SlideShare uma empresa Scribd logo
ANIMAIS EM EXTINÇAO
gorila-do-ocidente
O Gorila Ocidental apresenta coloração mais clara do que a dos seus
"primos" orientais. O Gorila das Terras Baixas do Ocidente podem ser de cor
marrom ou acinzentada com testa amarelada. Também tem um pequeno
extremo suspenso no nariz, o qual não existe no Gorila Ocidental. Os machos
do Ocidental pesam, os machos entre 140 a 280 quilos e sua altura é de 1, a
1,85 metros; as fêmeas pesam entre 60 a 120 quilos e a altura varia de 1,4 a
1,55 metros de altura. O Gorila do Ocidente é mais delgado do que o do
leste. O Gorila "Cross River" difere do Ocidental das Terras Baixas nas
dimensões tanto do crânio como dos dentes. é também cerca de 10 a 15 cm
mais alto e 20 a 35 quilos mais pesado.

Características
O Gorila Do Ocidente é um subidor mas ágil de árvores e mais arborícola do
que o Gorila do Leste. É também mais frugívoro e se alimenta de frutos de
cerca de 100 espécies sazonais de árvores. O Gorila do Ocidente é mais difícil
de rastrear e de ser localizado.
O Gorila das Terras Baixas do Ocidente vive em pequenos grupos familiares
em comparação com os demais Gorilas. São na média 4 a 8 indivíduos por
família. Os Gorilas do Ocidente, mesmo em vida selvagem, fazem uso de
ferramentas improvidadas pelos próprios.1
Brachyteles
Brachyteles é um gênero de mamíferos primatas da família Atelidae e seus
integrantes são os muriquis, também conhecidos como
buriquins, buriquis, mariquinhas, mariquinas, muriquinas e muriquinhas2 . É
o maior macaco americano, medindo 0,70 metros de corpo e igual medida de
cauda. Tem polegar reduzido e pelo amarelo. Vive nas matas dos estados de
São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo, nos fragmentos de mata atlântica
que restam nestes estados do Brasil.2 3 .
Etimologia
"Muriqui", "buriquim", "buriqui", "mariquinha", "mariquinhas", "mariquina"
, "muriquinas" e "muriquinhas" originaram-se do termo tupi muri'ki, que
significa "gente que bamboleia, que vai e vem", ou então "povo manso da
floresta", graças a seus hábitos solidários e de permanência em grupo.2 4
Espécies
São reconhecidas duas espécies do gênero, e existe certa concordância
quanto esses dois táxons serem espécies separadas:5
Brachyteles arachnoides: miriqui ou mono-carvoeiro. Habita os estados
brasileiros de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná.
Azulão
Caracterização
O azulão mede aproximadamente 15 cm de comprimento. O macho possui
plumagem totalmente azul-escura quando adulto, com a
fronte, sobrancelhas e coberteiras superiores das asas azuis-brilhantes. A
fêmea e os imaturos são marrons-pardos.
Está ave é territorialista, não sendo possível vê-las em bando. Caso exista um
casal em certa localização, só será possível encontrar outro casal em uma
certa distância. Os filhotes de azulão ficam com seus pais até um certo
tempo, depois já partem para uma vida "independente", pois o instinto
territorialista do azulão não o deixará ficar por perto após estar na fase
adulta, assim, o filhote terá que achar seu próprio território e sua parceria
para acasalamento. Se um macho invade o território de outro, com certeza
haverá um conflito, e será bem violento, por isso existe um certo respeito
entre as aves e seus territórios, mas sempre há aquele mais valente que por
território ou por uma fêmea entrará em conflito e conquistará o desejado.
Distribuição e habitat
Esta ave é encontrada na beira de pântanos, matas secundárias e
plantações, do Nordeste e Brasil central ao estado do Rio Grande do Sul, bem
como na Bolívia, Paraguai e Argentina e também no norte da Venezuela e
Colômbia. Existem algumas diferenças entre espécies de regiões diferentes.
Galito
O galito (Alectrurus tricolor) é uma
espécie de ave da família Tyrannidae.
Pode ser encontrada nos seguintes países:
Argentina, Bolívia, Brasil, Uruguai e
Paraguai.
Os seus habitats naturais são: campos de
gramíneas subtropicais ou tropicais secos
de baixa altitude e campos de gramíneas
de baixa altitude subtropicais ou tropicais
sazonalmente húmidos ou inundados.
Está ameaçada por perda de habitat.
Dragão-de-komodo
Dragão-de-komodo ou crocodilo-da-terra (Varanus komodoensis) é uma
espécie de lagarto que vive nas ilhas de Komodo, Rinca, Gili Motang e Flores,
na Indonésia.2 Pertence à família de lagartos-monitores Varanidae, e é a
maior espécie de lagarto conhecida, chegando a atingir 2–3 m de
comprimento e 70 kg de peso. O seu tamanho invulgar é atribuído a
gigantismo insular, uma vez que não há outros animais carnívoros para
preencher o nicho ecológico nas ilhas onde ele vive, e também ao seu baixo
metabolismo.3 4 Como resultado deste gigantismo, estes lagartos,
juntamente com as bactérias simbiontes, dominam o ecossistema onde
vivem.5 Apesar dos dragões-de-komodo comerem principalmente carniça,
eles também caçam e fazem emboscadas a presas incluindo invertebrados,
aves e mamíferos.
A época de reprodução começa entre maio e agosto, e os ovos são postos em
setembro. Cerca de vinte ovos são depositados em ninhos de Megapodiidae
