SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
Prof. Joares Junior
UNIDADE IV
Física Moderna
 Mesmo obtendo vários sucessos, a antiga teoria quântica (1900 - 1920) tinha
sérios problemas conceituais. Na verdade, era uma mistura arbitrária de física
clássica com novos postulados, alheios e contraditórios à própria física clássica.
 Em 1926, Schrödinger foi convidado a dar um seminário sobre a teoria de Broglie.
Durante o seminário um dos ouvintes perguntou como ele podia falar abertamente
sobre uma onda associada ao elétron, se não havia nenhuma equação de onda.
 Na sequência, Erwin Schrödinger publicou a sua equação
que governa a propagação das ondas de matéria. Essa
equação, hoje tão famosa, permitiu prever corretamente
resultados experimentais em física atômica, molecular e
nuclear.
A equação de Schrödinger
 Para uma dimensão a equação de Schrödinger deve ser compatível com os
postulados de Broglie:
 Com a relação para a energia:
 A equação de Schrödinger para uma dimensão é:
A equação de Schrödinger
 A solução da equação de Schrödinger é a função de onda: Ψ(x,t).
 As funções de onda que satisfazem a equação de Schrödinger não são
necessariamente reais. Esse fato indica que não devemos atribuir às funções de
onda uma existência física.
 A função de onda Ψ(x,t) que satisfaz a equação de Schrödinger não é uma
função diretamente mensurável.
 As funções de onda possuem todas as informações,
respeitadas as leis da mecânica quântica, que podemos
saber a respeito de um sistema físico.
Função de onda - Interpretação de Born
A densidade de probabilidade é a probabilidade por unidade de comprimento de
encontrar a partícula próxima a x no tempo t. De acordo com Max Born:
 O postulado de Born pode ser escrito como: “se, no instante t, é feita uma medida
da localização da partícula associada à função de onda Ψ(x,t), então a
probabilidade P(x,t)dx de que a partícula seja encontrada em uma coordenada
entre x e x+dx é igual a Ψ* (x,t) .Ψ(x,t) dx”.
Função de onda - Interpretação de Born
Uma partícula deve necessariamente estar em alguma coordenada (x, para uma
dimensão), assim temos uma condição que a função de onda deve satisfazer:
 Apesar de a integral acima estar relacionada à probabilidade, essa condição
permite impor uma restrição matemática às possíveis soluções da equação
de Schrödinger.
Função de onda - Interpretação de Born - Normalização
 Para situações em que a energia potencial não depende da variável tempo, a parte
da variável tempo e da variável espaço na equação de onda pode ser separada.
Levada na equação de Schrödinger podemos escrever a solução para a
parte temporal:
Função de onda - Separação das funções de tempo e espaço
 A equação de Schrödinger independentemente do tempo:
 As soluções dessa equação são chamadas de autofunções e devem
satisfazer a condição:
Equação de Schrödinger independente do tempo
As condições que as autofunções (𝜓 𝑥 ) devem satisfazer são:
1) ψ (x) deve existir e satisfazer a equação de Schrödinger;
2) ψ (x) e (dψ(x) )/dx devem existir e serem contínuas;
3) ψ (x) e (dψ(x) )/dx devem existir e serem finitas;
4) ψ (x) e (dψ(x) )/dx devem ser unívocas;
5) ψ (x) deve ser quadraticamente integrável, para satisfazer a
condição de normalização.
Equação de Schrödinger independente do tempo - Autofunções
Considere as seguintes funções ψ (x)= x (0<x< ∞), ela:
a) pode ser uma autofunção.
b) não é contínua.
c) não é definida no intervalo.
d) não pode ser uma autofunção por não ser quadraticamente integrável.
e) não possui a primeira derivada.
Interatividade
d) não pode ser uma autofunção por não ser quadraticamente integrável.
Verificando se a função é quadraticamente integrável:
 Por não ser quadraticamente integrável a função dada não pode ser uma
autofunção na região considerada.
Resposta
 Essa situação também é chamada de partícula em uma caixa.
Matematicamente podemos considerar a função de energia potencial da
seguinte forma:
 Como a energia potencial é infinita do lado de fora do poço isso significa que a
partícula não pode deixar o poço. A função de onda deverá ser necessariamente
nula nessa região.
O Poço quadrado infinito
Fonte: Livro-texto
 Para a região interna do poço, ou seja, para 0<x<L.
 Condições de contorno:
A equação de Schrödinger para a região interna do poço:
Comparando com a equação do MHS:
Fazendo:
O Poço quadrado infinito - Solução
𝜓 0 = 𝜓 𝐿 = 0
 Solução proposta: a mesma do MHS.
 Os valores das constantes de integração (A e B) são determinados pelas
condições de contorno dadas. Para a condição teremos:
 Assim a função de onda passa a ser:
O Poço quadrado infinito - Solução
Para a condição teremos:
Essa condição para os valores de k levam à quantização da energia da partícula
dentro do poço:
 Para n=1 assim podemos escrever:
O Poço quadrado infinito - Solução
O diagrama de energia do poço quadrado infinito é:
 O sistema pode passar do nível n para um m, de
energia menor, emitindo um fóton de energia:
 O nível de energia mais baixa é chamado de
estado fundamental.
O Poço quadrado infinito - Solução
Fonte: Livro-texto
Energia
25E1
16E1
9E1
4E1
E1
0
n
5
4
3
2
1
V=0 L x
Para determinar a constante de normalização, considerando:
 Usando substituição trigonométrica:
O Poço quadrado infinito - Solução
 As autofunções que são soluções do poço quadrado infinito são:
