SlideShare uma empresa Scribd logo
©ABNT 2005
NORMA
BRASILEIRA
ABNT NBR
15270-3
Primeira edição
31.08.2005
Válida a partir de
30.09.2005
Componentes cerâmicos
Parte 3: Blocos cerâmicos para alvenaria
estrutural e de vedação – Métodos de
ensaio
Ceramic components
Part 3: Structural and non-structural ceramic blocks – Test methods
Palavras-chave: Bloco cerâmico. Alvenaria. Edifício. Paredes. Construção
civil.
Descriptors: Ceramic block. Walls. Buildings. Civil construction. Masoury.
ICS 81.060.20; 91.100.25
Número de referência
ABNT NBR 15270-3:2005
27 páginas
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
ii ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
© ABNT 2005
Todos os direitos reservados. A menos que especificado de outro modo, nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida
ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e microfilme, sem permissão por escrito pela ABNT.
Sede da ABNT
Av.Treze de Maio, 13 - 28º andar
20031-901 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: + 55 21 3974-2300
Fax: + 55 21 2220-1762
abnt@abnt.org.br
www.abnt.org.br
Impresso no Brasil
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados iii
Sumário Página
Prefácio........................................................................................................................................................................v
1 Objetivo ..........................................................................................................................................................1
2 Referências normativas ................................................................................................................................1
3 Definições.......................................................................................................................................................1
4 Determinação das características ...............................................................................................................4
4.1 Ensaios dos blocos cerâmicos estruturais e de vedação.........................................................................4
4.2 Confirmação de resultados de ensaios.......................................................................................................6
4.3 Contraprova ...................................................................................................................................................6
Anexo A (normativo) Determinação das características geométricas..................................................................7
A.1 Objetivo ..........................................................................................................................................................7
A.2 Aparelhagem e instrumentação...................................................................................................................7
A.3 Recebimento, preparação e acondicionamento dos corpos-de-prova....................................................7
A.4 Procedimentos...............................................................................................................................................8
A.4.1 Generalidades................................................................................................................................................8
A.4.2 Determinação das medidas das faces – Dimensões efetivas...................................................................8
A.4.3 Determinação da espessura das paredes externas e septos dos blocos...............................................9
A.4.4 Determinação do desvio em relação ao esquadro (D).............................................................................11
A.4.5 Determinação da planeza das faces (F) ....................................................................................................12
A.4.6 Determinação da área bruta (Ab) e da área líquida (Aliq)..........................................................................13
Anexo B (normativo) Determinação da massa seca e do índice de absorção d`água ......................................15
B.1 Objetivo ........................................................................................................................................................15
B.2 Aparelhagem e instrumentação.................................................................................................................15
B.3 Recebimento, preparação e acondicionamento dos corpos-de-prova..................................................15
B.4 Execução do ensaio ....................................................................................................................................15
B.4.1 Generalidades..............................................................................................................................................15
B.4.2 Determinação da massa seca (ms).............................................................................................................15
B.4.3 Determinação da massa úmida (mu)..........................................................................................................16
B.4.4 Determinação do índice de absorção d´água (AA) ..................................................................................16
B.5 Expressão dos resultados e relatório do ensaio ....................................................................................16
Anexo C (normativo) Determinação da resistência à compressão dos blocos estruturais e de vedação.....18
C.1 Objetivo ........................................................................................................................................................18
C.2 Aparelhagem e instrumentação.................................................................................................................18
C.3 Recebimento, preparação e acondicionamento dos corpos-de-prova..................................................18
C.4 Procedimentos.............................................................................................................................................19
C.4.1 Generalidades..............................................................................................................................................19
C.4.2 Posição dos corpos- de- prova nos ensaios à compressão...................................................................19
C.4.3 Blocos cerâmicos estruturais e de vedação ............................................................................................19
C.4.4 Execução do ensaio ....................................................................................................................................20
C.4.5 Expressão dos resultados e relatório de ensaio......................................................................................20
Anexo D (informativo) Diretrizes para seleção de métodos de ensaios para determinação de características
especiais.......................................................................................................................................................22
D.1 Objetivo ........................................................................................................................................................22
D.2 Introdução ....................................................................................................................................................22
D.3 Detalhes de aplicabilidade..........................................................................................................................23
D.3.1 Absorção de água inicial (AAI)...................................................................................................................23
D.4 Corpos-de-prova..........................................................................................................................................23
D.5 Quantidade...................................................................................................................................................23
Anexo E (informativo) Determinação do índice de absorção inicial....................................................................24
E.1 Objetivo ........................................................................................................................................................24
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
iv ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
E.2 Aparelhagem e instrumentação.................................................................................................................24
E.3 Recebimento, preparação e acondicionamento dos corpos-de-prova..................................................26
E.4 Procedimentos para a execução do ensaio..............................................................................................26
E.4.1 Amostra ........................................................................................................................................................26
E.4.2 Montagem dos equipamentos e nivelamento da lâmina d’água ............................................................26
E.4.3 Execução do ensaio ....................................................................................................................................26
E.5 Expressão dos resultados e relatório de ensaio......................................................................................27
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados v
Prefácio
A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Fórum Nacional de Normalização.
As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismos
de Normalização Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais Temporárias (ABNT/CEET), são
elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo
parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros).
A ABNT NBR 15270 foi elaborada no Comitê Brasileiro de Construção Civil (ABNT/CB-02), pela Comissão de
Estudo de Componentes Cerâmicos - Blocos (CE-02:101.01). O Projeto circulou em Consulta Nacional conforme
Edital nº 12, de 30.12.2004, com o número de Projeto 02:101.01-002/3.
Esta Norma, sob o título geral “Componentes cerâmicos”, tem previsão de conter as seguintes partes:
― Parte 1: Blocos cerâmicos para alvenaria de vedação – Terminologia e requisitos
― Parte 2: Blocos cerâmicos para alvenaria estrutural – Terminologia e requisitos
― Parte 3: Blocos cerâmicos para alvenaria estrutural e de vedação – Métodos de ensaio
Esta Norma cancela e substitui as ABNT NBR 6461:1983 e ABNT NBR 8043:1983.
Esta Norma contém os anexos A a C, de caráter normativo, e os anexos D e E, de caráter informativo.
Cópia não autorizada
Cópia não autorizada
NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15270-3:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 1
Componentes cerâmicos
Parte 3: Blocos cerâmicos para alvenaria estrutural e de vedação – Métodos
de ensaio
1 Objetivo
Esta parte da ABNT NBR 15270 estabelece os métodos para a execução dos ensaios dos blocos cerâmicos
estruturais e de vedação.
2 Referências normativas
As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições
para esta parte da ABNT NBR 15270. A edição indicada estava em vigor no momento desta publicação. Como
toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a
conveniência de se usar a edição mais recente da norma citada a seguir. A ABNT possui a informação das normas
em vigor em um dado momento.
ABNT NBR 8522:2003 – Concreto – Determinação dos módulos estáticos de elasticidade e de deformação e da
curva tensão-deformação
ABNT NBR 15270-1:2005 – Componentes cerâmicos – Parte 1: Blocos cerâmicos para alvenaria de vedação –
Terminologia e requisitos
ABNT NBR 15270-2:2005 – Componentes cerâmicos – Parte 2: Blocos cerâmicos para alvenaria estrutural –
Terminologia e requisitos
ABNT NBR NM-ISO 7500-1:2004 – Materiais metálicos – Calibração de máquinas de ensaio estático uniaxial –
Parte 1: Máquinas de ensaio de tração/compressão – Calibração do sistema de medição da força
ASTM E 132:1972 – Poisson’s ratio at room temperature
3 Definições
Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as definições das ABNT NBR 15270-1 e ABNT NBR 15270-2 e as
seguintes.
3.1 área bruta (Ab): Área da seção de assentamento delimitada pelas arestas do bloco, sem desconto das
áreas dos furos, quando houver.
3.2 área líquida (Aliq): Área da seção de assentamento, delimitada pelas arestas do bloco, com desconto das
áreas dos furos, quando houver.
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
2 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
3.3 bloco cerâmico de vedação: Componente da alvenaria de vedação que possui furos prismáticos
perpendiculares às faces que os contêm.
NOTAS:
1 O bloco cerâmico para vedação é produzido para ser usado especificamente com furos na horizontal, como representado
esquematicamente na figura 1.
2 Também pode ser produzido para utilização com furos na vertical, como representado esquematicamente na figura 2.
3 Os blocos cerâmicos para vedação constituem as alvenarias externas ou internas que não têm a função de resistir a
outras cargas verticais, além do peso da alvenaria da qual faz parte.
Figura 1 — Bloco cerâmico de vedação com
furos na horizontal
Figura 2 — Bloco cerâmico de vedação com
furos na vertical
3.4 bloco cerâmico estrutural: Componente da alvenaria estrutural que possui furos prismáticos
perpendiculares às faces que os contêm.
NOTA Os blocos cerâmicos estruturais são produzidos para serem assentados com os furos na vertical.
3.5 bloco cerâmico estrutural com paredes maciças: Componente da alvenaria estrutural cujas paredes
externas são maciças e as internas podem ser paredes maciças ou vazadas, empregado na alvenaria estrutural
não armada, armada e protendida, conforme representado esquematicamente nas figuras 3 e 4.
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 3
Figura 3 — Bloco cerâmico estrutural com paredes
maciças (com paredes internas maciças)
Figura 4 — Bloco cerâmico estrutural com
paredes maciças (com paredes internas vazadas)
3.6 bloco cerâmico estrutural de paredes vazadas: Componente da alvenaria estrutural com paredes
vazadas, empregado na alvenaria estrutural não armada, armada e protendida, conforme representado
esquematicamente na figura 5.
.
Figura 5 — Bloco cerâmico estrutural de paredes vazadas
3.7 bloco cerâmico estrutural perfurado: Componente da alvenaria estrutural cujos vazados são distribuídos
em toda a sua face de assentamento, empregado na alvenaria estrutural não armada, conforme representado
esquematicamente na figura 6.
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
4 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
Figura 6 — Bloco cerâmico estrutural perfurado
3.8 contraprova: Corpo-de-prova da mesma amostra original, reservado para eventuais confirmações de
resultados de ensaios.
3.9 corpos-de-prova: Exemplar do bloco principal, integrante da amostra para ensaio.
3.10 planeza das faces ou flecha (F): Presença de concavidades ou convexidades, manifestada nas faces dos
blocos. Fenômeno medido pela distância (F) (figuras A.5 a A.7).
