SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
O Pinto Borrachudo
Adolfo Coelho
Ilustração: Alunos da EB1 da Vermiosa
O Pinto Borrachudo
Adolfo Coelho
Ilustração: Alunos da EB1 da Vermiosa
Era uma vez um pinto borrachudo que andava a esgravatar num monte de
terra e achou lá uma bolsa de moedas e disse:
– Vou levar esta bolsa ao rei.
Pôs-se a caminho com a bolsa no bico; mas, como tivesse de atravessar um
rio e não pudesse, disse:
– Ó rio, arreda-te para eu passar!
Mas o rio continuou a correr e ele bebeu a água toda.
Foi mais para diante e viu uma raposa no caminho e disse-lhe:
– Deixa-me passar!
Como a raposa não se moveu, comeu-a.
Foi andando e encontrou um pinheiro e disse-lhe:
– Arruma-te para eu passar.
Como ele não se arrumasse, engoliu-o.
Mais adiante encontrou um lobo e comeu-o; depois encontrou uma coruja e
fez-lhe o mesmo.
Chegado ao palácio do rei, disse que lhe queria falar e entregou-lhe a bolsa das moedas.
O rei ordenou logo que o metessem na capoeira das galinhas e que o tratassem muito
bem. O borrachudo, logo que ali se viu, começou a cantar:
– Qui qui ri qui! Minha bolsa de moedas quero para aqui!
Como visse que lha não levavam, lançou a raposa que tinha engolido, e ela comeu as
galinhas todas.
.
Foram dar parte ao rei do sucedido e ele ordenou que metessem o borrachudo dentro da
copeira. Cumpriram-se as ordens, mas o borrachudo continuou sempre a cantar:
– Qui qui ri qui! Minha bolsa de moedas quero para aqui!
Depois, como não lhe levassem o dinheiro, lançou o pinheiro e os copos da copeira foram
todos quebrados.
Então o rei ordenou que metessem o borrachudo na cavalariça, e ele sempre
cantando:
– Qui qui ri qui! Minha bolsa de moedas quero para aqui!
Lançou fora o lobo e o lobo comeu os cavalos.
O rei mandou então que o metessem no pote do azeite, mas ele lançou lá a
coruja e ela bebeu o azeite.
Então o rei, não sabendo já o que havia de fazer, mandou que aquecessem o
forno e que metessem lá o borrachudo; mas ele, mesmo dentro do forno, começou a
gritar:
– Qui qui ri qui! Minha bolsa de moedas quero para aqui!
E foi lançando a água do rio que tinha bebido; e já o palácio do rei estava a
afundar-se, quando o rei ordenou que fossem levar a bolsa de moedas ao borrachudo e
o mandassem embora, antes que ele lançasse o rio todo.
E lá se foi embora outra vez o borrachudo com a bolsa de moedas no bico.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A ovelhinha-que-veio-para-jantar
A ovelhinha-que-veio-para-jantarA ovelhinha-que-veio-para-jantar
A ovelhinha-que-veio-para-jantar
Ofelia Liborio
 
O coelhinho branco guiao de leitura2
O coelhinho branco   guiao de leitura2O coelhinho branco   guiao de leitura2
O coelhinho branco guiao de leitura2
Paula Carvalho
 
O baile dos 3 porquinhos
O baile dos 3 porquinhosO baile dos 3 porquinhos
O baile dos 3 porquinhos
Danyela25
 
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempreNatal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Marisol Santos
 
O sapo-apaixonado[1]
O sapo-apaixonado[1]O sapo-apaixonado[1]
O sapo-apaixonado[1]
teresastrecht
 
Papá, diz me porquê...
Papá, diz me porquê...Papá, diz me porquê...
Papá, diz me porquê...
Sílvia Bastos
 
O baile dos 3 porquinhos
O baile dos 3 porquinhosO baile dos 3 porquinhos
O baile dos 3 porquinhos
Maria Pereira
 
Historia ouriço mal_ penteado
Historia ouriço mal_ penteadoHistoria ouriço mal_ penteado
Historia ouriço mal_ penteado
Natalia Pina
 
Power Point Sapo Apaixonado!
Power Point Sapo Apaixonado!Power Point Sapo Apaixonado!
Power Point Sapo Apaixonado!
guest0bf490
 

Mais procurados (20)

Um lobo culto
Um lobo cultoUm lobo culto
Um lobo culto
 
A ovelhinha-que-veio-para-jantar
A ovelhinha-que-veio-para-jantarA ovelhinha-que-veio-para-jantar
A ovelhinha-que-veio-para-jantar
 
Ciclo do azeite
Ciclo do azeiteCiclo do azeite
Ciclo do azeite
 
A raposa e as uvas
A raposa e as uvasA raposa e as uvas
A raposa e as uvas
 
O coelhinho branco guiao de leitura2
O coelhinho branco   guiao de leitura2O coelhinho branco   guiao de leitura2
O coelhinho branco guiao de leitura2
 
