SlideShare uma empresa Scribd logo
Sistema Nervoso
PROF.: PAULO WENDELL
O QUE É O SISTEMA
NERVOSO?
QUAL SUA FUNÇÃO?
Eróticos
Sistema Nervoso
▪ O sistema nervoso é responsável pelo
ajustamento do organismo animal ao ambiente.
Sua função é perceber e identificar as condições
ambientais externas, bem como as condições
internas ao próprio corpo, e elaborar respostas
que adaptem o animal a essas condições.
Sistema Nervoso
▪ Além de coordenar as diversas funções
do organismo, contribuindo para seu
equilíbrio, permite que os seres vivos que
apresentam nutrição heterotrófica e
mobilidade reajam de modo rápido a
estímulos do meio ambiente.
Neurônio
▪ Todo sistema nervoso funciona devido a sua
unidade funcional o neurônio. O neurônio é
uma célula altamente especializada em
receber e transmitir estímulos, que se
traduzem numa alteração elétrica que
percorre sua membrana – o impulso
nervoso.
Neurônio
▪ Corpo celular – onde se localiza o núcleo e as organelas,
além da maior parte do citoplasma.
▪ Dendritos – prolongamentos curtos e numerosos que
rodeiam o centro celular. Geralmente são ramificados, com
aspecto de árvore, cuja função é captar os estímulos do
meio ambiente ou de outras células e conduzi-los em
direção ao corpo celular.
▪ Axônio – é um prolongamento maior, único por célula, cuja
função é transmitir o impulso nervoso para o neurônio
vizinho. A porção final do axônio apresenta ramificações
que ficam próximas dos dendritos da célula seguinte,
formando uma região denominada sinapse. É nessa região
que ocorre a transmissão da informação desde os axônios
para os músculos, para os corpos celulares ou para os
dendritos de outros neurônios ou, ainda, para células
glandulares.
Sob o ponto de vista funcional os neurônios
podem ser de três tipos:
▪ Sensoriais (aferentes) - são aqueles que recebem os
estímulos do meio interno e ambiente externo e os
levam ao sistema nervoso central;
▪ Motores (eferentes) - levam os impulsos aos órgãos
efetores como os músculos e glândulas;
▪ Associação - são os neurônios do sistema nervoso
central que fazem conexão entre um neurônio
sensorial e um neurônio motor.
Sinapses
▪ A passagem do impulso nervoso de um
neurônio para outro recebe o nome de
Sinapse, que ocorre com o auxílio de
neurotransmissores ou mediadores
químicos.
▪ O impulso nervoso sempre segue o mesmo
sentido: DENDRITO → CORPO CELULAR → AXÔNIO
▪ As células do tecido nervoso são sustentadas e nutridas por um grupo de células
chamadas de neuroglia ou glia. São células muito mais numerosas e menores que
os neurônios.
▪ Na glia distinguem-se quatro tipos principais de células:
➢Astrócitos;
➢Oligodendrócitos;
➢Micróglia;
➢Células de Schwann.
▪ Os Oligodendrócitos e as células de Schwann formam uma
“capa” sobre certas neurofibra, o estrato mielínico, que protege
e auxilia no funcionamento dos neurônios.
▪ Astrócitos - são responsáveis pela sustentação e nutrição dos
neurônios, além da cicatrização de lesões.
▪ Micróglia - formada por células pequenas que são responsáveis
pela limpeza do tecido, pois são capazes de realizar fagocitose.
Bainha de Mielina
Proteção do sistema nervoso
Ex.: Neymar.
Fraturou a terceira vértebra lombar
no jogo Brasil x Colômbia, pelas
quartas de final da copa do mundo
de 2014.
Meninges
Sistema Nervoso Central (SNC)
▪ O encéfalo (cérebro, cerebelo, hipotálamo,
ponte e bulbo) e a medula espinal compõem
o SNC.
▪ Cuja função é interpretar as informações
captadas pelos órgãos sensoriais e elaborar
respostas adequadas, enviando-as aos
músculos, principais responsáveis pelas
ações nervosas.
Encéfalo
▪ Cérebro - é dividido em dois hemisférios, unidos
pelo corpo caloso, um feixe formado por
prolongamentos de neurônios que fazem a
comunicação entre os hemisférios direito e
esquerdo.
▪ Substância branca (conjunto de axônios) –
Região mais interna.
▪ Substância Cinzenta (Conjunto de corpos
celulares) – córtex cerebral.
Cérebro X Medula Espinal
Córtex Cerebral
▪ Percepção;
▪ Emoções;
▪ Processa as informações dos órgãos dos
sentidos;
▪ Sede do pensamento
▪ Aprendizagem;
▪ Linguagem;
▪ Consciência
▪ Memória (hipocampo)
