SlideShare uma empresa Scribd logo
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
Biologia 
Tema: 
Bactérias e 
doenças 
associadas 
Profª Paula 
Aragão
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
1) Definição 
As bactérias são organismos unicelulares, procarióticos, que podem ser encontrados na 
forma isolada ou em colônias e pertencente ao reino Monera. São microorganismos 
sem núcleo celular verdadeiro e possuem como única organela o ribossomo. 
2) Características Gerais 
a) As bactérias apresentam um único cromossomo circular disperso no citoplasma. 
b) O DNA bacteriano não está associado a proteínas histonas. 
c) Além do cromossômico único circular, as bactérias apresentam pequenos filamentos 
duplos de DNA circular denominados plasmídeos. 
d) Algumas bactérias possuem parede celular constituída de peptídeoglicano. 
e) Podem formar esporos de resistência denominados endósporos. 
f) Podem apresentar um ou mais flagelos, mas estes não são formados por centríolos.
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
3) Morfologia geral das bactérias 
Estrutura da célula bacteriana 
Coco Diplococo 
Estreptococo 
Estafilococos 
(cacho de uva) 
Bacilo 
Vibrião 
Sarcina 
Espiroqueta 
(Cubo com oito células) 
Espirilo 
Estreptobacilo
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
3) Morfologia geral das bactérias 
Estruturas celulares
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
3) Morfologia geral das bactérias - (cápsula) 
A cápsula é formada pelo glicocálice, o qual consiste em uma substância polissacarídica 
produzida no citoplasma e secretados para a superfície celular. 
Funções da cápsula: 
1. Impedir que a célula seja fagocitada por células de defesa. 
2. Promover a adesão das bactérias em diferentes substratos (dentes humanos, 
trato respiratório, mucosa intestinal, etc.) 
3. Proteger as bactérias contra desidratação e choques mecânicos. 
cápsula
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
3) Morfologia geral das bactérias - (Fímbrias) 
Fímbrias são apêndices que se estendem da membrana plasmática passando pela 
parede celular e cápsula emergindo para o meio externo. As fímbrias podem ocorrer em 
toda a superfície da célula. 
Função das fímbrias: 
 Fixar as bactérias ao substrato e em outras células.
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
3) Morfologia geral das bactérias - (Pili) 
Os Pili sexuais normalmente são mais longos que as fímbrias, havendo um ou dois por 
célula. 
Funções dos pili: 
 Responsável pela formação da ponte citoplasmática que permite a 
transferência de informação genética durante o processo de conjugação. 
Bactéria + 
Bactéria - 
Pili sexuais
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
3) Morfologia geral das bactérias - (Flagelos) 
Os flagelos são responsáveis pelo deslocamento das bactérias. 
Estendem-se a partir da membrana celular, passam pela parede celular e atingem a 
região externa. 
O número de flagelos é bastante variável entre as bactérias. 
Os flagelos são formados por uma proteína denominada flagelina e não provém do 
centríolo como os flagelos de células eucariotas.
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
3) Morfologia geral das bactérias - (Parede celular) 
Parede celular é um envoltório semi-rígido, composto por peptídioglicanos, e 
responsável pela forma e proteção da célula bacteriana. 
Composição dos peptídioglicanos: 
 Polímero de carboidratos associados à proteínas. 
As bactérias podem ser divididas em dois grandes grupos, segundo a composição 
química da parede celular: 
1) Bactérias Gram-positivas 
2) Bactérias Gram-negativas
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
A Utilizando coloração corantes de GRAM a base foi 
de 
desenvolvida iodo as bactérias em são 1984 coradas 
pelo 
bacteriologista de púrpura, pois dinamarquês 
o iodo 
Hans impregna Gram. 
na parede celular. 
Em seguida uma solução 
descolorante é aplicada. As 
bactérias que mantém a cor 
púrpura são denominadas 
GRAM positivas. 
As bactérias que perdem a 
cor púrpura após a 
descoloração são 
classificadas como GRAM 
negativas.
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
3) Morfologia geral das bactérias - (Membrana Celular) 
Membrana celular: lipoprotéica semelhante às membranas dos organismos 
eucariontes. 
Funções: 
1. Proteção 
2. Transporte seletivo de nutrientes 
3. Síntese de componentes da parede celular 
4. Secreção de enzimas digestivas 
5. Respiração celular 
6. Ancora flagelos, fímbrias e pili 
7. Armazenamento de pigmentos e enzimas da fotossíntese (em cianobactérias)
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
3) Morfologia geral das bactérias - (Citoplasma) 
Citoplasma: Sinônimos (hialoplasma e citosol). Possui 4/5 de água e 1/5 de substâncias 
dissolvidas ou em suspensão (proteínas, carboidratos, lipídios, íons, etc). 
Possui em seu conteúdo: Ribossomos (única organela), plasmídeos e o cromossomo 
circular único (região do nucleóide).
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
3) Morfologia geral das bactérias - (Nucleóide) 
Nucleóide (área nuclear citoplasmática). Por serem organismos Procariontes as 
bactérias não possuem um núcleo delimitado por membrana nuclear ou carioteca. Ao 
invés de núcleo, as bactérias apresentam uma região citoplasmática onde se encontra 
do DNA bacteriano (cromossomo circular). 
Não estão presentes em células bacterianas: 
1. Proteínas histonas 
2. Nucléolo 
3. Carioteca
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
3) Morfologia geral das bactérias - (Plasmídeo) 
Plasmídeo é um pequendo DNA extracromossômico, pois não se conecta ao 
cromossomo principal e replica-se independentemente. Possui cerca de 1 a 5% do 
tamanho do cromossomo bacteriano e pode conter genes para diversas atividades. 
Principais funções dos plasmídeos: 
1. Apresentar genes que conferem resistência a diversos antibióticos. 
