SlideShare uma empresa Scribd logo
“A Compostagem”
06 de fevereiro de 2015
“A Compostagem”
• O que é a Compostagem?
• Para que serve a Compostagem?
• Que resíduos se pode colocar no
Compostor?
• Qual o material que é necessário para fazer
Compostagem?
• Como se produz o Composto?
• Problemas que podem surgir
• Razões para Compostar
O que é a Compostagem?
Composto
Para ser utilizado como Adubo
• A compostagem é um processo de valorização da matéria orgânica:
- Resíduos Domésticos;
- Resíduos do Jardim.
• Decomposição biológica da
matéria orgânica por ação de
microrganismos que na presença
de oxigénio (processo aeróbio),
origina:
“A Compostagem”
O que é a Compostagem?
• A compostagem permite ao cidadão valorizar/reciclar os seus
resíduos orgânicos (matéria orgânica) no próprio jardim,
quintal, escola.
• Na natureza, este fenómeno também ocorre mas sem a
intervenção humana: os restos de animais e vegetais mortos
são decompostos e transformados em húmus.
“A Compostagem”
Para que serve a Compostagem?
• Reciclar os restos de
comida e resíduos vegetais
de casa, escola, jardim ou
horta, que teriam como
destino final o Aterro
Sanitário.
• Produzir um fertilizante
natural que não polui o solo
com produtos químicos,
que servirá para as plantas
da horta e/ou jardim de
casa ou da escola
crescerem saudáveis.
“A Compostagem”
Que resíduos se pode colocar no Compostor?
• Resíduos produzidos
em casa e na escola.
“A Compostagem”
Que resíduos se podem colocar no Compostor?
• Todos os materiais orgânicos contêm uma mistura
de carbono (C) e azoto (N), conhecida como razão
C:N
– Os resíduos orgânicos que podem ser compostados
classificam-se em castanhos e verdes;
– Os resíduos castanhos contêm maior proporção de
carbono (C), sendo geralmente secos;
– Os resíduos verdes têm maior proporção de azoto (N),
sendo geralmente húmidos.
– Para que a compostagem decorra da melhor forma, é
necessário ter uma grande variedade de resíduos.
“A Compostagem”
“A Compostagem”
“A Compostagem”
Qual o material que é necessário para fazer
Compostagem?
“A Compostagem”
Material Necessário:
Compostor Saco de composto
acelerado
Vara para
arejamento
Peneira
“A Compostagem”
Tipos de compostor
“A Compostagem”
Como se produz o Composto?
• 1 - Instalar o compostor
“A Compostagem”
• Localização do compostor:
– O compostor deve ser colocado num local de fácil acesso, de
preferência em cima da terra de modo a possibilitar a drenagem
da água e a entrada de microrganismos benéficos do solo para
a pilha de compostagem.
– Em locais de clima seco, com temperaturas mais elevadas, o
compostor deve localizar-se debaixo de uma árvore, que
proporciona sombra durante parte do dia e evita a secagem e
arrefecimento do composto.
– Em locais onde a chuva é frequente, convém cobrir o compostor
porque o excesso de água atrasará a decomposição.
Instalar o Compustor
“A Compostagem”
Como se produz o composto?
“A Compostagem”
• 2 - Preparar os materiais para colocar no compostor
Preparar os materiais para colocar no compustor
“A Compostagem”
• Corte os resíduos castanhos e verdes em pequenos pedaços.
• No fundo do compostor coloque aleatoriamente ramos grossos
(promovendo o arejamento e impedindo a compactação).
• Adicione uma camada de 5 a 10 cm de resíduos castanhos.
• Adicione no máximo uma mão cheia de terra ou composto
acelerador; esta quantidade conterá microrganismos suficientes
para iniciar o processo de compostagem (os próprios resíduos que
adicionar também contêm microrganismos).
Preparar os materiais para colocar no compustor
“A Compostagem”
• Adicione uma camada de resíduos verdes.
• Cubra com outra camada de resíduos castanhos.
• Regue cada camada de forma a manter um teor de humidade
adequado.
• Repita este processo até obter cerca de 1 m de altura. As camadas
podem ser adicionadas todas de uma vez ou à medida que os
materiais vão ficando disponíveis.
• A última camada a adicionar deve ser sempre de resíduos castanhos,
para diminuir os problemas de odores e a proliferação de insetos e
outros animais indesejáveis.
Como se produz o Composto?
“A Compostagem”
• 3 – Controlar a temperatura, humidade e ar durante o
processo de compostagem
Controlar a temperatura, humidade e ar durante o processo de
compostagem
“A Compostagem”
• Temperatura:
– A temperatura existente na pilha de compostagem é resultado
do trabalho dos microrganismos que decompõem os resíduos
orgânicos. São desejáveis temperaturas de 55 ºC.
– Para valores muito elevados a temperatura passa a ter um efeito
inverso sobre os microrganismos, retardando, e até eliminando,
a actividade microbiana.
– No entanto, se a sua pilha de compostagem não atingir a
