SlideShare uma empresa Scribd logo
Mata Atlântica, Sociobiodiversidade
e Mudanças Climáticas:
Riscos e Resiliência
Secretaria Nacional de Mudança do Clima – SMC
Departamento de Políticas de Mitigação, Adaptação e Instrumentos de
Implementação - DPMA
A NDC do Brasil (2015)
aumentar a participação
de bioenergia sustentável
na matriz energética para
aproximadamente 18%
até 2030
restaurar e reflorestar 12
milhões de hectares de
florestas
alcançar uma participação
estimada de 45% de
energias renováveis na
composição da matriz
energética em 2030
estabelece que o país deve reduzir as suas emissões em 37% até
2025 e 43% até 2030, em relação às emissões de 2005.
CENÁRIOS DA POLÍTICA PÓS-
GLASGOW
Secretaria Nacional de Mudança do
Clima
OBJETIVOS ESTRATÉGICOS
• Institucionalizar uma governança climática transversal, multinível, transparente, participativa e eficaz
• Assegurar uma política climática ambiciosa e planos setoriais de mitigação e adaptação robustos e
com meios de implementação efetivos
• Contribuir com o protagonismo brasileiro no cenário internacional
Atenção à Biodiversidade e Ecossistemas
no Contexto da Mudança do Clima
O clima depende da conservação da biodiversidade, mas também representa um
fator determinante para a distribuição dos seres vivos no planeta.
• Alterações como o aumento de temperatura e mudanças nos padrões de chuva devem impactar o
comportamento dos ecossistemas e espécies, sobretudo em hotspots de biodiversidade como a
Mata Atlântica
• Essas alterações somam-se a uma série de ameaças: que já afetam a conservação de espécies e
ecossistemas, como a fragmentação de habitats e mudanças do uso do solo, incêndios e
poluição, produzindo efeitos sinérgicos e de difícil previsão e monitoramento.
As alterações climáticas e a perda de biodiversidade são dois dos
desafios mais importantes que enfrentamos.
Eles interligam-se de muitas maneiras:
• À medida que a temperatura média global aumenta, as medidas de
conservação por si só não serão suficientes para evitar perdas
irreversíveis, quer em terra quer nos oceanos. Isto aplica-se
especialmente a aumentos superiores a 2°C.
• A restauração da vegetação nativa, por exemplo, pode melhorar a
resiliência local a fenômenos extremos, tais como ondas de calor e
inundações, e promover o armazenamento de carbono, mas esta não
constitui uma alternativa à ação climática.
Impactos da mudança do clima
biodiversidade e ecossistemas
No nível de espécies e populações, as alterações de temperatura e chuva podem:
• prejudicar o desenvolvimento e taxas reprodutivas
• aumentar a mortalidade
• afetar a imunidade à doenças
• reduzir a mobilidade, entre outros efeitos
Risco de acelerar a taxa de extinção,
reduzindo assim a diversidade de espécies.
Impactos da mudança do clima
Mata Atlântica e economia
Economia - 70% da população brasileira vive no bioma e ele é
responsável por 80% do PIB
• Atividades econômicas e a população dependem direta ou
indiretamente dos recursos naturais produzidos ou regulados pela
Mata Atlântica, uma floresta fortemente ameaçada pela fragmentação
e, mais recentemente, também pela mudança do clima.
Impactos da mudança do clima
Mata Atlântica na prioridade de restauração
A Mata Atlântica é um dos ecossistemas com maior prioridade para a restauração no
mundo, considerando-se os benefícios para a conservação da biodiversidade e a
mitigação das mudanças climáticas.
O bioma faz parte de um grupo de ecossistemas em que a restauração de
15% da sua área evitaria 60% das extinções de espécies previstas
Ao mesmo tempo, tem o potencial de sequestrar o equivalente a 30% do
CO2 lançado na atmosfera desde o início da Revolução Industrial.
(Revista Nature)
Impactos da mudança do clima
Mata Atlântica: Publicação MMA
2018 - trabalho realizado para a geração de dados de impactos da mudança do clima
na Mata Atlântica, com o objetivo de subsidiar o planejamento de medidas AbE.
• Foram usados 2 modelos climáticos (Eta HadGEM2-ES; Eta MIROC5)
• 2 cenários (RCP 4.5 ou otimista; RCP 8.5 ou pessimista)
• 4 períodos de análise (1961-2005 ou linha de base; 2011-2040; 2041-2070; 2071 -2100)
• 2 estações do ano (dezembro-janeiro-fevereiro ou verão; junho-julho-agosto ou inverno)
Análise de 7 impactos potenciais abrangendo inundação, erosão hídrica,
deslizamento, disponibilidade de água no solo, zoneamento agroclimático,
ocorrência de fitofisionomia e distribuição da dengue na Mata Atlântica.
Abordagem que une as temáticas de biodiversidade e clima é a Adaptação baseada em
Ecossistemas (AbE): uso da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos como parte de
uma estratégia geral de adaptação para ajudar as pessoas a se adaptarem aos efeitos
adversos da mudança do clima.
Medidas AbE:
• fazem uso da gestão, conservação e recuperação de ecossistemas
• considerada uma medida de baixo arrependimento - apresenta cobenefícios de múltiplas
naturezas: econômicos, sociais, ambientais e culturais, sequestro de carbono, efeitos sobre
a segurança alimentar, gestão sustentável da água, e a promoção de uma visão integrada
do território
Adaptação X Biodiversidade
Acabar com o desmatamento e restaurar ecossistemas são soluções
baseadas na natureza para alcançarmos a meta de 1,5°C de
aquecimento global até o fim do século 21.
Contribuições para o Acordo de Paris que o Brasil pode alcançar com menor
esforço, rapidez e respeitando a vocação de potência ambiental.
As alterações climáticas e a perda de biodiversidade são dois dos
desafios mais importantes que enfrentamos. E também...
• Sistemas de governança e controle enfraquecidos
• Lacunas de monitoramento
Principais tarefas na pauta do clima
Biodiversidade X Mitigação e Adaptação:
Reverter as tendências de desmatamento na Mata Atlântica e outros biomas /
Promover a restauração de ecossistemas visando o aumento da resiliência
• Atualizar a Política Nacional sobre Mudança do Clima
• Revisar a Contribuição Nacionalmente Determinada brasileira
• Revisar o Plano Nacional de Adaptação
