SlideShare uma empresa Scribd logo
Motivação
 Texto 05: A motivação humana
 Autor: Chiavenato
Motivação
 Existem dois tipos de fatores que influenciam o
comportamento das pessoas:
 Fatores internos: decorrentes de suas
características de personalidade, como capacidade
de aprendizagem, MOTIVAÇÃO, percepção do
ambiente externo e interno, atitudes, emoções,
valores etc.
 Fatores externos: decorrentes do ambiente que as
envolve, das características organizacionais, como
sistemas de recompensas e punições, fatores
sociais, políticos, coesão grupal existente etc.
O que é motivação?
São forças ativas e impulsionadoras, a partir
das quais se busca alcançar determinada
meta através da ação.
Comportamento e diferenças
individuais
 Embora os padrões de comportamento
(necessidades, valores sociais, capacidade
para atingir objetivos) variem, o processo
pelo qual eles ocorrem é, basicamente, o
mesmo para todas as pessoas.
Premissas que explicam o
comportamento humano
 O comportamento é causado por estímulos
internos e externos.
 O comportamento é motivado, ou seja, há
uma finalidade em todo comportamento
humano. Não é, portanto, causal.
 O comportamento é orientado para objetivos.
Existe sempre um impulso, desejo,
necessidade, expressões que servem para
designar os motivos do comportamento.
Modelo básico de motivação
 A motivação depende:
 Percepção do estímulo / causa: que varia
conforme a pessoa e na mesma pessoa
conforme o tempo
 Necessidade / desejo: varia conforme a
pessoa
 Cognição: varia conforme a pessoa
Etapas do ciclo motivacional
envolvendo a satisfação da
necessidade
 Equilíbrio interno
 Estímulo ou incentivo
 Necessidade
 Tensão
 Comportamento ou ação
 Satisfação
 Equilíbrio interno
Análise do ciclo motivacional
 Necessidade:
 Satisfeita: comportamentos se tornam mais eficazes.
Necessidade deixa de ser motivadora do comportamento.
 Frustrada: tensão encontra uma barreira ou um obstáculo
para sua liberação. Represada no organismo, procura um
meio indireto de saída: via psicológica (agressividade,
apatia, descontentamento) ou via fisiológica (insônia,
repercussões cardíacas ou digestivas).
 Compensada ou transferida: a satisfação de uma outra
necessidade reduz ou aplaca a intensidade de uma
necessidade que não pode ser satisfeita. “É o que
acontece quando o motivo de uma promoção para um
cargo superior é contornado por um bom aumento de
salário ou por uma nova sala de trabalho”.
 “A satisfação de certas necessidades é
temporal e passageira, ou seja, a motivação
humana é cíclica: o comportamento é um
processo contínuo de resolução de
problemas e satisfação de necessidades, à
medida que vão surgindo”.
Conclusão:
Teorias sobre motivação
 Relacionadas com a necessidade humana.
 Partem do princípio de que a motivação para
agir e se comportar derivam de forças que
existem dentro do indivíduo.
 Teoria mais conhecida: hierarquia das
necessidades humanas de Maslow
A hierarquia das necessidades
segundo Maslow
Auto-realização
Estima
Sociais
Segurança
Necessidades fisiológicas
 Necessidades fisiológicas: sede, fome,
cansaço, reprodução da espécie. Estão
relacionadas com a sobrevivência do
indivíduo.
 Necessidades de segurança: proteção contra
alguma ameaça. Também estão
relacionadas com a sobrevivência do
indivíduo. Surgem quando as necessidades
fisiológicas estão relativamente satisfeitas.
 Necessidades sociais: estão “relacionadas
com a vida associativa do indivíduo junto a
outras pessoas. São as necessidades de
associação, participação, aceitação por parte
dos colegas, troca de amizade, afeto e amor.
Surgem no comportamento quando as
necessidades mais baixas (fisiológicas e de
segurança) se encontram relativamente
satisfeitas”.
 Necessidades de estima: estão relacionadas com a
auto-avaliação e a auto-estima do indivíduo.
“Envolvem a auto-apreciação, autoconfiança,
necessidade de aprovação social, reconhecimento
social, status, prestígio, reputação e consideração”.
Enquanto a satisfação dessas necessidades conduz
a sentimentos como autoconfiança, força e poder, a
sua frustração leva a sentimentos de inferioridade,
fraqueza, dependência e desamparo.
 Necessidade de auto-realização: “Levam a pessoa
a tentar realizar seu próprio potencial e se
desenvolver continuamente como criatura humana
ao longo da vida. Enquanto as quatro necessidades
anteriores podem ser satisfeitas por recompensas
externas (extrínsecas) à pessoa e que têm uma
realidade concreta (como comida, dinheiro,
amizades, elogios de outras pessoas), as
necessidades de auto-realização somente podem
ser satisfeitas por recompensas que são dadas
intrinsecamente pelas pessoas a si próprias (como
o sentimento de realização) e que não são
observáveis nem controláveis por outros”.
 A necessidade de auto-realizacão pode ser
insaciável, no sentido de quanto mais a
pessoa obtém retornos que a satisfaçam,
mais importante ela se torna e mais ainda a
pessoa desejará satisfazê-la. Não importa
quão satisfeita a pessoa esteja, pois ela
