SlideShare uma empresa Scribd logo
Contos Gauchescos, de João Simões Lopes Neto

                         BATENDO ORELHA!…

       Nasceu o potrilho, lindo e gordo, filho de égua boa leiteira, crioula de
campo de lei.
       O guri era mimoso, dormindo em cama limpa e comendo em mesa farta.
       Já de sobreano fizeram uma recolhida grande, sentaram-lhe uns pealos,
pertaram-no pelas orelhas e pelacola e a marca em brasa chiou-lhe na
picanha.
       Andaria nos oito anos quando meteram-lhe nas mãos a cartilha das
letras e o mestre-régio começou a indicarlheas unhas, de palmatoadas.
       O potrilho couceou, na marca. O menino meteu fios de cabelo nos olhos
da santa-luzia...
       Em potranco acompanhava a manada e retouçava com as potrancas,
sem mal nenhum.
       O rapazinho rezava o terço e brincava de esconder com as meninas… o
que custou-lhe uma sapeca de varade marmeleiro.
       Quando o potrilho foi-se enfeitando para repontar, o pastor velho meteu-
lhe os cascos e mais, a dente, botou-ocampo fora: fosse rufiar lá longe!...
       O gurizote, já taludo, quis passar-se de mais com uma prima...; o tio
deu-lhe um chá-de-casca-de-vaca, quesaiu cinza e fedeu a rato!...
       O potro andava corrido, farejando... Mas nem uma petiça arrastadeira
d’água e poronguda, achou, paraconsolo da vida. Té que o caparam.
       O mocito, que era pimpão, foi mandado incorporar. Sentaram-lhe a farda
no lombo.
       Mal sarou da ferida o potro foi pegado: corcoveou, berrou; quebraram-
lhe a boca a tirões, dividiram-lhe abarriga com a cincha; quis planchar-se, e
lanharam-lhe as virilhas a rebenque e as paletas a roseta de espora.Tiraram-
lhe as cócegas... Ficou redomão.
       O recruta marcou passo, horas, pra aprender; entrou na forma; agüentou
descomposturas; deu umasbofetadas num cabo e gurniu solitária e guarda
dobrada, por quinze dias. Cortaram-lhe os cabelos à escovinha eficou
apontado. Era o faxineiro do esquadrão.
       Houve uns apuros de precisão… O rocim foi vendido em lote, para o
regimento.
       Tocou a reunir: era uma ordem de marcha, urgente. O faxineiro recebeu
lança, espadão e tercerola.
       Quando a cavalhada chegou o primeiro serviço dos sargentos foi
assinalar os novos; era simples e ligeiro: umtalho de faca na orelha, rachando-
a. Bagual assim, viravareiúno.
       Quando tocou o bota-sela, o faxineiro estava na porteira, de buçal na
mão, esperando a vez. O laçador laçava,chamava a praça e esta enfrenava... e
cada um roia o osso que lhe tocava.
       — Chê! Enfrena!...
       Foi o reiúno que caiu pro recruta.
       Aí se juntaram os dois parecidos, o bicho e o homem. E a sorte levou os
dois, de parceria, pelo tempo adiante.Curtiram fome, juntos, cada um, do seu
comer, E sede. E frio. E cansaço, mataduras e manqueiras; cheiros depólvora
e respingos de sangue, barulho de músicas, tronar grosso e pipoquear, nas
guerrilhas.
       E de saúde, assim, assim... Um teve sarnagem, o outro
apanhoumuquiranas; se um batia a mutuca, o outrocaçava as pulgas.
       Quando, no verão, o reiúnopelechava, também o faxineiro deixava de
sofrer dores de dentes.
       Passados anos o mancarrão já nem engordava mais, e todo ovado
estava. O fiscal do regimento, sem umapalavra de — Deus te pague —
mandou vendê-lo em leilão, como um cisco da estrebaria. Um carroceiro
comprou-o,por patacão e meio, com as ferraduras.
       Passados anos o praça aquele teve baixa, por incapaz, com o bofe em
petição de miséria; e saiu da fileirasem mais família e sem saber oficio. Saiu
com cinco patacas, de resto do soldo, e sem o capote. Foi então sercarregador
de esquina.
       O reiúno apanhava do carroceiro, como boi ladrão!
       O carregador levava dos fregueses descompostura, de criar bicho!
       O reiúno deu em empacar.
       O carregador pegou a traguear.
       O carroceiro um dia, furioso, meteu o cabo do relho entre as orelhas do
empacador e... matou-o.
       A policia uma noite prendeu o borrachão, que resistiu, entonado;
apanhou estouros… e foi para o hospital,
golfando sangue; e esticou o molambo.
       O engraçado é que há gente que se julga muito superior aos reiúnos; e
sabe lá quanto reiúno inveja a sorte da
gente...


