SlideShare uma empresa Scribd logo
Distribuição geográfica dos Vulcões e Tectónica de Placas
A distribuição dos vulcões à superfície do Globo não é uniforme. Há zonas de grande
actividade que contrastam com outras onde, na actualidade, não há manifestações vulcânicas.
- Onde é que podemos encontrar vulcões?
As zonas do globo onde ocorre actividade vulcânica coincidem,
de modo geral com as zonas de elevada sismicidade.
Zona Circumpacífica
(Anel de fogo do Pacífico)
Dorsais
Médio-
oceânicas Cintura Mediterrânico-asiática
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
Distribuição Mundial dos Vulcões
A maior parte dos vulcões rodeia a costa do Pacífico (zona circumpacífica),
formando o Anel de Fogo do Pacífico (A). Entre eles podem citar-se os vulcões Pinatubo e o
Monte Santa Helena.
Outros distribuem-se pelo Mediterrâneo, como o Etna, o Vesúvio e o Stromboli,
formando a Cintura Mediterrânico-asiática (B).
Outros ainda, como no caso do Vullcão dos Capelinhos (Faial – Açores) localizam-
se ao longo das dorsais médio-oceânicas, como é o caso da Dorsal Médio-Atlântica (C).
vulcões
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
Em Portugal, o vulcanismo primário activo
está praticamente reduzido ao arquipélago dos
Açores, sendo histórica a erupção do vulcão
dos Capelinhos, no Faial, que durou mais de
um ano.
Todas as ilhas da Região Autónoma da
Madeira (Madeira, Porto Santo, Desertas e
Selvagens) são de origem vulcânica. As
erupções que conduziram à sua formação
iniciaram-se há mais de 20 Ma. Tendo em
conta que a últimas erupções ocorreram há 1,7
Ma considera-se o vulcanismo primário extinto.
Podemos encontrar testemunhos de
actividade eruptiva, nomeadamente, os Arcos
da Galheta e de S. Jorge, as grutas de S.
Vicente, e uma imponente formação de rocha
vulcânica em Porto Santo.
Apesar de o vulcanismo primário estar inactivo há Ma, é possível encontrar
testemunhos dessa actividade no passado, nomeadamente, na Estremadura
(Lisboa, Mafra, Monsanto, Loures e Odivelas), no Algarve, no Alentejo e em Trás-
os-Montes.
Porto Santo
Arquipélago
da Madeira
Faial – Vulcão dos Capelinhos
Arquipélago
dos Açores
Portugal
Continental
Distribuição Nacional …..
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
A localização dos vulcões ocorre preferencialmente em determinadas zonas, em que há estruturas
que são consideradas grandes acidentes tectónicos:
1. Nas Fronteiras Convergentes de Placas Litósfericas ocorre Vulcanismo de subducção;
2. Nas Fronteiras Divergentes de Placas Litósfericas ocorre vulcanismo de vale de rifte;
3. Vulcões Intraplacas
Vulcões e Tectónica de Placas
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
1. Fronteiras Convergentes de Placas Litósfericas: vulcanismo de subducção
Cerca de 80% dos vulcões terrestres activos e fenómenos a eles associados ocorrem em
zonas de subducção.
A colisão de duas placas (O -> <- O ou O -> <- C) obriga à subducção da placa
mais densa e à obducção da placa menos densa. A partir de certa profundidade, as condições
de Pressão e Temperatura levam à fusão da placa que mergulhou formando-se um magma
de natureza intermédia. Este magma, de origem pouco profunda, costuma originar erupções
do tipo explosivo.
A colisão de duas placas oceânicas forma arcos de ilhas vulcânicas – arco
insular (indonesia, Filipinas,…). A colisão de uma placa oceânica com uma continental origina
um arco vulcânico (cadeias montanhosas costeiras, como por exemplo, os Andes).
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
Limites convergentes e vulcanismo
Colisão (O -> <- C)
Colisão (O -> <- O)
Um arco insular é
um tipo de arquipélago formado
por processos tectónicos,
quando uma placa tectónica é
subductada sob uma outra,
com produção de magma.
Trata-se de um tipo de arco
vulcânico (cadeia de montanhas
ou ilhas vulcânicas localizadas
perto das margens dos
continentes e que são formadas
em zonas de subducção de
placas tectónicas). .
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
As Ilhas Marianas são um exemplo clássico de um arco vulcânico, uma
cadeia de montanhas ou ilhas vulcânicas em arco, localizadas em zonas de subducção
de placas tectónicas, neste caso, na região do Oceano Pacífico ocidental onde a Placa
do Pacífico se encontra com a Placa das Filipinas.
Arco vulcânico
Ilhas Marianas
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
2. Fronteiras Divergentes de Placas Litósfericas: vulcanismo de vale de rifte
O afastamento de placas tectónicas ( O <- -> O) ou (C <- -> C) origina sistemas
de fissuras na crusta, com milhares de km, através dos quais o magma ascende à superfície.
Estes magmas, geralmente oriundos de zonas pouco profundas, são de
natureza basáltica (magma básico), e costumam originar erupções do tipo efusivas e/ou
mistas.
Exemplos: Crista Médio-oceânica e Rifte Valley Africano.
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
Limites divergentes e vulcanismo
Islândia – ilhas formadas por de
rochas vulcânicas emanadas a partir do rifte
médio-atlântico e também a partir de um ponto
quente.
Erupção na zona de rifte - Islândia
Ponto quente
Rifte médio-atlântico exposto
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
Limites divergentes e vulcanismo
Rifte Valley Africano
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
3. Vulcões Intraplacas Continental e Intraplaca Oceânica
Vulcanismo associado à ascensão de massas de magma provenientes de zonas
mais profundas do manto - plumas térmicas ou mantélicas – que alcançam a superfície em
determinados pontos – hot spots.
A deslocação da placa tectónica sobre os referidos pontos gera uma cadeia
linear de ilhas vulcânicas.
Neste caso, os magmas, provém de zonas mais profundas do manto, e
desencadeiam vulcanismo tipo efusivo/misto.
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
Por vezes existe actividade vulcânica no interior das placas litosféricas
(actividade vulcânica intraplacas). Frequentemente esse vulcanismo origina ilhas que
emergem das águas, outras vezes mantos de basalto nos continentes (exemplo: Manto
de lava do Decão) e nos fundos oceânicos.
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
Formação de uma cadeia linear de ilhas a a partir de um ponto quente
Estas colunas de
rocha quente e
deformável ascendem
e acabam por fundir
originando magmas
A libertação destes
magmas origina
pontos quentes com
actividade vulcânica
(de tipo central ou
fissural)
Na fronteira entre o
manto e o núcleo,
pode iniciar-se a
formação de plumas
térmicas ou
mantélicas.
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
Ideias-chave ….
A distribuição geográfica dos vulcões está relacionada com as placas litosféricas, sendo de
considerar:
- Vulcanismo associado a fronteiras divergentes (A) – vulcanismo de vale de rift,
