SlideShare uma empresa Scribd logo
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA
DO PARÁ – CAMPUS CASTANHAL
PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL- PET AGRONOMIA
FÁBRICA DE APRENDIZAGEM 2016
AUTORES:
CARLOS ANDERSON SOUSA DE CARVALHO
JEAN MICHEL DA SILVA GUALDEZ
ANDREY RAFAEL
MIZAEL CARDOSO
LILIANE VIANA
ROSICLEIA DA SILVA
MATHEUS OSSAMU KONNO
ORIENTADORA:
PROFª. DR.ª LOUISE FERREIRA ROSAL
https://www.facebook.com/petagro.agronomia/
http://www.slideshare.net/Petagro
Transformando a natureza
a partir da compostagem em
pilha
2
SUMÁRIO
APRESENTAÇÃO ...........................................................3
1. O que é compostagem?.................................................4
2. Por que fazer compostagem?........................................4
3. O que posso usar para fazer compostagem? ................4
4. Ciclo e as fases da matéria orgânica.............................5
5. As fases da compostagem. ...........................................5
6. Produção da compostagem em pilha............................6
7. Fatores que influenciam a compostagem. ....................7
3
APRESENTAÇÃO
Caro leitor,
Essa cartilha foi elaborada para auxiliar na produção
de composto orgânico. Esse material descreve os principais
processos para o reaproveitamento de resíduos na produção
de composto para uso na produção de alimentos orgânicos.
4
1 O que é compostagem?
Compostagem é o processo de decomposição da
matéria orgânica (restos de alimentos, frutas, verduras,
cascas, folhas, podas de árvores, dejetos de origem animal,
entre outros) pela ação de micro-organismos, resultante em
um composto orgânico usado para enriquecer o solo.
A compostagem é controlada por atividade
microbiológica, que é influenciada pela composição do
material de partida (relação carbono/nitrogênio), aeração
(uso do oxigênio) e umidade. As substâncias nutritivas,
como 6 carboidratos, aminoácidos, lipídios e proteínas, são
rapidamente decompostas pelos microrganismos. Essa
reação libera energia na forma de calor e conduz à formação
de gás carbônico e água. A decomposição de celulose e
lignina forma o material húmico, que pode ser considerado
produto final da compostagem, ou seja, o próprio composto
(PEREIRA, 2007).
2 Por que fazer compostagem?
A compostagem em pilha é um processo ecológico e
sustentável, uma vez que implica no reaproveitamento de
resíduos sólidos, através da sua transformação num
composto fertilizante que pode ser usado como fonte de
nutrientes e corretivo do solo nos campos de cultivo como
hortas, árvores frutíferas, jardins e quintais.
Além disso, o composto é uma fonte de nutrientes,
podendo ser usado em solos contribuindo na melhoria da
qualidade química, física e microbiológica do solo, além de
ser um ótimo substituto do uso de fertilizantes químicos
diminuindo os custos de produção.
3 O que posso usar para fazer compostagem?
Podem ser usados todos os resíduos orgânico, porém
é importante conhecer as relações dos resíduos que poderão
ser usados na produção do composto, como os de maior
concentração em carbono e os de maior concentração em
nitrogênio.
Os resíduos ricos em carbono que podem ser usados
são: restos de legumes, verduras, frutas, galhos de poda,
palhas secas, aparos de gramas, folhas, galho e cascas de
arvores e os resíduos ricos em nitrogênio que podem ser
5
usados são: esterco de animais como ovinos, caprinos,
bovinos, frangos, lodo de curtume e leguminosas.
Ressaltando que a proporção estabelecida para uma boa
compostagem deve ser uma proporção de 30 partes de
carbono (C) para 1 nitrogênio (N), e que não seja usado
produtos putrescíveis ou de difícil decomposição como
resíduos de carne, ossos, gordura ou substância poluentes
inorgânicas.
4 Ciclo e as fases da matéria orgânica
A compostagem permite a reciclagem da matéria
orgânica, evitando que seja depositada em aterros sanitários
e possibilita a produção de um fertilizante orgânico natural
retornando como produto ao sistema, isto é,
retroalimentando o sistema de acordo ilustração abaixo.
5 As fases da compostagem
A compostagem passa por três fases distintas:
Fase da decomposição da matéria orgânica
facilmente degradável, a temperatura pode atingir cerca de