temperatura ideal, não se preocupe, uma compostagem a
temperaturas um pouco mais baixas também funciona.
Controlar a temperatura, humidade e ar durante o processo de
compostagem
“A Compostagem”
• Humidade:
– Os microrganismos que decompõem a matéria orgânica
necessitam de humidade para se movimentarem na pilha e para
decompor os materiais.
– Uma forma simples de testar a humidade na pilha é retirar um
pouco dos materiais presentes na pilha de compostagem e apertá-
los na mão, se a humidade for a ideal devem escorrer por entre os
dedos algumas gotas de água.
Controlar a temperatura, humidade e ar durante o processo de
compostagem
“A Compostagem”
• Ar:
– O revolvimento da pilha de compostagem é imprescindível para
que a matéria orgânica seja decomposta num ambiente aeróbio (na
presença de oxigénio).
– Uma das formas de arejar a pilha de compostagem é remexer os
materiais com uma forqueta de arejamento ou com um ancinho;
remexer a pilha é também importante para a compostagem, uma
vez que promove a mistura dos diferentes materiais.
Como se produz o Composto?
“A Compostagem”
• 3 – O composto está pronto a ser utilizado como fertilizante
passados 3 a 6 meses do inicio do processo.
• Deve apresentar as seguintes
características:
- Aspeto homogéneo;
- Textura semelhante a terra;
– - Cor castanha;
– - Cheiro a floresta.
O composto está pronto a ser utilizado como fertilizante
passados 3 a 6 meses do inicio do processo.
“A Compostagem”
• O tempo para degradar a matéria orgânica no compostor depende de
diversos fatores.
• Se as necessidades da pilha forem atendidas, se os resíduos forem
adicionados em pequenas dimensões, alternando camadas de
resíduos verdes com resíduos castanhos, mantendo o nível óptimo de
humidade e remexendo a pilha 3 vezes por semana, o composto
poderá estar pronto em 2 a 3 meses.
• Se o material for adicionado continuamente, a pilha remexida
ocasionalmente e a humidade controlada, o composto estará pronto
ao fim de 3 a 6 meses.
O composto está pronto a ser utilizado como fertilizante
passados 3 a 6 meses do inicio do processo.
“A Compostagem”
• Quando o composto estiver pronto deve retirá-lo da pilha de
compostagem. Pode usar um crivo ou peneira para separar o material
que ainda não foi degradado.
• Deixe o composto repousar 2 a 4 semanas antes da sua aplicação,
especialmente em plantas sensíveis. Esta fase de repouso é
designada por fase de maturação.
• A utilização do composto é aconselhada nos:
– Canteiros para a plantação de hortaliças e legumes;
– Caldeiras das árvores e junto a arbustos;
– Canteiros para flores, plantas decorativas e aromáticas;
– Vasos para flores e plantas de casa.
Problemas que podem surgir!
“A Compostagem”
Processo lento
Materiais adicionados:
Demasiados resíduos
castanhos ou demasiado
grandes
Adicionar resíduos verdes, cortar
materiais em pedaços mais pequenos
e revirar a pilha
Cheiro a podre
(libertação de amónia)
Humidade em excesso
Demasiados resíduos
verdes
Revirar a pilha regularmente, adicionar
resíduos castanhos: se a pilha persistir
em ficar húmida, remover a tampa em
dias com sol.
Pragas
Presença de restos de
carne, peixe, ossos, molhos
ou gordura
Retirar esses tipos de alimentos da
pilha e cobri-los com uma camada de
solo ou resíduos castanhos; pode-se
usar também um compostor à prova
de roedores ou revirar a pilha para
aumentar a temperatura; se houver
formigas, a pilha está muito seca e
deve-se regar.
Problemas que podem surgir!
“A Compostagem”
Temperatura muito
baixa
Pilha demasiado pequena Aumentar o tamanho da pilha
Humidade insuficiente
Adicionar água (regador) quando
revirar a pilha ou cobrir a parte
superior da pilha: Tirar a tampa do
compostor quando chover
Arejamento insuficiente Revirar a pilha
Falta de azoto Adicionar resíduos verdes
Clima frio
Aumentar o tamanho da pilha ou isolá-
la com um material como palha
Temperatura muito
alta
Pilha muito grande Diminuir o tamanho da pilha
Arejamento insuficiente Revirar a pilha
Razões para Compostar
“A Compostagem”
• Diminuição da quantidade de resíduos orgânicos depositados no lixo
indiferenciado e enviados para aterro (forma de tratamento dos
resíduos);
• Contribui para o aumento da fertilidade dos solos, através da retenção
de nutrientes (azoto, fósforo e potássio), reduzindo-se assim a
utilização de fertilizantes químicos;
• Uma fonte de descobertas (alunos observam o processo de
degradação da matéria orgânica e percebem as vantagens da sua
utilização).
“A Compostagem”
“A Compostagem”
Data Materiais adicionados
Temperatura
Ambiente
(ºC)
Temperatura
do Composto
(ºC)
verdes castanhos
resíduos
cozinha
pH
Humidade Volteamento
Observações
seco húmido boa Sim Não

