SlideShare uma empresa Scribd logo
PRAD
Plano de Recuperação da
Área Degradada como
condicionante da
Implantação do Hospital do
Subúrbio – Salvador, Bahia
Fevereiro, 2009
2
Equipe Técnica
3

RESPONSÁVEIS TÉCNICOS
Fernando de Almeida Dutra – Eng. Sanitarista e Civil
João Augusto Barreto Sampaio – Eng. Sanitarista, Civil e de
Segurança do Trabalho
Adaltro Torres de Azevedo Jr. – Eng. Agrônomo
Mateus Camilo Leite Matos – Biólogo
Éryca Maranhão dos Santos – Bióloga
ESTAGIÁRIOS
Danilo Santos Vieira Lima – Graduando em Eng. Ambiental
Fábio Pereira de Carvalho – Graduando em Eng. Ambiental
1. Introdução
4
2.Descrição do Empreendimento
5

2.1. Informações Gerais

Requerente: SESAB - Secretaria da Saúde do Estado da Bahia
Endereço: Rua Manoel Lino S/N, Periperi – Salvador
Localização: Estrada da Base Naval de Aratu - Subúrbio
2.Descrição do Empreendimento
6

2.2. Caracterização e Localização do Impacto
Implantação de Unidade de Saúde
Escavação e terraplanagem
Erosão hídrica

Escoamento superficial de sedimentos

Voçorocas
Perda de solo
7
8
3. Justificativa
9

“Do ponto de vista legal, a necessidade de recuperação
ambiental de áreas degradadas é contemplada e disciplinada
por uma série de dispositivos federais, estaduais e
municipais.” (MURGEL ET AL., 1992)
4. Revisão
10

4.1. Degradação Ambiental e Recuperação de Áreas Degradadas

“A recuperação de áreas degradadas pode ser definida
como um processo de reversão dessas áreas em terras
produtivas e autossustentáveis, de acordo com uma
proposta preestabelecida de uso do solo” (IBAMA, 1990)
5.Definição das diretrizes do PRAD
11

5.1. Objetivos para recuperação das áreas
A recuperação das áreas degradadas deve ser fundamentada em três
preocupações principais:

I. Estabelecer as ações de recuperação;
II. Formar cobertura vegetal, recompondo uma área;
III. Planejar, de forma a haver recuperação espontânea
Objetivos Específicos a serem empregados
12

 Condições para germinação
 Proteção e aumento da capacidade de trocas do solo
 Reduzir a erosão, e a evaporação de água do solo
 Reduzir o escoamento da água, aumentando sua infiltração
 Reduzir o carregamento de sedimento
 Plantio em épocas de estiagem
 Melhorar o aspecto visual da área
 Rapidez no processo de revegetação
 Impedir a erosão Eólica
6. Levantamentos preliminares do
Meio-Ambiente
13

Clima;
Geologia;
Geomorfologia;
Recursos Edáficos;
Recursos Hídricos;

Meio Biótico.
6.1. Meio Físico
14

6.1.1. Climatologia

Salvador
Elevadas temperaturas no verão
Inverno Ameno

Temperatura média
superior a 22°C
Cidade Tropical
15

Gráfico de temperatura média de
Salvador e Camaçari para os meses
do ano
16

6.1.2. Pluviometria
Maior Precipitação : Abril e Junho
175mm

Máxima

325mm

Mínima

110mm
Média anual de 2100mm

1960- 1990
17
18

6.1.3. Umidade Relativa do Ar

Umidade relativa sendo alta e típica de clima úmido.
A evaporação da região ocorre numa média de 80mm ao mês
19
20

6.1.4. Geologia
Bacia Hidrográfica do Rio do Cobre
Três domínios geológicos

Rochas Cristalinas Pré-Cambrianas;
Rochas Sedimentares Mesozoicas e Terciárias.
21

6.1.5. Geomorfologia
6.1.5.1. Unidades Geomorfológicas
Altimetria: Entre 50m e 100m
Declividade: 0% a 15%

As formas resultantes constituem-se de colinas originadas da ação do
modelado de dissecação homogênea sem controle estrutural marcante.
22

Os topos planos apresentam taxas elevadas de infiltração das águas
pluviais;
O desenvolvimento de processos erosivos é facilitado pela composição
areno-argilosa dos sedimentos;
Podem originar sulcos, voçorocas e ravinas.
23

6.1.6. Recursos Edáficos

6.1.6.1. Metodologia

Foram averiguadas as classes e as associações de solo que ocorrem na

área de empreendimento através de observação em barrancos, corte
em taludes e análise do relevo.
24

6.1.6.1.1. Fase pré-campo

Baseada em três atividades principais:
Interpretação de fotos aéreas
Mapa planimétrico
Pesquisa Bibliográfica da região

Foi obtido imagens de satélite da área e ortofoto de empreendimento para
determinação dos pontos de averiguação.
25

6.1.6.1.2. Fase de Campo

No dia 6 de fevereiro de 2009 foi realizada uma visita de campo,
sendo levantada a topografia do terreno, sua característica
geomorfológica, acesso as áreas em estudo e marcação dos
pontos de análise.
26

6.1.7. Pedologia

Em campo, foram averiguadas as classes e as associações de solos
que ocorrem na área do empreendimento, de observação de taludes

e análises do relevo.
27

Caracterização do solo da área do empreendimento
É composta por sedimentos do terciário, sendo areno-argiloso e

relativamente uniforme.
Em geral pouco evoluídos, pobres em nutrientes e muitos suscetíveis a
instalação de processos degradativos.