abandonados e ficam a incubar durante sete a oito meses, e a eclosão ocorre
em abril, quando há abundância de insectos. Dragões-de-komodo juvenis são
vulneráveis e, por isso, abrigam-se em árvores, protegidos de predadores e
de adultos canibais. Demoram cerca de três a cinco anos até chegarem à
idade de reprodução, e podem viver até aos cinquenta anos. São capazes de
se reproduzir por partenogénese, no qual ovos viáveis são postos sem serem
jacaré-de-papo-amarelo
O jacaré-de-papo-amarelo (Caiman latirostris) é um jacaré típico da América
do Sul. A espécie habita as florestas tropicais, preferindo áreas de baixada,
em lagoas, lagos e rios. É um animal carnívoro que vive aproximadamente
cinquenta anos.
São conhecidos por este nome pois, durante a fase do acasalamento, estes
animais costumam ficar com a área do papo amarelada.
Mede em média entre 1,5 m e 2,5 m mas já foram capturados exemplares
com mais de 3,9 m. Caracterizam-se por possuírem uma mordida forte,
podendo partir o casco de uma tartaruga com extrema facilidade.
Estes animais costumam se alimentar de crustáceos e pequenos mamíferos;
eventualmente os exemplares maiores podem atacar presas maiores. Seu
alimento principal são certos moluscos gastrópodes disseminadores de
algumas moléstias nas populações ribeirinhas. Desta forma, nos ambientes
onde o jacaré foi eliminado, cresce a incidência de barriga de água entre a
população que reside próximo aos rios.
O acasalamento ocorre na terra ou em charcos com muita água. A fêmea
coloca em média, 25 ovos num ninho construído entre a vegetação, próximo
à água, e os cobre com folhas secas e areia. Após a postura, a fêmea torna-se
mais agressiva e nunca se afasta dos ovos, pois, estes podem ser predados
por animais como o teiú, o quati e o guaxinim. Quando nascem, após cerca
Tubarão-baleia
O tubarão-baleia (Rhincodon typus) é a única espécie da família Rhincodontidae, vive
em oceanos quentes e de clima tropical, além de ser a maior das espécies de
tubarão, é o maior peixe conhecido.2 , podendo crescer até cerca de 9 a 12 m3 e
pesar mais de 13 toneladas.
O animal é completamente inofensivo ao homem e alimenta-se de plâncton por
filtração
Alimentação
O tubarão-baleia se alimenta de plâncton, macro-algas, krill,4 pequenos polvos e
outros invertebrados.5 As várias fileiras de dentes não atuam na alimentação, a água
entra constantemente na boca e sai através dos arcos das brânquias. Qualquer
material capturado é engolido.5 O tubarão pode fazer circular a água a uma taxa de
até 1,7 l/s. Entretanto, também se alimenta de forma ativa, explorando
concentrações de plâncton ou pequenos peixes através do olfato.
De acordo com marinheiros, os tubarões-baleia se encontram nos recifes perto da
costa caribenha de Belize suplementando sua dieta ordinária alimentando-se das
ovas de caranhos gigantes que enxameiam nessas águas em maio, junho e julho
entre a lua cheia e os quartos crescente e minguante desses meses[carece de fontes].
Em 2012, uma equipe de cientistas captou imagens de tubarões-baleia que
aprenderam a sugar os peixes das redes de pesca. No Parque Nacional da Baía de
6
Tubarão-branco
Carcharodon carcharias Lineu, 1758, conhecido pelos nomes comuns de
tubarão-branco e anequim, é uma espécie de tubarão lamniforme, sendo o
peixe predador de maiores dimensões existente na atualidade. Um tubarãobranco pode atingir 7,51 metros de comprimento e pesar até 2,5 toneladas.
Esta espécie vive nas águas costeiras de todos os oceanos, desde que haja
populações adequadas das suas presas, em particular pinípedes. Esta espécie
é a única que sobrevive, na atualidade, do gênero Carcharodon.Este tubarão
é o mais perigoso do planeta.
Características gerais
Os tubarões brancos caracterizam-se pelo seu corpo fusiforme e peso , em
contraste com as formas espalmada de outros tubarões. O focinho é cónico,
curto e largo. A boca, muito grande e arredondada, tem forma de arco ou
parábola. Permanece sempre entreaberta, deixando ver, pelo menos, uma
fileira de dentes da mandíbula superior e uma dos da inferior, enquanto a
água penetra nela e sai continuamente, pelas brânquias. Se este fluxo
parasse, o tubarão afogar-se-ia, por carecer de opérculos para regular a
passagem correcta de água, e afundar-se-ia na mesma, já que ao não possuir
bexiga natatória vê-se condenado a estar em contínuo movimento para
evitar afundar-se. Durante o ataque, as mandibulas abrem-se ao ponto de a
A espécie habita as florestas de Evergreen no
noroeste do Equador. Ela possui hábitos
noturnos e é encontrada em folhagens ao
longo dos córregos.
Ainda há poucos dados sobre esta
espécie, uma vez que só recentemente foi
descrita. Muito pouco se sabe sobre a sua
extensão de ocorrência, área de
ocupação, status e exigências ecológicas.
Porém, seu principal habitat está diminuindo
Cruziohyla Craspedopus
Pode ser encontrada nos seguintes países:
Brasil, Colômbia, Equador, Peru e possivelmente na
Bolívia.
Os seus habitats naturais são: florestas subtropicais ou
tropicais úmidas de baixa altitude e marismas
intermitentes de água doce.

