SlideShare uma empresa Scribd logo
D3 - Inferir o sentido de uma palavra ou expressão.
1
1(SAERJ). Leia o texto abaixo e responda.
VERDE
No Nordeste brasileiro, as estações do ano são só duas: o inverno, de
fevereiro a maio, é o tempo das chuvas; depois é o longo verão sem
chuvas, de junho a janeiro.
Em julho, a folha domato começa a mudar. Deagosto a setembro,
as folhas secam e caem.De outubroem diante,o verde já desapareceudos
campos edas árvores. Ésó o chãoruivo e nu, as árvores de galhos secos
parecemmortas. Verdes,sóde longeemlongealguns juazeiros, que não
perdem as folhas.
A gente de lá adora o inverno, com suas águas,mas também gosta
do tempo seco.
Aquele soldeverãoparecequepurifica.Porali não existem essas
doenças dos climas úmidos, como impaludismo, as feridas bravas, a
sapiranga nos olhos,tantas outras. Todomundo colheue guardou o milho
e o feijão. Tendo mais uma cabra para dar leite às crianças, as galinhas no
quintal, mandioca para fazer farinha, os sertanejos acham que é uma boa
vida.
Assim mesmo, a terra seca doverãonão deixa de ser triste e até
feia. Mas então, porfins de janeiro, começo de fevereiro, de repente, dá
uma grande chuva, passa um dia e uma noite chovendo. E, na manhã
seguinte, quando a gente se levanta, descobre um milagre.
O chão, as moitas, as árvores –está tudo coberto de verde! Os
galhos secos se encheram de rebentos verdes, e a terra está feito um
tapete cerrado de brotos verdes que o povo chama babugem.
O sertão ressuscita, vestido de verde, e é a coisa mais linda do
mundo.
QUEIROZ, Rachel de. Memórias de Menina.Riode Janeiro: JoséOlympio,
2006.
Nesse texto, “babugem” (penúltimo parágrafo) é o mesmo que
A) cabra para dar leite às crianças.
B) mandioca para fazer farinha.
C) terra muito seca do verão.
D) terra coberta de brotos verdes.
-------------------------------------------------------------------
2(SAETHE). Leiao texto abaixo.
Históriadahora
Ele já estava alguns minutos atrasado. Anamorada dele havia pedido que
ele estivesse lá norelógio do shopping às oito horas em ponto porque a
sessão começaria às oito e quinze.
O chefe dele pediu para queeleterminasse um serviço. Mesmo
ele correndopara dar tempo de fazer tudo, ele acabou se atrasando na
hora de sairdo trabalho. Quando elesedeuconta, já eram sete equarenta
e cinco. Imediatamente ele se lembrou de que o estacionamento onde
estava o carrodelefechava às dezenove e trinta da noite. Mesmo tendo
perdido a hora, elefoi correndo para ver sedava tempode eleainda pegar
o carro. Tarde demais!
O tiozinho do estacionamento disseao rapaz da relojoaria vizinha
que ele não poderia esperar por mais ninguém. Ele tinha que fechar o
estabelecimento na hora certa por conta de um compromisso
importantíssimoqueele tinha às oito horas da noite lá nocentro da cidade.
Ele olhou para o relógio. Já eram sete e cinquenta e oito. Ele
resolveu ligar para a namorada edizer a ela que, infelizmente, apesar de
ele ter corrido contra o relógio, ele não conseguiria chegar a tempo de
assistir ao filme que ela há tantos dias esperava ver.
Ela deu um tempo e pensou. Depois, num gesto de extrema
compreensão, disse ao rapaz:
Tudo bem, amor!Nãovaifaltar tempo e nem oportunidade para
que, no futuro, a gente possa assistir a esse filme da hora.
SILVA, Edson Rodrigues. Disponível em:
<http://recantodacronica.blogspot.com.br/2010/10/texto-cronica-historia-
da-hora-cronicas.html>. Acessoem:17 nov. 2015.
Nesse texto, no trecho “Quando ele se deu conta,...” (2° parágrafo), a
expressão destacada significa
A) fazer um cálculo.
B) pagar uma dívida.
C) perceber algo.
D) ter capacidade.
-------------------------------------------------------------------
3(SAEPE). Leiao texto abaixo.
Bancose cadeiras
Era uma vez um homem quefazia bancos.Aprendeu desdepequeno a arte
de fazer bancos e,como era rápidoe vendia a mercadoria com facilidade,
nunca quis fazer outra coisa.
Ao lado da oficina dohomemquefabricava bancos, instalou-se um
outro artesão. Mas estesó fabricava cadeiras. Os clientes começaram a
dividir-se.
Alguns continuavam a comprar bancos, que eram mais baratos,
mas outros preferiam comprar cadeiras,um pouco mais caras, mas mais
cômodas.
O homem que fazia bancos enervou-se.Para poder vender bem o
produto do seu trabalho, baixou para metade o preço dos bancos. Os
bancos continuavam domesmo tamanho, o preço é que era mais baixo.
O concorrente ao lado fez o mesmo.Uma cadeira passoua sertão
barata que até dava vontade de rir.
Aproveitando a baixa de preços, cada vez iam mais clientes às
oficinas. Mas aquilo era umdisparate, tanto maior quanto, descendo os
preços, dedia para dia, chegou uma altura em que os bancos e as cadeiras
eram dados.
Os dois artesãos fartavam-se de trabalhar, noite e dia, para
responder aos pedidos. Arruinavam-se. Isto
mesmo lhes disse Joaquim, um amigo de ambos.
Por que é quevocês não sejuntame formamuma sociedade que
venda cadeiras e bancos, ao mesmo tempo e por um preço razoável? A
princípio, eles não queriam. Estavam habituados a trabalhar sozinhos e
cada qual tinha as suas razões dequeixa do outro.Mas conformaram-se, a
ver no que dava. Deu certo. ASociedadeBanco& Cadeira, formada pelos
dois antigos rivais, agora amigos, vai de vento em popa.
TORRADO, Antonio. Disponível em:
<http://www.anossaescola.com/cr/testes/dulcilene/leituraeinterpretacao.
Nesse texto, notrecho “Mas aquilo era um disparate,...” (6° parágrafo), a
palavra destacada tem
sentido de
A) absurdo.
B) bobagem.
C) brincadeira.
D) problema.
-------------------------------------------------------------------
4(PAEBES). Leiao texto abaixo.
Querida Ângela,
Depois que você foi embora para Ribeirão Preto, eu fiquei um
tempão andandopela casa que nembarata tonta, achandotudo muitosem
graça. Cada vez que eupensava queia ter queesperar as outras férias para