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Agroecologia hoje
Agroecologia hojeAgroecologia hoje
Agroecologia hoje
igor-oliveira
 
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas  plantasControle alternativo de pragas e doenças nas  plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
João Siqueira da Mata
 
Adubação Verde
Adubação VerdeAdubação Verde
Adubação Verde
Marynara Barros
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Educação Ambiental Infantil
Educação Ambiental InfantilEducação Ambiental Infantil
Educação Ambiental Infantil
mpaffetti
 
AULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.pptAULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.ppt
UFV
 
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o ProdutorAgricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Idesam
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Aula de compostagem
Aula de  compostagemAula de  compostagem
Aula de compostagem
Wagner Oliveira Prestes
 
Plalestra compostagem
Plalestra compostagemPlalestra compostagem
Plalestra compostagem
dgdsul3 verde
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
Geagra UFG
 
Agricultura orgânica
Agricultura orgânicaAgricultura orgânica
Agricultura orgânica
Lilianlbl
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
Jane Mary Lima Castro
 
A compostagem
A compostagemA compostagem
A compostagem
pief2
 
Agroecologia e Agricultura Orgânica
Agroecologia e Agricultura OrgânicaAgroecologia e Agricultura Orgânica
Agroecologia e Agricultura Orgânica
Milena Loures
 
Agrotoxicos slide
Agrotoxicos slideAgrotoxicos slide
Agrotoxicos slide
lunacarolyne
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvelMeio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
janeibe
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
lucasvinicius98
 
Horticultura e educação ambiental
Horticultura e educação ambientalHorticultura e educação ambiental
Horticultura e educação ambiental
Marcelo Rigotti
 
Teoria e métodos em Agroecologia
Teoria e métodos em AgroecologiaTeoria e métodos em Agroecologia
Teoria e métodos em Agroecologia
Diogo Silva
 

Mais procurados (20)

Agroecologia hoje
Agroecologia hojeAgroecologia hoje
Agroecologia hoje
 
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas  plantasControle alternativo de pragas e doenças nas  plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
 
Adubação Verde
Adubação VerdeAdubação Verde
Adubação Verde
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
 
Educação Ambiental Infantil
Educação Ambiental InfantilEducação Ambiental Infantil
Educação Ambiental Infantil
 
AULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.pptAULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.ppt
 
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o ProdutorAgricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do Solo
 
Aula de compostagem
Aula de  compostagemAula de  compostagem
Aula de compostagem
 
Plalestra compostagem
Plalestra compostagemPlalestra compostagem
Plalestra compostagem
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
 
Agricultura orgânica
Agricultura orgânicaAgricultura orgânica
Agricultura orgânica
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
 
A compostagem
A compostagemA compostagem
A compostagem
 
Agroecologia e Agricultura Orgânica
Agroecologia e Agricultura OrgânicaAgroecologia e Agricultura Orgânica
Agroecologia e Agricultura Orgânica
 
