SlideShare uma empresa Scribd logo
SIMULADO 02
SIMULADO 02
1. A política pública, como ação do Estado, tem intencionalidades, diretrizes
e projetos, prevendo desenhos, metas e resultados, materializando-se e
concretizando-se por meio da prática social. No entanto, assiste-se à
descontinuidade e baixa efetividade das políticas, atribuídas à fragilidade de
sua implementação. Nessa perspectiva, é recente a retomada do trabalho
social enquanto metodologias e processos que movimentam a política pública,
evidenciando-se a sua
(A) contestação.
(B) perpetuação.
(C) revalorização.
(D) deterioração.
(E) superação.
2. Na esteira do Movimento de Reconceituação, uma das teorias que
influenciaram o Serviço Social como portadora de um conceito sobre a relação
Estado/Instituições Públicas, que considerava tais instituições como
aparelhos ideológicos do Estado, tem como seu principal expoente
(A) Michael Lowy.
(B) Gramsci.
(C) Mannheim.
(D) Max Weber.
(E) Althusser.
3. O processo de surgimento e desenvolvimento das grandes entidades
assistenciais – estatais, autárquicas ou privadas – é também o processo de
_________ do Serviço Social. A profissão de assistente social apenas pode
se consolidar e romper o estreito quadro de sua origem no bloco ________
a partir do mercado de trabalho que se abriu com as entidades assistenciais
SIMULADO 02
e nele inseriu-se. Assinale a alternativa que completa, correta e
respectivamente, as lacunas do texto.
(A) amadurecimento e instrumentalização ... subalterno
(B) retração e consolidação ... teórico
(C) comprometimento e superação ... dominante
(D) organização e autonomia ... operário
(E) legitimação e institucionalização ... católico
4. O Serviço Social é uma das profissões inscritas na divisão sociotécnica do
trabalho na ordem social capitalista madura e caracteriza-se por ser uma
profissão interventiva. Assim, o profissional necessita, além de conhecer a
realidade na sua complexidade, criar meios para transformá-la na direção de
determinado projeto socioprofissional. Essa dupla dimensão que caracteriza
o Serviço Social desafia os profissionais a enfrentá-la cotidianamente no
complexo tecido das organizações sociais em que atuam. Esse enfrentamento
exige uma fundamentação teórico-metodológica compatível com tal
complexidade. É nesse aspecto que a categoria da mediação aporta grande
contribuição
(A) ao desvendamento dos fenômenos reais e à intervenção do assistente
social.
(B) à transição necessária do modo de pensar e do modo de agir profissional.
(C) à recusa do conservadorismo e à manutenção dos postos profissionais de
trabalho.
(D) ao redirecionamento ético e à revisão da postura dos assistentes sociais.
(E) à formulação de estudos e à necessária realização de pesquisas.
5. O Serviço Social, em seu processo de institucionalização, apresenta pouca
relação com as principais práticas materiais desempenhadas pelas
SIMULADO 02
instituições nas quais os profissionais atuam. Nesse sentido, pode-se afirmar
que a ação do Serviço Social, apesar de auxiliar e subsidiária, é necessária
para o funcionamento racional das instituições. Assim, esse caráter
necessário e racionalizador de tais práticas é derivado, em grande parte, do
conteúdo de classe que determina a ação das instituições assistenciais, qual
seja, dos interesses das classes dominantes contidos nas
(A) determinações usuais de demandas dos usuários.
(B) políticas sociais do Estado.
(C) sequelas da questão social.
(D) expressões da desigualdade generalizada.
(E) especificidades ideológicas da população subalterna.
6. O positivismo, até os primórdios do século XIX, apresentava-se como
ciência social, com características utópicas-críticas. É a partir de Comte que
o positivismo adquire novos enfoques. Em sua evolução, transforma-se em uma
perspectiva básica da Sociologia, na qual predomina como diretriz
(A) a manutenção de privilégios da classe trabalhadora.
(B) o reconhecimento das situações de conflito presentes no âmbito sócio-
político-econômico.
(C) a defesa da ordem real, ou seja, a defesa dos interesses da burguesia.
(D) a necessária reprodução da totalidade social, justa e solidária.
(E) a preservação de princípios humanitários universais.
7. Como pode ser concebido o estudo social? Por que, para que e como
construí-lo? Quais implicações ético-políticas se fazem presentes na sua
construção? Em que consiste esse meio de trabalho enquanto especificidade
do Serviço Social? O estudo social tão presente no cotidiano da intervenção
SIMULADO 02
ao longo do processo histórico do Serviço Social, tudo indica, foi
redescoberto como um(a)
(A) estratégia a serviço das instituições.
(B) possibilidade metodológica limitadora.
(C) recurso compulsório para atendimento ao usuário.
(D) objeto de investigação sistemática.
(E) modelo exemplar e qualificado de atendimento.
8. Avaliação é processo contínuo que alcança um programa nas etapas de sua
concepção, implementação e resultados. O tipo e a natureza da avaliação são
definidos em um campo complexo de alternativas, referentes a distintas
dimensões, momentos e etapas do que se pretende avaliar. No ciclo avaliativo,
vale destacar a importância da avaliação identificada como marco zero ou
linha de base. Essa metodologia é comumente identificada como avaliação
(A) ex ante.
(B) de resultados.
(C) de processo.
(D) esporádica.
(E) transparente.
9. A ética preconiza a necessidade da reflexão e da crítica, destacando que
nem a moral nem a lei são dados a-históricos, naturais e imutáveis. Ela integra
os diferentes campos que estruturam a sociedade, uma vez que estes são
tanto produto quanto produtores das ações dos sujeitos. A ética interroga as
leis, as competências e qualificações profissionais e conforma uma
deontologia profissional. Em se tratando das relações do Assistente Social
com as instituições empregadoras, o Código de Ética de 1993 define como um
dos seus direitos
SIMULADO 02
(A) incentivar a prática profissional interdisciplinar.
(B) executar e repassar os serviços institucionais.
(C) ter livre acesso à população usuária.
(D) empenhar-se na viabilização de direitos sociais.
(E) empregar com transparência as verbas sob sua responsabilidade.
10. O Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei no 8.069 de 1990, estabelece
que a criança e o adolescente gozam de todos os direitos fundamentais
inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral, assegurando-
-lhes todas as oportunidades e facilidades, a fim de lhes facultar o
desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, em condições de
liberdade e de dignidade. É dever da família, da comunidade, da sociedade em
geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação de
tais direitos. De acordo com previsões do parágrafo único do art. 4° do ECA,
a garantia de prioridade compreende a
(A) preferência na formulação e na execução das políticas sociais públicas.
(B) imediata acolhida institucional nos casos de falta ou carência de recursos
materiais.
(C) destinação eventual de recursos públicos nas áreas relacionadas à infância
e à juventude.
(D) permanência no ambiente doméstico, ainda que autor de ato infracional.
(E) possibilidade de se nomear tutor especial em qualquer situação.
11. Dentre os direitos fundamentais elencados no ECA, está previsto que a
criança e o adolescente têm direito à liberdade, ao respeito e à dignidade
como pessoas humanas em processo de desenvolvimento e como sujeitos de
direitos civis, humanos e sociais garantidos na Constituição e nas leis.
SIMULADO 02
Conforme expressa o art. 16, do ECA, o direito à liberdade compreende, entre
outros, os seguintes aspectos:
(A) obedecer aos pais ou responsável.
(B) manifestar-se no processo legal, apenas mediante representação pública.
(C) cumprir com os deveres escolares.
(D) brincar, praticar esportes e divertir-se.
(E) ir, vir e estar nos logradouros públicos, sem restrições.
12. A ruptura de um vínculo afetivo causa transformações na vida de um casal
e o impacto da separação é vivido também por aqueles que o cercam, em
especial, os filhos. Ocorrem mudanças na dinâmica familiar e no compromisso
entre seus membros, cujas consequências podem marcar profundamente a
criança e o adolescente. Nesses casos, é frequente a interferência de um dos
genitores, avós ou responsáveis, na indução, da criança ou adolescente, para
que repudie o outro genitor. Essa interferência caracteriza ato típico de
(A) super proteção.
(B) distúrbio psicossocial.
(C) alienação parental.
(D) prevenção à violência.
(E) fragilização de vínculos.
13. Em tempos recentes, as famílias brasileiras vêm se modificando,
apresentando novas composições que alteram o padrão tradicional da família
composta por um casal com filhos. A Política Nacional de Assistência Social
adota a concepção de família em seus novos formatos, atribuindo-lhe maior