6
65 ºC-70°C, favorecendo a eliminação de microrganismo
patogênicos;
Fase de bioestabilização ou maturação onde a
temperatura atinge de 30ºC-45°C, sendo a fase de mais
longa de todo o processo variando de dois a quatro meses;
Na Fase de humificação ou degradação a celulose e
a lignina são transformadas em substancias húmicas e
podem aparecer minhocas no composto caracterizando
assim seu estado apropriado de uso apresentando uma
coloração semelhante à de terra vegetal, a temperatura
diminui para 25 ºC-30°C, ou seja, mesma que a temperatura
ambiente.
As três fases são demonstradas na ilustração abaixo:
Variações de temperatura durante as três etapas da compostagem.
6 Produção da compostagem em pilha
Consiste em amontoar o material a compostar em
forma de pilha tipo
pirâmide com no máximo
1,5 m de altura e 3 m de
diâmetro, intercalando as
camadas de restos de
vegetais secos com
estercos de animais ou
quaisquer resíduos ricos
em N disponível na
propriedade. Os resíduos devem ter dimensões pequenas,
quando necessário devem ser picados pois, quanto menor a
granulometria melhor será a decomposição. Deve-se
misturar uniformemente os
resíduos orgânicos, ou seja, o
material rico em fonte de C
com o material rico em fonte
em N, recomenda-se não
juntar grandes quantidades
de um único tipo de material.
Na construção da pilha
de compostagem deve-se
alternar as camadas de resíduos de com fontes N e C,
revolvendo as pilhas periodicamente para a aeração do
material.
7
Recomenda-se que a primeira camada seja de
material seco para que não haja compactação dos resíduos e
permitir o escoamento da água e aeração.
O tempo para decompor a matéria orgânica depende
de diversos fatores. Quanto maior o controle, mais rápido
será o processo. Se os resíduos forem adicionados
adequadamente, mantida a umidade necessária e a pilha
revolvida de 3 em 3 dias, o composto estará pronto dentro
de três a quatro meses a partir do momento que apresentar
uma coloração marrom e quando esfregado em mãos, estas
não ficarem sujas.
O armazenamento pode ser feito através de sacos,
facilitando o manuseio e o transporte para o uso ou para
comercialização.
Representação em fluxograma:
Corte dos resíduos
Distribuição em camadas
Umedecer (dias secos)
Reviragem (a cada 3 dias)
Coloração marrom (pronto para o uso)
Armazenamento
7 Fatores que influenciam a compostagem
O tamanho dos resíduos orgânicos deverá estar
compreendido entre 3 e 7 cm, de acordo com a utilização do
produto final.
O ar durante o revolvimento da pilha de
compostagem é imprescindível para que a matéria orgânica
seja decomposta num ambiente aeróbio (presença de
oxigênio).
A umidade apropriada ajuda a decompor a matéria
orgânica, na ausência, ela compromete o funcionamento
natural da compostagem uma vez que é imprescindível para
o desenvolvimento da vida microbiológica.
A temperatura existente na pilha de compostagem é
resultado do trabalho dos microrganismos que decompõem
os resíduos orgânicos, sendo desejáveis temperatura em
torno de 55°C, em valores mais elevados passa ter um valor
inverso sobre os microrganismos.
Outros problemas, causas e soluções na composteira
podem ser melhor descritos na tabela abaixo.
Problema Causa possível Solução
Processo lento
Desproporcionalidade de
C e N, resíduos grandes
Adição de mais resíduos
com fontes em N, reviragem
Cheiro a podre
Umidade em excesso
Cobrir em períodos
chuvosos
Compactação Reviragem da pilha
Temperatura muito
baixa
Pilha pequena Aumente o tamanho da pilha
Umidade insuficiente Adiciona agua
8
Arejamento insuficiente Revire a pilha
Clima frio Cubra o composto
Falta de resíduos em N Adicione resíduos rico em N
Temperatura muito
alta
Pilha muito grande Diminua o tamanho
Arejamento insuficiente Revire a pilha
Pragas
Presença resto de carne,
peixe, ossos, gordura
Retire esses resíduos do
composto, se for formigas
composto quente e seco
solução regar
8 Referencia
PEREIRA NETO, J. T. Manual de compostagem: processo de baixo
custo. Viçosa - MG: UFV, 2007. P 81.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Compostagem Doméstica com minhocas
Compostagem Doméstica com minhocasCompostagem Doméstica com minhocas
Compostagem Doméstica com minhocas
Alexandre Panerai
 
