SlideShare uma empresa Scribd logo
POLÍTICAS DE SAÚDE – SUS – Lei
8.080 Criada em 19/09/1990
Professor:Marcio Pinto
POLÍTICAS DE SAÚDE – SUS – Lei
8.080 Criada em 19/09/1990
Professor:Marcio Pinto
Dispõe sobre:
 Condições para promoção, proteção e
recuperação da saúde
 Organizacão e funcionamento dos serviços de
saúde (públicos ou privados) em todo território
nacional (Art. 1°)
 Disposições Gerais (Lei 8.080/90- Art. 2°)
SAÚDE = DIREITO fundamental do ser humano
= DEVER do Estado - ( políticas sociais
e econômicas que visem reduzir riscos e
agravos à saúde)
 O acesso às ações e serviços de saúde
(promoção,proteção e recuperação) deve
universal e igualitário.
 O dever do Estado NÃO exclui a
responsabilidade das pessoas, da família,
das empresas e da sociedade.
 Art. 2° A saúde é um direito fundamental do ser humano,
devendo o Estado prover as condições indispensáveis ao
seu pleno exercício.

§1° O dever do Estado de garantir a saúde consiste na
formulação e execução de políticas econômicas e
sociais que visem à redução de riscos de doenças e
de outros agravos e no estabelecimento de condições
que assegurem acesso universal e igualitário às
ações e aos serviços para a sua promoção,.proteção
ti recuperação.
§ 2° O dever do Estado não exclui o das pessoas, da
família, das empresas e da sociedade.
Disposições Gerais (Lei 8.8080/90-Art 3°)
 Fatores Determinantes e Condicionantes de
Saúde:
Alimentação; Trabalho;
Moradia; Renda;
Saneamento básico; Educação;
Meio ambiente; Transporte
Acesso aos bens e serviços essenciais, entre outros
 Art. 3 :Parágrafo único. Dizem respeito também à saúde as ações que, por
força do disposto no artigo anterior, se destinam a qarantir às pessoas e à
coletividade condições de bem-estar físico. mental e social. ".
Definicão do SUS (Lei 8.080/90 - Art.40
)
 conjunto de ações e serviços de saúde, prestados por
Instituições públicas federais, estaduais e municipais, :
da Administração direta, indireta, e pelas Fundações
Públicas ...
Ex. Unidades de saúde, Hospitais (incluindo os HUs),
Laboratórios, hemocentros, Institutos de pesquisa etc.
Estão incluídas: Instituições (F, E, M) de controle de
qualidade, pesquisa, produção de medicamentos,
sangue e hemoderivados, equipamentos para a saúde
...de forma COMPLEMENTAR pelas Instituições
Privadas
 Art. 4º - O conjunto de ações e serviços de saúde,
prestados por órgãos e instituições públicas federais,
estaduais e municipais, da administração direta e indireta
e das fundações mantidas pelo Poder Público, constitui o
Sistema Único de Saúde - SUS.
 § 1º - Estão incluídas no disposto neste artigo as
instituições públicas federais, estaduais e municipais de
controle de qualidade, pesquisa e produção de insumos,
medicamentos inclusive de sangue e hemoderivados, e
de equipamentos para a saúde.
 § 2º - A iniciativa privada poderá participar do Sistema
Único de Saúde - SUS, em caráter complementar.
Objetivos do SUS (Lei 8080/90 Art. 5°)
 A identificação e divulgação dos fatores condicionantes e
determinantes de saúde;
 A formulação de política de saúde ...
 A assistência às pessoas por intermédio de ações de promoção,
proteção e recuperação de saúde, com a realização integrada
das ações assistenciais e das atividades preventivas
Execuções de ações de:
 Vigilância sanitária ambientes
 Vigilância epidemiológica medidas de prevenção e controle
das doenças ou agravos
 Saúde do trabalhador vigilância epidemiológica + vigilância
sanitária ligadas à atividade profissional do trabalhador
 saneamento básico - formulação da política e execução de
ações
 ordenação da formação de recursos humanos na área de saúde
 vigilância nutricional e a orientação alimentar
 proteção ao meio ambiente, nele compreendido o do trabalho
 a formulação da política de medicamentos, equipamentos,
Imunobiológicos
 o controle e a fiscalização de :
 serviços, produtos e substâncias de interesse para a saúde
 a participação no controle e na fiscalização de: produtos
psicoativos, tóxicos e radioativos (produção, transporte, guarda
e utilização) ,,'
 desenvolvimento científico e tecnológico em sua área de
atuação
 formulação e execução da política de sangue e seus derivados
Vigilância Sanitária (Lei 8.080- Art.60
§10
)
 Art. 6° - § 10
Entende-se por vigilância sanitária um
conjunto de ações capaz de eliminar, diminuir ou prevenir
riscos à saúde e de intervir nos problemas sanitários
decorrentes do meio ambiente, da produção e circulação
de bens e da prestação de serviços de interesse da
saúde. abrangendo:
 I - o controle de bens de consumo que, direta ou
indiretamente, se relacionem com a saúde,
compreendidas todas as etapas e processos, da
produção ao consumo; e
 II - o controle da prestação de serviços que se
relacionam direta ou Indiretamente com a saúde.
Vigilância Epidemiológica (Lei 8.080- Art.60
§20
)
 Entende-se por vigilância epidemiológica um
conjunto de ações que proporcionam o
conhecimento, a detecção ou prevenção de
qualquer mudança nos fatores
determinantes e condicionantes de saúde
individual ou coletiva, com a finalidade de
recomendar e adotar as medidas de
prevenção e controle das doenças ou
agravos.
Saúde do Trabalhador
 um conjunto de atividades que se destina, através das ações
de vigilância epidemiológica, sanitária, à promoção e proteção
da saúde dos trabalhadores
 visa à recuperação e reabilitação da saúde dos trabalhadores
submetidos aos riscos e agravos advindos das condições de
trabalho, abrangendo:
A saúde do trabalhador abrange:
I - assistência ao trabalhador vítima de acidentes de trabalho ou
portador de doença profissional e do trabalho:
II - participação, no âmbito de competência do Sistema Único de
Saúde (SUS), em estudos, pesquisas, avaliação e controle dos
riscos e agravos potenciais à saúde existentes no processo de
trabalho;
 III - participação, no âmbito de competência do Sistema Único de
Saúde (SUS), da normatização, fiscalização e controle das
condições de produção, extração, armazenamento, transporte,
distribuição e manuseio de substancias, de produtos, maquinas e
de equipamentos que apresentem riscos a saúde do trabalhador;
 IV - avaliação do impacto Que as tecnologias provocam à saúde
 V - informação ao trabalhador e à sua respectiva entidade
sindical e às empresas sobre os riscos de acidentes de trabalho,
doença profissional e do trabalho, bem como os resultados de
fiscalizações, avaliações' ambientais e exames de saúde, de
admissão, periódicos e de demissão, respeitados os preceitos da
ética profissional;
 VI - participação na normatização. fiscalização e controle
dos serviços de saúde do trabalhador nas instituições e
empresas públicas e privadas;
 VII- revisão periódica da Iistagem oficial de doenças
originadas no processo de trabalho, tendo na sua
elaboração colaboração das entidades sindicais; e
 VIII – a garantia ao sindicato dos trabalhadores de requerer
ao órgão competente a interdição de máquina, de setor de
serviço ou de todo ambiente de trabalho, quando houver
exposição a risco iminente para a vida ou saúde dos
