SlideShare uma empresa Scribd logo
PARA QUEM GOSTA DE BOAS NOTÍCIAS,
ESSE É UM PRATO CHEIO.
Presidenta da República Dilma Rousseff
Ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário Pepe Vargas
Secretário Executivo do Ministério do Desenvolvimento Agrário Laudemir Müller
Secretário da Agricultura Familiar Valter Bianchini
Secretária de Desenvolvimento Territorial Andréa Lorena Butto Zarzar
Secretário Extraordinário de Regularização Fundiária na Amazônia Legal Sérgio Roberto Lopes
Secretário de Reordenamento Agrário Adhemar Lopes de Almeida
Presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Carlos Guedes de Guedes
Assessoria de Comunicação Social – Ascom
Coordenador de Comunicação Social Felix Valente
Coordenadora de Jornalismo Sivana Gonçalves
Coordenadora Administrativa Ila Baraúna
Fotos Bulldog Estúdio
Texto e Edição João Paulo Biage e Kelly Kareline
Colaborador Daniele Souza
Direção de Arte e Projeto Gráfico Alessandro Mendes
Editoração Eletrônica Cleiton Parente
Impressão Gráfica
APRESENTAÇÃO | 05
MAIS RECURSOS | 08
CRESCIMENTO | 10
SEGURANÇA PARA QUEM PRODUZ | 16
INCLUSÃO PRODUTIVA | 20
SUMÁRIO
Plano safra agricultura_familiar_2013.2014_mda
Anualmente, o Ministério do Desenvolvimento Agrário lança o Plano Safra da Agricultura
Familiar, com vigência de julho a junho do ano seguinte. O conjunto de políticas públicas
qualifica e articula os instrumentos construídos e conquistados pelo setor que produz a maior
parte dos alimentos consumidos pelos brasileiros.As medidas foram elaboradas com grandes
objetivos: aumento de renda, inovação e tecnologia e estímulo à produção de alimentos, com
proteção da renda.
O lançamento para a safra 2013/2014 marca os dez anos com avanços significativos nos
recursos liberados e nas facilidades de financiamento. É dessa forma que o governo federal,
por meio do Ministério do Desenvolvimento Agrário, fortalece a agricultura familiar.
Nesses dez anos, a renda da agricultura familiar cresceu 52%, o que permitiu que mais de
3,7 milhões de pessoas ascendessem para a classe média. O segmento é responsável por
4,3 milhões de unidades produtivas - o que representa 84% dos estabelecimentos rurais do
país - 33% do Produto Interno Bruto (PIB) Agropecuário e emprega 74% da mão de obra
no campo.
A agricultura familiar é um setor estratégico para o País e um dos pilares do projeto nacional
de desenvolvimento. Por isso, esse conjunto de políticas fortalece o setor, aumenta a produ-
ção de alimentos, e contribui para o crescimento com estabilidade econômica e social.
Plano Safra da Agricultura Familiar 2013/2014
Transformando Vidas. Plantando o Futuro.
PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR | 05
Plano safra agricultura_familiar_2013.2014_mda
MAIS RECURSOS
08 | MAIS RECURSOS
39 bilhões para o fortalecimento da agricultura familiar
- Crédito Pronaf: R$ 21 bilhões
- Ater: R$ 830 milhões
- Garantia-Safra: R$ 980,3 milhões
- Seguro da Agricultura Familiar (Seaf): R$ 400 milhões
- PGPAF: R$ 33 milhões
- PAA: R$ 1,2 bilhão em compras da agricultura familiar (MDA e MDS)
- PNAE: R$ 1,1 bilhão (FNDE)
- PGPM: R$ 200 milhões
- Outras ações: R$ 13, 3 bilhões
PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR | 09
CRESCIMENTO
21 bilhões para o Pronaf
O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) é a principal po-
lítica pública de crédito oferecida pelo MDA. O Pronaf recebeu o aporte de R$ 4,2 bilhões
no ano-safra 2002/2003.Ao longo de dez safras, o programa teve aumento de recursos de
mais de 400%. Na safra atual, dispõe de R$ 21 bilhões para as linhas de crédito.
O Pronaf, porém, é mais do que um instrumento de garantia de crédito aos produtores rurais.
É também uma oportunidade para que os agricultores familiares coloquem em prática o seu
projeto de desenvolvimento, suas expectativas de renda e de mudança de vida. Atualmente,
o Pronaf conta com mais de 3,5 milhões de contratos – de custeio e de investimento.
Saiba como acessar
Para acessar as linhas, o agricultor deve possuir a Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP),
que pode ser obtida gratuitamente, e o Cadastro de Pessoa Física (CPF) regularizado.
Em seguida, é necessário que o interessado entre em contato com a empresa prestadora
10 | MAIS RECURSOS
de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) do estado e solicite a visita de um técnico.
Ele vai se reunir com a família e elaborar a proposta simplificada de crédito, que deve ser
encaminhada com os outros documentos ao agente financeiro (Banco do Nordeste, Banco
do Brasil, Banco da Amazônia Banco Regional de Brasília e Cooperativas de Crédito) para
realização da contratação.A mesma DAP vale para a mulher, o agricultor e o jovem.
Conheça as linhas de crédito
• Pronaf Custeio: financia atividades agropecuárias e de beneficiamento ou industrializa-
ção­e comercialização de produção própria ou de terceiros;
• Pronaf Investimento (Mais Alimentos): financia máquinas, equipamentos e infraestrutura.
Objetiva a melhoria da produção e dos serviços agropecuários e não agropecuários, no
estabelecimento rural ou em áreas comunitárias rurais próximas;
• Microcrédito Rural: atende os agricultores de mais baixa renda. Permite o financiamento
das atividades agropecuárias e não agropecuárias equalquer outra que possa gerar renda
para a família atendida;
• Pronaf Agroecologia: financia investimentos dos sistemas de produção agroecológicos ou
orgânicos, incluindo os custos relativos à implantação e manutenção do empreendimento;
• Pronaf Mulher: a linha financia investimentos de atividades agropecuárias, turismo rural,
artesanato, entre outras, no meio rural. O crédito pode ser contratado independente do
estado civil da mulher.
• Pronaf Eco: investimento para implantação, utilização ou recuperação de tecnologias de
energia renovável, biocombustíveis, armazenamento hídrico, pequenos aproveitamentos
hidroenergéticos, silvicultura e recuperação do solo;
• Pronaf Agroindústria: financia investimentos, inclusive em infraestrutura, que visam o
beneficiamento, o processamento e a comercialização da produção agropecuária e não
agropecuária, de produtos florestais e do extrativismo, ou de produtos artesanais e a
exploração de turismo rural;
PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR |11
• Pronaf Semiárido: financia projetos de convivência com o semiárido, focados na susten-
tabilidade dos agroecossistemas, que priorizem infraestrutura hídrica, inclusive aquelas
relacionadas com projetos de produção e serviços, de acordo com a realidade das famí-
lias da região Semiárida;
• Pronaf Jovem: financia propostas de crédito de jovens agricultores e agricultoras.
Os recursos são destinados à produção e serviços nos estabelecimentos rurais;
• Pronaf Floresta: financia projetos para sistemas agroflorestais, como exploração ex-
trativista ecologicamente sustentável, plano de manejo florestal, recomposição e
manutenção de áreas de preservação permanente e reserva legal e recuperação de
áreas degradadas;
• Pronaf Custeio e Comercialização de Agroindústrias Familiares: destinada aos agriculto-
res e suas cooperativas ou associações, para que financiem as necessidades de custeio
do beneficiamento e industrialização da produção própria e/ou de terceiros;
• Pronaf Cota-Parte: financia investimentos para a integralização de cotas-partes dos agri-
cultores familiares filiados a cooperativas de produção ou para aplicação em capital de
giro, custeio ou investimento.
Oswaldo Ferreira di Paula | Brazlândia - DF
“Além de criar gado, tinha plantio de verdura.
Mas, hoje, só crio búfalos em minha propriedade­.
Comecei a entender que é melhor que gado
comum, além de ser mais rentável e de render
produtos muito melhores.”
Acessou o Pronaf.
12 | MAIS RECURSOS
Novidades
O Pronaf, que já oferece condições es-
peciais para os agricultores familiares e
baixas taxas de juros, melhora ainda mais
as condições de financiamento.
Custeio
Os limites de financiamento de custeio
aumentaram. O máximo permitido até a
safra anterior era de R$ 80 mil por ope-
ração. Esse teto passa a ser de R$ 100
mil, com taxa de juro menor: 3,5% (era
de 4% na safra 2012/2013).
Os agricultores que financiarem de R$ 10 mil a R$ 30 mil terão taxa de 3% ao ano e
aqueles que financiarem acima de R$ 30 mil, taxa de 3,5% ao ano. Os financiamentos até
R$ 10 mil continuam com taxa de 1,5%.
Investimento
A linha de investimento recebeu um forte incremento, principalmente no limite de finan-
ciamento.Até a última safra, os interessados podiam financiar até R$ 130 mil por contrato.
Para a nova safra, o limite sobe para R$ 150 mil.
Para as atividades que necessitam de maior mobilização de recursos, como a suinocultura,
a avicultura e a fruticultura, o valor para o investimento mais que duplica: passa a ser de
R$ 300 mil. Para os investimentos feitos em grupo, o valor chega a R$ 750 mil.
PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR |13
Enquadramento
Passam a ser enquadrados no Pronaf todos os agricultores familiares que tiveram até
R$ 360 mil de renda, medida que amplia o acesso ao programa, na safra 2013/2014.
Pronaf B
A linha de crédito voltada para os agricultores de menor renda terá aumento de 40% em
seu limite de financiamento. A partir da safra 2013/2014, o agricultor familiar com renda
bruta anual de até R$ 10 mil poderá contratar até R$ 3,5 mil pelo Pronaf B. Na safra pas-
sada, esse limite era de R$ 2,5 mil.
Pronaf Mulher
Na safra 2013/2014, a agricultora familiar passa a receber
orientação e acompanhamento financeiro. A linha Pronaf
Mulher até R$ 30 mil em atividades específicas será operada
pela metodologia do Microcrédito Produtivo Orientado em
todo o Brasil.
Estímulo à agroindústria
A partir da safra 2013/2014, os agricultores familiares poderão acessar recursos para for-
