SlideShare uma empresa Scribd logo
MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 1 A cristologia estuda  mistério de Cristo : da sua pessoa e da sua obra redentora numa  unidade  indissolúvel. Jesus é Filho  de Deus feito homem e,  ao mesmo tempo,  o Salvador esperado. Não se podem separar estes dois aspectos: 1 ) a  finalidade  da sua vinda ao mundo é precisamente a  salvação  dos homens; 2 ) Unicamente o  Filho de Deus  pode rea- lizar uma autêntica  redenção  do pecado do mundo. Vamos ver na segunda parte de Cristo- logia a  acção redentora , tendo presente  o já visto acerca da sua pessoa. CR2 1 de 55
MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 2 Todos os homens albergam uma esperança profunda de  alcançar a  verdade  e o  bem  e um anseio de conseguir a  felicidade . CCE 843 : “ A Igreja reconhece nas  outras  religiões a busca, ‘entre sombras e imagens’, do Deus desconhecido mas  próximo  já que é Ele que dá a todos a vida, o alento e todas as coisas e quer que  todos os homens se salvem. Assim, a Igreja aprecia tudo o que é  bom e  verdadeiro  que se pode encontrar nas diversas religiões”.  CCE 844 : “Mas, no seu comportamento religioso, os homens mostram também  limites e erros  que neles desfiguram a imagem de Deus”. Cristo revela que Deus nos  ama  e nos destinou antes da criação do mundo a una aliança que nos faz participar da sua  vida infinitamente  feliz . CR2 2 de 55
MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 3 A Bíblia ensina-nos que a origem do mal e do sofrimento está n “ mistério de iniquidade ” que é o  pecado : o de alguns  anjos  e os dos homens , principalmente o  original , mas também os pessoais de cada homem e de cada mulher. O homem  só  com as suas forças  não  pode libertar-se do pecado e das  suas consequências. A  verdadeira  e completa  libertação  do homem procede  unicamente de Deus : “a prova de que Deus nos ama é que Cristo, sendo nós ainda pecadores, morreu por nós” ( Rom 5, 8 ). A  imagem de Deus  na pessoa humana foi obscurecida e desfigurada pelo pecado, mas  não destruída totalmente . CR2 3 de 55
MISTERIO DA REDENÇÃO, 4 Ao defender a capacidade da  razão  humana para  conhecer   Deus, a Igreja expressa a sua confiança na possibilidade de  falar  de Deus. Posto que o nosso conhecimento de Deus é  limitado , a nossa  capaci- dade transmitir  acerca de Deus também. As imagens sobre Deus  a partir das perfeições das suas criaturas. (cfr.  CCE 39-41 ) Deus  transcende  qualquer criatura.  É preciso, pois,  purificar  sem cessar a nossa  linguagem  de tudo o  que tem de limitado, de imperfeito. As nossas palavras humanas ficam sempre  longe  do Mistério de Deus. Ao falar assim de Deus, a nossa linguagem exprime-se certamente  de modo humano , mas capta  realmente   ao mesmo Deus, sem poder, contudo, expressá-lo na  sua infinita simplicidade. (cfr.  CCE 42-43 ) CR2 4 de 55
MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 5 “ Ao  entregar  seu Filho pelos nossos pecados, Deus manifesta que o seu desígnio sobre nós é um de- sígnio de  amor  benevolente que precede qualquer mérito da nossa parte: ‘Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado Deus, mas em que Ele  nos amou e nos enviou o seu Filho como propi- ciação por nossos pecados’ ( 1 Jo 4, 10 ). ‘A prova  de que Deus nos ama é que Cristo, sendo nós ainda pecadores , morreu por nós ( Rm 5, 8 )” ( CCE 604 ). CR2 5 de 55 O desígnio divino de  salvação  através da morte de Cristo havia sido  anunciado  antes na  Escritura  como mistério de redenção universal. A morte redentora de Jesus cumpre, em particular, a profecia do  Servo dolente  (cfr.  Is 53, 7-8 ,  Act 8, 32-35 ).
MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 6 Tradição patrística sobre a redenção Padres  orientais : sublinham que Cristo veio para nos comunicar  a semelhança com Deus perdida  com o pecado. “ Admirável intercâmbio ”: o Verbo  tornou-se participante da humanidade para nos fazer participantes da divindade. Fixam-se no aspecto descendente  e gratuito da salvação. Os Padres  ocidentais : fixam-se no aspecto  ascendente da salvação: a obra realizada pela nossa Cabeça, Cristo, em nome de  toda a humanidade para nos ganhar a salvação. Sublinham a Sua oferta ao Pai do sacrifício perfeito  da Sua vida para reparar o nosso pecado e  Reconciliar-nos  com Deus. CR2 6 de 55
MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 7 Santo Anselmo  ( + 1109 ) via Deus como Senhor soberano, cuja  honra é  ofendida pelo pecado. Perante esta ofensa, a ordem da  justiça   divina exige com todo o rigor uma  reparação  voluntária adequada ou um  castigo . Mas a dívida é infinita por ser Deus o ofendido: não devendo pagá-la senão o  homem , e não podendo pagá-la senão  Deus , tinha que ser  homem e Deus  quem satisfizesse a honra divina ferida. CR2 7 de 55 É uma interpretação  válida  em diversos aspec- tos e que influiu na teologia posterior. Mas é demasiado  jurídica , com uma concepção muito  humana  de Deus, do pecado como ofensa  inferida a Deus, da sua reparação como compensação  que deve receber do homem, e de uma justiça divina que  obriga  Deus a exigir os seus direitos.
MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 8 Algumas interpretações históricas erróneas sobre a redenção, 1 “ Os  direitos do demónio ” (alguns escritos cristãos dos primeiros séculos): ao cometer o pecado de origem, o homem voluntariamente ter-se-ia a feito  escravo do demónio . O sangue  de Jesus seria o resgate, o preço  pago ao demónio   para livrar o homem da sua escravidão. Esta teoria foi combatida por  São Gregório de Nazianzo : é errónea pois interpreta a redenção segundo os  usos humanos  (alguém que paga e alguém a quem se paga) e é alheia à  unidade  de toda a Es- critura, por exemplo enquanto ao poder do  demónio , que parece ter direitos absolutos sobre nós. CR2 8 de 55
MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 9 Algumas interpretações históricas erróneas sobre a redenção, 2 Para  Lutero , a satisfação (cfr. Santo Anselmo) tem lugar mediante um  castigo . Cristo cai sob a ira de Deus, porque tomou sobre si não só as consequências do pecado mas o mesmo  pecado . Cristo nos redime por meio de una “ substituição  penal ”: toma o nosso lugar e é castigado por Deus em nosso lugar. Calvino  acrescente que Jesus não só morreu como  pecador , mas também baixou ao  inferno  e sofreu as penas dos condenados. Estas teorias apresentam  Deus não como  Pai  que nos ama mas co- mo um  soberano vindicativo  e, além disso,  injusto  (condena o ino- cente em lugar do culpável). CR2 9 de 55
MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 10 Algumas interpretações históricas erróneas sobre a redenção, 3 Em teorias do  séc. XX , Cristo é o  mestre , o  guia  ético e o  exemplo   de vida. O seu influxo no homem é só  moral : a salvação não nos  vem d’Ele, mas é  o homem  que se redime  a si mesmo  autonoma- mente, seguindo a Cristo. A Sua morte é simplesmente o  símbolo   supremo do esforço da  humanidade em livrar-se do mal. Nessa corrente há quem pensasse que Cristo seria o modelo de  luta  contra as  estruturas  sociais  injustas (teologias da  libertação ,  algumas inspiradas no marxismo). CR2 10 de 55
MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 11 A  salvação do homem nasce do  amor misericordioso  de Deus. A redenção é antes de tudo uma  intervenção  descendente e  misericordiosa  de Deus  na história dos homens. A salvação também segue a ordem da  justiça divina : nenhum homem poderia satisfazer por  toda  a linhagem humana. Mesmo que fosse muito santo, não repararia o pecado mais do que m si  mesmo e não em  todos y cada um  dos seres humanos. (cfr.  CCE 616 ) A redenção  concilia  admiravelmente a misericórdia e a justiça divinas. Se o homem não pusesse  algo da sua parte , Deus teria actuado à margem da sua justiça (não injustamente), movido só pela sua misericórdia. Liberta-os gratuitamente ( misericórdia ) e do modo mais conveniente e digno para nós ( justiça ). CR2 11 de 55
MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 12 Aspecto  ascendente  da obra de Cristo: Jesus, representando os homens diante de Deus, como novo  Adão  e  Cabeça  da humanidade, sela uma nova relação de  Aliança  entre Deus e os homens, e obtém do seu Pai  para nós a  salvação.  Com a sua actuação humana livre, alcança de Deus Pai que nos conceda o  perdão . Aspecto  descendente  da obra de Cristo: enviado pelo Pai, comunica aos homens os  dons divinos  da salvação: nos  revela  Deus e nos  comunica  a vida sobrenatural. Veio ao mundo para comunicar aos homens a  graça  que tira o  pecado  e torna-os  participantes da vida  divina . CR2 12 de 55
MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 13 Existe uma  ordem  na distribuição da economia salvadora: primeiro Cristo devia  satisfazer  o  pecado da humanidade e  merecer  a sua glorifi- cação juntamente com a  nossa salvação (aspecto  ascendente ). Uma vez exaltado como Senhor sobre todas as coisas à direita do Pai, dispensa -nos os bens que nos tinha ganho com o seu sangue e nos  concede  o dom do Espírito Santo  (aspecto  descendente ). Estes dois  aspectos estão estreitamente  unidos  no  desígnio divino: o dom da  graça  é fruto do  sacrifício  de Cristo. CR2 13 de 55
MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 14 O plano de Deus Pai é que os homens entremos em comunhão Com  Ele  por meio do Verbo encarnado . A obra de Cristo  deve alcançar a  cada um  dos homens. É o  Espírito Santo , Senhor e dador de vida, quem, com o  seu poder infinito, alcança a  todos  os homens de todos os tempos, e faz que as acções e méritos de Cristo se possam  aplicar  e ter eficácia salvadora em  cada um . Torna possível que cada um possa entrar em comunhão com o Filho de Deus, se incorpore a Ele e  participe da redenção . O Espírito Santo serve-se da  Igreja , “ sacramento universal de salvação ”( Lumen gentium 48 ), para que os homens encontrem a  Cristo  e participem da salvação. CR2 14 de 55