3.11 ranhura: Frisos na superfície das paredes externas ou dos septos.
3.12 rebarba: Material remanescente da operação de corte de um bloco, facilmente removível.
3.13 septo: Elemento laminar que divide os vazados do bloco.
3.14 variação dimensional: Diferença entre os valores das dimensões de fabricação e efetiva obtida de
medições individuais segundo esta Norma.
4 Determinação das características
4.1 Ensaios dos blocos cerâmicos estruturais e de vedação
As tabelas 1, 2 e 3 indicam o sumário dos ensaios para a avaliação da conformidade dos blocos, com a finalidade
de caracterização, aceitação ou rejeição, em relação às ABNT NBR 15270-1 e ABNT NBR 15270-2.
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 5
Tabela 1 — Determinação das características geométricas -
Sumário dos métodos de ensaio
Blocos cerâmicos
Determinações N I Anexos
V E
Valores das dimensões das faces –
dimensões efetivas
X ◊ ◊
Espessura dos septos e paredes
externas do bloco
X
◊ ◊
Desvio em relação ao esquadro X ◊ ◊
Planeza das faces X ◊ ◊
Área bruta X • •
Área líquida X
A
- •
V - vedação
E - estrutural
N - normativo
I - informativo
◊ - Obrigatório para avaliação de conformidade.
• - Não obrigatório para avaliação de conformidade.
Tabela 2 — Determinação das características físicas -
Sumário dos métodos de ensaio
Blocos
cerâmicosDeterminações N I Anexos
V E
Massa seca X • •
Índice de absorção d`água X
B
◊ ◊
V - vedação
E - estrutural
N - normativo
I - informativo
◊ - Obrigatório para avaliação de conformidade.
• - Não obrigatório para avaliação de conformidade.
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
6 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
Tabela 3 — Determinação das características mecânicas -
Sumário dos métodos de ensaio
Determinações N I Anexos
Blocos
cerâmicos
V E
Resistência à compressão dos blocos
estruturais e de vedação
X C ◊ ◊
Diretrizes para seleção de métodos de
ensaios para determinação de
características especiais
X D • •
Índice de absorção inicial (AAI) X E • •
V - vedação
E - estrutural
N - normativo
I - informativo
◊ - Obrigatório para avaliação de conformidade.
• - Não obrigatório para avaliação de conformidade.
4.2 Confirmação de resultados de ensaios
Eventuais dúvidas com relação a resultados de ensaios devem ser dirimidas em laboratórios pertencentes à
Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios (RBLE).
4.3 Contraprova
Os blocos que constituem as contraprovas devem ser mantidos em condições adequadas para ensaios pelo seu
proprietário, fabricante ou construtor.
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 7
Anexo A
(normativo)
Determinação das características geométricas
A.1 Objetivo
Este anexo prescreve o método de ensaio para determinação das características geométricas a seguir:
a) medidas das faces – dimensões efetivas;
b) espessura dos septos e paredes externas dos blocos;
c) desvio em relação ao esquadro (D);
d) planeza das faces (F);
e) área bruta (Ab) e área líquida (Aliq).
A.2 Aparelhagem e instrumentação
A aparelhagem necessária para a execução do ensaio é a seguinte:
a) paquímetro com sensibilidade mínima de 0,05 mm;
b) régua metálica com sensibilidade mínima de 0,5 mm;
c) esquadro metálico de 90 ± 0,5°;
d) balança com resolução de até 10 g.
A.3 Recebimento, preparação e acondicionamento dos corpos-de-prova
Os corpos-de-prova devem ser recebidos, identificados, limpos, ter as rebarbas retiradas e colocados em
ambiente protegido que preserve suas características originais.
Cada corpo-de-prova é constituído por um bloco principal, íntegro e isento de defeitos, amostrado de acordo com
as ABNT NBR 15270-1 e ABNT NBR 15270-2.
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
8 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
A.4 Procedimentos
A.4.1 Generalidades
Os procedimentos para cada determinação das características geométricas estão descritos em A.4.2 a A.4.6.
A.4.2 Determinação das medidas das faces – Dimensões efetivas
A.4.2.1 Execução do ensaio
Os blocos devem ser colocados sobre uma superfície plana e indeformável.
Os valores da largura (L), altura (H) e comprimento (C) são obtidos fazendo-se as medições nos pontos indicados
nas figuras A.1, A.2 e A.3.
a) Bloco estrutural b) Bloco de vedação
Legenda: • pontos indicados para efetuar as medições nos blocos, nas duas faces.
Figura A.1 — Locais para medições da largura (L) do bloco
a) Bloco estrutural b) Bloco de vedação
Legenda: • pontos indicados para efetuar as medições nos blocos, nas duas faces.
Figura A.2 — Locais para medições da altura (H) do bloco
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 9
a) Bloco estrutural b) Bloco de vedação
Legenda: • pontos indicados para efetuar as medições nos blocos, nas duas faces.
Figura A.3 — Locais para medições do comprimento (C) do bloco
A.4.2.2 Expressão dos resultados e relatório de ensaio
O relatório do ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações:
a) identificação do solicitante;
b) identificação da amostra e de todos os corpos-de-prova;
c) data do recebimento da amostra;
d) data do ensaio;
e) valores individuais das dimensões das faces de cada um dos corpos-de-prova, em milímetros;
f) valor da média de cada uma das dimensões consideradas, calculado como a média aritmética dos valores
individuais, em milímetros;
g) valores de referência das tolerâncias dimensionais;
h) referência a esta Norma;
i) registros sobre eventos não previstos no decorrer dos ensaios.
A.4.3 Determinação da espessura das paredes externas e septos dos blocos
A.4.3.1 Execução do ensaio
Os corpos-de-prova devem ser colocados sobre uma superfície plana e indeformável.
A espessura das paredes externas deve ser medida no mínimo nos pontos indicados na figura A.4, buscando o
ponto onde a parede apresenta a menor espessura.
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
10 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
As medições das espessuras dos septos devem ser obtidas na região central destes, utilizando no mínimo quatro
medições, buscando os septos de menor espessura.
NOTA Caso o bloco apresente ranhuras, a medição deve ser feita no interior destas.
Figura A.4 — Posições esquemáticas para as medições da espessura das paredes externas e septos
A.4.3.2 Expressão dos resultados e relatório de ensaio
O relatório do ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações:
a) identificação do solicitante;
b) identificação da amostra e de todos os corpos-de-prova;
c) data do recebimento da amostra;
d) data do ensaio;
e) um esquema da face de corte transversal aos furos, com as indicações dos pontos onde os valores das
espessuras foram obtidos;
f) os valores individuais das espessuras das paredes externas e dos septos, para cada um dos corpos-de-prova,
expressos em milímetros;
g) valores de referência dos limites dimensionais;
h) referência a esta Norma;
i) registros sobre eventos não previstos no decorrer dos ensaios.
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 11
A.4.4 Determinação do desvio em relação ao esquadro (D)
A.4.4.1 Execução do ensaio
Os corpos-de-prova devem ser colocados sobre uma superfície plana e indeformável.
Deve-se medir o desvio em relação ao esquadro entre uma das faces destinadas ao assentamento e a maior face
destinada ao revestimento do bloco, conforme a figura A.5, empregando-se o esquadro metálico e a régua
metálica.
Figura A.5 — Desvio em relação ao esquadro - Representação esquemática
A.4.4.2 Expressão dos resultados e relatório de ensaio
O relatório do ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações:
a) identificação do solicitante;
b) identificação da amostra e de todos os corpos-de-prova;
c) data do recebimento da amostra;
d) data do ensaio;
e) valores individuais do desvio em relação ao esquadro (D) para cada um dos corpos-de-prova, expressos em
milímetros;
f) valor de referência do limite dimensional;
g) referência a esta Norma;
h) registros sobre eventos não previstos no decorrer dos ensaios.
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
12 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
A.4.5 Determinação da planeza das faces (F)
A.4.5.1 Execução do ensaio
Os corpos-de-prova devem ser colocados sobre uma superfície plana e indeformável.
Deve-se determinar a planeza de uma das faces destinadas ao revestimento através da flecha formada na
diagonal, conforme as figura A.6 ou A.7, empregando-se o esquadro metálico e a régua metálica.
Figura A.6 — Planeza das faces – Representação
esquemática – Bloco de vedação
Figura A.7 — Planeza das faces – Representação
esquemática – Bloco estrutural
A.4.5.2 Expressão dos resultados e relatório de ensaio
O relatório do ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações:
a) identificação do solicitante;
b) identificação da amostra e de todos os corpos-de-prova;
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 13
c) data do recebimento da amostra;
d) data do ensaio;
e) valores individuais da planeza das faces (F) para cada um dos corpos-de-prova, expressos em milímetros;
f) valor de referência do limite dimensional;
g) referência a esta Norma;
h) registros sobre eventos não previstos no decorrer dos ensaios.
A.4.6 Determinação da área bruta (Ab) e da área líquida (Aliq)
A determinação da área bruta é aplicável para o bloco de vedação e estrutural e a determinação da área líquida
exclusivamente para bloco estrutural.
A.4.6.1 Execução do ensaio
A.4.6.1.1 Determinação da área bruta (Ab)
a) medir a largura (L), a altura (H) e o comprimento (C) dos blocos a serem ensaiados, conforme A.4.2;
b) a área bruta de cada bloco é obtida pela expressão L x C, expressa em centímetros quadrados, com
aproximação decimal.
A.4.6.1.2 Determinação da área líquida (Aliq)
a) após a determinação da área bruta, imergir os blocos em água fervente por 2 h ou em água à temperatura
ambiente por 24 h;
b) após saturados, os blocos devem ser pesados imersos em água à temperatura de (23 ± 5)º
C; o valor obtido é
a sua massa aparente ma;
c) retirar os blocos, enxugá-los superficialmente com um pano úmido e pesá-los imediatamente, obtendo-se a
sua massa saturada mu;
d) área líquida, expressa em centímetros quadrados, de cada bloco, calculada segundo a expressão:
Hγ
mm
Aliq
⋅
−
=
)( au
onde:
Aliq é igual à área líquida, em centímetros quadrados, com aproximação decimal;
mu é igual à massa do bloco saturado, em gramas;
ma é igual à massa aparente do bloco, em gramas;
H é igual à altura do bloco, em centímetros;
γ é igual à massa específica da água, tomada igual a 1, em gramas por centímetro cúbico .
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
14 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
A.4.6.2 Expressão dos resultados e relatório de ensaio
O relatório do ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações:
a) identificação do solicitante;
b) identificação da amostra e de todos os corpos-de-prova;
c) data do recebimento da amostra;
d) data do ensaio;
e) valor médio da área bruta, calculado como a média aritmética dos valores individuais;
f) valor médio da área líquida, calculado como a média aritmética dos valores individuais;
g) referência a esta Norma;
h) registros sobre eventos não previstos no decorrer dos ensaios.
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 15
Anexo B
(normativo)
Determinação da massa seca e do índice de absorção d`água
B.1 Objetivo
Este anexo prescreve o método de ensaio para determinação da massa seca e do índice de absorção d’água.
B.2 Aparelhagem e instrumentação
A aparelhagem necessária para a execução do ensaio é composta de:
a) balança com resolução de até 5 g;
b) estufa com temperatura ajustável a (105 ± 5)º
C.
B.3 Recebimento, preparação e acondicionamento dos corpos-de-prova
Os corpos-de-prova devem ser recebidos, identificados, limpos, ter as rebarbas retiradas e colocados em
ambiente protegido que preserve suas características originais.
Cada corpo-de-prova é constituído por um bloco principal, íntegro e isento de defeitos, amostrado de acordo com
as ABNT NBR 15270-1 e ABNT NBR 15270-2.
B.4 Execução do ensaio
B.4.1 Generalidades
Após o preparo dos corpos-de-prova, devem ser seguidas as atividades descritas em B.4.2 a B.4.4
B.4.2 Determinação da massa seca (ms)
a) retirar do corpo-de-prova o pó e outras partículas soltas;
b) submeter os corpos-de-prova à secagem em estufa a (105 ± 5)ºC;
c) determinar a massa individual, em intervalos de 1 h, até que duas pesagens consecutivas de cada um deles
difiram em no máximo 0,25%, pesando-os imediatamente após a remoção da estufa;
d) medir a massa seca (ms) dos corpos-de-prova após a estabilização das pesagens, nas condições acima
estabelecidas, expressando-as em gramas.
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
16 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
B.4.3 Determinação da massa úmida (mu)
a) após a determinação da massa seca (ms), os corpos-de-prova devem ser colocados em um recipiente de
dimensões apropriadas, preenchido com água à temperatura ambiente, em volume suficiente para mantê-los
totalmente imersos;
b) o recipiente deve ser gradativamente aquecido até a água no seu interior entrar em ebulição;
c) os corpos-de-prova devem ser mantidos completamente imersos em água fervente por 2 h.
NOTAS
1 O volume de água evaporado do recipiente deve ser reposto para que a imersão dos corpos-de-prova não seja
comprometida.
2 Alternativamente, esta operação pode ser substituída pela imersão completa dos corpos-de-prova em água à temperatura
ambiente durante 24 h.
3 Havendo divergência quanto ao resultado deste ensaio, prevalece o resultado obtido em água fervente.
d) no caso de uso de água fervente, transcorrido o tempo de imersão de 2 h de fervura, deve ser interrompida a
operação e os corpos-de-prova devem ser resfriados via substituição lenta da água quente do recipiente por
água à temperatura ambiente;
e) estando a água do recipiente à temperatura ambiente, os corpos-de-prova saturados devem ser removidos e
colocados em bancada para permitir o escorrimento do excesso de água;
f) a água remanescente deve ser removida com o auxílio de um pano limpo e úmido, observando-se que o
tempo decorrido entre a remoção do excesso de água na superfície e o término das pesagens não deve ser
superior a 15 min;
g) a massa úmida (mu), expressa em gramas, é determinada pela pesagem de cada corpo-de-prova saturado;
h) os resultados das pesagens devem ser expressos em gramas.
B.4.4 Determinação do índice de absorção d´água (AA)
O índice de absorção d´água (AA) de cada corpo-de-prova é determinado pela expressão:
100x
m
mm
(%)AA
s
su−
=
onde mu e ms representam a massa úmida e a massa seca de cada corpo-de-prova, respectivamente, expressas
em gramas.
B.5 Expressão dos resultados e relatório do ensaio
O relatório de ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações:
a) identificação do solicitante;
b) identificação da amostra e de todos os corpos-de-prova;
c) data do recebimento da amostra;
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 17
d) data do ensaio;
e) valores individuais da massa seca (ms), em gramas;
f) valores individuais do índice de absorção d’água AA, em porcentagem;
g) valores de referência do índice de absorção d’água;
h) referência a esta Norma;
i) registros sobre eventos não previstos no decorrer dos ensaios.
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