Fonte:
LOPES NETO, João Simões. Contos gauchescos. 9.ed., Porto Alegre:
Martins Livreiro, 1998.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O cangaço
O cangaçoO cangaço
O cangaço
Gabriela Matias
 
Descolonização
DescolonizaçãoDescolonização
Descolonização
Carlos Vieira
 
Factores Externos Que Constituem ObstáCulos Ao Desenvolvimento
Factores Externos Que Constituem ObstáCulos Ao DesenvolvimentoFactores Externos Que Constituem ObstáCulos Ao Desenvolvimento
Factores Externos Que Constituem ObstáCulos Ao Desenvolvimento
Pedui
 
Guerra De Canudos.
Guerra De Canudos.Guerra De Canudos.
Guerra De Canudos.
guesteb159
 
Presença indígena na formação do Brasil
Presença indígena na formação do BrasilPresença indígena na formação do Brasil
Presença indígena na formação do Brasil
MarinaMarcos
 
A Convenção Nacional-Revolução Francesa.8 ano.
A Convenção Nacional-Revolução Francesa.8 ano.A Convenção Nacional-Revolução Francesa.8 ano.
A Convenção Nacional-Revolução Francesa.8 ano.
nicollegouveia
 
Descolonização
DescolonizaçãoDescolonização
Descolonização
Jorge Miklos
 
Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território PNPOT
Programa Nacional da Política de  Ordenamento do Território  PNPOT Programa Nacional da Política de  Ordenamento do Território  PNPOT
Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território PNPOT
Cláudio Carneiro
 
O mundo após a II guerra mundial
O mundo após a II guerra mundialO mundo após a II guerra mundial
O mundo após a II guerra mundial
fabiofatudatrabalhos
 
Desenvolvimento sustentavel rgtsd
Desenvolvimento sustentavel  rgtsdDesenvolvimento sustentavel  rgtsd
Desenvolvimento sustentavel rgtsd
Ilda Bicacro
 
Sismos 1
Sismos 1Sismos 1
Independência das colónias portuguesas em áfrica ricardo
Independência das colónias portuguesas em áfrica ricardoIndependência das colónias portuguesas em áfrica ricardo
Independência das colónias portuguesas em áfrica ricardo
Daniel Quintas
 
Conjuração Baiana - Definição
Conjuração Baiana - DefiniçãoConjuração Baiana - Definição
Conjuração Baiana - Definição
Saulo Alves
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
Isabel Aguiar
 
Iii os regimes fascista e nazi a ditadura fascista na itália
Iii os regimes fascista e nazi a ditadura fascista na itáliaIii os regimes fascista e nazi a ditadura fascista na itália
Iii os regimes fascista e nazi a ditadura fascista na itália
Básicas ou Secundárias
 
A estética à prova da reciclagem cultural
A estética à prova da reciclagem culturalA estética à prova da reciclagem cultural
A estética à prova da reciclagem cultural
Fê Bitazi
 
Problemas urbanos
Problemas urbanosProblemas urbanos
Problemas urbanos
Karyn XP
 
Jornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºC
Jornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºCJornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºC
Jornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºC
João Víctor
 
A conferência de berlim
A conferência de berlimA conferência de berlim
A conferência de berlim
Daniel Machavela
 
Panorama sobre o direito do ambiente em angola
Panorama sobre o direito do ambiente em angolaPanorama sobre o direito do ambiente em angola
Panorama sobre o direito do ambiente em angola
José André
 

Mais procurados (20)

O cangaço
O cangaçoO cangaço
O cangaço
 
Descolonização
DescolonizaçãoDescolonização
Descolonização
 
Factores Externos Que Constituem ObstáCulos Ao Desenvolvimento
Factores Externos Que Constituem ObstáCulos Ao DesenvolvimentoFactores Externos Que Constituem ObstáCulos Ao Desenvolvimento
Factores Externos Que Constituem ObstáCulos Ao Desenvolvimento
 
Guerra De Canudos.
Guerra De Canudos.Guerra De Canudos.
Guerra De Canudos.
 
