SlideShare uma empresa Scribd logo
DIGESTIBILIDADE IN SITU DA MATÉRIA SECA (MS) E PROTEÍNA
BRUTA (PB) DE FENO DE TIFTON E ALGUNS ALIMENTOS
CONCENTRADOS
Universidade Estadual de Londrina/Departamento Ciências Agrário-
Londrina, PR.
Renan Braga Paiano¹ (PROIC/Fundação Araucária-UEL) (autor); Leandro
das Dores Ferreira da Silva² (Orientador), Juliana Casarin Salomão³, Hebe
Gomez Ciuffa, Samuel Gomez Ciuffa³, Larissa Nóbrega de Carvalho, Taís
Aline Bregion dos Santos4e-mail: leandro@uel.br
1-Aluno de medicina veterinária- UEL/Londrina; 2- Aluno de medicina veterinária- UEL/Londrina; 3-
Docente e Pesquisador do Departamento de Zootecnia/CCA – UEL, Londrina; 4 doutoranda do Programa
de Pós-Graduação em Ciência Animal – UEL, Londrina.
Área: Ciências Agrárias, subárea do conhecimento: Zootecnia
Palavras-chave: torta de crambe, substituição, farelo de algodão.
Resumo
Este trabalho teve como objetivo avaliar a degradabilidade in situ, proteína
bruta (PB) e matéria seca de alguns alimentos concentrados, como: torta de
crambe, farelo de algodão, milho e feno de tifton, que é classificado como
volumoso. Foram avaliadas também algumas dietas formuladas a partir
destes alimentos. As rações foram preparadas para serem isoprotéicas,
tendo como fonte volumosa silagem de sorgo. Foi avaliada a substituição de
farelo de algodão pela torta de crambe nos níveis de 0%; 25%; 50%; 75% e
100% da matéria seca (MS) na ração.
Introdução
Um dos maiores dilemas atualmente é o uso racional dos recursos
energético, devido à escassez das fontes de combustíveis de origem fóssil.
Uma alternativa ecologicamente sustentável para aumentar a produção
diminuindo os danos ao meio ambiente são as fontes alternativas de
energia, como o biodiesel, combustível obtido de fontes renováveis.
Neste sentido há uma crescente procura sobre o crambe, (Crambe
abyssinica), planta da família das crucíferas sendo normalmente utilizado
como forragem para pasto. Durante prensagem mecânica de suas sementes
oleaginosas, é retirada grande parte do óleo para a produção do biodiesel,
conjuntamente obtém-se a torta de crambe, coproduto gerado deste
processo, que pode ser utilizada como fonte de nutrientes para os animais.
Portanto para que haja benefícios nos índices produtivos, torna-se
necessária a caracterização destes.
ANAIS DO 21º EAIC / 2º EAITI|ISSN - 1676-0018|www.eaic.uem.br
Universidade Estadual de Maringá | 9 a 11 de outubro de 2012|Maringá-PR
1
Sendo assim, a técnica de degradabilidade in situ é o método utilizado para
a avaliação da digestibilidade de alimentos e permiti o acompanhamento da
degradação ao longo do tempo. Esta consiste em manter o alimento dentro
de sacos de náilon, no interior do rúmen, permitindo íntimo contato entre o
alimento e o ambiente ruminal.
O presente trabalho teve como objetivo determinar as degradabilidades in
situ da MS e PB, em bovinos com dietas formuladas a partir de feno tifton,
milho, farelo de algodão, torta de crambe e dos alimentos separadamente.
Materiais e métodos
Este experimento foi realizado nas instalações da Unidade Experimental de
Bovinos de Corte (UNEB) da Fazenda Escola e as análises laboratoriais
foram realizadas no Laboratório de Nutrição Animal do Departamento de
Zootecnia (DZO), da Universidade Estadual de Londrina (UEL). Foram
utilizados cinco bovinos ½ sangue Holandes-Gir, com aproximadamente 24
meses de idade, pesando em média 400 kg, castrados e providos de fístulas
permanentes no rúmen. Os animais foram distribuídos em um delineamento
inteiramente casualizado, para avaliar cinco níveis: 0; 25; 50; 75; e 100% da
(MS) na ração em relação com a de torta de crambe em substituição ao
farelo de algodão. O fornecimento da ração completa aos animais foi feito
em dois arraçoamentos diários, as 8 e às 17 horas.
Foram utilizados na técnica in situ, sacos confeccionados em náilon 100%
poliamida, não resinado, medindo 14cmx7cm, com poros de 50 micrômetros,
estes foram pesados e receberam em média sete gramas de matéria seca
de cada um dos alimentos, triturados previamente em moinho dotado de
peneira com crivos de 2 mm de diâmetro. Depois de incubados, os sacos de
náilon foram retirados nos tempos 0; 3; 6; 12; 24; 48; 72 horas. O milho,
farelo de algodão, torta de crambe, feno de tifton, ou seja, todos os resíduos
remanescentes no saco foram avalidados separadamente. As
determinações da MS e a PB das amostras foram realizadas no Laboratório
de Análise de Alimentos e Nutrição Animais (LANA) conforme os
procedimentos padrões (ASSOCIATION OF OFICIAL ANALYTICAL
