SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!  45
FreiFranciscodeSãoLuísSaraiva
– O Homem e o Livros
Neste breve artigo procuramos mostrar alguns dos hábitos de
leitura do Cardeal Saraiva que encontramos na sua biblioteca.
A partir deles perceber como os livros influenciaram o homem
de cultura, o professor, o político e o religioso.
FreiFranciscodeSãoLuísSaraiva
– The Man and the Books
In this short article we try to show some of the Cardinal Saraiva
reading habits we find in your library. From them understand how
the books have influenced the man of culture, the teacher,
the political and the religious.
Bibliotecas particulares,
cultura, livros proibidos
Private libraries,
culture, prohibited books
46  Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!
AntónioBarrosCardoso[1]
F
rei Francisco de São Luís, fu-
turo Cardeal Saraiva, ilustre
Limiano, foi um dos maiores
cultores das letras de finais
do século XVIII e manteve-se ati-
vo nesse como noutros campos,
por boa parte do século XIX. De
facto, Saraiva conheceu nos livros
que leu e guardou na sua livraria
toda a argumentação que o levou
a pautar a sua conduta pela boa
razão, ao invés do uso da razão
particular. A mesma boa razão
que conduziu a burguesia por-
tuense de inícios do XIX a recha-
çar as tropas francesas de Junot,
em 1808, sem rejeitar a sua simpa-
tia pelos valores que lhe serviam
de estandarte, consubstanciados
na expressão mais ouvida nessa
época “Igualdade, Liberdade e
Fraternidade”.
Monge beneditino pelos dotes de
cantochão e não pela via tradi-
cional de entrada na prestigiada
Ordem dos “Monges Negros”, a
nobilitação (o seu pai era notário
em Ponte de Lima), cedo deu nota
de inteligência superior. Aos oito
anos já estudava latim na Vila
mais antiga de Portugal, aos ca-
torze aprendia Filosofia, em São
Martinho de Tibães. Quando ti-
nha 16 anos fez a sua profissão so-
lene, com a designação monástica
de Frei Francisco de São Luís[2]
.
Prosseguiu depois os seus estu-
dos de Filosofia em Santo André
de Rendufe e completou o curso
de cultura clássica no Convento
de Nossa Senhora da Estrela em
Lisboa. Doutor em Teologia pela
universidade de Coimbra, com
apenas 25 anos, aos 28 já era me-
dalhado com ouro pela Academia
Real das Ciências. Ao mesmo
tempo que subia os primeiros de-
graus do magistério universitário
no Real Colégio das Artes, na ci-
dade do Mondego. Discípulo do
Historiador João Pedro Ribeiro,
com ele foi aguçando o gosto pela
diplomática portuguesa, pela filo-
logia e despontava o bibliófilo e
investigador que se revelaria anos
mais tarde.
Evocamos aqui sobretudo o cléri-
go e o político não alheio ao ro-
mantismo que marcou os tempos
e lugares por onde seguiu a sua
existência. De facto, “um artista
ao contempla-lo teria diante de si
uma figura insinuante para com
ela compor um tríptico” - com o
político, o patriota e o revolucio-
nário[3]
. Na primeira aceção, Frei
Francisco de São Luís aparece
pela primeira vez na Junta Popu-
lar levantada no Minho, a fim de
organizar a resistência de Portu-
gal contra as forças de Napoleão
Bonaparte[4]
, enfrentando as vicis-
situdes e perigos a que obrigam o
fundo sentir da pátria. Mais tarde,
assume novo protagonismo polí-
tico quando Ferreira Borges, no
próprio dia 24 de agosto de 1820,
ecoava em proclamação pelas ruas
da cidade do Porto o liberalismo,
é “intimado” a participar na Junta
Política que lhe deu corpo. O con-
vite não foi consequência direta da
sua participação no planeamento
da revolta, Saraiva não fez parte
do Sinédrio que, em surdina, des-
de 1817 congeminava a implanta-
ção do novo regime político. No
entanto, foram as suas diligências
que demoveram as forças milita-
res minhotas a aderirem ao movi-
[1] Professor da
Universidade do
Porto - DHEPI –
Departamento
de História e
Estudos Políticos e
Internacionais da
Faculdade de Letras
[2] FERREIRA, António
– O Cardeal Saraiva
(um Grande Limiano):
Porto, Editorial
Domingos Barreira,
1948, p. 7.
[3] Idem, Ibidem, p. 101.
[4] Idem, p. 102.
[5] RAMOS, Luís A. De
Oliveira – O cardeal
Saraiva: Porto,
Instituto de Alta
Cultura/Faculdade
de Letras, 1972, p. 87.
Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!  47
mento[5]
. A par deste importante
contributo, a sua presença naque-
le órgão da revolução liberal, foi
recebida pelos restantes membros
da Junta como garantia oferecida
à faixa da população mais reti-
cente na adesão ao movimento,
por temerosa de que se deslizasse
para situações de extremismo. A
sua participação naquele órgão
dirigente era, pois, penhor de que
se concretizariam os propósitos
declarados de se convocarem cor-
tes para se elaborar uma constitui-
ção, conforme à religião e costu-
mes nacionais, afastando-se assim
o fantasma da anarquia. De resto,
a ação inteligente do monge bento
conseguiu ganhar o apoio dos po-
deres de Lisboa para a causa, ob-
jetivo primeiro da Junta do Porto.
A par, impedia o poder castren-
se de depurar a cúpula do movi-
mento da sua componente civil[6]
.
Saraiva não empunha armas, ser-
ve-se apenas da sua pena, a arma
mais ágil que conseguiu manejar
e foi grande a sua importância no
erguer do primeiro período do li-
beralismo português: É da sua au-
toria o “Manifesto às Nações da
Europa” onde se explicam as ra-
zões do movimento de 24 de agos-
to e sai igualmente da sua pena a
carta dirigida ao rei D. João VI,
ausente no Brasil, onde se lhe dá
nota, com detalhes de minúcia,
dos propósitos do poder político
saído da revolta portuense.
O seu fascínio pelo serviço da rés
pública leva-o a integrar a Regên-
cia do Reino e a estar presente
na abertura das primeiras Cortes
Constituintes que consagraram a
separação dos poderes executivo,
legislativo e judicial, em oposição
ao absolutismo concentracionista
desses mesmos poderes. De facto,
Saraiva tinha bebido na leitura das
obras de John Locke e de Montes-
quieu, ou nos livros que guardava
na sua livraria sobre a Revolução
Americana esses princípios, de
resto já vertidos no texto consti-
tucional do país vizinho (Cons-
tituição de Cádis - 1812) textos
que ele guardava nas suas estan-
tes, neste último caso, norteador
do anteprojeto da nossa primeira
constituição redigida pelo próprio
punho de Saraiva[7]
.
Este trajeto pela vida pública faz
com que em junho de 1821, dissol-
vida a regência pelo regresso de D.
João VI do Brasil, Saraiva seja no-
meado Bispo Coadjutor de Coim-
bra. Em novembro do ano seguinte
é eleito deputado às Cortes Ordi-
nárias e, em fevereiro de 1823, es-
tas elegem-no presidente. A 27 de
Maio desse ano, a Vila-Francada
derruba a Constituição de 1822,
Saraiva era então já Bispo Conde
de Coimbra, Reitor e Reformador
da Universidade. O seu passado de
liberal leva-o a um exílio por três
anos no Mosteiro da Batalha. Ou-
torgada a Carta Constitucional
em 1826, retorna à vida política.
É novamente eleito deputado às
Cortes que, de novo, o escolhem
para presidente. Quando em ju-
lho de 1828 D. Miguel dissolve o
Parlamento, Saraiva é preso e des-
terrado para o mosteiro de Serra
D’Ossa no Alentejo. Durará este
exílio 6 longos anos.
Libertado em 1834, o rei D.
Pedro nomeia-o Conselheiro
de Estado. É eleito novamente
deputado às Cortes às quais volta
a presidir, entre julho e setembro
desse ano. Após a morte de D. Pe-
[6] Idem, ibidem, p.
90-91.
[7] CARDOSO, António
M. de Barros – Ler
na Livraria de Frei
Francisco de São
Luís: Ponte de Lima,
Câmara Municipal de
Ponte de Lima, 1995,
p. 261.
48  Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!
dro, D. Maria II nomeia-o minis-
tro dos negócios do reino, cargo
que exerce até 1835. A revolução
de setembro do ano seguinte faz
com que Saraiva, fiel aos princí-
pios constitucionais, abandone
todos os cargos. Alexandre Her-
culano segue-lhe o exemplo[8]
.
1.
A “livraria” de
Frei Francisco de
São Luís Saraiva
A biblioteca do Cardeal Saraiva
foi constituída por 2045 títulos.
Desses, a maioria eram edições
do século XVIII, seguidas pelos
livros editados no século XIX, afi-
nal foi na segunda metade de sete-
centos e na primeira de oitocentos
que Saraiva reuniu a sua biblio-
teca. Contudo, importa salientar
que, como bibliófilo que era, Frei
Francisco comprou e reuniu mais
de 300 títulos editados no século
XVI. Não apresentavam a data de
edição 387 obras. Deve salientar-
-se que era uma das maiores bi-
bliotecas particulares portuguesas
da época. A documentação que
compulsamos, manuscrita pelo
próprio Cardeal Saraiva, ou pelo
seu irmão Luís Estanislau Saraiva,
apresentava a livraria maioritaria-
mente arrumada num Index, ou-
tra parte das obras num rol de im-
pressos não incluídos no primeiro
documento e ainda uma outra
parte descrita num rol de livros
manuscritos[9]
.
Mas olhemos a biblioteca do ilus-
tre limiano sob o ponto de vista
temático. O seu núcleo principal,
era constituído por 1212 títulos e
distribuía-se pelos livros de Histó-
ria, seguidos dos livros de Litera-
tura, Ciências e Artes, Teologia,
Jurisprudência e Poligrafia[10]
. Si-
nais de que estamos em presen-
ça de um monge culto. Assim foi
de facto, os 10 volumes das suas
“Obras Completas”, não deixam
dúvidas. Trata-se de uma perso-
nalidade que se enraizou profun-
damente no período de transfor-
mação que a Europa do seu tempo
conheceu, com reflexos entre nós.
Frei Francisco leu bem os sinais
da mudança que atingiam o velho
continente.
1.1. A cultura portuguesa
No plano da cultura portuguesa, se
não encontramos na sua livraria os
textos medievos do cancioneiro de
que foram cultores D. Dinis e o prín-
cipe D. Afonso, as fontes clássicas
inspiradoras do género, como a Arte
de Amar, de Ovídio e a Arte Poética
de Horácio, foram lidas por ele.
Na sua estante repousaram as
crónicas do primeiro Guarda-mor
da Torre do Tombo, Fernão Lo-
pes, como a Crónica do Infante D.
Fernando, por Frei João Álvares,
ou a Crónica de D. Afonso Hen-
riques, de Duarte Galvão. Neste
último caso serviu-lhe a obra para
criticar severamente o seu autor
enquanto historiador, qualifica-
tivo que, no entender de Saraiva,
não merecia, como expressou nas
páginas da “Revista Literária”.[11]
A Crónica de D. João II, de Gar-
cia de Resende, também se encon-
trava entre os seus livros.
O humanismo renascentista portu-
guês conseguiu prender a atenção
de Saraiva, não fora ele, na sua ação
político-ideológica, um concretiza-
dor dos caminhos apontados pelo
[8] FERREIRA, António,
op. Cit. p. 107.
[9]CARDOSO,António
Barros–Lerna
LivrariadeFrei
FranciscodeSão
LuísSaraiva.Ponte
deLima:Câmara
MunicipaldePontede
Lima,1995,p.185-187.
[10] Idem, ibidem,
p. 192-193.
[11] RAMOS, Luís A. De
Oliveira – O Cardeal
Saraiva. Porto, 1972,
p. 296-297.
[12] CARDOSO, António
Barros – Lerna
LivrariadeFrei
FranciscodeSão
LuísSaraiva. Ponte
de Lima: Câmara
Municipal de Ponte
de Lima, 1995, p. 50.
[13] Idem, Ibidem.
Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!  49
Figura 1 E 2.
Folha de rosto das obras: Vida de D. João de
Castro, por Jacinto Freire de Andrade e Vida
de D. Paulo de Lima por Diogo do Couto
Renascimento a que o Iluminismo
setecentista deu feição definitiva. De
resto, foi temática que muito o in-
teressou, ainda enquanto estudante
na Universidade de Coimbra. É da
autoria de Frei Francisco de São Luís
o estudo comparativo entre as obras
Vida de D. João de Castro, por Ja-
cinto Freire de Andrade e a Vida de
D. Paulo de Lima, por Diogo do
Couto. Com este exercício concor-
reu ao concurso anual da Academia
Real das Ciências, de 1792, que o
tornaria merecedor da primeira me-
dalha de ouro atribuída pela presti-
giada instituição.[12]
Importa ainda
referir que o Humanismo portu-
guês, resultou de uma observação
privilegiada dos portugueses sobre o
Homem. Tal olhar haveria de cons-
tituir mais tarde decisivo contributo
para que Rousseau pudesse estribar
o “mito do bom selvagem” e Mon-
taigne tornasse patente uma nova
experiência sobre o homem, enri-
quecida com os informes da obra de
D. Jerónimo Osório, Bispo de Silves,
De Rebus Emmanuelis Regis, tra-
duzida para francês logo em 1580,
que Saraiva também guardou nas
suas estantes.[13]
50  Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!
Frei Francisco de São Luís conhe-
ceu igualmente, através de um
vasto conjunto de obras da sua
biblioteca, a subordinação da ati-
vidade intelectual portuguesa de
quinhentos à disciplina católica
da Contra-Reforma, isto apesar
de o Colégio das Artes, fundado
depois de transferida a Universi-
dade de Lisboa para Coimbra, no
reinado de D. João III, ter con-
tribuído, pelo saber de André de
Gouveia, seu criador, incorporar
o espírito da ala mais avançada
do humanismo português. Sarai-
va possuía toda a obra de Sá de
Miranda, como leu as Rimas do
seu conterrâneo limiano Diogo
Bernardes, representantes da obe-
diência à Reforma Católica.[14]
Re-
pousaram na sua estante a obra
de João de Barros, “Chronica
do Emperador Calrimundo…”,
as Décadas da Àsia e os Pane-
gíricos do mesmo autor. Tam-
bém não se furtou a incorporar
na sua livraria a influências
trazidas ao pensamento português
pela efervescência heterodoxa
estrangeira. Vimos, entre outras,
a Chronica do rei D. Manuel,
por Damião de Góis. Leu André
de Resende em De Antiquitatibus
Lusitaniae, obra editada pela pri-
meira vez em 1593, a História da
Antiguidade da Cidade de Évora
e a Vida do Infante D. Duarte[15]
.
1.2. Os novos horizontes
geográficos e os livros
A literatura portuguesa quinhen-
tista refletiu os novos horizontes
geográficos que Portugal deu ao
mundo. Na livraria de Frei Fran-
cisco guardou-se, o Naufrágio
de Sepúlveda, de Jerónimo Corte
Real, a Elegíada, de Luís Pereira
Brandão e as narrativas anónimas
da História Trágico Marítima,
reunidas e oferecidas ao rei D. João
V, por Bernardo Gomes de Brito[16]
.
Não faltou a Peregrinação, de
Fernão Mendes Pinto, que Saraiva
leu na edição de 1614, preparada
em Lisboa por Pedro Craesbeeck,
como a História del Gran Reino
de la China, de Frei João Gonçal-
ves e ainda a obra de Fernão Lopes
de Castanheda História do Des-
cobrimento e Conquista da Índia
Figura 3.
Folha de rosto da edição das obras completas
de Sá de Miranda
[14] Idem, p. 52.
[15] Idem, p. 54.
[16] Idem, p. 56.
[17] Idem, p. 57.
[18] Idem, p. 59.
[19]SobreFrei
AmadorArraise
osseusDiálogos
merecereferência
orecentetrabalho
deCARVALHO,José
Carlos–Aexegese
bíblicanosDiálogosde
FreiAmadorArrais,In
HumanísticaeTeologia
27:1(2006),p.3-15.
Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!  51
pelos Portugueses, bem como As
Décadas da Ásia, de Diogo do
Couto, o continuador da obra de
João de Barros[17]
.
Saraiva percorreu também a li-
teratura religiosa quinhentista
a começar na Imagem da Vida
Christam de Frei Heitor Pinto.
Continuou nos Trabalhos de Je-
sus, que o frade Agostinho, Tomé
de Jesus, escreveu no cativeiro a
que foi submetido na sequência de
Alcácer Quibir[18]
. Na mesma li-
nha, leu Chauleidos e o Compên-
dio da Doutrina Cristã, de Diogo
Paiva de Andrade e as obras dos
irmãos Frei Amador Arrais[19]
e
Jerónimo Arrais. Compreendeu
bem a hostilidade do Santo Ofício
da Inquisição contra alguns destes
escritores[20]
.
Após a Reforma Tridentina, a pe-
nínsula Ibérica, transformou-se
numa espécie de “Ilha da Purifi-
cação”. A autoridade da tradição
católica acorrentou os espíritos,
mas, o sábio não é mais o que sabe,
mas o que indaga e investiga a raiz
das coisas[21]
. De facto, Francis Ba-
con, com o seu Novum Organum
Scientorum, publicado em 1620,
destrona os saberes aristotélicos
e René Descartes, com o Discous
de la Methode, dado à estampa em
1637, seguido pela edição de 1638
dos Discorsi de Galileu, obras
marcadas pelo poder especulativo
da razão já entregue a si própria,
consubstanciada igualmente nas
obras de Espinosa e Leibniz, abri-
riam o caminho a uma nova forma
de pensar. Porém, em Portugal, a
ausência de corte, resultante da
perda da independência e sequen-
te união ibérica (1580) foi fator
de arrefecimento da produção in-
telectual. O espartilho censório
também não ajudou. A livraria
do monge beneditino reflete isso
mesmo. Ainda assim foi possível
encontrar nela algumas obras que
espelham uma nova visão no plano
das doutrinas económicas, mais de
acordo com a época. Lá estavam
o Sítio de Lisboa de Luís Mendes
de Vasconcelos que já se insere na
literatura de cariz autonomista, es-
timulada pela situação política que
então se vivia[22]
. As obras de Ma-
nuel Severim de Faria, Discursos
vários Políticos… ou Notícias de
Portugal[23]
não escaparam igual-
Figura 4.
Folha de rosto das Décadas da Ásia de João
de Barros
[20] CARDOSO, António
Barros – Ler na
Livraria de Frei
Francisco de São
Luís Saraiva. Ponte
de Lima: Câmara
Municipal de Ponte
de Lima, 1995, p. 60.
[21]GUSDORF,George
–Del’Histoiredes
Sciencesàl’Histoire
delaPensée,Paris,
1966,p.47.
[22]CARDOSO,António
Barros–Lerna
LivrariadeFrei
Franciscode
SãoLuísSaraiva.
PontedeLima:Câmara
MunicipaldePonte
deLima,1995,p.63.
[23] Idem, Ibidem.
52  Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!
mente à curiosidade de Frei Fran-
cisco de São Luís Saraiva.
O desbravar do caminho nos sécu-
los XV e XVI, estimulado pelo Hu-
manismo Renascentista português,
conduziu diretamente ao conheci-
mento do mundo, aplicando prin-
cípios racionais, que obrigaram a
lançar mão da experiência para
confirmar os estímulos dos senti-
dos pelos fenómenos observados
nas novas fronteiras que os portu-
gueses foram desenhando. Daí, foi
um passo ao questionar, por parte
dos intelectuais do século XVII, o
esquema aristotélico que São To-
más de Aquino cristianizou e que
