SlideShare uma empresa Scribd logo
Componentes do Grupo:
  - Michelle Rodrigues
     - Michel William
          - Lenin
  - Carolina Montimor
   - Carolina Machado
  - Leonardo Dunham
Abordaremos sobre :

- Mulher dita como “ Sexo Frágil “ ?
- Mulher no mercado de trabalho [Pereirão]
- Mulheres com direitos e privilégios similares aos
dos homens na sociedade
- Lei Maria da Penha
- Mulheres mais gay do que homens, como assim?
- Concluindo o trabalho
Carolina Machado
O "sexo frágil" a cada dia consegue um destaque maior, além de
seu lugar de mérito no mercado de trabalho, não dá para discutir. E
mais do que isso, vem crescendo tanto em todas as áreas, que muitas
mulheres conseguiram chegar ao topo, assumindo cargos e papéis de
liderança que antes não faziam parte do mundo feminino.
       Uma série de fatores pode contribuir para as mulheres se
tornarem líderes, inclusive, esse lado "frágil". As mulheres têm um estilo
de gestão diferente dos homens. Características como intuição,
emotividade e versatilidade, tornam a gestão empresarial feminina
diferenciada e mais completa e os homens pensam linearmente, uma
coisa de cada vez, enquanto o raciocínio feminino é global e
multidimensional, tudo ao mesmo tempo.
O mais importante para uma mulher no comando saber é que
ela não precisa ser só chefe, mas também tem que ser mentora de seus
funcionários. Isso mesmo, ela tem que compreender que tudo na vida
é flexível, assim como sua luta diária de manter a rotina do lar e da
empresa.
        Qualquer homem sabe que comandar não é algo tão simples
assim. Ser chefe é muito mais do que dar apenas ordens. Você tem
muito mais responsabilidades do que quando era apenas um mero
funcionário. Aquele velho clichê de que chefe não faz nada, só ganha
mais que você é pura balela, chefiar um grupo é acima de tudo saber
orientar que caminho trilhar e como trilhá-lo.
Michel William
A igualdade entre homens e mulheres constitui um dos
princípios fundamentais do direito comunitário. Os objetivos da
União Europeia (UE) em matéria de igualdade entre as mulheres e
os homens consistem em assegurar a igualdade de oportunidades
e tratamento entre os dois sexos, por um lado, e em lutar contra
toda a discriminação fundada no sexo, por outro. Neste domínio, a
UE optou por uma dupla abordagem, associando ações específicas
e «gender mainstreaming». Este tema apresenta igualmente uma
forte dimensão internacional em matéria de luta contra a pobreza,
de acesso à educação e aos serviço de saúde, de participação na
economia e no processo decisório e de direitos das mulheres
enquanto direitos humanos.
Lenin
Aos poucos, nos últimos anos, a mulher vem
conquistando direitos e privilégios similares aos dos
homens na sociedade, desde o direito do voto até
melhores empregos. Com um maior espaço, a mulher do
dia de hoje, consequentemente, sente-se mais propensa à
iniciativa no que diz respeito à pessoa que lhe interessa, o
que pode assustar certos homens mais tradicionais.
Na sociedade dos tempos antigos, a mulher era tida como
o sexo frágil. Era moldada à figura materna, que deveria ser
inocente e imaculada, compromissada apenas com os desejos
de seus filhos e marido. Ela não deveria em nenhuma
circunstância procurar um parceiro por si, ou teriam uma má
reputação e seriam rejeitadas pelos homens. Neste caso, era o
homem que devia pedir a mão dela a seus pais, ou estes lhe
prometerem a algum homem.
No ano de 1983, a cearense e biofarmacêutica
Maria da Penha Fernandes sofreu uma dupla
tentativa de homicídio perpetrada pelo seu
marido (à época) Marco Antônio Herredia
Viveiros, um professor universitário de economia.
Primeiro ele tentou ceifar a vida dela com um tiro
pelas costas, ocasião em que à mesma ficou
paraplégica além de outras lesões; noutra
oportunidade, seu companheiro tentou
eletrocutá-la enquanto tomava banho numa
banheira.
O assunto violência doméstica e familiar, dada as suas consequências
nocivas em prejuízo das mulheres, tem sido motivo de preocupação de diversos
setores da sociedade organizada, de governantes e do mundo jurídico em geral.
Várias pessoas do sexo feminino têm sua vida pessoal desestruturada, entram em
depressão e ficam a mercê dos seus respectivos agressores.
         A repetição de atos violentos e de abusos no ambiente doméstico acaba
refletindo na vida pessoal e, por conseguinte, provocando problemas físicos e
traumas psicológicos não só para a mulher como para as testemunhas oculares
que residem com ela.
         Quando uma mulher apanha do marido, a sociedade de solidariza com
ela, a delegacia da mulher toma providências de investigação e, desde setembro,
uma nova lei, a Maria da Penha, determina que o marido tenha prisão preventiva
decretada.
          MOTIVO PARA A INSERÇÃO:
A cada 15 segundos, uma mulher é agredida no país. Em 2006, uma pesquisa do
Ibope (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística) e do Instituto Patrícia
Galvão revelou que 51% dos 2.002 brasileiros ouvidos conhecem uma vítima de
violência doméstica (ZAIDAN, 2007).
Graças ao empenho da Biofarmacêutica Maria da Penha as
mulheres dotam de um instituto jurídico capaz de equacionar as
diferenças entre as pessoas do sexo feminino e do masculino. O
Estatuto da Mulher adveio com a pretensão de prevenir e coibir a
violência doméstica e familiar contra a mulher e, simultaneamente,
corroborar com os compromissos ratificados pelo Brasil em sede
internacional, como prevê a Convenção do Belém do Pará em seu
artigo 7º
Em um momento, os homens heteros costumam até ter
fantasias com casais de lésbicas, portanto o preconceito pode
ser um pouco mais abrandado em relação a elas. Por outro
lado, vivemos em uma cultura extremamente machista e
homofóbica ,que define papéis muito rígidos e separatórios
para o homem e a mulher. Além disso, a mulher é
considerada inferior em nossa cultura. Portanto, os homens
costumam sofrer mais preconceito por serem gays.
Independente de quem sofre mais preconceito, se uma
pessoa homossexual sofre um preconceito por sua condição,
o sentimento de injustiça e dor se propagam para as pessoas
em igual condição.
       Ao se tratar de preconceitos, na vida, não é
necessária a existência deles, porque acima de tudo, todos
nós seres humanos fomos criados por um só Deus, e ele
nos criou para que todos estejam sempre em harmonia, sem
discriminação, sem que achem um mais soberano do que o
outro, ou seja, todos nós somos iguais.
Ficha de componentes...
 Carolina Machado – “ Sexo Fragil “