Listado como pouco preocupante na Red List da
IUCN (União Internacional para a Conservação da
Natureza e dos Recursos Naturais) tendo em vista sua
ampla distribuição e sua população presumidamente
grande. É improvável que sua população esteja em
declínio rápido o suficiente para se qualificar para listagem

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

TRABALHO ANIMAIS EM EXTINÇÃO
TRABALHO ANIMAIS EM EXTINÇÃOTRABALHO ANIMAIS EM EXTINÇÃO
TRABALHO ANIMAIS EM EXTINÇÃO
guest3723659
 
Animais em extinção
Animais em extinçãoAnimais em extinção
Animais em extinção
escolabeatriz
 
Bichonario
BichonarioBichonario
Bichonario
labjosecataldi
 
Animais Marinhos Em Vias De ExtinçãO
Animais Marinhos Em Vias De ExtinçãOAnimais Marinhos Em Vias De ExtinçãO
Animais Marinhos Em Vias De ExtinçãO
lisetemouta
 
Especies animais protegidas
Especies animais protegidasEspecies animais protegidas
Especies animais protegidas
mariacferreira
 
Pantanal
PantanalPantanal
Pantanal
guestf48f9
 
Animais marinhos em vias de extinção 6ºe prof fátima alves blog
Animais marinhos em vias de extinção 6ºe prof fátima alves blog Animais marinhos em vias de extinção 6ºe prof fátima alves blog
Animais marinhos em vias de extinção 6ºe prof fátima alves blog
Maria Costa
 
Bichosdoparana mamiferos
Bichosdoparana mamiferosBichosdoparana mamiferos
Bichosdoparana mamiferos
Andre Benedito
 
Bichosdoparana repteis
Bichosdoparana repteisBichosdoparana repteis
Bichosdoparana repteis
Andre Benedito
 
Animais ameaçados de extinção
Animais ameaçados de extinçãoAnimais ameaçados de extinção
Animais ameaçados de extinção
Elson Barros
 
