SlideShare uma empresa Scribd logo
SeiZo joias 2014
SeiZo Soares
Joias esculturais em madeiras preciosas
Sculptural jewelry in precious wood
Crio objetos de madeira para pessoas vestirem.
Pequenas esculturas para serem usadas como
joias.
Gosto especialmente da escultura em madeira
porque ela me permite experimentar as
relações entre mente, mãos e matéria;
Perceber – com toda a subjetividade que a
palavra traz em si - tanto nos resultados
quanto nos processos, por quais meios a mente
se expressa e como e porque ela não se
expressa.
Medos, dúvidas, desejos, as visões do mundo ao meu redor e de mim mesmo surgem antes durante e
depois do trabalho na oficina e funcionam não como temas, mas como um pano de fundo para a
ação criativa, que acontece sempre sem um desenho ou projeto, de forma livre e lúdica.
*
Energia e processo
O prazer do ofício na lida com o material e
com as ferramentas é um elemento central.
É na atitude de limpeza do estado mental,
do assobio da brincadeira que é trabalho que a ligação pode acontecer e a musa
manifestar-se.
Muitas vezes busco um certo estado de
“inconsciência” sobre o que estou fazendo.
Trabalhar a noite com pouca luz, agir por impulso e utilizar processos pouco controláveis são
algumas das ações para criar o campo onde estas manifestações mais profundas se concretizem. Por
outro lado, a visão da perfeição do corte, da marca a ser deixada exige disciplina e exercício.
*
Romper a madeira fazendo-a lascar com uma faca é diferente de poli-la finamente. Cada processo e
suas marcas na matéria são a concretização de um certo tipo de energia, que nasce na mente, e
chega ao mundo real por meio do corpo e das ferramentas escolhidas.
*
As Ferramentas
As ferramentas transformam a maneira
de agir sobre o mundo e sobre a
matéria e o modo como agimos sobre o
mundo e sobre a matéria transforma
nossa maneira de pensar.
Assim é preciso estar consciente do
significado disso. Cada nova ferramenta
que adotamos trará consigo uma nova
mente para tratar da matéria.
Gosto de uma certa restrição
tecnológica no trabalho na oficina. Tenho poucas ferramentas. A aproximação com processos mais
humanos, no sentido de serem próximos da natureza, são uma escolha, neste momento.
*
*
Literatura, objeto e significado
Produzo poesia e alguma literatura há algumas décadas e a fotografia nasceu como uma paixão nos
anos noventa. Considero estas formas de expressão - a criação do texto para o objeto e sua
representação fotográfica - como partes essenciais do processo na minha arte joalheria.
São realmente essenciais – e não assessórios apenas - pois a escultura nasce junto com um olhar
fotográfico sobre o trabalho de composição. Um olhar que vasculha todos os ângulos na busca de
pistas para o próximo entalhe.
*
A mensagem escrita remonta a maneira pela qual a mente age. O pensamento são palavras. Assim, a
poesia está – ou deveria estar... - dentro do objeto, como seu conteúdo intangível que pode vir à tona
em forma de escrita.
Poesia e sonho
Este trabalho nasceu do desejo culminante de realizar algo único, no sentido da autoria e da
expressividade individual. Mas
há sempre uma musa e um
professor.
A arte joalheria é para mim um
caminho na busca por
identidade e pela história a ser
contada, é um modo de agir no
mundo para a tomada de
consciência sobre ele e sobre si.
Na escultura em madeira e na
poesia encontrei minhas
matérias primas.
SeiZo joias 2014
A matéria madeira
É a fonte primal da poesia.
O perfume, os desenhos que se revelam, o
comportamento diante da mão e da ferramenta
distingue-se de forma a proporcionar um novo
encontro a cada pedaço.
Em minha história – e penso que na de muitos
brasileiros – a madeira ocupa um lugar na infância, nos
brinquedos artesanais, na casa da avó e seus armários
de Imbuia, na oficina do avô e suas limas muito usadas.
A madeira é o material que fez o chamado e é das
árvores que emana o amor e o respeito por sua carne.
*
Utilizo madeiras chamadas “preciosas” – por sua
raridade e qualidades estéticas - provenientes de redescoberta. Garimpo em antigas marcenarias,
móveis dispensados e outras fontes alternativas.
*
As joias
Construir uma joia é tentar trazer à tona a beleza que toda a matéria traz consigo; é parar de pensar
e pôr a mão na consistência do possível. É tornar concreto um sentimento.
A joia é um amuleto para o corpo criado em estado de concentração. Para muito além do adorno, ela
leva beleza para dentro de quem a carrega e se
comunica com os outros.
Cada peça tem seu poder, herdado da matéria
e intuído pela pessoa para quem foi feita.
*
Joias levantam perguntas, intrigam os
sentidos e proporcionam prazer a quem as
carrega. Pequenos objetos duradouros e
preciosos. Para além do ornamento, a joia é um instrumento cognitivo e sensorial.
SeiZo Soares é professor, escritor e artista visual criador de objetos ´vestíveis´ e joias em madeira.
Trabalha em seu ateliê em Campinas, SP, em frente à Mata Santa Genebra, importante mata urbana
do país.
Desde 2007, desenvolve trabalho de pesquisa e experimentação de técnicas de escultura e arte
joalheria contemporânea.
Participou do Joya Barcelona 2013 e da Beijing International Art Jewelry Exhibition 2013.

