Atps economia formatada (2)

428 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
428
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atps economia formatada (2)

  1. 1. UNIVERSIDADE ANHANGUERA – UNIDERP Centro de educação a Distância Polo Maracanã – 24083 CURSO SUPERIOR EM ADMINISTRAÇÃO 2° SEMESTRE Polyana Pereira C. Melo - RA 7986736552 Thyago Jose de Melo - RA 7986736585 ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ECONOMIA Professor de Ensino a Distância: Renata M. G. Dalpiaz Tutor de ensino presencial: Dayse da Silva Fonseca Uberlândia, 04 de Outubro de 2013.
  2. 2. 2 Índice 1. INTRODUÇÃO .................................................................................................................................... 3 1.1 - ANÁLISE ECONÔMICA REGIONAL SOBRE MERCADO DE ARTIGOS ELETRÔNICOS ...................................... 3 2. CUSTOS ENVOLVIDOS PARA VENDA DE ARTIGOS ELETRÔNICOS ............................................................. 5 3. INFORMAÇÕES ECONÔMICAS DA REGIÃO ............................................................................................ 5 3.1 - SETOR PRIMÁRIO .............................................................................................................................. 7 3.2 - SETOR SECUNDÁRIO .......................................................................................................................... 8 3.3 - SETOR TERCIÁRIO .............................................................................................................................. 8 4. INFLUÊNCIA DA INFLAÇÃO NO MERCADO DE SERVIÇOS ......................................................................... 9 5. COMPORTAMENTO DO MERCADO BRASILEIRO DIANTE DAS CRISES MUNDIAS ...................................... 10 6. CENÁRIO ECONÔMICO FUTURO NO MERCADO DE ARTIGOS ELETRÔNICOS ............................................ 11 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS ................................................................................................................... 11 8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ......................................................................................................... 12
  3. 3. 3 1. INTRODUÇÃO 1.1 - ANÁLISES ECONÔMICAS REGIONAL SOBRE MERCADO DE ARTIGOS ELETRÔNICOS Turban (2004) define o comércio eletrônico como a efetivação de transações empresariais por meio de redes de telecomunicações, sobretudo a internet. Segundo o autor, o ato de comprar um produto em uma máquina ou utilizando um telefone celular também é considerado comércio eletrônico. Para o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE, 2011), se trata de uma moderna forma de comércio, onde é possível comprar e vender de tudo, sem delimitações geográficas, com mais agilidade e menores custos. Ainda segundo o SEBRAE, a compra de produtos é a segunda atividade mais importante no meio eletrônico, sendo a primeira o correio eletrônico. A internet pode ser utilizada para auxiliar o processo de desenvolvimento, produção e venda de produtos materiais de maneira rápida e econômica, substituindo meios tradicionais de comunicação, como telefone e correio; e também para a distribuição de bens e serviços intangíveis, como livros, músicas e filmes (LASTRES et al, 1999). Nesta perspectiva, o comércio eletrônico pode ser caracterizado como comércio eletrônico puro ou comércio eletrônico parcial, dependendo do grau de digitalização envolvido em seu processo. Este grau de digitalização pode estar relacionado ao produto ou serviço ofertado, ao processo ou à entrega. Comércio eletrônico puro é aquele no qual todas estas três dimensões são virtuais, ao contrário do que ocorre no comércio tradicional. Quando nem todas as dimensões são virtuais, chamamos de comércio eletrônico parcial (TURBAN, 2005). Turban et al (2005) afirma que algumas pessoas associam o termo comércio somente às transações realizadas entre parceiros em seus negócios. Dessa forma, o termo comércio eletrônico se torna limitado, fazendo com que muitas pessoas utilizem o termo e-business, que se trata de uma definição mais ampla de comércio eletrônico, pois engloba, além da compra e venda, o atendimento ao cliente, as transações eletrônicas internas de uma organização, colaboração entre parceiros e a realização de treinamentos empresariais.
