SlideShare uma empresa Scribd logo
IMPACTOS AMBIENTAIS URBANOS “ A educação deve formar gente capaz de situar corretamente no mundo e de influir para que se aperfeiçoe a sociedade humana como um todo” ( Milton Santos) Leila Márcia José Antônio DRE- Gurupi-TO
É a alteração no  meio  ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade.  O QUE É IMPACTO AMBIENTAL?
Visão predominante da Natureza como fonte de recursos para geração de riquezas e atendimento de necessidades antrópicas, provocou graves impactos ambientais. Cidadão transformado apenas em consumidor e usuário.
A cidade pode ser considerada um ecossistema que integra a sociedade e o Meio Ambiente. Para que sobreviva em boas condições, é necessário que exista uma boa relação entre a comunidade urbana e o meio em que ela vive
É todo resíduo sólido proveniente de atividades humanas ou mesmo de processos naturais (poeira, folhas e ramos mortos, cadáveres de animais).  LIXO
O lixo indevidamente administrado provoca mau cheiro, fornece a proliferação de animais nocivos e transmissores de doenças (ratos, formigas, moscas e mosquitos), polui, pelo chorume, o solo e o lençol d´água subterrâneo e também o ar, uma vez que é prática comum a queima do lixo em ruas, lotes baldios e lixões.   PROBLEMAS COM LIXO
TIPOS DE LIXO
O lixo urbano é um dos maiores problemas ambientais da atualidade, pois os moldes de consumo adotados pela maioria das sociedades modernas provocam o aumento contínuo e exagerado na quantidade de lixo produzido. O LIXO URBANO
Também chamado de lixo domiciliar ou residencial, é produzido pelas pessoas em suas casas. Constituído principalmente de restos de alimentos, embalagens plásticas, papéis em geral, plásticos, entre outros.  LIXO DOMÉSTICO
Gerado pelo setor terciário (comércio em geral).é composto principalmente por papéis, papelões e plásticos.  LIXO COMERCIAL
Original das atividades do setor secundário (indústrias), pode conter restos de alimentos, madeiras, tecidos, couros, metais, produtos químicos e outros. LIXO INDUSTRIAL
Proveniente de hospitais, farmácias, postos de saúde e casas veterinárias. Composto por seringas, vidros de remédios, algodão, gaze, órgãos humanos, etc. Este tipo de lixo é muito perigoso e deve ter um tratamento diferenciado, desde a coleta até a sua deposição final.  LIXO HOSPITALAR
Decorrentes de atividades que envolvem produtos radioativos, entre outros. LIXO NUCLEAR
TEMPO DE DECOMPOSIÇÃO
JORNAIS: 2 SEMANAS PNEUS- INDETERMINDADO EMBALAGENS DE PAPEL – 1 A 4 MESES
GUARDANAPOS DE PAPEL três meses CHICLETES    cinco anos PONTAS DE CIGARRO  dois anos
Sacos e copos plásticos   200 a 450 anos Pilhas    100 a 500 anos   Latas de alumínio  100 a 500 anos
É a atividade de transformar materiais já usados em novos produtos que podem ser comercializados. Exemplo : papéis velhos retornam às indústrias e são transformados em novas folhas.  RECICLAGEM
 
É separar o lixo para que seja enviado para reciclagem. Significa não misturar materiais recicláveis com o restante do lixo. Ela pode ser feita por um cidadão sozinho ou organizada em comunidades : condomínios, empresas, escolas, clubes, cidades, etc.  COLETA SELETIVA
Menor redução de florestas nativas. Reduz a extração dos recursos naturais. Diminui a poluição do solo, da água e do ar. Economiza energia e água. Possibilita a reciclagem de materiais que iriam para o lixo. Conserva o solo.  Diminui o lixo nos aterros e lixões. Prolonga a vida útil dos aterros sanitários. Diminui os custos da produção, com o aproveitamento de recicláveis pelas indústrias. Diminui o desperdício. Melhora a limpeza e higiene da cidade. Previne enchentes. Diminui os gastos com a limpeza urbana. Cria oportunidade de fortalecer cooperativas. Gera emprego e renda pela comercialização dos recicláveis. ALGUNS BENEFÍCIOS DA COLETA SELETIVA
O principal poluente do solo é o LIXO sobretudo os resíduos sólidos, como metal e plástico, e os produtos tóxicos, como pesticidas e fertilizantes.  A incineração do lixo ou sua deposição em aterros também gera poluição. O primeiro polui o ar e o segundo produz substâncias tóxicas que contaminam a água e o solo. POLUIÇÃO DO SOLO
 