Na classe de solos, a identificada foi a Lotossolo Amarelo-Vermelho
28
29

6.1.8. Recursos Hídricos
A área está inserida na bacia hidrográfica do Rio do Cobre, com uma área de

aproximadamente 2.660ha.

Atualmente o Rio vem sofrendo a ação do avanço da malha urbana sobre suas
margens.
30
6.2. Meio Biótico
6.2.1.Unidades de Conservação
A APA Bacia do Cobre está localizada na borda oriental da baia de

todos os santos.
Salvador e Simões Filho
1.134 hectares.

A área abriga um dos últimos remanescentes de Mata Atlântica do
município de Salvador, além de ser importante reserva de água potável,
parte integrante do sistema de abastecimento local.

31
32

6.2.2. Cobertura Vegetal

A área, como um todo, é um mosaico de diferentes condições

ambientais e estádios sucessionais.
33

6.2.2.1. Floresta Secundária em Estágio Médio de Regeneração
Vegetação mais expressiva em termos ambientais, e mais dominante na
área do empreendimento;
No estágio médio de regeneração a fisionomia arbórea e/ou arbustiva
predomina sobre o extrato herbáceo, podendo constituir extratos
diferenciados.

Nas proximidades do loteamento destacam-se a presença de espécies
como da exótica Dendê, Pau-Pombo, Matataúba, Pequi de Capoeira,
Murici, Aderninho, Murta, Pau-Paraíba, Cana de Macaco e outras demais
espécies.
34

6.2.2.2.Brejos

Ambiente constantemente alagados;
Ocorre nas áreas de planícies fluviais e nas depressões alagáveis todos
os anos.
35

6.2.2.3. Áreas Antropizadas

Vegetações compostas por gramíneas;
Representada por vegetação de pasto sujo próximos a locais os quais
nativos desenvolvem atividades de pesca, onde reviram o solo em
busca de iscas.
36

6.2.2.4. Capoeira Rala

Associada ao domínio das florestas umbrófila degradadas , em
estado

incipiente de regeneração, correspondente a estágios

iniciais de sucessão, representam áreas desmatadas em processo de

recuperação.
7. Área a ser recuperada
Será realizada em duas etapas:
37
8. Processos de Recuperação
38

Limpeza da área
Coleta de amostras
Canalização
Calcário Dolomítico
Controle de Formigas
39

Etapa 1
Gramíneas fixadoras do solo (branquiaria humidicula)

Contenção dos sedimentos
Infiltração de águas pluviais

Etapa 2
Leguminosas
Fixar Nitrogênio
Terra Vegetal

Irrigação
9. Processo Compensatório
40

Escolha das Espécies
 Espécies representativas da região e clima
 Proporção de 80% de espécies pioneiras e secundárias iniciais e
10% de secundárias tardias e 10% clímax.
 Inclusão de espécies nativo-frutíferas.
 Recuperação do solo.
 Diminuição dos efeitos do desequilíbrio de temperatura.
 Utilização no suporte e manutenção da fauna.
41
Enriquecimento de Fragmentos Florestais Remanescente da Mata Atlântica
42
43
44
45

Fragmentação de ecossistemas, caracteriza-se por três principais efeitos:
 Aumento no isolamento dos fragmentos
 Diminuição em seus tamanhos
 Aumento da suscetibilidade a distúrbios externos
46

Plantio de árvores e arbustos
10. Técnicas Agronômicas
47

Preparo do solo orgânico
 Terra Vegetal
 Esterco bovino
 Farinha de osso

Preparação do terreno
 Coveamento
 Colagem e Adubação
 Plantio
 Manutenção
 Limpeza Manual
 Manutenções subsequentes
11. Cronograma Executivo
48
12. Considerações Finais
49
Referências Bibliográficas
50
51
52
Hospital do Subúrbio Atualmente
53
54
55
56
Hospital do Subúrbio em números
57


Inauguração: 13 de Setembro de 2010



268 leitos, sendo:
144 para internação de adultos
64 de internação pediátrica
50 para UTI Adulta
10 para UTI pediátrica
30 leitos de internação domiciliar










1211 funcionários: 304 médicos, 48 fisioterapeutas, 177 enfermeiras e 420
técnicos de enfermagem.