relevância e entendendo-a como uma unidade complexa e contraditória,
remetendo à relação entre esse grupo e suas necessidades. Para que a
provisão social prevista na Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) seja
SIMULADO 02
coerente com as necessidades básicas da família, a Política de Assistência
Social precisaria garantir condições de vida em um padrão de
(A) autonomia gradativa.
(B) causalidade funcional.
(C) unidade substantiva.
(D) dignidade humana.
(E) estagnação social.
14. O processo de implantação do SUAS tem exigido inovações que rebatem
na lógica da gestão dos serviços socioassistenciais, enquanto
responsabilidade, organização e conteúdo próprios que garantem a provisão
da seguridade social no que se refere à política e assistência social. Conforme
expressa o art. 23 da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) – Lei n.º
8.742/93, entendem-se por serviços socioassistenciais as atividades
continuadas que visem à melhoria de vida da população e cujas ações, voltadas
para
(A) as necessidades básicas, observem os objetivos, princípios e diretrizes
estabelecidos nessa Lei.
(B) o equilíbrio entre classes sociais, considerem o atendimento de mínimos
sociais.
(C) as demandas próprias de um dado contexto social excludente, priorizem
a cobertura eventual de necessidades econômicas.
(D) toda a população, garantam cobertura igualitária, independentemente do
nível de necessidade identificado.
(E) a parcela economicamente ativa, garantam a inclusão produtiva por meio
do trabalho, como contrapartida à inserção social.
SIMULADO 02
15. De acordo com a LOAS, art. 24, os programas de assistência social
compreendem ações integradas e complementares com objetivos, tempo e
área de abrangência definidos para qualificar, incentivar e melhorar os
benefícios e os serviços assistenciais. Ainda, conforme prevê o § 1.º, os
programas de que trata este artigo, obedecidos os objetivos e princípios que
regem essa Lei, com prioridade para a inserção profissional e social, serão
definidos pelos respectivos
(A) órgãos municipais gestores de assistência social.
(B) colegiados nacionais de assistência social.
(C) conselhos de direitos assistenciais.
(D) consórcios interestaduais de desenvolvimento.
(E) conselhos de assistência social.
16. A crescente inserção do Assistente Social em espaços sócio-ocupacionais,
que exige a atuação com profissionais de outras áreas, ao mesmo tempo em
que requer uma intervenção multidisciplinar com competência técnica,
teórico-metodológica e ético-política, demanda a especificação do alcance e
dos limites de cada área profissional no desenvolvimento dos trabalhos
técnicos conjuntos. Conforme prescreve a Resolução no 557/2009 do
Conselho Federal de Serviço Social – CFESS, em se tratando da atuação do
Assistente Social nesse tipo de atendimento, a avaliação e discussão da
situação poderá ser multiprofissional, desde que
(A) respeite a conclusão manifestada por escrito pelo assistente social.
(B) eleja uma das áreas para a definição de diretrizes para essa atuação.
(C) unifique as atribuições privativas das áreas envolvidas.
(D) alcance necessariamente o consenso pleno dos técnicos.
(E) aponte a incompatibilidade das normas técnicas e éticas comuns.
SIMULADO 02
17. Historicamente o Serviço Social foi considerado vocação, habilidade,
ocupação, ofício ou até mesmo arte. Atualmente é reconhecido como
profissão, uma especialização do trabalho coletivo, inscrita na divisão social
e técnica do trabalho, de nível superior, regulamentada no Brasil pela Lei no
8.662, de 7 de junho de 1993. Embora não tendo atingido o patamar de
“ciência”, o Serviço Social conseguiu se constituir como uma área de produção
de conhecimentos, inserida na grande área de Ciências Sociais Aplicadas. A
finalidade do trabalho do assistente social está voltada para a intervenção
nas diferentes manifestações da questão social com vistas a contribuir com
a redução das desigualdades e injustiças sociais, como também fortalecer os
processos de resistências dos sujeitos, na perspectiva da democratização,
autonomia dos sujeitos e
(A) do seu pleno reconhecimento.
(B) de sua valorização profissional.
(C) de sua ascensão social.
(D) do seu acesso a direitos.
(E) de sua reinserção laboral.
18. O Serviço Social se desenvolve como profissão na esteira do
desenvolvimento capitalista industrial e da expansão urbana, sob a égide do
Estado. O processo de institucionalização do Serviço Social, no contexto da
divisão social do trabalho, está diretamente vinculado ao crescimento das
instituições de prestação de serviços sociais e assistenciais que viabilizam,
para os trabalhadores especializados,
(A) a necessária estabilidade laboral.
(B) sua qualificação continuada.
(C) ampla mobilidade e ascensão profissionais.
(D) a expansão do mercado de trabalho.
SIMULADO 02
(E) a valorização de sua competência técnica.
19. Apesar de o Assistente Social dispor de uma autonomia relativa na
condução de seu trabalho, os organismos empregadores também interferem
na definição de metas a serem atingidas. As instituições detêm poder para
estabelecer normas definidoras das competências exigidas de seus
funcionários, das relações de trabalho e as condições para a sua realização.
Nesse sentido, é correto afirmar que as instituições empregadoras, ao
articularem um conjunto de condições que orientam o processamento da ação
do Assistente Social,
(A) condicionam a possibilidade de alcance dos resultados esperados.
(B) rompem com a perspectiva transformadora da própria profissão.
(C) adaptam o indivíduo ao atendimento real e possível de suas demandas.
(D) reforçam o caráter inovador do Serviço Social.
(E) justificam sua expertise de ação.
20. É na intersecção dos diferentes campos do saber que se situa a
interdisciplinaridade. Se atualmente se prioriza tanto esse tema, essa
preocupação se sustenta por tratar da fragmentação do saber na perspectiva
positivista, ou seja, considera cada fragmento na relação com outros
fragmentos. No entanto, para se superar essa fragmentação, tanto o agir
quanto o saber profissional devem fundamentar-se na perspectiva
(A) motivacional.
(B) do fundamentalismo.
(C) da totalidade.
(D) globalizante.
(E) socialista.
SIMULADO 02
21. Na perspectiva do Código de Ética Profissional dos Assistentes Sociais, a
ética e os valores são concebidos como produtos da práxis. Na práxis, a
objetivação do trabalho propicia o desenvolvimento de certas capacidades
que instituem um novo ser, diverso de outros seres existentes na natureza:
um ser social, capaz de agir conscientemente, de forma livre e universal. Esse
ser é um ser da práxis, pois por meio do trabalho transforma
conscientemente a natureza e a si mesmo, responde a necessidades, cria
alternativas, institui a possibilidade de escolher entre elas e produz
socialmente um resultado concreto que amplia suas capacidades, criando
novas alternativas, gestando, com isso, condições objetivas para
(A) o exercício da liberdade.
(B) a consolidação da utopia.
(C) a ampliação da isonomia.
(D) a propagação da ideologia.
(E) a emancipação da sociedade.
22. A entrevista é um instrumento frequentemente utilizado pelos
assistentes sociais. Vista como um instrumento de estímulo à reflexão, a
entrevista deve priorizar uma escuta silenciosa da população, sucedida por
uma sumarização pelo profissional daquilo que ele compreendeu, dando, assim,
a oportunidade à população de confirmar ou refazer a impressão do
profissional e repensar sobre o que ela mesma disse. Enfim, deve-se deixar o
usuário discorrer sobre questões conflituosas, cabendo ao profissional
aprofundar as questões trazidas, trabalhando os diversos aspectos que
perpassam aquela situação. Para isso, é necessária uma postura de
problematização, de crítica e reflexão em relação ao saber trazido pela
população, oferecendo, às situações por ela apresentadas,
(A) uma crítica construtiva e convincente.
SIMULADO 02
(B) uma contribuição teórica.
(C) a atitude mais adequada institucionalmente.
(D) uma possibilidade imediata de solução do problema.
(E) a sobreposição do seu saber profissional.
23. Entre os tipos de pesquisa qualitativa, o Estudo de Caso é um dos mais
relevantes. Nesta modalidade de pesquisa qualitativa, na qual nem as
hipóteses nem os esquemas de inquisição estão estabelecidos a priori, a
complexidade do exame aumenta à medida que se aprofunda no assunto.
Aspecto importante refere-se à possibilidade de efetuar o Estudo
Comparativo de Casos; nestas situações, é correto afirmar que o enfoque
comparativo enriquece a pesquisa qualitativa, especialmente se ele se realiza
do ponto de vista
(A) socioindividual.
(B) humano-histórico.
(C) técnico-instrumental.
(D) histórico-estrutural.
(E) pedagógico-integral.
24. A dependência química não se constitui em um problema isolado, que foge