A erosão é um processo que faz com que as partículas do solo sejam desprendidas e transportadas pela água, vento ou pelas atividades do homem.  EROSÃO URBANA
Muitas ações devidas ao homem apressam o processo de erosão, como por exemplo: -  O desmatamento (desflorestação) desprotege o solo da chuva;  a construção de favelas em encostas que, além de desflorestar, provocam a erosão acelerada devido ao declive do terreno; As técnicas agrícolas inadequadas, quando se promovem desflorestações extensivas para dar lugar a áreas plantadas;  -  A ocupação do solo, impedindo grandes áreas de terrenos de cumprirem o seu papel de absorvedor de águas e aumentando, com isso, a potencialidade do transporte de materiais, devido ao escoamento superficial.  FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A EROSÃO
VOÇOROCA URBANA
As grandes vítimas da poluição são os cursos d'água que cruzam os centros urbanos. A situação piora em locais onde o saneamento básico é precário e o tratamento dos lixos industriais não é adequado. POLUIÇÃO DAS ÁGUAS
 
 
Geralmente ocasionadas por aterros   de áreas de drenagens para expansão urbana, por canalização de córregos no interior das cidades, por entupimentos de bueiros causados pelo ácumulo de  lixo . ENCHENTES
A cidade pode ser considerada um ecossistema que integra a sociedade e o ambiente. Para que sobreviva em boas condições é necessário que exista uma boa relação entre a comunidade urbana e o meio em que ela vive.  Fonte:  www.dummocrats.com/ images/x/album02/stbernard.jpg Fonte:  news.nationalgeographic.com/.../ katrina27.jpg
Os principais vilões da Poluição Atmosférica são as indústrias e os veículos que liberam gases poluentes. Além de piorar a qualidade do ar, pode causar o  Efeito estufa   o  Aquecimento Global  do planeta,  Chuva   Ácida  e  Destruição da Camada de Ozônio . POLUIÇÃO DO AR
O aquecimento global é um fenômeno climático de larga extensão. É um aumento da temperatura média superficial global, isto é, o agravamento do efeito de estufa, que vem acontecendo nos últimos 150 anos. EFEITO ESTUFA
O efeito de estufa consiste na absorção de radiação solar durante o dia, e a libertação de calor durante a noite. EFEITO ESTUFA
 
As principais conseqüências seriam a alteração das paisagens vegetais, que caracterizam as diferentes regiões terrestres, e o derretimento das massas de gelo, provocando a elevação do nível do mar e o desaparecimento de inúmeras cidades e regiões litorâneas. As principais conseqüências seriam a alteração das paisagens vegetais, que caracterizam as diferentes regiões terrestres, e o derretimento das massas de gelo, provocando a elevação do nível do mar e o desaparecimento de inúmeras cidades e regiões litorâneas. CONSEQUÊNCIAS DO EFEITO ESTUFA
Ao longo dos últimos 25 anos, tem-se verificado um enfraquecimento progressivo nesta camada, o que está a por em risco a vida no Planeta. O enfraquecimento da camada de ozônio deve-se a dois principais fatores: Os CFC’s (clorofluorcarbonetos), composto altamente poluente presente em vários produtos O brometo de metilo proveniente da fumigação dos solos na agricultura e da queima da biomassa. ENFRAQUECIMENTO DA CAMADA DE OZÔNIO
O enfraquecimento da camada Ao longo dos últimos 25 anos, tem-se verificado um enfraquecimento progressivo nesta camada, o que está a por em risco a vida no Planeta.
O enfraquecimento da camada de ozônio deve-se a dois  principais fatores: Os CFC’s (clorofluorcarbonetos), composto altamente poluente presente em vários produtos como gás de refrigaração, aerossóis, etc. O brometo de metila proveniente da fumigação dos solos na agricultura e da queima da biomassa. CAUSAS DESSE ENFRAQUECIMENTO
 
A Chuva ácida é caracterizada por um  pH  abaixo de 4,5. É causada pelo  enxofre  proveniente das impurezas da queima dos  combustíveis fósseis  e pelo  nitrogênio  do ar, que se combinam com o  oxigênio  para formar  dióxido de enxofre  e  dióxido de nitrogênio . Estes se difundem pela  atmosfera  e reagem com a  água  para formar  ácido sulfúrico  e  ácido nítrico , que são solúveis em água. As principais consequências são: Deterioração das estruturas físicas dos prédios, monumentos e automóveis; contaminação dos solos; danos a biodiversidade. CHUVA ÁCIDA
 
DETERIORAÇÃO DE MONUMENTOS ( Câncer de Pedra )  E DANOS À SAÚDE
 
ILHAS DE CALOR
 
TORONTO
INVERSÃO TÉRMICA
CAUSAS CHEGADA DE UMA MASSA DE AR FRIA RESFRIAMENTO, DURANTE A NOITE E  MADRUGADA, DAS GRANDES CIDADES. CONSEQUÊNCIAS BAIXAS TEMPERATURAS AUMENTO DAS DOENÇAS RESPIRATÓRIAS
INVERSÃO TÉRMICA
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
Modulo 08 - Problemas Ambientais UrbanosModulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
Modulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Efeito estufa e aquecimento global
Efeito estufa e aquecimento globalEfeito estufa e aquecimento global
Efeito estufa e aquecimento global
profleofonseca
 
Impactos antrópicos nos ecossistemas
Impactos antrópicos nos ecossistemasImpactos antrópicos nos ecossistemas
Impactos antrópicos nos ecossistemas
solanicandido
 