Atende 16 mil pessoas por mês, e realiza cerca de 27 cirurgias por dia.
Em Abril de 2013 foi escolhido como referência em inovação na América do
Sul e Caribe.


Obrigado!
58
Jádia Nunes; João Victor Lima; Kelly Liesenfeld; Luana Dias;
Mayara Leão; Vinicius Marques

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradasConservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradas
UERGS
 
PRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptx
PRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptxPRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptx
PRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptx
ALEXANDREDECASTROSAL
 
Recuperacao areas degradadas
Recuperacao areas degradadas Recuperacao areas degradadas
Recuperacao areas degradadas
Alexandre Panerai
 
Col.agro 14.interpretacao da analise do solo
Col.agro 14.interpretacao da analise do soloCol.agro 14.interpretacao da analise do solo
Col.agro 14.interpretacao da analise do solo
gastao ney monte braga
 
Adubação Alternativa e Plantas de Cobertura
Adubação Alternativa e Plantas de CoberturaAdubação Alternativa e Plantas de Cobertura
Adubação Alternativa e Plantas de Cobertura
Geagra UFG
 
Calagem e gessagem
Calagem e gessagemCalagem e gessagem
Calagem e gessagem
Pedro Lacerda
 
Minicurso_Noções básicas de revitalização de microbacias
Minicurso_Noções básicas de revitalização de microbaciasMinicurso_Noções básicas de revitalização de microbacias
Minicurso_Noções básicas de revitalização de microbacias
equipeagroplus
 
Fosforo na planta
Fosforo na plantaFosforo na planta
Fosforo na planta
Erikson Cipriano
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
Aula 1   ciencia do solo na agronomiaAula 1   ciencia do solo na agronomia
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
Jadson Belem de Moura
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
UERGS
 
EIA - RIMA
EIA - RIMAEIA - RIMA
EIA - RIMA
Beatriz Henkels
 
Fitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetais
Fitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetaisFitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetais
Fitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetais
FREDY TELLO
 
Recuperação de lagos
Recuperação de lagosRecuperação de lagos
Recuperação de lagos
Valberta Cabral
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
Geagra UFG
 
Aula 02 compostagem
Aula 02 compostagemAula 02 compostagem
Aula 02 compostagem
Luiz Murilo Rocha Câmara
 
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGSAula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Elvio Giasson
 
Latossolo spdf
Latossolo spdfLatossolo spdf
Latossolo spdf
Isaias E Clara
 
11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Introdução aula 2
Introdução   aula 2Introdução   aula 2
Introdução aula 2
Giovanna Ortiz
 

Mais procurados (20)

Conservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradasConservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradas
 
PRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptx
PRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptxPRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptx
PRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptx
 
Recuperacao areas degradadas
Recuperacao areas degradadas Recuperacao areas degradadas
Recuperacao areas degradadas
 
Col.agro 14.interpretacao da analise do solo
Col.agro 14.interpretacao da analise do soloCol.agro 14.interpretacao da analise do solo
Col.agro 14.interpretacao da analise do solo
 
Adubação Alternativa e Plantas de Cobertura
Adubação Alternativa e Plantas de CoberturaAdubação Alternativa e Plantas de Cobertura
Adubação Alternativa e Plantas de Cobertura
 
Calagem e gessagem
Calagem e gessagemCalagem e gessagem
Calagem e gessagem
 
Minicurso_Noções básicas de revitalização de microbacias
Minicurso_Noções básicas de revitalização de microbaciasMinicurso_Noções básicas de revitalização de microbacias
Minicurso_Noções básicas de revitalização de microbacias
 
Fosforo na planta
Fosforo na plantaFosforo na planta
Fosforo na planta
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
 
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
Aula 1   ciencia do solo na agronomiaAula 1   ciencia do solo na agronomia
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
 
EIA - RIMA
EIA - RIMAEIA - RIMA
EIA - RIMA
 
Fitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetais
Fitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetaisFitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetais
Fitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetais
 
Recuperação de lagos
Recuperação de lagosRecuperação de lagos
Recuperação de lagos
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
 
Aula 02 compostagem
Aula 02 compostagemAula 02 compostagem
Aula 02 compostagem
 
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGSAula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
 
Latossolo spdf
Latossolo spdfLatossolo spdf
Latossolo spdf
 
11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo11 propriedades químicas do solo
11 propriedades químicas do solo
 
Introdução aula 2
Introdução   aula 2Introdução   aula 2
Introdução aula 2
 

Destaque

Manual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadasManual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadas
Diogo Brodt
 
Bioarquitetura
BioarquiteturaBioarquitetura
Bioarquitetura
Gustavo Moura
 
Diretrizes para Urbanização no Percurso da Orla - Ianna Rolim TCC
Diretrizes para Urbanização no Percurso da Orla - Ianna Rolim TCCDiretrizes para Urbanização no Percurso da Orla - Ianna Rolim TCC
Diretrizes para Urbanização no Percurso da Orla - Ianna Rolim TCC
Ianna Rolim
 
