SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Correntes
Oceânicas
Correntes Oceânicas

• As correntes marítimas são movimentos de grandes
massas de água dentro de um oceano ou mar.
• Tal qual a circulação dos ventos, as correntes
marítimas têm a característica de influenciar o clima
das regiões em que atuam, possuem direções e
constâncias bem definidas.
• As correntes marítimas têm sua origem na circulação
dos ventos na superfície e pelo movimento de rotação
da Terra.
• Elas transportam consigo umidade e calor interferindo
também na vida marinha e, consequentemente, tendo
influência direta no equilíbrio dos oceanos e mares.
Corrente do Labrador
• A corrente do Labrador inicia-se pela corrente leste da
Groenlândia que termina no sul da Groenlândia.
• A corrente estende-se do sudoeste da Groenlândia até o
norte e continua pela costa leste do Canadá do norte até o
sul, encontrando-se com a corrente da Flórida. Recebe o seu
nome da Península do Labrador.
• Crê-se que o transporte da corrente do Labrador contém uma
grande componente barotrópica .
Corrente do Brasil

• A Corrente do Brasil é uma corrente oceânica
quente do Oceano Atlântico Sul cujo movimento
é paralelo à costa leste da América do Sul. Após
cruzar a altura do Rio da Prata encontra-se com a
Corrente das Malvinas, que é uma corrente fria.
• 1)Corrente das Guianas que banha o litoral norte
do Brasil(Quente).
2)Corrente do Brasil que banha o litoral nordeste
e parte do sudeste (Quente).
3)Corrente de Falklands (Malvinas para os
argentinos) que banha o litoral sul do Brasil,mas
pode atingir até o litoral do Espírito Santo (Fria).
Corrente de Humboldt
• A corrente de Humboldt, e também conhecida como
corrente do Peru, corresponde a uma corrente
oceânica que se desloca pela extensão do oceano
Pacífico.
• Nascendo perto da Antártica, ela é a corrente mais fria
do mundo, com uma temperatura aproximadamente 7
ou 8 °C inferior à temperatura média do oceano na
mesma latitude.
• Durante o fenômeno do El Niño, ela desaparece e
deixa em seu lugar uma corrente quente, diminuindo o
plâncton
e
aumentando
as
precipitações
pluviométricas na costa sul-americana do Pacífico
El Niño e La Niña
• Os fenômenos El Niño são alterações significativas de
curta duração (12 a 18 meses) na distribuição da
temperatura da superfície da água do Oceano
Pacífico, com profundos efeitos no clima.
• O El Niño foi originalmente reconhecido por
pescadores da costa oeste da América do Sul,
observando baixas capturas, à ocorrência de
temperaturas mais altas que o normal no mar,
normalmente no fim do ano – daí a designação, que
significa “O Menino”, referindo-se ao “Menino
Jesus”, relacionado com o Natal.
•

La Niña é o fenômeno inverso, caracterizado por
temperaturas anormalmente frias, também no fim do ano, na
região equatorial do Oceano Pacifico, muitas vezes (mas não
sempre) seguindo-se a um El Niño. Também já foi
denominado como “El Viejo” (“O Velho”, ou seja, a antítese do
“menino”) ou ainda o “Anti-El Niño”.
• À semelhança do El Niño, porém apresentando uma maior
variabilidade do que este, trata-se de um fenômeno natural
que produz fortes mudanças na dinâmica geral da atmosfera,
alterando o comportamento climático.
• Nele, os ventos alísios mostram-se mais intensos que o
habitual (média climatológica) e as águas mais frias, que
caracterizam o fenômeno.
Efeitos do El Niño e La Niña
• EL NIÑO:
• No Brasil a variação no volume de chuvas depende de
cada região e da intensidade do fenômeno. A
temperatura aumenta na maioria das regiões.
• Região Norte e Nordeste: Diminuição de chuvas
causando secas, se agrava a situação no Sertão
nordestino e aumentam as chances de incêndios
florestais na Amazônia;
• Região Sudeste: Aumento da temperatura média.
• Região Sul: Aumento da temperatura média e da
precipitação, principalmente na primavera e no período
entre Maio e Julho.
• LA NIÑA
• Entre os meses de Dezembro e Fevereiro:
• Aumento das chuvas na região nordeste do Brasil; principalmente
no setor norte, a qual corresponde os estados do Maranhão, Piauí,
Ceará e oeste do Rio Grande do Norte
• Temperaturas abaixo do normal para o verão, na região sudeste do
Brasil;
• Aumento do frio na costa oeste dos Estados Unidos;
• Aumento das chuvas na costa leste da Ásia;
• Aumento do frio no Japão.