2. Apresentar genes responsáveis por síntese de toxinas. 
3. Apresentar genes que codificam enzimas que ativam a degradação de carboidratos 
e substâncias exóticas como tolueno, cânfora e hidrocarbonetos do petróleo.
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
3) Morfologia geral das bactérias - (Endósporo) 
Endósporo Estruturas de latência que exibem altíssima resistência tanto a agentes 
físicos como químicos. Quando as bactérias com capacidade de esporular se encontram 
em ambientes cujas condições tornam-se inadequadas, estas iniciam o processo de 
esporulação, garantindo assim a manutenção de seu material genético. 
Nucleóide 
Endósporo em 
formação 
Conteúdo celular 
em degeneração 
Endósporo maduro 
As bactérias esporuladas podem permanecer 
dormentes por milhares de anos e retornar ao 
seu estado ativo quando as condições ambientais 
tornarem-se favoráveis. 
Endósporo
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
Cianobactérias 
Nitrosomonas 
Salmonella
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
Duplicação cromossônica 
Estrangulamento citoplasmático 
Bactérias-filhas 
Cromossomo 
Bactéria
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
Duplicação cromossônica 
Estrangulamento citoplasmático 
Bactérias-filhas 
Cromossomo 
Bactéria 
Reprodução Assexuada 
• Bipartição ou Cissiparidade 
Células filhas idênticas a célula mãe 
Não ocorre variabilidade genética 
Células filhas idênticas a célula mãe 
Não ocorre variabilidade genética 
Permite a rápida colonização de 
bactérias,em meio ambiente 
favorável, num pequeno intervalo 
Não!!! O termo mitose refere-se a 
cariogamia (divisão do núcleo), 
como bactérias não tem núcleo não 
Não Qual Qual há a troca grande a grande de desvantagem material vantagem genético, 
da 
da 
portanto não há variabilidade. Se o 
ambiente modificar, pode erradicar 
todas as bactérias de uma só vez. 
Podemos afirmar que bipartição é a 
Bipartição? 
mesma coisa que mitose? 
de tempo. 
sofrem mitose.
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
Reprodução Sexuada 
a) Transdução
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
Reprodução Sexuada 
b) Transformação 
Uma bactéria pode absorver DNA livre no 
meio ambiente, proveniente de outra bactéria 
morta, e inseri-lo ao seu material genético.
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
Reprodução Sexuada 
c) Conjugação 
Ocorre quando duas ou até três bactérias se 
unem, normalmente, por uma ponte formada 
através das pili sexuais, sendo os plasmídeos 
passados de uma bactéria para outra.
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
DDiifftteerriiaa (crupe) 
Agente Etiológico: Corynebacterium diphthriae 
Forma de transmissão: Pelo ar contaminado e pela saliva 
Sintomas: Inflamação das amígdalas, faringe e mucosa nasal. 
A bactéria produz toxina que destrói as fibras cardíacas, células nervosas e 
renais. 
Tratamento: Utilização de antibióticos penicilina e eritromicina. 
Profilaxia: Vacina Tríplice
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
DDiisseenntteerriiaa BBaacciillaarr 
Agente Etiológico: Bactérias do gênero Shigella 
Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. 
Sintomas: Infecção intestinal, dores abdominais, diarréias sanguinolentas e vômitos. 
Tratamento: Utilização de antibióticos e soro caseiro. 
Profilaxia: Educação sanitária e saneamento básico.
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
DDiisseenntteerriiaa BBaacciillaarr
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
FFeebbrree TTiiffóóiiddee 
Agente Etiológico: Salmonella thyfi 
Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. 
Sintomas: Febre, dor de cabeça, fadiga, bradicardia, hemorragias nasais, diarréia e 
vômitos. 
Tratamento: Utilização de antibióticos específicos. 
Profilaxia: Educação sanitária e saneamento básico.
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
FFeebbrree TTiiffóóiiddee 
Mosca doméstica – uma 
das principais veiculadoras 
da febre tifóide.
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
TTééttaannoo 
Agente Etiológico: Clostridium tetani (anaeróbico estrito) 
Forma de transmissão: Contaminação acidental de ferimentos profundos com terra 
contaminada com esporos da bactéria. 
Sintomas: Enrijecimento muscular por todo o corpo causada pela toxina tetânica. 
Bloqueio da via de relaxamento dos músculos (espamos musculares). 
Tratamento: Utilização de soros. 
Profilaxia: Vacina tríplice (antitetânica).
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
TTééttaannoo
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
TTuubbeerrccuulloossee 
Agente Etiológico: Mycobacterium tuberculosis (Bacilo de Koch) 
Forma de transmissão: Pelo ar contaminado e pela saliva. 
Sintomas: Tosse constante, as vezes com sangramento, febre, suores noturnos, falta de 
apetite, emagrecimento e indisposição. 
Tratamento: Medicamentos específicos que elimina as bactérias. 
Profilaxia: Vacinação (BCG), evitar contanto com pessoas contaminadas, evitar 
permanecer em ambientes fechados. 
A falta de programas de vacinação, associa às más condições de habitação e à 
subnutrição, causa alto índice de mortalidade nos países em desenvolvimento.
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
TTuubbeerrccuulloossee
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
CCóólleerraa 
Agente Etiológico: Vibrio cholerae 
Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. 
Sintomas: Vômitos, diarréia intensa, desidratação severa. Os sintomas são causados por 
uma toxina produzida pelas bactérias. 
Tratamento: Medicamentos específicos que elimina as bactérias. 
Profilaxia: Educação sanitária e saneamento básico. A vacina é pouco eficaz e de curta 
duração. Só é recomendada para quem viaja para locais onde existe a doença.
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
CCóólleerraa
