SlideShare uma empresa Scribd logo
Era uma vez, há muitos e muitos anos, na Alemanha
um burro, que de burro não tinha nada. Quer dizer, ele
tinha quatro patas, um rabo e duas orelhas compridas.
Mas esse burro, além de inteligente, tinha muito talento
musical.
Depois de trabalhar desde pequeno para um pastor
muito mau, o pastor decidiu vende-lo, pois achava
que ele estava muito velho e já não servia para
nada.
O burro, desconfiado que o novo dono lhe podia
fazer mal, decidiu fugir…
e ir para uma cidade chamada Bremen, pois lá havia
muitos músicos e ele queria tornar-se um deles.
No caminho, o burro ao passar por uma quinta que
por ali havia, o burro encontrou um cão que fugia a
correr de um homem que lhe queria fazer mal.
O cão conseguiu escapar e como o burro queria formar
uma banda, convidou o cão.
A ideia agradou ao cão e os dois seguiram caminho
para Bremen.
Pouco tempo depois, encontraram um gato com os
olhos cheios de lágrimas em cima de um muro.
Disseram-lhe que iam para Bremen, que era a terra
dos músicos e que estavam a formar uma banda.
Como o gato já era velho, e já não consiga apanhar
ratos, achou a ideia ótima e juntou-se ao cão e ao
burro.
No caminho ouviram um galo a cantar. Ao ouvir a sua
voz, acharam que ele era um excelente cantor, mas o
galo estava a cantar muito triste.
O burro, o cão e o gato convidaram o galo para entrar
na banda deles.
O galo como já era velho e tinha medo de o assarem
no forno, achou a ideia ótima e juntou-se a eles.
Mas a cidade ainda era distante e já era noite.
Os quatro amigos, cansados e esfomeados, resolveram
procurar um lugar para descansar. Junto à estrada, havia
uma casa que parecia abandonada, mas tinha uma janela
iluminada.
Os amigos aproximaram-se da janela e viram um grupo
de ladrões sentados à volta de uma mesa cheia de
comida.
Os quatro amigos resolveram, então, inventar um plano.
O cão subiu para as costas do cavalo, o gato para o
pescoço do cão e o galo voou para cima do gato.
Com o burro a comandar, puseram-se todos a cantar e,
com um salto, entraram na casa, partindo a janela.
Ouvindo aquele terrível estrondo, os ladrões julgavam que
lhes tinha aparecido um monstro de quatro cabeças.
Fugiram apavorados, deixando para trás a mesa com
todas aquelas iguarias!
Os quatro amigos pregaram-lhes uma boa partida. O
seu plano resultou na perfeição!
Comeram tanto que não voltaram a pensar na
viagem para Bremen e permaneceram felizes e
contentes naquela casa abandonada à beira da
estrada o resto das suas vidas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eu e o meu pai
Eu e o meu paiEu e o meu pai
Eu e o meu pai
Patricia Carvalho
 
O pai galinha e o filho pintainho
O pai galinha e o filho pintainhoO pai galinha e o filho pintainho
O pai galinha e o filho pintainho
Any Tabuada
 
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempreNatal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Marisol Santos
 
A oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdfA oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdf
Isa Crowe
 
Historia " Os Nossos Amigos Animais"
Historia " Os Nossos Amigos Animais"Historia " Os Nossos Amigos Animais"
Historia " Os Nossos Amigos Animais"
bibdjosei
 
Rita não grita!
Rita não grita!Rita não grita!
Rita não grita!
Dulcilene Figueiredo
 
O nome da gente- PEDRO BANDEIRA
O nome da gente- PEDRO BANDEIRAO nome da gente- PEDRO BANDEIRA
O nome da gente- PEDRO BANDEIRA
Karla Karla
 
História das figuras geométricas
História das figuras geométricasHistória das figuras geométricas
História das figuras geométricas
carlasusanafontoura
 
A HISTORIA DE UMA ARVORE
A HISTORIA DE UMA ARVOREA HISTORIA DE UMA ARVORE
A HISTORIA DE UMA ARVORE
Marisa Seara
 
Histórias para todas as letras
Histórias para todas as letrasHistórias para todas as letras
Histórias para todas as letras
Professora
 
A gotinha Plim Plim, de Gerusa Rodrigues Pinto
A gotinha Plim Plim, de Gerusa Rodrigues PintoA gotinha Plim Plim, de Gerusa Rodrigues Pinto
A gotinha Plim Plim, de Gerusa Rodrigues Pinto
Elisangela Terra
 