▪ Inteligência.
Cerebelo
▪ O cerebelo é a parte do encéfalo
responsável pela manutenção do
equilíbrio e postura corporal,
controle do tónus muscular e dos
movimentos voluntários, bem
como pela aprendizagem motora.
Tálamo
▪ Recebe impulsos dos órgãos dos
sentidos (exceto os do olfato) e os
transmite às regiões
correspondentes no córtex cerebral.
O tálamo tem relação ainda com as
emoções.
Hipotálamo
▪ Responsável pelo controle da pressão sanguínea,
▪ Pela conservação da água do corpo
(osmorregulação);
▪ Produção de suor; temperatura corporal, pela fome,
sede e raiva, pelo comportamento agressivo;
▪ Medo, prazer, instinto sexual, ciclo menstrual e pelo
controle dos hormônios da hipófise.
▪ Portanto, exerce papel importante na homeostase e
nas emoções, estabelecendo ligação, pela hipófise,
entre as glândulas endócrinas e o sistema nervoso.
Ponte e Bulbo (medula oblonga)
▪ A ponte e o bulbo são as partes que fazem
a ligação do encéfalo com a medula
espinhal. No bulbo estão localizados os
centros de controle cardiorrespiratório e
dos reflexos de salivação, deglutição,
vômito, espirro e tosse.
Mesencéfalo
▪ Controla os reflexos de audição, como movimento da
cabeça para localizar um som, e os movimentos
oculares.
▪ Além disso, nessa região há um grupo de neurônios,
presentes também no bulbo, na ponte e no tálamo,
encarregado de “filtrar” mensagens que se dirigem às
partes conscientes do cérebro.
▪ Esses neurônios atuam na atenção e na passagem da
vigília para o sono, mantendo ou não a pessoa
desperta.
▪ Mensencéfalo, Ponte e Bulbo formam o tronco
encefálico. O início do sono é comandado por neurônios
dessa região, que enviam impulsos inibidores para o
córtex, a parte do encéfalo responsável pela
consciência.
▪ Outros neurônios levam impulsos para os nervos
cranianos, fazendo relaxar os músculos da face. Então,
a pessoa fica lerda, com reflexos mais lentos, sente
uma moleza, as pálpebras ficam mais “pesadas” e ela
não consegue mais se concentrar.
Medula Espinal
▪ A medula espinal está situada no interior da
coluna vertebral. Assim como o encéfalo, a
medula é constituída de uma substância branca
(dendritos e axônios) e uma substância cinzenta
(aglomerado de corpos celulares de neurônio).
▪ É revestida externamente pelas três meninges. O
centro medular é percorrido por canal no qual
circula o líquido cefalorraquidiano.
▪ Responsável pelo ato reflexo.
Os Reflexos
Os reflexos são, portanto, atos involuntários, rápidos,
conscientes ou não, que visam a uma proteção ou adaptação do
organismo, quando este recebe um estímulo periférico.
Sistema Nervoso Periférico (SNP)
▪ É constituído por Nervos e Gânglios Nervosos.
▪ Nervos – são estruturas filamentosas, formada por
neurofibra que partem do encéfalo e da medula espinal e
atingem as diversas partes do corpo.
▪ Gânglios Nervosos – são dilatações presentes em certos
nervos que contêm corpos celulares de neurônios, de onde
partem fibras nervosas componentes desses nervos.
SNP
▪ Nervos Cranianos – conectam o encéfalo
a órgãos dos sentidos e a músculos.
▪ Nervos Espinais (raquidianos) –
Conectam a medula espinal a células
sensoriais e músculos.
▪ Os seres humanos têm 12 pares de
nervos cranianos e 31 pares de nervos
espinais.
Divisão do SNP – Somático e Autônomo.
▪ SNP somático (voluntário) – tem ramos sensitivos e motores. Os primeiros conduzem estímulos
provenientes do ambiente externo ou interno ao sistema nervoso central e os ramos motores levam
impulsos nervosos do SNC aos músculos estriados esqueléticos.
▪ SNP autônomo (involuntário) – exclusivamente motor, estimula a musculatura lisa de diversos
órgãos (vísceras e vasos sanguíneos) e a musculatura do coração (miocárdio).
▪ Sistema Nervoso Periférico Autônomo (SNPA) – É dividido em dois ramos: SNPA simpático e SNPA
parassimpático.
▪ As neurofibra nervosas simpáticas e parassimpáticas controlam os mesmos órgãos, mas trabalham
em oposição: enquanto um dos ramos estimula determinado órgão, o outro inibe.
Simpático (Adrenalina) X Parassimpático (Acetilcolina)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
Gustavo Sousa
 