malização de sua agroindústria e projetos de turismo rural, sem perder a condição de segu-
rados especiais. O objetivo da medida é estimular a agroindustrialização e a formalização
das agroindústrias já existentes.
14 | MAIS RECURSOS
SEGURANÇA PARA
QUEM PRODUZ
Além de oferecer crédito para os produtores, o governo fede-
ral também dá segurança para o agricultor produzir mais. São
vários os programas e políticas do MDA que garantem renda e
estabilidade para o produtor.
Garantia-Safra
Uma das ferramentas para a garantia de renda dos agricultores
familiares, o Garantia-Safra é uma açãovoltada para os agricul-
tores da região da Sudene, especialmente o semiárido.
Nesta safra o número de cotas para o programa será ampliado
para 1,2 milhãode famílias. Esse é o número de famílias que
receberá o benefício, caso tenham perdas de pelo menos, 50% da produção de atividades
agrícolas de convivência  com o Semiárido.
Seguro da Agricultura Familair - Seaf
O Seguro daAgricultura Familiar (Seaf) é um mecanismo de proteção de renda para os agri-
cultores familiares que contratam financiamentos de custeio e investimento agrícola no âmbi-
to do Pronaf.A adesão automática ao custeio permite a cobertura da parcela de investimento.
Garantia de preço
O Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar (PGPAF) assegura desconto no
pagamento do financiamento às famílias agricultoras que acessam o Pronaf Custeio ou o Pro-
naf Investimento, em caso de baixa de preços no mercado. O acesso ao PGPAF é automático.
Na safra 2013/2014, o governo federal amplia a proteção de preço do PGPAF de determinadas
culturas.A medida estimula a produção da agricultura familiar,ampliando a oferta de alimentos
e contribui com a estabilidade de preços para o consumidor.O programa já abrange 49 culturas.
16 | SEGURANÇA PARA QUEM PRODUZ
Programa de Aquisição de Alimentos - PAA
Criado em 2003, o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) é uma ação do governo federal
para fortalecer a agricultura familiar. Para isso, o programa utiliza mecanismos de comerciali-
zação com a aquisição direta dos produtos de agricultores familiares ou de suas organizações.
Na safra 2013/2014 o governo federal amplia o limite de aquisição anual por agricultor,
que saltou de R$ 4,5 mil para R$ 5, 5 mil. Para o produtor ligado à cooperativa, passou de
R$ 4,8 mil, na última safra, para R$ R$ 6,5 mil, anualmente.
Outra novidade é que o limite individual será de R$ 8 mil quando a proposta for composta
por produtos de pelo menos 50% de fornecedores cadastrados no Cadastro Único para
Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) ou produtos exclusivamente orgânicos
e/ou agroecológicos ou da sociobiodiversidade.
Programa Nacional de Alimentação Escolar - Pnae
O Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae)
tem o objetivo de oferecer alimentação saudável aos
alunos de escolas públicas do Brasil e, simultaneamen-
te, estimular a agricultura familiar nacional.
Assentados da reforma agrária, comunidades tradicio-
nais indígenas e quilombolas têm prioridade no Pnae.
Os empreendimentos coletivos rurais e suas organizações
podem participar do programa por meio de chamadas
públicas do Ministério do Desenvolvimento Agrário.
Por meio do Programa Ater Mais Gestão serão apoiadas cooperativas e empreendimentos
da agricultura familiar na qualificação da gestão.
Neste ano, o governo federal destina R$ 1 bilhão do Pnae, para a aquisição de produtos
da agricultura familiar.
PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR | 17
Assistência Técnica
e Extensão Rural
Os serviços de Assistência Técnica e Extensão
Rural (Ater) têm como principais focos o au-
mento de renda e a melhoria na qualidade de
vida dos agricultores familiares. O último Plano
Safra disponibilizou R$ 542 milhões para o se-
tor, enquanto o primeiro, há dez anos, ofereceu
R$ 46 milhões. Para a safra 2013/2014, o mon-
tante destinado para Ater é de R$ 830 milhões.
Para ampliar o número de agricultores aten-
didos e qualificar o servico de Ater,o governo
federal cria a a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural.
O objetivo é levar a assisência técnica ao conjunto dos agricultores com prioridade para a
agricultura familiar e, com isso, aumentar a produtividade, a renda, o acesso às políticas
públicas e a qualidade de vida da população rural.
PLANO SAFRA TERRITORIAL
O MDA promoverá a gestão territorial do Plano Safra em 165 territórios existentes em
todas as regiões brasileiras, que envolvem mais de 1842 municípios rurais. Serão realizadas
ações de planejamento e acompanhamento das políticas públicas, em resposta às deman-
das já identificadas nos territórios.
Nos 120 Territórios da Cidadania, sob coordenação conjunta da Casa Civil, do Ministério
do Planejamento Orçamento e Gestão e do MDA, o governo federal promoverá a integra-
ção das políticas previstas no Plano Safra 2013/2014 com um conjunto de outras 70 ações
em distintas áreas, que envolvem o apoio a atividades produtiva, cidadania e direitos, além
de infraestrutura.
18 | SEGURANÇA PARA QUEM PRODUZ
INCLUSÃO PRODUTIVA
O governo federal oferece assistência técnica e extensão rural (ater) associada ao Progra-
ma de Fomento às Atividades Produtivas Rurais, por meio do Plano Brasil Sem Miséria, e o
Bolsa Verde para os assentamentos ambientalmente diferenciados.
Em 2013, serão 239 mil famílias atendidas.
Além das medidas de inclusão produtiva, até 2014 serão mais 70 mil famílias com ha-
bitação pelo Programa Minha Casa Minha Vida Rural e 37 mil famílias com água pelo
Programa Água para Todos, nos assentamentos da Reforma Agrária.
20 | ASSISTÊNCIA TÉCNICA
Juanice Boszcz | Contenda - PR
“Nós começamos a produção de cogulemos
e quando acessamos o Pronaf e a Assistência
Técnica montamos uma segunda estufa e
abrimos uma agroindústria”.
Pronaf e Ater
Outra novidade é que o Programa de Crédito Fundiário terá taxas de juros reduzidas para
famílias do Cadastro Único (0,5%), com assistência técnica garantida e seguro rural para
proteção das parcelas do financiamento via Seaf. O valor do incentivo para mulheres,
jovens e negros passa de R$ 1mil para R$ 3 mil. A juventude rural também terá juro
reduzido (1% ao ano).
1 MILHÃO DE MULHERES DOCUMENTADAS
Em 2013 o Brasil atingiu uma marca significativa um
milhão de mulheres documentadas pelo Programa Na-
cional de Documentação da Trabalhadora Rural (PNDTR).
O PNDTR permite que as mulheres acessem todas as políti-
cas destinadas à agricultura familiar e reforma agrária, for-
talecendo a participação delas no Plano Safra 2013/2014.
Desde a criação do PNDTR em 2004, já foram realizados
quase 5 mil mutirões, abrangendo os 120 Territórios da Cida-
dania, com a emissão de mais de 2 milhões de documentos.
Estão programados mais de 800 mutirões até o final de 2013.
Lázaro de Oliveira Leite | Barbalha - CE
“Acessei o Pronaf Jovem há seis anos e investi no cultivo de
palmeiras ornamentais. Quitei o financiamento em menos
de dois anos e com o segundo financiamento ampliei a
estufa e me dediquei a venda no atacado.
Atualmente minha renda mensal média passa dos R$ 2 mil”.
Acessou o Pronaf, o Pronaf Jovem e Ater.
PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR | 21
NA AGRICULTURA FAMILIAR E NA REFORMA AGRÁRIA
Linhas Faixa I
Pronaf Custeio
Até R$ 10 mil
Juros de 1,5% a.a.
Mais
Juros
Pronaf Investimento
(Mais Alimentos)
Até R$ 10 mil
Juro de 1% a.a.
Mais
Juros
Microcrédito Rural
Investimento:Até R$ 3,5 mil por operação. Juro de 0,5% a.a., Bônus de
Custeio: condições estabelecidas na Linha Pronaf Custeio.
Pronaf Agroecologia Até R$ 10 mil; juro de 1% a.a. Mais
Pronaf Mulher
Até R$ 2,5 mil
Juro de 0,5% a.a.
Até R
Mais
Pronaf ECO
Até R$ 10 mil
Juro de 1% a.a.
Mais
Juros
Pronaf ECO Dendê
Até R$ 8 mil/ha;Até R$ 10 mil, juro de 1% ao ano
Acima de R$ 10 mil e até R$ 80 mil por mutuário, juros de R$ 2% a.a.
Pronaf ECO Seringueira Até R$ 15 mil/ha;Até R$ 80 mil por mutuário, juros de R$ 2% a.a.
Pronaf Agroindústria
Individual e Empreendimentos Familiares Rurais até R$ 10 mil;
Cooperativas e associações até
R$ 1 milhão, respeitando o limite individual de até R$ 10 mil por
associado ativo. Juro de 1% a.a
Indiv
Emp
Coop
de a
Juros
Pronaf Semiárido Até R$ 18 mil, juro de 1% a.a.
Pronaf Jovem Até R$ 15 mil, juro de 1% a.a.
Pronaf Floresta Até R$ 35 mil, juro de 1% a.a.
Pronaf Custeio e Comercialização
de Agroindústrias Familiares
Individual até R$ 10 mil;
Empreendimento familiar rural - até R$ 210 mil
Associações - até R$ 4 milhões
Cooperativas singulares até R$ 10 milhões e Cooperativas Centrais R$ 30
Juros de 4% a.a
Pronaf Cota-Parte
Individual: até R$ 20 mil;
Cooperativa - até R$ 20 milhões; juros 4% a.a.
Pronaf Investimento para a
Reforma Agrária
Até R$ 20 mil, mais R$ 1.5 mil para ATER. Juro 0,5% a.a.,Bônus de adim
Pronaf Custeio para a Reforma
Agrária
Até R$ 5 mil por operação; até 3 operações; juros 1,5% a.a.
22 | ASSISTÊNCIA TÉCNICA
Quadro Resumo do Crédito Pronaf 2013/2014
Faixa II Faixa III
Mais de R$ 10 mil até R$ 30 mil
Juros de 3% a.a.
Mais de R$ 30 mil até R$ 100 mil
Juros de 3,5% a.a.
Mais de R$ 10 mil até R$ 150 mil
Juros de 2% a.a.
., Bônus de adimplência de 25% até os primeiros R$ 10,5 mil.
Mais de R$ 10 mil até R$ 150 mil, juros de 2% a.a.
Até R$ 10 mil, juro de 1% a.a.
Mais de R$ 10 mil e até R$ 150 mil, juros de 2% a.a.
Mais de R$ 10 mil até R$ 150 mil
Juros de 2% a.a.
$ 2% a.a.
% a.a.
il;
l por
Individual acima de R$ 10 mil e até R$ 150 mil;
Empreendimento Familiar Rural acima de R$ 10 mil e até R$ 300 mil;
Cooperativas e associações acima de R$ 1milhão e até R$ 35 milhões, respeitando o limite individual
de até R$ 45 mil por associado ativo.
Juros de 2% a.a
entrais R$ 30 milhões.
ônus de adimplência de 44,186%
PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR | 23
Plano safra agricultura_familiar_2013.2014_mda