  4. 4. 4 Além destes consumidores, atualmente cerca de 60% da nossa população tem menos de 30 anos, ou seja, são potenciais freqüentadores de e-commerce e compradores dos mais diversos artigos eletrônicos e acessórios em geral. Fonte: Site IBGE cidades Outro fator muito importante para o mercado verejista é o crescimento da classe média que parece ser a grande resposta para manter o ritmo de consumo em alta, tanto no Brasil como no mundo.Analisando o volume de pessoas que pertencem à classe C no Brasil (que possuem renda mensal entre R$ 1.750 e R$ 7.500), temos que em 2003 eram 65,9 milhões, passando para 105,4 milhões em 2011, alta de quase 60%. Para 2014, esse número deverá chegar a 118 milhões.
  5. 5. 5 Em virtude do aumento do número de pessoas interessadas em comprar diversos produtos pela internet, tem se desenvolvido rapidamente. A procura de serviços on line como internet banking, declaração de imposto de renda e sites de relacionamento contribuem para a adesão de novas tecnologias por parte da população brasileira (DALCICO, 2009). 2. CUSTOS ENVOLVIDOS PARA VENDA DE ARTIGOS ELETRÔNICOS 3. INFORMAÇÕES ECONÔMICAS DA REGIÃO O comércio eletrônico tem ganhado força no Brasil nos últimos anos e para se adequar à nova modalidade de vendas, lojistas de vários segmentos estão ampliando seu mercado com o desenvolvimento de plataformas de e-commerce. De acordo com dados do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), no ano passado a área movimentou aproximadamente R$ 22 milhões no país e a expectativa é de que em 2013, haja um crescimento de 25% nessa modalidade de vendas. Segundo o analista de negócios do Sebrae em Uberlândia, Fabiano Alves, o mercado online é uma tendência para os próximos anos. “As pessoas querem cada vez mais comodidade e a loja online oferece isso”, disse. Segundo ele, os setores com mais compras pela internet são eletrodomésticos, informática, eletroeletrônicos, saúde e beleza e moda e acessórios. “A loja online oferece menos custos ao empresário, e possibilita mais conforto ao consumidor”, Despesas Valor % Despesas Despesas Administrativas R$ 6.390,00 7,1 Despesas com Manutenção R$ 1.503,00 1,67 Despesas com Pessoal R$ 23.724,00 26,36 Despesas com Perdas R$ 1.710,00 1,9 Despesas Marketing R$ 1.638,00 1,82 Despesas Ocupacionais R$ 13.743,00 15,27 Despesas Tributárias R$ 4.986,00 5,54 Investimento em Unidade de Negócios R$ 3.006,00 3,34 Custo das Mercadorias R$ 33.300,00 37 Total de despesas R$ 90.000,00 100 Total de Receitas R$ 100.000,00 Lucro R$ 10.000,00
  6. 6. 6 afirmou. De acordo com o diretor de uma livraria tradicional de Uberlândia, Marcelo Samora, o e- commerce é importante para ampliar o público da empresa, mas não substitui a loja física. “Com o site, atendemos a públicos diferentes, mas o nosso forte ainda é a venda no balcão”, disse. Segundo ele, as vendas pela plataforma online chegam a representar 10% do faturamento mensal da empresa. “Além da cidade, conseguimos atender pedidos de outros municípios da região e de outros estados.” A analista de sistemas Tatyana Sousa, faz compras pela internet há mais de dez anos e afirma que opta por essa modalidade pelas vantagens que ela oferece. “É acessível e tenho mais tranqüilidade e comodidade ao escolher as mercadorias, além de ser mais barato”, disse. Para garantir sua segurança ao comprar, Tatyana Sousa disse que adota algumas estratégias. “Verifico sempre se o portal possui certificado digital e quando quero produtos de algum site que não conheço, procuro mercadorias de menor valor para testar. Se der certo, viro cliente.” Fonte: Google map, IBGE Em 2012 a população do município foi estimada em 619.53 6habitantes, sendo o segundo mais populoso do estadoe o30º do país, apresentando umadensidade populacionalde 150,52 habitantes por km². Segundo ocensode 2000, 49,02% da população eram homens (245 701 habitantes), 50,98% (255 513 habitantes) mulheres, 97,56% (488 982 habitantes) vivia nazona urbanae 2,44% (12 232 habitantes) na zona rural.