quererá sempre mais.
Aspectos da teoria de Maslow
 Somente necessidades não satisfeitas é que
influenciam o comportamento.
 Nascimento: prevalência das necessidades
fisiológicas
 A partir de uma certa idade, aparecem as
necessidades de segurança. Estas e as
necessidades fisiológicas constituem as
necessidades primárias do indivíduo,
voltadas para a conservação pessoal.
 “À medida que o indivíduo passa a controlar suas
necessidades fisiológicas e de segurança, surgem
lenta e gradativamente as necessidades mais
elevadas: sociais, de estima e de auto-realização”.
 As necessidades mais elevadas predominam em
relação às necessidades mais baixas.
 “As necessidades mais baixas requerem um ciclo
motivacional rápido, enquanto as necessidades
mais elevadas requerem um ciclo motivacional
extremamente longo. A privação de uma
necessidade mais baixa faz com que as energias do
indivíduo se desviem para a luta por sua
satisfação”.
A teoria dos dois fatores de
Herzberg
 Herzberg alicerça sua teoria no ambiente externo e
no trabalho do indivíduo (ao contrário de Maslow,
que fundamenta sua teoria nas necessidades
humanas).
 A motivação para trabalhar depende de dois
fatores:
 a) fatores higiênicos: referem-se às condições que
rodeiam a pessoa enquanto trabalha (condições
físicas e ambientais, salário, benefícios, políticas da
empresa). Trata-se do contexto do cargo.
 b) fatores motivacionais: “referem-se ao conteúdo
do cargo, às tarefas e aos deveres relacionados
com o cargo em si”.
Em essência, a teoria dos
fatores afirma que:
 Satisfação no cargo: conteúdo do cargo –
fatores motivadores
 Insatisfação no cargo: ambiente de trabalho
– fatores higiênicos
 Proposta de Herzberg para introduzir maior
motivação no trabalho: enriquecimento de
tarefas, o que consiste em ampliar os
objetivos, responsabilidade e o desafio das
tarefas do cargo.
O modelo contingencial de
motivação de Vroom
 Restringe-se à motivação para produzir, rejeita noções
preconcebidas e reconhece as diferenças individuais.
 “Existem três fatores que determinam em cada indivíduo
a motivação para produzir:
 1) Os objetivos individuais, ou seja, a força do desejo de
atingir objetivos.
 2) A relação que o indivíduo percebe entre produtividade
e alcance de seus objetivos individuais.
 3) Capacidade de o indivíduo influenciar seu próprio
nível de produtividade, à medida que acredita poder
influenciá-lo”.
 Uma pessoa pode desejar aumentar a
produtividade quando três condições se
apresentam:
 1) Objetivos pessoais do indivíduo
 2) Relação percebida entre satisfação dos
objetivos e alta produtividade
 3) Percepção de sua capacidade de
influenciar sua produtividade
Teoria da expectação
 Teoria desenvolvida por Lawler.
 O autor encontrou fortes indícios de que o
dinheiro pode motivar o desempenho e
outros tipos de comportamento. “Apesar do
resultado óbvio, verificou que o dinheiro tem
apresentado pouca potência motivacional em
virtude de sua incorreta aplicação pela maior
parte das organizações”.
Por que não há uma relação
consistente entre dinheiro e
desempenho nas organizações?
 Tempo e reforço fraco
 Os salários tendem a ser mantidos pela média e
acabam não recompensando o desempenho
excelente
 A política de remuneração das organizações está
atrelada a políticas governamentais e convenções
sindicais, as quais regulamentam o salário
indistintamente
 Preconceito em relação ao dinheiro. É visto como
algo vil e sórdido, sendo que é uma das razões
principais que levam as pessoas a trabalharem em
organizações
Bases da teoria de Lawler
 O dinheiro é um meio a partir do qual as
pessoas podem satisfazer necessidades
múltiplas
 Se as pessoas estabelecerem uma relação
consistente entre salário e desempenho,
certamente este aumentará.
 Motivação para trabalhar
O dinheiro é altamente
motivador
 “O dinheiro pode ser poderoso motivador se
as pessoas acreditam haver ligação direta ou
indireta entre desempenho e conseqüente
aumento de remuneração. Se essa
percepção for alcançada e confirmada, as
pessoas certamente terão melhor
desempenho tendo em vista o resultado
financeiro desejado”.
Motivação e clima
organizacional
 Conceito de motivação – nível individual
 Conceito de clima organizacional – nível da
organização
 O que é clima organizacional?
 “O clima organizacional refere-se ao
ambiente interno existente entre os membros
da organização e está intimamente
relacionado com o grau de motivação de
seus participantes”.
O clima organizacional pode
ser:
 Favorável: quando proporciona satisfação
das necessidades pessoais dos participantes
e elevação da moral.
 Desfavorável: quando proporciona a
frustração das necessidades pessoais.
 “Na verdade, o clima organizacional
influencia o estado motivacional das pessoas
e é por ele influenciado”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria comportamental slide
Teoria comportamental  slideTeoria comportamental  slide
Teoria comportamental slide
Sabrina Suellen
 
Estilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do LíderEstilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do Líder
Renato Martinelli
 
Inteligência emocional na gestão de resultados
Inteligência emocional na gestão de resultadosInteligência emocional na gestão de resultados
Inteligência emocional na gestão de resultados
tasso-t7
 
Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1
Ernandes Rodrigues Do Nascimento
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
Rosario Cação
 
Liderança e Motivação
Liderança e  MotivaçãoLiderança e  Motivação
Liderança e Motivação
Vania Cardoso
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
University
 
CHA - CONHECIMENTO, HABILIDADE E ATITUDE
CHA - CONHECIMENTO, HABILIDADE E ATITUDECHA - CONHECIMENTO, HABILIDADE E ATITUDE
CHA - CONHECIMENTO, HABILIDADE E ATITUDE
Sebastião Guimarães
 
Motivacao
MotivacaoMotivacao
Motivacao
Ligia Coppetti
 
Aula 0 competência, habilidade e atitude
Aula 0   competência, habilidade e atitudeAula 0   competência, habilidade e atitude
Aula 0 competência, habilidade e atitude
RAFAELA BRUGGER
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
Camila Prada
 
Motivação e trabalho em equipe
Motivação e trabalho em equipeMotivação e trabalho em equipe
Motivação e trabalho em equipe
Rúbian Fátima
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
Rui Loureiro
 
Aula: Perfil Comportamental
Aula: Perfil ComportamentalAula: Perfil Comportamental
Aula: Perfil Comportamental
televisita
 
Clima organizacional
Clima organizacionalClima organizacional
Clima organizacional
Larissa Estevão
 
Abordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administraçãoAbordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administração
Hélia
 
Palestra - A importância do trabalho em equipe
Palestra - A importância do trabalho em equipePalestra - A importância do trabalho em equipe
Palestra - A importância do trabalho em equipe
Joelson Matoso
 
Relacionamento interpessoal e equipes de trabalho
Relacionamento interpessoal e equipes de trabalhoRelacionamento interpessoal e equipes de trabalho
Relacionamento interpessoal e equipes de trabalho
Bruno Morais Lopes
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
Celso Alfaia Barbosa
 
Teorias motivacionais
Teorias motivacionaisTeorias motivacionais
Teorias motivacionais
Alcides Cabral PMP
 

Mais procurados (20)

Teoria comportamental slide
Teoria comportamental  slideTeoria comportamental  slide
Teoria comportamental slide
 
Estilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do LíderEstilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do Líder
 