 O número quântico “n” (inteiro) especifica
a autofunção de onda e a sua energia
correspondente.
O Poço quadrado infinito - Solução - Autofunções
Fonte: Livro-texto
Considere um elétron de massa 9,11 × 10−31
𝑘𝑔 confinado em uma caixa
unidimensional de comprimento L=0,1 nm (aproximadamente o tamanho de um
átomo) no seu nível fundamental. A energia desse nível será:
a) 37,9 eV
b) 2,2 eV
c) 158,7 eV
d) 9,4 KeV
e) 0,783 MeV
Interatividade
a) 37,9 eV
Para encontrarmos esse valor, voltemos à expressão:
 Para o nível fundamental n=1, assim:
Resposta
 Consideremos uma partícula submetida a uma energia potencial do tipo
função degrau.
 Considerando a condição que a energia da partícula seja menor que o “degrau”.
O degrau de potencial
Fonte: Livro-texto
Fonte: Livro-texto
 Imaginemos que a partícula esteja se movendo na região em que x<0 em direção
a x=0, na qual o potencial muda abruptamente.
 Temos que encontrar a solução da equação de Schrödinger para E<V0 nas
duas regiões.
 Para a região x<0, temos a equação:
 Para a região x>0, temos a equação:
O degrau de potencial
Para a região x<0, a solução da equação é da forma de funções harmônicas que
podem ser escritas como funções exponenciais complexas:
Para a região x>0, a solução é do tipo função exponencial, como:
O degrau de potencial
 Estudemos o comportamento das soluções para as duas regiões:
 Para 𝑥 → +∞ (x>0), a função de onda deve tender a zero, por causa dessa
condição, a constante C deve ser nula (C=0), assim teremos:
 Para a continuidade, temos que estudar o comportamento da função de onda e de
sua primeira derivada em x=0.
O degrau de potencial
Para a continuidade da derivada da função, teremos:
Para x=0, implica:
Resolvendo o sistema formado pelas duas equações em
função do parâmetro D, escrevemos:
O degrau de potencial
 Para a região x<0, temos uma onda harmônica se propagando em sentido da
posição x=0 (como se a partícula se encaminhasse para essa posição) e outro
termo relacionado a uma onda harmônica se propagando no sentido de x
decrescente (como se a partícula tivesse sido refletida na barreira de potencial).
 Coeficiente de reflexão: a razão da amplitude das ondas refletidas pela amplitude
das ondas incidentes.
O degrau de potencial
 Isso significa que para uma partícula incidente sobre o degrau de potencial, com
energia menor do que a altura do degrau, tem probabilidade igual a um de ser
refletida (ou seja, é sempre refletida). Essa afirmação é compatível com as ideias
da Física Clássica. Mas, quanticamente nem todas as partículas serão refletidas
exatamente em x=0. Ocorre o fenômeno de penetração da região classicamente
proibida. É importante entendermos que a penetração não significa que a partícula
seja mantida na região classicamente proibida.
O degrau de potencial
Fonte: Livro-texto
 Como a razão é que e-2k2x cai rapidamente a zero quando x é muito
maior que aproximamos:
O comprimento de penetração na barreira de potencial é:
O degrau de potencial
Fonte: Livro-texto
Considere uma partícula de poeira com massa, aproximadamente, igual a
4,0.10-14 kg, se movendo com velocidade muito baixa, próxima de 10-2 m/s. Se essa
partícula atinge um degrau de potencial de altura duas vezes a sua energia cinética,
vinda da região à esquerda do potencial (livre de sua ação), ela penetrará um
comprimento próximo de:
a) 2.10-19 m
b) 7. 10-16 m
c) 3. 10-12 m
d) 6 . 10-11 m
e) 2 . 10-10 m
Interatividade
a) 2.10-19 m
Calculando a energia cinética:
Usando a expressão:
Resposta
 Na mecânica quântica, a função de onda solução da equação de Schrödinger está
relacionada à densidade de probabilidade.
O valor esperado de qualquer função f(x) é definido como:
 Como a função de onda contém informações a respeito do
comportamento quântico da partícula, precisamos, a partir
da função de onda, extrair informações de grandezas
mensuráveis associadas à partícula.
Valores esperados e operadores
 A partir da função de onda, precisamos extrair informações de grandezas
mensuráveis associadas à partícula, para tal, definimos o operador.
 O operador é, como o nome diz, uma operação que deve ser feita na função de
onda e representa a grandeza física observável.
Por exemplo, para o momento linear, o operador é:
 Para calcular o valor esperado do momento linear de uma partícula, devemos
“operar” na função de onda da seguinte forma:
Valores esperados e operadores
Tabela com operadores da MQ:
Valores esperados e operadores
Símbolo Grandeza Operador
f(x)
Qualquer função de x, como posição x
ou a energia potencial V(x)
f(x)
px Componente x do momento
py Componente y do momento
pz Componente z do momento
Ec Energia cinética
H
Hamiltoniano (energia total)
dependente do tempo
H
Hamiltoniano (energia total)
independentemente do tempo
Fonte: livro-texto
 Exemplo: considere a função de onda do poço de potencial infinito no estado
fundamental (n = 1). Determine o valor esperado do momento linear.
 Como, para esse estado, a partícula possui probabilidade
igual de se mover para a esquerda e para a direita, o
momento médio é nulo.
Valores esperados e operadores
Para o estado fundamental da função de onda do poço de potencial infinito, o valor
esperado da energia cinética é:
a)
b)
Interatividade
c)
d)
e)
a)
Resposta
ATÉ A PRÓXIMA!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Slides de Aula - Física Moderna - Aula IV