predominantemente efusivo, com derrame de lavas basálticas (lavas básicas, pouco
viscosas);
- Vulcanismo associado a fronteiras convergentes (B,C,D) – vulcanismo de
subducção, do tipo explosivo (lavas muito ácidas, viscosas) ou misto;
- Vulcanismo intraplaca (E), do tipo efusivo/misto, associado à existência de pontos
quentes relacionados com a presença de plumas térmicas ou mantélicas.
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
Em Portugal, o vulcanismo primário activo está praticamente reduzido ao
arquipélago dos Açores, sendo histórica a erupção do vulcão dos Capelinhos, no Faial,
que durou mais de um ano. (Actividade página 132)
AÇORES – Contexto Tectónico
Contexto geológico do Arquipélago dos Açores
Tectonicamente,
as ilhas do arquipélago dos
Açores situam-se na
chamada Junção Tripla
dos Açores (zona de
contacto de três placas
tectónicas – placa Africana,
placa Euroasiática e Placa
Norte-americana)
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
Contexto Tectónico do Arquipélago dos Açores
O RT faz parte da
chamada Falha Açores-Gilbraltar,
que é subdividida em diferentes
troços com comprimentos e
comportamentos tectónicos
diferentes:
• BG – Banco de Gorringe
• FG – Falha de Glória
• RT – Rifte da Terceira
A Dorsal Médio-Atlântica é
cortada por diversas falhas activas, como:
- Zona de fractura Norte dos Açores
- Zona de fractura Faial-Pico
- Zona de fractura do Banco Açor
- Zona de fractura do Banco Princesa Alice
- Falha transformante de S. Jorge.
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
Vulcanismo no Arquipélago dos Açores
As últimas
erupções importantes nos
Açores foram submarinas:
• Faial – erupção dos Capelinhos
(1957/8);
• Terceira – Vulcão Oceânico da
Serreta (1998-2000).
Dado o seu enquadramento geotectónico, a região dos Açores apresenta
importante actividade vulcânica e sísmica.
Existem registos de 26 importantes erupções vulcânicas que ocorreram em
S.Miguel, Terceira, S.Jorge, Pico, Faial e no mar. Algumas destas erupções foram subaéreas e
de natureza efusiva. Contudo, também há registos de erupções subaéreas explosivas.
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
Vulcanismo no Arquipélago dos Açores
A análise da idade geológica calculada para cada uma das ilhas mostra que, em
termos gerais, as ilhas mais afastadas da Dorsal Médio-Atlântica são as mais antigas.
Neste contexto, a
ilha de Santa Maria é a mais
antiga (8,12 Ma) e a ilha do Pico
é a mais jovem (250.000 anos).
Nos Açores é
normal a ocorrência de
microssismos (sismos de
magnitude inferior a 3 – escala
de Ritcher) associados às falhas
activas existentes nessa região.
Periodicamente ocorrem ainda
sismos de maior intensidade,
que têm causado alguma
destruição (Exemplo: Faial 1998
sismo de magnitude 6).
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
S. Miguel, Terceira
e Faial são as zonas onde são
frequentes os sismos sentidos
(zona de maior sismicidade)
Nas ilhas de Pico e
S.Jorge há, comparativamente,
menor número de sismos
sentidos e de menor intensidade.
As ilhas de
Graciosa e Santa Maria
evidenciam baixa sismicidade,
com poucos sismos sentidos.
Ilhas de Flores e
Corvo, são zonas de reduzida
sismicidade.
Carta de Sismicidade dos Açores (2005)
Observatório vulcanológico da e Sismológico da Universidade dos Açores
http://www.cvarg.azores.gov.pt/Cvarg/CentroVulcanologia/actividadesismovulcanica
O Rifte da Terceira e o sistema de falhas activas associadas constituem os principais sistemas
geradores de sismicidade dos Açores.
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
Riscos e Benefícios da Actividade Vulcânica
A actividade vulcânica pode originar catástrofes naturais. A violência de
algumas erupções vulcânicas ao longo da História matou milhares de pessoas e modificou
a composição atmosférica e o clima por algum tempo.
Não é possível evitar uma erupção vulcânica, mas pode, muitas vezes,
prever-se antecipadamente e proceder-se à evacuação atempada das populações,
salvando muitas vidas humanas e bens materiais.
Vesúvio (79Dc) soterrou Pompeia
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
(Baixa entalpia)
Aproveitamento da energia geotérmica
Benefícios da Actividade Vulcânica
Porque é que o Homem teima em ocupar estas áreas de risco ?
Embora alguns vulcões possam ser muito destrutivos, as suas vertentes são escolhidas por muitas
pessoas para aí habitarem porque:
1. Os solos de origem vulcânica são muito férteis, dando excelentes campos de cultivo;
2. Alguns materiais valiosos como o ouro, o ferro, o enxofre e os diamantes têm origem na actividade
vulcânica;
3. Nos Açores e na Islândia, as rochas vulcânicas perto da superfície atingem temperaturas tão
elevadas que a água que as atravessa pode ser usada para aquecimento de casas e estufas ou
mesmo para a produção de energia eléctrica.
4. As áreas vulcânicas oferecem paisagens espectaculares, atraindo excursões de visitantes aos
géisers, fontes termais, fumarolas e às encostas dos vulcões, funcionando assim como pólos
turísticos que desenvolvem a região.
Depósito de enxofre num vulcão
(Alta entalpia)
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
Os cientistas consideram que apenas uma única erupção
vulcânica pode afectar todo o planeta, por isso tem sido desenvolvido
tecnologia avançada que permita prever erupções vulcânicas, salvando
a vida a milhares de pessoas.
Minimização de riscos vulcânicos: Previsão e prevenção
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
Lahar: movimento
de massa ao longo de vales ou de
encostas íngremes, em forma de
avalanche, de lama composta por
materiais piroclásticos e água
Carta de risco elaborada antes da erupção do Monte Pinatubo, em 1991.
A utilização dos meios de previsão anteriormente descritos, aliada ao
conhecimento topográfico e demográfico dos terrenos, permite elaborar cartas de risco
vulcânico. Estes mapas baseiam-se na história da actividade eruptiva do vulcão e
permitem prever o seu comportamento futuro.
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
Os vulcões dizem-se Activos se estão em erupção ou se entram em actividade
frequente; se permanecem inactivos durante longos períodos (podem estar mais de 400 anos
adormecidos) ou apenas emitem pequenas quantidades de gases denominam-se
Adormecidos; dizem-se Extintos quando não há conhecimento da sua actividade durante o
período histórico, encontrando-se o seu aparelho vulcânico erodido quase na totalidade.
Classificação dos vulcões quanto à regularidade da actividade vulcânica
ETNA, o maior vulcão activo da Europa.
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008
Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Magmáticas 1
Magmáticas 1Magmáticas 1
Magmáticas 1
João Leitão
 
