SlideShare uma empresa Scribd logo
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
SOBRE PETER BERGER
“sociólogo da religião, autor de vários outros livros além
do citado, nesta área de estudos, embora um tanto
discriminado pela intelectualidade
brasileira, antes por motivos ideológicos – é
protestante, liberal e foi assessor para assuntos
religiosos do ex-presidente Nixon – que propriamente
acadêmicos. Vai além da proposta de Bourdieu
porque não se limitou a rever as teorias clássicas
da religião, como este, mas aplicou sua teoria
na análise empírica, no caso das religiões
norteamericanas contemporâneas.” (Negrão, 2005)
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
“Se não se pode aceitar uma continuidade necessária
entre religião e capital (pelo menos como lei geral e
inevitável), não há dúvida de que no mundo americano
– que Berger “reflete” – esta continuidade existe. Baste-
nos a referência ao estudo acurado de Herberg que vê
o protestantismo, o catolicismo e o judaísmo como três
variantes da mesma religião, o “american way of life”.
De resto, se Marx já tinha decifrado o caráter religioso
da mercadoria, a seu modo, Berger decifra o CARÁTER
MERCANTIL da RELIGIÃO!”
(Benedetti, Introdução, p.7)
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
Prefácio
• “Perspectiva teórica geral derivada da sociologia do
conhecimento ao fenômeno da religião”, em duas
partes: sistemática e histórica.
• Não é uma “sociologia da religião” – não trata da
relação entre religião e outras instituições da
sociedade, as formas de institucionalização
religiosa, os tipos de liderança religiosa...
• “Levar à derradeira consequência sociológica uma
compreensão da religião como produto histórico.”
(p.10)
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
Parte I
Elementos Sistemáticos: Religião e Construção do
Mundo.
• Destaque ao lugar da religião na construção humana
do mundo. (fenomenológico, ontológico omitido)
• Sociedade – indivíduo – pessoa: “O homem não
pode existir independentemente da
sociedade.”(p.15). A História tanto precede uma
biografia individual quanto sucede, sobrevive.
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• A sociedade é produto do homem, o homem é
produto da sociedade: é necessário reconhecer seu
caráter dialético para compreendê-la em termos
adequados à sua realidade empírica. Implícito pressuposto
da antropologia marxista - Realidade empírica como produto coletivo
• Dialética do social – síntese teórica das abordagens
sociológicas
• Weber: realidade social continuamente constituída
por significação humana. Fundamento subjetivo.
• Durkheim: social contrastante com individual –
sua facticidade objetiva – privacidade/publicidade.
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• Processo dialético fundamental: três momentos ou
passos que devem ser entendidos conjuntamente.
• Exteriorização
• Objetivação
• Interiorização
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• Exteriorização
• Necessidade antropológica (Essencialista – Hegel
e Marx, Scheler) + Fundamentação biológica
(Gehlen)
• “Tornar-se homem” – interação da criança com
um ambiente exterior ao seu organismo que é
mundo físico e mundo humano para desenvolver
personalidade e assimilar cultura.
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• “Existe um mundo de camundongos, um mundo de
cães, um mundo de cavalos, e assim por diante[...]
Não há um mundo do homem no sentido acima. O
mundo do homem é imperfeitamente programado
pela sua própria constituição. É um mundo aberto”
(p.18)
valores progressistas e iluministas
• “O homem não só produz um mundo como também
se produz a si mesmo. Mais precisamente – ele se
produz a si mesmo num mundo. Só nesse mundo
estabelece-se e realiza a sua vida.”
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• Cultura
Totalidade dos produtos do homem, diversos em
seus simbolismos culturais (visão antropológica cultural
americana). Toda efusão cotidiana do ser humano
sobre o mundo, contínua na atividade física e mental.
Homo sapiens – animal social.
“Embora seja possível, talvez com intuitos
heurísticos, analisar a relação do homem com o seu
mundo em termos puramente individuais, a realidade
empírica da construção humana do mundo é sempre
social.”
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
Exteriorização...Objetivação
• Socialização – a participação individual numa cultura
não só acontece neste processo social , mas
também a continuação da existência cultural
depende da manutenção de dispositivos sociais
específicos.
• “A sociedade estrutura, distribui e coordena as
atividades de construção do mundo desenvolvidas
pelos homens. E só na sociedade os produtos
dessas atividades podem durar” (p.21)
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• Compreensão sociológica humanizante
“Em si mesmo não há nada de errado em falar o
sociólogo de
instituições, estruturas, funções, padrões etc. O mal
vem só quando ele as concebe, como o homem
comum, como entidades existentes entre si e por si
mesmas, desvinculadas da atividade e produção
humanas. [...] A compreensão sociológica deve ser
humanizante, isto é, deve referir as configurações
ilusórias da estrutura social aos seres humanos que
a as criaram.” (p.21).
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• Ratifica grau de distinção do homem criador e do que
foi por ele produzido, derivado – confronto entre o
criador e a facticidade que lhe é exterior, presente no
conceito de objetivação.
• Objetivação: quando os produtos da atividade