Exame unificado de física 2011 1 solution
Exame unificado de física 2011 1 solutionExame unificado de física 2011 1 solution
Exame unificado de física 2011 1 solutionMarcosPacheco65
 
Questões resolvidas exame unificado de física 2014 1
Questões resolvidas exame unificado de física 2014 1Questões resolvidas exame unificado de física 2014 1
Questões resolvidas exame unificado de física 2014 117535069649
 
Exame unificado de física 2011 2 solution
Exame unificado de física 2011 2  solutionExame unificado de física 2011 2  solution
Exame unificado de física 2011 2 solution17535069649
 
Exame unificado de física 2011 2 solution
Exame unificado de física 2011 2  solutionExame unificado de física 2011 2  solution
Exame unificado de física 2011 2 solutionMarcosPacheco65
 
Exame unificado de física 2010 2 solution
Exame unificado de física 2010 2 solutionExame unificado de física 2010 2 solution
Exame unificado de física 2010 2 solution17535069649
 
Exame unificado de física 2010 2 solution
Exame unificado de física 2010 2 solutionExame unificado de física 2010 2 solution
Exame unificado de física 2010 2 solutionMarcosPacheco65
 
Aula 14: O poço de potencial infinito
Aula 14: O poço de potencial infinitoAula 14: O poço de potencial infinito
Aula 14: O poço de potencial infinitoAdriano Silva
 
Questões resolvidas exame unificado de fisica 2013 2
Questões resolvidas exame unificado de fisica 2013 2Questões resolvidas exame unificado de fisica 2013 2
Questões resolvidas exame unificado de fisica 2013 217535069649
 
Aula 9: O degrau de potencial. Caso II: Energia maior que o degrau
Aula 9: O degrau de potencial. Caso II: Energia maior que o degrauAula 9: O degrau de potencial. Caso II: Energia maior que o degrau
Aula 9: O degrau de potencial. Caso II: Energia maior que o degrauAdriano Silva
 