Mudanças Climáticas
Mudanças ClimáticasMudanças Climáticas
O espaço rural
O espaço ruralO espaço rural
O espaço rural
flaviocosac
 
Aquecimento Global
Aquecimento  GlobalAquecimento  Global
Aquecimento Global
Pdrs
 
Agronegócio
AgronegócioAgronegócio
Agronegócio
leonardoenginer
 
causas e consequências da degradação ambiental
causas e consequências da degradação ambientalcausas e consequências da degradação ambiental
causas e consequências da degradação ambiental
Roney Gusmão
 
Aula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADEAula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADE
DAIANE AZOLINI
 
Os Diferentes Tipos de Poluição
Os Diferentes Tipos de PoluiçãoOs Diferentes Tipos de Poluição
Os Diferentes Tipos de Poluição
Laura Brasil
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
Dell Andrade
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Milton Henrique do Couto Neto
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
Luiz Henrique Ferreira
 
A questão ambiental - principais efeitos
A questão ambiental - principais efeitosA questão ambiental - principais efeitos
A questão ambiental - principais efeitos
Artur Lara
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
Blog do Prof. Elienai
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
Prof.Paulo/geografia
 
6º ano cap 7 o homem e o meio ambiente
6º ano cap 7  o homem e o meio ambiente6º ano cap 7  o homem e o meio ambiente
6º ano cap 7 o homem e o meio ambiente
ISJ
 
Cartografia powerpoint
Cartografia powerpointCartografia powerpoint
Cartografia powerpoint
danielcpacheco2
 
Impacto ambiental
Impacto ambientalImpacto ambiental
Impacto ambiental
Jaqueline Fernandes
 
Problemas ambientais campo e cidade
Problemas ambientais campo e cidade  Problemas ambientais campo e cidade
Problemas ambientais campo e cidade
Judson Malta
 

Mais procurados (20)

Modulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
Modulo 08 - Problemas Ambientais UrbanosModulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
Modulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
 
Efeito estufa e aquecimento global
Efeito estufa e aquecimento globalEfeito estufa e aquecimento global
Efeito estufa e aquecimento global
 
Impactos antrópicos nos ecossistemas
Impactos antrópicos nos ecossistemasImpactos antrópicos nos ecossistemas
Impactos antrópicos nos ecossistemas
 
Mudanças Climáticas
Mudanças ClimáticasMudanças Climáticas
Mudanças Climáticas
 
O espaço rural
O espaço ruralO espaço rural
O espaço rural
 
Aquecimento Global
Aquecimento  GlobalAquecimento  Global
Aquecimento Global
 
Agronegócio
AgronegócioAgronegócio
Agronegócio
 
causas e consequências da degradação ambiental
causas e consequências da degradação ambientalcausas e consequências da degradação ambiental
causas e consequências da degradação ambiental
 
Aula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADEAula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADE
 
Os Diferentes Tipos de Poluição
Os Diferentes Tipos de PoluiçãoOs Diferentes Tipos de Poluição
Os Diferentes Tipos de Poluição
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
 
A questão ambiental - principais efeitos
A questão ambiental - principais efeitosA questão ambiental - principais efeitos
A questão ambiental - principais efeitos
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
 
6º ano cap 7 o homem e o meio ambiente
6º ano cap 7  o homem e o meio ambiente6º ano cap 7  o homem e o meio ambiente
6º ano cap 7 o homem e o meio ambiente
 
Cartografia powerpoint
Cartografia powerpointCartografia powerpoint
Cartografia powerpoint
 
Impacto ambiental
Impacto ambientalImpacto ambiental
Impacto ambiental
 
Problemas ambientais campo e cidade
Problemas ambientais campo e cidade  Problemas ambientais campo e cidade
Problemas ambientais campo e cidade
 

Destaque

Aspectos e Impactos
Aspectos e Impactos  Aspectos e Impactos
A industrialização e o impacto ambiental
A industrialização e o impacto ambientalA industrialização e o impacto ambiental
A industrialização e o impacto ambiental
guestbdb4ab6
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Alessandra Marcon
 
Estudo de impactos ambientais
Estudo de impactos ambientaisEstudo de impactos ambientais
Estudo de impactos ambientais
Thayne Moura
 
Impacto Ambiental
Impacto AmbientalImpacto Ambiental
Impacto Ambiental
stopnetgames
 
Processos industrias x impactos ambientais
Processos industrias x impactos ambientaisProcessos industrias x impactos ambientais
Processos industrias x impactos ambientais
Jasmim Dias
 
Impacto industrial , amanda , carla, eliane e noemi
Impacto industrial , amanda , carla, eliane e noemiImpacto industrial , amanda , carla, eliane e noemi
Impacto industrial , amanda , carla, eliane e noemi
rosimeiresorano
 
A industrialização e o impacto ambiental
A industrialização e o impacto ambientalA industrialização e o impacto ambiental
A industrialização e o impacto ambiental
becresforte
 
Regiões industriais do brasil1
Regiões industriais do brasil1Regiões industriais do brasil1
Regiões industriais do brasil1
recoba27
 