brincar outra vez com você, me dava vontade de sair gritando de raiva.
Mamãe medeuum picolépara eu ficar contente,mas a raiva era tanta que
eu mastiguei toda a ponta do pauzinho, até ficar franjinha. Mais tarde a
Maria e a Cláudia vieram me chamar para brincar. Nós ficamos pulando
corda na calçada,e depois sentamos nomuroe ficamos brincandode botar
apelidos nos meninos. O Carlinhos ficou sendoo Carlão-sem-sabão. Toda
vez que a mãedelechamava para tomarbanho, ele volta depois com outra
roupa, mas com a mesma cara. ACláudia disse que o Carlinhos abre o
chuveiro só pra mãedele ouvir o barulho, mas vai ver ele fica sentado na
privada vendo a água correr. Aí troca de roupa, e pronto.
A mania do Chicoé dizer que umjogo não valeu sempre que ele
está perdendo. Então, o apelido dele ficou sendo mesmo “Chico-não-
valeu”.Nãodeupara inventar mais apelido porque os meninos ficaram
loucos da vida,quiseram tomar a corda da gente e começaram a puxar
nosso cabelo. No fim cansou, a gente acabou indo todo mundo jogar
queimada na casa do Fernando.
Eu voltei para casa contenteda vida,mas quando o Fábio me viu
foi dizendo: “Tá tristinha porque a priminha foi embora? Vai ser ruim
mexericarsozinha por aí,né?”Ah, Ângela, que raiva! Às vezes dá vontade
de trocar esseirmão marmanjo poruma irmã do meu tamanhocomo você!
Um beijo,
Marisa
Disponívelem: <http://migre.me/n6vSo>.
No trecho “... que nem barata tonta,...” (2° parágrafo), a expressão
destacada tem o sentido de
A) estar doente.
B) estar preocupado.
C) ficar cansado de rodar.
D) ficar sem saber o que fazer.
D3 - Inferir o sentido de uma palavra ou expressão.
2
-------------------------------------------------------------------
5(PAEBES). Leiao texto abaixo.
Bucolismo
Bucolismo é o termo utilizado para designar uma espécie de
poesia pastoral, que descreve a qualidade ou o caráter dos costumes
rurais,exaltando as belezas da vida campestree da natureza, característica
do Arcadismo. A base material do progresso consubstanciava -se nas
cidades. Mudava o mundo, modernizavam-se as cidades e,
consequentemente, redobravam os problemas dos conglomerados
urbanos. Anatureza acenava com a ordem nos prados e nos campos, os
indivíduos resgatavamsentimentos corroídos pelo progresso. Os árcades
buscavamuma vida simples,bucólica,longe do burburinho citadino. Eles
tinham preferência pela vida nos campos, próxima à natureza.
Disponívelem: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Bucolismo>. Acesso em: 6
abr. 2014. Fragmento.
Nesse texto, notrecho “Os árcades buscavam uma vida simples, bucólica,
longe do burburinho citadino.”, a palavra destacada tem o sentido de
A) agitação.
B) buzina.
C) cansaço.
D) sussurro.
-------------------------------------------------------------------
(AVALIA-BH). Leiao texto abaixo.
A origem das Revespécies
Você já deveter quebrado muito a cabeça pra responder àquela
velha pergunta sobreo ovo ea galinha... Ora, convenhamos,desde que os
cientistas anunciaram o parentesco entre a dita-cuja e os dinossauros, não
é preciso nenhum Charles Darwin para matar essa charada...
Por um capricho da natureza,ficoudecidido queos dinossauros
pulariam degrandalhões para a categoria peso-pena, passariam a acordar
com as galinhas e seriam bichos muito bons de bico. Daí, foi só uma
tiranossauro botar umovo com umpintinho dentro para dar início à era
das galináceas no planeta. Pronto: o ovo veio primeiro.
E já que estamos falando sobre as transformações no reino
animal, é bom lembrar que a evolução não é privilégio apenas das
cocoriquentas. empos depois deum cavalo amarelo-malhado ter tomado
chá de trepadeira e ficado com as folhas entaladas na garganta,
transformou-senuma girafa.Quando umcamundongo gigante cansou de
levar seus filhos a tiracolo e amarrou uma bolsa na barriga, virou um
canguru. Já a gelatina queteve a sortedeser resgatada do Mar Morto por
um salva-vidas, ah, virou uma água-viva!
E os reveses nas espécies não param por aí. Tem exemplos de
revespécie pra dar e vender: Veja só:
Quem já era devagar quase parando virou preguiça.
Quem tinha samba no pé, virou cuíca.
Quem era bicho-papão ficou barrigudo.
Quem era cheio de pneuzinhos, borrachudo. [...]
CAMARGO, Maria Amália.NovaEscola. Edição especial.p. 13. Fragmento.
No trecho “Você já deveter quebrado muito acabeça...” (1° parágrafo), a
expressão em destaque
significa
A) distrair.
B) ferir.
C) machucar.
D) pensar.
-------------------------------------------------------------------
6(SAEMS). Leiao texto abaixo.
Novo acordo ortográfico
Após várias tentativas de se unificar a ortografia da Língua
Portuguesa, a partir de1º dejaneiro de2009passou a vigorar no Brasil e
em todos os países da CLP (Comunidadede países deLíngua Portuguesa) o
período detransição para as novas regras ortográficas que se finaliza em 31
de dezembro de 2012.
Algumas modificações foram feitas no sentido de promover a
união e proximidadedos países quetêm o português como língua oficial:
Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe,
Timor Leste, Brasil e Portugal.
No entanto, não énecessário quehaja aversão às alterações, pois
são simples e fáceis deserem apreendidas! Além disso, há um prazo de
adaptação que dá calmaria a todo processo de mudança! [...]
A ABL (Academia Brasileira de Letras) dispõe deum link paraquem
tiver dúvidas sobre o acordo, é só acessarwww.academia.org.br e procurar
o serviço “ABLResponde” à direita na página. No entanto, não há prazo
para queas respostas sejamenviadas, já que cada pergunta passará por
análise da comissão de lexicografia e lexicologia.
Visite esta seção etiretodas as suas dúvidas de maneira rápida e
objetiva, proporcionada por uma linguagem simples e prazerosa. Fique
sabendo detodas as mudanças ortográficas significativas para o Brasil! Ésó
clicar e informar-se!