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
CCooqquueelluucchhee 
Agente Etiológico: Bordetella pertussis 
Forma de transmissão: Pelo ar e saliva contaminados com a bactéria. 
Sintomas: Tosse persistente (tosse de cachorro), causada devido a infecção dos 
brônquios e bronquíolos. 
Tratamento: Uso de antibióticos específicos 
Profilaxia: Vacinação (Tríplice)
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
CCooqquueelluucchhee
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
BBoottuulliissmmoo 
Agente Etiológico: Clostridium botulinum (anaeróbico estrito) 
Forma de transmissão: Intoxicação alimentar pela toxina botulínica (geralmente 
alimentos enlatados com embalagem estufadas apresentam a toxina). 
Sintomas: Paralisia muscular e dificuldades respiratórias. 
Tratamento: Uso de antitoxinas. A vacina é pouco eficiente. 
Profilaxia: Não consumir produtos enlatados que apresentem aspectos anormais. A 
partir de casos suspeitos, identificar as prováveis fontes de contaminação para adoção 
das medidas de controle pertinentes. 
A toxina botulínica é usada em pequenas doses BOTOX, como tratamento estético 
temporário. A sua intensa capacidade paralítica é desejada por indivíduos que procuram 
esconder as suas rugas (as rugas são causadas por contrações musculares) e outras 
imperfeições faciais.
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
BBoottuulliissmmoo
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
PPnneeuummoonniiaa 
Agente Etiológico: Streptococos peneumoniae 
Forma de transmissão: Pelo ar 
Sintomas: Infecção pulmonar aguda com calafrios, febre, dor nas costas e tosse com 
expectoração sanguinolenta. 
Tratamento: Uso de antibióticos 
Profilaxia: Vacina pouco eficiente, o mais recomendado é não permanecer em locais 
sem ventilação por muito tempo, verificar periodicamente as condições de aparelhos ar 
condicionados, esterilização de carpetes e tapetes.
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
PPnneeuummoonniiaa
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
HHaannsseennííaassee (Lepra) 
Agente Etiológico: Mycobacterium leprae (Bacilo de Hansen) 
Forma de transmissão: Contato direto com pessoas doentes, pela pele ou pelo ar, após 
contatos íntimos e prolongados com o portador. 
Sintomas: Aparecimento de manchas na pele, ulcerações e deformidades, lesões nas 
terminações nervosas causando perda de sensibilidade. 
Tratamento: Uso de antibióticos (há cura se for diagnosticado e tratado nas fases 
iniciais) 
Profilaxia: Educação sanitária, tratamento imediato dos doentes, vacinar todos os 
familiares e pessoas que convivem intimamente com o doente (vacina BCG)
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
HHaannsseennííaassee (Lepra)
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
MMeenniinnggiittee bbaacctteerriiaannaa 
Agente Etiológico: Nisseria meningitidis 
Forma de transmissão: Pelo ar e saliva contaminados com a bactéria. 
Sintomas: Diarréia grave, vômito, convulsões, hemorragias internas, hipotensão 
arterial, choque e, freqüentemente, a morte. 
Tratamento: Uso de antibióticos intravenosos. 
Profilaxia: Vacinação
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
MMeenniinnggiittee bbaacctteerriiaannaa
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
SSííffiilliiss 
Agente Etiológico: Triponema pallidum 
Forma de transmissão: Relações sexuais, transfusões de sangue e congênita (da mãe 
para o feto). 
Sintomas: Aparecimento de uma pequena ferida ou ulceração firme e dura que ocorre 
no ponto de infecção da bactéria, geralmente o pênis, a vagina, o reto ou a boca e 
posteriormente em outras partes do corpo. Nos fetos a bactéria pode causar diversas 
complicações no sistema nervoso, mal formações e ferimentos na pele. 
Tratamento: Uso de antibióticos (tetraciclina e penicilina). 
Profilaxia: Uso de preservativos, realização do teste diagnóstico por mulheres com 
intenção de engravidar.
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
SSííffiilliiss
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
GGoonnoorrrrééiiaa 
Agente Etiológico: Neisseria gonorrheae 
Forma de transmissão: Relações sexuais, transfusões de sangue e congênita (da mãe 
para o feto). 
Sintomas: Ardência ao urinar, corrimento amarelado na uretra, inflamações 
neurológicas, ósseas e articulares. No recém nascido pode causar a cegueira. 
Tratamento: Uso de antibióticos (penicilina). 
Profilaxia: Uso de preservativos, educação sexual, realização do teste diagnóstico em 
mulheres com intenção de engravidar.
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
GGoonnoorrrrééiiaa
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
LLeeppttoossppiirroossee 
Agente Etiológico: Leptospira interrogans 
Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados pela urina de ratos e cães. 
O rato de esgoto (Rattus novergicus) é o principal responsável pela infecção humana, em razão 
de existir em grande número e da proximidade com seres humanos. A bactéria multiplica-se 
nos rins desses animais sem causar danos, e é eliminada pela urina, às vezes por toda a vida do 
animal. 
Sintomas: Calafrios, febre alta, dores articulares, lesões renais, icterícia e anemia. 
Tratamento: Uso de antibióticos (penicilina). 
Profilaxia: Educação sanitária, adotar medidas que minimizem a proliferação de ratos, 
realizar vistoria de bueiros e redes de esgoto para evitar possíveis entupimentos que 
promovam inundações, quando entrar em contato com regiões inundadas ou com 
lama, usar luvas e botas de borracha.
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
6) Doenças causadas por Bactérias 
LLeeppttoossppiirroossee
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
7) Exercícios 
UFMG 2005
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
7) Exercícios 
UFMG 2008
BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 
7) Exercícios 
UFMG