• Qualificar as propostas normativas, reorganizar a capacidade
institucional e evitar retrocessos ambientais
• Assegurar a governança multinível
Política Nacional sobre Mudança
do Clima
(Lei nº12.187/2009)
Revisão:
GTAdapta no âmbito do CIM; decisão
na reunião de 17/08/2021 (Resolução n. 03)
Objetivo:
• Revisão e aprovação do Relatório de
Monitoramento do 1º Ciclo;
• Estabelecimento de diretrizes para o 2º
Ciclo; e
• Revisão do Pano Nacional de Adaptação.
Coordenação:
GTA (Grupo Técnico de Adaptação) Promove
a articulação entre órgãos p/ implementação,
monitoramento, avaliação e revisão do PNA
Portaria MMA nº 150/2016
Publicação do PNA
Objetivos da PNMC:
Art. 4º, V - “a implementação de medidas
para promover a adaptação à mudança do
clima pelas 3 (três) esferas da Federação ...”
Diretrizes da PNMC:
Art. 5º, III – “as medidas de adaptação para
reduzir os efeitos adversos da mudança do
clima e a vulnerabilidade dos sistemas
ambiental, social e econômico;...”
Plano Nacional de Adaptação à Mudança do Clima – PNA
Marco normativo -PNA
UNFCCC
Acordo de Paris – 12/12/2015
(Artigo 7)
Meta Global de Adaptação:
• Aumentar a capacidade adaptativa e
resiliência;
• Reduzir a vulnerabilidade, com vistas a
contribuir para o desenvolvimento
sustentável;
• Garantir uma resposta de adaptação
adequada no contexto da meta de manter
o aquecimento global médio bem abaixo
de 2o C e envidar esforços para mantê-lo
abaixo de 1,5 graus C.
Transparência:
As Partes devem fornecer informações
relacionadas aos impactos da mudança do
clima e adaptação.
1. Agricultura
2. Biodiversidade e Ecossistemas
3. Cidades
4. Gestão de Riscos de Desastres
5. Indústria e Mineração
6. Infraestrutura: Energia,
Mobilidade Urbana,
Transporte
7. Povos e Populações
vulneráveis
8. Recursos Hídricos
9. Saúde
10. Segurança Alimentar e
Nutricional
11. Zonas Costeiras
PNA: estratégias setoriais
PNA – Ciclo I (biodiversidade)
• Incorporação de princípios de adaptação à mudança do clima de
forma transversal - outros órgãos do governo federal
• Capacitação em diversos níveis de governo em adaptação baseada em
ecossistemas
• Revisão do roteiro metodológico de elaboração e implementação de
Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica.
• Guia de boas práticas para inserção de AbE em planos de manejo de
UCs.
• Incorporação de AbE em diferentes instrumentos de ordenamento
territorial.
• Planos de manejo integrado do fogo para Unidades de Conservação
do Cerrado
• Estudos de análise do impacto da mudança do clima sobre a
biodiversidade.
• Diagnóstico e mapeamento dos impactos biofísicos da mudança do
clima na Mata Atlântica
• Programa Nacional de Monitoramento da Biodiversidade
• Estudo sobre técnicas de restauração e estimativas de custo por
hectare para cada bioma
PNA – Ciclo I (biodiversidade)
• Análise dos avanços obtidos pelo Brasil na proteção da biodiversidade (2014 a 2018). É o
estudo mais completo já produzido sobre o tema no país. Mais de mil páginas com
infográficos e imagens e informações de consultas realizadas à sociedade civil, academia,
setores do governo e empresariais, totalizando 97 instituições.
• Detalhamento do cumprimento das metas nacionais de biodiversidade adotadas pela
Comissão Nacional de Biodiversidade (Conabio) em 2013 e da contribuição brasileira
para o cumprimento das 20 Metas Globais de Aichi para a Biodiversidade (2011-2020).
• Lançamento da Consulta Pública para atualizar a Estratégia e o Plano de Ação Nacionais
para a Biodiversidade (EPANB). O objetivo é coletar sugestões da sociedade sobre as
ações de conservação e uso sustentável dos recursos naturais.
6º Relatório Nacional para a Convenção sobre
Diversidade Biológica (CDB)
Fortalecimento da Agenda Nacional de
Adaptação
• Revisão do PNA – II Ciclo
• Apoio à implementação dos planos de adaptação dos entes subnacionais -
Fortalecimento da governança multinível
• Sistema de monitoramento de políticas de mitigação e adaptação – Ação
transversal – 19 ministérios - Políticas econômicas e sociais integradas às ações de
mitigação e adaptação, com investimento público em infraestrutura, taxonomia de
investimentos, políticas de emprego e renda e desenvolvimento profissional
• Coordenação do ProAdapta – AdaptaBrasil/MCTI
PNA – II Ciclo II
Decreto CIM:
- Criação GT Adaptação
Apresentação da
Proposta de Revisão do
PNA
Validação da Proposta
de Revisão do PNA
Pactuação de Plano de
Trabalho
Diretrizes, Princípios e Visão
Formato e Conteúdo
Processo
Produtos e Entregas
Eventos
Cronograma
Composição do GT e Governança
Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
2023
Forma e Conteúdo
Diagnóstico setorial /Intervenções
1. Agricultura + Segurança Alimentar
2. Biodiversidade
3. Cidades + Mobilidade
4. Desastres
5. Energia
6. Indústria + Setor Empresarial
7. Povos Indígenas e PCTs
8. Transportes
9. Recursos Hídricos
10. Saúde
11. Zonas Costeiras
12. Turismo
13. Pesca e Aquicultura
• Visão, Princípios,Objetivos do PNA
• Síntese do Diagnóstico Nacional e
Regional
• Diretrizes sobre:
₋ Estratégias setoriais e temáticas;
₋ Sinergias, má-Adaptação e
Cobenefícios;
₋ Horizontes temporais
₋ Linha de Base e Monitoramento
₋ Financiamento
₋ Desenvolvimento de Capacidades
₋ Subnacionais
₋ Participação Social
₋ Temas transversais: Migração;
Racismo e Justiça Climática; Direitos
Humanos e Gênero; Povos Indígenas
e Tradicionais; Juventude;
Subnacionais;
• Políticas endereçadas
• Ações estruturantes
• Medidas de adaptação
• Metas 2026/2030/2040
Definição de Escopo e
Processo
Estratégia
Geral
Estratégias
Setoriais
e
Temáticas
Planos de Ação
PNA – II Ciclo II
Fortalecimento da Agenda Nacional de
Adaptação
“...reduzir as vulnerabilidades com relação às seguranças hídricas,
energéticas, alimentar e socioambiental, em observância a possíveis
sinergias com a Agenda 2030, de modo a potencializar ações com
benefícios sociais e produtivos...”
Engajamento e mãos à obra!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Apresentação - Secretaria Nacional de Mudanças do Clima - SMC_25/05/23.pptx