Disponívelem: <http://www.brasilescola.com/acordo-ortografi co/>.
Acesso em: 30jun. 2011. Fragmento.
No trecho “Ésó clicar e informar-se!” (5° parágrafo), o verbo destacado
pode ser substituído por
A) apertar.
B) acessar.
C) estalar.
D) fixar.
-------------------------------------------------------------------
7(AREAL). Leiaostextosabaixo.
Não estresse: você tem maistempo do que pensa
Um novo livro ensina a usá-lo bem –sem estresse nem ansiedade
Se seu dia está curtodemais para tantas tarefas, há uma solução
simples,embora deaplicação difícil: mude-se para Vênus. Lá, o dia dura
243 vezes a duração dodia na Terra [...]. Imaginesó.Daria para trabalhar,
pegar um cineminha, encontrar os amigos, cuidar do cachorro, tirar uma
soneca depois do almoço [...]. Deve ser por isso que nunca se viu um
venusianoreclamar de estresse.Diantedas 5 832horas dodia deVênus, é
compreensível que os terráqueos se queixem tanto de seus dias de 24
horas. Segundo a escritora americana Laura Vanderkam, porém,
reclamamos debarriga cheia. Seu livro168hours.You have more time than
you think (168 horas. Você tem mais tempo do que pensa), ainda não
lançado no Brasil,tornou-sebest-sellerdefendendo duas teses incomuns
em obras sobreorganização do tempo.Aprimeira é quesomos bemmenos
ocupados do que imaginamos. A segunda é que a melhor maneira de
aproveitar bem o tempo é não se preocupar tanto assim com ele.
Nossa vida é tão corrida que livros sobre como administrar o
tempo se tornaram umgênero à parte nos últimos anos [...]. Em geral, eles
partem de uma premissa: o dia é curto para tantas tarefas. Amelhor
maneira de lidar com isso, segundo eles, é preenchê-lo [...]. De forma
rigorosa, cumprindo todas as tarefas de trabalho sem procrastinar e
planejando o tempo restantepara aproveitar cada segundo com a família
[...]ou praticando esportes. [...]
OSHIMA, Flávia Yuri. Disponívelem: <http://migre.me/fAudK>. Acesso em:
23 jul. 2013.Fragmento.
No Texto, no trecho “... porém, reclamamos de barriga cheia.” (1°
parágrafo), a expressão em destaque tem o mesmo sentido de
A) com pressa.
B) com raiva.
C) sem fome.
D) sem motivo.
-------------------------------------------------------------------
8(ProvaBrasil). Leiao texto abaixo:
Realidade com muitafantasia
Nascidoem 1937,o gaúchoMoacyr Scliar é um homem versátil:
médico e escritor, igualmenteatuante nas duas áreas.Dono de uma obra
literária extensa, éainda umbiógrafo demão cheia e colaboradorassíduo
de diversos jornais brasileiros. Seus livros para jovens e adultos são
sucesso depúblicoe decrítica e alguns já foram publicados no exterior.
Muito atento às situações-limitequedesagradam à vida humana,
Scliar combina emseus textos indícios deuma realidade bastanteconcreta
com cenas absolutamente fantásticas. Aconvivência entre realismo e
fantasia é harmoniosa e dela nascem os desfechos surpreendentes das
histórias.
D3 - Inferir o sentido de uma palavra ou expressão.
3
Em sua obra,são freqüentes questões de identidade judaica, do
cotidiano da medicina edo mundoda mídia, como, por exemplo, acontece
no conto “O dia em que matamos James Cagney”.
Para Gostar deLer, volume27.Histórias sobre Ética. Ática,1999.
A expressão sublinhada em “é ainda um biógrafo de mão cheia” (1°
parágrafo) significa que Scliar é
(A) crítico e detalhista.
(B) criativo e inconseqüente.
(C) habilidoso e talentoso.
(D) inteligente e ultrapassado.
-------------------------------------------------------------------
9 (ProvaBrasil). Leiao texto abaixo:
O Sapo
Era uma vez um lindopríncipepor quem todas as moças seapaixonavam.
Por ele também se apaixonou a bruxa horrenda que o pediu em
casamento.O príncipenemligou e a bruxa ficou muito brava. "Se não vai
casar comigo não vaisecasarcomninguém mais!"Olhou fundo nos olhos
dele e disse: "Você vai virar um sapo!"Ao ouvir esta palavra o príncipe
sentiu estremeção. Tevemedo.Acreditou. Eelevirou aquilo quea palavra
feitiço tinha dito. Sapo. Virou um sapo.
ALVES, Rubem. A Alegria de Ensinar. Ars Poética, 1994.
No trecho "O príncipe NEM LIGOU e a bruxa ficou muito brava", a
expressão destacada significa que:
(A) não deu atenção ao pedidode casamento.
(B) não entendeuo pedido decasamento.
(C) não respondeu à bruxa.
(D) não acreditou na bruxa.
-------------------------------------------------------------------
10(ProvaBrasil). Leiao texto abaixo:
DuasAlmas
Ó tu, que vens delonge, ó tu,quevens cansada,
entra, e sob esteteto encontrarás carinho:
eu nunca fui amado, evivotãosozinho,
vives sozinha sempre,e nunca fosteamada...
A neve anda a branquear,lividamente, a estrada,
e a minha alcova tema tepidez de umninho.
Entra, ao menos atéqueas curvas do caminho
se banhem noesplendor nascente da alvorada.
E amanhã,quando a luz do soldourar, radiosa,
essa estrada semfim, deserta,imensa e nua,
podes partir denovo, ó nômadeformosa!
Já não serei tãosó,nemirás tão sozinha.
Há de ficar comigo uma saudadetua...
Hás de levar contigo uma saudade minha...
WAMOSY, Alceu. Livrodos Sonetos. L&PM.
No verso "e a minha alcova tem a tepidez de um ninho"(v. 6), a expressão
sublinhada dá sentidode umlugar:
(A) aconchegante.
(B) belo.
(C) brando.
(D) elegante.
-------------------------------------------------------------------
11-Leia o texto abaixo.
Disponívelem: <http://www.monica.com.br/comics/
tirinhas/tira9.htm>Acessoem: 21 mar. 2010.
No trecho “Oh, meu anjo...”, a palavra destacada sugere
A) admiração.
B) impaciência.
C) invocação.
D) saudação.
-------------------------------------------------------------------
12-Leia o texto para responder a questão abaixo:
www.custodio.net
O uso da expressão “finalmente”, no primeiro quadrinho, indica que a
arrumação foi:
A) completa.
B) corrida.
C) demorada.
D) ma feita.
-------------------------------------------------------------------