humana conquistam uma realidade que se defronta
inclusive com os seus produtores originais.
• Produtos culturais do homem: materiais e não
materiais. Impõem sua lógica aos que deles se
utilizam, embora possa não lhes ser agradável, não
pretendida, não prevista.
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• “O homem produz valores e verifica que se sente
culpado quando os transgride. [...] Pode também
acontecer, naturalmente, que o homem se afogue
nas ondas que ele próprio produziu.”(p.23)
• Status de objetividade da cultura em dois sentidos:
ela está lá - à disposição de qualquer um.
• O indivíduo pode sonhar, ter devaneios sociológicos
– que enquanto ficam presos à consciência individual
e não reconhecidos pelos outros como possibilidades
empíricas, só existirão como fantasmagorias irreais.
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• Em contraste, as instituições são reais por sua
realidade objetiva, por mais que o indivíduo as odeie.
“Estar na cultura significa compartilhar com outros de
um mundo particular de objetividades.” (p.24)
• “Nas suas mais poderosas apoteoses (um termo
propositadamente escolhido, como adiante veremos)
a sociedade pode até destruir o indivíduo”(p.24)
• Objetividade coercitiva: “por na linha” os indivíduos
ou grupos recalcitrantes. Pressupõe existir na
totalidade das instituições, inclusive daquelas que
foram fundadas em consenso.
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• “A sociedade está diante do homem como facticidade
externa, subjetivamente opaca e coercitiva.”(p.24)
• Coercitividade fundamental da sociedade está não
nos mecanismos de controle social, mas sim no seu
poder de se constituir e se impor como realidade.
• Caso paradigmático da linguagem: produto
humano da inventividade, da imaginação e até do
capricho do homem.
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• Linguagem: regras objetivas, precisam ser
aprendidas, não podem ser modificadas, mas
reconhecidas. Penalidades para
transgressões, constrangimento social. “... um
universo pronto e coletivamente reconhecido de
discurso, no âmbito do qual os indivíduos podem
entender-se uns com os outros e a si mesmos” (p.26)
• Biografia do indivíduo só podem existir porque antes
porque existem as interpretações oficiais da
existência individual – nome, dependencia
legal, cidadania, estado civil, ocupação – a
sociedade pode conferir realidade ao sujeito.
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• Papeis na família como institucionalização da
sexualidade humana experimentada e apreendida
como uma realidade objetiva. (p.26)
• “Desempenhando esse papeis, o indivíduo vem a
representar as objetividades institucionais de um
modo que é apreendido, por ele e pelos outros, como
desvinculado dos “meros” acidentes da sua
existência individual.”(p.27) – cita Mead e Durkheim.
• Conservação de uma “verdadeira identidade
pessoal”, consciência de si mesmo distinto do papel-
máscara ao ator.
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• “A sociedade não só contem um conjunto disponível
de instituições e papeis, mas um repertório de
identidades dotadas do mesmo status de realidade
objetiva.” (p.27)
• Não se espera somente o representar mas o ser.
• Recesso da consciência do homem, defrontando-se
consigo mesmo em figuras que são geralmente
disponíveis como elementos objetivos do mundo
social. Diálogo interno com as objetivações de si
mesmo, que possibilita, em primeiro lugar, a
socialização.
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• Interiorização – reabsorção na consciência do mundo
objetivado, de modo que as estruturas deste mundo
vêm a determinar as estruturas subjetivas da própria
consciência. Diferente do mundo das objetivações
sociais, produzido pela exteriorização da
consciência, que enfrenta a consciência como
facticidade externa. (p.28)
• Problema enfrentado pela sociedade – transmitir os
seus sentidos objetivados e fazer viver de acordo
com seus programas institucionais e tarefas
estabelecidas – aceitação de papeis e identidades.
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• Os processos que interiorizam o mundo socialmente
objetivado são os mesmos processos que
interiorizam as identidades socialmente conferidas.
Ex.: militar, acadêmico, sacerdócio, familiar
• Realidade conferida pela conversação: “É possível
resumir a formação dialética da identidade da
afirmação de que o indivíduo se torna aquilo que os
outros o consideram quando tratam ele” (p.29)
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• Manutenção da continuidade – conversação com
quem é significativo. Um dos mais importantes
imperativos da ordem social.
• Facticidade: objetiva do mundo social e subjetiva.
• O indivíduo se apropria da realidade das instituições
juntamente com os seus papeis e sua identidade.
Papeis se igualam à própria identidade.
• Introspecção como método viável para a descoberta
de significados institucionais – depois de uma
socialização bem sucedida.
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• Participação – Apropriação – co-produção: a
negação entra na dialética como fator formativo do
mundo e do individuo.
• Mundo socialmente construído é acima de tudo, uma
ordenação significativa da experiência: Sociedade
nomizante. “A ordenação da experiência é própria a
toda espécie de interação social” (p.32).
• “O ato nominante original é dizer que um item é isto
e, portanto, não aquilo.[...] visa uma ordem
compreensiva de todos os itens que possam ser
