SlideShare uma empresa Scribd logo
MENSAGENS REFLEXIVAS Arte da Imagem, Arte da Música e Arte do Pensamento Arte da Imagem: recebidas da internet e Google  Arte da Música: Emmanuel  Arte do Pensamento: texto de Leonardo Boff OFICIALMENTE  VELHO
Leonardo Boff é professor, escritor, filósofo, teólogo, doutor em Teologia e Filosofia pela Universidade de Munique (Alemanha), doutor honoris causa em Política pela Universidade de Turim (Itália) e em Teologia pela Universidade de Lund (Suécia).
Nascer, viver, aprender, evoluir, morrer. É a LEI. É o ciclo da vida. Para o espírito, porém, não há morte. Este o grande mistério que somente com a evolução do homem poderá ser desvendado.  Diz Pietro Ubaldi:  “ O ponto máximo de vossa VIDA psíquica custa a chegar e, por vezes, só aparece no fim, muito depois da juventude do viço físico, última delicada flor da alma.  O verdadeiro objetivo de nossa existência, o de construirmos a nós mesmos, não pode ser alcançado no limitado número de experiências de uma só VIDA.  Quanto mais nos elevamos, tanto menos estamos jungidos a formas de VIDA na matéria, e menor é a necessidade da carne, produto da conjunção sexual que é parte daquele mundo inferior e ilusório”  J. Meirelles Admiremos, agora, a beleza da Natureza, que está sempre a nos mostrar a existência do ciclo da vida, e meditemos sobre o texto de Leonardo Boff,  ao som de Emmanuel!
Neste mês de dezembro completo 70 anos. Pelas condições brasileiras, me torno oficialmente velho. Isso não significa que estou próximo da morte, porque esta pode ocorrer já no primeiro momento da vida.  Neste mês de dezembro completo 70 anos. Pelas condições brasileiras, me torno oficialmente velho. Isso não significa que estou próximo da morte, porque esta pode ocorrer já no primeiro momento da vida.
Mas é uma outra etapa da vida, a derradeira. Esta possui uma dimensão biológica, pois irrefreavelmente o capital vital se esgota, nos debilitamos, perdemos o vigor dos sentidos e nos despedimos lentamente de todas as coisas.  Mas é uma outra etapa da vida, a derradeira. Esta possui uma dimensão biológica, pois irrefreavelmente o capital vital se esgota, nos debilitamos, perdemos o vigor dos sentidos e nos despedimos lentamente de todas as coisas.
De fato, ficamos mais esquecidos, quem sabe, impacientes e sensíveis a gestos de bondade que  nos levam facilmente às lágrimas.    De fato, ficamos mais esquecidos, quem sabe, impacien-tes e sensíveis a gestos de bondade que  nos levam facilmente às lágrimas.  
Mas há um outro lado, mais instigante. A velhice é a última etapa do crescimento humano. Nós nascemos inteiros. Mas nunca estamos prontos.  Mas há um outro lado, mais instigante. A velhice é a última etapa do crescimento humano. Nós nascemos inteiros. Mas nunca estamos prontos.
Temos que completar nosso nascimento ao construir a existência, ao abrir caminhos, ao superar dificuldades e ao moldar o nosso destino. Estamos sempre em gênese.  Temos que completar nosso nascimento ao construir a existência, ao abrir caminhos, ao superar dificuldades  e ao  moldar o nosso destino. Estamos sempre em gênese.
Começamos a nascer, vamos nascendo em prestações ao longo da vida até acabar de nascer. Então entramos no silêncio. E morremos. Começamos a nascer, vamos nascendo em prestações ao longo da vida até acabar   de nascer. Então entramos no silêncio. E morremos.
A velhice é a última chance que a vida nos oferece para acabar de crescer, madurar e finalmente terminar de nascer.   A velhice é a última chance que a vida nos oferece para acabar de crescer, madurar e finalmente terminar de nascer.
Neste contexto, é iluminadora a palavra de São Paulo: ”na medida em que definha o homem exterior, nesta mesma medida rejuvenesce o homem interior”(2Cor 4,16). Neste contexto, é iluminadora a palavra de São Paulo: ”na medida em que definha o homem exterior, nesta mesma   medida rejuvenesce o homem interior”(2Cor 4,16).
A velhice é uma exigência do homem interior. Que é o homem interior? É o nosso eu profundo, o nosso modo singular de ser e de agir, a nossa marca registrada, a nossa identidade mais radical. Esta identidade devemos encará-la face a face. A velhice é uma exigência do homem interior. Que é o homem interior? É o nosso eu profundo, o nosso modo singular de ser e de agir, a nossa marca registrada, a nossa identidade mais radical. Esta identidade devemos encará-la face a face.
Ela é pessoalíssima e se esconde atrás de muitas máscaras que a vida nos impõe. Pois a vida é um teatro no qual  desempenhamos muitos papéis.  Ela é pessoalíssima e se esconde atrás de muitas másca-ras que a vida nos impõe. Pois a vida é um teatro no qual  desempenhamos muitos papéis.
