SlideShare uma empresa Scribd logo
SISTEMAS DE SUSTENTAÇÃO
ESQUELÉTICO E ARTICULAR
CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE
INSTITUTO CENECISTA DE ENSINO SUPERIOR DE SANTO ÂNGELO
PRONATEC- CURSO TÉCNICO EM CITOPATOLOGIA
Disciplina de Anatomia e Fisiologia
Prof. Ieda Dorneles-iedabiomed@gmail.com
SISTEMAS DE SUSTENTAÇÃO
ESQUELÉTICO
• Sustentação ao corpo,
• Proteção aos os órgãos internos
• Fornece pontos de apoio para a
fixação dos músculos.
• Armazenamento.
• Produção.
• Ele constitui-se de peças ósseas
(ao todo 208 ossos no indivíduo
adulto) e cartilaginosas
articuladas, que formam um
sistema de alavancas
movimentadas pelos músculos.
• O esqueleto humano
pode ser dividido em
duas partes:
• 1-Esqueleto axial: formado
pela caixa craniana, coluna
vertebral caixa torácica.
• 2-Esqueleto apendicular:
compreende a cintura escapular,
formada pelas escápulas e
clavículas; cintura pélvica,
formada pelos ossos ilíacos (da
bacia) e o esqueleto dos membros
(superiores ou anteriores e
inferiores ou posteriores).
Esqueleto axial
• Caixa craniana
• Possui os seguintes ossos
importantes: frontal,
parietais, temporais,
occipital, esfenóide, nasal,
lacrimais, malares ("maçãs
do rosto" ou zigomático),
maxilar superior e
mandíbula (maxilar inferior).
• no osso esfenóide existe uma
depressão denominada de
sela turca onde se encontra
uma das menores e mais
importantes glândulas do
corpo humano - a hipófise,
no centro geométrico do
crânio.
• Fontanela ou moleira é o
nome dado à região alta e
mediana, da cabeça da
criança, que facilita a
passagem da mesma no canal
do parto; após o nascimento,
será substituída por osso.
Coluna vertebral
• É uma coluna de vértebras
que apresentam cada uma
um orifício, que se
sobrepõem constituindo um
canal que aloja a medula
nervosa ou espinhal; é
dividida em regiões típicas
que são: coluna cervical
(região do pescoço), coluna
torácica, coluna lombar,
coluna sacral, coluna
cocciciana (coccix).
Coluna vertebral
Caixa torácica
• osso esterno e costelas, que
são em número de 12 de cada
lado, sendo:
• 7 primeiras verdadeiras (se
inserem diretamente no
esterno),
• 3 falsas (se reúnem e depois
se unem ao esterno),
• e 2 flutuantes (com
extremidades anteriores livres,
não se fixando ao esterno).
Esqueleto apendicular
MMSS
• membro superior: é composto de
braço, antebraço, pulso e mão.
• O osso do braço – úmero–
articula-se no cotovelo com os
ossos do antebraço: rádio e ulna.
• O pulso constitui-se de ossos
pequenos e maciços, os carpos.
• A palma da mão é formada pelos
metacarpos e os dedos, pelas
falanges.
Esqueleto apendicular
MMII
• Cada membro inferior compõe-se de coxa,
perna, tornozelo e pé. O osso da coxa é o
fêmur, o mais longo do corpo. No joelho, ele
se articula com os dois ossos da perna: a
tíbia e a fíbula.
• A região frontal do joelho está protegida por
um pequeno osso circular: a patela.
• Ossos pequenos e maciços, chamados
tarsos, formam o tornozelo. A planta do pé é
constituída pelos metatarsos e os dedos dos
pés (artelhos), pelas falanges.
CINTURAS
• Os membros estão unidos ao corpo mediante um sistema ósseo que
toma o nome de cintura ou de cinta.
• A cintura superior se chama cintura torácica ou escapular(formada
pela clavícula e pela escápula ;
• a inferior se chama cintura pélvica, constituída pelo sacro - osso
volumoso resultante da fusão de cinco vértebras, por um par de
ossos ilíacos e pelo cóccix, formado por quatro a seis vértebras
rudimentares fundidas.
• A primeira sustenta o úmero e com ele todo o braço; a segunda dá
apoio ao fêmur e a toda o membro inferior.
CINTURAS
CINTURA PÉLVICA CINTURA ESCAPULAR
R
e
l
e
m
b
r
a
n
d
o
...
Junturas e articulações
• Juntura é o local de junção
entre dois ou mais ossos.
• Algumas junturas, como as do
crânio, são fixas; nelas os ossos
estão firmemente unidos entre
si.
• Em outras junturas,
denominadas articulações, os
ossos são móveis e permitem
ao esqueleto realizar
movimentos.
Ligamentos
• Os ossos de uma articulação
mantêm-se no lugar por
meio dos ligamentos,
cordões resistentes
constituídos por tecido
conjuntivo fibroso. Os
ligamentos estão
firmemente unidos às
membranas que revestem
os ossos.
Sistema ósseo
• Classificação dos ossos