às determinações da questão social. Aos assistentes sociais que atuam nessa
área cabe intervir frente às expressões sociais da questão social, buscando,
com consciência, no âmbito das possibilidades e limites da intervenção
profissional, contribuir para que os indivíduos já vitimizados por uma política
econômica-cultural e social excludente, possam (re)construir seus espaços de
(A) luta e progresso.
(B) recuperação e cura.
(C) autonomia e decisão.
SIMULADO 02
(D) saúde e bem-estar.
(E) realização e sucesso.
25. São várias as normativas que orientam e definem a atuação do Assistente
Social. Conforme estabelece o artigo 2° da Resolução CFESS no 557/2009,
que dispõe sobre a emissão de pareceres, laudos, opiniões técnicas conjuntos
entre o assistente social e outros profissionais, o assistente social, ao fazê-
lo, a respeito de matéria de Serviço Social, deve atuar com ampla autonomia,
respeitadas as normas legais, técnicas e éticas de sua profissão, e em
consonância com a Lei no 8.662/93, não estando obrigado a prestar serviços
incompatíveis com
(A) suas competências e atribuições.
(B) sua ética e disposição.
(C) sua postura e proposição.
(D) suas possibilidades e atenção.
(E) suas habilidades e aptidões.
26. A fenomenologia é o estudo das essências; e todos os problemas, nesta
perspectiva, tornam a definir essências, como por exemplo: a essência da
percepção, a essência da consciência. A fenomenologia representa uma
tendência filosófica que, inclusive, questionou os conhecimentos do
positivismo, elevando a importância do sujeito no processo
(A) da formulação do pensamento materialista filosófico.
(B) de aferição de resultados ontológicos do ser.
(C) da construção do conhecimento.
(D) da definição do problema de pesquisas quantitativas.
(E) de elaboração dos fundamentos da sociedade burguesa.
SIMULADO 02
27. A documentação tem a importante tarefa de oferecer subsídios para a
análise e a intervenção do Serviço Social na realidade. É parte da
sistematização de dados para o desenvolvimento teórico-prático profissional.
São vários tipos de documentação que podem ser utilizados no cotidiano
profissional do Assistente Social. Dentre eles, pode-se destacar o “Parecer
Social” compreendido como a exposição e manifestação sucinta, que enfoca
objetivamente a questão ou situação social analisada por meio do estudo
social, com uma finalização de caráter
(A) humano e simples.
(B) autônomo ou genérico.
(C) técnico e positivo.
(D) isento e específico.
(E) conclusivo ou indicativo.
28. De acordo com a Lei no 8.742/1993, alterada pela Lei no 12.435/2011, a
assistência social organiza-se por tipos de proteção social, a básica e a
especial, que serão ofertadas pela rede socioassistencial, diretamente pelos
entes públicos e/ou pelas entidades e organizações de assistência social
vinculadas ao SUAS – Sistema Único de Assistência Social, respeitadas as
especificidades de cada ação. Conforme artigo 6o -B (§ 1° ) da referida Lei,
a vinculação ao SUAS é o reconhecimento pelo Ministério do Desenvolvimento
Social e Combate à Fome de que a entidade de assistência social
(A) demonstra sustentabilidade financeira.
(B) atende quantitativo mínimo de usuários.
(C) integra a rede socioassistencial.
(D) possui competência técnica.
(E) realiza prestação de contas.
SIMULADO 02
29. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao
adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, os direitos estabelecidos
constitucionalmente, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência,
discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. Ainda de acordo
com a Constituição Federal (artigo 227, § 3°, III), o direito à proteção
especial abrangerá, entre outros aspectos, a
(A) instituição de medidas de acessibilidade para criança e adolescente com
deficiência.
(B) integralidade da jornada escolar para crianças e adolescentes.
(C) irreduzibilidade da idade penalmente imputável do adolescente.
(D) participação prioritária da criança e do adolescente em programas de
segurança alimentar.
(E) garantia de acesso do trabalhador adolescente e jovem à escola.
30. O que é o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase)?
Conforme o artigo 1°, § 1°, da Lei no 12.594, de janeiro/2012, entende-se por
Sinase o conjunto ordenado de princípios, regras e critérios que envolvem a
execução de medidas socioeducativas. No Sinase incluem-se, por adesão, os
sistemas estaduais, distrital e municipais, bem como todos os planos, políticas
e programas específicos de atendimento a adolescente em conflito com a lei.
Dentre os objetivos da medida socioeducativa, destaca-se
(A) a responsabilização do adolescente quanto às consequências lesivas do ato
infracional, sempre que possível incentivando a sua reparação.
(B) a garantia de seus direitos individuais e sociais, relevada a importância do
ato, uma vez tratar-se de adolescente.
(C) o atendimento ao clamor social por menos violência e maior segurança a
seus cidadãos de bem.
SIMULADO 02
(D) a prescrição de sentença justa que afaste o autor do ato infracional do
convívio social.
(E) o acompanhamento da situação do autor de ato infracional até o completo
ressarcimento da parte prejudicada.
SIMULADO 02
Gabarito
1. C 2. E 3. E 4. A 5. B
6. C 7. D 8. A 9. C 10. A
11. D 12. C 13. D 14. A 15. E
16. A 17. D 18. D 19. A 20. C
21. A 22. B 23. D 24. C 25. A
26. C 27. E 28. C 29. E 30. A
SIMULADO 02
Conheça os nossos materiais
✅1- Apostila de Serviço Social Para Tribunais (R$35,00): Com esse material você
terá acesso a 1200 questões COMENTADAS, divididas nas disciplinas: Direito
constitucional, Direito Administrativo, Serviço Social. A apostila também tem
questões de português gabaritadas. 573 páginas.
✅2-Apostila da Trajetória histórica do Serviço social ( R$15,00) O material possuí
CONTEÚDO + 53 Questões comentadas + 150 questões gabaritadas. 209 páginas.
✅3-Apostila de Serviço Social da banca Cespe/UNB (R$20,00): O material possuí
1200 questão, sendo 600 comentadas e 800 gabaritadas.
✅4-Apostila de QUESTÃO SOCIAL (R$10,00): O material possuí CONTEÚDO +09
questões Comentadas + Simulado com 25 questões gabaritadas. 39 páginas.
✅5-Apostila do PROJETO ÉTICO POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL (R$10,00): O
material possuí CONTEÚDO+ 08 questões Comentadas + Simulado com 42 questões
gabaritadas. 38 páginas.
✅6-Apostila da LOAS-Lei 8.742 (R$10,00): O material possuí toda lei comentada +
16 Questões Comentadas. 65 Páginas.
✅7-Apostila com 530 questões de Serviço Social da Banca VUNESP (R$15,00): O
material tem 84 questões comentadas + 450 questões gabaritadas. 311 páginas.
✅8- Apostila de 550 QUESTÕES PARA OS CONCURSOS DE SERVIÇO SOCIAL
NA ÁREA DA SAÚDE (R$15,00): O material possuí questões gabaritadas das
seguintes disciplinas: serviço social, português, legislação do SUS, raciocínio lógico,
legislação da EBSERH. 307 Páginas.
✅9- Apostila de QUESTÕES DE SERVIÇO SOCIAL DA BANCA FCC(R$20,00).
200 questões de serviço social COMENTADAS + 250 questões de serviço social
gabaritadas.
✅10- Apostila de Instrumentalidade no Serviço Social e Instrumental Técnico
Operativo (R$10,00): O material possuí CONTEÚDO + 35 questões gabaritadas. 40
páginas.
✅11-Apostila do Código de ética do Assistente Social (R$10,00): Essa apostila
possuí Conteúdo + 20 Questões gabaritadas. 41 páginas.
SIMULADO 02
✅12- Apostila de Planejamento e Avaliação de Políticas Sociais (R$10,00): O
material possuí CONTEÚDO +60 questões Comentadas + 150 questões gabaritadas.
193 páginas.
✅13- Apostila de POLÍTICA SOCIAL ( R$15,00): O material possuí CONTEÚDO +
55 questões Comentadas + 145 questões gabaritadas. 238 páginas.
✅14- Apostila de Serviço Social da banca Consulplan (R$15,00): O material possuí
122 questões de serviço social Comentadas + 257 questões gabaritadas. 341
páginas.
✅ 15- Apostila da Lei de Regulamentação da Profissão de Assistente Social-Lei n°
8.662 (R$10,00): O material possuí CONTEÚDO + ESQUEMAS + 50 questões
comentadas. 72 páginas.
✅ 16-Apostila de Serviço Social da Banca IBFC (R$20,00): O material possuí 250
questões de serviço social da banca IBFC comentadas + 220 questões da banca
IBFC gabaritadas + esquemas facilitam o aprendizado +a analise da banca IBFC).
470 páginas.
.
✅ 17-Apostila Resoluções do CFESS esquematizadas (R$10,00): O material possuí
10 resoluções esquematizadas + 37 questões comentadas. 117 páginas.
✅18- Apostila de Serviço Social da COMPERVE (R$15,00): O material possuí 150
questões de serviço social comentadas + 100 questões de serviço social
gabaritadas + 50 questões português comentadas + 50 questões comentadas da Lei
8.112. 310 páginas.
✅ 19- Apostila de serviço social da banca FGV (R$20,00) : O material possuí 149
Questões Comentadas + 389 Questões Gabaritadas. 289 páginas.
Todas as apostilas são em PDF, enviamos o material ao e-mail.
SIMULADO 02