os inacianos adotaram.
Apesar de conhecedor destas
transformações, Saraiva leu mui-
to sobre a experiência da Compa-
nhia de Jesus e dos legados acerca
na observação do ultramar. Por
isso, encontramos na sua livraria
as obras do Padre António Vieira
(Cartas, Sermões, a História do
Futuro, etc.)[24]
como não deixou
de ler outros livros que discutiam
o legado literário de Vieira.
Frei Gaspar de São Bernardino e
Frei António de Gouveia inserem-
-se na mesma linha de Vieira. O
primeiro escreveu o Itinerário da
Índia por Terra…, o segundo a
Jornada do Arcebispo de Goa D.
Frei Aleixo de Menezes[25]
.
1.3. A literatura de carácter
autonomista
Já aqui afloramos o desenvolvi-
mento da literatura de cunho mar-
cadamente autonomista do século
XVII português. Saraiva percorreu
toda essa literatura. A título exem-
plificativo referimos a obra de An-
tónio de Sousa Macedo Flores de
Espanha, Excelências de Portugal,
onde o autor, em 1637, exprime a
Filipe IV algo que se pode traduzir
da seguinte maneira: Espanha era,
à época, a maior nação do mundo
e Portugal a maior da Península![26]
.
Não lhe escapou a obra de Francis-
co Rodrigues Lobo e, em particu-
lar Corte na Aldêa, ou a Elegíada
de Luís Pereira Brandão[27]
. Não
faltou na sua livraria a Ulissea ou
Lisboa Edificada, poema épico
do Dr. Gabriel Pereira de Castro,
sobre a fundação da capital por-
Figura 5.
Folha de rosto da obra Imagem da Vida
Christam de Frei Heitor Pinto
[24] Idem, p. 66.
[25] Idem, p. 67.
[26] Idem.
[27] Idem, p. 68.
Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!  53
tuguesa[28]
. Na mesma linha de
elevação das glórias portuguesas
em defesa da autonomia do reino,
contam-se as obras Anacephaleose
da Monarchia Lusitana, de Jorge
Ferreira de Vasconcelos[29]
, como a
Monarchia Lusitana e a Geografia
da Antiga Lusytânia, de Frei Ber-
nardo de Brito[30]
, autor que Saraiva
também leu na Chronica de Cister
e nos Elogios dos Reis de Portu-
gal[31]
até ao reinado de Filipe II.
Nesta mesma linha, possuiu um
exemplar do poema heroico de
Francisco Sá de Menezes, Mala-
ca Conquistada, onde se anima a
alma pátria, salientando o papel
que Portugal desempenhou na de-
fesa da fé cristã[32]
.
A propósito da fundação do reino,
não prescindiu da leitura das Ana-
cephaleoses da Monarchia Portu-
gueza onde o seu autor, Manuel
Bocarro Francez, assume o sonho
do Quinto Império[33]
. Saraiva leu
atentamente a Monarchia Lusi-
tana de Frei Bernardo de Brito,
numa edição completada pelo
monge cisterciense Frei António
Brandão, em edição de 1690[34]
.
No contexto da historiografia
portuguesa, não prenderam a sua
atenção apenas os autores citados.
Saraiva juntou nas prateleiras das
estantes da casa onde viveu em
Ponte de Lima as obras de Manuel
de Faria e Sousa, de Frei Luís de
Sousa e de D. Francisco Manuel
de Melo. Do primeiro leu a Eu-
ropa Portuguesa, o Epitome das
Histórias Portuguesas, a Ásia
Portuguesa, a África Portuguesa
e a novela Noches Claras Divinas
e Humanas Flores[35]
. Da lavra de
D. Francisco Manuel de Melo, leu
as Epanaphoras de Vária Histó-
ria Portuguesa, o Eco político en
Portugal à la voz de Castilha, que
ofereceu a D. João IV e, claro está,
a célebre Carta de Guia de Casa-
dos, bem como as Cartas Familia-
res, a Aula Política, Curia Militar,
epístola declamatória ao Príncipe
D. Theodósio e mesmo a obra
Apologos Dialogais, publicada já
depois da morte de D. Francisco.
Sobretudo no Guia de Casados,
bebeu os ensinamentos que o au-
tor colheu, enquanto crítico dos
costumes e observador da realida-
de, que ultrapassa as limitações da
cultura livresca[36]
.
Na livraria de Saraiva repousaram
igualmente alguns dos principais
tesouros da literatura religiosa
seiscentista. Lá estava a Nova Flo-
resta do oratoriano Padre Manuel
Bernardes de quem também leu as
Meditações dos Principaes Myste-
rios da Virgem Nossa Senhora e
bebeu os ensinamentos de Luz e
Calor. Não prescindiu da leitura
dos Sermões e práticas[37]
.
1.4. Cultura Portuguesa
setecentista
Os ecos da cultura Portuguesa do
século XVIII, ressumam igualmen-
te da livraria de Frei Francisco de
São Luís Saraiva que leu o Padre
Rafael Bluteau, no Vocabulário
Portuguez e latino e nas Prozas
portuguesas. Bluteau mostrou-lhe
a distância a que Portugal se en-
contrava da renovação científica
transpirenaica. De facto, este autor
já elogia o academismo presente na
Sociedade dos Físicos da Inglaterra,
do Colégio Experimental de
Londres e da Sociedade Del
Cimento, em Itália, mostrando ao
[28] Idem.
[29] Idem, p. 70.
[30] Idem, p. 71.
[31] Idem.
[32] Idem, P. 68.
[33] Idem, p. 70.
[34] Idem.
[35] Idem, p. 72.
[36] Idem, p. 73.
[37] Idem, p. 74.
54  Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!
monge Bento, os caminhos por
onde Portugal deveria seguir[38]
.
Interessou-se igualmente pela
obra dos inovadores e protegidos
pela corte de D. João V, como Ma-
nuel de Azevedo Fortes e Jacob
de Castro Sarmento. Já enquanto
Historiador, o Cardeal Saraiva be-
neficiou das edições patrocinadas
pela Academia Real da História,
de Diogo Barbosa Machado, His-
tória Genealogica da Casa Real
Portugueza e da Bibliotheca Lu-
sitana, Crítica e Chronologica[39]
.
António Ribeiro Sanches, mé-
dico da corte da Rússia, foi lido
no Tractado da Conservação da
Saúde dos Povos e no Methodo de
Aprender a Estudar Medicina[40]
.
Não prescindiu dos ensinamentos
do diplomata D. Luís da Cunha,
no seu Testamento Político.
Percebeu a oposição entre Orato-
rianos e Inacianos, ou seja, como
à época se definiu, entre Antigos
e Modernos, através da obra de
Francisco José Freire, que adotou
o pseudónimo de Cândido Lusita-
no, e Saraiva leu na sua Arte Poéti-
ca[41]
, impressa na oficina de Fran-
cisco Luís Ameno, em 1759[42]
.
Todo o arsenal bibliográfico de Su-
porte à reforma dos estudos ence-
tada pelo Marquês de Pombal na
Universidade de Coimbra, a partir
de 1772, também se encontrava na
livraria de Saraiva. Vernei e o seu
Verdadeiro Método de Estudar[43]
e a Recreação Filosófica onde o
padre Teodoro de Almeida mostra
o seu apego à filosofia experimen-
tal. Não faltou um exemplar de O
Compêndio Histórico do Estado
da Universidade no tempo dos
Jesuítas e estragos por eles feitos
nas ciências[44]
, saído da Junta de
Providência Literária, precioso
instrumento sobre o que se devia
expelir ou continuar a usar no
Estudo português de Coimbra,
completado com os Estatutos da
Universidade, do Padre António
Pereira[45]
. Enquadrando a refor-
ma dos estudos, Saraiva procurou
ler igualmente os Livros do Bispo
de Beja, D. Frei Manuel do Cená-
culo, sobretudo os que publicou
como planos de estudo para o
ensino propedêutico da Universi-
dade na Ordem Terceira de São
Francisco[46]
, como não prescindiu
de possuir toda a obra pastoral do
arcebispo de Évora e grande con-
tribuinte para a fundação da Bi-
blioteca Nacional Portuguesa.
Já mais para o final do século, a
crença ilimitada do pensamento
racional a que alguns chamam de
“endeusamento da razão” é con-
trabalançada pelo ceticismo de
outros que dão voz a expressões
estéticas que pretendem mostrar a
importância dos dados da sensibi-
lidade para compreender o todo.
O Romantismo, também deixou
marcas nas prateleiras de Saraiva
que conheceu a literatura neoclás-
sica portuguesa e os reflexos da-
quele movimento na literatura na-
cional, trazidos pela entrada das
obras de Thompson, Youg, Lord
Byron, Guessner e Klopstock. Te-
mos a certeza de que leu a poesia
do britânico Gray, igualmente re-
presentante do movimento pré-ro-
mântico[47]
. Possuía os 11 volumes
das obras completas de Filinto Elí-
sio, bem como as traduções que fez
das Fábulas de La Fontaine e dos
Mártires de Chataubriand, bem
como a obra em prosa do Padre
Francisco Manuel do Nascimento,
onde se incluíam as suas reflexões
[38] Idem, p. 76.
[39] Idem, p. 82.
[40] Idem, p. 81.
[41] Idem, p. 83
[42]SILVA,Inocêncio
Francisco
da–Dicionário
Bibliographico
Portuguez.Lisboa:
ImprensaNacional
1858,TomoII,p.406.
[43] CARDOSO, António
Barros – Ler na
Livraria de Frei
Francisco de São
Luís Saraiva. Ponte
de Lima: Câmara
Municipal de Ponte
de Lima, 1995, p. 87.
[44] Idem, ibidem, p. 98.
[45] Idem.
[46] Idem, p. 102-103
[47] Idem, p. 107.
Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!  55
sobre D’Alembert[48]
. Não falta-
ram também as Rimas de Barbosa
du Bocage, obra que, pelo menos
em algumas passagens, foi objeto
de censura[49]
.
2.
Livros proibidos
O conjunto dos livros de Frei
Francisco de São Luís atravessou
períodos importantes da censura
em Portugal. Desde a chamada
Censura Inquisitorial, à censura
do período pombalino, ou Censu-
ra Laica, passando pela Censura
Censurada com o advento da Real
Mesa da Comissão Geral sobre o
exame e censura dos livros (1787).
Valorizando todos os cuidados
postos na organização da vigilân-
cia censória, parece que as mura-
lhas erigidas não foram suficientes
para travar os espíritos mais in-
quietos. No período em que Frei
Francisco de São Luís Saraiva reu-
niu a sua “livraria” (1785-1823),
o ambiente censório caracteri-
zava-se pelo predomínio de lai-
cos entre os membros das mesas
encarregues do exame de livros,
com exceção dos anos de 1785-
1793, período durante o qual se
percebem indícios do regresso à
censura inquisitorial e se verifi-
ca um abrandamento no carácter
marcadamente repressivo da pri-
meira fase do funcionamento da
censura prévia, notado a partir
da criação da Real Mesa Censó-
ria em I768. As preocupações,
até aquela data, mais marcantes
relativamente aos escritos versan-
do matéria religiosa, passaram a
privilegiar os livros cujo conteú-
do se enquadrava nas vertentes
filosófica e política, tudo a par
de um relaxamento da vigilância,
forçado pelo próprio crescimento
do número de edições, por si só,
um obstáculo ao aturado trabalho
de análise que é possível consta-
tar em períodos anteriores. Esse
abrandamento é particularmente
sentido no tocante às edições es-
trangeiras, algumas vertidas em
língua portuguesa, que, no virar
da centúria, entram em Portugal
em número elevado, pelo recurso
aos mais variados artifícios.
Entre as edições portuguesas que
Valorizando todos os cuidados
postos na organização da
vigilância censória, parece
que as muralhas erigidas não
foram suficientes para travar os
espíritos mais inquietos.
[48] SILVA, Inocêncio
Francisco
da – Dicionário
Bibliographico
Portuguez. Lisboa:
Imprensa Nacional,
1858, Tomo II, p.
454-455.
[49] BASTOS, José
Timóteo da Silva –
História da Censura
Intelectual em
Portugal (Ensaio
sobre a compreensão
do pensamento
português). Coimbra,
1926, p. 286.
56  Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!
Frei Francisco, não deixou de ler,
usando para tanto a prerrogativa
que lhe conferia a qualidade de do-
cente da Universidade de Coimbra
(1792) merecem destaque, no ca-
pítulo da teologia mística e ascéti-
ca, o livro do padre João Rebelo a
História dos Milagres do Rosário,
e de muitas e diversas devoçoens,
e serviços, que Santos, e pecado-
res Jizeraõ à Santíssima Virgem
Maria, e a Jesu Christo Nosso Sal-
vador, pelas quaes receberão gran-
des bens teinporaes. e espiriluaes;
provados todos com milagres, e
cazos estranhos, que acontecerão,
e facilmente se podem fazer[50]
. Su-
primido pela Real Mesa Censória
em I77I[51]
. A supressão assentou
em dois fatores, o facto de o seu au-
tor ser membro da Companhia de
Jesus e de o seu conteúdo integrar
matéria supersticiosa.
Ainda neste capítulo, Frei Francis-
co de São Luís, não deixou certa-
mente de ler a obra que surge no
catálogo da sua biblioteca apenas
sob a designação através da qual
se tornou mais conhecida: Mística
Cidade de Deus, que correu sob o
longo título de Maria Santíssima.
Mystica Cidade de Deos, Breve
Compendio da Vida. e Mystérios
de Maria, (pie na obra da Venerá-
vel Madre Soror Maria de Jesus de
A greda se contém, recopilaçam
das mesmas obras, que traduzi-
das em língua portugueza. inclui
summariamente as virtudes, dons
e graças com que o Eterno Pay
honrou neste mundo a Trinda-
de Soberana de Jesu Maria José
a quem as offerece, as consagra
e dedica hum seu devoto natural
de Lisboa, acrescentado nesta im-
pressão com o itinerário da Terra
Santa, obra impressa pela primeira
vez em Lisboa, em 1685, após ter
sido proibida de circular em Espa-
nha pelo Santo Ofício da Inquisi-
ção no ano de I68I. Entre nós foi
suprimida em setembro de 1770[52]
.
De Frei Amónio do Rosário, leu a
Carta de Marear[53]
, proibida por
sentença da Real Mesa Censória
de 1769, juntamente com outras
obras do autor, embora permitida
a pessoas privilegiadas. A Apo-
logia a Favor do Padre António
Vieyra (...) porque se desvanece
e convence o tratado que com o
nome de Crisis escreveo contra
ella a rev.da D, joanna Ignez da
Cruz. religioza de S. Jenmimo da
Província do México[54]
, da auto-
ria da Madre Soror Margarida
Inácia, um exemplar da teologia
parenética e homilética, edita-
do em Lisboa, em 1727, conta-se
também entre os livros que Sarai-
va reuniu.
Enquadrado na literatura de in-
tuitos nacionalistas, mas proibi-
do, a Restauração de Portugal
Prodigiosa Offerecido ao Senhor
Rei Dom João IV, da autoria de
outro Jesuíta, o padre João de
Vasconcelos, foi também lida por
Saraiva, apesar de suprimida pela
Real Mesa Censória em julho de
1768[55]
, por de se tratar de um
dos mais sólidos fundamentos cm
que se estribavam aqueles que, du-
rante o século XVII, esperavam
o regresso do Rei D. Sebastião,
animados de inabalável crença
nas profecias que recheiam o tex-
to, todo ele tentativa manifesta de
cimentar a fé dos portugueses na
restauração de 1640. D. João IV.
é aí apresentado como o verdadei-
ro «encoberto», predestinado por
Deus a servir o reino, ao mesmo
[50] CARDOSO, António
Barros – Ler na
Livraria de Frei
Francisco de São
Luís Saraiva. Ponte
de Lima: Câmara
Municipal de Ponte
de Lima, 1995, p. 135.
[51] MARQUES.Maria
AdelaideSalvador–
ARealMesaCensória
eaCulturaNacional.
AspetosdaGeografia
CulturalPortuguesa
noSéculoXVIII.Coimbra,
(s.n),1963,p.185.
[52] Idem,ibidem,p.119.
[53] CARDOSO, António
Barros – Ler na
Livraria de Frei
Francisco de São
Luís Saraiva. Ponte
de Lima: Câmara
Municipal de Ponte
de Lima, 1995, p. 136.
[54] Idem, ibidem, p. 137
[55] MARQUES. Maria
Adelaide Salvador –
A Real Mesa Censória
e a Cultura Nacional.
Aspetos da Geografia
Cultural Portuguesa
no Século XVIII.
Coimbra, (s.n), 1963,
p. 120.
Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!  57
tempo que afasta a dominação
castelhana[56]
. Damião Peres, clas-
sificou este livro, na nota prévia à
reedição de 1939, por ocasião das
comemorações dos trezentos anos
do afastamento da dominação fi-
lipina, como uma excelente cróni-
ca da restauração e uma das mais
vivas expressões do nacionalismo
português seiscentista. Contudo,
muito embora o seu autor pro-
meta o uso da verdade em tudo
quanto nela se relata e manifeste
intenção de guardar respeito às
determinações papais no que toca
ao expurgo da literatura fantasio-
sa, predestinaria e visionária, não
deixou de recorrer ao “prodígio” e
à “superstição”.
No campo da História, assunto
que, já o referimos, muito interes-
sou Saraiva, a sua livraria contou
com um exemplar dos Discursos
sobre História Eclesiástica[57]
, do
Abade Fleury, edição de Lisboa,
1773. O autor fez parte da “petite
cour” de Bossuet[58]
. Os revedores
da Real Mesa Censória classifica-
ram este livro como uma obra me-
nor, mas, análise mais atenta do
seu conteúdo, coloca-nos perto dos
motivos da relutância quanto à sua
livre circulação e simultaneamente
das correntes de opinião com que
Saraiva ia tomando contacto. No
primeiro dos discursos em que o
texto se encontra repartido emerge
a posição crítica de Fleury sobre
a falsidade de algumas relíquias,
a denúncia da superstição e da ri-
queza material da Igreja, perigos
sérios para a corrupção dos costu-
mes e incontinência do clero[59]
. Os
textos do abade francês, deixam
transparecer uma exegese sagrada
que não prescinde da boa razão,
posição também partilhada pelo
Cardeal Saraiva.
Foram muitas as edições estran-
geiras proibidas de livre curso em
Portugal. Sob o pomo de vista te-
mático, as 49 obras nestas condi-
ções que encontramos na livraria
de Frei Francisco Saraiva, distri-
buíam-se, em maior número, pelo
grupo ciências e artes, o que mos-
tra o interesse votado à leitura das
novidades literárias mais repre-
sentativas da evolução do pensa-
mento setecentista, impedidas de
livre circulação cm Portugal.
Destacamos as obras de filosofia
racional. Os livros que se referem
às inovações no campo do pensa-
mento económico, que aparecem
em segundo lugar, seguidos de
perto pelos que integram maté-
rias relativas a educação e políti-
ca. A filosofia moral e a medicina,
embora em posição minoritária,
também se encontravam entre a
literatura estrangeira proibida que
Saraiva reuniu.
Procuraremos deixar aqui um
olhar mais próximo dos títulos
mais significativos da busca da
novidade literária a que o monge
beneditino associa o gosto do bi-
bliófilo, consubstanciado numa
evidente preferência pelas primei-
ras edições que pudemos consta-
tar na análise global do corpus
bibliográfico que reuniu.
A filosofia das luzes aparece bem
representada pela obra maior de
John Locke, um dos mestres do
pensamento setecentista, que divi-
diu com Newton a tarefa de trans-
formar os quadros de pensamento,
bem como da própria conceção do
mundo. La estava um exemplar de
De Inielectu Humano, edição de
Londres, I70I[60]
. Com efeito, a pro-
[56]SILVA,Inocêncio
Francisco
da–Dicionário
Bibliographico
Portuguez.Lisboa:
ImprensaNacional,
1858,TomoIV,p.46.
[57]CARDOSO,António
Barros–Lerna
LivrariadeFrei
FranciscodeSãoLuís
Saraiva.PontedeLima:
CâmaraMunicipalde
PontedeLima,1995,
p.141.
[58] CALVET,J
(Dir.)–Histoire
deLaLittérarure
Française–La
LittératureReligieuse
–deFrançoisdeSales
àFémelon.Paris,1938,
p.466.
[59] FLEURY,
Abbé – Dircours
sur L’Histoire
Ecclesiastique. Paris,
(s.n.) 1763, p. 86.
[60] CARDOSO, António
Barros – Ler na
Livraria de Frei
Francisco de São
Luís Saraiva. Ponte
de Lima: Câmara
Municipal de Ponte
de Lima, 1995, p. 146.
58  Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!
fundidade reflexiva de Locke, ul-
trapassa o inatismo cartesiano, tor-
nando extensiva a crítica racional
à religião e à organização política
nos seus Tratises of Gouvemement
1690) eram matérias cuja divulga-
ção não interessava às componen-
tes laica e religiosa da censura inte-
lectual pombalina. Da sua leitura,
Saraiva soube tirar proveito, cita-o,
com frequência, nas páginas das
suas Obras Completas.
O Dictionnaire Historique et Cri-
tique, de Pierre Bayle, obra mais
importante do filósofo francês,
que Voltaire, reconheceu como
precioso contribuinte para a mol-
dagem do pensamento crítico das
luzes, também foi livro de con-
sulta por parte de Saraiva[61]
que
igualmente olhava com frequência
as páginas do Dictionnaire Philo-
sophique de Voltaire, editado em
Amesterdão, em 1789[62]
.
Saraiva leu ainda Boulanger L’an-
tiquité Devoillé au Moyan de
la Genèse Source et Origine de
la Mythologie et des Cultes des
Payens, também numa edição de
Amesterdão, 1777[63]
, suprimido
pela Mesa Censória desde Setem-
bro de 1770[64]
, obra classificada,
juntamente com outros livros in-
terditados na mesma altura, como
“abomináveis produções da incre-
dulidade, e libertinagem de ho-
mens tão temerários, e soberbos
que se denominam espíritos for-
tes, e se atribuem o especioso títu-
lo de filósofos”.[65]
De facto, nesta
obra questionou-se a criação do
mundo tal qual é descrita no Livro
do Génesis, contrapondo-se-lhe a
busca de uma resposta a partir da
filosofia racional, numa altura em
que a matéria em análise parecia
caber em exclusivo à revelação.
As obras completas de Helvetius[66]
que constam em quarto lugar na
lista de compilações, no catálogo
das obras de filosofia interditas à
livre circulação, organizado por
Robert Darnton, com base no
número de encomendas recebido
pela Société Typographique de
Neuchâtel[67]
. Deste autor integra-
ram a livraria de Frei Francisco
outros título condenados à foguei-
ra pública, como Le Vrai Sens du
Système de la Nature, classificada
como uma das obras em que o
espírito dos filósofos libertinos,
“derramou o veneno todo da sua
abominável seita”[68]
. O mesmo
sucedeu com De L’Esprit (1758),
suprimida no ano de I775 e que
obteve sucesso de escândalo, en-
quanto versão radical do ateísmo.
Rousseau, encontra-se bem repre-
sentado na livraria do monge be-
neditino. Saraiva possuiu as suas
obras completas, editadas em Pa-
ris, I757. Ao lê-las, conheceu de
perto as ideias políticas do autor,
patentes no Contrat Social, bem
como a feição pragmática da sua
aplicação nas lettres à M. Butta-
fuoco sur la législation de la Corse
(1765) e nas Considérations sur le
Gouvernement de la Pologne et
sur sa reformation. O interesse de
Frei Francisco de São Luís pelas
obras de Rousseau parece ter sido
significativo, ao ponto de incluir
na sua biblioteca, uma edição do
Discours sur l’Inégalité Parmi les
Hommes, precisamente a primei-
ra edição de Drosde, I755[69]
. Aqui
Saraiva percebeu o alcance socio-
lógico da obra do filósofo francês.
O tema de fundo desta obra é o da
«bondade natural» e do «regresso
à natureza», não no sentido de “...
[61]Idem,ibidem,p.147.
[62] Idem, p. 148.
[63] Idem, p. 150.
[64] MARQUES.Maria
AdelaideSalvador–A
RealMesaCensóriae
aCulturaNacional.
AspetosdaGeografia
CulturalPortuguesa
noSéculoXVIII.Coimbra,
(s.n),1963,p.131.
[65] FERRÃO. António
– A Censura Literária
Durante o Governo
Pombalino. Coimbra.
1927. p. 353.
[66] CARDOSO, António
Barros – Ler na
Livraria de Frei
Francisco de São
Luís Saraiva. Ponte
de Lima: Câmara
Municipal de Ponte
de Lima, 1995, p. 150.
[67] DARNTON.
Robert – Édition et
Sédition, l’univers
de la littérature
Clandestine au
XVIIe siècle. Paris:
Gllimard, 1991, p. 220,
Este posicionamento
na lista mostra
a importância
alcançada pela
obra filosófica de
Helvetius em toda a
Europa. De resto o
autor aparece mesmo
em primeira posição
na lista de tratados
de filosofia mais
encomendados.
[68] BASTOS, José
Timóteo da Silva –
História da Censura
Intelectual em
Portugal (Ensaio
sobre a compreensão
do pensamento
português). Coimbra,
1926, p. 179-180.
Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!  59
queimar as bibliotecas e voltar a
viver com os animais” explicou
Rousseau, mas de procurar ir ao
encontro da felicidade humana a
partir da construção de uma po-
lítica nova, assente no princípio
de que “a sociedade natural é na-
tural à espécie humana”[70]
. Para
tanto, o autor procurou estudar
o homem original, as suas neces-
sidades, princípios fundamentais
e deveres, para atingir a origem
das desigualdade moral, os verda-
deiros fundamentos do corpo po-
lítico[71]
. Ao ler esta obra. Saraiva
para além de atentar no brilhante
paradoxo que Rousseau salienta
“o homem é naturalmente bom, é
a sociedade que o perverte”, per-
cebeu o conflito entre pobreza e
sociedade que lhe subjaz, quando
o autor mostra que o homem se
tem servido da propriedade pri-
vada para dominar o seu seme-
lhante, ideias que conferem a este
trabalho assentos pré-marxistas,
de resto, sublinhados por Engels,
embora Rousseau não tivesse
advogado a abolição da proprie-
dade privada ou a renúncia ao
progresso[72]
. As ligações que este
importante nome das luzes esta-
beleceu entre a ordem jurídica e a
ordem moral, a partir do princí-
pio de que a verdade geral nela se
exprime, que o colocam em con-
fronto com a doutrina da Igreja
que considera que a ordem moral
tem Deus como princípio e fim,
foram também objeto de reflexão
para Saraiva[73]
. Apesar de muitas
vezes não ter sido expressamente
citado pelos mais inflamados ora-
dores na defesa da regeneração da
sociedade portuguesa, em bases
novas, após 1820, o pensamento
do filósofo francês serviu-lhes não
poucas vezes, de suporte[74]
.
Saraiva leu igualmente La Logique
ou les Premiers Développements
de L’Art de Penser, de Étienne
Bonnot de Condillac, edição de
Paris, 1802[75]
. Todos os livros des-
te nome grande da filosofia das lu-
zes, foram impedidos de circular
livremente, por determinação da
censura portuguesa[76]
. A Lógica,
embora não seja a obra mais fa-
mosa de Condillac , resume toda
a sua filosofia, célebre por ter le-
vado a epistemologia de Locke ao
extremo de acreditar que todos os
conhecimentos, juízos e paixões,
não eram mais do que manifes-
tações diversas da sensação[77]
. A
questão do método de Condillac
relacionada com a do processo do
conhecimento foi abordada com
vivacidade entre nós por Silvestre
Pinheiro Ferreira, que lhe critica,
o rompimento com o saber clás-
sico e o carácter exclusivo que o
abade francês conferiu ao conhe-
cimento indutivo. Frei Francisco
de São Luís esteve atento a esta
novidade e, por certo, acompa-
nhou a polémica que acerca desta
obra se instalou no meio intelec-
tual português coevo[78]
.
Saraiva leu também um exemplar
do Esquisse d’un Tableau Histo-
rique des Progrès de L’Esprit Hu-
main, de Condorcet, editado em
Paris, em 1797 e suprimido pela
censura portuguesa, em 1802, por
motivos óbvios. É que, do curri-
culum do seu autor constava em-
penhada participação no processo
revolucionário francês de 1789,
o que o conduziria mais tarde
(1792) à assembleia nacional da-
quele país, acabando, após a que-
da dos girondinos, como vítima
[69]CARDOSO,António
Barros–Lerna
LivrariadeFrei
FranciscodeSão
LuísSaraiva.Ponte
deLima:Câmara
MunicipaldePontede
Lima,1995,p.151-152.
[70] TOUCHARD,
Jean – História das
Ideias Políticas. Mem
Martins: Publicações
Europa-América, 1991,
Vol. II, p. 206.
[73] SOBOUL,Albert,
LEMARCHAND.Guy,FOGEL,
Michèle–LeSiécledes
Lumières.Paris:Presses
Universitairesde
France(PUF),1977,Vol.
I,p.512.
[74] Veraeste
propósitootrabalho
dePINA,AnaMana
Ferreira–DeRousseau
aoImaginárioda
Revoluçãode1820:
Lisboa,1988.
[71] ROUSSEAU. Jean
Jacques – Discurso
sobre a origem e os
fundamentos da
desigualdade entre
os homens. Trad,
de José Pecegueiro.
Porto: 1964.
[72] TOUCHARD,
Jean – História das
Ideias Políticas. Mem
Martins: Publicações
Europa-América, 1991,
Vol. II, p. 206.
[75]CARDOSO, António
Barros – Ler na
Livraria de Frei
Francisco de São
Luís Saraiva. Ponte
de Lima: Câmara
Municipal de Ponte de
Lima, 1995, p. 154.
[76] MARQUES.Maria
AdelaideSalvador–
ARealMesaCensória
eaCulturaNacional.
AspetosdaGeografia
CulturalPortuguesa
noSéculoXVIII.Coimbra,
(s.n),1963,p.139.
[77] HERR,Richard–
EspanaylaRevolutión
delsigloXVIII.Madrid,
1964.p.58.
[78]LISBOA,João
Luís–Ciênciae
Política.LernosFinais
doAntigoRegime.
Lisboa:INIC-Centrode
HistóriadaCultura
daUniversidadeNova
deLisboa,1991,p.95.
60  Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!
da evolução dos acontecimentos.
Aqui, Condorcet caracterizou,
melhor que qualquer outro, o
ideal e o combate dos filósofos do
século das luzes ao dividir a his-
tória da evolução do espírito hu-
mano em 10 épocas, a última das
quais incorpora todo o seu oti-
mismo relativamente à evolução
da espécie humana, escorando-se
no facto de, apesar de conhecidos
retrocessos nas nove épocas ante-
riores, estes não terem conseguido
inviabilizar o balanço positivo
da evolução da humanidade. Na
perspetiva maniqueísta do seu sis-
tema, o bem sai vencedor. Para ele
a revolução francesa tinha sido o
resultado e não o términus do pro-
gresso humano[79]
.
Os livros interditos pela censura,
cujo conteúdo versa alguns aspe-
tos do pensamento económico se-
tecentista, também interessaram
Frei Francisco de São Luís. Desta-
camos, a título exemplificativo, a
obra maior de Adam Smith, En-
saio Sobre a Riqueza das Nações
que Saraiva leu numa tradução
espanhola, editada em Valladolid.
Através dela tomou conhecimento
do esforço do economista escocês
na observação das leis responsáveis
pela distribuição natural da riqueza
das nações pelos diferentes grupos
sociais que as integram, por certo a
parte mais difícil e controversa da
ciência económica e política.
Igualmente relevante no avanço
da moderna economia política
foi o tratado de Etienne Bonnot
de Condillac Ie Commerce et le
Gouvernement Consideres Rela-
tivement de L’un à L’autre, edita-
do em Amesterdão, em I776.
Saraiva não prescindiu do contac-
to com as novidades no pensamen-
to aplicadas à ciência médica, pa-
tentes em obras tão interessantes
quanto controversas e polémicas
para a época em que foram escri-
tas. Foi o caso da obra Rappor-
ts du Physique et du Moral de l’
Homme, principal trabalho do
médico e pensador francês Pierre
Jean Georges Cabanis, livro man-
dado apreender pela censura por-
tuguesa em julho de I806.
Interessaram também o monge be-
neditino os escritos interditos que
abordaram novas perspetivas de
encarar a pedagogia. Entre outros,
Saraiva não prescindiu do
contacto com as novidades
no pensamento aplicadas à
ciência médica, patentes em
obras tão interessantes quanto
controversas e polémicas para a
época em que foram escritas.
[79] TOUCHARD,
Jean – História das
Ideias Políticas. Mem
Martins: Publicações
Europa-América, 1991,
Vol. II, p. 221.
Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!  61
Saraiva leu o romance de Jean Ja-
cques Rousseau Emile ou L’ Edu-
cation, obra onde se advoga uma
pedagogia não dogmática, mas na-
tural, que permitisse o desenvolvi-
mento da personalidade do indiví-
duo. Apesar de não ter partilhado
totalmente do otimismo do século,
ao culpar a sociedade enquanto
fator de corrupção do individuo,
Rousseau defendia uma educa-
ção apropriada, que separasse as
crianças das influências nefastas
do grupo, por forma a desenvolve-
rem a sua inteligência a partir da
observação e da experiência, con-
servando desta forma, a bonda-
de natural. Igualmente integrada
na chamada pedagogia das luzes,
merece referência um exemplar
da obra Cours d’Etudes Pour L’
Education du Prince de Parme, de
Etienne Bonnot de Condillac, edi-
ção de Genéve, 1789, que o monge
bento também leu.
Saraiva cultivou o gosto pela po-
lítica, não apenas como prática,
mas já como ciência. Por isso, nes-
te capítulo, não se escusou de ler as
Lettres du Roy Prousse Frederic
II. Dele conheceu também o seu
pensamento político, tanto mais
que possuiu a sua obra mais im-
portante neste campo: Anti-Ma-
quiavel, uma tradução portugue-
sa, editada em Lisboa, em I796,
escrito em que se recusa a astúcia,
a intriga e a perfídia no exercício
do poder, bem como a ideia vei-
culada por Niccòlo Maquiavel,
de que o poder se deve manter a
qualquer preço, contrapondo-lhe
a divisa do despotismo esclareci-
do de que o “príncipe devia ser o
primeiro servidor do Estado”.
Na mesma corrente do pensamen-
to político setecentista, inscreve se
a obra Administração do Conde
de Oeiras, editada em Amester-
dão, em 1768. Certamente que Sa-
raiva colocou cm contraste os dois
textos citados em último lugar
com as obras completas do Abade
Mably, que leu em edição londrina
de I789 - Droits et Devoires du
Citoyen, onde se critica manifes-
tamente o despotismo esclarecido.
Como bom teólogo que foi, Sarai-
va tomou contacto com os muitos
escritos polémicos sobre a matéria.
Leu Richard Archdekin, Joanis
Laurentii Berti, teólogo e histo-
riador, professor de história ecle-
siástica na universidade de Pisa,
possuiu a obra em 5 volumes, De
Locis Theologicis, edição de Bas-
sni, 1777, também interdita pela
censura portuguesa, em junho de
1797. De Simon-Nicholas Henri
Linguet, Saraiva leu o Essai Philo-
sophique sur le Monachisme. edi-
tado em Paris, em 1755, obra que
figura em primeiro lugar no ca-
pítulo das obras polémicas sobre
religião da já citada lista de enco-
mendas da Société Typographique
de Neuchâtel e onde se analisa, de
forma muito crítica, a existência
do monaquismo. No grupo de teo-
logia polémica e dogmática, leu
Recherches Philosophiques Sur
Les Preuves du Christianisme,
da autoria do físico-naturalista,
Charles Bonnet, edição de Ames-
terdão, I783. Bonnet investigou
aqui a doutrina cristã da revela-
ção, mas a fama que alcançou está
mais diretamente relacionada com
o contributo que deu ao avanço da
medicina, já que, em meados do
século, animou, enquanto parti-
dário da teoria da pré-existência
dos gérmenes, a discussão cientí-
62  Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!
fica em torno da geração. As suas
obras, não se estranha, foram por
isso proibidas pela censura, em
outubro de 1801.
Na livraria de Saraiva, encontra-
vam-se também os livros que dis-
cutiam a igreja protestante. Leu o
Essai Historique Sur les libertes
de L’église Galicane, do abade re-
volucionário francês, Henry Gre-
góire, e o Trattato Slorico-Dog-
málico-Critico Delle Indulgente e
o Traité de la Morale des Pérès de
l’Eglise, edição de Amesterdão, de
Jean Barbeyrac.
Não prescindiu igualmente dos li-
vros de Jeremias Bentham (1748-
1832) que se distinguiu pela sua de-
dicação à filosofia moral a ao direito.
Leu também De Arte Amandi, de
Ovídio, proibido pela Real Mesa
Censória, com o seguinte comen-
tário dos censores “o seu assump-
to está per si mesmo persuadindo
que se suprima”, como leu Guari-
ni, no Pastor Fido.
A terminar
Como nota final, diremos que
não se esgotam nestas linhas os
considerandos sobre os livros que
Saraiva ousou ler, no caso dos li-
vros proibidos, ou daqueles que
ajudaram a dar corpo a uma forte
compleição cultural que o mon-
ge beneditino adquiriu ao longo
da sua existência. Os exemplos
apontados aqui servem apenas
para ilustrar a constatação de
que a forte estrutura moral cató-
lica, a que Saraiva soube associar
uma consciência liberta de barrei-
ras habitualmente erigidas pelas
ideologias, pelas crenças ou pela
condição sócio funcional, não o
coibiram de conhecer, de perto,
argumentos contrários, através do
recurso aos escritos dos autores
protestantes e de livres pensado-
res, cujas obras foram banidas em
Portugal.
Os autores proibidos representa-
dos, ao mesmo tempo que mos-
tram a ação obstrutiva da censura
à penetração de tudo o que fosse
suscetível de potenciar a divulga-
ção no país do pensamento ilumi-
nista, mostram igualmente que as
preferências de Saraiva, se inclina-
ram precisamente em sentido con-
trário, ou seja, no do enriqueci-
mento e formação do seu próprio
espírito, tomando contacto com
material que viria a deixar marcas
profundas no homem, no religio-
so e no intelectual que anunciou a
Lisboa a alforria de Portugal.
Por isso, fica-nos a convicção de
que os livros que reuniu e por cer-
to não deixou de ler, constituíram
sério contributo para o despon-
tar do político hábil, cauteloso,
equilibrado, moderador e do eclé-
tico homem de cultura, predica-
dos que transparecem da sua obra
literária e da postura e ação na
vida pública nacional, sobretudo
em defesa dos ideais liberais que
ajudou a fazer vingar, após 1820.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Falar do estranhamento entre brasil e portugal começa na minha infância
Falar do estranhamento entre brasil e portugal começa na minha infânciaFalar do estranhamento entre brasil e portugal começa na minha infância
Falar do estranhamento entre brasil e portugal começa na minha infância
antoniapscosta
 