trabalhadores.
SUS-Construção
Princípios Doutrinários:
•Universalização
•Equidade
•Integralidade
Princípios Organizativos
•Regionalização e
Hierarquização
•Descentralização e comando
único
•Participação popular
SUS-Construção
Arcabouço Jurídico-Legal:
Constituição da república
Leis Orgânicas da Saúde
NOBs (Normas Operacionais Básicas)
NOAS(Norma Operacional da Assistência)
Constituição da República
 Artigo 196 -“A saúde é direito de todos e
dever do Estado, garantido mediante
políticas sociais e econômicas que visem à
redução do risco de doença e de outros
agravos e ao acesso universal igualitário às
ações e serviços para sua promoção,
proteção e recuperação”.
Constituição da República
“As ações e serviços públicos de saúde
integram uma rede regionalizada e
hierarquizada e constituem um Sistema
Único, organizado de acordo com as
seguintes diretrizes: descentralização,
atendimento integral, participação da
comunidade”...
Lei 8080(19/09/1990)
 Dispõe sobre as condições para a promoção,
proteção e recuperação da saúde, a organização e o
funcionamento dos serviços correspondentes,
regulando em todo o território nacional, as ações e
os serviços executados, isolada ou conjuntamente,
em caráter permanente ou eventual, por pessoas
naturais de diteito público ou privado através de
entidades vinculadas ao sistema, observando o
princípio da eqidade, da integralidade, da
resolutividade e da gratuidade.
O que diz a Lei 8080?
 Das disposições gerais:
 A saúde é um direito fundamental do ser humano,
devendo o Estado prover as coindições ideais ao
seu pleno exercício;
 A saúde tem como fatores determinantes e
condicionantes, entre outros, a alimentação, a
moradia, o saneamento básico, o meio ambiente, o
trabalho…
Lei 8142- 28 /12/1990
 Dispõe sobre a participação da comunidade
na gestão do SUS e sobre as transferências
intergovernamentais de recursos financeiros
na área da saúde.
Participação da Comunidade
 Conferências de Saúde
 Reunirá a cada quatro anos com a representação
dos diversos segmentos sociais para avaliar a
situaçào de saúde e propor as diretrizes para a
formulação da política de saúde;
 Conselhos de Saúde
 Órgão colegiado composto por representantes do
governo, prestadores de serviço, profissionais de
saúde e usuários. Caráter permanente e
deliberativo. Atua na formulação de estratégias e no
controle da execução da política de saúde na
instância correspondente.
Quanto à transferência de recursos
 Os Municípios, os Estados e o Distrito
Federal deverão contar com Fundo de
Saúde, Conselho de Saúde, Relatórios de
Gestão, contrapartida de recursos para a
saúde no respectivo orçamento e Comissão
de elaboração do Plano de Carreira , Cargos
e Salários.
Normas Operacionais Básicas
Entre os objetivos das Normas Operacionais temos:
• Induzir e estimular mudanças;
• Aprofundar e reorientar a implementação do SUS;
• Definir novos objetivos estratégicos, prioridades,
diretrizes, e movimentos tático-operacionais;
• Regular as relações entre seus gestores;
• Normatizar o SUS.
NOB 01/91
Os principais pontos da NOB/SUS 01/91 são:
 Equiparar prestadores públicos e privados, no que
se refere à modalidade de financiamento que passa
a ser, em ambos os casos, por pagamento pela
produção de
serviços;
 Centraliza a gestão do SUS no nível federal;
 Estabelece o instrumento convenial como forma de
transferência de recursos Federais para os Estados,
Distrito Federal e Municípios.
NOB 01/91
 Considera como “municipalizados” dentro do SUS, os
municípios que atendam os requisitos básicos:
(a) criação dos Conselhos Municipais de Saúde;
(b) criação do Fundo Municipal de Saúde;
(c) Plano Municipal de Saúde aprovado pelos respectivos
Conselhos;
(d) Programação e Orçamentação da Saúde (PROS) como
detalhamento do Plano de Saúde;
(e) Contrapartida de recursos para a saúde do seu orçamento;
(f) Constituição de Comissão de Elaboração do Plano de Carreira,
Cargos e Salários(PCCS) com o prazo de dois anos para a sua
implantação.
NOB 01/93
 Formalizou os princípios aprovados na 9ª
Conferência Nacional de Saúde (realizada
em 1992), que teve como tema central “a
municipalização é o caminho”, e
desencadeou um amplo processo de
municipalização da gestão com habilitação
dos municípios nas condições de gestão
criadas.
Os principais pontos da NOB 01/93
são:
 Cria transferência regular e automática (fundo a
fundo) do teto global da assistência para municípios;
 Habilita municípios como gestores;
 Define o papel dos Estados de forma frágil, mas
esses, ainda assim, passam a assumir o papel de
gestor do sistema estadual de saúde;
 São constituídas as Comissões Intergestores
Bipartite (de âmbito estadual) e Tripartite (nacional)
como importantes espaços de negociação,
pactuação, articulação, integração entre gestores.
NOB 01/96
 A NOB/SUS 01/96 promoveu um avanço no
processo de descentralização, criando novas
condições de gestão para os municípios e
Estados, caracterizando as
responsabilidades sanitárias do município
pela saúde de seus cidadãos e redefinindo
competências de Estados e municípios.
NOAS 01/2002 (Norma Operacional de
Assistência à Saúde)
 Estabelece o processo de regionalização como estratégia
de hierarquização dos serviços de saúde e de busca de
maior equidade.
“
“O processo de regionalização deverá contemplar uma
lógica de planejamento integrado, compreendendo as
noções de territorialidade na identificação das prioridades
de intervenção e de conformação de sistemas funcionais
de saúde, não necessariamente restritos à abrangência
municipal, mas respeitando seus limites como unidade
indivisível, de forma a garantir o acesso dos cidadãos a
todas as ações e serviços necessários para resolução de
seus problemas de saúde, otimizando os recursos
disponíveis.”
NOAS 01/2002 (Norma Operacional de
Assistência à Saúde)
 Três grupos de estratégias articuladas :
 I – Regionalização e Organização da Assistência
 II – Fortalecimento da Capacidade de Gestão do SUS
 III – Revisão de Critérios de Habilitação de
Municípios e Estados
Regionalização
 Desafios
 Definição da divisão de responsabilidades entre
estados e municípios.
 Integração entre sistemas municipais.
 Planejamento e organização funcional do sistema.
 Financiamento e critérios de alocação de recursos -
orientação pelas necessidades da população e
aumento de transferências fundo a fundo.
 Resolutividade e acesso aos serviços.
Regionalização
1. Elaboração do Plano Diretor de
Regionalização
2. Ampliação da Atenção Básica
3. Qualificação das Microrregiões na
Assistência à Saúde
4. Organização da Média Complexidade
5. Política para a Alta Complexidade
1. Elaboração do Plano Diretor de Regionalização
 Integra o Plano Estadual de Saúde
 Conteúdo mínimo do plano de regionalização:
- organização do território estadual em regiões e
microrregiões de saúde;
- identificação das prioridades de intervenção em cada
região/microrregião;
- Plano Diretor de Investimentos;
- inserção e papel de todos os municípios nas microrregiões
de saúde, com identificação dos municípios sede, de sua