Negociação sobre Mudanças Climáticas
Negociação sobre Mudanças ClimáticasNegociação sobre Mudanças Climáticas
Negociação sobre Mudanças Climáticas
Vitor Vieira Vasconcelos
 
A9 R333 Tmp
A9 R333 TmpA9 R333 Tmp
A9 R333 Tmp
guest544f49
 
Mudanças climáticas "Adaptações na gestão das cidades" - Defesa Civil de San...
Mudanças climáticas  "Adaptações na gestão das cidades" - Defesa Civil de San...Mudanças climáticas  "Adaptações na gestão das cidades" - Defesa Civil de San...
Mudanças climáticas "Adaptações na gestão das cidades" - Defesa Civil de San...
Semasa - Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André
 
Plano mc final(capa) agosto 2011
Plano mc final(capa) agosto 2011Plano mc final(capa) agosto 2011
Plano mc final(capa) agosto 2011
Marcelo Luiz
 
Plano mc final(capa) agosto 2011
Plano mc final(capa) agosto 2011Plano mc final(capa) agosto 2011
Plano mc final(capa) agosto 2011
Marcelo Luiz
 
Posicionamento Aliança Brasileira Pelo Clima
Posicionamento Aliança Brasileira Pelo ClimaPosicionamento Aliança Brasileira Pelo Clima
Posicionamento Aliança Brasileira Pelo Clima
Laercio Bruno
 
Economia e meio ambiente apa do pratigi
Economia e meio ambiente   apa do pratigiEconomia e meio ambiente   apa do pratigi
Economia e meio ambiente apa do pratigi
Roque Fraga
 
Carta Fórum Amazônia Sustentável
Carta Fórum Amazônia SustentávelCarta Fórum Amazônia Sustentável
Carta Fórum Amazônia Sustentável
vfalcao
 
Release Aliança Brasileira Pelo Clima
Release Aliança Brasileira Pelo ClimaRelease Aliança Brasileira Pelo Clima
Release Aliança Brasileira Pelo Clima
Laercio Bruno
 
Atividade colaborativa responsabilidade social e meio ambiente- paulo rogér...
Atividade colaborativa   responsabilidade social e meio ambiente- paulo rogér...Atividade colaborativa   responsabilidade social e meio ambiente- paulo rogér...
Atividade colaborativa responsabilidade social e meio ambiente- paulo rogér...
Cisco Kunsagi
 
Gabriela Seminario MA_Palestra Magna_25/05/23.pdf
Gabriela Seminario MA_Palestra Magna_25/05/23.pdfGabriela Seminario MA_Palestra Magna_25/05/23.pdf
Gabriela Seminario MA_Palestra Magna_25/05/23.pdf
ReservadaBiosferadaM
 
Palestrante Oswaldo Lucon - SMA/SP
Palestrante Oswaldo Lucon - SMA/SPPalestrante Oswaldo Lucon - SMA/SP
Palestrante Oswaldo Lucon - SMA/SP
Instituto de Pesquisas Ambientais
 