Analise comparativa entre jornais estudantis na cidade de São Luís no período...
Analise comparativa entre jornais estudantis na cidade de São Luís no período...Analise comparativa entre jornais estudantis na cidade de São Luís no período...
Analise comparativa entre jornais estudantis na cidade de São Luís no período...
Djalda Muniz
 
Caio prado jr formação do brasil contemporâneo
Caio prado jr formação do brasil contemporâneoCaio prado jr formação do brasil contemporâneo
Caio prado jr formação do brasil contemporâneo
Jorge Miklos
 
O partido conservador e a educação literária no império brasileiro 1841 1863
O partido conservador e a educação literária no império brasileiro 1841 1863O partido conservador e a educação literária no império brasileiro 1841 1863
O partido conservador e a educação literária no império brasileiro 1841 1863
GilPereira14
 
Policarpo quaresma um embate entre a utopia e a realidade
Policarpo quaresma um embate entre a utopia e a realidadePolicarpo quaresma um embate entre a utopia e a realidade
Policarpo quaresma um embate entre a utopia e a realidade
UNEB
 

Mais procurados (20)

O Monografismo Algarvio O Pioneirismo De AtaíDe Oliveira
O Monografismo Algarvio   O Pioneirismo De AtaíDe OliveiraO Monografismo Algarvio   O Pioneirismo De AtaíDe Oliveira
O Monografismo Algarvio O Pioneirismo De AtaíDe Oliveira
 
Caio prado
Caio pradoCaio prado
Caio prado
 
António Rosa Mendes o historiador do algarve ignorado
António Rosa Mendes o historiador do algarve ignoradoAntónio Rosa Mendes o historiador do algarve ignorado
António Rosa Mendes o historiador do algarve ignorado
 
A Imprensa Republicana do Algarve
A Imprensa Republicana do AlgarveA Imprensa Republicana do Algarve
A Imprensa Republicana do Algarve
 
Falar do estranhamento entre brasil e portugal começa na minha infância
Falar do estranhamento entre brasil e portugal começa na minha infânciaFalar do estranhamento entre brasil e portugal começa na minha infância
Falar do estranhamento entre brasil e portugal começa na minha infância
 
A Hora da Luta
A Hora da LutaA Hora da Luta
A Hora da Luta
 
Faro e o movimento do Orfeu
Faro e o movimento do OrfeuFaro e o movimento do Orfeu
Faro e o movimento do Orfeu
 
Analise comparativa entre jornais estudantis na cidade de São Luís no período...
Analise comparativa entre jornais estudantis na cidade de São Luís no período...Analise comparativa entre jornais estudantis na cidade de São Luís no período...
Analise comparativa entre jornais estudantis na cidade de São Luís no período...
 