  7. 7. 7 O Produto interno bruto- PIB de Uberlândia é o 27º maior do Brasil,destacando-se na área de prestação de serviços. Nos dados do IBGEde 2008 o municipiopossuía R$ 14.270.392,49 mil no seu Produto Interno Bruto. Desse total, 2.003.554 mil são de impostos sobre produtos líquidos de subsídios.O PIB per capita é de R$ 22.926,50. Fonte: IBGE 3.1 - SETOR PRIMÁRIO A agricultura é o setor menos relevante da economia de Uberlândia. De todo o PIB da cidade 271.271 mil reais é o valor adicionado bruto da agropecuária.Segundo o IBGE em 2008o município possuía um rebanho de 205.709 bovinos, 619.464 suínos, 6.169 equinos, 762 caprinos, 78 bufalinos, 319 asinos, 541 muares, 4.633 ovinos, 378 coelhose 5.798.617 aves, dentre estas 2.480.000 galinhase 3.318.617 galos, frangos e pintinhos. Em 2008a cidade produziu 48.900 mililitrosde leite de 31.623 vacas. Foram produzidos 50.068 mil dúziasde ovos de galinha e 1.400 quilos de mel-de-abelha. Na lavoura temporária são produzidos principalmente o milho(140.400 toneladas), a soja(138.330 toneladas) e a cana de açúcar(28.500 toneladas).
  8. 8. 8 3.2 - SETOR SECUNDÁRIO A indústria atualmente é o segundo setor mais relevante para a economia uberlandense. 2.729.956 mil reais do PIB municipal são do valor adicionado bruto da indústria (setor secundário).Uma importante parcela de participação do setor secundário municipal é oriunda do Distrito Industrial Guiomar de Freitas Costa, localizado na zona norteda cidade. Nele estão as principais industriasda cidade, inclusive instalações de algumas das maiores empresas do Brasil e ainda multinacionais, como Cargill Agrícola, Casas Bahia, Companhia de Telecomunicações do Brasil Central(CTBC),Monsanto,Petrobras,Sadia,Souza Cruze Coca- Cola. 3.3 - SETOR TERCIÁRIO 7.479.038 mil reais do PIB municipal são de prestações de serviços (terciário).O setor terciário atualmente é a maior fonte geradora do PIB uberlandense. De acordo com o IBGE a cidade possuía no ano de 2008, 21.492 empresase 339.922 trabalhadores, sendo 183.888 pessoal ocupado total e 156.034 ocupado assalariado. Salários juntamente com outras remunerações somavam 2.358.463 reais e o salário médio mensal de todo município era de 2,9 salários mínimos. Uberlândia conta com alguns dos maiores shopping centersda região do Triângulo Mineiro, como o Pratic Shopping,o Griff Shopping,o Center Shopping Uberlândia, considerado como o maior shopping center do estado e o sétimo do país,o Uberlândia Shopping, segundo maior shopping center da cidade, e por último o Praça Uberlândia Shopping Center, o terceiro maior shopping center de Uberlândia. Assim como no resto do país, o maior período de vendas em Uberlândia é oNatal. Uberlândia integra ocircuito turístico do Triângulo Mineiroe se destaca na área deturismo de negócio em escala nacional e noturismo comercialem âmbito regional. Recentemente a cidade foi classificada pela International Congress and Convention Association (ICCA) (a principal entidade do segmento de turismo e eventos internacionais) como uma das cidades brasileiras que mais sedia eventos internacionais, ficando na nona posição. Entre as doze cidades melhores colocadas, Uberlândia é a única que não é capital, e superada apenas por grandes centros como São Paulo,Rio de Janeiro,Belo HorizonteeBrasília. Anualmente são realizados na cidade centenas de eventos de várias partes do país e até de outros países. Um estudo feito por entidades revelou que o turismo é o maior gerador de oportunidade de trabalho mundial com mais de 200 milhões de empregos, além de ter grande relevância no
