Rochas magmáticas

9.985 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.985
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.731
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
164
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Rochas magmáticas

  1. 1. Isabel Lopes 2012
  2. 2. 2 PortugalIL 2012
  3. 3. 3 Açores e MadeiraIL 2012
  4. 4. 4IL 2012
  5. 5. 5IL 2012
  6. 6. 6 IL 2012Rochas intrusivas ou plutónicas• Consolidação do magma em profundidadeRochas extrusivas ou vulcânicas• Consolidação do magma à superfície
  7. 7. 7 IL 2012 p. 107 e 108http://brip.portoeditora.pt/page.php/resources/view_all?id=2bg_20_02
  8. 8. 9 IL 2012 É bastante comum encontrar fragmentos de outras rochas presas dentro de corpos de rocha ígnea – são chamados xenólitos (literalmente "pedras estrangeiras") - podem ser blocos de rochas perto da superfície, ou de grandes profundidades ondeInclusão de rocha (metamórfica) em lava o magma se formou. Adaptado de - http://www.earth.ox.ac.uk/~oesis/field/index.html
  9. 9. 10 IL 2012 Fluidos quentes que circulam as fraturas da rocha podem cristalizar minerais e preencher a fratura. Ocorre assim a formação de um filão mineral. O filão da imagem contém feldspato e quartzo.Adaptado de - http://www.earth.ox.ac.uk/~oesis/field/index.html
  10. 10. 11 IL 2012"Big Hole“ em Kimberley, na África do Sul. Os diamantes são formados no manto da Terra, e depois chegam à superfície através da rocha vulcânica chamada kimberlito - intrusão em forma de tubo . Na imagem a mina escavada verticalmente e agora abandonada e parcialmente cheia de água. Adaptado de - http://www.earth.ox.ac.uk/~oesis/field/index.html
  11. 11. 12 IL 2012 RIFTES E ZONAS DE SUBDUÇÃOAumento rápido da temperatura com a profundidade.Baixo gradiente geotérmico.
  12. 12. 13 IL 2012Aumento da temperatura• Nas zonas de baixo gradiente geotérmico.Diminuição da pressão• Nas zonas de rifte devido ao limite divergente;• Nas plumas térmicas ao atingirem níveis mais superficiais.Hidratação dos materiais• Presença de água, baixa a temperatura de fusão.
  13. 13. 14 IL 2012 • Arrefecimento;Cristalizar • Aumento pressão;o magma • diminuição teor de água para elevar o ponto de fusão. • Aumento da temperatura;Fundir a • Diminuição da pressão; rocha • Adição de água para baixar o ponto de fusão.
  14. 14. 15IL 2012
  15. 15. 16IL 2012
  16. 16. 17 IL 2012Depende: densidade riqueza em sílica temperatura quantidade de fluidos que contém…
  17. 17. 18 IL 2012Expelidos em riftes e pontos quentes;Originados a partir das rochas do manto (peridotito);Ricas em minerais ferromagnesianos. Consolidação à superfície – Basalto. Consolidação em profundidade – Gabro.
  18. 18. Imagem de: http://geomuseu.ist.utl.pt/MINGEO2011/Aulas%20praticas/TEMAPetrografia/Imagens%20e%20Fotos%20Petrol ogia/ROCHAS%20%cdGNEAS%20(Colec%e7%e3o%20das%20Aulas)/MESO%20A%20MELANOCRATAS/GABR19 O%20G%20M%c9DIO%20a%20GROSS.JPG Consolidação em profundidade IL 2012
  19. 19. 20 IL 2012 Velocidade de ascensão superior à de arrefecimento.Durante a subida À superfície Vulcanitodo magma • Cristais em • Formação de • Basalto com desenvolvimento cristais textura porfírica* microscópicos • Material não cristalizado * Com cristais de olivina – magma básico -, piroxenas – se o magma for mais rico em sílica… e plagioclases ricas em cálcio.