Geologia 11 rochas magmáticas - formação de magmas
Geologia 11   rochas magmáticas - formação de magmasGeologia 11   rochas magmáticas - formação de magmas
Geologia 11 rochas magmáticas - formação de magmas
Nuno Correia
 
X - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARESX - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARES
Sandra Nascimento
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
Bárbara Pereira
 
Geologia 12 paleoclimas
Geologia 12   paleoclimasGeologia 12   paleoclimas
Geologia 12 paleoclimas
Nuno Correia
 
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICASXI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
Sandra Nascimento
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
Rita Pereira
 
Rochas
RochasRochas
Rochas
Tânia Reis
 
Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupçõesMagma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
MINEDU
 
7 métodos estudo interior da terra
7   métodos estudo interior da terra7   métodos estudo interior da terra
7 métodos estudo interior da terra
margaridabt
 
Dobras e falhas
Dobras e falhasDobras e falhas
Dobras e falhas
margaridabt
 
Vulcanismo 7º
Vulcanismo 7ºVulcanismo 7º
Vulcanismo 7º
guest76d5b3
 
8 vulcanologia
8   vulcanologia8   vulcanologia
8 vulcanologia
margaridabt
 
Geodinamica_ Ciências Naturais
Geodinamica_ Ciências NaturaisGeodinamica_ Ciências Naturais
Geodinamica_ Ciências Naturais
SusanaLucas10
 
VIII - MINERAIS
VIII - MINERAISVIII - MINERAIS
VIII - MINERAIS
Sandra Nascimento
 
Ciências naturais 7 os minerais
Ciências naturais 7   os mineraisCiências naturais 7   os minerais
Ciências naturais 7 os minerais
Nuno Correia
 
Metamorfismo
MetamorfismoMetamorfismo
Metamorfismo
Isabel Lopes
 
BioGeo10-mobilismo geológico
BioGeo10-mobilismo geológicoBioGeo10-mobilismo geológico
BioGeo10-mobilismo geológico
Rita Rainho
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios Estratigráficos
Gabriela Bruno
 
Decaimento radioativo e geocronologia
Decaimento radioativo e geocronologiaDecaimento radioativo e geocronologia
Decaimento radioativo e geocronologia
Marcio Santos
 

Mais procurados (20)

Magmáticas 1
Magmáticas 1Magmáticas 1
Magmáticas 1
 
Geologia 11 rochas magmáticas - formação de magmas
Geologia 11   rochas magmáticas - formação de magmasGeologia 11   rochas magmáticas - formação de magmas
Geologia 11 rochas magmáticas - formação de magmas
 
X - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARESX - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARES
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Geologia 12 paleoclimas
Geologia 12   paleoclimasGeologia 12   paleoclimas
Geologia 12 paleoclimas
 
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICASXI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
 
Rochas
RochasRochas
Rochas
 
Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupçõesMagma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
 
7 métodos estudo interior da terra
7   métodos estudo interior da terra7   métodos estudo interior da terra
7 métodos estudo interior da terra
 
Dobras e falhas
Dobras e falhasDobras e falhas
Dobras e falhas
 
Vulcanismo 7º
Vulcanismo 7ºVulcanismo 7º
Vulcanismo 7º
 
8 vulcanologia
8   vulcanologia8   vulcanologia
8 vulcanologia
 
Geodinamica_ Ciências Naturais
Geodinamica_ Ciências NaturaisGeodinamica_ Ciências Naturais
Geodinamica_ Ciências Naturais
 
VIII - MINERAIS
VIII - MINERAISVIII - MINERAIS
VIII - MINERAIS
 
Ciências naturais 7 os minerais
Ciências naturais 7   os mineraisCiências naturais 7   os minerais
Ciências naturais 7 os minerais
 
