SlideShare uma empresa Scribd logo
Polícia
VITÓRIA, ES, DOMINGO, 04 DE MAIO DE 2014 ATRIBUNA 27
PERÍCIA CRIMINAL
NovotesteparadesvendarcrimesTécnicaconsegue
identificarmais
substânciasdeixadas
nasmãosdecriminosos
apósdisparodeuma
armadefogo
FERNANDO RIBEIRO/AT
PESQUISADOR Zanata Brandão ajudou na criação de nova técnica: mais resíduos deixados por uma arma de fogo nas mãos dos criminosos são identificados
Mariana Spelta
A
polícia capixaba vai poder
contar com uma técnica fo-
rense mais precisa para
identificar quem usou a arma de
fogo em um crime.
Em uma parceria entre a Supe-
rintendência de Polícia Técnico-
CientíficadoEstadocomestudan-
tes da pós-graduação de Química
da Universidade Federal do Espí-
ritoSanto(Ufes),foicriadoumno-
vo teste que identifica mais resí-
duos deixados por uma arma de
fogo nas mãos dos criminosos.
“O tiro deixa resíduos químicos
na mão de quem realiza o dispa-
ro”, explicou a perita criminal Ca-
line Destéfani.
E a principal substância deixada
pelo disparo de uma arma de fogo
é o chumbo. Se na análise das
amostras coletadas nas mãos do
acusado for encontrado o metal,
isso significa que pode ter aconte-
cido o disparo.
“O problema é que o chumbo
pode ser encontrado em vários
produtos que são comuns no dia a
dia, como tintura de cabelo ou ba-
teria de carro. Antes, não tinha co-
mo afirmamos se o chumbo era
provenientedodisparodeumaar-
ma”, disse Caline.
Por isso, segundo a perita, havia
a necessidade da elaboração de
uma técnica que fosse mais con-
clusiva. E após dois anos de pes-
quisas realizadas em conjunto
comosestudantesdaUfes,umno-
vométodofoicriadoparaaperícia
forense.
O professor Wanderson Romão,
queéorientadordoprojetoeespe-
cialista em Química Forense, disse
quedepoisqueasamostrasdosre-
síduos são coletadas, elas são dis-
solvidas em uma solução ácida e,
em seguida, colocadas em uma
máquina, que também é usada na
análise de solos e de petróleo.
A máquina faz o elemento ácido
evaporareoquesobrasãoassubs-
tâncias encontradas nas mãos do
acusado. Se um disparo foi feito,
serão encontradas três metais:
chumbo, bário e antimônio.
Logo depois, um computador
faz a contagem desses elementos e
isso pode ajudar a identificar
quantos tiros foram efetuados e
ainda qual a arma que foi usada.
“Essa técnica consegue identifi-
car esses elementos mesmo se a
gente tiver uma quantidade muito
pequena de amostra. Então, mes-
mo se o criminoso lavar as mãos, é
possívelobteressesmetais”,expli-
cou o professor.
Agora, o desafio é adaptar a téc-
nicaaodiaadiadosperitos.“Ano-
va metodologia vai nos dar mais
informações, o que ajuda na solu-
ção dos crimes”, explicou a perita
criminal Caline Destéfani.
Técnicaatualéincompleta
O teste residuográfico – que
atualmente é realizado para des-
cobrir se alguém fez uso de arma
de fogo em um crime – é feito de
forma rápida, mas é incompleto.
A perita criminal da Polícia Civil
do Estado Caline Destéfani expli-
cou que, primeiramente, é coleta-
da uma amostra de resíduos das
mãos do acusado com uma fita.
Em seguida é colocada sobre essa
amostraumreagentederodizona-