CHEMISTS, 1990). Os dados obtidos foram submetidos à análise de
variância e as médias pelo teste de Tukey a 5 % de probabilidade,
utilizando-se o programa SAS (SAS, 2001).
Resultados e Discussão
Observou-se efeito significativo (P 0,05) tanto na MS como na PB, pode ser˂
visualizada na tabela 1 e 2 que o feno obteve os menores valores, podem
ANAIS DO 21º EAIC / 2º EAITI|ISSN - 1676-0018|www.eaic.uem.br
Universidade Estadual de Maringá | 9 a 11 de outubro de 2012|Maringá-PR
2
ser atribuídas às diferenças na composição bromatológica das mesmas,
principalmente da FDN, FDA e lignina. Sabe-se que maiores teores destas
frações podem influenciar a degradação. De acordo com Mir et al. (1984), o
teor de óleo de um alimento incubado pode obstruir os poros dos sacos de
náilon e diminuir a degradação. Isto ocorre porque, durante o processo de
moagem o envoltório rígido da amêndoa é parcialmente pulverizado pelo
moinho e mistura-se a gordura do alimento, dificultando a passagem de
partículas pela malha da peneira (MOREIRA et al., 2003). Este fato não foi
observado quando se analisa a degradação da MS e PB do farelo de
algodão e da torta de crambe. Nestes alimentos houve desaparecimento
mais rápido nas primeiras 3 horas de incubação estabilizando-se nos demais
períodos. As médias entre os níveis de substituição se mantiveram
equivalentes sugerindo que a torta de crambe pode substituir em até 100%
ao farelo de algodão sem alterar o ambiente ruminal.
Tabela 1 – Digestibilidade total (%) da MS nos tempos de incubação de 0,
3,6,12,24,48,72 h
TEMPO (HORAS)
TRATAMENTO 0 3 6 12 24 48 72
MATÉRIA SECA
T.0 1.42 1.03 2.81 2.26 2.62 3.90 4.19ªᵇ ᵇ ᶜ ᵇ ᵇ ᵇ ᵇ
T.25 1.60 0.98 2.82 2.30 2.88 3.93 4.22ªᵇ ᵇ ᶜ ᵇ ᵇ ᵇ ᶜ ᵇ ᶜ
T.50 1.66 1.02 2.90 2.33 2.88 4.23 4.22ªᵇ ᵇ ᵇ ᵇ ᵇ ᶜ ᵈ
T.75 1.56 0.99 2.89 3.03 2.63 4.23 4.90ᵇ ᵇ ᶜ ᵇ ᶜ ᵇ ᵈ ᵇ
T.100 1.59 0.91 2.82 2.21 2.94 3.46ª 4.90ᵇ ᵇ ᵇ ᵇ ᶜ ᵇ
FENO 0.78ª 0.53 ª 1.19 ª 1.22 ª 2.06ª 3.48 ª 4.90 ᵇ
MILHO 2.32 1.25 2.90 3.16 3.84 4.80 5.76ᶜ ᶜ ᵈ ᵇ ᶜ ᵈ ᵉ ᵈ
F.ALG 3.41 1.73 3.92 3.82 4.35 4.85 5.32ᵉ ᵉ ᵈ ᵈ ᵉ ᵉ ᶜ
T.CRAM 2.95 1.47 3.43 3.82 4.29 4.21 5.32ᵈ ᵈ ᵉ ᶜ ᵈ ᵉ ᶜ ᵈ ᶜ
Tabela 2 – Digestibilidade total (%) da PB nos tempos de incubação de 0,
3,6,12,24,48,72
TEMPO(HORAS)
TRATAMENTO 0 3 6 12 24 48 72
ANAIS DO 21º EAIC / 2º EAITI|ISSN - 1676-0018|www.eaic.uem.br
Universidade Estadual de Maringá | 9 a 11 de outubro de 2012|Maringá-PR
3
PROTEÍNA BRUTA
T.0 11.31ᵇᶜ 9.95ᵇᶜ 8.73ᵇᶜ 8.7ª 11.04ᵈ 7.71ᶜ ᵈ 6.58ª
T.25 11.24ᵇᶜ 11.05ᵈ 9.78ᵈ 10.16ᵇᶜ 9.90 ᶜ 8.43ᵈ 6.73ª
T.50 11.40ᵇᶜ 10.97ᵈ 9.56ᶜᵈ 10.89ᶜ 9.72ᶜ 10.93 6.71ª
T.75 11.97ᶜ 10.36ᶜ 8.67ᵇ 10.84ᵇ 9.75ᶜ 10.85 ᵇᶜ 6.56ª
T.100 10.56ª 9.12ᵇ 9.78ᵈ 10.01ᵇ 9.45 ͨ 7.39ᵇᶜ 9.03ᵇ
FENO 10.11ª 8.13ª 7.6ª 8.17ª 6.97ᵇ 7.28ᵇᶜ 9.39ᵇ
MILHO 10.81 ᵇ 10.41 ͨᵈ 9.51ᵇ 11.9ᵈ 12.85ᵉ 11.79ᵉ 11.29ᶜ
F.ALG 19.3ᵉ 13.89ᵉ 9.6ᵈ 15.83ᵉ 6.67ᵇ 6.57 ª ᵇ 9.55ᵇ
T.CRA 17.87ᵈ 9.77ᵇ 9.69ᵈ 10.88 5.88 5.99ª 6.67ª
T.0 – 0% de substituição de farelo de algodão pela torta de crambe; T.25- 25% de substituição; T.50- 50% de
substituição; T.100- 100 % de substituição; F.ALG – farelo de algodão; T.CRAM- torta de crambe. Letras
minúsculas indicam médias diferentes (P<0,05) pelo teste de Tukey na mesma coluna.
Conclusões
A torta de crambe pode ser utilizada em até 100% de substituição ao farelo
de algodão em dietas de ovinos em confinamento, garantindo um
desempenho semelhante aos adquiridos através de métodos convencionais
de alimentação.
Agradecimentos
A Fundação Araucária e ao professor Leandro das Dores Ferreira da Silva
pelo financiamento a este projeto.
Referências
ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS. Official Methods of
Analysis, 15 ed. Virgínia: Keneth Helrich, 1990. v.1.
MIR, Z.; MAcLEOD, G. K.; BUCHANAN-SMITH, J. G.; GRIEVE, D. G.;
GROVUM, W. L. Methods for protecting soybean and canola proteins from
degradation in the rumen.Canadian Journal of Animal Science, Ottawa, v. 64,
n.4,p.853-865,1984.
MOREIRA, J. F. C.; RODRIGUÉZ, N. M.;FERNANDES, P. C. C.;
VELOSO,C. M.; SALIBA,E.O. S.; GONÇALVES, L. C.; BORGES, I.;
BORGES,A. L. C. C. Concentrados protéicos para bovinos. 1.digestibilidade
in situ da matéria seca e da proteína bruta. Arquivo Brasileiro de Medicina
Veterinária e Zootecnia, Belo Horizonte, v. 55, n. 3, p. 324-333, 2003.
ANAIS DO 21º EAIC / 2º EAITI|ISSN - 1676-0018|www.eaic.uem.br
Universidade Estadual de Maringá | 9 a 11 de outubro de 2012|Maringá-PR
4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...
CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...
CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...
Rafael Gauchinho
 
