdfReservadaBiosferadaM
 
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (13)

ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
 
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptxCEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
 
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
 
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptxapresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
 
avaliação pratica .pdf
avaliação pratica                      .pdfavaliação pratica                      .pdf
avaliação pratica .pdf
 
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMPSEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
 
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMAÁrea de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
 
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdfAruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
 
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdfApresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
 
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdfFazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
 

Coccinellidae

  • 1. Coccinellidae Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Departamento de Engenharia Florestal Alunos: Brenda Thaís Barbalho Alencar Guillermo Enrique Guedes Scheel Diamantina, 2016
  • 2. Introdução  Popularmente conhecidas como joaninhas, a família de insetos Coccinellidae da ordem Coleoptera possui mais de 6.000 espécies descritas, sendo 325 presentes no Brasil.  Boa parte dos coccinelídeos são predadores vorazes de várias pragas agrícolas.  O primeiro exemplo de sucesso do controle biológico clássico ocorreu em 1888 com a introdução da joaninha australiana Rodolia cardinalis, para o controle de Icerya purchasi, sobre citros no estado da Califórnia nos EUA.  Em algumas espécies pode ocorrer o habito do canibalismo.
  • 3.
  • 4. Introdução  Quatro espécies que são muito utilizadas no manejo integrados de pragas (MIP) são: Harmonia axyridis (Pallas) Hippodamia convergens (Guérin-Meneville) Cycloneda sanguínea (Linnaeus) Cryptolaemus montrouzieri (Mulsant)
  • 5. Harmonia axyridis  Predadora voraz de pulgões, cochonilhas e psilídeos. Sendo que pode utilizar de forma eficaz, outros tipos de presas como fonte de alimento.  Muito utilizada no controle biológico em varias culturas agrícolas.  Praga nas culturas de maçã, pêra e uva.  Pode apresentar risco ao concorrer com outros coccinelídeos ameaçando espécies nativas.  Período médio entre ovo e adulto de 16,5 dias.
  • 7. Hippodamia convergens  Nativa da América do Norte e possui distribuição mundial.  Importante predador de pulgões e ácaros.  Encontra-se disponível comercialmente como agente de controle natural de pragas na América do Norte.  Sua capacidade predatória é afetada pelos seus hábitos dependentes do fotoperíodo diário.
  • 9. Cycloneda sanguinea  Um dos principais predadores de pulgões em varias culturas agrícolas, como por exemplo o pepino.  É uma espécie cosmopolita.  Bem adaptada a condições adversas do ambiente.  Apresenta período médio entre ovo e adulto de 14 dias.
  • 10.
  • 11. Cryptolaemus montrouzieri  C. montrouzieri foi utilizada como alternativa para o controle biológico de cochonilhas sem carapaça e pulgões.  Estudos visando o controle biológico da cochonilha Planococcus citri em Cruz das Almas na Bahia, demonstraram que após um mês a liberação desse predador, ocorreu um decréscimo da praga na de 94,5% (SANCHES et al. 2003). Fonte: Laboratório de Entomologia do CPATSA.
  • 12.
  • 13. Introdução da H. axyridis em ambientes exóticos  A introdução da espécie H. axyridis em vários locais no mundo, ocasiona alta pressão competitiva com outras espécies de joaninhas nativas, ocorrendo uma redução populacional das espécies nativas.  No Brasil foi avaliado a flutuação populacional de H. axyridis, onde foi observado um aumento população da espécie exótica, enquanto a de outros coccinelídeos se reduziu.  Dentre os vários motivos para a alta capacidade competitiva da espécie H. axyridis, podemos citar: grande tamanho, maior capacidade predatória e utilização de forma eficiente de períodos de baixa temperatura para seu desenvolvimento e procura de presas.