Aspectos E Impactos Ambientais
Aspectos E Impactos AmbientaisAspectos E Impactos Ambientais
Aspectos E Impactos Ambientais
rubinho13
 
Meta metalurgica
Meta metalurgicaMeta metalurgica
Meta metalurgica
Manoelcespedes
 
Problemas Ambientais
Problemas AmbientaisProblemas Ambientais
Problemas Ambientais
Emília Cabral
 
Impactos ambientais
Impactos ambientais Impactos ambientais
Impactos ambientais
magdacostaa
 

Destaque (13)

Aspectos e Impactos
Aspectos e Impactos  Aspectos e Impactos
Aspectos e Impactos
 
A industrialização e o impacto ambiental
A industrialização e o impacto ambientalA industrialização e o impacto ambiental
A industrialização e o impacto ambiental
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Estudo de impactos ambientais
Estudo de impactos ambientaisEstudo de impactos ambientais
Estudo de impactos ambientais
 
Impacto Ambiental
Impacto AmbientalImpacto Ambiental
Impacto Ambiental
 
Processos industrias x impactos ambientais
Processos industrias x impactos ambientaisProcessos industrias x impactos ambientais
Processos industrias x impactos ambientais
 
Impacto industrial , amanda , carla, eliane e noemi
Impacto industrial , amanda , carla, eliane e noemiImpacto industrial , amanda , carla, eliane e noemi
Impacto industrial , amanda , carla, eliane e noemi
 
A industrialização e o impacto ambiental
A industrialização e o impacto ambientalA industrialização e o impacto ambiental
A industrialização e o impacto ambiental
 
Regiões industriais do brasil1
Regiões industriais do brasil1Regiões industriais do brasil1
Regiões industriais do brasil1
 
Aspectos E Impactos Ambientais
Aspectos E Impactos AmbientaisAspectos E Impactos Ambientais
Aspectos E Impactos Ambientais
 
Meta metalurgica
Meta metalurgicaMeta metalurgica
Meta metalurgica
 
Problemas Ambientais
Problemas AmbientaisProblemas Ambientais
Problemas Ambientais
 
Impactos ambientais
Impactos ambientais Impactos ambientais
Impactos ambientais
 

Semelhante a Palestra sobre impactos ambientais urbanos

Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
coldplay
 
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosferaImpacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Grupo2apcm
 
A questao ambiental
A questao ambientalA questao ambiental
A questao ambiental
rdbtava
 
PoluiçãO
PoluiçãOPoluiçãO
PoluiçãO
sioly
 
Aula 1 Ecologia Global poluicao cont ar agua solo.pptx
Aula 1 Ecologia Global poluicao cont ar agua solo.pptxAula 1 Ecologia Global poluicao cont ar agua solo.pptx
Aula 1 Ecologia Global poluicao cont ar agua solo.pptx
DulceLimaHonrio
 
Poluição dos solos apresentação
Poluição dos solos apresentaçãoPoluição dos solos apresentação
Poluição dos solos apresentação
Maria Paredes
 
Meioambiente 110606072456-phpapp01
Meioambiente 110606072456-phpapp01Meioambiente 110606072456-phpapp01
Meioambiente 110606072456-phpapp01
Andreia Oliveira
 
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 ano
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 anoPerturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 ano
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 ano
Ana Tapadinhas
 
Tipos de poluição
Tipos de poluiçãoTipos de poluição
Tipos de poluição
Galo_Frito
 
Proj. Meio Ambiente - Ana Claudia, Thais, Beatriz E Juliana
Proj. Meio Ambiente - Ana Claudia, Thais, Beatriz E JulianaProj. Meio Ambiente - Ana Claudia, Thais, Beatriz E Juliana
Proj. Meio Ambiente - Ana Claudia, Thais, Beatriz E Juliana
ste.rosa
 
Proeam MT - Meio Ambiente
Proeam MT - Meio AmbienteProeam MT - Meio Ambiente
Proeam MT - Meio Ambiente
Herbalife International do Brasil
 
Educação Ambiental 7º ano
Educação Ambiental 7º anoEducação Ambiental 7º ano
Educação Ambiental 7º ano
Ana Nunes
 
Meio ambiente ENSL
Meio ambiente ENSLMeio ambiente ENSL
Meio ambiente ENSL
Matheus Cerqueira
 
Problemas ambientais e o meio urbano
Problemas ambientais e o meio urbanoProblemas ambientais e o meio urbano
Problemas ambientais e o meio urbano
Priscla Silva
 
Problemas ambientais 4º bimestre
Problemas ambientais 4º bimestreProblemas ambientais 4º bimestre
Problemas ambientais 4º bimestre
Débora Sales
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
jheymer
 
Ap
ApAp
mundoatual_homemeambiente - Slides sobre ambiente
mundoatual_homemeambiente - Slides sobre ambientemundoatual_homemeambiente - Slides sobre ambiente
mundoatual_homemeambiente - Slides sobre ambiente
sw4kfysgx7
 
1650
16501650
1650
Pelo Siro
 
Fenômenos Naturais e impactos socioambientais.pptx
Fenômenos Naturais e impactos socioambientais.pptxFenômenos Naturais e impactos socioambientais.pptx
Fenômenos Naturais e impactos socioambientais.pptx
AndressaCosta90
 