• Os ossos são classificados de
acordo com a sua forma em:
• Longos: têm duas
extremidades ou epífises; o
corpo do osso é a diáfise; entre a
diáfise e cada epífise fica a
metáfise. A diáfise é formada
por tecido ósseo compacto,
enquanto a epífise e a metáfise,
por tecido ósseo esponjoso.
Exemplos: fêmur, úmero.
• Curtos: têm as
três extremidades
praticamente
equivalentes e são
encontrados nas
mãos e nos pés.
• São constituídos
por tecido ósseo
esponjoso.
Exemplos: calcâneo,
tarsos, carpos.
• Planos ou
Chatos: são
formados por duas
camadas de tecido
ósseo compacto,
tendo entre elas uma
camada de tecido
ósseo esponjoso e de
medula óssea
Exemplos: esterno,
ossos do crânio,
ossos da bacia,
escápula
periósteo
• Revestindo o osso compacto na diáfise, existe uma delicada membrana - o
periósteo - responsável pelo crescimento em espessura do osso e também
pela consolidação dos ossos após fraturas (calo ósseo).
• As superfícies articulares são revestidas por cartilagem.
• Entre as epífises e a diáfise encontra-se um disco ou
placa de cartilagem nos ossos em crescimento, tal
disco é chamado de disco metafisário (ou epifisário)
e é responsável pelo crescimento longitudinal do
osso.
• O interior dos ossos é preenchido
pela medula óssea, que, em parte é
amarela, funcionando como depósito
de lipídeos, e, no restante, é
vermelha e gelatinosa, constituindo o
local de formação das células do
sangue, ou seja, de hematopoiese.
• O tecido hemopoiético é
popularmente conhecido por
"tutano".As maiores quantidades de
tecido
• hematopoético estão nos ossos da
bacia e no esterno. Nos ossos longos,
a medula óssea vermelha é
encontrada principalmente nas
epífises.
TECIDOS QUE FORMAM O
ESQUELETO
• Tecido ósseo- Osteócitos
Osteoblastos
Osteoclastos
Matriz óssea
• Tecido cartilaginoso Cartilagem hialina
Cartilagem elástica
Fibrocartilagem ou cartilagem fibrosa
TECIDO ÓSSEO
• Alto grau de rigidez e resistência a pressão
• Função esta relacionada a proteção e sustentação
• Alavanca e apoio para os músculos
• Armazenam substâncias como cálcio e fósforo
• Com o envelhecimento tecido adiposo se acumula sustituindo a
medula vermelha por adipócitos
• A extrema rigidez é resultado da interação entre o componente
orgânico e o componente mineral da matriz óssea, e sua nutrição é
feita por canais.
Osteócitos
• os osteócitos estão localizados em
cavidades ou lacunas dentro da matriz
óssea.
• Destas lacunas formam-se canalículos
que se dirigem para outras lacunas,
tornando assim a difusão de
nutrientes possível graças à
comunicação entre os osteócitos. Os
osteócitos têm um papel fundamental
na manutenção da integridade da
matriz óssea.
Osteoblastos:
• sintetizam a parte orgânica da
matriz óssea, composta por
colágeno tipo I, glicoproteínas e
proteoglicanas.
• concentram fosfato de cálcio,
participando da mineralização da
matriz.
• . Possuem sistema de comunicação
intercelular semelhante ao
existente entre os osteócitos.
• Os osteócitos originam-se de
osteoblastos, quando estes são
envolvidos completamente por
matriz óssea.
Osteoclastos
• os osteoclastos participam dos processos de
absorção e remodelação do tecido ósseo.
• São células gigantes e multinucleadas,
extensamente ramificadas, derivadas de
monócitos que atravessam os capilares
sangüíneos.
• Nos osteoclastos jovens, o citoplasma
apresenta uma leve basofilia que vai
progressivamente diminuindo com o
amadurecimento da célula, até que o
citoplasma finalmente se torna acidófilo (com
afinidade por corantes ácidos). Dilatações dos
osteoclastos, através da sua ação enzimática,
escavam a matriz óssea, formando depressões
conhecidas como lacunas de Howship.
Matriz óssea
A matriz óssea é composta por uma parte orgânica e uma parte
inorgânica cuja composição é dada basicamente por íons fosfato e
cálcio formando cristais de hidroxiapatita.
A matriz orgânica, quando o osso se apresenta descalcificado, cora-se
com os corantes específicos do colágeno (pois ela é composta por 95%
de colágeno tipo I).
Tipos de tecido
• A classificação baseada no critério
histológico admite apenas duas
variantes de tecido ósseo:
• o tecido ósseo compacto ou denso e o
tecido ósseo esponjoso ou lacunar ou
reticulado.
• Essas variedades apresentam o