18 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
Anexo C
(normativo)
Determinação da resistência à compressão dos blocos estruturais
e de vedação
C.1 Objetivo
Este anexo prescreve o método de ensaio para determinação da resistência à compressão dos blocos estruturais
e de vedação.
C.2 Aparelhagem e instrumentação
A aparelhagem necessária para a execução do ensaio é composta de uma prensa com a qual se executa o ensaio,
devendo satisfazer as seguintes condições:
a) ser provida de dispositivo que assegure a distribuição uniforme dos esforços no corpo-de-prova;
b) ser equipada com dois pratos de apoio, de aço, um dos quais articulado, que atue na face superior do
corpo-de-prova;
c) quando as dimensões dos pratos de apoios não forem suficientes para cobrir o corpo-de-prova, uma placa de
aço deve ser colocada entre os pratos e o corpo-de-prova;
d) as superfícies planas e rígidas dos pratos e placas de apoio não devem apresentar desníveis superiores a
8 x 10-2
mm para cada 4 x 102
mm;
e) as placas monolíticas de aço devem ter espessura de no mínimo 50 mm;
f) atender aos requisitos da ABNT NBR NM-ISO 7500-1;
g) ter instrumentos para permitir a leitura das cargas com aproximação de ± 2% da carga de ruptura;
h) ser capaz de transmitir a carga de modo progressivo e sem choques;
i) ter o dispositivo de medida de carga com um mínimo de inércia, de atritos e de jogos, de modo que tais
fatores não influam sensivelmente nas indicações da prensa, quando o ensaio é conduzido nas condições
indicadas em C.4.3 – d).
C.3 Recebimento, preparação e acondicionamento dos corpos-de-prova
Os corpos-de-prova devem ser recebidos, identificados, limpos, retiradas as rebarbas e colocados em ambiente
protegido que preserve suas características originais.
Cada corpo-de-prova é constituído por um bloco principal, íntegro e isento de defeitos, amostrado de acordo com
as ABNT NBR 15270-1 e ABNT NBR 15270-2.
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 19
C.4 Procedimentos
C.4.1 Generalidades
a) medir a largura (L), altura (H) e o comprimento (C) dos blocos segundo A.4.2 (figuras A.1, A.2 e A.3);
b) para a regularização das faces de trabalho dos corpos-de-prova, devem ser utilizadas pastas de cimento ou
argamassas com resistências superiores às resistências dos blocos na área bruta;
c) a superfície onde o capeamento será executado não deve se afastar do plano mais que 8 x 10-2
mm para
cada 4 x 102
mm;
d) o capeamento deve apresentar-se plano e uniforme no momento do ensaio, não sendo permitidos remendos;
e) a espessura máxima do capeamento não deve exceder 3 mm;
f) alternativamente, as faces dos corpos-de-prova podem ser regularizadas por meio de uma retífica,
dispensando-se assim o capeamento.
C.4.2 Posição dos corpos- de- prova nos ensaios à compressão
Todos os corpos-de-prova devem ser ensaiados de modo que a carga seja aplicada na direção do esforço que o
bloco deve suportar durante o seu emprego, sempre perpendicular ao comprimento e na face destinada ao
assentamento.
C.4.3 Blocos cerâmicos estruturais e de vedação
Os corpos-de-prova devem ser preparados da seguinte forma:
a) cobrir com pasta de cimento (ou argamassa) uma placa plana indeformável recoberta com uma folha de papel
umedecida ou com uma leve camada de óleo mineral;
b) aplicar à face destinada ao assentamento sobre essa pasta (ou argamassa) exercendo sobre o bloco uma
pressão manual suficiente para fazer refluir a pasta (ou argamassa) interposta, de modo a reduzir a espessura
no máximo a 3 mm;
c) logo que a pasta (ou argamassa) estiver endurecida, retirar com espátulas o excesso de pasta existente;
d) passar, em seguida, à regularização da face oposta, após procedimento indicado nas alíneas a) e b);
e) deve-se obter assim um corpo-de-prova com duas faces de trabalho devidamente regularizadas e tanto
quanto possível paralelas (ver figura C.1);
f) após o endurecimento das camadas de capeamento, imergir os corpos-de-prova em água no mínimo durante
6 h;
g) nos casos em que as faces de assentamento são regularizadas por uma retífica, não se aplicam as alíneas a),
b), c) e d).
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
20 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
Figura C.1 — Compressão axial de bloco de vedação
C.4.4 Execução do ensaio
A execução do ensaio deve ser a seguinte:
a) os blocos devem ser ensaiados na condição saturada;
b) todos os corpos-de-prova devem ser ensaiados de modo que a carga seja aplicada na direção do esforço que
o bloco deve suportar durante o seu emprego, sempre perpendicular ao comprimento e na face destinada ao
assentamento;
c) o corpo-de-prova deve ser colocado na prensa de modo que o seu centro de gravidade esteja no eixo de
carga dos pratos da prensa;
d) proceder ao ensaio de compressão, regulando os comandos da prensa, de forma que a tensão aplicada,
calculada em relação à área bruta se eleve progressivamente à razão de (0,05 ± 0,01) MPa/s.
C.4.5 Expressão dos resultados e relatório de ensaio
C.4.5.1 Para bloco estrutural
O relatório do ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações:
a) identificação do solicitante;
b) identificação da amostra e de todos os corpos-de-prova, inclusive sua indicação de rastreabilidade;
c) data do recebimento da amostra;
d) data do ensaio;
e) valor médio de cada uma das dimensões dos blocos medidos;
f) desenho esquemático de como os corpos-de-prova foram ensaiados, ressaltando a posição dos furos;
g) resistência à compressão de cada corpo-de-prova, expressa em megapascals, com aproximação decimal,
obtida dividindo-se a carga máxima, expressa em newtons, observada durante o ensaio, pela média das
áreas brutas das duas faces de trabalho de cada bloco, expressa em milímetros quadrados;
h) resistência média dos blocos expressa em MPa, com aproximação decimal, calculada como a média
aritmética dos valores individuais;
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 21
i) resistência característica à compressão estimada, determinada de acordo com 5.3 da
ABNT NBR 15270-2:2005;
j) desvio-padrão, em megapascals;
k) coeficiente de variação, em porcentagem;
l) valor de referência da resistência característica à compressão;
m) referência a esta Norma;
n) registros sobre eventos não previstos no decorrer dos ensaios.
C.4.5.2 Para bloco de vedação
O relatório do ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações:
a) identificação do solicitante;
b) identificação da amostra e de todos os corpos-de-prova;
c) data do recebimento da amostra;
d) data do ensaio;
e) valor médio de cada uma das dimensões dos blocos medidos;
f) desenho esquemático de como os corpos-de-prova foram ensaiados, ressaltando a posição dos furos;
g) resistência à compressão de cada corpo-de-prova, com aproximação decimal e expressa em megapascals,
obtida dividindo-se a carga máxima, expressa em newtons, observada durante o ensaio, pela média das
áreas brutas das duas faces de trabalho de cada bloco, expressa em milímetros quadrados;
h) valor de referência da resistência à compressão;
i) referência a esta Norma;
j) registros sobre eventos não previstos no decorrer dos ensaios.
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
22 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
Anexo D
(informativo)
Diretrizes para seleção de métodos de ensaios para determinação de
características especiais
D.1 Objetivo
Este anexo apresenta informações e estabelece diretrizes gerais para a seleção e execução de métodos de
ensaio para a determinação eventual de características físicas e mecânicas para os blocos cerâmicos de vedação
e estruturais.
Trata-se de ensaios que podem secundar necessidades específicas e exigências particulares nos contratos de
compra e venda.
D.2 Introdução
Incluem-se nas determinações das características os métodos de ensaios, aplicáveis conforme tabela D.1.
Tabela D.1 — Determinação das características físicas
Características Determinações Símbolos Método
Físicas Absorção inicial AAI Anexo E
Eb
Ea
Módulos de deformação longitudinal
dos componentes:
bloco (b), argamassa (a), graute (g)
Eg
ABNT NBR 8522
υb
υa
Mecânicas
Coeficiente de Poisson dos
componentes:
bloco (b), argamassa (a), graute(g)
υg
ASTM E 132
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 23
D.3 Detalhes de aplicabilidade
D.3.1 Absorção de água inicial (AAI)
Caso o índice de absorção de água inicial (AAI) para os blocos cerâmicos estruturais e de vedação resulte
superior a (30 g/193,55 cm2
)/min, os blocos devem ser umedecidos antes do assentamento para o seu melhor
desempenho. Se o valor do índice de absorção inicial (AAI) resultar menor que o limite mencionado, os blocos
podem ser assentados sem ser previamente umedecidos.
D.4 Corpos-de-prova
Os corpos-de-prova devem ser representativos do fornecimento, preparados conforme consta nas normas
indicadas na tabela D.1.
D.5 Quantidade
A quantidade de corpos-de-prova deve ser especificada em comum acordo entre fornecedor e consumidor em
seus contratos de compra e venda.
Na ausência de tal especificação, recomenda-se que sejam ensaiados no mínimo seis corpos-de-prova.
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
24 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
Anexo E
(informativo)
Determinação do índice de absorção inicial
E.1 Objetivo
Este anexo prescreve o método de ensaio para determinação do índice de absorção inicial.
E.2 Aparelhagem e instrumentação
Para a execução dos ensaios são necessários:
a) balança com sensibilidade de 1,0 g;
b) termômetro com sensibilidade de 1,0 ºC;
c) estufa que mantenha a temperatura entre (105 ± 5) ºC;
d) reservatório d’água que permita a manutenção de uma lâmina de (3 ± 0,2) mm, com os dispositivos de ensaio
mostrados esquematicamente na figura E.1;
e) apoios prismáticos de aço;
f) suportes metálicos rígidos com parafusos para ajuste do nível;
g) régua de nível com bolha;
h) cronômetro com sensibilidade de 1 s;
i) instrumento para medição de umidade com sensibilidade de 1 %;
j) toalhas de algodão umedecidas.
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 25
(1) Reservatório
(2) Suportes metálicos reguláveis
(3) Apoios de aço
(4) Parafusos para regulagem da altura e nível dos apoios
Corte AA
Figura E.1 — Reservatório de água e dispositivos utilizados para o ensaio
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
26 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
E.3 Recebimento, preparação e acondicionamento dos corpos-de-prova
Os corpos-de-prova devem ser recebidos, identificados, limpos, ter as rebarbas retiradas e colocados em
ambiente protegido que preserve suas características originais.
Cada corpo-de-prova é constituído por um bloco principal, íntegro e isento de defeitos, amostrado de acordo com
as ABNT NBR 15270-1 e ABNT NBR 15270-2.
E.4 Procedimentos para a execução do ensaio
E.4.1 Amostra
Recomenda-se para a amostra a utilização dos mesmos blocos que foram ensaiados para a determinação do
índice de absorção d’água e da área líquida.
A amostra deve ser seca em estufa com temperatura igual a (105 ± 5) ºC, no mínimo durante 24 h. Após a retirada
da estufa, aguardar no mínimo 2 h para executar o ensaio. Para a realização do ensaio, os blocos devem ser
resfriados ao ar livre até a temperatura ambiente, e depois o bloco deve ser pesado.
As características geométricas devem ser medidas conforme o procedimento exposto em A.4.2 e A.4.6.
No caso de faces vazadas (blocos com furos verticais), devem ser descontadas as áreas correspondentes aos
vazados da face de assentamento. Assim, a área líquida Aliq, obtida conforme procedimento exposto em A.4.6,
pode ser também calculada pela expressão:
Aliq = Ab - Av
onde Av é a área de vazados do bloco.
E.4.2 Montagem dos equipamentos e nivelamento da lâmina d’água
Instalar os apoios de aço (3) dos corpos-de-prova sobre os suportes metálicos (2), ajustando-os para que se
posicionem no terço médio do corpo-de-prova. Encher o reservatório (1) até que o nível d’água fique nivelado com
os apoios.
Com auxílio da régua de nível e dos parafusos para regulagem da altura (4), proceder ao nivelamento dos apoios,
de forma a manter o dispositivo e o nível d’água sempre em um mesmo nível. Uma vez tendo determinada a área
do reservatório, acrescentar um volume de água que eleve o nível do reservatório acima dos apoios em
(3,0 ± 0,2) mm.
E.4.3 Execução do ensaio
Determinar a massa inicial pesando cada corpo-de-prova com precisão de 1,0 g.
Para o posicionamento do corpo-de-prova, segurá-lo com uma das mãos sobre uma superfície rígida, observando
onde se encontra seu centro de gravidade. Levar o corpo-de-prova até os apoios e disparar o cronômetro somente
no momento em que o corpo-de-prova tocar a face de assentamento nos apoios. Manter o corpo-de-prova seguro,
de forma a facilitar sua retirada ao final do ensaio.
Após (60 ± 1) s, proceder à retirada do corpo-de-prova e rapidamente retirar o excesso de água da face ensaiada,
utilizando uma toalha de algodão umedecida. Esta operação deve ser realizada em no máximo 10 s.
Determinar a massa final de cada corpo-de-prova, em gramas. Esta operação deve ser realizada em no máximo
30 s após a retirada do corpo-de-prova do dispositivo de ensaio.
Cópia não autorizada
ABNT NBR 15270-3:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 27
A reposição da água absorvida pelo corpo-de-prova ao reservatório deve ser obrigatória se o reservatório possuir
área em planta inferior a 2 500 cm².
Acima desse valor a reposição da água retirada pelo corpo-de-prova para novo ensaio fica a critério dos
procedimentos internos adotados pelo laboratório.
Determinar o índice de absorção de água ínicial (AAI), calculado de acordo com a expressão:
Área
55,193
p
AAI
∆
×=
onde:
AAI é o índice de absorção d’água inicial (sucção) da face ensaiada dos blocos, expresso em
(g/193,55cm²)/min;
∆p é a variação de massa obtida no ensaio, em gramas;
Área é a área bruta ou área líquida dos blocos ensaiados, em centímetros quadrados.
NOTA Caso se proceda à determinação da sucção em ambas as faces de assentamento, realizar a segunda
determinação imediatamente após a primeira pesagem, de forma que não ocorram perdas de água por evaporação. Assim, o
peso inicial da segunda determinação deve ser considerado igual ao peso final da primeira determinação.
E.5 Expressão dos resultados e relatório de ensaio
O relatório do ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações:
a) identificação do solicitante;
b) identificação da amostra e de todos os corpos-de-prova;
c) data do recebimento da amostra;
d) data do ensaio;
e) registros das condições de temperatura e umidade;
f) dimensões médias das faces de ensaio (faces normais de assentamento, no caso da alvenaria estrutural, ou
faces laterais, tratando-se de blocos em fachadas que vão receber revestimento);
g) para blocos com vazados verticais, apresentar a relação entre área líquida e a área bruta individual (Aliq/Ab) e
a média desta relação na amostra;
h) figura esquemática com a face de assentamento do bloco;
i) massas iniciais e finais dos corpos-de-prova;
j) valor médio obtido para o índice de absorção de água inicial, expresso em g/193,55 cm2
/min;
k) valor de referência do índice de absorção de água inicial;
l) referência a esta Norma;
m) registros sobre eventos não previstos no decorrer dos ensaios.
Cópia não autorizada