A compostagem
A compostagemA compostagem
A compostagem
CarvalhalEco15
 
Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixo
João Siqueira da Mata
 
Projeto de compostagem santa rita (grupo turma 2013.2)
Projeto de compostagem   santa rita (grupo turma 2013.2)Projeto de compostagem   santa rita (grupo turma 2013.2)
Projeto de compostagem santa rita (grupo turma 2013.2)
Camila Tavora
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
mvezzone
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
Tânia Gonçalves
 
Composto organico
Composto organicoComposto organico
Composto organico
João Siqueira da Mata
 
Compostagem 17 11 2008
Compostagem 17 11 2008Compostagem 17 11 2008
Compostagem 17 11 2008
Ádila Faria
 
Compostagem doméstica
Compostagem doméstica  Compostagem doméstica
Compostagem doméstica
Fura Bolha
 
Compostagem areia
Compostagem   areiaCompostagem   areia
Compostagem areia
Ecoetrix Parquescola
 
Compostagem Domestica
Compostagem DomesticaCompostagem Domestica
Compostagem Domestica
Rota Orgânica
 
Aula 02 compostagem
Aula 02 compostagemAula 02 compostagem
Aula 02 compostagem
Luiz Murilo Rocha Câmara
 
Plalestra compostagem
Plalestra compostagemPlalestra compostagem
Plalestra compostagem
dgdsul3 verde
 
Slides compostagem
Slides compostagemSlides compostagem
Slides compostagem
paulo roberto
 
Compostagem G.VINICIUS
Compostagem G.VINICIUSCompostagem G.VINICIUS
Compostagem G.VINICIUS
GVinicius Silva
 
Guia Compostagem Doméstica
Guia Compostagem DomésticaGuia Compostagem Doméstica
Guia Compostagem Doméstica
Rota Orgânica
 
Apresentação - compostagem - UFJF
Apresentação - compostagem - UFJFApresentação - compostagem - UFJF
Apresentação - compostagem - UFJF
Universidade Federal de Juiz de Fora
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
Edimara Peri
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
fernandaataide55
 
Compostagem domestica
Compostagem domesticaCompostagem domestica
Compostagem domestica
mvezzone
 

Mais procurados (20)

Compostagem Doméstica com minhocas
Compostagem Doméstica com minhocasCompostagem Doméstica com minhocas
Compostagem Doméstica com minhocas
 
A compostagem
A compostagemA compostagem
A compostagem
 
Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixo
 
Projeto de compostagem santa rita (grupo turma 2013.2)
Projeto de compostagem   santa rita (grupo turma 2013.2)Projeto de compostagem   santa rita (grupo turma 2013.2)
Projeto de compostagem santa rita (grupo turma 2013.2)
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
 
Composto organico
Composto organicoComposto organico
Composto organico
 
Compostagem 17 11 2008
Compostagem 17 11 2008Compostagem 17 11 2008
Compostagem 17 11 2008
 
Compostagem doméstica
Compostagem doméstica  Compostagem doméstica
Compostagem doméstica
 
Compostagem areia
Compostagem   areiaCompostagem   areia
Compostagem areia
 
Compostagem Domestica
Compostagem DomesticaCompostagem Domestica
Compostagem Domestica
 
Aula 02 compostagem
Aula 02 compostagemAula 02 compostagem
Aula 02 compostagem
 
Plalestra compostagem
Plalestra compostagemPlalestra compostagem
Plalestra compostagem
 
Slides compostagem
Slides compostagemSlides compostagem
Slides compostagem
 
Compostagem G.VINICIUS
Compostagem G.VINICIUSCompostagem G.VINICIUS
Compostagem G.VINICIUS
 
Guia Compostagem Doméstica
Guia Compostagem DomésticaGuia Compostagem Doméstica
Guia Compostagem Doméstica
 
Apresentação - compostagem - UFJF
Apresentação - compostagem - UFJFApresentação - compostagem - UFJF
Apresentação - compostagem - UFJF
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
 
Compostagem domestica
Compostagem domesticaCompostagem domestica
Compostagem domestica
 