Mod. 7 - Manejo Alimentar
Mod. 7 - Manejo AlimentarMod. 7 - Manejo Alimentar
Mod. 7 - Manejo Alimentar
Portal Canal Rural
 
COMPOSTAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE ABATEDOURO AVÍCOLA
COMPOSTAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE ABATEDOURO AVÍCOLACOMPOSTAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE ABATEDOURO AVÍCOLA
COMPOSTAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE ABATEDOURO AVÍCOLA
Rafael Gauchinho
 
Dissertacao luciana matsuda_rev_20080315 (2)
Dissertacao luciana matsuda_rev_20080315 (2)Dissertacao luciana matsuda_rev_20080315 (2)
Dissertacao luciana matsuda_rev_20080315 (2)
Mônica Xavier
 
Macauba em sistema consorciado com braquiaria sob pastejo domingos queiroz final
Macauba em sistema consorciado com braquiaria sob pastejo domingos queiroz finalMacauba em sistema consorciado com braquiaria sob pastejo domingos queiroz final
Macauba em sistema consorciado com braquiaria sob pastejo domingos queiroz final
AcessoMacauba
 
1º relatorio (1)
1º relatorio (1)1º relatorio (1)
1º relatorio (1)
Nay Barreto
 
Características de crescimento capim braquiarao
Características de crescimento capim braquiaraoCaracterísticas de crescimento capim braquiarao
Características de crescimento capim braquiarao
Holosgreen - Soluções para Agronegócios
 
Avaliação do desempenho Zootécnico da Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus)...
Avaliação do desempenho Zootécnico da Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus)...Avaliação do desempenho Zootécnico da Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus)...
Avaliação do desempenho Zootécnico da Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus)...
ISPG-CHOKWE CRTT
 
Bovino de corte
Bovino de corteBovino de corte
Bovino de corte
unipampagepa
 
Utilização de óleo mineral e vegetal em ovos de galinhas poedeiras aps pico d...
Utilização de óleo mineral e vegetal em ovos de galinhas poedeiras aps pico d...Utilização de óleo mineral e vegetal em ovos de galinhas poedeiras aps pico d...
Utilização de óleo mineral e vegetal em ovos de galinhas poedeiras aps pico d...
carne
 
Avaliação de Desempenho do Processo de Manufatura do Café
Avaliação de Desempenho do Processo de Manufatura do CaféAvaliação de Desempenho do Processo de Manufatura do Café
Avaliação de Desempenho do Processo de Manufatura do Café
Lubnnia Morais
 

Mais procurados (11)

CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...
CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...
CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...
 