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ass. Social - profissional da coerção e do consenso.ppt
Ass. Social - profissional da coerção e do consenso.pptAss. Social - profissional da coerção e do consenso.ppt
Ass. Social - profissional da coerção e do consenso.ppt
GabrieliTrintinidaSi
 
Regimento Interno da Secretaria de Educação
Regimento Interno da Secretaria de EducaçãoRegimento Interno da Secretaria de Educação
Regimento Interno da Secretaria de Educação
Educagoiana
 
Yazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociais
Yazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociaisYazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociais
Yazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociais
Diario de Assistente Social
 
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIALOS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
Conceição Amorim
 
A Construção Teórica e Metodológica do Serviço Social.pptx
A Construção Teórica e Metodológica do Serviço Social.pptxA Construção Teórica e Metodológica do Serviço Social.pptx
A Construção Teórica e Metodológica do Serviço Social.pptx
armando jonas
 
Serviço social no contexto educativo
Serviço social no  contexto educativoServiço social no  contexto educativo
Serviço social no contexto educativo
Lisandra Rego
 
Apresentação Família
Apresentação FamíliaApresentação Família
Apresentação Família
paulacod_pedagogia
 
Violencia na escola
Violencia na escolaViolencia na escola
Violencia na escola
Alcides S. Silva Jr
 
Apresentação serviços do creas
Apresentação serviços do creasApresentação serviços do creas
Apresentação serviços do creas
Orlei Almeida
 
O papel do assistente social na saúde pública
O papel do assistente social na saúde públicaO papel do assistente social na saúde pública
O papel do assistente social na saúde pública
Rosane Domingues
 
Codigo de Ética do Assistente social para estudos
Codigo de Ética do Assistente social para estudosCodigo de Ética do Assistente social para estudos
Codigo de Ética do Assistente social para estudos
Rosane Domingues
 
SERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL
SERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONALSERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL
SERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL
Rosane Domingues
 
Serviço Social e Educação:
Serviço Social e Educação: Serviço Social e Educação:
Serviço Social e Educação:
profadnilson
 
Plano de acolhimento
Plano de acolhimentoPlano de acolhimento
Plano de acolhimento
Claudinei Vitor
 
CREAS- CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL – CREAS GU...
CREAS- CENTRO DE REFERÊNCIA  ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA  SOCIAL – CREAS  GU...CREAS- CENTRO DE REFERÊNCIA  ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA  SOCIAL – CREAS  GU...
CREAS- CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL – CREAS GU...
Rosane Domingues
 
Coletânea de 100 questões do CÓDIGO DE ÉTICA DO ASSISTENTE SOCIAL - Fonte: ap...
Coletânea de 100 questões do CÓDIGO DE ÉTICA DO ASSISTENTE SOCIAL - Fonte: ap...Coletânea de 100 questões do CÓDIGO DE ÉTICA DO ASSISTENTE SOCIAL - Fonte: ap...
Coletânea de 100 questões do CÓDIGO DE ÉTICA DO ASSISTENTE SOCIAL - Fonte: ap...
Rosane Domingues
 
Serviço Social Perguntas e Respostas - para iniciante
Serviço Social   Perguntas e Respostas - para inicianteServiço Social   Perguntas e Respostas - para iniciante
Serviço Social Perguntas e Respostas - para iniciante
Rosane Domingues
 
Serviço Social e Educação
Serviço Social e EducaçãoServiço Social e Educação
Serviço Social e Educação
Faculdade União das Américas
 
Cras paif
Cras paifCras paif
Cras paif
leilymoura
 
Plano de Acolhimento
Plano de AcolhimentoPlano de Acolhimento

Mais procurados (20)

Ass. Social - profissional da coerção e do consenso.ppt
Ass. Social - profissional da coerção e do consenso.pptAss. Social - profissional da coerção e do consenso.ppt
Ass. Social - profissional da coerção e do consenso.ppt
 
Regimento Interno da Secretaria de Educação
Regimento Interno da Secretaria de EducaçãoRegimento Interno da Secretaria de Educação
Regimento Interno da Secretaria de Educação
 
Yazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociais
Yazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociaisYazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociais
Yazbek maria-carmelita.-estado-e-políticas-sociais
 
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIALOS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
 
A Construção Teórica e Metodológica do Serviço Social.pptx
A Construção Teórica e Metodológica do Serviço Social.pptxA Construção Teórica e Metodológica do Serviço Social.pptx
A Construção Teórica e Metodológica do Serviço Social.pptx
 
Serviço social no contexto educativo
Serviço social no  contexto educativoServiço social no  contexto educativo
Serviço social no contexto educativo
 
Apresentação Família
Apresentação FamíliaApresentação Família
Apresentação Família
 
Violencia na escola
Violencia na escolaViolencia na escola
Violencia na escola
 
Apresentação serviços do creas
Apresentação serviços do creasApresentação serviços do creas
Apresentação serviços do creas
 
O papel do assistente social na saúde pública
O papel do assistente social na saúde públicaO papel do assistente social na saúde pública
O papel do assistente social na saúde pública
 
Codigo de Ética do Assistente social para estudos
Codigo de Ética do Assistente social para estudosCodigo de Ética do Assistente social para estudos
Codigo de Ética do Assistente social para estudos
 
SERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL
SERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONALSERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL
SERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL
 
Serviço Social e Educação:
Serviço Social e Educação: Serviço Social e Educação:
Serviço Social e Educação:
 
Plano de acolhimento
Plano de acolhimentoPlano de acolhimento
Plano de acolhimento
 
CREAS- CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL – CREAS GU...
CREAS- CENTRO DE REFERÊNCIA  ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA  SOCIAL – CREAS  GU...CREAS- CENTRO DE REFERÊNCIA  ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA  SOCIAL – CREAS  GU...
CREAS- CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL – CREAS GU...
 
Coletânea de 100 questões do CÓDIGO DE ÉTICA DO ASSISTENTE SOCIAL - Fonte: ap...
Coletânea de 100 questões do CÓDIGO DE ÉTICA DO ASSISTENTE SOCIAL - Fonte: ap...Coletânea de 100 questões do CÓDIGO DE ÉTICA DO ASSISTENTE SOCIAL - Fonte: ap...
Coletânea de 100 questões do CÓDIGO DE ÉTICA DO ASSISTENTE SOCIAL - Fonte: ap...
 