Caio prado jr formação do brasil contemporâneo
Caio prado jr formação do brasil contemporâneoCaio prado jr formação do brasil contemporâneo
Caio prado jr formação do brasil contemporâneo
 
Quem foi Silvio Pellico
Quem foi Silvio PellicoQuem foi Silvio Pellico
Quem foi Silvio Pellico
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 
Subsídios para a História Eclesiástica do Algarve - Os Bispos de Silves
Subsídios para a História Eclesiástica do Algarve - Os Bispos de SilvesSubsídios para a História Eclesiástica do Algarve - Os Bispos de Silves
Subsídios para a História Eclesiástica do Algarve - Os Bispos de Silves
 
Pre modernismo --introducao_alfredo bosi
Pre modernismo --introducao_alfredo bosiPre modernismo --introducao_alfredo bosi
Pre modernismo --introducao_alfredo bosi
 
O partido conservador e a educação literária no império brasileiro 1841 1863
O partido conservador e a educação literária no império brasileiro 1841 1863O partido conservador e a educação literária no império brasileiro 1841 1863
O partido conservador e a educação literária no império brasileiro 1841 1863
 
Florbela Espanca na vila de Olhão
Florbela Espanca na vila de OlhãoFlorbela Espanca na vila de Olhão
Florbela Espanca na vila de Olhão
 
Lição 2 - 3EM
Lição 2 - 3EMLição 2 - 3EM
Lição 2 - 3EM
 
Policarpo quaresma um embate entre a utopia e a realidade
Policarpo quaresma um embate entre a utopia e a realidadePolicarpo quaresma um embate entre a utopia e a realidade
Policarpo quaresma um embate entre a utopia e a realidade
 
Garret e dalton
Garret e daltonGarret e dalton
Garret e dalton
 
64024698012
6402469801264024698012
64024698012
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 

Semelhante a Frei Francisco de São Luís

Centenário da republica
Centenário da republicaCentenário da republica
Centenário da republica
Lucilia Fonseca
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
camilla1010
 
Manuel da silva passos comemorações 2013
Manuel da silva passos   comemorações 2013Manuel da silva passos   comemorações 2013
Manuel da silva passos comemorações 2013
CREM
 
Revolução Francesa - Do Absolutismo à Queda da Bastilha
Revolução Francesa - Do Absolutismo à Queda da BastilhaRevolução Francesa - Do Absolutismo à Queda da Bastilha
Revolução Francesa - Do Absolutismo à Queda da Bastilha
Luiz Valentim
 
Pav Pregador E Diplomata
Pav Pregador E DiplomataPav Pregador E Diplomata
Pav Pregador E Diplomata
Sandra Alves
 

Semelhante a Frei Francisco de São Luís (20)

Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
001143485_O_principe.pdf
001143485_O_principe.pdf001143485_O_principe.pdf
001143485_O_principe.pdf
 
Centenário da republica
Centenário da republicaCentenário da republica
Centenário da republica
 
Idade moderna 2 26
Idade moderna 2 26Idade moderna 2 26
Idade moderna 2 26
 
Rua%20da%20 constituição 1,11[1]
Rua%20da%20 constituição 1,11[1]Rua%20da%20 constituição 1,11[1]
Rua%20da%20 constituição 1,11[1]
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
 
Praça João Lisboa
Praça João LisboaPraça João Lisboa
Praça João Lisboa
 
Manuel da silva passos comemorações 2013
Manuel da silva passos   comemorações 2013Manuel da silva passos   comemorações 2013
Manuel da silva passos comemorações 2013
 
Manuel Teixeira Gomes descrito por Maria João Raminhos Duarte
Manuel Teixeira Gomes descrito por Maria João Raminhos DuarteManuel Teixeira Gomes descrito por Maria João Raminhos Duarte
Manuel Teixeira Gomes descrito por Maria João Raminhos Duarte
 
Revolução Francesa - Do Absolutismo à Queda da Bastilha
Revolução Francesa - Do Absolutismo à Queda da BastilhaRevolução Francesa - Do Absolutismo à Queda da Bastilha
Revolução Francesa - Do Absolutismo à Queda da Bastilha
 
Prémoderismo
PrémoderismoPrémoderismo
Prémoderismo
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
 
GENTE DO POVO EM PERNAMBUCO da Revolução de.pdf
GENTE DO POVO EM PERNAMBUCO da Revolução de.pdfGENTE DO POVO EM PERNAMBUCO da Revolução de.pdf
GENTE DO POVO EM PERNAMBUCO da Revolução de.pdf
 
História da Litertura Brasileira José Veríssimo
História da Litertura Brasileira   José VeríssimoHistória da Litertura Brasileira   José Veríssimo
História da Litertura Brasileira José Veríssimo
 
O_Periodo_das_Regencias_1831_1840_MOREL.pdf
O_Periodo_das_Regencias_1831_1840_MOREL.pdfO_Periodo_das_Regencias_1831_1840_MOREL.pdf
O_Periodo_das_Regencias_1831_1840_MOREL.pdf
 
Pav Pregador E Diplomata
Pav Pregador E DiplomataPav Pregador E Diplomata
Pav Pregador E Diplomata
 
Revolução francesa e seus desdobramentos
Revolução francesa e seus desdobramentosRevolução francesa e seus desdobramentos
Revolução francesa e seus desdobramentos
 
O renascimento e a filosofia pdf
O renascimento e a filosofia pdfO renascimento e a filosofia pdf
O renascimento e a filosofia pdf
 
O arcadismo
O arcadismoO arcadismo
O arcadismo
 
Barroco pdf
Barroco pdfBarroco pdf
Barroco pdf
 

Mais de queirosiana

CURSO BRASIL programa.pdf
CURSO BRASIL programa.pdfCURSO BRASIL programa.pdf
CURSO BRASIL programa.pdf
queirosiana
 
Frota Anexo I.pdf
Frota Anexo I.pdfFrota Anexo I.pdf
Frota Anexo I.pdf
queirosiana
 

Mais de queirosiana (20)

Convocatória: Eleições_ Órgãos_Sociais_2024-2028.pdf
Convocatória: Eleições_ Órgãos_Sociais_2024-2028.pdfConvocatória: Eleições_ Órgãos_Sociais_2024-2028.pdf
Convocatória: Eleições_ Órgãos_Sociais_2024-2028.pdf
 
ASCR-Confraria Queirosiana Relatório_atividades_2023_f.pdf
ASCR-Confraria Queirosiana Relatório_atividades_2023_f.pdfASCR-Confraria Queirosiana Relatório_atividades_2023_f.pdf
ASCR-Confraria Queirosiana Relatório_atividades_2023_f.pdf
 
Programa e orçamento para o ano 2024 da ASCR-Confraria Queirosiana
Programa e orçamento para o ano 2024 da ASCR-Confraria QueirosianaPrograma e orçamento para o ano 2024 da ASCR-Confraria Queirosiana
Programa e orçamento para o ano 2024 da ASCR-Confraria Queirosiana
 
Assembleia Geral Ordinária - 21 março de 2024
Assembleia Geral Ordinária - 21 março de 2024Assembleia Geral Ordinária - 21 março de 2024
Assembleia Geral Ordinária - 21 março de 2024
 
Assembleia Geral Ordinária - 21 março de 2024
Assembleia Geral Ordinária - 21 março de 2024Assembleia Geral Ordinária - 21 março de 2024
Assembleia Geral Ordinária - 21 março de 2024
 
2024_programa_orçamento.pdf
2024_programa_orçamento.pdf2024_programa_orçamento.pdf
2024_programa_orçamento.pdf
 
Convocatória_AGO_OUT_2023.pdf
Convocatória_AGO_OUT_2023.pdfConvocatória_AGO_OUT_2023.pdf
Convocatória_AGO_OUT_2023.pdf
 
CURSO 2023 - 2024 programa.pdf
CURSO 2023 - 2024 programa.pdfCURSO 2023 - 2024 programa.pdf
CURSO 2023 - 2024 programa.pdf
 
PACUG2_Livro.pdf
PACUG2_Livro.pdfPACUG2_Livro.pdf
PACUG2_Livro.pdf
 
CURSO BRASIL PROGRAMA.pdf
CURSO BRASIL PROGRAMA.pdfCURSO BRASIL PROGRAMA.pdf
CURSO BRASIL PROGRAMA.pdf
 
Curso Brasil inscrição.docx
Curso Brasil inscrição.docxCurso Brasil inscrição.docx
Curso Brasil inscrição.docx
 
CURSO BRASIL programa.pdf
CURSO BRASIL programa.pdfCURSO BRASIL programa.pdf
CURSO BRASIL programa.pdf
 
Frota Anexo I.pdf
Frota Anexo I.pdfFrota Anexo I.pdf
Frota Anexo I.pdf
 
Comprovativo amigos do solar condes de resende - confraria queirosiana (1)
Comprovativo amigos do solar condes de resende - confraria queirosiana (1)Comprovativo amigos do solar condes de resende - confraria queirosiana (1)
Comprovativo amigos do solar condes de resende - confraria queirosiana (1)
 
Convocatoria_AGO_ 2021
Convocatoria_AGO_ 2021Convocatoria_AGO_ 2021
Convocatoria_AGO_ 2021
 
Colóquio Programa
Colóquio ProgramaColóquio Programa
Colóquio Programa
 
Transparência dos media 2020 ERC
Transparência dos media 2020 ERCTransparência dos media 2020 ERC
Transparência dos media 2020 ERC
 
Listacandidatos020 2024lista A
Listacandidatos020 2024lista AListacandidatos020 2024lista A
Listacandidatos020 2024lista A
 
O fim da urss e as suas ondas de choque
O fim da urss e as suas ondas de choqueO fim da urss e as suas ondas de choque
O fim da urss e as suas ondas de choque
 
Revolução Russa de outubro de 1917
Revolução Russa de outubro de 1917Revolução Russa de outubro de 1917
Revolução Russa de outubro de 1917
 

