SlideShare uma empresa Scribd logo
INSTALAÇÕES
ELÉTRICAS
RESIDENCIAIS
GARANTA UMA
INSTALAÇÃO ELÉTRICA
SEGURA
APRESENTAÇÃO
• A importância da eletricidade em nossas vidas é inquestionável.
• Ela ilumina nossos lares, movimenta nossos eletrodomésticos, permite
o
• funcionamento dos aparelhos eletrônicos e aquece nosso banho.
• Por outro lado, a eletricidade quando mal empregada, traz alguns
perigos como
• os choques, às vezes fatais, e os curto-circuitos, causadores de tantos
incêndios.
• A melhor forma de convivermos em harmonia com a eletricidade é
conhecê-la,
• tirando-lhe o maior proveito, desfrutando de todo o seu conforto com a
máxima
• segurança.
Vamos começar
falando um pouco
a respeito da
Eletricidade.
Você já parou para
pensar que
está cercado de
eletricidade
por todos os lados ?
Pois é !
Estamos tão
acostumados
com ela que
nem percebemos
que existe.
Na realidade, a eletricidade é invisível.
O que percebemos são seus efeitos, como:
LUZ
CALOR CHOQUE ELÉTRICO
e... esses efeitos são
possíveis devido a:
CORRENTE ELÉTRICA
TENSÃO ELÉTRICA
POTÊNCIA ELÉTRICA
TENSÃO E CORRENTE
ELÉTRICA
• Nos fios, existem partículas
• invisíveis chamadas elétrons
• livres, que estão em constante
• movimento de forma
• desordenada.
• Para que estes elétrons livres
• passem a se movimentar de
• forma ordenada, nos fios, é
• necessário ter uma força que os
• empurre. A esta força é dado o
• nome de tensão elétrica (U).
Esse movimento ordenado dos
elétrons livres nos fios, provocado
pela ação da tensão, forma
uma corrente de elétrons. Essa
corrente de elétrons livres é
chamada de corrente elétrica (I).
Pode-se dizer então que:
• TENSÃO
• É a força que
• impulsiona os
• elétrons
• livres nos
• fios.
• Sua unidade
• de medida
• é o volt (V).
É o movimento
ordenado dos
elétrons livres
nos fios.
Sua unidade
de medida
é o ampère (A).
CORRENTE ELÉTRICA
POTÊNCIA ELÉTRICA
• Agora, para entender
• potência elétrica,
• observe novamente o
• desenho.
A tensão elétrica faz movimentar os elétrons de
forma
ordenada, dando origem à corrente elétrica.
Tendo a corrente
elétrica, a lâmpada
se acende e se
aquece
com uma certa
intensidade.
Essa intensidade de luz
e calor percebida por nós
(efeitos), nada mais é do que
a potência elétrica que foi
trasformada em potência
luminosa (luz) e potência
térmica (calor).
É importante gravar:
Para haver potência elétrica, é necessário haver:
Tensão
elétrica
Corrente
elétrica
Agora... qual é a unidade de medida
da potência elétrica ?
Muito simples !
• a intensidade da tensão é
• medida em volts (V).
• a intensidade da corrente é
• medida em ampère (A).
Então, como a potência é o produto da ação
da tensão e da corrente, a sua unidade de medida
é o volt-ampère (VA).
A essa potência dá-se o nome de potência
A potência aparente é composta por duas parcelas:
POTÊNCIA ATIVA
POTÊNCIA REATIVA
• A potência ativa é a parcela efetivamente transformada em:
POTÊNCIA
MECÂNICA
POTÊNCIA
TÉRMICA
POTÊNCIA
LUMINOSA
A unidade de medida da potência ativa é o watt (W).
A potência reativa é a parcela transformada em campo
magnético, necessário ao funcionamento de:
A unidade de medida da potência reativa
é o volt-ampère reativo (VAr).
MOTORES TRANSFORMADORES REATORES
Em projetos de instalação elétrica
residencial os cálculos efetuados são
baseados na potência aparente e potência
ativa. Portanto, é importante conhecer
a relação entre elas para que se entenda
o que é fator de potência.
FATOR DE POTÊNCIA
Sendo a potência ativa uma parcela da potência
aparente, pode-se dizer que ela representa uma
porcentagem da potência aparente que é transformada
em potência mecânica, térmica ou luminosa.
A esta porcentagem dá-se o nome de fator de potência.
Nos projetos elétricos
residenciais, desejando-
se
saber o quanto da
potência aparente foi
transformada em
potência ativa, aplica-se
os seguintes valores
de fator de potência:
1,0 para iluminação
0,8 para tomadas
de uso geral
Exemplos
potência
de
iluminação
(aparente) =
660VA
fator de
potência
a ser
aplicado =
1
potência ativa
de
iluminação (W)
1x660VA=
660W
potência
de tomada
de
uso geral =
7300VA
fator de
potência
a ser
aplicado =
0,8
potência ativa