 Michel William – “ Pereirão “ [ mulher com trabalho forte ]

 Lenin – Preconceito contra mulher na sociedade

 Anna Carolina Montimor - “ Lei Maria da Penha ”

 Michelle Rodrigues – Preconceito contra mulheres gays.

 Leonardo Dunham – Fez os Slides, complementou falas e Concluiu o
trabalho.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Jornal abril 2015
Jornal abril 2015Jornal abril 2015
Jornal abril 2015
Elaine Fernandes
 
Instituto estadual de educação cruzeiro do sul oniva...
Instituto estadual de educação cruzeiro do sul                          oniva...Instituto estadual de educação cruzeiro do sul                          oniva...
Instituto estadual de educação cruzeiro do sul oniva...
Gaaby Silva
 
Roteiro violência contra a mulher
Roteiro violência contra a mulherRoteiro violência contra a mulher
Roteiro violência contra a mulher
Sadrak Silva
 
Texto violência contra a mulher
Texto violência contra a  mulherTexto violência contra a  mulher
Texto violência contra a mulher
Sadrak Silva
 
CONTRA A VIOLÊNCIA, EU MOSTRO A MINHA CARA
CONTRA A VIOLÊNCIA, EU MOSTRO A MINHA CARACONTRA A VIOLÊNCIA, EU MOSTRO A MINHA CARA
CONTRA A VIOLÊNCIA, EU MOSTRO A MINHA CARA
Prof. Noe Assunção
 
ViolêNcias Contra Mulheres(Slides)
ViolêNcias Contra Mulheres(Slides)ViolêNcias Contra Mulheres(Slides)
ViolêNcias Contra Mulheres(Slides)
guest5c2f32
 