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Monera
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino MoneraSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Monera
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Monera
Turma Olímpica
 
Fungos aula
Fungos aulaFungos aula
Fungos aula
Raquel Freiry
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
Roberto Bagatini
 
Bacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elasBacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elas
Evandro Batista
 
Núcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celularNúcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celular
UERGS
 
Reino Monera Para Anglo
Reino Monera Para AngloReino Monera Para Anglo
Reino Monera Para Anglo
guest8fc71c
 
Divisao celular
Divisao celular Divisao celular
Divisao celular
Renata de Castro
 
Zoologia: Nematelmintos
Zoologia: NematelmintosZoologia: Nematelmintos
Zoologia: Nematelmintos
Guilherme Orlandi Goulart
 
Apresentação bactérias
Apresentação bactériasApresentação bactérias
Apresentação bactérias
Fernanda Marinho
 
Fungos
FungosFungos
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
emanuel
 
Organelas citoplasmaticas
Organelas citoplasmaticasOrganelas citoplasmaticas
Organelas citoplasmaticas
letyap
 
Nucleo celular e cromossomos
Nucleo celular e cromossomosNucleo celular e cromossomos
Nucleo celular e cromossomos
Andre Luiz Nascimento
 
Aula 1 e 2 introduçao a embriologia
Aula 1 e 2 introduçao a embriologiaAula 1 e 2 introduçao a embriologia
Aula 1 e 2 introduçao a embriologia
Felipe Beijamini
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Metabolismo bacteriano
Aula de Microbiologia Clínica sobre Metabolismo bacterianoAula de Microbiologia Clínica sobre Metabolismo bacteriano
Aula de Microbiologia Clínica sobre Metabolismo bacteriano
Jaqueline Almeida
 
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das células
Nayara de Queiroz
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
MARCIAMP
 
Stramenopila (diatomáceas e algas pardas) e excavata (giárdias, tricomonas, t...
Stramenopila (diatomáceas e algas pardas) e excavata (giárdias, tricomonas, t...Stramenopila (diatomáceas e algas pardas) e excavata (giárdias, tricomonas, t...
Stramenopila (diatomáceas e algas pardas) e excavata (giárdias, tricomonas, t...
Guellity Marcel
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
ISJ
 
Lista de exercícios vii reinos monera, protista e fungi
Lista de exercícios vii reinos monera, protista e fungiLista de exercícios vii reinos monera, protista e fungi
Lista de exercícios vii reinos monera, protista e fungi
Carlos Priante
 

Mais procurados (20)

Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Monera
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino MoneraSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Monera
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Monera
 
Fungos aula
Fungos aulaFungos aula
Fungos aula
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Bacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elasBacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elas
 
Núcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celularNúcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celular
 
Reino Monera Para Anglo
Reino Monera Para AngloReino Monera Para Anglo
Reino Monera Para Anglo
 
Divisao celular
Divisao celular Divisao celular
Divisao celular
 
Zoologia: Nematelmintos
Zoologia: NematelmintosZoologia: Nematelmintos
Zoologia: Nematelmintos
 
Apresentação bactérias
Apresentação bactériasApresentação bactérias
Apresentação bactérias
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Organelas citoplasmaticas
Organelas citoplasmaticasOrganelas citoplasmaticas
Organelas citoplasmaticas
 
Nucleo celular e cromossomos
Nucleo celular e cromossomosNucleo celular e cromossomos
Nucleo celular e cromossomos
 
Aula 1 e 2 introduçao a embriologia
Aula 1 e 2 introduçao a embriologiaAula 1 e 2 introduçao a embriologia
Aula 1 e 2 introduçao a embriologia
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Metabolismo bacteriano
Aula de Microbiologia Clínica sobre Metabolismo bacterianoAula de Microbiologia Clínica sobre Metabolismo bacteriano
Aula de Microbiologia Clínica sobre Metabolismo bacteriano
 
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das células
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
 
