SlideShare uma empresa Scribd logo
A Estrela, um conto de Vergílio Ferreira




              “Um dia, à meia-noite, ele viu-a.”
AS PERSONAGENS / O NARRADOR

 As personagens do conto são
 Pedro (protagonista);
 a mãe e o pai; o velho, o Cigarra, o sr. Governo
  (personagens secundárias)
 e os habitantes da aldeia (o Rui, o Roda Vinte e Seis,
  o Pingo de Cera, a Raque-Traque, a Pitapota e o
  Pananão (figurantes).
O protagonista
 O Pedro é o protagonista, porque é a partir do roubo da
  estrela, de que ele é o autor, que se desenvolve toda a
  história.
 O Pedro é parecido com tantas outras crianças da sua
  idade porque gostava de subir às oliveiras para ver os
  passarinhos nos ninhos e gostava de aventuras. Além
  disso era teimoso, como a maioria das crianças. Queria a
  estrela, nem sabia para quê, e não descansou enquanto
  não a teve.
 O Pedro é especial porque é determinado e corajoso.
  Quis a estrela e foi buscá-la, o que implicou muito
  esforço e aventurar-se por caminhos difíceis. Mas,
  sobretudo, implicou muita coragem. Teve de vencer o
  medo da noite, o medo do escuro assustador da torre, o
  medo da altura e do perigo de cair.
 Parece que nada o fazia desistir do seu sonho, daquilo
  que desejava obter.
PERSONAGENS SECUNDÁRIAS

 A mãe do Pedro surpreende-o com a estrela na mão,
  quando repara que há uma luz estranha no quarto. De
  surpreendida passou a furiosa, quis bater-lhe, mas
  queimou-se na estrela. Ficou nervosa porque se
  preocupava com as opiniões dos habitantes da aldeia.

 O pai quando viu que o filho tinha sido o autor do
  roubo, não lhe bateu, mas obrigou-o a corrigir o mal
  feito, porque estava preocupado com a opinião dos
  aldeãos.
Personagens secundárias
 O velho, como passava parte da noite acordado, deu
  pela falta da estrela no céu e comunicou-o ao Cigarra
  que, por sua vez, o fez saber a toda a aldeia.

 O senhor Governo primeiro achou que uma estrela a
  mais ou a menos não tinha qualquer importância, mas
  depois quis mostrar-se prestável e mandou buscar umas
  escadas muito altas para se chegar melhor ao cimo da
  torre. Quis até que fosse o seu filho a colocar a estrela
  no céu, mas este, mal lhe pegou, queimou-se.
O narrador
 O narrador é não participante porque não está presente
  na narrativa, como se comprova pelo uso de verbos e
  pronomes na 3ª pessoa.
 “Nessa noite não aguentou. Meteu-se na cama …, a mãe
  levou a luz, mas ele não dormiu.”

 O narrador é subjetivo porque, embora não faça parte
 da história, dá as suas opiniões, os seus pontos de vista.
 “O medo vinha também a correr atrás dele. Mas como
 vinha descalço, ele corria mais.”
O narrador

 O narrador é omnisciente porque sabe tudo, incluindo
  os pensamentos das personagens.
 “... tão contente ficou de a porta estar aberta, que só
  depois se lembrou de a ter ouvido ranger. E então
  assustou-se.”
A ação
 A ação decorre à meia-noite porque é só à meia-noite
 que a estrela passa sobre a torre e só à noite as estrelas
 são visíveis.


Problema inicial
 Pedro desejava ter a estrela, pelo que planeou
 empalmá-la.
O tempo
 São marcas de tempo as seguintes expressões:
 “Um dia, à meia-noite”;
 “a essa hora”;
 “nessa noite”;
 “No dia seguinte”;
 “Mas no dia seguinte”;
 “Aconteceu então que no dia seguinte”;
 “Ora certa noite”;
 “um ano inteiro”;
 “hoje”;
 “Já passaram muitos anos”.
O espaço
 Os diferentes lugares onde decorre a ação são o
  quarto do Pedro, as ruas da aldeia, a torre da igreja
  e o adro.

