SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRA – em busca de uma tecnologia.



                                                              Prof. Dr. Carlos A. M. dos Anjos1



             As obras de contenção possuem por meta o combate aos efeitos danosos,
protegendo a propriedade e o patrimônio, seja ele público ou privado. Para tal, projetam
estruturas com capacidade de reagirem contrariamente às diversas solicitações de
esforços. Para ter sucesso, as reações oferecidas necessitam, pelo menos, anular as
forças de solicitações presentes no componente indutor do perigo, do risco ou do dano.
             Grupos de pesquisadores, os mais diversos, têm desenvolvido esforços para
compreender e o fenômeno. Mas a escala temporal em que se processa o evento é
díspare da escala temporal dos processos de observação direta pelo homem. Tanto é,
que o último período geológico e nesse sentido, o mais recente – o Quaternário – possui
mais de 1.000 anos. Isto dificulta o conhecimento do modelo fenomenológico,
implicando no desconhecimento da intensidade, da duração e da freqüência em que
determinados fenômenos ocorrem, principalmente de forma associada e com efeitos
sinergéticos, a exemplo de ventos, tempestades de ondas, direção das correntes
marinhas, fase da lua, chuvas torrenciais e volume de partículas em suspensão. Diante
de tal situação, a costa brasileira tem sido alvo de processos erosivos em vários trechos.
             Assim, e pelo desconhecimento preciso das causas e, conseqüentemente, o
desconhecimento do modelo fenomenológico, se tem projetado estruturas cujos
componentes de reação não se encontram a altura da magnitude dos esforços existentes.
             Dessa forma, se tem projetado contenções de erosão costeira através de
diversas tecnologias, a exemplo de enrocamento da praia com pedras graníticas,
proteção da linha de costa com gabiões e com muros de pedra e alvenaria, implantação
de cortinas de estacas-pranchas, ou estacas-de-concreto, implantação de estruturas
dissipação de energia das ondas através de “escadarias”, espigões de rochas graníticas
como barreira à hidrodinâmica local, engorda artificial da praia, etc. Essas tecnologias,
até pelas suas diferenças de concepção, induzem igualmente a diferentes resultados.
Algumas atendem ao objetivo da proteção ou da contenção com mais eficiência que

1
  Geólogo pela UFPE em 1974, Especialista em Recursos Hídricos pela UFAL em 1988, Mestre em
Engenharia Civil/Geotecnia pela UFPB em 1992 e Doutor em Geociências e Meio Ambiente pela UNESP
em 1999. Professor da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), onde lecionas as disciplinas de Geologia
Geral e Mapeamento Temático.
outras, mas praticamente todas se deparam com problemas de operação, principalmente
no que tange a sua vida útil, às necessidades de manutenção, aos custos dessa
manutenção, à disponibilidade de materiais para alimentar a manutenção – já que as
jazidas de materiais são finitas, etc. Necessitam ainda atender alguns pressupostos
ambientais como a acessibilidade à praia, a harmonia da paisagem e não permitir a
formação de vetores (comuns nos enrocamentos e nos gabiões) como ratos, escorpiões,
baratas, etc.. Um terceiro eixo que a obra deve atender refere-se à recomposição natural
do perfil praial.
            Pelas observações realizadas na costa alagoana, de todos os projetos
voltados a contensão de erosão, apenas um tem se mostrado adequado. Trata-se do
barra-mar dissipador coma tecnologia Bag Wall. Foi inicialmente implantado na praia
de Boqueirão, município de Japaratinga em uma extensão de 300 metros e, mais de 9
anos depois mostra uma engorda natural da praia em toda a extensão da obra e sem se
observar nenhum reflexo negativo nas circunvizinhanças. Posteriormente, na praia de
Ponta Verde, município de Maceió, foi implantada outra obra similar com uma extensão
de 150 metros que, atualmente já com 9 anos, igualmente recompôs o perfil praial. Na
Ilha de Santa Rita, praia do bairro de Barra Nova, município de Marechal Deodoro/AL,
foi também implantado o Bagwall com extensão de 1.250m, com 4 anos de construído,
se mostra também em processo de engorda natural. Por último foi implantado na Ilha de
Santo Antônio, município de Barra de Santo Antônio, com extensão de 1.000 metros e 1
ano de construído, também apresenta claros sinais de um processo de engorda natural.
            A tecnologia Bag Wal tem por características a sobreposição de blocos de
micro-concreto. Esse material é todo preparado no local através de misturadores e de
betoneiras e posteriormente bombeado para geoformas biodegradáveis que, após a cura
do material, mostra uma capacidade de carga superior a 12 mPa. Cada bloco confinado
em uma geoforma adquire um peso total da ordem de 2,4 ton, o que vem conferir
elevada estabilidade ao conjunto, que tem sua fundação abaixo da cota de menor maré.
Isto permite eliminar as tensões de sucção existentes no refluxo dessas marés. Através
da geometria em degraus, o conjunto mostra-se harmonioso com a paisagem e permite o
fácil acesso à praia. Sua forma côncava, simulando pequenas enseadas, permite que as
ondas não incidam apenas de forma frontal, dissipando sua energia ao tempo em que se
espraiam ao longo de cada degrau. À medida que as ondas perdem energia, depositam
as partículas de areia então em suspensão. Com isso, inverte-se o processo. O ambiente
tipicamente de erosão passa a ser eminentemente de deposição.
A tecnologia é originaria da costa leste da Califórnia, onde o Bag Wall já se
encontra normatizado, tem vida útil média de 50 anos, exigindo manutenção apenas a
cada 10 anos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cadep cn-parecer cg-sma-2
Cadep cn-parecer cg-sma-2Cadep cn-parecer cg-sma-2
Cadep cn-parecer cg-sma-2cadep-cn
 
Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteMaria Paredes
 
Zona cárstica da br 135
Zona cárstica da br 135Zona cárstica da br 135
Zona cárstica da br 135Igor Siri
 
Plano de Recuperação de Áreas Degradadas Mina de Cascalho na localidade do Ju...
Plano de Recuperação de Áreas Degradadas Mina de Cascalho na localidade do Ju...Plano de Recuperação de Áreas Degradadas Mina de Cascalho na localidade do Ju...
Plano de Recuperação de Áreas Degradadas Mina de Cascalho na localidade do Ju...Igor Siri
 
Parque eólico prad
Parque eólico   pradParque eólico   prad
Parque eólico pradDanilo
 
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por MineraçãoRecuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por MineraçãoLeandro A. Machado de Moura
 
Plano de Recuperação da Área Degradada como condicionante da Implantação do H...
Plano de Recuperação da Área Degradada como condicionante da Implantação do H...Plano de Recuperação da Área Degradada como condicionante da Implantação do H...
Plano de Recuperação da Área Degradada como condicionante da Implantação do H...Mayara Leão
 
Avaliação de uma área degradada e medidas de recuperação com base em diagnost...
Avaliação de uma área degradada e medidas de recuperação com base em diagnost...Avaliação de uma área degradada e medidas de recuperação com base em diagnost...
Avaliação de uma área degradada e medidas de recuperação com base em diagnost...CEP
 
Apresentação- Impactos da Mineração do Carvão
Apresentação- Impactos da Mineração do CarvãoApresentação- Impactos da Mineração do Carvão
Apresentação- Impactos da Mineração do CarvãoIvan Cardoso Martineli
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasUERGS
 
Avaliacao dos impactos
Avaliacao dos impactosAvaliacao dos impactos
Avaliacao dos impactoshomertc
 
Apresentação Lições de Mariana - Eliane Poveda
Apresentação Lições de Mariana -   Eliane PovedaApresentação Lições de Mariana -   Eliane Poveda
Apresentação Lições de Mariana - Eliane Povedapaulooficinadotexto
 

Mais procurados (18)

Reconstrução da praia
Reconstrução da praiaReconstrução da praia
Reconstrução da praia
 
Cadep cn-parecer cg-sma-2
Cadep cn-parecer cg-sma-2Cadep cn-parecer cg-sma-2
Cadep cn-parecer cg-sma-2
 
Trabalho ecologia geral (5ºsemestre)
Trabalho ecologia geral (5ºsemestre)Trabalho ecologia geral (5ºsemestre)
Trabalho ecologia geral (5ºsemestre)
 
Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norte
 
Zona cárstica da br 135
Zona cárstica da br 135Zona cárstica da br 135
Zona cárstica da br 135
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 7
 
Plano de Recuperação de Áreas Degradadas Mina de Cascalho na localidade do Ju...
Plano de Recuperação de Áreas Degradadas Mina de Cascalho na localidade do Ju...Plano de Recuperação de Áreas Degradadas Mina de Cascalho na localidade do Ju...
Plano de Recuperação de Áreas Degradadas Mina de Cascalho na localidade do Ju...
 