Serviço Social Perguntas e Respostas - para iniciante
Serviço Social   Perguntas e Respostas - para inicianteServiço Social   Perguntas e Respostas - para iniciante
Serviço Social Perguntas e Respostas - para iniciante
 
Serviço Social e Educação
Serviço Social e EducaçãoServiço Social e Educação
Serviço Social e Educação
 
Cras paif
Cras paifCras paif
Cras paif
 
Plano de Acolhimento
Plano de AcolhimentoPlano de Acolhimento
Plano de Acolhimento
 

Semelhante a Simulado 02 (Concurso da Prefeitura de Ribeirão Preto)

Trajetória do Serviço Social
Trajetória do Serviço SocialTrajetória do Serviço Social
Trajetória do Serviço Social
Conceição Amorim
 
Apresentação serviços social
Apresentação serviços socialApresentação serviços social
Apresentação serviços social
jorge luiz dos santos de souza
 
Congresso
CongressoCongresso
Congresso
Emile Froes
 
Fundamentos hist. e teóricos metodológ. do serviço social iii
Fundamentos hist. e teóricos metodológ. do serviço social iiiFundamentos hist. e teóricos metodológ. do serviço social iii
Fundamentos hist. e teóricos metodológ. do serviço social iii
Marcyane
 
Fundamentos hist. e teóricos metodológ. do serviço social iii
Fundamentos hist. e teóricos metodológ. do serviço social iiiFundamentos hist. e teóricos metodológ. do serviço social iii
Fundamentos hist. e teóricos metodológ. do serviço social iii
Marcyane
 
Perversidades capital socia l_bodart_ufgrs
Perversidades capital socia l_bodart_ufgrsPerversidades capital socia l_bodart_ufgrs
Perversidades capital socia l_bodart_ufgrs
Cristiano Bodart
 
Teste
TesteTeste
Gestão social democratica
Gestão social democratica Gestão social democratica
Gestão social democratica
Karla Lopes
 
éTica profissional unip
éTica profissional unipéTica profissional unip
éTica profissional unip
Arte de Lorena
 
ASSISTÊNCIA SOCIAL: DE AÇÃO INDIVIDUAL A DIREITO SOCIAL
ASSISTÊNCIA SOCIAL: DE AÇÃO INDIVIDUAL A DIREITO SOCIALASSISTÊNCIA SOCIAL: DE AÇÃO INDIVIDUAL A DIREITO SOCIAL
ASSISTÊNCIA SOCIAL: DE AÇÃO INDIVIDUAL A DIREITO SOCIAL
jorge luiz dos santos de souza
 
Profissão serviço social
Profissão serviço socialProfissão serviço social
Profissão serviço social
Clara Cruz Santos
 
Multidisciplinar oasspjxxii
Multidisciplinar   oasspjxxiiMultidisciplinar   oasspjxxii
Multidisciplinar oasspjxxii
Alif Souza
 
Filosofia Aplicada ao Serviço Social
Filosofia Aplicada ao Serviço SocialFilosofia Aplicada ao Serviço Social
Filosofia Aplicada ao Serviço Social
Iury Martins
 
Cartilha de Apresentação do XXVIII ENECS Fortaleza
Cartilha de Apresentação do XXVIII ENECS FortalezaCartilha de Apresentação do XXVIII ENECS Fortaleza
Cartilha de Apresentação do XXVIII ENECS Fortaleza
Juliana Magalhães
 
A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...
A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...
A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...
Rosane Domingues
 
Deafios da contemporaneidade
Deafios da contemporaneidadeDeafios da contemporaneidade
Deafios da contemporaneidade
Whennya Cabral
 
Os limites e as possibilidades da materialidade do projeto ético-político do ...
Os limites e as possibilidades da materialidade do projeto ético-político do ...Os limites e as possibilidades da materialidade do projeto ético-político do ...
Os limites e as possibilidades da materialidade do projeto ético-político do ...
pollymarchiotti
 
Texto2 1
Texto2 1Texto2 1
A construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo netto
A construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo nettoA construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo netto
A construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo netto
deyselfreire
 
Politicas sociais aula 6
Politicas sociais aula 6Politicas sociais aula 6
Politicas sociais aula 6
J M
 

Semelhante a Simulado 02 (Concurso da Prefeitura de Ribeirão Preto) (20)

Trajetória do Serviço Social
Trajetória do Serviço SocialTrajetória do Serviço Social
Trajetória do Serviço Social
 
Apresentação serviços social
Apresentação serviços socialApresentação serviços social
Apresentação serviços social
 
Congresso
CongressoCongresso
Congresso
 
Fundamentos hist. e teóricos metodológ. do serviço social iii
Fundamentos hist. e teóricos metodológ. do serviço social iiiFundamentos hist. e teóricos metodológ. do serviço social iii
Fundamentos hist. e teóricos metodológ. do serviço social iii
 
Fundamentos hist. e teóricos metodológ. do serviço social iii
Fundamentos hist. e teóricos metodológ. do serviço social iiiFundamentos hist. e teóricos metodológ. do serviço social iii
Fundamentos hist. e teóricos metodológ. do serviço social iii
 
Perversidades capital socia l_bodart_ufgrs
Perversidades capital socia l_bodart_ufgrsPerversidades capital socia l_bodart_ufgrs
Perversidades capital socia l_bodart_ufgrs
 
Teste
TesteTeste
Teste
 
Gestão social democratica
Gestão social democratica Gestão social democratica
Gestão social democratica
 
éTica profissional unip
éTica profissional unipéTica profissional unip
éTica profissional unip
 
ASSISTÊNCIA SOCIAL: DE AÇÃO INDIVIDUAL A DIREITO SOCIAL
ASSISTÊNCIA SOCIAL: DE AÇÃO INDIVIDUAL A DIREITO SOCIALASSISTÊNCIA SOCIAL: DE AÇÃO INDIVIDUAL A DIREITO SOCIAL
ASSISTÊNCIA SOCIAL: DE AÇÃO INDIVIDUAL A DIREITO SOCIAL
 
Profissão serviço social
Profissão serviço socialProfissão serviço social
Profissão serviço social
 
Multidisciplinar oasspjxxii
Multidisciplinar   oasspjxxiiMultidisciplinar   oasspjxxii
Multidisciplinar oasspjxxii
 
Filosofia Aplicada ao Serviço Social
Filosofia Aplicada ao Serviço SocialFilosofia Aplicada ao Serviço Social
Filosofia Aplicada ao Serviço Social
 
Cartilha de Apresentação do XXVIII ENECS Fortaleza
Cartilha de Apresentação do XXVIII ENECS FortalezaCartilha de Apresentação do XXVIII ENECS Fortaleza
Cartilha de Apresentação do XXVIII ENECS Fortaleza
 
A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...
A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...
A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...
 
Deafios da contemporaneidade
Deafios da contemporaneidadeDeafios da contemporaneidade
Deafios da contemporaneidade
 
Os limites e as possibilidades da materialidade do projeto ético-político do ...
Os limites e as possibilidades da materialidade do projeto ético-político do ...Os limites e as possibilidades da materialidade do projeto ético-político do ...
Os limites e as possibilidades da materialidade do projeto ético-político do ...
 
Texto2 1
Texto2 1Texto2 1
Texto2 1
 
A construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo netto
A construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo nettoA construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo netto
A construção do projeto ético político do serviço social - josé paulo netto
 
Politicas sociais aula 6
Politicas sociais aula 6Politicas sociais aula 6
Politicas sociais aula 6
 

Último

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 

Último (20)

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 

Simulado 02 (Concurso da Prefeitura de Ribeirão Preto)