Agrotoxicos slide
Agrotoxicos slideAgrotoxicos slide
Agrotoxicos slide
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvelMeio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
 
Horticultura e educação ambiental
Horticultura e educação ambientalHorticultura e educação ambiental
Horticultura e educação ambiental
 
Teoria e métodos em Agroecologia
Teoria e métodos em AgroecologiaTeoria e métodos em Agroecologia
Teoria e métodos em Agroecologia
 

Semelhante a A compostagem

Produção de adubos orgânicos
Produção de adubos orgânicos Produção de adubos orgânicos
Produção de adubos orgânicos
PauloRicardoRibeirod2
 
tec 4
tec 4tec 4
tec 4
Eduardo1
 
Pocesso compostagem caseiro.pdf
Pocesso compostagem caseiro.pdfPocesso compostagem caseiro.pdf
Pocesso compostagem caseiro.pdf
NelsonFernandes140519
 
Cartilha completa corrigida
Cartilha completa corrigidaCartilha completa corrigida
Cartilha completa corrigida
LeandroSantos137405
 
Compostagem Domestica
Compostagem DomesticaCompostagem Domestica
Compostagem Domestica
Rota Orgânica
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
Lud Milla Lud Milla
 
Compostagem composto orgânico
Compostagem composto orgânicoCompostagem composto orgânico
Compostagem composto orgânico
Kelly Cristina Moreira Rocha
 
Técnicas de Compostagem.pptx
Técnicas de Compostagem.pptxTécnicas de Compostagem.pptx
Técnicas de Compostagem.pptx
André Moreira
 
Compostagem de Resíduos Orgânicos
Compostagem de Resíduos Orgânicos Compostagem de Resíduos Orgânicos
Compostagem de Resíduos Orgânicos
Marta Oliveira
 
Manual compostagem doméstica e industrial
Manual compostagem doméstica e industrialManual compostagem doméstica e industrial
Manual compostagem doméstica e industrial
EcoHospedagem
 
Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixo
João Siqueira da Mata
 
Compostagem doméstica do lixo
Compostagem doméstica do lixoCompostagem doméstica do lixo
Compostagem doméstica do lixo
Magno José Silva
 
Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixo
miriammorata
 
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostosCompostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Luna Oliveira
 
Passo a passo de como montar uma composteira!
Passo a passo de como montar uma composteira!Passo a passo de como montar uma composteira!
Passo a passo de como montar uma composteira!
Paula Bonazzi
 
Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixo
Alexandre Panerai
 
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem domésticaManual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Alexandre Panerai
 
Compostar outra forma de reciclar
Compostar outra forma de reciclarCompostar outra forma de reciclar
Compostar outra forma de reciclar
CarinaRSousa
 
Oficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem domésticaOficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem doméstica
Alexandre Panerai
 
Compostagem doméstica
Compostagem doméstica  Compostagem doméstica
Compostagem doméstica
Fura Bolha
 

Semelhante a A compostagem (20)

Produção de adubos orgânicos
Produção de adubos orgânicos Produção de adubos orgânicos
Produção de adubos orgânicos
 
tec 4
tec 4tec 4
tec 4
 
Pocesso compostagem caseiro.pdf
Pocesso compostagem caseiro.pdfPocesso compostagem caseiro.pdf
Pocesso compostagem caseiro.pdf
 
Cartilha completa corrigida
Cartilha completa corrigidaCartilha completa corrigida
Cartilha completa corrigida
 
Compostagem Domestica
Compostagem DomesticaCompostagem Domestica
Compostagem Domestica
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
 
Compostagem composto orgânico
Compostagem composto orgânicoCompostagem composto orgânico
Compostagem composto orgânico
 
Técnicas de Compostagem.pptx
Técnicas de Compostagem.pptxTécnicas de Compostagem.pptx
Técnicas de Compostagem.pptx
 
Compostagem de Resíduos Orgânicos
Compostagem de Resíduos Orgânicos Compostagem de Resíduos Orgânicos
Compostagem de Resíduos Orgânicos
 
Manual compostagem doméstica e industrial
Manual compostagem doméstica e industrialManual compostagem doméstica e industrial
Manual compostagem doméstica e industrial
 
Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixo
 
Compostagem doméstica do lixo
Compostagem doméstica do lixoCompostagem doméstica do lixo
Compostagem doméstica do lixo
 
Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixo
 
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostosCompostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
 
Passo a passo de como montar uma composteira!
Passo a passo de como montar uma composteira!Passo a passo de como montar uma composteira!
Passo a passo de como montar uma composteira!
 
Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixo
 
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem domésticaManual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
 
Compostar outra forma de reciclar
Compostar outra forma de reciclarCompostar outra forma de reciclar
Compostar outra forma de reciclar
 
Oficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem domésticaOficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem doméstica
 
Compostagem doméstica
Compostagem doméstica  Compostagem doméstica
Compostagem doméstica
 

Último

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 

Último (20)

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 

A compostagem

  • 1. “A Compostagem” 06 de fevereiro de 2015
  • 2. “A Compostagem” • O que é a Compostagem? • Para que serve a Compostagem? • Que resíduos se pode colocar no Compostor? • Qual o material que é necessário para fazer Compostagem? • Como se produz o Composto? • Problemas que podem surgir • Razões para Compostar
  • 3. O que é a Compostagem? Composto Para ser utilizado como Adubo • A compostagem é um processo de valorização da matéria orgânica: - Resíduos Domésticos; - Resíduos do Jardim. • Decomposição biológica da matéria orgânica por ação de microrganismos que na presença de oxigénio (processo aeróbio), origina: “A Compostagem”
  • 4. O que é a Compostagem? • A compostagem permite ao cidadão valorizar/reciclar os seus resíduos orgânicos (matéria orgânica) no próprio jardim, quintal, escola. • Na natureza, este fenómeno também ocorre mas sem a intervenção humana: os restos de animais e vegetais mortos são decompostos e transformados em húmus. “A Compostagem”
  • 5. Para que serve a Compostagem? • Reciclar os restos de comida e resíduos vegetais de casa, escola, jardim ou horta, que teriam como destino final o Aterro Sanitário. • Produzir um fertilizante natural que não polui o solo com produtos químicos, que servirá para as plantas da horta e/ou jardim de casa ou da escola crescerem saudáveis. “A Compostagem”
  • 6. Que resíduos se pode colocar no Compostor? • Resíduos produzidos em casa e na escola. “A Compostagem”
  • 7. Que resíduos se podem colocar no Compostor? • Todos os materiais orgânicos contêm uma mistura de carbono (C) e azoto (N), conhecida como razão C:N – Os resíduos orgânicos que podem ser compostados classificam-se em castanhos e verdes; – Os resíduos castanhos contêm maior proporção de carbono (C), sendo geralmente secos; – Os resíduos verdes têm maior proporção de azoto (N), sendo geralmente húmidos. – Para que a compostagem decorra da melhor forma, é necessário ter uma grande variedade de resíduos. “A Compostagem”
  • 10. Qual o material que é necessário para fazer Compostagem? “A Compostagem”
  • 11. Material Necessário: Compostor Saco de composto acelerado Vara para arejamento Peneira “A Compostagem”
  • 12. Tipos de compostor “A Compostagem”
  • 13. Como se produz o Composto? • 1 - Instalar o compostor “A Compostagem”
  • 14. • Localização do compostor: – O compostor deve ser colocado num local de fácil acesso, de preferência em cima da terra de modo a possibilitar a drenagem da água e a entrada de microrganismos benéficos do solo para a pilha de compostagem. – Em locais de clima seco, com temperaturas mais elevadas, o compostor deve localizar-se debaixo de uma árvore, que proporciona sombra durante parte do dia e evita a secagem e arrefecimento do composto. – Em locais onde a chuva é frequente, convém cobrir o compostor porque o excesso de água atrasará a decomposição. Instalar o Compustor “A Compostagem”
  • 15. Como se produz o composto? “A Compostagem” • 2 - Preparar os materiais para colocar no compostor
  • 16. Preparar os materiais para colocar no compustor “A Compostagem” • Corte os resíduos castanhos e verdes em pequenos pedaços. • No fundo do compostor coloque aleatoriamente ramos grossos (promovendo o arejamento e impedindo a compactação). • Adicione uma camada de 5 a 10 cm de resíduos castanhos. • Adicione no máximo uma mão cheia de terra ou composto acelerador; esta quantidade conterá microrganismos suficientes para iniciar o processo de compostagem (os próprios resíduos que adicionar também contêm microrganismos).
  • 17. Preparar os materiais para colocar no compustor “A Compostagem” • Adicione uma camada de resíduos verdes. • Cubra com outra camada de resíduos castanhos. • Regue cada camada de forma a manter um teor de humidade adequado. • Repita este processo até obter cerca de 1 m de altura. As camadas podem ser adicionadas todas de uma vez ou à medida que os materiais vão ficando disponíveis. • A última camada a adicionar deve ser sempre de resíduos castanhos, para diminuir os problemas de odores e a proliferação de insetos e outros animais indesejáveis.
  • 18. Como se produz o Composto? “A Compostagem” • 3 – Controlar a temperatura, humidade e ar durante o processo de compostagem