Solos 6b
Solos 6bSolos 6b
Solos 6b
 
Parque eólico prad
Parque eólico   pradParque eólico   prad
Parque eólico prad
 
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por MineraçãoRecuperação de Áreas Degradadas por Mineração
Recuperação de Áreas Degradadas por Mineração
 
Plano de Recuperação da Área Degradada como condicionante da Implantação do H...
Plano de Recuperação da Área Degradada como condicionante da Implantação do H...Plano de Recuperação da Área Degradada como condicionante da Implantação do H...
Plano de Recuperação da Área Degradada como condicionante da Implantação do H...
 
Avaliação de uma área degradada e medidas de recuperação com base em diagnost...
Avaliação de uma área degradada e medidas de recuperação com base em diagnost...Avaliação de uma área degradada e medidas de recuperação com base em diagnost...
Avaliação de uma área degradada e medidas de recuperação com base em diagnost...
 
Pedra portuguesa paulo
Pedra portuguesa pauloPedra portuguesa paulo
Pedra portuguesa paulo
 
Projeto jequitiba
Projeto jequitibaProjeto jequitiba
Projeto jequitiba
 
Apresentação- Impactos da Mineração do Carvão
Apresentação- Impactos da Mineração do CarvãoApresentação- Impactos da Mineração do Carvão
Apresentação- Impactos da Mineração do Carvão
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
 
Avaliacao dos impactos
Avaliacao dos impactosAvaliacao dos impactos
Avaliacao dos impactos
 
Apresentação Lições de Mariana - Eliane Poveda
Apresentação Lições de Mariana -   Eliane PovedaApresentação Lições de Mariana -   Eliane Poveda
Apresentação Lições de Mariana - Eliane Poveda
 

Semelhante a Nota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRA

Obras portuárias de abrigo
Obras portuárias de abrigoObras portuárias de abrigo
Obras portuárias de abrigoPedroJr123
 
009 os processos de erosão e progradação no município de ilha comprida sp.
009 os processos de erosão e progradação no município de ilha comprida  sp.009 os processos de erosão e progradação no município de ilha comprida  sp.
009 os processos de erosão e progradação no município de ilha comprida sp.Fernanda Luccas
 
Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteMaria Paredes
 
Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2sshjj2
 
trabalho
trabalhotrabalho
trabalhosshjj2
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1sshjj2
 
Relatório de visita de estudo ao litoral norte
Relatório de visita de estudo ao litoral norteRelatório de visita de estudo ao litoral norte
Relatório de visita de estudo ao litoral norteMaria Paredes
 
Estrutura de proteção ponta negra-rn
Estrutura de proteção   ponta negra-rnEstrutura de proteção   ponta negra-rn
Estrutura de proteção ponta negra-rnPrefeitura do Natal
 
Zonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoral
Zonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoralZonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoral
Zonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoralJoão Palmeiro
 
Destruição das Áreas Costeiras
Destruição das Áreas CosteirasDestruição das Áreas Costeiras
Destruição das Áreas Costeiraskatheerine
 
Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012
Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012
Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012Secretaria Planejamento SC
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiraschave1999
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiraschave1999
 
Apostila estruturas de contencao parte 1
Apostila estruturas de contencao parte 1Apostila estruturas de contencao parte 1
Apostila estruturas de contencao parte 1Rafael Maciel
 
Recuperação de Praias com o uso do Dissipador de Energia Bagwall no Litoral d...
Recuperação de Praias com o uso do Dissipador de Energia Bagwall no Litoral d...Recuperação de Praias com o uso do Dissipador de Energia Bagwall no Litoral d...
Recuperação de Praias com o uso do Dissipador de Energia Bagwall no Litoral d...Marco Lyra
 