  • 2. SIMULADO 02 1. A política pública, como ação do Estado, tem intencionalidades, diretrizes e projetos, prevendo desenhos, metas e resultados, materializando-se e concretizando-se por meio da prática social. No entanto, assiste-se à descontinuidade e baixa efetividade das políticas, atribuídas à fragilidade de sua implementação. Nessa perspectiva, é recente a retomada do trabalho social enquanto metodologias e processos que movimentam a política pública, evidenciando-se a sua (A) contestação. (B) perpetuação. (C) revalorização. (D) deterioração. (E) superação. 2. Na esteira do Movimento de Reconceituação, uma das teorias que influenciaram o Serviço Social como portadora de um conceito sobre a relação Estado/Instituições Públicas, que considerava tais instituições como aparelhos ideológicos do Estado, tem como seu principal expoente (A) Michael Lowy. (B) Gramsci. (C) Mannheim. (D) Max Weber. (E) Althusser. 3. O processo de surgimento e desenvolvimento das grandes entidades assistenciais – estatais, autárquicas ou privadas – é também o processo de _________ do Serviço Social. A profissão de assistente social apenas pode se consolidar e romper o estreito quadro de sua origem no bloco ________ a partir do mercado de trabalho que se abriu com as entidades assistenciais
  • 3. SIMULADO 02 e nele inseriu-se. Assinale a alternativa que completa, correta e respectivamente, as lacunas do texto. (A) amadurecimento e instrumentalização ... subalterno (B) retração e consolidação ... teórico (C) comprometimento e superação ... dominante (D) organização e autonomia ... operário (E) legitimação e institucionalização ... católico 4. O Serviço Social é uma das profissões inscritas na divisão sociotécnica do trabalho na ordem social capitalista madura e caracteriza-se por ser uma profissão interventiva. Assim, o profissional necessita, além de conhecer a realidade na sua complexidade, criar meios para transformá-la na direção de determinado projeto socioprofissional. Essa dupla dimensão que caracteriza o Serviço Social desafia os profissionais a enfrentá-la cotidianamente no complexo tecido das organizações sociais em que atuam. Esse enfrentamento exige uma fundamentação teórico-metodológica compatível com tal complexidade. É nesse aspecto que a categoria da mediação aporta grande contribuição (A) ao desvendamento dos fenômenos reais e à intervenção do assistente social. (B) à transição necessária do modo de pensar e do modo de agir profissional. (C) à recusa do conservadorismo e à manutenção dos postos profissionais de trabalho. (D) ao redirecionamento ético e à revisão da postura dos assistentes sociais. (E) à formulação de estudos e à necessária realização de pesquisas. 5. O Serviço Social, em seu processo de institucionalização, apresenta pouca relação com as principais práticas materiais desempenhadas pelas
  • 4. SIMULADO 02 instituições nas quais os profissionais atuam. Nesse sentido, pode-se afirmar que a ação do Serviço Social, apesar de auxiliar e subsidiária, é necessária para o funcionamento racional das instituições. Assim, esse caráter necessário e racionalizador de tais práticas é derivado, em grande parte, do conteúdo de classe que determina a ação das instituições assistenciais, qual seja, dos interesses das classes dominantes contidos nas (A) determinações usuais de demandas dos usuários. (B) políticas sociais do Estado. (C) sequelas da questão social. (D) expressões da desigualdade generalizada. (E) especificidades ideológicas da população subalterna. 6. O positivismo, até os primórdios do século XIX, apresentava-se como ciência social, com características utópicas-críticas. É a partir de Comte que o positivismo adquire novos enfoques. Em sua evolução, transforma-se em uma perspectiva básica da Sociologia, na qual predomina como diretriz (A) a manutenção de privilégios da classe trabalhadora. (B) o reconhecimento das situações de conflito presentes no âmbito sócio- político-econômico. (C) a defesa da ordem real, ou seja, a defesa dos interesses da burguesia. (D) a necessária reprodução da totalidade social, justa e solidária. (E) a preservação de princípios humanitários universais. 7. Como pode ser concebido o estudo social? Por que, para que e como construí-lo? Quais implicações ético-políticas se fazem presentes na sua construção? Em que consiste esse meio de trabalho enquanto especificidade do Serviço Social? O estudo social tão presente no cotidiano da intervenção
  • 5. SIMULADO 02 ao longo do processo histórico do Serviço Social, tudo indica, foi redescoberto como um(a) (A) estratégia a serviço das instituições. (B) possibilidade metodológica limitadora. (C) recurso compulsório para atendimento ao usuário. (D) objeto de investigação sistemática. (E) modelo exemplar e qualificado de atendimento. 8. Avaliação é processo contínuo que alcança um programa nas etapas de sua concepção, implementação e resultados. O tipo e a natureza da avaliação são definidos em um campo complexo de alternativas, referentes a distintas dimensões, momentos e etapas do que se pretende avaliar. No ciclo avaliativo, vale destacar a importância da avaliação identificada como marco zero ou linha de base. Essa metodologia é comumente identificada como avaliação (A) ex ante. (B) de resultados. (C) de processo. (D) esporádica. (E) transparente. 9. A ética preconiza a necessidade da reflexão e da crítica, destacando que nem a moral nem a lei são dados a-históricos, naturais e imutáveis. Ela integra os diferentes campos que estruturam a sociedade, uma vez que estes são tanto produto quanto produtores das ações dos sujeitos. A ética interroga as leis, as competências e qualificações profissionais e conforma uma deontologia profissional. Em se tratando das relações do Assistente Social com as instituições empregadoras, o Código de Ética de 1993 define como um dos seus direitos
  • 6. SIMULADO 02 (A) incentivar a prática profissional interdisciplinar. (B) executar e repassar os serviços institucionais. (C) ter livre acesso à população usuária. (D) empenhar-se na viabilização de direitos sociais. (E) empregar com transparência as verbas sob sua responsabilidade. 10. O Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei no 8.069 de 1990, estabelece que a criança e o adolescente gozam de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral, assegurando- -lhes todas as oportunidades e facilidades, a fim de lhes facultar o desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, em condições de liberdade e de dignidade. É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação de tais direitos. De acordo com previsões do parágrafo único do art. 4° do ECA, a garantia de prioridade compreende a (A) preferência na formulação e na execução das políticas sociais públicas. (B) imediata acolhida institucional nos casos de falta ou carência de recursos materiais. (C) destinação eventual de recursos públicos nas áreas relacionadas à infância e à juventude. (D) permanência no ambiente doméstico, ainda que autor de ato infracional. (E) possibilidade de se nomear tutor especial em qualquer situação. 11. Dentre os direitos fundamentais elencados no ECA, está previsto que a criança e o adolescente têm direito à liberdade, ao respeito e à dignidade como pessoas humanas em processo de desenvolvimento e como sujeitos de direitos civis, humanos e sociais garantidos na Constituição e nas leis.
  • 7. SIMULADO 02 Conforme expressa o art. 16, do ECA, o direito à liberdade compreende, entre outros, os seguintes aspectos: (A) obedecer aos pais ou responsável. (B) manifestar-se no processo legal, apenas mediante representação pública. (C) cumprir com os deveres escolares. (D) brincar, praticar esportes e divertir-se. (E) ir, vir e estar nos logradouros públicos, sem restrições. 12. A ruptura de um vínculo afetivo causa transformações na vida de um casal e o impacto da separação é vivido também por aqueles que o cercam, em especial, os filhos. Ocorrem mudanças na dinâmica familiar e no compromisso entre seus membros, cujas consequências podem marcar profundamente a criança e o adolescente. Nesses casos, é frequente a interferência de um dos genitores, avós ou responsáveis, na indução, da criança ou adolescente, para que repudie o outro genitor. Essa interferência caracteriza ato típico de (A) super proteção. (B) distúrbio psicossocial. (C) alienação parental. (D) prevenção à violência. (E) fragilização de vínculos. 13. Em tempos recentes, as famílias brasileiras vêm se modificando, apresentando novas composições que alteram o padrão tradicional da família composta por um casal com filhos. A Política Nacional de Assistência Social adota a concepção de família em seus novos formatos, atribuindo-lhe maior relevância e entendendo-a como uma unidade complexa e contraditória, remetendo à relação entre esse grupo e suas necessidades. Para que a provisão social prevista na Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) seja