Aula 15: O oscilador harmônico
Aula 15: O oscilador harmônicoAula 15: O oscilador harmônico
Aula 15: O oscilador harmônicoAdriano Silva
 
Aula 7: A partícula livre
Aula 7: A partícula livreAula 7: A partícula livre
Aula 7: A partícula livreAdriano Silva
 
Exame unificado de fisica 2012 2 - solution
Exame unificado de fisica 2012 2 - solutionExame unificado de fisica 2012 2 - solution
Exame unificado de fisica 2012 2 - solutionMarcosPacheco65
 
Exame unificado de fisica 2012 2 - solution
Exame unificado de fisica 2012 2 - solutionExame unificado de fisica 2012 2 - solution
Exame unificado de fisica 2012 2 - solution17535069649
 
Aula 8: O degrau de potencial. Caso I: Energia menor que o degrau
Aula 8: O degrau de potencial. Caso I: Energia menor que o degrauAula 8: O degrau de potencial. Caso I: Energia menor que o degrau
Aula 8: O degrau de potencial. Caso I: Energia menor que o degrauAdriano Silva
 
Aula 16: Exercícios
Aula 16: ExercíciosAula 16: Exercícios
Aula 16: ExercíciosAdriano Silva
 
Exame unificado fisica 2010 1 solution
Exame unificado fisica 2010 1 solutionExame unificado fisica 2010 1 solution
Exame unificado fisica 2010 1 solutionMarcosPacheco65
 
Exame unificado fisica 2010 1 solution
Exame unificado fisica 2010 1 solutionExame unificado fisica 2010 1 solution
Exame unificado fisica 2010 1 solution17535069649
 
Questoes Resolvidas Exame Unificado de Fisica 2015-2.pdf
Questoes Resolvidas Exame Unificado de Fisica 2015-2.pdfQuestoes Resolvidas Exame Unificado de Fisica 2015-2.pdf
Questoes Resolvidas Exame Unificado de Fisica 2015-2.pdf17535069649
 
Modelo Quântico - Aprofundamento MÁXIMO 2012
Modelo Quântico - Aprofundamento MÁXIMO  2012Modelo Quântico - Aprofundamento MÁXIMO  2012
Modelo Quântico - Aprofundamento MÁXIMO 2012Paulo Filho
 

Semelhante a Slides de Aula - Física Moderna - Aula IV (20)

Exame unificado de física 2011 1 solution
Exame unificado de física 2011 1 solutionExame unificado de física 2011 1 solution
Exame unificado de física 2011 1 solution
 
Questões resolvidas exame unificado de física 2014 1
Questões resolvidas exame unificado de física 2014 1Questões resolvidas exame unificado de física 2014 1
Questões resolvidas exame unificado de física 2014 1
 
Exame unificado de física 2011 2 solution
Exame unificado de física 2011 2  solutionExame unificado de física 2011 2  solution
Exame unificado de física 2011 2 solution
 
Exame unificado de física 2011 2 solution
Exame unificado de física 2011 2  solutionExame unificado de física 2011 2  solution
Exame unificado de física 2011 2 solution
 
Exame unificado de física 2010 2 solution
Exame unificado de física 2010 2 solutionExame unificado de física 2010 2 solution
Exame unificado de física 2010 2 solution
 
Exame unificado de física 2010 2 solution
Exame unificado de física 2010 2 solutionExame unificado de física 2010 2 solution
Exame unificado de física 2010 2 solution
 
Aula 14: O poço de potencial infinito
Aula 14: O poço de potencial infinitoAula 14: O poço de potencial infinito
Aula 14: O poço de potencial infinito
 
Questões resolvidas exame unificado de fisica 2013 2
Questões resolvidas exame unificado de fisica 2013 2Questões resolvidas exame unificado de fisica 2013 2
Questões resolvidas exame unificado de fisica 2013 2
 
Aula 9: O degrau de potencial. Caso II: Energia maior que o degrau
Aula 9: O degrau de potencial. Caso II: Energia maior que o degrauAula 9: O degrau de potencial. Caso II: Energia maior que o degrau
Aula 9: O degrau de potencial. Caso II: Energia maior que o degrau
 
Aula 15: O oscilador harmônico
Aula 15: O oscilador harmônicoAula 15: O oscilador harmônico
Aula 15: O oscilador harmônico
 