Inteligência emocional na gestão de resultados
Inteligência emocional na gestão de resultadosInteligência emocional na gestão de resultados
Inteligência emocional na gestão de resultados
 
Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Liderança e Motivação
Liderança e  MotivaçãoLiderança e  Motivação
Liderança e Motivação
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
CHA - CONHECIMENTO, HABILIDADE E ATITUDE
CHA - CONHECIMENTO, HABILIDADE E ATITUDECHA - CONHECIMENTO, HABILIDADE E ATITUDE
CHA - CONHECIMENTO, HABILIDADE E ATITUDE
 
Motivacao
MotivacaoMotivacao
Motivacao
 
Aula 0 competência, habilidade e atitude
Aula 0   competência, habilidade e atitudeAula 0   competência, habilidade e atitude
Aula 0 competência, habilidade e atitude
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Motivação e trabalho em equipe
Motivação e trabalho em equipeMotivação e trabalho em equipe
Motivação e trabalho em equipe
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
 
Aula: Perfil Comportamental
Aula: Perfil ComportamentalAula: Perfil Comportamental
Aula: Perfil Comportamental
 
Clima organizacional
Clima organizacionalClima organizacional
Clima organizacional
 
Abordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administraçãoAbordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administração
 
Palestra - A importância do trabalho em equipe
Palestra - A importância do trabalho em equipePalestra - A importância do trabalho em equipe
Palestra - A importância do trabalho em equipe
 
Relacionamento interpessoal e equipes de trabalho
Relacionamento interpessoal e equipes de trabalhoRelacionamento interpessoal e equipes de trabalho
Relacionamento interpessoal e equipes de trabalho
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
 
Teorias motivacionais
Teorias motivacionaisTeorias motivacionais
Teorias motivacionais
 

Semelhante a Motivacao

Aula 8 Motivação.ppt
Aula 8 Motivação.pptAula 8 Motivação.ppt
Aula 8 Motivação.ppt
RafaeLSais1
 
Capitulo iv a motivação
Capitulo iv   a motivaçãoCapitulo iv   a motivação
Capitulo iv a motivação
carlossono
 
Ipes de setembro
Ipes de setembroIpes de setembro
Ipes de setembro
pensamentosiracema
 
Fatores motivacionais.pdf
Fatores motivacionais.pdfFatores motivacionais.pdf
Fatores motivacionais.pdf
KellyCristianyRodrig
 
Teorias motivacionais pontifícia universidade católica de …
Teorias motivacionais pontifícia universidade católica de …Teorias motivacionais pontifícia universidade católica de …
Teorias motivacionais pontifícia universidade católica de …
alanahmar15
 
Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO.
Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO. Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO.
Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO.
Nildo Guimaraes
 
24701432 motivacao-nas-organizacoes
24701432 motivacao-nas-organizacoes24701432 motivacao-nas-organizacoes
24701432 motivacao-nas-organizacoes
pintcruz
 
TEORIAS DA MOTIVAÇÃO
TEORIAS DA MOTIVAÇÃOTEORIAS DA MOTIVAÇÃO
TEORIAS DA MOTIVAÇÃO
Ludmila Moura
 
01 maslow herzberg vroom
01 maslow  herzberg vroom01 maslow  herzberg vroom
01 maslow herzberg vroom
Oswaldo Oliveira Filho
 
01 maslow herzberg vroom
01 maslow  herzberg vroom01 maslow  herzberg vroom
01 maslow herzberg vroom
Oswaldo Oliveira Filho
 
Trabalho de psicologia
Trabalho de psicologiaTrabalho de psicologia
Trabalho de psicologia
emersonmartinspires
 
MotivaçãO
MotivaçãOMotivaçãO
MotivaçãO
Aldo Pereira Costa
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
Felipe Pouchucq
 
Aula_-_Cap_6_e_7.pdf
Aula_-_Cap_6_e_7.pdfAula_-_Cap_6_e_7.pdf
Aula_-_Cap_6_e_7.pdf
AloideXadrequeBucuan
 
119127311 2638.comportamentalismo
119127311 2638.comportamentalismo119127311 2638.comportamentalismo
119127311 2638.comportamentalismo
Pelo Siro
 
Motivação teorias clássicas e contemporâneas
Motivação teorias clássicas e contemporâneasMotivação teorias clássicas e contemporâneas
Motivação teorias clássicas e contemporâneas
Psicologia_2015
 