•
•
•
•
•
•

Entre os meses de Junho e Agosto:
Inverno árido na região sul e sudeste do Brasil;
Aumento do frio na costa oeste da América do Sul;
Frio e chuvas na região do Caribe (América Central);
Aumento das temperaturas altas na região leste da Austrália;
Aumento das temperaturas e chuvas na região leste da Ásia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Professor
 

Mais procurados (20)

5 serie aula 01 - gabarito(2)17112011105513
5 serie   aula 01 - gabarito(2)171120111055135 serie   aula 01 - gabarito(2)17112011105513
5 serie aula 01 - gabarito(2)17112011105513
 
Ciencias as camadas da terra e seus elementos
Ciencias   as camadas da terra e seus elementosCiencias   as camadas da terra e seus elementos
Ciencias as camadas da terra e seus elementos
 
Climas do mundo
Climas do mundoClimas do mundo
Climas do mundo
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
 
Hidrosfera -- Revisão 6º ano
Hidrosfera -- Revisão 6º anoHidrosfera -- Revisão 6º ano
Hidrosfera -- Revisão 6º ano
 
Cruzadinha biosfera2
Cruzadinha biosfera2Cruzadinha biosfera2
Cruzadinha biosfera2
 
Modulo 05 - O tempo e o clima
Modulo 05 - O tempo e o climaModulo 05 - O tempo e o clima
Modulo 05 - O tempo e o clima
 
causas e consequências da degradação ambiental
causas e consequências da degradação ambientalcausas e consequências da degradação ambiental
causas e consequências da degradação ambiental
 
Atividades biomas brasileiros
Atividades biomas brasileirosAtividades biomas brasileiros
Atividades biomas brasileiros
 
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
 
Dia Mundial da Água - 22 de Março
Dia Mundial da Água - 22 de MarçoDia Mundial da Água - 22 de Março
Dia Mundial da Água - 22 de Março
 
O Clima - 6º Ano (2016)
O Clima - 6º Ano (2016)O Clima - 6º Ano (2016)
O Clima - 6º Ano (2016)
 
I atividade de ciencias 5º ano andré
I atividade de ciencias 5º ano andréI atividade de ciencias 5º ano andré
I atividade de ciencias 5º ano andré
 
Movimento de Translação e Rotação
Movimento de Translação e RotaçãoMovimento de Translação e Rotação
Movimento de Translação e Rotação
 
Impactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivoImpactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivo
 
Atividade de Ciências - A água
Atividade de Ciências - A água Atividade de Ciências - A água
Atividade de Ciências - A água
 
Meio ambiente e agenda 21
Meio ambiente e agenda 21Meio ambiente e agenda 21
Meio ambiente e agenda 21
 
Biomas do mundo
Biomas do mundoBiomas do mundo
Biomas do mundo
 
O ar - Texto e atividade
O ar - Texto e atividadeO ar - Texto e atividade
O ar - Texto e atividade
 
Geografia a importancia das correntes maritimas para o clima e a economia d...
Geografia   a importancia das correntes maritimas para o clima e a economia d...Geografia   a importancia das correntes maritimas para o clima e a economia d...
Geografia a importancia das correntes maritimas para o clima e a economia d...
 