Aula 7: A partícula livre
Aula 7: A partícula livreAula 7: A partícula livre
Aula 7: A partícula livre
 
Exame unificado de fisica 2012 2 - solution
Exame unificado de fisica 2012 2 - solutionExame unificado de fisica 2012 2 - solution
Exame unificado de fisica 2012 2 - solution
 
Exame unificado de fisica 2012 2 - solution
Exame unificado de fisica 2012 2 - solutionExame unificado de fisica 2012 2 - solution
Exame unificado de fisica 2012 2 - solution
 
Aula 8: O degrau de potencial. Caso I: Energia menor que o degrau
Aula 8: O degrau de potencial. Caso I: Energia menor que o degrauAula 8: O degrau de potencial. Caso I: Energia menor que o degrau
Aula 8: O degrau de potencial. Caso I: Energia menor que o degrau
 
Aula 16: Exercícios
Aula 16: ExercíciosAula 16: Exercícios
Aula 16: Exercícios
 
Exame unificado fisica 2010 1 solution
Exame unificado fisica 2010 1 solutionExame unificado fisica 2010 1 solution
Exame unificado fisica 2010 1 solution
 
Exame unificado fisica 2010 1 solution
Exame unificado fisica 2010 1 solutionExame unificado fisica 2010 1 solution
Exame unificado fisica 2010 1 solution
 
Questoes Resolvidas Exame Unificado de Fisica 2015-2.pdf
Questoes Resolvidas Exame Unificado de Fisica 2015-2.pdfQuestoes Resolvidas Exame Unificado de Fisica 2015-2.pdf
Questoes Resolvidas Exame Unificado de Fisica 2015-2.pdf
 
Modelo Quântico - Aprofundamento MÁXIMO 2012
Modelo Quântico - Aprofundamento MÁXIMO  2012Modelo Quântico - Aprofundamento MÁXIMO  2012
Modelo Quântico - Aprofundamento MÁXIMO 2012
 
Trabalho lu
Trabalho luTrabalho lu
Trabalho lu
 

Último

Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024SamiraMiresVieiradeM
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxalessandraoliveira324
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 