 O espaço físico mais importante é a torre porque é a
  partir dela que Pedro chega à estrela, é a partir dela
  que a colocará de volta e também será ao escorregar
  dela que morrerá e o seu sonho terminará.
Episódios principais
 Pedro saiu de casa e dirigiu-se à igreja;
 Subiu até ao campanário e agarrou a estrela;
 Já em casa, antes de se deitar, guardou-a numa caixa;
 Ao acordar, pensou que lhe tinham trocado a estrela e,
  por isso, ficou transtornado;
 Os pais recearam que Pedro estivesse metido em
  sarilhos;
 O velho descobriu o roubo e a aldeia ficou em alvoroço;
Episódios principais (continuação)

 Os habitantes da aldeia tomaram partido a favor de
    Cigarra contra o sr. Governo;
   Os pais de Pedro descobriram a verdade;
   O pai de Pedro denunciou o filho e impôs que este fosse
    repor a estrela no seu lugar;
   Pedro caiu do alto da torre e morreu;
   Toda a gente da aldeia chorou a sua morte e durante
    muito tempo lamentou o sucedido.
A história

 Foi difícil ao Pedro concretizar o seu sonho porque
  não só o caminho era arriscado e difícil, como
  também encontrou a oposição de toda a gente.

 Pedro é uma criança que acredita no sonho, na
  capacidade da imaginação, ao contrário dos adultos
  que vivem presos à realidade. Daí Pedro não se
  queimar com a estrela.
Simbolismo da estrela
 A posse da estrela significa:
 crescimento, busca da própria identidade;
 nascimento para uma outra vida;
 desejo de conhecimento do mundo;
 ânsia de liberdade;
 vitória sobre o medo;
 coragem.
INTERPRETAÇÕES POSSÍVEIS PARA ESTE CONTO
 O Pedro morreu porque o seu sonho era demasiado
    ambicioso.
   O Pedro cometeu uma falta grave e por isso foi
    castigado.
   A maioria dos adultos perdeu a capacidade de sonhar e
    a sua incompreensão matou o Pedro.
   O Pedro não estava interessado em viver num mundo
    onde não havia lugar para o sonho.
   O Pedro não morreu. Morreu a criança cheia de sonhos
    e fantasias; circunstâncias da vida obrigaram o Pedro-
    criança a tornar-se adulto, sem tempo ou vontade de
    sonhar.
Léxico próprio de um meio rural
                          Registo popular
 “empalmar”; “tramar”, “gramar”; “escachar”
 “sacana”; retoiço; malhoada;
 “punha-lhe o comer”; “fizera uma das dele”;
 “tivera mesmo uma ponta de cagaço”;
 “malhar com o coirão na cadeia”;
 “se o pai ou a mãe descobrissem estava cosido”
 “não fosse o diabo tecê-las”;
 “apanhá-lo com a boca na botija”;
 “que lhe cultivava umas sortes”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A aia
A aiaA aia
Apresentacao da "História de uma Gaivota e de um Gato que a ensinou a voar"
Apresentacao da "História de uma Gaivota e de um Gato que a ensinou a voar"Apresentacao da "História de uma Gaivota e de um Gato que a ensinou a voar"
Apresentacao da "História de uma Gaivota e de um Gato que a ensinou a voar"
BibEscolar Ninho Dos Livros
 
Leandro, rei da helíria
Leandro, rei da helíriaLeandro, rei da helíria
Leandro, rei da helíria
anatss
 
A viúva e o papagaio
A viúva e o papagaioA viúva e o papagaio
A viúva e o papagaio
Ângela Silva
 
Conto da Ilha Desconhecida - Ficha de Leitura
Conto da Ilha Desconhecida - Ficha de LeituraConto da Ilha Desconhecida - Ficha de Leitura
Conto da Ilha Desconhecida - Ficha de Leitura
e- Arquivo
 
Leandro
LeandroLeandro
Saga vocabulário -soluções
Saga  vocabulário -soluçõesSaga  vocabulário -soluções
Saga vocabulário -soluções
Lina Claro
 
(2) ciências naturais 9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas
(2) ciências naturais    9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas(2) ciências naturais    9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas
(2) ciências naturais 9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas
Hugo Martins
 
Resumo da obra
Resumo da obraResumo da obra
Resumo da obra
manuela016
 
Ficha de verificação de leitura " O cavaleiro da Dinamarca"
Ficha de verificação de leitura " O cavaleiro da Dinamarca"Ficha de verificação de leitura " O cavaleiro da Dinamarca"
Ficha de verificação de leitura " O cavaleiro da Dinamarca"
Sandra Gil Miranda
 