mesmo tipo de célula e de substância
intercelular, diferindo entre si apenas
na disposição de seus elementos e na
quantidade de espaços medulares.
• O tecido ósseo esponjoso apresenta
espaços medulares mais amplos, sendo
formado por várias trabéculas, que dão
aspecto poroso ao tecido.
• O tecido ósseo compacto praticamente
não apresenta espaços medulares,
existindo, no entanto, além dos
canalículos, um conjunto de canais que
são percorridos por nervos e vasos
sangüíneos: canais de Volkmann e
canais de Havers. Por ser uma estrutura
inervada e irrigada, os ossos
apresentam grande sensibilidade e
capacidade de regeneração.
• Os canais de Volkmann
partem da superfície do
osso (interna ou
externa),possuindo uma
trajetória perpendicular
em relação ao eixo maior
do osso.
• Esses canais comunicam-
se com os canais de
Havers, que percorrem o
osso longitudinalmente e
que podem comunicar-se
por projeções laterais.
• Ao redor de cada canal de Havers,
pode-se observar várias lamelas
concêntricas de substância
intercelular e de células ósseas.
Cada conjunto deste, formado pelo
canal central de Havers e por
lamelas concêntricas é denominado
sistema de Havers ou sistema
haversiano. Os canais de Volkmann
não apresentam lamelas
concêntricas.
Então....
• Canais de Harvers: São
canais que correm paralelos à
superfície do osso, contendo os
osteócitos, e sua função é levar
oxigênio e nutrientes e remover os
produtos do catabolismo.
• Canais de volkmann: São
canais que interligam
transversalmente o sistema
Harvesiano aos vasos sanguíneos
do periósteo e do endósteo.
• Os tecidos ósseos
descritos são os tecidos
mais abundantes dos
ossos:
• externamente temos uma
camada de tecido ósseo
compacto;
• internamente, de tecido
ósseo esponjoso.
• Os ossos são revestidos
externa e internamente
por membranas
denominadas periósteo e
endósteo,
respectivamente.
• Ambas as membranas são vascularizadas
e suas células transformam-se em
osteoblastos. Portanto, são importantes
na nutrição e oxigenação das células do
tecido ósseo e como fonte de
osteoblastos para o crescimento dos
ossos e reparação das fraturas. Além
disto, nas regiões articulares encontramos
as cartilagens fibrosas.
• Por ser uma estrutura inervada e irrigada,
os ossos apresentam grande sensibilidade
e capacidade de regeneração.
• o interior dos ossos está a medula
óssea, que pode ser:
• vermelha: formadora de células do
sangue e plaquetas (tecido reticular
ou hematopoiético): constituída por
células reticulares associadas a fibras
reticulares.
• amarela: constituída por tecido
adiposo (não produz células do
sangue).
• o recém-nascido, toda a
medula óssea é vermelha. Já
no adulto, a medula vermelha
fica restrita aos ossos chatos
do corpo (esterno, costelas,
ossos do crânio), às vértebras
e às epífises do fêmur e do
úmero (ossos longos). Com o
passar dos anos, a medula
óssea vermelha presente no
fêmur e no úmero
transforma-se em amarela.
TECIDO CARTILAGINOSO
• O tecido cartilaginoso é uma forma
especializada de tecido conjuntivo de
consistência rígida.
função de:
 Suporte de tecidos moles,
 Revestimento de superfícies
articulares onde
 Absorção de choques,
 Facilitação de deslizamentos,
 formação e crescimento dos ossos
longos.
 A cartilagem é um tipo de
tecido conjuntivo composto
exclusivamente de células
chamadas condrócitos e de
uma matriz extracelular
altamente especializada.
• É um tecido avascular, não
possui vasos sanguíneos, sendo
nutrido pelos capilares do
conjuntivo envolvente
(pericôndrio) ou através do
líquido sinovial das cavidades
articulares
• As cartilagens (exceto as articulares e
as peças de cartilagem fibrosa) são
envolvidas por uma bainha conjuntiva
que recebe o nome de pericôndrio, o
qual continua gradualmente com a
cartilagem por uma face e com o
conjuntivo adjacente pela outra. As
cartilagens basicamente se dividem em
três tipos distintos:
• 1) cartilagem hialina;
• 2) fibrocartilagem ou cartilagem
fibrosa;
• 3) cartilagem elástica.
Cartilagem hialina
• Essa cartilagem forma o esqueleto inicial do feto; é a precursora dos
ossos que se desenvolverão a partir do processo de ossificação
endocondral.
• Na criança, a cartilagem hialina funciona como placa de crescimento