Ad1 geomofologia continental
Ad1   geomofologia continentalAd1   geomofologia continental
Ad1 geomofologia continentalPaperPão
 

Semelhante a Nota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRA (20)

Sistemas dunares
Sistemas dunaresSistemas dunares
Sistemas dunares
 
Obras portuárias de abrigo
Obras portuárias de abrigoObras portuárias de abrigo
Obras portuárias de abrigo
 
009 os processos de erosão e progradação no município de ilha comprida sp.
009 os processos de erosão e progradação no município de ilha comprida  sp.009 os processos de erosão e progradação no município de ilha comprida  sp.
009 os processos de erosão e progradação no município de ilha comprida sp.
 
Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norte
 
Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2
 
trabalho
trabalhotrabalho
trabalho
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
 
Relatório de visita de estudo ao litoral norte
Relatório de visita de estudo ao litoral norteRelatório de visita de estudo ao litoral norte
Relatório de visita de estudo ao litoral norte
 
Erosão Praias de SP
Erosão Praias de SPErosão Praias de SP
Erosão Praias de SP
 
Estrutura de proteção ponta negra-rn
Estrutura de proteção   ponta negra-rnEstrutura de proteção   ponta negra-rn
Estrutura de proteção ponta negra-rn
 
Zonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoral
Zonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoralZonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoral
Zonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoral
 
Destruição das Áreas Costeiras
Destruição das Áreas CosteirasDestruição das Áreas Costeiras
Destruição das Áreas Costeiras
 
Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012
Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012
Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
 
Visita ao litoral norte guião de atividades
 Visita ao litoral norte guião de atividades Visita ao litoral norte guião de atividades
Visita ao litoral norte guião de atividades
 
Apostila estruturas de contencao parte 1
Apostila estruturas de contencao parte 1Apostila estruturas de contencao parte 1
Apostila estruturas de contencao parte 1
 
Recuperação de Praias com o uso do Dissipador de Energia Bagwall no Litoral d...
Recuperação de Praias com o uso do Dissipador de Energia Bagwall no Litoral d...Recuperação de Praias com o uso do Dissipador de Energia Bagwall no Litoral d...
Recuperação de Praias com o uso do Dissipador de Energia Bagwall no Litoral d...
 
Ocupação Antrópica
Ocupação AntrópicaOcupação Antrópica
Ocupação Antrópica
 
Ad1 geomofologia continental
Ad1   geomofologia continentalAd1   geomofologia continental
Ad1 geomofologia continental
 

Mais de Marco Lyra

Medida Cautelar Barreira Cabo Branco
Medida Cautelar Barreira Cabo BrancoMedida Cautelar Barreira Cabo Branco
Medida Cautelar Barreira Cabo BrancoMarco Lyra
 
11 silusba programa-final
11 silusba programa-final11 silusba programa-final
11 silusba programa-finalMarco Lyra
 
Erosão costeira nas falésias Tibau do Sul – litoral leste do Rio Grande do Norte
Erosão costeira nas falésias Tibau do Sul – litoral leste do Rio Grande do NorteErosão costeira nas falésias Tibau do Sul – litoral leste do Rio Grande do Norte
Erosão costeira nas falésias Tibau do Sul – litoral leste do Rio Grande do NorteMarco Lyra
 
EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO | ALAGOAS
EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO | ALAGOASEROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO | ALAGOAS
EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO | ALAGOASMarco Lyra
 
Ocma2958 proof
Ocma2958 proofOcma2958 proof
Ocma2958 proofMarco Lyra
 
A Gestão Costeira no Brasil e os dez anos do Projeto Orla.
A Gestão Costeira no Brasil e os dez anos do Projeto Orla.A Gestão Costeira no Brasil e os dez anos do Projeto Orla.
A Gestão Costeira no Brasil e os dez anos do Projeto Orla.Marco Lyra
 
Gestão Costeira: resultado de uma relação dúbia entre o Homem e a Natureza
Gestão Costeira: resultado de uma relação dúbia entre o Homem e a NaturezaGestão Costeira: resultado de uma relação dúbia entre o Homem e a Natureza
Gestão Costeira: resultado de uma relação dúbia entre o Homem e a NaturezaMarco Lyra
 

