SlideShare uma empresa Scribd logo
153Em Extensão, Uberlândia, v. 12, n. 2, p. 153-157, jul. / dez. 2013.
O POETA, A CRENTE E O BERRANTE: OFICINAS DE TEATRO NO PROJETO
RONDON EM SÃO BENEDITO DO RIO PRETO-MA
Taís Ferreira1
RESUMO: Este relato de experiência visa comentar os encontros entre a professora coordenadora
das oficinas de teatro, planejadas e realizadas no âmbito do Projeto Rondon, Operação Catirina,
no município de São Benedito do Rio Preto, Maranhão, em julho de 2010, e mais de 100 jovens
(dos quais três deles especialmente referidos), em espaços-tempo formativos, nos quais se
entrelaçam a construção de identidades e de sensibilidades.
PALAVRAS-CHAVE: Oficinas de teatro. Jovens. Projeto Rondon.
The poet, the devout and the blowing horn: theater workshops in the Rondon project in São
Benedito do Rio Preto, Maranhão State, Brazil
ABSTRACT: This experience report discusses the meetings between the tutor teacher of theater
workshopsandmorethan100youngpeople(ofwhichthreeofthemarespecificallymentioned).The
workshops were planned and carried out through the “Rondon Project, Catirina Operation” (Projeto
Rondon, Operação Catirina), in formative spaces and times, in which the construction of identities
andsensibilitiesintertwine.TheywereheldinSãoBeneditodoRioPreto,Maranhãostate,July,2010.
KEYWORDS: Theater workshops. Young people. Rondon Project.
INTRODUÇÃO
Todos nós (ou quase todos), aos treze ou quatorze anos de idade, achamos que temos alguma
ingerência sobre o mundo que nos cerca e que podemos transformá-lo a partir de nossas ações
e vontades. Alguns poucos anos vividos nos mostram a ingenuidade destes pensamentos e,
frequentemente, nos deixamos tomar pela apatia: o mundo não vai mudar mesmo, de que me
adianta sofrer pelos outros? Vou pensar em mim, construir minha vida, minha carreira, minhas
relações, ter um hobby como jogar vôlei ou praticar yoga e esquecer das mazelas dos homens, dos
animais, dos vegetais e do mundo. Na minha torneira tem água, na padaria tem pão, a internet está
funcionandoeéissooqueimporta.Claro,sempreébomqueagasolinanãoestejatãocaratambém...
Este é o percurso existencial que atravessa a constituição identitária de boa parte dos jovens de
classe média hoje no Brasil. Comigo não foi diferente.Ainda sou jovem, uma jovem professora,
mas agora que entro na plena vida adulta, percebo que os últimos dez anos de minha vida (este é o
tempo em que me formei, ingressei no mercado de trabalho e constituí-me como não adolescente,
ou seja, adulta, com plenas responsabilidades e com os fardos e as obrigações da vida adulta)
1
 Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, professora do Núcleo deArtes Cênicas do Centro deArtes da Universidade
Federal de Pelotas (taisferreirars@yahoo.com.br).
154 Em Extensão, Uberlândia, v. 12, n. 2, p. 153-157, jul. / dez. 2013.
guardaram uma centelha daquela vontade da menina de quatorze anos que chorava pelos cantos
da casa porque a mãe não a deixou atravessar o Brasil de ônibus para participar do Congresso
da UNE (União Nacional dos Estudantes) e da rapariga falante que, aos doze anos, participou do
“Fora Collor” e foi uma “cara-pintada” e, ainda que o movimento tenha se tornado uma espécie
de alegoria da década de1990, o sentimento de muitos dos jovens ali, como o meu, foi verdadeiro
e repercutiu em nossas posições éticas e políticas perante a vida, as coisas e os homens.
O ano de 2010 fez-me retomar uma série destas crenças adolescentes e pré-adolescentes, com as
quaisagoraestouempenhada,nãomaisnabuscavãdesalvaromundo,masnatentativaesforçadade
alcançareatravessar,pormeiodeminhasações,algunsmundos–pequenosmundos–comoomundo
do poeta, o mundo da crente e o mundo do tocador de berrante, sobre os quais se sustenta este relato.
O Poeta
Estávamos na cidade de São Benedito do Rio Preto-MA, trabalhando já há uma semana, todas as
noites, com um enorme grupo de jovens da cidade, em uma oficina de teatro, eu, uma aluna da
Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e um aluno da Universidade de Taubaté (UNITAU)2
.
Tudo corria bem, jovens contentes, corpos vivos, disposição e alegria. Eram quase noventa jovens
e, depois de uma semana, já podíamos distinguir aqueles mais interessados e esforçados dos que ali
estavam para se divertir e conviver (função legítima também esta, de uma oficina livre de teatro).
Noentanto,opoetamostrava-se,desdeoinício,atentoecompenetradoemtodososjogoseexercícios
propostos. Com o passar dos dias, nas conversas de início e final de aula, descobrimos que o rapaz
de 23 anos morava e trabalhava na zona rural com a mãe e suas irmãs mais novas, que seu pai havia
morrido há poucos meses, que ele andava (pasmem!) 45 minutos de bicicleta pela estrada de chão,
todos os dias, ida e volta, para estar na oficina. Uma enorme cicatriz cortava a face do jovem moreno
e de fala mansa. Ele nos contou que, trabalhando na roça, fora picado no rosto por uma cobra muito
venenosa e que ficara um ano internado em um hospital de São Luís, na capital, onde quase morrera.
Por tudo isso o jovem já seria motivo de muita admiração, não fosse ele me surpreender em um
final de aula com a seguinte pergunta: “Professora, para ter teatro precisa ter texto?”. Respondo
que não, que da mesma forma que trabalhávamos na oficina com improvisações, eles também
poderiam criar a partir daquilo que tivessem vontade. “Ah, é que eu escrevo, eu sou poeta”,
respondeu-me acanhadamente, estendendo-me uma folha de caderno dobrada várias vezes e
dizendo: “Quer ler, professora? Eu fiz para o meu pai que morreu...”.
Peguei a folha, levei para casa, li. No outro dia, pedi uma cópia, que o poeta me entregou na outra
aula, passada a limpo a caneta, de próprio punho. Ele disse-me que queria ser escritor, que sonhava
em cursar Letras. Em nosso último dia na cidade, o poeta nos trouxe uma carta, que ele mesmo
escrevera e queria ler antes da apresentação, na qual nos agradecia e falava da importância que a
oficina teve para aqueles jovens e da sua vontade de dar continuidade ao trabalho. Tudo lento, tudo