Eu, por exemplo, fui franciscano, padre, agora leigo, teólogo, filósofo, professor, conferencista, escritor, editor, redator de algumas revistas, inquiri-do pelas autoridades doutrinais do Vaticano, submetido ao “silêncio obsequioso” e outros papéis mais. Mas há um momento em que tudo isso é relativizado e vira pura palha.
Então deixamos o palco, tiramos as máscaras e nos perguntamos: Afinal, quem sou eu? Que sonhos me movem? Que anjos que habitam? Que demônios me atormentam? Qual é o meu lugar no desígnio do Mistério?  Então deixamos o palco, tiramos as máscaras e nos perguntamos: Afinal, quem sou eu? Que sonhos me movem? Que anjos que habitam? Que demônios me atormentam? Qual é o meu lugar no desígnio do Mistério?
Na medida em que tentamos, com temor e tremor, responder a estas indagações vem à lume o homem interior. A resposta nunca é conclusiva; perde-se para dentro do Inefável. Na medida em que tentamos, com temor e tremor, responder a estas indagações vem à lume o homem interior. A resposta nunca é conclusiva; perde-se para dentro do Inefável.
Este é o desafio para a etapa da velhice. Então nos damos conta de que precisaríamos muitos anos de velhice para encontrar a palavra essencial que nos defina.  Este é o desafio para a etapa da velhice. Então nos damos conta de que precisaríamos muitos anos de velhice para encontrar a palavra essencial que nos defina.
Surpresos, descobrimos que não vivemos porque simplesmente não morremos, mas vivemos para pensar, meditar, rasgar novos horizontes e criar sentidos de vida.  Surpresos, descobrimos que não vivemos porque simplesmente não morremos, mas vivemos para pensar, meditar, rasgar novos horizontes e criar sentidos de vida.
Especialmente para tentar fazer uma síntese final, integrando as sombras, realimentando os sonhos que nos sustentaram por toda uma vida, reconciliando-nos com os fracassos e buscando sabedoria.  Especialmente para tentar fazer uma síntese final, inte-grando as sombras, realimentando os sonhos que nos sustentaram por toda uma vida, reconciliando-nos com os fracassos e buscando sabedoria.
É ilusão pensar que esta vem com a velhice. Ela vem do espírito com o qual vivenciamos a velhice como a etapa final do crescimento e de nosso verdadeiro Natal. É ilusão pensar que esta vem com a velhice. Ela vem do espírito com o qual vivenciamos a velhice como a etapa final do crescimento e de nosso verdadeiro Natal.
Por fim, importa preparar o grande Encontro. A vida não é estruturada para terminar na morte mas para se transfigurar através da morte.  Por fim, importa preparar o grande Encontro. A vida não é estruturada para terminar na morte mas para se transfigu-rar através da morte.
Morremos para viver mais e melhor, para mergulhar na eternidade e encontrar a Última Realidade, feita de amor e de misericórdia. Ai saberemos finalmente quem somos e qual é o nosso verdadeiro nome. Morremos para viver mais e melhor, para mergulhar na eternidade e encontrar a Última Realidade, feita de amor e de misericórdia. Ai saberemos finalmente quem somos e qual é o nosso verdadeiro nome.
Nutro o mesmo sentimento que o sábio do Antigo Testamento: ”contemplo os dias passados e tenho os olhos voltados para a eternidade”. Nutro o mesmo sentimento que o sábio do Antigo Testa-mento: ”contemplo os dias passados e tenho os olhos voltados para a eternidade”.
Por fim, alimento dois sonhos, sonhos de um jovem ancião: o primeiro é escrever um livro só para Deus, se possível com o próprio sangue;  Por fim, alimento dois sonhos, sonhos de um jovem ancião: o primeiro é escrever um livro só para Deus, se possível com o próprio sangue;
e o segundo, impossível, mas bem expresso por Herzer, menina de rua e poetisa:”eu só queria nascer de novo, para me ensinar a viver”.  e o segundo, impossível, mas bem expresso por Herzer, menina de rua e poetisa:”eu só queria nascer de novo, para me ensinar a viver”.
Mas como isso é irrealizável, só me resta aprender na escola de Deus. Parafraseando Camões, completo: mais vivera se não fora, para tão longo ideal, tão curta a vida.  Mas como isso é irrealizável, só me resta aprender na escola de Deus. Parafraseando Camões, completo: mais vivera se não fora, para tão longo ideal, tão curta a vida.
IMAGENS: recebidas por e.mail MÚSICA: Emmanuel - Almas Gêmeas FORMATAÇÃO: J. Meirelles  celjm@uol.com.br  www.jmeirelles.wordpress.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