Stramenopila (diatomáceas e algas pardas) e excavata (giárdias, tricomonas, t...
Stramenopila (diatomáceas e algas pardas) e excavata (giárdias, tricomonas, t...Stramenopila (diatomáceas e algas pardas) e excavata (giárdias, tricomonas, t...
Stramenopila (diatomáceas e algas pardas) e excavata (giárdias, tricomonas, t...
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Lista de exercícios vii reinos monera, protista e fungi
Lista de exercícios vii reinos monera, protista e fungiLista de exercícios vii reinos monera, protista e fungi
Lista de exercícios vii reinos monera, protista e fungi
 

Semelhante a Reino monera

Aula bacterias e_doencas_associadas
Aula bacterias e_doencas_associadasAula bacterias e_doencas_associadas
Aula bacterias e_doencas_associadas
Renato Físico
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
Jamille Nunez
 
Reinomonera 130821171628-phpapp01
Reinomonera 130821171628-phpapp01Reinomonera 130821171628-phpapp01
Reinomonera 130821171628-phpapp01
elenice soares
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
pamelacastro71
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
pamelacastro71
 
Bruna Eduarda Silva Ferreira - Reino Monera.pptx
Bruna Eduarda Silva Ferreira - Reino Monera.pptxBruna Eduarda Silva Ferreira - Reino Monera.pptx
Bruna Eduarda Silva Ferreira - Reino Monera.pptx
BrunaFerreira517808
 
Aula Sobre Citologia
Aula Sobre CitologiaAula Sobre Citologia
Aula Sobre Citologia
Alzeir Virlene
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
biohorrores
 
Aula 2 e 3.pdf
Aula 2 e 3.pdfAula 2 e 3.pdf
Aula 2 e 3.pdf
BelaFortes2
 
4 monera
4   monera4   monera
4 monera
Pelo Siro
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
Nati2011Ferrazza
 
reino.monera.exercicio.pdf
reino.monera.exercicio.pdfreino.monera.exercicio.pdf
reino.monera.exercicio.pdf
PATRICIAPAZ46
 
Citologia bacteriana
Citologia bacterianaCitologia bacteriana
Citologia bacteriana
Renato Varges - UFF
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
Edimar Lopes
 
Organização celular
Organização celularOrganização celular
Organização celular
ajsmorais
 
BIO_AP_Microbiologia_Reino Monera.pdf
BIO_AP_Microbiologia_Reino Monera.pdfBIO_AP_Microbiologia_Reino Monera.pdf
BIO_AP_Microbiologia_Reino Monera.pdf
CecliaArajo15
 
reino.monera.exercicio (1).docx
reino.monera.exercicio (1).docxreino.monera.exercicio (1).docx
reino.monera.exercicio (1).docx
PATRICIAPAZ46
 
Fungi, Monera e Protista
Fungi, Monera e ProtistaFungi, Monera e Protista
Fungi, Monera e Protista
José Emílio
 
O Microcosmo Bacteriano
O Microcosmo BacterianoO Microcosmo Bacteriano
O Microcosmo Bacteriano
Julia Micheti
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
eduardo messias
 

Semelhante a Reino monera (20)

Aula bacterias e_doencas_associadas
Aula bacterias e_doencas_associadasAula bacterias e_doencas_associadas
Aula bacterias e_doencas_associadas
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Reinomonera 130821171628-phpapp01
Reinomonera 130821171628-phpapp01Reinomonera 130821171628-phpapp01
Reinomonera 130821171628-phpapp01
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Bruna Eduarda Silva Ferreira - Reino Monera.pptx
Bruna Eduarda Silva Ferreira - Reino Monera.pptxBruna Eduarda Silva Ferreira - Reino Monera.pptx
Bruna Eduarda Silva Ferreira - Reino Monera.pptx
 
Aula Sobre Citologia
Aula Sobre CitologiaAula Sobre Citologia
Aula Sobre Citologia
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Aula 2 e 3.pdf
Aula 2 e 3.pdfAula 2 e 3.pdf
Aula 2 e 3.pdf
 
4 monera
4   monera4   monera
4 monera
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
reino.monera.exercicio.pdf
reino.monera.exercicio.pdfreino.monera.exercicio.pdf
reino.monera.exercicio.pdf
 
Citologia bacteriana
Citologia bacterianaCitologia bacteriana
Citologia bacteriana
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Organização celular
Organização celularOrganização celular
Organização celular
 
BIO_AP_Microbiologia_Reino Monera.pdf
BIO_AP_Microbiologia_Reino Monera.pdfBIO_AP_Microbiologia_Reino Monera.pdf
BIO_AP_Microbiologia_Reino Monera.pdf
 
reino.monera.exercicio (1).docx
reino.monera.exercicio (1).docxreino.monera.exercicio (1).docx
reino.monera.exercicio (1).docx
 
Fungi, Monera e Protista
Fungi, Monera e ProtistaFungi, Monera e Protista
Fungi, Monera e Protista
 
O Microcosmo Bacteriano
O Microcosmo BacterianoO Microcosmo Bacteriano
O Microcosmo Bacteriano
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 