de tomada de
uso geral =
0,8x7300VA=
5840W
Quando o fator de potência é igual a 1, significa que
toda potência aparente é transformada em potência
ativa. Isto acontece nos equipamentos que só possuem
resistência, tais como: chuveiro elétrico, torneira
elétrica, lâmpadas incandescentes, fogão elétrico, etc.
Os conceitos vistos anteriormente possibilitarão o
entendimento do próximo assunto: levantamento das
potências (cargas) a serem instaladas na residência.
• O levantamento das potências é feito
mediante uma previsão das potências
(cargas) mínimas de iluminação e tomadas
a serem instaladas, possibilitando, assim,
determinar a potência total prevista para a
instalação elétrica residencial.
A previsão de carga deve obedecer às prescrições
da NBR 5410, item 4.2.1.2
A planta a seguir servirá
de exemplo para o levantamento
das potências.
• Para área igual ou inferior a 6m2 atribuir um mínimo de
100VA. Para área superior a 6m2 atribuir um mínimo de
100VA. Para os primeiros 6m2, acrescido de 60VA para
cada aumento de 4m2 inteiros.
NOTA: a NBR 5410 não estabelece critérios para
iluminação de áreas externas em residências, ficando
a decisão por conta do projetista e do cliente.
RECOMENDAÇÕES DA NBR 5410
PARA O LEVANTAMENTO DA CARGA DE TOMADAS
cômodos ou
dependências
com área igual
ou inferior
a 6m2
no mínimo uma
tomada
cômodos ou
dependências
com mais
de 6m2
no mínimo uma
tomada para cada
5m ou fração de
perímetro,
espaçadas tão
uniformemente
quanto possível
cozinhas,
copas,
copas-cozinhas
uma tomada para
cada 3,5m ou
fração de
perímetro,
independente
da área
subsolos,
varandas,
garagens ou
sotãos
pelo menos uma
tomada
banheiros
no mínimo uma
tomada junto
ao lavatório com
uma distância
mínima de 60cm
do limite do boxe
NOTA: em diversas aplicações, é recomendável prever
uma quantidade de tomadas de uso geral maior
do que o mínimo calculado, evitando-se, assim,
o emprego de extensões e benjamins (tês) que,
além de desperdiçarem energia,
podem comprometer a segurança da instalação.
1. Condições para se estabelecer a quantidade mínima
de tomadas de uso geral (TUG’s).
TOMADAS DE USO GERAL (TUG’S)
Não se destinam à ligação de equipamentos específicos
e nelas são sempre ligados:
aparelhos móveis ou aparelhos portáteis.
2. Condições para se estabelecer a potência mínima
de tomadas de uso geral (TUG’s).
banheiros,
cozinhas, copas,
copas-cozinhas,
áreas de serviço,
lavanderias
e locais
semelhantes
- atribuir, no mínimo,
600VA por tomada,
até 3 tomadas.
- atribuir 100VA para
os excedentes.
demais
cômodos
ou
Dependências.
- atribuir, no mínimo,
100VA por tomada.
3. Condições para se estabelecer a quantidade de
tomadas de uso específico (TUE’s).
A quantidade de TUE’s é estabelecida de acordo
com o número de aparelhos de utilização
que sabidamente vão estar fixos em uma dada
posição no ambiente.
TOMADAS DE USO ESPECÍFICO (TUE’S)
São destinadas à ligação de equipamentos fixos
e estacionários, como é o caso de:
CHUVEIRO TORNEIRA
ELÉTRICA
SECADORA
DE ROUPA
NOTA: quando usamos o termo “tomada” de uso
específico, não necessariamente queremos dizer que
a
ligação do equipamento à instalação elétrica
irá utilizar uma tomada. Em alguns casos, a ligação
poderá ser feita, por exemplo, por ligação direta
(emenda) de fios ou por uso de conectores.
4. Condições para se estabelecer a potência de
tomadas de uso específico (TUE’s).
Atribuir a potência nominal do equipamento
a ser alimentado.
Conforme o que foi visto:
Para se prever a carga de tomadas é necessário,
primeiramente, prever a sua quantidade.
Essa quantidade, segundo os critérios, é estabelecida
a partir do cômodo em estudo,
fazendo-se necessário ter:
• ou o valor da área
• ou o valor do perímetro
• ou o valor da área
e do perímetro.
Os valores das áreas dos cômodos da planta do
exemplo já estão calculados, faltando o cálculo do
perímetro onde este se fizer necessário, para se
prever a quantidade mínima de tomadas.
Para obter a potência total da instalação,
faz-se necessário: a) calcular a potência ativa;
b) somar as potências ativas.
OBSERVAÇÃO
LEVANTAMENTO DA POTÊNCIA TOTAL
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1
Eduardo Teixeira
 