manso, como ele, o jovem poeta que sobreviveu à cobra e agora podia sonhar e escrever poesia.
2
 Os rondonistas referidos são, respectivamente, Lucia Elaine Berndt e Jardel Narezi.
155Em Extensão, Uberlândia, v. 12, n. 2, p. 153-157, jul. / dez. 2013.
A Crente
Agorduchinha baixinha chegou rindo: cochichando pelos cantos e soltando risinhos tímidos. De
saia.Assim foi a primeira aula, ela de saia, rindo e cochichando. No segundo dia, ela para do meu
lado e pergunta: “Tô bonita, professora?”. Eu olho para ela, não vejo nada de novo e respondo que
sim. “Ai, professora, é que é a primeira vez que eu saio de casa de bermuda!”. A menina era de
uma religião evangélica que não permite às mulheres usarem calças e bermudas, somente saias.
E a gorduchinha abre um sorriso largo, emoldurado pelas molinhas do cabelo cacheado bem
arrumadinho. Pequenas ações que representam desprendimento e vontade de participar, mesmo
que tendo que abrir mão de algumas convicções religiosas. E a baixinha de sorriso largo e riso
fácil tornou-se minha amiga: além de participar da oficina de teatro todas as noites, cursou toda
a oficina de confecção de fantoches de papel machê, ministrada por mim no período da manhã.
Rimos muito juntas. Ela me contou do seu “noivo secreto”, perguntou sobre como era “aqui no
Sul”, se eu era casada, se tinha filhos e , por várias vezes, repetiu a frase que mais me fez rir
naqueles dias de São Benedito: “Ai, professora, o que que a senhora acha? Eu sou crente, mas
eu sou feliz! Eu gosto mesmo é de dançar e rebolar!”.
E nos divertimos juntas, entre “rebolations” tocados no rádio e histórias contadas, entre papel
machê e tintas coloridas, porque a baixinha contente “era crente, mas gostava de se divertir”.
E, assim, vemos nossos preconceitos aos poucos serem desconstruídos pelas pessoas, por suas
ações, suas falas, suas intenções. Construímos, no lugar deles, uma nova visão do nosso próprio
mundo e do modo como lidamos com as pessoas e com as situações que vivenciamos.
O berrante
O berrante (instrumento típico dos vaqueiros da região), aqui tratado, esteve durante parte da
oficina de teatro nos braços de um dos alunos mais eficientes e dedicados que já tive e simboliza
o belo trabalho que a equipe do teatro realizou na Operação Catirina, durante o Projeto Rondon
2010. Durante duas semanas, todas as noites, jovens entre 11 e 25 anos estiveram conosco,
brincando e fazendo teatro, com seus corpos agindo e colocando-se, criando e experienciando
vivências até então inéditas em suas histórias, contando-nos sobre suas vidas e realidades,
trocando conosco e se apropriando avidamente de tudo aquilo que apresentávamos a eles, em
uma enorme sede de sorver aqueles momentos.
O berrante fez parte de uma apresentação em praça pública, realizada com os noventa alunos
e alunas da oficina de teatro em São Benedito do Rio Preto-MA. Por meio de seus corpos,
eles contaram suas próprias histórias e brincaram com o imaginário que tinham de um Sul tão
longínquo quanto o Rio Grande do Sul, de onde vínhamos, e de um São Paulo, mais próximo
geograficamente, mas tão distante deles culturalmente quanto os gaúchos ali presentes.
Praticamentetodososparticipantesconcordaramemparticipardaapresentação,mesmotendoquese
156 Em Extensão, Uberlândia, v. 12, n. 2, p. 153-157, jul. / dez. 2013.
exporabertamenteempraçapúblicalotada,cumprenotar,comgrandepartedapopulaçãolocalpresente.
Os jovens foram chegando, fulgurantes, de branco (havíamos combinado que todos iriam
vestidos com roupas brancas), excitados. A minha “alegre crente”, empolgada, cuidava
da banca de exposição dos fantoches e queria dublar uma música, que, infelizmente, não
houve como inserir na programação, que já era extensa. Nosso “poeta” leu seu texto de
agradecimento. E o dedicado Marquinho, que já havia escalado a fachada da igreja, à tarde,
para trocar as lâmpadas e preparar tudo para a apresentação da noite, absolutamente engajado
em nossa proposta, toca seu berrante. Damos início ao espetáculo. Em vinte minutos, todos
nós éramos outros: havíamos aprendido uns com os outros e levávamos um pouco uns dos
outros conosco. Fomos atravessados por aquilo que chamamos de experiência: que nos marca,
que deixa sulcos em nossos corpos e nossas almas, que nos (trans)forma (LARROSA, 2000).
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Agora,adulta,atravessadaquefuipelosolhosbrilhantesepelaempolgaçãodaquelesjovenshumildes
– muitos da roça, muitos trabalhadores braçais, uns evangélicos, alguns assaz católicos, outros com
poucas perspectivas em suas vidas, todos com sonhos – sinto-me um pouco novamente aquela que
teve treze anos e acreditou na mudança, de forma ingênua, mas que faz nascer dentro da gente uma
esperançaquetrazavontadedeviver,deagiredeserelacionarcomahumanidadeeomundoquenos
cerca. Essas são lições que aprendemos, sempre, sem que ninguém nos diga que está nos ensinando.
AGRADECIMENTOS
Agradeço ao poeta, à crente e ao berrante (que simbolizam todos aqueles 90 jovens maranhenses)
que me ensinaram a ter, novamente, treze anos.
REFERÊNCIAS
LARROSA, J. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Tradução de João Wanderley
Geraldi. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002.
Submetido em 17 de outubro de 2012.
Aprovado em 7 de janeiro de 2013.
157Em Extensão, Uberlândia, v. 12, n. 2, p. 153-157, jul. / dez. 2013.
ANEXOS
Fonte: Acervo da autora.
Figura 1 – Jovens na oficina de teatro, conduzidos pelo rondonista (em
pé) em exercício de relaxamento e imaginação.
Figura 2 – Jovens confeccionando bonecos na oficina de fantoches.
Fonte: Acervo da autora.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Programas de espetáculo como gênero: relações com a produção teatral para cri...
Programas de espetáculo como gênero: relações com a produção teatral para cri...Programas de espetáculo como gênero: relações com a produção teatral para cri...
Programas de espetáculo como gênero: relações com a produção teatral para cri...
Taís Ferreira
 
