SlideShare uma empresa Scribd logo
Autores:::..
Aline Dias Brito
Francisca Luciana Santos Araújo
Larisse Medeiros Gonçalves
Luana Santos dos Santos
Thamires Monteiro Maués
Colaboradora...
Professora Dr. Louise Ferreira Rosal
VERMICOMPOSTAGEM
DE ESTERCO BOVINO
Programa de Educação Tutorial
Instituto Federal do Pará – Campus
Castanhal
Esta cartilha se apresenta como requisito
para cumprimento da atividade intitulada
“Fábrica de Aprendizagem” do PET
Agronomia, do Instituto Federal do Pará –
Campus Castanhal.
CASTANHAL – PA
2017
SUMÁRIO
APRESENTAÇÃO ...........................................................................................3
1. O que é vermicompostagem?..............................................................3
2. Qual tipo de minhoca utilizar para fazer a vermicompostagem?........4
3. Quais resíduos posso usar para fazer a vermicompostagem?.............4
4. Preparo do vermicomposto .................................................................4
5. Montagem da vermicompostagem......................................................5
6. Tempo da vermicompostagem ............................................................6
7. Fatores que influenciam na vermicompostagem ................................6
8. Referências...........................................................................................7
APRESENTAÇÃO
Caro leitor,
Essa cartilha foi elaborada para auxiliar na produção de
vermicompostagem de esterco bovino, baseada nos processos de
montagem produzida na horta orgânica Instituto Federal do Pará –
Campus Castanhal.
1. O que é
vermicompostagem?
Minhocultura é um termo muito utilizado para se referir à
criação intensiva de minhocas. Como é um processo que visa,
principalmente, a reciclagem de resíduos orgânicos e a produção de
adubo orgânico estabilizado, é mais adequadamente denominado
vermicompostagem. O produto final desse processo é conhecido
como vermicomposto ou húmus de minhoca, capaz de melhorar
atributos químicos e biológicos do solo aumento da diversidade de
organismos benéficos ao solo (AQUINO, 2012).
O efeito físico que as minhocas desempenham no solo ao
criarem galerias, por meio de sua movimentação na busca de
alimento, é também fundamental para a melhoria das condições
gerais do solo, pois proporcionam não só a descompactação, como
também a melhor infiltração de água e ar, sendo uma atividade
complementar e integrada às atividades pecuárias (OLIVEIRA e
CAMARGO, 2013).
2. Qual tipo de minhoca posso
utilizar para fazer a
vermicompostagem?
A espécie de minhoca mais utilizada para a produção de
vermicomposto pela larga faixa de tolerância à variação de
temperatura, por viver em resíduos orgânicos com diferentes graus
de umidade e por ser bastante resistente ao manuseio é a Eisenia
foetida, também conhecida como minhoca-vermelha-da-califórnia
(REZENDE et al., 2015).
Figura 01: minhoca-vermelha-da-califórnia
3. Quais resíduos posso usar
para fazer a
vermicompostagem?
Da mesma forma que para a compostagem convencional,
pode-se utilizar todos os tipos de resíduos orgânicos. Porém, deve-se
analisar a qualidade do resíduo fornecido às minhocas, o substrato
adequado possibilita que elas possam ingerir ¼ do seu próprio peso
diariamente. O esterco bovino puro representa boa fonte de alimento
para as minhocas, sendo o mais utilizado, podendo ser misturado
juntamente com outros resíduos, como restos de alimentos, folhas de
leguminosas, resto de podas, capina, aparos de gramas entre outros
(AQUINO, 2005).
4. Preparo do vermicomposto
Estrutura
Instalar um minhocário é o primeiro passo para a produção
de vermicompostagem, e este deve estar instalado de preferência em
locais que apresentem condições de conforto térmico, parcialmente
sombreados, mas com boa insolação, com abastecimento de água
para molhar os canteiros, em terrenos elevados, com pouca
declividade, facilitando a construção dos canteiros e os sistemas de
drenagem.