Guia do eletricista
Guia do eletricistaGuia do eletricista
Guia do eletricista
Dulciney Figueiredo
 
Projeto de instalação elétrica residencial
Projeto de instalação elétrica residencialProjeto de instalação elétrica residencial
Projeto de instalação elétrica residencial
Luiz Avelar
 
A Importância do Aterramento e suas particularidades
A Importância do Aterramento e suas particularidadesA Importância do Aterramento e suas particularidades
A Importância do Aterramento e suas particularidades
Sala da Elétrica
 
Aterramento elétrico
Aterramento elétricoAterramento elétrico
Aterramento elétrico
Bittec Eletrônica
 
Conceitos básicos de eletricidade
Conceitos básicos de eletricidadeConceitos básicos de eletricidade
Conceitos básicos de eletricidade
Fernando Pereira
 
Instalações elétricas industriais_slides_parte_i
Instalações elétricas industriais_slides_parte_iInstalações elétricas industriais_slides_parte_i
Instalações elétricas industriais_slides_parte_i
wagner26
 
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas ElétricosCurso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
Sala da Elétrica
 
Projetos elétricos residenciais - Palestra 1 de 4
Projetos elétricos residenciais - Palestra 1 de 4Projetos elétricos residenciais - Palestra 1 de 4
Projetos elétricos residenciais - Palestra 1 de 4
Sala da Elétrica
 
Principios de Eletronica
Principios de EletronicaPrincipios de Eletronica
Principios de Eletronica
Helder da Rocha
 
Aterramento
AterramentoAterramento
Aterramento
FRANCESCO GALGANO
 
Apostila CEFET - Instalações Elétricas
Apostila CEFET - Instalações ElétricasApostila CEFET - Instalações Elétricas
Apostila CEFET - Instalações Elétricas
Fermi Xalegre
 
Eletrotecnica basica
Eletrotecnica basicaEletrotecnica basica
Eletrotecnica basica
Roberto Martins
 
AULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptx
AULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptxAULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptx
AULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptx
Vander Bernardi
 
Noções básicas de instalações elétricas prediais
Noções básicas de instalações elétricas prediaisNoções básicas de instalações elétricas prediais
Noções básicas de instalações elétricas prediais
Rone Sousa
 
Aula disjuntor
Aula disjuntorAula disjuntor
Aula disjuntor
Vamberto Barbosa
 
Spda
SpdaSpda
U05 instalacao para_iluminacao_e_aparelhos_domesticos
U05 instalacao para_iluminacao_e_aparelhos_domesticosU05 instalacao para_iluminacao_e_aparelhos_domesticos
U05 instalacao para_iluminacao_e_aparelhos_domesticos
Manassés da Costa Agra Mello
 
inversor de frequencia
inversor de frequenciainversor de frequencia
inversor de frequencia
Renato Amorim
 
Leis de ohm
Leis de ohmLeis de ohm
Leis de ohm
O mundo da FÍSICA
 

Mais procurados (20)

Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1
 
Guia do eletricista
Guia do eletricistaGuia do eletricista
Guia do eletricista
 
Projeto de instalação elétrica residencial
Projeto de instalação elétrica residencialProjeto de instalação elétrica residencial
Projeto de instalação elétrica residencial
 
A Importância do Aterramento e suas particularidades
A Importância do Aterramento e suas particularidadesA Importância do Aterramento e suas particularidades
A Importância do Aterramento e suas particularidades
 
Aterramento elétrico
Aterramento elétricoAterramento elétrico
Aterramento elétrico
 