Adriano (marilia mello) 14 00
Adriano (marilia mello) 14 00Adriano (marilia mello) 14 00
Adriano (marilia mello) 14 00
forumsustentar
 
Mapa fernando costa
Mapa fernando costaMapa fernando costa
Mapa fernando costa
Embrapa Milho e Sorgo
 
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ PnumaO Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
Instituto Besc
 
Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura
Coalizão Brasil Clima, Florestas e AgriculturaCoalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura
Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura
Adeildo Caboclo
 
Valor Economico Total do Montado (FICOR 2012)
Valor Economico Total do Montado (FICOR 2012)Valor Economico Total do Montado (FICOR 2012)
Valor Economico Total do Montado (FICOR 2012)
Nuno Gaspar de Oliveira
 
Wwf Brasil Combatendo Mudancas Climaticas
Wwf Brasil Combatendo Mudancas ClimaticasWwf Brasil Combatendo Mudancas Climaticas
Wwf Brasil Combatendo Mudancas Climaticas
vilanic
 
Wwf Brasil Combatendo Mudancas Climaticas
Wwf Brasil Combatendo Mudancas ClimaticasWwf Brasil Combatendo Mudancas Climaticas
Wwf Brasil Combatendo Mudancas Climaticas
vilanic
 
Poluição
 Poluição Poluição
Poluição
erika_cdias
 

Semelhante a Apresentação - Secretaria Nacional de Mudanças do Clima - SMC_25/05/23.pptx (20)

Negociação sobre Mudanças Climáticas
Negociação sobre Mudanças ClimáticasNegociação sobre Mudanças Climáticas
Negociação sobre Mudanças Climáticas
 
A9 R333 Tmp
A9 R333 TmpA9 R333 Tmp
A9 R333 Tmp
 
Mudanças climáticas "Adaptações na gestão das cidades" - Defesa Civil de San...
Mudanças climáticas  "Adaptações na gestão das cidades" - Defesa Civil de San...Mudanças climáticas  "Adaptações na gestão das cidades" - Defesa Civil de San...
Mudanças climáticas "Adaptações na gestão das cidades" - Defesa Civil de San...
 
Plano mc final(capa) agosto 2011
Plano mc final(capa) agosto 2011Plano mc final(capa) agosto 2011
Plano mc final(capa) agosto 2011
 
Plano mc final(capa) agosto 2011
Plano mc final(capa) agosto 2011Plano mc final(capa) agosto 2011
Plano mc final(capa) agosto 2011
 
Posicionamento Aliança Brasileira Pelo Clima
Posicionamento Aliança Brasileira Pelo ClimaPosicionamento Aliança Brasileira Pelo Clima
Posicionamento Aliança Brasileira Pelo Clima
 
Economia e meio ambiente apa do pratigi
Economia e meio ambiente   apa do pratigiEconomia e meio ambiente   apa do pratigi
Economia e meio ambiente apa do pratigi
 
Carta Fórum Amazônia Sustentável
Carta Fórum Amazônia SustentávelCarta Fórum Amazônia Sustentável
Carta Fórum Amazônia Sustentável
 
Release Aliança Brasileira Pelo Clima
Release Aliança Brasileira Pelo ClimaRelease Aliança Brasileira Pelo Clima
Release Aliança Brasileira Pelo Clima
 
Atividade colaborativa responsabilidade social e meio ambiente- paulo rogér...
Atividade colaborativa   responsabilidade social e meio ambiente- paulo rogér...Atividade colaborativa   responsabilidade social e meio ambiente- paulo rogér...
Atividade colaborativa responsabilidade social e meio ambiente- paulo rogér...
 
Gabriela Seminario MA_Palestra Magna_25/05/23.pdf
Gabriela Seminario MA_Palestra Magna_25/05/23.pdfGabriela Seminario MA_Palestra Magna_25/05/23.pdf
Gabriela Seminario MA_Palestra Magna_25/05/23.pdf
 
Palestrante Oswaldo Lucon - SMA/SP
Palestrante Oswaldo Lucon - SMA/SPPalestrante Oswaldo Lucon - SMA/SP
Palestrante Oswaldo Lucon - SMA/SP
 
Adriano (marilia mello) 14 00
Adriano (marilia mello) 14 00Adriano (marilia mello) 14 00
Adriano (marilia mello) 14 00
 
Mapa fernando costa
Mapa fernando costaMapa fernando costa
Mapa fernando costa
 
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ PnumaO Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
 
Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura
Coalizão Brasil Clima, Florestas e AgriculturaCoalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura
Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura
 
Valor Economico Total do Montado (FICOR 2012)
Valor Economico Total do Montado (FICOR 2012)Valor Economico Total do Montado (FICOR 2012)
Valor Economico Total do Montado (FICOR 2012)
 
Wwf Brasil Combatendo Mudancas Climaticas
Wwf Brasil Combatendo Mudancas ClimaticasWwf Brasil Combatendo Mudancas Climaticas
Wwf Brasil Combatendo Mudancas Climaticas
 
Wwf Brasil Combatendo Mudancas Climaticas
Wwf Brasil Combatendo Mudancas ClimaticasWwf Brasil Combatendo Mudancas Climaticas
Wwf Brasil Combatendo Mudancas Climaticas
 
Poluição
 Poluição Poluição
Poluição
 

Mais de ReservadaBiosferadaM

CONMATUR 32º Encontro Nacional da RBMA.ppt
CONMATUR 32º Encontro Nacional da RBMA.pptCONMATUR 32º Encontro Nacional da RBMA.ppt
CONMATUR 32º Encontro Nacional da RBMA.ppt
ReservadaBiosferadaM
 