Assédio Moral e Assédio Sexual
Assédio Moral e Assédio SexualAssédio Moral e Assédio Sexual
Assédio Moral e Assédio Sexual
Haydee Svab
 
A violência doméstica transtornos tanto para a saúde física quanto social da ...
A violência doméstica transtornos tanto para a saúde física quanto social da ...A violência doméstica transtornos tanto para a saúde física quanto social da ...
A violência doméstica transtornos tanto para a saúde física quanto social da ...
Vitor Girdwood
 
Palestra violência contra mulher 07 03 2012
Palestra violência contra mulher 07 03 2012Palestra violência contra mulher 07 03 2012
Palestra violência contra mulher 07 03 2012
Alessandru2
 
QUEM DISSE QUE UM “TAPINHA” NÃO DÓI?
QUEM DISSE QUE UM “TAPINHA” NÃO DÓI?QUEM DISSE QUE UM “TAPINHA” NÃO DÓI?
QUEM DISSE QUE UM “TAPINHA” NÃO DÓI?
Nit Portal Social
 
Violencia Domestica Marina Ana Filipa
Violencia Domestica Marina Ana FilipaViolencia Domestica Marina Ana Filipa
Violencia Domestica Marina Ana Filipa
aritovi
 
Atps de Antropologia Aplicada ao Serviço Social
Atps de Antropologia Aplicada ao Serviço SocialAtps de Antropologia Aplicada ao Serviço Social
Atps de Antropologia Aplicada ao Serviço Social
Sonara Fernanda Araujo
 
Palestra os direitos humanos da mulher nos últimos 50 anos dp
Palestra os direitos humanos da mulher nos últimos 50 anos dpPalestra os direitos humanos da mulher nos últimos 50 anos dp
Palestra os direitos humanos da mulher nos últimos 50 anos dp
Atualidades Do Direito
 
Cartilha Violência Doméstica - Não se Cale!
Cartilha Violência Doméstica - Não se Cale!Cartilha Violência Doméstica - Não se Cale!
Cartilha Violência Doméstica - Não se Cale!
Ministério Público de Santa Catarina
 
Violência contra idoso e criança.
Violência contra idoso e criança.Violência contra idoso e criança.
Violência contra idoso e criança.
Fran Derik Aguiar
 
Mulher na Gestão
Mulher na GestãoMulher na Gestão
Mulher na Gestão
Adeildo Caboclo
 
Violência doméstica
Violência domésticaViolência doméstica
Violência doméstica
Ana Helena
 
15 de Junho - Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa
15 de Junho - Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa15 de Junho - Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa
15 de Junho - Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa
Governo de Santa Catarina
 
Cartilha violencia contra os idosos
Cartilha violencia contra os idososCartilha violencia contra os idosos
Cartilha violencia contra os idosos
Ministério Público de Santa Catarina
 
Violência contra a mulher: gênero, número e grau
Violência contra a mulher: gênero, número e grauViolência contra a mulher: gênero, número e grau
Violência contra a mulher: gênero, número e grau
Alice Bianchini
 

Mais procurados (20)

Jornal abril 2015
Jornal abril 2015Jornal abril 2015
Jornal abril 2015
 
Instituto estadual de educação cruzeiro do sul oniva...
Instituto estadual de educação cruzeiro do sul                          oniva...Instituto estadual de educação cruzeiro do sul                          oniva...
Instituto estadual de educação cruzeiro do sul oniva...
 
Roteiro violência contra a mulher
Roteiro violência contra a mulherRoteiro violência contra a mulher
Roteiro violência contra a mulher
 
Texto violência contra a mulher
Texto violência contra a  mulherTexto violência contra a  mulher
Texto violência contra a mulher
 
CONTRA A VIOLÊNCIA, EU MOSTRO A MINHA CARA
CONTRA A VIOLÊNCIA, EU MOSTRO A MINHA CARACONTRA A VIOLÊNCIA, EU MOSTRO A MINHA CARA
CONTRA A VIOLÊNCIA, EU MOSTRO A MINHA CARA
 
ViolêNcias Contra Mulheres(Slides)
ViolêNcias Contra Mulheres(Slides)ViolêNcias Contra Mulheres(Slides)
ViolêNcias Contra Mulheres(Slides)
 
Assédio Moral e Assédio Sexual
Assédio Moral e Assédio SexualAssédio Moral e Assédio Sexual
Assédio Moral e Assédio Sexual
 
A violência doméstica transtornos tanto para a saúde física quanto social da ...
A violência doméstica transtornos tanto para a saúde física quanto social da ...A violência doméstica transtornos tanto para a saúde física quanto social da ...
A violência doméstica transtornos tanto para a saúde física quanto social da ...
 