Bichosdoparana aves1
Bichosdoparana aves1Bichosdoparana aves1
Bichosdoparana aves1
Andre Benedito
 
Bichosdoparana aves2
Bichosdoparana aves2Bichosdoparana aves2
Bichosdoparana aves2
Andre Benedito
 
Ap 5 g animais em vias de extinção 2009-2010
Ap 5 g animais em vias de extinção 2009-2010Ap 5 g animais em vias de extinção 2009-2010
Ap 5 g animais em vias de extinção 2009-2010
ruingomes
 
Bichosdoparana aves3
Bichosdoparana aves3Bichosdoparana aves3
Bichosdoparana aves3
Andre Benedito
 
Os animais da vida selvagem
Os animais da vida selvagemOs animais da vida selvagem
Os animais da vida selvagem
Baixa Tudo Facil
 
Animais Em Vias De ExtinçãO
Animais Em Vias De ExtinçãOAnimais Em Vias De ExtinçãO
Animais Em Vias De ExtinçãO
catarinacoelhosilva
 
Projeto pantanal
Projeto pantanalProjeto pantanal
Projeto pantanal
glauciaal
 
Animais em vias de extinção do Diogo Pereira
Animais em vias de extinção do Diogo PereiraAnimais em vias de extinção do Diogo Pereira
Animais em vias de extinção do Diogo Pereira
profgaspar
 
Inês e sofia
Inês e sofiaInês e sofia
Inês e sofia
cs
 

Mais procurados (19)

TRABALHO ANIMAIS EM EXTINÇÃO
TRABALHO ANIMAIS EM EXTINÇÃOTRABALHO ANIMAIS EM EXTINÇÃO
TRABALHO ANIMAIS EM EXTINÇÃO
 
Animais em extinção
Animais em extinçãoAnimais em extinção
Animais em extinção
 
Bichonario
BichonarioBichonario
Bichonario
 
Animais Marinhos Em Vias De ExtinçãO
Animais Marinhos Em Vias De ExtinçãOAnimais Marinhos Em Vias De ExtinçãO
Animais Marinhos Em Vias De ExtinçãO
 
Especies animais protegidas
Especies animais protegidasEspecies animais protegidas
Especies animais protegidas
 
Pantanal
PantanalPantanal
Pantanal
 
Animais marinhos em vias de extinção 6ºe prof fátima alves blog
Animais marinhos em vias de extinção 6ºe prof fátima alves blog Animais marinhos em vias de extinção 6ºe prof fátima alves blog
Animais marinhos em vias de extinção 6ºe prof fátima alves blog
 
Bichosdoparana mamiferos
Bichosdoparana mamiferosBichosdoparana mamiferos
Bichosdoparana mamiferos
 
Bichosdoparana repteis
Bichosdoparana repteisBichosdoparana repteis
Bichosdoparana repteis
 
Animais ameaçados de extinção
Animais ameaçados de extinçãoAnimais ameaçados de extinção
Animais ameaçados de extinção
 
Bichosdoparana aves1
Bichosdoparana aves1Bichosdoparana aves1
Bichosdoparana aves1
 
Bichosdoparana aves2
Bichosdoparana aves2Bichosdoparana aves2
Bichosdoparana aves2
 
Ap 5 g animais em vias de extinção 2009-2010
Ap 5 g animais em vias de extinção 2009-2010Ap 5 g animais em vias de extinção 2009-2010
Ap 5 g animais em vias de extinção 2009-2010
 
Bichosdoparana aves3
Bichosdoparana aves3Bichosdoparana aves3
Bichosdoparana aves3
 
Os animais da vida selvagem
Os animais da vida selvagemOs animais da vida selvagem
Os animais da vida selvagem
 
Animais Em Vias De ExtinçãO
Animais Em Vias De ExtinçãOAnimais Em Vias De ExtinçãO
Animais Em Vias De ExtinçãO
 
Projeto pantanal
Projeto pantanalProjeto pantanal
Projeto pantanal
 
Animais em vias de extinção do Diogo Pereira
Animais em vias de extinção do Diogo PereiraAnimais em vias de extinção do Diogo Pereira
Animais em vias de extinção do Diogo Pereira
 
Inês e sofia
Inês e sofiaInês e sofia
Inês e sofia
 

Destaque

Beneficios de la lectura
Beneficios de la lecturaBeneficios de la lectura
Beneficios de la lectura
Stephanie Macerez Rodriguez
 