VIDA EM POESIA
VIDA EM POESIAVIDA EM POESIA
Poucas palavras
Poucas palavrasPoucas palavras
Poucas palavras
ovelhaleal
 
O Auto Conhecimento
O Auto ConhecimentoO Auto Conhecimento
O Auto Conhecimento
Ana Cristina Freitas
 
UM TURBILHÃO DE POEMAS
UM TURBILHÃO DE POEMASUM TURBILHÃO DE POEMAS
(Livro) quase anjos_-_resiste
(Livro) quase anjos_-_resiste(Livro) quase anjos_-_resiste
(Livro) quase anjos_-_resiste
João Gomes
 
Quem Sou Eu
Quem Sou EuQuem Sou Eu
18ºdomingo tc14a1
18ºdomingo tc14a118ºdomingo tc14a1
18ºdomingo tc14a1
CHUC
 
18ºdomingo tc14a
18ºdomingo tc14a18ºdomingo tc14a
18ºdomingo tc14a
CHUC
 
Fennomeno busca pela verdade
Fennomeno busca pela verdadeFennomeno busca pela verdade
Fennomeno busca pela verdade
Sérgio Ira
 
Livro a arte de envelhecer com sabedoria abrahao & bertha grinberg
Livro a arte de envelhecer com sabedoria   abrahao & bertha grinbergLivro a arte de envelhecer com sabedoria   abrahao & bertha grinberg
Livro a arte de envelhecer com sabedoria abrahao & bertha grinberg
Mab Davilla
 
Provérbios chineses
Provérbios chinesesProvérbios chineses
Provérbios chineses
Nelson Hfilho
 
Ma 6ano ul1_v3n-line
Ma 6ano ul1_v3n-lineMa 6ano ul1_v3n-line
Ma 6ano ul1_v3n-line
miguelitoamg220
 
Sentidodavida
SentidodavidaSentidodavida
Sentidodavida
mluisavalente
 
Boletim esperança 012 suplemento
Boletim esperança 012 suplementoBoletim esperança 012 suplemento
Boletim esperança 012 suplemento
Robervaldu
 
O que não se pode explicar aos normais
O que não se pode explicar aos normaisO que não se pode explicar aos normais
O que não se pode explicar aos normais
Felipe Rabelo
 

Mais procurados (15)

VIDA EM POESIA
VIDA EM POESIAVIDA EM POESIA
VIDA EM POESIA
 
Poucas palavras
Poucas palavrasPoucas palavras
Poucas palavras
 
O Auto Conhecimento
O Auto ConhecimentoO Auto Conhecimento
O Auto Conhecimento
 
UM TURBILHÃO DE POEMAS
UM TURBILHÃO DE POEMASUM TURBILHÃO DE POEMAS
UM TURBILHÃO DE POEMAS
 
(Livro) quase anjos_-_resiste
(Livro) quase anjos_-_resiste(Livro) quase anjos_-_resiste
(Livro) quase anjos_-_resiste
 
Quem Sou Eu
Quem Sou EuQuem Sou Eu
Quem Sou Eu
 
18ºdomingo tc14a1
18ºdomingo tc14a118ºdomingo tc14a1
18ºdomingo tc14a1
 
18ºdomingo tc14a
18ºdomingo tc14a18ºdomingo tc14a
18ºdomingo tc14a
 
Fennomeno busca pela verdade
Fennomeno busca pela verdadeFennomeno busca pela verdade
Fennomeno busca pela verdade
 
Livro a arte de envelhecer com sabedoria abrahao & bertha grinberg
Livro a arte de envelhecer com sabedoria   abrahao & bertha grinbergLivro a arte de envelhecer com sabedoria   abrahao & bertha grinberg
Livro a arte de envelhecer com sabedoria abrahao & bertha grinberg
 
Provérbios chineses
Provérbios chinesesProvérbios chineses
Provérbios chineses
 
Ma 6ano ul1_v3n-line
Ma 6ano ul1_v3n-lineMa 6ano ul1_v3n-line
Ma 6ano ul1_v3n-line
 
Sentidodavida
SentidodavidaSentidodavida
Sentidodavida
 
Boletim esperança 012 suplemento
Boletim esperança 012 suplementoBoletim esperança 012 suplemento
Boletim esperança 012 suplemento
 
O que não se pode explicar aos normais
O que não se pode explicar aos normaisO que não se pode explicar aos normais
O que não se pode explicar aos normais
 

Destaque

Ante a verdade
Ante a verdadeAnte a verdade
Ante a verdade
jmeirelles
 
Maioridade final
Maioridade finalMaioridade final
Maioridade final
jmeirelles
 
Bahá U'lla
Bahá U'llaBahá U'lla
Bahá U'lla
jmeirelles
 
Condicionamento
CondicionamentoCondicionamento
Condicionamento
jmeirelles
 
Mistérios da vida
Mistérios da vidaMistérios da vida
Mistérios da vida
jmeirelles
 
Martin luther king2
Martin luther king2Martin luther king2
Martin luther king2
jmeirelles
 
Monet shadespeare
Monet shadespeareMonet shadespeare
Monet shadespeare
jmeirelles
 
Não somente final
Não somente finalNão somente final
Não somente final
jmeirelles
 
A áfrica de mandela2
A áfrica de mandela2A áfrica de mandela2
A áfrica de mandela2
jmeirelles
 