Canteiros
Para a construção dos canteiros, deve ser levado em
consideração o material disponível pelo agricultor, bem como o
dimensionamento. Os canteiros de alvenaria são mais indicados,
mas, demandam maiores investimentos, porém pode-se fazer de
outras matérias como bambu, resto de telhas de barro e madeira. Os
canteiros mais indicados são os com formato retangular para facilitar
o manejo e a retirada do húmus, contando que a largura não
ultrapasse 1m e a altura esteja entre 0, 50 m a 1m.
Figura 02: modelos de canteiros para produção de vermicomposto.
Fonte: google imagens
5. Montagem da
vermicompostagem
Para montar a vermicompostagem deve-se ir preenchendo o
canteiro aos poucos, adicionando em média de 3 a 5 carros de mão
de resto de capina ou resto de folhas para 1 carro de mão cheio de
esterco de gado sobrepondo em camadas misturando o esterco e a
folha, revirando e molhando bem durante cinco dias para poder
inserir as minhocas no composto. Após esse processo, o canteiro
precisa ser coberto por sombrite. É necessário ter cuidado para que a
temperatura da mistura da folha e esterco já esteja controlada, caso
contrário, as minhocas podem morrer, devido à alta temperatura e à
liberação de amônia, no caso dos estercos.
Depois que as minhocas já estiverem dentro do canteiro,
indispensável molhar e revirar o material durante 30 dias, pois as
minhocas poderão se concentrar na parte superior a qual
permanecerá mais úmida, e essa reviragem proporcionará maior
uniformidade da decomposição do material. Após os 30 dias, é
preciso transferir o material para o canto do canteiro e deixar
descansar por mais 30 dias.
Consecutivamente, ir preenchendo uma outra porção do
canteiro, molhando e revirando para controlar a temperatura feita
através da fermentação, dessa forma as minhocas migrarão de uma
pilha de composto para outra espontaneamente quando as reservas
de alimento acabarem e o ambiente estiver úmido para elas se
alimentarem. Dessa forma, o canteiro deve ser preenchido, de tal
forma que se bem manejado, não faltará substrato. A quantidade de
minhocas em um canteiro deve ser em torno de um litro por metro
quadrado.
Figura 03: processo de transporte do composto até chegar na extremidade
do canteiro.
Figura 04: (a) canteiro preenchido; (b) viragem do composto em pilhas no
canteiro; (c) vermicomposto. Fonte: Arquivo pessoal, 2016.
6. Tempo da vermicompostagem
O tempo para que o vermicomposto fique pronto varia com a
composição original dos resíduos, mas em geral a
vermicompostagem do esterco bovino leva, em média, 45 dias a 60
dias. Após esse período, o substrato deve ser peneirado e separar
cuidadosamente as minhocas na peneira. As minhocas devem voltar
aos canteiros e o húmus já pode ser aplicado nas atividades
agrícolas.
Figura 05: Processo de separação da minhoca e do húmus. Fonte: Arquivo
pessoal, 2016.
7. Fatores que influenciam na
vermicompostagem
 Umidade: o ideal é manter a umidade do substrato de 60% a
70%, o suficiente para que, ao apertar uma amostra do
substrato na mão, não escorra água
 Predador de minhoca: formigas
 Relação de Carbono/ Nitrogênio
 Variação do pH
 Aeração
 Temperatura
 Granulometria
A formiga é a principal predadora da minhoca e um dos principais
problemas encontrados em um minhocário. Para controlar o ataque
das formigas basta envolver o espaço em que as formigas estão se
estabelecendo no canteiro com as folhas do melão de são Caetano,
essa planta possui propriedades inseticidas fazendo com que elas
fiquem longe do minhocário.
Figura 06: predador das minhocas e controle biológico.
8. Referências
AQUINO, A. Aspectos práticos da vermicompostagem. In:
AQUINO, A; ASSIS, R. Agroecologia: princípios e técnicas para
um agricultura orgânica sustentável. Brasília, DF: Embrapa
Informação Tecnica. 2005. Cap 17. 517p.
CAMARGO, C; OLIVEIRA, P. Compostagem e
vermicompostagem.2013. Revista Mercado Rural, Belo Horizonte,
ano 2, n. 7, p. 29-32, 2013