Palestra violência contra mulher 07 03 2012
Palestra violência contra mulher 07 03 2012Palestra violência contra mulher 07 03 2012
Palestra violência contra mulher 07 03 2012
 
QUEM DISSE QUE UM “TAPINHA” NÃO DÓI?
QUEM DISSE QUE UM “TAPINHA” NÃO DÓI?QUEM DISSE QUE UM “TAPINHA” NÃO DÓI?
QUEM DISSE QUE UM “TAPINHA” NÃO DÓI?
 
Violencia Domestica Marina Ana Filipa
Violencia Domestica Marina Ana FilipaViolencia Domestica Marina Ana Filipa
Violencia Domestica Marina Ana Filipa
 
Atps de Antropologia Aplicada ao Serviço Social
Atps de Antropologia Aplicada ao Serviço SocialAtps de Antropologia Aplicada ao Serviço Social
Atps de Antropologia Aplicada ao Serviço Social
 
Palestra os direitos humanos da mulher nos últimos 50 anos dp
Palestra os direitos humanos da mulher nos últimos 50 anos dpPalestra os direitos humanos da mulher nos últimos 50 anos dp
Palestra os direitos humanos da mulher nos últimos 50 anos dp
 
Cartilha Violência Doméstica - Não se Cale!
Cartilha Violência Doméstica - Não se Cale!Cartilha Violência Doméstica - Não se Cale!
Cartilha Violência Doméstica - Não se Cale!
 
Violência contra idoso e criança.
Violência contra idoso e criança.Violência contra idoso e criança.
Violência contra idoso e criança.
 
Mulher na Gestão
Mulher na GestãoMulher na Gestão
Mulher na Gestão
 
Violência doméstica
Violência domésticaViolência doméstica
Violência doméstica
 
15 de Junho - Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa
15 de Junho - Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa15 de Junho - Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa
15 de Junho - Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa
 
Cartilha violencia contra os idosos
Cartilha violencia contra os idososCartilha violencia contra os idosos
Cartilha violencia contra os idosos
 
Violência contra a mulher: gênero, número e grau
Violência contra a mulher: gênero, número e grauViolência contra a mulher: gênero, número e grau
Violência contra a mulher: gênero, número e grau
 

Destaque

Você sabe amar
Você sabe amarVocê sabe amar
Você sabe amar
mauriciocarvalhocardoso94
 
amadeus-cem-infographic-circle-v5
amadeus-cem-infographic-circle-v5amadeus-cem-infographic-circle-v5
amadeus-cem-infographic-circle-v5
Jessica Kerr
 
Alcochete
AlcocheteAlcochete
Alcochete
diogolopes_2004
 
Curso de Shell Script 02/11
Curso de Shell Script 02/11Curso de Shell Script 02/11
Curso de Shell Script 02/11
Rodrigo Silva
 
New technologies
New technologiesNew technologies
New technologies
Leander Vorpagel
 
livro de legislação do cnem
livro de legislação do cnemlivro de legislação do cnem
livro de legislação do cnem
Keila Guedes
 
Mi proyecto de vida diapositiva evelin melisa gil riascos
Mi proyecto de vida diapositiva evelin melisa gil riascosMi proyecto de vida diapositiva evelin melisa gil riascos
Mi proyecto de vida diapositiva evelin melisa gil riascos
evelingil62
 
dtk copy aug fat taste
dtk copy aug fat tastedtk copy aug fat taste
dtk copy aug fat tasteDan Kelly
 
Certificado 1
Certificado 1Certificado 1
Certificado 1
belenpacheco99
 
23 43-la-masa-madre (1)
23 43-la-masa-madre (1)23 43-la-masa-madre (1)
23 43-la-masa-madre (1)
Nany Lizzette
 