Conceitos básicos de eletricidade
Conceitos básicos de eletricidadeConceitos básicos de eletricidade
Conceitos básicos de eletricidade
 
Instalações elétricas industriais_slides_parte_i
Instalações elétricas industriais_slides_parte_iInstalações elétricas industriais_slides_parte_i
Instalações elétricas industriais_slides_parte_i
 
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas ElétricosCurso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
 
Projetos elétricos residenciais - Palestra 1 de 4
Projetos elétricos residenciais - Palestra 1 de 4Projetos elétricos residenciais - Palestra 1 de 4
Projetos elétricos residenciais - Palestra 1 de 4
 
Principios de Eletronica
Principios de EletronicaPrincipios de Eletronica
Principios de Eletronica
 
Aterramento
AterramentoAterramento
Aterramento
 
Apostila CEFET - Instalações Elétricas
Apostila CEFET - Instalações ElétricasApostila CEFET - Instalações Elétricas
Apostila CEFET - Instalações Elétricas
 
Eletrotecnica basica
Eletrotecnica basicaEletrotecnica basica
Eletrotecnica basica
 
AULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptx
AULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptxAULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptx
AULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptx
 
Noções básicas de instalações elétricas prediais
Noções básicas de instalações elétricas prediaisNoções básicas de instalações elétricas prediais
Noções básicas de instalações elétricas prediais
 
Aula disjuntor
Aula disjuntorAula disjuntor
Aula disjuntor
 
Spda
SpdaSpda
Spda
 
U05 instalacao para_iluminacao_e_aparelhos_domesticos
U05 instalacao para_iluminacao_e_aparelhos_domesticosU05 instalacao para_iluminacao_e_aparelhos_domesticos
U05 instalacao para_iluminacao_e_aparelhos_domesticos
 
inversor de frequencia
inversor de frequenciainversor de frequencia
inversor de frequencia
 
Leis de ohm
Leis de ohmLeis de ohm
Leis de ohm
 

Destaque

Patologia das construções
Patologia das construçõesPatologia das construções
Patologia das construções
charlessousa192
 
Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)
Thayris Cruz
 
Rodovias
RodoviasRodovias
Patologia das fundações
Patologia das fundaçõesPatologia das fundações
Patologia das fundações
Silvana Dos Santos
 
9 patologia das construções - diagnóstico
9 patologia das construções - diagnóstico9 patologia das construções - diagnóstico
9 patologia das construções - diagnóstico
Andrea de Souza
 
Aterramento e para-raios
Aterramento e para-raios Aterramento e para-raios
Aterramento e para-raios
Cristiane Tavolaro
 
Sistemas de Proteção Contra Descargas Atmosféricas
Sistemas de Proteção Contra Descargas AtmosféricasSistemas de Proteção Contra Descargas Atmosféricas
Sistemas de Proteção Contra Descargas Atmosféricas
Edhy Torres
 

Destaque (7)

Patologia das construções
Patologia das construçõesPatologia das construções
Patologia das construções
 
Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)
 
Rodovias
RodoviasRodovias
Rodovias
 
Patologia das fundações
Patologia das fundaçõesPatologia das fundações
Patologia das fundações
 
9 patologia das construções - diagnóstico
9 patologia das construções - diagnóstico9 patologia das construções - diagnóstico
9 patologia das construções - diagnóstico
 
Aterramento e para-raios
Aterramento e para-raios Aterramento e para-raios
Aterramento e para-raios
 
Sistemas de Proteção Contra Descargas Atmosféricas
Sistemas de Proteção Contra Descargas AtmosféricasSistemas de Proteção Contra Descargas Atmosféricas
Sistemas de Proteção Contra Descargas Atmosféricas
 

Semelhante a Eletrica.ppt 2

Curso eletricista2 www.clickcursos.net .ppt [salvo automaticamente]
Curso eletricista2   www.clickcursos.net .ppt [salvo automaticamente]Curso eletricista2   www.clickcursos.net .ppt [salvo automaticamente]
Curso eletricista2 www.clickcursos.net .ppt [salvo automaticamente]
sergio Cesar_Informatica
 
Curso de-eletricista-residencial
Curso de-eletricista-residencialCurso de-eletricista-residencial
Curso de-eletricista-residencial
Claudio Arkan
 
Curso de-eletricista-residencial-130624094012-phpapp02
Curso de-eletricista-residencial-130624094012-phpapp02Curso de-eletricista-residencial-130624094012-phpapp02
Curso de-eletricista-residencial-130624094012-phpapp02
Carlos Reutymann
 
