SlideShare uma empresa Scribd logo
1. Defina Engenharia de Software:

É uma área do conhecimento da computação voltada para a especificação,
desenvolvimento e manutenção de sistemas de software aplicando tecnologias e
práticas de gerência de projetos e outras disciplinas, objetivando organização,
produtividade e qualidade

2. Qual a finalidade de se modelar?

Para manter a aplicação mais robusta e mais fácil de manter além de tornar o
desenvolvimento mais organizado, evitando assim problemas futuros.

3. Qual a diferença entre análise e projeto?

A análise enfatiza a investigação de um problema e os requisitos desse problema, o
projeto enfatiza a solução que satisfaça os requisitos desse problema.

4. Quais as características que norteiam a escolha de uma metodologia
    tradicional?

Equipe grande, criticidade do projeto, prioridades do projeto, longo prazo para entrega,
entre outros.

5. Quais as características que norteiam a escolha de uma metodologia
    ágil?

Curto prazo, equipes pequenas, mudanças freqüentes de requisitos, baixa criticidade.

6. Defina processo:

É uma seqüência coerente de práticas que objetiva o desenvolvimento ou evolução de
sistemas de software.

7. Qual a finalidade do SEI?

Servir como um provedor global em engenharia de software e melhoria de processos
como um todo.

8. Qual a finalidade da OMG?

Organização internacional que aprova padrões abertos para aplicações orientada a
objetos.

9. Qual a finalidade do RUP?

Fornecer uma abordagem disciplinada para atribuição de tarefas e responsabilidades
dentro de uma organização de desenvolvimento.

10. Qual a finalidade da UML?

Basicamente, permite que desenvolvedores visualizem os produtos de seus trabalhos
em diagramas padronizados, serve também para especificar significados.

11. Quais são e explique as fases do RUP
Concepção: A fase de concepção contém os workflows necessários para que as partes
interessadas (stakeholders) concordem com os objetivos, arquitetura e o planejamento
do projeto. Se as partes interessadas tiverem bons conhecimentos, então, pouca
análise será requerida. Caso contrário, uma análise maior será requerida.

Elaboração: A fase de elaboração será apenas para o projeto do sistema, buscando
complementar o levantamento / documentação dos casos de uso, voltado para a
arquitetura do sistema, revisa a modelagem do negócio para os projetos e inicia a
versão do manual do usuário.

Construção: Na fase de construção, começa o desenvolvimento físico do software,
produção de códigos, testes alfa e beta.

Transição: Nesta fase ocorre a entrega do software, é realizado o plano de implantação
e entrega, acompanhamento e qualidade do software.

12.Quais são e explique as disciplinas do RUP:

Disciplina de Modelagem de Negócios: Modelagem de negócios, explica
como descrever uma visão da organização na qual o sistema será implantado e
como usar esta visão como uma base para descrever o processo, papéis e
responsabilidades.

Disciplina de Requisitos: Esta disciplina explica como levantar pedidos das
partes interessadas ("stakeholders") e transformá-los em um conjunto de
requisitos que os produtos funcionam no âmbito do sistema a ser construído e
fornecem requisitos detalhados para o que deve fazer o sistema.

Disciplina de Análise e Projeto ("Design"):O objetivo da análise e projeto é
mostrar como o sistema vai ser realizado.

Disciplina de Implementação : Sistemas são realizados através da aplicação
de componentes. O processo descreve como a reutilização de componentes
existentes ou implementar novos componentes com responsabilidades bem
definidas, tornando o sistema mais fácil de manter e aumentar as possibilidades
de reutilização.

Disciplina de Teste : permite encontrar defeitos tão cedo quanto possível, o
que reduz radicalmente o custo de reparar o defeito. Os testes são realizados
ao longo de quatro dimensões da qualidade: confiabilidade, funcionalidade,
desempenho da aplicação, e o desempenho do sistema. Para cada uma destas
dimensões da qualidade, o processo descreve como você passar pelo teste do
ciclo de planejamento, projeto, implementação, execução e avaliação.

Disciplina de Implantação: O objetivo da implantação é o de produzir com
sucesso lançamentos de produtos e entregar o software para seus usuários
finais.

Disciplina de Ambiente: O ambiente enfoca as atividades necessárias para
configurar o processo para um projeto.
Disciplina de Configuração e Gerência de Mudança:

A disciplina de Gestão de Mudança em negócios com RUP abrange três
gerenciamentos específicos: de configuração, de solicitações de mudança, e de
status e medição.