Mod. 7 - Manejo Alimentar
Mod. 7 - Manejo AlimentarMod. 7 - Manejo Alimentar
Mod. 7 - Manejo Alimentar
 
COMPOSTAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE ABATEDOURO AVÍCOLA
COMPOSTAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE ABATEDOURO AVÍCOLACOMPOSTAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE ABATEDOURO AVÍCOLA
COMPOSTAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE ABATEDOURO AVÍCOLA
 
Dissertacao luciana matsuda_rev_20080315 (2)
Dissertacao luciana matsuda_rev_20080315 (2)Dissertacao luciana matsuda_rev_20080315 (2)
Dissertacao luciana matsuda_rev_20080315 (2)
 
Macauba em sistema consorciado com braquiaria sob pastejo domingos queiroz final
Macauba em sistema consorciado com braquiaria sob pastejo domingos queiroz finalMacauba em sistema consorciado com braquiaria sob pastejo domingos queiroz final
Macauba em sistema consorciado com braquiaria sob pastejo domingos queiroz final
 
1º relatorio (1)
1º relatorio (1)1º relatorio (1)
1º relatorio (1)
 
Características de crescimento capim braquiarao
Características de crescimento capim braquiaraoCaracterísticas de crescimento capim braquiarao
Características de crescimento capim braquiarao
 
Avaliação do desempenho Zootécnico da Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus)...
Avaliação do desempenho Zootécnico da Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus)...Avaliação do desempenho Zootécnico da Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus)...
Avaliação do desempenho Zootécnico da Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus)...
 
Bovino de corte
Bovino de corteBovino de corte
Bovino de corte
 
Utilização de óleo mineral e vegetal em ovos de galinhas poedeiras aps pico d...
Utilização de óleo mineral e vegetal em ovos de galinhas poedeiras aps pico d...Utilização de óleo mineral e vegetal em ovos de galinhas poedeiras aps pico d...
Utilização de óleo mineral e vegetal em ovos de galinhas poedeiras aps pico d...
 
Avaliação de Desempenho do Processo de Manufatura do Café
Avaliação de Desempenho do Processo de Manufatura do CaféAvaliação de Desempenho do Processo de Manufatura do Café
Avaliação de Desempenho do Processo de Manufatura do Café
 

Destaque

Viaje india 3
Viaje india 3Viaje india 3
Viaje india 3
rfnsoto
 
三個真心的笑容
三個真心的笑容三個真心的笑容
三個真心的笑容yushene
 
Organizacion social
Organizacion socialOrganizacion social
Organizacion social
guest2cb4c9
 
Geografía física de europa
Geografía física de europa Geografía física de europa
Geografía física de europa
Edubecerra
 
Presentation1
Presentation1Presentation1
Presentation1
whynotts
 
Tadeo
TadeoTadeo
Unidad 1
Unidad 1Unidad 1
Unidad 1
OooMiranda
 
La Prehistoria
La PrehistoriaLa Prehistoria
La Prehistoria
ceipamos
 
Voltei
VolteiVoltei
Presentacion
PresentacionPresentacion
Presentacion
lolifreire
 
History 16b jessica
History 16b jessicaHistory 16b jessica
History 16b jessica
Eden Grove Academy
 
Photos Colors of the world 2
Photos Colors of the world 2Photos Colors of the world 2
Photos Colors of the world 2
Ioannis Papanikolaou
 
Wh five world_religions
Wh five world_religionsWh five world_religions
Wh five world_religions
jmseymou
 
20 Noviembre: Derechos de la Infancia
20 Noviembre: Derechos de la Infancia20 Noviembre: Derechos de la Infancia
20 Noviembre: Derechos de la Infancia
vamosaserlosmejores
 
Greek traditionswedding
Greek traditionsweddingGreek traditionswedding
Greek traditionswedding
1gympyl
 
Supervivencia
SupervivenciaSupervivencia
Supervivencia
historiamataquito
 
P R E S E N T A C I O N H U R A C A N E S
P R E S E N T A C I O N  H U R A C A N E SP R E S E N T A C I O N  H U R A C A N E S
P R E S E N T A C I O N H U R A C A N E S
historiamataquito
 
about HK in spanish
about HK in spanishabout HK in spanish
about HK in spanish
moneyfma
 

Destaque (20)

Viaje india 3
Viaje india 3Viaje india 3
Viaje india 3
 
三個真心的笑容
三個真心的笑容三個真心的笑容
三個真心的笑容
 
Organizacion social
Organizacion socialOrganizacion social
Organizacion social
 
Geografía física de europa
Geografía física de europa Geografía física de europa
Geografía física de europa
 
Presentation1
Presentation1Presentation1
Presentation1
 
Tadeo
TadeoTadeo
Tadeo
 
Unidad 1
Unidad 1Unidad 1
Unidad 1
 
La Prehistoria
La PrehistoriaLa Prehistoria
La Prehistoria
 
Voltei
VolteiVoltei
Voltei
 
Presentacion
PresentacionPresentacion
Presentacion
 
History 16b jessica
History 16b jessicaHistory 16b jessica
History 16b jessica
 
Photos Colors of the world 2
Photos Colors of the world 2Photos Colors of the world 2
Photos Colors of the world 2
 
Wh five world_religions
Wh five world_religionsWh five world_religions
Wh five world_religions
 
20 Noviembre: Derechos de la Infancia
20 Noviembre: Derechos de la Infancia20 Noviembre: Derechos de la Infancia
20 Noviembre: Derechos de la Infancia
 