Semelhante a Palestra sobre impactos ambientais urbanos (20)

Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosferaImpacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
Impacto da contaminação no solo, na água e na atmosfera
 
A questao ambiental
A questao ambientalA questao ambiental
A questao ambiental
 
PoluiçãO
PoluiçãOPoluiçãO
PoluiçãO
 
Aula 1 Ecologia Global poluicao cont ar agua solo.pptx
Aula 1 Ecologia Global poluicao cont ar agua solo.pptxAula 1 Ecologia Global poluicao cont ar agua solo.pptx
Aula 1 Ecologia Global poluicao cont ar agua solo.pptx
 
Poluição dos solos apresentação
Poluição dos solos apresentaçãoPoluição dos solos apresentação
Poluição dos solos apresentação
 
Meioambiente 110606072456-phpapp01
Meioambiente 110606072456-phpapp01Meioambiente 110606072456-phpapp01
Meioambiente 110606072456-phpapp01
 
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 ano
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 anoPerturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 ano
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas 8 ano
 
Tipos de poluição
Tipos de poluiçãoTipos de poluição
Tipos de poluição
 
Proj. Meio Ambiente - Ana Claudia, Thais, Beatriz E Juliana
Proj. Meio Ambiente - Ana Claudia, Thais, Beatriz E JulianaProj. Meio Ambiente - Ana Claudia, Thais, Beatriz E Juliana
Proj. Meio Ambiente - Ana Claudia, Thais, Beatriz E Juliana
 
Proeam MT - Meio Ambiente
Proeam MT - Meio AmbienteProeam MT - Meio Ambiente
Proeam MT - Meio Ambiente
 
Educação Ambiental 7º ano
Educação Ambiental 7º anoEducação Ambiental 7º ano
Educação Ambiental 7º ano
 
Meio ambiente ENSL
Meio ambiente ENSLMeio ambiente ENSL
Meio ambiente ENSL
 
Problemas ambientais e o meio urbano
Problemas ambientais e o meio urbanoProblemas ambientais e o meio urbano
Problemas ambientais e o meio urbano
 
Problemas ambientais 4º bimestre
Problemas ambientais 4º bimestreProblemas ambientais 4º bimestre
Problemas ambientais 4º bimestre
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Ap
ApAp
Ap
 
mundoatual_homemeambiente - Slides sobre ambiente
mundoatual_homemeambiente - Slides sobre ambientemundoatual_homemeambiente - Slides sobre ambiente
mundoatual_homemeambiente - Slides sobre ambiente
 
1650
16501650
1650
 
Fenômenos Naturais e impactos socioambientais.pptx
Fenômenos Naturais e impactos socioambientais.pptxFenômenos Naturais e impactos socioambientais.pptx
Fenômenos Naturais e impactos socioambientais.pptx
 

Mais de PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO

Planejamento de matemática do 3° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de matemática do 3° ano   1° bimestre 2012Planejamento de matemática do 3° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de matemática do 3° ano 1° bimestre 2012
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Planejamento de matemática do 2° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de matemática do 2° ano   1° bimestre 2012Planejamento de matemática do 2° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de matemática do 2° ano 1° bimestre 2012
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Planejamento de física 3° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de física 3° ano   1° bimestre 2012Planejamento de física 3° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de física 3° ano 1° bimestre 2012
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Planejamento de física 2° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de física 2° ano   1° bimestre 2012Planejamento de física 2° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de física 2° ano 1° bimestre 2012
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Planejamento de física 1° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de física 1° ano   1° bimestre 2012Planejamento de física 1° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de física 1° ano 1° bimestre 2012
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Planejamento de química do 3° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de química do 3° ano   1° bimestre 2012Planejamento de química do 3° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de química do 3° ano 1° bimestre 2012
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Planejamento de química do 2° ano 1° bimestre
Planejamento de química do 2° ano   1° bimestrePlanejamento de química do 2° ano   1° bimestre
Planejamento de química do 2° ano 1° bimestre
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Planejamento de química do 1° ano
Planejamento de química do 1° anoPlanejamento de química do 1° ano
Planejamento de química do 1° ano
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Plano do 4° bimestre de quimica 3° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 3° anoPlano do 4° bimestre de quimica 3° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 3° ano
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Plano do 4° bimestre de quimica 2° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 2° anoPlano do 4° bimestre de quimica 2° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 2° ano
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Plano do 4° bimestre de quimica 1° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 1° anoPlano do 4° bimestre de quimica 1° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 1° ano
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Plano de aula de química do 2° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 2° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de química do 2° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 2° ano 3° bimestre - cem ary
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Plano de aula de química do 1° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 1° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de química do 1° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 1° ano 3° bimestre - cem ary
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Plano de aula de química do 3° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 3° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de química do 3° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 3° ano 3° bimestre - cem ary
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Plano de aula de física do 2° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de física do 2° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de física do 2° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de física do 2° ano 3° bimestre - cem ary
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Plano de aula de física do 1° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de física do 1° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de física do 1° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de física do 1° ano 3° bimestre - cem ary
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Planejamento de ciências da natureza projovem urbano 2011
Planejamento de ciências da natureza   projovem urbano 2011Planejamento de ciências da natureza   projovem urbano 2011
Planejamento de ciências da natureza projovem urbano 2011
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Modelo de relatório experimental em química
Modelo de relatório experimental em químicaModelo de relatório experimental em química
Modelo de relatório experimental em química
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Avaliação de química do 3° bimestre 2° ano - av2
Avaliação de química do 3° bimestre   2° ano - av2Avaliação de química do 3° bimestre   2° ano - av2
Avaliação de química do 3° bimestre 2° ano - av2
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Avaliação de química do 3° bimestre 3° anos - av4
Avaliação de química do 3° bimestre   3° anos - av4Avaliação de química do 3° bimestre   3° anos - av4
Avaliação de química do 3° bimestre 3° anos - av4
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 