A galinha ruiva
A galinha ruivaA galinha ruiva
A galinha ruiva
Bertilia Madeira
 
Coelhinho branco
Coelhinho brancoCoelhinho branco
Coelhinho branco
Ana Paula Chaínho
 
Meninos de todas as cores
Meninos de todas as coresMeninos de todas as cores
Meninos de todas as cores
Lúcia Cruz
 
Até as Princesas Soltam Pum
Até as Princesas Soltam PumAté as Princesas Soltam Pum
Até as Princesas Soltam Pum
mariaelidias
 
NinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
NinguéM Dá Prendas Ao Pai NatalNinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
NinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
daliatrigo
 
Historia palhaço geométrico
Historia palhaço geométricoHistoria palhaço geométrico
Historia palhaço geométrico
Ines Martins
 
Coração de Mãe
Coração de MãeCoração de Mãe
Coração de Mãe
Pedro Moura
 
A árvore generosa
A árvore generosaA árvore generosa
A árvore generosa
Vera Monteiro
 

Mais procurados (20)

Eu e o meu pai
Eu e o meu paiEu e o meu pai
Eu e o meu pai
 
O pai galinha e o filho pintainho
O pai galinha e o filho pintainhoO pai galinha e o filho pintainho
O pai galinha e o filho pintainho
 
Natal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempreNatal conto melhor-natal-de-sempre
Natal conto melhor-natal-de-sempre
 
A oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdfA oficina do pai natal- pdf
A oficina do pai natal- pdf
 
Historia " Os Nossos Amigos Animais"
Historia " Os Nossos Amigos Animais"Historia " Os Nossos Amigos Animais"
Historia " Os Nossos Amigos Animais"
 
Rita não grita!
Rita não grita!Rita não grita!
Rita não grita!
 
O nome da gente- PEDRO BANDEIRA
O nome da gente- PEDRO BANDEIRAO nome da gente- PEDRO BANDEIRA
O nome da gente- PEDRO BANDEIRA
 
História das figuras geométricas
História das figuras geométricasHistória das figuras geométricas
História das figuras geométricas
 
A HISTORIA DE UMA ARVORE
A HISTORIA DE UMA ARVOREA HISTORIA DE UMA ARVORE
A HISTORIA DE UMA ARVORE
 
Nem todas as girafas são iguais
Nem todas as girafas são iguaisNem todas as girafas são iguais
Nem todas as girafas são iguais
 
Histórias para todas as letras
Histórias para todas as letrasHistórias para todas as letras
Histórias para todas as letras
 
A gotinha Plim Plim, de Gerusa Rodrigues Pinto
A gotinha Plim Plim, de Gerusa Rodrigues PintoA gotinha Plim Plim, de Gerusa Rodrigues Pinto
A gotinha Plim Plim, de Gerusa Rodrigues Pinto
 
A galinha ruiva
A galinha ruivaA galinha ruiva
A galinha ruiva
 
Coelhinho branco
Coelhinho brancoCoelhinho branco
Coelhinho branco
 
Meninos de todas as cores
Meninos de todas as coresMeninos de todas as cores
Meninos de todas as cores
 
Até as Princesas Soltam Pum
Até as Princesas Soltam PumAté as Princesas Soltam Pum
Até as Princesas Soltam Pum
 
NinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
NinguéM Dá Prendas Ao Pai NatalNinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
NinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
 
Historia palhaço geométrico
Historia palhaço geométricoHistoria palhaço geométrico
Historia palhaço geométrico
 
Coração de Mãe
Coração de MãeCoração de Mãe
Coração de Mãe
 
A árvore generosa
A árvore generosaA árvore generosa
A árvore generosa
 

Semelhante a A história "Os músicos de Bremen"

Contos Tradicionais
Contos TradicionaisContos Tradicionais
Contos Tradicionais
bibliotecasalir
 
Confabulando com Fábulas
Confabulando com FábulasConfabulando com Fábulas
Confabulando com Fábulas
silviaholanda
 
Confabulando com fabulas
Confabulando com fabulasConfabulando com fabulas
Confabulando com fabulas
silviaholanda
 
O Cachorroecoelho
O CachorroecoelhoO Cachorroecoelho
O Cachorroecoelho
Psiquismo Desmistificado
 