  • 19. Controlar a temperatura, humidade e ar durante o processo de compostagem “A Compostagem” • Temperatura: – A temperatura existente na pilha de compostagem é resultado do trabalho dos microrganismos que decompõem os resíduos orgânicos. São desejáveis temperaturas de 55 ºC. – Para valores muito elevados a temperatura passa a ter um efeito inverso sobre os microrganismos, retardando, e até eliminando, a actividade microbiana. – No entanto, se a sua pilha de compostagem não atingir a temperatura ideal, não se preocupe, uma compostagem a temperaturas um pouco mais baixas também funciona.
  • 20. Controlar a temperatura, humidade e ar durante o processo de compostagem “A Compostagem” • Humidade: – Os microrganismos que decompõem a matéria orgânica necessitam de humidade para se movimentarem na pilha e para decompor os materiais. – Uma forma simples de testar a humidade na pilha é retirar um pouco dos materiais presentes na pilha de compostagem e apertá- los na mão, se a humidade for a ideal devem escorrer por entre os dedos algumas gotas de água.
  • 21. Controlar a temperatura, humidade e ar durante o processo de compostagem “A Compostagem” • Ar: – O revolvimento da pilha de compostagem é imprescindível para que a matéria orgânica seja decomposta num ambiente aeróbio (na presença de oxigénio). – Uma das formas de arejar a pilha de compostagem é remexer os materiais com uma forqueta de arejamento ou com um ancinho; remexer a pilha é também importante para a compostagem, uma vez que promove a mistura dos diferentes materiais.
  • 22. Como se produz o Composto? “A Compostagem” • 3 – O composto está pronto a ser utilizado como fertilizante passados 3 a 6 meses do inicio do processo. • Deve apresentar as seguintes características: - Aspeto homogéneo; - Textura semelhante a terra; – - Cor castanha; – - Cheiro a floresta.
  • 23. O composto está pronto a ser utilizado como fertilizante passados 3 a 6 meses do inicio do processo. “A Compostagem” • O tempo para degradar a matéria orgânica no compostor depende de diversos fatores. • Se as necessidades da pilha forem atendidas, se os resíduos forem adicionados em pequenas dimensões, alternando camadas de resíduos verdes com resíduos castanhos, mantendo o nível óptimo de humidade e remexendo a pilha 3 vezes por semana, o composto poderá estar pronto em 2 a 3 meses. • Se o material for adicionado continuamente, a pilha remexida ocasionalmente e a humidade controlada, o composto estará pronto ao fim de 3 a 6 meses.
  • 24. O composto está pronto a ser utilizado como fertilizante passados 3 a 6 meses do inicio do processo. “A Compostagem” • Quando o composto estiver pronto deve retirá-lo da pilha de compostagem. Pode usar um crivo ou peneira para separar o material que ainda não foi degradado. • Deixe o composto repousar 2 a 4 semanas antes da sua aplicação, especialmente em plantas sensíveis. Esta fase de repouso é designada por fase de maturação. • A utilização do composto é aconselhada nos: – Canteiros para a plantação de hortaliças e legumes; – Caldeiras das árvores e junto a arbustos; – Canteiros para flores, plantas decorativas e aromáticas; – Vasos para flores e plantas de casa.
  • 25. Problemas que podem surgir! “A Compostagem” Processo lento Materiais adicionados: Demasiados resíduos castanhos ou demasiado grandes Adicionar resíduos verdes, cortar materiais em pedaços mais pequenos e revirar a pilha Cheiro a podre (libertação de amónia) Humidade em excesso Demasiados resíduos verdes Revirar a pilha regularmente, adicionar resíduos castanhos: se a pilha persistir em ficar húmida, remover a tampa em dias com sol. Pragas Presença de restos de carne, peixe, ossos, molhos ou gordura Retirar esses tipos de alimentos da pilha e cobri-los com uma camada de solo ou resíduos castanhos; pode-se usar também um compostor à prova de roedores ou revirar a pilha para aumentar a temperatura; se houver formigas, a pilha está muito seca e deve-se regar.
  • 26. Problemas que podem surgir! “A Compostagem” Temperatura muito baixa Pilha demasiado pequena Aumentar o tamanho da pilha Humidade insuficiente Adicionar água (regador) quando revirar a pilha ou cobrir a parte superior da pilha: Tirar a tampa do compostor quando chover Arejamento insuficiente Revirar a pilha Falta de azoto Adicionar resíduos verdes Clima frio Aumentar o tamanho da pilha ou isolá- la com um material como palha Temperatura muito alta Pilha muito grande Diminuir o tamanho da pilha Arejamento insuficiente Revirar a pilha
  • 27. Razões para Compostar “A Compostagem” • Diminuição da quantidade de resíduos orgânicos depositados no lixo indiferenciado e enviados para aterro (forma de tratamento dos resíduos); • Contribui para o aumento da fertilidade dos solos, através da retenção de nutrientes (azoto, fósforo e potássio), reduzindo-se assim a utilização de fertilizantes químicos; • Uma fonte de descobertas (alunos observam o processo de degradação da matéria orgânica e percebem as vantagens da sua utilização).
  • 29. “A Compostagem” Data Materiais adicionados Temperatura Ambiente (ºC) Temperatura do Composto (ºC) verdes castanhos resíduos cozinha pH Humidade Volteamento Observações seco húmido boa Sim Não