  20. 20. Imagem de: http://geomuseu.ist.utl.pt/MINGEO2011/Aulas%20praticas/TEMAPetrografia/Imagens%20e%20Fotos%20Petrol ogia/ROCHAS%20%cdGNEAS%20(Colec%e7%e3o%20das%20Aulas)/MESO%20A%20MELANOCRATAS/BASAL21 TO%20PORF%cdRICO%20OLIV%cdNICO%20-%20Lanzarote.JPG IL 2012
  21. 21. 22 IL 2012 Ascensão muito rápidaDurante a subida À superfície Vulcanitodo magma • Não há tempo • Material não • Rocha com para a formação cristalizado textura vítrea de cristais
  22. 22. 23IL 2012
  23. 23. 24 IL 2012Junto de fossas (zonas de subdução);Originados a partir da fusão de rochas da crosta continental, crostaoceânica e sedimentos (ricos em minerais de argila, com água na suaestrutura cristalina);Maioria dos vulcões da cintura do pacífico. Andes (América do Sul) eIlhas Aleutas (Alasca). Consolidação à superfície – Andesito. Consolidação em profundidade – Diorito.
  24. 24. 25 IL 2012Consolidação à superfície
  25. 25. 26 IL 2012 Consolidação em profundidadehttp://www.rc.unesp.br/museudpm/rochas/magmaticos/diorito.html
  26. 26. 27 IL 2012Zonas continentais (limites convergentes  cadeias montanhosas aumento da pressão e temperatura  fusão magmas);Originados a partir da fusão de rochas da crosta continental (ricas emágua e CO2);Grande viscosidade (elevado teor de sílica). Consolidação à superfície – Riolito. Consolidação em profundidade – Granito.
  27. 27. Imagem de: http://geomuseu.ist.utl.pt/MINGEO2011/Aulas%20praticas/TEMAPetrografia/Imagens%20e%20Fotos%20Petrol ogia/ROCHAS%20%cdGNEAS%20(Colec%e7%e3o%20das%20Aulas)/LEUCOCRATAS/GRANITO%20G%20M%c28 9DIO%20BIOT%202.jpg Consolidação em profundidade IL 2012
  28. 28. 29 IL 2012Melanocrata Mesonocrata Leucocrata Básica Ácida Aumento da % de sílicaAumento da % de minerais ferromagnesianos
  29. 29. 30 IL 2012 Basáltico Andesítico Riolítico Interface Crosta Origem Manto Crosta-Manto ContinentalCARACTERÍSTICAS Viscosidade Baixa Intermédia Alta Alto Intermédio Baixo Ponto de fusão (+/- 1200ºC) (+/- 1000ºC) (+/- 800ºC) Teor em água (%) 1-2 5-10 10-15 Baixo Intermédio Alto Teor em sílica (%) (≤50) (+/- 60) (≥65) Cor Melanocrata mesocrata leucocrata
  30. 30. 31 IL 2012“A transformação do magma em material sólido (rocha/minerais) ocorre aquando da passagem ao estado sólido da maior parte dos constituintes químicos presentes nesse material líquido, ou seja, pela cristalização dos minerais (silicatos, na maioria) à medida que ocorre o arrefecimento.”
  31. 31. 32 IL 2012Primeiro cristalizam os de ponto de fusão mais elevado (maisrefratários), que são também os mais densos.A sequência de cristalização segue esta lógica: sucessivamenteaté aos menos densos e de ponto de fusão mais baixoIntervalo de temperatura: 1550ºC e 500ºCVariável com a pressão (e consequente/ com a profundidade)
  32. 32. 33 IL 2012Diferenciação gravítica• 1ºs minerais a formarem-se (mais densos);• Acumulação no fundo câmara (gravidade).Assimilação magmática• Reacção com as rochas encaixantes;• Reações complexas que afetam a rocha encaixante e o magma.Mistura de magmas• Frequente nas cinturas orogénicas• Magma basáltico, na subida encontra magma riolítico originando magmas intermédios (andesíticos)
  33. 33. 34IL 2012
  34. 34. 35IL 2012
  35. 35. 36IL 2012
  36. 36. 37 IL 2012Magma: mistura de líquido, gases e minerais no estado sólido. Durante a sua consolidação… Cristalização de certos componentes (formação de minerais); Sublimação de vapores; Vaporização de fluídos com deposição de substâncias dissolvidas.