•   Gerenciamento de configuração: A gestão de configuração é responsável pela
estruturação sistemática dos produtos. Artefatos como documentos e modelos,
precisam estar sob controle de versão e essas alterações devem ser visíveis. Ele
também mantém o controle de dependências entre artefatos para que todos os artigos
relacionados sejam atualizados quando são feitas alterações
• Gerenciamento       de solicitações de mudança: Durante o processo de
desenvolvimento de sistemas com muitos artefatos existem diversas versões. O CRM
mantém o controle das propostas de mudança
• Gerenciamento de status e medição: Os pedidos de mudança têm os estados: novo,
conectado, aprovado, cedido e completo. A solicitação de mudança também tem
atributos como a causa raiz, ou a natureza (como o defeito e valorização), prioridade,
etc. Esses estados e atributos são armazenados no banco de dados para produzir
relatórios úteis sobre o andamento do projeto. A Rational também tem um produto
para manter a solicitações de mudança chamado ClearQuest. Estas atividades têm
procedimentos a serem seguidos.

O que é um artefato?

É o produto de uma ou mais atividade dentro do contexto do desenvolvimento
de um software.

14.    Defina XP:

Programação extrema (do inglês eXtreme Programming), ou simplesmente XP,
é uma metodologia ágil para equipes pequenas e médias e que irão
desenvolver software com requisitos vagos e em constante mudança. Para isso,
adota a estratégia de constante acompanhamento e realização de vários
pequenos ajustes durante o desenvolvimento de software.

15. Quais são as regras que o XP utiliza?

Comunicação, simplicidade, feedback e coragem.

16. Quais são as 12 boas práticas do XP?

Planejamento, fases Pequenas, metáfora, design Simples, testes, refatoração,
programação pareada, propriedade coletiva, integração contínua, semana de
40 horas, cliente junto aos desenvolvedores, padronização do código.

Explique a prática do XP chamada 40 horas:

Trabalhar com qualidade, buscando ter ritmo de trabalho saudável (40
horas/semana, 8 horas/dia), sem horas extras. Horas extras são permitidas
quando trouxerem produtividade para a execução do projeto. Outra prática que
se verifica neste processo é a prática de trabalho energizado, onde se busca
trabalho motivado sempre. Para isto o ambiente de trabalho e a motivação da
equipe devem estar sempre em harmonia.

Explique a prática do XP chamada fatoração:

É um processo que permite a melhoria continua da programação, com o mínimo
de introdução de erros e mantendo a compatibilidade com o código já
existente. Refabricar melhora a clareza (leitura) do código, divide-o em módulos
mais coesos e de maior reaproveitamento, evitando a duplicação de código-
fonte.

19.   Explique a prática do XP chamada simplicidade:

A simplicidade nos ensina a implementar apenas aquilo que é suficiente para
atender as necessidades atuais do cliente. Ou seja, ao codificar uma
funcionalidade o desenvolvedor deve se preocupar apenas com os problemas
de hoje e deixar os problemas do futuro para o futuro. Não se deve tentar
prever o futuro, pois raramente obter-se-á êxito nas previsões.

20.   Explique a prática do XP chamada programação em pares:

É a programação em par/dupla num único computador. Geralmente a dupla é
formada por um iniciante na linguagem e outra pessoa funcionando como um
instrutor. Como é apenas um computador, o novato é que fica à frente fazendo
a codificação, e o instrutor acompanha ajudando a desenvolver suas
habilidades. Desta forma o programa sempre é revisto por duas pessoas,
evitando e diminuindo assim a possibilidade de defeitos. Com isto busca-se
sempre a evolução da equipe, melhorando a qualidade do código fonte gerado.

21.   Explique a prática do XP chamada planejamento

O desenvolvimento é feito em iterações semanais. No início da semana,
desenvolvedores e cliente reúnem-se para priorizar as funcionalidades. Essa
reunião recebe o nome de Jogo do Planejamento. Nela, o cliente identifica
prioridades e os desenvolvedores as estimam. O cliente é essencial neste
processo e assim ele fica sabendo o que está acontecendo e o que vai
acontecer no projeto. Como o escopo é reavaliado semanalmente, o projeto é
regido por um contrato de escopo negociável, que difere significativamente das
formas tradicionais de contratação de projetos de software. Ao final de cada
semana, o cliente recebe novas funcionalidades, completamente testadas e
prontas para serem postas em produção.

22.   Explique a prática do XP chamada feedback:

Basicamente, é o processo de troca de informações, relacionadas ao que é
produzido e consumido durante um projeto, entre o cliente e a equipe de
desenvolvimento e vice-versa.

Explique a prática do XP chamada primeiro testar:
Primeiro crie os testes unitários (unit tests) e depois crie o código para que os
testes funcionem.

Explique a prática do XP chamada entregas constantes:

A liberação de pequenas versões funcionais do projeto auxilia muito no
processo de aceitação por parte do cliente, que já pode testar uma parte do
sistema que está comprando.