Mais de Marco Lyra (7)

Medida Cautelar Barreira Cabo Branco
Medida Cautelar Barreira Cabo BrancoMedida Cautelar Barreira Cabo Branco
Medida Cautelar Barreira Cabo Branco
 
11 silusba programa-final
11 silusba programa-final11 silusba programa-final
11 silusba programa-final
 
Erosão costeira nas falésias Tibau do Sul – litoral leste do Rio Grande do Norte
Erosão costeira nas falésias Tibau do Sul – litoral leste do Rio Grande do NorteErosão costeira nas falésias Tibau do Sul – litoral leste do Rio Grande do Norte
Erosão costeira nas falésias Tibau do Sul – litoral leste do Rio Grande do Norte
 
EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO | ALAGOAS
EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO | ALAGOASEROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO | ALAGOAS
EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO | ALAGOAS
 
Ocma2958 proof
Ocma2958 proofOcma2958 proof
Ocma2958 proof
 
A Gestão Costeira no Brasil e os dez anos do Projeto Orla.
A Gestão Costeira no Brasil e os dez anos do Projeto Orla.A Gestão Costeira no Brasil e os dez anos do Projeto Orla.
A Gestão Costeira no Brasil e os dez anos do Projeto Orla.
 
Gestão Costeira: resultado de uma relação dúbia entre o Homem e a Natureza
Gestão Costeira: resultado de uma relação dúbia entre o Homem e a NaturezaGestão Costeira: resultado de uma relação dúbia entre o Homem e a Natureza
Gestão Costeira: resultado de uma relação dúbia entre o Homem e a Natureza
 

Último

Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAMarcio Venturelli
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Dirceu Resende
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfRodolpho Concurde
 
Apostila e caderno de exercicios de WORD
Apostila e caderno de exercicios de  WORDApostila e caderno de exercicios de  WORD
Apostila e caderno de exercicios de WORDRONDINELLYRAMOS1
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)Alessandro Almeida
 
O futuro e o impacto da tecnologia nas salas de aulas
O futuro e o impacto da tecnologia  nas salas de aulasO futuro e o impacto da tecnologia  nas salas de aulas
O futuro e o impacto da tecnologia nas salas de aulasAurioOliveira6
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASMarcio Venturelli
 

Último (9)

Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
 
Apostila e caderno de exercicios de WORD
Apostila e caderno de exercicios de  WORDApostila e caderno de exercicios de  WORD
Apostila e caderno de exercicios de WORD
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 
O futuro e o impacto da tecnologia nas salas de aulas
O futuro e o impacto da tecnologia  nas salas de aulasO futuro e o impacto da tecnologia  nas salas de aulas
O futuro e o impacto da tecnologia nas salas de aulas
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 