Destaque

Pranchas de snowboard
Pranchas de snowboardPranchas de snowboard
Pranchas de snowboard
TehZouk
 
Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores Abióticos
Tiagosb
 
Os climas e as paisagens vegetais da américa anglo saxônica
Os climas e as paisagens vegetais da américa anglo saxônicaOs climas e as paisagens vegetais da américa anglo saxônica
Os climas e as paisagens vegetais da américa anglo saxônica
Professor
 
interferência do homem nos ecossistemas
interferência do homem nos ecossistemasinterferência do homem nos ecossistemas
interferência do homem nos ecossistemas
Débora Neves
 
Idade Média: Feudalismo/Renascimento Comercial e Urbano
Idade Média: Feudalismo/Renascimento Comercial e UrbanoIdade Média: Feudalismo/Renascimento Comercial e Urbano
Idade Média: Feudalismo/Renascimento Comercial e Urbano
aluizioalves
 
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemasPerturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Tânia Reis
 
Interferência do homem no ecossistema
Interferência do homem no ecossistemaInterferência do homem no ecossistema
Interferência do homem no ecossistema
Angela Boucinha
 
Influência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosInfluência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores Abióticos
Clara Abegão
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
Alexia 14
 

Destaque (20)

Correntes maritimas
Correntes maritimasCorrentes maritimas
Correntes maritimas
 
Correntes marítimas
Correntes marítimasCorrentes marítimas
Correntes marítimas
 
Pranchas de snowboard
Pranchas de snowboardPranchas de snowboard
Pranchas de snowboard
 
Luiz carlos molion Clima Diagnostico - Perspectivas para a proxima decada
Luiz carlos molion Clima  Diagnostico - Perspectivas para a proxima decadaLuiz carlos molion Clima  Diagnostico - Perspectivas para a proxima decada
Luiz carlos molion Clima Diagnostico - Perspectivas para a proxima decada
 
corrente do golfo
corrente do golfocorrente do golfo
corrente do golfo
 
Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores Abióticos
 
Como se forma a chuva
Como se forma a chuvaComo se forma a chuva
Como se forma a chuva
 
Os climas e as paisagens vegetais da américa anglo saxônica
Os climas e as paisagens vegetais da américa anglo saxônicaOs climas e as paisagens vegetais da américa anglo saxônica
Os climas e as paisagens vegetais da américa anglo saxônica
 
Ecossistemas - Nível superior
Ecossistemas - Nível superior Ecossistemas - Nível superior
Ecossistemas - Nível superior
 
Biociclo marinho
Biociclo marinhoBiociclo marinho
Biociclo marinho
 
Livro projeto telaris capitulo 15 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 15 ciencias 6º anoLivro projeto telaris capitulo 15 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 15 ciencias 6º ano
 
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
 
Ecossistema 3
Ecossistema 3Ecossistema 3
Ecossistema 3
 
interferência do homem nos ecossistemas
interferência do homem nos ecossistemasinterferência do homem nos ecossistemas
interferência do homem nos ecossistemas
 
Idade Média: Feudalismo/Renascimento Comercial e Urbano
Idade Média: Feudalismo/Renascimento Comercial e UrbanoIdade Média: Feudalismo/Renascimento Comercial e Urbano
Idade Média: Feudalismo/Renascimento Comercial e Urbano
 
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemasPerturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
 
Interferência do homem no ecossistema
Interferência do homem no ecossistemaInterferência do homem no ecossistema
Interferência do homem no ecossistema
 
Influência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosInfluência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores Abióticos
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Angulos
AngulosAngulos
Angulos
 

Semelhante a Correntes oceânicas

Climatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
Climatologia E Biogeografia Geral E Do BrasilClimatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
Climatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
ProfMario De Mori
 
Clima da Região Norte
Clima da Região NorteClima da Região Norte
Clima da Região Norte
victorosa
 
Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.
Ste Escola Bernardino
 
Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.
Ste Escola Bernardino
 
23.08.16 boletim climatológico_agosto (1)
23.08.16 boletim climatológico_agosto (1)23.08.16 boletim climatológico_agosto (1)
23.08.16 boletim climatológico_agosto (1)
Gabriela Rodrigues
 
Clima ,hidrografia e vegetação
Clima ,hidrografia e vegetaçãoClima ,hidrografia e vegetação
Clima ,hidrografia e vegetação
Débora Sales
 

Semelhante a Correntes oceânicas (20)

El nino e la nina
El nino e la ninaEl nino e la nina
El nino e la nina
 
TEMPO E CLIMA
TEMPO E CLIMATEMPO E CLIMA
TEMPO E CLIMA
 
sistemas meteorológicos- climatologia
 sistemas meteorológicos- climatologia sistemas meteorológicos- climatologia
sistemas meteorológicos- climatologia
 
Atmosfera 1º ano luiz
Atmosfera 1º ano luizAtmosfera 1º ano luiz
Atmosfera 1º ano luiz
 
Climatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
Climatologia E Biogeografia Geral E Do BrasilClimatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
Climatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
 
A Dinâmica Climática
A Dinâmica ClimáticaA Dinâmica Climática
A Dinâmica Climática
 
Clima da Região Norte
Clima da Região NorteClima da Região Norte
Clima da Região Norte
 
05 el nino
05 el nino05 el nino
05 el nino
 
Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.
 
Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.Os climas e as paisagens naturais da américa.
Os climas e as paisagens naturais da américa.
 
Geo h e_8o_cap11_site_ok
Geo h e_8o_cap11_site_okGeo h e_8o_cap11_site_ok
Geo h e_8o_cap11_site_ok
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Cap6 1 atmosfera e sua dinâmica_parte2
Cap6 1 atmosfera e sua dinâmica_parte2Cap6 1 atmosfera e sua dinâmica_parte2
Cap6 1 atmosfera e sua dinâmica_parte2
 
23.08.16 boletim climatológico_agosto (1)
23.08.16 boletim climatológico_agosto (1)23.08.16 boletim climatológico_agosto (1)
23.08.16 boletim climatológico_agosto (1)
 
Clima ,hidrografia e vegetação
Clima ,hidrografia e vegetaçãoClima ,hidrografia e vegetação
Clima ,hidrografia e vegetação
 
Climas 1 2016
Climas 1 2016Climas 1 2016
Climas 1 2016
 
Clima final.pptx AULA SIMPLIFICADA SOBRE CLIMA
Clima final.pptx AULA SIMPLIFICADA SOBRE CLIMAClima final.pptx AULA SIMPLIFICADA SOBRE CLIMA
Clima final.pptx AULA SIMPLIFICADA SOBRE CLIMA
 