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMPSEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
ReservadaBiosferadaM
 
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptxCEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
ReservadaBiosferadaM
 
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdfFazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
ReservadaBiosferadaM
 
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdfAruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
ReservadaBiosferadaM
 
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdfApresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
ReservadaBiosferadaM
 
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptxapresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
ReservadaBiosferadaM
 
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMAÁrea de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
ReservadaBiosferadaM
 
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ReservadaBiosferadaM
 
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
ReservadaBiosferadaM
 
Apresentação Impactos e desafios das Mudanças climáticas para a juventude da ...
Apresentação Impactos e desafios das Mudanças climáticas para a juventude da ...Apresentação Impactos e desafios das Mudanças climáticas para a juventude da ...
Apresentação Impactos e desafios das Mudanças climáticas para a juventude da ...
ReservadaBiosferadaM
 
Apresentação Restauração Cidadã na Mata Atlântica.pptx
Apresentação Restauração Cidadã na Mata Atlântica.pptxApresentação Restauração Cidadã na Mata Atlântica.pptx
Apresentação Restauração Cidadã na Mata Atlântica.pptx
ReservadaBiosferadaM
 
Programa de Jovens da RBMA - 2023.ppt
Programa de Jovens da RBMA - 2023.pptPrograma de Jovens da RBMA - 2023.ppt
Programa de Jovens da RBMA - 2023.ppt
ReservadaBiosferadaM
 
Apresentação Andre Luiz_25/05/23.pdf
Apresentação Andre Luiz_25/05/23.pdfApresentação Andre Luiz_25/05/23.pdf
Apresentação Andre Luiz_25/05/23.pdf
ReservadaBiosferadaM
 
Apresentação Angela Guirao_Reconecta RMC_25/05/23.pdf
Apresentação Angela Guirao_Reconecta RMC_25/05/23.pdfApresentação Angela Guirao_Reconecta RMC_25/05/23.pdf
Apresentação Angela Guirao_Reconecta RMC_25/05/23.pdf
ReservadaBiosferadaM
 
Apresentação Eduardo Kimoto SEMINÁRIO NACIONAL RBMA_25/05/23.pdf
Apresentação Eduardo Kimoto SEMINÁRIO NACIONAL RBMA_25/05/23.pdfApresentação Eduardo Kimoto SEMINÁRIO NACIONAL RBMA_25/05/23.pdf
Apresentação Eduardo Kimoto SEMINÁRIO NACIONAL RBMA_25/05/23.pdf
ReservadaBiosferadaM
 
Apresentação Marcelo Coluccini 25/05/23.pptx
Apresentação Marcelo Coluccini 25/05/23.pptxApresentação Marcelo Coluccini 25/05/23.pptx
Apresentação Marcelo Coluccini 25/05/23.pptx
ReservadaBiosferadaM
 
Apresentação Coord Estadual de Proteção e Defesa Civil - chuvas de verão ...
Apresentação Coord Estadual de Proteção e Defesa Civil - chuvas de verão ...Apresentação Coord Estadual de Proteção e Defesa Civil - chuvas de verão ...
Apresentação Coord Estadual de Proteção e Defesa Civil - chuvas de verão ...
ReservadaBiosferadaM
 
Apresentação Cristiano Awa Kiririndju e Thiago TUPÃ Mirim_25/05/23.pdf
Apresentação Cristiano Awa Kiririndju e Thiago TUPÃ Mirim_25/05/23.pdfApresentação Cristiano Awa Kiririndju e Thiago TUPÃ Mirim_25/05/23.pdf
Apresentação Cristiano Awa Kiririndju e Thiago TUPÃ Mirim_25/05/23.pdf
ReservadaBiosferadaM
 
Jordan Harris Seminario MA_Palestra Magna_25/05/23.pdf
Jordan Harris Seminario MA_Palestra Magna_25/05/23.pdfJordan Harris Seminario MA_Palestra Magna_25/05/23.pdf
Jordan Harris Seminario MA_Palestra Magna_25/05/23.pdf
ReservadaBiosferadaM
 

Mais de ReservadaBiosferadaM (20)

CONMATUR 32º Encontro Nacional da RBMA.ppt
CONMATUR 32º Encontro Nacional da RBMA.pptCONMATUR 32º Encontro Nacional da RBMA.ppt
CONMATUR 32º Encontro Nacional da RBMA.ppt
 
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMPSEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
 
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptxCEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
 
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdfFazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
 
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdfAruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
 
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdfApresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
 
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptxapresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
 
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMAÁrea de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
 
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
 
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
 
Apresentação Impactos e desafios das Mudanças climáticas para a juventude da ...
Apresentação Impactos e desafios das Mudanças climáticas para a juventude da ...Apresentação Impactos e desafios das Mudanças climáticas para a juventude da ...
Apresentação Impactos e desafios das Mudanças climáticas para a juventude da ...
 