Processos motivacionais
Processos motivacionaisProcessos motivacionais
Processos motivacionais
Ricardo Mendonça
 
Apresentação motivação
Apresentação motivaçãoApresentação motivação
Apresentação motivação
Ivan Celio
 
Motivação fénix
Motivação fénixMotivação fénix
Motivação fénix
José Matias Alves
 
Direção
DireçãoDireção
Direção
Matias Silva
 

Semelhante a Motivacao (20)

Aula 8 Motivação.ppt
Aula 8 Motivação.pptAula 8 Motivação.ppt
Aula 8 Motivação.ppt
 
Capitulo iv a motivação
Capitulo iv   a motivaçãoCapitulo iv   a motivação
Capitulo iv a motivação
 
Ipes de setembro
Ipes de setembroIpes de setembro
Ipes de setembro
 
Fatores motivacionais.pdf
Fatores motivacionais.pdfFatores motivacionais.pdf
Fatores motivacionais.pdf
 
Teorias motivacionais pontifícia universidade católica de …
Teorias motivacionais pontifícia universidade católica de …Teorias motivacionais pontifícia universidade católica de …
Teorias motivacionais pontifícia universidade católica de …
 
Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO.
Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO. Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO.
Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO.
 
24701432 motivacao-nas-organizacoes
24701432 motivacao-nas-organizacoes24701432 motivacao-nas-organizacoes
24701432 motivacao-nas-organizacoes
 
TEORIAS DA MOTIVAÇÃO
TEORIAS DA MOTIVAÇÃOTEORIAS DA MOTIVAÇÃO
TEORIAS DA MOTIVAÇÃO
 
01 maslow herzberg vroom
01 maslow  herzberg vroom01 maslow  herzberg vroom
01 maslow herzberg vroom
 
01 maslow herzberg vroom
01 maslow  herzberg vroom01 maslow  herzberg vroom
01 maslow herzberg vroom
 
Trabalho de psicologia
Trabalho de psicologiaTrabalho de psicologia
Trabalho de psicologia
 
MotivaçãO
MotivaçãOMotivaçãO
MotivaçãO
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Aula_-_Cap_6_e_7.pdf
Aula_-_Cap_6_e_7.pdfAula_-_Cap_6_e_7.pdf
Aula_-_Cap_6_e_7.pdf
 
119127311 2638.comportamentalismo
119127311 2638.comportamentalismo119127311 2638.comportamentalismo
119127311 2638.comportamentalismo
 
Motivação teorias clássicas e contemporâneas
Motivação teorias clássicas e contemporâneasMotivação teorias clássicas e contemporâneas
Motivação teorias clássicas e contemporâneas
 
Processos motivacionais
Processos motivacionaisProcessos motivacionais
Processos motivacionais
 
Apresentação motivação
Apresentação motivaçãoApresentação motivação
Apresentação motivação
 