Frei Francisco de São Luís

  • 1.
  • 2. Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!  45 FreiFranciscodeSãoLuísSaraiva – O Homem e o Livros Neste breve artigo procuramos mostrar alguns dos hábitos de leitura do Cardeal Saraiva que encontramos na sua biblioteca. A partir deles perceber como os livros influenciaram o homem de cultura, o professor, o político e o religioso. FreiFranciscodeSãoLuísSaraiva – The Man and the Books In this short article we try to show some of the Cardinal Saraiva reading habits we find in your library. From them understand how the books have influenced the man of culture, the teacher, the political and the religious. Bibliotecas particulares, cultura, livros proibidos Private libraries, culture, prohibited books
  • 3. 46  Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro! AntónioBarrosCardoso[1] F rei Francisco de São Luís, fu- turo Cardeal Saraiva, ilustre Limiano, foi um dos maiores cultores das letras de finais do século XVIII e manteve-se ati- vo nesse como noutros campos, por boa parte do século XIX. De facto, Saraiva conheceu nos livros que leu e guardou na sua livraria toda a argumentação que o levou a pautar a sua conduta pela boa razão, ao invés do uso da razão particular. A mesma boa razão que conduziu a burguesia por- tuense de inícios do XIX a recha- çar as tropas francesas de Junot, em 1808, sem rejeitar a sua simpa- tia pelos valores que lhe serviam de estandarte, consubstanciados na expressão mais ouvida nessa época “Igualdade, Liberdade e Fraternidade”. Monge beneditino pelos dotes de cantochão e não pela via tradi- cional de entrada na prestigiada Ordem dos “Monges Negros”, a nobilitação (o seu pai era notário em Ponte de Lima), cedo deu nota de inteligência superior. Aos oito anos já estudava latim na Vila mais antiga de Portugal, aos ca- torze aprendia Filosofia, em São Martinho de Tibães. Quando ti- nha 16 anos fez a sua profissão so- lene, com a designação monástica de Frei Francisco de São Luís[2] . Prosseguiu depois os seus estu- dos de Filosofia em Santo André de Rendufe e completou o curso de cultura clássica no Convento de Nossa Senhora da Estrela em Lisboa. Doutor em Teologia pela universidade de Coimbra, com apenas 25 anos, aos 28 já era me- dalhado com ouro pela Academia Real das Ciências. Ao mesmo tempo que subia os primeiros de- graus do magistério universitário no Real Colégio das Artes, na ci- dade do Mondego. Discípulo do Historiador João Pedro Ribeiro, com ele foi aguçando o gosto pela diplomática portuguesa, pela filo- logia e despontava o bibliófilo e investigador que se revelaria anos mais tarde. Evocamos aqui sobretudo o cléri- go e o político não alheio ao ro- mantismo que marcou os tempos e lugares por onde seguiu a sua existência. De facto, “um artista ao contempla-lo teria diante de si uma figura insinuante para com ela compor um tríptico” - com o político, o patriota e o revolucio- nário[3] . Na primeira aceção, Frei Francisco de São Luís aparece pela primeira vez na Junta Popu- lar levantada no Minho, a fim de organizar a resistência de Portu- gal contra as forças de Napoleão Bonaparte[4] , enfrentando as vicis- situdes e perigos a que obrigam o fundo sentir da pátria. Mais tarde, assume novo protagonismo polí- tico quando Ferreira Borges, no próprio dia 24 de agosto de 1820, ecoava em proclamação pelas ruas da cidade do Porto o liberalismo, é “intimado” a participar na Junta Política que lhe deu corpo. O con- vite não foi consequência direta da sua participação no planeamento da revolta, Saraiva não fez parte do Sinédrio que, em surdina, des- de 1817 congeminava a implanta- ção do novo regime político. No entanto, foram as suas diligências que demoveram as forças milita- res minhotas a aderirem ao movi- [1] Professor da Universidade do Porto - DHEPI – Departamento de História e Estudos Políticos e Internacionais da Faculdade de Letras [2] FERREIRA, António – O Cardeal Saraiva (um Grande Limiano): Porto, Editorial Domingos Barreira, 1948, p. 7. [3] Idem, Ibidem, p. 101. [4] Idem, p. 102. [5] RAMOS, Luís A. De Oliveira – O cardeal Saraiva: Porto, Instituto de Alta Cultura/Faculdade de Letras, 1972, p. 87.
  • 4. Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!  47 mento[5] . A par deste importante contributo, a sua presença naque- le órgão da revolução liberal, foi recebida pelos restantes membros da Junta como garantia oferecida à faixa da população mais reti- cente na adesão ao movimento, por temerosa de que se deslizasse para situações de extremismo. A sua participação naquele órgão dirigente era, pois, penhor de que se concretizariam os propósitos declarados de se convocarem cor- tes para se elaborar uma constitui- ção, conforme à religião e costu- mes nacionais, afastando-se assim o fantasma da anarquia. De resto, a ação inteligente do monge bento conseguiu ganhar o apoio dos po- deres de Lisboa para a causa, ob- jetivo primeiro da Junta do Porto. A par, impedia o poder castren- se de depurar a cúpula do movi- mento da sua componente civil[6] . Saraiva não empunha armas, ser- ve-se apenas da sua pena, a arma mais ágil que conseguiu manejar e foi grande a sua importância no erguer do primeiro período do li- beralismo português: É da sua au- toria o “Manifesto às Nações da Europa” onde se explicam as ra- zões do movimento de 24 de agos- to e sai igualmente da sua pena a carta dirigida ao rei D. João VI, ausente no Brasil, onde se lhe dá nota, com detalhes de minúcia, dos propósitos do poder político saído da revolta portuense. O seu fascínio pelo serviço da rés pública leva-o a integrar a Regên- cia do Reino e a estar presente na abertura das primeiras Cortes Constituintes que consagraram a separação dos poderes executivo, legislativo e judicial, em oposição ao absolutismo concentracionista desses mesmos poderes. De facto, Saraiva tinha bebido na leitura das obras de John Locke e de Montes- quieu, ou nos livros que guardava na sua livraria sobre a Revolução Americana esses princípios, de resto já vertidos no texto consti- tucional do país vizinho (Cons- tituição de Cádis - 1812) textos que ele guardava nas suas estan- tes, neste último caso, norteador do anteprojeto da nossa primeira constituição redigida pelo próprio punho de Saraiva[7] . Este trajeto pela vida pública faz com que em junho de 1821, dissol- vida a regência pelo regresso de D. João VI do Brasil, Saraiva seja no- meado Bispo Coadjutor de Coim- bra. Em novembro do ano seguinte é eleito deputado às Cortes Ordi- nárias e, em fevereiro de 1823, es- tas elegem-no presidente. A 27 de Maio desse ano, a Vila-Francada derruba a Constituição de 1822, Saraiva era então já Bispo Conde de Coimbra, Reitor e Reformador da Universidade. O seu passado de liberal leva-o a um exílio por três anos no Mosteiro da Batalha. Ou- torgada a Carta Constitucional em 1826, retorna à vida política. É novamente eleito deputado às Cortes que, de novo, o escolhem para presidente. Quando em ju- lho de 1828 D. Miguel dissolve o Parlamento, Saraiva é preso e des- terrado para o mosteiro de Serra D’Ossa no Alentejo. Durará este exílio 6 longos anos. Libertado em 1834, o rei D. Pedro nomeia-o Conselheiro de Estado. É eleito novamente deputado às Cortes às quais volta a presidir, entre julho e setembro desse ano. Após a morte de D. Pe- [6] Idem, ibidem, p. 90-91. [7] CARDOSO, António M. de Barros – Ler na Livraria de Frei Francisco de São Luís: Ponte de Lima, Câmara Municipal de Ponte de Lima, 1995, p. 261.
  • 5. 48  Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro! dro, D. Maria II nomeia-o minis- tro dos negócios do reino, cargo que exerce até 1835. A revolução de setembro do ano seguinte faz com que Saraiva, fiel aos princí- pios constitucionais, abandone todos os cargos. Alexandre Her- culano segue-lhe o exemplo[8] . 1. A “livraria” de Frei Francisco de São Luís Saraiva A biblioteca do Cardeal Saraiva foi constituída por 2045 títulos. Desses, a maioria eram edições do século XVIII, seguidas pelos livros editados no século XIX, afi- nal foi na segunda metade de sete- centos e na primeira de oitocentos que Saraiva reuniu a sua biblio- teca. Contudo, importa salientar que, como bibliófilo que era, Frei Francisco comprou e reuniu mais de 300 títulos editados no século XVI. Não apresentavam a data de edição 387 obras. Deve salientar- -se que era uma das maiores bi- bliotecas particulares portuguesas da época. A documentação que compulsamos, manuscrita pelo próprio Cardeal Saraiva, ou pelo seu irmão Luís Estanislau Saraiva, apresentava a livraria maioritaria- mente arrumada num Index, ou- tra parte das obras num rol de im- pressos não incluídos no primeiro documento e ainda uma outra parte descrita num rol de livros manuscritos[9] . Mas olhemos a biblioteca do ilus- tre limiano sob o ponto de vista temático. O seu núcleo principal, era constituído por 1212 títulos e distribuía-se pelos livros de Histó- ria, seguidos dos livros de Litera- tura, Ciências e Artes, Teologia, Jurisprudência e Poligrafia[10] . Si- nais de que estamos em presen- ça de um monge culto. Assim foi de facto, os 10 volumes das suas “Obras Completas”, não deixam dúvidas. Trata-se de uma perso- nalidade que se enraizou profun- damente no período de transfor- mação que a Europa do seu tempo conheceu, com reflexos entre nós. Frei Francisco leu bem os sinais da mudança que atingiam o velho continente. 1.1. A cultura portuguesa No plano da cultura portuguesa, se não encontramos na sua livraria os textos medievos do cancioneiro de que foram cultores D. Dinis e o prín- cipe D. Afonso, as fontes clássicas inspiradoras do género, como a Arte de Amar, de Ovídio e a Arte Poética de Horácio, foram lidas por ele. Na sua estante repousaram as crónicas do primeiro Guarda-mor da Torre do Tombo, Fernão Lo- pes, como a Crónica do Infante D. Fernando, por Frei João Álvares, ou a Crónica de D. Afonso Hen- riques, de Duarte Galvão. Neste último caso serviu-lhe a obra para criticar severamente o seu autor enquanto historiador, qualifica- tivo que, no entender de Saraiva, não merecia, como expressou nas páginas da “Revista Literária”.[11] A Crónica de D. João II, de Gar- cia de Resende, também se encon- trava entre os seus livros. O humanismo renascentista portu- guês conseguiu prender a atenção de Saraiva, não fora ele, na sua ação político-ideológica, um concretiza- dor dos caminhos apontados pelo [8] FERREIRA, António, op. Cit. p. 107. [9]CARDOSO,António Barros–Lerna LivrariadeFrei FranciscodeSão LuísSaraiva.Ponte deLima:Câmara MunicipaldePontede Lima,1995,p.185-187. [10] Idem, ibidem, p. 192-193. [11] RAMOS, Luís A. De Oliveira – O Cardeal Saraiva. Porto, 1972, p. 296-297. [12] CARDOSO, António Barros – Lerna LivrariadeFrei FranciscodeSão LuísSaraiva. Ponte de Lima: Câmara Municipal de Ponte de Lima, 1995, p. 50. [13] Idem, Ibidem.
  • 6. Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!  49 Figura 1 E 2. Folha de rosto das obras: Vida de D. João de Castro, por Jacinto Freire de Andrade e Vida de D. Paulo de Lima por Diogo do Couto Renascimento a que o Iluminismo setecentista deu feição definitiva. De resto, foi temática que muito o in- teressou, ainda enquanto estudante na Universidade de Coimbra. É da autoria de Frei Francisco de São Luís o estudo comparativo entre as obras Vida de D. João de Castro, por Ja- cinto Freire de Andrade e a Vida de D. Paulo de Lima, por Diogo do Couto. Com este exercício concor- reu ao concurso anual da Academia Real das Ciências, de 1792, que o tornaria merecedor da primeira me- dalha de ouro atribuída pela presti- giada instituição.[12] Importa ainda referir que o Humanismo portu- guês, resultou de uma observação privilegiada dos portugueses sobre o Homem. Tal olhar haveria de cons- tituir mais tarde decisivo contributo para que Rousseau pudesse estribar o “mito do bom selvagem” e Mon- taigne tornasse patente uma nova experiência sobre o homem, enri- quecida com os informes da obra de D. Jerónimo Osório, Bispo de Silves, De Rebus Emmanuelis Regis, tra- duzida para francês logo em 1580, que Saraiva também guardou nas suas estantes.[13]
  • 7. 50  Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro! Frei Francisco de São Luís conhe- ceu igualmente, através de um vasto conjunto de obras da sua biblioteca, a subordinação da ati- vidade intelectual portuguesa de quinhentos à disciplina católica da Contra-Reforma, isto apesar de o Colégio das Artes, fundado depois de transferida a Universi- dade de Lisboa para Coimbra, no reinado de D. João III, ter con- tribuído, pelo saber de André de Gouveia, seu criador, incorporar o espírito da ala mais avançada do humanismo português. Sarai- va possuía toda a obra de Sá de Miranda, como leu as Rimas do seu conterrâneo limiano Diogo Bernardes, representantes da obe- diência à Reforma Católica.[14] Re- pousaram na sua estante a obra de João de Barros, “Chronica do Emperador Calrimundo…”, as Décadas da Àsia e os Pane- gíricos do mesmo autor. Tam- bém não se furtou a incorporar na sua livraria a influências trazidas ao pensamento português pela efervescência heterodoxa estrangeira. Vimos, entre outras, a Chronica do rei D. Manuel, por Damião de Góis. Leu André de Resende em De Antiquitatibus Lusitaniae, obra editada pela pri- meira vez em 1593, a História da Antiguidade da Cidade de Évora e a Vida do Infante D. Duarte[15] . 1.2. Os novos horizontes geográficos e os livros A literatura portuguesa quinhen- tista refletiu os novos horizontes geográficos que Portugal deu ao mundo. Na livraria de Frei Fran- cisco guardou-se, o Naufrágio de Sepúlveda, de Jerónimo Corte Real, a Elegíada, de Luís Pereira Brandão e as narrativas anónimas da História Trágico Marítima, reunidas e oferecidas ao rei D. João V, por Bernardo Gomes de Brito[16] . Não faltou a Peregrinação, de Fernão Mendes Pinto, que Saraiva leu na edição de 1614, preparada em Lisboa por Pedro Craesbeeck, como a História del Gran Reino de la China, de Frei João Gonçal- ves e ainda a obra de Fernão Lopes de Castanheda História do Des- cobrimento e Conquista da Índia Figura 3. Folha de rosto da edição das obras completas de Sá de Miranda [14] Idem, p. 52. [15] Idem, p. 54. [16] Idem, p. 56. [17] Idem, p. 57. [18] Idem, p. 59. [19]SobreFrei AmadorArraise osseusDiálogos merecereferência orecentetrabalho deCARVALHO,José Carlos–Aexegese bíblicanosDiálogosde FreiAmadorArrais,In HumanísticaeTeologia 27:1(2006),p.3-15.
  • 8. Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!  51 pelos Portugueses, bem como As Décadas da Ásia, de Diogo do Couto, o continuador da obra de João de Barros[17] . Saraiva percorreu também a li- teratura religiosa quinhentista a começar na Imagem da Vida Christam de Frei Heitor Pinto. Continuou nos Trabalhos de Je- sus, que o frade Agostinho, Tomé de Jesus, escreveu no cativeiro a que foi submetido na sequência de Alcácer Quibir[18] . Na mesma li- nha, leu Chauleidos e o Compên- dio da Doutrina Cristã, de Diogo Paiva de Andrade e as obras dos irmãos Frei Amador Arrais[19] e Jerónimo Arrais. Compreendeu bem a hostilidade do Santo Ofício da Inquisição contra alguns destes escritores[20] . Após a Reforma Tridentina, a pe- nínsula Ibérica, transformou-se numa espécie de “Ilha da Purifi- cação”. A autoridade da tradição católica acorrentou os espíritos, mas, o sábio não é mais o que sabe, mas o que indaga e investiga a raiz das coisas[21] . De facto, Francis Ba- con, com o seu Novum Organum Scientorum, publicado em 1620, destrona os saberes aristotélicos e René Descartes, com o Discous de la Methode, dado à estampa em 1637, seguido pela edição de 1638 dos Discorsi de Galileu, obras marcadas pelo poder especulativo da razão já entregue a si própria, consubstanciada igualmente nas obras de Espinosa e Leibniz, abri- riam o caminho a uma nova forma de pensar. Porém, em Portugal, a ausência de corte, resultante da perda da independência e sequen- te união ibérica (1580) foi fator de arrefecimento da produção in- telectual. O espartilho censório também não ajudou. A livraria do monge beneditino reflete isso mesmo. Ainda assim foi possível encontrar nela algumas obras que espelham uma nova visão no plano das doutrinas económicas, mais de acordo com a época. Lá estavam o Sítio de Lisboa de Luís Mendes de Vasconcelos que já se insere na literatura de cariz autonomista, es- timulada pela situação política que então se vivia[22] . As obras de Ma- nuel Severim de Faria, Discursos vários Políticos… ou Notícias de Portugal[23] não escaparam igual- Figura 4. Folha de rosto das Décadas da Ásia de João de Barros [20] CARDOSO, António Barros – Ler na Livraria de Frei Francisco de São Luís Saraiva. Ponte de Lima: Câmara Municipal de Ponte de Lima, 1995, p. 60. [21]GUSDORF,George –Del’Histoiredes Sciencesàl’Histoire delaPensée,Paris, 1966,p.47. [22]CARDOSO,António Barros–Lerna LivrariadeFrei Franciscode SãoLuísSaraiva. PontedeLima:Câmara MunicipaldePonte deLima,1995,p.63. [23] Idem, Ibidem.