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano Safra Agricultura Familiar 2011/2012
Plano Safra Agricultura Familiar 2011/2012Plano Safra Agricultura Familiar 2011/2012
Plano Safra Agricultura Familiar 2011/2012
FETAEP
 
Políticas do Ministerio Desenvolvimento Agrario para Agricultura Familiar, Ad...
Políticas do Ministerio Desenvolvimento Agrario para Agricultura Familiar, Ad...Políticas do Ministerio Desenvolvimento Agrario para Agricultura Familiar, Ad...
Políticas do Ministerio Desenvolvimento Agrario para Agricultura Familiar, Ad...
Revista Cafeicultura
 
Cartilha pronaf
Cartilha pronafCartilha pronaf
Cartilha pronaf
Bruno No Stress
 
Banco do Brasil - Crédito Rural
Banco do Brasil - Crédito RuralBanco do Brasil - Crédito Rural
Banco do Brasil - Crédito Rural
equipeagroplus
 
Agricultura familiar e organizações sociais
Agricultura familiar e organizações sociaisAgricultura familiar e organizações sociais
Agricultura familiar e organizações sociais
Janderson Dalazen
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2019/2020
Cartilha de Orientação do PRONAF 2019/2020Cartilha de Orientação do PRONAF 2019/2020
Cartilha de Orientação do PRONAF 2019/2020
FETAEP
 