área de abrangência e dos fluxos de referência;
1. Elaboração do Plano Diretor de
Regionalização
 Conteúdo mínimo do plano de regionalização:
- mecanismos de relacionamento intermunicipal (sistema de
referência);
- mecanismos de organização de fluxos de referência e
garantia do acesso da população aos serviços (centrais de
regulação, fluxos autorizativos, entre outros); e proposta de
estruturação de redes de referência especializadas em
áreas específicas.
- identificação das necessidades e proposta de fluxo de
referências para outros estados.
2. Ampliação da Atenção Básica
 Ações a serem ofertadas por todos os municípios
brasileiros;
 Áreas de atuação estratégicas da AB: controle da
tuberculose, eliminação da hanseníase, controle da
hipertensão, controle da diabetes mellitus, saúde da
criança, saúde da mulher e saúde bucal;
 Incorporação de novos procedimentos à relação
atual do PAB
3. Qualificação das microrregiões na
assistência à saúde
 Microrregião de saúde: base territorial de planejamento,
definida no âmbito estadual, de acordo com as características
e estratégias de regionalização de cada estado; pode
compreender um ou mais módulos assistenciais.
 Módulo assistencial: módulo territorial com resolubilidade
correspondente ao primeiro nível de referência (laboratório,
radiologia simples, US obstétrica, psicologia, fisioterapia,
ações de odontologia especializada, leitos hospitalares), com
área de abrangência mínima a ser definida para cada UF.
Módulo 3
Módulo
1
Módulo
2
Módulo 1
Módulo
2
Microrregião 2
Microrregião 3
Município Sede
I - REGIONALIZAÇÃO
3. Qualificação das microrregiões na
assistência à saúde
 Estado Exemplo:
Microrregião 1
Financiamento
 Implantação de valor per capita nacional
correspondente a esse conjunto de serviços
ambulatoriais;
 Após qualificação da microrregião: transferência
fundo a fundo para município-sede do montante de
recursos , correspondente à cobertura de sua
população e à cobertura da população residente em
outros municípios do mesmo módulo assistencial,
nesse grupo de serviços
OBSTÁCULOS DA DESCENTRALIZAÇÃO E
REGIONALIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA
 Dificuldades de FinanciamentoDificuldades de Financiamento
 Insuficiência de capacidade gerencialInsuficiência de capacidade gerencial
 Excessiva burocracia administrativaExcessiva burocracia administrativa
 Pouca experiência em processos dePouca experiência em processos de
democratização e descentralizaçãodemocratização e descentralização
 Insuficiência de mecanismos jurídicos paraInsuficiência de mecanismos jurídicos para
regulação da rede privadaregulação da rede privada
 Formação de Recursos HumanosFormação de Recursos Humanos
Regionalização da Assistência à
Saúde
no Âmbito do Estado do Rio de
Janeiro
“Consolidando a Integração Regional”
O Estado do Rio:
 14.367.083 habitantes.
 92 municípios; 09 regiões de saúde; 23 microrregiões;
 22 municípios habilitados em GPSM pela NOB 96;
 70 municípios habilitados em GPAB pela NOB 96;
 Um dos estados com maior capacidade instalada de
serviços de saúde do País.
 Um dos estados com maior capacidade instalada de
 serviços PÚBLICOS do País.
 Possui 19 Unidades Hospitalares próprias; 06 institutos;
 02 postos de assistência médica; 02 laboratórios; 01
escola de formação técnica
Rio de Janeiro:
 Plano Estadual de Saúde aprovado pelo Conselho
Estadual de Saúde em abril de 2002 – Diário Oficial
de 06 de abril de 2002 – Ano XXVIII – nº 63A –
Parte I, pág. 42;
 Plano Diretor de Regionalização aprovado pelo
Conselho Estadual de Saúde e pelo Ministério da
Saúde;
 Habilitado em Gestão Plena do Sistema Estadual
em agosto de 2002 (novas responsabilidades e
fortalecimento dos papéis de planejamento e
regulação do estado);
 ISeminário de Planejamento Estratégico em Saúde –
2000.Foram identificadas as prioridades de intervenção em
cada região do Estado, com a definição das principais
estratégias a serem desenvolvidas.
 Oficinas regionais/Regionalização da Assistência à Saúde
– 2001.Foi definido o desenho da organização da
assistência regio-nalizada no Estado, com a conformação
dos módulos assistenciais.
 II Seminário de Planejamento Estratégico em Saúde –
2002. Foram traçadas estratégias para habilitação dos
municípios e qualificação das microrregiões.
Critérios para a Regionalização
 Geográfico
 Populacional
 Acessibilidade
 Capacidade instalada (atual e potencial)
 Decisão política dos gestores municipais
 Previsão de investimentos
Cbf concursos-saude-140115121837-phpapp02
Regiões e Microregiões de Saúde
Regiões População
Microrregi
ões
Municípios
Sede
Municípios
Adscritos
Baia da Ilha Grande 173.555 1 2 1
Baixada Litorânea 441.000 2 7 2
Centro Sul 294.987 2 6 5
Médio Paraíba 784.813 2 8 4
Metropolitana I 9.131.585 5 12 0
Metropolitana II 1.708.815 4 6 1
Noroeste 283.049 2 8 6
Norte 684.409 2 6 2
Serrana 837.837 3 12 4
Estado 14.367.083 23 67 25
Política de Média Complexidade
 Estipula critérios de ações mínimas que devem ser
oferecidas nos módulos asssistenciais;
 As demais ações assistenciais de média
complexidade podem ser garantidas no âmbito
microrregional, regional ou mesmo estadual, de
acordo com o tipo de serviço, a disponibilidade
tecnológica, as características do estado e a
definição no Plano Diretor de Regionalização do
estado.
Política de Alta Complexidade
Cabe ao MS:
a) definição de normas nacionais;
b) controle do cadastro nacional de prestadores de serviços;
c) vistoria de serviços, quando lhe couber, de acordo com as normas de
cadastramento estabelecidas pelo próprio Ministério da Saúde;
d) definição de incorporação dos procedimentos a serem ofertados à população
pelo SUS;
e) definição do elenco de procedimentos de alta complexidade;
f) estabelecimento de estratégias que possibilitem o acesso mais equânime
diminuindo as diferenças regionais na alocação dos serviços;
g) definição de mecanismos de garantia de acesso para as referências
interestaduais, através da Central Nacional de Regulação para Procedimentos
de Alta Complexidade;
h) formulação de mecanismos voltados à melhoria da qualidade dos serviços
prestados;
i) financiamento das ações.
Política de Alta Complexidade
 A regulação dos serviços de alta complexidade será
de responsabilidade do gestor municipal,quando o
município encontrar-se na condição de Gestão
Plena do Sistema Municipal, e de responsabilidade
do gestor estadual, nas demais situações.
 A programação deve prever, quando necessário, a
referência de pacientes para outros estados,assim
como reconhecer o fluxo programado de pacientes
de outros estados.
Relevância dos Serviços de Alta
Complexidade no SUS
 Aumento significativo dos casos de Doenças
Crônicas Não Transmissíveis;
 Microorganismos patógenos multirresistentes;
 Violência Urbana (PAF, Acidentes de Trânsito,etc);
 Envelhecimento da População;
 Estilo de vida urbano e fatores de risco para
cardiopatias;
 Drogadição.
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lei 8080 1990 8pg
Lei 8080 1990 8pgLei 8080 1990 8pg
Lei 8080 1990 8pg
Luanapqt
 