Oração a deus
Oração a deusOração a deus
Oração a deus
jmeirelles
 
O imponderável da natureza
O imponderável da naturezaO imponderável da natureza
O imponderável da natureza
jmeirelles
 
Não Estás Deprimido... Estás Distraído
 Não Estás Deprimido... Estás Distraído Não Estás Deprimido... Estás Distraído
Não Estás Deprimido... Estás Distraído
jmeirelles
 
Autolibertação
AutolibertaçãoAutolibertação
Autolibertação
jmeirelles
 
Fotografias com alma(1ª parte)
Fotografias com alma(1ª parte)Fotografias com alma(1ª parte)
Fotografias com alma(1ª parte)
jmeirelles
 
A arte de isabel guerra
A arte de isabel guerraA arte de isabel guerra
A arte de isabel guerra
jmeirelles
 
Incompreensão
IncompreensãoIncompreensão
Incompreensão
jmeirelles
 
Vietnam
VietnamVietnam
Vietnam
jmeirelles
 
A dor na lógica do destino
A dor na lógica do destinoA dor na lógica do destino
A dor na lógica do destino
jmeirelles
 
O sermão da montanha no planeta terra
O sermão da montanha no planeta terraO sermão da montanha no planeta terra
O sermão da montanha no planeta terra
jmeirelles
 
Solidao dos cimos
Solidao dos cimosSolidao dos cimos
Solidao dos cimos
jmeirelles
 

Destaque (20)

Ante a verdade
Ante a verdadeAnte a verdade
Ante a verdade
 
Maioridade final
Maioridade finalMaioridade final
Maioridade final
 
Bahá U'lla
Bahá U'llaBahá U'lla
Bahá U'lla
 
Condicionamento
CondicionamentoCondicionamento
Condicionamento
 
Mistérios da vida
Mistérios da vidaMistérios da vida
Mistérios da vida
 
Martin luther king2
Martin luther king2Martin luther king2
Martin luther king2
 
Monet shadespeare
Monet shadespeareMonet shadespeare
Monet shadespeare
 
Não somente final
Não somente finalNão somente final
Não somente final
 
A áfrica de mandela2
A áfrica de mandela2A áfrica de mandela2
A áfrica de mandela2
 
Oração a deus
Oração a deusOração a deus
Oração a deus
 
O imponderável da natureza
O imponderável da naturezaO imponderável da natureza
O imponderável da natureza
 
Não Estás Deprimido... Estás Distraído
 Não Estás Deprimido... Estás Distraído Não Estás Deprimido... Estás Distraído
Não Estás Deprimido... Estás Distraído
 
Autolibertação
AutolibertaçãoAutolibertação
Autolibertação
 
Fotografias com alma(1ª parte)
Fotografias com alma(1ª parte)Fotografias com alma(1ª parte)
Fotografias com alma(1ª parte)
 
A arte de isabel guerra
A arte de isabel guerraA arte de isabel guerra
A arte de isabel guerra
 
Incompreensão
IncompreensãoIncompreensão
Incompreensão
 
Vietnam
VietnamVietnam
Vietnam
 
A dor na lógica do destino
A dor na lógica do destinoA dor na lógica do destino
A dor na lógica do destino
 
O sermão da montanha no planeta terra
O sermão da montanha no planeta terraO sermão da montanha no planeta terra
O sermão da montanha no planeta terra
 
Solidao dos cimos
Solidao dos cimosSolidao dos cimos
Solidao dos cimos
 

Semelhante a Oficialmente velho

Oficialmente Velho
Oficialmente VelhoOficialmente Velho
Oficialmente Velho
guest441080f8
 
Quando começamos a dizer adeus
Quando começamos a dizer adeusQuando começamos a dizer adeus
Quando começamos a dizer adeus
pietra bravo
 
Flores Do Cactus 1ª Parte Textos Pietro Ubaldi
Flores Do Cactus   1ª Parte Textos Pietro UbaldiFlores Do Cactus   1ª Parte Textos Pietro Ubaldi
Flores Do Cactus 1ª Parte Textos Pietro Ubaldi
jmeirelles
 
Flores do Cactus - 1ª Parte, Textos de Pietro Ubaldi
Flores do Cactus - 1ª Parte, Textos de Pietro UbaldiFlores do Cactus - 1ª Parte, Textos de Pietro Ubaldi
Flores do Cactus - 1ª Parte, Textos de Pietro Ubaldi
jmeirelles
 
CapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original LivroCapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original Livro
jmeirelles
 
Capítulo 4 E 5 Introdução
Capítulo 4 E 5  IntroduçãoCapítulo 4 E 5  Introdução
Capítulo 4 E 5 Introdução
jmeirelles
 
Amanhecer de uma nova era
Amanhecer de uma nova eraAmanhecer de uma nova era
Amanhecer de uma nova era
Ari Carrasco Silveira
 