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
Valeria Nunes
 
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagem
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagemAtividade avaliativa 9º figuras de linguagem
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagem
Katiuscia Soares
 
narrativa de_ficcao
narrativa de_ficcaonarrativa de_ficcao
narrativa de_ficcao
Douglas Rodriguez
 
Cruzadinha generos[1]
Cruzadinha generos[1]Cruzadinha generos[1]
Cruzadinha generos[1]
Ana De Paula
 
Contos populares
Contos populares Contos populares
Contos populares
mdufpa
 
Slides aula verbos
Slides   aula verbosSlides   aula verbos
Slides aula verbos
Bruno Souza de Oliveira
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
Jaciara Mota
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
guest6e3949
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
Alice Silva
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Edna Brito
 
Tempos verbais
Tempos verbaisTempos verbais
Tempos verbais
Mônica Abreu
 
Gênero textual - biografia
Gênero textual - biografiaGênero textual - biografia
Gênero textual - biografia
JohnJeffersonAlves1
 
O verbete
O verbeteO verbete
O verbete
ma.no.el.ne.ves
 
GÊNERO TEXTUAL: CHARGE
GÊNERO TEXTUAL: CHARGEGÊNERO TEXTUAL: CHARGE
GÊNERO TEXTUAL: CHARGE
Jomari
 
Variantes Linguísticas na Música
Variantes Linguísticas na MúsicaVariantes Linguísticas na Música
Variantes Linguísticas na Música
Pricila Yessayan
 
Aula quarto de despejo
Aula quarto de despejoAula quarto de despejo
Aula quarto de despejo
Fabiana Fioretti
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
Cláudia Heloísa
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
Ana Claudia André
 
Ii simulado da prova saego-saeb-9ºano - alunos
Ii   simulado da prova saego-saeb-9ºano - alunosIi   simulado da prova saego-saeb-9ºano - alunos
Ii simulado da prova saego-saeb-9ºano - alunos
Hilton Cézar Rezende
 

Mais procurados (20)

Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagem
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagemAtividade avaliativa 9º figuras de linguagem
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagem
 
narrativa de_ficcao
narrativa de_ficcaonarrativa de_ficcao
narrativa de_ficcao
 
Cruzadinha generos[1]
Cruzadinha generos[1]Cruzadinha generos[1]
Cruzadinha generos[1]
 
Contos populares
Contos populares Contos populares
Contos populares
 
Slides aula verbos
Slides   aula verbosSlides   aula verbos
Slides aula verbos
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Tempos verbais
Tempos verbaisTempos verbais
Tempos verbais
 
Gênero textual - biografia
Gênero textual - biografiaGênero textual - biografia
Gênero textual - biografia
 
O verbete
O verbeteO verbete
O verbete
 
GÊNERO TEXTUAL: CHARGE
GÊNERO TEXTUAL: CHARGEGÊNERO TEXTUAL: CHARGE
GÊNERO TEXTUAL: CHARGE
 
Variantes Linguísticas na Música
Variantes Linguísticas na MúsicaVariantes Linguísticas na Música
Variantes Linguísticas na Música
 
Aula quarto de despejo
Aula quarto de despejoAula quarto de despejo
Aula quarto de despejo
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Ii simulado da prova saego-saeb-9ºano - alunos
Ii   simulado da prova saego-saeb-9ºano - alunosIi   simulado da prova saego-saeb-9ºano - alunos
Ii simulado da prova saego-saeb-9ºano - alunos
 

Semelhante a Descritor 3

D11 (5º Ano - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc
D11 (5º Ano - L.P - BLOG do Prof. Warles).docD11 (5º Ano - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc
D11 (5º Ano - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc
susamar1
 
D12 (5º ano l.p.)
D12 (5º ano   l.p.)D12 (5º ano   l.p.)
D12 (5º ano l.p.)
Cidinha Paulo
 
D14 (5º ano l.p.)
D14 (5º ano   l.p.)D14 (5º ano   l.p.)
D14 (5º ano l.p.)
Cidinha Paulo
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 3º ANO DO I CICLO - ENSINO FUNDAMENTAL 1
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 3º ANO DO I CICLO - ENSINO FUNDAMENTAL 1AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 3º ANO DO I CICLO - ENSINO FUNDAMENTAL 1
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 3º ANO DO I CICLO - ENSINO FUNDAMENTAL 1
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
D8 (por descritores port 5º ano)
D8  (por descritores port  5º ano)D8  (por descritores port  5º ano)
D8 (por descritores port 5º ano)
Cidinha Paulo
 
Simulado 22 (port. 5º ano)
Simulado 22 (port. 5º ano)Simulado 22 (port. 5º ano)
Simulado 22 (port. 5º ano)
Cidinha Paulo
 
Simulado 2 (port. 5º ano)
Simulado 2 (port. 5º ano)Simulado 2 (port. 5º ano)
Simulado 2 (port. 5º ano)
Cidinha Paulo
 
D1 (descritores port. 5º ano)
D1 (descritores port. 5º ano)D1 (descritores port. 5º ano)
D1 (descritores port. 5º ano)
Cidinha Paulo
 
atividade para casa 5 ano.pdf
atividade para casa 5 ano.pdfatividade para casa 5 ano.pdf
atividade para casa 5 ano.pdf
SirleneMazotti2
 
D8 (5º ano l.p.)
D8 (5º ano   l.p.)D8 (5º ano   l.p.)
D8 (5º ano l.p.)
Cidinha Paulo
 
Simulado 01 l.p. 5º ano
Simulado 01 l.p. 5º anoSimulado 01 l.p. 5º ano
Simulado 01 l.p. 5º ano
Cidinha Paulo
 
D1 (5º ano l.p)
D1 (5º ano   l.p)D1 (5º ano   l.p)
D1 (5º ano l.p)
Cidinha Paulo
 
3º ano aval. diag. port.
3º ano aval. diag. port.3º ano aval. diag. port.
3º ano aval. diag. port.
Cida Carvalho
 