Questionário lei 8080
Questionário lei 8080Questionário lei 8080
Questionário lei 8080
nairejose
 
Código Sanitário de Guarulhos
Código Sanitário de GuarulhosCódigo Sanitário de Guarulhos
Código Sanitário de Guarulhos
abpvs
 
A Importância E As Precauções Da Vigilância Sanitária Na Clínica Veterinária
 A Importância E As Precauções Da Vigilância Sanitária Na Clínica Veterinária A Importância E As Precauções Da Vigilância Sanitária Na Clínica Veterinária
A Importância E As Precauções Da Vigilância Sanitária Na Clínica Veterinária
Instituto Qualittas de Pós Graduação
 
Leis do sus na integra
Leis do sus na integraLeis do sus na integra
Leis do sus na integra
Luanapqt
 
Apostila 9 concurso_anvisa_prof_rômulo
Apostila 9 concurso_anvisa_prof_rômuloApostila 9 concurso_anvisa_prof_rômulo
Apostila 9 concurso_anvisa_prof_rômulo
Camila Lopes
 
Questionario 8142
Questionario 8142Questionario 8142
Questionario 8142
nairejose
 
Curso vigilancia sanitaria_sp__22648
Curso vigilancia sanitaria_sp__22648Curso vigilancia sanitaria_sp__22648
Curso vigilancia sanitaria_sp__22648
Sandra Rocha
 
Lei 8080 esquematizada
Lei 8080 esquematizadaLei 8080 esquematizada
Lei 8080 esquematizada
EstrategiaConc
 
Revisão geral legislação do SUS aluna 1
Revisão geral legislação do SUS  aluna 1Revisão geral legislação do SUS  aluna 1
Revisão geral legislação do SUS aluna 1
Rosane Domingues
 
Apostila de sus do professor juremir abrunhosa
Apostila de sus do professor  juremir abrunhosaApostila de sus do professor  juremir abrunhosa
Apostila de sus do professor juremir abrunhosa
Curso Atryo
 
VIGILÂNCIA SANITÁRIA MUNICIPAL - SUGESTÃO PARA NOVA IGUAÇU
VIGILÂNCIA SANITÁRIA MUNICIPAL - SUGESTÃO PARA NOVA IGUAÇUVIGILÂNCIA SANITÁRIA MUNICIPAL - SUGESTÃO PARA NOVA IGUAÇU
VIGILÂNCIA SANITÁRIA MUNICIPAL - SUGESTÃO PARA NOVA IGUAÇU
Escola de Estética Pele Bonita
 
SUS para Concursos
SUS para ConcursosSUS para Concursos
SUS para Concursos
Marcio Pinto da Silva
 
1732 sus lei 8.080-90 - apostila amostra
1732 sus   lei 8.080-90 - apostila amostra1732 sus   lei 8.080-90 - apostila amostra
1732 sus lei 8.080-90 - apostila amostra
Denise Medeiros
 
Exercícios sus lei 8080
Exercícios sus lei 8080Exercícios sus lei 8080
Exercícios sus lei 8080
Joao Balbino Faria
 
Sus conhecimentos básicos de saúde pública
Sus conhecimentos básicos de saúde públicaSus conhecimentos básicos de saúde pública
Sus conhecimentos básicos de saúde pública
Rosane Domingues
 

Mais procurados (16)

Lei 8080 1990 8pg
Lei 8080 1990 8pgLei 8080 1990 8pg
Lei 8080 1990 8pg
 
Questionário lei 8080
Questionário lei 8080Questionário lei 8080
Questionário lei 8080
 
Código Sanitário de Guarulhos
Código Sanitário de GuarulhosCódigo Sanitário de Guarulhos
Código Sanitário de Guarulhos
 
A Importância E As Precauções Da Vigilância Sanitária Na Clínica Veterinária
 A Importância E As Precauções Da Vigilância Sanitária Na Clínica Veterinária A Importância E As Precauções Da Vigilância Sanitária Na Clínica Veterinária
A Importância E As Precauções Da Vigilância Sanitária Na Clínica Veterinária
 
Leis do sus na integra
Leis do sus na integraLeis do sus na integra
Leis do sus na integra
 
Apostila 9 concurso_anvisa_prof_rômulo
Apostila 9 concurso_anvisa_prof_rômuloApostila 9 concurso_anvisa_prof_rômulo
Apostila 9 concurso_anvisa_prof_rômulo
 
Questionario 8142
Questionario 8142Questionario 8142
Questionario 8142
 
Curso vigilancia sanitaria_sp__22648
Curso vigilancia sanitaria_sp__22648Curso vigilancia sanitaria_sp__22648
Curso vigilancia sanitaria_sp__22648
 
Lei 8080 esquematizada
Lei 8080 esquematizadaLei 8080 esquematizada
Lei 8080 esquematizada
 
Revisão geral legislação do SUS aluna 1
Revisão geral legislação do SUS  aluna 1Revisão geral legislação do SUS  aluna 1
Revisão geral legislação do SUS aluna 1
 
Apostila de sus do professor juremir abrunhosa
Apostila de sus do professor  juremir abrunhosaApostila de sus do professor  juremir abrunhosa
Apostila de sus do professor juremir abrunhosa
 