O gcdp
O gcdpO gcdp
Buchstaben für Gera
Buchstaben für GeraBuchstaben für Gera
Buchstaben für Gera
deutschonline
 
Executives' Perceptions of Canada's Business Climate
Executives' Perceptions of Canada's Business ClimateExecutives' Perceptions of Canada's Business Climate
Executives' Perceptions of Canada's Business Climate
Development Counsellors International
 
Midnight Memories
Midnight MemoriesMidnight Memories
Midnight Memories
alewi12345
 
Raices ancestrale
Raices ancestraleRaices ancestrale
Raices ancestrale
betacourth
 

Destaque (6)

Beneficios de la lectura
Beneficios de la lecturaBeneficios de la lectura
Beneficios de la lectura
 
O gcdp
O gcdpO gcdp
O gcdp
 
Buchstaben für Gera
Buchstaben für GeraBuchstaben für Gera
Buchstaben für Gera
 
Executives' Perceptions of Canada's Business Climate
Executives' Perceptions of Canada's Business ClimateExecutives' Perceptions of Canada's Business Climate
Executives' Perceptions of Canada's Business Climate
 
Midnight Memories
Midnight MemoriesMidnight Memories
Midnight Memories
 
Raices ancestrale
Raices ancestraleRaices ancestrale
Raices ancestrale
 

Semelhante a Animais em extinçao 2

Trabalho a.p
Trabalho a.pTrabalho a.p
Trabalho a.p
fmpereira12
 
Trabalho a.p
Trabalho a.pTrabalho a.p
Trabalho a.p
fmpereira12
 
Pantanal
PantanalPantanal
Pantanal
liz.cobolina
 
Pantanal
PantanalPantanal
Pantanal
liz.cobolina
 
Onça -2º C
Onça -2º COnça -2º C
Mamíferos terrestre da floresta tropical
Mamíferos terrestre da floresta tropicalMamíferos terrestre da floresta tropical
Mamíferos terrestre da floresta tropical
mnio
 
DIVERSIDADE E CLASSIFICAÇÃO DE MAMÍFEROS
DIVERSIDADE E CLASSIFICAÇÃO DE MAMÍFEROSDIVERSIDADE E CLASSIFICAÇÃO DE MAMÍFEROS
DIVERSIDADE E CLASSIFICAÇÃO DE MAMÍFEROS
Linique Logan
 
Trabalhos da Geociências
Trabalhos da Geociências Trabalhos da Geociências
Trabalhos da Geociências
marquinhos1511
 
Animais selvagens
Animais selvagensAnimais selvagens
Animais selvagens
marecos5h
 
Zoo gramado
Zoo gramadoZoo gramado
Zoo gramado
crishmuler
 
Zoo gramado
Zoo gramadoZoo gramado
Zoo gramado
crishmuler
 
Projeto "A Girafa e o Mede-palmo"
Projeto "A Girafa e o Mede-palmo"Projeto "A Girafa e o Mede-palmo"
Projeto "A Girafa e o Mede-palmo"
nissiasauer
 
Fauna dos rios do Pará
Fauna dos rios do ParáFauna dos rios do Pará
Fauna dos rios do Pará
Gilmar Rodrigues
 
Animais marinhos
Animais marinhosAnimais marinhos
Animais marinhos
Piaget1623
 
Trabalho de ap
Trabalho de apTrabalho de ap
Trabalho de ap
marianasantosj
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
Colmeias
 
Apresentação Sala de Recurso
Apresentação Sala de RecursoApresentação Sala de Recurso
Apresentação Sala de Recurso
Mara Almeida
 
Animais[1]
Animais[1]Animais[1]
Animais[1]
Ana Ramada
 
Animais Marinhos 8ºB Grupo 5
Animais Marinhos 8ºB Grupo 5Animais Marinhos 8ºB Grupo 5
Animais Marinhos 8ºB Grupo 5
Pedro
 
Power point animais_marinhos
Power point animais_marinhosPower point animais_marinhos
Power point animais_marinhos
Beatriz Painho
 

Semelhante a Animais em extinçao 2 (20)