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Horta do Nuno
A Horta do NunoA Horta do Nuno
A Horta do Nuno
npratas
 
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejoPastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Rural Pecuária
 
Transformando a Natureza a partir da Compostagem em Pilha
Transformando a Natureza a partir da Compostagem em PilhaTransformando a Natureza a partir da Compostagem em Pilha
Transformando a Natureza a partir da Compostagem em Pilha
PET Agronomia IFPA
 
Vermicompostagem
VermicompostagemVermicompostagem
Vermicompostagem
guest8ee43fe
 
A Horta do Nuno
A Horta do NunoA Horta do Nuno
A Horta do Nuno
npratas
 
Epamig clenderson goncalves
Epamig clenderson goncalvesEpamig clenderson goncalves
Epamig clenderson goncalves
Embrapa Milho e Sorgo
 
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantaçãoPastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Rural Pecuária
 
Feijao andu
Feijao anduFeijao andu
Col.agro 10 coleta de amostra de solo
Col.agro 10 coleta de amostra de soloCol.agro 10 coleta de amostra de solo
Col.agro 10 coleta de amostra de solo
gastao ney monte braga
 
Apresentação siepe palhada
Apresentação siepe palhadaApresentação siepe palhada
Apresentação siepe palhada
gepaunipampa
 
A receita do supermagro
A receita do supermagroA receita do supermagro
A receita do supermagro
mvezzone
 
Castanha Portuguesa no Estado de São Paulo
Castanha Portuguesa no Estado de São PauloCastanha Portuguesa no Estado de São Paulo
Castanha Portuguesa no Estado de São Paulo
Rural Pecuária
 

Mais procurados (12)

A Horta do Nuno
A Horta do NunoA Horta do Nuno
A Horta do Nuno
 
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejoPastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
 
Transformando a Natureza a partir da Compostagem em Pilha
Transformando a Natureza a partir da Compostagem em PilhaTransformando a Natureza a partir da Compostagem em Pilha
Transformando a Natureza a partir da Compostagem em Pilha
 
Vermicompostagem
VermicompostagemVermicompostagem
Vermicompostagem
 
A Horta do Nuno
A Horta do NunoA Horta do Nuno
A Horta do Nuno
 
Epamig clenderson goncalves
Epamig clenderson goncalvesEpamig clenderson goncalves
Epamig clenderson goncalves
 
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantaçãoPastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
 
Feijao andu
Feijao anduFeijao andu
Feijao andu
 
Col.agro 10 coleta de amostra de solo
Col.agro 10 coleta de amostra de soloCol.agro 10 coleta de amostra de solo
Col.agro 10 coleta de amostra de solo
 
Apresentação siepe palhada
Apresentação siepe palhadaApresentação siepe palhada
Apresentação siepe palhada
 
A receita do supermagro
A receita do supermagroA receita do supermagro
A receita do supermagro
 
Castanha Portuguesa no Estado de São Paulo
Castanha Portuguesa no Estado de São PauloCastanha Portuguesa no Estado de São Paulo
Castanha Portuguesa no Estado de São Paulo
 

Destaque

Lab analog1práticas elet analógica
Lab analog1práticas elet analógicaLab analog1práticas elet analógica
Lab analog1práticas elet analógica
Fernando Oliveira
 
Abhishek Sood - Updated LinkedIn profile
Abhishek Sood - Updated LinkedIn profileAbhishek Sood - Updated LinkedIn profile
Abhishek Sood - Updated LinkedIn profile
ABHISHEK SOOD
 
שיעור 4 - רן אלפא
שיעור 4 - רן אלפאשיעור 4 - רן אלפא
שיעור 4 - רן אלפא
ran alfa
 
שיעור 5 - רן אלפא
 שיעור 5 - רן אלפא שיעור 5 - רן אלפא
שיעור 5 - רן אלפא
ran alfa
 
Evaluationq6
Evaluationq6Evaluationq6
Evaluationq6
Alexandra Golici
 
Cuadro explicativo ventas minoristas
Cuadro explicativo ventas minoristasCuadro explicativo ventas minoristas
Cuadro explicativo ventas minoristas
alcaldia de san cristobal
 
Guia de aprendizaje 4 compartir archivos calameo
Guia de aprendizaje 4 compartir archivos calameoGuia de aprendizaje 4 compartir archivos calameo
Guia de aprendizaje 4 compartir archivos calameo
julieth paola gonzalez
 