epifisário e essa placa continua funcional enquanto o osso estiver
crescendo em comprimento. No osso longo do adulto, a cartilagem
hialina está presente somente na superfície articular.
• No adulto, também está presente como unidade esquelética na
traquéia, nos brônquios, na laringe, no nariz e nas extremidades das
costelas (cartilagens costais).
Cartilagem elástica
• Sua matriz contém fibras elásticas e lâminas de
material elástico, além das fibrilas de colágeno e
da substância fundamental;
• maior elasticidade à cartilagem;
• A presença desse material elástico (elastina)
confere a esse tipo de cartilagem uma cor
amarelada, quando examinado a fresco;
• A cartilagem elástica pode estar presente
isoladamente ou formar uma peça cartilaginosa
junto com a cartilagem hialina;
Fibrocartilagem ou Cartilagem
fibrosa
• é um tecido com características intermediárias entre o
conjuntivo denso e a cartilagem hialina.
• as numerosas fibras colágenas constituem feixes, que seguem
uma orientação aparentemente irregular entreos condrócitos ou
um arranjo paralelo ao longo dos condrócitos em fileiras. Essa
orientação depende das forças que atuam sobre a
fibrocartilagem. Os feixes colágenos colocam-se paralelamente
às trações exercidas sobre eles. Na fibrocartilagem não existe
pericôndrio..
• discos intervertebrais,
• sínfise púbica,
• nos discos articulares das
articulações dos joelhos
• certos locais onde os tendões
se ligam aos ossos.
• Geralmente, a presença de
fibrocartilagem indica que
naquele local o tecido precisa
resistir à compressão e ao
desgaste.
Crescimento
• A cartilagem possui dois tipos de
crescimento: aposicional e intersticial.
• Crescimento aposicional é a formação
de cartilagem sobre a superfície de uma
cartilagem já existente.
As células empenhadas nesse tipo de
crescimento derivam do pericôndrio. O
crescimento intersticial ocorre no interior
da massa cartilaginosa.
Isso é possível porque os condrócitos
ainda são capazes de se dividir e porque a
matriz é distensível.
E por isso que ....
As orelhas e o nariz NUNCA param de crescer!!!!!
Regeneração óssea
SISTEMA ARTICULAR
• Articulação é a conexão entre
duas ou mais peças
esqueléticas (ossos ou
cartilagens) o que faz
CONTATO!
• crescimento ósseo ocorra e
que certas partes do esqueleto
mudem de forma durante o
parto. Além disto, capacitam
que partes do corpo se
movimentem em resposta a
contração muscular.
CLASSIFICAÇÃO DAS
ARTICULAÇÕES
• a- Quanto a duração;
• b- Quanto a maneira de fixação aos
ossos;
• c- Quanto a natureza do tecido
interposto;
• d- Quanto ao número de eixos.
• e- Quanto ao número de ossos.
• 2.1.A - QUANTO A DURAÇÃO
• -Temporárias (Ex. Linha epifisiária)
• -Permanentes (Ex. Articulação do ombro)
• 2.1.B - QUANTO A MANEIRA DE FIXAÇÃO AOS OSSOS
• -Continuidade (Ex. Disco intervertebral)
• -Contigüidade (Ex. Articulação do cotovelo)
• 2.1.C - QUANTO A NATUREZA DO TECIDO INTERPOSTO
• - Fibrosas (IMÓVEIS)
• - Cartilaginosas ou cartilagíneas (SEMI-MÓVEIS)
• - Sinoviais (MÓVEIS)
• A mobilidade exige livre deslizamento
de uma superfície óssea contra outra
e isto é impossível quando entre elas
interpõe-se um meio de ligação, seja
fibroso ou cartilagíneo.
• Para que haja o grau desejável de
movimento, em muitas articulações,
o elemento que se interpõe às peças
que se articulam é um líquido
denominado sinóvia, ou líquido
sinovial.
Líquido sinovial
• além da presença deste líquido, as articulações sinoviais possuem três
outras características básicas:
• cartilagem articular,
• cápsula articular
• cavidade articular.
• a cápsula articular é uma membrana
conjuntiva que envolve a articulação
sinovial.
• Apresenta-se com duas camadas: a
membrana fibrosa (externa) e a
membrana sinovial (interna).
• A membrana fibrosa é mais resistente e
pode estar reforçada, em alguns pontos,
por ligamentos , destinados a aumentar
sua resistência. Em muitas articulações
sinoviais, todavia, existem ligamentos
independentes da cápsula articular e em
algumas, como na do joelho, aparecem
também ligamentos intra-articulares.
• cavidade articular é o espaço
existente entre as superfícies
articulares, estando preenchido
pelo líquido sinovial
• Ligamentos e cápsula articular:
manter a união entre os ossos,
• impedem o movimento em
planos indesejáveis e
• limitam a amplitude dos
movimentos considerados
normais.
Membrana sinovial
• A membrana sinovial é a mais interna das
camadas da cápsula articular.
• abundantemente vascularizada e inervada,
• encarregada da produção da sinóvia (líquido
sinovial),
• funções: lubrificar e nutrir as cartilagens
articulares.
• O volume de líquido sinovial presente em uma
articulação é mínimo, somente o suficiente
para revestir delgadamente as superfícies
articulares e localiza-se na cavidade articular
Movimentos das articulações
sinoviais
• As articulações fibrosas e cartilagíneas
tem um mínimo grau de mobilidade.
• Assim, a verdadeira mobilidade articular
é dada pelas articulações sinoviais.
• a direção do eixo de movimento é sempre
perpendicular ao plano no qual se realiza
o movimento em questão.
• Assim, todo movimento é realizado em
um plano determinado e o seu eixo de
movimento é perpendicular àquele
plano.
Flexão e extensão
• flexão e extensão são movimentos angulares, ou seja, neles ocorre
uma diminuição ou um aumento do ângulo existente entre o
segmento que se desloca e aquele que permanece fixo.
• Quando ocorre a diminuição do ângulo diz-se que há flexão; quando
ocorre o aumento, realizou-se a extensão, exceto para o pé.
Adução e abdução
• adução e abdução que são movimentos
nos quais o segmento é deslocado,
respectivamente, em direção ao plano
mediano ou em direção oposta, isto é,
afastando-se dele. Para os dedos
prevalece o plano mediano do
membro. Os movimentos da adução e
abdução desenvolvem-se em plano
frontal e seu eixo de movimento é
ântero-posterior.
Rotação
• rotação que é o movimento em que o
segmento gira em torno de um eixo
longitudinal (vertical). Assim, nos
membros, pode-se reconhecer uma
rotação medial, quando a face anterior do
membro gira em direção ao plano
mediano do corpo, e uma rotação lateral,
no movimento oposto. A rotação é feita
em plano horizontal e o eixo de
movimento, perpendicular a este plano é
vertical
Circundução
É o resultado do movimento combinatório
que inclui a adução, extensão, abdução,
flexão e rotação. Neste tipo de
movimento, a extremidade distal do
segmento descreve um círculo e o corpo
do segmento, um cone, cujo vértice é
representado pela articulação que se
movimenta.
CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO
NÚMERO DE EIXOS
• NÃO AXIAL - Planas (deslizamento) -coluna
• UNI-AXIAL - Gínglimo (flexão/extensão) (EIXO TRANSVERSAL)
Trocóide (rotação medial/lateral) (EIXO LONGITUDINAL)
• BI-AXIAL Condilar (flexão/extensão; adução/abdução) (EIXOS
TRANSVERSAL e SAGITAL). Selar (flexão/extensão; adução/abdução)
(EIXOS TRANSVERSAL e SAGITAL).
• TRI-AXIAL Esferóide (Circundução) (TODOS OS EIXOS)
(flexão/extensão; adução/abdução; rotação medial/lateral)
CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO
NÚMERO DE ELEMENTOS
• - SIMPLES- 2 ossos
• - COMPOSTA (ou complexa) 3 ou
mais ossos Complexidade de
organização
• Quando apenas dois ossos entram
em contato numa articulação sinovial
diz-se que ela é simples (por
exemplo, a articulação do ombro);
• Quando três ou mais ossos
participam da articulação ela é
denominada composta (a articulação
do cotovelo envolve três ossos:
úmero, ulna e rádio).
• As articulações sinoviais são muito
inervadas. Isso nos dá a Sensação de
posição.
• Os nervos são derivados dos que
suprem a pele adjacente ou os
músculos que movem as articulações.
• As terminações nervosas sensíveis a
dor são numerosas na membrana
fibrosa da cápsula e nos ligamentos e
são sensíveis ao estiramento e à
torção destas estruturas.
Mas o principal tipo de sensibilidade é a
propriocepção. Das terminações
proprioceptoras da cápsula – fusos
neurotendinosos – partem impulsos que
interpretados no sistema nervoso central
informam sobre a posição relativa dos ossos
da articulação, do grau e direção de
movimento.
As vezes, essas informações são
inconscientes, e atuam em nível de medula
espinhal para controle dos músculos que
agem sobre a articulação.
2. sistemas de sustentação pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema Locomotor
Sistema LocomotorSistema Locomotor
Sistema Locomotor
arvoredenoz
 
Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
Gracieli Henicka
 
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIAAula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Leonardo Delgado
 
Doenças deseq Esqueleto Musculo
Doenças deseq  Esqueleto MusculoDoenças deseq  Esqueleto Musculo
Doenças deseq Esqueleto Musculo
Escola Básica e Secundária de Vizela - Infias
 
VI.1 Sistema ósseo
VI.1 Sistema ósseoVI.1 Sistema ósseo
VI.1 Sistema ósseo
Rebeca Vale
 
Anatomia humana
Anatomia humanaAnatomia humana
Anatomia humana
Stephany Strombeck
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
Fernando Dias
 
Aula 03 sistema articular
Aula 03   sistema articularAula 03   sistema articular
Aula 03 sistema articular
Felipe Beijamini
 
Anatomia humana sistema esquelético
Anatomia humana   sistema esqueléticoAnatomia humana   sistema esquelético
Anatomia humana sistema esquelético
Karinne Ferreira
 
Aula 1 introdução a anatomia humana
Aula 1  introdução a anatomia humanaAula 1  introdução a anatomia humana
Aula 1 introdução a anatomia humana
digaomedina
 
Sistema muscular
Sistema muscularSistema muscular
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
Prof. Saulo Bezerra
 
04 Sistema Muscular
04   Sistema Muscular04   Sistema Muscular
04 Sistema Muscular
Maxsuell Lopes
 
Aula 05 sistema muscular esquelético
Aula 05   sistema muscular esqueléticoAula 05   sistema muscular esquelético
Aula 05 sistema muscular esquelético
Hamilton Nobrega
 
Aula02: OSTEOLOGIA
Aula02: OSTEOLOGIAAula02: OSTEOLOGIA
Aula02: OSTEOLOGIA
Leonardo Delgado
 
Introdução a anatomia
Introdução a anatomiaIntrodução a anatomia
Introdução a anatomia
Felipe Henrique de Paula Oliveira
 
1 introdução anatomia
1 introdução anatomia1 introdução anatomia
1 introdução anatomia
Elisabete Vasconcelos Sousa
 
Sistema Tegumentar
Sistema TegumentarSistema Tegumentar
Sistema Tegumentar
psicologiaisecensa
 
Apostila sistema esqueleticorevisada
Apostila sistema esqueleticorevisadaApostila sistema esqueleticorevisada
Apostila sistema esqueleticorevisada
Cristiane Dias
 
Sistema locomotor slides
Sistema locomotor slidesSistema locomotor slides
Sistema locomotor slides
Gedimar Pereira
 

Mais procurados (20)

Sistema Locomotor
Sistema LocomotorSistema Locomotor
Sistema Locomotor
 
Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
 
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIAAula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
 
Doenças deseq Esqueleto Musculo
Doenças deseq  Esqueleto MusculoDoenças deseq  Esqueleto Musculo
Doenças deseq Esqueleto Musculo
 
VI.1 Sistema ósseo
VI.1 Sistema ósseoVI.1 Sistema ósseo
VI.1 Sistema ósseo
 
Anatomia humana
Anatomia humanaAnatomia humana
Anatomia humana
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
 
Aula 03 sistema articular
Aula 03   sistema articularAula 03   sistema articular
Aula 03 sistema articular
 
Anatomia humana sistema esquelético
Anatomia humana   sistema esqueléticoAnatomia humana   sistema esquelético
Anatomia humana sistema esquelético
 
Aula 1 introdução a anatomia humana
Aula 1  introdução a anatomia humanaAula 1  introdução a anatomia humana
Aula 1 introdução a anatomia humana
 
Sistema muscular
Sistema muscularSistema muscular
Sistema muscular
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
 
04 Sistema Muscular
04   Sistema Muscular04   Sistema Muscular
04 Sistema Muscular
 
Aula 05 sistema muscular esquelético
Aula 05   sistema muscular esqueléticoAula 05   sistema muscular esquelético
Aula 05 sistema muscular esquelético
 
Aula02: OSTEOLOGIA
Aula02: OSTEOLOGIAAula02: OSTEOLOGIA
Aula02: OSTEOLOGIA
 
Introdução a anatomia
Introdução a anatomiaIntrodução a anatomia
Introdução a anatomia
 
1 introdução anatomia
1 introdução anatomia1 introdução anatomia
1 introdução anatomia
 
Sistema Tegumentar
Sistema TegumentarSistema Tegumentar
Sistema Tegumentar
 
Apostila sistema esqueleticorevisada
Apostila sistema esqueleticorevisadaApostila sistema esqueleticorevisada
Apostila sistema esqueleticorevisada
 
Sistema locomotor slides
Sistema locomotor slidesSistema locomotor slides
Sistema locomotor slides
 

Destaque

1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia
Ieda Dorneles
 
Obesidade
Obesidade Obesidade
Obesidade
Ieda Dorneles
 
Aula fisiologia humana
Aula   fisiologia humanaAula   fisiologia humana
Aula fisiologia humana
santhdalcin
 
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaFisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Herbert Santana
 
Introdução à Anatomia e Fisiologia Humana
Introdução à Anatomia e Fisiologia HumanaIntrodução à Anatomia e Fisiologia Humana
Introdução à Anatomia e Fisiologia Humana
Eiderson Silva Cabral
 
Aula 01 introdução a anatomia - posição, planos, cortes e divisões do corpo...
Aula 01   introdução a anatomia - posição, planos, cortes e divisões do corpo...Aula 01   introdução a anatomia - posição, planos, cortes e divisões do corpo...
Aula 01 introdução a anatomia - posição, planos, cortes e divisões do corpo...
Hamilton Nobrega
 
02
0202
Esqueleto areal
Esqueleto arealEsqueleto areal
Esqueleto areal
Maria Ferreira
 
Estatuto do DCE/JM (Josias Morais) UEMA/CESI
Estatuto do DCE/JM (Josias Morais) UEMA/CESIEstatuto do DCE/JM (Josias Morais) UEMA/CESI
Estatuto do DCE/JM (Josias Morais) UEMA/CESI
Eiderson Silva Cabral
 