Importancia de los valores para una convivencia social
Importancia de los valores para una convivencia socialImportancia de los valores para una convivencia social
Importancia de los valores para una convivencia social
erickcubillosc
 
Private Sector Insurers and Microinsurance
Private Sector Insurers and MicroinsurancePrivate Sector Insurers and Microinsurance
Private Sector Insurers and Microinsurance
Impact Insurance Facility
 
Acertijo marco
Acertijo marcoAcertijo marco
Acertijo marco
Marco Antonio Dominguez
 
Violência
ViolênciaViolência
Violência
Rodrigo Amaral
 
CAPITALISMO INFORMACIONAL
CAPITALISMO INFORMACIONALCAPITALISMO INFORMACIONAL
CAPITALISMO INFORMACIONAL
Renata Magalhães
 
Research on tablet pc adoption model
Research on tablet pc adoption modelResearch on tablet pc adoption model
Research on tablet pc adoption model
arun savukar
 
Arte urbano
Arte urbanoArte urbano
Arte urbano
Joel Mendoza
 
Slideshare
SlideshareSlideshare
Slideshare
LEOCI
 
tabla
tablatabla

Destaque (20)

Você sabe amar
Você sabe amarVocê sabe amar
Você sabe amar
 
amadeus-cem-infographic-circle-v5
amadeus-cem-infographic-circle-v5amadeus-cem-infographic-circle-v5
amadeus-cem-infographic-circle-v5
 
Alcochete
AlcocheteAlcochete
Alcochete
 
Curso de Shell Script 02/11
Curso de Shell Script 02/11Curso de Shell Script 02/11
Curso de Shell Script 02/11
 
New technologies
New technologiesNew technologies
New technologies
 
livro de legislação do cnem
livro de legislação do cnemlivro de legislação do cnem
livro de legislação do cnem
 
Mi proyecto de vida diapositiva evelin melisa gil riascos
Mi proyecto de vida diapositiva evelin melisa gil riascosMi proyecto de vida diapositiva evelin melisa gil riascos
Mi proyecto de vida diapositiva evelin melisa gil riascos
 
dtk copy aug fat taste
dtk copy aug fat tastedtk copy aug fat taste
dtk copy aug fat taste
 
Certificado 1
Certificado 1Certificado 1
Certificado 1
 
23 43-la-masa-madre (1)
23 43-la-masa-madre (1)23 43-la-masa-madre (1)
23 43-la-masa-madre (1)
 
Importancia de los valores para una convivencia social
Importancia de los valores para una convivencia socialImportancia de los valores para una convivencia social
Importancia de los valores para una convivencia social
 
Private Sector Insurers and Microinsurance
Private Sector Insurers and MicroinsurancePrivate Sector Insurers and Microinsurance
Private Sector Insurers and Microinsurance
 
Acertijo marco
Acertijo marcoAcertijo marco
Acertijo marco
 
HUAWEI E9000
HUAWEI E9000HUAWEI E9000
HUAWEI E9000
 
Violência
ViolênciaViolência
Violência
 
CAPITALISMO INFORMACIONAL
CAPITALISMO INFORMACIONALCAPITALISMO INFORMACIONAL
CAPITALISMO INFORMACIONAL
 
Research on tablet pc adoption model
Research on tablet pc adoption modelResearch on tablet pc adoption model
Research on tablet pc adoption model
 
Arte urbano
Arte urbanoArte urbano
Arte urbano
 
Slideshare
SlideshareSlideshare
Slideshare
 
tabla
tablatabla
tabla
 

Semelhante a Trabalho expo pinheiro 2012

Trabalho expo pinheiro 2012
Trabalho expo pinheiro 2012Trabalho expo pinheiro 2012
Trabalho expo pinheiro 2012
Leonardo Dunham
 
Ebook O Papel do Homem.pdf
Ebook O Papel do Homem.pdfEbook O Papel do Homem.pdf
Ebook O Papel do Homem.pdf
DivinoHenriqueSantan
 
Programa Jéssica Juventude PSTU - POA
Programa Jéssica Juventude PSTU - POAPrograma Jéssica Juventude PSTU - POA
Programa Jéssica Juventude PSTU - POA
pedrocrone
 