Trabalho a.p
Trabalho a.pTrabalho a.p
Trabalho a.p
 
Trabalho a.p
Trabalho a.pTrabalho a.p
Trabalho a.p
 
Pantanal
PantanalPantanal
Pantanal
 
Pantanal
PantanalPantanal
Pantanal
 
Onça -2º C
Onça -2º COnça -2º C
Onça -2º C
 
Mamíferos terrestre da floresta tropical
Mamíferos terrestre da floresta tropicalMamíferos terrestre da floresta tropical
Mamíferos terrestre da floresta tropical
 
DIVERSIDADE E CLASSIFICAÇÃO DE MAMÍFEROS
DIVERSIDADE E CLASSIFICAÇÃO DE MAMÍFEROSDIVERSIDADE E CLASSIFICAÇÃO DE MAMÍFEROS
DIVERSIDADE E CLASSIFICAÇÃO DE MAMÍFEROS
 
Trabalhos da Geociências
Trabalhos da Geociências Trabalhos da Geociências
Trabalhos da Geociências
 
Animais selvagens
Animais selvagensAnimais selvagens
Animais selvagens
 
Zoo gramado
Zoo gramadoZoo gramado
Zoo gramado
 
Zoo gramado
Zoo gramadoZoo gramado
Zoo gramado
 
Projeto "A Girafa e o Mede-palmo"
Projeto "A Girafa e o Mede-palmo"Projeto "A Girafa e o Mede-palmo"
Projeto "A Girafa e o Mede-palmo"
 
Fauna dos rios do Pará
Fauna dos rios do ParáFauna dos rios do Pará
Fauna dos rios do Pará
 
Animais marinhos
Animais marinhosAnimais marinhos
Animais marinhos
 
Trabalho de ap
Trabalho de apTrabalho de ap
Trabalho de ap
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
Apresentação Sala de Recurso
Apresentação Sala de RecursoApresentação Sala de Recurso
Apresentação Sala de Recurso
 
Animais[1]
Animais[1]Animais[1]
Animais[1]
 
Animais Marinhos 8ºB Grupo 5
Animais Marinhos 8ºB Grupo 5Animais Marinhos 8ºB Grupo 5
Animais Marinhos 8ºB Grupo 5
 
Power point animais_marinhos
Power point animais_marinhosPower point animais_marinhos
Power point animais_marinhos
 

Último

Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 

Último (20)

Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 

Animais em extinçao 2

  • 3. O Gorila Ocidental apresenta coloração mais clara do que a dos seus "primos" orientais. O Gorila das Terras Baixas do Ocidente podem ser de cor marrom ou acinzentada com testa amarelada. Também tem um pequeno extremo suspenso no nariz, o qual não existe no Gorila Ocidental. Os machos do Ocidental pesam, os machos entre 140 a 280 quilos e sua altura é de 1, a 1,85 metros; as fêmeas pesam entre 60 a 120 quilos e a altura varia de 1,4 a 1,55 metros de altura. O Gorila do Ocidente é mais delgado do que o do leste. O Gorila "Cross River" difere do Ocidental das Terras Baixas nas dimensões tanto do crânio como dos dentes. é também cerca de 10 a 15 cm mais alto e 20 a 35 quilos mais pesado. Características O Gorila Do Ocidente é um subidor mas ágil de árvores e mais arborícola do que o Gorila do Leste. É também mais frugívoro e se alimenta de frutos de cerca de 100 espécies sazonais de árvores. O Gorila do Ocidente é mais difícil de rastrear e de ser localizado. O Gorila das Terras Baixas do Ocidente vive em pequenos grupos familiares em comparação com os demais Gorilas. São na média 4 a 8 indivíduos por família. Os Gorilas do Ocidente, mesmo em vida selvagem, fazem uso de ferramentas improvidadas pelos próprios.1
  • 5. Brachyteles é um gênero de mamíferos primatas da família Atelidae e seus integrantes são os muriquis, também conhecidos como buriquins, buriquis, mariquinhas, mariquinas, muriquinas e muriquinhas2 . É o maior macaco americano, medindo 0,70 metros de corpo e igual medida de cauda. Tem polegar reduzido e pelo amarelo. Vive nas matas dos estados de São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo, nos fragmentos de mata atlântica que restam nestes estados do Brasil.2 3 . Etimologia "Muriqui", "buriquim", "buriqui", "mariquinha", "mariquinhas", "mariquina" , "muriquinas" e "muriquinhas" originaram-se do termo tupi muri'ki, que significa "gente que bamboleia, que vai e vem", ou então "povo manso da floresta", graças a seus hábitos solidários e de permanência em grupo.2 4 Espécies São reconhecidas duas espécies do gênero, e existe certa concordância quanto esses dois táxons serem espécies separadas:5 Brachyteles arachnoides: miriqui ou mono-carvoeiro. Habita os estados brasileiros de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná.
  • 7. Caracterização O azulão mede aproximadamente 15 cm de comprimento. O macho possui plumagem totalmente azul-escura quando adulto, com a fronte, sobrancelhas e coberteiras superiores das asas azuis-brilhantes. A fêmea e os imaturos são marrons-pardos. Está ave é territorialista, não sendo possível vê-las em bando. Caso exista um casal em certa localização, só será possível encontrar outro casal em uma certa distância. Os filhotes de azulão ficam com seus pais até um certo tempo, depois já partem para uma vida "independente", pois o instinto territorialista do azulão não o deixará ficar por perto após estar na fase adulta, assim, o filhote terá que achar seu próprio território e sua parceria para acasalamento. Se um macho invade o território de outro, com certeza haverá um conflito, e será bem violento, por isso existe um certo respeito entre as aves e seus territórios, mas sempre há aquele mais valente que por território ou por uma fêmea entrará em conflito e conquistará o desejado. Distribuição e habitat Esta ave é encontrada na beira de pântanos, matas secundárias e plantações, do Nordeste e Brasil central ao estado do Rio Grande do Sul, bem como na Bolívia, Paraguai e Argentina e também no norte da Venezuela e Colômbia. Existem algumas diferenças entre espécies de regiões diferentes.
  • 9. O galito (Alectrurus tricolor) é uma espécie de ave da família Tyrannidae. Pode ser encontrada nos seguintes países: Argentina, Bolívia, Brasil, Uruguai e Paraguai. Os seus habitats naturais são: campos de gramíneas subtropicais ou tropicais secos de baixa altitude e campos de gramíneas de baixa altitude subtropicais ou tropicais sazonalmente húmidos ou inundados. Está ameaçada por perda de habitat.
  • 11. Dragão-de-komodo ou crocodilo-da-terra (Varanus komodoensis) é uma espécie de lagarto que vive nas ilhas de Komodo, Rinca, Gili Motang e Flores, na Indonésia.2 Pertence à família de lagartos-monitores Varanidae, e é a maior espécie de lagarto conhecida, chegando a atingir 2–3 m de comprimento e 70 kg de peso. O seu tamanho invulgar é atribuído a gigantismo insular, uma vez que não há outros animais carnívoros para preencher o nicho ecológico nas ilhas onde ele vive, e também ao seu baixo metabolismo.3 4 Como resultado deste gigantismo, estes lagartos, juntamente com as bactérias simbiontes, dominam o ecossistema onde vivem.5 Apesar dos dragões-de-komodo comerem principalmente carniça, eles também caçam e fazem emboscadas a presas incluindo invertebrados, aves e mamíferos. A época de reprodução começa entre maio e agosto, e os ovos são postos em setembro. Cerca de vinte ovos são depositados em ninhos de Megapodiidae abandonados e ficam a incubar durante sete a oito meses, e a eclosão ocorre em abril, quando há abundância de insectos. Dragões-de-komodo juvenis são vulneráveis e, por isso, abrigam-se em árvores, protegidos de predadores e de adultos canibais. Demoram cerca de três a cinco anos até chegarem à idade de reprodução, e podem viver até aos cinquenta anos. São capazes de se reproduzir por partenogénese, no qual ovos viáveis são postos sem serem