Aqui e agora
Aqui e agoraAqui e agora
Aqui e agora
Domingos Jorgina
 
Osho aqui e-agora
Osho aqui e-agoraOsho aqui e-agora
Osho aqui e-agora
Daniele Ribeiro Lima
 
Osho aqui e agora
Osho   aqui e agoraOsho   aqui e agora
Osho aqui e agora
Soraia Silva
 
Edição n. 63 do CH Noticias - Setembro/2020
Edição n. 63 do CH Noticias - Setembro/2020Edição n. 63 do CH Noticias - Setembro/2020
Edição n. 63 do CH Noticias - Setembro/2020
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira).
A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira). A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira).
A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira).
Leonardo Pereira
 
A cada dia um aprendizado.
A cada dia um aprendizado.A cada dia um aprendizado.
A cada dia um aprendizado.
pietra bravo
 
O problema do ser do destino e da dor !
O problema do ser do destino e da dor !O problema do ser do destino e da dor !
O problema do ser do destino e da dor !
Leonardo Pereira
 
O sentido da vida
O sentido da vidaO sentido da vida
O sentido da vida
guest429ba0
 
Aula 9-ole2013-da-vida-espirita-i
Aula 9-ole2013-da-vida-espirita-iAula 9-ole2013-da-vida-espirita-i
Aula 9-ole2013-da-vida-espirita-i
carlos freire
 
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritualCapitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Marta Gomes
 
Osho - Vá Com Calma.pdf
Osho - Vá Com Calma.pdfOsho - Vá Com Calma.pdf
Osho - Vá Com Calma.pdf
HubertoRohden2
 
Estudo do livro Roteiro lição 29
Estudo do livro Roteiro lição 29Estudo do livro Roteiro lição 29
Estudo do livro Roteiro lição 29
Candice Gunther
 
A grande viajem do espirito
A grande viajem do espiritoA grande viajem do espirito
A grande viajem do espirito
carlos freire
 

Semelhante a Oficialmente velho (20)

Oficialmente Velho
Oficialmente VelhoOficialmente Velho
Oficialmente Velho
 
Quando começamos a dizer adeus
Quando começamos a dizer adeusQuando começamos a dizer adeus
Quando começamos a dizer adeus
 
Flores Do Cactus 1ª Parte Textos Pietro Ubaldi
Flores Do Cactus   1ª Parte Textos Pietro UbaldiFlores Do Cactus   1ª Parte Textos Pietro Ubaldi
Flores Do Cactus 1ª Parte Textos Pietro Ubaldi
 
Flores do Cactus - 1ª Parte, Textos de Pietro Ubaldi
Flores do Cactus - 1ª Parte, Textos de Pietro UbaldiFlores do Cactus - 1ª Parte, Textos de Pietro Ubaldi
Flores do Cactus - 1ª Parte, Textos de Pietro Ubaldi
 
CapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original LivroCapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original Livro
 
Capítulo 4 E 5 Introdução
Capítulo 4 E 5  IntroduçãoCapítulo 4 E 5  Introdução
Capítulo 4 E 5 Introdução
 
Amanhecer de uma nova era
Amanhecer de uma nova eraAmanhecer de uma nova era
Amanhecer de uma nova era
 
Aqui e agora
Aqui e agoraAqui e agora
Aqui e agora
 
Osho aqui e-agora
Osho aqui e-agoraOsho aqui e-agora
Osho aqui e-agora
 
Osho aqui e agora
Osho   aqui e agoraOsho   aqui e agora
Osho aqui e agora
 
Edição n. 63 do CH Noticias - Setembro/2020
Edição n. 63 do CH Noticias - Setembro/2020Edição n. 63 do CH Noticias - Setembro/2020
Edição n. 63 do CH Noticias - Setembro/2020
 
A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira).
A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira). A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira).
A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira).
 
A cada dia um aprendizado.
A cada dia um aprendizado.A cada dia um aprendizado.
A cada dia um aprendizado.
 
O problema do ser do destino e da dor !
O problema do ser do destino e da dor !O problema do ser do destino e da dor !
O problema do ser do destino e da dor !
 
O sentido da vida
O sentido da vidaO sentido da vida
O sentido da vida
 
Aula 9-ole2013-da-vida-espirita-i
Aula 9-ole2013-da-vida-espirita-iAula 9-ole2013-da-vida-espirita-i
Aula 9-ole2013-da-vida-espirita-i
 
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritualCapitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
 
Osho - Vá Com Calma.pdf
Osho - Vá Com Calma.pdfOsho - Vá Com Calma.pdf
Osho - Vá Com Calma.pdf
 
Estudo do livro Roteiro lição 29
Estudo do livro Roteiro lição 29Estudo do livro Roteiro lição 29
Estudo do livro Roteiro lição 29
 
A grande viajem do espirito
A grande viajem do espiritoA grande viajem do espirito
A grande viajem do espirito
 

Mais de jmeirelles

Não está deprimido... estás distraído
Não está deprimido...  estás distraídoNão está deprimido...  estás distraído
Não está deprimido... estás distraído
jmeirelles
 