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resistência dos Materiais II
Resistência dos Materiais IIResistência dos Materiais II
Resistência dos Materiais II
Ana Cristina Vieira
 
Pilar canto
Pilar cantoPilar canto
Pilar canto
EDER OLIVEIRA
 
22 tabelas de vigas
22 tabelas de vigas22 tabelas de vigas
22 tabelas de vigas
gabioa
 
Grelha 01-comandos e funções
Grelha 01-comandos e funçõesGrelha 01-comandos e funções
Grelha 01-comandos e funções
Anderson Ricardo Cunha
 
1 lajes -
1  lajes -1  lajes -
1 lajes -
Leandro Silva
 
Cálculo da capacidade de carga de fundações em estacas pelo SPT
Cálculo da capacidade de carga de fundações em estacas pelo SPTCálculo da capacidade de carga de fundações em estacas pelo SPT
Cálculo da capacidade de carga de fundações em estacas pelo SPT
Engenheiro No Canteiro
 
Ftool tutorial
Ftool tutorialFtool tutorial
Ftool tutorial
Wagner Almeida
 
Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...
Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...
Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...
Fernando Gindri
 
Fundações 04-teórico
Fundações 04-teóricoFundações 04-teórico
Fundações 04-teórico
Anderson Ricardo Cunha
 
Cálculo de muro de arrimo
Cálculo de muro de arrimoCálculo de muro de arrimo
Cálculo de muro de arrimo
Ferreira Maciel Construtora Ltda
 
Rebaixamento de lençol freático indicações, métodos e impactos decorrentes
Rebaixamento de lençol freático   indicações, métodos e impactos decorrentesRebaixamento de lençol freático   indicações, métodos e impactos decorrentes
Rebaixamento de lençol freático indicações, métodos e impactos decorrentes
Arleando Teixeira
 
Relatório de Estagio Engenharia Civil Unip
Relatório de Estagio Engenharia Civil UnipRelatório de Estagio Engenharia Civil Unip
Relatório de Estagio Engenharia Civil Unip
Andrei Santos
 
Tabela de seleção de bombas e motobombas
Tabela de seleção de bombas e motobombasTabela de seleção de bombas e motobombas
Tabela de seleção de bombas e motobombas
Pool Shop Piscinas Ltda
 
Catalogo tecnico Gerdau
Catalogo tecnico GerdauCatalogo tecnico Gerdau
Catalogo tecnico Gerdau
Fabio Silva
 
Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)
Danilo Max
 
Lajes
LajesLajes
Patologia e terapia das estruturas reforço com concreto armado (1)
Patologia e terapia das estruturas   reforço com concreto armado (1)Patologia e terapia das estruturas   reforço com concreto armado (1)
Patologia e terapia das estruturas reforço com concreto armado (1)
Ruan Fontana Lima
 
Exemplo de calculo de dosagem de concreto
Exemplo de calculo de dosagem de concretoExemplo de calculo de dosagem de concreto
Exemplo de calculo de dosagem de concreto
Anderson Carvalho
 
Estruturas de concreto_armado_i_livro_un
Estruturas de concreto_armado_i_livro_unEstruturas de concreto_armado_i_livro_un
Estruturas de concreto_armado_i_livro_un
Heldersilvaferreira ferreira
 
Pavimentos flexiveiserigidos lucasadada
Pavimentos flexiveiserigidos lucasadadaPavimentos flexiveiserigidos lucasadada
Pavimentos flexiveiserigidos lucasadada
Marcos Vinicius
 

Mais procurados (20)

Resistência dos Materiais II
Resistência dos Materiais IIResistência dos Materiais II
Resistência dos Materiais II
 
Pilar canto
Pilar cantoPilar canto
Pilar canto
 
22 tabelas de vigas
22 tabelas de vigas22 tabelas de vigas
22 tabelas de vigas
 
Grelha 01-comandos e funções
Grelha 01-comandos e funçõesGrelha 01-comandos e funções
Grelha 01-comandos e funções
 
1 lajes -
1  lajes -1  lajes -
1 lajes -
 
Cálculo da capacidade de carga de fundações em estacas pelo SPT
Cálculo da capacidade de carga de fundações em estacas pelo SPTCálculo da capacidade de carga de fundações em estacas pelo SPT
Cálculo da capacidade de carga de fundações em estacas pelo SPT
 
Ftool tutorial
Ftool tutorialFtool tutorial
Ftool tutorial
 
Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...
Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...
Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...
 
Fundações 04-teórico
Fundações 04-teóricoFundações 04-teórico
Fundações 04-teórico
 
Cálculo de muro de arrimo
Cálculo de muro de arrimoCálculo de muro de arrimo
Cálculo de muro de arrimo
 
Rebaixamento de lençol freático indicações, métodos e impactos decorrentes
Rebaixamento de lençol freático   indicações, métodos e impactos decorrentesRebaixamento de lençol freático   indicações, métodos e impactos decorrentes
Rebaixamento de lençol freático indicações, métodos e impactos decorrentes
 
Relatório de Estagio Engenharia Civil Unip
Relatório de Estagio Engenharia Civil UnipRelatório de Estagio Engenharia Civil Unip
Relatório de Estagio Engenharia Civil Unip
 
Tabela de seleção de bombas e motobombas
Tabela de seleção de bombas e motobombasTabela de seleção de bombas e motobombas
Tabela de seleção de bombas e motobombas
 
Catalogo tecnico Gerdau
Catalogo tecnico GerdauCatalogo tecnico Gerdau
Catalogo tecnico Gerdau
 
Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)
 
Lajes
LajesLajes
Lajes
 
Patologia e terapia das estruturas reforço com concreto armado (1)
Patologia e terapia das estruturas   reforço com concreto armado (1)Patologia e terapia das estruturas   reforço com concreto armado (1)
Patologia e terapia das estruturas reforço com concreto armado (1)
 
Exemplo de calculo de dosagem de concreto
Exemplo de calculo de dosagem de concretoExemplo de calculo de dosagem de concreto
Exemplo de calculo de dosagem de concreto
 
Estruturas de concreto_armado_i_livro_un
Estruturas de concreto_armado_i_livro_unEstruturas de concreto_armado_i_livro_un
Estruturas de concreto_armado_i_livro_un
 
Pavimentos flexiveiserigidos lucasadada
Pavimentos flexiveiserigidos lucasadadaPavimentos flexiveiserigidos lucasadada
Pavimentos flexiveiserigidos lucasadada
 

Semelhante a Nbr 15270 3 - blocos

Abnt nbr 5419_2005_-_sist_protecao_contra_descargas_atmosfericas_spda
Abnt nbr 5419_2005_-_sist_protecao_contra_descargas_atmosfericas_spdaAbnt nbr 5419_2005_-_sist_protecao_contra_descargas_atmosfericas_spda
Abnt nbr 5419_2005_-_sist_protecao_contra_descargas_atmosfericas_spda
Daniel Morais
 
Abnt nbr 5419 (2005) proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Abnt nbr 5419 (2005)   proteção de estruturas contra descargas atmosféricasAbnt nbr 5419 (2005)   proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Abnt nbr 5419 (2005) proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Iara Ferreira de Rezende
 
Nbr 15475 cordas
Nbr 15475   cordasNbr 15475   cordas
Nbr 15475 cordas
Rafael Castro
 
Nbr 14931 2004 - execucao de estruturas de concreto - procedimento
Nbr 14931   2004 - execucao de estruturas de concreto - procedimentoNbr 14931   2004 - execucao de estruturas de concreto - procedimento
Nbr 14931 2004 - execucao de estruturas de concreto - procedimento
Carlos Henrique Carlos
 
Nbr 14931 2004 - execucao de estruturas de concreto - procedimento
Nbr 14931   2004 - execucao de estruturas de concreto - procedimentoNbr 14931   2004 - execucao de estruturas de concreto - procedimento
Nbr 14931 2004 - execucao de estruturas de concreto - procedimento
MayconLima18
 
Nbr15575 3
Nbr15575 3Nbr15575 3
Nbr15575 3
João Virgilio
 
Abnt nbr iso iec 17021
Abnt nbr iso iec 17021Abnt nbr iso iec 17021
Abnt nbr iso iec 17021
Evandro Nobrega de Farias
 
Nbr 15475
Nbr 15475Nbr 15475
Nbr 15475
ANDERSON ARCANJO
 
10 NBR 6118.pdf
10 NBR 6118.pdf10 NBR 6118.pdf
10 NBR 6118.pdf
SrgioMiranda36
 
abntnbr16577.pdf
abntnbr16577.pdfabntnbr16577.pdf
abntnbr16577.pdf
RenatoRibeiro188
 
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalarReteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
home
 
Nbr5419 1
Nbr5419 1Nbr5419 1
As esferas plásticas bubbledeck para construção civil
As esferas plásticas bubbledeck para construção civilAs esferas plásticas bubbledeck para construção civil
As esferas plásticas bubbledeck para construção civil
Guilherme Camargos
 
NBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo c
NBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo cNBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo c
NBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo c
Vicent Raphael
 
Nbr 5419-3-2015-danos-fisicos-a-estrutura-e-perigo-a-vida
Nbr 5419-3-2015-danos-fisicos-a-estrutura-e-perigo-a-vidaNbr 5419-3-2015-danos-fisicos-a-estrutura-e-perigo-a-vida
Nbr 5419-3-2015-danos-fisicos-a-estrutura-e-perigo-a-vida
Paulo H Bueno
 
Nbr 5419 (2015) part. 3
Nbr 5419 (2015) part. 3Nbr 5419 (2015) part. 3
Nbr 5419 (2015) part. 3
Paulo Silva
 
Nbr 12655-2006-
Nbr 12655-2006-Nbr 12655-2006-
Nbr 12655-2006-
Gleicy DO Carmo
 
Nbr15575 - Desempenho nas Edificações
Nbr15575 - Desempenho nas Edificações Nbr15575 - Desempenho nas Edificações
Nbr15575 - Desempenho nas Edificações
João Virgilio
 
NBR 5419/2005
NBR 5419/2005NBR 5419/2005
NBR 5419/2005
UNIFIA
 
Abnt nbr 5410 (2004) instalações elétricas de baixa tensão
Abnt   nbr 5410 (2004) instalações elétricas de baixa tensãoAbnt   nbr 5410 (2004) instalações elétricas de baixa tensão
Abnt nbr 5410 (2004) instalações elétricas de baixa tensão
Coutinhodanilo
 

Semelhante a Nbr 15270 3 - blocos (20)

Abnt nbr 5419_2005_-_sist_protecao_contra_descargas_atmosfericas_spda
Abnt nbr 5419_2005_-_sist_protecao_contra_descargas_atmosfericas_spdaAbnt nbr 5419_2005_-_sist_protecao_contra_descargas_atmosfericas_spda
Abnt nbr 5419_2005_-_sist_protecao_contra_descargas_atmosfericas_spda
 
Abnt nbr 5419 (2005) proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Abnt nbr 5419 (2005)   proteção de estruturas contra descargas atmosféricasAbnt nbr 5419 (2005)   proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Abnt nbr 5419 (2005) proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
 
Nbr 15475 cordas
Nbr 15475   cordasNbr 15475   cordas
Nbr 15475 cordas
 
Nbr 14931 2004 - execucao de estruturas de concreto - procedimento
Nbr 14931   2004 - execucao de estruturas de concreto - procedimentoNbr 14931   2004 - execucao de estruturas de concreto - procedimento
Nbr 14931 2004 - execucao de estruturas de concreto - procedimento
 
Nbr 14931 2004 - execucao de estruturas de concreto - procedimento
Nbr 14931   2004 - execucao de estruturas de concreto - procedimentoNbr 14931   2004 - execucao de estruturas de concreto - procedimento
Nbr 14931 2004 - execucao de estruturas de concreto - procedimento
 
Nbr15575 3
Nbr15575 3Nbr15575 3
Nbr15575 3
 
Abnt nbr iso iec 17021
Abnt nbr iso iec 17021Abnt nbr iso iec 17021
Abnt nbr iso iec 17021
 
Nbr 15475
Nbr 15475Nbr 15475
Nbr 15475
 
10 NBR 6118.pdf
10 NBR 6118.pdf10 NBR 6118.pdf
10 NBR 6118.pdf
 
abntnbr16577.pdf
abntnbr16577.pdfabntnbr16577.pdf
abntnbr16577.pdf
 
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalarReteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
 
Nbr5419 1
Nbr5419 1Nbr5419 1
Nbr5419 1
 
As esferas plásticas bubbledeck para construção civil
As esferas plásticas bubbledeck para construção civilAs esferas plásticas bubbledeck para construção civil
As esferas plásticas bubbledeck para construção civil
 
NBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo c
NBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo cNBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo c
NBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo c
 
Nbr 5419-3-2015-danos-fisicos-a-estrutura-e-perigo-a-vida
Nbr 5419-3-2015-danos-fisicos-a-estrutura-e-perigo-a-vidaNbr 5419-3-2015-danos-fisicos-a-estrutura-e-perigo-a-vida
Nbr 5419-3-2015-danos-fisicos-a-estrutura-e-perigo-a-vida
 
Nbr 5419 (2015) part. 3
Nbr 5419 (2015) part. 3Nbr 5419 (2015) part. 3
Nbr 5419 (2015) part. 3
 
Nbr 12655-2006-
Nbr 12655-2006-Nbr 12655-2006-
Nbr 12655-2006-
 
Nbr15575 - Desempenho nas Edificações
Nbr15575 - Desempenho nas Edificações Nbr15575 - Desempenho nas Edificações
Nbr15575 - Desempenho nas Edificações
 
NBR 5419/2005
NBR 5419/2005NBR 5419/2005
NBR 5419/2005
 
Abnt nbr 5410 (2004) instalações elétricas de baixa tensão
Abnt   nbr 5410 (2004) instalações elétricas de baixa tensãoAbnt   nbr 5410 (2004) instalações elétricas de baixa tensão
Abnt nbr 5410 (2004) instalações elétricas de baixa tensão
 

Mais de Sheila Moreira Bezerra

Gestão de Obras
Gestão de ObrasGestão de Obras
Gestão de Obras
Sheila Moreira Bezerra
 
Gerenciamento de residuos
Gerenciamento de residuosGerenciamento de residuos
Gerenciamento de residuos
Sheila Moreira Bezerra
 
Canteiro de obras
Canteiro de obrasCanteiro de obras
Canteiro de obras
Sheila Moreira Bezerra
 
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp0261321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
Sheila Moreira Bezerra
 
Enero 2013
Enero 2013Enero 2013
Caderno analitico-de-normas
Caderno analitico-de-normasCaderno analitico-de-normas
Caderno analitico-de-normas
Sheila Moreira Bezerra
 
Abnt nbr iso_22000-2006
Abnt nbr iso_22000-2006Abnt nbr iso_22000-2006
Abnt nbr iso_22000-2006
Sheila Moreira Bezerra
 
Minerva 05(02) 06
Minerva 05(02) 06Minerva 05(02) 06
Minerva 05(02) 06
Sheila Moreira Bezerra
 
Geoprocessamento na gestão urbana municipal – a experiência dos municípios mi...
Geoprocessamento na gestão urbana municipal – a experiência dos municípios mi...Geoprocessamento na gestão urbana municipal – a experiência dos municípios mi...
Geoprocessamento na gestão urbana municipal – a experiência dos municípios mi...
Sheila Moreira Bezerra
 
Programa de necessidades_hospital
Programa de necessidades_hospitalPrograma de necessidades_hospital
Programa de necessidades_hospital
Sheila Moreira Bezerra
 

Mais de Sheila Moreira Bezerra (11)

Gestão de Obras
Gestão de ObrasGestão de Obras
Gestão de Obras
 
Gerenciamento de residuos
Gerenciamento de residuosGerenciamento de residuos
Gerenciamento de residuos
 
Canteiro de obras
Canteiro de obrasCanteiro de obras
Canteiro de obras
 
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp0261321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado-130612211743-phpapp02
 
Enero 2013
Enero 2013Enero 2013
Enero 2013
 
Caderno analitico-de-normas
Caderno analitico-de-normasCaderno analitico-de-normas
Caderno analitico-de-normas
 
Abnt nbr iso_22000-2006
Abnt nbr iso_22000-2006Abnt nbr iso_22000-2006
Abnt nbr iso_22000-2006
 
Pbqph d1749
Pbqph d1749Pbqph d1749
Pbqph d1749
 
Minerva 05(02) 06
Minerva 05(02) 06Minerva 05(02) 06
Minerva 05(02) 06
 
Geoprocessamento na gestão urbana municipal – a experiência dos municípios mi...
Geoprocessamento na gestão urbana municipal – a experiência dos municípios mi...Geoprocessamento na gestão urbana municipal – a experiência dos municípios mi...
Geoprocessamento na gestão urbana municipal – a experiência dos municípios mi...
 
Programa de necessidades_hospital
Programa de necessidades_hospitalPrograma de necessidades_hospital
Programa de necessidades_hospital
 