25.    Explique a prática do XP chamada metáfora:

Procura facilitar a comunicação com o cliente, entendendo a realidade dele. O
conceito de rápido para um cliente de um sistema jurídico é diferente para um
programador experiente em controlar comunicação em sistemas em tempo
real, como controle de tráfego aéreo. É preciso traduzir as palavras do cliente
para o significado que ele espera dentro do projeto.

O que a técnica Delphi orienta:
Defina Scrum:

O Scrum é um processo de desenvolvimento iterativo e incremental para
gerenciamento de projetos e desenvolvimento ágil de software.

28.    Quais são os papéis no Scrum?

Scrum máster, productor sprint, equipe, proprietário do produto.

O que é um sprint?

Iteração que segue um ciclo de desenvolvimento e entrega de software pronto.

O que é um backlog?

Conjunto de requisitos, priorizados pelo dono do produto.

Defina processo iterativo e incremental:

É uma estratégia de planejamento estagiado em que várias partes do sistema
são desenvolvidas em paralelo, e integradas quando completas.

32.    RUP e Scrum são iterativos e incrementais?

Sim

XP e Scrum são processos iguais?

Não, o scrum visa mais planejamento de requisitos.

Quais as diferenças entre RUP e Scrum?
O scrum é uma metodologia ágil, no scrum não existem papeis definidos como
no RUP, o scrum por ser uma metodologia ágil é aconselhável para equipes
pequenas, e com projetos com curto prazo de entrega, entre outros.

35.    Quais os termos do manifesto ágil?

Os indivíduos e suas interações acima de procedimentos e ferramentas, o
funcionamento do software acima de documentação abrangente, a colaboração dos
clientes acima da negociação de contratos, a capacidade de resposta à mudanças
acima de um plano pré-estabelecido;

36 Qual o foco da análise?

A análise enfatiza a investigação de um problema e os seus requisitos, ao invés da
solução.

37.   Qual o foco do projeto?

Enfatiza uma solução conceitual que satisfaça os requisitos.

38.      XP faz uso da UML?

XP usa alguns diagramas UML (mais especificamente o diagrama de caso de uso) para
facilitar o desenvolvimento. Mas não é uma regra usar diagramas, pelo contrário,
diagramas são usados apenas quando úteis.

39.      RUP e Scrum são baseados em que paradigma?

Paradigma ágil, sendo o scrum melhor para projetos pequenos e o RUP para projetos
de médio e grande porte.

40.      O que é desenvolvimento Adhoc?

Desenvolvimento que não foi devidamente projetado em razão da necessidade de
atender uma demanda específica do usuário, são modelos informais utilizados pelo
desenvolvedor, como por exemplo, rabiscar uma idéia pra obter mais clareza e
simplificação da realidade. Porém esses modelos não possuem uma linguagem clara
que possa ser compartilhada com outras pessoas facilmente.

41.      O que consiste a análise orientada a objetos?

Têm como meta identificar o melhor conjunto de objetos para descrever um sistema de
software. O funcionamento deste sistema se dá através do relacionamento e troca de
mensagens entre estes objetos.

42.      Forneça 2 exemplos de processos da metodologia tradicional:

RUP, cascata.
43.      Forneça 2 exemplos de processos da metodologia ágil:

Scrum, XP.

44.      XP e Scrum podem conviver juntos?

Sim. As boas práticas de um podem ser usadas no outro.

45.      O RUP pode ser instanciado?

Pode ser instanciado, porém se for instanciado por completo torna-se inviável.

46.      Quais as características que devem ser avaliadas para se usar RUP?

Tamanho da equipe, criticidade do projeto, complexidade dos requisitos, localização de
toda a equipe, entre outros.

47.      Quais   as     características   que   devem   ser     avaliadas   para   se   usar
Scrum?

Tamanho da equipe, criticidade do projeto, complexidade dos requisitos, localização de
toda a equipe, disponibilidade do cliente, entre outros.

48.      Quais os diagramas da UML?

Estruturais: diagrama de classes, de objetos, de instalação, de componentes de
pacotes e de estruturas.

Comportamentais: caso de uso, transição de estados e de atividades.

Interação: diagrama de seqüência, interatividade, colaboração ou comunicação e de
tempo.

49.      A metáfora pode ser substituída por qual diagrama da UML?

Caso de uso.