Geofísica 3.0
Geofísica 3.0Geofísica 3.0
Geofísica 3.0
 
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima do brasil
 
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima do brasil
 

Correntes oceânicas

  • 2. Correntes Oceânicas • As correntes marítimas são movimentos de grandes massas de água dentro de um oceano ou mar. • Tal qual a circulação dos ventos, as correntes marítimas têm a característica de influenciar o clima das regiões em que atuam, possuem direções e constâncias bem definidas. • As correntes marítimas têm sua origem na circulação dos ventos na superfície e pelo movimento de rotação da Terra. • Elas transportam consigo umidade e calor interferindo também na vida marinha e, consequentemente, tendo influência direta no equilíbrio dos oceanos e mares.
  • 3. Corrente do Labrador • A corrente do Labrador inicia-se pela corrente leste da Groenlândia que termina no sul da Groenlândia. • A corrente estende-se do sudoeste da Groenlândia até o norte e continua pela costa leste do Canadá do norte até o sul, encontrando-se com a corrente da Flórida. Recebe o seu nome da Península do Labrador. • Crê-se que o transporte da corrente do Labrador contém uma grande componente barotrópica .
  • 4.
  • 5. Corrente do Brasil • A Corrente do Brasil é uma corrente oceânica quente do Oceano Atlântico Sul cujo movimento é paralelo à costa leste da América do Sul. Após cruzar a altura do Rio da Prata encontra-se com a Corrente das Malvinas, que é uma corrente fria. • 1)Corrente das Guianas que banha o litoral norte do Brasil(Quente). 2)Corrente do Brasil que banha o litoral nordeste e parte do sudeste (Quente). 3)Corrente de Falklands (Malvinas para os argentinos) que banha o litoral sul do Brasil,mas pode atingir até o litoral do Espírito Santo (Fria).
  • 6.
  • 7. Corrente de Humboldt • A corrente de Humboldt, e também conhecida como corrente do Peru, corresponde a uma corrente oceânica que se desloca pela extensão do oceano Pacífico. • Nascendo perto da Antártica, ela é a corrente mais fria do mundo, com uma temperatura aproximadamente 7 ou 8 °C inferior à temperatura média do oceano na mesma latitude. • Durante o fenômeno do El Niño, ela desaparece e deixa em seu lugar uma corrente quente, diminuindo o plâncton e aumentando as precipitações pluviométricas na costa sul-americana do Pacífico
  • 8.
  • 9. El Niño e La Niña • Os fenômenos El Niño são alterações significativas de curta duração (12 a 18 meses) na distribuição da temperatura da superfície da água do Oceano Pacífico, com profundos efeitos no clima. • O El Niño foi originalmente reconhecido por pescadores da costa oeste da América do Sul, observando baixas capturas, à ocorrência de temperaturas mais altas que o normal no mar, normalmente no fim do ano – daí a designação, que significa “O Menino”, referindo-se ao “Menino Jesus”, relacionado com o Natal.
  • 10. • La Niña é o fenômeno inverso, caracterizado por temperaturas anormalmente frias, também no fim do ano, na região equatorial do Oceano Pacifico, muitas vezes (mas não sempre) seguindo-se a um El Niño. Também já foi denominado como “El Viejo” (“O Velho”, ou seja, a antítese do “menino”) ou ainda o “Anti-El Niño”. • À semelhança do El Niño, porém apresentando uma maior variabilidade do que este, trata-se de um fenômeno natural que produz fortes mudanças na dinâmica geral da atmosfera, alterando o comportamento climático. • Nele, os ventos alísios mostram-se mais intensos que o habitual (média climatológica) e as águas mais frias, que caracterizam o fenômeno.
  • 11. Efeitos do El Niño e La Niña • EL NIÑO: • No Brasil a variação no volume de chuvas depende de cada região e da intensidade do fenômeno. A temperatura aumenta na maioria das regiões. • Região Norte e Nordeste: Diminuição de chuvas causando secas, se agrava a situação no Sertão nordestino e aumentam as chances de incêndios florestais na Amazônia; • Região Sudeste: Aumento da temperatura média. • Região Sul: Aumento da temperatura média e da precipitação, principalmente na primavera e no período entre Maio e Julho.
  • 12. • LA NIÑA • Entre os meses de Dezembro e Fevereiro: • Aumento das chuvas na região nordeste do Brasil; principalmente no setor norte, a qual corresponde os estados do Maranhão, Piauí, Ceará e oeste do Rio Grande do Norte • Temperaturas abaixo do normal para o verão, na região sudeste do Brasil; • Aumento do frio na costa oeste dos Estados Unidos; • Aumento das chuvas na costa leste da Ásia; • Aumento do frio no Japão. • • • • • • Entre os meses de Junho e Agosto: Inverno árido na região sul e sudeste do Brasil; Aumento do frio na costa oeste da América do Sul; Frio e chuvas na região do Caribe (América Central); Aumento das temperaturas altas na região leste da Austrália; Aumento das temperaturas e chuvas na região leste da Ásia.