61946171fatores de4-Fator-de-Potencia.pptx
61946171fatores de4-Fator-de-Potencia.pptx61946171fatores de4-Fator-de-Potencia.pptx
61946171fatores de4-Fator-de-Potencia.pptx
BobbyGudManVI
 
Apostila elétrica
Apostila elétricaApostila elétrica
Apostila elétrica
Odilon Junior
 
Aula 02 - Curso de Suporte Técnico - Eletricidade - Professor Roney Sousa
Aula 02 - Curso de Suporte Técnico - Eletricidade - Professor Roney SousaAula 02 - Curso de Suporte Técnico - Eletricidade - Professor Roney Sousa
Aula 02 - Curso de Suporte Técnico - Eletricidade - Professor Roney Sousa
Roney Sousa
 
Fazer os exercicios
Fazer os exerciciosFazer os exercicios
Fazer os exercicios
Paulo Miguel De Toni
 
exercícios de eletricidade.
exercícios de eletricidade.exercícios de eletricidade.
exercícios de eletricidade.
Paulo Miguel De Toni
 
33-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét2-.pptx
33-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét2-.pptx33-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét2-.pptx
33-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét2-.pptx
FranciscoFlorencio6
 
aula 3 2021.ppt
aula 3 2021.pptaula 3 2021.ppt
aula 3 2021.ppt
Mariana954864
 
HISTORIA DA ELETRICIDADE II.ppt
HISTORIA DA ELETRICIDADE II.pptHISTORIA DA ELETRICIDADE II.ppt
HISTORIA DA ELETRICIDADE II.ppt
OliveiraEnge
 
Fique por dentro da elétrica
Fique por dentro da elétricaFique por dentro da elétrica
Fique por dentro da elétrica
Anderson Silva
 
Resistores parte 2
Resistores parte 2Resistores parte 2
Resistores parte 2
Paulo Victor
 
Eletrodinâmica 5 componentes elétricos
Eletrodinâmica 5    componentes elétricosEletrodinâmica 5    componentes elétricos
Eletrodinâmica 5 componentes elétricos
Gilberto Rocha
 
Apostila de eletricidade
Apostila de eletricidadeApostila de eletricidade
Apostila de eletricidade
Ajaquilante
 
Manual prysmian instalaçoes eletricas prediais
 Manual prysmian instalaçoes eletricas prediais Manual prysmian instalaçoes eletricas prediais
Manual prysmian instalaçoes eletricas prediais
Armando Falcon
 
Manual prysmian
Manual prysmianManual prysmian
Manual prysmian
nivakushima
 
Arthur besen soprano trabalho eletrotecnica
Arthur besen soprano   trabalho eletrotecnicaArthur besen soprano   trabalho eletrotecnica
Arthur besen soprano trabalho eletrotecnica
alessandro oliveira
 
Potência elétricaddddddddddddddddddddd.ppt
Potência elétricaddddddddddddddddddddd.pptPotência elétricaddddddddddddddddddddd.ppt
Potência elétricaddddddddddddddddddddd.ppt
ElizeuNetto2
 
AULA 02 - Noções de Eletricidade.pptx
AULA 02 - Noções de Eletricidade.pptxAULA 02 - Noções de Eletricidade.pptx
AULA 02 - Noções de Eletricidade.pptx
KennedyAlencar2
 

Semelhante a Eletrica.ppt 2 (20)

Curso eletricista2 www.clickcursos.net .ppt [salvo automaticamente]
Curso eletricista2   www.clickcursos.net .ppt [salvo automaticamente]Curso eletricista2   www.clickcursos.net .ppt [salvo automaticamente]
Curso eletricista2 www.clickcursos.net .ppt [salvo automaticamente]
 
Curso de-eletricista-residencial
Curso de-eletricista-residencialCurso de-eletricista-residencial
Curso de-eletricista-residencial
 
Curso de-eletricista-residencial-130624094012-phpapp02
Curso de-eletricista-residencial-130624094012-phpapp02Curso de-eletricista-residencial-130624094012-phpapp02
Curso de-eletricista-residencial-130624094012-phpapp02
 
61946171fatores de4-Fator-de-Potencia.pptx
61946171fatores de4-Fator-de-Potencia.pptx61946171fatores de4-Fator-de-Potencia.pptx
61946171fatores de4-Fator-de-Potencia.pptx
 