Metamorfismo
MetamorfismoMetamorfismo
Metamorfismo
 
BioGeo10-mobilismo geológico
BioGeo10-mobilismo geológicoBioGeo10-mobilismo geológico
BioGeo10-mobilismo geológico
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios Estratigráficos
 
Decaimento radioativo e geocronologia
Decaimento radioativo e geocronologiaDecaimento radioativo e geocronologia
Decaimento radioativo e geocronologia
 

Semelhante a Temaii ivulcanologia af2

Vulcanismo1
Vulcanismo1Vulcanismo1
Vulcanismo1_comenius
Vulcanismo1_comeniusVulcanismo1_comenius
Vulcanismo1_comenius
volcanochain
 
Geologia - 12º
Geologia - 12º Geologia - 12º
Geologia - 12º
Raph_Ferreira
 
Tectonica global - Geologia
Tectonica global - GeologiaTectonica global - Geologia
Tectonica global - Geologia
Diego Leite
 
CN: A tectonica de placas
CN: A tectonica de placasCN: A tectonica de placas
CN: A tectonica de placas
nelsonesim
 
slide-geologia-501860.pdf
slide-geologia-501860.pdfslide-geologia-501860.pdf
slide-geologia-501860.pdf
LainneVitoriaGonalve
 
3 tectónica de placas
3   tectónica de placas3   tectónica de placas
3 tectónica de placas
margaridabt
 
Tectonica de placas
Tectonica de placasTectonica de placas
Tectonica de placas
J R Messias
 
Genese cap 09 revoluções do globo terrestre
Genese cap 09 revoluções do globo terrestreGenese cap 09 revoluções do globo terrestre
Genese cap 09 revoluções do globo terrestre
Fernando A. O. Pinto
 
N aula estrut evol da terra_relevo
N aula estrut evol da terra_relevoN aula estrut evol da terra_relevo
N aula estrut evol da terra_relevo
Péricles Penuel
 
RELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICORELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICO
Conceição Fontolan
 
Complexo Vulcânico Povoação-Nordeste
Complexo Vulcânico Povoação-NordesteComplexo Vulcânico Povoação-Nordeste
Complexo Vulcânico Povoação-Nordeste
RuteAmaralRaposo
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
Leonardo Alves
 
Seminario de geografia vulcão 1ºb em
Seminario de geografia vulcão   1ºb emSeminario de geografia vulcão   1ºb em
Seminario de geografia vulcão 1ºb em
Vinicius Vasconcelos
 
Biologia e Geologia 10ºano - Como sobreviver junto a um vulcão
Biologia e Geologia 10ºano - Como sobreviver junto a um vulcãoBiologia e Geologia 10ºano - Como sobreviver junto a um vulcão
Biologia e Geologia 10ºano - Como sobreviver junto a um vulcão
AlexandreGuerreiroMartins
 
Estrutura física da terra
Estrutura física da terraEstrutura física da terra
Estrutura física da terra
jrcruzoficial
 
Teoria de tectônica de placas
Teoria de tectônica de placasTeoria de tectônica de placas
Teoria de tectônica de placas
Renata Magalhães
 
DinâMica Interna Da Terra
DinâMica Interna Da TerraDinâMica Interna Da Terra
DinâMica Interna Da Terra
ceama
 
Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
drikalima
 
Aterra,Umplanetaaproteger (2003)
Aterra,Umplanetaaproteger (2003)Aterra,Umplanetaaproteger (2003)
Aterra,Umplanetaaproteger (2003)
Ana Reis
 

Semelhante a Temaii ivulcanologia af2 (20)

Vulcanismo1
Vulcanismo1Vulcanismo1
Vulcanismo1
 
Vulcanismo1_comenius
Vulcanismo1_comeniusVulcanismo1_comenius
Vulcanismo1_comenius
 
Geologia - 12º
Geologia - 12º Geologia - 12º
Geologia - 12º
 
Tectonica global - Geologia
Tectonica global - GeologiaTectonica global - Geologia
Tectonica global - Geologia
 
CN: A tectonica de placas
CN: A tectonica de placasCN: A tectonica de placas
CN: A tectonica de placas
 
slide-geologia-501860.pdf
slide-geologia-501860.pdfslide-geologia-501860.pdf
slide-geologia-501860.pdf
 
3 tectónica de placas
3   tectónica de placas3   tectónica de placas
3 tectónica de placas
 
Tectonica de placas
Tectonica de placasTectonica de placas
Tectonica de placas
 
Genese cap 09 revoluções do globo terrestre
Genese cap 09 revoluções do globo terrestreGenese cap 09 revoluções do globo terrestre
Genese cap 09 revoluções do globo terrestre
 
N aula estrut evol da terra_relevo
N aula estrut evol da terra_relevoN aula estrut evol da terra_relevo
N aula estrut evol da terra_relevo
 
RELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICORELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICO
 
Complexo Vulcânico Povoação-Nordeste
Complexo Vulcânico Povoação-NordesteComplexo Vulcânico Povoação-Nordeste
Complexo Vulcânico Povoação-Nordeste
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
 
Seminario de geografia vulcão 1ºb em
Seminario de geografia vulcão   1ºb emSeminario de geografia vulcão   1ºb em
Seminario de geografia vulcão 1ºb em
 
Biologia e Geologia 10ºano - Como sobreviver junto a um vulcão
Biologia e Geologia 10ºano - Como sobreviver junto a um vulcãoBiologia e Geologia 10ºano - Como sobreviver junto a um vulcão
Biologia e Geologia 10ºano - Como sobreviver junto a um vulcão
 
Estrutura física da terra
Estrutura física da terraEstrutura física da terra
Estrutura física da terra
 
Teoria de tectônica de placas
Teoria de tectônica de placasTeoria de tectônica de placas
Teoria de tectônica de placas
 