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 7 - O Senhorio de Jesus Cristo Sobre os Demônios
Lição 7 - O Senhorio de Jesus Cristo Sobre os DemôniosLição 7 - O Senhorio de Jesus Cristo Sobre os Demônios
Lição 7 - O Senhorio de Jesus Cristo Sobre os Demônios
Éder Tomé
 
Dragões bestas - pragas e trombetas
Dragões   bestas - pragas e trombetasDragões   bestas - pragas e trombetas
Dragões bestas - pragas e trombetas
Diego Fortunatto
 
Stephen kaung a cruz
Stephen kaung   a cruzStephen kaung   a cruz
Stephen kaung a cruz
Gleice Kelly
 
Confissão de fé presb
Confissão de fé presbConfissão de fé presb
Confissão de fé presb
Jonatas Mendes
 
Lição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua Deidade
Lição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua DeidadeLição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua Deidade
Lição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua Deidade
Éder Tomé
 
Lição 13 a manifestação da graça da salvação 3º trimestre de 2015
Lição 13    a manifestação da graça da salvação 3º trimestre de 2015Lição 13    a manifestação da graça da salvação 3º trimestre de 2015
Lição 13 a manifestação da graça da salvação 3º trimestre de 2015
Andrew Guimarães
 
Colossences 1 (parte 3)
Colossences 1 (parte 3)Colossences 1 (parte 3)
Colossences 1 (parte 3)
Joel Silva
 
A divina liturgia_explicada_e_meditada_monsenhor_pedro_arbex
A divina liturgia_explicada_e_meditada_monsenhor_pedro_arbexA divina liturgia_explicada_e_meditada_monsenhor_pedro_arbex
A divina liturgia_explicada_e_meditada_monsenhor_pedro_arbex
José De Moura Oliveira
 
Colossenses - Cap. 01 parte 03
Colossenses - Cap. 01 parte 03Colossenses - Cap. 01 parte 03
Colossenses - Cap. 01 parte 03
Daniel M Junior
 
Lição 4 - Os Atributos do Ser Humano
Lição 4 - Os Atributos do Ser HumanoLição 4 - Os Atributos do Ser Humano
Lição 4 - Os Atributos do Ser Humano
Éder Tomé
 
O reino de deus na pregação de jesus (correcao) (1)
O reino de deus na pregação de jesus (correcao) (1)O reino de deus na pregação de jesus (correcao) (1)
O reino de deus na pregação de jesus (correcao) (1)
Cristobal Avalos Rojas
 
escola-de-batismo-2021.pdf
escola-de-batismo-2021.pdfescola-de-batismo-2021.pdf
escola-de-batismo-2021.pdf
JooAlbertoSoaresdaSi
 
Lição 4 - O que Cristo Fez por Nós
Lição 4 - O que Cristo Fez por NósLição 4 - O que Cristo Fez por Nós
Lição 4 - O que Cristo Fez por Nós
Éder Tomé
 
VIDA CRISTÃ REAL
VIDA CRISTÃ REALVIDA CRISTÃ REAL
VIDA CRISTÃ REAL
Lc Passold
 
A Doutrina da Salvação
A Doutrina da SalvaçãoA Doutrina da Salvação
Somos a justiça de deus
Somos a justiça de deusSomos a justiça de deus
Somos a justiça de deus
Adriano Gonçalves Martins
 

Mais procurados (16)

Lição 7 - O Senhorio de Jesus Cristo Sobre os Demônios
Lição 7 - O Senhorio de Jesus Cristo Sobre os DemôniosLição 7 - O Senhorio de Jesus Cristo Sobre os Demônios
Lição 7 - O Senhorio de Jesus Cristo Sobre os Demônios
 
Dragões bestas - pragas e trombetas
Dragões   bestas - pragas e trombetasDragões   bestas - pragas e trombetas
Dragões bestas - pragas e trombetas
 
Stephen kaung a cruz
Stephen kaung   a cruzStephen kaung   a cruz
Stephen kaung a cruz
 
Confissão de fé presb
Confissão de fé presbConfissão de fé presb
Confissão de fé presb
 
Lição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua Deidade
Lição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua DeidadeLição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua Deidade
Lição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua Deidade
 
Lição 13 a manifestação da graça da salvação 3º trimestre de 2015
Lição 13    a manifestação da graça da salvação 3º trimestre de 2015Lição 13    a manifestação da graça da salvação 3º trimestre de 2015
Lição 13 a manifestação da graça da salvação 3º trimestre de 2015
 
Colossences 1 (parte 3)
Colossences 1 (parte 3)Colossences 1 (parte 3)
Colossences 1 (parte 3)
 
A divina liturgia_explicada_e_meditada_monsenhor_pedro_arbex
A divina liturgia_explicada_e_meditada_monsenhor_pedro_arbexA divina liturgia_explicada_e_meditada_monsenhor_pedro_arbex
A divina liturgia_explicada_e_meditada_monsenhor_pedro_arbex
 
Colossenses - Cap. 01 parte 03
Colossenses - Cap. 01 parte 03Colossenses - Cap. 01 parte 03
Colossenses - Cap. 01 parte 03
 
Lição 4 - Os Atributos do Ser Humano
Lição 4 - Os Atributos do Ser HumanoLição 4 - Os Atributos do Ser Humano
Lição 4 - Os Atributos do Ser Humano
 