Plano Agrário
Plano AgrárioPlano Agrário
Plano Agrário
Lucrécio Uasseda
 
Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17
Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17
Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17
Palácio do Planalto
 
Como o agricultor_familiar_pode_conseguir_e_manter_o_financiamento_rural_e_co...
Como o agricultor_familiar_pode_conseguir_e_manter_o_financiamento_rural_e_co...Como o agricultor_familiar_pode_conseguir_e_manter_o_financiamento_rural_e_co...
Como o agricultor_familiar_pode_conseguir_e_manter_o_financiamento_rural_e_co...
Karlla Costa
 
Agricultura familiar iica
Agricultura familiar   iicaAgricultura familiar   iica
Agricultura familiar iica
Universidade Estadual de Santa Cruz
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2011/2012
Cartilha de Orientação do PRONAF 2011/2012Cartilha de Orientação do PRONAF 2011/2012
Cartilha de Orientação do PRONAF 2011/2012
FETAEP
 
Projeto agricultura familiar 28.05
Projeto agricultura familiar 28.05Projeto agricultura familiar 28.05
Projeto agricultura familiar 28.05
Meio & Mensagem
 
Pronaf 20 anos
Pronaf 20 anosPronaf 20 anos
Pronaf 20 anos
Aline Resende
 
Pronaf e desenvolvimento rural sustentável
Pronaf e desenvolvimento rural sustentávelPronaf e desenvolvimento rural sustentável
Pronaf e desenvolvimento rural sustentável
Marisa Guilherme
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2012/2013
Cartilha de Orientação do PRONAF 2012/2013Cartilha de Orientação do PRONAF 2012/2013
Cartilha de Orientação do PRONAF 2012/2013
FETAEP
 
Modelo dap
Modelo dapModelo dap
Modelo dap
Karlla Costa
 
Seminário agricultura familiar
Seminário agricultura familiarSeminário agricultura familiar
Seminário agricultura familiar
Pedro Ponte
 
Cartilha PNCF - FETAEP
Cartilha PNCF - FETAEPCartilha PNCF - FETAEP
Cartilha PNCF - FETAEP
FETAEP
 
Cartilha (modelo crédito fundiário)
Cartilha   (modelo crédito fundiário)Cartilha   (modelo crédito fundiário)
Cartilha (modelo crédito fundiário)
Rondinelli Benicio
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2017/2020
Cartilha de Orientação do PRONAF 2017/2020Cartilha de Orientação do PRONAF 2017/2020
Cartilha de Orientação do PRONAF 2017/2020
FETAEP
 

Mais procurados (20)

Plano Safra Agricultura Familiar 2011/2012
Plano Safra Agricultura Familiar 2011/2012Plano Safra Agricultura Familiar 2011/2012
Plano Safra Agricultura Familiar 2011/2012
 
Políticas do Ministerio Desenvolvimento Agrario para Agricultura Familiar, Ad...
Políticas do Ministerio Desenvolvimento Agrario para Agricultura Familiar, Ad...Políticas do Ministerio Desenvolvimento Agrario para Agricultura Familiar, Ad...
Políticas do Ministerio Desenvolvimento Agrario para Agricultura Familiar, Ad...
 
Cartilha pronaf
Cartilha pronafCartilha pronaf
Cartilha pronaf
 
Banco do Brasil - Crédito Rural
Banco do Brasil - Crédito RuralBanco do Brasil - Crédito Rural
Banco do Brasil - Crédito Rural
 
Agricultura familiar e organizações sociais
Agricultura familiar e organizações sociaisAgricultura familiar e organizações sociais
Agricultura familiar e organizações sociais
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2019/2020
Cartilha de Orientação do PRONAF 2019/2020Cartilha de Orientação do PRONAF 2019/2020
Cartilha de Orientação do PRONAF 2019/2020
 
Plano Agrário
Plano AgrárioPlano Agrário
Plano Agrário
 
Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17
Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17
Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17
 
Como o agricultor_familiar_pode_conseguir_e_manter_o_financiamento_rural_e_co...
Como o agricultor_familiar_pode_conseguir_e_manter_o_financiamento_rural_e_co...Como o agricultor_familiar_pode_conseguir_e_manter_o_financiamento_rural_e_co...
Como o agricultor_familiar_pode_conseguir_e_manter_o_financiamento_rural_e_co...
 
Agricultura familiar iica
Agricultura familiar   iicaAgricultura familiar   iica
Agricultura familiar iica
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2011/2012
Cartilha de Orientação do PRONAF 2011/2012Cartilha de Orientação do PRONAF 2011/2012
Cartilha de Orientação do PRONAF 2011/2012
 
Projeto agricultura familiar 28.05
Projeto agricultura familiar 28.05Projeto agricultura familiar 28.05
Projeto agricultura familiar 28.05
 
Pronaf 20 anos
Pronaf 20 anosPronaf 20 anos
Pronaf 20 anos
 
Pronaf e desenvolvimento rural sustentável
Pronaf e desenvolvimento rural sustentávelPronaf e desenvolvimento rural sustentável
Pronaf e desenvolvimento rural sustentável
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2012/2013
Cartilha de Orientação do PRONAF 2012/2013Cartilha de Orientação do PRONAF 2012/2013
Cartilha de Orientação do PRONAF 2012/2013
 
Modelo dap
Modelo dapModelo dap
Modelo dap
 
Seminário agricultura familiar
Seminário agricultura familiarSeminário agricultura familiar
Seminário agricultura familiar
 
Cartilha PNCF - FETAEP
Cartilha PNCF - FETAEPCartilha PNCF - FETAEP
Cartilha PNCF - FETAEP
 
Cartilha (modelo crédito fundiário)
Cartilha   (modelo crédito fundiário)Cartilha   (modelo crédito fundiário)
Cartilha (modelo crédito fundiário)
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2017/2020
Cartilha de Orientação do PRONAF 2017/2020Cartilha de Orientação do PRONAF 2017/2020
Cartilha de Orientação do PRONAF 2017/2020
 

Destaque

Percepção da segurança do trabalho na pré colheita de café
Percepção da segurança do trabalho na pré colheita de caféPercepção da segurança do trabalho na pré colheita de café
Percepção da segurança do trabalho na pré colheita de café
João Luiz Lellis da Silva
 
10 Insightful Quotes On Designing A Better Customer Experience
10 Insightful Quotes On Designing A Better Customer Experience10 Insightful Quotes On Designing A Better Customer Experience
10 Insightful Quotes On Designing A Better Customer Experience
Yuan Wang
 
Learn BEM: CSS Naming Convention
Learn BEM: CSS Naming ConventionLearn BEM: CSS Naming Convention
Learn BEM: CSS Naming Convention
In a Rocket
 
How to Build a Dynamic Social Media Plan
How to Build a Dynamic Social Media PlanHow to Build a Dynamic Social Media Plan
How to Build a Dynamic Social Media Plan
Post Planner
 
SEO: Getting Personal
SEO: Getting PersonalSEO: Getting Personal
SEO: Getting Personal
Kirsty Hulse
 
Lightning Talk #9: How UX and Data Storytelling Can Shape Policy by Mika Aldaba
Lightning Talk #9: How UX and Data Storytelling Can Shape Policy by Mika AldabaLightning Talk #9: How UX and Data Storytelling Can Shape Policy by Mika Aldaba
Lightning Talk #9: How UX and Data Storytelling Can Shape Policy by Mika Aldaba
ux singapore
 