Presença indígena na formação do Brasil
Presença indígena na formação do BrasilPresença indígena na formação do Brasil
Presença indígena na formação do Brasil
 
A Convenção Nacional-Revolução Francesa.8 ano.
A Convenção Nacional-Revolução Francesa.8 ano.A Convenção Nacional-Revolução Francesa.8 ano.
A Convenção Nacional-Revolução Francesa.8 ano.
 
Descolonização
DescolonizaçãoDescolonização
Descolonização
 
Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território PNPOT
Programa Nacional da Política de  Ordenamento do Território  PNPOT Programa Nacional da Política de  Ordenamento do Território  PNPOT
Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território PNPOT
 
O mundo após a II guerra mundial
O mundo após a II guerra mundialO mundo após a II guerra mundial
O mundo após a II guerra mundial
 
Desenvolvimento sustentavel rgtsd
Desenvolvimento sustentavel  rgtsdDesenvolvimento sustentavel  rgtsd
Desenvolvimento sustentavel rgtsd
 
Sismos 1
Sismos 1Sismos 1
Sismos 1
 
Independência das colónias portuguesas em áfrica ricardo
Independência das colónias portuguesas em áfrica ricardoIndependência das colónias portuguesas em áfrica ricardo
Independência das colónias portuguesas em áfrica ricardo
 
Conjuração Baiana - Definição
Conjuração Baiana - DefiniçãoConjuração Baiana - Definição
Conjuração Baiana - Definição
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
 
Iii os regimes fascista e nazi a ditadura fascista na itália
Iii os regimes fascista e nazi a ditadura fascista na itáliaIii os regimes fascista e nazi a ditadura fascista na itália
Iii os regimes fascista e nazi a ditadura fascista na itália
 
A estética à prova da reciclagem cultural
A estética à prova da reciclagem culturalA estética à prova da reciclagem cultural
A estética à prova da reciclagem cultural
 
Problemas urbanos
Problemas urbanosProblemas urbanos
Problemas urbanos
 
Jornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºC
Jornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºCJornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºC
Jornal da época com as leis abolicionistas - Grupo João Víctor 1ºC
 
A conferência de berlim
A conferência de berlimA conferência de berlim
A conferência de berlim
 
Panorama sobre o direito do ambiente em angola
Panorama sobre o direito do ambiente em angolaPanorama sobre o direito do ambiente em angola
Panorama sobre o direito do ambiente em angola
 

Semelhante a Batendo orelha

C. pascoal
C. pascoalC. pascoal
Power point cidade dos cães
Power point cidade dos cãesPower point cidade dos cães
Power point cidade dos cães
margaridafonseca63
 
Power point cidade dos cães
Power point cidade dos cãesPower point cidade dos cães
Power point cidade dos cães
margaridafonseca63
 
Power point cidade dos cães
Power point cidade dos cãesPower point cidade dos cães
Power point cidade dos cães
margaridafonseca63
 
Power point cidade dos cães
Power point cidade dos cãesPower point cidade dos cães
Power point cidade dos cães
margaridafonseca63
 
O negrinho do pastoreio
O negrinho do pastoreioO negrinho do pastoreio
O negrinho do pastoreio
Monique Carvalho
 
Chicopascoal
ChicopascoalChicopascoal
Chicopascoal
José Eduardo Lopes
 
O-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdf
O-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdfO-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdf
O-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdf
AldneideAlmeida1
 
Capítulo do Livro Escrito na Cal
Capítulo do Livro Escrito na CalCapítulo do Livro Escrito na Cal
Capítulo do Livro Escrito na Cal
José Movilha
 
Oficina vivenciando nossas raízes
Oficina vivenciando nossas raízesOficina vivenciando nossas raízes
Oficina vivenciando nossas raízes
SMEC PANAMBI-RS
 
Casos do romualdo
Casos do romualdoCasos do romualdo
Casos do romualdo
Monique Carvalho
 
Elogio da Bobagem - Palhaços no Brasil e no Mundo
Elogio da Bobagem - Palhaços no Brasil e no MundoElogio da Bobagem - Palhaços no Brasil e no Mundo
Elogio da Bobagem - Palhaços no Brasil e no Mundo
Renata Zonatto
 
Nao matem os jacares
Nao matem os jacaresNao matem os jacares
Nao matem os jacares
Nilce Bravo
 