50.      Qual    a    diferença   entre   desenvolver   Adhoc     e   usando   metodologia
ágil?

Organização, clareza, confiabilidade do software, ao usar uma metodologia evita-se
problemas futuros em relação a manutenção, e se houver necessidade, o problema
será resolvido mais rapidamente.
38484931 questionario-es

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)
Carlos Henrique Martins da Silva
 
Extreme Programming
Extreme ProgrammingExtreme Programming
Extreme Programming
Elaine Cecília Gatto
 
Introdução à Engenharia de Software
Introdução à Engenharia de SoftwareIntrodução à Engenharia de Software
Introdução à Engenharia de Software
elliando dias
 
Agile testing
Agile testing Agile testing
Slide apresentação CMMI-TOGAF
Slide apresentação CMMI-TOGAFSlide apresentação CMMI-TOGAF
Slide apresentação CMMI-TOGAF
Edton Lemos
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Roberto Nunes
 
Qualidade de software
Qualidade de softwareQualidade de software
Qualidade de software
Rodrigo Oliveira, Msc, PMP
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 2.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 2.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 2.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 2.pptx
Roberto Nunes
 
PSP - Personal Software Process
PSP - Personal Software ProcessPSP - Personal Software Process
PSP - Personal Software Process
Rafael Queiroz
 
Fundamentos Engenharia de Software.pptx
Fundamentos Engenharia de Software.pptxFundamentos Engenharia de Software.pptx
Fundamentos Engenharia de Software.pptx
Roberto Nunes
 
ISO/IEC 9241-11
ISO/IEC 9241-11ISO/IEC 9241-11
ISO/IEC 9241-11
Elaine Cecília Gatto
 
Scrum - conceitos iniciais
Scrum - conceitos iniciaisScrum - conceitos iniciais
Scrum - conceitos iniciais
Joeldson Costa Damasceno
 
Desenvolvimento ágil e práticas Lean
Desenvolvimento ágil e práticas LeanDesenvolvimento ágil e práticas Lean
Desenvolvimento ágil e práticas Lean
Renan Daré
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 5.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 5.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 5.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 5.pptx
Roberto Nunes
 
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de softwareO uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
Everton vitor
 
Teste de Software - Introdução
Teste de Software - IntroduçãoTeste de Software - Introdução
Teste de Software - Introdução
Joeldson Costa Damasceno
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 1.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 1.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 1.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 1.pptx
Roberto Nunes
 
Processo Unificado(RUP)
Processo Unificado(RUP)Processo Unificado(RUP)
Processo Unificado(RUP)
elliando dias
 
Capitulo 02 sommerville
Capitulo 02 sommervilleCapitulo 02 sommerville
Capitulo 02 sommerville
Fabricio Schlag
 
Team Software Process (TSP)
Team Software Process (TSP)Team Software Process (TSP)
Team Software Process (TSP)
Saymon Cristian Alves Oliveira
 

Mais procurados (20)

Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)
 
Extreme Programming
Extreme ProgrammingExtreme Programming
Extreme Programming
 
Introdução à Engenharia de Software
Introdução à Engenharia de SoftwareIntrodução à Engenharia de Software
Introdução à Engenharia de Software
 
Agile testing
Agile testing Agile testing
Agile testing
 
Slide apresentação CMMI-TOGAF
Slide apresentação CMMI-TOGAFSlide apresentação CMMI-TOGAF
Slide apresentação CMMI-TOGAF
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
 
Qualidade de software
Qualidade de softwareQualidade de software
Qualidade de software
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 2.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 2.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 2.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 2.pptx
 
PSP - Personal Software Process
PSP - Personal Software ProcessPSP - Personal Software Process
PSP - Personal Software Process
 
Fundamentos Engenharia de Software.pptx
Fundamentos Engenharia de Software.pptxFundamentos Engenharia de Software.pptx
Fundamentos Engenharia de Software.pptx
 
ISO/IEC 9241-11
ISO/IEC 9241-11ISO/IEC 9241-11
ISO/IEC 9241-11
 
Scrum - conceitos iniciais
Scrum - conceitos iniciaisScrum - conceitos iniciais
Scrum - conceitos iniciais
 
Desenvolvimento ágil e práticas Lean
Desenvolvimento ágil e práticas LeanDesenvolvimento ágil e práticas Lean
Desenvolvimento ágil e práticas Lean
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 5.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 5.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 5.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 5.pptx
 
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de softwareO uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
 
Teste de Software - Introdução
Teste de Software - IntroduçãoTeste de Software - Introdução
Teste de Software - Introdução
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 1.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 1.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 1.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 1.pptx
 
Processo Unificado(RUP)
Processo Unificado(RUP)Processo Unificado(RUP)
Processo Unificado(RUP)
 
Capitulo 02 sommerville
Capitulo 02 sommervilleCapitulo 02 sommerville
Capitulo 02 sommerville
 
Team Software Process (TSP)
Team Software Process (TSP)Team Software Process (TSP)
Team Software Process (TSP)
 

Semelhante a 38484931 questionario-es

Programacao Extrema
Programacao ExtremaProgramacao Extrema
Programacao Extrema
Robson Silva Espig
 
Introdução a Metodologia XP (E Xtreme Programming)
Introdução a Metodologia XP (E Xtreme Programming)Introdução a Metodologia XP (E Xtreme Programming)
Introdução a Metodologia XP (E Xtreme Programming)
Rennan Martini
 