Simulado 12 (port. 5º ano)
Simulado 12 (port. 5º ano)Simulado 12 (port. 5º ano)
Simulado 12 (port. 5º ano)
Cidinha Paulo
 
D13 (5º ano l.p.)
D13 (5º ano   l.p.)D13 (5º ano   l.p.)
D13 (5º ano l.p.)
Cidinha Paulo
 
Simulado português e matematica 8 anos ok
Simulado português e matematica 8 anos okSimulado português e matematica 8 anos ok
Simulado português e matematica 8 anos ok
Ederson Jacob Zanardo
 
Simulado português e matematica 8 anos ok
Simulado português e matematica 8 anos okSimulado português e matematica 8 anos ok
Simulado português e matematica 8 anos ok
Ederson Jacob Zanardo
 
Simulado 23 (port. 5º ano)
Simulado 23 (port. 5º ano)Simulado 23 (port. 5º ano)
Simulado 23 (port. 5º ano)
Cidinha Paulo
 
Simulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabaritoSimulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabarito
Roseli Aparecida Tavares
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESAAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 

Semelhante a Descritor 3 (20)

D11 (5º Ano - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc
D11 (5º Ano - L.P - BLOG do Prof. Warles).docD11 (5º Ano - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc
D11 (5º Ano - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc
 
D12 (5º ano l.p.)
D12 (5º ano   l.p.)D12 (5º ano   l.p.)
D12 (5º ano l.p.)
 
D14 (5º ano l.p.)
D14 (5º ano   l.p.)D14 (5º ano   l.p.)
D14 (5º ano l.p.)
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 3º ANO DO I CICLO - ENSINO FUNDAMENTAL 1
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 3º ANO DO I CICLO - ENSINO FUNDAMENTAL 1AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 3º ANO DO I CICLO - ENSINO FUNDAMENTAL 1
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 3º ANO DO I CICLO - ENSINO FUNDAMENTAL 1
 
D8 (por descritores port 5º ano)
D8  (por descritores port  5º ano)D8  (por descritores port  5º ano)
D8 (por descritores port 5º ano)
 
Simulado 22 (port. 5º ano)
Simulado 22 (port. 5º ano)Simulado 22 (port. 5º ano)
Simulado 22 (port. 5º ano)
 
Simulado 2 (port. 5º ano)
Simulado 2 (port. 5º ano)Simulado 2 (port. 5º ano)
Simulado 2 (port. 5º ano)
 
D1 (descritores port. 5º ano)
D1 (descritores port. 5º ano)D1 (descritores port. 5º ano)
D1 (descritores port. 5º ano)
 
atividade para casa 5 ano.pdf
atividade para casa 5 ano.pdfatividade para casa 5 ano.pdf
atividade para casa 5 ano.pdf
 
D8 (5º ano l.p.)
D8 (5º ano   l.p.)D8 (5º ano   l.p.)
D8 (5º ano l.p.)
 
Simulado 01 l.p. 5º ano
Simulado 01 l.p. 5º anoSimulado 01 l.p. 5º ano
Simulado 01 l.p. 5º ano
 
D1 (5º ano l.p)
D1 (5º ano   l.p)D1 (5º ano   l.p)
D1 (5º ano l.p)
 
3º ano aval. diag. port.
3º ano aval. diag. port.3º ano aval. diag. port.
3º ano aval. diag. port.
 
Simulado 12 (port. 5º ano)
Simulado 12 (port. 5º ano)Simulado 12 (port. 5º ano)
Simulado 12 (port. 5º ano)
 
D13 (5º ano l.p.)
D13 (5º ano   l.p.)D13 (5º ano   l.p.)
D13 (5º ano l.p.)
 
Simulado português e matematica 8 anos ok
Simulado português e matematica 8 anos okSimulado português e matematica 8 anos ok
Simulado português e matematica 8 anos ok
 
Simulado português e matematica 8 anos ok
Simulado português e matematica 8 anos okSimulado português e matematica 8 anos ok
Simulado português e matematica 8 anos ok
 
Simulado 23 (port. 5º ano)
Simulado 23 (port. 5º ano)Simulado 23 (port. 5º ano)
Simulado 23 (port. 5º ano)
 
Simulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabaritoSimulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabarito
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESAAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
 

Mais de Doane Castro

Tipos de predicado 05 de abril
Tipos de predicado 05 de abrilTipos de predicado 05 de abril
Tipos de predicado 05 de abril
Doane Castro
 
Atividade 8º ano 13 a 23 de outubro.
Atividade 8º ano 13 a 23 de outubro.Atividade 8º ano 13 a 23 de outubro.
Atividade 8º ano 13 a 23 de outubro.
Doane Castro
 
Atividade 11 9º ano- lp- revisão 2º corte
Atividade 11  9º ano- lp- revisão 2º corteAtividade 11  9º ano- lp- revisão 2º corte
Atividade 11 9º ano- lp- revisão 2º corte
Doane Castro
 
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Doane Castro
 
Autoretrato
AutoretratoAutoretrato
Autoretrato
Doane Castro
 
Material do-educador-aulas-de-estudo-orientado
Material do-educador-aulas-de-estudo-orientadoMaterial do-educador-aulas-de-estudo-orientado
Material do-educador-aulas-de-estudo-orientado
Doane Castro
 
Empreender..
Empreender..Empreender..
Empreender..
Doane Castro
 
Empreender
EmpreenderEmpreender
Empreender
Doane Castro
 
Apostila de arte
Apostila de arteApostila de arte
Apostila de arte
Doane Castro
 

Mais de Doane Castro (9)

Tipos de predicado 05 de abril
Tipos de predicado 05 de abrilTipos de predicado 05 de abril
Tipos de predicado 05 de abril
 
Atividade 8º ano 13 a 23 de outubro.
Atividade 8º ano 13 a 23 de outubro.Atividade 8º ano 13 a 23 de outubro.
Atividade 8º ano 13 a 23 de outubro.
 
Atividade 11 9º ano- lp- revisão 2º corte
Atividade 11  9º ano- lp- revisão 2º corteAtividade 11  9º ano- lp- revisão 2º corte
Atividade 11 9º ano- lp- revisão 2º corte
 
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
 
Autoretrato
AutoretratoAutoretrato
Autoretrato
 
Material do-educador-aulas-de-estudo-orientado
Material do-educador-aulas-de-estudo-orientadoMaterial do-educador-aulas-de-estudo-orientado
Material do-educador-aulas-de-estudo-orientado
 
Empreender..
Empreender..Empreender..
Empreender..
 