Ulisses16a36
Ulisses16a36Ulisses16a36
Ulisses16a36
Lurdes Sousa
 
Racismo
Racismo Racismo
Racismo
Ivânia Neves
 
Quem Canta Seus Males Espanta
Quem Canta Seus Males EspantaQuem Canta Seus Males Espanta
Quem Canta Seus Males Espanta
Edu.contab
 
O meu rosilho piolho
O meu rosilho piolhoO meu rosilho piolho
O meu rosilho piolho
Monique Carvalho
 
Os Maias - Análise
Os Maias - AnáliseOs Maias - Análise
Os Maias - Análise
nelsonalves70
 
Monteiro lobato -_O_Colocador_de_Pronomes
Monteiro lobato -_O_Colocador_de_PronomesMonteiro lobato -_O_Colocador_de_Pronomes
Monteiro lobato -_O_Colocador_de_Pronomes
Tânia Sampaio
 
LIVRO DE POESIA: "A TRISTE ESTÓRIA DE DENGUE-ESCARRO"
LIVRO DE POESIA: "A TRISTE ESTÓRIA DE DENGUE-ESCARRO"LIVRO DE POESIA: "A TRISTE ESTÓRIA DE DENGUE-ESCARRO"
LIVRO DE POESIA: "A TRISTE ESTÓRIA DE DENGUE-ESCARRO"
COLEÇÃO TOCHA DE FOGO-EBOOKS CLÁSSICOS
 

Semelhante a Batendo orelha (20)

C. pascoal
C. pascoalC. pascoal
C. pascoal
 
Power point cidade dos cães
Power point cidade dos cãesPower point cidade dos cães
Power point cidade dos cães
 
Power point cidade dos cães
Power point cidade dos cãesPower point cidade dos cães
Power point cidade dos cães
 
Power point cidade dos cães
Power point cidade dos cãesPower point cidade dos cães
Power point cidade dos cães
 
Power point cidade dos cães
Power point cidade dos cãesPower point cidade dos cães
Power point cidade dos cães
 
O negrinho do pastoreio
O negrinho do pastoreioO negrinho do pastoreio
O negrinho do pastoreio
 
Chicopascoal
ChicopascoalChicopascoal
Chicopascoal
 
O-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdf
O-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdfO-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdf
O-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdf
 
Capítulo do Livro Escrito na Cal
Capítulo do Livro Escrito na CalCapítulo do Livro Escrito na Cal
Capítulo do Livro Escrito na Cal
 
Oficina vivenciando nossas raízes
Oficina vivenciando nossas raízesOficina vivenciando nossas raízes
Oficina vivenciando nossas raízes
 
Casos do romualdo
Casos do romualdoCasos do romualdo
Casos do romualdo
 
Elogio da Bobagem - Palhaços no Brasil e no Mundo
Elogio da Bobagem - Palhaços no Brasil e no MundoElogio da Bobagem - Palhaços no Brasil e no Mundo
Elogio da Bobagem - Palhaços no Brasil e no Mundo
 
Nao matem os jacares
Nao matem os jacaresNao matem os jacares
Nao matem os jacares
 
Ulisses16a36
Ulisses16a36Ulisses16a36
Ulisses16a36
 
Racismo
Racismo Racismo
Racismo
 
Quem Canta Seus Males Espanta
Quem Canta Seus Males EspantaQuem Canta Seus Males Espanta
Quem Canta Seus Males Espanta
 
O meu rosilho piolho
O meu rosilho piolhoO meu rosilho piolho
O meu rosilho piolho
 
Os Maias - Análise
Os Maias - AnáliseOs Maias - Análise
Os Maias - Análise
 
Monteiro lobato -_O_Colocador_de_Pronomes
Monteiro lobato -_O_Colocador_de_PronomesMonteiro lobato -_O_Colocador_de_Pronomes
Monteiro lobato -_O_Colocador_de_Pronomes
 
LIVRO DE POESIA: "A TRISTE ESTÓRIA DE DENGUE-ESCARRO"
LIVRO DE POESIA: "A TRISTE ESTÓRIA DE DENGUE-ESCARRO"LIVRO DE POESIA: "A TRISTE ESTÓRIA DE DENGUE-ESCARRO"
LIVRO DE POESIA: "A TRISTE ESTÓRIA DE DENGUE-ESCARRO"
 

Mais de Monique Carvalho

Dorme dor
Dorme dorDorme dor
Dorme dor
Monique Carvalho
 
Ao amor
Ao amorAo amor
Somos todos merdas
Somos todos merdasSomos todos merdas
Somos todos merdas
Monique Carvalho
 