Platéias sem teto - abrace 2008
Platéias sem teto - abrace 2008Platéias sem teto - abrace 2008
Platéias sem teto - abrace 2008
Taís Ferreira
 
Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira
Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreiraPor uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira
Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira
Taís Ferreira
 
Pelo devir de uma historiografia do teatro gaucho
Pelo devir de uma historiografia do teatro gauchoPelo devir de uma historiografia do teatro gaucho
Pelo devir de uma historiografia do teatro gaucho
Taís Ferreira
 
Moitará e oigalê o jogo das identidades populares brasileiras e a commedia ...
Moitará e oigalê   o jogo das identidades populares brasileiras e a commedia ...Moitará e oigalê   o jogo das identidades populares brasileiras e a commedia ...
Moitará e oigalê o jogo das identidades populares brasileiras e a commedia ...
Taís Ferreira
 
Teatro de rua, recepção e identidades: Oigalê, tchê! (2010)
Teatro de rua, recepção e identidades: Oigalê, tchê! (2010)Teatro de rua, recepção e identidades: Oigalê, tchê! (2010)
Teatro de rua, recepção e identidades: Oigalê, tchê! (2010)
Taís Ferreira
 
Representações de infâncias nos palcos gaúchos ou Como são os personagens-cri...
Representações de infâncias nos palcos gaúchos ou Como são os personagens-cri...Representações de infâncias nos palcos gaúchos ou Como são os personagens-cri...
Representações de infâncias nos palcos gaúchos ou Como são os personagens-cri...
Taís Ferreira
 
CONTAR HISTÓRIAS, UMA ARTE MAIOR ( Celso Sisto)
CONTAR HISTÓRIAS, UMA ARTE MAIOR ( Celso Sisto)CONTAR HISTÓRIAS, UMA ARTE MAIOR ( Celso Sisto)
CONTAR HISTÓRIAS, UMA ARTE MAIOR ( Celso Sisto)
Rossita Figueira
 
Artefatos culturais para infância e a escola
Artefatos culturais para infância e a escolaArtefatos culturais para infância e a escola
Artefatos culturais para infância e a escola
Taís Ferreira
 
As infâncias no teatro para crianças revista art& 01
As infâncias no teatro para crianças   revista art& 01As infâncias no teatro para crianças   revista art& 01
As infâncias no teatro para crianças revista art& 01
Taís Ferreira
 
Fora de cena, no palco da modernidade um estudo do pensamento teatral de herm...
Fora de cena, no palco da modernidade um estudo do pensamento teatral de herm...Fora de cena, no palco da modernidade um estudo do pensamento teatral de herm...
Fora de cena, no palco da modernidade um estudo do pensamento teatral de herm...
Soniacps8
 
TEATRO E EDUCAÇÃO FORMAL - Maria Lúcia Pupo
TEATRO E EDUCAÇÃO FORMAL - Maria Lúcia PupoTEATRO E EDUCAÇÃO FORMAL - Maria Lúcia Pupo
TEATRO E EDUCAÇÃO FORMAL - Maria Lúcia Pupo
PIBID_Teatro2014
 
Jornada Literária Portal do Sertão
Jornada Literária Portal do SertãoJornada Literária Portal do Sertão
Jornada Literária Portal do Sertão
trupegogodaema
 
Identidades no contexto escolar livro
Identidades no contexto escolar   livroIdentidades no contexto escolar   livro
Identidades no contexto escolar livro
Taís Ferreira
 
Os textos de memória
Os textos de memóriaOs textos de memória
Os textos de memória
Paula Angelo
 
14465604 linguagemteatral
14465604 linguagemteatral14465604 linguagemteatral
14465604 linguagemteatral
Enilde Diniz
 
Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 44
Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 44Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 44
Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 44
Valter Gomes
 
Livro faz teatro o ensino de teatro na ed. infantil e no ensino fundamental
Livro faz teatro   o ensino de teatro na ed. infantil e no ensino fundamentalLivro faz teatro   o ensino de teatro na ed. infantil e no ensino fundamental
Livro faz teatro o ensino de teatro na ed. infantil e no ensino fundamental
Helena Romero
 
Para uma educação da sensibilidade | Por: Maria Cristina Meirelles Toledo Cruz
Para uma educação da sensibilidade | Por: Maria Cristina Meirelles Toledo CruzPara uma educação da sensibilidade | Por: Maria Cristina Meirelles Toledo Cruz
Para uma educação da sensibilidade | Por: Maria Cristina Meirelles Toledo Cruz
institutobrincante
 
Poesias
PoesiasPoesias

Mais procurados (20)

Programas de espetáculo como gênero: relações com a produção teatral para cri...
Programas de espetáculo como gênero: relações com a produção teatral para cri...Programas de espetáculo como gênero: relações com a produção teatral para cri...
Programas de espetáculo como gênero: relações com a produção teatral para cri...
 