to de sódio. “Se no material apare-
cer manchas de cor violeta, isso
quer dizer que existe chumbo na
amostra”, explicou a perita.
Elaafirmouaindaqueochumbo
é uma das substâncias que são ex-
pelidas de uma arma de fogo de-
pois que o tiro é efetuado.
Segundo Destéfani, como a pre-
sençadechumbonãosignificaque
o metal seja proveniente de uma
arma, o teste era ineficiente.
“Precisamos dar a maior quanti-
dade de informações possíveis. Por
isso, buscamos a ajuda da Ufes para
criar uma nova técnica com uma
máquina que nós já tínhamos aqui
no laboratório”, ressaltou.
A pesquisa, da qual o estudante
de Mestrado Zanata Brandão par-
ticipa, ainda não acabou.
“Precisamos ver como essa téc-
nica age em uma situação real,
pois ela só foi realizada até agora
em condições criadas em labora-
tório”, afirmou Caline.
O delegado José Lopes, chefe da
Divisão de Homicídios e Proteção
àPessoa(DHPP),contouqueano-
va técnica vai ajudar muito nas in-
vestigações dos assassinatos.
“A gente tinha dificuldade pois
os laudos técnicos emitidos pelos
peritos não eram completos. Na
investigação, nós usamos esses
laudos como mais uma prova do
crime e se essa técnica for melho-
rada, vai ajudar o nosso trabalho”,
afirmou o delegado.
Lopes disse ainda que a antiga
técnica podia até atrapalhar as in-
vestigações.
“Já teve casode todososindícios
apontarem para um suspeito que
sempre negava o crime e o laudo
dos peritos ser negativo. Ainda
bem que podemos ouvir testemu-
nhasetambémoutrostiposdetes-
tes para anexar ao inquérito”, dis-
se o delegado.
ARQUIVO/AT
SAIBA MAIS
Comofuncionaanovatécnica
> COLETA: primeiro é coletada uma
amostradasmãosdosuspeitodeum
crime com uma fita especial ou um
cotonete.
> SOLUÇÃO: aamostraédissolvidaem
uma solução ácida e levada para
umamáquina.
> EVAPORAÇÃO: o recipiente com a
amostra fica na máquina por até
quatro minutos. Ela faz com que a
soluçãoácidaseevaporeeoqueso-
brasãoassubstânciasqueestavam
nasmãosdoacusado.
> ANÁLISE:assubstânciassãoconta-
bilizadas e analisadas por um com-
putador.
AS NOVIDADES QUE VÊM POR AÍ
Convênioparamaispesquisas
> MARCADORDEMUNIÇÕES:omarca-
dor vai ser uma substância química
produzidaemlaboratórioquevaiser
colocada com a pólvora na criação
damuniçãodeumaarmadefogo.
> NO LOCAL do crime ou nas mãos do
acusado, esse marcador vai emitir
umacorquandoforexpostoporuma
lâmpada que emite radiação ultra-
violeta.
> ANÁLISE DE DOCUMENTOS: com o
desenvolvimentodeumanovatécni-
ca, será possível descobrir, apenas
pela tinta existente no documento,
seeleéfalsoounão.
> DROGAS: serádesenvolvidoumper-
filquímicodedrogas,principalmente
a cocaína, que são apreendidas no
EspíritoSanto.
> IDENTIFICAÇÃO: será ela-
borado um teste para a
identificação de drogas
sintéticas.
> PARCERIAS: a perícia cri-
minal do Estado está pro-
curando outras faculdades inte-
ressadas em formar convênios para
pesquisasnaáreaforense.
“
Os laudos
técnicos emitidos
pelos peritos não eram
completos. Se essa
técnica for melhorada,
vai ajudar o nosso
trabalho
”Delegado José Lopes, titular da Divisão
de Homicídios e Proteção à Pessoa
POLÍCIA CIVIL
PERITA Caline Destéfani