  • 8. SIMULADO 02 coerente com as necessidades básicas da família, a Política de Assistência Social precisaria garantir condições de vida em um padrão de (A) autonomia gradativa. (B) causalidade funcional. (C) unidade substantiva. (D) dignidade humana. (E) estagnação social. 14. O processo de implantação do SUAS tem exigido inovações que rebatem na lógica da gestão dos serviços socioassistenciais, enquanto responsabilidade, organização e conteúdo próprios que garantem a provisão da seguridade social no que se refere à política e assistência social. Conforme expressa o art. 23 da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) – Lei n.º 8.742/93, entendem-se por serviços socioassistenciais as atividades continuadas que visem à melhoria de vida da população e cujas ações, voltadas para (A) as necessidades básicas, observem os objetivos, princípios e diretrizes estabelecidos nessa Lei. (B) o equilíbrio entre classes sociais, considerem o atendimento de mínimos sociais. (C) as demandas próprias de um dado contexto social excludente, priorizem a cobertura eventual de necessidades econômicas. (D) toda a população, garantam cobertura igualitária, independentemente do nível de necessidade identificado. (E) a parcela economicamente ativa, garantam a inclusão produtiva por meio do trabalho, como contrapartida à inserção social.
  • 9. SIMULADO 02 15. De acordo com a LOAS, art. 24, os programas de assistência social compreendem ações integradas e complementares com objetivos, tempo e área de abrangência definidos para qualificar, incentivar e melhorar os benefícios e os serviços assistenciais. Ainda, conforme prevê o § 1.º, os programas de que trata este artigo, obedecidos os objetivos e princípios que regem essa Lei, com prioridade para a inserção profissional e social, serão definidos pelos respectivos (A) órgãos municipais gestores de assistência social. (B) colegiados nacionais de assistência social. (C) conselhos de direitos assistenciais. (D) consórcios interestaduais de desenvolvimento. (E) conselhos de assistência social. 16. A crescente inserção do Assistente Social em espaços sócio-ocupacionais, que exige a atuação com profissionais de outras áreas, ao mesmo tempo em que requer uma intervenção multidisciplinar com competência técnica, teórico-metodológica e ético-política, demanda a especificação do alcance e dos limites de cada área profissional no desenvolvimento dos trabalhos técnicos conjuntos. Conforme prescreve a Resolução no 557/2009 do Conselho Federal de Serviço Social – CFESS, em se tratando da atuação do Assistente Social nesse tipo de atendimento, a avaliação e discussão da situação poderá ser multiprofissional, desde que (A) respeite a conclusão manifestada por escrito pelo assistente social. (B) eleja uma das áreas para a definição de diretrizes para essa atuação. (C) unifique as atribuições privativas das áreas envolvidas. (D) alcance necessariamente o consenso pleno dos técnicos. (E) aponte a incompatibilidade das normas técnicas e éticas comuns.
  • 10. SIMULADO 02 17. Historicamente o Serviço Social foi considerado vocação, habilidade, ocupação, ofício ou até mesmo arte. Atualmente é reconhecido como profissão, uma especialização do trabalho coletivo, inscrita na divisão social e técnica do trabalho, de nível superior, regulamentada no Brasil pela Lei no 8.662, de 7 de junho de 1993. Embora não tendo atingido o patamar de “ciência”, o Serviço Social conseguiu se constituir como uma área de produção de conhecimentos, inserida na grande área de Ciências Sociais Aplicadas. A finalidade do trabalho do assistente social está voltada para a intervenção nas diferentes manifestações da questão social com vistas a contribuir com a redução das desigualdades e injustiças sociais, como também fortalecer os processos de resistências dos sujeitos, na perspectiva da democratização, autonomia dos sujeitos e (A) do seu pleno reconhecimento. (B) de sua valorização profissional. (C) de sua ascensão social. (D) do seu acesso a direitos. (E) de sua reinserção laboral. 18. O Serviço Social se desenvolve como profissão na esteira do desenvolvimento capitalista industrial e da expansão urbana, sob a égide do Estado. O processo de institucionalização do Serviço Social, no contexto da divisão social do trabalho, está diretamente vinculado ao crescimento das instituições de prestação de serviços sociais e assistenciais que viabilizam, para os trabalhadores especializados, (A) a necessária estabilidade laboral. (B) sua qualificação continuada. (C) ampla mobilidade e ascensão profissionais. (D) a expansão do mercado de trabalho.
  • 11. SIMULADO 02 (E) a valorização de sua competência técnica. 19. Apesar de o Assistente Social dispor de uma autonomia relativa na condução de seu trabalho, os organismos empregadores também interferem na definição de metas a serem atingidas. As instituições detêm poder para estabelecer normas definidoras das competências exigidas de seus funcionários, das relações de trabalho e as condições para a sua realização. Nesse sentido, é correto afirmar que as instituições empregadoras, ao articularem um conjunto de condições que orientam o processamento da ação do Assistente Social, (A) condicionam a possibilidade de alcance dos resultados esperados. (B) rompem com a perspectiva transformadora da própria profissão. (C) adaptam o indivíduo ao atendimento real e possível de suas demandas. (D) reforçam o caráter inovador do Serviço Social. (E) justificam sua expertise de ação. 20. É na intersecção dos diferentes campos do saber que se situa a interdisciplinaridade. Se atualmente se prioriza tanto esse tema, essa preocupação se sustenta por tratar da fragmentação do saber na perspectiva positivista, ou seja, considera cada fragmento na relação com outros fragmentos. No entanto, para se superar essa fragmentação, tanto o agir quanto o saber profissional devem fundamentar-se na perspectiva (A) motivacional. (B) do fundamentalismo. (C) da totalidade. (D) globalizante. (E) socialista.
  • 12. SIMULADO 02 21. Na perspectiva do Código de Ética Profissional dos Assistentes Sociais, a ética e os valores são concebidos como produtos da práxis. Na práxis, a objetivação do trabalho propicia o desenvolvimento de certas capacidades que instituem um novo ser, diverso de outros seres existentes na natureza: um ser social, capaz de agir conscientemente, de forma livre e universal. Esse ser é um ser da práxis, pois por meio do trabalho transforma conscientemente a natureza e a si mesmo, responde a necessidades, cria alternativas, institui a possibilidade de escolher entre elas e produz socialmente um resultado concreto que amplia suas capacidades, criando novas alternativas, gestando, com isso, condições objetivas para (A) o exercício da liberdade. (B) a consolidação da utopia. (C) a ampliação da isonomia. (D) a propagação da ideologia. (E) a emancipação da sociedade. 22. A entrevista é um instrumento frequentemente utilizado pelos assistentes sociais. Vista como um instrumento de estímulo à reflexão, a entrevista deve priorizar uma escuta silenciosa da população, sucedida por uma sumarização pelo profissional daquilo que ele compreendeu, dando, assim, a oportunidade à população de confirmar ou refazer a impressão do profissional e repensar sobre o que ela mesma disse. Enfim, deve-se deixar o usuário discorrer sobre questões conflituosas, cabendo ao profissional aprofundar as questões trazidas, trabalhando os diversos aspectos que perpassam aquela situação. Para isso, é necessária uma postura de problematização, de crítica e reflexão em relação ao saber trazido pela população, oferecendo, às situações por ela apresentadas, (A) uma crítica construtiva e convincente.
  • 13. SIMULADO 02 (B) uma contribuição teórica. (C) a atitude mais adequada institucionalmente. (D) uma possibilidade imediata de solução do problema. (E) a sobreposição do seu saber profissional. 23. Entre os tipos de pesquisa qualitativa, o Estudo de Caso é um dos mais relevantes. Nesta modalidade de pesquisa qualitativa, na qual nem as hipóteses nem os esquemas de inquisição estão estabelecidos a priori, a complexidade do exame aumenta à medida que se aprofunda no assunto. Aspecto importante refere-se à possibilidade de efetuar o Estudo Comparativo de Casos; nestas situações, é correto afirmar que o enfoque comparativo enriquece a pesquisa qualitativa, especialmente se ele se realiza do ponto de vista (A) socioindividual. (B) humano-histórico. (C) técnico-instrumental. (D) histórico-estrutural. (E) pedagógico-integral. 24. A dependência química não se constitui em um problema isolado, que foge às determinações da questão social. Aos assistentes sociais que atuam nessa área cabe intervir frente às expressões sociais da questão social, buscando, com consciência, no âmbito das possibilidades e limites da intervenção profissional, contribuir para que os indivíduos já vitimizados por uma política econômica-cultural e social excludente, possam (re)construir seus espaços de (A) luta e progresso. (B) recuperação e cura. (C) autonomia e decisão.