BRB - Curso ead pro equidade raça e genero
BRB - Curso ead pro equidade raça e generoBRB - Curso ead pro equidade raça e genero
BRB - Curso ead pro equidade raça e genero
Eulysmar Neves
 
Violência contra a mulher.d
Violência contra a mulher.dViolência contra a mulher.d
Violência contra a mulher.d
Artemosfera Cia de Artes
 
1 cartilha movimento feminista - imprimir
1 cartilha   movimento feminista - imprimir1 cartilha   movimento feminista - imprimir
1 cartilha movimento feminista - imprimir
Rozeluz
 
Cultura do estupro
Cultura do estuproCultura do estupro
Cultura do estupro
Conceição Amorim
 
slideshare.pptx abgdujbwjuicjuesanefjadnfa
slideshare.pptx abgdujbwjuicjuesanefjadnfaslideshare.pptx abgdujbwjuicjuesanefjadnfa
slideshare.pptx abgdujbwjuicjuesanefjadnfa
marabadeam
 
Palestra macapá
Palestra macapáPalestra macapá
Palestra macapá
Atualidades Do Direito
 
Educao_para_a_Igualdade_de_Gnero.pdf
Educao_para_a_Igualdade_de_Gnero.pdfEducao_para_a_Igualdade_de_Gnero.pdf
Educao_para_a_Igualdade_de_Gnero.pdf
Iris Ribeiro
 
Palestra femicídio guarapuava_2014
Palestra femicídio guarapuava_2014Palestra femicídio guarapuava_2014
Palestra femicídio guarapuava_2014
Atualidades Do Direito
 
Igualdade de géneros
Igualdade de génerosIgualdade de géneros
Igualdade de géneros
Valéria Teixeira
 
Unidade iii sexualidade e questões de gênero
Unidade iii   sexualidade e questões de gêneroUnidade iii   sexualidade e questões de gênero
Unidade iii sexualidade e questões de gênero
pmarisa
 
O poder do macho
O poder do machoO poder do macho
O poder do macho
Juliana
 
Discriminação Sexual
Discriminação SexualDiscriminação Sexual
Discriminação Sexual
Andrea Sousa
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
Adalila Leitão
 
Desigualdade de gênero
Desigualdade de gêneroDesigualdade de gênero
Desigualdade de gênero
Wednei Gama
 
Guia Antimachismo no Trabalho
Guia Antimachismo no TrabalhoGuia Antimachismo no Trabalho
Guia Antimachismo no Trabalho
Mari Reis
 
Desigualdade De GéNero
Desigualdade De GéNeroDesigualdade De GéNero
Desigualdade De GéNero
guestf0ccd3
 
*
**

Semelhante a Trabalho expo pinheiro 2012 (20)

Trabalho expo pinheiro 2012
Trabalho expo pinheiro 2012Trabalho expo pinheiro 2012
Trabalho expo pinheiro 2012
 
Ebook O Papel do Homem.pdf
Ebook O Papel do Homem.pdfEbook O Papel do Homem.pdf
Ebook O Papel do Homem.pdf
 
Programa Jéssica Juventude PSTU - POA
Programa Jéssica Juventude PSTU - POAPrograma Jéssica Juventude PSTU - POA
Programa Jéssica Juventude PSTU - POA
 
BRB - Curso ead pro equidade raça e genero
BRB - Curso ead pro equidade raça e generoBRB - Curso ead pro equidade raça e genero
BRB - Curso ead pro equidade raça e genero
 
Violência contra a mulher.d
Violência contra a mulher.dViolência contra a mulher.d
Violência contra a mulher.d
 
1 cartilha movimento feminista - imprimir
1 cartilha   movimento feminista - imprimir1 cartilha   movimento feminista - imprimir
1 cartilha movimento feminista - imprimir
 
Cultura do estupro
Cultura do estuproCultura do estupro
Cultura do estupro
 
slideshare.pptx abgdujbwjuicjuesanefjadnfa
slideshare.pptx abgdujbwjuicjuesanefjadnfaslideshare.pptx abgdujbwjuicjuesanefjadnfa
slideshare.pptx abgdujbwjuicjuesanefjadnfa
 