SFW - analysing a potential sfw-whg merger
SFW - analysing a potential sfw-whg mergerSFW - analysing a potential sfw-whg merger
SFW - analysing a potential sfw-whg merger
George Gabriel
 
Tutorial de como fazer um Mapa no software Qgis
Tutorial de como fazer um Mapa no software QgisTutorial de como fazer um Mapa no software Qgis
Tutorial de como fazer um Mapa no software Qgis
PET Agronomia IFPA
 
Folder com informações sobre Pós-colheita de Hortaliças
Folder com informações sobre Pós-colheita de HortaliçasFolder com informações sobre Pós-colheita de Hortaliças
Folder com informações sobre Pós-colheita de Hortaliças
PET Agronomia IFPA
 
портфоліо чмир
портфоліо чмирпортфоліо чмир
портфоліо чмир
Денис Могила
 
шевченко
 шевченко шевченко
шевченко
Таня Кибицкая
 
שיעור 6 - רן אלפא
שיעור 6 - רן אלפאשיעור 6 - רן אלפא
שיעור 6 - רן אלפא
ran alfa
 
Normas internacionales de información financiera (niif)
Normas internacionales de información financiera (niif)Normas internacionales de información financiera (niif)
Normas internacionales de información financiera (niif)
Yuranis Medina
 
3Com 3C201610
3Com 3C2016103Com 3C201610
3Com 3C201610
savomir
 
Maltrato infantil
Maltrato infantilMaltrato infantil
Maltrato infantil
Rafael Paredes
 
La mujer del puerto
La mujer del puertoLa mujer del puerto
La mujer del puerto
Ofelia Karla Dominguez
 
TASK (PEMBANGUNAN BANDAR MAPAN)
TASK (PEMBANGUNAN BANDAR MAPAN)TASK (PEMBANGUNAN BANDAR MAPAN)
TASK (PEMBANGUNAN BANDAR MAPAN)
Najwa Razali
 
Going Direct to a Barrister - Public Access - Direct Access
Going Direct to a Barrister - Public Access - Direct AccessGoing Direct to a Barrister - Public Access - Direct Access
Going Direct to a Barrister - Public Access - Direct Access
Stephen Ward
 
Do media reflect reality or create it?
Do media reflect reality or create it?Do media reflect reality or create it?
Do media reflect reality or create it?
Ch Ahmad Mughees
 

Destaque (20)

Lab analog1práticas elet analógica
Lab analog1práticas elet analógicaLab analog1práticas elet analógica
Lab analog1práticas elet analógica
 
Abhishek Sood - Updated LinkedIn profile
Abhishek Sood - Updated LinkedIn profileAbhishek Sood - Updated LinkedIn profile
Abhishek Sood - Updated LinkedIn profile
 
שיעור 4 - רן אלפא
שיעור 4 - רן אלפאשיעור 4 - רן אלפא
שיעור 4 - רן אלפא
 
שיעור 5 - רן אלפא
 שיעור 5 - רן אלפא שיעור 5 - רן אלפא
שיעור 5 - רן אלפא
 
Evaluationq6
Evaluationq6Evaluationq6
Evaluationq6
 
Cuadro explicativo ventas minoristas
Cuadro explicativo ventas minoristasCuadro explicativo ventas minoristas
Cuadro explicativo ventas minoristas
 
Guia de aprendizaje 4 compartir archivos calameo
Guia de aprendizaje 4 compartir archivos calameoGuia de aprendizaje 4 compartir archivos calameo
Guia de aprendizaje 4 compartir archivos calameo
 
SFW - analysing a potential sfw-whg merger
SFW - analysing a potential sfw-whg mergerSFW - analysing a potential sfw-whg merger
SFW - analysing a potential sfw-whg merger
 
Tutorial de como fazer um Mapa no software Qgis
Tutorial de como fazer um Mapa no software QgisTutorial de como fazer um Mapa no software Qgis
Tutorial de como fazer um Mapa no software Qgis
 
Folder com informações sobre Pós-colheita de Hortaliças
Folder com informações sobre Pós-colheita de HortaliçasFolder com informações sobre Pós-colheita de Hortaliças
Folder com informações sobre Pós-colheita de Hortaliças
 