Tese mestrado disfunção temporomandibular - técnicas cirúrgicas de tratamento
Tese mestrado   disfunção temporomandibular - técnicas cirúrgicas de tratamentoTese mestrado   disfunção temporomandibular - técnicas cirúrgicas de tratamento
Tese mestrado disfunção temporomandibular - técnicas cirúrgicas de tratamento
Rita Graca
 
Livro depressao
Livro depressaoLivro depressao
Livro depressao
Jose Hamilton
 
Biologia ácidos nucléicos (2015)
Biologia ácidos nucléicos (2015)Biologia ácidos nucléicos (2015)
Biologia ácidos nucléicos (2015)
Vitor Pinheiro
 
Biologia8 sustlocom
Biologia8 sustlocomBiologia8 sustlocom
Biologia8 sustlocom
victornascimentorocha
 
Apostila8 sistema endocrino
Apostila8 sistema endocrinoApostila8 sistema endocrino
Apostila8 sistema endocrino
Barbara Laboissiere
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Digestivo
Sistema DigestivoSistema Digestivo
Roscas,parafusos porcas e arruelas
Roscas,parafusos porcas e arruelasRoscas,parafusos porcas e arruelas
Roscas,parafusos porcas e arruelas
Clodoaldo Araujo ,Técnico Mecânico
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
LUCAS MENDES SILVA OLIVEIRA
 
Antomia Buco-Dental
Antomia Buco-DentalAntomia Buco-Dental
Antomia Buco-Dental
Wálina Alves
 

Destaque (20)

1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia
 
Obesidade
Obesidade Obesidade
Obesidade
 
Aula fisiologia humana
Aula   fisiologia humanaAula   fisiologia humana
Aula fisiologia humana
 
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaFisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
 
Introdução à Anatomia e Fisiologia Humana
Introdução à Anatomia e Fisiologia HumanaIntrodução à Anatomia e Fisiologia Humana
Introdução à Anatomia e Fisiologia Humana
 
Aula 01 introdução a anatomia - posição, planos, cortes e divisões do corpo...
Aula 01   introdução a anatomia - posição, planos, cortes e divisões do corpo...Aula 01   introdução a anatomia - posição, planos, cortes e divisões do corpo...
Aula 01 introdução a anatomia - posição, planos, cortes e divisões do corpo...
 
02
0202
02
 
Esqueleto areal
Esqueleto arealEsqueleto areal
Esqueleto areal
 
Estatuto do DCE/JM (Josias Morais) UEMA/CESI
Estatuto do DCE/JM (Josias Morais) UEMA/CESIEstatuto do DCE/JM (Josias Morais) UEMA/CESI
Estatuto do DCE/JM (Josias Morais) UEMA/CESI
 
Tese mestrado disfunção temporomandibular - técnicas cirúrgicas de tratamento
Tese mestrado   disfunção temporomandibular - técnicas cirúrgicas de tratamentoTese mestrado   disfunção temporomandibular - técnicas cirúrgicas de tratamento
Tese mestrado disfunção temporomandibular - técnicas cirúrgicas de tratamento
 
Livro depressao
Livro depressaoLivro depressao
Livro depressao
 
Ciencias corpo humano
Ciencias corpo humanoCiencias corpo humano
Ciencias corpo humano
 
Biologia ácidos nucléicos (2015)
Biologia ácidos nucléicos (2015)Biologia ácidos nucléicos (2015)
Biologia ácidos nucléicos (2015)
 
Biologia8 sustlocom
Biologia8 sustlocomBiologia8 sustlocom
Biologia8 sustlocom
 
Apostila8 sistema endocrino
Apostila8 sistema endocrinoApostila8 sistema endocrino
Apostila8 sistema endocrino
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema Digestivo
Sistema DigestivoSistema Digestivo
Sistema Digestivo
 
Roscas,parafusos porcas e arruelas
Roscas,parafusos porcas e arruelasRoscas,parafusos porcas e arruelas
Roscas,parafusos porcas e arruelas
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
Antomia Buco-Dental
Antomia Buco-DentalAntomia Buco-Dental
Antomia Buco-Dental
 

Semelhante a 2. sistemas de sustentação pdf

Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Hamilton Nobrega
 
Anatomia aula 02,03.pptx ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA, ESQUELETICA E ARTICULAR
Anatomia aula 02,03.pptx ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA, ESQUELETICA E ARTICULARAnatomia aula 02,03.pptx ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA, ESQUELETICA E ARTICULAR
Anatomia aula 02,03.pptx ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA, ESQUELETICA E ARTICULAR
FABIANOVALE5
 
Sistema esquelético
Sistema esqueléticoSistema esquelético
Sistema esquelético
Gabriel Cristiano
 
Osteologia
OsteologiaOsteologia
Sistema esquelético e tegumentar
Sistema esquelético e tegumentarSistema esquelético e tegumentar
Sistema esquelético e tegumentar
Ana Carolina Andrade
 