Mais conteúdo relacionado

Mais de Peritos Capixabas

Jornal A Tribuna de domingo
Jornal A Tribuna de domingoJornal A Tribuna de domingo
Jornal A Tribuna de domingo
Peritos Capixabas
 
IS 333/14 - POP Perícia Criminal
IS 333/14 - POP Perícia CriminalIS 333/14 - POP Perícia Criminal
IS 333/14 - POP Perícia Criminal
Peritos Capixabas
 
VETO PL 78/14
VETO PL 78/14VETO PL 78/14
VETO PL 78/14
Peritos Capixabas
 
Progressão de Peritos Criminais
Progressão de Peritos CriminaisProgressão de Peritos Criminais
Progressão de Peritos Criminais
Peritos Capixabas
 
Progressão de Peritos Criminais
Progressão de Peritos CriminaisProgressão de Peritos Criminais
Progressão de Peritos Criminais
Peritos Capixabas
 
DNA da maconha ajuda a descobrir rota do tráfico
DNA da maconha ajuda a descobrir rota do tráfico DNA da maconha ajuda a descobrir rota do tráfico
DNA da maconha ajuda a descobrir rota do tráfico
Peritos Capixabas
 
Bióloga ajuda a PC a prender criminosos
Bióloga ajuda a PC a prender criminososBióloga ajuda a PC a prender criminosos
Bióloga ajuda a PC a prender criminosos
Peritos Capixabas
 
Diario oficial 2014-08-18_pag_5
Diario oficial 2014-08-18_pag_5Diario oficial 2014-08-18_pag_5
Diario oficial 2014-08-18_pag_5
Peritos Capixabas
 
Jornal A Tribuna 26/07/14
Jornal A Tribuna 26/07/14Jornal A Tribuna 26/07/14
Jornal A Tribuna 26/07/14
Peritos Capixabas
 
Diario oficial 2014-07-11_pag_9
Diario oficial 2014-07-11_pag_9Diario oficial 2014-07-11_pag_9
Diario oficial 2014-07-11_pag_9
Peritos Capixabas
 
Carta aberta ao governador aperj
Carta aberta ao governador   aperjCarta aberta ao governador   aperj
Carta aberta ao governador aperj
Peritos Capixabas
 
Decreto copa
Decreto copaDecreto copa
Decreto copa
Peritos Capixabas
 
20140512 edital conv audiência publica
20140512 edital conv audiência publica20140512 edital conv audiência publica
20140512 edital conv audiência publica
Peritos Capixabas
 
Diario oficial 2014-04-17_pag_30
Diario oficial 2014-04-17_pag_30Diario oficial 2014-04-17_pag_30
Diario oficial 2014-04-17_pag_30
Peritos Capixabas
 
Diario oficial 2014-04-17_pag_29
Diario oficial 2014-04-17_pag_29Diario oficial 2014-04-17_pag_29
Diario oficial 2014-04-17_pag_29
Peritos Capixabas
 
Diario oficial 2014-04-17_pag_28
Diario oficial 2014-04-17_pag_28Diario oficial 2014-04-17_pag_28
Diario oficial 2014-04-17_pag_28
Peritos Capixabas
 
Does 20140324 n970412382
Does 20140324 n970412382Does 20140324 n970412382
Does 20140324 n970412382
Peritos Capixabas
 
Does 20140228 1738661217
Does 20140228 1738661217Does 20140228 1738661217
Does 20140228 1738661217
Peritos Capixabas
 
Does 20140228 1738661217
Does 20140228 1738661217Does 20140228 1738661217
Does 20140228 1738661217
Peritos Capixabas
 
Does 20140307 460298203
Does 20140307 460298203Does 20140307 460298203
Does 20140307 460298203
Peritos Capixabas
 

Mais de Peritos Capixabas (20)

Jornal A Tribuna de domingo
Jornal A Tribuna de domingoJornal A Tribuna de domingo
Jornal A Tribuna de domingo
 
IS 333/14 - POP Perícia Criminal
IS 333/14 - POP Perícia CriminalIS 333/14 - POP Perícia Criminal
IS 333/14 - POP Perícia Criminal
 
VETO PL 78/14
VETO PL 78/14VETO PL 78/14
VETO PL 78/14
 
Progressão de Peritos Criminais
Progressão de Peritos CriminaisProgressão de Peritos Criminais
Progressão de Peritos Criminais
 
Progressão de Peritos Criminais
Progressão de Peritos CriminaisProgressão de Peritos Criminais
Progressão de Peritos Criminais
 
DNA da maconha ajuda a descobrir rota do tráfico
DNA da maconha ajuda a descobrir rota do tráfico DNA da maconha ajuda a descobrir rota do tráfico
DNA da maconha ajuda a descobrir rota do tráfico
 
Bióloga ajuda a PC a prender criminosos
Bióloga ajuda a PC a prender criminososBióloga ajuda a PC a prender criminosos
Bióloga ajuda a PC a prender criminosos
 
Diario oficial 2014-08-18_pag_5
Diario oficial 2014-08-18_pag_5Diario oficial 2014-08-18_pag_5
Diario oficial 2014-08-18_pag_5
 
Jornal A Tribuna 26/07/14
Jornal A Tribuna 26/07/14Jornal A Tribuna 26/07/14
Jornal A Tribuna 26/07/14
 