Reino monera

  • 1. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass Biologia Tema: Bactérias e doenças associadas Profª Paula Aragão
  • 2. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 1) Definição As bactérias são organismos unicelulares, procarióticos, que podem ser encontrados na forma isolada ou em colônias e pertencente ao reino Monera. São microorganismos sem núcleo celular verdadeiro e possuem como única organela o ribossomo. 2) Características Gerais a) As bactérias apresentam um único cromossomo circular disperso no citoplasma. b) O DNA bacteriano não está associado a proteínas histonas. c) Além do cromossômico único circular, as bactérias apresentam pequenos filamentos duplos de DNA circular denominados plasmídeos. d) Algumas bactérias possuem parede celular constituída de peptídeoglicano. e) Podem formar esporos de resistência denominados endósporos. f) Podem apresentar um ou mais flagelos, mas estes não são formados por centríolos.
  • 3. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 3) Morfologia geral das bactérias Estrutura da célula bacteriana Coco Diplococo Estreptococo Estafilococos (cacho de uva) Bacilo Vibrião Sarcina Espiroqueta (Cubo com oito células) Espirilo Estreptobacilo
  • 4. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 3) Morfologia geral das bactérias Estruturas celulares
  • 5. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 3) Morfologia geral das bactérias - (cápsula) A cápsula é formada pelo glicocálice, o qual consiste em uma substância polissacarídica produzida no citoplasma e secretados para a superfície celular. Funções da cápsula: 1. Impedir que a célula seja fagocitada por células de defesa. 2. Promover a adesão das bactérias em diferentes substratos (dentes humanos, trato respiratório, mucosa intestinal, etc.) 3. Proteger as bactérias contra desidratação e choques mecânicos. cápsula
  • 6. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 3) Morfologia geral das bactérias - (Fímbrias) Fímbrias são apêndices que se estendem da membrana plasmática passando pela parede celular e cápsula emergindo para o meio externo. As fímbrias podem ocorrer em toda a superfície da célula. Função das fímbrias:  Fixar as bactérias ao substrato e em outras células.
  • 7. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 3) Morfologia geral das bactérias - (Pili) Os Pili sexuais normalmente são mais longos que as fímbrias, havendo um ou dois por célula. Funções dos pili:  Responsável pela formação da ponte citoplasmática que permite a transferência de informação genética durante o processo de conjugação. Bactéria + Bactéria - Pili sexuais
  • 8. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 3) Morfologia geral das bactérias - (Flagelos) Os flagelos são responsáveis pelo deslocamento das bactérias. Estendem-se a partir da membrana celular, passam pela parede celular e atingem a região externa. O número de flagelos é bastante variável entre as bactérias. Os flagelos são formados por uma proteína denominada flagelina e não provém do centríolo como os flagelos de células eucariotas.
  • 9. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 3) Morfologia geral das bactérias - (Parede celular) Parede celular é um envoltório semi-rígido, composto por peptídioglicanos, e responsável pela forma e proteção da célula bacteriana. Composição dos peptídioglicanos:  Polímero de carboidratos associados à proteínas. As bactérias podem ser divididas em dois grandes grupos, segundo a composição química da parede celular: 1) Bactérias Gram-positivas 2) Bactérias Gram-negativas
  • 10. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass A Utilizando coloração corantes de GRAM a base foi de desenvolvida iodo as bactérias em são 1984 coradas pelo bacteriologista de púrpura, pois dinamarquês o iodo Hans impregna Gram. na parede celular. Em seguida uma solução descolorante é aplicada. As bactérias que mantém a cor púrpura são denominadas GRAM positivas. As bactérias que perdem a cor púrpura após a descoloração são classificadas como GRAM negativas.
  • 11. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 3) Morfologia geral das bactérias - (Membrana Celular) Membrana celular: lipoprotéica semelhante às membranas dos organismos eucariontes. Funções: 1. Proteção 2. Transporte seletivo de nutrientes 3. Síntese de componentes da parede celular 4. Secreção de enzimas digestivas 5. Respiração celular 6. Ancora flagelos, fímbrias e pili 7. Armazenamento de pigmentos e enzimas da fotossíntese (em cianobactérias)
  • 12. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 3) Morfologia geral das bactérias - (Citoplasma) Citoplasma: Sinônimos (hialoplasma e citosol). Possui 4/5 de água e 1/5 de substâncias dissolvidas ou em suspensão (proteínas, carboidratos, lipídios, íons, etc). Possui em seu conteúdo: Ribossomos (única organela), plasmídeos e o cromossomo circular único (região do nucleóide).
  • 13. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 3) Morfologia geral das bactérias - (Nucleóide) Nucleóide (área nuclear citoplasmática). Por serem organismos Procariontes as bactérias não possuem um núcleo delimitado por membrana nuclear ou carioteca. Ao invés de núcleo, as bactérias apresentam uma região citoplasmática onde se encontra do DNA bacteriano (cromossomo circular). Não estão presentes em células bacterianas: 1. Proteínas histonas 2. Nucléolo 3. Carioteca
  • 14. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 3) Morfologia geral das bactérias - (Plasmídeo) Plasmídeo é um pequendo DNA extracromossômico, pois não se conecta ao cromossomo principal e replica-se independentemente. Possui cerca de 1 a 5% do tamanho do cromossomo bacteriano e pode conter genes para diversas atividades. Principais funções dos plasmídeos: 1. Apresentar genes que conferem resistência a diversos antibióticos. 2. Apresentar genes responsáveis por síntese de toxinas. 3. Apresentar genes que codificam enzimas que ativam a degradação de carboidratos e substâncias exóticas como tolueno, cânfora e hidrocarbonetos do petróleo.