Notas do Editor

  1. Como se sabe, um dos maiores problemas ambientais dos nossos dias é a enorme quantidade de lixo que todos produzimos. A compostagem permite, não só reduzir a quantidade de resíduos que de outra forma seriam depositados no Aterro Sanitário, mas também produzir composto que poderá ser utilizado como adubo. O processo de compostagem pode ser levado a cabo, em pequena escala, no jardim das nossas habitações, das nossas escolas, desde que para isso estejam garantidas as condições necessárias.
  2. O composto possui muitos nutrientes e é facilmente assimilado pelas plantas, é útil na agricultura, jardinagem, parques públicos, etc.
  3. Resíduos a colocar no compostor – resíduos produzidos na escola e em casa Que tipo de resíduos utilizar para fazer compostagem?
  4. Restos de vegetais crus; Restos de cascas de frutos; Borras de café, incluindo os filtros; Arroz e massa cozinhados; Folhas verdes; Sacos de chá; Cereais; Ervas daninhas (sem semente); Feno, palha; Restos de pão; Resto de relva cortadas e flores; Cascas de ovos esmagadas; Aparas de madeira e serradura; Aparas de relva e erva seca; Folhas secas; Ramos pequenos.
  5. Restos de vegetais crus; Restos de cascas de frutos; Borras de café, incluindo os filtros; Arroz e massa cozinhados; Folhas verdes; Sacos de chá; Cereais; Ervas daninhas (sem semente); Feno, palha; Restos de pão; Resto de relva cortadas e flores; Cascas de ovos esmagadas; Aparas de madeira e serradura; Aparas de relva e erva seca; Folhas secas; Ramos pequenos.
  6. Apenas serve como orientação para iniciar o processo. Cada pessoa, com a orientações dadas, pode adaptar o processo de acordo com o material que tiver disponível.
  7. Existem vários tipos de compostor à venda, tal como os compostores à prova de roedores. No entanto, pode fazer o seu próprio compostor, a partir de uma caixa de cartão, de madeira ou de plástico, furada por baixo, de modo a evitar cheiros e facilitar a entrada de microorganismos.
  8. Coloca o compostor sobre o solo, debaixo de uma árvore, de modo a evitar temperaturas elevadas no Verão e temperaturas baixas no Inverno. O compostor deve ser colocado num local de fácil acesso durante o ano, com um misto de sombra e sol, de preferência em cima da terra, numa superfície permeável (para facilitar a drenagem da água e a entrada de microorganismos benéficos do solo para a pilha) e debaixo de uma árvore de folha caduca, que permite ter sombra no Verão e sol no Inverno. O compostor funcionará quer esteja colocado à sombra quer ao sol, mas poderá requerer alguma atenção extra, em particular ao nível da humidade: se o compostor ficar exposto ao sol durante todo o dia, a pilha pode secar demasiado; se for colocado à sombra, não irá tirar proveito do calor solar e poderá ficar com excesso de humidade. Em locais de clima seco, a localização ideal de uma pilha de composto é debaixo de uma árvore, que proporciona sombra durante parte do dia e evita a secagem e arrefecimento do composto. Em locais de clima húmido, com muita precipitação, convém cobrir a pilha ou compostor porque o excesso de água atrasará a decomposição.