VIGILÂNCIA SANITÁRIA MUNICIPAL - SUGESTÃO PARA NOVA IGUAÇU
VIGILÂNCIA SANITÁRIA MUNICIPAL - SUGESTÃO PARA NOVA IGUAÇUVIGILÂNCIA SANITÁRIA MUNICIPAL - SUGESTÃO PARA NOVA IGUAÇU
VIGILÂNCIA SANITÁRIA MUNICIPAL - SUGESTÃO PARA NOVA IGUAÇU
 
SUS para Concursos
SUS para ConcursosSUS para Concursos
SUS para Concursos
 
1732 sus lei 8.080-90 - apostila amostra
1732 sus   lei 8.080-90 - apostila amostra1732 sus   lei 8.080-90 - apostila amostra
1732 sus lei 8.080-90 - apostila amostra
 
Exercícios sus lei 8080
Exercícios sus lei 8080Exercícios sus lei 8080
Exercícios sus lei 8080
 
Sus conhecimentos básicos de saúde pública
Sus conhecimentos básicos de saúde públicaSus conhecimentos básicos de saúde pública
Sus conhecimentos básicos de saúde pública
 

Semelhante a Cbf concursos-saude-140115121837-phpapp02

Lei
LeiLei
Sus lei8080
Sus   lei8080Sus   lei8080
Sus lei8080
Claudia Comaru
 
Lei 8080
Lei 8080Lei 8080
1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS.pdf
1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS.pdf1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS.pdf
1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS.pdf
David Monteiro Mello
 
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de SaúdeLei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Centro Universitário Ages
 
Legislação do SUS
Legislação do SUSLegislação do SUS
Legislação do SUS
Frente da Transparencia
 
SUS + CONSELHOS DE SAUDE (lei8080e8142-esquematizadas200questes-140709052231)...
SUS + CONSELHOS DE SAUDE (lei8080e8142-esquematizadas200questes-140709052231)...SUS + CONSELHOS DE SAUDE (lei8080e8142-esquematizadas200questes-140709052231)...
SUS + CONSELHOS DE SAUDE (lei8080e8142-esquematizadas200questes-140709052231)...
Antonio Cabral Filho
 
Leis do sus na integra
Leis do sus na integraLeis do sus na integra
Leis do sus na integra
Luanapqt
 
Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
Flávio Rocha
 
Sus
SusSus
AULA 01 - LEI 8080.90.pptx
AULA 01 - LEI 8080.90.pptxAULA 01 - LEI 8080.90.pptx
AULA 01 - LEI 8080.90.pptx
LanaMonteiro8
 
Lei 8080 1990 8pg
Lei 8080 1990 8pgLei 8080 1990 8pg
Lei 8080 1990 8pg
Luanapqt
 
Lei 8345 2002 código sanitário município
Lei 8345 2002 código sanitário municípioLei 8345 2002 código sanitário município
Lei 8345 2002 código sanitário município
abpvs
 
AULA 01 - POLITICAS PUBLICAS EM SAÚDE LEI 8080.pdf
AULA 01 - POLITICAS PUBLICAS EM SAÚDE LEI 8080.pdfAULA 01 - POLITICAS PUBLICAS EM SAÚDE LEI 8080.pdf
AULA 01 - POLITICAS PUBLICAS EM SAÚDE LEI 8080.pdf
ARMSTRONGEMANUELDEME
 
Codigo de saude de mg
Codigo de saude de mgCodigo de saude de mg
Codigo de saude de mg
Ademir Henrique Vilas Boas
 
SUS
SUSSUS
Pm Santo André código sanitário
Pm Santo André   código sanitárioPm Santo André   código sanitário
Pm Santo André código sanitário
abpvs
 
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.pptHISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
ssuser1b1803
 
Aula - SUS e RAS 1 ciclo Nutrição em Saúde.pdf
Aula - SUS e RAS 1 ciclo Nutrição em Saúde.pdfAula - SUS e RAS 1 ciclo Nutrição em Saúde.pdf
Aula - SUS e RAS 1 ciclo Nutrição em Saúde.pdf
JulioCesar371362
 
Politicas sus
Politicas susPoliticas sus
Politicas sus
Marcos Nery
 

Semelhante a Cbf concursos-saude-140115121837-phpapp02 (20)

Lei
LeiLei
Lei
 
Sus lei8080
Sus   lei8080Sus   lei8080
Sus lei8080
 
Lei 8080
Lei 8080Lei 8080
Lei 8080
 
1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS.pdf
1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS.pdf1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS.pdf
1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS.pdf
 
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de SaúdeLei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
 
Legislação do SUS
Legislação do SUSLegislação do SUS
Legislação do SUS
 
SUS + CONSELHOS DE SAUDE (lei8080e8142-esquematizadas200questes-140709052231)...
SUS + CONSELHOS DE SAUDE (lei8080e8142-esquematizadas200questes-140709052231)...SUS + CONSELHOS DE SAUDE (lei8080e8142-esquematizadas200questes-140709052231)...
SUS + CONSELHOS DE SAUDE (lei8080e8142-esquematizadas200questes-140709052231)...
 
Leis do sus na integra
Leis do sus na integraLeis do sus na integra
Leis do sus na integra
 
Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
 
Sus
SusSus
Sus
 
AULA 01 - LEI 8080.90.pptx
AULA 01 - LEI 8080.90.pptxAULA 01 - LEI 8080.90.pptx
AULA 01 - LEI 8080.90.pptx
 
Lei 8080 1990 8pg
Lei 8080 1990 8pgLei 8080 1990 8pg
Lei 8080 1990 8pg
 
Lei 8345 2002 código sanitário município
Lei 8345 2002 código sanitário municípioLei 8345 2002 código sanitário município
Lei 8345 2002 código sanitário município
 
AULA 01 - POLITICAS PUBLICAS EM SAÚDE LEI 8080.pdf
AULA 01 - POLITICAS PUBLICAS EM SAÚDE LEI 8080.pdfAULA 01 - POLITICAS PUBLICAS EM SAÚDE LEI 8080.pdf
AULA 01 - POLITICAS PUBLICAS EM SAÚDE LEI 8080.pdf
 
Codigo de saude de mg
Codigo de saude de mgCodigo de saude de mg
Codigo de saude de mg
 
SUS
SUSSUS
SUS
 
Pm Santo André código sanitário
Pm Santo André   código sanitárioPm Santo André   código sanitário
Pm Santo André código sanitário
 
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.pptHISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
 
Aula - SUS e RAS 1 ciclo Nutrição em Saúde.pdf
Aula - SUS e RAS 1 ciclo Nutrição em Saúde.pdfAula - SUS e RAS 1 ciclo Nutrição em Saúde.pdf
Aula - SUS e RAS 1 ciclo Nutrição em Saúde.pdf
 