“Joias de arte são objetos que intrigam os sentidos, que sugerem perguntas e
proporcionam prazer a quem as carrega. Pequenos objetos duradouros e
preciosos. Para além do ornamento, a joia é um instrumento cognitivo e
sensorial.”
Site: www.seizojoias.com.br
email: seizo@terra.com.br
SeiZo joias 2014

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a SeiZo joias 2014

Arte educação e terapia by sidnei
Arte educação e terapia by sidneiArte educação e terapia by sidnei
Arte educação e terapia by sidnei
sidtkt
 
Portfólio de fotos sobre diversidade
Portfólio de fotos sobre diversidadePortfólio de fotos sobre diversidade
Portfólio de fotos sobre diversidade
Maristela Roos
 
Atps artes, criatividade e recreaçao
Atps artes, criatividade e recreaçaoAtps artes, criatividade e recreaçao
Atps artes, criatividade e recreaçao
Marli Dionisia da Silva
 
Conhecimento pela arte.
Conhecimento pela arte.Conhecimento pela arte.
Conhecimento pela arte.
Italo Colares
 
Estética
EstéticaEstética
Museus, arte, educação
Museus, arte, educaçãoMuseus, arte, educação
Museus, arte, educação
João Lima
 
Museus, arte, educação
Museus, arte, educaçãoMuseus, arte, educação
Museus, arte, educação
João Lima
 
Museus, arte, educação
Museus, arte, educaçãoMuseus, arte, educação
Museus, arte, educação
João Lima
 
Museus, arte, educação
Museus, arte, educaçãoMuseus, arte, educação
Museus, arte, educação
João Lima
 
Museus, arte, educação
Museus, arte, educaçãoMuseus, arte, educação
Museus, arte, educação
João Lima
 
Museus, arte, educação
Museus, arte, educaçãoMuseus, arte, educação
Museus, arte, educação
João Lima
 
Museus, arte, educação
Museus, arte, educaçãoMuseus, arte, educação
Museus, arte, educação
João Lima
 
Museus, arte, educação
Museus, arte, educaçãoMuseus, arte, educação
Museus, arte, educação
João Lima
 
A cor nas Artes Visuais.pdf
A cor nas Artes Visuais.pdfA cor nas Artes Visuais.pdf
A cor nas Artes Visuais.pdf
JaqueMelloo
 
PPT_O_que_e_arte.pdf
PPT_O_que_e_arte.pdfPPT_O_que_e_arte.pdf
PPT_O_que_e_arte.pdf
thaismachado57
 
Entendendo a arte
Entendendo a arteEntendendo a arte
Entendendo a arte
Aurimar Bianchi Júnior
 
Processo de criau00 e7u00e3o (1)
Processo de criau00 e7u00e3o (1)Processo de criau00 e7u00e3o (1)
Processo de criau00 e7u00e3o (1)
Shirley Lopes
 
Seminário sobre Arte e Educação
Seminário sobre Arte e Educação Seminário sobre Arte e Educação
Seminário sobre Arte e Educação
EducadorCriativo
 
Concepção de aprendizagem por experiência.pdf
Concepção de aprendizagem por experiência.pdfConcepção de aprendizagem por experiência.pdf
Concepção de aprendizagem por experiência.pdf
ElismeireCardoso
 