  • 15. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 3) Morfologia geral das bactérias - (Endósporo) Endósporo Estruturas de latência que exibem altíssima resistência tanto a agentes físicos como químicos. Quando as bactérias com capacidade de esporular se encontram em ambientes cujas condições tornam-se inadequadas, estas iniciam o processo de esporulação, garantindo assim a manutenção de seu material genético. Nucleóide Endósporo em formação Conteúdo celular em degeneração Endósporo maduro As bactérias esporuladas podem permanecer dormentes por milhares de anos e retornar ao seu estado ativo quando as condições ambientais tornarem-se favoráveis. Endósporo
  • 17. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass Cianobactérias Nitrosomonas Salmonella
  • 19. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass Duplicação cromossônica Estrangulamento citoplasmático Bactérias-filhas Cromossomo Bactéria
  • 20. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass Duplicação cromossônica Estrangulamento citoplasmático Bactérias-filhas Cromossomo Bactéria Reprodução Assexuada • Bipartição ou Cissiparidade Células filhas idênticas a célula mãe Não ocorre variabilidade genética Células filhas idênticas a célula mãe Não ocorre variabilidade genética Permite a rápida colonização de bactérias,em meio ambiente favorável, num pequeno intervalo Não!!! O termo mitose refere-se a cariogamia (divisão do núcleo), como bactérias não tem núcleo não Não Qual Qual há a troca grande a grande de desvantagem material vantagem genético, da da portanto não há variabilidade. Se o ambiente modificar, pode erradicar todas as bactérias de uma só vez. Podemos afirmar que bipartição é a Bipartição? mesma coisa que mitose? de tempo. sofrem mitose.
  • 21. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass Reprodução Sexuada a) Transdução
  • 22. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass Reprodução Sexuada b) Transformação Uma bactéria pode absorver DNA livre no meio ambiente, proveniente de outra bactéria morta, e inseri-lo ao seu material genético.
  • 23. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass Reprodução Sexuada c) Conjugação Ocorre quando duas ou até três bactérias se unem, normalmente, por uma ponte formada através das pili sexuais, sendo os plasmídeos passados de uma bactéria para outra.
  • 24. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias DDiifftteerriiaa (crupe) Agente Etiológico: Corynebacterium diphthriae Forma de transmissão: Pelo ar contaminado e pela saliva Sintomas: Inflamação das amígdalas, faringe e mucosa nasal. A bactéria produz toxina que destrói as fibras cardíacas, células nervosas e renais. Tratamento: Utilização de antibióticos penicilina e eritromicina. Profilaxia: Vacina Tríplice
  • 26. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias DDiisseenntteerriiaa BBaacciillaarr Agente Etiológico: Bactérias do gênero Shigella Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. Sintomas: Infecção intestinal, dores abdominais, diarréias sanguinolentas e vômitos. Tratamento: Utilização de antibióticos e soro caseiro. Profilaxia: Educação sanitária e saneamento básico.
  • 27. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias DDiisseenntteerriiaa BBaacciillaarr
  • 28. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias FFeebbrree TTiiffóóiiddee Agente Etiológico: Salmonella thyfi Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. Sintomas: Febre, dor de cabeça, fadiga, bradicardia, hemorragias nasais, diarréia e vômitos. Tratamento: Utilização de antibióticos específicos. Profilaxia: Educação sanitária e saneamento básico.
  • 29. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias FFeebbrree TTiiffóóiiddee Mosca doméstica – uma das principais veiculadoras da febre tifóide.
  • 30. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias TTééttaannoo Agente Etiológico: Clostridium tetani (anaeróbico estrito) Forma de transmissão: Contaminação acidental de ferimentos profundos com terra contaminada com esporos da bactéria. Sintomas: Enrijecimento muscular por todo o corpo causada pela toxina tetânica. Bloqueio da via de relaxamento dos músculos (espamos musculares). Tratamento: Utilização de soros. Profilaxia: Vacina tríplice (antitetânica).
  • 31. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias TTééttaannoo
  • 32. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias TTuubbeerrccuulloossee Agente Etiológico: Mycobacterium tuberculosis (Bacilo de Koch) Forma de transmissão: Pelo ar contaminado e pela saliva. Sintomas: Tosse constante, as vezes com sangramento, febre, suores noturnos, falta de apetite, emagrecimento e indisposição. Tratamento: Medicamentos específicos que elimina as bactérias. Profilaxia: Vacinação (BCG), evitar contanto com pessoas contaminadas, evitar permanecer em ambientes fechados. A falta de programas de vacinação, associa às más condições de habitação e à subnutrição, causa alto índice de mortalidade nos países em desenvolvimento.
  • 33. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias TTuubbeerrccuulloossee
  • 34. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias CCóólleerraa Agente Etiológico: Vibrio cholerae Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. Sintomas: Vômitos, diarréia intensa, desidratação severa. Os sintomas são causados por uma toxina produzida pelas bactérias. Tratamento: Medicamentos específicos que elimina as bactérias. Profilaxia: Educação sanitária e saneamento básico. A vacina é pouco eficaz e de curta duração. Só é recomendada para quem viaja para locais onde existe a doença.
  • 35. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias CCóólleerraa