Destaque

Nutrición
NutriciónNutrición
Ijasah, Transkrip, Sertifikat
Ijasah, Transkrip, SertifikatIjasah, Transkrip, Sertifikat
Ijasah, Transkrip, SertifikatArahon Fransiska
 
Paola andrea jaimes
Paola andrea jaimesPaola andrea jaimes
Paola andrea jaimes
PaoLiita JaiiMez
 
Tips for preparing your resume by Mahantesh Biradar
Tips for preparing your resume by Mahantesh BiradarTips for preparing your resume by Mahantesh Biradar
Tips for preparing your resume by Mahantesh Biradar
Mahantesh Biradar
 
Fuentes dependientes
Fuentes dependientesFuentes dependientes
Fuentes dependientes
Maria Francia Tachinamo
 
Your Third-Party Vendor's Risk Is Your Risk, Too
Your Third-Party Vendor's Risk Is Your Risk, Too Your Third-Party Vendor's Risk Is Your Risk, Too
Your Third-Party Vendor's Risk Is Your Risk, Too
MHM (Mayer Hoffman McCann P.C.)
 
שיעור 5 - רן אלפא
 שיעור 5 - רן אלפא שיעור 5 - רן אלפא
שיעור 5 - רן אלפא
ran alfa
 
How the CFO can Fuel Sales with Data Inspiration
How the CFO can Fuel Sales with Data InspirationHow the CFO can Fuel Sales with Data Inspiration
How the CFO can Fuel Sales with Data Inspiration
Dun & Bradstreet
 
Normas internacionales de información financiera (niif)
Normas internacionales de información financiera (niif)Normas internacionales de información financiera (niif)
Normas internacionales de información financiera (niif)
Yuranis Medina
 

Destaque (9)

Nutrición
NutriciónNutrición
Nutrición
 
Ijasah, Transkrip, Sertifikat
Ijasah, Transkrip, SertifikatIjasah, Transkrip, Sertifikat
Ijasah, Transkrip, Sertifikat
 
Paola andrea jaimes
Paola andrea jaimesPaola andrea jaimes
Paola andrea jaimes
 
Tips for preparing your resume by Mahantesh Biradar
Tips for preparing your resume by Mahantesh BiradarTips for preparing your resume by Mahantesh Biradar
Tips for preparing your resume by Mahantesh Biradar
 
Fuentes dependientes
Fuentes dependientesFuentes dependientes
Fuentes dependientes
 
Your Third-Party Vendor's Risk Is Your Risk, Too
Your Third-Party Vendor's Risk Is Your Risk, Too Your Third-Party Vendor's Risk Is Your Risk, Too
Your Third-Party Vendor's Risk Is Your Risk, Too
 
שיעור 5 - רן אלפא
 שיעור 5 - רן אלפא שיעור 5 - רן אלפא
שיעור 5 - רן אלפא
 
How the CFO can Fuel Sales with Data Inspiration
How the CFO can Fuel Sales with Data InspirationHow the CFO can Fuel Sales with Data Inspiration
How the CFO can Fuel Sales with Data Inspiration
 
Normas internacionales de información financiera (niif)
Normas internacionales de información financiera (niif)Normas internacionales de información financiera (niif)
Normas internacionales de información financiera (niif)
 

Semelhante a Transformando a Natureza a partir da Compostagem em Pilha

Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixo
Alexandre Panerai
 
Aula_O que é Compostagem.pdf
Aula_O que é Compostagem.pdfAula_O que é Compostagem.pdf
Aula_O que é Compostagem.pdf
Erica Dos Anjos
 
Compostagem doméstica do lixo
Compostagem doméstica do lixoCompostagem doméstica do lixo
Compostagem doméstica do lixo
Magno José Silva
 
Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixo
miriammorata
 
Técnicas de Compostagem.pptx
Técnicas de Compostagem.pptxTécnicas de Compostagem.pptx
Técnicas de Compostagem.pptx
André Moreira
 
Mini apostila prática- compostagem em pequenos locais
Mini apostila prática- compostagem em pequenos locaisMini apostila prática- compostagem em pequenos locais
Mini apostila prática- compostagem em pequenos locais
Alexandre Panerai
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
Disley Prates
 
Compostagem bruna e danilo 4 c
Compostagem bruna e danilo 4 cCompostagem bruna e danilo 4 c
Compostagem bruna e danilo 4 c
4canisioprofessoracleide
 