Atps de artes, criatividade e recreação
Atps de artes, criatividade e recreaçãoAtps de artes, criatividade e recreação
Atps de artes, criatividade e recreação
leticiamenezesmota
 

Semelhante a SeiZo joias 2014 (20)

Arte educação e terapia by sidnei
Arte educação e terapia by sidneiArte educação e terapia by sidnei
Arte educação e terapia by sidnei
 
Portfólio de fotos sobre diversidade
Portfólio de fotos sobre diversidadePortfólio de fotos sobre diversidade
Portfólio de fotos sobre diversidade
 
Atps artes, criatividade e recreaçao
Atps artes, criatividade e recreaçaoAtps artes, criatividade e recreaçao
Atps artes, criatividade e recreaçao
 
Conhecimento pela arte.
Conhecimento pela arte.Conhecimento pela arte.
Conhecimento pela arte.
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
Museus, arte, educação
Museus, arte, educaçãoMuseus, arte, educação
Museus, arte, educação
 
Museus, arte, educação
Museus, arte, educaçãoMuseus, arte, educação
Museus, arte, educação
 
Museus, arte, educação
Museus, arte, educaçãoMuseus, arte, educação
Museus, arte, educação
 
Museus, arte, educação
Museus, arte, educaçãoMuseus, arte, educação
Museus, arte, educação
 
Museus, arte, educação
Museus, arte, educaçãoMuseus, arte, educação
Museus, arte, educação
 
Museus, arte, educação
Museus, arte, educaçãoMuseus, arte, educação
Museus, arte, educação
 
Museus, arte, educação
Museus, arte, educaçãoMuseus, arte, educação
Museus, arte, educação
 
Museus, arte, educação
Museus, arte, educaçãoMuseus, arte, educação
Museus, arte, educação
 
A cor nas Artes Visuais.pdf
A cor nas Artes Visuais.pdfA cor nas Artes Visuais.pdf
A cor nas Artes Visuais.pdf
 
PPT_O_que_e_arte.pdf
PPT_O_que_e_arte.pdfPPT_O_que_e_arte.pdf
PPT_O_que_e_arte.pdf
 
Entendendo a arte
Entendendo a arteEntendendo a arte
Entendendo a arte
 
Processo de criau00 e7u00e3o (1)
Processo de criau00 e7u00e3o (1)Processo de criau00 e7u00e3o (1)
Processo de criau00 e7u00e3o (1)
 
Seminário sobre Arte e Educação
Seminário sobre Arte e Educação Seminário sobre Arte e Educação
Seminário sobre Arte e Educação
 
Concepção de aprendizagem por experiência.pdf
Concepção de aprendizagem por experiência.pdfConcepção de aprendizagem por experiência.pdf
Concepção de aprendizagem por experiência.pdf
 
Atps de artes, criatividade e recreação
Atps de artes, criatividade e recreaçãoAtps de artes, criatividade e recreação
Atps de artes, criatividade e recreação
 

Mais de SeiZo Soares SeiZo

Branding e Cultura digital
Branding e Cultura digitalBranding e Cultura digital
Branding e Cultura digital
SeiZo Soares SeiZo
 
Storytelling: Novas narrativas online. ILADEC Campinas, 2014
Storytelling: Novas narrativas online. ILADEC Campinas, 2014Storytelling: Novas narrativas online. ILADEC Campinas, 2014
Storytelling: Novas narrativas online. ILADEC Campinas, 2014
SeiZo Soares SeiZo
 
Criação de conteúdo. Fac. Cambury, setembro 2014
Criação de conteúdo. Fac. Cambury, setembro 2014Criação de conteúdo. Fac. Cambury, setembro 2014
Criação de conteúdo. Fac. Cambury, setembro 2014
SeiZo Soares SeiZo
 
Gestão e criação de conteúdo digital - digital content management and creation
Gestão e criação de conteúdo digital - digital content management and creationGestão e criação de conteúdo digital - digital content management and creation
Gestão e criação de conteúdo digital - digital content management and creation
SeiZo Soares SeiZo
 
1 redes sociais estratégias e tendencias-resumo
1 redes sociais estratégias e tendencias-resumo1 redes sociais estratégias e tendencias-resumo
1 redes sociais estratégias e tendencias-resumo
SeiZo Soares SeiZo
 