Apostila elétrica
Apostila elétricaApostila elétrica
Apostila elétrica
 
Aula 02 - Curso de Suporte Técnico - Eletricidade - Professor Roney Sousa
Aula 02 - Curso de Suporte Técnico - Eletricidade - Professor Roney SousaAula 02 - Curso de Suporte Técnico - Eletricidade - Professor Roney Sousa
Aula 02 - Curso de Suporte Técnico - Eletricidade - Professor Roney Sousa
 
Fazer os exercicios
Fazer os exerciciosFazer os exercicios
Fazer os exercicios
 
exercícios de eletricidade.
exercícios de eletricidade.exercícios de eletricidade.
exercícios de eletricidade.
 
33-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét2-.pptx
33-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét2-.pptx33-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét2-.pptx
33-3a_serie_fisica_2021_Corrente elétrica-pot elét2-.pptx
 
aula 3 2021.ppt
aula 3 2021.pptaula 3 2021.ppt
aula 3 2021.ppt
 
HISTORIA DA ELETRICIDADE II.ppt
HISTORIA DA ELETRICIDADE II.pptHISTORIA DA ELETRICIDADE II.ppt
HISTORIA DA ELETRICIDADE II.ppt
 
Fique por dentro da elétrica
Fique por dentro da elétricaFique por dentro da elétrica
Fique por dentro da elétrica
 
Resistores parte 2
Resistores parte 2Resistores parte 2
Resistores parte 2
 
Eletrodinâmica 5 componentes elétricos
Eletrodinâmica 5    componentes elétricosEletrodinâmica 5    componentes elétricos
Eletrodinâmica 5 componentes elétricos
 
Apostila de eletricidade
Apostila de eletricidadeApostila de eletricidade
Apostila de eletricidade
 
Manual prysmian instalaçoes eletricas prediais
 Manual prysmian instalaçoes eletricas prediais Manual prysmian instalaçoes eletricas prediais
Manual prysmian instalaçoes eletricas prediais
 
Manual prysmian
Manual prysmianManual prysmian
Manual prysmian
 
Arthur besen soprano trabalho eletrotecnica
Arthur besen soprano   trabalho eletrotecnicaArthur besen soprano   trabalho eletrotecnica
Arthur besen soprano trabalho eletrotecnica
 
Potência elétricaddddddddddddddddddddd.ppt
Potência elétricaddddddddddddddddddddd.pptPotência elétricaddddddddddddddddddddd.ppt
Potência elétricaddddddddddddddddddddd.ppt
 
AULA 02 - Noções de Eletricidade.pptx
AULA 02 - Noções de Eletricidade.pptxAULA 02 - Noções de Eletricidade.pptx
AULA 02 - Noções de Eletricidade.pptx
 

Mais de ragrellos

eletrica
eletricaeletrica
eletrica
ragrellos
 
Nohana andrade plaza da silva
Nohana andrade plaza da silvaNohana andrade plaza da silva
Nohana andrade plaza da silva
ragrellos
 
Refrigeração
RefrigeraçãoRefrigeração
Refrigeração
ragrellos
 
Apostila de refrigeração
Apostila de refrigeraçãoApostila de refrigeração
Apostila de refrigeração
ragrellos
 
Pcp
PcpPcp
Conteudo medio português
 Conteudo medio português Conteudo medio português
Conteudo medio português
ragrellos
 
Reserva de vagas
Reserva de vagasReserva de vagas
Reserva de vagas
ragrellos
 

Mais de ragrellos (7)

eletrica
eletricaeletrica
eletrica
 
Nohana andrade plaza da silva
Nohana andrade plaza da silvaNohana andrade plaza da silva
Nohana andrade plaza da silva
 
Refrigeração
RefrigeraçãoRefrigeração
Refrigeração
 
Apostila de refrigeração
Apostila de refrigeraçãoApostila de refrigeração
Apostila de refrigeração
 
Pcp
PcpPcp
Pcp
 
Conteudo medio português
 Conteudo medio português Conteudo medio português
Conteudo medio português
 
Reserva de vagas
Reserva de vagasReserva de vagas
Reserva de vagas
 

Último

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 

Último (20)