Projeto Orla - Plano de Gestão Integrada da Orla de Olinda
Projeto Orla - Plano de Gestão Integrada da Orla de OlindaProjeto Orla - Plano de Gestão Integrada da Orla de Olinda
Projeto Orla - Plano de Gestão Integrada da Orla de Olinda
Prefeitura de Olinda
 
Telhados verdes
Telhados verdesTelhados verdes
Telhados verdes
Taty E Kívio
 
Embrapa - curso de recuperação de áreas degradadas
Embrapa -  curso de recuperação de áreas degradadasEmbrapa -  curso de recuperação de áreas degradadas
Embrapa - curso de recuperação de áreas degradadas
GAVOLUNTARIA
 
Manual recuperação áreas degradadas
Manual recuperação áreas degradadasManual recuperação áreas degradadas
Manual recuperação áreas degradadas
Jorge Henrique Silva
 
O Caminho das Águas em Salvador
O Caminho das Águas em SalvadorO Caminho das Águas em Salvador
O Caminho das Águas em Salvador
Urialisson Queiroz
 
Iglesias Igrejas Incomuns
Iglesias Igrejas IncomunsIglesias Igrejas Incomuns
Iglesias Igrejas Incomuns
manisesonline
 
Mata ciliar, como agir?
Mata ciliar, como agir?Mata ciliar, como agir?
Mata ciliar, como agir?
Jonas Da Rosa
 
Projetos agrossilvipastoris
Projetos agrossilvipastorisProjetos agrossilvipastoris
Projetos agrossilvipastoris
Exagro
 
Recuperação de áreas
Recuperação de áreas Recuperação de áreas
Recuperação de áreas
UERGS
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Fluxos urbanos
Fluxos urbanosFluxos urbanos
Fluxos urbanos
Idalina Leite
 
Contemporaneo
ContemporaneoContemporaneo
Contemporaneo
Jaqueline Leal
 
Minicurso áreas degradadas mata ciliar
Minicurso áreas degradadas mata ciliarMinicurso áreas degradadas mata ciliar
Minicurso áreas degradadas mata ciliar
Sebastião Nascimento
 
Apresentação do processo de elaboração do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAM...
Apresentação do processo de elaboração do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAM...Apresentação do processo de elaboração do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAM...
Apresentação do processo de elaboração do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAM...
Prefeitura de Olinda
 
A Visão de Futuro: Visão de Cidade e a Construção do Plano de Mobilidade Urba...
A Visão de Futuro: Visão de Cidade e a Construção do Plano de Mobilidade Urba...A Visão de Futuro: Visão de Cidade e a Construção do Plano de Mobilidade Urba...
A Visão de Futuro: Visão de Cidade e a Construção do Plano de Mobilidade Urba...
Prefeitura de Olinda
 
CIDADES DO FUTURO E A ESTRATÉGIA DE LISBOA
CIDADES DO FUTURO E A ESTRATÉGIA DE LISBOACIDADES DO FUTURO E A ESTRATÉGIA DE LISBOA
CIDADES DO FUTURO E A ESTRATÉGIA DE LISBOA
Paulo Carvalho
 

Destaque (20)

Manual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadasManual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadas
 
Bioarquitetura
BioarquiteturaBioarquitetura
Bioarquitetura
 
Diretrizes para Urbanização no Percurso da Orla - Ianna Rolim TCC
Diretrizes para Urbanização no Percurso da Orla - Ianna Rolim TCCDiretrizes para Urbanização no Percurso da Orla - Ianna Rolim TCC
Diretrizes para Urbanização no Percurso da Orla - Ianna Rolim TCC
 
Foda
FodaFoda
Foda
 
Projeto Orla - Plano de Gestão Integrada da Orla de Olinda
Projeto Orla - Plano de Gestão Integrada da Orla de OlindaProjeto Orla - Plano de Gestão Integrada da Orla de Olinda
Projeto Orla - Plano de Gestão Integrada da Orla de Olinda
 
Telhados verdes
Telhados verdesTelhados verdes
Telhados verdes
 
Embrapa - curso de recuperação de áreas degradadas
Embrapa -  curso de recuperação de áreas degradadasEmbrapa -  curso de recuperação de áreas degradadas
Embrapa - curso de recuperação de áreas degradadas
 
Manual recuperação áreas degradadas
Manual recuperação áreas degradadasManual recuperação áreas degradadas
Manual recuperação áreas degradadas
 
O Caminho das Águas em Salvador
O Caminho das Águas em SalvadorO Caminho das Águas em Salvador
O Caminho das Águas em Salvador
 
Iglesias Igrejas Incomuns
Iglesias Igrejas IncomunsIglesias Igrejas Incomuns
Iglesias Igrejas Incomuns
 
Mata ciliar, como agir?
Mata ciliar, como agir?Mata ciliar, como agir?
Mata ciliar, como agir?
 