Marketing em serviços: Introdução
Marketing em serviços: IntroduçãoMarketing em serviços: Introdução
Marketing em serviços: Introdução
SeiZo Soares SeiZo
 
Gestão e criação de conteúdo (FIT 2013). Uma síntese lembrança!
Gestão e criação de conteúdo (FIT 2013). Uma síntese lembrança!Gestão e criação de conteúdo (FIT 2013). Uma síntese lembrança!
Gestão e criação de conteúdo (FIT 2013). Uma síntese lembrança!
SeiZo Soares SeiZo
 
Adm. de Marketing I - Conceitos Centrais
Adm. de Marketing I - Conceitos CentraisAdm. de Marketing I - Conceitos Centrais
Adm. de Marketing I - Conceitos Centrais
SeiZo Soares SeiZo
 
Adm. Marketing I - Conceitos centrais de marketing
Adm. Marketing I - Conceitos centrais de marketingAdm. Marketing I - Conceitos centrais de marketing
Adm. Marketing I - Conceitos centrais de marketing
SeiZo Soares SeiZo
 

Mais de SeiZo Soares SeiZo (9)

Branding e Cultura digital
Branding e Cultura digitalBranding e Cultura digital
Branding e Cultura digital
 
Storytelling: Novas narrativas online. ILADEC Campinas, 2014
Storytelling: Novas narrativas online. ILADEC Campinas, 2014Storytelling: Novas narrativas online. ILADEC Campinas, 2014
Storytelling: Novas narrativas online. ILADEC Campinas, 2014
 
Criação de conteúdo. Fac. Cambury, setembro 2014
Criação de conteúdo. Fac. Cambury, setembro 2014Criação de conteúdo. Fac. Cambury, setembro 2014
Criação de conteúdo. Fac. Cambury, setembro 2014
 
Gestão e criação de conteúdo digital - digital content management and creation
Gestão e criação de conteúdo digital - digital content management and creationGestão e criação de conteúdo digital - digital content management and creation
Gestão e criação de conteúdo digital - digital content management and creation
 
1 redes sociais estratégias e tendencias-resumo
1 redes sociais estratégias e tendencias-resumo1 redes sociais estratégias e tendencias-resumo
1 redes sociais estratégias e tendencias-resumo
 
Marketing em serviços: Introdução
Marketing em serviços: IntroduçãoMarketing em serviços: Introdução
Marketing em serviços: Introdução
 
Gestão e criação de conteúdo (FIT 2013). Uma síntese lembrança!
Gestão e criação de conteúdo (FIT 2013). Uma síntese lembrança!Gestão e criação de conteúdo (FIT 2013). Uma síntese lembrança!
Gestão e criação de conteúdo (FIT 2013). Uma síntese lembrança!
 
Adm. de Marketing I - Conceitos Centrais
Adm. de Marketing I - Conceitos CentraisAdm. de Marketing I - Conceitos Centrais
Adm. de Marketing I - Conceitos Centrais
 
Adm. Marketing I - Conceitos centrais de marketing
Adm. Marketing I - Conceitos centrais de marketingAdm. Marketing I - Conceitos centrais de marketing
Adm. Marketing I - Conceitos centrais de marketing
 