Platéias sem teto - abrace 2008
Platéias sem teto - abrace 2008Platéias sem teto - abrace 2008
Platéias sem teto - abrace 2008
 
Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira
Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreiraPor uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira
Por uma (des)necessária pedagogia do espectador taís ferreira
 
Pelo devir de uma historiografia do teatro gaucho
Pelo devir de uma historiografia do teatro gauchoPelo devir de uma historiografia do teatro gaucho
Pelo devir de uma historiografia do teatro gaucho
 
Moitará e oigalê o jogo das identidades populares brasileiras e a commedia ...
Moitará e oigalê   o jogo das identidades populares brasileiras e a commedia ...Moitará e oigalê   o jogo das identidades populares brasileiras e a commedia ...
Moitará e oigalê o jogo das identidades populares brasileiras e a commedia ...
 
Teatro de rua, recepção e identidades: Oigalê, tchê! (2010)
Teatro de rua, recepção e identidades: Oigalê, tchê! (2010)Teatro de rua, recepção e identidades: Oigalê, tchê! (2010)
Teatro de rua, recepção e identidades: Oigalê, tchê! (2010)
 
Representações de infâncias nos palcos gaúchos ou Como são os personagens-cri...
Representações de infâncias nos palcos gaúchos ou Como são os personagens-cri...Representações de infâncias nos palcos gaúchos ou Como são os personagens-cri...
Representações de infâncias nos palcos gaúchos ou Como são os personagens-cri...
 
CONTAR HISTÓRIAS, UMA ARTE MAIOR ( Celso Sisto)
CONTAR HISTÓRIAS, UMA ARTE MAIOR ( Celso Sisto)CONTAR HISTÓRIAS, UMA ARTE MAIOR ( Celso Sisto)
CONTAR HISTÓRIAS, UMA ARTE MAIOR ( Celso Sisto)
 
Artefatos culturais para infância e a escola
Artefatos culturais para infância e a escolaArtefatos culturais para infância e a escola
Artefatos culturais para infância e a escola
 
As infâncias no teatro para crianças revista art& 01
As infâncias no teatro para crianças   revista art& 01As infâncias no teatro para crianças   revista art& 01
As infâncias no teatro para crianças revista art& 01
 
Fora de cena, no palco da modernidade um estudo do pensamento teatral de herm...
Fora de cena, no palco da modernidade um estudo do pensamento teatral de herm...Fora de cena, no palco da modernidade um estudo do pensamento teatral de herm...
Fora de cena, no palco da modernidade um estudo do pensamento teatral de herm...
 
TEATRO E EDUCAÇÃO FORMAL - Maria Lúcia Pupo
TEATRO E EDUCAÇÃO FORMAL - Maria Lúcia PupoTEATRO E EDUCAÇÃO FORMAL - Maria Lúcia Pupo
TEATRO E EDUCAÇÃO FORMAL - Maria Lúcia Pupo
 
Jornada Literária Portal do Sertão
Jornada Literária Portal do SertãoJornada Literária Portal do Sertão
Jornada Literária Portal do Sertão
 
Identidades no contexto escolar livro
Identidades no contexto escolar   livroIdentidades no contexto escolar   livro
Identidades no contexto escolar livro
 
Os textos de memória
Os textos de memóriaOs textos de memória
Os textos de memória
 
14465604 linguagemteatral
14465604 linguagemteatral14465604 linguagemteatral
14465604 linguagemteatral
 
Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 44
Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 44Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 44
Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 44
 
Livro faz teatro o ensino de teatro na ed. infantil e no ensino fundamental
Livro faz teatro   o ensino de teatro na ed. infantil e no ensino fundamentalLivro faz teatro   o ensino de teatro na ed. infantil e no ensino fundamental
Livro faz teatro o ensino de teatro na ed. infantil e no ensino fundamental
 
Para uma educação da sensibilidade | Por: Maria Cristina Meirelles Toledo Cruz
Para uma educação da sensibilidade | Por: Maria Cristina Meirelles Toledo CruzPara uma educação da sensibilidade | Por: Maria Cristina Meirelles Toledo Cruz
Para uma educação da sensibilidade | Por: Maria Cristina Meirelles Toledo Cruz
 
Poesias
PoesiasPoesias
Poesias
 

Semelhante a O Poeta, a crente e o berrante

Suri[1]poscrivo.pdf
Suri[1]poscrivo.pdfSuri[1]poscrivo.pdf
Suri[1]poscrivo.pdf
AlexandreKragabrek
 
HOJE É DIA DE TEATRO
HOJE É DIA DE TEATROHOJE É DIA DE TEATRO
HOJE É DIA DE TEATRO
Marisa Seara
 
Suri.pdf
Suri.pdfSuri.pdf
Suri.pdf
usesolues
 
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIX
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIXFolhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIX
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIX
Valter Gomes
 
Atividade formacao e serviço
Atividade  formacao e serviçoAtividade  formacao e serviço
Atividade formacao e serviço
MARYBACELA
 
498 an 22_outubro_2014.ok
498 an 22_outubro_2014.ok498 an 22_outubro_2014.ok
498 an 22_outubro_2014.ok
Roberto Rabat Chame
 
A literatura e o mundo
A literatura e o mundoA literatura e o mundo
A literatura e o mundo
Franquilim Cerqueira
 
Tcc
TccTcc
A dança de augusto omolú
A dança de augusto omolúA dança de augusto omolú
A dança de augusto omolú
Denilson José Olúwáfẹ́mi
 