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBANDesenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Fernando Palma
 
Este trabalho trata
Este trabalho trataEste trabalho trata
Este trabalho trata
Roni Reis
 
Metodologias Ageis
Metodologias AgeisMetodologias Ageis
Metodologias Ageis
MarcosMaozinha
 
FDD
FDDFDD
Métodos ágeis de desenvolvimento2
Métodos ágeis de desenvolvimento2Métodos ágeis de desenvolvimento2
Métodos ágeis de desenvolvimento2
GrupoAlves - professor
 
Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
Nécio de Lima Veras
 
Desenvolvimento Ágil
Desenvolvimento ÁgilDesenvolvimento Ágil
Desenvolvimento Ágil
Gefferson Vivan
 
Engenharia de software aula 6 - Introdução ao Desenvolvimento Ágil
Engenharia de software aula 6 - Introdução ao Desenvolvimento ÁgilEngenharia de software aula 6 - Introdução ao Desenvolvimento Ágil
Engenharia de software aula 6 - Introdução ao Desenvolvimento Ágil
Rebecca Betwel
 
Aula 01 e 02 - Engenharia de Software.pdf
Aula 01 e 02 - Engenharia de Software.pdfAula 01 e 02 - Engenharia de Software.pdf
Aula 01 e 02 - Engenharia de Software.pdf
Jadna Almeida
 
Texto de Apoio2_Síntese de Metodologias Ageis.ppt
Texto de Apoio2_Síntese de Metodologias Ageis.pptTexto de Apoio2_Síntese de Metodologias Ageis.ppt
Texto de Apoio2_Síntese de Metodologias Ageis.ppt
HurgelNeto
 
Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software
Métodos Ágeis para Desenvolvimento de SoftwareMétodos Ágeis para Desenvolvimento de Software
Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software
alexandre_malaquias
 
ageis2003.ppt
ageis2003.pptageis2003.ppt
ageis2003.ppt
JAIMEMARTINS18
 
ageis2003.ppt
ageis2003.pptageis2003.ppt
ageis2003.ppt
ssuser9a8135
 
Trabalho xp
Trabalho xpTrabalho xp
Trabalho xp
Gustavo Medeiros
 
Métodos Ágeis
Métodos ÁgeisMétodos Ágeis
Métodos Ágeis
elliando dias
 
Feature driven development
Feature driven developmentFeature driven development
Feature driven development
Izabel Rodrigues
 
Erika questionario pt 2 (Eng Software III).
Erika questionario pt  2 (Eng Software III).Erika questionario pt  2 (Eng Software III).
Erika questionario pt 2 (Eng Software III).
Érika Santos
 
APS - RAD x Ágeis
APS - RAD x ÁgeisAPS - RAD x Ágeis
APS - RAD x Ágeis
Silvio Carréra
 

Semelhante a 38484931 questionario-es (20)

Programacao Extrema
Programacao ExtremaProgramacao Extrema
Programacao Extrema
 
Introdução a Metodologia XP (E Xtreme Programming)
Introdução a Metodologia XP (E Xtreme Programming)Introdução a Metodologia XP (E Xtreme Programming)
Introdução a Metodologia XP (E Xtreme Programming)
 
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBANDesenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
 
Este trabalho trata
Este trabalho trataEste trabalho trata
Este trabalho trata
 
Metodologias Ageis
Metodologias AgeisMetodologias Ageis
Metodologias Ageis
 
FDD
FDDFDD
FDD
 
Métodos ágeis de desenvolvimento2
Métodos ágeis de desenvolvimento2Métodos ágeis de desenvolvimento2
Métodos ágeis de desenvolvimento2
 
Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
 
Desenvolvimento Ágil
Desenvolvimento ÁgilDesenvolvimento Ágil
Desenvolvimento Ágil
 
Engenharia de software aula 6 - Introdução ao Desenvolvimento Ágil
Engenharia de software aula 6 - Introdução ao Desenvolvimento ÁgilEngenharia de software aula 6 - Introdução ao Desenvolvimento Ágil
Engenharia de software aula 6 - Introdução ao Desenvolvimento Ágil
 
Aula 01 e 02 - Engenharia de Software.pdf
Aula 01 e 02 - Engenharia de Software.pdfAula 01 e 02 - Engenharia de Software.pdf
Aula 01 e 02 - Engenharia de Software.pdf
 
Texto de Apoio2_Síntese de Metodologias Ageis.ppt
Texto de Apoio2_Síntese de Metodologias Ageis.pptTexto de Apoio2_Síntese de Metodologias Ageis.ppt
Texto de Apoio2_Síntese de Metodologias Ageis.ppt
 
Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software
Métodos Ágeis para Desenvolvimento de SoftwareMétodos Ágeis para Desenvolvimento de Software
Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software
 
ageis2003.ppt
ageis2003.pptageis2003.ppt
ageis2003.ppt
 
ageis2003.ppt
ageis2003.pptageis2003.ppt
ageis2003.ppt
 
Trabalho xp
Trabalho xpTrabalho xp
Trabalho xp
 
Métodos Ágeis
Métodos ÁgeisMétodos Ágeis
Métodos Ágeis
 
Feature driven development
Feature driven developmentFeature driven development
Feature driven development
 
Erika questionario pt 2 (Eng Software III).
Erika questionario pt  2 (Eng Software III).Erika questionario pt  2 (Eng Software III).
Erika questionario pt 2 (Eng Software III).
 