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 

Eletrica.ppt 2

  • 3. APRESENTAÇÃO • A importância da eletricidade em nossas vidas é inquestionável. • Ela ilumina nossos lares, movimenta nossos eletrodomésticos, permite o • funcionamento dos aparelhos eletrônicos e aquece nosso banho. • Por outro lado, a eletricidade quando mal empregada, traz alguns perigos como • os choques, às vezes fatais, e os curto-circuitos, causadores de tantos incêndios. • A melhor forma de convivermos em harmonia com a eletricidade é conhecê-la, • tirando-lhe o maior proveito, desfrutando de todo o seu conforto com a máxima • segurança.
  • 4. Vamos começar falando um pouco a respeito da Eletricidade. Você já parou para pensar que está cercado de eletricidade por todos os lados ?
  • 5. Pois é ! Estamos tão acostumados com ela que nem percebemos que existe.
  • 6. Na realidade, a eletricidade é invisível. O que percebemos são seus efeitos, como: LUZ CALOR CHOQUE ELÉTRICO
  • 7. e... esses efeitos são possíveis devido a: CORRENTE ELÉTRICA TENSÃO ELÉTRICA POTÊNCIA ELÉTRICA
  • 8. TENSÃO E CORRENTE ELÉTRICA • Nos fios, existem partículas • invisíveis chamadas elétrons • livres, que estão em constante • movimento de forma • desordenada. • Para que estes elétrons livres • passem a se movimentar de • forma ordenada, nos fios, é • necessário ter uma força que os • empurre. A esta força é dado o • nome de tensão elétrica (U). Esse movimento ordenado dos elétrons livres nos fios, provocado pela ação da tensão, forma uma corrente de elétrons. Essa corrente de elétrons livres é chamada de corrente elétrica (I).
  • 9. Pode-se dizer então que: • TENSÃO • É a força que • impulsiona os • elétrons • livres nos • fios. • Sua unidade • de medida • é o volt (V). É o movimento ordenado dos elétrons livres nos fios. Sua unidade de medida é o ampère (A). CORRENTE ELÉTRICA
  • 10. POTÊNCIA ELÉTRICA • Agora, para entender • potência elétrica, • observe novamente o • desenho. A tensão elétrica faz movimentar os elétrons de forma ordenada, dando origem à corrente elétrica. Tendo a corrente elétrica, a lâmpada se acende e se aquece com uma certa intensidade.
  • 11. Essa intensidade de luz e calor percebida por nós (efeitos), nada mais é do que a potência elétrica que foi trasformada em potência luminosa (luz) e potência térmica (calor).
  • 12. É importante gravar: Para haver potência elétrica, é necessário haver: Tensão elétrica Corrente elétrica Agora... qual é a unidade de medida da potência elétrica ?
  • 13. Muito simples ! • a intensidade da tensão é • medida em volts (V). • a intensidade da corrente é • medida em ampère (A). Então, como a potência é o produto da ação da tensão e da corrente, a sua unidade de medida é o volt-ampère (VA). A essa potência dá-se o nome de potência
  • 14. A potência aparente é composta por duas parcelas: POTÊNCIA ATIVA POTÊNCIA REATIVA • A potência ativa é a parcela efetivamente transformada em: POTÊNCIA MECÂNICA POTÊNCIA TÉRMICA POTÊNCIA LUMINOSA A unidade de medida da potência ativa é o watt (W).
  • 15. A potência reativa é a parcela transformada em campo magnético, necessário ao funcionamento de: A unidade de medida da potência reativa é o volt-ampère reativo (VAr). MOTORES TRANSFORMADORES REATORES
  • 16. Em projetos de instalação elétrica residencial os cálculos efetuados são baseados na potência aparente e potência ativa. Portanto, é importante conhecer a relação entre elas para que se entenda o que é fator de potência. FATOR DE POTÊNCIA Sendo a potência ativa uma parcela da potência aparente, pode-se dizer que ela representa uma porcentagem da potência aparente que é transformada em potência mecânica, térmica ou luminosa. A esta porcentagem dá-se o nome de fator de potência. Nos projetos elétricos residenciais, desejando- se saber o quanto da potência aparente foi transformada em potência ativa, aplica-se os seguintes valores de fator de potência: 1,0 para iluminação 0,8 para tomadas de uso geral