  • 14. Procedimentos para Manejo da Criação e Multiplicação do Predador C. montrouzieri  Descreveremos de forma simplificada o processo de multiplicação do predador C. montrouzieri em ambiente controlado de SANCHES & CARVALHO, 2011.  Para criação e multiplicação de C. montrouzieri foram necessárias duas salas.  Utilizada para criar e multiplicar a cochonilha Planococcus citri mantida em abóbora Cucumis maximo cv Jacarezinho, que será usada para alimentar o predador.  As salas foram mantidas sob condições controladas de temperatura (26 ± 1°C), umidade (60 ± 5%) e fotofase (12 horas).
  • 15.
  • 16. Multiplicação da P. citri  Cochonilhas, foram coletadas em campo sobre plantas hospedeiras infestadas, ou obtidas de criação artificial.  Foram isoladas e manipuladas.  Após estabelecimento da colônia inicial, se inicia processo de multiplicação das cochonilhas e, após um mês, quando as abóboras estiverem totalmente infestadas.  Os frutos devem estar próximos na sala de multiplicação, para que as ninfas recém-eclodidas possam se transferir para novos frutos, devido a sua mobilidade nessa fase.
  • 17.
  • 18. Multiplicação do C. montrouzieri  Abóboras com alta densidade de cochonilhas são escovadas para coleta e transferidas para potes plásticos transparentes de 1L, denominados de “Unidade de Produção”, onde serão usadas para alimentar as fases do ciclo biológico de C. montrouzieri.  Os potes são acondicionados, sem tampa, no interior de gaiolas de criação, contendo adultos sexualmente maduros da joaninha, que completarão o seu ciclo biológico ovipositando no interior da Unidade de Produção.  Após a exposição da massa de cochonilhas aos predadores, os potes são transferidos para novas gaiolas de criação onde ocorrerá o desenvolvimento natural das larvas, pupas e emergência de novos adultos.
  • 19.
  • 20. Ciclo biológico: ovo (5 dias); fase larval composta de 4 estádios (15,5 dias); fase pré-pupal (3 dias); fase pupal séssil (7,3 dias); longevidade do adulto de 72,4 dias; maturidade sexual de 2,7 dias. Oviposição média de 811 ovos/fêmea com viabilidade dos ovos de 62%.
  • 21. Resultados  Cada Unidade de Produção tem produtividade média de 400 adultos de C. montrouzieri por mês.  Esse método também permite a utilização de embalagens menores, adequando assim às necessidades de remessa, quantidade e distribuição.  Portanto, os procedimentos apresentados possibilitam a criação e multiplicação da espécie C. montrouzieri com facilidade, qualidade, eficiência e baixo custo.  Tornando-se uma ferramenta muito útil no controle biológico de pulgões e cochonilhas sem carapaça em áreas produtivas.
  • 23. Referências Bibliográficas  PETTER, I. D. Controle biológico com Coleoptera: Coccinellidae das cochonilhas (Homoptera: Diaspididae, Dactylopiidae), pragas da “palma forrageira”. 2010, Florianópolis Santa catarina, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA, novembro de 2010  SANTOS. L. C. BIOECOLOGIA E CAPACIDADE PREDATÓRIA DE COCCINELLIDAE (INSECTA: COLEOPTERA) ALIMENTADO COM Schizaphis graminum (Rondani) (HEMIPTERA: APHIDIDAE). UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA “JULIO DE MESQUITA FILHO” FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CAMPUS DE JABOTICABAL. JABOTICABAL - SÃO PAULO – BRASIL Fevereiro de 2012  SANCHES, N. F.; CARVALHO, R. da S.; SILVA, E. S. Validação do predador exótico Cryptolaemus montrouzieri Mulsant (Coleoptera: Coccinellidae) no controle de afídeos em hortas comunitárias. In: SIMPÓSIO DE CONTROLE BIOLÓGICO, 8, 2003, São Pedro, SP. Resumos. Piracicaba, ESALQ/USP, 2003.  SANCHES, N. F. CARVALHO, R. da S. Procedimentos para manejo da criação e multiplicação do predador exótico Cryptolaemus montrouzieri. Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura, 2010. 5 p. (Embrapa Mandioca e Fruticultura. Circular técnica, 99). Disponível em: <http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream /item/29720/1/circular- 99ID27552.pdf> Acesso em 08 set. 2011.  SANCHES, N. F.; CARVALHO, R. da S.; SILVA, E. S.; SANTOS, I. P.; CALDAS, R. C. Técnica de criação do predador exótico Cryptolaemus montrouzieri Mulsant (Col.; Coccinellidae) em laboratório. Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura, 2002. 8 p. (Embrapa Mandioca e Fruticultura. Circular Técnica, 47).