Motivação fénix
Motivação fénixMotivação fénix
Motivação fénix
 
Direção
DireçãoDireção
Direção
 

Motivacao

  • 1. Motivação  Texto 05: A motivação humana  Autor: Chiavenato
  • 2. Motivação  Existem dois tipos de fatores que influenciam o comportamento das pessoas:  Fatores internos: decorrentes de suas características de personalidade, como capacidade de aprendizagem, MOTIVAÇÃO, percepção do ambiente externo e interno, atitudes, emoções, valores etc.  Fatores externos: decorrentes do ambiente que as envolve, das características organizacionais, como sistemas de recompensas e punições, fatores sociais, políticos, coesão grupal existente etc.
  • 3. O que é motivação? São forças ativas e impulsionadoras, a partir das quais se busca alcançar determinada meta através da ação.
  • 4. Comportamento e diferenças individuais  Embora os padrões de comportamento (necessidades, valores sociais, capacidade para atingir objetivos) variem, o processo pelo qual eles ocorrem é, basicamente, o mesmo para todas as pessoas.
  • 5. Premissas que explicam o comportamento humano  O comportamento é causado por estímulos internos e externos.  O comportamento é motivado, ou seja, há uma finalidade em todo comportamento humano. Não é, portanto, causal.  O comportamento é orientado para objetivos. Existe sempre um impulso, desejo, necessidade, expressões que servem para designar os motivos do comportamento.
  • 6. Modelo básico de motivação  A motivação depende:  Percepção do estímulo / causa: que varia conforme a pessoa e na mesma pessoa conforme o tempo  Necessidade / desejo: varia conforme a pessoa  Cognição: varia conforme a pessoa
  • 7. Etapas do ciclo motivacional envolvendo a satisfação da necessidade  Equilíbrio interno  Estímulo ou incentivo  Necessidade  Tensão  Comportamento ou ação  Satisfação  Equilíbrio interno
  • 8. Análise do ciclo motivacional  Necessidade:  Satisfeita: comportamentos se tornam mais eficazes. Necessidade deixa de ser motivadora do comportamento.  Frustrada: tensão encontra uma barreira ou um obstáculo para sua liberação. Represada no organismo, procura um meio indireto de saída: via psicológica (agressividade, apatia, descontentamento) ou via fisiológica (insônia, repercussões cardíacas ou digestivas).  Compensada ou transferida: a satisfação de uma outra necessidade reduz ou aplaca a intensidade de uma necessidade que não pode ser satisfeita. “É o que acontece quando o motivo de uma promoção para um cargo superior é contornado por um bom aumento de salário ou por uma nova sala de trabalho”.
  • 9.  “A satisfação de certas necessidades é temporal e passageira, ou seja, a motivação humana é cíclica: o comportamento é um processo contínuo de resolução de problemas e satisfação de necessidades, à medida que vão surgindo”. Conclusão:
  • 10. Teorias sobre motivação  Relacionadas com a necessidade humana.  Partem do princípio de que a motivação para agir e se comportar derivam de forças que existem dentro do indivíduo.  Teoria mais conhecida: hierarquia das necessidades humanas de Maslow
  • 11. A hierarquia das necessidades segundo Maslow Auto-realização Estima Sociais Segurança Necessidades fisiológicas
  • 12.  Necessidades fisiológicas: sede, fome, cansaço, reprodução da espécie. Estão relacionadas com a sobrevivência do indivíduo.  Necessidades de segurança: proteção contra alguma ameaça. Também estão relacionadas com a sobrevivência do indivíduo. Surgem quando as necessidades fisiológicas estão relativamente satisfeitas.
  • 13.  Necessidades sociais: estão “relacionadas com a vida associativa do indivíduo junto a outras pessoas. São as necessidades de associação, participação, aceitação por parte dos colegas, troca de amizade, afeto e amor. Surgem no comportamento quando as necessidades mais baixas (fisiológicas e de segurança) se encontram relativamente satisfeitas”.
  • 14.  Necessidades de estima: estão relacionadas com a auto-avaliação e a auto-estima do indivíduo. “Envolvem a auto-apreciação, autoconfiança, necessidade de aprovação social, reconhecimento social, status, prestígio, reputação e consideração”. Enquanto a satisfação dessas necessidades conduz a sentimentos como autoconfiança, força e poder, a sua frustração leva a sentimentos de inferioridade, fraqueza, dependência e desamparo.
  • 15.  Necessidade de auto-realização: “Levam a pessoa a tentar realizar seu próprio potencial e se desenvolver continuamente como criatura humana ao longo da vida. Enquanto as quatro necessidades anteriores podem ser satisfeitas por recompensas externas (extrínsecas) à pessoa e que têm uma realidade concreta (como comida, dinheiro, amizades, elogios de outras pessoas), as necessidades de auto-realização somente podem ser satisfeitas por recompensas que são dadas intrinsecamente pelas pessoas a si próprias (como o sentimento de realização) e que não são observáveis nem controláveis por outros”.