Apresentação Restauração Cidadã na Mata Atlântica.pptx
Apresentação Restauração Cidadã na Mata Atlântica.pptxApresentação Restauração Cidadã na Mata Atlântica.pptx
Apresentação Restauração Cidadã na Mata Atlântica.pptx
 
Programa de Jovens da RBMA - 2023.ppt
Programa de Jovens da RBMA - 2023.pptPrograma de Jovens da RBMA - 2023.ppt
Programa de Jovens da RBMA - 2023.ppt
 
Apresentação Andre Luiz_25/05/23.pdf
Apresentação Andre Luiz_25/05/23.pdfApresentação Andre Luiz_25/05/23.pdf
Apresentação Andre Luiz_25/05/23.pdf
 
Apresentação Angela Guirao_Reconecta RMC_25/05/23.pdf
Apresentação Angela Guirao_Reconecta RMC_25/05/23.pdfApresentação Angela Guirao_Reconecta RMC_25/05/23.pdf
Apresentação Angela Guirao_Reconecta RMC_25/05/23.pdf
 
Apresentação Eduardo Kimoto SEMINÁRIO NACIONAL RBMA_25/05/23.pdf
Apresentação Eduardo Kimoto SEMINÁRIO NACIONAL RBMA_25/05/23.pdfApresentação Eduardo Kimoto SEMINÁRIO NACIONAL RBMA_25/05/23.pdf
Apresentação Eduardo Kimoto SEMINÁRIO NACIONAL RBMA_25/05/23.pdf
 
Apresentação Marcelo Coluccini 25/05/23.pptx
Apresentação Marcelo Coluccini 25/05/23.pptxApresentação Marcelo Coluccini 25/05/23.pptx
Apresentação Marcelo Coluccini 25/05/23.pptx
 
Apresentação Coord Estadual de Proteção e Defesa Civil - chuvas de verão ...
Apresentação Coord Estadual de Proteção e Defesa Civil - chuvas de verão ...Apresentação Coord Estadual de Proteção e Defesa Civil - chuvas de verão ...
Apresentação Coord Estadual de Proteção e Defesa Civil - chuvas de verão ...
 
Apresentação Cristiano Awa Kiririndju e Thiago TUPÃ Mirim_25/05/23.pdf
Apresentação Cristiano Awa Kiririndju e Thiago TUPÃ Mirim_25/05/23.pdfApresentação Cristiano Awa Kiririndju e Thiago TUPÃ Mirim_25/05/23.pdf
Apresentação Cristiano Awa Kiririndju e Thiago TUPÃ Mirim_25/05/23.pdf
 
Jordan Harris Seminario MA_Palestra Magna_25/05/23.pdf
Jordan Harris Seminario MA_Palestra Magna_25/05/23.pdfJordan Harris Seminario MA_Palestra Magna_25/05/23.pdf
Jordan Harris Seminario MA_Palestra Magna_25/05/23.pdf
 

Último

Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
tyciavilela
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
DeboraGomes73
 
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Geagra UFG
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
viictorrkk
 
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison TeixeiraMecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Geagra UFG
 

Último (7)

Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
 
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
 
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison TeixeiraMecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
Mecanismos de ação dos inseticidas. Marlison Teixeira
 