TCC_Jornalismo
TCC_JornalismoTCC_Jornalismo
TCC_Jornalismo
Alessandra Pecoraro
 
Contos e Cantos 2018
Contos e Cantos 2018Contos e Cantos 2018
Contos e Cantos 2018
Dennis123123
 
Relatos dos alunos sobre a Conferência Suzuki em Minneapolis 2014
Relatos dos alunos sobre a Conferência Suzuki em Minneapolis 2014Relatos dos alunos sobre a Conferência Suzuki em Minneapolis 2014
Relatos dos alunos sobre a Conferência Suzuki em Minneapolis 2014
Renata Pereira
 
Boletim informativo3 2014_2015
Boletim informativo3 2014_2015Boletim informativo3 2014_2015
Boletim informativo3 2014_2015
Risoleta Montez
 
O rádio como ator
O rádio como atorO rádio como ator
O rádio como ator
BarBlanco
 
Wyty_-_Música_e_Conhecimento_Krikati_-_pós_crivo_02[1]poscrivo.pdf
Wyty_-_Música_e_Conhecimento_Krikati_-_pós_crivo_02[1]poscrivo.pdfWyty_-_Música_e_Conhecimento_Krikati_-_pós_crivo_02[1]poscrivo.pdf
Wyty_-_Música_e_Conhecimento_Krikati_-_pós_crivo_02[1]poscrivo.pdf
AlexandreKragabrek
 
Artigo fábulas errantes
Artigo fábulas errantesArtigo fábulas errantes
Artigo fábulas errantes
marianamuniz32
 
Cyro na feira do livro de itapé
Cyro na feira do livro de itapéCyro na feira do livro de itapé
Cyro na feira do livro de itapé
Roberto Rabat Chame
 
Memorial Dona Lais
Memorial Dona LaisMemorial Dona Lais
Memorial Dona Lais
Grottenolmchen
 
O Relampejar do Tempo
O Relampejar do TempoO Relampejar do Tempo
O Relampejar do Tempo
Editora EME
 
Meu museu
Meu museuMeu museu
Meu museu
Maristeeela
 

Semelhante a O Poeta, a crente e o berrante (20)

Suri[1]poscrivo.pdf
Suri[1]poscrivo.pdfSuri[1]poscrivo.pdf
Suri[1]poscrivo.pdf
 
HOJE É DIA DE TEATRO
HOJE É DIA DE TEATROHOJE É DIA DE TEATRO
HOJE É DIA DE TEATRO
 
Suri.pdf
Suri.pdfSuri.pdf
Suri.pdf
 
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIX
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIXFolhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIX
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIX
 
Atividade formacao e serviço
Atividade  formacao e serviçoAtividade  formacao e serviço
Atividade formacao e serviço
 
498 an 22_outubro_2014.ok
498 an 22_outubro_2014.ok498 an 22_outubro_2014.ok
498 an 22_outubro_2014.ok
 
A literatura e o mundo
A literatura e o mundoA literatura e o mundo
A literatura e o mundo
 
Tcc
TccTcc
Tcc
 
A dança de augusto omolú
A dança de augusto omolúA dança de augusto omolú
A dança de augusto omolú
 
TCC_Jornalismo
TCC_JornalismoTCC_Jornalismo
TCC_Jornalismo
 
Contos e Cantos 2018
Contos e Cantos 2018Contos e Cantos 2018
Contos e Cantos 2018
 
Relatos dos alunos sobre a Conferência Suzuki em Minneapolis 2014
Relatos dos alunos sobre a Conferência Suzuki em Minneapolis 2014Relatos dos alunos sobre a Conferência Suzuki em Minneapolis 2014
Relatos dos alunos sobre a Conferência Suzuki em Minneapolis 2014
 
Boletim informativo3 2014_2015
Boletim informativo3 2014_2015Boletim informativo3 2014_2015
Boletim informativo3 2014_2015
 
O rádio como ator
O rádio como atorO rádio como ator
O rádio como ator
 
Wyty_-_Música_e_Conhecimento_Krikati_-_pós_crivo_02[1]poscrivo.pdf
Wyty_-_Música_e_Conhecimento_Krikati_-_pós_crivo_02[1]poscrivo.pdfWyty_-_Música_e_Conhecimento_Krikati_-_pós_crivo_02[1]poscrivo.pdf
Wyty_-_Música_e_Conhecimento_Krikati_-_pós_crivo_02[1]poscrivo.pdf
 
Artigo fábulas errantes
Artigo fábulas errantesArtigo fábulas errantes
Artigo fábulas errantes
 
Cyro na feira do livro de itapé
Cyro na feira do livro de itapéCyro na feira do livro de itapé
Cyro na feira do livro de itapé
 
Memorial Dona Lais
Memorial Dona LaisMemorial Dona Lais
Memorial Dona Lais
 
O Relampejar do Tempo
O Relampejar do TempoO Relampejar do Tempo
O Relampejar do Tempo
 
Meu museu
Meu museuMeu museu
Meu museu
 

Mais de Taís Ferreira

Selfpresentation
Selfpresentation Selfpresentation
Selfpresentation
Taís Ferreira
 
Workshop-teachers-vienna 2016
Workshop-teachers-vienna 2016Workshop-teachers-vienna 2016
Workshop-teachers-vienna 2016
Taís Ferreira
 
Do amor à profissão
Do amor à profissãoDo amor à profissão
Do amor à profissão
Taís Ferreira
 
Fundamentos da linguagem teatral
Fundamentos da linguagem teatralFundamentos da linguagem teatral
Fundamentos da linguagem teatral
Taís Ferreira
 
Cena 4 - Pequena tragédia para crianças em um ato (2005)
Cena 4 - Pequena tragédia para crianças em um ato (2005)Cena 4 - Pequena tragédia para crianças em um ato (2005)
Cena 4 - Pequena tragédia para crianças em um ato (2005)
Taís Ferreira
 