портфоліо чмир
портфоліо чмирпортфоліо чмир
портфоліо чмир
 
шевченко
 шевченко шевченко
шевченко
 
שיעור 6 - רן אלפא
שיעור 6 - רן אלפאשיעור 6 - רן אלפא
שיעור 6 - רן אלפא
 
Normas internacionales de información financiera (niif)
Normas internacionales de información financiera (niif)Normas internacionales de información financiera (niif)
Normas internacionales de información financiera (niif)
 
3Com 3C201610
3Com 3C2016103Com 3C201610
3Com 3C201610
 
Maltrato infantil
Maltrato infantilMaltrato infantil
Maltrato infantil
 
La mujer del puerto
La mujer del puertoLa mujer del puerto
La mujer del puerto
 
TASK (PEMBANGUNAN BANDAR MAPAN)
TASK (PEMBANGUNAN BANDAR MAPAN)TASK (PEMBANGUNAN BANDAR MAPAN)
TASK (PEMBANGUNAN BANDAR MAPAN)
 
Going Direct to a Barrister - Public Access - Direct Access
Going Direct to a Barrister - Public Access - Direct AccessGoing Direct to a Barrister - Public Access - Direct Access
Going Direct to a Barrister - Public Access - Direct Access
 
Do media reflect reality or create it?
Do media reflect reality or create it?Do media reflect reality or create it?
Do media reflect reality or create it?
 

Semelhante a Vermicompostagem de Esterco Bovino

Apostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazerApostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazer
Alexandre Panerai
 
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem domésticaManual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Alexandre Panerai
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
mvezzone
 
Palestras Geral
Palestras GeralPalestras Geral
Palestras Geral
Futuramb
 
Oficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem domésticaOficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem doméstica
Alexandre Panerai
 
Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixo
Alexandre Panerai
 
Abc adubação alternativa
Abc adubação alternativaAbc adubação alternativa
Abc adubação alternativa
pauloweimann
 
ABC Adubação alternativa
ABC Adubação alternativaABC Adubação alternativa
ABC Adubação alternativa
Lenildo Araujo
 
abc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solosabc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solos
Leonardo Martins Santana
 
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdfDimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
AmiltonMaia
 
Produção de adubos orgânicos
Produção de adubos orgânicos Produção de adubos orgânicos
Produção de adubos orgânicos
PauloRicardoRibeirod2
 
A compostagem
A compostagemA compostagem
A compostagem
CarvalhalEco15
 
Projeto eucalipto pdf
Projeto eucalipto pdfProjeto eucalipto pdf
Projeto eucalipto pdf
jessica zambonato
 
Manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânico
Manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânicoManejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânico
Manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânico
Mário Bittencourt
 
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostosCompostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Luna Oliveira
 
Uso do milheto como forrageira
Uso do milheto como forrageiraUso do milheto como forrageira
Uso do milheto como forrageira
Patricia Epifanio
 
Cartilha -adubacão_orgânica
Cartilha  -adubacão_orgânicaCartilha  -adubacão_orgânica
Cartilha -adubacão_orgânica
Flavio Meireles
 
Ebook ilp
Ebook ilpEbook ilp
Ebook ilp
AgriPoint
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
Rural Pecuária
 
Criação de tenebrio molitor
Criação de tenebrio molitorCriação de tenebrio molitor
Criação de tenebrio molitor
marciofdias
 

Semelhante a Vermicompostagem de Esterco Bovino (20)

Apostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazerApostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazer
 
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem domésticaManual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
 
Palestras Geral
Palestras GeralPalestras Geral
Palestras Geral
 
Oficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem domésticaOficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem doméstica
 
Compostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixoCompostagem domestica de_lixo
Compostagem domestica de_lixo
 
Abc adubação alternativa
Abc adubação alternativaAbc adubação alternativa
Abc adubação alternativa
 
ABC Adubação alternativa
ABC Adubação alternativaABC Adubação alternativa
ABC Adubação alternativa
 
abc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solosabc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solos
 
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdfDimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
 
Produção de adubos orgânicos
Produção de adubos orgânicos Produção de adubos orgânicos
Produção de adubos orgânicos
 
A compostagem
A compostagemA compostagem
A compostagem
 
Projeto eucalipto pdf
Projeto eucalipto pdfProjeto eucalipto pdf
Projeto eucalipto pdf
 
Manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânico
Manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânicoManejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânico
Manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânico
 
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostosCompostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
 
Uso do milheto como forrageira
Uso do milheto como forrageiraUso do milheto como forrageira
Uso do milheto como forrageira
 
Cartilha -adubacão_orgânica
Cartilha  -adubacão_orgânicaCartilha  -adubacão_orgânica
Cartilha -adubacão_orgânica
 
Ebook ilp
Ebook ilpEbook ilp
Ebook ilp
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
 
Criação de tenebrio molitor
Criação de tenebrio molitorCriação de tenebrio molitor
Criação de tenebrio molitor
 

Vermicompostagem de Esterco Bovino

  • 1. Autores:::.. Aline Dias Brito Francisca Luciana Santos Araújo Larisse Medeiros Gonçalves Luana Santos dos Santos Thamires Monteiro Maués Colaboradora... Professora Dr. Louise Ferreira Rosal VERMICOMPOSTAGEM DE ESTERCO BOVINO
  • 2. Programa de Educação Tutorial Instituto Federal do Pará – Campus Castanhal Esta cartilha se apresenta como requisito para cumprimento da atividade intitulada “Fábrica de Aprendizagem” do PET Agronomia, do Instituto Federal do Pará – Campus Castanhal. CASTANHAL – PA 2017 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO ...........................................................................................3 1. O que é vermicompostagem?..............................................................3 2. Qual tipo de minhoca utilizar para fazer a vermicompostagem?........4 3. Quais resíduos posso usar para fazer a vermicompostagem?.............4 4. Preparo do vermicomposto .................................................................4 5. Montagem da vermicompostagem......................................................5 6. Tempo da vermicompostagem ............................................................6 7. Fatores que influenciam na vermicompostagem ................................6 8. Referências...........................................................................................7
  • 3. APRESENTAÇÃO Caro leitor, Essa cartilha foi elaborada para auxiliar na produção de vermicompostagem de esterco bovino, baseada nos processos de montagem produzida na horta orgânica Instituto Federal do Pará – Campus Castanhal. 1. O que é vermicompostagem? Minhocultura é um termo muito utilizado para se referir à criação intensiva de minhocas. Como é um processo que visa, principalmente, a reciclagem de resíduos orgânicos e a produção de adubo orgânico estabilizado, é mais adequadamente denominado vermicompostagem. O produto final desse processo é conhecido como vermicomposto ou húmus de minhoca, capaz de melhorar atributos químicos e biológicos do solo aumento da diversidade de organismos benéficos ao solo (AQUINO, 2012). O efeito físico que as minhocas desempenham no solo ao criarem galerias, por meio de sua movimentação na busca de alimento, é também fundamental para a melhoria das condições gerais do solo, pois proporcionam não só a descompactação, como também a melhor infiltração de água e ar, sendo uma atividade complementar e integrada às atividades pecuárias (OLIVEIRA e CAMARGO, 2013).
  • 4. 2. Qual tipo de minhoca posso utilizar para fazer a vermicompostagem? A espécie de minhoca mais utilizada para a produção de vermicomposto pela larga faixa de tolerância à variação de temperatura, por viver em resíduos orgânicos com diferentes graus de umidade e por ser bastante resistente ao manuseio é a Eisenia foetida, também conhecida como minhoca-vermelha-da-califórnia (REZENDE et al., 2015). Figura 01: minhoca-vermelha-da-califórnia 3. Quais resíduos posso usar para fazer a vermicompostagem? Da mesma forma que para a compostagem convencional, pode-se utilizar todos os tipos de resíduos orgânicos. Porém, deve-se analisar a qualidade do resíduo fornecido às minhocas, o substrato adequado possibilita que elas possam ingerir ¼ do seu próprio peso diariamente. O esterco bovino puro representa boa fonte de alimento para as minhocas, sendo o mais utilizado, podendo ser misturado juntamente com outros resíduos, como restos de alimentos, folhas de leguminosas, resto de podas, capina, aparos de gramas entre outros (AQUINO, 2005). 