Sistema neuro-hormonal
Sistema neuro-hormonalSistema neuro-hormonal
Sistema neuro-hormonal
Rodrigo Garcia
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
04 Sn FunçõEs Tc 0809
04 Sn FunçõEs Tc 080904 Sn FunçõEs Tc 0809
04 Sn FunçõEs Tc 0809
Teresa Monteiro
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Roberta Mendes
 
Anatomia humana sistema nervoso
Anatomia humana sistema nervosoAnatomia humana sistema nervoso
Anatomia humana sistema nervoso
The Church of Jesus Christ of Latter-day Saints
 
Aula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervosoAula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervoso
Glorinha E David
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
Melissa Oliveira
 
Sistema neuro hormonal - Nervoso
Sistema neuro hormonal - NervosoSistema neuro hormonal - Nervoso
Sistema neuro hormonal - Nervoso
Isabel Lopes
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Patricia Ruiz
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
Imodificavel HB
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
gueste74a91
 
Sistema nervoso 2010
Sistema nervoso 2010Sistema nervoso 2010
Sistema nervoso 2010
BriefCase
 
apostila-anatomia-sistema-nervoso
apostila-anatomia-sistema-nervosoapostila-anatomia-sistema-nervoso
apostila-anatomia-sistema-nervoso
Ana Clara
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Ivanilson Gomes
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
MatheusMesquitaMelo
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
GabriellaFicher
 
Sistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaSistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humana
Marília Gomes
 
Aula sm (sn)
Aula sm (sn)Aula sm (sn)
Aula sm (sn)
Carlos Andrade
 

Mais procurados (20)

O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
Sistema neuro-hormonal
Sistema neuro-hormonalSistema neuro-hormonal
Sistema neuro-hormonal
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
04 Sn FunçõEs Tc 0809
04 Sn FunçõEs Tc 080904 Sn FunçõEs Tc 0809
04 Sn FunçõEs Tc 0809
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Anatomia humana sistema nervoso
Anatomia humana sistema nervosoAnatomia humana sistema nervoso
Anatomia humana sistema nervoso
 
Aula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervosoAula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema neuro hormonal - Nervoso
Sistema neuro hormonal - NervosoSistema neuro hormonal - Nervoso
Sistema neuro hormonal - Nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema nervoso 2010
Sistema nervoso 2010Sistema nervoso 2010
Sistema nervoso 2010
 
apostila-anatomia-sistema-nervoso
apostila-anatomia-sistema-nervosoapostila-anatomia-sistema-nervoso
apostila-anatomia-sistema-nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaSistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humana
 
Aula sm (sn)
Aula sm (sn)Aula sm (sn)
Aula sm (sn)
 

Semelhante a Sistema Nervoso.

AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
FabianoDoVale
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
AleSclearuc
 
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
Hugo Martins
 
O sistema nervoso
O sistema nervoso O sistema nervoso
O sistema nervoso
Nubia Karla
 
Sistema Neurológico
Sistema NeurológicoSistema Neurológico
Sistema Neurológico
GuilhermeMantovani6
 
SISTEMA NERVOSO.pptx
SISTEMA NERVOSO.pptxSISTEMA NERVOSO.pptx
SISTEMA NERVOSO.pptx
Geovana654578
 
Sistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalSistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonal
Leonardo Alves
 
11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso
Simone Alvarenga
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Darsoni da Silva
 
Sistemanervoso1 (2)
Sistemanervoso1 (2)Sistemanervoso1 (2)
Sistemanervoso1 (2)
AnailtOn Silva Jr.
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
AnailtOn Silva Jr.
 
Sistema nervoso periferico
Sistema nervoso perifericoSistema nervoso periferico
Sistema nervoso periferico
Amanda Mazzei
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Pedro Kangombe
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Dhiogo Boza
 
Sistema nervoso biologia 1 ano texto.pdf
Sistema nervoso biologia 1  ano texto.pdfSistema nervoso biologia 1  ano texto.pdf
Sistema nervoso biologia 1 ano texto.pdf
itamirvieira1
 
AULA 7 sistema nervoso.pptx
AULA 7 sistema nervoso.pptxAULA 7 sistema nervoso.pptx
AULA 7 sistema nervoso.pptx
EdsondaRitaEgidioArm
 
Sistema neurohormonal
Sistema neurohormonalSistema neurohormonal
Sistema neurohormonal
Patrícia Santos
 
Sist Neurohormonal
Sist NeurohormonalSist Neurohormonal
Sist Neurohormonal
marco :)
 
sistema-nervoso_completo_aula_imagens.pdf
sistema-nervoso_completo_aula_imagens.pdfsistema-nervoso_completo_aula_imagens.pdf
sistema-nervoso_completo_aula_imagens.pdf
LuisPauloCarvalho5
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso

Semelhante a Sistema Nervoso. (20)

AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
 
O sistema nervoso
O sistema nervoso O sistema nervoso
O sistema nervoso
 
Sistema Neurológico
Sistema NeurológicoSistema Neurológico
Sistema Neurológico
 
SISTEMA NERVOSO.pptx
SISTEMA NERVOSO.pptxSISTEMA NERVOSO.pptx
SISTEMA NERVOSO.pptx
 
Sistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalSistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonal
 
11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistemanervoso1 (2)
Sistemanervoso1 (2)Sistemanervoso1 (2)
Sistemanervoso1 (2)
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema nervoso periferico
Sistema nervoso perifericoSistema nervoso periferico
Sistema nervoso periferico
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso biologia 1 ano texto.pdf
Sistema nervoso biologia 1  ano texto.pdfSistema nervoso biologia 1  ano texto.pdf
Sistema nervoso biologia 1 ano texto.pdf
 
AULA 7 sistema nervoso.pptx
AULA 7 sistema nervoso.pptxAULA 7 sistema nervoso.pptx
AULA 7 sistema nervoso.pptx
 
Sistema neurohormonal
Sistema neurohormonalSistema neurohormonal
Sistema neurohormonal
 
Sist Neurohormonal
Sist NeurohormonalSist Neurohormonal
Sist Neurohormonal
 
sistema-nervoso_completo_aula_imagens.pdf
sistema-nervoso_completo_aula_imagens.pdfsistema-nervoso_completo_aula_imagens.pdf
sistema-nervoso_completo_aula_imagens.pdf
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 

Último

- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 

Último (20)

- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 

Sistema Nervoso.