Composta no Bairro - Correio Popular
Composta no Bairro - Correio PopularComposta no Bairro - Correio Popular
Composta no Bairro - Correio Popular
Novaterra Ambiental
 
Vermicompostagem de Esterco Bovino
Vermicompostagem de Esterco BovinoVermicompostagem de Esterco Bovino
Vermicompostagem de Esterco Bovino
PET Agronomia IFPA
 
Folder de compostagem e vermicompostagem doméstica
Folder de compostagem e vermicompostagem domésticaFolder de compostagem e vermicompostagem doméstica
Folder de compostagem e vermicompostagem doméstica
Andre Santachiara Fossaluza
 
Compostagem carlos e anderson 4 ºc
Compostagem carlos e anderson 4 ºcCompostagem carlos e anderson 4 ºc
Compostagem carlos e anderson 4 ºc
4canisioprofessoracleide
 
tec 4
tec 4tec 4
tec 4
Eduardo1
 
Tratamento de resíduos 9ºa
Tratamento de resíduos 9ºaTratamento de resíduos 9ºa
Tratamento de resíduos 9ºa
Raúl Freitas
 
Embrapa produção de humus de minhoca com resíduos domiciliares
Embrapa produção de humus de minhoca com resíduos domiciliaresEmbrapa produção de humus de minhoca com resíduos domiciliares
Embrapa produção de humus de minhoca com resíduos domiciliares
Alexandre Panerai
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
ketlinsantos
 
Trabalho de Grupo sobre a Reciclagem
Trabalho de Grupo sobre a ReciclagemTrabalho de Grupo sobre a Reciclagem
Trabalho de Grupo sobre a Reciclagem
celiamagalhaes
 
Fespsp 2010
Fespsp 2010Fespsp 2010
Fespsp 2010
mariofflorestal
 
Compostagem.pdf
Compostagem.pdfCompostagem.pdf
Compostagem.pdf
NelsonFernandes140519
 
Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliças
Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliçasAdubação no sistema orgânico de produção de hortaliças
Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliças
João Siqueira da Mata
 

Semelhante a Transformando a Natureza a partir da Compostagem em Pilha (20)

Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixo
 
Aula_O que é Compostagem.pdf
Aula_O que é Compostagem.pdfAula_O que é Compostagem.pdf
Aula_O que é Compostagem.pdf
 
Compostagem doméstica do lixo
Compostagem doméstica do lixoCompostagem doméstica do lixo
Compostagem doméstica do lixo
 
Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixo
 
Técnicas de Compostagem.pptx
Técnicas de Compostagem.pptxTécnicas de Compostagem.pptx
Técnicas de Compostagem.pptx
 
Mini apostila prática- compostagem em pequenos locais
Mini apostila prática- compostagem em pequenos locaisMini apostila prática- compostagem em pequenos locais
Mini apostila prática- compostagem em pequenos locais
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
 
Compostagem bruna e danilo 4 c
Compostagem bruna e danilo 4 cCompostagem bruna e danilo 4 c
Compostagem bruna e danilo 4 c
 
Composta no Bairro - Correio Popular
Composta no Bairro - Correio PopularComposta no Bairro - Correio Popular
Composta no Bairro - Correio Popular
 
Vermicompostagem de Esterco Bovino
Vermicompostagem de Esterco BovinoVermicompostagem de Esterco Bovino
Vermicompostagem de Esterco Bovino
 
Folder de compostagem e vermicompostagem doméstica
Folder de compostagem e vermicompostagem domésticaFolder de compostagem e vermicompostagem doméstica
Folder de compostagem e vermicompostagem doméstica
 
Compostagem carlos e anderson 4 ºc
Compostagem carlos e anderson 4 ºcCompostagem carlos e anderson 4 ºc
Compostagem carlos e anderson 4 ºc
 
tec 4
tec 4tec 4
tec 4
 
Tratamento de resíduos 9ºa
Tratamento de resíduos 9ºaTratamento de resíduos 9ºa
Tratamento de resíduos 9ºa
 
Embrapa produção de humus de minhoca com resíduos domiciliares
Embrapa produção de humus de minhoca com resíduos domiciliaresEmbrapa produção de humus de minhoca com resíduos domiciliares
Embrapa produção de humus de minhoca com resíduos domiciliares
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
Trabalho de Grupo sobre a Reciclagem
Trabalho de Grupo sobre a ReciclagemTrabalho de Grupo sobre a Reciclagem
Trabalho de Grupo sobre a Reciclagem
 