4. Preparo do vermicomposto Estrutura Instalar um minhocário é o primeiro passo para a produção de vermicompostagem, e este deve estar instalado de preferência em locais que apresentem condições de conforto térmico, parcialmente sombreados, mas com boa insolação, com abastecimento de água para molhar os canteiros, em terrenos elevados, com pouca declividade, facilitando a construção dos canteiros e os sistemas de drenagem. Canteiros Para a construção dos canteiros, deve ser levado em consideração o material disponível pelo agricultor, bem como o dimensionamento. Os canteiros de alvenaria são mais indicados, mas, demandam maiores investimentos, porém pode-se fazer de outras matérias como bambu, resto de telhas de barro e madeira. Os canteiros mais indicados são os com formato retangular para facilitar o manejo e a retirada do húmus, contando que a largura não ultrapasse 1m e a altura esteja entre 0, 50 m a 1m.
  • 5. Figura 02: modelos de canteiros para produção de vermicomposto. Fonte: google imagens 5. Montagem da vermicompostagem Para montar a vermicompostagem deve-se ir preenchendo o canteiro aos poucos, adicionando em média de 3 a 5 carros de mão de resto de capina ou resto de folhas para 1 carro de mão cheio de esterco de gado sobrepondo em camadas misturando o esterco e a folha, revirando e molhando bem durante cinco dias para poder inserir as minhocas no composto. Após esse processo, o canteiro precisa ser coberto por sombrite. É necessário ter cuidado para que a temperatura da mistura da folha e esterco já esteja controlada, caso contrário, as minhocas podem morrer, devido à alta temperatura e à liberação de amônia, no caso dos estercos. Depois que as minhocas já estiverem dentro do canteiro, indispensável molhar e revirar o material durante 30 dias, pois as minhocas poderão se concentrar na parte superior a qual permanecerá mais úmida, e essa reviragem proporcionará maior uniformidade da decomposição do material. Após os 30 dias, é preciso transferir o material para o canto do canteiro e deixar descansar por mais 30 dias. Consecutivamente, ir preenchendo uma outra porção do canteiro, molhando e revirando para controlar a temperatura feita através da fermentação, dessa forma as minhocas migrarão de uma pilha de composto para outra espontaneamente quando as reservas de alimento acabarem e o ambiente estiver úmido para elas se alimentarem. Dessa forma, o canteiro deve ser preenchido, de tal forma que se bem manejado, não faltará substrato. A quantidade de minhocas em um canteiro deve ser em torno de um litro por metro quadrado.
  • 6. Figura 03: processo de transporte do composto até chegar na extremidade do canteiro. Figura 04: (a) canteiro preenchido; (b) viragem do composto em pilhas no canteiro; (c) vermicomposto. Fonte: Arquivo pessoal, 2016. 6. Tempo da vermicompostagem O tempo para que o vermicomposto fique pronto varia com a composição original dos resíduos, mas em geral a vermicompostagem do esterco bovino leva, em média, 45 dias a 60 dias. Após esse período, o substrato deve ser peneirado e separar cuidadosamente as minhocas na peneira. As minhocas devem voltar aos canteiros e o húmus já pode ser aplicado nas atividades agrícolas. Figura 05: Processo de separação da minhoca e do húmus. Fonte: Arquivo pessoal, 2016. 7. Fatores que influenciam na vermicompostagem  Umidade: o ideal é manter a umidade do substrato de 60% a 70%, o suficiente para que, ao apertar uma amostra do substrato na mão, não escorra água  Predador de minhoca: formigas  Relação de Carbono/ Nitrogênio  Variação do pH  Aeração  Temperatura  Granulometria
  • 7. A formiga é a principal predadora da minhoca e um dos principais problemas encontrados em um minhocário. Para controlar o ataque das formigas basta envolver o espaço em que as formigas estão se estabelecendo no canteiro com as folhas do melão de são Caetano, essa planta possui propriedades inseticidas fazendo com que elas fiquem longe do minhocário. Figura 06: predador das minhocas e controle biológico. 8. Referências AQUINO, A. Aspectos práticos da vermicompostagem. In: AQUINO, A; ASSIS, R. Agroecologia: princípios e técnicas para um agricultura orgânica sustentável. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnica. 2005. Cap 17. 517p. CAMARGO, C; OLIVEIRA, P. Compostagem e vermicompostagem.2013. Revista Mercado Rural, Belo Horizonte, ano 2, n. 7, p. 29-32, 2013