O baile dos 3 porquinhos
O baile dos 3 porquinhosO baile dos 3 porquinhos
O baile dos 3 porquinhos
 
Um bocadinho de inverno
Um bocadinho de invernoUm bocadinho de inverno
Um bocadinho de inverno
 
O leão que temos cá dentro
O leão que temos cá dentroO leão que temos cá dentro
O leão que temos cá dentro
 
Corre cabacinha
Corre cabacinhaCorre cabacinha
Corre cabacinha
 
Adivinha o quanto te amo livro
Adivinha o quanto te amo livroAdivinha o quanto te amo livro
Adivinha o quanto te amo livro
 
A história da galinha medrosa
A história da galinha medrosaA história da galinha medrosa
A história da galinha medrosa
 
Os ovos misteriosos guião leitura 2ºano
Os ovos misteriosos   guião leitura 2ºanoOs ovos misteriosos   guião leitura 2ºano
Os ovos misteriosos guião leitura 2ºano
 
História de outono
História de outonoHistória de outono
História de outono
 
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempreNatal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempre
 
O sapo-apaixonado[1]
O sapo-apaixonado[1]O sapo-apaixonado[1]
O sapo-apaixonado[1]
 
Papá, diz me porquê...
Papá, diz me porquê...Papá, diz me porquê...
Papá, diz me porquê...
 
O baile dos 3 porquinhos
O baile dos 3 porquinhosO baile dos 3 porquinhos
O baile dos 3 porquinhos
 
Uma Vaca De Estimação
Uma Vaca De EstimaçãoUma Vaca De Estimação
Uma Vaca De Estimação
 
Historia ouriço mal_ penteado
Historia ouriço mal_ penteadoHistoria ouriço mal_ penteado
Historia ouriço mal_ penteado
 
Power Point Sapo Apaixonado!
Power Point Sapo Apaixonado!Power Point Sapo Apaixonado!
Power Point Sapo Apaixonado!
 

Mais de 12_A

O Elefante Cor-de-Rosa
O Elefante Cor-de-RosaO Elefante Cor-de-Rosa
O Elefante Cor-de-Rosa
12_A
 
Estranhões e Bizarrocos
Estranhões e BizarrocosEstranhões e Bizarrocos
Estranhões e Bizarrocos
12_A
 
A Ovelhinha Preta
A Ovelhinha PretaA Ovelhinha Preta
A Ovelhinha Preta
12_A
 
25 de Abril 6.º C
25 de Abril 6.º C25 de Abril 6.º C
25 de Abril 6.º C
12_A
 
O soldado e o capitão os cravos e o povão
O soldado e o capitão os cravos e o povãoO soldado e o capitão os cravos e o povão
O soldado e o capitão os cravos e o povão
12_A
 
P.S. I Love You
P.S. I Love YouP.S. I Love You
P.S. I Love You
12_A
 
Crystal natal john lennon - feliz natal
Crystal natal   john lennon - feliz natalCrystal natal   john lennon - feliz natal
Crystal natal john lennon - feliz natal
12_A
 
A Cidade dos Deuses Selvagens
A Cidade dos Deuses SelvagensA Cidade dos Deuses Selvagens
A Cidade dos Deuses Selvagens
12_A
 
Escândalo
EscândaloEscândalo
Escândalo
12_A
 
Of circular no 12 (1)
Of circular no 12 (1)Of circular no 12 (1)
Of circular no 12 (1)
12_A
 
F cívica_versão homologada
 F cívica_versão homologada F cívica_versão homologada
F cívica_versão homologada
12_A
 
Dia mundial da_bolota_2x
Dia mundial da_bolota_2xDia mundial da_bolota_2x
Dia mundial da_bolota_2x
12_A
 
Dia mundial da_bolota_2x
Dia mundial da_bolota_2xDia mundial da_bolota_2x
Dia mundial da_bolota_2x
12_A
 

Mais de 12_A (20)

Os tres porquinhos - Jardim da Vermiosa
Os tres porquinhos - Jardim da VermiosaOs tres porquinhos - Jardim da Vermiosa
Os tres porquinhos - Jardim da Vermiosa
 
Síntese
SínteseSíntese
Síntese
 
Estrutura de 'Mensagem'
Estrutura de 'Mensagem'Estrutura de 'Mensagem'
Estrutura de 'Mensagem'
 
O senhor do seu nariz
O senhor do seu narizO senhor do seu nariz
O senhor do seu nariz
 
O Elefante Cor-de-Rosa
O Elefante Cor-de-RosaO Elefante Cor-de-Rosa
O Elefante Cor-de-Rosa
 
Estranhões e Bizarrocos
Estranhões e BizarrocosEstranhões e Bizarrocos
Estranhões e Bizarrocos
 