Apresentação - Secretaria Nacional de Mudanças do Clima - SMC_25/05/23.pptx

  • 1. Mata Atlântica, Sociobiodiversidade e Mudanças Climáticas: Riscos e Resiliência Secretaria Nacional de Mudança do Clima – SMC Departamento de Políticas de Mitigação, Adaptação e Instrumentos de Implementação - DPMA
  • 2. A NDC do Brasil (2015) aumentar a participação de bioenergia sustentável na matriz energética para aproximadamente 18% até 2030 restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares de florestas alcançar uma participação estimada de 45% de energias renováveis na composição da matriz energética em 2030 estabelece que o país deve reduzir as suas emissões em 37% até 2025 e 43% até 2030, em relação às emissões de 2005.
  • 3. CENÁRIOS DA POLÍTICA PÓS- GLASGOW
  • 4. Secretaria Nacional de Mudança do Clima OBJETIVOS ESTRATÉGICOS • Institucionalizar uma governança climática transversal, multinível, transparente, participativa e eficaz • Assegurar uma política climática ambiciosa e planos setoriais de mitigação e adaptação robustos e com meios de implementação efetivos • Contribuir com o protagonismo brasileiro no cenário internacional
  • 5. Atenção à Biodiversidade e Ecossistemas no Contexto da Mudança do Clima O clima depende da conservação da biodiversidade, mas também representa um fator determinante para a distribuição dos seres vivos no planeta. • Alterações como o aumento de temperatura e mudanças nos padrões de chuva devem impactar o comportamento dos ecossistemas e espécies, sobretudo em hotspots de biodiversidade como a Mata Atlântica • Essas alterações somam-se a uma série de ameaças: que já afetam a conservação de espécies e ecossistemas, como a fragmentação de habitats e mudanças do uso do solo, incêndios e poluição, produzindo efeitos sinérgicos e de difícil previsão e monitoramento.
  • 6. As alterações climáticas e a perda de biodiversidade são dois dos desafios mais importantes que enfrentamos. Eles interligam-se de muitas maneiras: • À medida que a temperatura média global aumenta, as medidas de conservação por si só não serão suficientes para evitar perdas irreversíveis, quer em terra quer nos oceanos. Isto aplica-se especialmente a aumentos superiores a 2°C. • A restauração da vegetação nativa, por exemplo, pode melhorar a resiliência local a fenômenos extremos, tais como ondas de calor e inundações, e promover o armazenamento de carbono, mas esta não constitui uma alternativa à ação climática.
  • 7. Impactos da mudança do clima biodiversidade e ecossistemas No nível de espécies e populações, as alterações de temperatura e chuva podem: • prejudicar o desenvolvimento e taxas reprodutivas • aumentar a mortalidade • afetar a imunidade à doenças • reduzir a mobilidade, entre outros efeitos Risco de acelerar a taxa de extinção, reduzindo assim a diversidade de espécies.
  • 8. Impactos da mudança do clima Mata Atlântica e economia Economia - 70% da população brasileira vive no bioma e ele é responsável por 80% do PIB • Atividades econômicas e a população dependem direta ou indiretamente dos recursos naturais produzidos ou regulados pela Mata Atlântica, uma floresta fortemente ameaçada pela fragmentação e, mais recentemente, também pela mudança do clima.
  • 9. Impactos da mudança do clima Mata Atlântica na prioridade de restauração A Mata Atlântica é um dos ecossistemas com maior prioridade para a restauração no mundo, considerando-se os benefícios para a conservação da biodiversidade e a mitigação das mudanças climáticas. O bioma faz parte de um grupo de ecossistemas em que a restauração de 15% da sua área evitaria 60% das extinções de espécies previstas Ao mesmo tempo, tem o potencial de sequestrar o equivalente a 30% do CO2 lançado na atmosfera desde o início da Revolução Industrial. (Revista Nature)
  • 10. Impactos da mudança do clima Mata Atlântica: Publicação MMA 2018 - trabalho realizado para a geração de dados de impactos da mudança do clima na Mata Atlântica, com o objetivo de subsidiar o planejamento de medidas AbE. • Foram usados 2 modelos climáticos (Eta HadGEM2-ES; Eta MIROC5) • 2 cenários (RCP 4.5 ou otimista; RCP 8.5 ou pessimista) • 4 períodos de análise (1961-2005 ou linha de base; 2011-2040; 2041-2070; 2071 -2100) • 2 estações do ano (dezembro-janeiro-fevereiro ou verão; junho-julho-agosto ou inverno) Análise de 7 impactos potenciais abrangendo inundação, erosão hídrica, deslizamento, disponibilidade de água no solo, zoneamento agroclimático, ocorrência de fitofisionomia e distribuição da dengue na Mata Atlântica.
  • 11. Abordagem que une as temáticas de biodiversidade e clima é a Adaptação baseada em Ecossistemas (AbE): uso da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos como parte de uma estratégia geral de adaptação para ajudar as pessoas a se adaptarem aos efeitos adversos da mudança do clima. Medidas AbE: • fazem uso da gestão, conservação e recuperação de ecossistemas • considerada uma medida de baixo arrependimento - apresenta cobenefícios de múltiplas naturezas: econômicos, sociais, ambientais e culturais, sequestro de carbono, efeitos sobre a segurança alimentar, gestão sustentável da água, e a promoção de uma visão integrada do território Adaptação X Biodiversidade
  • 12. Acabar com o desmatamento e restaurar ecossistemas são soluções baseadas na natureza para alcançarmos a meta de 1,5°C de aquecimento global até o fim do século 21. Contribuições para o Acordo de Paris que o Brasil pode alcançar com menor esforço, rapidez e respeitando a vocação de potência ambiental.
  • 13. As alterações climáticas e a perda de biodiversidade são dois dos desafios mais importantes que enfrentamos. E também... • Sistemas de governança e controle enfraquecidos • Lacunas de monitoramento
  • 14. Principais tarefas na pauta do clima Biodiversidade X Mitigação e Adaptação: Reverter as tendências de desmatamento na Mata Atlântica e outros biomas / Promover a restauração de ecossistemas visando o aumento da resiliência • Atualizar a Política Nacional sobre Mudança do Clima • Revisar a Contribuição Nacionalmente Determinada brasileira • Revisar o Plano Nacional de Adaptação • Qualificar as propostas normativas, reorganizar a capacidade institucional e evitar retrocessos ambientais • Assegurar a governança multinível