Slides de Aula - Física Moderna - Aula IV

  • 1. Prof. Joares Junior UNIDADE IV Física Moderna
  • 2.  Mesmo obtendo vários sucessos, a antiga teoria quântica (1900 - 1920) tinha sérios problemas conceituais. Na verdade, era uma mistura arbitrária de física clássica com novos postulados, alheios e contraditórios à própria física clássica.  Em 1926, Schrödinger foi convidado a dar um seminário sobre a teoria de Broglie. Durante o seminário um dos ouvintes perguntou como ele podia falar abertamente sobre uma onda associada ao elétron, se não havia nenhuma equação de onda.  Na sequência, Erwin Schrödinger publicou a sua equação que governa a propagação das ondas de matéria. Essa equação, hoje tão famosa, permitiu prever corretamente resultados experimentais em física atômica, molecular e nuclear. A equação de Schrödinger
  • 3.  Para uma dimensão a equação de Schrödinger deve ser compatível com os postulados de Broglie:  Com a relação para a energia:  A equação de Schrödinger para uma dimensão é: A equação de Schrödinger
  • 4.  A solução da equação de Schrödinger é a função de onda: Ψ(x,t).  As funções de onda que satisfazem a equação de Schrödinger não são necessariamente reais. Esse fato indica que não devemos atribuir às funções de onda uma existência física.  A função de onda Ψ(x,t) que satisfaz a equação de Schrödinger não é uma função diretamente mensurável.  As funções de onda possuem todas as informações, respeitadas as leis da mecânica quântica, que podemos saber a respeito de um sistema físico. Função de onda - Interpretação de Born
  • 5. A densidade de probabilidade é a probabilidade por unidade de comprimento de encontrar a partícula próxima a x no tempo t. De acordo com Max Born:  O postulado de Born pode ser escrito como: “se, no instante t, é feita uma medida da localização da partícula associada à função de onda Ψ(x,t), então a probabilidade P(x,t)dx de que a partícula seja encontrada em uma coordenada entre x e x+dx é igual a Ψ* (x,t) .Ψ(x,t) dx”. Função de onda - Interpretação de Born
  • 6. Uma partícula deve necessariamente estar em alguma coordenada (x, para uma dimensão), assim temos uma condição que a função de onda deve satisfazer:  Apesar de a integral acima estar relacionada à probabilidade, essa condição permite impor uma restrição matemática às possíveis soluções da equação de Schrödinger. Função de onda - Interpretação de Born - Normalização
  • 7.  Para situações em que a energia potencial não depende da variável tempo, a parte da variável tempo e da variável espaço na equação de onda pode ser separada. Levada na equação de Schrödinger podemos escrever a solução para a parte temporal: Função de onda - Separação das funções de tempo e espaço
  • 8.  A equação de Schrödinger independentemente do tempo:  As soluções dessa equação são chamadas de autofunções e devem satisfazer a condição: Equação de Schrödinger independente do tempo
  • 9. As condições que as autofunções (𝜓 𝑥 ) devem satisfazer são: 1) ψ (x) deve existir e satisfazer a equação de Schrödinger; 2) ψ (x) e (dψ(x) )/dx devem existir e serem contínuas; 3) ψ (x) e (dψ(x) )/dx devem existir e serem finitas; 4) ψ (x) e (dψ(x) )/dx devem ser unívocas; 5) ψ (x) deve ser quadraticamente integrável, para satisfazer a condição de normalização. Equação de Schrödinger independente do tempo - Autofunções
  • 10. Considere as seguintes funções ψ (x)= x (0<x< ∞), ela: a) pode ser uma autofunção. b) não é contínua. c) não é definida no intervalo. d) não pode ser uma autofunção por não ser quadraticamente integrável. e) não possui a primeira derivada. Interatividade
  • 11. d) não pode ser uma autofunção por não ser quadraticamente integrável. Verificando se a função é quadraticamente integrável:  Por não ser quadraticamente integrável a função dada não pode ser uma autofunção na região considerada. Resposta
  • 12.  Essa situação também é chamada de partícula em uma caixa. Matematicamente podemos considerar a função de energia potencial da seguinte forma:  Como a energia potencial é infinita do lado de fora do poço isso significa que a partícula não pode deixar o poço. A função de onda deverá ser necessariamente nula nessa região. O Poço quadrado infinito Fonte: Livro-texto
  • 13.  Para a região interna do poço, ou seja, para 0<x<L.  Condições de contorno: A equação de Schrödinger para a região interna do poço: Comparando com a equação do MHS: Fazendo: O Poço quadrado infinito - Solução 𝜓 0 = 𝜓 𝐿 = 0
  • 14.  Solução proposta: a mesma do MHS.  Os valores das constantes de integração (A e B) são determinados pelas condições de contorno dadas. Para a condição teremos:  Assim a função de onda passa a ser: O Poço quadrado infinito - Solução
  • 15. Para a condição teremos: Essa condição para os valores de k levam à quantização da energia da partícula dentro do poço:  Para n=1 assim podemos escrever: O Poço quadrado infinito - Solução
  • 16. O diagrama de energia do poço quadrado infinito é:  O sistema pode passar do nível n para um m, de energia menor, emitindo um fóton de energia:  O nível de energia mais baixa é chamado de estado fundamental. O Poço quadrado infinito - Solução Fonte: Livro-texto Energia 25E1 16E1 9E1 4E1 E1 0 n 5 4 3 2 1 V=0 L x
  • 17. Para determinar a constante de normalização, considerando:  Usando substituição trigonométrica: O Poço quadrado infinito - Solução