A Ovelhinha Preta
A Ovelhinha PretaA Ovelhinha Preta
A Ovelhinha Preta
 
25 de Abril 6.º C
25 de Abril 6.º C25 de Abril 6.º C
25 de Abril 6.º C
 
O soldado e o capitão os cravos e o povão
O soldado e o capitão os cravos e o povãoO soldado e o capitão os cravos e o povão
O soldado e o capitão os cravos e o povão
 
P.S. I Love You
P.S. I Love YouP.S. I Love You
P.S. I Love You
 
Crystal natal john lennon - feliz natal
Crystal natal   john lennon - feliz natalCrystal natal   john lennon - feliz natal
Crystal natal john lennon - feliz natal
 
A Cidade dos Deuses Selvagens
A Cidade dos Deuses SelvagensA Cidade dos Deuses Selvagens
A Cidade dos Deuses Selvagens
 
Escândalo
EscândaloEscândalo
Escândalo
 
Matemática
MatemáticaMatemática
Matemática
 
Matrix port 9.º ano
Matrix port 9.º anoMatrix port 9.º ano
Matrix port 9.º ano
 
Exame de Português 2011 - Matriz
Exame de Português 2011 - MatrizExame de Português 2011 - Matriz
Exame de Português 2011 - Matriz
 
Of circular no 12 (1)
Of circular no 12 (1)Of circular no 12 (1)
Of circular no 12 (1)
 
F cívica_versão homologada
 F cívica_versão homologada F cívica_versão homologada
F cívica_versão homologada
 
Dia mundial da_bolota_2x
Dia mundial da_bolota_2xDia mundial da_bolota_2x
Dia mundial da_bolota_2x
 
Dia mundial da_bolota_2x
Dia mundial da_bolota_2xDia mundial da_bolota_2x
Dia mundial da_bolota_2x
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Último (20)

o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 

O pinto borrachudo

  • 1. O Pinto Borrachudo Adolfo Coelho Ilustração: Alunos da EB1 da Vermiosa O Pinto Borrachudo Adolfo Coelho Ilustração: Alunos da EB1 da Vermiosa
  • 2. Era uma vez um pinto borrachudo que andava a esgravatar num monte de terra e achou lá uma bolsa de moedas e disse: – Vou levar esta bolsa ao rei.
  • 3. Pôs-se a caminho com a bolsa no bico; mas, como tivesse de atravessar um rio e não pudesse, disse: – Ó rio, arreda-te para eu passar! Mas o rio continuou a correr e ele bebeu a água toda.
  • 4. Foi mais para diante e viu uma raposa no caminho e disse-lhe: – Deixa-me passar! Como a raposa não se moveu, comeu-a.
  • 5. Foi andando e encontrou um pinheiro e disse-lhe: – Arruma-te para eu passar. Como ele não se arrumasse, engoliu-o.
  • 6. Mais adiante encontrou um lobo e comeu-o; depois encontrou uma coruja e fez-lhe o mesmo.
  • 7. Chegado ao palácio do rei, disse que lhe queria falar e entregou-lhe a bolsa das moedas. O rei ordenou logo que o metessem na capoeira das galinhas e que o tratassem muito bem. O borrachudo, logo que ali se viu, começou a cantar: – Qui qui ri qui! Minha bolsa de moedas quero para aqui!
  • 8. Como visse que lha não levavam, lançou a raposa que tinha engolido, e ela comeu as galinhas todas.
  • 9. . Foram dar parte ao rei do sucedido e ele ordenou que metessem o borrachudo dentro da copeira. Cumpriram-se as ordens, mas o borrachudo continuou sempre a cantar: – Qui qui ri qui! Minha bolsa de moedas quero para aqui! Depois, como não lhe levassem o dinheiro, lançou o pinheiro e os copos da copeira foram todos quebrados.
  • 10. Então o rei ordenou que metessem o borrachudo na cavalariça, e ele sempre cantando: – Qui qui ri qui! Minha bolsa de moedas quero para aqui! Lançou fora o lobo e o lobo comeu os cavalos.
  • 11. O rei mandou então que o metessem no pote do azeite, mas ele lançou lá a coruja e ela bebeu o azeite.
  • 12. Então o rei, não sabendo já o que havia de fazer, mandou que aquecessem o forno e que metessem lá o borrachudo; mas ele, mesmo dentro do forno, começou a gritar: – Qui qui ri qui! Minha bolsa de moedas quero para aqui!
  • 13. E foi lançando a água do rio que tinha bebido; e já o palácio do rei estava a afundar-se, quando o rei ordenou que fossem levar a bolsa de moedas ao borrachudo e o mandassem embora, antes que ele lançasse o rio todo. E lá se foi embora outra vez o borrachudo com a bolsa de moedas no bico.