Succession “Losers”: What Happens to Executives Passed Over for the CEO Job?
Succession “Losers”: What Happens to Executives Passed Over for the CEO Job? Succession “Losers”: What Happens to Executives Passed Over for the CEO Job?
Succession “Losers”: What Happens to Executives Passed Over for the CEO Job?
Stanford GSB Corporate Governance Research Initiative
 

Destaque (7)

Percepção da segurança do trabalho na pré colheita de café
Percepção da segurança do trabalho na pré colheita de caféPercepção da segurança do trabalho na pré colheita de café
Percepção da segurança do trabalho na pré colheita de café
 
10 Insightful Quotes On Designing A Better Customer Experience
10 Insightful Quotes On Designing A Better Customer Experience10 Insightful Quotes On Designing A Better Customer Experience
10 Insightful Quotes On Designing A Better Customer Experience
 
Learn BEM: CSS Naming Convention
Learn BEM: CSS Naming ConventionLearn BEM: CSS Naming Convention
Learn BEM: CSS Naming Convention
 
How to Build a Dynamic Social Media Plan
How to Build a Dynamic Social Media PlanHow to Build a Dynamic Social Media Plan
How to Build a Dynamic Social Media Plan
 
SEO: Getting Personal
SEO: Getting PersonalSEO: Getting Personal
SEO: Getting Personal
 
Lightning Talk #9: How UX and Data Storytelling Can Shape Policy by Mika Aldaba
Lightning Talk #9: How UX and Data Storytelling Can Shape Policy by Mika AldabaLightning Talk #9: How UX and Data Storytelling Can Shape Policy by Mika Aldaba
Lightning Talk #9: How UX and Data Storytelling Can Shape Policy by Mika Aldaba
 
Succession “Losers”: What Happens to Executives Passed Over for the CEO Job?
Succession “Losers”: What Happens to Executives Passed Over for the CEO Job? Succession “Losers”: What Happens to Executives Passed Over for the CEO Job?
Succession “Losers”: What Happens to Executives Passed Over for the CEO Job?
 

Semelhante a Plano safra agricultura_familiar_2013.2014_mda

Cartilha de Orientação do PRONAF 2020/2021
Cartilha de Orientação do PRONAF 2020/2021Cartilha de Orientação do PRONAF 2020/2021
Cartilha de Orientação do PRONAF 2020/2021
FETAEP
 
Cartilha PRONAF 2023/2024
Cartilha PRONAF 2023/2024Cartilha PRONAF 2023/2024
Cartilha PRONAF 2023/2024
FETAEP
 
Cartilha PRONAF 2023/2024
Cartilha PRONAF 2023/2024Cartilha PRONAF 2023/2024
Cartilha PRONAF 2023/2024
FETAEP
 
Pauta do Grito da Terra Paraná 2011
Pauta do Grito da Terra Paraná 2011Pauta do Grito da Terra Paraná 2011
Pauta do Grito da Terra Paraná 2011
FETAEP
 
DIEESE - Considerações sobre o Plano Safra 23 /24 da Agricultura Familiar
DIEESE - Considerações sobre o Plano Safra 23 /24 da Agricultura FamiliarDIEESE - Considerações sobre o Plano Safra 23 /24 da Agricultura Familiar
DIEESE - Considerações sobre o Plano Safra 23 /24 da Agricultura Familiar
TRAMPO Comunicação e Eventos Soares
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017
Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017
Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017
FETAEP
 
Informe Rural - 19/06/2013
 Informe Rural - 19/06/2013 Informe Rural - 19/06/2013
Informe Rural - 19/06/2013
Informe Rural
 
Anuário Agricultura SC
Anuário Agricultura SCAnuário Agricultura SC
Anuário Agricultura SC
Marcos Vanzin
 
Jornal da FETAEP edição 137 - Maio de 2016
Jornal da FETAEP edição 137 - Maio de 2016Jornal da FETAEP edição 137 - Maio de 2016
Jornal da FETAEP edição 137 - Maio de 2016
FETAEP
 
PNAE – Programa Nacional de Alimentación Escolar
PNAE – Programa Nacional de Alimentación EscolarPNAE – Programa Nacional de Alimentación Escolar
PNAE – Programa Nacional de Alimentación Escolar
FAO
 
Familia leite financiamento
Familia leite financiamentoFamilia leite financiamento
Familia leite financiamento
Ruan Coutinho
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2018/2019
Cartilha de Orientação do PRONAF 2018/2019Cartilha de Orientação do PRONAF 2018/2019
Cartilha de Orientação do PRONAF 2018/2019
FETAEP
 
Informe Rural - 13/02/14
Informe Rural - 13/02/14Informe Rural - 13/02/14
Informe Rural - 13/02/14
Informe Rural
 
Jornal da FETAEP edição 134 - Janeiro e Fevereiro de 2016
Jornal da FETAEP edição 134 - Janeiro e Fevereiro de 2016Jornal da FETAEP edição 134 - Janeiro e Fevereiro de 2016
Jornal da FETAEP edição 134 - Janeiro e Fevereiro de 2016
FETAEP
 
Aula 4 Aula de "homem, sociedade e meio ambiente"
Aula 4 Aula de "homem, sociedade e meio ambiente"Aula 4 Aula de "homem, sociedade e meio ambiente"
Aula 4 Aula de "homem, sociedade e meio ambiente"
Matheus Yuri
 
Informe rural 18/04/2013
Informe rural 18/04/2013Informe rural 18/04/2013
Informe rural 18/04/2013
Informe Rural
 
Informe rural - 08/05/2013
Informe rural - 08/05/2013Informe rural - 08/05/2013
Informe rural - 08/05/2013
Informe Rural
 
Agricultura familiar no Brasil
Agricultura familiar no Brasil Agricultura familiar no Brasil
Agricultura familiar no Brasil
DialogoComunicacao
 
Informe Rural - 22/05/2013
Informe Rural - 22/05/2013Informe Rural - 22/05/2013
Informe Rural - 22/05/2013
Informe Rural
 
Plano safra familiar 2016.2017-1
Plano safra familiar  2016.2017-1Plano safra familiar  2016.2017-1
Plano safra familiar 2016.2017-1
Luis Carlos
 

Semelhante a Plano safra agricultura_familiar_2013.2014_mda (20)

Cartilha de Orientação do PRONAF 2020/2021
Cartilha de Orientação do PRONAF 2020/2021Cartilha de Orientação do PRONAF 2020/2021
Cartilha de Orientação do PRONAF 2020/2021
 
Cartilha PRONAF 2023/2024
Cartilha PRONAF 2023/2024Cartilha PRONAF 2023/2024
Cartilha PRONAF 2023/2024
 
Cartilha PRONAF 2023/2024
Cartilha PRONAF 2023/2024Cartilha PRONAF 2023/2024
Cartilha PRONAF 2023/2024
 
Pauta do Grito da Terra Paraná 2011
Pauta do Grito da Terra Paraná 2011Pauta do Grito da Terra Paraná 2011
Pauta do Grito da Terra Paraná 2011
 
DIEESE - Considerações sobre o Plano Safra 23 /24 da Agricultura Familiar
DIEESE - Considerações sobre o Plano Safra 23 /24 da Agricultura FamiliarDIEESE - Considerações sobre o Plano Safra 23 /24 da Agricultura Familiar
DIEESE - Considerações sobre o Plano Safra 23 /24 da Agricultura Familiar
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017
Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017
Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017
 
Informe Rural - 19/06/2013
 Informe Rural - 19/06/2013 Informe Rural - 19/06/2013
Informe Rural - 19/06/2013
 
Anuário Agricultura SC
Anuário Agricultura SCAnuário Agricultura SC
Anuário Agricultura SC
 