Politicas sus
Politicas susPoliticas sus
Politicas sus
 

Último

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 

Cbf concursos-saude-140115121837-phpapp02

  • 1. POLÍTICAS DE SAÚDE – SUS – Lei 8.080 Criada em 19/09/1990 Professor:Marcio Pinto
  • 2. POLÍTICAS DE SAÚDE – SUS – Lei 8.080 Criada em 19/09/1990 Professor:Marcio Pinto
  • 3. Dispõe sobre:  Condições para promoção, proteção e recuperação da saúde  Organizacão e funcionamento dos serviços de saúde (públicos ou privados) em todo território nacional (Art. 1°)  Disposições Gerais (Lei 8.080/90- Art. 2°) SAÚDE = DIREITO fundamental do ser humano = DEVER do Estado - ( políticas sociais e econômicas que visem reduzir riscos e agravos à saúde)
  • 4.  O acesso às ações e serviços de saúde (promoção,proteção e recuperação) deve universal e igualitário.  O dever do Estado NÃO exclui a responsabilidade das pessoas, da família, das empresas e da sociedade.
  • 5.  Art. 2° A saúde é um direito fundamental do ser humano, devendo o Estado prover as condições indispensáveis ao seu pleno exercício.  §1° O dever do Estado de garantir a saúde consiste na formulação e execução de políticas econômicas e sociais que visem à redução de riscos de doenças e de outros agravos e no estabelecimento de condições que assegurem acesso universal e igualitário às ações e aos serviços para a sua promoção,.proteção ti recuperação. § 2° O dever do Estado não exclui o das pessoas, da família, das empresas e da sociedade.
  • 6. Disposições Gerais (Lei 8.8080/90-Art 3°)  Fatores Determinantes e Condicionantes de Saúde: Alimentação; Trabalho; Moradia; Renda; Saneamento básico; Educação; Meio ambiente; Transporte Acesso aos bens e serviços essenciais, entre outros  Art. 3 :Parágrafo único. Dizem respeito também à saúde as ações que, por força do disposto no artigo anterior, se destinam a qarantir às pessoas e à coletividade condições de bem-estar físico. mental e social. ".
  • 7. Definicão do SUS (Lei 8.080/90 - Art.40 )  conjunto de ações e serviços de saúde, prestados por Instituições públicas federais, estaduais e municipais, : da Administração direta, indireta, e pelas Fundações Públicas ... Ex. Unidades de saúde, Hospitais (incluindo os HUs), Laboratórios, hemocentros, Institutos de pesquisa etc. Estão incluídas: Instituições (F, E, M) de controle de qualidade, pesquisa, produção de medicamentos, sangue e hemoderivados, equipamentos para a saúde
  • 8. ...de forma COMPLEMENTAR pelas Instituições Privadas  Art. 4º - O conjunto de ações e serviços de saúde, prestados por órgãos e instituições públicas federais, estaduais e municipais, da administração direta e indireta e das fundações mantidas pelo Poder Público, constitui o Sistema Único de Saúde - SUS.  § 1º - Estão incluídas no disposto neste artigo as instituições públicas federais, estaduais e municipais de controle de qualidade, pesquisa e produção de insumos, medicamentos inclusive de sangue e hemoderivados, e de equipamentos para a saúde.  § 2º - A iniciativa privada poderá participar do Sistema Único de Saúde - SUS, em caráter complementar.
  • 9. Objetivos do SUS (Lei 8080/90 Art. 5°)  A identificação e divulgação dos fatores condicionantes e determinantes de saúde;  A formulação de política de saúde ...  A assistência às pessoas por intermédio de ações de promoção, proteção e recuperação de saúde, com a realização integrada das ações assistenciais e das atividades preventivas Execuções de ações de:  Vigilância sanitária ambientes  Vigilância epidemiológica medidas de prevenção e controle das doenças ou agravos  Saúde do trabalhador vigilância epidemiológica + vigilância sanitária ligadas à atividade profissional do trabalhador
  • 10.  saneamento básico - formulação da política e execução de ações  ordenação da formação de recursos humanos na área de saúde  vigilância nutricional e a orientação alimentar  proteção ao meio ambiente, nele compreendido o do trabalho  a formulação da política de medicamentos, equipamentos, Imunobiológicos  o controle e a fiscalização de :  serviços, produtos e substâncias de interesse para a saúde  a participação no controle e na fiscalização de: produtos psicoativos, tóxicos e radioativos (produção, transporte, guarda e utilização) ,,'  desenvolvimento científico e tecnológico em sua área de atuação  formulação e execução da política de sangue e seus derivados
  • 11. Vigilância Sanitária (Lei 8.080- Art.60 §10 )  Art. 6° - § 10 Entende-se por vigilância sanitária um conjunto de ações capaz de eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e de intervir nos problemas sanitários decorrentes do meio ambiente, da produção e circulação de bens e da prestação de serviços de interesse da saúde. abrangendo:  I - o controle de bens de consumo que, direta ou indiretamente, se relacionem com a saúde, compreendidas todas as etapas e processos, da produção ao consumo; e  II - o controle da prestação de serviços que se relacionam direta ou Indiretamente com a saúde.
  • 12. Vigilância Epidemiológica (Lei 8.080- Art.60 §20 )  Entende-se por vigilância epidemiológica um conjunto de ações que proporcionam o conhecimento, a detecção ou prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e condicionantes de saúde individual ou coletiva, com a finalidade de recomendar e adotar as medidas de prevenção e controle das doenças ou agravos.
  • 13. Saúde do Trabalhador  um conjunto de atividades que se destina, através das ações de vigilância epidemiológica, sanitária, à promoção e proteção da saúde dos trabalhadores  visa à recuperação e reabilitação da saúde dos trabalhadores submetidos aos riscos e agravos advindos das condições de trabalho, abrangendo: A saúde do trabalhador abrange: I - assistência ao trabalhador vítima de acidentes de trabalho ou portador de doença profissional e do trabalho: II - participação, no âmbito de competência do Sistema Único de Saúde (SUS), em estudos, pesquisas, avaliação e controle dos riscos e agravos potenciais à saúde existentes no processo de trabalho;
  • 14.  III - participação, no âmbito de competência do Sistema Único de Saúde (SUS), da normatização, fiscalização e controle das condições de produção, extração, armazenamento, transporte, distribuição e manuseio de substancias, de produtos, maquinas e de equipamentos que apresentem riscos a saúde do trabalhador;  IV - avaliação do impacto Que as tecnologias provocam à saúde  V - informação ao trabalhador e à sua respectiva entidade sindical e às empresas sobre os riscos de acidentes de trabalho, doença profissional e do trabalho, bem como os resultados de fiscalizações, avaliações' ambientais e exames de saúde, de admissão, periódicos e de demissão, respeitados os preceitos da ética profissional;