Uma aventura no porto
Uma aventura no portoUma aventura no porto
Uma aventura no porto
martinma250
 
A Cidade dos Deuses Selvagens
A Cidade dos Deuses SelvagensA Cidade dos Deuses Selvagens
A Cidade dos Deuses Selvagens
12_A
 
ficha-de-leitura-gato-malhado-e-andorinha-sinha
ficha-de-leitura-gato-malhado-e-andorinha-sinhaficha-de-leitura-gato-malhado-e-andorinha-sinha
ficha-de-leitura-gato-malhado-e-andorinha-sinha
fatimamendonca64
 
Os Maias - Cap. XIV
Os Maias - Cap. XIVOs Maias - Cap. XIV
Os Maias - Cap. XIV
Luís Rita
 
Gato Malhado: Sistematização
Gato Malhado: SistematizaçãoGato Malhado: Sistematização
Gato Malhado: Sistematização
Maria Oliveira
 
O gato malhado e a andorinha sinhá
O gato malhado e a andorinha sinháO gato malhado e a andorinha sinhá
O gato malhado e a andorinha sinhá
mariagsalgueiro
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadores
gracacruz
 
8ºc trabalho saga
8ºc trabalho saga8ºc trabalho saga
8ºc trabalho saga
Lurdes
 
Loucos Anos 20
Loucos Anos 20Loucos Anos 20
Loucos Anos 20
Jorge Almeida
 
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativaO cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativa
fercariagomes
 

Mais procurados (20)

A aia
A aiaA aia
A aia
 
Apresentacao da "História de uma Gaivota e de um Gato que a ensinou a voar"
Apresentacao da "História de uma Gaivota e de um Gato que a ensinou a voar"Apresentacao da "História de uma Gaivota e de um Gato que a ensinou a voar"
Apresentacao da "História de uma Gaivota e de um Gato que a ensinou a voar"
 
Leandro, rei da helíria
Leandro, rei da helíriaLeandro, rei da helíria
Leandro, rei da helíria
 
A viúva e o papagaio
A viúva e o papagaioA viúva e o papagaio
A viúva e o papagaio
 
Conto da Ilha Desconhecida - Ficha de Leitura
Conto da Ilha Desconhecida - Ficha de LeituraConto da Ilha Desconhecida - Ficha de Leitura
Conto da Ilha Desconhecida - Ficha de Leitura
 
Leandro
LeandroLeandro
Leandro
 
Saga vocabulário -soluções
Saga  vocabulário -soluçõesSaga  vocabulário -soluções
Saga vocabulário -soluções
 
(2) ciências naturais 9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas
(2) ciências naturais    9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas(2) ciências naturais    9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas
(2) ciências naturais 9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas
 
Resumo da obra
Resumo da obraResumo da obra
Resumo da obra
 
Ficha de verificação de leitura " O cavaleiro da Dinamarca"
Ficha de verificação de leitura " O cavaleiro da Dinamarca"Ficha de verificação de leitura " O cavaleiro da Dinamarca"
Ficha de verificação de leitura " O cavaleiro da Dinamarca"
 
Uma aventura no porto
Uma aventura no portoUma aventura no porto
Uma aventura no porto
 
A Cidade dos Deuses Selvagens
A Cidade dos Deuses SelvagensA Cidade dos Deuses Selvagens
A Cidade dos Deuses Selvagens
 
ficha-de-leitura-gato-malhado-e-andorinha-sinha
ficha-de-leitura-gato-malhado-e-andorinha-sinhaficha-de-leitura-gato-malhado-e-andorinha-sinha
ficha-de-leitura-gato-malhado-e-andorinha-sinha
 
Os Maias - Cap. XIV
Os Maias - Cap. XIVOs Maias - Cap. XIV
Os Maias - Cap. XIV
 
Gato Malhado: Sistematização
Gato Malhado: SistematizaçãoGato Malhado: Sistematização
Gato Malhado: Sistematização
 
O gato malhado e a andorinha sinhá
O gato malhado e a andorinha sinháO gato malhado e a andorinha sinhá
O gato malhado e a andorinha sinhá
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadores
 