  • 36. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias CCooqquueelluucchhee Agente Etiológico: Bordetella pertussis Forma de transmissão: Pelo ar e saliva contaminados com a bactéria. Sintomas: Tosse persistente (tosse de cachorro), causada devido a infecção dos brônquios e bronquíolos. Tratamento: Uso de antibióticos específicos Profilaxia: Vacinação (Tríplice)
  • 37. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias CCooqquueelluucchhee
  • 38. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias BBoottuulliissmmoo Agente Etiológico: Clostridium botulinum (anaeróbico estrito) Forma de transmissão: Intoxicação alimentar pela toxina botulínica (geralmente alimentos enlatados com embalagem estufadas apresentam a toxina). Sintomas: Paralisia muscular e dificuldades respiratórias. Tratamento: Uso de antitoxinas. A vacina é pouco eficiente. Profilaxia: Não consumir produtos enlatados que apresentem aspectos anormais. A partir de casos suspeitos, identificar as prováveis fontes de contaminação para adoção das medidas de controle pertinentes. A toxina botulínica é usada em pequenas doses BOTOX, como tratamento estético temporário. A sua intensa capacidade paralítica é desejada por indivíduos que procuram esconder as suas rugas (as rugas são causadas por contrações musculares) e outras imperfeições faciais.
  • 39. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias BBoottuulliissmmoo
  • 40. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias PPnneeuummoonniiaa Agente Etiológico: Streptococos peneumoniae Forma de transmissão: Pelo ar Sintomas: Infecção pulmonar aguda com calafrios, febre, dor nas costas e tosse com expectoração sanguinolenta. Tratamento: Uso de antibióticos Profilaxia: Vacina pouco eficiente, o mais recomendado é não permanecer em locais sem ventilação por muito tempo, verificar periodicamente as condições de aparelhos ar condicionados, esterilização de carpetes e tapetes.
  • 41. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias PPnneeuummoonniiaa
  • 42. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias HHaannsseennííaassee (Lepra) Agente Etiológico: Mycobacterium leprae (Bacilo de Hansen) Forma de transmissão: Contato direto com pessoas doentes, pela pele ou pelo ar, após contatos íntimos e prolongados com o portador. Sintomas: Aparecimento de manchas na pele, ulcerações e deformidades, lesões nas terminações nervosas causando perda de sensibilidade. Tratamento: Uso de antibióticos (há cura se for diagnosticado e tratado nas fases iniciais) Profilaxia: Educação sanitária, tratamento imediato dos doentes, vacinar todos os familiares e pessoas que convivem intimamente com o doente (vacina BCG)
  • 43. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias HHaannsseennííaassee (Lepra)
  • 44. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias MMeenniinnggiittee bbaacctteerriiaannaa Agente Etiológico: Nisseria meningitidis Forma de transmissão: Pelo ar e saliva contaminados com a bactéria. Sintomas: Diarréia grave, vômito, convulsões, hemorragias internas, hipotensão arterial, choque e, freqüentemente, a morte. Tratamento: Uso de antibióticos intravenosos. Profilaxia: Vacinação
  • 45. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias MMeenniinnggiittee bbaacctteerriiaannaa
  • 46. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias SSííffiilliiss Agente Etiológico: Triponema pallidum Forma de transmissão: Relações sexuais, transfusões de sangue e congênita (da mãe para o feto). Sintomas: Aparecimento de uma pequena ferida ou ulceração firme e dura que ocorre no ponto de infecção da bactéria, geralmente o pênis, a vagina, o reto ou a boca e posteriormente em outras partes do corpo. Nos fetos a bactéria pode causar diversas complicações no sistema nervoso, mal formações e ferimentos na pele. Tratamento: Uso de antibióticos (tetraciclina e penicilina). Profilaxia: Uso de preservativos, realização do teste diagnóstico por mulheres com intenção de engravidar.
  • 47. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias SSííffiilliiss
  • 48. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias GGoonnoorrrrééiiaa Agente Etiológico: Neisseria gonorrheae Forma de transmissão: Relações sexuais, transfusões de sangue e congênita (da mãe para o feto). Sintomas: Ardência ao urinar, corrimento amarelado na uretra, inflamações neurológicas, ósseas e articulares. No recém nascido pode causar a cegueira. Tratamento: Uso de antibióticos (penicilina). Profilaxia: Uso de preservativos, educação sexual, realização do teste diagnóstico em mulheres com intenção de engravidar.
  • 49. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias GGoonnoorrrrééiiaa
  • 50. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias LLeeppttoossppiirroossee Agente Etiológico: Leptospira interrogans Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados pela urina de ratos e cães. O rato de esgoto (Rattus novergicus) é o principal responsável pela infecção humana, em razão de existir em grande número e da proximidade com seres humanos. A bactéria multiplica-se nos rins desses animais sem causar danos, e é eliminada pela urina, às vezes por toda a vida do animal. Sintomas: Calafrios, febre alta, dores articulares, lesões renais, icterícia e anemia. Tratamento: Uso de antibióticos (penicilina). Profilaxia: Educação sanitária, adotar medidas que minimizem a proliferação de ratos, realizar vistoria de bueiros e redes de esgoto para evitar possíveis entupimentos que promovam inundações, quando entrar em contato com regiões inundadas ou com lama, usar luvas e botas de borracha.
  • 51. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 6) Doenças causadas por Bactérias LLeeppttoossppiirroossee
  • 52. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 7) Exercícios UFMG 2005
  • 53. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 7) Exercícios UFMG 2008
  • 54. BBaaccttéérriiaass ee DDooeennççaass AAssssoocciiaaddaass 7) Exercícios UFMG