Projetos agrossilvipastoris
Projetos agrossilvipastorisProjetos agrossilvipastoris
Projetos agrossilvipastoris
 
Recuperação de áreas
Recuperação de áreas Recuperação de áreas
Recuperação de áreas
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Fluxos urbanos
Fluxos urbanosFluxos urbanos
Fluxos urbanos
 
Contemporaneo
ContemporaneoContemporaneo
Contemporaneo
 
Minicurso áreas degradadas mata ciliar
Minicurso áreas degradadas mata ciliarMinicurso áreas degradadas mata ciliar
Minicurso áreas degradadas mata ciliar
 
Apresentação do processo de elaboração do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAM...
Apresentação do processo de elaboração do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAM...Apresentação do processo de elaboração do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAM...
Apresentação do processo de elaboração do Plano de Mobilidade de Olinda (PLAM...
 
A Visão de Futuro: Visão de Cidade e a Construção do Plano de Mobilidade Urba...
A Visão de Futuro: Visão de Cidade e a Construção do Plano de Mobilidade Urba...A Visão de Futuro: Visão de Cidade e a Construção do Plano de Mobilidade Urba...
A Visão de Futuro: Visão de Cidade e a Construção do Plano de Mobilidade Urba...
 
CIDADES DO FUTURO E A ESTRATÉGIA DE LISBOA
CIDADES DO FUTURO E A ESTRATÉGIA DE LISBOACIDADES DO FUTURO E A ESTRATÉGIA DE LISBOA
CIDADES DO FUTURO E A ESTRATÉGIA DE LISBOA
 

Semelhante a Plano de Recuperação da Área Degradada como condicionante da Implantação do Hospital do Subúrbio – Salvador, Bahia

Trabalho académico recurso hidricos portugueses
Trabalho académico   recurso hidricos portuguesesTrabalho académico   recurso hidricos portugueses
Trabalho académico recurso hidricos portugueses
Mário Silva
 
Parecer Técnico Aterro Jardim Gramacho - Empresa Gás Verde S. A.
Parecer Técnico Aterro Jardim Gramacho - Empresa Gás Verde S. A.Parecer Técnico Aterro Jardim Gramacho - Empresa Gás Verde S. A.
Parecer Técnico Aterro Jardim Gramacho - Empresa Gás Verde S. A.
Marcelo Forest
 
4 bacias hidrograficas
4 bacias hidrograficas4 bacias hidrograficas
4 bacias hidrograficas
Danusa Campos
 
Relatorio apa de massambaba
Relatorio apa de massambabaRelatorio apa de massambaba
Relatorio apa de massambaba
williandeazevedoalmeida
 
Proteção de solos em área de recarga de nascentes
Proteção de solos em área de recarga de nascentesProteção de solos em área de recarga de nascentes
Proteção de solos em área de recarga de nascentes
Rodrigo Sganzerla
 
Projeto_Parque_RAMALHO_Pba_MS
Projeto_Parque_RAMALHO_Pba_MS Projeto_Parque_RAMALHO_Pba_MS
Projeto_Parque_RAMALHO_Pba_MS
AssociaoAmigosdaNatu1
 
Proj_Parque_Ramalho_Pba_MS
Proj_Parque_Ramalho_Pba_MSProj_Parque_Ramalho_Pba_MS
Proj_Parque_Ramalho_Pba_MS
AssociaoAmigosdaNatu1
 
Parecer técnico manguezal moveis circular 2
Parecer técnico manguezal moveis circular 2Parecer técnico manguezal moveis circular 2
Parecer técnico manguezal moveis circular 2
Marcelo Forest
 
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
ceama
 
Dominios%20 morfoclim%c1ticos
Dominios%20 morfoclim%c1ticosDominios%20 morfoclim%c1ticos
Dominios%20 morfoclim%c1ticos
Bruno-machado Bruno
 
Águas Subterrâneas
Águas SubterrâneasÁguas Subterrâneas
Águas Subterrâneas
Carlos Gomes
 
CAATINGA
CAATINGACAATINGA
CAATINGA
Lívia Alencar
 
Termo de Referência para elaboração de um Plano de Gerenciamento de Áreas Deg...
Termo de Referência para elaboração de um Plano de Gerenciamento de Áreas Deg...Termo de Referência para elaboração de um Plano de Gerenciamento de Áreas Deg...
Termo de Referência para elaboração de um Plano de Gerenciamento de Áreas Deg...
Felipe Harano
 
Bioma Caatinga
Bioma CaatingaBioma Caatinga
Bioma Caatinga
Jean Leão
 
Praticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadas
Praticas de conservação  do solo e recuperação de áreas degradadasPraticas de conservação  do solo e recuperação de áreas degradadas
Praticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadas
Fernando Assis
 