objetivados, um nomos totalizante.”(p.33)
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• “O nomos objetivo é interiorizado no decurso da
socialização” (p.34) – apropriação, sentido
• ruptura do sujeito com a sociedade implicaria em
estados de anomia coletivos e individuais. Ordem
fundamental para o sujeito “dar sentido” à sua vida e
reconhecer a própria identidade.
• “O nomos socialmente estabelecido pode, assim, ser
entendido, talvez no seu aspecto mais
importante, como um escudo contra o terror.” (p.35)
O terror da ruptura com a sociedade.
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• Tensões psicológicas que se fundam no fato
antropológico da sociedade: “A anomia é intolerável
até o ponto em que o indivíduo pode lhe preferir a
morte.” (p.35)
• Sacrifício e sofrimento na busca de um mundo
nômico. Comparável a “angústia epistemológica” de
Pondé.
• Podem surgir neuroses ou psicoses sobre a
fragilidade e possível fraude imposta pela
“normalidade”
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• “inata precariedade de todos os mundos sociais”:
Possibilidade da sociedade ruir pelo nomos. O
caos embora poderoso e de estranha força, deve ser
mantido em cheque a todo custo. A “orientação para a
realidade” é fundamental e oficialmente estabelecida.
• “Não basta que o indivíduo considere os sentidos-
chave da ordem social como úteis, desejáveis ou
corretos. É muito melhor (em termos de estabilidade
social) que ele os considere como inevitáveis, como
parte e parcela da universal “natureza das
coisas”.(p.37) – ex. pânico homossexual – culpa e
terror.
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• Nomos e cosmos aparecem como co-extensivos
quando o nomos socialmente estabelecido atinge a
qualidade de ser aceito como expressão da
EVIDÊNCIA, quando ocorre a
Fusão do seu sentido com os que são
considerados os sentidos fundamentais
inerentes ao universo.
• Cosmos sagrado – empreendimento da religião.
• “salta para fora” das rotinas normais do dia-a-dia.
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
• Sagrado e profano – dicotomização da realidade é
intrínseca a especulação religiosa (p.39).
• Cosmos sagrado enfrenta o caos como seu terrível
contrário
• “Caos” – “voragem”
• “Religião” – latim ter cuidado.
• Toda cosmificação, convalidado nos nomoi
humanos, não precisa ser sagrada. Mas pode-se
afirmar com segurança que TODA cosmificação teve
um caráter sagrado. Sendo a existência humana
como exteriorizante, através do sagrado foi possível
ao homem conceber um cosmos em primeiro lugar.
(Berger usa Eliade, p.41))
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
BERGER, Peter. (2001), “A dessecularização do
mundo: uma visão global”.
[...] uma subcultura internacional composta por pessoas
de educação superior no modelo ocidental, em
particular no campo das humanidades e das ciências
sociais, que é de fato secularizada. Essa subcultura é o
vetor principal de crenças e valores progressistas e
iluministas. Embora sejam relativamente pouco
numerosos, são muito influentes, pois controlam as
instituições que definem “oficialmente” a
realidade, principalmente o sistema educacional, os
meios de comunicação de massa e os níveis mais altos
do sistema legal (2001, pp.16-17).
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
“Berger entende a religião como uma forma de
atribuição de significado à vida natural e social que
exerce função nomizadora. Na ausência de instintos
sociais, ordem significativa, por ele designada pela
palavra “nomos”, extensão do cosmos sagrado e
absoluto, fora do qual existe apenas o caos, os terrores
da anomia. Quando se dá por estabelecido o nomos
como próprio da “natureza das coisas”, entendido
cosmológica ou antropologicamente, se lhe dota de
uma estabilidade que deriva de fontes mais poderosas
do que os esforços históricos dos seres humanos. É
este o ponto em que a religião entra significativamente
em nossa exposição.
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
... A religião é a empresa humana mediante a qual se
estabelece um cosmos sagrado. Para dizê-lo de outra
maneira, a religião é a cosmicização de um modo
sagrado (1971, p. 40, trad. Negrão).”
“Mas a religião é também uma forma de alienação,
pois por meio dela a sociedade oculta seu caráter de
construção humana. Como tal, sua ordem é relativa e
precária, uma vez que pode ser transformada por um
ato de vontade ou decisão. Reconhecer-se como
produto humano não permitiria que fosse legitimada e
aceita pelas novas gerações. Daí a
ocultação, necessária à sua reprodução ordenada no
tempo, obtida através da remissão a um cosmos
sagrado....
O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER
... A religião, na medida em que produz a perda da
consciência de que o mundo humano é um mundo
socialmente criado e mantido, constitui-se no agente
privilegiado da falsa consciência e da alienação.
Embora use estes últimos termos, sua análise nada tem
de marxista, pois o que se oculta não é a dominação
de classe, mas o caráter social da construção
da sociedade. Esta é vista por Berger como
uma totalidade indivisa, cuja transmissão se dá
entre gerações. A questão em pauta é a da ordem,
de sua transmissão e manutenção. Mais próxima
de Durkheim que de Marx ou mesmo de Weber.”
(Negrão, “Nem jardim encantado, NEM “CLUBE DOS
INTELECTUAIS DESENCANTADOS”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Filosofia da-linguagem-3ano
Filosofia da-linguagem-3anoFilosofia da-linguagem-3ano
Filosofia da-linguagem-3ano
Euna Machado
 