Greek traditionswedding
Greek traditionsweddingGreek traditionswedding
Greek traditionswedding
 
Supervivencia
SupervivenciaSupervivencia
Supervivencia
 
Pang 3
Pang 3Pang 3
Pang 3
 
P R E S E N T A C I O N H U R A C A N E S
P R E S E N T A C I O N  H U R A C A N E SP R E S E N T A C I O N  H U R A C A N E S
P R E S E N T A C I O N H U R A C A N E S
 
about HK in spanish
about HK in spanishabout HK in spanish
about HK in spanish
 
Merci
Merci  Merci
Merci
 

Semelhante a 2671

rendimento de carcaça aves (sorgo x milho).pdf
rendimento de carcaça aves (sorgo x milho).pdfrendimento de carcaça aves (sorgo x milho).pdf
rendimento de carcaça aves (sorgo x milho).pdf
ThaiCarla
 
Palestra cactáceas
Palestra cactáceasPalestra cactáceas
Palestra cactáceas
Nilton de Brito Cavalcanti
 
1234 5109-1-pb (1)
1234 5109-1-pb (1)1234 5109-1-pb (1)
1234 5109-1-pb (1)
Lucas Ferreira
 
Calculo da c n
Calculo da c nCalculo da c n
Calculo da c n
ClaireJuliana1
 
Artigo dql
Artigo dqlArtigo dql
Artigo dql
Rogger Wins
 
Suínos em terminação alimentados com torta da polpa martolino junior final
Suínos em terminação alimentados com torta da polpa martolino junior finalSuínos em terminação alimentados com torta da polpa martolino junior final
Suínos em terminação alimentados com torta da polpa martolino junior final
AcessoMacauba
 
AAC-Estacao-de-monta.pdf - MANEJO REPRODUTIVO
AAC-Estacao-de-monta.pdf - MANEJO REPRODUTIVOAAC-Estacao-de-monta.pdf - MANEJO REPRODUTIVO
AAC-Estacao-de-monta.pdf - MANEJO REPRODUTIVO
Jussara Telma dos Santos
 
Romano 2007 milho
Romano 2007 milhoRomano 2007 milho
Romano 2007 milho
carinapivetta
 
Cnpc 2017-cot-165
Cnpc 2017-cot-165Cnpc 2017-cot-165
Cnpc 2017-cot-165
Lucas Candiotto
 
TORTA DE CUPUAÇU NA ALIMENTAÇÃO DE NELORE CONFINADOS
TORTA DE CUPUAÇU NA ALIMENTAÇÃO DE NELORE CONFINADOSTORTA DE CUPUAÇU NA ALIMENTAÇÃO DE NELORE CONFINADOS
TORTA DE CUPUAÇU NA ALIMENTAÇÃO DE NELORE CONFINADOS
Rural Pecuária
 
Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...
Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...
Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...
Romildo Marques de Farias
 
Pastagem de tifton 85.pdf
Pastagem de tifton 85.pdfPastagem de tifton 85.pdf
Pastagem de tifton 85.pdf
RegisSantos42
 
Texto sobre Confinamento
Texto sobre ConfinamentoTexto sobre Confinamento
Texto sobre Confinamento
Universidade de São Paulo
 
Moura- Produção de alimento vivo,aquicultura.
Moura- Produção de alimento vivo,aquicultura.Moura- Produção de alimento vivo,aquicultura.
Moura- Produção de alimento vivo,aquicultura.
Patrícia Oliver
 
204 638-1-pb
204 638-1-pb204 638-1-pb
204 638-1-pb
Silvana Licodiedoff
 
Caracterização físico-química de dejetos de poedeiras acumulados por diferent...
Caracterização físico-química de dejetos de poedeiras acumulados por diferent...Caracterização físico-química de dejetos de poedeiras acumulados por diferent...
Caracterização físico-química de dejetos de poedeiras acumulados por diferent...
Rafael Gauchinho
 
Tese amido nativo e modificado
Tese   amido nativo e modificadoTese   amido nativo e modificado
Tese amido nativo e modificado
Silvana Licodiedoff
 
Bovino De Leite
Bovino De LeiteBovino De Leite
Bovino De Leite
Andrea França
 
Produção de cana de-açúcar para a alimentação de bovinos
Produção de  cana de-açúcar para a  alimentação de  bovinosProdução de  cana de-açúcar para a  alimentação de  bovinos
Produção de cana de-açúcar para a alimentação de bovinos
MauroWagnerdeOliveir
 
Relações entre consumo alimentar residual, comportamento ingestivo
Relações entre consumo alimentar residual, comportamento ingestivoRelações entre consumo alimentar residual, comportamento ingestivo
Relações entre consumo alimentar residual, comportamento ingestivo
Maria Isabel Betetti
 

Semelhante a 2671 (20)

rendimento de carcaça aves (sorgo x milho).pdf
rendimento de carcaça aves (sorgo x milho).pdfrendimento de carcaça aves (sorgo x milho).pdf
rendimento de carcaça aves (sorgo x milho).pdf
 