  • 24.  CORRÊA, G. H. Estudo de seis gêneros Neotropicais de Chilocorini e revisão de Harpasus Mulsant, 1850 (Coleoptera, Coccinellidae, Chilocorinae). Curitiba: UFPR, 2008. Dissertação de mestrado. Pós-Graduação em Ciências Biológicas.  DEBACH, P. El alcance del control biologico. In: DEBACH, P. Control biológico de las plagas de insectos y malas hierbas. México: Cia Editorial Continental, 1981.  KOCH, R.L. The multicolored Asian lady beetle, Harmonia axyridis: A review of its biology, uses in biological control, and non-target impacts. Journal of Insect Science, Wallingford, v. 3, n. 32, p. 1-16, 2003.  ALMEIDA, L.M.; SILVA, V.B. Primeiro registro de Harmonia axyridis (Pallas) (Coleoptera, Coccinellidae): um coccinelídeo originário da região Paleártica. Revista Brasileira de Zoologia, São Paulo, v. 19, n. 3, p. 941-944, 2002.  MILLÉO, J.; SOUZA, J.M.T.; CASTRO, J.P.; CORRÊA, G.H. Coccinelídeos (Insecta, Coleoptera) presentes em hortaliças (Ponta Grossa - PR). Publicatio UEPG – Ciências Exatas e da Terra, Agrárias e Engenharias, Ponta Grossa, v. 13, n. 2, p. 71-80, 2007.  WARE, R.L.; MAJERUS, M.E.N. Intraguild predation of immature stages of British and Japanese coccinellids by the invasive ladybird Harmonia axyridis. BioControl, Dordrecht, v. 53, n. 1, p. 169-188, 2008.  VELOSO, V.R.S.; NAVES, R.V.;. NASCIMENTO, J.L.; FERNANDES, P.M.; GARCIA, A.H. Aspectos biológicos de Cycloneda sanguinea (L.) (Coleoptera: Coccinellidae). Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 25, n. 2, p. 123-127, 1995.  AZEREDO, E.H.; CASSINO, P.C.R.; CARVALHO, A.G.; LIMA, E. Occurrence of Cycloneda sanguinea L. (Coleoptera: Coccinellidae) as predator in an insect infestation associated with potato (Solanum tuberosum L.) in the district of Pinheiral, RJ. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 7, n. 1, p. 198-207, 2000.
  • 25.  RANKIN, M.A.; RANKIN, S. Some factors affecting presumed migratory flight activity of the convergent ladybeetle, Hippodamia Convergens (Coccinellidae: Coleoptera). Biological Bulletin, Taichung, v. 158, p. 356- 369, 1980.  HOFFMANN, M.P.; FRODSHAM, A.C. Natural enemies of vegetable pests. Ithaca: Cooperative Extension, Cornell University,1993. 63 p.  BJORNSON, S. Natural enemies of the convergent lady beetle, Hippodamia convergens Guérin-Méneville: Their inadvertent importation and potential significance for augmentative biological control. Biological Control, Orlando, v. 44, p. 305–311, 2008.  HAGEN, K.S. Biology and ecology of predaceous Coccinellidae. Annual Review of Entomology, Stanford, v. 7, p. 289.326, 1962.  MICHAUD, J.P. Invasion of the Florida citrus ecosystem by Harmonia axyridis 40 (Coleoptera: Coccinellidae) and asymmetric competition with a native species, Cycloneda sanguinea. Environmental Entomology, College Park, v. 31, p. 827-835, 2002.  PELL, J.K.; BAVERSTOCK, J.; ROY, H.E.; WARE, R.L.; MAJERUS, M.E.N. Intraguild predation involving Harmonia axyridis: a review of current knowledge and future perspectives. BioControl, Dordrecht, v. 53,n. 1, p. 147-168, 2008.  MIZELL, R. F. Impact of Harmonia axyridis (Coleoptera: Coccinellidae) on native arthropod predators in pecan and crape myrtle. Florida Entomological Society, London, v. 90, n. 3, 2007.  ACAR, E.B.; MILL, D.D.; SMITH, B.N.; HANSEN, L.D.; BOOTH, G.M. Comparison of respiration in adult Harmonia axyridis Pallas and Hippodamia convergens GuérinMeneville (Coleoptera: Coccinellidae). Environmental Entomology, Lanham, v. 34, n. 2, p. 241-245, 2005.

Notas do Editor

  1. GUILLERMO
  2. BRENDA
  3. BRENDA
  4. GUILLERMO
  5. GUILLERMO
  6. BRENDA
  7. BRENDA
  8. GUILLERMO
  9. BRENDA
  10. BRENDA
  11. GUILLERMO
  12. GUILLERMO
  13. GUILLERMO
  14. BRENDA
  15. BRENDA
  16. BRENDA