SeiZo joias 2014

  • 2. SeiZo Soares Joias esculturais em madeiras preciosas Sculptural jewelry in precious wood
  • 3. Crio objetos de madeira para pessoas vestirem. Pequenas esculturas para serem usadas como joias. Gosto especialmente da escultura em madeira porque ela me permite experimentar as relações entre mente, mãos e matéria; Perceber – com toda a subjetividade que a palavra traz em si - tanto nos resultados quanto nos processos, por quais meios a mente se expressa e como e porque ela não se expressa. Medos, dúvidas, desejos, as visões do mundo ao meu redor e de mim mesmo surgem antes durante e depois do trabalho na oficina e funcionam não como temas, mas como um pano de fundo para a ação criativa, que acontece sempre sem um desenho ou projeto, de forma livre e lúdica.
  • 4. * Energia e processo O prazer do ofício na lida com o material e com as ferramentas é um elemento central. É na atitude de limpeza do estado mental, do assobio da brincadeira que é trabalho que a ligação pode acontecer e a musa manifestar-se. Muitas vezes busco um certo estado de “inconsciência” sobre o que estou fazendo. Trabalhar a noite com pouca luz, agir por impulso e utilizar processos pouco controláveis são algumas das ações para criar o campo onde estas manifestações mais profundas se concretizem. Por outro lado, a visão da perfeição do corte, da marca a ser deixada exige disciplina e exercício. *
  • 5. Romper a madeira fazendo-a lascar com uma faca é diferente de poli-la finamente. Cada processo e suas marcas na matéria são a concretização de um certo tipo de energia, que nasce na mente, e chega ao mundo real por meio do corpo e das ferramentas escolhidas. *
  • 6. As Ferramentas As ferramentas transformam a maneira de agir sobre o mundo e sobre a matéria e o modo como agimos sobre o mundo e sobre a matéria transforma nossa maneira de pensar. Assim é preciso estar consciente do significado disso. Cada nova ferramenta que adotamos trará consigo uma nova mente para tratar da matéria. Gosto de uma certa restrição tecnológica no trabalho na oficina. Tenho poucas ferramentas. A aproximação com processos mais humanos, no sentido de serem próximos da natureza, são uma escolha, neste momento. *
  • 7. * Literatura, objeto e significado Produzo poesia e alguma literatura há algumas décadas e a fotografia nasceu como uma paixão nos anos noventa. Considero estas formas de expressão - a criação do texto para o objeto e sua representação fotográfica - como partes essenciais do processo na minha arte joalheria. São realmente essenciais – e não assessórios apenas - pois a escultura nasce junto com um olhar fotográfico sobre o trabalho de composição. Um olhar que vasculha todos os ângulos na busca de pistas para o próximo entalhe. * A mensagem escrita remonta a maneira pela qual a mente age. O pensamento são palavras. Assim, a poesia está – ou deveria estar... - dentro do objeto, como seu conteúdo intangível que pode vir à tona em forma de escrita.
  • 8. Poesia e sonho Este trabalho nasceu do desejo culminante de realizar algo único, no sentido da autoria e da expressividade individual. Mas há sempre uma musa e um professor. A arte joalheria é para mim um caminho na busca por identidade e pela história a ser contada, é um modo de agir no mundo para a tomada de consciência sobre ele e sobre si. Na escultura em madeira e na poesia encontrei minhas matérias primas.
  • 10. A matéria madeira É a fonte primal da poesia. O perfume, os desenhos que se revelam, o comportamento diante da mão e da ferramenta distingue-se de forma a proporcionar um novo encontro a cada pedaço. Em minha história – e penso que na de muitos brasileiros – a madeira ocupa um lugar na infância, nos brinquedos artesanais, na casa da avó e seus armários de Imbuia, na oficina do avô e suas limas muito usadas. A madeira é o material que fez o chamado e é das árvores que emana o amor e o respeito por sua carne. * Utilizo madeiras chamadas “preciosas” – por sua raridade e qualidades estéticas - provenientes de redescoberta. Garimpo em antigas marcenarias, móveis dispensados e outras fontes alternativas.
  • 11. *
  • 12. As joias Construir uma joia é tentar trazer à tona a beleza que toda a matéria traz consigo; é parar de pensar e pôr a mão na consistência do possível. É tornar concreto um sentimento. A joia é um amuleto para o corpo criado em estado de concentração. Para muito além do adorno, ela leva beleza para dentro de quem a carrega e se comunica com os outros. Cada peça tem seu poder, herdado da matéria e intuído pela pessoa para quem foi feita. * Joias levantam perguntas, intrigam os sentidos e proporcionam prazer a quem as carrega. Pequenos objetos duradouros e preciosos. Para além do ornamento, a joia é um instrumento cognitivo e sensorial.
  • 13. SeiZo Soares é professor, escritor e artista visual criador de objetos ´vestíveis´ e joias em madeira. Trabalha em seu ateliê em Campinas, SP, em frente à Mata Santa Genebra, importante mata urbana do país. Desde 2007, desenvolve trabalho de pesquisa e experimentação de técnicas de escultura e arte joalheria contemporânea. Participou do Joya Barcelona 2013 e da Beijing International Art Jewelry Exhibition 2013. “Joias de arte são objetos que intrigam os sentidos, que sugerem perguntas e proporcionam prazer a quem as carrega. Pequenos objetos duradouros e preciosos. Para além do ornamento, a joia é um instrumento cognitivo e sensorial.” Site: www.seizojoias.com.br email: seizo@terra.com.br