Uso agrícola das áreas de recarga do Aqüífero Guarani no Brasil e implicações...
Uso agrícola das áreas de recarga do Aqüífero Guarani no Brasil e implicações...Uso agrícola das áreas de recarga do Aqüífero Guarani no Brasil e implicações...
Uso agrícola das áreas de recarga do Aqüífero Guarani no Brasil e implicações...
fernandameneguzzo
 
Caderno 63 73
Caderno 63 73Caderno 63 73
Caderno 63 73
guestd9ed4b3f
 
Apostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadasApostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadas
Dalvino Jose de Moura
 
Apostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadasApostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadas
Rômulo Magno
 
Drenagem agrícola
Drenagem agrícolaDrenagem agrícola
Drenagem agrícola
lipemodesto
 

Semelhante a Plano de Recuperação da Área Degradada como condicionante da Implantação do Hospital do Subúrbio – Salvador, Bahia (20)

Trabalho académico recurso hidricos portugueses
Trabalho académico   recurso hidricos portuguesesTrabalho académico   recurso hidricos portugueses
Trabalho académico recurso hidricos portugueses
 
Parecer Técnico Aterro Jardim Gramacho - Empresa Gás Verde S. A.
Parecer Técnico Aterro Jardim Gramacho - Empresa Gás Verde S. A.Parecer Técnico Aterro Jardim Gramacho - Empresa Gás Verde S. A.
Parecer Técnico Aterro Jardim Gramacho - Empresa Gás Verde S. A.
 
4 bacias hidrograficas
4 bacias hidrograficas4 bacias hidrograficas
4 bacias hidrograficas
 
Relatorio apa de massambaba
Relatorio apa de massambabaRelatorio apa de massambaba
Relatorio apa de massambaba
 
Proteção de solos em área de recarga de nascentes
Proteção de solos em área de recarga de nascentesProteção de solos em área de recarga de nascentes
Proteção de solos em área de recarga de nascentes
 
Projeto_Parque_RAMALHO_Pba_MS
Projeto_Parque_RAMALHO_Pba_MS Projeto_Parque_RAMALHO_Pba_MS
Projeto_Parque_RAMALHO_Pba_MS
 
Proj_Parque_Ramalho_Pba_MS
Proj_Parque_Ramalho_Pba_MSProj_Parque_Ramalho_Pba_MS
Proj_Parque_Ramalho_Pba_MS
 
Parecer técnico manguezal moveis circular 2
Parecer técnico manguezal moveis circular 2Parecer técnico manguezal moveis circular 2
Parecer técnico manguezal moveis circular 2
 
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
 
Dominios%20 morfoclim%c1ticos
Dominios%20 morfoclim%c1ticosDominios%20 morfoclim%c1ticos
Dominios%20 morfoclim%c1ticos
 
Águas Subterrâneas
Águas SubterrâneasÁguas Subterrâneas
Águas Subterrâneas
 
CAATINGA
CAATINGACAATINGA
CAATINGA
 
Termo de Referência para elaboração de um Plano de Gerenciamento de Áreas Deg...
Termo de Referência para elaboração de um Plano de Gerenciamento de Áreas Deg...Termo de Referência para elaboração de um Plano de Gerenciamento de Áreas Deg...
Termo de Referência para elaboração de um Plano de Gerenciamento de Áreas Deg...
 
Bioma Caatinga
Bioma CaatingaBioma Caatinga
Bioma Caatinga
 
Praticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadas
Praticas de conservação  do solo e recuperação de áreas degradadasPraticas de conservação  do solo e recuperação de áreas degradadas
Praticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadas
 
Uso agrícola das áreas de recarga do Aqüífero Guarani no Brasil e implicações...
Uso agrícola das áreas de recarga do Aqüífero Guarani no Brasil e implicações...Uso agrícola das áreas de recarga do Aqüífero Guarani no Brasil e implicações...
Uso agrícola das áreas de recarga do Aqüífero Guarani no Brasil e implicações...
 
Caderno 63 73
Caderno 63 73Caderno 63 73
Caderno 63 73
 
Apostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadasApostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadas
 
Apostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadasApostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadas
 
Drenagem agrícola
Drenagem agrícolaDrenagem agrícola
Drenagem agrícola
 

Último

Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 

Plano de Recuperação da Área Degradada como condicionante da Implantação do Hospital do Subúrbio – Salvador, Bahia