8ºc trabalho saga
8ºc trabalho saga8ºc trabalho saga
8ºc trabalho saga
 
Loucos Anos 20
Loucos Anos 20Loucos Anos 20
Loucos Anos 20
 
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativaO cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativa
 

Destaque

Vergílio ferreira
Vergílio ferreiraVergílio ferreira
Vergílio ferreira
sandra soares
 
Bernardim ribeiro
Bernardim ribeiroBernardim ribeiro
Bernardim ribeiro
Helena Coutinho
 
O essencial sobre bernardim ribeiro
O essencial sobre bernardim ribeiroO essencial sobre bernardim ribeiro
O essencial sobre bernardim ribeiro
Januário Esteves
 
A estrela
A estrelaA estrela
A estrela
Sílvia Rebocho
 
Contos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreiraContos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreira
Maria Rebelo
 
Vergílio Ferreira
Vergílio FerreiraVergílio Ferreira
Vergílio Ferreira
Endl Félix Muriel
 
Resumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavrasResumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavras
Lurdes Augusto
 

Destaque (7)

Vergílio ferreira
Vergílio ferreiraVergílio ferreira
Vergílio ferreira
 
Bernardim ribeiro
Bernardim ribeiroBernardim ribeiro
Bernardim ribeiro
 
O essencial sobre bernardim ribeiro
O essencial sobre bernardim ribeiroO essencial sobre bernardim ribeiro
O essencial sobre bernardim ribeiro
 
A estrela
A estrelaA estrela
A estrela
 
Contos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreiraContos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreira
 
Vergílio Ferreira
Vergílio FerreiraVergílio Ferreira
Vergílio Ferreira
 
Resumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavrasResumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavras
 

Semelhante a A estrela sistematização

Lendas e mitos região centro oeste
Lendas e mitos região centro oesteLendas e mitos região centro oeste
Lendas e mitos região centro oeste
Leandro Freitas Menezes
 
Projeto contos de arrepiar...
Projeto contos de arrepiar...Projeto contos de arrepiar...
Projeto contos de arrepiar...
andrea
 
A Lenda de Despereaux
A Lenda de DespereauxA Lenda de Despereaux
A Lenda de Despereaux
Escola Integrada Apulia
 
A Garota do Dique - G. Norman Lippert
A Garota do Dique - G. Norman Lippert A Garota do Dique - G. Norman Lippert
A Garota do Dique - G. Norman Lippert
Victor Ignis
 
As nossas sugestões 7a
As nossas sugestões 7aAs nossas sugestões 7a
As nossas sugestões 7a
Isabel Couto
 
Apresentação slaides
Apresentação slaidesApresentação slaides
Apresentação slaides
ivone39
 
As nossas sugestões 8b
As nossas sugestões 8bAs nossas sugestões 8b
As nossas sugestões 8b
Isabel Couto
 
Kw
KwKw
KW
KWKW
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças PeculiaresO Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
Assuntos da Intenet
 
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa   ransom riggsO orfanato da srta peregrine pa   ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
Mariana Correia
 
O Misantropo
O MisantropoO Misantropo
O Misantropo
Ariane Mafra
 
Doc 11 resumo do principezinho
Doc 11  resumo do principezinhoDoc 11  resumo do principezinho
Doc 11 resumo do principezinho
helena frança
 
Seleção de contos
Seleção de contosSeleção de contos
Seleção de contos
Bianca Pagotto
 
Tessituras 3ª edição: Se eu me decifro, ninguém me devora... palestra com Cel...
Tessituras 3ª edição: Se eu me decifro, ninguém me devora... palestra com Cel...Tessituras 3ª edição: Se eu me decifro, ninguém me devora... palestra com Cel...
Tessituras 3ª edição: Se eu me decifro, ninguém me devora... palestra com Cel...
Ana Paula Cecato
 
Os contos
Os  contosOs  contos
Os contos
cristinapedrogao
 
Outras sugestões de livros de fadas
Outras sugestões de livros de fadasOutras sugestões de livros de fadas
Outras sugestões de livros de fadas
carlavirginia
 

Semelhante a A estrela sistematização (17)

Lendas e mitos região centro oeste
Lendas e mitos região centro oesteLendas e mitos região centro oeste
Lendas e mitos região centro oeste
 
Projeto contos de arrepiar...
Projeto contos de arrepiar...Projeto contos de arrepiar...
Projeto contos de arrepiar...
 