Nbr 15270 3 - blocos

  • 1. ©ABNT 2005 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15270-3 Primeira edição 31.08.2005 Válida a partir de 30.09.2005 Componentes cerâmicos Parte 3: Blocos cerâmicos para alvenaria estrutural e de vedação – Métodos de ensaio Ceramic components Part 3: Structural and non-structural ceramic blocks – Test methods Palavras-chave: Bloco cerâmico. Alvenaria. Edifício. Paredes. Construção civil. Descriptors: Ceramic block. Walls. Buildings. Civil construction. Masoury. ICS 81.060.20; 91.100.25 Número de referência ABNT NBR 15270-3:2005 27 páginas Cópia não autorizada
  • 2. ABNT NBR 15270-3:2005 ii ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados © ABNT 2005 Todos os direitos reservados. A menos que especificado de outro modo, nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e microfilme, sem permissão por escrito pela ABNT. Sede da ABNT Av.Treze de Maio, 13 - 28º andar 20031-901 - Rio de Janeiro - RJ Tel.: + 55 21 3974-2300 Fax: + 55 21 2220-1762 abnt@abnt.org.br www.abnt.org.br Impresso no Brasil Cópia não autorizada
  • 3. ABNT NBR 15270-3:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados iii Sumário Página Prefácio........................................................................................................................................................................v 1 Objetivo ..........................................................................................................................................................1 2 Referências normativas ................................................................................................................................1 3 Definições.......................................................................................................................................................1 4 Determinação das características ...............................................................................................................4 4.1 Ensaios dos blocos cerâmicos estruturais e de vedação.........................................................................4 4.2 Confirmação de resultados de ensaios.......................................................................................................6 4.3 Contraprova ...................................................................................................................................................6 Anexo A (normativo) Determinação das características geométricas..................................................................7 A.1 Objetivo ..........................................................................................................................................................7 A.2 Aparelhagem e instrumentação...................................................................................................................7 A.3 Recebimento, preparação e acondicionamento dos corpos-de-prova....................................................7 A.4 Procedimentos...............................................................................................................................................8 A.4.1 Generalidades................................................................................................................................................8 A.4.2 Determinação das medidas das faces – Dimensões efetivas...................................................................8 A.4.3 Determinação da espessura das paredes externas e septos dos blocos...............................................9 A.4.4 Determinação do desvio em relação ao esquadro (D).............................................................................11 A.4.5 Determinação da planeza das faces (F) ....................................................................................................12 A.4.6 Determinação da área bruta (Ab) e da área líquida (Aliq)..........................................................................13 Anexo B (normativo) Determinação da massa seca e do índice de absorção d`água ......................................15 B.1 Objetivo ........................................................................................................................................................15 B.2 Aparelhagem e instrumentação.................................................................................................................15 B.3 Recebimento, preparação e acondicionamento dos corpos-de-prova..................................................15 B.4 Execução do ensaio ....................................................................................................................................15 B.4.1 Generalidades..............................................................................................................................................15 B.4.2 Determinação da massa seca (ms).............................................................................................................15 B.4.3 Determinação da massa úmida (mu)..........................................................................................................16 B.4.4 Determinação do índice de absorção d´água (AA) ..................................................................................16 B.5 Expressão dos resultados e relatório do ensaio ....................................................................................16 Anexo C (normativo) Determinação da resistência à compressão dos blocos estruturais e de vedação.....18 C.1 Objetivo ........................................................................................................................................................18 C.2 Aparelhagem e instrumentação.................................................................................................................18 C.3 Recebimento, preparação e acondicionamento dos corpos-de-prova..................................................18 C.4 Procedimentos.............................................................................................................................................19 C.4.1 Generalidades..............................................................................................................................................19 C.4.2 Posição dos corpos- de- prova nos ensaios à compressão...................................................................19 C.4.3 Blocos cerâmicos estruturais e de vedação ............................................................................................19 C.4.4 Execução do ensaio ....................................................................................................................................20 C.4.5 Expressão dos resultados e relatório de ensaio......................................................................................20 Anexo D (informativo) Diretrizes para seleção de métodos de ensaios para determinação de características especiais.......................................................................................................................................................22 D.1 Objetivo ........................................................................................................................................................22 D.2 Introdução ....................................................................................................................................................22 D.3 Detalhes de aplicabilidade..........................................................................................................................23 D.3.1 Absorção de água inicial (AAI)...................................................................................................................23 D.4 Corpos-de-prova..........................................................................................................................................23 D.5 Quantidade...................................................................................................................................................23 Anexo E (informativo) Determinação do índice de absorção inicial....................................................................24 E.1 Objetivo ........................................................................................................................................................24 Cópia não autorizada
  • 4. ABNT NBR 15270-3:2005 iv ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados E.2 Aparelhagem e instrumentação.................................................................................................................24 E.3 Recebimento, preparação e acondicionamento dos corpos-de-prova..................................................26 E.4 Procedimentos para a execução do ensaio..............................................................................................26 E.4.1 Amostra ........................................................................................................................................................26 E.4.2 Montagem dos equipamentos e nivelamento da lâmina d’água ............................................................26 E.4.3 Execução do ensaio ....................................................................................................................................26 E.5 Expressão dos resultados e relatório de ensaio......................................................................................27 Cópia não autorizada
  • 5. ABNT NBR 15270-3:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados v Prefácio A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais Temporárias (ABNT/CEET), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros). A ABNT NBR 15270 foi elaborada no Comitê Brasileiro de Construção Civil (ABNT/CB-02), pela Comissão de Estudo de Componentes Cerâmicos - Blocos (CE-02:101.01). O Projeto circulou em Consulta Nacional conforme Edital nº 12, de 30.12.2004, com o número de Projeto 02:101.01-002/3. Esta Norma, sob o título geral “Componentes cerâmicos”, tem previsão de conter as seguintes partes: ― Parte 1: Blocos cerâmicos para alvenaria de vedação – Terminologia e requisitos ― Parte 2: Blocos cerâmicos para alvenaria estrutural – Terminologia e requisitos ― Parte 3: Blocos cerâmicos para alvenaria estrutural e de vedação – Métodos de ensaio Esta Norma cancela e substitui as ABNT NBR 6461:1983 e ABNT NBR 8043:1983. Esta Norma contém os anexos A a C, de caráter normativo, e os anexos D e E, de caráter informativo. Cópia não autorizada
  • 7. NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15270-3:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 1 Componentes cerâmicos Parte 3: Blocos cerâmicos para alvenaria estrutural e de vedação – Métodos de ensaio 1 Objetivo Esta parte da ABNT NBR 15270 estabelece os métodos para a execução dos ensaios dos blocos cerâmicos estruturais e de vedação. 2 Referências normativas As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta parte da ABNT NBR 15270. A edição indicada estava em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usar a edição mais recente da norma citada a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento. ABNT NBR 8522:2003 – Concreto – Determinação dos módulos estáticos de elasticidade e de deformação e da curva tensão-deformação ABNT NBR 15270-1:2005 – Componentes cerâmicos – Parte 1: Blocos cerâmicos para alvenaria de vedação – Terminologia e requisitos ABNT NBR 15270-2:2005 – Componentes cerâmicos – Parte 2: Blocos cerâmicos para alvenaria estrutural – Terminologia e requisitos ABNT NBR NM-ISO 7500-1:2004 – Materiais metálicos – Calibração de máquinas de ensaio estático uniaxial – Parte 1: Máquinas de ensaio de tração/compressão – Calibração do sistema de medição da força ASTM E 132:1972 – Poisson’s ratio at room temperature 3 Definições Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as definições das ABNT NBR 15270-1 e ABNT NBR 15270-2 e as seguintes. 3.1 área bruta (Ab): Área da seção de assentamento delimitada pelas arestas do bloco, sem desconto das áreas dos furos, quando houver. 3.2 área líquida (Aliq): Área da seção de assentamento, delimitada pelas arestas do bloco, com desconto das áreas dos furos, quando houver. Cópia não autorizada
  • 8. ABNT NBR 15270-3:2005 2 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 3.3 bloco cerâmico de vedação: Componente da alvenaria de vedação que possui furos prismáticos perpendiculares às faces que os contêm. NOTAS: 1 O bloco cerâmico para vedação é produzido para ser usado especificamente com furos na horizontal, como representado esquematicamente na figura 1. 2 Também pode ser produzido para utilização com furos na vertical, como representado esquematicamente na figura 2. 3 Os blocos cerâmicos para vedação constituem as alvenarias externas ou internas que não têm a função de resistir a outras cargas verticais, além do peso da alvenaria da qual faz parte. Figura 1 — Bloco cerâmico de vedação com furos na horizontal Figura 2 — Bloco cerâmico de vedação com furos na vertical 3.4 bloco cerâmico estrutural: Componente da alvenaria estrutural que possui furos prismáticos perpendiculares às faces que os contêm. NOTA Os blocos cerâmicos estruturais são produzidos para serem assentados com os furos na vertical. 3.5 bloco cerâmico estrutural com paredes maciças: Componente da alvenaria estrutural cujas paredes externas são maciças e as internas podem ser paredes maciças ou vazadas, empregado na alvenaria estrutural não armada, armada e protendida, conforme representado esquematicamente nas figuras 3 e 4. Cópia não autorizada
  • 9. ABNT NBR 15270-3:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 3 Figura 3 — Bloco cerâmico estrutural com paredes maciças (com paredes internas maciças) Figura 4 — Bloco cerâmico estrutural com paredes maciças (com paredes internas vazadas) 3.6 bloco cerâmico estrutural de paredes vazadas: Componente da alvenaria estrutural com paredes vazadas, empregado na alvenaria estrutural não armada, armada e protendida, conforme representado esquematicamente na figura 5. . Figura 5 — Bloco cerâmico estrutural de paredes vazadas 3.7 bloco cerâmico estrutural perfurado: Componente da alvenaria estrutural cujos vazados são distribuídos em toda a sua face de assentamento, empregado na alvenaria estrutural não armada, conforme representado esquematicamente na figura 6. Cópia não autorizada
  • 10. ABNT NBR 15270-3:2005 4 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados Figura 6 — Bloco cerâmico estrutural perfurado 3.8 contraprova: Corpo-de-prova da mesma amostra original, reservado para eventuais confirmações de resultados de ensaios. 3.9 corpos-de-prova: Exemplar do bloco principal, integrante da amostra para ensaio. 3.10 planeza das faces ou flecha (F): Presença de concavidades ou convexidades, manifestada nas faces dos blocos. Fenômeno medido pela distância (F) (figuras A.5 a A.7). 3.11 ranhura: Frisos na superfície das paredes externas ou dos septos. 3.12 rebarba: Material remanescente da operação de corte de um bloco, facilmente removível. 3.13 septo: Elemento laminar que divide os vazados do bloco. 3.14 variação dimensional: Diferença entre os valores das dimensões de fabricação e efetiva obtida de medições individuais segundo esta Norma. 4 Determinação das características 4.1 Ensaios dos blocos cerâmicos estruturais e de vedação As tabelas 1, 2 e 3 indicam o sumário dos ensaios para a avaliação da conformidade dos blocos, com a finalidade de caracterização, aceitação ou rejeição, em relação às ABNT NBR 15270-1 e ABNT NBR 15270-2. Cópia não autorizada