Mais de PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO (20)

Planejamento de matemática do 3° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de matemática do 3° ano   1° bimestre 2012Planejamento de matemática do 3° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de matemática do 3° ano 1° bimestre 2012
 
Planejamento de matemática do 2° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de matemática do 2° ano   1° bimestre 2012Planejamento de matemática do 2° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de matemática do 2° ano 1° bimestre 2012
 
Planejamento de física 3° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de física 3° ano   1° bimestre 2012Planejamento de física 3° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de física 3° ano 1° bimestre 2012
 
Planejamento de física 2° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de física 2° ano   1° bimestre 2012Planejamento de física 2° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de física 2° ano 1° bimestre 2012
 
Planejamento de física 1° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de física 1° ano   1° bimestre 2012Planejamento de física 1° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de física 1° ano 1° bimestre 2012
 
Planejamento de química do 3° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de química do 3° ano   1° bimestre 2012Planejamento de química do 3° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de química do 3° ano 1° bimestre 2012
 
Planejamento de química do 2° ano 1° bimestre
Planejamento de química do 2° ano   1° bimestrePlanejamento de química do 2° ano   1° bimestre
Planejamento de química do 2° ano 1° bimestre
 
Planejamento de química do 1° ano
Planejamento de química do 1° anoPlanejamento de química do 1° ano
Planejamento de química do 1° ano
 
Plano do 4° bimestre de quimica 3° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 3° anoPlano do 4° bimestre de quimica 3° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 3° ano
 
Plano do 4° bimestre de quimica 2° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 2° anoPlano do 4° bimestre de quimica 2° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 2° ano
 
Plano do 4° bimestre de quimica 1° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 1° anoPlano do 4° bimestre de quimica 1° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 1° ano
 
Plano de aula de química do 2° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 2° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de química do 2° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 2° ano 3° bimestre - cem ary
 
Plano de aula de química do 1° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 1° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de química do 1° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 1° ano 3° bimestre - cem ary
 
Plano de aula de química do 3° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 3° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de química do 3° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 3° ano 3° bimestre - cem ary
 
Plano de aula de física do 2° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de física do 2° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de física do 2° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de física do 2° ano 3° bimestre - cem ary
 
Plano de aula de física do 1° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de física do 1° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de física do 1° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de física do 1° ano 3° bimestre - cem ary
 
Planejamento de ciências da natureza projovem urbano 2011
Planejamento de ciências da natureza   projovem urbano 2011Planejamento de ciências da natureza   projovem urbano 2011
Planejamento de ciências da natureza projovem urbano 2011
 
Modelo de relatório experimental em química
Modelo de relatório experimental em químicaModelo de relatório experimental em química
Modelo de relatório experimental em química
 
Avaliação de química do 3° bimestre 2° ano - av2
Avaliação de química do 3° bimestre   2° ano - av2Avaliação de química do 3° bimestre   2° ano - av2
Avaliação de química do 3° bimestre 2° ano - av2
 
Avaliação de química do 3° bimestre 3° anos - av4
Avaliação de química do 3° bimestre   3° anos - av4Avaliação de química do 3° bimestre   3° anos - av4
Avaliação de química do 3° bimestre 3° anos - av4
 