A Lenda de Despereaux
A Lenda de DespereauxA Lenda de Despereaux
A Lenda de Despereaux
 
A Garota do Dique - G. Norman Lippert
A Garota do Dique - G. Norman Lippert A Garota do Dique - G. Norman Lippert
A Garota do Dique - G. Norman Lippert
 
As nossas sugestões 7a
As nossas sugestões 7aAs nossas sugestões 7a
As nossas sugestões 7a
 
Apresentação slaides
Apresentação slaidesApresentação slaides
Apresentação slaides
 
As nossas sugestões 8b
As nossas sugestões 8bAs nossas sugestões 8b
As nossas sugestões 8b
 
Kw
KwKw
Kw
 
KW
KWKW
KW
 
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças PeculiaresO Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
O Orfanato da senhorita Peregrine para Crianças Peculiares
 
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa   ransom riggsO orfanato da srta peregrine pa   ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
 
O Misantropo
O MisantropoO Misantropo
O Misantropo
 
Doc 11 resumo do principezinho
Doc 11  resumo do principezinhoDoc 11  resumo do principezinho
Doc 11 resumo do principezinho
 
Seleção de contos
Seleção de contosSeleção de contos
Seleção de contos
 
Tessituras 3ª edição: Se eu me decifro, ninguém me devora... palestra com Cel...
Tessituras 3ª edição: Se eu me decifro, ninguém me devora... palestra com Cel...Tessituras 3ª edição: Se eu me decifro, ninguém me devora... palestra com Cel...
Tessituras 3ª edição: Se eu me decifro, ninguém me devora... palestra com Cel...
 
Os contos
Os  contosOs  contos
Os contos
 
Outras sugestões de livros de fadas
Outras sugestões de livros de fadasOutras sugestões de livros de fadas
Outras sugestões de livros de fadas
 

Último

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 

Último (20)