Palestra macapá
Palestra macapáPalestra macapá
Palestra macapá
 
Educao_para_a_Igualdade_de_Gnero.pdf
Educao_para_a_Igualdade_de_Gnero.pdfEducao_para_a_Igualdade_de_Gnero.pdf
Educao_para_a_Igualdade_de_Gnero.pdf
 
Palestra femicídio guarapuava_2014
Palestra femicídio guarapuava_2014Palestra femicídio guarapuava_2014
Palestra femicídio guarapuava_2014
 
Igualdade de géneros
Igualdade de génerosIgualdade de géneros
Igualdade de géneros
 
Unidade iii sexualidade e questões de gênero
Unidade iii   sexualidade e questões de gêneroUnidade iii   sexualidade e questões de gênero
Unidade iii sexualidade e questões de gênero
 
O poder do macho
O poder do machoO poder do macho
O poder do macho
 
Discriminação Sexual
Discriminação SexualDiscriminação Sexual
Discriminação Sexual
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
Desigualdade de gênero
Desigualdade de gêneroDesigualdade de gênero
Desigualdade de gênero
 
Guia Antimachismo no Trabalho
Guia Antimachismo no TrabalhoGuia Antimachismo no Trabalho
Guia Antimachismo no Trabalho
 
Desigualdade De GéNero
Desigualdade De GéNeroDesigualdade De GéNero
Desigualdade De GéNero
 