Caravaggio
CaravaggioCaravaggio
Caravaggio
jmeirelles
 
Beleza e sabedoria natureza e pensamento
Beleza e sabedoria   natureza e pensamentoBeleza e sabedoria   natureza e pensamento
Beleza e sabedoria natureza e pensamento
jmeirelles
 
Conspiração espiritual1
Conspiração espiritual1Conspiração espiritual1
Conspiração espiritual1
jmeirelles
 
A ponte para deus. pps
A ponte para deus. ppsA ponte para deus. pps
A ponte para deus. pps
jmeirelles
 
Condicionamento
CondicionamentoCondicionamento
Condicionamento
jmeirelles
 
Não estás deprimido imagens grandes...
Não estás deprimido imagens grandes...Não estás deprimido imagens grandes...
Não estás deprimido imagens grandes...
jmeirelles
 
Construção da felicidade
Construção da felicidadeConstrução da felicidade
Construção da felicidade
jmeirelles
 
A força do amor
A força do amorA força do amor
A força do amor
jmeirelles
 
Beleza e sabedoria natureza e pensamento
Beleza e sabedoria   natureza e pensamentoBeleza e sabedoria   natureza e pensamento
Beleza e sabedoria natureza e pensamento
jmeirelles
 
Natureza, música e reflexão
Natureza, música e reflexãoNatureza, música e reflexão
Natureza, música e reflexão
jmeirelles
 
Por que se vive3
Por que se vive3Por que se vive3
Por que se vive3
jmeirelles
 
128 não rejeites a confiança
128   não rejeites a confiança128   não rejeites a confiança
128 não rejeites a confiança
jmeirelles
 
128 não rejeites a confiança
128   não rejeites a confiança128   não rejeites a confiança
128 não rejeites a confiança
jmeirelles
 
Servir e marchar
Servir e marcharServir e marchar
Servir e marchar
jmeirelles
 
Conspiraçao espiritual
Conspiraçao espiritualConspiraçao espiritual
Conspiraçao espiritual
jmeirelles
 
Ante o sublime
Ante o sublimeAnte o sublime
Ante o sublime
jmeirelles
 
Mascara1...
Mascara1...Mascara1...
Mascara1...
jmeirelles
 
A arte de_michael_e_inassa_gamarsh2
A arte de_michael_e_inassa_gamarsh2A arte de_michael_e_inassa_gamarsh2
A arte de_michael_e_inassa_gamarsh2
jmeirelles
 
A arte de_robert_duncan
A arte de_robert_duncanA arte de_robert_duncan
A arte de_robert_duncan
jmeirelles
 

Mais de jmeirelles (20)

Não está deprimido... estás distraído
Não está deprimido...  estás distraídoNão está deprimido...  estás distraído
Não está deprimido... estás distraído
 
Caravaggio
CaravaggioCaravaggio
Caravaggio
 
Beleza e sabedoria natureza e pensamento
Beleza e sabedoria   natureza e pensamentoBeleza e sabedoria   natureza e pensamento
Beleza e sabedoria natureza e pensamento
 
Conspiração espiritual1
Conspiração espiritual1Conspiração espiritual1
Conspiração espiritual1
 
A ponte para deus. pps
A ponte para deus. ppsA ponte para deus. pps
A ponte para deus. pps
 
Condicionamento
CondicionamentoCondicionamento
Condicionamento
 
Não estás deprimido imagens grandes...
Não estás deprimido imagens grandes...Não estás deprimido imagens grandes...
Não estás deprimido imagens grandes...
 
Construção da felicidade
Construção da felicidadeConstrução da felicidade
Construção da felicidade
 
A força do amor
A força do amorA força do amor
A força do amor
 
Beleza e sabedoria natureza e pensamento
Beleza e sabedoria   natureza e pensamentoBeleza e sabedoria   natureza e pensamento
Beleza e sabedoria natureza e pensamento
 
Natureza, música e reflexão
Natureza, música e reflexãoNatureza, música e reflexão
Natureza, música e reflexão
 
Por que se vive3
Por que se vive3Por que se vive3
Por que se vive3
 
128 não rejeites a confiança
128   não rejeites a confiança128   não rejeites a confiança
128 não rejeites a confiança
 
128 não rejeites a confiança
128   não rejeites a confiança128   não rejeites a confiança
128 não rejeites a confiança
 
Servir e marchar
Servir e marcharServir e marchar
Servir e marchar
 
Conspiraçao espiritual
Conspiraçao espiritualConspiraçao espiritual
Conspiraçao espiritual
 
Ante o sublime
Ante o sublimeAnte o sublime
Ante o sublime
 
Mascara1...
Mascara1...Mascara1...
Mascara1...
 