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 

A estrela sistematização

  • 1. A Estrela, um conto de Vergílio Ferreira “Um dia, à meia-noite, ele viu-a.”
  • 2. AS PERSONAGENS / O NARRADOR  As personagens do conto são  Pedro (protagonista);  a mãe e o pai; o velho, o Cigarra, o sr. Governo (personagens secundárias)  e os habitantes da aldeia (o Rui, o Roda Vinte e Seis, o Pingo de Cera, a Raque-Traque, a Pitapota e o Pananão (figurantes).
  • 3. O protagonista  O Pedro é o protagonista, porque é a partir do roubo da estrela, de que ele é o autor, que se desenvolve toda a história.  O Pedro é parecido com tantas outras crianças da sua idade porque gostava de subir às oliveiras para ver os passarinhos nos ninhos e gostava de aventuras. Além disso era teimoso, como a maioria das crianças. Queria a estrela, nem sabia para quê, e não descansou enquanto não a teve.
  • 4.  O Pedro é especial porque é determinado e corajoso. Quis a estrela e foi buscá-la, o que implicou muito esforço e aventurar-se por caminhos difíceis. Mas, sobretudo, implicou muita coragem. Teve de vencer o medo da noite, o medo do escuro assustador da torre, o medo da altura e do perigo de cair.  Parece que nada o fazia desistir do seu sonho, daquilo que desejava obter.
  • 5. PERSONAGENS SECUNDÁRIAS  A mãe do Pedro surpreende-o com a estrela na mão, quando repara que há uma luz estranha no quarto. De surpreendida passou a furiosa, quis bater-lhe, mas queimou-se na estrela. Ficou nervosa porque se preocupava com as opiniões dos habitantes da aldeia.  O pai quando viu que o filho tinha sido o autor do roubo, não lhe bateu, mas obrigou-o a corrigir o mal feito, porque estava preocupado com a opinião dos aldeãos.
  • 6. Personagens secundárias  O velho, como passava parte da noite acordado, deu pela falta da estrela no céu e comunicou-o ao Cigarra que, por sua vez, o fez saber a toda a aldeia.  O senhor Governo primeiro achou que uma estrela a mais ou a menos não tinha qualquer importância, mas depois quis mostrar-se prestável e mandou buscar umas escadas muito altas para se chegar melhor ao cimo da torre. Quis até que fosse o seu filho a colocar a estrela no céu, mas este, mal lhe pegou, queimou-se.
  • 7. O narrador  O narrador é não participante porque não está presente na narrativa, como se comprova pelo uso de verbos e pronomes na 3ª pessoa. “Nessa noite não aguentou. Meteu-se na cama …, a mãe levou a luz, mas ele não dormiu.”  O narrador é subjetivo porque, embora não faça parte da história, dá as suas opiniões, os seus pontos de vista. “O medo vinha também a correr atrás dele. Mas como vinha descalço, ele corria mais.”
  • 8. O narrador  O narrador é omnisciente porque sabe tudo, incluindo os pensamentos das personagens.  “... tão contente ficou de a porta estar aberta, que só depois se lembrou de a ter ouvido ranger. E então assustou-se.”
  • 9. A ação  A ação decorre à meia-noite porque é só à meia-noite que a estrela passa sobre a torre e só à noite as estrelas são visíveis. Problema inicial  Pedro desejava ter a estrela, pelo que planeou empalmá-la.
  • 10. O tempo  São marcas de tempo as seguintes expressões:  “Um dia, à meia-noite”;  “a essa hora”;  “nessa noite”;  “No dia seguinte”;  “Mas no dia seguinte”;  “Aconteceu então que no dia seguinte”;  “Ora certa noite”;  “um ano inteiro”;  “hoje”;  “Já passaram muitos anos”.
  • 11. O espaço  Os diferentes lugares onde decorre a ação são o quarto do Pedro, as ruas da aldeia, a torre da igreja e o adro.  O espaço físico mais importante é a torre porque é a partir dela que Pedro chega à estrela, é a partir dela que a colocará de volta e também será ao escorregar dela que morrerá e o seu sonho terminará.
  • 12. Episódios principais  Pedro saiu de casa e dirigiu-se à igreja;  Subiu até ao campanário e agarrou a estrela;  Já em casa, antes de se deitar, guardou-a numa caixa;  Ao acordar, pensou que lhe tinham trocado a estrela e, por isso, ficou transtornado;  Os pais recearam que Pedro estivesse metido em sarilhos;  O velho descobriu o roubo e a aldeia ficou em alvoroço;
  • 13. Episódios principais (continuação)  Os habitantes da aldeia tomaram partido a favor de Cigarra contra o sr. Governo;  Os pais de Pedro descobriram a verdade;  O pai de Pedro denunciou o filho e impôs que este fosse repor a estrela no seu lugar;  Pedro caiu do alto da torre e morreu;  Toda a gente da aldeia chorou a sua morte e durante muito tempo lamentou o sucedido.
  • 14. A história  Foi difícil ao Pedro concretizar o seu sonho porque não só o caminho era arriscado e difícil, como também encontrou a oposição de toda a gente.  Pedro é uma criança que acredita no sonho, na capacidade da imaginação, ao contrário dos adultos que vivem presos à realidade. Daí Pedro não se queimar com a estrela.
  • 15. Simbolismo da estrela  A posse da estrela significa:  crescimento, busca da própria identidade;  nascimento para uma outra vida;  desejo de conhecimento do mundo;  ânsia de liberdade;  vitória sobre o medo;  coragem.
  • 16. INTERPRETAÇÕES POSSÍVEIS PARA ESTE CONTO  O Pedro morreu porque o seu sonho era demasiado ambicioso.  O Pedro cometeu uma falta grave e por isso foi castigado.  A maioria dos adultos perdeu a capacidade de sonhar e a sua incompreensão matou o Pedro.  O Pedro não estava interessado em viver num mundo onde não havia lugar para o sonho.  O Pedro não morreu. Morreu a criança cheia de sonhos e fantasias; circunstâncias da vida obrigaram o Pedro- criança a tornar-se adulto, sem tempo ou vontade de sonhar.
  • 17. Léxico próprio de um meio rural Registo popular  “empalmar”; “tramar”, “gramar”; “escachar”  “sacana”; retoiço; malhoada;  “punha-lhe o comer”; “fizera uma das dele”;  “tivera mesmo uma ponta de cagaço”;  “malhar com o coirão na cadeia”;  “se o pai ou a mãe descobrissem estava cosido”  “não fosse o diabo tecê-las”;  “apanhá-lo com a boca na botija”;  “que lhe cultivava umas sortes”.