O reino de deus na pregação de jesus (correcao) (1)
O reino de deus na pregação de jesus (correcao) (1)O reino de deus na pregação de jesus (correcao) (1)
O reino de deus na pregação de jesus (correcao) (1)
 
escola-de-batismo-2021.pdf
escola-de-batismo-2021.pdfescola-de-batismo-2021.pdf
escola-de-batismo-2021.pdf
 
Lição 4 - O que Cristo Fez por Nós
Lição 4 - O que Cristo Fez por NósLição 4 - O que Cristo Fez por Nós
Lição 4 - O que Cristo Fez por Nós
 
VIDA CRISTÃ REAL
VIDA CRISTÃ REALVIDA CRISTÃ REAL
VIDA CRISTÃ REAL
 
A Doutrina da Salvação
A Doutrina da SalvaçãoA Doutrina da Salvação
A Doutrina da Salvação
 
Somos a justiça de deus
Somos a justiça de deusSomos a justiça de deus
Somos a justiça de deus
 

Destaque

Teologia 05
Teologia 05Teologia 05
Teologia 05
marcelo olegario
 
Teologia moral frei oton - aula 4 cristologia
Teologia moral   frei oton - aula 4 cristologiaTeologia moral   frei oton - aula 4 cristologia
Teologia moral frei oton - aula 4 cristologia
Zé Vitor Rabelo
 
Elementos fundamentais de cristologia frei oton
Elementos fundamentais de cristologia   frei otonElementos fundamentais de cristologia   frei oton
Elementos fundamentais de cristologia frei oton
Zé Vitor Rabelo
 
Cristologia básica(apresentação)
Cristologia básica(apresentação)Cristologia básica(apresentação)
Cristologia básica(apresentação)
Nome Sobrenome
 
Jesus Cristo Salvador universal
Jesus Cristo Salvador universalJesus Cristo Salvador universal
Jesus Cristo Salvador universal
Adriano Lazarini
 
Eclesiologia igreja
Eclesiologia   igrejaEclesiologia   igreja
Eclesiologia igreja
Zé Vitor Rabelo
 
Cristologia - Introdução
Cristologia - IntroduçãoCristologia - Introdução
Cristologia - Introdução
Dilean Melo
 
Cristologia básica 2
Cristologia básica 2Cristologia básica 2
Cristologia básica 2
Nome Sobrenome
 
Introdução 1 cristologia
Introdução 1 cristologiaIntrodução 1 cristologia
Introdução 1 cristologia
frpoverello
 
Cristologia estudos sobre_jesus_cristo_em marcha
Cristologia estudos sobre_jesus_cristo_em marchaCristologia estudos sobre_jesus_cristo_em marcha
Cristologia estudos sobre_jesus_cristo_em marcha
Paulo Dias Nogueira
 
MINI-CURSO DE TEOLOGIA - CRISTOLOGIA
MINI-CURSO DE TEOLOGIA - CRISTOLOGIAMINI-CURSO DE TEOLOGIA - CRISTOLOGIA
MINI-CURSO DE TEOLOGIA - CRISTOLOGIA
Leonam dos Santos
 
Cristología 101 - Básica
Cristología 101 - BásicaCristología 101 - Básica
Cristología 101 - Básica
Jose Juan Valdez
 
Cristologia
CristologiaCristologia
Cristologia
Jose Otero
 
Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha
Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus RochaCristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha
Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha
Matheus Rocha
 
Teologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - CristologiaTeologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - Cristologia
Gcom digital factory
 

Destaque (15)

Teologia 05
Teologia 05Teologia 05
Teologia 05
 
Teologia moral frei oton - aula 4 cristologia
Teologia moral   frei oton - aula 4 cristologiaTeologia moral   frei oton - aula 4 cristologia
Teologia moral frei oton - aula 4 cristologia
 
Elementos fundamentais de cristologia frei oton
Elementos fundamentais de cristologia   frei otonElementos fundamentais de cristologia   frei oton
Elementos fundamentais de cristologia frei oton
 
Cristologia básica(apresentação)
Cristologia básica(apresentação)Cristologia básica(apresentação)
Cristologia básica(apresentação)
 
Jesus Cristo Salvador universal
Jesus Cristo Salvador universalJesus Cristo Salvador universal
Jesus Cristo Salvador universal
 
Eclesiologia igreja
Eclesiologia   igrejaEclesiologia   igreja
Eclesiologia igreja
 
Cristologia - Introdução
Cristologia - IntroduçãoCristologia - Introdução
Cristologia - Introdução
 
Cristologia básica 2
Cristologia básica 2Cristologia básica 2
Cristologia básica 2
 
Introdução 1 cristologia
Introdução 1 cristologiaIntrodução 1 cristologia
Introdução 1 cristologia
 
Cristologia estudos sobre_jesus_cristo_em marcha
Cristologia estudos sobre_jesus_cristo_em marchaCristologia estudos sobre_jesus_cristo_em marcha
Cristologia estudos sobre_jesus_cristo_em marcha
 
MINI-CURSO DE TEOLOGIA - CRISTOLOGIA
MINI-CURSO DE TEOLOGIA - CRISTOLOGIAMINI-CURSO DE TEOLOGIA - CRISTOLOGIA
MINI-CURSO DE TEOLOGIA - CRISTOLOGIA
 
Cristología 101 - Básica
Cristología 101 - BásicaCristología 101 - Básica
Cristología 101 - Básica
 
Cristologia
CristologiaCristologia
Cristologia
 
Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha
Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus RochaCristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha
Cristologia - Natureza humana de Cristo - Matheus Rocha
 
Teologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - CristologiaTeologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - Cristologia
 

Semelhante a Cristologia07

A doutrina da expiação
A doutrina da expiaçãoA doutrina da expiação
A doutrina da expiação
Antonio Ferreira
 
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus CristoLição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
Erberson Pinheiro
 
dom ao perdão.pptx
dom ao perdão.pptxdom ao perdão.pptx
dom ao perdão.pptx
EntretenimentoShow
 
A Obra Salvífica de Jesus Cristo.
A Obra Salvífica de Jesus Cristo.A Obra Salvífica de Jesus Cristo.
A Obra Salvífica de Jesus Cristo.
Márcio Martins
 
Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)
Joel Silva
 
Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)
Joel Silva
 
Considerações sobre a morte de cristo
Considerações sobre a morte de cristoConsiderações sobre a morte de cristo
Considerações sobre a morte de cristo
Jonaseluciana Dias
 
SLIDES - EBD - Lição 2 para dados religiosos e da criação.pdf
SLIDES - EBD - Lição 2 para dados religiosos e da criação.pdfSLIDES - EBD - Lição 2 para dados religiosos e da criação.pdf
SLIDES - EBD - Lição 2 para dados religiosos e da criação.pdf
carlos junior carlos
 
A doutrina da expiação
A doutrina da expiaçãoA doutrina da expiação
A doutrina da expiação
antonio ferreira
 
Cristologia - a Doutrina de Cristo Deus Filho.pptx
Cristologia - a Doutrina de Cristo Deus Filho.pptxCristologia - a Doutrina de Cristo Deus Filho.pptx
Cristologia - a Doutrina de Cristo Deus Filho.pptx
bpclaudio11
 
Cristologia_slides.pptx
Cristologia_slides.pptxCristologia_slides.pptx
Cristologia_slides.pptx
Elma Lopes Sousa GUIDINE
 
Operações gerais do Espírito Santo
Operações gerais do Espírito SantoOperações gerais do Espírito Santo
Operações gerais do Espírito Santo
Luiz Guilherme Guimarães Coelho
 
Lição 10 hebreus
Lição 10   hebreusLição 10   hebreus
Lição 10 hebreus
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
Lição 5 a obra salvífica de jesus cristo
Lição 5  a obra salvífica de jesus cristo Lição 5  a obra salvífica de jesus cristo
Lição 5 a obra salvífica de jesus cristo
antonio vieira
 
Colossenses - Cap. 01 parte 04
Colossenses - Cap. 01 parte 04Colossenses - Cap. 01 parte 04
Colossenses - Cap. 01 parte 04
Daniel M Junior
 
A cruz
A cruzA cruz
A cruz stephen kaugan
A cruz   stephen kauganA cruz   stephen kaugan
A cruz stephen kaugan
Profetirando Sabedoria
 
A suficiência de cristo (paulo brasil)
A suficiência de cristo (paulo brasil)A suficiência de cristo (paulo brasil)
A suficiência de cristo (paulo brasil)
Deusdete Soares
 
Q1204 juiz ou_salvador
Q1204 juiz ou_salvadorQ1204 juiz ou_salvador
Q1204 juiz ou_salvador
Antenor Antenor
 
A Necessidade da Morte de Cristo - Substituto de pecadores - lições 12 e 13...
A Necessidade da Morte de Cristo - Substituto de pecadores - lições 12 e 13...A Necessidade da Morte de Cristo - Substituto de pecadores - lições 12 e 13...
A Necessidade da Morte de Cristo - Substituto de pecadores - lições 12 e 13...
Samuel A. Nunes
 

Semelhante a Cristologia07 (20)

A doutrina da expiação
A doutrina da expiaçãoA doutrina da expiação
A doutrina da expiação
 
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus CristoLição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
 
dom ao perdão.pptx
dom ao perdão.pptxdom ao perdão.pptx
dom ao perdão.pptx
 
A Obra Salvífica de Jesus Cristo.
A Obra Salvífica de Jesus Cristo.A Obra Salvífica de Jesus Cristo.
A Obra Salvífica de Jesus Cristo.
 
Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)
 
Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)
 
Considerações sobre a morte de cristo
Considerações sobre a morte de cristoConsiderações sobre a morte de cristo
Considerações sobre a morte de cristo
 
SLIDES - EBD - Lição 2 para dados religiosos e da criação.pdf
SLIDES - EBD - Lição 2 para dados religiosos e da criação.pdfSLIDES - EBD - Lição 2 para dados religiosos e da criação.pdf
SLIDES - EBD - Lição 2 para dados religiosos e da criação.pdf
 
A doutrina da expiação
A doutrina da expiaçãoA doutrina da expiação
A doutrina da expiação
 
Cristologia - a Doutrina de Cristo Deus Filho.pptx
Cristologia - a Doutrina de Cristo Deus Filho.pptxCristologia - a Doutrina de Cristo Deus Filho.pptx
Cristologia - a Doutrina de Cristo Deus Filho.pptx
 
Cristologia_slides.pptx
Cristologia_slides.pptxCristologia_slides.pptx
Cristologia_slides.pptx
 
Operações gerais do Espírito Santo
Operações gerais do Espírito SantoOperações gerais do Espírito Santo
Operações gerais do Espírito Santo
 