  • 2. O QUE É O SISTEMA NERVOSO? QUAL SUA FUNÇÃO?
  • 4.
  • 5. Sistema Nervoso ▪ O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo animal ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições internas ao próprio corpo, e elaborar respostas que adaptem o animal a essas condições.
  • 6. Sistema Nervoso ▪ Além de coordenar as diversas funções do organismo, contribuindo para seu equilíbrio, permite que os seres vivos que apresentam nutrição heterotrófica e mobilidade reajam de modo rápido a estímulos do meio ambiente.
  • 7.
  • 8. Neurônio ▪ Todo sistema nervoso funciona devido a sua unidade funcional o neurônio. O neurônio é uma célula altamente especializada em receber e transmitir estímulos, que se traduzem numa alteração elétrica que percorre sua membrana – o impulso nervoso.
  • 9. Neurônio ▪ Corpo celular – onde se localiza o núcleo e as organelas, além da maior parte do citoplasma. ▪ Dendritos – prolongamentos curtos e numerosos que rodeiam o centro celular. Geralmente são ramificados, com aspecto de árvore, cuja função é captar os estímulos do meio ambiente ou de outras células e conduzi-los em direção ao corpo celular. ▪ Axônio – é um prolongamento maior, único por célula, cuja função é transmitir o impulso nervoso para o neurônio vizinho. A porção final do axônio apresenta ramificações que ficam próximas dos dendritos da célula seguinte, formando uma região denominada sinapse. É nessa região que ocorre a transmissão da informação desde os axônios para os músculos, para os corpos celulares ou para os dendritos de outros neurônios ou, ainda, para células glandulares.
  • 10. Sob o ponto de vista funcional os neurônios podem ser de três tipos: ▪ Sensoriais (aferentes) - são aqueles que recebem os estímulos do meio interno e ambiente externo e os levam ao sistema nervoso central; ▪ Motores (eferentes) - levam os impulsos aos órgãos efetores como os músculos e glândulas; ▪ Associação - são os neurônios do sistema nervoso central que fazem conexão entre um neurônio sensorial e um neurônio motor.
  • 11. Sinapses ▪ A passagem do impulso nervoso de um neurônio para outro recebe o nome de Sinapse, que ocorre com o auxílio de neurotransmissores ou mediadores químicos. ▪ O impulso nervoso sempre segue o mesmo sentido: DENDRITO → CORPO CELULAR → AXÔNIO
  • 12. ▪ As células do tecido nervoso são sustentadas e nutridas por um grupo de células chamadas de neuroglia ou glia. São células muito mais numerosas e menores que os neurônios. ▪ Na glia distinguem-se quatro tipos principais de células: ➢Astrócitos; ➢Oligodendrócitos; ➢Micróglia; ➢Células de Schwann.
  • 13. ▪ Os Oligodendrócitos e as células de Schwann formam uma “capa” sobre certas neurofibra, o estrato mielínico, que protege e auxilia no funcionamento dos neurônios. ▪ Astrócitos - são responsáveis pela sustentação e nutrição dos neurônios, além da cicatrização de lesões. ▪ Micróglia - formada por células pequenas que são responsáveis pela limpeza do tecido, pois são capazes de realizar fagocitose.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21. Ex.: Neymar. Fraturou a terceira vértebra lombar no jogo Brasil x Colômbia, pelas quartas de final da copa do mundo de 2014.
  • 22.
  • 24.
  • 25.
  • 26. Sistema Nervoso Central (SNC) ▪ O encéfalo (cérebro, cerebelo, hipotálamo, ponte e bulbo) e a medula espinal compõem o SNC. ▪ Cuja função é interpretar as informações captadas pelos órgãos sensoriais e elaborar respostas adequadas, enviando-as aos músculos, principais responsáveis pelas ações nervosas.
  • 27. Encéfalo ▪ Cérebro - é dividido em dois hemisférios, unidos pelo corpo caloso, um feixe formado por prolongamentos de neurônios que fazem a comunicação entre os hemisférios direito e esquerdo. ▪ Substância branca (conjunto de axônios) – Região mais interna. ▪ Substância Cinzenta (Conjunto de corpos celulares) – córtex cerebral.
  • 28. Cérebro X Medula Espinal
  • 29.