DinâMica Interna Da Terra
DinâMica Interna Da TerraDinâMica Interna Da Terra
DinâMica Interna Da Terra
 
Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
 
Aterra,Umplanetaaproteger (2003)
Aterra,Umplanetaaproteger (2003)Aterra,Umplanetaaproteger (2003)
Aterra,Umplanetaaproteger (2003)
 

Mais de João Soares

Mitigating glyphosate effects on crop plants and soil functions - strategies ...
Mitigating glyphosate effects on crop plants and soil functions - strategies ...Mitigating glyphosate effects on crop plants and soil functions - strategies ...
Mitigating glyphosate effects on crop plants and soil functions - strategies ...
João Soares
 
E- book: A Abolição do Trabalho por Bob Black
E- book: A Abolição do Trabalho por Bob BlackE- book: A Abolição do Trabalho por Bob Black
E- book: A Abolição do Trabalho por Bob Black
João Soares
 
A Abolicao do Trabalho-por Bob Black.pdf
A Abolicao do Trabalho-por Bob Black.pdfA Abolicao do Trabalho-por Bob Black.pdf
A Abolicao do Trabalho-por Bob Black.pdf
João Soares
 
The Open Society and Its Enemies- K. Popper
The Open Society and Its Enemies- K. PopperThe Open Society and Its Enemies- K. Popper
The Open Society and Its Enemies- K. Popper
João Soares
 
DANÇAR O ZEN: APRENDIZADO E POÉTICAS DE UM PROCESSO
DANÇAR O ZEN: APRENDIZADO E POÉTICAS DE UM PROCESSODANÇAR O ZEN: APRENDIZADO E POÉTICAS DE UM PROCESSO
DANÇAR O ZEN: APRENDIZADO E POÉTICAS DE UM PROCESSO
João Soares
 
How Google enables Big Oil’s greenwashing-Final Report
How Google enables Big Oil’s greenwashing-Final ReportHow Google enables Big Oil’s greenwashing-Final Report
How Google enables Big Oil’s greenwashing-Final Report
João Soares
 
The Entropy Law and the Economic Process
The Entropy Law and the Economic ProcessThe Entropy Law and the Economic Process
The Entropy Law and the Economic Process
João Soares
 
E-Livro - Elogio da Loucura, por Erasmo de Roterdão
E-Livro - Elogio da Loucura, por Erasmo de RoterdãoE-Livro - Elogio da Loucura, por Erasmo de Roterdão
E-Livro - Elogio da Loucura, por Erasmo de Roterdão
João Soares
 
Constituição da República Portuguesa 1976
Constituição da República Portuguesa 1976Constituição da República Portuguesa 1976
Constituição da República Portuguesa 1976
João Soares
 
War is a crime against humanity: The Story of War Resisters’ International
War is a crime against humanity: The Story of War Resisters’ InternationalWar is a crime against humanity: The Story of War Resisters’ International
War is a crime against humanity: The Story of War Resisters’ International
João Soares
 
Extending Russia: Competing from Advantageous Ground
Extending Russia: Competing from Advantageous GroundExtending Russia: Competing from Advantageous Ground
Extending Russia: Competing from Advantageous Ground
João Soares
 
Pensar Portugal – A modernidade de um país antigo
Pensar Portugal – A modernidade de um país antigoPensar Portugal – A modernidade de um país antigo
Pensar Portugal – A modernidade de um país antigo
João Soares
 
Vista do Ethos Mundial - Um consenso mínimo entre os humanos.pdf
Vista do Ethos Mundial - Um consenso mínimo entre os humanos.pdfVista do Ethos Mundial - Um consenso mínimo entre os humanos.pdf
Vista do Ethos Mundial - Um consenso mínimo entre os humanos.pdf
João Soares
 
Bulletin of the Atomic Scientisits 2024-Doomsday-Clock-Statement
Bulletin of the Atomic Scientisits 2024-Doomsday-Clock-StatementBulletin of the Atomic Scientisits 2024-Doomsday-Clock-Statement
Bulletin of the Atomic Scientisits 2024-Doomsday-Clock-Statement
João Soares
 
The Man in The High Castle Philip K. Dick
The Man in The High Castle Philip K. DickThe Man in The High Castle Philip K. Dick
The Man in The High Castle Philip K. Dick
João Soares
 
o homem do castelo alto - philip k. dick
o homem do castelo alto - philip k. dicko homem do castelo alto - philip k. dick
o homem do castelo alto - philip k. dick
João Soares
 
Falsas catástrofes invisíveis e ameaças de destruição
Falsas catástrofes invisíveis e ameaças de destruiçãoFalsas catástrofes invisíveis e ameaças de destruição
Falsas catástrofes invisíveis e ameaças de destruição
João Soares
 
Cronologia das organizações de direita (1973-1976)
Cronologia das organizações de direita (1973-1976)Cronologia das organizações de direita (1973-1976)
Cronologia das organizações de direita (1973-1976)
João Soares
 
Introdução ao pensamento feminista negro
Introdução ao pensamento feminista negroIntrodução ao pensamento feminista negro
Introdução ao pensamento feminista negro
João Soares
 
Queer Palestine and the Empire of Critique
Queer Palestine and the Empire of CritiqueQueer Palestine and the Empire of Critique
Queer Palestine and the Empire of Critique
João Soares
 

Mais de João Soares (20)

Mitigating glyphosate effects on crop plants and soil functions - strategies ...
Mitigating glyphosate effects on crop plants and soil functions - strategies ...Mitigating glyphosate effects on crop plants and soil functions - strategies ...
Mitigating glyphosate effects on crop plants and soil functions - strategies ...
 