*
**
*
 

Trabalho expo pinheiro 2012

  • 1. Componentes do Grupo: - Michelle Rodrigues - Michel William - Lenin - Carolina Montimor - Carolina Machado - Leonardo Dunham
  • 2. Abordaremos sobre : - Mulher dita como “ Sexo Frágil “ ? - Mulher no mercado de trabalho [Pereirão] - Mulheres com direitos e privilégios similares aos dos homens na sociedade - Lei Maria da Penha - Mulheres mais gay do que homens, como assim? - Concluindo o trabalho
  • 4. O "sexo frágil" a cada dia consegue um destaque maior, além de seu lugar de mérito no mercado de trabalho, não dá para discutir. E mais do que isso, vem crescendo tanto em todas as áreas, que muitas mulheres conseguiram chegar ao topo, assumindo cargos e papéis de liderança que antes não faziam parte do mundo feminino. Uma série de fatores pode contribuir para as mulheres se tornarem líderes, inclusive, esse lado "frágil". As mulheres têm um estilo de gestão diferente dos homens. Características como intuição, emotividade e versatilidade, tornam a gestão empresarial feminina diferenciada e mais completa e os homens pensam linearmente, uma coisa de cada vez, enquanto o raciocínio feminino é global e multidimensional, tudo ao mesmo tempo.
  • 5. O mais importante para uma mulher no comando saber é que ela não precisa ser só chefe, mas também tem que ser mentora de seus funcionários. Isso mesmo, ela tem que compreender que tudo na vida é flexível, assim como sua luta diária de manter a rotina do lar e da empresa. Qualquer homem sabe que comandar não é algo tão simples assim. Ser chefe é muito mais do que dar apenas ordens. Você tem muito mais responsabilidades do que quando era apenas um mero funcionário. Aquele velho clichê de que chefe não faz nada, só ganha mais que você é pura balela, chefiar um grupo é acima de tudo saber orientar que caminho trilhar e como trilhá-lo.
  • 7. A igualdade entre homens e mulheres constitui um dos princípios fundamentais do direito comunitário. Os objetivos da União Europeia (UE) em matéria de igualdade entre as mulheres e os homens consistem em assegurar a igualdade de oportunidades e tratamento entre os dois sexos, por um lado, e em lutar contra toda a discriminação fundada no sexo, por outro. Neste domínio, a UE optou por uma dupla abordagem, associando ações específicas e «gender mainstreaming». Este tema apresenta igualmente uma forte dimensão internacional em matéria de luta contra a pobreza, de acesso à educação e aos serviço de saúde, de participação na economia e no processo decisório e de direitos das mulheres enquanto direitos humanos.
  • 9. Aos poucos, nos últimos anos, a mulher vem conquistando direitos e privilégios similares aos dos homens na sociedade, desde o direito do voto até melhores empregos. Com um maior espaço, a mulher do dia de hoje, consequentemente, sente-se mais propensa à iniciativa no que diz respeito à pessoa que lhe interessa, o que pode assustar certos homens mais tradicionais.
  • 10. Na sociedade dos tempos antigos, a mulher era tida como o sexo frágil. Era moldada à figura materna, que deveria ser inocente e imaculada, compromissada apenas com os desejos de seus filhos e marido. Ela não deveria em nenhuma circunstância procurar um parceiro por si, ou teriam uma má reputação e seriam rejeitadas pelos homens. Neste caso, era o homem que devia pedir a mão dela a seus pais, ou estes lhe prometerem a algum homem.
  • 11.
  • 12. No ano de 1983, a cearense e biofarmacêutica Maria da Penha Fernandes sofreu uma dupla tentativa de homicídio perpetrada pelo seu marido (à época) Marco Antônio Herredia Viveiros, um professor universitário de economia. Primeiro ele tentou ceifar a vida dela com um tiro pelas costas, ocasião em que à mesma ficou paraplégica além de outras lesões; noutra oportunidade, seu companheiro tentou eletrocutá-la enquanto tomava banho numa banheira.
  • 13. O assunto violência doméstica e familiar, dada as suas consequências nocivas em prejuízo das mulheres, tem sido motivo de preocupação de diversos setores da sociedade organizada, de governantes e do mundo jurídico em geral. Várias pessoas do sexo feminino têm sua vida pessoal desestruturada, entram em depressão e ficam a mercê dos seus respectivos agressores. A repetição de atos violentos e de abusos no ambiente doméstico acaba refletindo na vida pessoal e, por conseguinte, provocando problemas físicos e traumas psicológicos não só para a mulher como para as testemunhas oculares que residem com ela. Quando uma mulher apanha do marido, a sociedade de solidariza com ela, a delegacia da mulher toma providências de investigação e, desde setembro, uma nova lei, a Maria da Penha, determina que o marido tenha prisão preventiva decretada. MOTIVO PARA A INSERÇÃO: A cada 15 segundos, uma mulher é agredida no país. Em 2006, uma pesquisa do Ibope (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística) e do Instituto Patrícia Galvão revelou que 51% dos 2.002 brasileiros ouvidos conhecem uma vítima de violência doméstica (ZAIDAN, 2007).
  • 14. Graças ao empenho da Biofarmacêutica Maria da Penha as mulheres dotam de um instituto jurídico capaz de equacionar as diferenças entre as pessoas do sexo feminino e do masculino. O Estatuto da Mulher adveio com a pretensão de prevenir e coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher e, simultaneamente, corroborar com os compromissos ratificados pelo Brasil em sede internacional, como prevê a Convenção do Belém do Pará em seu artigo 7º
  • 15.
  • 16. Em um momento, os homens heteros costumam até ter fantasias com casais de lésbicas, portanto o preconceito pode ser um pouco mais abrandado em relação a elas. Por outro lado, vivemos em uma cultura extremamente machista e homofóbica ,que define papéis muito rígidos e separatórios para o homem e a mulher. Além disso, a mulher é considerada inferior em nossa cultura. Portanto, os homens costumam sofrer mais preconceito por serem gays.
  • 17. Independente de quem sofre mais preconceito, se uma pessoa homossexual sofre um preconceito por sua condição, o sentimento de injustiça e dor se propagam para as pessoas em igual condição.
  • 18. Ao se tratar de preconceitos, na vida, não é necessária a existência deles, porque acima de tudo, todos nós seres humanos fomos criados por um só Deus, e ele nos criou para que todos estejam sempre em harmonia, sem discriminação, sem que achem um mais soberano do que o outro, ou seja, todos nós somos iguais.
  • 19. Ficha de componentes...  Carolina Machado – “ Sexo Fragil “  Michel William – “ Pereirão “ [ mulher com trabalho forte ]  Lenin – Preconceito contra mulher na sociedade  Anna Carolina Montimor - “ Lei Maria da Penha ”  Michelle Rodrigues – Preconceito contra mulheres gays.  Leonardo Dunham – Fez os Slides, complementou falas e Concluiu o trabalho.