  • 9. 52  Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro! mente à curiosidade de Frei Fran- cisco de São Luís Saraiva. O desbravar do caminho nos sécu- los XV e XVI, estimulado pelo Hu- manismo Renascentista português, conduziu diretamente ao conheci- mento do mundo, aplicando prin- cípios racionais, que obrigaram a lançar mão da experiência para confirmar os estímulos dos senti- dos pelos fenómenos observados nas novas fronteiras que os portu- gueses foram desenhando. Daí, foi um passo ao questionar, por parte dos intelectuais do século XVII, o esquema aristotélico que São To- más de Aquino cristianizou e que os inacianos adotaram. Apesar de conhecedor destas transformações, Saraiva leu mui- to sobre a experiência da Compa- nhia de Jesus e dos legados acerca na observação do ultramar. Por isso, encontramos na sua livraria as obras do Padre António Vieira (Cartas, Sermões, a História do Futuro, etc.)[24] como não deixou de ler outros livros que discutiam o legado literário de Vieira. Frei Gaspar de São Bernardino e Frei António de Gouveia inserem- -se na mesma linha de Vieira. O primeiro escreveu o Itinerário da Índia por Terra…, o segundo a Jornada do Arcebispo de Goa D. Frei Aleixo de Menezes[25] . 1.3. A literatura de carácter autonomista Já aqui afloramos o desenvolvi- mento da literatura de cunho mar- cadamente autonomista do século XVII português. Saraiva percorreu toda essa literatura. A título exem- plificativo referimos a obra de An- tónio de Sousa Macedo Flores de Espanha, Excelências de Portugal, onde o autor, em 1637, exprime a Filipe IV algo que se pode traduzir da seguinte maneira: Espanha era, à época, a maior nação do mundo e Portugal a maior da Península![26] . Não lhe escapou a obra de Francis- co Rodrigues Lobo e, em particu- lar Corte na Aldêa, ou a Elegíada de Luís Pereira Brandão[27] . Não faltou na sua livraria a Ulissea ou Lisboa Edificada, poema épico do Dr. Gabriel Pereira de Castro, sobre a fundação da capital por- Figura 5. Folha de rosto da obra Imagem da Vida Christam de Frei Heitor Pinto [24] Idem, p. 66. [25] Idem, p. 67. [26] Idem. [27] Idem, p. 68.
  • 10. Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!  53 tuguesa[28] . Na mesma linha de elevação das glórias portuguesas em defesa da autonomia do reino, contam-se as obras Anacephaleose da Monarchia Lusitana, de Jorge Ferreira de Vasconcelos[29] , como a Monarchia Lusitana e a Geografia da Antiga Lusytânia, de Frei Ber- nardo de Brito[30] , autor que Saraiva também leu na Chronica de Cister e nos Elogios dos Reis de Portu- gal[31] até ao reinado de Filipe II. Nesta mesma linha, possuiu um exemplar do poema heroico de Francisco Sá de Menezes, Mala- ca Conquistada, onde se anima a alma pátria, salientando o papel que Portugal desempenhou na de- fesa da fé cristã[32] . A propósito da fundação do reino, não prescindiu da leitura das Ana- cephaleoses da Monarchia Portu- gueza onde o seu autor, Manuel Bocarro Francez, assume o sonho do Quinto Império[33] . Saraiva leu atentamente a Monarchia Lusi- tana de Frei Bernardo de Brito, numa edição completada pelo monge cisterciense Frei António Brandão, em edição de 1690[34] . No contexto da historiografia portuguesa, não prenderam a sua atenção apenas os autores citados. Saraiva juntou nas prateleiras das estantes da casa onde viveu em Ponte de Lima as obras de Manuel de Faria e Sousa, de Frei Luís de Sousa e de D. Francisco Manuel de Melo. Do primeiro leu a Eu- ropa Portuguesa, o Epitome das Histórias Portuguesas, a Ásia Portuguesa, a África Portuguesa e a novela Noches Claras Divinas e Humanas Flores[35] . Da lavra de D. Francisco Manuel de Melo, leu as Epanaphoras de Vária Histó- ria Portuguesa, o Eco político en Portugal à la voz de Castilha, que ofereceu a D. João IV e, claro está, a célebre Carta de Guia de Casa- dos, bem como as Cartas Familia- res, a Aula Política, Curia Militar, epístola declamatória ao Príncipe D. Theodósio e mesmo a obra Apologos Dialogais, publicada já depois da morte de D. Francisco. Sobretudo no Guia de Casados, bebeu os ensinamentos que o au- tor colheu, enquanto crítico dos costumes e observador da realida- de, que ultrapassa as limitações da cultura livresca[36] . Na livraria de Saraiva repousaram igualmente alguns dos principais tesouros da literatura religiosa seiscentista. Lá estava a Nova Flo- resta do oratoriano Padre Manuel Bernardes de quem também leu as Meditações dos Principaes Myste- rios da Virgem Nossa Senhora e bebeu os ensinamentos de Luz e Calor. Não prescindiu da leitura dos Sermões e práticas[37] . 1.4. Cultura Portuguesa setecentista Os ecos da cultura Portuguesa do século XVIII, ressumam igualmen- te da livraria de Frei Francisco de São Luís Saraiva que leu o Padre Rafael Bluteau, no Vocabulário Portuguez e latino e nas Prozas portuguesas. Bluteau mostrou-lhe a distância a que Portugal se en- contrava da renovação científica transpirenaica. De facto, este autor já elogia o academismo presente na Sociedade dos Físicos da Inglaterra, do Colégio Experimental de Londres e da Sociedade Del Cimento, em Itália, mostrando ao [28] Idem. [29] Idem, p. 70. [30] Idem, p. 71. [31] Idem. [32] Idem, P. 68. [33] Idem, p. 70. [34] Idem. [35] Idem, p. 72. [36] Idem, p. 73. [37] Idem, p. 74.
  • 11. 54  Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro! monge Bento, os caminhos por onde Portugal deveria seguir[38] . Interessou-se igualmente pela obra dos inovadores e protegidos pela corte de D. João V, como Ma- nuel de Azevedo Fortes e Jacob de Castro Sarmento. Já enquanto Historiador, o Cardeal Saraiva be- neficiou das edições patrocinadas pela Academia Real da História, de Diogo Barbosa Machado, His- tória Genealogica da Casa Real Portugueza e da Bibliotheca Lu- sitana, Crítica e Chronologica[39] . António Ribeiro Sanches, mé- dico da corte da Rússia, foi lido no Tractado da Conservação da Saúde dos Povos e no Methodo de Aprender a Estudar Medicina[40] . Não prescindiu dos ensinamentos do diplomata D. Luís da Cunha, no seu Testamento Político. Percebeu a oposição entre Orato- rianos e Inacianos, ou seja, como à época se definiu, entre Antigos e Modernos, através da obra de Francisco José Freire, que adotou o pseudónimo de Cândido Lusita- no, e Saraiva leu na sua Arte Poéti- ca[41] , impressa na oficina de Fran- cisco Luís Ameno, em 1759[42] . Todo o arsenal bibliográfico de Su- porte à reforma dos estudos ence- tada pelo Marquês de Pombal na Universidade de Coimbra, a partir de 1772, também se encontrava na livraria de Saraiva. Vernei e o seu Verdadeiro Método de Estudar[43] e a Recreação Filosófica onde o padre Teodoro de Almeida mostra o seu apego à filosofia experimen- tal. Não faltou um exemplar de O Compêndio Histórico do Estado da Universidade no tempo dos Jesuítas e estragos por eles feitos nas ciências[44] , saído da Junta de Providência Literária, precioso instrumento sobre o que se devia expelir ou continuar a usar no Estudo português de Coimbra, completado com os Estatutos da Universidade, do Padre António Pereira[45] . Enquadrando a refor- ma dos estudos, Saraiva procurou ler igualmente os Livros do Bispo de Beja, D. Frei Manuel do Cená- culo, sobretudo os que publicou como planos de estudo para o ensino propedêutico da Universi- dade na Ordem Terceira de São Francisco[46] , como não prescindiu de possuir toda a obra pastoral do arcebispo de Évora e grande con- tribuinte para a fundação da Bi- blioteca Nacional Portuguesa. Já mais para o final do século, a crença ilimitada do pensamento racional a que alguns chamam de “endeusamento da razão” é con- trabalançada pelo ceticismo de outros que dão voz a expressões estéticas que pretendem mostrar a importância dos dados da sensibi- lidade para compreender o todo. O Romantismo, também deixou marcas nas prateleiras de Saraiva que conheceu a literatura neoclás- sica portuguesa e os reflexos da- quele movimento na literatura na- cional, trazidos pela entrada das obras de Thompson, Youg, Lord Byron, Guessner e Klopstock. Te- mos a certeza de que leu a poesia do britânico Gray, igualmente re- presentante do movimento pré-ro- mântico[47] . Possuía os 11 volumes das obras completas de Filinto Elí- sio, bem como as traduções que fez das Fábulas de La Fontaine e dos Mártires de Chataubriand, bem como a obra em prosa do Padre Francisco Manuel do Nascimento, onde se incluíam as suas reflexões [38] Idem, p. 76. [39] Idem, p. 82. [40] Idem, p. 81. [41] Idem, p. 83 [42]SILVA,Inocêncio Francisco da–Dicionário Bibliographico Portuguez.Lisboa: ImprensaNacional 1858,TomoII,p.406. [43] CARDOSO, António Barros – Ler na Livraria de Frei Francisco de São Luís Saraiva. Ponte de Lima: Câmara Municipal de Ponte de Lima, 1995, p. 87. [44] Idem, ibidem, p. 98. [45] Idem. [46] Idem, p. 102-103 [47] Idem, p. 107.
  • 12. Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!  55 sobre D’Alembert[48] . Não falta- ram também as Rimas de Barbosa du Bocage, obra que, pelo menos em algumas passagens, foi objeto de censura[49] . 2. Livros proibidos O conjunto dos livros de Frei Francisco de São Luís atravessou períodos importantes da censura em Portugal. Desde a chamada Censura Inquisitorial, à censura do período pombalino, ou Censu- ra Laica, passando pela Censura Censurada com o advento da Real Mesa da Comissão Geral sobre o exame e censura dos livros (1787). Valorizando todos os cuidados postos na organização da vigilân- cia censória, parece que as mura- lhas erigidas não foram suficientes para travar os espíritos mais in- quietos. No período em que Frei Francisco de São Luís Saraiva reu- niu a sua “livraria” (1785-1823), o ambiente censório caracteri- zava-se pelo predomínio de lai- cos entre os membros das mesas encarregues do exame de livros, com exceção dos anos de 1785- 1793, período durante o qual se percebem indícios do regresso à censura inquisitorial e se verifi- ca um abrandamento no carácter marcadamente repressivo da pri- meira fase do funcionamento da censura prévia, notado a partir da criação da Real Mesa Censó- ria em I768. As preocupações, até aquela data, mais marcantes relativamente aos escritos versan- do matéria religiosa, passaram a privilegiar os livros cujo conteú- do se enquadrava nas vertentes filosófica e política, tudo a par de um relaxamento da vigilância, forçado pelo próprio crescimento do número de edições, por si só, um obstáculo ao aturado trabalho de análise que é possível consta- tar em períodos anteriores. Esse abrandamento é particularmente sentido no tocante às edições es- trangeiras, algumas vertidas em língua portuguesa, que, no virar da centúria, entram em Portugal em número elevado, pelo recurso aos mais variados artifícios. Entre as edições portuguesas que Valorizando todos os cuidados postos na organização da vigilância censória, parece que as muralhas erigidas não foram suficientes para travar os espíritos mais inquietos. [48] SILVA, Inocêncio Francisco da – Dicionário Bibliographico Portuguez. Lisboa: Imprensa Nacional, 1858, Tomo II, p. 454-455. [49] BASTOS, José Timóteo da Silva – História da Censura Intelectual em Portugal (Ensaio sobre a compreensão do pensamento português). Coimbra, 1926, p. 286.
  • 13. 56  Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro! Frei Francisco, não deixou de ler, usando para tanto a prerrogativa que lhe conferia a qualidade de do- cente da Universidade de Coimbra (1792) merecem destaque, no ca- pítulo da teologia mística e ascéti- ca, o livro do padre João Rebelo a História dos Milagres do Rosário, e de muitas e diversas devoçoens, e serviços, que Santos, e pecado- res Jizeraõ à Santíssima Virgem Maria, e a Jesu Christo Nosso Sal- vador, pelas quaes receberão gran- des bens teinporaes. e espiriluaes; provados todos com milagres, e cazos estranhos, que acontecerão, e facilmente se podem fazer[50] . Su- primido pela Real Mesa Censória em I77I[51] . A supressão assentou em dois fatores, o facto de o seu au- tor ser membro da Companhia de Jesus e de o seu conteúdo integrar matéria supersticiosa. Ainda neste capítulo, Frei Francis- co de São Luís, não deixou certa- mente de ler a obra que surge no catálogo da sua biblioteca apenas sob a designação através da qual se tornou mais conhecida: Mística Cidade de Deus, que correu sob o longo título de Maria Santíssima. Mystica Cidade de Deos, Breve Compendio da Vida. e Mystérios de Maria, (pie na obra da Venerá- vel Madre Soror Maria de Jesus de A greda se contém, recopilaçam das mesmas obras, que traduzi- das em língua portugueza. inclui summariamente as virtudes, dons e graças com que o Eterno Pay honrou neste mundo a Trinda- de Soberana de Jesu Maria José a quem as offerece, as consagra e dedica hum seu devoto natural de Lisboa, acrescentado nesta im- pressão com o itinerário da Terra Santa, obra impressa pela primeira vez em Lisboa, em 1685, após ter sido proibida de circular em Espa- nha pelo Santo Ofício da Inquisi- ção no ano de I68I. Entre nós foi suprimida em setembro de 1770[52] . De Frei Amónio do Rosário, leu a Carta de Marear[53] , proibida por sentença da Real Mesa Censória de 1769, juntamente com outras obras do autor, embora permitida a pessoas privilegiadas. A Apo- logia a Favor do Padre António Vieyra (...) porque se desvanece e convence o tratado que com o nome de Crisis escreveo contra ella a rev.da D, joanna Ignez da Cruz. religioza de S. Jenmimo da Província do México[54] , da auto- ria da Madre Soror Margarida Inácia, um exemplar da teologia parenética e homilética, edita- do em Lisboa, em 1727, conta-se também entre os livros que Sarai- va reuniu. Enquadrado na literatura de in- tuitos nacionalistas, mas proibi- do, a Restauração de Portugal Prodigiosa Offerecido ao Senhor Rei Dom João IV, da autoria de outro Jesuíta, o padre João de Vasconcelos, foi também lida por Saraiva, apesar de suprimida pela Real Mesa Censória em julho de 1768[55] , por de se tratar de um dos mais sólidos fundamentos cm que se estribavam aqueles que, du- rante o século XVII, esperavam o regresso do Rei D. Sebastião, animados de inabalável crença nas profecias que recheiam o tex- to, todo ele tentativa manifesta de cimentar a fé dos portugueses na restauração de 1640. D. João IV. é aí apresentado como o verdadei- ro «encoberto», predestinado por Deus a servir o reino, ao mesmo [50] CARDOSO, António Barros – Ler na Livraria de Frei Francisco de São Luís Saraiva. Ponte de Lima: Câmara Municipal de Ponte de Lima, 1995, p. 135. [51] MARQUES.Maria AdelaideSalvador– ARealMesaCensória eaCulturaNacional. AspetosdaGeografia CulturalPortuguesa noSéculoXVIII.Coimbra, (s.n),1963,p.185. [52] Idem,ibidem,p.119. [53] CARDOSO, António Barros – Ler na Livraria de Frei Francisco de São Luís Saraiva. Ponte de Lima: Câmara Municipal de Ponte de Lima, 1995, p. 136. [54] Idem, ibidem, p. 137 [55] MARQUES. Maria Adelaide Salvador – A Real Mesa Censória e a Cultura Nacional. Aspetos da Geografia Cultural Portuguesa no Século XVIII. Coimbra, (s.n), 1963, p. 120.
  • 14. Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!  57 tempo que afasta a dominação castelhana[56] . Damião Peres, clas- sificou este livro, na nota prévia à reedição de 1939, por ocasião das comemorações dos trezentos anos do afastamento da dominação fi- lipina, como uma excelente cróni- ca da restauração e uma das mais vivas expressões do nacionalismo português seiscentista. Contudo, muito embora o seu autor pro- meta o uso da verdade em tudo quanto nela se relata e manifeste intenção de guardar respeito às determinações papais no que toca ao expurgo da literatura fantasio- sa, predestinaria e visionária, não deixou de recorrer ao “prodígio” e à “superstição”. No campo da História, assunto que, já o referimos, muito interes- sou Saraiva, a sua livraria contou com um exemplar dos Discursos sobre História Eclesiástica[57] , do Abade Fleury, edição de Lisboa, 1773. O autor fez parte da “petite cour” de Bossuet[58] . Os revedores da Real Mesa Censória classifica- ram este livro como uma obra me- nor, mas, análise mais atenta do seu conteúdo, coloca-nos perto dos motivos da relutância quanto à sua livre circulação e simultaneamente das correntes de opinião com que Saraiva ia tomando contacto. No primeiro dos discursos em que o texto se encontra repartido emerge a posição crítica de Fleury sobre a falsidade de algumas relíquias, a denúncia da superstição e da ri- queza material da Igreja, perigos sérios para a corrupção dos costu- mes e incontinência do clero[59] . Os textos do abade francês, deixam transparecer uma exegese sagrada que não prescinde da boa razão, posição também partilhada pelo Cardeal Saraiva. Foram muitas as edições estran- geiras proibidas de livre curso em Portugal. Sob o pomo de vista te- mático, as 49 obras nestas condi- ções que encontramos na livraria de Frei Francisco Saraiva, distri- buíam-se, em maior número, pelo grupo ciências e artes, o que mos- tra o interesse votado à leitura das novidades literárias mais repre- sentativas da evolução do pensa- mento setecentista, impedidas de livre circulação cm Portugal. Destacamos as obras de filosofia racional. Os livros que se referem às inovações no campo do pensa- mento económico, que aparecem em segundo lugar, seguidos de perto pelos que integram maté- rias relativas a educação e políti- ca. A filosofia moral e a medicina, embora em posição minoritária, também se encontravam entre a literatura estrangeira proibida que Saraiva reuniu. Procuraremos deixar aqui um olhar mais próximo dos títulos mais significativos da busca da novidade literária a que o monge beneditino associa o gosto do bi- bliófilo, consubstanciado numa evidente preferência pelas primei- ras edições que pudemos consta- tar na análise global do corpus bibliográfico que reuniu. A filosofia das luzes aparece bem representada pela obra maior de John Locke, um dos mestres do pensamento setecentista, que divi- diu com Newton a tarefa de trans- formar os quadros de pensamento, bem como da própria conceção do mundo. La estava um exemplar de De Inielectu Humano, edição de Londres, I70I[60] . Com efeito, a pro- [56]SILVA,Inocêncio Francisco da–Dicionário Bibliographico Portuguez.Lisboa: ImprensaNacional, 1858,TomoIV,p.46. [57]CARDOSO,António Barros–Lerna LivrariadeFrei FranciscodeSãoLuís Saraiva.PontedeLima: CâmaraMunicipalde PontedeLima,1995, p.141. [58] CALVET,J (Dir.)–Histoire deLaLittérarure Française–La LittératureReligieuse –deFrançoisdeSales àFémelon.Paris,1938, p.466. [59] FLEURY, Abbé – Dircours sur L’Histoire Ecclesiastique. Paris, (s.n.) 1763, p. 86. [60] CARDOSO, António Barros – Ler na Livraria de Frei Francisco de São Luís Saraiva. Ponte de Lima: Câmara Municipal de Ponte de Lima, 1995, p. 146.