Piva aula 7 2016
Piva aula 7  2016Piva aula 7  2016
Piva aula 7 2016
Cláudia Heloísa
 
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundoLajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
marcaocampos
 
EMILE DURKHEIM EDUCAÇÃO E SOCIOLOGIA
EMILE DURKHEIM EDUCAÇÃO E SOCIOLOGIAEMILE DURKHEIM EDUCAÇÃO E SOCIOLOGIA
EMILE DURKHEIM EDUCAÇÃO E SOCIOLOGIA
Victor Said
 
Resumo Crítico do Filme Clube do Imperador
                                Resumo Crítico do Filme Clube do Imperador                                Resumo Crítico do Filme Clube do Imperador
Resumo Crítico do Filme Clube do Imperador
Daniella Bezerra
 
Cultura e identidade pessoal
Cultura e identidade pessoalCultura e identidade pessoal
Cultura e identidade pessoal
Luis De Sousa Rodrigues
 
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIAALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
Julhinha Camara
 
Durkhein
DurkheinDurkhein
Durkhein
Over Lane
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Trabalho e capitalismo
Trabalho e capitalismoTrabalho e capitalismo
Trabalho e capitalismo
Péricles Penuel
 
Slide Ética e Moral
Slide Ética e MoralSlide Ética e Moral
Slide Ética e Moral
ProfessorRogerioSant
 
Max Weber - Os tipos de dominação legítima
Max Weber - Os tipos de dominação legítimaMax Weber - Os tipos de dominação legítima
Max Weber - Os tipos de dominação legítima
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Capítulo 12 - Globalização e Política
Capítulo 12 - Globalização e PolíticaCapítulo 12 - Globalização e Política
Capítulo 12 - Globalização e Política
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialéticoKarl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
Marcela Marangon Ribeiro
 
Individuo sociedade
Individuo sociedadeIndividuo sociedade
Individuo sociedade
Marcelo Ferreira Boia
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
Gisele Da Fonseca
 
Literatura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenilLiteratura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenil
Susanne Messias
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
Marcelo Cordeiro Souza
 
A divisão social do trabalho émile durkheim
A divisão social do trabalho  émile durkheimA divisão social do trabalho  émile durkheim
A divisão social do trabalho émile durkheim
Lucio Braga
 
Tendência crítico social dos conteúdos
Tendência crítico social dos conteúdosTendência crítico social dos conteúdos
Tendência crítico social dos conteúdos
Colégio Estadual Padre Fernando Gomes de Melo
 

Mais procurados (20)

Filosofia da-linguagem-3ano
Filosofia da-linguagem-3anoFilosofia da-linguagem-3ano
Filosofia da-linguagem-3ano
 
Piva aula 7 2016
Piva aula 7  2016Piva aula 7  2016
Piva aula 7 2016
 
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundoLajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
 
EMILE DURKHEIM EDUCAÇÃO E SOCIOLOGIA
EMILE DURKHEIM EDUCAÇÃO E SOCIOLOGIAEMILE DURKHEIM EDUCAÇÃO E SOCIOLOGIA
EMILE DURKHEIM EDUCAÇÃO E SOCIOLOGIA
 
Resumo Crítico do Filme Clube do Imperador
                                Resumo Crítico do Filme Clube do Imperador                                Resumo Crítico do Filme Clube do Imperador
Resumo Crítico do Filme Clube do Imperador
 
Cultura e identidade pessoal
Cultura e identidade pessoalCultura e identidade pessoal
Cultura e identidade pessoal
 
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIAALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
 
Durkhein
DurkheinDurkhein
Durkhein
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Trabalho e capitalismo
Trabalho e capitalismoTrabalho e capitalismo
Trabalho e capitalismo
 
Slide Ética e Moral
Slide Ética e MoralSlide Ética e Moral
Slide Ética e Moral
 
Max Weber - Os tipos de dominação legítima
Max Weber - Os tipos de dominação legítimaMax Weber - Os tipos de dominação legítima
Max Weber - Os tipos de dominação legítima
 
Capítulo 12 - Globalização e Política
Capítulo 12 - Globalização e PolíticaCapítulo 12 - Globalização e Política
Capítulo 12 - Globalização e Política
 
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialéticoKarl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
 
Individuo sociedade
Individuo sociedadeIndividuo sociedade
Individuo sociedade
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
 
Literatura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenilLiteratura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenil
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
A divisão social do trabalho émile durkheim
A divisão social do trabalho  émile durkheimA divisão social do trabalho  émile durkheim
A divisão social do trabalho émile durkheim
 
Tendência crítico social dos conteúdos
Tendência crítico social dos conteúdosTendência crítico social dos conteúdos
Tendência crítico social dos conteúdos
 

Semelhante a Elementos sistemáticos: religião e construção do mundo - Peter Berger

Durkheim, marx, weber
Durkheim, marx, weberDurkheim, marx, weber
Durkheim, marx, weber
Arinaldo Martins
 