  • 16.  A necessidade de auto-realizacão pode ser insaciável, no sentido de quanto mais a pessoa obtém retornos que a satisfaçam, mais importante ela se torna e mais ainda a pessoa desejará satisfazê-la. Não importa quão satisfeita a pessoa esteja, pois ela quererá sempre mais.
  • 17. Aspectos da teoria de Maslow  Somente necessidades não satisfeitas é que influenciam o comportamento.  Nascimento: prevalência das necessidades fisiológicas  A partir de uma certa idade, aparecem as necessidades de segurança. Estas e as necessidades fisiológicas constituem as necessidades primárias do indivíduo, voltadas para a conservação pessoal.
  • 18.  “À medida que o indivíduo passa a controlar suas necessidades fisiológicas e de segurança, surgem lenta e gradativamente as necessidades mais elevadas: sociais, de estima e de auto-realização”.  As necessidades mais elevadas predominam em relação às necessidades mais baixas.  “As necessidades mais baixas requerem um ciclo motivacional rápido, enquanto as necessidades mais elevadas requerem um ciclo motivacional extremamente longo. A privação de uma necessidade mais baixa faz com que as energias do indivíduo se desviem para a luta por sua satisfação”.
  • 19. A teoria dos dois fatores de Herzberg  Herzberg alicerça sua teoria no ambiente externo e no trabalho do indivíduo (ao contrário de Maslow, que fundamenta sua teoria nas necessidades humanas).  A motivação para trabalhar depende de dois fatores:  a) fatores higiênicos: referem-se às condições que rodeiam a pessoa enquanto trabalha (condições físicas e ambientais, salário, benefícios, políticas da empresa). Trata-se do contexto do cargo.  b) fatores motivacionais: “referem-se ao conteúdo do cargo, às tarefas e aos deveres relacionados com o cargo em si”.
  • 20. Em essência, a teoria dos fatores afirma que:  Satisfação no cargo: conteúdo do cargo – fatores motivadores  Insatisfação no cargo: ambiente de trabalho – fatores higiênicos  Proposta de Herzberg para introduzir maior motivação no trabalho: enriquecimento de tarefas, o que consiste em ampliar os objetivos, responsabilidade e o desafio das tarefas do cargo.
  • 21. O modelo contingencial de motivação de Vroom  Restringe-se à motivação para produzir, rejeita noções preconcebidas e reconhece as diferenças individuais.  “Existem três fatores que determinam em cada indivíduo a motivação para produzir:  1) Os objetivos individuais, ou seja, a força do desejo de atingir objetivos.  2) A relação que o indivíduo percebe entre produtividade e alcance de seus objetivos individuais.  3) Capacidade de o indivíduo influenciar seu próprio nível de produtividade, à medida que acredita poder influenciá-lo”.
  • 22.  Uma pessoa pode desejar aumentar a produtividade quando três condições se apresentam:  1) Objetivos pessoais do indivíduo  2) Relação percebida entre satisfação dos objetivos e alta produtividade  3) Percepção de sua capacidade de influenciar sua produtividade
  • 23. Teoria da expectação  Teoria desenvolvida por Lawler.  O autor encontrou fortes indícios de que o dinheiro pode motivar o desempenho e outros tipos de comportamento. “Apesar do resultado óbvio, verificou que o dinheiro tem apresentado pouca potência motivacional em virtude de sua incorreta aplicação pela maior parte das organizações”.
  • 24. Por que não há uma relação consistente entre dinheiro e desempenho nas organizações?  Tempo e reforço fraco  Os salários tendem a ser mantidos pela média e acabam não recompensando o desempenho excelente  A política de remuneração das organizações está atrelada a políticas governamentais e convenções sindicais, as quais regulamentam o salário indistintamente  Preconceito em relação ao dinheiro. É visto como algo vil e sórdido, sendo que é uma das razões principais que levam as pessoas a trabalharem em organizações
  • 25. Bases da teoria de Lawler  O dinheiro é um meio a partir do qual as pessoas podem satisfazer necessidades múltiplas  Se as pessoas estabelecerem uma relação consistente entre salário e desempenho, certamente este aumentará.  Motivação para trabalhar
  • 26. O dinheiro é altamente motivador  “O dinheiro pode ser poderoso motivador se as pessoas acreditam haver ligação direta ou indireta entre desempenho e conseqüente aumento de remuneração. Se essa percepção for alcançada e confirmada, as pessoas certamente terão melhor desempenho tendo em vista o resultado financeiro desejado”.
  • 27. Motivação e clima organizacional  Conceito de motivação – nível individual  Conceito de clima organizacional – nível da organização  O que é clima organizacional?  “O clima organizacional refere-se ao ambiente interno existente entre os membros da organização e está intimamente relacionado com o grau de motivação de seus participantes”.
  • 28. O clima organizacional pode ser:  Favorável: quando proporciona satisfação das necessidades pessoais dos participantes e elevação da moral.  Desfavorável: quando proporciona a frustração das necessidades pessoais.  “Na verdade, o clima organizacional influencia o estado motivacional das pessoas e é por ele influenciado”.