  • 14. SIMULADO 02 (D) saúde e bem-estar. (E) realização e sucesso. 25. São várias as normativas que orientam e definem a atuação do Assistente Social. Conforme estabelece o artigo 2° da Resolução CFESS no 557/2009, que dispõe sobre a emissão de pareceres, laudos, opiniões técnicas conjuntos entre o assistente social e outros profissionais, o assistente social, ao fazê- lo, a respeito de matéria de Serviço Social, deve atuar com ampla autonomia, respeitadas as normas legais, técnicas e éticas de sua profissão, e em consonância com a Lei no 8.662/93, não estando obrigado a prestar serviços incompatíveis com (A) suas competências e atribuições. (B) sua ética e disposição. (C) sua postura e proposição. (D) suas possibilidades e atenção. (E) suas habilidades e aptidões. 26. A fenomenologia é o estudo das essências; e todos os problemas, nesta perspectiva, tornam a definir essências, como por exemplo: a essência da percepção, a essência da consciência. A fenomenologia representa uma tendência filosófica que, inclusive, questionou os conhecimentos do positivismo, elevando a importância do sujeito no processo (A) da formulação do pensamento materialista filosófico. (B) de aferição de resultados ontológicos do ser. (C) da construção do conhecimento. (D) da definição do problema de pesquisas quantitativas. (E) de elaboração dos fundamentos da sociedade burguesa.
  • 15. SIMULADO 02 27. A documentação tem a importante tarefa de oferecer subsídios para a análise e a intervenção do Serviço Social na realidade. É parte da sistematização de dados para o desenvolvimento teórico-prático profissional. São vários tipos de documentação que podem ser utilizados no cotidiano profissional do Assistente Social. Dentre eles, pode-se destacar o “Parecer Social” compreendido como a exposição e manifestação sucinta, que enfoca objetivamente a questão ou situação social analisada por meio do estudo social, com uma finalização de caráter (A) humano e simples. (B) autônomo ou genérico. (C) técnico e positivo. (D) isento e específico. (E) conclusivo ou indicativo. 28. De acordo com a Lei no 8.742/1993, alterada pela Lei no 12.435/2011, a assistência social organiza-se por tipos de proteção social, a básica e a especial, que serão ofertadas pela rede socioassistencial, diretamente pelos entes públicos e/ou pelas entidades e organizações de assistência social vinculadas ao SUAS – Sistema Único de Assistência Social, respeitadas as especificidades de cada ação. Conforme artigo 6o -B (§ 1° ) da referida Lei, a vinculação ao SUAS é o reconhecimento pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome de que a entidade de assistência social (A) demonstra sustentabilidade financeira. (B) atende quantitativo mínimo de usuários. (C) integra a rede socioassistencial. (D) possui competência técnica. (E) realiza prestação de contas.
  • 16. SIMULADO 02 29. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, os direitos estabelecidos constitucionalmente, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. Ainda de acordo com a Constituição Federal (artigo 227, § 3°, III), o direito à proteção especial abrangerá, entre outros aspectos, a (A) instituição de medidas de acessibilidade para criança e adolescente com deficiência. (B) integralidade da jornada escolar para crianças e adolescentes. (C) irreduzibilidade da idade penalmente imputável do adolescente. (D) participação prioritária da criança e do adolescente em programas de segurança alimentar. (E) garantia de acesso do trabalhador adolescente e jovem à escola. 30. O que é o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase)? Conforme o artigo 1°, § 1°, da Lei no 12.594, de janeiro/2012, entende-se por Sinase o conjunto ordenado de princípios, regras e critérios que envolvem a execução de medidas socioeducativas. No Sinase incluem-se, por adesão, os sistemas estaduais, distrital e municipais, bem como todos os planos, políticas e programas específicos de atendimento a adolescente em conflito com a lei. Dentre os objetivos da medida socioeducativa, destaca-se (A) a responsabilização do adolescente quanto às consequências lesivas do ato infracional, sempre que possível incentivando a sua reparação. (B) a garantia de seus direitos individuais e sociais, relevada a importância do ato, uma vez tratar-se de adolescente. (C) o atendimento ao clamor social por menos violência e maior segurança a seus cidadãos de bem.
  • 17. SIMULADO 02 (D) a prescrição de sentença justa que afaste o autor do ato infracional do convívio social. (E) o acompanhamento da situação do autor de ato infracional até o completo ressarcimento da parte prejudicada.
  • 18. SIMULADO 02 Gabarito 1. C 2. E 3. E 4. A 5. B 6. C 7. D 8. A 9. C 10. A 11. D 12. C 13. D 14. A 15. E 16. A 17. D 18. D 19. A 20. C 21. A 22. B 23. D 24. C 25. A 26. C 27. E 28. C 29. E 30. A
  • 19. SIMULADO 02 Conheça os nossos materiais ✅1- Apostila de Serviço Social Para Tribunais (R$35,00): Com esse material você terá acesso a 1200 questões COMENTADAS, divididas nas disciplinas: Direito constitucional, Direito Administrativo, Serviço Social. A apostila também tem questões de português gabaritadas. 573 páginas. ✅2-Apostila da Trajetória histórica do Serviço social ( R$15,00) O material possuí CONTEÚDO + 53 Questões comentadas + 150 questões gabaritadas. 209 páginas. ✅3-Apostila de Serviço Social da banca Cespe/UNB (R$20,00): O material possuí 1200 questão, sendo 600 comentadas e 800 gabaritadas. ✅4-Apostila de QUESTÃO SOCIAL (R$10,00): O material possuí CONTEÚDO +09 questões Comentadas + Simulado com 25 questões gabaritadas. 39 páginas. ✅5-Apostila do PROJETO ÉTICO POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL (R$10,00): O material possuí CONTEÚDO+ 08 questões Comentadas + Simulado com 42 questões gabaritadas. 38 páginas. ✅6-Apostila da LOAS-Lei 8.742 (R$10,00): O material possuí toda lei comentada + 16 Questões Comentadas. 65 Páginas. ✅7-Apostila com 530 questões de Serviço Social da Banca VUNESP (R$15,00): O material tem 84 questões comentadas + 450 questões gabaritadas. 311 páginas. ✅8- Apostila de 550 QUESTÕES PARA OS CONCURSOS DE SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA DA SAÚDE (R$15,00): O material possuí questões gabaritadas das seguintes disciplinas: serviço social, português, legislação do SUS, raciocínio lógico, legislação da EBSERH. 307 Páginas. ✅9- Apostila de QUESTÕES DE SERVIÇO SOCIAL DA BANCA FCC(R$20,00). 200 questões de serviço social COMENTADAS + 250 questões de serviço social gabaritadas. ✅10- Apostila de Instrumentalidade no Serviço Social e Instrumental Técnico Operativo (R$10,00): O material possuí CONTEÚDO + 35 questões gabaritadas. 40 páginas. ✅11-Apostila do Código de ética do Assistente Social (R$10,00): Essa apostila possuí Conteúdo + 20 Questões gabaritadas. 41 páginas.
  • 20. SIMULADO 02 ✅12- Apostila de Planejamento e Avaliação de Políticas Sociais (R$10,00): O material possuí CONTEÚDO +60 questões Comentadas + 150 questões gabaritadas. 193 páginas. ✅13- Apostila de POLÍTICA SOCIAL ( R$15,00): O material possuí CONTEÚDO + 55 questões Comentadas + 145 questões gabaritadas. 238 páginas. ✅14- Apostila de Serviço Social da banca Consulplan (R$15,00): O material possuí 122 questões de serviço social Comentadas + 257 questões gabaritadas. 341 páginas. ✅ 15- Apostila da Lei de Regulamentação da Profissão de Assistente Social-Lei n° 8.662 (R$10,00): O material possuí CONTEÚDO + ESQUEMAS + 50 questões comentadas. 72 páginas. ✅ 16-Apostila de Serviço Social da Banca IBFC (R$20,00): O material possuí 250 questões de serviço social da banca IBFC comentadas + 220 questões da banca IBFC gabaritadas + esquemas facilitam o aprendizado +a analise da banca IBFC). 470 páginas. . ✅ 17-Apostila Resoluções do CFESS esquematizadas (R$10,00): O material possuí 10 resoluções esquematizadas + 37 questões comentadas. 117 páginas. ✅18- Apostila de Serviço Social da COMPERVE (R$15,00): O material possuí 150 questões de serviço social comentadas + 100 questões de serviço social gabaritadas + 50 questões português comentadas + 50 questões comentadas da Lei 8.112. 310 páginas. ✅ 19- Apostila de serviço social da banca FGV (R$20,00) : O material possuí 149 Questões Comentadas + 389 Questões Gabaritadas. 289 páginas. Todas as apostilas são em PDF, enviamos o material ao e-mail.