  • 11. ABNT NBR 15270-3:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 5 Tabela 1 — Determinação das características geométricas - Sumário dos métodos de ensaio Blocos cerâmicos Determinações N I Anexos V E Valores das dimensões das faces – dimensões efetivas X ◊ ◊ Espessura dos septos e paredes externas do bloco X ◊ ◊ Desvio em relação ao esquadro X ◊ ◊ Planeza das faces X ◊ ◊ Área bruta X • • Área líquida X A - • V - vedação E - estrutural N - normativo I - informativo ◊ - Obrigatório para avaliação de conformidade. • - Não obrigatório para avaliação de conformidade. Tabela 2 — Determinação das características físicas - Sumário dos métodos de ensaio Blocos cerâmicosDeterminações N I Anexos V E Massa seca X • • Índice de absorção d`água X B ◊ ◊ V - vedação E - estrutural N - normativo I - informativo ◊ - Obrigatório para avaliação de conformidade. • - Não obrigatório para avaliação de conformidade. Cópia não autorizada
  • 12. ABNT NBR 15270-3:2005 6 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados Tabela 3 — Determinação das características mecânicas - Sumário dos métodos de ensaio Determinações N I Anexos Blocos cerâmicos V E Resistência à compressão dos blocos estruturais e de vedação X C ◊ ◊ Diretrizes para seleção de métodos de ensaios para determinação de características especiais X D • • Índice de absorção inicial (AAI) X E • • V - vedação E - estrutural N - normativo I - informativo ◊ - Obrigatório para avaliação de conformidade. • - Não obrigatório para avaliação de conformidade. 4.2 Confirmação de resultados de ensaios Eventuais dúvidas com relação a resultados de ensaios devem ser dirimidas em laboratórios pertencentes à Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios (RBLE). 4.3 Contraprova Os blocos que constituem as contraprovas devem ser mantidos em condições adequadas para ensaios pelo seu proprietário, fabricante ou construtor. Cópia não autorizada
  • 13. ABNT NBR 15270-3:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 7 Anexo A (normativo) Determinação das características geométricas A.1 Objetivo Este anexo prescreve o método de ensaio para determinação das características geométricas a seguir: a) medidas das faces – dimensões efetivas; b) espessura dos septos e paredes externas dos blocos; c) desvio em relação ao esquadro (D); d) planeza das faces (F); e) área bruta (Ab) e área líquida (Aliq). A.2 Aparelhagem e instrumentação A aparelhagem necessária para a execução do ensaio é a seguinte: a) paquímetro com sensibilidade mínima de 0,05 mm; b) régua metálica com sensibilidade mínima de 0,5 mm; c) esquadro metálico de 90 ± 0,5°; d) balança com resolução de até 10 g. A.3 Recebimento, preparação e acondicionamento dos corpos-de-prova Os corpos-de-prova devem ser recebidos, identificados, limpos, ter as rebarbas retiradas e colocados em ambiente protegido que preserve suas características originais. Cada corpo-de-prova é constituído por um bloco principal, íntegro e isento de defeitos, amostrado de acordo com as ABNT NBR 15270-1 e ABNT NBR 15270-2. Cópia não autorizada
  • 14. ABNT NBR 15270-3:2005 8 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados A.4 Procedimentos A.4.1 Generalidades Os procedimentos para cada determinação das características geométricas estão descritos em A.4.2 a A.4.6. A.4.2 Determinação das medidas das faces – Dimensões efetivas A.4.2.1 Execução do ensaio Os blocos devem ser colocados sobre uma superfície plana e indeformável. Os valores da largura (L), altura (H) e comprimento (C) são obtidos fazendo-se as medições nos pontos indicados nas figuras A.1, A.2 e A.3. a) Bloco estrutural b) Bloco de vedação Legenda: • pontos indicados para efetuar as medições nos blocos, nas duas faces. Figura A.1 — Locais para medições da largura (L) do bloco a) Bloco estrutural b) Bloco de vedação Legenda: • pontos indicados para efetuar as medições nos blocos, nas duas faces. Figura A.2 — Locais para medições da altura (H) do bloco Cópia não autorizada
  • 15. ABNT NBR 15270-3:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 9 a) Bloco estrutural b) Bloco de vedação Legenda: • pontos indicados para efetuar as medições nos blocos, nas duas faces. Figura A.3 — Locais para medições do comprimento (C) do bloco A.4.2.2 Expressão dos resultados e relatório de ensaio O relatório do ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações: a) identificação do solicitante; b) identificação da amostra e de todos os corpos-de-prova; c) data do recebimento da amostra; d) data do ensaio; e) valores individuais das dimensões das faces de cada um dos corpos-de-prova, em milímetros; f) valor da média de cada uma das dimensões consideradas, calculado como a média aritmética dos valores individuais, em milímetros; g) valores de referência das tolerâncias dimensionais; h) referência a esta Norma; i) registros sobre eventos não previstos no decorrer dos ensaios. A.4.3 Determinação da espessura das paredes externas e septos dos blocos A.4.3.1 Execução do ensaio Os corpos-de-prova devem ser colocados sobre uma superfície plana e indeformável. A espessura das paredes externas deve ser medida no mínimo nos pontos indicados na figura A.4, buscando o ponto onde a parede apresenta a menor espessura. Cópia não autorizada
  • 16. ABNT NBR 15270-3:2005 10 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados As medições das espessuras dos septos devem ser obtidas na região central destes, utilizando no mínimo quatro medições, buscando os septos de menor espessura. NOTA Caso o bloco apresente ranhuras, a medição deve ser feita no interior destas. Figura A.4 — Posições esquemáticas para as medições da espessura das paredes externas e septos A.4.3.2 Expressão dos resultados e relatório de ensaio O relatório do ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações: a) identificação do solicitante; b) identificação da amostra e de todos os corpos-de-prova; c) data do recebimento da amostra; d) data do ensaio; e) um esquema da face de corte transversal aos furos, com as indicações dos pontos onde os valores das espessuras foram obtidos; f) os valores individuais das espessuras das paredes externas e dos septos, para cada um dos corpos-de-prova, expressos em milímetros; g) valores de referência dos limites dimensionais; h) referência a esta Norma; i) registros sobre eventos não previstos no decorrer dos ensaios. Cópia não autorizada
  • 17. ABNT NBR 15270-3:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 11 A.4.4 Determinação do desvio em relação ao esquadro (D) A.4.4.1 Execução do ensaio Os corpos-de-prova devem ser colocados sobre uma superfície plana e indeformável. Deve-se medir o desvio em relação ao esquadro entre uma das faces destinadas ao assentamento e a maior face destinada ao revestimento do bloco, conforme a figura A.5, empregando-se o esquadro metálico e a régua metálica. Figura A.5 — Desvio em relação ao esquadro - Representação esquemática A.4.4.2 Expressão dos resultados e relatório de ensaio O relatório do ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações: a) identificação do solicitante; b) identificação da amostra e de todos os corpos-de-prova; c) data do recebimento da amostra; d) data do ensaio; e) valores individuais do desvio em relação ao esquadro (D) para cada um dos corpos-de-prova, expressos em milímetros; f) valor de referência do limite dimensional; g) referência a esta Norma; h) registros sobre eventos não previstos no decorrer dos ensaios. Cópia não autorizada
  • 18. ABNT NBR 15270-3:2005 12 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados A.4.5 Determinação da planeza das faces (F) A.4.5.1 Execução do ensaio Os corpos-de-prova devem ser colocados sobre uma superfície plana e indeformável. Deve-se determinar a planeza de uma das faces destinadas ao revestimento através da flecha formada na diagonal, conforme as figura A.6 ou A.7, empregando-se o esquadro metálico e a régua metálica. Figura A.6 — Planeza das faces – Representação esquemática – Bloco de vedação Figura A.7 — Planeza das faces – Representação esquemática – Bloco estrutural A.4.5.2 Expressão dos resultados e relatório de ensaio O relatório do ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações: a) identificação do solicitante; b) identificação da amostra e de todos os corpos-de-prova; Cópia não autorizada
  • 19. ABNT NBR 15270-3:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 13 c) data do recebimento da amostra; d) data do ensaio; e) valores individuais da planeza das faces (F) para cada um dos corpos-de-prova, expressos em milímetros; f) valor de referência do limite dimensional; g) referência a esta Norma; h) registros sobre eventos não previstos no decorrer dos ensaios. A.4.6 Determinação da área bruta (Ab) e da área líquida (Aliq) A determinação da área bruta é aplicável para o bloco de vedação e estrutural e a determinação da área líquida exclusivamente para bloco estrutural. A.4.6.1 Execução do ensaio A.4.6.1.1 Determinação da área bruta (Ab) a) medir a largura (L), a altura (H) e o comprimento (C) dos blocos a serem ensaiados, conforme A.4.2; b) a área bruta de cada bloco é obtida pela expressão L x C, expressa em centímetros quadrados, com aproximação decimal. A.4.6.1.2 Determinação da área líquida (Aliq) a) após a determinação da área bruta, imergir os blocos em água fervente por 2 h ou em água à temperatura ambiente por 24 h; b) após saturados, os blocos devem ser pesados imersos em água à temperatura de (23 ± 5)º C; o valor obtido é a sua massa aparente ma; c) retirar os blocos, enxugá-los superficialmente com um pano úmido e pesá-los imediatamente, obtendo-se a sua massa saturada mu; d) área líquida, expressa em centímetros quadrados, de cada bloco, calculada segundo a expressão: Hγ mm Aliq ⋅ − = )( au onde: Aliq é igual à área líquida, em centímetros quadrados, com aproximação decimal; mu é igual à massa do bloco saturado, em gramas; ma é igual à massa aparente do bloco, em gramas; H é igual à altura do bloco, em centímetros; γ é igual à massa específica da água, tomada igual a 1, em gramas por centímetro cúbico . Cópia não autorizada
  • 20. ABNT NBR 15270-3:2005 14 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados A.4.6.2 Expressão dos resultados e relatório de ensaio O relatório do ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações: a) identificação do solicitante; b) identificação da amostra e de todos os corpos-de-prova; c) data do recebimento da amostra; d) data do ensaio; e) valor médio da área bruta, calculado como a média aritmética dos valores individuais; f) valor médio da área líquida, calculado como a média aritmética dos valores individuais; g) referência a esta Norma; h) registros sobre eventos não previstos no decorrer dos ensaios. Cópia não autorizada
  • 21. ABNT NBR 15270-3:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 15 Anexo B (normativo) Determinação da massa seca e do índice de absorção d`água B.1 Objetivo Este anexo prescreve o método de ensaio para determinação da massa seca e do índice de absorção d’água. B.2 Aparelhagem e instrumentação A aparelhagem necessária para a execução do ensaio é composta de: a) balança com resolução de até 5 g; b) estufa com temperatura ajustável a (105 ± 5)º C. B.3 Recebimento, preparação e acondicionamento dos corpos-de-prova Os corpos-de-prova devem ser recebidos, identificados, limpos, ter as rebarbas retiradas e colocados em ambiente protegido que preserve suas características originais. Cada corpo-de-prova é constituído por um bloco principal, íntegro e isento de defeitos, amostrado de acordo com as ABNT NBR 15270-1 e ABNT NBR 15270-2. B.4 Execução do ensaio B.4.1 Generalidades Após o preparo dos corpos-de-prova, devem ser seguidas as atividades descritas em B.4.2 a B.4.4 B.4.2 Determinação da massa seca (ms) a) retirar do corpo-de-prova o pó e outras partículas soltas; b) submeter os corpos-de-prova à secagem em estufa a (105 ± 5)ºC; c) determinar a massa individual, em intervalos de 1 h, até que duas pesagens consecutivas de cada um deles difiram em no máximo 0,25%, pesando-os imediatamente após a remoção da estufa; d) medir a massa seca (ms) dos corpos-de-prova após a estabilização das pesagens, nas condições acima estabelecidas, expressando-as em gramas. Cópia não autorizada
  • 22. ABNT NBR 15270-3:2005 16 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados B.4.3 Determinação da massa úmida (mu) a) após a determinação da massa seca (ms), os corpos-de-prova devem ser colocados em um recipiente de dimensões apropriadas, preenchido com água à temperatura ambiente, em volume suficiente para mantê-los totalmente imersos; b) o recipiente deve ser gradativamente aquecido até a água no seu interior entrar em ebulição; c) os corpos-de-prova devem ser mantidos completamente imersos em água fervente por 2 h. NOTAS 1 O volume de água evaporado do recipiente deve ser reposto para que a imersão dos corpos-de-prova não seja comprometida. 2 Alternativamente, esta operação pode ser substituída pela imersão completa dos corpos-de-prova em água à temperatura ambiente durante 24 h. 3 Havendo divergência quanto ao resultado deste ensaio, prevalece o resultado obtido em água fervente. d) no caso de uso de água fervente, transcorrido o tempo de imersão de 2 h de fervura, deve ser interrompida a operação e os corpos-de-prova devem ser resfriados via substituição lenta da água quente do recipiente por água à temperatura ambiente; e) estando a água do recipiente à temperatura ambiente, os corpos-de-prova saturados devem ser removidos e colocados em bancada para permitir o escorrimento do excesso de água; f) a água remanescente deve ser removida com o auxílio de um pano limpo e úmido, observando-se que o tempo decorrido entre a remoção do excesso de água na superfície e o término das pesagens não deve ser superior a 15 min; g) a massa úmida (mu), expressa em gramas, é determinada pela pesagem de cada corpo-de-prova saturado; h) os resultados das pesagens devem ser expressos em gramas. B.4.4 Determinação do índice de absorção d´água (AA) O índice de absorção d´água (AA) de cada corpo-de-prova é determinado pela expressão: 100x m mm (%)AA s su− = onde mu e ms representam a massa úmida e a massa seca de cada corpo-de-prova, respectivamente, expressas em gramas. B.5 Expressão dos resultados e relatório do ensaio O relatório de ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações: a) identificação do solicitante; b) identificação da amostra e de todos os corpos-de-prova; c) data do recebimento da amostra; Cópia não autorizada
  • 23. ABNT NBR 15270-3:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 17 d) data do ensaio; e) valores individuais da massa seca (ms), em gramas; f) valores individuais do índice de absorção d’água AA, em porcentagem; g) valores de referência do índice de absorção d’água; h) referência a esta Norma; i) registros sobre eventos não previstos no decorrer dos ensaios. Cópia não autorizada