Palestra cactáceas
Palestra cactáceasPalestra cactáceas
Palestra cactáceas
 
1234 5109-1-pb (1)
1234 5109-1-pb (1)1234 5109-1-pb (1)
1234 5109-1-pb (1)
 
Calculo da c n
Calculo da c nCalculo da c n
Calculo da c n
 
Artigo dql
Artigo dqlArtigo dql
Artigo dql
 
Suínos em terminação alimentados com torta da polpa martolino junior final
Suínos em terminação alimentados com torta da polpa martolino junior finalSuínos em terminação alimentados com torta da polpa martolino junior final
Suínos em terminação alimentados com torta da polpa martolino junior final
 
AAC-Estacao-de-monta.pdf - MANEJO REPRODUTIVO
AAC-Estacao-de-monta.pdf - MANEJO REPRODUTIVOAAC-Estacao-de-monta.pdf - MANEJO REPRODUTIVO
AAC-Estacao-de-monta.pdf - MANEJO REPRODUTIVO
 
Romano 2007 milho
Romano 2007 milhoRomano 2007 milho
Romano 2007 milho
 
Cnpc 2017-cot-165
Cnpc 2017-cot-165Cnpc 2017-cot-165
Cnpc 2017-cot-165
 
TORTA DE CUPUAÇU NA ALIMENTAÇÃO DE NELORE CONFINADOS
TORTA DE CUPUAÇU NA ALIMENTAÇÃO DE NELORE CONFINADOSTORTA DE CUPUAÇU NA ALIMENTAÇÃO DE NELORE CONFINADOS
TORTA DE CUPUAÇU NA ALIMENTAÇÃO DE NELORE CONFINADOS
 
Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...
Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...
Biodigestão anaeróbia de dejetos de poedeiras coletados após diferentes perío...
 
Pastagem de tifton 85.pdf
Pastagem de tifton 85.pdfPastagem de tifton 85.pdf
Pastagem de tifton 85.pdf
 
Texto sobre Confinamento
Texto sobre ConfinamentoTexto sobre Confinamento
Texto sobre Confinamento
 
Moura- Produção de alimento vivo,aquicultura.
Moura- Produção de alimento vivo,aquicultura.Moura- Produção de alimento vivo,aquicultura.
Moura- Produção de alimento vivo,aquicultura.
 
204 638-1-pb
204 638-1-pb204 638-1-pb
204 638-1-pb
 
Caracterização físico-química de dejetos de poedeiras acumulados por diferent...
Caracterização físico-química de dejetos de poedeiras acumulados por diferent...Caracterização físico-química de dejetos de poedeiras acumulados por diferent...
Caracterização físico-química de dejetos de poedeiras acumulados por diferent...
 
Tese amido nativo e modificado
Tese   amido nativo e modificadoTese   amido nativo e modificado
Tese amido nativo e modificado
 
Bovino De Leite
Bovino De LeiteBovino De Leite
Bovino De Leite
 
Produção de cana de-açúcar para a alimentação de bovinos
Produção de  cana de-açúcar para a  alimentação de  bovinosProdução de  cana de-açúcar para a  alimentação de  bovinos
Produção de cana de-açúcar para a alimentação de bovinos
 
Relações entre consumo alimentar residual, comportamento ingestivo
Relações entre consumo alimentar residual, comportamento ingestivoRelações entre consumo alimentar residual, comportamento ingestivo
Relações entre consumo alimentar residual, comportamento ingestivo
 