Diario oficial 2014-07-11_pag_9
Diario oficial 2014-07-11_pag_9Diario oficial 2014-07-11_pag_9
Diario oficial 2014-07-11_pag_9
 
Carta aberta ao governador aperj
Carta aberta ao governador   aperjCarta aberta ao governador   aperj
Carta aberta ao governador aperj
 
Decreto copa
Decreto copaDecreto copa
Decreto copa
 
20140512 edital conv audiência publica
20140512 edital conv audiência publica20140512 edital conv audiência publica
20140512 edital conv audiência publica
 
Diario oficial 2014-04-17_pag_30
Diario oficial 2014-04-17_pag_30Diario oficial 2014-04-17_pag_30
Diario oficial 2014-04-17_pag_30
 
Diario oficial 2014-04-17_pag_29
Diario oficial 2014-04-17_pag_29Diario oficial 2014-04-17_pag_29
Diario oficial 2014-04-17_pag_29
 
Diario oficial 2014-04-17_pag_28
Diario oficial 2014-04-17_pag_28Diario oficial 2014-04-17_pag_28
Diario oficial 2014-04-17_pag_28
 
Does 20140324 n970412382
Does 20140324 n970412382Does 20140324 n970412382
Does 20140324 n970412382
 
Does 20140228 1738661217
Does 20140228 1738661217Does 20140228 1738661217
Does 20140228 1738661217
 
Does 20140228 1738661217
Does 20140228 1738661217Does 20140228 1738661217
Does 20140228 1738661217
 
Does 20140307 460298203
Does 20140307 460298203Does 20140307 460298203
Does 20140307 460298203
 