E- book: A Abolição do Trabalho por Bob Black
E- book: A Abolição do Trabalho por Bob BlackE- book: A Abolição do Trabalho por Bob Black
E- book: A Abolição do Trabalho por Bob Black
 
A Abolicao do Trabalho-por Bob Black.pdf
A Abolicao do Trabalho-por Bob Black.pdfA Abolicao do Trabalho-por Bob Black.pdf
A Abolicao do Trabalho-por Bob Black.pdf
 
The Open Society and Its Enemies- K. Popper
The Open Society and Its Enemies- K. PopperThe Open Society and Its Enemies- K. Popper
The Open Society and Its Enemies- K. Popper
 
DANÇAR O ZEN: APRENDIZADO E POÉTICAS DE UM PROCESSO
DANÇAR O ZEN: APRENDIZADO E POÉTICAS DE UM PROCESSODANÇAR O ZEN: APRENDIZADO E POÉTICAS DE UM PROCESSO
DANÇAR O ZEN: APRENDIZADO E POÉTICAS DE UM PROCESSO
 
How Google enables Big Oil’s greenwashing-Final Report
How Google enables Big Oil’s greenwashing-Final ReportHow Google enables Big Oil’s greenwashing-Final Report
How Google enables Big Oil’s greenwashing-Final Report
 
The Entropy Law and the Economic Process
The Entropy Law and the Economic ProcessThe Entropy Law and the Economic Process
The Entropy Law and the Economic Process
 
E-Livro - Elogio da Loucura, por Erasmo de Roterdão
E-Livro - Elogio da Loucura, por Erasmo de RoterdãoE-Livro - Elogio da Loucura, por Erasmo de Roterdão
E-Livro - Elogio da Loucura, por Erasmo de Roterdão
 
Constituição da República Portuguesa 1976
Constituição da República Portuguesa 1976Constituição da República Portuguesa 1976
Constituição da República Portuguesa 1976
 
War is a crime against humanity: The Story of War Resisters’ International
War is a crime against humanity: The Story of War Resisters’ InternationalWar is a crime against humanity: The Story of War Resisters’ International
War is a crime against humanity: The Story of War Resisters’ International
 
Extending Russia: Competing from Advantageous Ground
Extending Russia: Competing from Advantageous GroundExtending Russia: Competing from Advantageous Ground
Extending Russia: Competing from Advantageous Ground
 
Pensar Portugal – A modernidade de um país antigo
Pensar Portugal – A modernidade de um país antigoPensar Portugal – A modernidade de um país antigo
Pensar Portugal – A modernidade de um país antigo
 
Vista do Ethos Mundial - Um consenso mínimo entre os humanos.pdf
Vista do Ethos Mundial - Um consenso mínimo entre os humanos.pdfVista do Ethos Mundial - Um consenso mínimo entre os humanos.pdf
Vista do Ethos Mundial - Um consenso mínimo entre os humanos.pdf
 
Bulletin of the Atomic Scientisits 2024-Doomsday-Clock-Statement
Bulletin of the Atomic Scientisits 2024-Doomsday-Clock-StatementBulletin of the Atomic Scientisits 2024-Doomsday-Clock-Statement
Bulletin of the Atomic Scientisits 2024-Doomsday-Clock-Statement
 
The Man in The High Castle Philip K. Dick
The Man in The High Castle Philip K. DickThe Man in The High Castle Philip K. Dick
The Man in The High Castle Philip K. Dick
 
o homem do castelo alto - philip k. dick
o homem do castelo alto - philip k. dicko homem do castelo alto - philip k. dick
o homem do castelo alto - philip k. dick
 
Falsas catástrofes invisíveis e ameaças de destruição
Falsas catástrofes invisíveis e ameaças de destruiçãoFalsas catástrofes invisíveis e ameaças de destruição
Falsas catástrofes invisíveis e ameaças de destruição
 
Cronologia das organizações de direita (1973-1976)
Cronologia das organizações de direita (1973-1976)Cronologia das organizações de direita (1973-1976)
Cronologia das organizações de direita (1973-1976)
 
Introdução ao pensamento feminista negro
Introdução ao pensamento feminista negroIntrodução ao pensamento feminista negro
Introdução ao pensamento feminista negro
 
Queer Palestine and the Empire of Critique
Queer Palestine and the Empire of CritiqueQueer Palestine and the Empire of Critique
Queer Palestine and the Empire of Critique
 