  • 15.  VI - participação na normatização. fiscalização e controle dos serviços de saúde do trabalhador nas instituições e empresas públicas e privadas;  VII- revisão periódica da Iistagem oficial de doenças originadas no processo de trabalho, tendo na sua elaboração colaboração das entidades sindicais; e  VIII – a garantia ao sindicato dos trabalhadores de requerer ao órgão competente a interdição de máquina, de setor de serviço ou de todo ambiente de trabalho, quando houver exposição a risco iminente para a vida ou saúde dos trabalhadores.
  • 17. SUS-Construção Arcabouço Jurídico-Legal: Constituição da república Leis Orgânicas da Saúde NOBs (Normas Operacionais Básicas) NOAS(Norma Operacional da Assistência)
  • 18. Constituição da República  Artigo 196 -“A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”.
  • 19. Constituição da República “As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um Sistema Único, organizado de acordo com as seguintes diretrizes: descentralização, atendimento integral, participação da comunidade”...
  • 20. Lei 8080(19/09/1990)  Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes, regulando em todo o território nacional, as ações e os serviços executados, isolada ou conjuntamente, em caráter permanente ou eventual, por pessoas naturais de diteito público ou privado através de entidades vinculadas ao sistema, observando o princípio da eqidade, da integralidade, da resolutividade e da gratuidade.
  • 21. O que diz a Lei 8080?  Das disposições gerais:  A saúde é um direito fundamental do ser humano, devendo o Estado prover as coindições ideais ao seu pleno exercício;  A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, entre outros, a alimentação, a moradia, o saneamento básico, o meio ambiente, o trabalho…
  • 22. Lei 8142- 28 /12/1990  Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do SUS e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde.
  • 23. Participação da Comunidade  Conferências de Saúde  Reunirá a cada quatro anos com a representação dos diversos segmentos sociais para avaliar a situaçào de saúde e propor as diretrizes para a formulação da política de saúde;  Conselhos de Saúde  Órgão colegiado composto por representantes do governo, prestadores de serviço, profissionais de saúde e usuários. Caráter permanente e deliberativo. Atua na formulação de estratégias e no controle da execução da política de saúde na instância correspondente.
  • 24. Quanto à transferência de recursos  Os Municípios, os Estados e o Distrito Federal deverão contar com Fundo de Saúde, Conselho de Saúde, Relatórios de Gestão, contrapartida de recursos para a saúde no respectivo orçamento e Comissão de elaboração do Plano de Carreira , Cargos e Salários.
  • 25. Normas Operacionais Básicas Entre os objetivos das Normas Operacionais temos: • Induzir e estimular mudanças; • Aprofundar e reorientar a implementação do SUS; • Definir novos objetivos estratégicos, prioridades, diretrizes, e movimentos tático-operacionais; • Regular as relações entre seus gestores; • Normatizar o SUS.
  • 26. NOB 01/91 Os principais pontos da NOB/SUS 01/91 são:  Equiparar prestadores públicos e privados, no que se refere à modalidade de financiamento que passa a ser, em ambos os casos, por pagamento pela produção de serviços;  Centraliza a gestão do SUS no nível federal;  Estabelece o instrumento convenial como forma de transferência de recursos Federais para os Estados, Distrito Federal e Municípios.
  • 27. NOB 01/91  Considera como “municipalizados” dentro do SUS, os municípios que atendam os requisitos básicos: (a) criação dos Conselhos Municipais de Saúde; (b) criação do Fundo Municipal de Saúde; (c) Plano Municipal de Saúde aprovado pelos respectivos Conselhos; (d) Programação e Orçamentação da Saúde (PROS) como detalhamento do Plano de Saúde; (e) Contrapartida de recursos para a saúde do seu orçamento; (f) Constituição de Comissão de Elaboração do Plano de Carreira, Cargos e Salários(PCCS) com o prazo de dois anos para a sua implantação.
  • 28. NOB 01/93  Formalizou os princípios aprovados na 9ª Conferência Nacional de Saúde (realizada em 1992), que teve como tema central “a municipalização é o caminho”, e desencadeou um amplo processo de municipalização da gestão com habilitação dos municípios nas condições de gestão criadas.
  • 29. Os principais pontos da NOB 01/93 são:  Cria transferência regular e automática (fundo a fundo) do teto global da assistência para municípios;  Habilita municípios como gestores;  Define o papel dos Estados de forma frágil, mas esses, ainda assim, passam a assumir o papel de gestor do sistema estadual de saúde;  São constituídas as Comissões Intergestores Bipartite (de âmbito estadual) e Tripartite (nacional) como importantes espaços de negociação, pactuação, articulação, integração entre gestores.
  • 30. NOB 01/96  A NOB/SUS 01/96 promoveu um avanço no processo de descentralização, criando novas condições de gestão para os municípios e Estados, caracterizando as responsabilidades sanitárias do município pela saúde de seus cidadãos e redefinindo competências de Estados e municípios.
  • 31. NOAS 01/2002 (Norma Operacional de Assistência à Saúde)  Estabelece o processo de regionalização como estratégia de hierarquização dos serviços de saúde e de busca de maior equidade. “ “O processo de regionalização deverá contemplar uma lógica de planejamento integrado, compreendendo as noções de territorialidade na identificação das prioridades de intervenção e de conformação de sistemas funcionais de saúde, não necessariamente restritos à abrangência municipal, mas respeitando seus limites como unidade indivisível, de forma a garantir o acesso dos cidadãos a todas as ações e serviços necessários para resolução de seus problemas de saúde, otimizando os recursos disponíveis.”
  • 32. NOAS 01/2002 (Norma Operacional de Assistência à Saúde)  Três grupos de estratégias articuladas :  I – Regionalização e Organização da Assistência  II – Fortalecimento da Capacidade de Gestão do SUS  III – Revisão de Critérios de Habilitação de Municípios e Estados
  • 33. Regionalização  Desafios  Definição da divisão de responsabilidades entre estados e municípios.  Integração entre sistemas municipais.  Planejamento e organização funcional do sistema.  Financiamento e critérios de alocação de recursos - orientação pelas necessidades da população e aumento de transferências fundo a fundo.  Resolutividade e acesso aos serviços.
  • 34. Regionalização 1. Elaboração do Plano Diretor de Regionalização 2. Ampliação da Atenção Básica 3. Qualificação das Microrregiões na Assistência à Saúde 4. Organização da Média Complexidade 5. Política para a Alta Complexidade
  • 35. 1. Elaboração do Plano Diretor de Regionalização  Integra o Plano Estadual de Saúde  Conteúdo mínimo do plano de regionalização: - organização do território estadual em regiões e microrregiões de saúde; - identificação das prioridades de intervenção em cada região/microrregião; - Plano Diretor de Investimentos; - inserção e papel de todos os municípios nas microrregiões de saúde, com identificação dos municípios sede, de sua área de abrangência e dos fluxos de referência;