  9. Durante a etapa da decomposição aeróbia, o material a ser compostado pode ser agitado (ou revolvido) periodicamente, ou, em alternativa, pode ser mantido estático, insuflando ar através dele (arejadores). Em ambos os casos, a atividade metabólica altera a composição química da matéria orgânica original, reduz o volume e peso do resíduo e aumenta o calor do material. Quanto mais elevada a temperatura (até um determinado limite), mais trabalho está a ser realizado pelos microrganismos. Acima desse limite, a temperatura elevada passa a ser inibidora da atividade microbiana. Quando a matéria orgânica facilmente biodegradável é reduzida, a atividade bacteriana também se reduz, a temperatura do material começa a baixar e o material pode ser curado, de forma a que o composto final tenha um odor agradável. Regue cada camada de forma a manter um teor de humidade adequado. Este teor pode ser medido através do "teste da esponja", ou seja, se ao espremer uma pequena quantidade de material da pilha, ficar com a mão húmida mas não a pingar, a humidade é a adequada.
  10. Durante a etapa da decomposição aeróbia, o material a ser compostado pode ser agitado (ou revolvido) periodicamente, ou, em alternativa, pode ser mantido estático, insuflando ar através dele (arejadores). Em ambos os casos, a atividade metabólica altera a composição química da matéria orgânica original, reduz o volume e peso do resíduo e aumenta o calor do material. Quanto mais elevada a temperatura (até um determinado limite), mais trabalho está a ser realizado pelos microrganismos. Acima desse limite, a temperatura elevada passa a ser inibidora da atividade microbiana. Quando a matéria orgânica facilmente biodegradável é reduzida, a atividade bacteriana também se reduz, a temperatura do material começa a baixar e o material pode ser curado, de forma a que o composto final tenha um odor agradável. Regue cada camada de forma a manter um teor de humidade adequado. Este teor pode ser medido através do "teste da esponja", ou seja, se ao espremer uma pequena quantidade de material da pilha, ficar com a mão húmida mas não a pingar, a humidade é a adequada.
  11. A quantidade de resíduos orgânicos no lixo – A matéria orgânica atinge 40% do total de resíduos sólidos urbanos portugueses, por isso a compostagem torna-se essencial no tratamento deste tipo de resíduo. O aumento da produção de resíduos – Actualmente cada português produz em média 1,2 kg de lixo por dia, quando há vinte anos só produzia metade desse valor. Com este crescimento acelerado de produção de lixo, torna-se importante valorizar a compostagem como forma de tratamento e redução da quantidade de resíduos gerados e encaminhados para o aterro ou para a incineração. Os resíduos ganham, desta forma, uma nova vida, permitindo ainda a redução da ocupação efectiva dos solos decorrente destes dois sistemas de destino final de resíduos. A baixa fertilidade dos solos - Tendo em conta que os solos portugueses são muito pobres em matéria orgânica, a compostagem seria uma forma de os enriquecer. O produto final – o composto – é um fertilizante orgânico que melhora a textura do solo, combate a erosão, aumenta a capacidade de armazenamento de água utilizável pelas plantas, diminui a incidência de doenças e consequentemente reduz o uso de herbicidas e pesticidas. Num jardim biológico o composto é indispensável, por devolver à terra o que a colheita retirou. Uma fonte de descobertas - A compostagem é o ponto de partida para outras descobertas e experiências em diversas áreas escolares. Originar um material rico em nutrientes - a usar como promotor do crescimento das plantas e corrector do solo, reduzindo o recurso ao uso de fertilizantes químicos, que ao contrário do composto, disponibilizam os nutrientes de forma quase instantânea e não adaptada às necessidades nutricionais das plantas.