Nota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRA

  • 1. CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRA – em busca de uma tecnologia. Prof. Dr. Carlos A. M. dos Anjos1 As obras de contenção possuem por meta o combate aos efeitos danosos, protegendo a propriedade e o patrimônio, seja ele público ou privado. Para tal, projetam estruturas com capacidade de reagirem contrariamente às diversas solicitações de esforços. Para ter sucesso, as reações oferecidas necessitam, pelo menos, anular as forças de solicitações presentes no componente indutor do perigo, do risco ou do dano. Grupos de pesquisadores, os mais diversos, têm desenvolvido esforços para compreender e o fenômeno. Mas a escala temporal em que se processa o evento é díspare da escala temporal dos processos de observação direta pelo homem. Tanto é, que o último período geológico e nesse sentido, o mais recente – o Quaternário – possui mais de 1.000 anos. Isto dificulta o conhecimento do modelo fenomenológico, implicando no desconhecimento da intensidade, da duração e da freqüência em que determinados fenômenos ocorrem, principalmente de forma associada e com efeitos sinergéticos, a exemplo de ventos, tempestades de ondas, direção das correntes marinhas, fase da lua, chuvas torrenciais e volume de partículas em suspensão. Diante de tal situação, a costa brasileira tem sido alvo de processos erosivos em vários trechos. Assim, e pelo desconhecimento preciso das causas e, conseqüentemente, o desconhecimento do modelo fenomenológico, se tem projetado estruturas cujos componentes de reação não se encontram a altura da magnitude dos esforços existentes. Dessa forma, se tem projetado contenções de erosão costeira através de diversas tecnologias, a exemplo de enrocamento da praia com pedras graníticas, proteção da linha de costa com gabiões e com muros de pedra e alvenaria, implantação de cortinas de estacas-pranchas, ou estacas-de-concreto, implantação de estruturas dissipação de energia das ondas através de “escadarias”, espigões de rochas graníticas como barreira à hidrodinâmica local, engorda artificial da praia, etc. Essas tecnologias, até pelas suas diferenças de concepção, induzem igualmente a diferentes resultados. Algumas atendem ao objetivo da proteção ou da contenção com mais eficiência que 1 Geólogo pela UFPE em 1974, Especialista em Recursos Hídricos pela UFAL em 1988, Mestre em Engenharia Civil/Geotecnia pela UFPB em 1992 e Doutor em Geociências e Meio Ambiente pela UNESP em 1999. Professor da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), onde lecionas as disciplinas de Geologia Geral e Mapeamento Temático.
  • 2. outras, mas praticamente todas se deparam com problemas de operação, principalmente no que tange a sua vida útil, às necessidades de manutenção, aos custos dessa manutenção, à disponibilidade de materiais para alimentar a manutenção – já que as jazidas de materiais são finitas, etc. Necessitam ainda atender alguns pressupostos ambientais como a acessibilidade à praia, a harmonia da paisagem e não permitir a formação de vetores (comuns nos enrocamentos e nos gabiões) como ratos, escorpiões, baratas, etc.. Um terceiro eixo que a obra deve atender refere-se à recomposição natural do perfil praial. Pelas observações realizadas na costa alagoana, de todos os projetos voltados a contensão de erosão, apenas um tem se mostrado adequado. Trata-se do barra-mar dissipador coma tecnologia Bag Wall. Foi inicialmente implantado na praia de Boqueirão, município de Japaratinga em uma extensão de 300 metros e, mais de 9 anos depois mostra uma engorda natural da praia em toda a extensão da obra e sem se observar nenhum reflexo negativo nas circunvizinhanças. Posteriormente, na praia de Ponta Verde, município de Maceió, foi implantada outra obra similar com uma extensão de 150 metros que, atualmente já com 9 anos, igualmente recompôs o perfil praial. Na Ilha de Santa Rita, praia do bairro de Barra Nova, município de Marechal Deodoro/AL, foi também implantado o Bagwall com extensão de 1.250m, com 4 anos de construído, se mostra também em processo de engorda natural. Por último foi implantado na Ilha de Santo Antônio, município de Barra de Santo Antônio, com extensão de 1.000 metros e 1 ano de construído, também apresenta claros sinais de um processo de engorda natural. A tecnologia Bag Wal tem por características a sobreposição de blocos de micro-concreto. Esse material é todo preparado no local através de misturadores e de betoneiras e posteriormente bombeado para geoformas biodegradáveis que, após a cura do material, mostra uma capacidade de carga superior a 12 mPa. Cada bloco confinado em uma geoforma adquire um peso total da ordem de 2,4 ton, o que vem conferir elevada estabilidade ao conjunto, que tem sua fundação abaixo da cota de menor maré. Isto permite eliminar as tensões de sucção existentes no refluxo dessas marés. Através da geometria em degraus, o conjunto mostra-se harmonioso com a paisagem e permite o fácil acesso à praia. Sua forma côncava, simulando pequenas enseadas, permite que as ondas não incidam apenas de forma frontal, dissipando sua energia ao tempo em que se espraiam ao longo de cada degrau. À medida que as ondas perdem energia, depositam as partículas de areia então em suspensão. Com isso, inverte-se o processo. O ambiente tipicamente de erosão passa a ser eminentemente de deposição.
  • 3. A tecnologia é originaria da costa leste da Califórnia, onde o Bag Wall já se encontra normatizado, tem vida útil média de 50 anos, exigindo manutenção apenas a cada 10 anos.