  • 24. ABNT NBR 15270-3:2005 18 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados Anexo C (normativo) Determinação da resistência à compressão dos blocos estruturais e de vedação C.1 Objetivo Este anexo prescreve o método de ensaio para determinação da resistência à compressão dos blocos estruturais e de vedação. C.2 Aparelhagem e instrumentação A aparelhagem necessária para a execução do ensaio é composta de uma prensa com a qual se executa o ensaio, devendo satisfazer as seguintes condições: a) ser provida de dispositivo que assegure a distribuição uniforme dos esforços no corpo-de-prova; b) ser equipada com dois pratos de apoio, de aço, um dos quais articulado, que atue na face superior do corpo-de-prova; c) quando as dimensões dos pratos de apoios não forem suficientes para cobrir o corpo-de-prova, uma placa de aço deve ser colocada entre os pratos e o corpo-de-prova; d) as superfícies planas e rígidas dos pratos e placas de apoio não devem apresentar desníveis superiores a 8 x 10-2 mm para cada 4 x 102 mm; e) as placas monolíticas de aço devem ter espessura de no mínimo 50 mm; f) atender aos requisitos da ABNT NBR NM-ISO 7500-1; g) ter instrumentos para permitir a leitura das cargas com aproximação de ± 2% da carga de ruptura; h) ser capaz de transmitir a carga de modo progressivo e sem choques; i) ter o dispositivo de medida de carga com um mínimo de inércia, de atritos e de jogos, de modo que tais fatores não influam sensivelmente nas indicações da prensa, quando o ensaio é conduzido nas condições indicadas em C.4.3 – d). C.3 Recebimento, preparação e acondicionamento dos corpos-de-prova Os corpos-de-prova devem ser recebidos, identificados, limpos, retiradas as rebarbas e colocados em ambiente protegido que preserve suas características originais. Cada corpo-de-prova é constituído por um bloco principal, íntegro e isento de defeitos, amostrado de acordo com as ABNT NBR 15270-1 e ABNT NBR 15270-2. Cópia não autorizada
  • 25. ABNT NBR 15270-3:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 19 C.4 Procedimentos C.4.1 Generalidades a) medir a largura (L), altura (H) e o comprimento (C) dos blocos segundo A.4.2 (figuras A.1, A.2 e A.3); b) para a regularização das faces de trabalho dos corpos-de-prova, devem ser utilizadas pastas de cimento ou argamassas com resistências superiores às resistências dos blocos na área bruta; c) a superfície onde o capeamento será executado não deve se afastar do plano mais que 8 x 10-2 mm para cada 4 x 102 mm; d) o capeamento deve apresentar-se plano e uniforme no momento do ensaio, não sendo permitidos remendos; e) a espessura máxima do capeamento não deve exceder 3 mm; f) alternativamente, as faces dos corpos-de-prova podem ser regularizadas por meio de uma retífica, dispensando-se assim o capeamento. C.4.2 Posição dos corpos- de- prova nos ensaios à compressão Todos os corpos-de-prova devem ser ensaiados de modo que a carga seja aplicada na direção do esforço que o bloco deve suportar durante o seu emprego, sempre perpendicular ao comprimento e na face destinada ao assentamento. C.4.3 Blocos cerâmicos estruturais e de vedação Os corpos-de-prova devem ser preparados da seguinte forma: a) cobrir com pasta de cimento (ou argamassa) uma placa plana indeformável recoberta com uma folha de papel umedecida ou com uma leve camada de óleo mineral; b) aplicar à face destinada ao assentamento sobre essa pasta (ou argamassa) exercendo sobre o bloco uma pressão manual suficiente para fazer refluir a pasta (ou argamassa) interposta, de modo a reduzir a espessura no máximo a 3 mm; c) logo que a pasta (ou argamassa) estiver endurecida, retirar com espátulas o excesso de pasta existente; d) passar, em seguida, à regularização da face oposta, após procedimento indicado nas alíneas a) e b); e) deve-se obter assim um corpo-de-prova com duas faces de trabalho devidamente regularizadas e tanto quanto possível paralelas (ver figura C.1); f) após o endurecimento das camadas de capeamento, imergir os corpos-de-prova em água no mínimo durante 6 h; g) nos casos em que as faces de assentamento são regularizadas por uma retífica, não se aplicam as alíneas a), b), c) e d). Cópia não autorizada
  • 26. ABNT NBR 15270-3:2005 20 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados Figura C.1 — Compressão axial de bloco de vedação C.4.4 Execução do ensaio A execução do ensaio deve ser a seguinte: a) os blocos devem ser ensaiados na condição saturada; b) todos os corpos-de-prova devem ser ensaiados de modo que a carga seja aplicada na direção do esforço que o bloco deve suportar durante o seu emprego, sempre perpendicular ao comprimento e na face destinada ao assentamento; c) o corpo-de-prova deve ser colocado na prensa de modo que o seu centro de gravidade esteja no eixo de carga dos pratos da prensa; d) proceder ao ensaio de compressão, regulando os comandos da prensa, de forma que a tensão aplicada, calculada em relação à área bruta se eleve progressivamente à razão de (0,05 ± 0,01) MPa/s. C.4.5 Expressão dos resultados e relatório de ensaio C.4.5.1 Para bloco estrutural O relatório do ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações: a) identificação do solicitante; b) identificação da amostra e de todos os corpos-de-prova, inclusive sua indicação de rastreabilidade; c) data do recebimento da amostra; d) data do ensaio; e) valor médio de cada uma das dimensões dos blocos medidos; f) desenho esquemático de como os corpos-de-prova foram ensaiados, ressaltando a posição dos furos; g) resistência à compressão de cada corpo-de-prova, expressa em megapascals, com aproximação decimal, obtida dividindo-se a carga máxima, expressa em newtons, observada durante o ensaio, pela média das áreas brutas das duas faces de trabalho de cada bloco, expressa em milímetros quadrados; h) resistência média dos blocos expressa em MPa, com aproximação decimal, calculada como a média aritmética dos valores individuais; Cópia não autorizada
  • 27. ABNT NBR 15270-3:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 21 i) resistência característica à compressão estimada, determinada de acordo com 5.3 da ABNT NBR 15270-2:2005; j) desvio-padrão, em megapascals; k) coeficiente de variação, em porcentagem; l) valor de referência da resistência característica à compressão; m) referência a esta Norma; n) registros sobre eventos não previstos no decorrer dos ensaios. C.4.5.2 Para bloco de vedação O relatório do ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações: a) identificação do solicitante; b) identificação da amostra e de todos os corpos-de-prova; c) data do recebimento da amostra; d) data do ensaio; e) valor médio de cada uma das dimensões dos blocos medidos; f) desenho esquemático de como os corpos-de-prova foram ensaiados, ressaltando a posição dos furos; g) resistência à compressão de cada corpo-de-prova, com aproximação decimal e expressa em megapascals, obtida dividindo-se a carga máxima, expressa em newtons, observada durante o ensaio, pela média das áreas brutas das duas faces de trabalho de cada bloco, expressa em milímetros quadrados; h) valor de referência da resistência à compressão; i) referência a esta Norma; j) registros sobre eventos não previstos no decorrer dos ensaios. Cópia não autorizada
  • 28. ABNT NBR 15270-3:2005 22 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados Anexo D (informativo) Diretrizes para seleção de métodos de ensaios para determinação de características especiais D.1 Objetivo Este anexo apresenta informações e estabelece diretrizes gerais para a seleção e execução de métodos de ensaio para a determinação eventual de características físicas e mecânicas para os blocos cerâmicos de vedação e estruturais. Trata-se de ensaios que podem secundar necessidades específicas e exigências particulares nos contratos de compra e venda. D.2 Introdução Incluem-se nas determinações das características os métodos de ensaios, aplicáveis conforme tabela D.1. Tabela D.1 — Determinação das características físicas Características Determinações Símbolos Método Físicas Absorção inicial AAI Anexo E Eb Ea Módulos de deformação longitudinal dos componentes: bloco (b), argamassa (a), graute (g) Eg ABNT NBR 8522 υb υa Mecânicas Coeficiente de Poisson dos componentes: bloco (b), argamassa (a), graute(g) υg ASTM E 132 Cópia não autorizada
  • 29. ABNT NBR 15270-3:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 23 D.3 Detalhes de aplicabilidade D.3.1 Absorção de água inicial (AAI) Caso o índice de absorção de água inicial (AAI) para os blocos cerâmicos estruturais e de vedação resulte superior a (30 g/193,55 cm2 )/min, os blocos devem ser umedecidos antes do assentamento para o seu melhor desempenho. Se o valor do índice de absorção inicial (AAI) resultar menor que o limite mencionado, os blocos podem ser assentados sem ser previamente umedecidos. D.4 Corpos-de-prova Os corpos-de-prova devem ser representativos do fornecimento, preparados conforme consta nas normas indicadas na tabela D.1. D.5 Quantidade A quantidade de corpos-de-prova deve ser especificada em comum acordo entre fornecedor e consumidor em seus contratos de compra e venda. Na ausência de tal especificação, recomenda-se que sejam ensaiados no mínimo seis corpos-de-prova. Cópia não autorizada
  • 30. ABNT NBR 15270-3:2005 24 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados Anexo E (informativo) Determinação do índice de absorção inicial E.1 Objetivo Este anexo prescreve o método de ensaio para determinação do índice de absorção inicial. E.2 Aparelhagem e instrumentação Para a execução dos ensaios são necessários: a) balança com sensibilidade de 1,0 g; b) termômetro com sensibilidade de 1,0 ºC; c) estufa que mantenha a temperatura entre (105 ± 5) ºC; d) reservatório d’água que permita a manutenção de uma lâmina de (3 ± 0,2) mm, com os dispositivos de ensaio mostrados esquematicamente na figura E.1; e) apoios prismáticos de aço; f) suportes metálicos rígidos com parafusos para ajuste do nível; g) régua de nível com bolha; h) cronômetro com sensibilidade de 1 s; i) instrumento para medição de umidade com sensibilidade de 1 %; j) toalhas de algodão umedecidas. Cópia não autorizada
  • 31. ABNT NBR 15270-3:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 25 (1) Reservatório (2) Suportes metálicos reguláveis (3) Apoios de aço (4) Parafusos para regulagem da altura e nível dos apoios Corte AA Figura E.1 — Reservatório de água e dispositivos utilizados para o ensaio Cópia não autorizada
  • 32. ABNT NBR 15270-3:2005 26 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados E.3 Recebimento, preparação e acondicionamento dos corpos-de-prova Os corpos-de-prova devem ser recebidos, identificados, limpos, ter as rebarbas retiradas e colocados em ambiente protegido que preserve suas características originais. Cada corpo-de-prova é constituído por um bloco principal, íntegro e isento de defeitos, amostrado de acordo com as ABNT NBR 15270-1 e ABNT NBR 15270-2. E.4 Procedimentos para a execução do ensaio E.4.1 Amostra Recomenda-se para a amostra a utilização dos mesmos blocos que foram ensaiados para a determinação do índice de absorção d’água e da área líquida. A amostra deve ser seca em estufa com temperatura igual a (105 ± 5) ºC, no mínimo durante 24 h. Após a retirada da estufa, aguardar no mínimo 2 h para executar o ensaio. Para a realização do ensaio, os blocos devem ser resfriados ao ar livre até a temperatura ambiente, e depois o bloco deve ser pesado. As características geométricas devem ser medidas conforme o procedimento exposto em A.4.2 e A.4.6. No caso de faces vazadas (blocos com furos verticais), devem ser descontadas as áreas correspondentes aos vazados da face de assentamento. Assim, a área líquida Aliq, obtida conforme procedimento exposto em A.4.6, pode ser também calculada pela expressão: Aliq = Ab - Av onde Av é a área de vazados do bloco. E.4.2 Montagem dos equipamentos e nivelamento da lâmina d’água Instalar os apoios de aço (3) dos corpos-de-prova sobre os suportes metálicos (2), ajustando-os para que se posicionem no terço médio do corpo-de-prova. Encher o reservatório (1) até que o nível d’água fique nivelado com os apoios. Com auxílio da régua de nível e dos parafusos para regulagem da altura (4), proceder ao nivelamento dos apoios, de forma a manter o dispositivo e o nível d’água sempre em um mesmo nível. Uma vez tendo determinada a área do reservatório, acrescentar um volume de água que eleve o nível do reservatório acima dos apoios em (3,0 ± 0,2) mm. E.4.3 Execução do ensaio Determinar a massa inicial pesando cada corpo-de-prova com precisão de 1,0 g. Para o posicionamento do corpo-de-prova, segurá-lo com uma das mãos sobre uma superfície rígida, observando onde se encontra seu centro de gravidade. Levar o corpo-de-prova até os apoios e disparar o cronômetro somente no momento em que o corpo-de-prova tocar a face de assentamento nos apoios. Manter o corpo-de-prova seguro, de forma a facilitar sua retirada ao final do ensaio. Após (60 ± 1) s, proceder à retirada do corpo-de-prova e rapidamente retirar o excesso de água da face ensaiada, utilizando uma toalha de algodão umedecida. Esta operação deve ser realizada em no máximo 10 s. Determinar a massa final de cada corpo-de-prova, em gramas. Esta operação deve ser realizada em no máximo 30 s após a retirada do corpo-de-prova do dispositivo de ensaio. Cópia não autorizada
  • 33. ABNT NBR 15270-3:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 27 A reposição da água absorvida pelo corpo-de-prova ao reservatório deve ser obrigatória se o reservatório possuir área em planta inferior a 2 500 cm². Acima desse valor a reposição da água retirada pelo corpo-de-prova para novo ensaio fica a critério dos procedimentos internos adotados pelo laboratório. Determinar o índice de absorção de água ínicial (AAI), calculado de acordo com a expressão: Área 55,193 p AAI ∆ ×= onde: AAI é o índice de absorção d’água inicial (sucção) da face ensaiada dos blocos, expresso em (g/193,55cm²)/min; ∆p é a variação de massa obtida no ensaio, em gramas; Área é a área bruta ou área líquida dos blocos ensaiados, em centímetros quadrados. NOTA Caso se proceda à determinação da sucção em ambas as faces de assentamento, realizar a segunda determinação imediatamente após a primeira pesagem, de forma que não ocorram perdas de água por evaporação. Assim, o peso inicial da segunda determinação deve ser considerado igual ao peso final da primeira determinação. E.5 Expressão dos resultados e relatório de ensaio O relatório do ensaio deve conter no mínimo as seguintes informações: a) identificação do solicitante; b) identificação da amostra e de todos os corpos-de-prova; c) data do recebimento da amostra; d) data do ensaio; e) registros das condições de temperatura e umidade; f) dimensões médias das faces de ensaio (faces normais de assentamento, no caso da alvenaria estrutural, ou faces laterais, tratando-se de blocos em fachadas que vão receber revestimento); g) para blocos com vazados verticais, apresentar a relação entre área líquida e a área bruta individual (Aliq/Ab) e a média desta relação na amostra; h) figura esquemática com a face de assentamento do bloco; i) massas iniciais e finais dos corpos-de-prova; j) valor médio obtido para o índice de absorção de água inicial, expresso em g/193,55 cm2 /min; k) valor de referência do índice de absorção de água inicial; l) referência a esta Norma; m) registros sobre eventos não previstos no decorrer dos ensaios. Cópia não autorizada