A arte de_michael_e_inassa_gamarsh2
A arte de_michael_e_inassa_gamarsh2A arte de_michael_e_inassa_gamarsh2
A arte de_michael_e_inassa_gamarsh2
 
A arte de_robert_duncan
A arte de_robert_duncanA arte de_robert_duncan
A arte de_robert_duncan
 

Oficialmente velho

  • 1. MENSAGENS REFLEXIVAS Arte da Imagem, Arte da Música e Arte do Pensamento Arte da Imagem: recebidas da internet e Google Arte da Música: Emmanuel Arte do Pensamento: texto de Leonardo Boff OFICIALMENTE VELHO
  • 2. Leonardo Boff é professor, escritor, filósofo, teólogo, doutor em Teologia e Filosofia pela Universidade de Munique (Alemanha), doutor honoris causa em Política pela Universidade de Turim (Itália) e em Teologia pela Universidade de Lund (Suécia).
  • 3. Nascer, viver, aprender, evoluir, morrer. É a LEI. É o ciclo da vida. Para o espírito, porém, não há morte. Este o grande mistério que somente com a evolução do homem poderá ser desvendado. Diz Pietro Ubaldi: “ O ponto máximo de vossa VIDA psíquica custa a chegar e, por vezes, só aparece no fim, muito depois da juventude do viço físico, última delicada flor da alma. O verdadeiro objetivo de nossa existência, o de construirmos a nós mesmos, não pode ser alcançado no limitado número de experiências de uma só VIDA. Quanto mais nos elevamos, tanto menos estamos jungidos a formas de VIDA na matéria, e menor é a necessidade da carne, produto da conjunção sexual que é parte daquele mundo inferior e ilusório” J. Meirelles Admiremos, agora, a beleza da Natureza, que está sempre a nos mostrar a existência do ciclo da vida, e meditemos sobre o texto de Leonardo Boff, ao som de Emmanuel!
  • 4. Neste mês de dezembro completo 70 anos. Pelas condições brasileiras, me torno oficialmente velho. Isso não significa que estou próximo da morte, porque esta pode ocorrer já no primeiro momento da vida. Neste mês de dezembro completo 70 anos. Pelas condições brasileiras, me torno oficialmente velho. Isso não significa que estou próximo da morte, porque esta pode ocorrer já no primeiro momento da vida.
  • 5. Mas é uma outra etapa da vida, a derradeira. Esta possui uma dimensão biológica, pois irrefreavelmente o capital vital se esgota, nos debilitamos, perdemos o vigor dos sentidos e nos despedimos lentamente de todas as coisas. Mas é uma outra etapa da vida, a derradeira. Esta possui uma dimensão biológica, pois irrefreavelmente o capital vital se esgota, nos debilitamos, perdemos o vigor dos sentidos e nos despedimos lentamente de todas as coisas.
  • 6. De fato, ficamos mais esquecidos, quem sabe, impacientes e sensíveis a gestos de bondade que  nos levam facilmente às lágrimas.   De fato, ficamos mais esquecidos, quem sabe, impacien-tes e sensíveis a gestos de bondade que  nos levam facilmente às lágrimas.  
  • 7. Mas há um outro lado, mais instigante. A velhice é a última etapa do crescimento humano. Nós nascemos inteiros. Mas nunca estamos prontos. Mas há um outro lado, mais instigante. A velhice é a última etapa do crescimento humano. Nós nascemos inteiros. Mas nunca estamos prontos.
  • 8. Temos que completar nosso nascimento ao construir a existência, ao abrir caminhos, ao superar dificuldades e ao moldar o nosso destino. Estamos sempre em gênese. Temos que completar nosso nascimento ao construir a existência, ao abrir caminhos, ao superar dificuldades e ao moldar o nosso destino. Estamos sempre em gênese.
  • 9. Começamos a nascer, vamos nascendo em prestações ao longo da vida até acabar de nascer. Então entramos no silêncio. E morremos. Começamos a nascer, vamos nascendo em prestações ao longo da vida até acabar de nascer. Então entramos no silêncio. E morremos.
  • 10. A velhice é a última chance que a vida nos oferece para acabar de crescer, madurar e finalmente terminar de nascer. A velhice é a última chance que a vida nos oferece para acabar de crescer, madurar e finalmente terminar de nascer.
  • 11. Neste contexto, é iluminadora a palavra de São Paulo: ”na medida em que definha o homem exterior, nesta mesma medida rejuvenesce o homem interior”(2Cor 4,16). Neste contexto, é iluminadora a palavra de São Paulo: ”na medida em que definha o homem exterior, nesta mesma medida rejuvenesce o homem interior”(2Cor 4,16).
  • 12. A velhice é uma exigência do homem interior. Que é o homem interior? É o nosso eu profundo, o nosso modo singular de ser e de agir, a nossa marca registrada, a nossa identidade mais radical. Esta identidade devemos encará-la face a face. A velhice é uma exigência do homem interior. Que é o homem interior? É o nosso eu profundo, o nosso modo singular de ser e de agir, a nossa marca registrada, a nossa identidade mais radical. Esta identidade devemos encará-la face a face.