Capa livro identidades no contexto escolar
Capa livro identidades no contexto escolarCapa livro identidades no contexto escolar
Capa livro identidades no contexto escolar
Taís Ferreira
 
Capa livro conversações sobre teatro e educação
Capa livro conversações sobre teatro e educaçãoCapa livro conversações sobre teatro e educação
Capa livro conversações sobre teatro e educação
Taís Ferreira
 
Múltiplas linguagens revista art& 02
Múltiplas linguagens   revista art& 02Múltiplas linguagens   revista art& 02
Múltiplas linguagens revista art& 02
Taís Ferreira
 
Oficina fantoches papel mache
Oficina fantoches papel macheOficina fantoches papel mache
Oficina fantoches papel macheTaís Ferreira
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
Taís Ferreira
 
About ‘hamlet, o príncipe da dinamarca
About ‘hamlet, o príncipe da dinamarcaAbout ‘hamlet, o príncipe da dinamarca
About ‘hamlet, o príncipe da dinamarca
Taís Ferreira
 
As comédias de shakespeare
As comédias de shakespeareAs comédias de shakespeare
As comédias de shakespeare
Taís Ferreira
 
Shakespeare
ShakespeareShakespeare
Shakespeare
Taís Ferreira
 
Stanislavski e o sistema
Stanislavski e o sistemaStanislavski e o sistema
Stanislavski e o sistema
Taís Ferreira
 
Resumão historia do teatro
Resumão historia do teatroResumão historia do teatro
Resumão historia do teatro
Taís Ferreira
 
Dissertação mestrado Taís Ferreira PPGEdu UFRGS (2005)
Dissertação mestrado Taís Ferreira PPGEdu UFRGS (2005)Dissertação mestrado Taís Ferreira PPGEdu UFRGS (2005)
Dissertação mestrado Taís Ferreira PPGEdu UFRGS (2005)
Taís Ferreira
 
A docência como arte ou a docência em arte? Questões acerca da formação de um...
A docência como arte ou a docência em arte? Questões acerca da formação de um...A docência como arte ou a docência em arte? Questões acerca da formação de um...
A docência como arte ou a docência em arte? Questões acerca da formação de um...
Taís Ferreira
 

Mais de Taís Ferreira (17)

Selfpresentation
Selfpresentation Selfpresentation
Selfpresentation
 
Workshop-teachers-vienna 2016
Workshop-teachers-vienna 2016Workshop-teachers-vienna 2016
Workshop-teachers-vienna 2016
 
Do amor à profissão
Do amor à profissãoDo amor à profissão
Do amor à profissão
 
Fundamentos da linguagem teatral
Fundamentos da linguagem teatralFundamentos da linguagem teatral
Fundamentos da linguagem teatral
 
Cena 4 - Pequena tragédia para crianças em um ato (2005)
Cena 4 - Pequena tragédia para crianças em um ato (2005)Cena 4 - Pequena tragédia para crianças em um ato (2005)
Cena 4 - Pequena tragédia para crianças em um ato (2005)
 
Capa livro identidades no contexto escolar
Capa livro identidades no contexto escolarCapa livro identidades no contexto escolar
Capa livro identidades no contexto escolar
 
Capa livro conversações sobre teatro e educação
Capa livro conversações sobre teatro e educaçãoCapa livro conversações sobre teatro e educação
Capa livro conversações sobre teatro e educação
 
Múltiplas linguagens revista art& 02
Múltiplas linguagens   revista art& 02Múltiplas linguagens   revista art& 02
Múltiplas linguagens revista art& 02
 
Oficina fantoches papel mache
Oficina fantoches papel macheOficina fantoches papel mache
Oficina fantoches papel mache
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
 
About ‘hamlet, o príncipe da dinamarca
About ‘hamlet, o príncipe da dinamarcaAbout ‘hamlet, o príncipe da dinamarca
About ‘hamlet, o príncipe da dinamarca
 
As comédias de shakespeare
As comédias de shakespeareAs comédias de shakespeare
As comédias de shakespeare
 
Shakespeare
ShakespeareShakespeare
Shakespeare
 
Stanislavski e o sistema
Stanislavski e o sistemaStanislavski e o sistema
Stanislavski e o sistema
 
Resumão historia do teatro
Resumão historia do teatroResumão historia do teatro
Resumão historia do teatro
 
Dissertação mestrado Taís Ferreira PPGEdu UFRGS (2005)
Dissertação mestrado Taís Ferreira PPGEdu UFRGS (2005)Dissertação mestrado Taís Ferreira PPGEdu UFRGS (2005)
Dissertação mestrado Taís Ferreira PPGEdu UFRGS (2005)
 
A docência como arte ou a docência em arte? Questões acerca da formação de um...
A docência como arte ou a docência em arte? Questões acerca da formação de um...A docência como arte ou a docência em arte? Questões acerca da formação de um...
A docência como arte ou a docência em arte? Questões acerca da formação de um...
 