Jornal da FETAEP edição 137 - Maio de 2016
Jornal da FETAEP edição 137 - Maio de 2016Jornal da FETAEP edição 137 - Maio de 2016
Jornal da FETAEP edição 137 - Maio de 2016
 
PNAE – Programa Nacional de Alimentación Escolar
PNAE – Programa Nacional de Alimentación EscolarPNAE – Programa Nacional de Alimentación Escolar
PNAE – Programa Nacional de Alimentación Escolar
 
Familia leite financiamento
Familia leite financiamentoFamilia leite financiamento
Familia leite financiamento
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2018/2019
Cartilha de Orientação do PRONAF 2018/2019Cartilha de Orientação do PRONAF 2018/2019
Cartilha de Orientação do PRONAF 2018/2019
 
Informe Rural - 13/02/14
Informe Rural - 13/02/14Informe Rural - 13/02/14
Informe Rural - 13/02/14
 
Jornal da FETAEP edição 134 - Janeiro e Fevereiro de 2016
Jornal da FETAEP edição 134 - Janeiro e Fevereiro de 2016Jornal da FETAEP edição 134 - Janeiro e Fevereiro de 2016
Jornal da FETAEP edição 134 - Janeiro e Fevereiro de 2016
 
Aula 4 Aula de "homem, sociedade e meio ambiente"
Aula 4 Aula de "homem, sociedade e meio ambiente"Aula 4 Aula de "homem, sociedade e meio ambiente"
Aula 4 Aula de "homem, sociedade e meio ambiente"
 
Informe rural 18/04/2013
Informe rural 18/04/2013Informe rural 18/04/2013
Informe rural 18/04/2013
 
Informe rural - 08/05/2013
Informe rural - 08/05/2013Informe rural - 08/05/2013
Informe rural - 08/05/2013
 
Agricultura familiar no Brasil
Agricultura familiar no Brasil Agricultura familiar no Brasil
Agricultura familiar no Brasil
 
Informe Rural - 22/05/2013
Informe Rural - 22/05/2013Informe Rural - 22/05/2013
Informe Rural - 22/05/2013
 
Plano safra familiar 2016.2017-1
Plano safra familiar  2016.2017-1Plano safra familiar  2016.2017-1
Plano safra familiar 2016.2017-1
 