  • 13. Ela é pessoalíssima e se esconde atrás de muitas máscaras que a vida nos impõe. Pois a vida é um teatro no qual  desempenhamos muitos papéis. Ela é pessoalíssima e se esconde atrás de muitas másca-ras que a vida nos impõe. Pois a vida é um teatro no qual  desempenhamos muitos papéis.
  • 14. Eu, por exemplo, fui franciscano, padre, agora leigo, teólogo, filósofo, professor, conferencista, escritor, editor, redator de algumas revistas, inquiri-do pelas autoridades doutrinais do Vaticano, submetido ao “silêncio obsequioso” e outros papéis mais. Mas há um momento em que tudo isso é relativizado e vira pura palha.
  • 15. Então deixamos o palco, tiramos as máscaras e nos perguntamos: Afinal, quem sou eu? Que sonhos me movem? Que anjos que habitam? Que demônios me atormentam? Qual é o meu lugar no desígnio do Mistério? Então deixamos o palco, tiramos as máscaras e nos perguntamos: Afinal, quem sou eu? Que sonhos me movem? Que anjos que habitam? Que demônios me atormentam? Qual é o meu lugar no desígnio do Mistério?
  • 16. Na medida em que tentamos, com temor e tremor, responder a estas indagações vem à lume o homem interior. A resposta nunca é conclusiva; perde-se para dentro do Inefável. Na medida em que tentamos, com temor e tremor, responder a estas indagações vem à lume o homem interior. A resposta nunca é conclusiva; perde-se para dentro do Inefável.
  • 17. Este é o desafio para a etapa da velhice. Então nos damos conta de que precisaríamos muitos anos de velhice para encontrar a palavra essencial que nos defina. Este é o desafio para a etapa da velhice. Então nos damos conta de que precisaríamos muitos anos de velhice para encontrar a palavra essencial que nos defina.
  • 18. Surpresos, descobrimos que não vivemos porque simplesmente não morremos, mas vivemos para pensar, meditar, rasgar novos horizontes e criar sentidos de vida. Surpresos, descobrimos que não vivemos porque simplesmente não morremos, mas vivemos para pensar, meditar, rasgar novos horizontes e criar sentidos de vida.
  • 19. Especialmente para tentar fazer uma síntese final, integrando as sombras, realimentando os sonhos que nos sustentaram por toda uma vida, reconciliando-nos com os fracassos e buscando sabedoria. Especialmente para tentar fazer uma síntese final, inte-grando as sombras, realimentando os sonhos que nos sustentaram por toda uma vida, reconciliando-nos com os fracassos e buscando sabedoria.
  • 20. É ilusão pensar que esta vem com a velhice. Ela vem do espírito com o qual vivenciamos a velhice como a etapa final do crescimento e de nosso verdadeiro Natal. É ilusão pensar que esta vem com a velhice. Ela vem do espírito com o qual vivenciamos a velhice como a etapa final do crescimento e de nosso verdadeiro Natal.
  • 21. Por fim, importa preparar o grande Encontro. A vida não é estruturada para terminar na morte mas para se transfigurar através da morte. Por fim, importa preparar o grande Encontro. A vida não é estruturada para terminar na morte mas para se transfigu-rar através da morte.
  • 22. Morremos para viver mais e melhor, para mergulhar na eternidade e encontrar a Última Realidade, feita de amor e de misericórdia. Ai saberemos finalmente quem somos e qual é o nosso verdadeiro nome. Morremos para viver mais e melhor, para mergulhar na eternidade e encontrar a Última Realidade, feita de amor e de misericórdia. Ai saberemos finalmente quem somos e qual é o nosso verdadeiro nome.
  • 23. Nutro o mesmo sentimento que o sábio do Antigo Testamento: ”contemplo os dias passados e tenho os olhos voltados para a eternidade”. Nutro o mesmo sentimento que o sábio do Antigo Testa-mento: ”contemplo os dias passados e tenho os olhos voltados para a eternidade”.
  • 24. Por fim, alimento dois sonhos, sonhos de um jovem ancião: o primeiro é escrever um livro só para Deus, se possível com o próprio sangue; Por fim, alimento dois sonhos, sonhos de um jovem ancião: o primeiro é escrever um livro só para Deus, se possível com o próprio sangue;
  • 25. e o segundo, impossível, mas bem expresso por Herzer, menina de rua e poetisa:”eu só queria nascer de novo, para me ensinar a viver”. e o segundo, impossível, mas bem expresso por Herzer, menina de rua e poetisa:”eu só queria nascer de novo, para me ensinar a viver”.
  • 26. Mas como isso é irrealizável, só me resta aprender na escola de Deus. Parafraseando Camões, completo: mais vivera se não fora, para tão longo ideal, tão curta a vida. Mas como isso é irrealizável, só me resta aprender na escola de Deus. Parafraseando Camões, completo: mais vivera se não fora, para tão longo ideal, tão curta a vida.
  • 27. IMAGENS: recebidas por e.mail MÚSICA: Emmanuel - Almas Gêmeas FORMATAÇÃO: J. Meirelles celjm@uol.com.br www.jmeirelles.wordpress.com