Indivíduo, identidade e socialização
Indivíduo, identidade e socializaçãoIndivíduo, identidade e socialização
Indivíduo, identidade e socialização
Edenilson Morais
 
Sociologia de Durkheim para ensino médio
Sociologia de Durkheim para ensino médioSociologia de Durkheim para ensino médio
Sociologia de Durkheim para ensino médio
Matheus Rodrigues
 
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
homago
 
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
homago
 
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
homago
 
Sociologia de durkheim
Sociologia de durkheimSociologia de durkheim
Sociologia de durkheim
unisocionautas
 
Sociologia de durkheim
Sociologia de durkheimSociologia de durkheim
Sociologia de durkheim
Jucemar Formigoni Candido
 
Sociologia geral teorias-e_conceitos
Sociologia geral teorias-e_conceitosSociologia geral teorias-e_conceitos
Sociologia geral teorias-e_conceitos
unisocionautas
 
Sociologia geral teorias-e_conceitos
Sociologia geral teorias-e_conceitosSociologia geral teorias-e_conceitos
Sociologia geral teorias-e_conceitos
Jucemar Formigoni Candido
 
Sociologia iii
Sociologia iiiSociologia iii
Sociologia iii
andrea almeida
 
Revista sociologia
Revista sociologiaRevista sociologia
Revista sociologia
Armazém Do Educador
 
Fichamento O Que é Sociologia
Fichamento   O Que é SociologiaFichamento   O Que é Sociologia
Fichamento O Que é Sociologia
Wladimir Crippa
 
Durkheim sociologia
Durkheim sociologiaDurkheim sociologia
Durkheim sociologia
Colégio Monteiro Lobato
 
Aula 01 FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIA
Aula 01 FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIAAula 01 FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIA
Aula 01 FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIA
ANA CAROLINA SOUSA BORGES
 
Sociologia: Positivismo de Durkeim
  Sociologia: Positivismo de Durkeim  Sociologia: Positivismo de Durkeim
Sociologia: Positivismo de Durkeim
Secretaria Municipal de Educação
 
Durkheim.pptx
Durkheim.pptxDurkheim.pptx
Durkheim.pptx
LussandraMarquezMene
 
SOCIOLOGIA - EMILY TEORIA DO SUCÍDIO SOC
SOCIOLOGIA  - EMILY TEORIA DO SUCÍDIO  SOCSOCIOLOGIA  - EMILY TEORIA DO SUCÍDIO  SOC
SOCIOLOGIA - EMILY TEORIA DO SUCÍDIO SOC
Julya Oliveira
 
Slides (2).pptx
Slides (2).pptxSlides (2).pptx
Slides (2).pptx
LinaKelly3
 
2. sociologia revisão
2. sociologia revisão2. sociologia revisão
2. sociologia revisão
serggiogoes
 

Semelhante a Elementos sistemáticos: religião e construção do mundo - Peter Berger (20)

Durkheim, marx, weber
Durkheim, marx, weberDurkheim, marx, weber
Durkheim, marx, weber
 
Indivíduo, identidade e socialização
Indivíduo, identidade e socializaçãoIndivíduo, identidade e socialização
Indivíduo, identidade e socialização
 
Sociologia de Durkheim para ensino médio
Sociologia de Durkheim para ensino médioSociologia de Durkheim para ensino médio
Sociologia de Durkheim para ensino médio
 
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
 
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
 
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
 
Sociologia de durkheim
Sociologia de durkheimSociologia de durkheim
Sociologia de durkheim
 
Sociologia de durkheim
Sociologia de durkheimSociologia de durkheim
Sociologia de durkheim
 
Sociologia geral teorias-e_conceitos
Sociologia geral teorias-e_conceitosSociologia geral teorias-e_conceitos
Sociologia geral teorias-e_conceitos
 
Sociologia geral teorias-e_conceitos
Sociologia geral teorias-e_conceitosSociologia geral teorias-e_conceitos
Sociologia geral teorias-e_conceitos
 
Sociologia iii
Sociologia iiiSociologia iii
Sociologia iii
 
Revista sociologia
Revista sociologiaRevista sociologia
Revista sociologia
 
Fichamento O Que é Sociologia
Fichamento   O Que é SociologiaFichamento   O Que é Sociologia
Fichamento O Que é Sociologia
 
Durkheim sociologia
Durkheim sociologiaDurkheim sociologia
Durkheim sociologia
 
Aula 01 FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIA
Aula 01 FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIAAula 01 FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIA
Aula 01 FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIA
 
Sociologia: Positivismo de Durkeim
  Sociologia: Positivismo de Durkeim  Sociologia: Positivismo de Durkeim
Sociologia: Positivismo de Durkeim
 
Durkheim.pptx
Durkheim.pptxDurkheim.pptx
Durkheim.pptx
 
SOCIOLOGIA - EMILY TEORIA DO SUCÍDIO SOC
SOCIOLOGIA  - EMILY TEORIA DO SUCÍDIO  SOCSOCIOLOGIA  - EMILY TEORIA DO SUCÍDIO  SOC
SOCIOLOGIA - EMILY TEORIA DO SUCÍDIO SOC
 