  9. 9. 9 PIB e atingir diretamente cerca de 50 setores da economia. E dentre os segmentos, o turismo de eventos é considerado como o que mais cresce no mundo, movimentando US$ 4 trilhões anualmente. Em Uberlândia, 17% das empresas que realizam eventos, 50% são de grande porte e em 82% dos eventos o público-alvo são os funcionários das empresas. 4. INFLUÊNCIA DA INFLAÇÃO NO MERCADO DE SERVIÇOS De fato, em 2011/2012 a taxa de crescimento do PIB do Brasil sofreu forte redução, de um patamar de 4% ao ano, nos anos precedentes, para uma média de 1,8% no último biênio, enquanto, paradoxalmente, a taxa de inflação se eleva atingindo uma média de mais de 6% ao ano. Este patamar de inflação é preocupante e se persistir comprometerá o futuro da economia. O quadro brasileiro atual é complexo, pois o PIB cresceu apenas 0,9% e indústria teve uma contração na produção de -2,7%, em 2012, e taxa de desemprego atingiu 4,6%, em dezembro ultimo. É preciso lembrar que não se trata de simples excesso de demanda agregada e pleno emprego gerando inflação. Se fosse este o caso, a simples elevação da taxa de juros poderia esfriar a economia, reduzir o crescimento, conter os salários e trazer a taxa de inflação para baixo. Mas trata-se de uma situação em que existe um grande hiato entre o crescimento da demanda agregada e da oferta doméstica. O dinamismo da demanda doméstica se mantém enquanto a capacidade ociosa na indústria aumentou, os investimentos retraíram e, estímulos dados pelo governo estão provocando apenas uma ligeira recuperação. A inflação acelerou, no seu componente persistente, em grande parte, devido ao setor de serviços. Desta forma, pode-se dizer que inflação brasileira tem um componente estrutural. Com os preços relativos (taxa de câmbio apreciada) favorecendo o setor de bens não comercializáveis, por longo período, gerou-se uma forte expansão particularmente do setor de serviços e uma desindustrialização, que acabaram mudando a estrutura produtiva do país com efeitos perversos. A taxa de inflação de serviços tem sido muito maior que da indústria, pois como setor não sofre competição das importações e pode aumentar seus preços e conceder aumentos de salários, acima da produtividade. A inflação de serviços e aumentos salariais tem provocado uma generalizada elevação de custos sobre nos demais setores. Convive-se assim uma inflação de demanda nos serviços e de custos na indústria.
  10. 10. 10 5. COMPORTAMENTO DO MERCADO BRASILEIRO DIANTE DAS CRISES MUNDIAS Desde 2008, o mundo desenvolvido sofre as consequências de uma crise financeira com epicentro nos Estados Unidos e que, como um rastilho, se espalhou pelas economias europeias e, em menor medida, pelas emergentes, agora globalizadas. A ciranda financeira dos mercados desregulados agrava a instabilidade global que ronda a economia internacional. Uma vez mais, os Estados Unidos frearam a ajuda dos países vizinhos, para impor as suas regras através do Fundo Monetário Internacional (FMI) Outros sintomas da crise internacional apareceram e reduziram pela metade o crescimento em alguns países, que só se restabeleceram plenamente a partir de 2010. Com as crises o lado das exportações e a apreciação do real foram fatores negativos, porém à estabilidade monetária e o posicionamento do Brasil na Economia mundial é considerada algo positivo. De fato, quando analisamos o passado da economia brasileira, as crises internacionais costumavam ter um impacto extremamente forte sobre a taxa de câmbio brasileira, que gerava crises no balanço de pagamentos e sérios problemas em relação à dívida
  11. 11. 11 externa brasileira. O Brasil passou por diversas crises cambiais, muitas vezes geradas por instabilidades em outros países, mas que por efeito cascata atingiam fortemente a economia brasileira. Em relação as crises financeiras recentes, pode-se dizer que o Brasil foi um dos países que apresentou boa recuperação e os impactos parecem estar restritos ao mercado financeiro brasileiro, em especial às bolsas de valores. 