Pedro E O Lobo Novo
Pedro E O Lobo NovoPedro E O Lobo Novo
Pedro E O Lobo Novo
Mónica Vieira
 
O CãO E O Coelho
O CãO E O CoelhoO CãO E O Coelho
O CãO E O Coelho
Severo Moreira
 
O Cachorro e o Coelho (Uma lição à vida)
O Cachorro e o Coelho (Uma lição à vida)O Cachorro e o Coelho (Uma lição à vida)
O Cachorro e o Coelho (Uma lição à vida)
Adilson P Motta Motta
 

Semelhante a A história "Os músicos de Bremen" (7)

Contos Tradicionais
Contos TradicionaisContos Tradicionais
Contos Tradicionais
 
Confabulando com Fábulas
Confabulando com FábulasConfabulando com Fábulas
Confabulando com Fábulas
 
Confabulando com fabulas
Confabulando com fabulasConfabulando com fabulas
Confabulando com fabulas
 
O Cachorroecoelho
O CachorroecoelhoO Cachorroecoelho
O Cachorroecoelho
 
Pedro E O Lobo Novo
Pedro E O Lobo NovoPedro E O Lobo Novo
Pedro E O Lobo Novo
 
O CãO E O Coelho
O CãO E O CoelhoO CãO E O Coelho
O CãO E O Coelho
 
O Cachorro e o Coelho (Uma lição à vida)
O Cachorro e o Coelho (Uma lição à vida)O Cachorro e o Coelho (Uma lição à vida)
O Cachorro e o Coelho (Uma lição à vida)
 

Último

Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 

Último (20)

Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 

A história "Os músicos de Bremen"

  • 1.
  • 2. Era uma vez, há muitos e muitos anos, na Alemanha um burro, que de burro não tinha nada. Quer dizer, ele tinha quatro patas, um rabo e duas orelhas compridas. Mas esse burro, além de inteligente, tinha muito talento musical.
  • 3. Depois de trabalhar desde pequeno para um pastor muito mau, o pastor decidiu vende-lo, pois achava que ele estava muito velho e já não servia para nada.
  • 4. O burro, desconfiado que o novo dono lhe podia fazer mal, decidiu fugir…
  • 5. e ir para uma cidade chamada Bremen, pois lá havia muitos músicos e ele queria tornar-se um deles.
  • 6. No caminho, o burro ao passar por uma quinta que por ali havia, o burro encontrou um cão que fugia a correr de um homem que lhe queria fazer mal.
  • 7. O cão conseguiu escapar e como o burro queria formar uma banda, convidou o cão. A ideia agradou ao cão e os dois seguiram caminho para Bremen.
  • 8. Pouco tempo depois, encontraram um gato com os olhos cheios de lágrimas em cima de um muro. Disseram-lhe que iam para Bremen, que era a terra dos músicos e que estavam a formar uma banda.
  • 9. Como o gato já era velho, e já não consiga apanhar ratos, achou a ideia ótima e juntou-se ao cão e ao burro.
  • 10. No caminho ouviram um galo a cantar. Ao ouvir a sua voz, acharam que ele era um excelente cantor, mas o galo estava a cantar muito triste. O burro, o cão e o gato convidaram o galo para entrar na banda deles.
  • 11. O galo como já era velho e tinha medo de o assarem no forno, achou a ideia ótima e juntou-se a eles.
  • 12. Mas a cidade ainda era distante e já era noite. Os quatro amigos, cansados e esfomeados, resolveram procurar um lugar para descansar. Junto à estrada, havia uma casa que parecia abandonada, mas tinha uma janela iluminada.
  • 13. Os amigos aproximaram-se da janela e viram um grupo de ladrões sentados à volta de uma mesa cheia de comida.
  • 14. Os quatro amigos resolveram, então, inventar um plano. O cão subiu para as costas do cavalo, o gato para o pescoço do cão e o galo voou para cima do gato.
  • 15. Com o burro a comandar, puseram-se todos a cantar e, com um salto, entraram na casa, partindo a janela. Ouvindo aquele terrível estrondo, os ladrões julgavam que lhes tinha aparecido um monstro de quatro cabeças. Fugiram apavorados, deixando para trás a mesa com todas aquelas iguarias!
  • 16. Os quatro amigos pregaram-lhes uma boa partida. O seu plano resultou na perfeição! Comeram tanto que não voltaram a pensar na viagem para Bremen e permaneceram felizes e contentes naquela casa abandonada à beira da estrada o resto das suas vidas.