Empreender
EmpreenderEmpreender
Empreender
 
Apostila de arte
Apostila de arteApostila de arte
Apostila de arte
 

Descritor 3

  • 1. D3 - Inferir o sentido de uma palavra ou expressão. 1 1(SAERJ). Leia o texto abaixo e responda. VERDE No Nordeste brasileiro, as estações do ano são só duas: o inverno, de fevereiro a maio, é o tempo das chuvas; depois é o longo verão sem chuvas, de junho a janeiro. Em julho, a folha domato começa a mudar. Deagosto a setembro, as folhas secam e caem.De outubroem diante,o verde já desapareceudos campos edas árvores. Ésó o chãoruivo e nu, as árvores de galhos secos parecemmortas. Verdes,sóde longeemlongealguns juazeiros, que não perdem as folhas. A gente de lá adora o inverno, com suas águas,mas também gosta do tempo seco. Aquele soldeverãoparecequepurifica.Porali não existem essas doenças dos climas úmidos, como impaludismo, as feridas bravas, a sapiranga nos olhos,tantas outras. Todomundo colheue guardou o milho e o feijão. Tendo mais uma cabra para dar leite às crianças, as galinhas no quintal, mandioca para fazer farinha, os sertanejos acham que é uma boa vida. Assim mesmo, a terra seca doverãonão deixa de ser triste e até feia. Mas então, porfins de janeiro, começo de fevereiro, de repente, dá uma grande chuva, passa um dia e uma noite chovendo. E, na manhã seguinte, quando a gente se levanta, descobre um milagre. O chão, as moitas, as árvores –está tudo coberto de verde! Os galhos secos se encheram de rebentos verdes, e a terra está feito um tapete cerrado de brotos verdes que o povo chama babugem. O sertão ressuscita, vestido de verde, e é a coisa mais linda do mundo. QUEIROZ, Rachel de. Memórias de Menina.Riode Janeiro: JoséOlympio, 2006. Nesse texto, “babugem” (penúltimo parágrafo) é o mesmo que A) cabra para dar leite às crianças. B) mandioca para fazer farinha. C) terra muito seca do verão. D) terra coberta de brotos verdes. ------------------------------------------------------------------- 2(SAETHE). Leiao texto abaixo. Históriadahora Ele já estava alguns minutos atrasado. Anamorada dele havia pedido que ele estivesse lá norelógio do shopping às oito horas em ponto porque a sessão começaria às oito e quinze. O chefe dele pediu para queeleterminasse um serviço. Mesmo ele correndopara dar tempo de fazer tudo, ele acabou se atrasando na hora de sairdo trabalho. Quando elesedeuconta, já eram sete equarenta e cinco. Imediatamente ele se lembrou de que o estacionamento onde estava o carrodelefechava às dezenove e trinta da noite. Mesmo tendo perdido a hora, elefoi correndo para ver sedava tempode eleainda pegar o carro. Tarde demais! O tiozinho do estacionamento disseao rapaz da relojoaria vizinha que ele não poderia esperar por mais ninguém. Ele tinha que fechar o estabelecimento na hora certa por conta de um compromisso importantíssimoqueele tinha às oito horas da noite lá nocentro da cidade. Ele olhou para o relógio. Já eram sete e cinquenta e oito. Ele resolveu ligar para a namorada edizer a ela que, infelizmente, apesar de ele ter corrido contra o relógio, ele não conseguiria chegar a tempo de assistir ao filme que ela há tantos dias esperava ver. Ela deu um tempo e pensou. Depois, num gesto de extrema compreensão, disse ao rapaz: Tudo bem, amor!Nãovaifaltar tempo e nem oportunidade para que, no futuro, a gente possa assistir a esse filme da hora. SILVA, Edson Rodrigues. Disponível em: <http://recantodacronica.blogspot.com.br/2010/10/texto-cronica-historia- da-hora-cronicas.html>. Acessoem:17 nov. 2015. Nesse texto, no trecho “Quando ele se deu conta,...” (2° parágrafo), a expressão destacada significa A) fazer um cálculo. B) pagar uma dívida. C) perceber algo. D) ter capacidade. ------------------------------------------------------------------- 3(SAEPE). Leiao texto abaixo. Bancose cadeiras Era uma vez um homem quefazia bancos.Aprendeu desdepequeno a arte de fazer bancos e,como era rápidoe vendia a mercadoria com facilidade, nunca quis fazer outra coisa. Ao lado da oficina dohomemquefabricava bancos, instalou-se um outro artesão. Mas estesó fabricava cadeiras. Os clientes começaram a dividir-se. Alguns continuavam a comprar bancos, que eram mais baratos, mas outros preferiam comprar cadeiras,um pouco mais caras, mas mais cômodas. O homem que fazia bancos enervou-se.Para poder vender bem o produto do seu trabalho, baixou para metade o preço dos bancos. Os bancos continuavam domesmo tamanho, o preço é que era mais baixo. O concorrente ao lado fez o mesmo.Uma cadeira passoua sertão barata que até dava vontade de rir. Aproveitando a baixa de preços, cada vez iam mais clientes às oficinas. Mas aquilo era umdisparate, tanto maior quanto, descendo os preços, dedia para dia, chegou uma altura em que os bancos e as cadeiras eram dados. Os dois artesãos fartavam-se de trabalhar, noite e dia, para responder aos pedidos. Arruinavam-se. Isto mesmo lhes disse Joaquim, um amigo de ambos. Por que é quevocês não sejuntame formamuma sociedade que venda cadeiras e bancos, ao mesmo tempo e por um preço razoável? A princípio, eles não queriam. Estavam habituados a trabalhar sozinhos e cada qual tinha as suas razões dequeixa do outro.Mas conformaram-se, a ver no que dava. Deu certo. ASociedadeBanco& Cadeira, formada pelos dois antigos rivais, agora amigos, vai de vento em popa. TORRADO, Antonio. Disponível em: <http://www.anossaescola.com/cr/testes/dulcilene/leituraeinterpretacao. Nesse texto, notrecho “Mas aquilo era um disparate,...” (6° parágrafo), a palavra destacada tem sentido de A) absurdo. B) bobagem. C) brincadeira. D) problema. ------------------------------------------------------------------- 4(PAEBES). Leiao texto abaixo. Querida Ângela, Depois que você foi embora para Ribeirão Preto, eu fiquei um tempão andandopela casa que nembarata tonta, achandotudo muitosem