No04051427

  • 1. Polícia VITÓRIA, ES, DOMINGO, 04 DE MAIO DE 2014 ATRIBUNA 27 PERÍCIA CRIMINAL NovotesteparadesvendarcrimesTécnicaconsegue identificarmais substânciasdeixadas nasmãosdecriminosos apósdisparodeuma armadefogo FERNANDO RIBEIRO/AT PESQUISADOR Zanata Brandão ajudou na criação de nova técnica: mais resíduos deixados por uma arma de fogo nas mãos dos criminosos são identificados Mariana Spelta A polícia capixaba vai poder contar com uma técnica fo- rense mais precisa para identificar quem usou a arma de fogo em um crime. Em uma parceria entre a Supe- rintendência de Polícia Técnico- CientíficadoEstadocomestudan- tes da pós-graduação de Química da Universidade Federal do Espí- ritoSanto(Ufes),foicriadoumno- vo teste que identifica mais resí- duos deixados por uma arma de fogo nas mãos dos criminosos. “O tiro deixa resíduos químicos na mão de quem realiza o dispa- ro”, explicou a perita criminal Ca- line Destéfani. E a principal substância deixada pelo disparo de uma arma de fogo é o chumbo. Se na análise das amostras coletadas nas mãos do acusado for encontrado o metal, isso significa que pode ter aconte- cido o disparo. “O problema é que o chumbo pode ser encontrado em vários produtos que são comuns no dia a dia, como tintura de cabelo ou ba- teria de carro. Antes, não tinha co- mo afirmamos se o chumbo era provenientedodisparodeumaar- ma”, disse Caline. Por isso, segundo a perita, havia a necessidade da elaboração de uma técnica que fosse mais con- clusiva. E após dois anos de pes- quisas realizadas em conjunto comosestudantesdaUfes,umno- vométodofoicriadoparaaperícia forense. O professor Wanderson Romão, queéorientadordoprojetoeespe- cialista em Química Forense, disse quedepoisqueasamostrasdosre- síduos são coletadas, elas são dis- solvidas em uma solução ácida e, em seguida, colocadas em uma máquina, que também é usada na análise de solos e de petróleo. A máquina faz o elemento ácido evaporareoquesobrasãoassubs- tâncias encontradas nas mãos do acusado. Se um disparo foi feito, serão encontradas três metais: chumbo, bário e antimônio. Logo depois, um computador faz a contagem desses elementos e isso pode ajudar a identificar quantos tiros foram efetuados e ainda qual a arma que foi usada. “Essa técnica consegue identifi- car esses elementos mesmo se a gente tiver uma quantidade muito pequena de amostra. Então, mes- mo se o criminoso lavar as mãos, é possívelobteressesmetais”,expli- cou o professor. Agora, o desafio é adaptar a téc- nicaaodiaadiadosperitos.“Ano- va metodologia vai nos dar mais informações, o que ajuda na solu- ção dos crimes”, explicou a perita criminal Caline Destéfani. Técnicaatualéincompleta O teste residuográfico – que atualmente é realizado para des- cobrir se alguém fez uso de arma de fogo em um crime – é feito de forma rápida, mas é incompleto. A perita criminal da Polícia Civil do Estado Caline Destéfani expli- cou que, primeiramente, é coleta- da uma amostra de resíduos das mãos do acusado com uma fita. Em seguida é colocada sobre essa amostraumreagentederodizona- to de sódio. “Se no material apare- cer manchas de cor violeta, isso quer dizer que existe chumbo na amostra”, explicou a perita. Elaafirmouaindaqueochumbo é uma das substâncias que são ex- pelidas de uma arma de fogo de- pois que o tiro é efetuado. Segundo Destéfani, como a pre- sençadechumbonãosignificaque o metal seja proveniente de uma arma, o teste era ineficiente. “Precisamos dar a maior quanti- dade de informações possíveis. Por isso, buscamos a ajuda da Ufes para criar uma nova técnica com uma máquina que nós já tínhamos aqui no laboratório”, ressaltou. A pesquisa, da qual o estudante de Mestrado Zanata Brandão par- ticipa, ainda não acabou. “Precisamos ver como essa téc- nica age em uma situação real, pois ela só foi realizada até agora em condições criadas em labora- tório”, afirmou Caline. O delegado José Lopes, chefe da Divisão de Homicídios e Proteção àPessoa(DHPP),contouqueano- va técnica vai ajudar muito nas in- vestigações dos assassinatos. “A gente tinha dificuldade pois os laudos técnicos emitidos pelos peritos não eram completos. Na investigação, nós usamos esses laudos como mais uma prova do crime e se essa técnica for melho- rada, vai ajudar o nosso trabalho”, afirmou o delegado. Lopes disse ainda que a antiga técnica podia até atrapalhar as in- vestigações. “Já teve casode todososindícios apontarem para um suspeito que sempre negava o crime e o laudo dos peritos ser negativo. Ainda bem que podemos ouvir testemu- nhasetambémoutrostiposdetes- tes para anexar ao inquérito”, dis- se o delegado. ARQUIVO/AT SAIBA MAIS Comofuncionaanovatécnica > COLETA: primeiro é coletada uma amostradasmãosdosuspeitodeum crime com uma fita especial ou um cotonete. > SOLUÇÃO: aamostraédissolvidaem uma solução ácida e levada para umamáquina. > EVAPORAÇÃO: o recipiente com a amostra fica na máquina por até quatro minutos. Ela faz com que a soluçãoácidaseevaporeeoqueso- brasãoassubstânciasqueestavam nasmãosdoacusado. > ANÁLISE:assubstânciassãoconta- bilizadas e analisadas por um com- putador. AS NOVIDADES QUE VÊM POR AÍ Convênioparamaispesquisas > MARCADORDEMUNIÇÕES:omarca- dor vai ser uma substância química produzidaemlaboratórioquevaiser colocada com a pólvora na criação damuniçãodeumaarmadefogo. > NO LOCAL do crime ou nas mãos do acusado, esse marcador vai emitir umacorquandoforexpostoporuma lâmpada que emite radiação ultra- violeta. > ANÁLISE DE DOCUMENTOS: com o desenvolvimentodeumanovatécni- ca, será possível descobrir, apenas pela tinta existente no documento, seeleéfalsoounão. > DROGAS: serádesenvolvidoumper- filquímicodedrogas,principalmente a cocaína, que são apreendidas no EspíritoSanto. > IDENTIFICAÇÃO: será ela- borado um teste para a identificação de drogas sintéticas. > PARCERIAS: a perícia cri- minal do Estado está pro- curando outras faculdades inte- ressadas em formar convênios para pesquisasnaáreaforense. “ Os laudos técnicos emitidos pelos peritos não eram completos. Se essa técnica for melhorada, vai ajudar o nosso trabalho ”Delegado José Lopes, titular da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa POLÍCIA CIVIL PERITA Caline Destéfani