Último

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 

Último (20)

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 

O Poeta, a crente e o berrante

  • 1. 153Em Extensão, Uberlândia, v. 12, n. 2, p. 153-157, jul. / dez. 2013. O POETA, A CRENTE E O BERRANTE: OFICINAS DE TEATRO NO PROJETO RONDON EM SÃO BENEDITO DO RIO PRETO-MA Taís Ferreira1 RESUMO: Este relato de experiência visa comentar os encontros entre a professora coordenadora das oficinas de teatro, planejadas e realizadas no âmbito do Projeto Rondon, Operação Catirina, no município de São Benedito do Rio Preto, Maranhão, em julho de 2010, e mais de 100 jovens (dos quais três deles especialmente referidos), em espaços-tempo formativos, nos quais se entrelaçam a construção de identidades e de sensibilidades. PALAVRAS-CHAVE: Oficinas de teatro. Jovens. Projeto Rondon. The poet, the devout and the blowing horn: theater workshops in the Rondon project in São Benedito do Rio Preto, Maranhão State, Brazil ABSTRACT: This experience report discusses the meetings between the tutor teacher of theater workshopsandmorethan100youngpeople(ofwhichthreeofthemarespecificallymentioned).The workshops were planned and carried out through the “Rondon Project, Catirina Operation” (Projeto Rondon, Operação Catirina), in formative spaces and times, in which the construction of identities andsensibilitiesintertwine.TheywereheldinSãoBeneditodoRioPreto,Maranhãostate,July,2010. KEYWORDS: Theater workshops. Young people. Rondon Project. INTRODUÇÃO Todos nós (ou quase todos), aos treze ou quatorze anos de idade, achamos que temos alguma ingerência sobre o mundo que nos cerca e que podemos transformá-lo a partir de nossas ações e vontades. Alguns poucos anos vividos nos mostram a ingenuidade destes pensamentos e, frequentemente, nos deixamos tomar pela apatia: o mundo não vai mudar mesmo, de que me adianta sofrer pelos outros? Vou pensar em mim, construir minha vida, minha carreira, minhas relações, ter um hobby como jogar vôlei ou praticar yoga e esquecer das mazelas dos homens, dos animais, dos vegetais e do mundo. Na minha torneira tem água, na padaria tem pão, a internet está funcionandoeéissooqueimporta.Claro,sempreébomqueagasolinanãoestejatãocaratambém... Este é o percurso existencial que atravessa a constituição identitária de boa parte dos jovens de classe média hoje no Brasil. Comigo não foi diferente.Ainda sou jovem, uma jovem professora, mas agora que entro na plena vida adulta, percebo que os últimos dez anos de minha vida (este é o tempo em que me formei, ingressei no mercado de trabalho e constituí-me como não adolescente, ou seja, adulta, com plenas responsabilidades e com os fardos e as obrigações da vida adulta) 1  Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, professora do Núcleo deArtes Cênicas do Centro deArtes da Universidade Federal de Pelotas (taisferreirars@yahoo.com.br).
  • 2. 154 Em Extensão, Uberlândia, v. 12, n. 2, p. 153-157, jul. / dez. 2013. guardaram uma centelha daquela vontade da menina de quatorze anos que chorava pelos cantos da casa porque a mãe não a deixou atravessar o Brasil de ônibus para participar do Congresso da UNE (União Nacional dos Estudantes) e da rapariga falante que, aos doze anos, participou do “Fora Collor” e foi uma “cara-pintada” e, ainda que o movimento tenha se tornado uma espécie de alegoria da década de1990, o sentimento de muitos dos jovens ali, como o meu, foi verdadeiro e repercutiu em nossas posições éticas e políticas perante a vida, as coisas e os homens. O ano de 2010 fez-me retomar uma série destas crenças adolescentes e pré-adolescentes, com as quaisagoraestouempenhada,nãomaisnabuscavãdesalvaromundo,masnatentativaesforçadade alcançareatravessar,pormeiodeminhasações,algunsmundos–pequenosmundos–comoomundo do poeta, o mundo da crente e o mundo do tocador de berrante, sobre os quais se sustenta este relato. O Poeta Estávamos na cidade de São Benedito do Rio Preto-MA, trabalhando já há uma semana, todas as noites, com um enorme grupo de jovens da cidade, em uma oficina de teatro, eu, uma aluna da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e um aluno da Universidade de Taubaté (UNITAU)2 . Tudo corria bem, jovens contentes, corpos vivos, disposição e alegria. Eram quase noventa jovens e, depois de uma semana, já podíamos distinguir aqueles mais interessados e esforçados dos que ali estavam para se divertir e conviver (função legítima também esta, de uma oficina livre de teatro). Noentanto,opoetamostrava-se,desdeoinício,atentoecompenetradoemtodososjogoseexercícios propostos. Com o passar dos dias, nas conversas de início e final de aula, descobrimos que o rapaz de 23 anos morava e trabalhava na zona rural com a mãe e suas irmãs mais novas, que seu pai havia morrido há poucos meses, que ele andava (pasmem!) 45 minutos de bicicleta pela estrada de chão, todos os dias, ida e volta, para estar na oficina. Uma enorme cicatriz cortava a face do jovem moreno e de fala mansa. Ele nos contou que, trabalhando na roça, fora picado no rosto por uma cobra muito venenosa e que ficara um ano internado em um hospital de São Luís, na capital, onde quase morrera. Por tudo isso o jovem já seria motivo de muita admiração, não fosse ele me surpreender em um final de aula com a seguinte pergunta: “Professora, para ter teatro precisa ter texto?”. Respondo que não, que da mesma forma que trabalhávamos na oficina com improvisações, eles também poderiam criar a partir daquilo que tivessem vontade. “Ah, é que eu escrevo, eu sou poeta”, respondeu-me acanhadamente, estendendo-me uma folha de caderno dobrada várias vezes e dizendo: “Quer ler, professora? Eu fiz para o meu pai que morreu...”. Peguei a folha, levei para casa, li. No outro dia, pedi uma cópia, que o poeta me entregou na outra aula, passada a limpo a caneta, de próprio punho. Ele disse-me que queria ser escritor, que sonhava em cursar Letras. Em nosso último dia na cidade, o poeta nos trouxe uma carta, que ele mesmo escrevera e queria ler antes da apresentação, na qual nos agradecia e falava da importância que a oficina teve para aqueles jovens e da sua vontade de dar continuidade ao trabalho. Tudo lento, tudo manso, como ele, o jovem poeta que sobreviveu à cobra e agora podia sonhar e escrever poesia. 2  Os rondonistas referidos são, respectivamente, Lucia Elaine Berndt e Jardel Narezi.