  • 1. PRAD Plano de Recuperação da Área Degradada como condicionante da Implantação do Hospital do Subúrbio – Salvador, Bahia Fevereiro, 2009
  • 2. 2
  • 3. Equipe Técnica 3 RESPONSÁVEIS TÉCNICOS Fernando de Almeida Dutra – Eng. Sanitarista e Civil João Augusto Barreto Sampaio – Eng. Sanitarista, Civil e de Segurança do Trabalho Adaltro Torres de Azevedo Jr. – Eng. Agrônomo Mateus Camilo Leite Matos – Biólogo Éryca Maranhão dos Santos – Bióloga ESTAGIÁRIOS Danilo Santos Vieira Lima – Graduando em Eng. Ambiental Fábio Pereira de Carvalho – Graduando em Eng. Ambiental
  • 5. 2.Descrição do Empreendimento 5 2.1. Informações Gerais Requerente: SESAB - Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Endereço: Rua Manoel Lino S/N, Periperi – Salvador Localização: Estrada da Base Naval de Aratu - Subúrbio
  • 6. 2.Descrição do Empreendimento 6 2.2. Caracterização e Localização do Impacto Implantação de Unidade de Saúde Escavação e terraplanagem Erosão hídrica Escoamento superficial de sedimentos Voçorocas Perda de solo
  • 7. 7
  • 8. 8
  • 9. 3. Justificativa 9 “Do ponto de vista legal, a necessidade de recuperação ambiental de áreas degradadas é contemplada e disciplinada por uma série de dispositivos federais, estaduais e municipais.” (MURGEL ET AL., 1992)
  • 10. 4. Revisão 10 4.1. Degradação Ambiental e Recuperação de Áreas Degradadas “A recuperação de áreas degradadas pode ser definida como um processo de reversão dessas áreas em terras produtivas e autossustentáveis, de acordo com uma proposta preestabelecida de uso do solo” (IBAMA, 1990)
  • 11. 5.Definição das diretrizes do PRAD 11 5.1. Objetivos para recuperação das áreas A recuperação das áreas degradadas deve ser fundamentada em três preocupações principais: I. Estabelecer as ações de recuperação; II. Formar cobertura vegetal, recompondo uma área; III. Planejar, de forma a haver recuperação espontânea
  • 12. Objetivos Específicos a serem empregados 12  Condições para germinação  Proteção e aumento da capacidade de trocas do solo  Reduzir a erosão, e a evaporação de água do solo  Reduzir o escoamento da água, aumentando sua infiltração  Reduzir o carregamento de sedimento  Plantio em épocas de estiagem  Melhorar o aspecto visual da área  Rapidez no processo de revegetação  Impedir a erosão Eólica
  • 13. 6. Levantamentos preliminares do Meio-Ambiente 13 Clima; Geologia; Geomorfologia; Recursos Edáficos; Recursos Hídricos; Meio Biótico.
  • 14. 6.1. Meio Físico 14 6.1.1. Climatologia Salvador Elevadas temperaturas no verão Inverno Ameno Temperatura média superior a 22°C Cidade Tropical
  • 15. 15 Gráfico de temperatura média de Salvador e Camaçari para os meses do ano
  • 16. 16 6.1.2. Pluviometria Maior Precipitação : Abril e Junho 175mm Máxima 325mm Mínima 110mm Média anual de 2100mm 1960- 1990
  • 17. 17
  • 18. 18 6.1.3. Umidade Relativa do Ar Umidade relativa sendo alta e típica de clima úmido. A evaporação da região ocorre numa média de 80mm ao mês
  • 19. 19
  • 20. 20 6.1.4. Geologia Bacia Hidrográfica do Rio do Cobre Três domínios geológicos Rochas Cristalinas Pré-Cambrianas; Rochas Sedimentares Mesozoicas e Terciárias.
  • 21. 21 6.1.5. Geomorfologia 6.1.5.1. Unidades Geomorfológicas Altimetria: Entre 50m e 100m Declividade: 0% a 15% As formas resultantes constituem-se de colinas originadas da ação do modelado de dissecação homogênea sem controle estrutural marcante.
  • 22. 22 Os topos planos apresentam taxas elevadas de infiltração das águas pluviais; O desenvolvimento de processos erosivos é facilitado pela composição areno-argilosa dos sedimentos; Podem originar sulcos, voçorocas e ravinas.
  • 23. 23 6.1.6. Recursos Edáficos 6.1.6.1. Metodologia Foram averiguadas as classes e as associações de solo que ocorrem na área de empreendimento através de observação em barrancos, corte em taludes e análise do relevo.
  • 24. 24 6.1.6.1.1. Fase pré-campo Baseada em três atividades principais: Interpretação de fotos aéreas Mapa planimétrico Pesquisa Bibliográfica da região Foi obtido imagens de satélite da área e ortofoto de empreendimento para determinação dos pontos de averiguação.
  • 25. 25 6.1.6.1.2. Fase de Campo No dia 6 de fevereiro de 2009 foi realizada uma visita de campo, sendo levantada a topografia do terreno, sua característica geomorfológica, acesso as áreas em estudo e marcação dos pontos de análise.