Fespsp 2010
Fespsp 2010Fespsp 2010
Fespsp 2010
 
Compostagem.pdf
Compostagem.pdfCompostagem.pdf
Compostagem.pdf
 
Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliças
Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliçasAdubação no sistema orgânico de produção de hortaliças
Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliças
 

Transformando a Natureza a partir da Compostagem em Pilha

  • 1. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ – CAMPUS CASTANHAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL- PET AGRONOMIA FÁBRICA DE APRENDIZAGEM 2016 AUTORES: CARLOS ANDERSON SOUSA DE CARVALHO JEAN MICHEL DA SILVA GUALDEZ ANDREY RAFAEL MIZAEL CARDOSO LILIANE VIANA ROSICLEIA DA SILVA MATHEUS OSSAMU KONNO ORIENTADORA: PROFª. DR.ª LOUISE FERREIRA ROSAL https://www.facebook.com/petagro.agronomia/ http://www.slideshare.net/Petagro Transformando a natureza a partir da compostagem em pilha
  • 2. 2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO ...........................................................3 1. O que é compostagem?.................................................4 2. Por que fazer compostagem?........................................4 3. O que posso usar para fazer compostagem? ................4 4. Ciclo e as fases da matéria orgânica.............................5 5. As fases da compostagem. ...........................................5 6. Produção da compostagem em pilha............................6 7. Fatores que influenciam a compostagem. ....................7
  • 3. 3 APRESENTAÇÃO Caro leitor, Essa cartilha foi elaborada para auxiliar na produção de composto orgânico. Esse material descreve os principais processos para o reaproveitamento de resíduos na produção de composto para uso na produção de alimentos orgânicos.
  • 4. 4 1 O que é compostagem? Compostagem é o processo de decomposição da matéria orgânica (restos de alimentos, frutas, verduras, cascas, folhas, podas de árvores, dejetos de origem animal, entre outros) pela ação de micro-organismos, resultante em um composto orgânico usado para enriquecer o solo. A compostagem é controlada por atividade microbiológica, que é influenciada pela composição do material de partida (relação carbono/nitrogênio), aeração (uso do oxigênio) e umidade. As substâncias nutritivas, como 6 carboidratos, aminoácidos, lipídios e proteínas, são rapidamente decompostas pelos microrganismos. Essa reação libera energia na forma de calor e conduz à formação de gás carbônico e água. A decomposição de celulose e lignina forma o material húmico, que pode ser considerado produto final da compostagem, ou seja, o próprio composto (PEREIRA, 2007). 2 Por que fazer compostagem? A compostagem em pilha é um processo ecológico e sustentável, uma vez que implica no reaproveitamento de resíduos sólidos, através da sua transformação num composto fertilizante que pode ser usado como fonte de nutrientes e corretivo do solo nos campos de cultivo como hortas, árvores frutíferas, jardins e quintais. Além disso, o composto é uma fonte de nutrientes, podendo ser usado em solos contribuindo na melhoria da qualidade química, física e microbiológica do solo, além de ser um ótimo substituto do uso de fertilizantes químicos diminuindo os custos de produção. 3 O que posso usar para fazer compostagem? Podem ser usados todos os resíduos orgânico, porém é importante conhecer as relações dos resíduos que poderão ser usados na produção do composto, como os de maior concentração em carbono e os de maior concentração em nitrogênio. Os resíduos ricos em carbono que podem ser usados são: restos de legumes, verduras, frutas, galhos de poda, palhas secas, aparos de gramas, folhas, galho e cascas de arvores e os resíduos ricos em nitrogênio que podem ser
  • 5. 5 usados são: esterco de animais como ovinos, caprinos, bovinos, frangos, lodo de curtume e leguminosas. Ressaltando que a proporção estabelecida para uma boa compostagem deve ser uma proporção de 30 partes de carbono (C) para 1 nitrogênio (N), e que não seja usado produtos putrescíveis ou de difícil decomposição como resíduos de carne, ossos, gordura ou substância poluentes inorgânicas. 4 Ciclo e as fases da matéria orgânica A compostagem permite a reciclagem da matéria orgânica, evitando que seja depositada em aterros sanitários e possibilita a produção de um fertilizante orgânico natural retornando como produto ao sistema, isto é, retroalimentando o sistema de acordo ilustração abaixo. 5 As fases da compostagem A compostagem passa por três fases distintas: Fase da decomposição da matéria orgânica facilmente degradável, a temperatura pode atingir cerca de