  37. 37. 38 IL 2012• Fatores do meio externo favoráveis à formação de cristais mais desenvolvidos e perfeitos: Agitação do • Ambiente calmo. meio • Arrefecimento lento; Tempo • Muito tempo. Espaço • Muito espaço disponível.
  38. 38. 39 IL 2012A cristalização pode nãoocorrer do mesmo modoem todas as direções,condicionada por exemplopelo crescimento de outroscristais, … A forma do cristal depende das condições do meio.
  39. 39. 40 IL 2012É constante e independente das condições de formação do cristal…
  40. 40. 41 IL 2012 Independente dasDureza (≠ faces) Disposição condições ordenada de átomos envolventesClivagem ou iões Rede tridimensi- onal Modelo geométrico regular Característica decada espécie mineral
  41. 41. 42 IL 2012Unidade paralelepipédica que, repetindo-seregularmente no espaço, gera um sistema reticular. Sistema reticular – repetição da malha elementar
  42. 42. 43IL 2012
  43. 43. 44 IL 2012É sempre umparalelepípedo, mas podediferir nas dimensões enos ângulos das arestas.
  44. 44. 45 IL 2012Cada partícula é um átomo ou ião que ocupa umaposição de modo a ordenar-se no espaço segundouma rede própria
  45. 45. 46 IL 201295% da massa e do volume da crusta terrestre é constituída porminerais pertencentes ao grupo dos silicatos. Estrutura básica: ião (SiO4)4- O Si4+ no centro 4 átomos de oxigénio nos vértices
  46. 46. 47 IL 2012 Os tetraedros de (SiO4)4- com tendência para polimerizar… Silicatos de Fe e Mg Silicatos com Al e K, F… diferentes tipos de polimerização  diferentes tipos de silicatos! Mais exemplos na página 120-121
  47. 47. 48IL 2012
  48. 48. 49 IL 2012Minerais caracterizados pela estrutura interna e composiçãoquímica?•Isomorfismo(do grego isos=mesma e morphé=forma)•Apesar de quimicamente diferentes, apresentam a idêntica estruturainterna e semelhante forma externa… Minerais = substâncias isomorfas
  49. 49. 50 IL 2012Mantêm constante a estrutura interna, variando a composição química (substituição de iões Na+ por iões Ca2+)
  50. 50. 51 IL 2012Mantêm constante a estrutura interna, variando a composição química (substituição de iões Na+ por iões Ca2+) http://www.rc.unesp.br/museudpm/banco/silicatos/tectossilicatos/fplagioclasio.html
  51. 51. 52 IL 2012• Albite–NaAlSi3O4 • Anortite–CaAl2Si2O8 mineralatlas.com
  52. 52. 53 IL 2012 Minerais caracterizados pela estrutura interna e composição química? •Polimorfismo (do grego polys= vários e morphé=forma) •Apesar de quimicamente idênticos, apresentam a diferente estrutura cristalina…Exemplo: Carbonato de Cálcio = Calcite e Aragonite
  53. 53. 54 IL 2012Diamante e Grafite
  54. 54. 55IL 2012
  55. 55. 56 IL 2012Recursos• http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/vulcoes/magma.php• http://www.earth.ox.ac.uk/~oesis/field/index.html• http://www.rc.unesp.br/museudpm/rochas/magmaticos/diorito.html (fotomicrografias)• http://geomuseu.ist.utl.pt/MINGEO2011/Aulas%20praticas/TEMAPetrografia/Imagens%20e%2 0Fotos%20Petrologia/ - fotos rochas• http://11biogeogondomar.blogspot.pt/2011/03/diferenciacao-magmatica.html• http://www.earthscope.org/twg/fluids_magmas (informação sobre magmas - em inglês)Questinários:• http://geomuseu.ist.utl.pt/MINGEO2011/Questionarios/Vulcanismo%201.htm – vulcanismo• http://geomuseu.ist.utl.pt/MINGEO2011/Questionarios/Tect%f3nica%20de%20Placas%20(corr espond%eancias).htm – tectónica placas

×