Slides (2).pptx
Slides (2).pptxSlides (2).pptx
Slides (2).pptx
 
2. sociologia revisão
2. sociologia revisão2. sociologia revisão
2. sociologia revisão
 

Elementos sistemáticos: religião e construção do mundo - Peter Berger

  • 1. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER SOBRE PETER BERGER “sociólogo da religião, autor de vários outros livros além do citado, nesta área de estudos, embora um tanto discriminado pela intelectualidade brasileira, antes por motivos ideológicos – é protestante, liberal e foi assessor para assuntos religiosos do ex-presidente Nixon – que propriamente acadêmicos. Vai além da proposta de Bourdieu porque não se limitou a rever as teorias clássicas da religião, como este, mas aplicou sua teoria na análise empírica, no caso das religiões norteamericanas contemporâneas.” (Negrão, 2005)
  • 2. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER “Se não se pode aceitar uma continuidade necessária entre religião e capital (pelo menos como lei geral e inevitável), não há dúvida de que no mundo americano – que Berger “reflete” – esta continuidade existe. Baste- nos a referência ao estudo acurado de Herberg que vê o protestantismo, o catolicismo e o judaísmo como três variantes da mesma religião, o “american way of life”. De resto, se Marx já tinha decifrado o caráter religioso da mercadoria, a seu modo, Berger decifra o CARÁTER MERCANTIL da RELIGIÃO!” (Benedetti, Introdução, p.7)
  • 3. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER Prefácio • “Perspectiva teórica geral derivada da sociologia do conhecimento ao fenômeno da religião”, em duas partes: sistemática e histórica. • Não é uma “sociologia da religião” – não trata da relação entre religião e outras instituições da sociedade, as formas de institucionalização religiosa, os tipos de liderança religiosa... • “Levar à derradeira consequência sociológica uma compreensão da religião como produto histórico.” (p.10)
  • 4. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER Parte I Elementos Sistemáticos: Religião e Construção do Mundo. • Destaque ao lugar da religião na construção humana do mundo. (fenomenológico, ontológico omitido) • Sociedade – indivíduo – pessoa: “O homem não pode existir independentemente da sociedade.”(p.15). A História tanto precede uma biografia individual quanto sucede, sobrevive.
  • 5. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • A sociedade é produto do homem, o homem é produto da sociedade: é necessário reconhecer seu caráter dialético para compreendê-la em termos adequados à sua realidade empírica. Implícito pressuposto da antropologia marxista - Realidade empírica como produto coletivo • Dialética do social – síntese teórica das abordagens sociológicas • Weber: realidade social continuamente constituída por significação humana. Fundamento subjetivo. • Durkheim: social contrastante com individual – sua facticidade objetiva – privacidade/publicidade.
  • 6. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • Processo dialético fundamental: três momentos ou passos que devem ser entendidos conjuntamente. • Exteriorização • Objetivação • Interiorização
  • 7. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • Exteriorização • Necessidade antropológica (Essencialista – Hegel e Marx, Scheler) + Fundamentação biológica (Gehlen) • “Tornar-se homem” – interação da criança com um ambiente exterior ao seu organismo que é mundo físico e mundo humano para desenvolver personalidade e assimilar cultura.
  • 8. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • “Existe um mundo de camundongos, um mundo de cães, um mundo de cavalos, e assim por diante[...] Não há um mundo do homem no sentido acima. O mundo do homem é imperfeitamente programado pela sua própria constituição. É um mundo aberto” (p.18) valores progressistas e iluministas • “O homem não só produz um mundo como também se produz a si mesmo. Mais precisamente – ele se produz a si mesmo num mundo. Só nesse mundo estabelece-se e realiza a sua vida.”
  • 9. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • Cultura Totalidade dos produtos do homem, diversos em seus simbolismos culturais (visão antropológica cultural americana). Toda efusão cotidiana do ser humano sobre o mundo, contínua na atividade física e mental. Homo sapiens – animal social. “Embora seja possível, talvez com intuitos heurísticos, analisar a relação do homem com o seu mundo em termos puramente individuais, a realidade empírica da construção humana do mundo é sempre social.”
  • 10. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER Exteriorização...Objetivação • Socialização – a participação individual numa cultura não só acontece neste processo social , mas também a continuação da existência cultural depende da manutenção de dispositivos sociais específicos. • “A sociedade estrutura, distribui e coordena as atividades de construção do mundo desenvolvidas pelos homens. E só na sociedade os produtos dessas atividades podem durar” (p.21)
  • 11. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • Compreensão sociológica humanizante “Em si mesmo não há nada de errado em falar o sociólogo de instituições, estruturas, funções, padrões etc. O mal vem só quando ele as concebe, como o homem comum, como entidades existentes entre si e por si mesmas, desvinculadas da atividade e produção humanas. [...] A compreensão sociológica deve ser humanizante, isto é, deve referir as configurações ilusórias da estrutura social aos seres humanos que a as criaram.” (p.21).