graça. Cada vez que eupensava queia ter queesperar as outras férias para brincar outra vez com você, me dava vontade de sair gritando de raiva. Mamãe medeuum picolépara eu ficar contente,mas a raiva era tanta que eu mastiguei toda a ponta do pauzinho, até ficar franjinha. Mais tarde a Maria e a Cláudia vieram me chamar para brincar. Nós ficamos pulando corda na calçada,e depois sentamos nomuroe ficamos brincandode botar apelidos nos meninos. O Carlinhos ficou sendoo Carlão-sem-sabão. Toda vez que a mãedelechamava para tomarbanho, ele volta depois com outra roupa, mas com a mesma cara. ACláudia disse que o Carlinhos abre o chuveiro só pra mãedele ouvir o barulho, mas vai ver ele fica sentado na privada vendo a água correr. Aí troca de roupa, e pronto. A mania do Chicoé dizer que umjogo não valeu sempre que ele está perdendo. Então, o apelido dele ficou sendo mesmo “Chico-não- valeu”.Nãodeupara inventar mais apelido porque os meninos ficaram loucos da vida,quiseram tomar a corda da gente e começaram a puxar nosso cabelo. No fim cansou, a gente acabou indo todo mundo jogar queimada na casa do Fernando. Eu voltei para casa contenteda vida,mas quando o Fábio me viu foi dizendo: “Tá tristinha porque a priminha foi embora? Vai ser ruim mexericarsozinha por aí,né?”Ah, Ângela, que raiva! Às vezes dá vontade de trocar esseirmão marmanjo poruma irmã do meu tamanhocomo você! Um beijo, Marisa Disponívelem: <http://migre.me/n6vSo>. No trecho “... que nem barata tonta,...” (2° parágrafo), a expressão destacada tem o sentido de A) estar doente. B) estar preocupado. C) ficar cansado de rodar. D) ficar sem saber o que fazer.
  • 2. D3 - Inferir o sentido de uma palavra ou expressão. 2 ------------------------------------------------------------------- 5(PAEBES). Leiao texto abaixo. Bucolismo Bucolismo é o termo utilizado para designar uma espécie de poesia pastoral, que descreve a qualidade ou o caráter dos costumes rurais,exaltando as belezas da vida campestree da natureza, característica do Arcadismo. A base material do progresso consubstanciava -se nas cidades. Mudava o mundo, modernizavam-se as cidades e, consequentemente, redobravam os problemas dos conglomerados urbanos. Anatureza acenava com a ordem nos prados e nos campos, os indivíduos resgatavamsentimentos corroídos pelo progresso. Os árcades buscavamuma vida simples,bucólica,longe do burburinho citadino. Eles tinham preferência pela vida nos campos, próxima à natureza. Disponívelem: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Bucolismo>. Acesso em: 6 abr. 2014. Fragmento. Nesse texto, notrecho “Os árcades buscavam uma vida simples, bucólica, longe do burburinho citadino.”, a palavra destacada tem o sentido de A) agitação. B) buzina. C) cansaço. D) sussurro. ------------------------------------------------------------------- (AVALIA-BH). Leiao texto abaixo. A origem das Revespécies Você já deveter quebrado muito a cabeça pra responder àquela velha pergunta sobreo ovo ea galinha... Ora, convenhamos,desde que os cientistas anunciaram o parentesco entre a dita-cuja e os dinossauros, não é preciso nenhum Charles Darwin para matar essa charada... Por um capricho da natureza,ficoudecidido queos dinossauros pulariam degrandalhões para a categoria peso-pena, passariam a acordar com as galinhas e seriam bichos muito bons de bico. Daí, foi só uma tiranossauro botar umovo com umpintinho dentro para dar início à era das galináceas no planeta. Pronto: o ovo veio primeiro. E já que estamos falando sobre as transformações no reino animal, é bom lembrar que a evolução não é privilégio apenas das cocoriquentas. empos depois deum cavalo amarelo-malhado ter tomado chá de trepadeira e ficado com as folhas entaladas na garganta, transformou-senuma girafa.Quando umcamundongo gigante cansou de levar seus filhos a tiracolo e amarrou uma bolsa na barriga, virou um canguru. Já a gelatina queteve a sortedeser resgatada do Mar Morto por um salva-vidas, ah, virou uma água-viva! E os reveses nas espécies não param por aí. Tem exemplos de revespécie pra dar e vender: Veja só: Quem já era devagar quase parando virou preguiça. Quem tinha samba no pé, virou cuíca. Quem era bicho-papão ficou barrigudo. Quem era cheio de pneuzinhos, borrachudo. [...] CAMARGO, Maria Amália.NovaEscola. Edição especial.p. 13. Fragmento. No trecho “Você já deveter quebrado muito acabeça...” (1° parágrafo), a expressão em destaque significa A) distrair. B) ferir. C) machucar. D) pensar. ------------------------------------------------------------------- 6(SAEMS). Leiao texto abaixo. Novo acordo ortográfico Após várias tentativas de se unificar a ortografia da Língua Portuguesa, a partir de1º dejaneiro de2009passou a vigorar no Brasil e em todos os países da CLP (Comunidadede países deLíngua Portuguesa) o período detransição para as novas regras ortográficas que se finaliza em 31 de dezembro de 2012. Algumas modificações foram feitas no sentido de promover a união e proximidadedos países quetêm o português como língua oficial: Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Timor Leste, Brasil e Portugal. No entanto, não énecessário quehaja aversão às alterações, pois são simples e fáceis deserem apreendidas! Além disso, há um prazo de adaptação que dá calmaria a todo processo de mudança! [...] A ABL (Academia Brasileira de Letras) dispõe deum link paraquem tiver dúvidas sobre o acordo, é só acessarwww.academia.org.br e procurar o serviço “ABLResponde” à direita na página. No entanto, não há prazo para queas respostas sejamenviadas, já que cada pergunta passará por análise da comissão de lexicografia e lexicologia. Visite esta seção etiretodas as suas dúvidas de maneira rápida e objetiva, proporcionada por uma linguagem simples e prazerosa. Fique sabendo detodas as mudanças ortográficas significativas para o Brasil! Ésó clicar e informar-se! Disponívelem: <http://www.brasilescola.com/acordo-ortografi co/>. Acesso em: 30jun. 2011. Fragmento. No trecho “Ésó clicar e informar-se!” (5° parágrafo), o verbo destacado pode ser substituído por A) apertar. B) acessar. C) estalar. D) fixar. ------------------------------------------------------------------- 7(AREAL). Leiaostextosabaixo. Não estresse: você tem maistempo do que pensa Um novo livro ensina a usá-lo bem –sem estresse nem ansiedade Se seu dia está curtodemais para tantas tarefas, há uma solução simples,embora deaplicação difícil: mude-se para Vênus. Lá, o dia dura 243 vezes a duração dodia na Terra [...]