  • 6. 6 65 ºC-70°C, favorecendo a eliminação de microrganismo patogênicos; Fase de bioestabilização ou maturação onde a temperatura atinge de 30ºC-45°C, sendo a fase de mais longa de todo o processo variando de dois a quatro meses; Na Fase de humificação ou degradação a celulose e a lignina são transformadas em substancias húmicas e podem aparecer minhocas no composto caracterizando assim seu estado apropriado de uso apresentando uma coloração semelhante à de terra vegetal, a temperatura diminui para 25 ºC-30°C, ou seja, mesma que a temperatura ambiente. As três fases são demonstradas na ilustração abaixo: Variações de temperatura durante as três etapas da compostagem. 6 Produção da compostagem em pilha Consiste em amontoar o material a compostar em forma de pilha tipo pirâmide com no máximo 1,5 m de altura e 3 m de diâmetro, intercalando as camadas de restos de vegetais secos com estercos de animais ou quaisquer resíduos ricos em N disponível na propriedade. Os resíduos devem ter dimensões pequenas, quando necessário devem ser picados pois, quanto menor a granulometria melhor será a decomposição. Deve-se misturar uniformemente os resíduos orgânicos, ou seja, o material rico em fonte de C com o material rico em fonte em N, recomenda-se não juntar grandes quantidades de um único tipo de material. Na construção da pilha de compostagem deve-se alternar as camadas de resíduos de com fontes N e C, revolvendo as pilhas periodicamente para a aeração do material.
  • 7. 7 Recomenda-se que a primeira camada seja de material seco para que não haja compactação dos resíduos e permitir o escoamento da água e aeração. O tempo para decompor a matéria orgânica depende de diversos fatores. Quanto maior o controle, mais rápido será o processo. Se os resíduos forem adicionados adequadamente, mantida a umidade necessária e a pilha revolvida de 3 em 3 dias, o composto estará pronto dentro de três a quatro meses a partir do momento que apresentar uma coloração marrom e quando esfregado em mãos, estas não ficarem sujas. O armazenamento pode ser feito através de sacos, facilitando o manuseio e o transporte para o uso ou para comercialização. Representação em fluxograma: Corte dos resíduos Distribuição em camadas Umedecer (dias secos) Reviragem (a cada 3 dias) Coloração marrom (pronto para o uso) Armazenamento 7 Fatores que influenciam a compostagem O tamanho dos resíduos orgânicos deverá estar compreendido entre 3 e 7 cm, de acordo com a utilização do produto final. O ar durante o revolvimento da pilha de compostagem é imprescindível para que a matéria orgânica seja decomposta num ambiente aeróbio (presença de oxigênio). A umidade apropriada ajuda a decompor a matéria orgânica, na ausência, ela compromete o funcionamento natural da compostagem uma vez que é imprescindível para o desenvolvimento da vida microbiológica. A temperatura existente na pilha de compostagem é resultado do trabalho dos microrganismos que decompõem os resíduos orgânicos, sendo desejáveis temperatura em torno de 55°C, em valores mais elevados passa ter um valor inverso sobre os microrganismos. Outros problemas, causas e soluções na composteira podem ser melhor descritos na tabela abaixo. Problema Causa possível Solução Processo lento Desproporcionalidade de C e N, resíduos grandes Adição de mais resíduos com fontes em N, reviragem Cheiro a podre Umidade em excesso Cobrir em períodos chuvosos Compactação Reviragem da pilha Temperatura muito baixa Pilha pequena Aumente o tamanho da pilha Umidade insuficiente Adiciona agua
  • 8. 8 Arejamento insuficiente Revire a pilha Clima frio Cubra o composto Falta de resíduos em N Adicione resíduos rico em N Temperatura muito alta Pilha muito grande Diminua o tamanho Arejamento insuficiente Revire a pilha Pragas Presença resto de carne, peixe, ossos, gordura Retire esses resíduos do composto, se for formigas composto quente e seco solução regar 8 Referencia PEREIRA NETO, J. T. Manual de compostagem: processo de baixo custo. Viçosa - MG: UFV, 2007. P 81.