Lição 10 hebreus
Lição 10   hebreusLição 10   hebreus
Lição 10 hebreus
 
Lição 5 a obra salvífica de jesus cristo
Lição 5  a obra salvífica de jesus cristo Lição 5  a obra salvífica de jesus cristo
Lição 5 a obra salvífica de jesus cristo
 
Colossenses - Cap. 01 parte 04
Colossenses - Cap. 01 parte 04Colossenses - Cap. 01 parte 04
Colossenses - Cap. 01 parte 04
 
A cruz
A cruzA cruz
A cruz
 
A cruz stephen kaugan
A cruz   stephen kauganA cruz   stephen kaugan
A cruz stephen kaugan
 
A suficiência de cristo (paulo brasil)
A suficiência de cristo (paulo brasil)A suficiência de cristo (paulo brasil)
A suficiência de cristo (paulo brasil)
 
Q1204 juiz ou_salvador
Q1204 juiz ou_salvadorQ1204 juiz ou_salvador
Q1204 juiz ou_salvador
 
A Necessidade da Morte de Cristo - Substituto de pecadores - lições 12 e 13...
A Necessidade da Morte de Cristo - Substituto de pecadores - lições 12 e 13...A Necessidade da Morte de Cristo - Substituto de pecadores - lições 12 e 13...
A Necessidade da Morte de Cristo - Substituto de pecadores - lições 12 e 13...
 

Mais de cesar2006

4ano catequese1
4ano catequese14ano catequese1
4ano catequese1
cesar2006
 
4ano catequese4
4ano catequese44ano catequese4
4ano catequese4
cesar2006
 
Colo de jesus
Colo de jesusColo de jesus
Colo de jesus
cesar2006
 
Minha oracao
Minha oracaoMinha oracao
Minha oracao
cesar2006
 
Obrigado senhor
Obrigado senhorObrigado senhor
Obrigado senhor
cesar2006
 
Falarcom deus
Falarcom deusFalarcom deus
Falarcom deus
cesar2006
 
Parabola do-bom-samaritano
Parabola do-bom-samaritanoParabola do-bom-samaritano
Parabola do-bom-samaritano
cesar2006
 
Parabola do-rico-tolo
Parabola do-rico-toloParabola do-rico-tolo
Parabola do-rico-tolo
cesar2006
 
Parabola do-filho-prodigo
Parabola do-filho-prodigoParabola do-filho-prodigo
Parabola do-filho-prodigo
cesar2006
 
Parabola dos-talentos
Parabola dos-talentosParabola dos-talentos
Parabola dos-talentos
cesar2006
 
Parabola do-semeador
Parabola do-semeadorParabola do-semeador
Parabola do-semeador
cesar2006
 
Parabola dos2construtores
Parabola dos2construtoresParabola dos2construtores
Parabola dos2construtores
cesar2006
 
Parabola do-rico-tolo
Parabola do-rico-toloParabola do-rico-tolo
Parabola do-rico-tolo
cesar2006
 
Parabola do-filho-prodigo
Parabola do-filho-prodigoParabola do-filho-prodigo
Parabola do-filho-prodigo
cesar2006
 
Parabola do-bom-samaritano
Parabola do-bom-samaritanoParabola do-bom-samaritano
Parabola do-bom-samaritano
cesar2006
 
Parabola dos-talentos (1)
Parabola dos-talentos (1)Parabola dos-talentos (1)
Parabola dos-talentos (1)
cesar2006
 
Parabola do-bom-samaritano
Parabola do-bom-samaritanoParabola do-bom-samaritano
Parabola do-bom-samaritano
cesar2006
 
Parabola da-ovelha-perdida
Parabola da-ovelha-perdidaParabola da-ovelha-perdida
Parabola da-ovelha-perdida
cesar2006
 
Catequese 6
Catequese 6Catequese 6
Catequese 6
cesar2006
 

Mais de cesar2006 (20)

4ano catequese1
4ano catequese14ano catequese1
4ano catequese1
 
4ano catequese4
4ano catequese44ano catequese4
4ano catequese4
 
Colo de jesus
Colo de jesusColo de jesus
Colo de jesus
 
Minha oracao
Minha oracaoMinha oracao
Minha oracao
 
Obrigado senhor
Obrigado senhorObrigado senhor
Obrigado senhor
 
Falarcom deus
Falarcom deusFalarcom deus
Falarcom deus
 
Parabola do-bom-samaritano
Parabola do-bom-samaritanoParabola do-bom-samaritano
Parabola do-bom-samaritano
 
Parabola do-rico-tolo
Parabola do-rico-toloParabola do-rico-tolo
Parabola do-rico-tolo
 
Parabola do-filho-prodigo
Parabola do-filho-prodigoParabola do-filho-prodigo
Parabola do-filho-prodigo
 
Parabola dos-talentos
Parabola dos-talentosParabola dos-talentos
Parabola dos-talentos
 
Parabola do-semeador
Parabola do-semeadorParabola do-semeador
Parabola do-semeador
 
Parabola dos2construtores
Parabola dos2construtoresParabola dos2construtores
Parabola dos2construtores
 
Parabola do-rico-tolo
Parabola do-rico-toloParabola do-rico-tolo
Parabola do-rico-tolo
 
Parabola do-filho-prodigo
Parabola do-filho-prodigoParabola do-filho-prodigo
Parabola do-filho-prodigo
 
Parabola do-bom-samaritano
Parabola do-bom-samaritanoParabola do-bom-samaritano
Parabola do-bom-samaritano
 