Dias depois
Dias depoisDias depois
Dias depois
Monique Carvalho
 
Modelo resumo simplificado - III Encontro
Modelo resumo simplificado - III EncontroModelo resumo simplificado - III Encontro
Modelo resumo simplificado - III Encontro
Monique Carvalho
 
Modelo apresentacao artistica - III Encontro
Modelo apresentacao artistica - III EncontroModelo apresentacao artistica - III Encontro
Modelo apresentacao artistica - III Encontro
Monique Carvalho
 
Modelo de carta de indicação orientador - III Encontro
Modelo de carta de indicação orientador - III EncontroModelo de carta de indicação orientador - III Encontro
Modelo de carta de indicação orientador - III Encontro
Monique Carvalho
 
Modelo resumo expandido - III Encontro
Modelo resumo expandido - III EncontroModelo resumo expandido - III Encontro
Modelo resumo expandido - III Encontro
Monique Carvalho
 
Projeto de apresentacao do TATÁ para as escolas 2012
Projeto de apresentacao do TATÁ para as escolas  2012Projeto de apresentacao do TATÁ para as escolas  2012
Projeto de apresentacao do TATÁ para as escolas 2012
Monique Carvalho
 
Release do Espetáculo
Release do EspetáculoRelease do Espetáculo
Release do Espetáculo
Monique Carvalho
 
Tatá - Caderno de dança
Tatá - Caderno de dançaTatá - Caderno de dança
Tatá - Caderno de dança
Monique Carvalho
 
A m'boitatá
A m'boitatáA m'boitatá
A m'boitatá
Monique Carvalho
 
A enfiada de macacos
A enfiada de macacosA enfiada de macacos
A enfiada de macacos
Monique Carvalho
 
Rider tata danca simoes daniel
Rider tata danca simoes   danielRider tata danca simoes   daniel
Rider tata danca simoes daniel
Monique Carvalho
 
Ficha para oficina do TATÁ
Ficha para oficina do TATÁFicha para oficina do TATÁ
Ficha para oficina do TATÁ
Monique Carvalho
 

Mais de Monique Carvalho (15)

Dorme dor
Dorme dorDorme dor
Dorme dor
 
Ao amor
Ao amorAo amor
Ao amor
 
Somos todos merdas
Somos todos merdasSomos todos merdas
Somos todos merdas
 
Dias depois
Dias depoisDias depois
Dias depois
 
Modelo resumo simplificado - III Encontro
Modelo resumo simplificado - III EncontroModelo resumo simplificado - III Encontro
Modelo resumo simplificado - III Encontro
 
Modelo apresentacao artistica - III Encontro
Modelo apresentacao artistica - III EncontroModelo apresentacao artistica - III Encontro
Modelo apresentacao artistica - III Encontro
 
Modelo de carta de indicação orientador - III Encontro
Modelo de carta de indicação orientador - III EncontroModelo de carta de indicação orientador - III Encontro
Modelo de carta de indicação orientador - III Encontro
 
Modelo resumo expandido - III Encontro
Modelo resumo expandido - III EncontroModelo resumo expandido - III Encontro
Modelo resumo expandido - III Encontro
 
Projeto de apresentacao do TATÁ para as escolas 2012
Projeto de apresentacao do TATÁ para as escolas  2012Projeto de apresentacao do TATÁ para as escolas  2012
Projeto de apresentacao do TATÁ para as escolas 2012
 
Release do Espetáculo
Release do EspetáculoRelease do Espetáculo
Release do Espetáculo
 
Tatá - Caderno de dança
Tatá - Caderno de dançaTatá - Caderno de dança
Tatá - Caderno de dança
 
A m'boitatá
A m'boitatáA m'boitatá
A m'boitatá
 
A enfiada de macacos
A enfiada de macacosA enfiada de macacos
A enfiada de macacos
 
Rider tata danca simoes daniel
Rider tata danca simoes   danielRider tata danca simoes   daniel
Rider tata danca simoes daniel
 
Ficha para oficina do TATÁ
Ficha para oficina do TATÁFicha para oficina do TATÁ
Ficha para oficina do TATÁ
 