  • 3. 155Em Extensão, Uberlândia, v. 12, n. 2, p. 153-157, jul. / dez. 2013. A Crente Agorduchinha baixinha chegou rindo: cochichando pelos cantos e soltando risinhos tímidos. De saia.Assim foi a primeira aula, ela de saia, rindo e cochichando. No segundo dia, ela para do meu lado e pergunta: “Tô bonita, professora?”. Eu olho para ela, não vejo nada de novo e respondo que sim. “Ai, professora, é que é a primeira vez que eu saio de casa de bermuda!”. A menina era de uma religião evangélica que não permite às mulheres usarem calças e bermudas, somente saias. E a gorduchinha abre um sorriso largo, emoldurado pelas molinhas do cabelo cacheado bem arrumadinho. Pequenas ações que representam desprendimento e vontade de participar, mesmo que tendo que abrir mão de algumas convicções religiosas. E a baixinha de sorriso largo e riso fácil tornou-se minha amiga: além de participar da oficina de teatro todas as noites, cursou toda a oficina de confecção de fantoches de papel machê, ministrada por mim no período da manhã. Rimos muito juntas. Ela me contou do seu “noivo secreto”, perguntou sobre como era “aqui no Sul”, se eu era casada, se tinha filhos e , por várias vezes, repetiu a frase que mais me fez rir naqueles dias de São Benedito: “Ai, professora, o que que a senhora acha? Eu sou crente, mas eu sou feliz! Eu gosto mesmo é de dançar e rebolar!”. E nos divertimos juntas, entre “rebolations” tocados no rádio e histórias contadas, entre papel machê e tintas coloridas, porque a baixinha contente “era crente, mas gostava de se divertir”. E, assim, vemos nossos preconceitos aos poucos serem desconstruídos pelas pessoas, por suas ações, suas falas, suas intenções. Construímos, no lugar deles, uma nova visão do nosso próprio mundo e do modo como lidamos com as pessoas e com as situações que vivenciamos. O berrante O berrante (instrumento típico dos vaqueiros da região), aqui tratado, esteve durante parte da oficina de teatro nos braços de um dos alunos mais eficientes e dedicados que já tive e simboliza o belo trabalho que a equipe do teatro realizou na Operação Catirina, durante o Projeto Rondon 2010. Durante duas semanas, todas as noites, jovens entre 11 e 25 anos estiveram conosco, brincando e fazendo teatro, com seus corpos agindo e colocando-se, criando e experienciando vivências até então inéditas em suas histórias, contando-nos sobre suas vidas e realidades, trocando conosco e se apropriando avidamente de tudo aquilo que apresentávamos a eles, em uma enorme sede de sorver aqueles momentos. O berrante fez parte de uma apresentação em praça pública, realizada com os noventa alunos e alunas da oficina de teatro em São Benedito do Rio Preto-MA. Por meio de seus corpos, eles contaram suas próprias histórias e brincaram com o imaginário que tinham de um Sul tão longínquo quanto o Rio Grande do Sul, de onde vínhamos, e de um São Paulo, mais próximo geograficamente, mas tão distante deles culturalmente quanto os gaúchos ali presentes. Praticamentetodososparticipantesconcordaramemparticipardaapresentação,mesmotendoquese
  • 4. 156 Em Extensão, Uberlândia, v. 12, n. 2, p. 153-157, jul. / dez. 2013. exporabertamenteempraçapúblicalotada,cumprenotar,comgrandepartedapopulaçãolocalpresente. Os jovens foram chegando, fulgurantes, de branco (havíamos combinado que todos iriam vestidos com roupas brancas), excitados. A minha “alegre crente”, empolgada, cuidava da banca de exposição dos fantoches e queria dublar uma música, que, infelizmente, não houve como inserir na programação, que já era extensa. Nosso “poeta” leu seu texto de agradecimento. E o dedicado Marquinho, que já havia escalado a fachada da igreja, à tarde, para trocar as lâmpadas e preparar tudo para a apresentação da noite, absolutamente engajado em nossa proposta, toca seu berrante. Damos início ao espetáculo. Em vinte minutos, todos nós éramos outros: havíamos aprendido uns com os outros e levávamos um pouco uns dos outros conosco. Fomos atravessados por aquilo que chamamos de experiência: que nos marca, que deixa sulcos em nossos corpos e nossas almas, que nos (trans)forma (LARROSA, 2000). CONSIDERAÇÕES FINAIS Agora,adulta,atravessadaquefuipelosolhosbrilhantesepelaempolgaçãodaquelesjovenshumildes – muitos da roça, muitos trabalhadores braçais, uns evangélicos, alguns assaz católicos, outros com poucas perspectivas em suas vidas, todos com sonhos – sinto-me um pouco novamente aquela que teve treze anos e acreditou na mudança, de forma ingênua, mas que faz nascer dentro da gente uma esperançaquetrazavontadedeviver,deagiredeserelacionarcomahumanidadeeomundoquenos cerca. Essas são lições que aprendemos, sempre, sem que ninguém nos diga que está nos ensinando. AGRADECIMENTOS Agradeço ao poeta, à crente e ao berrante (que simbolizam todos aqueles 90 jovens maranhenses) que me ensinaram a ter, novamente, treze anos. REFERÊNCIAS LARROSA, J. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Tradução de João Wanderley Geraldi. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002. Submetido em 17 de outubro de 2012. Aprovado em 7 de janeiro de 2013.
  • 5. 157Em Extensão, Uberlândia, v. 12, n. 2, p. 153-157, jul. / dez. 2013. ANEXOS Fonte: Acervo da autora. Figura 1 – Jovens na oficina de teatro, conduzidos pelo rondonista (em pé) em exercício de relaxamento e imaginação. Figura 2 – Jovens confeccionando bonecos na oficina de fantoches. Fonte: Acervo da autora.