Plano safra agricultura_familiar_2013.2014_mda

  • 1. PARA QUEM GOSTA DE BOAS NOTÍCIAS, ESSE É UM PRATO CHEIO.
  • 2. Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário Pepe Vargas Secretário Executivo do Ministério do Desenvolvimento Agrário Laudemir Müller Secretário da Agricultura Familiar Valter Bianchini Secretária de Desenvolvimento Territorial Andréa Lorena Butto Zarzar Secretário Extraordinário de Regularização Fundiária na Amazônia Legal Sérgio Roberto Lopes Secretário de Reordenamento Agrário Adhemar Lopes de Almeida Presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Carlos Guedes de Guedes Assessoria de Comunicação Social – Ascom Coordenador de Comunicação Social Felix Valente Coordenadora de Jornalismo Sivana Gonçalves Coordenadora Administrativa Ila Baraúna Fotos Bulldog Estúdio Texto e Edição João Paulo Biage e Kelly Kareline Colaborador Daniele Souza Direção de Arte e Projeto Gráfico Alessandro Mendes Editoração Eletrônica Cleiton Parente Impressão Gráfica
  • 3. APRESENTAÇÃO | 05 MAIS RECURSOS | 08 CRESCIMENTO | 10 SEGURANÇA PARA QUEM PRODUZ | 16 INCLUSÃO PRODUTIVA | 20 SUMÁRIO
  • 5. Anualmente, o Ministério do Desenvolvimento Agrário lança o Plano Safra da Agricultura Familiar, com vigência de julho a junho do ano seguinte. O conjunto de políticas públicas qualifica e articula os instrumentos construídos e conquistados pelo setor que produz a maior parte dos alimentos consumidos pelos brasileiros.As medidas foram elaboradas com grandes objetivos: aumento de renda, inovação e tecnologia e estímulo à produção de alimentos, com proteção da renda. O lançamento para a safra 2013/2014 marca os dez anos com avanços significativos nos recursos liberados e nas facilidades de financiamento. É dessa forma que o governo federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Agrário, fortalece a agricultura familiar. Nesses dez anos, a renda da agricultura familiar cresceu 52%, o que permitiu que mais de 3,7 milhões de pessoas ascendessem para a classe média. O segmento é responsável por 4,3 milhões de unidades produtivas - o que representa 84% dos estabelecimentos rurais do país - 33% do Produto Interno Bruto (PIB) Agropecuário e emprega 74% da mão de obra no campo. A agricultura familiar é um setor estratégico para o País e um dos pilares do projeto nacional de desenvolvimento. Por isso, esse conjunto de políticas fortalece o setor, aumenta a produ- ção de alimentos, e contribui para o crescimento com estabilidade econômica e social. Plano Safra da Agricultura Familiar 2013/2014 Transformando Vidas. Plantando o Futuro. PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR | 05
  • 8. 08 | MAIS RECURSOS 39 bilhões para o fortalecimento da agricultura familiar - Crédito Pronaf: R$ 21 bilhões - Ater: R$ 830 milhões - Garantia-Safra: R$ 980,3 milhões - Seguro da Agricultura Familiar (Seaf): R$ 400 milhões - PGPAF: R$ 33 milhões - PAA: R$ 1,2 bilhão em compras da agricultura familiar (MDA e MDS) - PNAE: R$ 1,1 bilhão (FNDE) - PGPM: R$ 200 milhões - Outras ações: R$ 13, 3 bilhões
  • 9. PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR | 09 CRESCIMENTO
  • 10. 21 bilhões para o Pronaf O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) é a principal po- lítica pública de crédito oferecida pelo MDA. O Pronaf recebeu o aporte de R$ 4,2 bilhões no ano-safra 2002/2003.Ao longo de dez safras, o programa teve aumento de recursos de mais de 400%. Na safra atual, dispõe de R$ 21 bilhões para as linhas de crédito. O Pronaf, porém, é mais do que um instrumento de garantia de crédito aos produtores rurais. É também uma oportunidade para que os agricultores familiares coloquem em prática o seu projeto de desenvolvimento, suas expectativas de renda e de mudança de vida. Atualmente, o Pronaf conta com mais de 3,5 milhões de contratos – de custeio e de investimento. Saiba como acessar Para acessar as linhas, o agricultor deve possuir a Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP), que pode ser obtida gratuitamente, e o Cadastro de Pessoa Física (CPF) regularizado. Em seguida, é necessário que o interessado entre em contato com a empresa prestadora 10 | MAIS RECURSOS
  • 11. de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) do estado e solicite a visita de um técnico. Ele vai se reunir com a família e elaborar a proposta simplificada de crédito, que deve ser encaminhada com os outros documentos ao agente financeiro (Banco do Nordeste, Banco do Brasil, Banco da Amazônia Banco Regional de Brasília e Cooperativas de Crédito) para realização da contratação.A mesma DAP vale para a mulher, o agricultor e o jovem. Conheça as linhas de crédito • Pronaf Custeio: financia atividades agropecuárias e de beneficiamento ou industrializa- ção­e comercialização de produção própria ou de terceiros; • Pronaf Investimento (Mais Alimentos): financia máquinas, equipamentos e infraestrutura. Objetiva a melhoria da produção e dos serviços agropecuários e não agropecuários, no estabelecimento rural ou em áreas comunitárias rurais próximas; • Microcrédito Rural: atende os agricultores de mais baixa renda. Permite o financiamento das atividades agropecuárias e não agropecuárias equalquer outra que possa gerar renda para a família atendida; • Pronaf Agroecologia: financia investimentos dos sistemas de produção agroecológicos ou orgânicos, incluindo os custos relativos à implantação e manutenção do empreendimento; • Pronaf Mulher: a linha financia investimentos de atividades agropecuárias, turismo rural, artesanato, entre outras, no meio rural. O crédito pode ser contratado independente do estado civil da mulher. • Pronaf Eco: investimento para implantação, utilização ou recuperação de tecnologias de energia renovável, biocombustíveis, armazenamento hídrico, pequenos aproveitamentos hidroenergéticos, silvicultura e recuperação do solo; • Pronaf Agroindústria: financia investimentos, inclusive em infraestrutura, que visam o beneficiamento, o processamento e a comercialização da produção agropecuária e não agropecuária, de produtos florestais e do extrativismo, ou de produtos artesanais e a exploração de turismo rural; PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR |11
  • 12. • Pronaf Semiárido: financia projetos de convivência com o semiárido, focados na susten- tabilidade dos agroecossistemas, que priorizem infraestrutura hídrica, inclusive aquelas relacionadas com projetos de produção e serviços, de acordo com a realidade das famí- lias da região Semiárida; • Pronaf Jovem: financia propostas de crédito de jovens agricultores e agricultoras. Os recursos são destinados à produção e serviços nos estabelecimentos rurais; • Pronaf Floresta: financia projetos para sistemas agroflorestais, como exploração ex- trativista ecologicamente sustentável, plano de manejo florestal, recomposição e manutenção de áreas de preservação permanente e reserva legal e recuperação de áreas degradadas; • Pronaf Custeio e Comercialização de Agroindústrias Familiares: destinada aos agriculto- res e suas cooperativas ou associações, para que financiem as necessidades de custeio do beneficiamento e industrialização da produção própria e/ou de terceiros; • Pronaf Cota-Parte: financia investimentos para a integralização de cotas-partes dos agri- cultores familiares filiados a cooperativas de produção ou para aplicação em capital de giro, custeio ou investimento. Oswaldo Ferreira di Paula | Brazlândia - DF “Além de criar gado, tinha plantio de verdura. Mas, hoje, só crio búfalos em minha propriedade­. Comecei a entender que é melhor que gado comum, além de ser mais rentável e de render produtos muito melhores.” Acessou o Pronaf. 12 | MAIS RECURSOS
  • 13. Novidades O Pronaf, que já oferece condições es- peciais para os agricultores familiares e baixas taxas de juros, melhora ainda mais as condições de financiamento. Custeio Os limites de financiamento de custeio aumentaram. O máximo permitido até a safra anterior era de R$ 80 mil por ope- ração. Esse teto passa a ser de R$ 100 mil, com taxa de juro menor: 3,5% (era de 4% na safra 2012/2013). Os agricultores que financiarem de R$ 10 mil a R$ 30 mil terão taxa de 3% ao ano e aqueles que financiarem acima de R$ 30 mil, taxa de 3,5% ao ano. Os financiamentos até R$ 10 mil continuam com taxa de 1,5%. Investimento A linha de investimento recebeu um forte incremento, principalmente no limite de finan- ciamento.Até a última safra, os interessados podiam financiar até R$ 130 mil por contrato. Para a nova safra, o limite sobe para R$ 150 mil. Para as atividades que necessitam de maior mobilização de recursos, como a suinocultura, a avicultura e a fruticultura, o valor para o investimento mais que duplica: passa a ser de R$ 300 mil. Para os investimentos feitos em grupo, o valor chega a R$ 750 mil. PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR |13
  • 14. Enquadramento Passam a ser enquadrados no Pronaf todos os agricultores familiares que tiveram até R$ 360 mil de renda, medida que amplia o acesso ao programa, na safra 2013/2014. Pronaf B A linha de crédito voltada para os agricultores de menor renda terá aumento de 40% em seu limite de financiamento. A partir da safra 2013/2014, o agricultor familiar com renda bruta anual de até R$ 10 mil poderá contratar até R$ 3,5 mil pelo Pronaf B. Na safra pas- sada, esse limite era de R$ 2,5 mil. Pronaf Mulher Na safra 2013/2014, a agricultora familiar passa a receber orientação e acompanhamento financeiro. A linha Pronaf Mulher até R$ 30 mil em atividades específicas será operada pela metodologia do Microcrédito Produtivo Orientado em todo o Brasil. Estímulo à agroindústria A partir da safra 2013/2014, os agricultores familiares poderão acessar recursos para for- malização de sua agroindústria e projetos de turismo rural, sem perder a condição de segu- rados especiais. O objetivo da medida é estimular a agroindustrialização e a formalização das agroindústrias já existentes. 14 | MAIS RECURSOS