  • 30. Córtex Cerebral ▪ Percepção; ▪ Emoções; ▪ Processa as informações dos órgãos dos sentidos; ▪ Sede do pensamento ▪ Aprendizagem; ▪ Linguagem; ▪ Consciência ▪ Memória (hipocampo) ▪ Inteligência.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34. Cerebelo ▪ O cerebelo é a parte do encéfalo responsável pela manutenção do equilíbrio e postura corporal, controle do tónus muscular e dos movimentos voluntários, bem como pela aprendizagem motora.
  • 35.
  • 36. Tálamo ▪ Recebe impulsos dos órgãos dos sentidos (exceto os do olfato) e os transmite às regiões correspondentes no córtex cerebral. O tálamo tem relação ainda com as emoções.
  • 37. Hipotálamo ▪ Responsável pelo controle da pressão sanguínea, ▪ Pela conservação da água do corpo (osmorregulação); ▪ Produção de suor; temperatura corporal, pela fome, sede e raiva, pelo comportamento agressivo; ▪ Medo, prazer, instinto sexual, ciclo menstrual e pelo controle dos hormônios da hipófise. ▪ Portanto, exerce papel importante na homeostase e nas emoções, estabelecendo ligação, pela hipófise, entre as glândulas endócrinas e o sistema nervoso.
  • 38. Ponte e Bulbo (medula oblonga) ▪ A ponte e o bulbo são as partes que fazem a ligação do encéfalo com a medula espinhal. No bulbo estão localizados os centros de controle cardiorrespiratório e dos reflexos de salivação, deglutição, vômito, espirro e tosse.
  • 39. Mesencéfalo ▪ Controla os reflexos de audição, como movimento da cabeça para localizar um som, e os movimentos oculares. ▪ Além disso, nessa região há um grupo de neurônios, presentes também no bulbo, na ponte e no tálamo, encarregado de “filtrar” mensagens que se dirigem às partes conscientes do cérebro. ▪ Esses neurônios atuam na atenção e na passagem da vigília para o sono, mantendo ou não a pessoa desperta.
  • 40. ▪ Mensencéfalo, Ponte e Bulbo formam o tronco encefálico. O início do sono é comandado por neurônios dessa região, que enviam impulsos inibidores para o córtex, a parte do encéfalo responsável pela consciência. ▪ Outros neurônios levam impulsos para os nervos cranianos, fazendo relaxar os músculos da face. Então, a pessoa fica lerda, com reflexos mais lentos, sente uma moleza, as pálpebras ficam mais “pesadas” e ela não consegue mais se concentrar.
  • 41. Medula Espinal ▪ A medula espinal está situada no interior da coluna vertebral. Assim como o encéfalo, a medula é constituída de uma substância branca (dendritos e axônios) e uma substância cinzenta (aglomerado de corpos celulares de neurônio). ▪ É revestida externamente pelas três meninges. O centro medular é percorrido por canal no qual circula o líquido cefalorraquidiano. ▪ Responsável pelo ato reflexo.
  • 42. Os Reflexos Os reflexos são, portanto, atos involuntários, rápidos, conscientes ou não, que visam a uma proteção ou adaptação do organismo, quando este recebe um estímulo periférico.
  • 43. Sistema Nervoso Periférico (SNP) ▪ É constituído por Nervos e Gânglios Nervosos. ▪ Nervos – são estruturas filamentosas, formada por neurofibra que partem do encéfalo e da medula espinal e atingem as diversas partes do corpo. ▪ Gânglios Nervosos – são dilatações presentes em certos nervos que contêm corpos celulares de neurônios, de onde partem fibras nervosas componentes desses nervos.
  • 44. SNP ▪ Nervos Cranianos – conectam o encéfalo a órgãos dos sentidos e a músculos. ▪ Nervos Espinais (raquidianos) – Conectam a medula espinal a células sensoriais e músculos. ▪ Os seres humanos têm 12 pares de nervos cranianos e 31 pares de nervos espinais.
  • 45. Divisão do SNP – Somático e Autônomo. ▪ SNP somático (voluntário) – tem ramos sensitivos e motores. Os primeiros conduzem estímulos provenientes do ambiente externo ou interno ao sistema nervoso central e os ramos motores levam impulsos nervosos do SNC aos músculos estriados esqueléticos. ▪ SNP autônomo (involuntário) – exclusivamente motor, estimula a musculatura lisa de diversos órgãos (vísceras e vasos sanguíneos) e a musculatura do coração (miocárdio). ▪ Sistema Nervoso Periférico Autônomo (SNPA) – É dividido em dois ramos: SNPA simpático e SNPA parassimpático. ▪ As neurofibra nervosas simpáticas e parassimpáticas controlam os mesmos órgãos, mas trabalham em oposição: enquanto um dos ramos estimula determinado órgão, o outro inibe.
  • 46. Simpático (Adrenalina) X Parassimpático (Acetilcolina)