  • 13. O jacaré-de-papo-amarelo (Caiman latirostris) é um jacaré típico da América do Sul. A espécie habita as florestas tropicais, preferindo áreas de baixada, em lagoas, lagos e rios. É um animal carnívoro que vive aproximadamente cinquenta anos. São conhecidos por este nome pois, durante a fase do acasalamento, estes animais costumam ficar com a área do papo amarelada. Mede em média entre 1,5 m e 2,5 m mas já foram capturados exemplares com mais de 3,9 m. Caracterizam-se por possuírem uma mordida forte, podendo partir o casco de uma tartaruga com extrema facilidade. Estes animais costumam se alimentar de crustáceos e pequenos mamíferos; eventualmente os exemplares maiores podem atacar presas maiores. Seu alimento principal são certos moluscos gastrópodes disseminadores de algumas moléstias nas populações ribeirinhas. Desta forma, nos ambientes onde o jacaré foi eliminado, cresce a incidência de barriga de água entre a população que reside próximo aos rios. O acasalamento ocorre na terra ou em charcos com muita água. A fêmea coloca em média, 25 ovos num ninho construído entre a vegetação, próximo à água, e os cobre com folhas secas e areia. Após a postura, a fêmea torna-se mais agressiva e nunca se afasta dos ovos, pois, estes podem ser predados por animais como o teiú, o quati e o guaxinim. Quando nascem, após cerca
  • 15. O tubarão-baleia (Rhincodon typus) é a única espécie da família Rhincodontidae, vive em oceanos quentes e de clima tropical, além de ser a maior das espécies de tubarão, é o maior peixe conhecido.2 , podendo crescer até cerca de 9 a 12 m3 e pesar mais de 13 toneladas. O animal é completamente inofensivo ao homem e alimenta-se de plâncton por filtração Alimentação O tubarão-baleia se alimenta de plâncton, macro-algas, krill,4 pequenos polvos e outros invertebrados.5 As várias fileiras de dentes não atuam na alimentação, a água entra constantemente na boca e sai através dos arcos das brânquias. Qualquer material capturado é engolido.5 O tubarão pode fazer circular a água a uma taxa de até 1,7 l/s. Entretanto, também se alimenta de forma ativa, explorando concentrações de plâncton ou pequenos peixes através do olfato. De acordo com marinheiros, os tubarões-baleia se encontram nos recifes perto da costa caribenha de Belize suplementando sua dieta ordinária alimentando-se das ovas de caranhos gigantes que enxameiam nessas águas em maio, junho e julho entre a lua cheia e os quartos crescente e minguante desses meses[carece de fontes]. Em 2012, uma equipe de cientistas captou imagens de tubarões-baleia que aprenderam a sugar os peixes das redes de pesca. No Parque Nacional da Baía de 6
  • 17. Carcharodon carcharias Lineu, 1758, conhecido pelos nomes comuns de tubarão-branco e anequim, é uma espécie de tubarão lamniforme, sendo o peixe predador de maiores dimensões existente na atualidade. Um tubarãobranco pode atingir 7,51 metros de comprimento e pesar até 2,5 toneladas. Esta espécie vive nas águas costeiras de todos os oceanos, desde que haja populações adequadas das suas presas, em particular pinípedes. Esta espécie é a única que sobrevive, na atualidade, do gênero Carcharodon.Este tubarão é o mais perigoso do planeta. Características gerais Os tubarões brancos caracterizam-se pelo seu corpo fusiforme e peso , em contraste com as formas espalmada de outros tubarões. O focinho é cónico, curto e largo. A boca, muito grande e arredondada, tem forma de arco ou parábola. Permanece sempre entreaberta, deixando ver, pelo menos, uma fileira de dentes da mandíbula superior e uma dos da inferior, enquanto a água penetra nela e sai continuamente, pelas brânquias. Se este fluxo parasse, o tubarão afogar-se-ia, por carecer de opérculos para regular a passagem correcta de água, e afundar-se-ia na mesma, já que ao não possuir bexiga natatória vê-se condenado a estar em contínuo movimento para evitar afundar-se. Durante o ataque, as mandibulas abrem-se ao ponto de a
  • 18.
  • 19. A espécie habita as florestas de Evergreen no noroeste do Equador. Ela possui hábitos noturnos e é encontrada em folhagens ao longo dos córregos. Ainda há poucos dados sobre esta espécie, uma vez que só recentemente foi descrita. Muito pouco se sabe sobre a sua extensão de ocorrência, área de ocupação, status e exigências ecológicas. Porém, seu principal habitat está diminuindo
  • 21. Pode ser encontrada nos seguintes países: Brasil, Colômbia, Equador, Peru e possivelmente na Bolívia. Os seus habitats naturais são: florestas subtropicais ou tropicais úmidas de baixa altitude e marismas intermitentes de água doce. Listado como pouco preocupante na Red List da IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais) tendo em vista sua ampla distribuição e sua população presumidamente grande. É improvável que sua população esteja em declínio rápido o suficiente para se qualificar para listagem