  • 17. Exemplos potência de iluminação (aparente) = 660VA fator de potência a ser aplicado = 1 potência ativa de iluminação (W) 1x660VA= 660W potência de tomada de uso geral = 7300VA fator de potência a ser aplicado = 0,8 potência ativa de tomada de uso geral = 0,8x7300VA= 5840W Quando o fator de potência é igual a 1, significa que toda potência aparente é transformada em potência ativa. Isto acontece nos equipamentos que só possuem resistência, tais como: chuveiro elétrico, torneira elétrica, lâmpadas incandescentes, fogão elétrico, etc.
  • 18. Os conceitos vistos anteriormente possibilitarão o entendimento do próximo assunto: levantamento das potências (cargas) a serem instaladas na residência. • O levantamento das potências é feito mediante uma previsão das potências (cargas) mínimas de iluminação e tomadas a serem instaladas, possibilitando, assim, determinar a potência total prevista para a instalação elétrica residencial. A previsão de carga deve obedecer às prescrições da NBR 5410, item 4.2.1.2 A planta a seguir servirá de exemplo para o levantamento das potências.
  • 19.
  • 20.
  • 21. • Para área igual ou inferior a 6m2 atribuir um mínimo de 100VA. Para área superior a 6m2 atribuir um mínimo de 100VA. Para os primeiros 6m2, acrescido de 60VA para cada aumento de 4m2 inteiros. NOTA: a NBR 5410 não estabelece critérios para iluminação de áreas externas em residências, ficando a decisão por conta do projetista e do cliente.
  • 22.
  • 23. RECOMENDAÇÕES DA NBR 5410 PARA O LEVANTAMENTO DA CARGA DE TOMADAS cômodos ou dependências com área igual ou inferior a 6m2 no mínimo uma tomada cômodos ou dependências com mais de 6m2 no mínimo uma tomada para cada 5m ou fração de perímetro, espaçadas tão uniformemente quanto possível cozinhas, copas, copas-cozinhas uma tomada para cada 3,5m ou fração de perímetro, independente da área subsolos, varandas, garagens ou sotãos pelo menos uma tomada banheiros no mínimo uma tomada junto ao lavatório com uma distância mínima de 60cm do limite do boxe NOTA: em diversas aplicações, é recomendável prever uma quantidade de tomadas de uso geral maior do que o mínimo calculado, evitando-se, assim, o emprego de extensões e benjamins (tês) que, além de desperdiçarem energia, podem comprometer a segurança da instalação. 1. Condições para se estabelecer a quantidade mínima de tomadas de uso geral (TUG’s).
  • 24. TOMADAS DE USO GERAL (TUG’S) Não se destinam à ligação de equipamentos específicos e nelas são sempre ligados: aparelhos móveis ou aparelhos portáteis. 2. Condições para se estabelecer a potência mínima de tomadas de uso geral (TUG’s). banheiros, cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, lavanderias e locais semelhantes - atribuir, no mínimo, 600VA por tomada, até 3 tomadas. - atribuir 100VA para os excedentes. demais cômodos ou Dependências. - atribuir, no mínimo, 100VA por tomada.
  • 25. 3. Condições para se estabelecer a quantidade de tomadas de uso específico (TUE’s). A quantidade de TUE’s é estabelecida de acordo com o número de aparelhos de utilização que sabidamente vão estar fixos em uma dada posição no ambiente. TOMADAS DE USO ESPECÍFICO (TUE’S) São destinadas à ligação de equipamentos fixos e estacionários, como é o caso de: CHUVEIRO TORNEIRA ELÉTRICA SECADORA DE ROUPA NOTA: quando usamos o termo “tomada” de uso específico, não necessariamente queremos dizer que a ligação do equipamento à instalação elétrica irá utilizar uma tomada. Em alguns casos, a ligação poderá ser feita, por exemplo, por ligação direta (emenda) de fios ou por uso de conectores.
  • 26. 4. Condições para se estabelecer a potência de tomadas de uso específico (TUE’s). Atribuir a potência nominal do equipamento a ser alimentado. Conforme o que foi visto: Para se prever a carga de tomadas é necessário, primeiramente, prever a sua quantidade. Essa quantidade, segundo os critérios, é estabelecida a partir do cômodo em estudo, fazendo-se necessário ter: • ou o valor da área • ou o valor do perímetro • ou o valor da área e do perímetro. Os valores das áreas dos cômodos da planta do exemplo já estão calculados, faltando o cálculo do perímetro onde este se fizer necessário, para se prever a quantidade mínima de tomadas.
  • 27.
  • 28.
  • 29. Para obter a potência total da instalação, faz-se necessário: a) calcular a potência ativa; b) somar as potências ativas. OBSERVAÇÃO