APS - RAD x Ágeis
APS - RAD x ÁgeisAPS - RAD x Ágeis
APS - RAD x Ágeis
 

Último

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 

Último (20)

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 

38484931 questionario-es

  • 1. 1. Defina Engenharia de Software: É uma área do conhecimento da computação voltada para a especificação, desenvolvimento e manutenção de sistemas de software aplicando tecnologias e práticas de gerência de projetos e outras disciplinas, objetivando organização, produtividade e qualidade 2. Qual a finalidade de se modelar? Para manter a aplicação mais robusta e mais fácil de manter além de tornar o desenvolvimento mais organizado, evitando assim problemas futuros. 3. Qual a diferença entre análise e projeto? A análise enfatiza a investigação de um problema e os requisitos desse problema, o projeto enfatiza a solução que satisfaça os requisitos desse problema. 4. Quais as características que norteiam a escolha de uma metodologia tradicional? Equipe grande, criticidade do projeto, prioridades do projeto, longo prazo para entrega, entre outros. 5. Quais as características que norteiam a escolha de uma metodologia ágil? Curto prazo, equipes pequenas, mudanças freqüentes de requisitos, baixa criticidade. 6. Defina processo: É uma seqüência coerente de práticas que objetiva o desenvolvimento ou evolução de sistemas de software. 7. Qual a finalidade do SEI? Servir como um provedor global em engenharia de software e melhoria de processos como um todo. 8. Qual a finalidade da OMG? Organização internacional que aprova padrões abertos para aplicações orientada a objetos. 9. Qual a finalidade do RUP? Fornecer uma abordagem disciplinada para atribuição de tarefas e responsabilidades dentro de uma organização de desenvolvimento. 10. Qual a finalidade da UML? Basicamente, permite que desenvolvedores visualizem os produtos de seus trabalhos em diagramas padronizados, serve também para especificar significados. 11. Quais são e explique as fases do RUP
  • 2. Concepção: A fase de concepção contém os workflows necessários para que as partes interessadas (stakeholders) concordem com os objetivos, arquitetura e o planejamento do projeto. Se as partes interessadas tiverem bons conhecimentos, então, pouca análise será requerida. Caso contrário, uma análise maior será requerida. Elaboração: A fase de elaboração será apenas para o projeto do sistema, buscando complementar o levantamento / documentação dos casos de uso, voltado para a arquitetura do sistema, revisa a modelagem do negócio para os projetos e inicia a versão do manual do usuário. Construção: Na fase de construção, começa o desenvolvimento físico do software, produção de códigos, testes alfa e beta. Transição: Nesta fase ocorre a entrega do software, é realizado o plano de implantação e entrega, acompanhamento e qualidade do software. 12.Quais são e explique as disciplinas do RUP: Disciplina de Modelagem de Negócios: Modelagem de negócios, explica como descrever uma visão da organização na qual o sistema será implantado e como usar esta visão como uma base para descrever o processo, papéis e responsabilidades. Disciplina de Requisitos: Esta disciplina explica como levantar pedidos das partes interessadas ("stakeholders") e transformá-los em um conjunto de requisitos que os produtos funcionam no âmbito do sistema a ser construído e fornecem requisitos detalhados para o que deve fazer o sistema. Disciplina de Análise e Projeto ("Design"):O objetivo da análise e projeto é mostrar como o sistema vai ser realizado. Disciplina de Implementação : Sistemas são realizados através da aplicação de componentes. O processo descreve como a reutilização de componentes existentes ou implementar novos componentes com responsabilidades bem definidas, tornando o sistema mais fácil de manter e aumentar as possibilidades de reutilização. Disciplina de Teste : permite encontrar defeitos tão cedo quanto possível, o que reduz radicalmente o custo de reparar o defeito. Os testes são realizados ao longo de quatro dimensões da qualidade: confiabilidade, funcionalidade, desempenho da aplicação, e o desempenho do sistema. Para cada uma destas dimensões da qualidade, o processo descreve como você passar pelo teste do ciclo de planejamento, projeto, implementação, execução e avaliação. Disciplina de Implantação: O objetivo da implantação é o de produzir com sucesso lançamentos de produtos e entregar o software para seus usuários finais. Disciplina de Ambiente: O ambiente enfoca as atividades necessárias para configurar o processo para um projeto.