  • 15. 58  Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro! fundidade reflexiva de Locke, ul- trapassa o inatismo cartesiano, tor- nando extensiva a crítica racional à religião e à organização política nos seus Tratises of Gouvemement 1690) eram matérias cuja divulga- ção não interessava às componen- tes laica e religiosa da censura inte- lectual pombalina. Da sua leitura, Saraiva soube tirar proveito, cita-o, com frequência, nas páginas das suas Obras Completas. O Dictionnaire Historique et Cri- tique, de Pierre Bayle, obra mais importante do filósofo francês, que Voltaire, reconheceu como precioso contribuinte para a mol- dagem do pensamento crítico das luzes, também foi livro de con- sulta por parte de Saraiva[61] que igualmente olhava com frequência as páginas do Dictionnaire Philo- sophique de Voltaire, editado em Amesterdão, em 1789[62] . Saraiva leu ainda Boulanger L’an- tiquité Devoillé au Moyan de la Genèse Source et Origine de la Mythologie et des Cultes des Payens, também numa edição de Amesterdão, 1777[63] , suprimido pela Mesa Censória desde Setem- bro de 1770[64] , obra classificada, juntamente com outros livros in- terditados na mesma altura, como “abomináveis produções da incre- dulidade, e libertinagem de ho- mens tão temerários, e soberbos que se denominam espíritos for- tes, e se atribuem o especioso títu- lo de filósofos”.[65] De facto, nesta obra questionou-se a criação do mundo tal qual é descrita no Livro do Génesis, contrapondo-se-lhe a busca de uma resposta a partir da filosofia racional, numa altura em que a matéria em análise parecia caber em exclusivo à revelação. As obras completas de Helvetius[66] que constam em quarto lugar na lista de compilações, no catálogo das obras de filosofia interditas à livre circulação, organizado por Robert Darnton, com base no número de encomendas recebido pela Société Typographique de Neuchâtel[67] . Deste autor integra- ram a livraria de Frei Francisco outros título condenados à foguei- ra pública, como Le Vrai Sens du Système de la Nature, classificada como uma das obras em que o espírito dos filósofos libertinos, “derramou o veneno todo da sua abominável seita”[68] . O mesmo sucedeu com De L’Esprit (1758), suprimida no ano de I775 e que obteve sucesso de escândalo, en- quanto versão radical do ateísmo. Rousseau, encontra-se bem repre- sentado na livraria do monge be- neditino. Saraiva possuiu as suas obras completas, editadas em Pa- ris, I757. Ao lê-las, conheceu de perto as ideias políticas do autor, patentes no Contrat Social, bem como a feição pragmática da sua aplicação nas lettres à M. Butta- fuoco sur la législation de la Corse (1765) e nas Considérations sur le Gouvernement de la Pologne et sur sa reformation. O interesse de Frei Francisco de São Luís pelas obras de Rousseau parece ter sido significativo, ao ponto de incluir na sua biblioteca, uma edição do Discours sur l’Inégalité Parmi les Hommes, precisamente a primei- ra edição de Drosde, I755[69] . Aqui Saraiva percebeu o alcance socio- lógico da obra do filósofo francês. O tema de fundo desta obra é o da «bondade natural» e do «regresso à natureza», não no sentido de “... [61]Idem,ibidem,p.147. [62] Idem, p. 148. [63] Idem, p. 150. [64] MARQUES.Maria AdelaideSalvador–A RealMesaCensóriae aCulturaNacional. AspetosdaGeografia CulturalPortuguesa noSéculoXVIII.Coimbra, (s.n),1963,p.131. [65] FERRÃO. António – A Censura Literária Durante o Governo Pombalino. Coimbra. 1927. p. 353. [66] CARDOSO, António Barros – Ler na Livraria de Frei Francisco de São Luís Saraiva. Ponte de Lima: Câmara Municipal de Ponte de Lima, 1995, p. 150. [67] DARNTON. Robert – Édition et Sédition, l’univers de la littérature Clandestine au XVIIe siècle. Paris: Gllimard, 1991, p. 220, Este posicionamento na lista mostra a importância alcançada pela obra filosófica de Helvetius em toda a Europa. De resto o autor aparece mesmo em primeira posição na lista de tratados de filosofia mais encomendados. [68] BASTOS, José Timóteo da Silva – História da Censura Intelectual em Portugal (Ensaio sobre a compreensão do pensamento português). Coimbra, 1926, p. 179-180.
  • 16. Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!  59 queimar as bibliotecas e voltar a viver com os animais” explicou Rousseau, mas de procurar ir ao encontro da felicidade humana a partir da construção de uma po- lítica nova, assente no princípio de que “a sociedade natural é na- tural à espécie humana”[70] . Para tanto, o autor procurou estudar o homem original, as suas neces- sidades, princípios fundamentais e deveres, para atingir a origem das desigualdade moral, os verda- deiros fundamentos do corpo po- lítico[71] . Ao ler esta obra. Saraiva para além de atentar no brilhante paradoxo que Rousseau salienta “o homem é naturalmente bom, é a sociedade que o perverte”, per- cebeu o conflito entre pobreza e sociedade que lhe subjaz, quando o autor mostra que o homem se tem servido da propriedade pri- vada para dominar o seu seme- lhante, ideias que conferem a este trabalho assentos pré-marxistas, de resto, sublinhados por Engels, embora Rousseau não tivesse advogado a abolição da proprie- dade privada ou a renúncia ao progresso[72] . As ligações que este importante nome das luzes esta- beleceu entre a ordem jurídica e a ordem moral, a partir do princí- pio de que a verdade geral nela se exprime, que o colocam em con- fronto com a doutrina da Igreja que considera que a ordem moral tem Deus como princípio e fim, foram também objeto de reflexão para Saraiva[73] . Apesar de muitas vezes não ter sido expressamente citado pelos mais inflamados ora- dores na defesa da regeneração da sociedade portuguesa, em bases novas, após 1820, o pensamento do filósofo francês serviu-lhes não poucas vezes, de suporte[74] . Saraiva leu igualmente La Logique ou les Premiers Développements de L’Art de Penser, de Étienne Bonnot de Condillac, edição de Paris, 1802[75] . Todos os livros des- te nome grande da filosofia das lu- zes, foram impedidos de circular livremente, por determinação da censura portuguesa[76] . A Lógica, embora não seja a obra mais fa- mosa de Condillac , resume toda a sua filosofia, célebre por ter le- vado a epistemologia de Locke ao extremo de acreditar que todos os conhecimentos, juízos e paixões, não eram mais do que manifes- tações diversas da sensação[77] . A questão do método de Condillac relacionada com a do processo do conhecimento foi abordada com vivacidade entre nós por Silvestre Pinheiro Ferreira, que lhe critica, o rompimento com o saber clás- sico e o carácter exclusivo que o abade francês conferiu ao conhe- cimento indutivo. Frei Francisco de São Luís esteve atento a esta novidade e, por certo, acompa- nhou a polémica que acerca desta obra se instalou no meio intelec- tual português coevo[78] . Saraiva leu também um exemplar do Esquisse d’un Tableau Histo- rique des Progrès de L’Esprit Hu- main, de Condorcet, editado em Paris, em 1797 e suprimido pela censura portuguesa, em 1802, por motivos óbvios. É que, do curri- culum do seu autor constava em- penhada participação no processo revolucionário francês de 1789, o que o conduziria mais tarde (1792) à assembleia nacional da- quele país, acabando, após a que- da dos girondinos, como vítima [69]CARDOSO,António Barros–Lerna LivrariadeFrei FranciscodeSão LuísSaraiva.Ponte deLima:Câmara MunicipaldePontede Lima,1995,p.151-152. [70] TOUCHARD, Jean – História das Ideias Políticas. Mem Martins: Publicações Europa-América, 1991, Vol. II, p. 206. [73] SOBOUL,Albert, LEMARCHAND.Guy,FOGEL, Michèle–LeSiécledes Lumières.Paris:Presses Universitairesde France(PUF),1977,Vol. I,p.512. [74] Veraeste propósitootrabalho dePINA,AnaMana Ferreira–DeRousseau aoImaginárioda Revoluçãode1820: Lisboa,1988. [71] ROUSSEAU. Jean Jacques – Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. Trad, de José Pecegueiro. Porto: 1964. [72] TOUCHARD, Jean – História das Ideias Políticas. Mem Martins: Publicações Europa-América, 1991, Vol. II, p. 206. [75]CARDOSO, António Barros – Ler na Livraria de Frei Francisco de São Luís Saraiva. Ponte de Lima: Câmara Municipal de Ponte de Lima, 1995, p. 154. [76] MARQUES.Maria AdelaideSalvador– ARealMesaCensória eaCulturaNacional. AspetosdaGeografia CulturalPortuguesa noSéculoXVIII.Coimbra, (s.n),1963,p.139. [77] HERR,Richard– EspanaylaRevolutión delsigloXVIII.Madrid, 1964.p.58. [78]LISBOA,João Luís–Ciênciae Política.LernosFinais doAntigoRegime. Lisboa:INIC-Centrode HistóriadaCultura daUniversidadeNova deLisboa,1991,p.95.
  • 17. 60  Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro! da evolução dos acontecimentos. Aqui, Condorcet caracterizou, melhor que qualquer outro, o ideal e o combate dos filósofos do século das luzes ao dividir a his- tória da evolução do espírito hu- mano em 10 épocas, a última das quais incorpora todo o seu oti- mismo relativamente à evolução da espécie humana, escorando-se no facto de, apesar de conhecidos retrocessos nas nove épocas ante- riores, estes não terem conseguido inviabilizar o balanço positivo da evolução da humanidade. Na perspetiva maniqueísta do seu sis- tema, o bem sai vencedor. Para ele a revolução francesa tinha sido o resultado e não o términus do pro- gresso humano[79] . Os livros interditos pela censura, cujo conteúdo versa alguns aspe- tos do pensamento económico se- tecentista, também interessaram Frei Francisco de São Luís. Desta- camos, a título exemplificativo, a obra maior de Adam Smith, En- saio Sobre a Riqueza das Nações que Saraiva leu numa tradução espanhola, editada em Valladolid. Através dela tomou conhecimento do esforço do economista escocês na observação das leis responsáveis pela distribuição natural da riqueza das nações pelos diferentes grupos sociais que as integram, por certo a parte mais difícil e controversa da ciência económica e política. Igualmente relevante no avanço da moderna economia política foi o tratado de Etienne Bonnot de Condillac Ie Commerce et le Gouvernement Consideres Rela- tivement de L’un à L’autre, edita- do em Amesterdão, em I776. Saraiva não prescindiu do contac- to com as novidades no pensamen- to aplicadas à ciência médica, pa- tentes em obras tão interessantes quanto controversas e polémicas para a época em que foram escri- tas. Foi o caso da obra Rappor- ts du Physique et du Moral de l’ Homme, principal trabalho do médico e pensador francês Pierre Jean Georges Cabanis, livro man- dado apreender pela censura por- tuguesa em julho de I806. Interessaram também o monge be- neditino os escritos interditos que abordaram novas perspetivas de encarar a pedagogia. Entre outros, Saraiva não prescindiu do contacto com as novidades no pensamento aplicadas à ciência médica, patentes em obras tão interessantes quanto controversas e polémicas para a época em que foram escritas. [79] TOUCHARD, Jean – História das Ideias Políticas. Mem Martins: Publicações Europa-América, 1991, Vol. II, p. 221.
  • 18. Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro!  61 Saraiva leu o romance de Jean Ja- cques Rousseau Emile ou L’ Edu- cation, obra onde se advoga uma pedagogia não dogmática, mas na- tural, que permitisse o desenvolvi- mento da personalidade do indiví- duo. Apesar de não ter partilhado totalmente do otimismo do século, ao culpar a sociedade enquanto fator de corrupção do individuo, Rousseau defendia uma educa- ção apropriada, que separasse as crianças das influências nefastas do grupo, por forma a desenvolve- rem a sua inteligência a partir da observação e da experiência, con- servando desta forma, a bonda- de natural. Igualmente integrada na chamada pedagogia das luzes, merece referência um exemplar da obra Cours d’Etudes Pour L’ Education du Prince de Parme, de Etienne Bonnot de Condillac, edi- ção de Genéve, 1789, que o monge bento também leu. Saraiva cultivou o gosto pela po- lítica, não apenas como prática, mas já como ciência. Por isso, nes- te capítulo, não se escusou de ler as Lettres du Roy Prousse Frederic II. Dele conheceu também o seu pensamento político, tanto mais que possuiu a sua obra mais im- portante neste campo: Anti-Ma- quiavel, uma tradução portugue- sa, editada em Lisboa, em I796, escrito em que se recusa a astúcia, a intriga e a perfídia no exercício do poder, bem como a ideia vei- culada por Niccòlo Maquiavel, de que o poder se deve manter a qualquer preço, contrapondo-lhe a divisa do despotismo esclareci- do de que o “príncipe devia ser o primeiro servidor do Estado”. Na mesma corrente do pensamen- to político setecentista, inscreve se a obra Administração do Conde de Oeiras, editada em Amester- dão, em 1768. Certamente que Sa- raiva colocou cm contraste os dois textos citados em último lugar com as obras completas do Abade Mably, que leu em edição londrina de I789 - Droits et Devoires du Citoyen, onde se critica manifes- tamente o despotismo esclarecido. Como bom teólogo que foi, Sarai- va tomou contacto com os muitos escritos polémicos sobre a matéria. Leu Richard Archdekin, Joanis Laurentii Berti, teólogo e histo- riador, professor de história ecle- siástica na universidade de Pisa, possuiu a obra em 5 volumes, De Locis Theologicis, edição de Bas- sni, 1777, também interdita pela censura portuguesa, em junho de 1797. De Simon-Nicholas Henri Linguet, Saraiva leu o Essai Philo- sophique sur le Monachisme. edi- tado em Paris, em 1755, obra que figura em primeiro lugar no ca- pítulo das obras polémicas sobre religião da já citada lista de enco- mendas da Société Typographique de Neuchâtel e onde se analisa, de forma muito crítica, a existência do monaquismo. No grupo de teo- logia polémica e dogmática, leu Recherches Philosophiques Sur Les Preuves du Christianisme, da autoria do físico-naturalista, Charles Bonnet, edição de Ames- terdão, I783. Bonnet investigou aqui a doutrina cristã da revela- ção, mas a fama que alcançou está mais diretamente relacionada com o contributo que deu ao avanço da medicina, já que, em meados do século, animou, enquanto parti- dário da teoria da pré-existência dos gérmenes, a discussão cientí-
  • 19. 62  Ponte de Lima: do passado ao presente, rumo ao futuro! fica em torno da geração. As suas obras, não se estranha, foram por isso proibidas pela censura, em outubro de 1801. Na livraria de Saraiva, encontra- vam-se também os livros que dis- cutiam a igreja protestante. Leu o Essai Historique Sur les libertes de L’église Galicane, do abade re- volucionário francês, Henry Gre- góire, e o Trattato Slorico-Dog- málico-Critico Delle Indulgente e o Traité de la Morale des Pérès de l’Eglise, edição de Amesterdão, de Jean Barbeyrac. Não prescindiu igualmente dos li- vros de Jeremias Bentham (1748- 1832) que se distinguiu pela sua de- dicação à filosofia moral a ao direito. Leu também De Arte Amandi, de Ovídio, proibido pela Real Mesa Censória, com o seguinte comen- tário dos censores “o seu assump- to está per si mesmo persuadindo que se suprima”, como leu Guari- ni, no Pastor Fido. A terminar Como nota final, diremos que não se esgotam nestas linhas os considerandos sobre os livros que Saraiva ousou ler, no caso dos li- vros proibidos, ou daqueles que ajudaram a dar corpo a uma forte compleição cultural que o mon- ge beneditino adquiriu ao longo da sua existência. Os exemplos apontados aqui servem apenas para ilustrar a constatação de que a forte estrutura moral cató- lica, a que Saraiva soube associar uma consciência liberta de barrei- ras habitualmente erigidas pelas ideologias, pelas crenças ou pela condição sócio funcional, não o coibiram de conhecer, de perto, argumentos contrários, através do recurso aos escritos dos autores protestantes e de livres pensado- res, cujas obras foram banidas em Portugal. Os autores proibidos representa- dos, ao mesmo tempo que mos- tram a ação obstrutiva da censura à penetração de tudo o que fosse suscetível de potenciar a divulga- ção no país do pensamento ilumi- nista, mostram igualmente que as preferências de Saraiva, se inclina- ram precisamente em sentido con- trário, ou seja, no do enriqueci- mento e formação do seu próprio espírito, tomando contacto com material que viria a deixar marcas profundas no homem, no religio- so e no intelectual que anunciou a Lisboa a alforria de Portugal. Por isso, fica-nos a convicção de que os livros que reuniu e por cer- to não deixou de ler, constituíram sério contributo para o despon- tar do político hábil, cauteloso, equilibrado, moderador e do eclé- tico homem de cultura, predica- dos que transparecem da sua obra literária e da postura e ação na vida pública nacional, sobretudo em defesa dos ideais liberais que ajudou a fazer vingar, após 1820.