6. CENÁRIO ECONÔMICO FUTURO NO MERCADO DE COMERCIO ELETRÔNICO O comercio eletrônico brasileiro movimentou no primeiro semestre R$ 12,74 bilhões e deve fechar o ano com um faturamento de R$ 28 bilhões. Esses são os números da 28a edição do relatório Webshoopers, apresentado nesta quarta-feira, 21/8, pela E - bit, empresa especializada em informações sobre o e-commerce. Os dados baseiam-se em levantamentos feitos entre 1o de janeiro e 30 de junho de 2013 e apontam um crescimento de 24% em relação ao mesmo período de 2012. O relatório também mostra que foram feitos 35,54 milhões de pedidos via internet, número 20% maior do que o registrado no ano anterior. O valor do tíquete médio das compras também cresceu 4%, situando-se em R$ 359,49. Pedro Guasti, diretor geral da E - bit, atribui a boa fase do comércio eletrônico à postura dos consumidores brasileiros diante do baixo desempenho e do ambiente instável da economia brasileira. “Eles tendem a ficar mais cuidadosos e exigentes nesses momentos. Dessa forma, são atraídos pelas vantagens do setor, como preços mais baixos, facilidade e prazos de pagamento mais elásticos.” No ranking de produtos mais vendidos pela internet, consolida-se no topo a categoria “Moda e Assessórios”, com 13,7%. Em segundo lugar, está a categoria “Eletrodomésticos”, com 12,3%, seguida por “Cosméticos e Perfumaria/Cuidados Pessoais/Saúde”, com 12,2%, “Informática”, com 9%, e “Livros, Assinaturas e Revistas, com 8,9%. No período analisado, 3,98 milhões de pessoas fizeram sua primeira compra online, o que resulta em um total de 46,16 milhões que já fizeram pelo menos um pedido pela internet. As mulheres representam o maior público dos novos e - consumidores. Elas totalizam 55%. E a maioria delas, 67%, se enquadra na faixa etária entre 25 e 49 anos. Quando se observa os itens renda familiar e escolaridade, nota-se uma forte presença da classe C entre os novos consumidores, sendo que 58,62% tem renda até R$ 3 mil e 46% possuem ensino fundamental e médio. A estimativa é que, até o final do ano, 8,9 milhões de novos compradores utilizem o comércio eletrônico. Se isto se confirmar, serão 51 milhões de consumidores que fizeram ao menos um pedido online. Entre os principais motivos que levam o consumidor a comprar pela
  12. 12. 12 internet, estão os fatores que permitem economizar, como a oferta de frete grátis. A E – bit apurou em pesquisa especial que 58% das pessoas comprariam mais pela internet se houvesse maior disponibilidade de entrega gratuita. 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS Considerado como um dos propulsores do desenvolvimento econômico no País, nos últimos anos o setor de serviços on line tem ocorrido de forma rápida, resultado de uma onda de empreendedorismo ocorrida após a criação dos primeiros sites no país. Para competir neste mercado muitos sites têm se preocupado em oferecer um grande número de ofertas em detrimento da qualidade dos produtos e serviços anunciados, e para reverter este quadro torna- se necessária a adoção de critérios para selecionar e avaliar os anunciantes dos sites, acelerando assim o progresso tecnológico. Aliando essas caracteristicas atuais com os eventos da copa do mundo e olimpiadas, o crescimento da taxa de longevidade, crescimento de classes econômicas emergentes e o novo perfil do brasileiro que se preocupa em estar atualizado com as novas tendências tecnológicas esses artigos eletrônicos estão a cada dia mais presentes nas compras dos brasileiros. 8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS http://webinsider.com.br/2013/02/01/o-estilo-de-vida-dos-consumidores-e-a-segmentacao-de- mercado/#sthash.GS8Eajvk.dpuf http://webinsider.com.br/2013/02/01/o-estilo-de-vida-dos-consumidores-e-a-segmentacao-de- mercado/ http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/desenvolvimento/longevidade-paises-vida-mais- menos-longa-mundoestranho-568167.shtml http://www.lidebr.com.br/popup/releases/imprensa_lide_jovem.html http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/revista/rev3205.pdf http://www.camara-e.net/2013/08/22/comercio-eletronico-movimenta-r-1274-bilhoes-no- primeiro-semestre/

×