  • 36. 1. Elaboração do Plano Diretor de Regionalização  Conteúdo mínimo do plano de regionalização: - mecanismos de relacionamento intermunicipal (sistema de referência); - mecanismos de organização de fluxos de referência e garantia do acesso da população aos serviços (centrais de regulação, fluxos autorizativos, entre outros); e proposta de estruturação de redes de referência especializadas em áreas específicas. - identificação das necessidades e proposta de fluxo de referências para outros estados.
  • 37. 2. Ampliação da Atenção Básica  Ações a serem ofertadas por todos os municípios brasileiros;  Áreas de atuação estratégicas da AB: controle da tuberculose, eliminação da hanseníase, controle da hipertensão, controle da diabetes mellitus, saúde da criança, saúde da mulher e saúde bucal;  Incorporação de novos procedimentos à relação atual do PAB
  • 38. 3. Qualificação das microrregiões na assistência à saúde  Microrregião de saúde: base territorial de planejamento, definida no âmbito estadual, de acordo com as características e estratégias de regionalização de cada estado; pode compreender um ou mais módulos assistenciais.  Módulo assistencial: módulo territorial com resolubilidade correspondente ao primeiro nível de referência (laboratório, radiologia simples, US obstétrica, psicologia, fisioterapia, ações de odontologia especializada, leitos hospitalares), com área de abrangência mínima a ser definida para cada UF.
  • 39. Módulo 3 Módulo 1 Módulo 2 Módulo 1 Módulo 2 Microrregião 2 Microrregião 3 Município Sede I - REGIONALIZAÇÃO 3. Qualificação das microrregiões na assistência à saúde  Estado Exemplo: Microrregião 1
  • 40. Financiamento  Implantação de valor per capita nacional correspondente a esse conjunto de serviços ambulatoriais;  Após qualificação da microrregião: transferência fundo a fundo para município-sede do montante de recursos , correspondente à cobertura de sua população e à cobertura da população residente em outros municípios do mesmo módulo assistencial, nesse grupo de serviços
  • 41. OBSTÁCULOS DA DESCENTRALIZAÇÃO E REGIONALIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA  Dificuldades de FinanciamentoDificuldades de Financiamento  Insuficiência de capacidade gerencialInsuficiência de capacidade gerencial  Excessiva burocracia administrativaExcessiva burocracia administrativa  Pouca experiência em processos dePouca experiência em processos de democratização e descentralizaçãodemocratização e descentralização  Insuficiência de mecanismos jurídicos paraInsuficiência de mecanismos jurídicos para regulação da rede privadaregulação da rede privada  Formação de Recursos HumanosFormação de Recursos Humanos
  • 42. Regionalização da Assistência à Saúde no Âmbito do Estado do Rio de Janeiro “Consolidando a Integração Regional”
  • 43. O Estado do Rio:  14.367.083 habitantes.  92 municípios; 09 regiões de saúde; 23 microrregiões;  22 municípios habilitados em GPSM pela NOB 96;  70 municípios habilitados em GPAB pela NOB 96;  Um dos estados com maior capacidade instalada de serviços de saúde do País.  Um dos estados com maior capacidade instalada de  serviços PÚBLICOS do País.  Possui 19 Unidades Hospitalares próprias; 06 institutos;  02 postos de assistência médica; 02 laboratórios; 01 escola de formação técnica
  • 44. Rio de Janeiro:  Plano Estadual de Saúde aprovado pelo Conselho Estadual de Saúde em abril de 2002 – Diário Oficial de 06 de abril de 2002 – Ano XXVIII – nº 63A – Parte I, pág. 42;  Plano Diretor de Regionalização aprovado pelo Conselho Estadual de Saúde e pelo Ministério da Saúde;  Habilitado em Gestão Plena do Sistema Estadual em agosto de 2002 (novas responsabilidades e fortalecimento dos papéis de planejamento e regulação do estado);
  • 45.  ISeminário de Planejamento Estratégico em Saúde – 2000.Foram identificadas as prioridades de intervenção em cada região do Estado, com a definição das principais estratégias a serem desenvolvidas.  Oficinas regionais/Regionalização da Assistência à Saúde – 2001.Foi definido o desenho da organização da assistência regio-nalizada no Estado, com a conformação dos módulos assistenciais.  II Seminário de Planejamento Estratégico em Saúde – 2002. Foram traçadas estratégias para habilitação dos municípios e qualificação das microrregiões.
  • 46. Critérios para a Regionalização  Geográfico  Populacional  Acessibilidade  Capacidade instalada (atual e potencial)  Decisão política dos gestores municipais  Previsão de investimentos
  • 48. Regiões e Microregiões de Saúde Regiões População Microrregi ões Municípios Sede Municípios Adscritos Baia da Ilha Grande 173.555 1 2 1 Baixada Litorânea 441.000 2 7 2 Centro Sul 294.987 2 6 5 Médio Paraíba 784.813 2 8 4 Metropolitana I 9.131.585 5 12 0 Metropolitana II 1.708.815 4 6 1 Noroeste 283.049 2 8 6 Norte 684.409 2 6 2 Serrana 837.837 3 12 4 Estado 14.367.083 23 67 25
  • 49. Política de Média Complexidade  Estipula critérios de ações mínimas que devem ser oferecidas nos módulos asssistenciais;  As demais ações assistenciais de média complexidade podem ser garantidas no âmbito microrregional, regional ou mesmo estadual, de acordo com o tipo de serviço, a disponibilidade tecnológica, as características do estado e a definição no Plano Diretor de Regionalização do estado.
  • 50. Política de Alta Complexidade Cabe ao MS: a) definição de normas nacionais; b) controle do cadastro nacional de prestadores de serviços; c) vistoria de serviços, quando lhe couber, de acordo com as normas de cadastramento estabelecidas pelo próprio Ministério da Saúde; d) definição de incorporação dos procedimentos a serem ofertados à população pelo SUS; e) definição do elenco de procedimentos de alta complexidade; f) estabelecimento de estratégias que possibilitem o acesso mais equânime diminuindo as diferenças regionais na alocação dos serviços; g) definição de mecanismos de garantia de acesso para as referências interestaduais, através da Central Nacional de Regulação para Procedimentos de Alta Complexidade; h) formulação de mecanismos voltados à melhoria da qualidade dos serviços prestados; i) financiamento das ações.
  • 51. Política de Alta Complexidade  A regulação dos serviços de alta complexidade será de responsabilidade do gestor municipal,quando o município encontrar-se na condição de Gestão Plena do Sistema Municipal, e de responsabilidade do gestor estadual, nas demais situações.  A programação deve prever, quando necessário, a referência de pacientes para outros estados,assim como reconhecer o fluxo programado de pacientes de outros estados.
  • 52. Relevância dos Serviços de Alta Complexidade no SUS  Aumento significativo dos casos de Doenças Crônicas Não Transmissíveis;  Microorganismos patógenos multirresistentes;  Violência Urbana (PAF, Acidentes de Trânsito,etc);  Envelhecimento da População;  Estilo de vida urbano e fatores de risco para cardiopatias;  Drogadição.