  • 16. Além de oferecer crédito para os produtores, o governo fede- ral também dá segurança para o agricultor produzir mais. São vários os programas e políticas do MDA que garantem renda e estabilidade para o produtor. Garantia-Safra Uma das ferramentas para a garantia de renda dos agricultores familiares, o Garantia-Safra é uma açãovoltada para os agricul- tores da região da Sudene, especialmente o semiárido. Nesta safra o número de cotas para o programa será ampliado para 1,2 milhãode famílias. Esse é o número de famílias que receberá o benefício, caso tenham perdas de pelo menos, 50% da produção de atividades agrícolas de convivência  com o Semiárido. Seguro da Agricultura Familair - Seaf O Seguro daAgricultura Familiar (Seaf) é um mecanismo de proteção de renda para os agri- cultores familiares que contratam financiamentos de custeio e investimento agrícola no âmbi- to do Pronaf.A adesão automática ao custeio permite a cobertura da parcela de investimento. Garantia de preço O Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar (PGPAF) assegura desconto no pagamento do financiamento às famílias agricultoras que acessam o Pronaf Custeio ou o Pro- naf Investimento, em caso de baixa de preços no mercado. O acesso ao PGPAF é automático. Na safra 2013/2014, o governo federal amplia a proteção de preço do PGPAF de determinadas culturas.A medida estimula a produção da agricultura familiar,ampliando a oferta de alimentos e contribui com a estabilidade de preços para o consumidor.O programa já abrange 49 culturas. 16 | SEGURANÇA PARA QUEM PRODUZ
  • 17. Programa de Aquisição de Alimentos - PAA Criado em 2003, o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) é uma ação do governo federal para fortalecer a agricultura familiar. Para isso, o programa utiliza mecanismos de comerciali- zação com a aquisição direta dos produtos de agricultores familiares ou de suas organizações. Na safra 2013/2014 o governo federal amplia o limite de aquisição anual por agricultor, que saltou de R$ 4,5 mil para R$ 5, 5 mil. Para o produtor ligado à cooperativa, passou de R$ 4,8 mil, na última safra, para R$ R$ 6,5 mil, anualmente. Outra novidade é que o limite individual será de R$ 8 mil quando a proposta for composta por produtos de pelo menos 50% de fornecedores cadastrados no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) ou produtos exclusivamente orgânicos e/ou agroecológicos ou da sociobiodiversidade. Programa Nacional de Alimentação Escolar - Pnae O Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) tem o objetivo de oferecer alimentação saudável aos alunos de escolas públicas do Brasil e, simultaneamen- te, estimular a agricultura familiar nacional. Assentados da reforma agrária, comunidades tradicio- nais indígenas e quilombolas têm prioridade no Pnae. Os empreendimentos coletivos rurais e suas organizações podem participar do programa por meio de chamadas públicas do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Por meio do Programa Ater Mais Gestão serão apoiadas cooperativas e empreendimentos da agricultura familiar na qualificação da gestão. Neste ano, o governo federal destina R$ 1 bilhão do Pnae, para a aquisição de produtos da agricultura familiar. PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR | 17
  • 18. Assistência Técnica e Extensão Rural Os serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) têm como principais focos o au- mento de renda e a melhoria na qualidade de vida dos agricultores familiares. O último Plano Safra disponibilizou R$ 542 milhões para o se- tor, enquanto o primeiro, há dez anos, ofereceu R$ 46 milhões. Para a safra 2013/2014, o mon- tante destinado para Ater é de R$ 830 milhões. Para ampliar o número de agricultores aten- didos e qualificar o servico de Ater,o governo federal cria a a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural. O objetivo é levar a assisência técnica ao conjunto dos agricultores com prioridade para a agricultura familiar e, com isso, aumentar a produtividade, a renda, o acesso às políticas públicas e a qualidade de vida da população rural. PLANO SAFRA TERRITORIAL O MDA promoverá a gestão territorial do Plano Safra em 165 territórios existentes em todas as regiões brasileiras, que envolvem mais de 1842 municípios rurais. Serão realizadas ações de planejamento e acompanhamento das políticas públicas, em resposta às deman- das já identificadas nos territórios. Nos 120 Territórios da Cidadania, sob coordenação conjunta da Casa Civil, do Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão e do MDA, o governo federal promoverá a integra- ção das políticas previstas no Plano Safra 2013/2014 com um conjunto de outras 70 ações em distintas áreas, que envolvem o apoio a atividades produtiva, cidadania e direitos, além de infraestrutura. 18 | SEGURANÇA PARA QUEM PRODUZ
  • 20. O governo federal oferece assistência técnica e extensão rural (ater) associada ao Progra- ma de Fomento às Atividades Produtivas Rurais, por meio do Plano Brasil Sem Miséria, e o Bolsa Verde para os assentamentos ambientalmente diferenciados. Em 2013, serão 239 mil famílias atendidas. Além das medidas de inclusão produtiva, até 2014 serão mais 70 mil famílias com ha- bitação pelo Programa Minha Casa Minha Vida Rural e 37 mil famílias com água pelo Programa Água para Todos, nos assentamentos da Reforma Agrária. 20 | ASSISTÊNCIA TÉCNICA Juanice Boszcz | Contenda - PR “Nós começamos a produção de cogulemos e quando acessamos o Pronaf e a Assistência Técnica montamos uma segunda estufa e abrimos uma agroindústria”. Pronaf e Ater
  • 21. Outra novidade é que o Programa de Crédito Fundiário terá taxas de juros reduzidas para famílias do Cadastro Único (0,5%), com assistência técnica garantida e seguro rural para proteção das parcelas do financiamento via Seaf. O valor do incentivo para mulheres, jovens e negros passa de R$ 1mil para R$ 3 mil. A juventude rural também terá juro reduzido (1% ao ano). 1 MILHÃO DE MULHERES DOCUMENTADAS Em 2013 o Brasil atingiu uma marca significativa um milhão de mulheres documentadas pelo Programa Na- cional de Documentação da Trabalhadora Rural (PNDTR). O PNDTR permite que as mulheres acessem todas as políti- cas destinadas à agricultura familiar e reforma agrária, for- talecendo a participação delas no Plano Safra 2013/2014. Desde a criação do PNDTR em 2004, já foram realizados quase 5 mil mutirões, abrangendo os 120 Territórios da Cida- dania, com a emissão de mais de 2 milhões de documentos. Estão programados mais de 800 mutirões até o final de 2013. Lázaro de Oliveira Leite | Barbalha - CE “Acessei o Pronaf Jovem há seis anos e investi no cultivo de palmeiras ornamentais. Quitei o financiamento em menos de dois anos e com o segundo financiamento ampliei a estufa e me dediquei a venda no atacado. Atualmente minha renda mensal média passa dos R$ 2 mil”. Acessou o Pronaf, o Pronaf Jovem e Ater. PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR | 21 NA AGRICULTURA FAMILIAR E NA REFORMA AGRÁRIA
  • 22. Linhas Faixa I Pronaf Custeio Até R$ 10 mil Juros de 1,5% a.a. Mais Juros Pronaf Investimento (Mais Alimentos) Até R$ 10 mil Juro de 1% a.a. Mais Juros Microcrédito Rural Investimento:Até R$ 3,5 mil por operação. Juro de 0,5% a.a., Bônus de Custeio: condições estabelecidas na Linha Pronaf Custeio. Pronaf Agroecologia Até R$ 10 mil; juro de 1% a.a. Mais Pronaf Mulher Até R$ 2,5 mil Juro de 0,5% a.a. Até R Mais Pronaf ECO Até R$ 10 mil Juro de 1% a.a. Mais Juros Pronaf ECO Dendê Até R$ 8 mil/ha;Até R$ 10 mil, juro de 1% ao ano Acima de R$ 10 mil e até R$ 80 mil por mutuário, juros de R$ 2% a.a. Pronaf ECO Seringueira Até R$ 15 mil/ha;Até R$ 80 mil por mutuário, juros de R$ 2% a.a. Pronaf Agroindústria Individual e Empreendimentos Familiares Rurais até R$ 10 mil; Cooperativas e associações até R$ 1 milhão, respeitando o limite individual de até R$ 10 mil por associado ativo. Juro de 1% a.a Indiv Emp Coop de a Juros Pronaf Semiárido Até R$ 18 mil, juro de 1% a.a. Pronaf Jovem Até R$ 15 mil, juro de 1% a.a. Pronaf Floresta Até R$ 35 mil, juro de 1% a.a. Pronaf Custeio e Comercialização de Agroindústrias Familiares Individual até R$ 10 mil; Empreendimento familiar rural - até R$ 210 mil Associações - até R$ 4 milhões Cooperativas singulares até R$ 10 milhões e Cooperativas Centrais R$ 30 Juros de 4% a.a Pronaf Cota-Parte Individual: até R$ 20 mil; Cooperativa - até R$ 20 milhões; juros 4% a.a. Pronaf Investimento para a Reforma Agrária Até R$ 20 mil, mais R$ 1.5 mil para ATER. Juro 0,5% a.a.,Bônus de adim Pronaf Custeio para a Reforma Agrária Até R$ 5 mil por operação; até 3 operações; juros 1,5% a.a. 22 | ASSISTÊNCIA TÉCNICA Quadro Resumo do Crédito Pronaf 2013/2014
  • 23. Faixa II Faixa III Mais de R$ 10 mil até R$ 30 mil Juros de 3% a.a. Mais de R$ 30 mil até R$ 100 mil Juros de 3,5% a.a. Mais de R$ 10 mil até R$ 150 mil Juros de 2% a.a. ., Bônus de adimplência de 25% até os primeiros R$ 10,5 mil. Mais de R$ 10 mil até R$ 150 mil, juros de 2% a.a. Até R$ 10 mil, juro de 1% a.a. Mais de R$ 10 mil e até R$ 150 mil, juros de 2% a.a. Mais de R$ 10 mil até R$ 150 mil Juros de 2% a.a. $ 2% a.a. % a.a. il; l por Individual acima de R$ 10 mil e até R$ 150 mil; Empreendimento Familiar Rural acima de R$ 10 mil e até R$ 300 mil; Cooperativas e associações acima de R$ 1milhão e até R$ 35 milhões, respeitando o limite individual de até R$ 45 mil por associado ativo. Juros de 2% a.a entrais R$ 30 milhões. ônus de adimplência de 44,186% PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR | 23