2671

  • 1. DIGESTIBILIDADE IN SITU DA MATÉRIA SECA (MS) E PROTEÍNA BRUTA (PB) DE FENO DE TIFTON E ALGUNS ALIMENTOS CONCENTRADOS Universidade Estadual de Londrina/Departamento Ciências Agrário- Londrina, PR. Renan Braga Paiano¹ (PROIC/Fundação Araucária-UEL) (autor); Leandro das Dores Ferreira da Silva² (Orientador), Juliana Casarin Salomão³, Hebe Gomez Ciuffa, Samuel Gomez Ciuffa³, Larissa Nóbrega de Carvalho, Taís Aline Bregion dos Santos4e-mail: leandro@uel.br 1-Aluno de medicina veterinária- UEL/Londrina; 2- Aluno de medicina veterinária- UEL/Londrina; 3- Docente e Pesquisador do Departamento de Zootecnia/CCA – UEL, Londrina; 4 doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal – UEL, Londrina. Área: Ciências Agrárias, subárea do conhecimento: Zootecnia Palavras-chave: torta de crambe, substituição, farelo de algodão. Resumo Este trabalho teve como objetivo avaliar a degradabilidade in situ, proteína bruta (PB) e matéria seca de alguns alimentos concentrados, como: torta de crambe, farelo de algodão, milho e feno de tifton, que é classificado como volumoso. Foram avaliadas também algumas dietas formuladas a partir destes alimentos. As rações foram preparadas para serem isoprotéicas, tendo como fonte volumosa silagem de sorgo. Foi avaliada a substituição de farelo de algodão pela torta de crambe nos níveis de 0%; 25%; 50%; 75% e 100% da matéria seca (MS) na ração. Introdução Um dos maiores dilemas atualmente é o uso racional dos recursos energético, devido à escassez das fontes de combustíveis de origem fóssil. Uma alternativa ecologicamente sustentável para aumentar a produção diminuindo os danos ao meio ambiente são as fontes alternativas de energia, como o biodiesel, combustível obtido de fontes renováveis. Neste sentido há uma crescente procura sobre o crambe, (Crambe abyssinica), planta da família das crucíferas sendo normalmente utilizado como forragem para pasto. Durante prensagem mecânica de suas sementes oleaginosas, é retirada grande parte do óleo para a produção do biodiesel, conjuntamente obtém-se a torta de crambe, coproduto gerado deste processo, que pode ser utilizada como fonte de nutrientes para os animais. Portanto para que haja benefícios nos índices produtivos, torna-se necessária a caracterização destes. ANAIS DO 21º EAIC / 2º EAITI|ISSN - 1676-0018|www.eaic.uem.br Universidade Estadual de Maringá | 9 a 11 de outubro de 2012|Maringá-PR 1
  • 2. Sendo assim, a técnica de degradabilidade in situ é o método utilizado para a avaliação da digestibilidade de alimentos e permiti o acompanhamento da degradação ao longo do tempo. Esta consiste em manter o alimento dentro de sacos de náilon, no interior do rúmen, permitindo íntimo contato entre o alimento e o ambiente ruminal. O presente trabalho teve como objetivo determinar as degradabilidades in situ da MS e PB, em bovinos com dietas formuladas a partir de feno tifton, milho, farelo de algodão, torta de crambe e dos alimentos separadamente. Materiais e métodos Este experimento foi realizado nas instalações da Unidade Experimental de Bovinos de Corte (UNEB) da Fazenda Escola e as análises laboratoriais foram realizadas no Laboratório de Nutrição Animal do Departamento de Zootecnia (DZO), da Universidade Estadual de Londrina (UEL). Foram utilizados cinco bovinos ½ sangue Holandes-Gir, com aproximadamente 24 meses de idade, pesando em média 400 kg, castrados e providos de fístulas permanentes no rúmen. Os animais foram distribuídos em um delineamento inteiramente casualizado, para avaliar cinco níveis: 0; 25; 50; 75; e 100% da (MS) na ração em relação com a de torta de crambe em substituição ao farelo de algodão. O fornecimento da ração completa aos animais foi feito em dois arraçoamentos diários, as 8 e às 17 horas. Foram utilizados na técnica in situ, sacos confeccionados em náilon 100% poliamida, não resinado, medindo 14cmx7cm, com poros de 50 micrômetros, estes foram pesados e receberam em média sete gramas de matéria seca de cada um dos alimentos, triturados previamente em moinho dotado de peneira com crivos de 2 mm de diâmetro. Depois de incubados, os sacos de náilon foram retirados nos tempos 0; 3; 6; 12; 24; 48; 72 horas. O milho, farelo de algodão, torta de crambe, feno de tifton, ou seja, todos os resíduos remanescentes no saco foram avalidados separadamente. As determinações da MS e a PB das amostras foram realizadas no Laboratório de Análise de Alimentos e Nutrição Animais (LANA) conforme os procedimentos padrões (ASSOCIATION OF OFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS, 1990). Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância e as médias pelo teste de Tukey a 5 % de probabilidade, utilizando-se o programa SAS (SAS, 2001). Resultados e Discussão Observou-se efeito significativo (P 0,05) tanto na MS como na PB, pode ser˂ visualizada na tabela 1 e 2 que o feno obteve os menores valores, podem ANAIS DO 21º EAIC / 2º EAITI|ISSN - 1676-0018|www.eaic.uem.br Universidade Estadual de Maringá | 9 a 11 de outubro de 2012|Maringá-PR 2