  • 3. Disciplina de Configuração e Gerência de Mudança: A disciplina de Gestão de Mudança em negócios com RUP abrange três gerenciamentos específicos: de configuração, de solicitações de mudança, e de status e medição. • Gerenciamento de configuração: A gestão de configuração é responsável pela estruturação sistemática dos produtos. Artefatos como documentos e modelos, precisam estar sob controle de versão e essas alterações devem ser visíveis. Ele também mantém o controle de dependências entre artefatos para que todos os artigos relacionados sejam atualizados quando são feitas alterações • Gerenciamento de solicitações de mudança: Durante o processo de desenvolvimento de sistemas com muitos artefatos existem diversas versões. O CRM mantém o controle das propostas de mudança • Gerenciamento de status e medição: Os pedidos de mudança têm os estados: novo, conectado, aprovado, cedido e completo. A solicitação de mudança também tem atributos como a causa raiz, ou a natureza (como o defeito e valorização), prioridade, etc. Esses estados e atributos são armazenados no banco de dados para produzir relatórios úteis sobre o andamento do projeto. A Rational também tem um produto para manter a solicitações de mudança chamado ClearQuest. Estas atividades têm procedimentos a serem seguidos. O que é um artefato? É o produto de uma ou mais atividade dentro do contexto do desenvolvimento de um software. 14. Defina XP: Programação extrema (do inglês eXtreme Programming), ou simplesmente XP, é uma metodologia ágil para equipes pequenas e médias e que irão desenvolver software com requisitos vagos e em constante mudança. Para isso, adota a estratégia de constante acompanhamento e realização de vários pequenos ajustes durante o desenvolvimento de software. 15. Quais são as regras que o XP utiliza? Comunicação, simplicidade, feedback e coragem. 16. Quais são as 12 boas práticas do XP? Planejamento, fases Pequenas, metáfora, design Simples, testes, refatoração, programação pareada, propriedade coletiva, integração contínua, semana de 40 horas, cliente junto aos desenvolvedores, padronização do código. Explique a prática do XP chamada 40 horas: Trabalhar com qualidade, buscando ter ritmo de trabalho saudável (40 horas/semana, 8 horas/dia), sem horas extras. Horas extras são permitidas quando trouxerem produtividade para a execução do projeto. Outra prática que se verifica neste processo é a prática de trabalho energizado, onde se busca
  • 4. trabalho motivado sempre. Para isto o ambiente de trabalho e a motivação da equipe devem estar sempre em harmonia. Explique a prática do XP chamada fatoração: É um processo que permite a melhoria continua da programação, com o mínimo de introdução de erros e mantendo a compatibilidade com o código já existente. Refabricar melhora a clareza (leitura) do código, divide-o em módulos mais coesos e de maior reaproveitamento, evitando a duplicação de código- fonte. 19. Explique a prática do XP chamada simplicidade: A simplicidade nos ensina a implementar apenas aquilo que é suficiente para atender as necessidades atuais do cliente. Ou seja, ao codificar uma funcionalidade o desenvolvedor deve se preocupar apenas com os problemas de hoje e deixar os problemas do futuro para o futuro. Não se deve tentar prever o futuro, pois raramente obter-se-á êxito nas previsões. 20. Explique a prática do XP chamada programação em pares: É a programação em par/dupla num único computador. Geralmente a dupla é formada por um iniciante na linguagem e outra pessoa funcionando como um instrutor. Como é apenas um computador, o novato é que fica à frente fazendo a codificação, e o instrutor acompanha ajudando a desenvolver suas habilidades. Desta forma o programa sempre é revisto por duas pessoas, evitando e diminuindo assim a possibilidade de defeitos. Com isto busca-se sempre a evolução da equipe, melhorando a qualidade do código fonte gerado. 21. Explique a prática do XP chamada planejamento O desenvolvimento é feito em iterações semanais. No início da semana, desenvolvedores e cliente reúnem-se para priorizar as funcionalidades. Essa reunião recebe o nome de Jogo do Planejamento. Nela, o cliente identifica prioridades e os desenvolvedores as estimam. O cliente é essencial neste processo e assim ele fica sabendo o que está acontecendo e o que vai acontecer no projeto. Como o escopo é reavaliado semanalmente, o projeto é regido por um contrato de escopo negociável, que difere significativamente das formas tradicionais de contratação de projetos de software. Ao final de cada semana, o cliente recebe novas funcionalidades, completamente testadas e prontas para serem postas em produção. 22. Explique a prática do XP chamada feedback: Basicamente, é o processo de troca de informações, relacionadas ao que é produzido e consumido durante um projeto, entre o cliente e a equipe de desenvolvimento e vice-versa. Explique a prática do XP chamada primeiro testar:
  • 5. Primeiro crie os testes unitários (unit tests) e depois crie o código para que os testes funcionem. Explique a prática do XP chamada entregas constantes: A liberação de pequenas versões funcionais do projeto auxilia muito no processo de aceitação por parte do cliente, que já pode testar uma parte do sistema que está comprando. 25. Explique a prática do XP chamada metáfora: Procura facilitar a comunicação com o cliente, entendendo a realidade dele. O conceito de rápido para um cliente de um sistema jurídico é diferente para um programador experiente em controlar comunicação em sistemas em tempo real, como controle de tráfego aéreo. É preciso traduzir as palavras do cliente para o significado que ele espera dentro do projeto. O que a técnica Delphi orienta: Defina Scrum: O Scrum é um processo de desenvolvimento iterativo e incremental para gerenciamento de projetos e desenvolvimento ágil de software. 28. Quais são os papéis no Scrum? Scrum máster, productor sprint, equipe, proprietário do produto. O que é um sprint? Iteração que segue um ciclo de desenvolvimento e entrega de software pronto. O que é um backlog? Conjunto de requisitos, priorizados pelo dono do produto. Defina processo iterativo e incremental: É uma estratégia de planejamento estagiado em que várias partes do sistema são desenvolvidas em paralelo, e integradas quando completas. 32. RUP e Scrum são iterativos e incrementais? Sim XP e Scrum são processos iguais? Não, o scrum visa mais planejamento de requisitos. Quais as diferenças entre RUP e Scrum?
  • 6. O scrum é uma metodologia ágil, no scrum não existem papeis definidos como no RUP, o scrum por ser uma metodologia ágil é aconselhável para equipes pequenas, e com projetos com curto prazo de entrega, entre outros. 35. Quais os termos do manifesto ágil? Os indivíduos e suas interações acima de procedimentos e ferramentas, o funcionamento do software acima de documentação abrangente, a colaboração dos clientes acima da negociação de contratos, a capacidade de resposta à mudanças acima de um plano pré-estabelecido; 36 Qual o foco da análise? A análise enfatiza a investigação de um problema e os seus requisitos, ao invés da solução. 37. Qual o foco do projeto? Enfatiza uma solução conceitual que satisfaça os requisitos. 38. XP faz uso da UML? XP usa alguns diagramas UML (mais especificamente o diagrama de caso de uso) para facilitar o desenvolvimento. Mas não é uma regra usar diagramas, pelo contrário, diagramas são usados apenas quando úteis. 39. RUP e Scrum são baseados em que paradigma? Paradigma ágil, sendo o scrum melhor para projetos pequenos e o RUP para projetos de médio e grande porte. 40. O que é desenvolvimento Adhoc? Desenvolvimento que não foi devidamente projetado em razão da necessidade de atender uma demanda específica do usuário, são modelos informais utilizados pelo desenvolvedor, como por exemplo, rabiscar uma idéia pra obter mais clareza e simplificação da realidade. Porém esses modelos não possuem uma linguagem clara que possa ser compartilhada com outras pessoas facilmente. 41. O que consiste a análise orientada a objetos? Têm como meta identificar o melhor conjunto de objetos para descrever um sistema de software. O funcionamento deste sistema se dá através do relacionamento e troca de mensagens entre estes objetos. 42. Forneça 2 exemplos de processos da metodologia tradicional: RUP, cascata.
  • 7. 43. Forneça 2 exemplos de processos da metodologia ágil: Scrum, XP. 44. XP e Scrum podem conviver juntos? Sim. As boas práticas de um podem ser usadas no outro. 45. O RUP pode ser instanciado? Pode ser instanciado, porém se for instanciado por completo torna-se inviável. 46. Quais as características que devem ser avaliadas para se usar RUP? Tamanho da equipe, criticidade do projeto, complexidade dos requisitos, localização de toda a equipe, entre outros. 47. Quais as características que devem ser avaliadas para se usar Scrum? Tamanho da equipe, criticidade do projeto, complexidade dos requisitos, localização de toda a equipe, disponibilidade do cliente, entre outros. 48. Quais os diagramas da UML? Estruturais: diagrama de classes, de objetos, de instalação, de componentes de pacotes e de estruturas. Comportamentais: caso de uso, transição de estados e de atividades. Interação: diagrama de seqüência, interatividade, colaboração ou comunicação e de tempo. 49. A metáfora pode ser substituída por qual diagrama da UML? Caso de uso. 50. Qual a diferença entre desenvolver Adhoc e usando metodologia ágil? Organização, clareza, confiabilidade do software, ao usar uma metodologia evita-se problemas futuros em relação a manutenção, e se houver necessidade, o problema será resolvido mais rapidamente.