Palestra sobre impactos ambientais urbanos

  • 1. IMPACTOS AMBIENTAIS URBANOS “ A educação deve formar gente capaz de situar corretamente no mundo e de influir para que se aperfeiçoe a sociedade humana como um todo” ( Milton Santos) Leila Márcia José Antônio DRE- Gurupi-TO
  • 2. É a alteração no meio ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade. O QUE É IMPACTO AMBIENTAL?
  • 3. Visão predominante da Natureza como fonte de recursos para geração de riquezas e atendimento de necessidades antrópicas, provocou graves impactos ambientais. Cidadão transformado apenas em consumidor e usuário.
  • 4. A cidade pode ser considerada um ecossistema que integra a sociedade e o Meio Ambiente. Para que sobreviva em boas condições, é necessário que exista uma boa relação entre a comunidade urbana e o meio em que ela vive
  • 5. É todo resíduo sólido proveniente de atividades humanas ou mesmo de processos naturais (poeira, folhas e ramos mortos, cadáveres de animais). LIXO
  • 6. O lixo indevidamente administrado provoca mau cheiro, fornece a proliferação de animais nocivos e transmissores de doenças (ratos, formigas, moscas e mosquitos), polui, pelo chorume, o solo e o lençol d´água subterrâneo e também o ar, uma vez que é prática comum a queima do lixo em ruas, lotes baldios e lixões. PROBLEMAS COM LIXO
  • 8. O lixo urbano é um dos maiores problemas ambientais da atualidade, pois os moldes de consumo adotados pela maioria das sociedades modernas provocam o aumento contínuo e exagerado na quantidade de lixo produzido. O LIXO URBANO
  • 9. Também chamado de lixo domiciliar ou residencial, é produzido pelas pessoas em suas casas. Constituído principalmente de restos de alimentos, embalagens plásticas, papéis em geral, plásticos, entre outros. LIXO DOMÉSTICO
  • 10. Gerado pelo setor terciário (comércio em geral).é composto principalmente por papéis, papelões e plásticos. LIXO COMERCIAL
  • 11. Original das atividades do setor secundário (indústrias), pode conter restos de alimentos, madeiras, tecidos, couros, metais, produtos químicos e outros. LIXO INDUSTRIAL
  • 12. Proveniente de hospitais, farmácias, postos de saúde e casas veterinárias. Composto por seringas, vidros de remédios, algodão, gaze, órgãos humanos, etc. Este tipo de lixo é muito perigoso e deve ter um tratamento diferenciado, desde a coleta até a sua deposição final. LIXO HOSPITALAR
  • 13. Decorrentes de atividades que envolvem produtos radioativos, entre outros. LIXO NUCLEAR
  • 15. JORNAIS: 2 SEMANAS PNEUS- INDETERMINDADO EMBALAGENS DE PAPEL – 1 A 4 MESES
  • 16. GUARDANAPOS DE PAPEL três meses CHICLETES    cinco anos PONTAS DE CIGARRO  dois anos
  • 17. Sacos e copos plásticos   200 a 450 anos Pilhas   100 a 500 anos Latas de alumínio  100 a 500 anos
  • 18. É a atividade de transformar materiais já usados em novos produtos que podem ser comercializados. Exemplo : papéis velhos retornam às indústrias e são transformados em novas folhas. RECICLAGEM
  • 19.  
  • 20. É separar o lixo para que seja enviado para reciclagem. Significa não misturar materiais recicláveis com o restante do lixo. Ela pode ser feita por um cidadão sozinho ou organizada em comunidades : condomínios, empresas, escolas, clubes, cidades, etc. COLETA SELETIVA
  • 21. Menor redução de florestas nativas. Reduz a extração dos recursos naturais. Diminui a poluição do solo, da água e do ar. Economiza energia e água. Possibilita a reciclagem de materiais que iriam para o lixo. Conserva o solo. Diminui o lixo nos aterros e lixões. Prolonga a vida útil dos aterros sanitários. Diminui os custos da produção, com o aproveitamento de recicláveis pelas indústrias. Diminui o desperdício. Melhora a limpeza e higiene da cidade. Previne enchentes. Diminui os gastos com a limpeza urbana. Cria oportunidade de fortalecer cooperativas. Gera emprego e renda pela comercialização dos recicláveis. ALGUNS BENEFÍCIOS DA COLETA SELETIVA
  • 22. O principal poluente do solo é o LIXO sobretudo os resíduos sólidos, como metal e plástico, e os produtos tóxicos, como pesticidas e fertilizantes. A incineração do lixo ou sua deposição em aterros também gera poluição. O primeiro polui o ar e o segundo produz substâncias tóxicas que contaminam a água e o solo. POLUIÇÃO DO SOLO
  • 23.  
  • 24. A erosão é um processo que faz com que as partículas do solo sejam desprendidas e transportadas pela água, vento ou pelas atividades do homem. EROSÃO URBANA
  • 25. Muitas ações devidas ao homem apressam o processo de erosão, como por exemplo: - O desmatamento (desflorestação) desprotege o solo da chuva; a construção de favelas em encostas que, além de desflorestar, provocam a erosão acelerada devido ao declive do terreno; As técnicas agrícolas inadequadas, quando se promovem desflorestações extensivas para dar lugar a áreas plantadas; - A ocupação do solo, impedindo grandes áreas de terrenos de cumprirem o seu papel de absorvedor de águas e aumentando, com isso, a potencialidade do transporte de materiais, devido ao escoamento superficial. FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A EROSÃO
  • 27. As grandes vítimas da poluição são os cursos d'água que cruzam os centros urbanos. A situação piora em locais onde o saneamento básico é precário e o tratamento dos lixos industriais não é adequado. POLUIÇÃO DAS ÁGUAS
  • 28.  
  • 29.  
  • 30. Geralmente ocasionadas por aterros de áreas de drenagens para expansão urbana, por canalização de córregos no interior das cidades, por entupimentos de bueiros causados pelo ácumulo de lixo . ENCHENTES
  • 31. A cidade pode ser considerada um ecossistema que integra a sociedade e o ambiente. Para que sobreviva em boas condições é necessário que exista uma boa relação entre a comunidade urbana e o meio em que ela vive. Fonte: www.dummocrats.com/ images/x/album02/stbernard.jpg Fonte: news.nationalgeographic.com/.../ katrina27.jpg
  • 32. Os principais vilões da Poluição Atmosférica são as indústrias e os veículos que liberam gases poluentes. Além de piorar a qualidade do ar, pode causar o Efeito estufa o Aquecimento Global do planeta, Chuva Ácida e Destruição da Camada de Ozônio . POLUIÇÃO DO AR
  • 33. O aquecimento global é um fenômeno climático de larga extensão. É um aumento da temperatura média superficial global, isto é, o agravamento do efeito de estufa, que vem acontecendo nos últimos 150 anos. EFEITO ESTUFA
  • 34. O efeito de estufa consiste na absorção de radiação solar durante o dia, e a libertação de calor durante a noite. EFEITO ESTUFA
  • 35.  
  • 36. As principais conseqüências seriam a alteração das paisagens vegetais, que caracterizam as diferentes regiões terrestres, e o derretimento das massas de gelo, provocando a elevação do nível do mar e o desaparecimento de inúmeras cidades e regiões litorâneas. As principais conseqüências seriam a alteração das paisagens vegetais, que caracterizam as diferentes regiões terrestres, e o derretimento das massas de gelo, provocando a elevação do nível do mar e o desaparecimento de inúmeras cidades e regiões litorâneas. CONSEQUÊNCIAS DO EFEITO ESTUFA
  • 37. Ao longo dos últimos 25 anos, tem-se verificado um enfraquecimento progressivo nesta camada, o que está a por em risco a vida no Planeta. O enfraquecimento da camada de ozônio deve-se a dois principais fatores: Os CFC’s (clorofluorcarbonetos), composto altamente poluente presente em vários produtos O brometo de metilo proveniente da fumigação dos solos na agricultura e da queima da biomassa. ENFRAQUECIMENTO DA CAMADA DE OZÔNIO
  • 38. O enfraquecimento da camada Ao longo dos últimos 25 anos, tem-se verificado um enfraquecimento progressivo nesta camada, o que está a por em risco a vida no Planeta.
  • 39. O enfraquecimento da camada de ozônio deve-se a dois principais fatores: Os CFC’s (clorofluorcarbonetos), composto altamente poluente presente em vários produtos como gás de refrigaração, aerossóis, etc. O brometo de metila proveniente da fumigação dos solos na agricultura e da queima da biomassa. CAUSAS DESSE ENFRAQUECIMENTO
  • 40.  
  • 41. A Chuva ácida é caracterizada por um pH abaixo de 4,5. É causada pelo enxofre proveniente das impurezas da queima dos combustíveis fósseis e pelo nitrogênio do ar, que se combinam com o oxigênio para formar dióxido de enxofre e dióxido de nitrogênio . Estes se difundem pela atmosfera e reagem com a água para formar ácido sulfúrico e ácido nítrico , que são solúveis em água. As principais consequências são: Deterioração das estruturas físicas dos prédios, monumentos e automóveis; contaminação dos solos; danos a biodiversidade. CHUVA ÁCIDA
  • 42.  
  • 43. DETERIORAÇÃO DE MONUMENTOS ( Câncer de Pedra ) E DANOS À SAÚDE
  • 44.  
  • 46.  
  • 49. CAUSAS CHEGADA DE UMA MASSA DE AR FRIA RESFRIAMENTO, DURANTE A NOITE E MADRUGADA, DAS GRANDES CIDADES. CONSEQUÊNCIAS BAIXAS TEMPERATURAS AUMENTO DAS DOENÇAS RESPIRATÓRIAS
  • 51.  