Parabola dos-talentos (1)
Parabola dos-talentos (1)Parabola dos-talentos (1)
Parabola dos-talentos (1)
 
Parabola do-bom-samaritano
Parabola do-bom-samaritanoParabola do-bom-samaritano
Parabola do-bom-samaritano
 
Parabola da-ovelha-perdida
Parabola da-ovelha-perdidaParabola da-ovelha-perdida
Parabola da-ovelha-perdida
 
Catequese 6
Catequese 6Catequese 6
Catequese 6
 
Catequese 1
Catequese 1Catequese 1
Catequese 1
 

Cristologia07

  • 1. MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 1 A cristologia estuda mistério de Cristo : da sua pessoa e da sua obra redentora numa unidade indissolúvel. Jesus é Filho de Deus feito homem e, ao mesmo tempo, o Salvador esperado. Não se podem separar estes dois aspectos: 1 ) a finalidade da sua vinda ao mundo é precisamente a salvação dos homens; 2 ) Unicamente o Filho de Deus pode rea- lizar uma autêntica redenção do pecado do mundo. Vamos ver na segunda parte de Cristo- logia a acção redentora , tendo presente o já visto acerca da sua pessoa. CR2 1 de 55
  • 2. MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 2 Todos os homens albergam uma esperança profunda de alcançar a verdade e o bem e um anseio de conseguir a felicidade . CCE 843 : “ A Igreja reconhece nas outras religiões a busca, ‘entre sombras e imagens’, do Deus desconhecido mas próximo já que é Ele que dá a todos a vida, o alento e todas as coisas e quer que todos os homens se salvem. Assim, a Igreja aprecia tudo o que é bom e verdadeiro que se pode encontrar nas diversas religiões”. CCE 844 : “Mas, no seu comportamento religioso, os homens mostram também limites e erros que neles desfiguram a imagem de Deus”. Cristo revela que Deus nos ama e nos destinou antes da criação do mundo a una aliança que nos faz participar da sua vida infinitamente feliz . CR2 2 de 55
  • 3. MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 3 A Bíblia ensina-nos que a origem do mal e do sofrimento está n “ mistério de iniquidade ” que é o pecado : o de alguns anjos e os dos homens , principalmente o original , mas também os pessoais de cada homem e de cada mulher. O homem só com as suas forças não pode libertar-se do pecado e das suas consequências. A verdadeira e completa libertação do homem procede unicamente de Deus : “a prova de que Deus nos ama é que Cristo, sendo nós ainda pecadores, morreu por nós” ( Rom 5, 8 ). A imagem de Deus na pessoa humana foi obscurecida e desfigurada pelo pecado, mas não destruída totalmente . CR2 3 de 55
  • 4. MISTERIO DA REDENÇÃO, 4 Ao defender a capacidade da razão humana para conhecer Deus, a Igreja expressa a sua confiança na possibilidade de falar de Deus. Posto que o nosso conhecimento de Deus é limitado , a nossa capaci- dade transmitir acerca de Deus também. As imagens sobre Deus a partir das perfeições das suas criaturas. (cfr. CCE 39-41 ) Deus transcende qualquer criatura. É preciso, pois, purificar sem cessar a nossa linguagem de tudo o que tem de limitado, de imperfeito. As nossas palavras humanas ficam sempre longe do Mistério de Deus. Ao falar assim de Deus, a nossa linguagem exprime-se certamente de modo humano , mas capta realmente ao mesmo Deus, sem poder, contudo, expressá-lo na sua infinita simplicidade. (cfr. CCE 42-43 ) CR2 4 de 55
  • 5. MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 5 “ Ao entregar seu Filho pelos nossos pecados, Deus manifesta que o seu desígnio sobre nós é um de- sígnio de amor benevolente que precede qualquer mérito da nossa parte: ‘Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado Deus, mas em que Ele nos amou e nos enviou o seu Filho como propi- ciação por nossos pecados’ ( 1 Jo 4, 10 ). ‘A prova de que Deus nos ama é que Cristo, sendo nós ainda pecadores , morreu por nós ( Rm 5, 8 )” ( CCE 604 ). CR2 5 de 55 O desígnio divino de salvação através da morte de Cristo havia sido anunciado antes na Escritura como mistério de redenção universal. A morte redentora de Jesus cumpre, em particular, a profecia do Servo dolente (cfr. Is 53, 7-8 , Act 8, 32-35 ).
  • 6. MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 6 Tradição patrística sobre a redenção Padres orientais : sublinham que Cristo veio para nos comunicar a semelhança com Deus perdida com o pecado. “ Admirável intercâmbio ”: o Verbo tornou-se participante da humanidade para nos fazer participantes da divindade. Fixam-se no aspecto descendente e gratuito da salvação. Os Padres ocidentais : fixam-se no aspecto ascendente da salvação: a obra realizada pela nossa Cabeça, Cristo, em nome de toda a humanidade para nos ganhar a salvação. Sublinham a Sua oferta ao Pai do sacrifício perfeito da Sua vida para reparar o nosso pecado e Reconciliar-nos com Deus. CR2 6 de 55
  • 7. MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 7 Santo Anselmo ( + 1109 ) via Deus como Senhor soberano, cuja honra é ofendida pelo pecado. Perante esta ofensa, a ordem da justiça divina exige com todo o rigor uma reparação voluntária adequada ou um castigo . Mas a dívida é infinita por ser Deus o ofendido: não devendo pagá-la senão o homem , e não podendo pagá-la senão Deus , tinha que ser homem e Deus quem satisfizesse a honra divina ferida. CR2 7 de 55 É uma interpretação válida em diversos aspec- tos e que influiu na teologia posterior. Mas é demasiado jurídica , com uma concepção muito humana de Deus, do pecado como ofensa inferida a Deus, da sua reparação como compensação que deve receber do homem, e de uma justiça divina que obriga Deus a exigir os seus direitos.