Temaii ivulcanologia af2

  • 1. Distribuição geográfica dos Vulcões e Tectónica de Placas A distribuição dos vulcões à superfície do Globo não é uniforme. Há zonas de grande actividade que contrastam com outras onde, na actualidade, não há manifestações vulcânicas. - Onde é que podemos encontrar vulcões? As zonas do globo onde ocorre actividade vulcânica coincidem, de modo geral com as zonas de elevada sismicidade. Zona Circumpacífica (Anel de fogo do Pacífico) Dorsais Médio- oceânicas Cintura Mediterrânico-asiática Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 2. Distribuição Mundial dos Vulcões A maior parte dos vulcões rodeia a costa do Pacífico (zona circumpacífica), formando o Anel de Fogo do Pacífico (A). Entre eles podem citar-se os vulcões Pinatubo e o Monte Santa Helena. Outros distribuem-se pelo Mediterrâneo, como o Etna, o Vesúvio e o Stromboli, formando a Cintura Mediterrânico-asiática (B). Outros ainda, como no caso do Vullcão dos Capelinhos (Faial – Açores) localizam- se ao longo das dorsais médio-oceânicas, como é o caso da Dorsal Médio-Atlântica (C). vulcões Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 3. Em Portugal, o vulcanismo primário activo está praticamente reduzido ao arquipélago dos Açores, sendo histórica a erupção do vulcão dos Capelinhos, no Faial, que durou mais de um ano. Todas as ilhas da Região Autónoma da Madeira (Madeira, Porto Santo, Desertas e Selvagens) são de origem vulcânica. As erupções que conduziram à sua formação iniciaram-se há mais de 20 Ma. Tendo em conta que a últimas erupções ocorreram há 1,7 Ma considera-se o vulcanismo primário extinto. Podemos encontrar testemunhos de actividade eruptiva, nomeadamente, os Arcos da Galheta e de S. Jorge, as grutas de S. Vicente, e uma imponente formação de rocha vulcânica em Porto Santo. Apesar de o vulcanismo primário estar inactivo há Ma, é possível encontrar testemunhos dessa actividade no passado, nomeadamente, na Estremadura (Lisboa, Mafra, Monsanto, Loures e Odivelas), no Algarve, no Alentejo e em Trás- os-Montes. Porto Santo Arquipélago da Madeira Faial – Vulcão dos Capelinhos Arquipélago dos Açores Portugal Continental Distribuição Nacional ….. Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 4. A localização dos vulcões ocorre preferencialmente em determinadas zonas, em que há estruturas que são consideradas grandes acidentes tectónicos: 1. Nas Fronteiras Convergentes de Placas Litósfericas ocorre Vulcanismo de subducção; 2. Nas Fronteiras Divergentes de Placas Litósfericas ocorre vulcanismo de vale de rifte; 3. Vulcões Intraplacas Vulcões e Tectónica de Placas Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 5. 1. Fronteiras Convergentes de Placas Litósfericas: vulcanismo de subducção Cerca de 80% dos vulcões terrestres activos e fenómenos a eles associados ocorrem em zonas de subducção. A colisão de duas placas (O -> <- O ou O -> <- C) obriga à subducção da placa mais densa e à obducção da placa menos densa. A partir de certa profundidade, as condições de Pressão e Temperatura levam à fusão da placa que mergulhou formando-se um magma de natureza intermédia. Este magma, de origem pouco profunda, costuma originar erupções do tipo explosivo. A colisão de duas placas oceânicas forma arcos de ilhas vulcânicas – arco insular (indonesia, Filipinas,…). A colisão de uma placa oceânica com uma continental origina um arco vulcânico (cadeias montanhosas costeiras, como por exemplo, os Andes). Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 6. Limites convergentes e vulcanismo Colisão (O -> <- C) Colisão (O -> <- O) Um arco insular é um tipo de arquipélago formado por processos tectónicos, quando uma placa tectónica é subductada sob uma outra, com produção de magma. Trata-se de um tipo de arco vulcânico (cadeia de montanhas ou ilhas vulcânicas localizadas perto das margens dos continentes e que são formadas em zonas de subducção de placas tectónicas). . Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 7. As Ilhas Marianas são um exemplo clássico de um arco vulcânico, uma cadeia de montanhas ou ilhas vulcânicas em arco, localizadas em zonas de subducção de placas tectónicas, neste caso, na região do Oceano Pacífico ocidental onde a Placa do Pacífico se encontra com a Placa das Filipinas. Arco vulcânico Ilhas Marianas Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 8. 2. Fronteiras Divergentes de Placas Litósfericas: vulcanismo de vale de rifte O afastamento de placas tectónicas ( O <- -> O) ou (C <- -> C) origina sistemas de fissuras na crusta, com milhares de km, através dos quais o magma ascende à superfície. Estes magmas, geralmente oriundos de zonas pouco profundas, são de natureza basáltica (magma básico), e costumam originar erupções do tipo efusivas e/ou mistas. Exemplos: Crista Médio-oceânica e Rifte Valley Africano. Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 9. Limites divergentes e vulcanismo Islândia – ilhas formadas por de rochas vulcânicas emanadas a partir do rifte médio-atlântico e também a partir de um ponto quente. Erupção na zona de rifte - Islândia Ponto quente Rifte médio-atlântico exposto Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 10. Limites divergentes e vulcanismo Rifte Valley Africano Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 11. 3. Vulcões Intraplacas Continental e Intraplaca Oceânica Vulcanismo associado à ascensão de massas de magma provenientes de zonas mais profundas do manto - plumas térmicas ou mantélicas – que alcançam a superfície em determinados pontos – hot spots. A deslocação da placa tectónica sobre os referidos pontos gera uma cadeia linear de ilhas vulcânicas. Neste caso, os magmas, provém de zonas mais profundas do manto, e desencadeiam vulcanismo tipo efusivo/misto. Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 12. Por vezes existe actividade vulcânica no interior das placas litosféricas (actividade vulcânica intraplacas). Frequentemente esse vulcanismo origina ilhas que emergem das águas, outras vezes mantos de basalto nos continentes (exemplo: Manto de lava do Decão) e nos fundos oceânicos. Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 13. Formação de uma cadeia linear de ilhas a a partir de um ponto quente Estas colunas de rocha quente e deformável ascendem e acabam por fundir originando magmas A libertação destes magmas origina pontos quentes com actividade vulcânica (de tipo central ou fissural) Na fronteira entre o manto e o núcleo, pode iniciar-se a formação de plumas térmicas ou mantélicas. Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 14. Ideias-chave …. A distribuição geográfica dos vulcões está relacionada com as placas litosféricas, sendo de considerar: - Vulcanismo associado a fronteiras divergentes (A) – vulcanismo de vale de rift, predominantemente efusivo, com derrame de lavas basálticas (lavas básicas, pouco viscosas); - Vulcanismo associado a fronteiras convergentes (B,C,D) – vulcanismo de subducção, do tipo explosivo (lavas muito ácidas, viscosas) ou misto; - Vulcanismo intraplaca (E), do tipo efusivo/misto, associado à existência de pontos quentes relacionados com a presença de plumas térmicas ou mantélicas. Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 15. Em Portugal, o vulcanismo primário activo está praticamente reduzido ao arquipélago dos Açores, sendo histórica a erupção do vulcão dos Capelinhos, no Faial, que durou mais de um ano. (Actividade página 132) AÇORES – Contexto Tectónico Contexto geológico do Arquipélago dos Açores Tectonicamente, as ilhas do arquipélago dos Açores situam-se na chamada Junção Tripla dos Açores (zona de contacto de três placas tectónicas – placa Africana, placa Euroasiática e Placa Norte-americana) Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 16. Contexto Tectónico do Arquipélago dos Açores O RT faz parte da chamada Falha Açores-Gilbraltar, que é subdividida em diferentes troços com comprimentos e comportamentos tectónicos diferentes: • BG – Banco de Gorringe • FG – Falha de Glória • RT – Rifte da Terceira A Dorsal Médio-Atlântica é cortada por diversas falhas activas, como: - Zona de fractura Norte dos Açores - Zona de fractura Faial-Pico - Zona de fractura do Banco Açor - Zona de fractura do Banco Princesa Alice - Falha transformante de S. Jorge. Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 17. Vulcanismo no Arquipélago dos Açores As últimas erupções importantes nos Açores foram submarinas: • Faial – erupção dos Capelinhos (1957/8); • Terceira – Vulcão Oceânico da Serreta (1998-2000). Dado o seu enquadramento geotectónico, a região dos Açores apresenta importante actividade vulcânica e sísmica. Existem registos de 26 importantes erupções vulcânicas que ocorreram em S.Miguel, Terceira, S.Jorge, Pico, Faial e no mar. Algumas destas erupções foram subaéreas e de natureza efusiva. Contudo, também há registos de erupções subaéreas explosivas. Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 18. Vulcanismo no Arquipélago dos Açores A análise da idade geológica calculada para cada uma das ilhas mostra que, em termos gerais, as ilhas mais afastadas da Dorsal Médio-Atlântica são as mais antigas. Neste contexto, a ilha de Santa Maria é a mais antiga (8,12 Ma) e a ilha do Pico é a mais jovem (250.000 anos). Nos Açores é normal a ocorrência de microssismos (sismos de magnitude inferior a 3 – escala de Ritcher) associados às falhas activas existentes nessa região. Periodicamente ocorrem ainda sismos de maior intensidade, que têm causado alguma destruição (Exemplo: Faial 1998 sismo de magnitude 6). Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 19. S. Miguel, Terceira e Faial são as zonas onde são frequentes os sismos sentidos (zona de maior sismicidade) Nas ilhas de Pico e S.Jorge há, comparativamente, menor número de sismos sentidos e de menor intensidade. As ilhas de Graciosa e Santa Maria evidenciam baixa sismicidade, com poucos sismos sentidos. Ilhas de Flores e Corvo, são zonas de reduzida sismicidade. Carta de Sismicidade dos Açores (2005) Observatório vulcanológico da e Sismológico da Universidade dos Açores http://www.cvarg.azores.gov.pt/Cvarg/CentroVulcanologia/actividadesismovulcanica O Rifte da Terceira e o sistema de falhas activas associadas constituem os principais sistemas geradores de sismicidade dos Açores. Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 20. Riscos e Benefícios da Actividade Vulcânica A actividade vulcânica pode originar catástrofes naturais. A violência de algumas erupções vulcânicas ao longo da História matou milhares de pessoas e modificou a composição atmosférica e o clima por algum tempo. Não é possível evitar uma erupção vulcânica, mas pode, muitas vezes, prever-se antecipadamente e proceder-se à evacuação atempada das populações, salvando muitas vidas humanas e bens materiais. Vesúvio (79Dc) soterrou Pompeia Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 21. (Baixa entalpia) Aproveitamento da energia geotérmica Benefícios da Actividade Vulcânica Porque é que o Homem teima em ocupar estas áreas de risco ? Embora alguns vulcões possam ser muito destrutivos, as suas vertentes são escolhidas por muitas pessoas para aí habitarem porque: 1. Os solos de origem vulcânica são muito férteis, dando excelentes campos de cultivo; 2. Alguns materiais valiosos como o ouro, o ferro, o enxofre e os diamantes têm origem na actividade vulcânica; 3. Nos Açores e na Islândia, as rochas vulcânicas perto da superfície atingem temperaturas tão elevadas que a água que as atravessa pode ser usada para aquecimento de casas e estufas ou mesmo para a produção de energia eléctrica. 4. As áreas vulcânicas oferecem paisagens espectaculares, atraindo excursões de visitantes aos géisers, fontes termais, fumarolas e às encostas dos vulcões, funcionando assim como pólos turísticos que desenvolvem a região. Depósito de enxofre num vulcão (Alta entalpia) Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 22. Os cientistas consideram que apenas uma única erupção vulcânica pode afectar todo o planeta, por isso tem sido desenvolvido tecnologia avançada que permita prever erupções vulcânicas, salvando a vida a milhares de pessoas. Minimização de riscos vulcânicos: Previsão e prevenção Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 23. Lahar: movimento de massa ao longo de vales ou de encostas íngremes, em forma de avalanche, de lama composta por materiais piroclásticos e água Carta de risco elaborada antes da erupção do Monte Pinatubo, em 1991. A utilização dos meios de previsão anteriormente descritos, aliada ao conhecimento topográfico e demográfico dos terrenos, permite elaborar cartas de risco vulcânico. Estes mapas baseiam-se na história da actividade eruptiva do vulcão e permitem prever o seu comportamento futuro. Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 24. Os vulcões dizem-se Activos se estão em erupção ou se entram em actividade frequente; se permanecem inactivos durante longos períodos (podem estar mais de 400 anos adormecidos) ou apenas emitem pequenas quantidades de gases denominam-se Adormecidos; dizem-se Extintos quando não há conhecimento da sua actividade durante o período histórico, encontrando-se o seu aparelho vulcânico erodido quase na totalidade. Classificação dos vulcões quanto à regularidade da actividade vulcânica ETNA, o maior vulcão activo da Europa. Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com
  • 25. Escola Secundária Francisco Franco 2007/2008 Prof. Luís Paulino http://geonovas.blogspot.com