. Imaginesó.Daria para trabalhar, pegar um cineminha, encontrar os amigos, cuidar do cachorro, tirar uma soneca depois do almoço [...]. Deve ser por isso que nunca se viu um venusianoreclamar de estresse.Diantedas 5 832horas dodia deVênus, é compreensível que os terráqueos se queixem tanto de seus dias de 24 horas. Segundo a escritora americana Laura Vanderkam, porém, reclamamos debarriga cheia. Seu livro168hours.You have more time than you think (168 horas. Você tem mais tempo do que pensa), ainda não lançado no Brasil,tornou-sebest-sellerdefendendo duas teses incomuns em obras sobreorganização do tempo.Aprimeira é quesomos bemmenos ocupados do que imaginamos. A segunda é que a melhor maneira de aproveitar bem o tempo é não se preocupar tanto assim com ele. Nossa vida é tão corrida que livros sobre como administrar o tempo se tornaram umgênero à parte nos últimos anos [...]. Em geral, eles partem de uma premissa: o dia é curto para tantas tarefas. Amelhor maneira de lidar com isso, segundo eles, é preenchê-lo [...]. De forma rigorosa, cumprindo todas as tarefas de trabalho sem procrastinar e planejando o tempo restantepara aproveitar cada segundo com a família [...]ou praticando esportes. [...] OSHIMA, Flávia Yuri. Disponívelem: <http://migre.me/fAudK>. Acesso em: 23 jul. 2013.Fragmento. No Texto, no trecho “... porém, reclamamos de barriga cheia.” (1° parágrafo), a expressão em destaque tem o mesmo sentido de A) com pressa. B) com raiva. C) sem fome. D) sem motivo. ------------------------------------------------------------------- 8(ProvaBrasil). Leiao texto abaixo: Realidade com muitafantasia Nascidoem 1937,o gaúchoMoacyr Scliar é um homem versátil: médico e escritor, igualmenteatuante nas duas áreas.Dono de uma obra literária extensa, éainda umbiógrafo demão cheia e colaboradorassíduo de diversos jornais brasileiros. Seus livros para jovens e adultos são sucesso depúblicoe decrítica e alguns já foram publicados no exterior. Muito atento às situações-limitequedesagradam à vida humana, Scliar combina emseus textos indícios deuma realidade bastanteconcreta com cenas absolutamente fantásticas. Aconvivência entre realismo e fantasia é harmoniosa e dela nascem os desfechos surpreendentes das histórias.
  • 3. D3 - Inferir o sentido de uma palavra ou expressão. 3 Em sua obra,são freqüentes questões de identidade judaica, do cotidiano da medicina edo mundoda mídia, como, por exemplo, acontece no conto “O dia em que matamos James Cagney”. Para Gostar deLer, volume27.Histórias sobre Ética. Ática,1999. A expressão sublinhada em “é ainda um biógrafo de mão cheia” (1° parágrafo) significa que Scliar é (A) crítico e detalhista. (B) criativo e inconseqüente. (C) habilidoso e talentoso. (D) inteligente e ultrapassado. ------------------------------------------------------------------- 9 (ProvaBrasil). Leiao texto abaixo: O Sapo Era uma vez um lindopríncipepor quem todas as moças seapaixonavam. Por ele também se apaixonou a bruxa horrenda que o pediu em casamento.O príncipenemligou e a bruxa ficou muito brava. "Se não vai casar comigo não vaisecasarcomninguém mais!"Olhou fundo nos olhos dele e disse: "Você vai virar um sapo!"Ao ouvir esta palavra o príncipe sentiu estremeção. Tevemedo.Acreditou. Eelevirou aquilo quea palavra feitiço tinha dito. Sapo. Virou um sapo. ALVES, Rubem. A Alegria de Ensinar. Ars Poética, 1994. No trecho "O príncipe NEM LIGOU e a bruxa ficou muito brava", a expressão destacada significa que: (A) não deu atenção ao pedidode casamento. (B) não entendeuo pedido decasamento. (C) não respondeu à bruxa. (D) não acreditou na bruxa. ------------------------------------------------------------------- 10(ProvaBrasil). Leiao texto abaixo: DuasAlmas Ó tu, que vens delonge, ó tu,quevens cansada, entra, e sob esteteto encontrarás carinho: eu nunca fui amado, evivotãosozinho, vives sozinha sempre,e nunca fosteamada... A neve anda a branquear,lividamente, a estrada, e a minha alcova tema tepidez de umninho. Entra, ao menos atéqueas curvas do caminho se banhem noesplendor nascente da alvorada. E amanhã,quando a luz do soldourar, radiosa, essa estrada semfim, deserta,imensa e nua, podes partir denovo, ó nômadeformosa! Já não serei tãosó,nemirás tão sozinha. Há de ficar comigo uma saudadetua... Hás de levar contigo uma saudade minha... WAMOSY, Alceu. Livrodos Sonetos. L&PM. No verso "e a minha alcova tem a tepidez de um ninho"(v. 6), a expressão sublinhada dá sentidode umlugar: (A) aconchegante. (B) belo. (C) brando. (D) elegante. ------------------------------------------------------------------- 11-Leia o texto abaixo. Disponívelem: <http://www.monica.com.br/comics/ tirinhas/tira9.htm>Acessoem: 21 mar. 2010. No trecho “Oh, meu anjo...”, a palavra destacada sugere A) admiração. B) impaciência. C) invocação. D) saudação. ------------------------------------------------------------------- 12-Leia o texto para responder a questão abaixo: www.custodio.net O uso da expressão “finalmente”, no primeiro quadrinho, indica que a arrumação foi: A) completa. B) corrida. C) demorada. D) ma feita. -------------------------------------------------------------------