  • 8. MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 8 Algumas interpretações históricas erróneas sobre a redenção, 1 “ Os direitos do demónio ” (alguns escritos cristãos dos primeiros séculos): ao cometer o pecado de origem, o homem voluntariamente ter-se-ia a feito escravo do demónio . O sangue de Jesus seria o resgate, o preço pago ao demónio para livrar o homem da sua escravidão. Esta teoria foi combatida por São Gregório de Nazianzo : é errónea pois interpreta a redenção segundo os usos humanos (alguém que paga e alguém a quem se paga) e é alheia à unidade de toda a Es- critura, por exemplo enquanto ao poder do demónio , que parece ter direitos absolutos sobre nós. CR2 8 de 55
  • 9. MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 9 Algumas interpretações históricas erróneas sobre a redenção, 2 Para Lutero , a satisfação (cfr. Santo Anselmo) tem lugar mediante um castigo . Cristo cai sob a ira de Deus, porque tomou sobre si não só as consequências do pecado mas o mesmo pecado . Cristo nos redime por meio de una “ substituição penal ”: toma o nosso lugar e é castigado por Deus em nosso lugar. Calvino acrescente que Jesus não só morreu como pecador , mas também baixou ao inferno e sofreu as penas dos condenados. Estas teorias apresentam Deus não como Pai que nos ama mas co- mo um soberano vindicativo e, além disso, injusto (condena o ino- cente em lugar do culpável). CR2 9 de 55
  • 10. MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 10 Algumas interpretações históricas erróneas sobre a redenção, 3 Em teorias do séc. XX , Cristo é o mestre , o guia ético e o exemplo de vida. O seu influxo no homem é só moral : a salvação não nos vem d’Ele, mas é o homem que se redime a si mesmo autonoma- mente, seguindo a Cristo. A Sua morte é simplesmente o símbolo supremo do esforço da humanidade em livrar-se do mal. Nessa corrente há quem pensasse que Cristo seria o modelo de luta contra as estruturas sociais injustas (teologias da libertação , algumas inspiradas no marxismo). CR2 10 de 55
  • 11. MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 11 A salvação do homem nasce do amor misericordioso de Deus. A redenção é antes de tudo uma intervenção descendente e misericordiosa de Deus na história dos homens. A salvação também segue a ordem da justiça divina : nenhum homem poderia satisfazer por toda a linhagem humana. Mesmo que fosse muito santo, não repararia o pecado mais do que m si mesmo e não em todos y cada um dos seres humanos. (cfr. CCE 616 ) A redenção concilia admiravelmente a misericórdia e a justiça divinas. Se o homem não pusesse algo da sua parte , Deus teria actuado à margem da sua justiça (não injustamente), movido só pela sua misericórdia. Liberta-os gratuitamente ( misericórdia ) e do modo mais conveniente e digno para nós ( justiça ). CR2 11 de 55
  • 12. MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 12 Aspecto ascendente da obra de Cristo: Jesus, representando os homens diante de Deus, como novo Adão e Cabeça da humanidade, sela uma nova relação de Aliança entre Deus e os homens, e obtém do seu Pai para nós a salvação. Com a sua actuação humana livre, alcança de Deus Pai que nos conceda o perdão . Aspecto descendente da obra de Cristo: enviado pelo Pai, comunica aos homens os dons divinos da salvação: nos revela Deus e nos comunica a vida sobrenatural. Veio ao mundo para comunicar aos homens a graça que tira o pecado e torna-os participantes da vida divina . CR2 12 de 55
  • 13. MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 13 Existe uma ordem na distribuição da economia salvadora: primeiro Cristo devia satisfazer o pecado da humanidade e merecer a sua glorifi- cação juntamente com a nossa salvação (aspecto ascendente ). Uma vez exaltado como Senhor sobre todas as coisas à direita do Pai, dispensa -nos os bens que nos tinha ganho com o seu sangue e nos concede o dom do Espírito Santo (aspecto descendente ). Estes dois aspectos estão estreitamente unidos no desígnio divino: o dom da graça é fruto do sacrifício de Cristo. CR2 13 de 55
  • 14. MISTÉRIO DA REDENÇÃO, 14 O plano de Deus Pai é que os homens entremos em comunhão Com Ele por meio do Verbo encarnado . A obra de Cristo deve alcançar a cada um dos homens. É o Espírito Santo , Senhor e dador de vida, quem, com o seu poder infinito, alcança a todos os homens de todos os tempos, e faz que as acções e méritos de Cristo se possam aplicar e ter eficácia salvadora em cada um . Torna possível que cada um possa entrar em comunhão com o Filho de Deus, se incorpore a Ele e participe da redenção . O Espírito Santo serve-se da Igreja , “ sacramento universal de salvação ”( Lumen gentium 48 ), para que os homens encontrem a Cristo e participem da salvação. CR2 14 de 55