  • 26. 26 6.1.7. Pedologia Em campo, foram averiguadas as classes e as associações de solos que ocorrem na área do empreendimento, de observação de taludes e análises do relevo.
  • 27. 27 Caracterização do solo da área do empreendimento É composta por sedimentos do terciário, sendo areno-argiloso e relativamente uniforme. Em geral pouco evoluídos, pobres em nutrientes e muitos suscetíveis a instalação de processos degradativos. Na classe de solos, a identificada foi a Lotossolo Amarelo-Vermelho
  • 28. 28
  • 29. 29 6.1.8. Recursos Hídricos A área está inserida na bacia hidrográfica do Rio do Cobre, com uma área de aproximadamente 2.660ha. Atualmente o Rio vem sofrendo a ação do avanço da malha urbana sobre suas margens.
  • 30. 30
  • 31. 6.2. Meio Biótico 6.2.1.Unidades de Conservação A APA Bacia do Cobre está localizada na borda oriental da baia de todos os santos. Salvador e Simões Filho 1.134 hectares. A área abriga um dos últimos remanescentes de Mata Atlântica do município de Salvador, além de ser importante reserva de água potável, parte integrante do sistema de abastecimento local. 31
  • 32. 32 6.2.2. Cobertura Vegetal A área, como um todo, é um mosaico de diferentes condições ambientais e estádios sucessionais.
  • 33. 33 6.2.2.1. Floresta Secundária em Estágio Médio de Regeneração Vegetação mais expressiva em termos ambientais, e mais dominante na área do empreendimento; No estágio médio de regeneração a fisionomia arbórea e/ou arbustiva predomina sobre o extrato herbáceo, podendo constituir extratos diferenciados. Nas proximidades do loteamento destacam-se a presença de espécies como da exótica Dendê, Pau-Pombo, Matataúba, Pequi de Capoeira, Murici, Aderninho, Murta, Pau-Paraíba, Cana de Macaco e outras demais espécies.
  • 34. 34 6.2.2.2.Brejos Ambiente constantemente alagados; Ocorre nas áreas de planícies fluviais e nas depressões alagáveis todos os anos.
  • 35. 35 6.2.2.3. Áreas Antropizadas Vegetações compostas por gramíneas; Representada por vegetação de pasto sujo próximos a locais os quais nativos desenvolvem atividades de pesca, onde reviram o solo em busca de iscas.
  • 36. 36 6.2.2.4. Capoeira Rala Associada ao domínio das florestas umbrófila degradadas , em estado incipiente de regeneração, correspondente a estágios iniciais de sucessão, representam áreas desmatadas em processo de recuperação.
  • 37. 7. Área a ser recuperada Será realizada em duas etapas: 37
  • 38. 8. Processos de Recuperação 38 Limpeza da área Coleta de amostras Canalização Calcário Dolomítico Controle de Formigas
  • 39. 39 Etapa 1 Gramíneas fixadoras do solo (branquiaria humidicula) Contenção dos sedimentos Infiltração de águas pluviais Etapa 2 Leguminosas Fixar Nitrogênio Terra Vegetal Irrigação
  • 40. 9. Processo Compensatório 40 Escolha das Espécies  Espécies representativas da região e clima  Proporção de 80% de espécies pioneiras e secundárias iniciais e 10% de secundárias tardias e 10% clímax.  Inclusão de espécies nativo-frutíferas.  Recuperação do solo.  Diminuição dos efeitos do desequilíbrio de temperatura.  Utilização no suporte e manutenção da fauna.
  • 41. 41
  • 42. Enriquecimento de Fragmentos Florestais Remanescente da Mata Atlântica 42
  • 43. 43
  • 44. 44
  • 45. 45 Fragmentação de ecossistemas, caracteriza-se por três principais efeitos:  Aumento no isolamento dos fragmentos  Diminuição em seus tamanhos  Aumento da suscetibilidade a distúrbios externos
  • 47. 10. Técnicas Agronômicas 47 Preparo do solo orgânico  Terra Vegetal  Esterco bovino  Farinha de osso Preparação do terreno  Coveamento  Colagem e Adubação  Plantio  Manutenção  Limpeza Manual  Manutenções subsequentes
  • 51. 51
  • 52. 52
  • 53. Hospital do Subúrbio Atualmente 53
  • 54. 54
  • 55. 55
  • 56. 56
  • 57. Hospital do Subúrbio em números 57  Inauguração: 13 de Setembro de 2010  268 leitos, sendo: 144 para internação de adultos 64 de internação pediátrica 50 para UTI Adulta 10 para UTI pediátrica 30 leitos de internação domiciliar       1211 funcionários: 304 médicos, 48 fisioterapeutas, 177 enfermeiras e 420 técnicos de enfermagem.  Atende 16 mil pessoas por mês, e realiza cerca de 27 cirurgias por dia. Em Abril de 2013 foi escolhido como referência em inovação na América do Sul e Caribe. 
  • 58. Obrigado! 58 Jádia Nunes; João Victor Lima; Kelly Liesenfeld; Luana Dias; Mayara Leão; Vinicius Marques