  • 12. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • Ratifica grau de distinção do homem criador e do que foi por ele produzido, derivado – confronto entre o criador e a facticidade que lhe é exterior, presente no conceito de objetivação. • Objetivação: quando os produtos da atividade humana conquistam uma realidade que se defronta inclusive com os seus produtores originais. • Produtos culturais do homem: materiais e não materiais. Impõem sua lógica aos que deles se utilizam, embora possa não lhes ser agradável, não pretendida, não prevista.
  • 13. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • “O homem produz valores e verifica que se sente culpado quando os transgride. [...] Pode também acontecer, naturalmente, que o homem se afogue nas ondas que ele próprio produziu.”(p.23) • Status de objetividade da cultura em dois sentidos: ela está lá - à disposição de qualquer um. • O indivíduo pode sonhar, ter devaneios sociológicos – que enquanto ficam presos à consciência individual e não reconhecidos pelos outros como possibilidades empíricas, só existirão como fantasmagorias irreais.
  • 14. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • Em contraste, as instituições são reais por sua realidade objetiva, por mais que o indivíduo as odeie. “Estar na cultura significa compartilhar com outros de um mundo particular de objetividades.” (p.24) • “Nas suas mais poderosas apoteoses (um termo propositadamente escolhido, como adiante veremos) a sociedade pode até destruir o indivíduo”(p.24) • Objetividade coercitiva: “por na linha” os indivíduos ou grupos recalcitrantes. Pressupõe existir na totalidade das instituições, inclusive daquelas que foram fundadas em consenso.
  • 15. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • “A sociedade está diante do homem como facticidade externa, subjetivamente opaca e coercitiva.”(p.24) • Coercitividade fundamental da sociedade está não nos mecanismos de controle social, mas sim no seu poder de se constituir e se impor como realidade. • Caso paradigmático da linguagem: produto humano da inventividade, da imaginação e até do capricho do homem.
  • 16. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • Linguagem: regras objetivas, precisam ser aprendidas, não podem ser modificadas, mas reconhecidas. Penalidades para transgressões, constrangimento social. “... um universo pronto e coletivamente reconhecido de discurso, no âmbito do qual os indivíduos podem entender-se uns com os outros e a si mesmos” (p.26) • Biografia do indivíduo só podem existir porque antes porque existem as interpretações oficiais da existência individual – nome, dependencia legal, cidadania, estado civil, ocupação – a sociedade pode conferir realidade ao sujeito.
  • 17. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • Papeis na família como institucionalização da sexualidade humana experimentada e apreendida como uma realidade objetiva. (p.26) • “Desempenhando esse papeis, o indivíduo vem a representar as objetividades institucionais de um modo que é apreendido, por ele e pelos outros, como desvinculado dos “meros” acidentes da sua existência individual.”(p.27) – cita Mead e Durkheim. • Conservação de uma “verdadeira identidade pessoal”, consciência de si mesmo distinto do papel- máscara ao ator.
  • 18. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • “A sociedade não só contem um conjunto disponível de instituições e papeis, mas um repertório de identidades dotadas do mesmo status de realidade objetiva.” (p.27) • Não se espera somente o representar mas o ser. • Recesso da consciência do homem, defrontando-se consigo mesmo em figuras que são geralmente disponíveis como elementos objetivos do mundo social. Diálogo interno com as objetivações de si mesmo, que possibilita, em primeiro lugar, a socialização.
  • 19. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • Interiorização – reabsorção na consciência do mundo objetivado, de modo que as estruturas deste mundo vêm a determinar as estruturas subjetivas da própria consciência. Diferente do mundo das objetivações sociais, produzido pela exteriorização da consciência, que enfrenta a consciência como facticidade externa. (p.28) • Problema enfrentado pela sociedade – transmitir os seus sentidos objetivados e fazer viver de acordo com seus programas institucionais e tarefas estabelecidas – aceitação de papeis e identidades.
  • 20. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • Os processos que interiorizam o mundo socialmente objetivado são os mesmos processos que interiorizam as identidades socialmente conferidas. Ex.: militar, acadêmico, sacerdócio, familiar • Realidade conferida pela conversação: “É possível resumir a formação dialética da identidade da afirmação de que o indivíduo se torna aquilo que os outros o consideram quando tratam ele” (p.29)
  • 21. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • Manutenção da continuidade – conversação com quem é significativo. Um dos mais importantes imperativos da ordem social. • Facticidade: objetiva do mundo social e subjetiva. • O indivíduo se apropria da realidade das instituições juntamente com os seus papeis e sua identidade. Papeis se igualam à própria identidade. • Introspecção como método viável para a descoberta de significados institucionais – depois de uma socialização bem sucedida.
  • 22. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • Participação – Apropriação – co-produção: a negação entra na dialética como fator formativo do mundo e do individuo. • Mundo socialmente construído é acima de tudo, uma ordenação significativa da experiência: Sociedade nomizante. “A ordenação da experiência é própria a toda espécie de interação social” (p.32). • “O ato nominante original é dizer que um item é isto e, portanto, não aquilo.[...] visa uma ordem compreensiva de todos os itens que possam ser objetivados, um nomos totalizante.”(p.33)