  • 18.  As autofunções que são soluções do poço quadrado infinito são:  O número quântico “n” (inteiro) especifica a autofunção de onda e a sua energia correspondente. O Poço quadrado infinito - Solução - Autofunções Fonte: Livro-texto
  • 19. Considere um elétron de massa 9,11 × 10−31 𝑘𝑔 confinado em uma caixa unidimensional de comprimento L=0,1 nm (aproximadamente o tamanho de um átomo) no seu nível fundamental. A energia desse nível será: a) 37,9 eV b) 2,2 eV c) 158,7 eV d) 9,4 KeV e) 0,783 MeV Interatividade
  • 20. a) 37,9 eV Para encontrarmos esse valor, voltemos à expressão:  Para o nível fundamental n=1, assim: Resposta
  • 21.  Consideremos uma partícula submetida a uma energia potencial do tipo função degrau.  Considerando a condição que a energia da partícula seja menor que o “degrau”. O degrau de potencial Fonte: Livro-texto Fonte: Livro-texto
  • 22.  Imaginemos que a partícula esteja se movendo na região em que x<0 em direção a x=0, na qual o potencial muda abruptamente.  Temos que encontrar a solução da equação de Schrödinger para E<V0 nas duas regiões.  Para a região x<0, temos a equação:  Para a região x>0, temos a equação: O degrau de potencial
  • 23. Para a região x<0, a solução da equação é da forma de funções harmônicas que podem ser escritas como funções exponenciais complexas: Para a região x>0, a solução é do tipo função exponencial, como: O degrau de potencial
  • 24.  Estudemos o comportamento das soluções para as duas regiões:  Para 𝑥 → +∞ (x>0), a função de onda deve tender a zero, por causa dessa condição, a constante C deve ser nula (C=0), assim teremos:  Para a continuidade, temos que estudar o comportamento da função de onda e de sua primeira derivada em x=0. O degrau de potencial
  • 25. Para a continuidade da derivada da função, teremos: Para x=0, implica: Resolvendo o sistema formado pelas duas equações em função do parâmetro D, escrevemos: O degrau de potencial
  • 26.  Para a região x<0, temos uma onda harmônica se propagando em sentido da posição x=0 (como se a partícula se encaminhasse para essa posição) e outro termo relacionado a uma onda harmônica se propagando no sentido de x decrescente (como se a partícula tivesse sido refletida na barreira de potencial).  Coeficiente de reflexão: a razão da amplitude das ondas refletidas pela amplitude das ondas incidentes. O degrau de potencial
  • 27.  Isso significa que para uma partícula incidente sobre o degrau de potencial, com energia menor do que a altura do degrau, tem probabilidade igual a um de ser refletida (ou seja, é sempre refletida). Essa afirmação é compatível com as ideias da Física Clássica. Mas, quanticamente nem todas as partículas serão refletidas exatamente em x=0. Ocorre o fenômeno de penetração da região classicamente proibida. É importante entendermos que a penetração não significa que a partícula seja mantida na região classicamente proibida. O degrau de potencial Fonte: Livro-texto
  • 28.  Como a razão é que e-2k2x cai rapidamente a zero quando x é muito maior que aproximamos: O comprimento de penetração na barreira de potencial é: O degrau de potencial Fonte: Livro-texto
  • 29. Considere uma partícula de poeira com massa, aproximadamente, igual a 4,0.10-14 kg, se movendo com velocidade muito baixa, próxima de 10-2 m/s. Se essa partícula atinge um degrau de potencial de altura duas vezes a sua energia cinética, vinda da região à esquerda do potencial (livre de sua ação), ela penetrará um comprimento próximo de: a) 2.10-19 m b) 7. 10-16 m c) 3. 10-12 m d) 6 . 10-11 m e) 2 . 10-10 m Interatividade
  • 30. a) 2.10-19 m Calculando a energia cinética: Usando a expressão: Resposta
  • 31.  Na mecânica quântica, a função de onda solução da equação de Schrödinger está relacionada à densidade de probabilidade. O valor esperado de qualquer função f(x) é definido como:  Como a função de onda contém informações a respeito do comportamento quântico da partícula, precisamos, a partir da função de onda, extrair informações de grandezas mensuráveis associadas à partícula. Valores esperados e operadores
  • 32.  A partir da função de onda, precisamos extrair informações de grandezas mensuráveis associadas à partícula, para tal, definimos o operador.  O operador é, como o nome diz, uma operação que deve ser feita na função de onda e representa a grandeza física observável. Por exemplo, para o momento linear, o operador é:  Para calcular o valor esperado do momento linear de uma partícula, devemos “operar” na função de onda da seguinte forma: Valores esperados e operadores
  • 33. Tabela com operadores da MQ: Valores esperados e operadores Símbolo Grandeza Operador f(x) Qualquer função de x, como posição x ou a energia potencial V(x) f(x) px Componente x do momento py Componente y do momento pz Componente z do momento Ec Energia cinética H Hamiltoniano (energia total) dependente do tempo H Hamiltoniano (energia total) independentemente do tempo Fonte: livro-texto
  • 34.  Exemplo: considere a função de onda do poço de potencial infinito no estado fundamental (n = 1). Determine o valor esperado do momento linear.  Como, para esse estado, a partícula possui probabilidade igual de se mover para a esquerda e para a direita, o momento médio é nulo. Valores esperados e operadores
  • 35. Para o estado fundamental da função de onda do poço de potencial infinito, o valor esperado da energia cinética é: a) b) Interatividade c) d) e)