  • 15. Política Nacional sobre Mudança do Clima (Lei nº12.187/2009) Revisão: GTAdapta no âmbito do CIM; decisão na reunião de 17/08/2021 (Resolução n. 03) Objetivo: • Revisão e aprovação do Relatório de Monitoramento do 1º Ciclo; • Estabelecimento de diretrizes para o 2º Ciclo; e • Revisão do Pano Nacional de Adaptação. Coordenação: GTA (Grupo Técnico de Adaptação) Promove a articulação entre órgãos p/ implementação, monitoramento, avaliação e revisão do PNA Portaria MMA nº 150/2016 Publicação do PNA Objetivos da PNMC: Art. 4º, V - “a implementação de medidas para promover a adaptação à mudança do clima pelas 3 (três) esferas da Federação ...” Diretrizes da PNMC: Art. 5º, III – “as medidas de adaptação para reduzir os efeitos adversos da mudança do clima e a vulnerabilidade dos sistemas ambiental, social e econômico;...” Plano Nacional de Adaptação à Mudança do Clima – PNA Marco normativo -PNA UNFCCC Acordo de Paris – 12/12/2015 (Artigo 7) Meta Global de Adaptação: • Aumentar a capacidade adaptativa e resiliência; • Reduzir a vulnerabilidade, com vistas a contribuir para o desenvolvimento sustentável; • Garantir uma resposta de adaptação adequada no contexto da meta de manter o aquecimento global médio bem abaixo de 2o C e envidar esforços para mantê-lo abaixo de 1,5 graus C. Transparência: As Partes devem fornecer informações relacionadas aos impactos da mudança do clima e adaptação.
  • 16. 1. Agricultura 2. Biodiversidade e Ecossistemas 3. Cidades 4. Gestão de Riscos de Desastres 5. Indústria e Mineração 6. Infraestrutura: Energia, Mobilidade Urbana, Transporte 7. Povos e Populações vulneráveis 8. Recursos Hídricos 9. Saúde 10. Segurança Alimentar e Nutricional 11. Zonas Costeiras PNA: estratégias setoriais
  • 17. PNA – Ciclo I (biodiversidade) • Incorporação de princípios de adaptação à mudança do clima de forma transversal - outros órgãos do governo federal • Capacitação em diversos níveis de governo em adaptação baseada em ecossistemas • Revisão do roteiro metodológico de elaboração e implementação de Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica. • Guia de boas práticas para inserção de AbE em planos de manejo de UCs. • Incorporação de AbE em diferentes instrumentos de ordenamento territorial.
  • 18. • Planos de manejo integrado do fogo para Unidades de Conservação do Cerrado • Estudos de análise do impacto da mudança do clima sobre a biodiversidade. • Diagnóstico e mapeamento dos impactos biofísicos da mudança do clima na Mata Atlântica • Programa Nacional de Monitoramento da Biodiversidade • Estudo sobre técnicas de restauração e estimativas de custo por hectare para cada bioma PNA – Ciclo I (biodiversidade)
  • 19. • Análise dos avanços obtidos pelo Brasil na proteção da biodiversidade (2014 a 2018). É o estudo mais completo já produzido sobre o tema no país. Mais de mil páginas com infográficos e imagens e informações de consultas realizadas à sociedade civil, academia, setores do governo e empresariais, totalizando 97 instituições. • Detalhamento do cumprimento das metas nacionais de biodiversidade adotadas pela Comissão Nacional de Biodiversidade (Conabio) em 2013 e da contribuição brasileira para o cumprimento das 20 Metas Globais de Aichi para a Biodiversidade (2011-2020). • Lançamento da Consulta Pública para atualizar a Estratégia e o Plano de Ação Nacionais para a Biodiversidade (EPANB). O objetivo é coletar sugestões da sociedade sobre as ações de conservação e uso sustentável dos recursos naturais. 6º Relatório Nacional para a Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB)
  • 20. Fortalecimento da Agenda Nacional de Adaptação • Revisão do PNA – II Ciclo • Apoio à implementação dos planos de adaptação dos entes subnacionais - Fortalecimento da governança multinível • Sistema de monitoramento de políticas de mitigação e adaptação – Ação transversal – 19 ministérios - Políticas econômicas e sociais integradas às ações de mitigação e adaptação, com investimento público em infraestrutura, taxonomia de investimentos, políticas de emprego e renda e desenvolvimento profissional • Coordenação do ProAdapta – AdaptaBrasil/MCTI
  • 21. PNA – II Ciclo II Decreto CIM: - Criação GT Adaptação Apresentação da Proposta de Revisão do PNA Validação da Proposta de Revisão do PNA Pactuação de Plano de Trabalho Diretrizes, Princípios e Visão Formato e Conteúdo Processo Produtos e Entregas Eventos Cronograma Composição do GT e Governança Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 2023
  • 22. Forma e Conteúdo Diagnóstico setorial /Intervenções 1. Agricultura + Segurança Alimentar 2. Biodiversidade 3. Cidades + Mobilidade 4. Desastres 5. Energia 6. Indústria + Setor Empresarial 7. Povos Indígenas e PCTs 8. Transportes 9. Recursos Hídricos 10. Saúde 11. Zonas Costeiras 12. Turismo 13. Pesca e Aquicultura • Visão, Princípios,Objetivos do PNA • Síntese do Diagnóstico Nacional e Regional • Diretrizes sobre: ₋ Estratégias setoriais e temáticas; ₋ Sinergias, má-Adaptação e Cobenefícios; ₋ Horizontes temporais ₋ Linha de Base e Monitoramento ₋ Financiamento ₋ Desenvolvimento de Capacidades ₋ Subnacionais ₋ Participação Social ₋ Temas transversais: Migração; Racismo e Justiça Climática; Direitos Humanos e Gênero; Povos Indígenas e Tradicionais; Juventude; Subnacionais; • Políticas endereçadas • Ações estruturantes • Medidas de adaptação • Metas 2026/2030/2040 Definição de Escopo e Processo Estratégia Geral Estratégias Setoriais e Temáticas Planos de Ação PNA – II Ciclo II
  • 23. Fortalecimento da Agenda Nacional de Adaptação “...reduzir as vulnerabilidades com relação às seguranças hídricas, energéticas, alimentar e socioambiental, em observância a possíveis sinergias com a Agenda 2030, de modo a potencializar ações com benefícios sociais e produtivos...” Engajamento e mãos à obra!

Notas do Editor

  1. Há que tratar de um novo modelo de produção e consumo. Os países desenvolvidos não falam mais de uma economia de baixo carbono, mas de carbono neutro, na perspectiva de manter o aumento de temperatura em até 1,5°. Precisamos chegar a 2050 com zero de emissão de carbono. Para isso, será necessário dar um verdadeiro cavalo de pau na forma de vivermos e estarmos no mundo. Iniciativas defendidas pelo partido comunista em outros países, como em Portugal, propõem leis para proibir a obsolescência programada do sistema de produção capitalista, com vistas a tornar os produtos mais duráveis, reduzindo a utilização de recursos naturais.