Batendo orelha

  • 1. Contos Gauchescos, de João Simões Lopes Neto BATENDO ORELHA!… Nasceu o potrilho, lindo e gordo, filho de égua boa leiteira, crioula de campo de lei. O guri era mimoso, dormindo em cama limpa e comendo em mesa farta. Já de sobreano fizeram uma recolhida grande, sentaram-lhe uns pealos, pertaram-no pelas orelhas e pelacola e a marca em brasa chiou-lhe na picanha. Andaria nos oito anos quando meteram-lhe nas mãos a cartilha das letras e o mestre-régio começou a indicarlheas unhas, de palmatoadas. O potrilho couceou, na marca. O menino meteu fios de cabelo nos olhos da santa-luzia... Em potranco acompanhava a manada e retouçava com as potrancas, sem mal nenhum. O rapazinho rezava o terço e brincava de esconder com as meninas… o que custou-lhe uma sapeca de varade marmeleiro. Quando o potrilho foi-se enfeitando para repontar, o pastor velho meteu- lhe os cascos e mais, a dente, botou-ocampo fora: fosse rufiar lá longe!... O gurizote, já taludo, quis passar-se de mais com uma prima...; o tio deu-lhe um chá-de-casca-de-vaca, quesaiu cinza e fedeu a rato!... O potro andava corrido, farejando... Mas nem uma petiça arrastadeira d’água e poronguda, achou, paraconsolo da vida. Té que o caparam. O mocito, que era pimpão, foi mandado incorporar. Sentaram-lhe a farda no lombo. Mal sarou da ferida o potro foi pegado: corcoveou, berrou; quebraram- lhe a boca a tirões, dividiram-lhe abarriga com a cincha; quis planchar-se, e lanharam-lhe as virilhas a rebenque e as paletas a roseta de espora.Tiraram- lhe as cócegas... Ficou redomão. O recruta marcou passo, horas, pra aprender; entrou na forma; agüentou descomposturas; deu umasbofetadas num cabo e gurniu solitária e guarda dobrada, por quinze dias. Cortaram-lhe os cabelos à escovinha eficou apontado. Era o faxineiro do esquadrão. Houve uns apuros de precisão… O rocim foi vendido em lote, para o regimento. Tocou a reunir: era uma ordem de marcha, urgente. O faxineiro recebeu lança, espadão e tercerola. Quando a cavalhada chegou o primeiro serviço dos sargentos foi assinalar os novos; era simples e ligeiro: umtalho de faca na orelha, rachando- a. Bagual assim, viravareiúno. Quando tocou o bota-sela, o faxineiro estava na porteira, de buçal na mão, esperando a vez. O laçador laçava,chamava a praça e esta enfrenava... e cada um roia o osso que lhe tocava. — Chê! Enfrena!... Foi o reiúno que caiu pro recruta. Aí se juntaram os dois parecidos, o bicho e o homem. E a sorte levou os dois, de parceria, pelo tempo adiante.Curtiram fome, juntos, cada um, do seu comer, E sede. E frio. E cansaço, mataduras e manqueiras; cheiros depólvora
  • 2. e respingos de sangue, barulho de músicas, tronar grosso e pipoquear, nas guerrilhas. E de saúde, assim, assim... Um teve sarnagem, o outro apanhoumuquiranas; se um batia a mutuca, o outrocaçava as pulgas. Quando, no verão, o reiúnopelechava, também o faxineiro deixava de sofrer dores de dentes. Passados anos o mancarrão já nem engordava mais, e todo ovado estava. O fiscal do regimento, sem umapalavra de — Deus te pague — mandou vendê-lo em leilão, como um cisco da estrebaria. Um carroceiro comprou-o,por patacão e meio, com as ferraduras. Passados anos o praça aquele teve baixa, por incapaz, com o bofe em petição de miséria; e saiu da fileirasem mais família e sem saber oficio. Saiu com cinco patacas, de resto do soldo, e sem o capote. Foi então sercarregador de esquina. O reiúno apanhava do carroceiro, como boi ladrão! O carregador levava dos fregueses descompostura, de criar bicho! O reiúno deu em empacar. O carregador pegou a traguear. O carroceiro um dia, furioso, meteu o cabo do relho entre as orelhas do empacador e... matou-o. A policia uma noite prendeu o borrachão, que resistiu, entonado; apanhou estouros… e foi para o hospital, golfando sangue; e esticou o molambo. O engraçado é que há gente que se julga muito superior aos reiúnos; e sabe lá quanto reiúno inveja a sorte da gente... Fonte: LOPES NETO, João Simões. Contos gauchescos. 9.ed., Porto Alegre: Martins Livreiro, 1998.