  • 3. ser atribuídas às diferenças na composição bromatológica das mesmas, principalmente da FDN, FDA e lignina. Sabe-se que maiores teores destas frações podem influenciar a degradação. De acordo com Mir et al. (1984), o teor de óleo de um alimento incubado pode obstruir os poros dos sacos de náilon e diminuir a degradação. Isto ocorre porque, durante o processo de moagem o envoltório rígido da amêndoa é parcialmente pulverizado pelo moinho e mistura-se a gordura do alimento, dificultando a passagem de partículas pela malha da peneira (MOREIRA et al., 2003). Este fato não foi observado quando se analisa a degradação da MS e PB do farelo de algodão e da torta de crambe. Nestes alimentos houve desaparecimento mais rápido nas primeiras 3 horas de incubação estabilizando-se nos demais períodos. As médias entre os níveis de substituição se mantiveram equivalentes sugerindo que a torta de crambe pode substituir em até 100% ao farelo de algodão sem alterar o ambiente ruminal. Tabela 1 – Digestibilidade total (%) da MS nos tempos de incubação de 0, 3,6,12,24,48,72 h TEMPO (HORAS) TRATAMENTO 0 3 6 12 24 48 72 MATÉRIA SECA T.0 1.42 1.03 2.81 2.26 2.62 3.90 4.19ªᵇ ᵇ ᶜ ᵇ ᵇ ᵇ ᵇ T.25 1.60 0.98 2.82 2.30 2.88 3.93 4.22ªᵇ ᵇ ᶜ ᵇ ᵇ ᵇ ᶜ ᵇ ᶜ T.50 1.66 1.02 2.90 2.33 2.88 4.23 4.22ªᵇ ᵇ ᵇ ᵇ ᵇ ᶜ ᵈ T.75 1.56 0.99 2.89 3.03 2.63 4.23 4.90ᵇ ᵇ ᶜ ᵇ ᶜ ᵇ ᵈ ᵇ T.100 1.59 0.91 2.82 2.21 2.94 3.46ª 4.90ᵇ ᵇ ᵇ ᵇ ᶜ ᵇ FENO 0.78ª 0.53 ª 1.19 ª 1.22 ª 2.06ª 3.48 ª 4.90 ᵇ MILHO 2.32 1.25 2.90 3.16 3.84 4.80 5.76ᶜ ᶜ ᵈ ᵇ ᶜ ᵈ ᵉ ᵈ F.ALG 3.41 1.73 3.92 3.82 4.35 4.85 5.32ᵉ ᵉ ᵈ ᵈ ᵉ ᵉ ᶜ T.CRAM 2.95 1.47 3.43 3.82 4.29 4.21 5.32ᵈ ᵈ ᵉ ᶜ ᵈ ᵉ ᶜ ᵈ ᶜ Tabela 2 – Digestibilidade total (%) da PB nos tempos de incubação de 0, 3,6,12,24,48,72 TEMPO(HORAS) TRATAMENTO 0 3 6 12 24 48 72 ANAIS DO 21º EAIC / 2º EAITI|ISSN - 1676-0018|www.eaic.uem.br Universidade Estadual de Maringá | 9 a 11 de outubro de 2012|Maringá-PR 3
  • 4. PROTEÍNA BRUTA T.0 11.31ᵇᶜ 9.95ᵇᶜ 8.73ᵇᶜ 8.7ª 11.04ᵈ 7.71ᶜ ᵈ 6.58ª T.25 11.24ᵇᶜ 11.05ᵈ 9.78ᵈ 10.16ᵇᶜ 9.90 ᶜ 8.43ᵈ 6.73ª T.50 11.40ᵇᶜ 10.97ᵈ 9.56ᶜᵈ 10.89ᶜ 9.72ᶜ 10.93 6.71ª T.75 11.97ᶜ 10.36ᶜ 8.67ᵇ 10.84ᵇ 9.75ᶜ 10.85 ᵇᶜ 6.56ª T.100 10.56ª 9.12ᵇ 9.78ᵈ 10.01ᵇ 9.45 ͨ 7.39ᵇᶜ 9.03ᵇ FENO 10.11ª 8.13ª 7.6ª 8.17ª 6.97ᵇ 7.28ᵇᶜ 9.39ᵇ MILHO 10.81 ᵇ 10.41 ͨᵈ 9.51ᵇ 11.9ᵈ 12.85ᵉ 11.79ᵉ 11.29ᶜ F.ALG 19.3ᵉ 13.89ᵉ 9.6ᵈ 15.83ᵉ 6.67ᵇ 6.57 ª ᵇ 9.55ᵇ T.CRA 17.87ᵈ 9.77ᵇ 9.69ᵈ 10.88 5.88 5.99ª 6.67ª T.0 – 0% de substituição de farelo de algodão pela torta de crambe; T.25- 25% de substituição; T.50- 50% de substituição; T.100- 100 % de substituição; F.ALG – farelo de algodão; T.CRAM- torta de crambe. Letras minúsculas indicam médias diferentes (P<0,05) pelo teste de Tukey na mesma coluna. Conclusões A torta de crambe pode ser utilizada em até 100% de substituição ao farelo de algodão em dietas de ovinos em confinamento, garantindo um desempenho semelhante aos adquiridos através de métodos convencionais de alimentação. Agradecimentos A Fundação Araucária e ao professor Leandro das Dores Ferreira da Silva pelo financiamento a este projeto. Referências ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS. Official Methods of Analysis, 15 ed. Virgínia: Keneth Helrich, 1990. v.1. MIR, Z.; MAcLEOD, G. K.; BUCHANAN-SMITH, J. G.; GRIEVE, D. G.; GROVUM, W. L. Methods for protecting soybean and canola proteins from degradation in the rumen.Canadian Journal of Animal Science, Ottawa, v. 64, n.4,p.853-865,1984. MOREIRA, J. F. C.; RODRIGUÉZ, N. M.;FERNANDES, P. C. C.; VELOSO,C. M.; SALIBA,E.O. S.; GONÇALVES, L. C.; BORGES, I.; BORGES,A. L. C. C. Concentrados protéicos para bovinos. 1.digestibilidade in situ da matéria seca e da proteína bruta. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, Belo Horizonte, v. 55, n. 3, p. 324-333, 2003. ANAIS DO 21º EAIC / 2º EAITI|ISSN - 1676-0018|www.eaic.uem.br Universidade Estadual de Maringá | 9 a 11 de outubro de 2012|Maringá-PR 4