  • 23. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • “O nomos objetivo é interiorizado no decurso da socialização” (p.34) – apropriação, sentido • ruptura do sujeito com a sociedade implicaria em estados de anomia coletivos e individuais. Ordem fundamental para o sujeito “dar sentido” à sua vida e reconhecer a própria identidade. • “O nomos socialmente estabelecido pode, assim, ser entendido, talvez no seu aspecto mais importante, como um escudo contra o terror.” (p.35) O terror da ruptura com a sociedade.
  • 24. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • Tensões psicológicas que se fundam no fato antropológico da sociedade: “A anomia é intolerável até o ponto em que o indivíduo pode lhe preferir a morte.” (p.35) • Sacrifício e sofrimento na busca de um mundo nômico. Comparável a “angústia epistemológica” de Pondé. • Podem surgir neuroses ou psicoses sobre a fragilidade e possível fraude imposta pela “normalidade”
  • 25. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • “inata precariedade de todos os mundos sociais”: Possibilidade da sociedade ruir pelo nomos. O caos embora poderoso e de estranha força, deve ser mantido em cheque a todo custo. A “orientação para a realidade” é fundamental e oficialmente estabelecida. • “Não basta que o indivíduo considere os sentidos- chave da ordem social como úteis, desejáveis ou corretos. É muito melhor (em termos de estabilidade social) que ele os considere como inevitáveis, como parte e parcela da universal “natureza das coisas”.(p.37) – ex. pânico homossexual – culpa e terror.
  • 26. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • Nomos e cosmos aparecem como co-extensivos quando o nomos socialmente estabelecido atinge a qualidade de ser aceito como expressão da EVIDÊNCIA, quando ocorre a Fusão do seu sentido com os que são considerados os sentidos fundamentais inerentes ao universo. • Cosmos sagrado – empreendimento da religião. • “salta para fora” das rotinas normais do dia-a-dia.
  • 27. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER • Sagrado e profano – dicotomização da realidade é intrínseca a especulação religiosa (p.39). • Cosmos sagrado enfrenta o caos como seu terrível contrário • “Caos” – “voragem” • “Religião” – latim ter cuidado. • Toda cosmificação, convalidado nos nomoi humanos, não precisa ser sagrada. Mas pode-se afirmar com segurança que TODA cosmificação teve um caráter sagrado. Sendo a existência humana como exteriorizante, através do sagrado foi possível ao homem conceber um cosmos em primeiro lugar. (Berger usa Eliade, p.41))
  • 28. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER BERGER, Peter. (2001), “A dessecularização do mundo: uma visão global”. [...] uma subcultura internacional composta por pessoas de educação superior no modelo ocidental, em particular no campo das humanidades e das ciências sociais, que é de fato secularizada. Essa subcultura é o vetor principal de crenças e valores progressistas e iluministas. Embora sejam relativamente pouco numerosos, são muito influentes, pois controlam as instituições que definem “oficialmente” a realidade, principalmente o sistema educacional, os meios de comunicação de massa e os níveis mais altos do sistema legal (2001, pp.16-17).
  • 29. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER “Berger entende a religião como uma forma de atribuição de significado à vida natural e social que exerce função nomizadora. Na ausência de instintos sociais, ordem significativa, por ele designada pela palavra “nomos”, extensão do cosmos sagrado e absoluto, fora do qual existe apenas o caos, os terrores da anomia. Quando se dá por estabelecido o nomos como próprio da “natureza das coisas”, entendido cosmológica ou antropologicamente, se lhe dota de uma estabilidade que deriva de fontes mais poderosas do que os esforços históricos dos seres humanos. É este o ponto em que a religião entra significativamente em nossa exposição.
  • 30. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER ... A religião é a empresa humana mediante a qual se estabelece um cosmos sagrado. Para dizê-lo de outra maneira, a religião é a cosmicização de um modo sagrado (1971, p. 40, trad. Negrão).” “Mas a religião é também uma forma de alienação, pois por meio dela a sociedade oculta seu caráter de construção humana. Como tal, sua ordem é relativa e precária, uma vez que pode ser transformada por um ato de vontade ou decisão. Reconhecer-se como produto humano não permitiria que fosse legitimada e aceita pelas novas gerações. Daí a ocultação, necessária à sua reprodução ordenada no tempo, obtida através da remissão a um cosmos sagrado....
  • 31. O DOSSEL SAGRADO – PETER BERGER ... A religião, na medida em que produz a perda da consciência de que o mundo humano é um mundo socialmente criado e mantido, constitui-se no agente privilegiado da falsa consciência e da alienação. Embora use estes últimos termos, sua análise nada tem de marxista, pois o que se oculta não é a dominação de classe, mas o caráter social da construção da sociedade. Esta é vista por Berger como uma totalidade indivisa, cuja transmissão se dá entre gerações. A questão em pauta é a da ordem, de sua transmissão e manutenção. Mais próxima de Durkheim que de Marx ou mesmo de Weber.” (Negrão, “Nem jardim encantado, NEM “CLUBE DOS INTELECTUAIS DESENCANTADOS”