Notas do Editor

  1.    Poluição do Solo O solo é um corpo vivo, de grande complexidade e muito dinâmico. Tem como componentes principais a fase sólida (matéria mineral e matéria orgânica), e a água e o ar na designada componente "não sólida". O solo DEVE ser encarado como uma interface entre o ar e a água (entre a atmosfera e a hidrosfera), sendo imprescindível à produção de biomassa. Assim, o solo não é inerte, o mero local onde assentamos os pés, o simples suporte para habitações e outras infra-estruturas indispensáveis ao Homem, o seu "caixote do lixo"!. Sempre que lhe adicionamos qualquer substância estranha, estamos a poluir o solo e, direta ou indiretamente, a água e o ar.
  2. Quando esse tipo de esgoto não recebe tratamento, ele segue para os rios, deteriorando a qualidade da água que abastece a população e destruindo a vida aquática. Isso aconteceu em rios como o Tietê (São Paulo), Capibaribe (Recife), Reno (Alemanha) e Tâmisa (Londres)
  3. processo no qual os gases tóxicos retornam à terra sob forma de chuva, causando danos à cidade. A chuva danifica a vegetação e corrói monumentos históricos. processo no qual os gases tóxicos retornam à terra sob forma de chuva, causando danos à cidade. A chuva danifica a vegetação e corrói monumentos históricos.