Tecido Ósseo
Tecido Ósseo Tecido Ósseo
Tecido Ósseo
LucianeGomes13
 
10º PTAS-esqueletohumanopowerpoint-edi.pptx
10º PTAS-esqueletohumanopowerpoint-edi.pptx10º PTAS-esqueletohumanopowerpoint-edi.pptx
10º PTAS-esqueletohumanopowerpoint-edi.pptx
Isaura Mourão
 
segunda aula de anatomia
segunda aula de anatomia segunda aula de anatomia
segunda aula de anatomia
Paulo Henrique Campos Vilhena
 
Sistema Ósseo
Sistema ÓsseoSistema Ósseo
Sistema Ósseo
José Antonio Paniagua
 
Aparelho Locomotor
Aparelho LocomotorAparelho Locomotor
Aparelho Locomotor
Laah Borges
 
Esqueletohumanopowerpoint edit-120525102638-phpapp02
Esqueletohumanopowerpoint edit-120525102638-phpapp02Esqueletohumanopowerpoint edit-120525102638-phpapp02
Esqueletohumanopowerpoint edit-120525102638-phpapp02
Rafaela Pessoa
 
Tecido ósseo 2o a
Tecido ósseo 2o aTecido ósseo 2o a
Tecido ósseo 2o a
SESI 422 - Americana
 
Sistema EsqueléTico
Sistema EsqueléTicoSistema EsqueléTico
Sistema EsqueléTico
guest426133c
 
Histol tecidos conjuntivos
Histol tecidos conjuntivosHistol tecidos conjuntivos
Histol tecidos conjuntivos
ANA LUCIA FARIAS
 
INTRODUÇÃO A ANATOMIA DAPELE E SISTEMA ESQUELÉTICO.
INTRODUÇÃO A ANATOMIA DAPELE E SISTEMA ESQUELÉTICO.INTRODUÇÃO A ANATOMIA DAPELE E SISTEMA ESQUELÉTICO.
INTRODUÇÃO A ANATOMIA DAPELE E SISTEMA ESQUELÉTICO.
FabioCorreia46
 
Osteologia humana - anatomia humana
Osteologia humana - anatomia humanaOsteologia humana - anatomia humana
Osteologia humana - anatomia humana
Marília Gomes
 
Histologia tecido conjuntivo e tecido osseo odonto.pptx
Histologia tecido conjuntivo e tecido osseo odonto.pptxHistologia tecido conjuntivo e tecido osseo odonto.pptx
Histologia tecido conjuntivo e tecido osseo odonto.pptx
Vinicius Lopes
 
Tecidos conjuntivos especiais
Tecidos conjuntivos especiaisTecidos conjuntivos especiais
Tecidos conjuntivos especiais
Jailson Maia
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
Altair Hoepers
 
Aula 1 noções de anatomia
Aula 1   noções de anatomiaAula 1   noções de anatomia
Aula 1 noções de anatomia
Julia Martins Ulhoa
 

Semelhante a 2. sistemas de sustentação pdf (20)

Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
 
Anatomia aula 02,03.pptx ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA, ESQUELETICA E ARTICULAR
Anatomia aula 02,03.pptx ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA, ESQUELETICA E ARTICULARAnatomia aula 02,03.pptx ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA, ESQUELETICA E ARTICULAR
Anatomia aula 02,03.pptx ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA, ESQUELETICA E ARTICULAR
 
Sistema esquelético
Sistema esqueléticoSistema esquelético
Sistema esquelético
 
Osteologia
OsteologiaOsteologia
Osteologia
 
Sistema esquelético e tegumentar
Sistema esquelético e tegumentarSistema esquelético e tegumentar
Sistema esquelético e tegumentar
 
Tecido Ósseo
Tecido Ósseo Tecido Ósseo
Tecido Ósseo
 
10º PTAS-esqueletohumanopowerpoint-edi.pptx
10º PTAS-esqueletohumanopowerpoint-edi.pptx10º PTAS-esqueletohumanopowerpoint-edi.pptx
10º PTAS-esqueletohumanopowerpoint-edi.pptx
 
segunda aula de anatomia
segunda aula de anatomia segunda aula de anatomia
segunda aula de anatomia
 
Sistema Ósseo
Sistema ÓsseoSistema Ósseo
Sistema Ósseo
 
Aparelho Locomotor
Aparelho LocomotorAparelho Locomotor
Aparelho Locomotor
 
Esqueletohumanopowerpoint edit-120525102638-phpapp02
Esqueletohumanopowerpoint edit-120525102638-phpapp02Esqueletohumanopowerpoint edit-120525102638-phpapp02
Esqueletohumanopowerpoint edit-120525102638-phpapp02
 
Tecido ósseo 2o a
Tecido ósseo 2o aTecido ósseo 2o a
Tecido ósseo 2o a
 
Sistema EsqueléTico
Sistema EsqueléTicoSistema EsqueléTico
Sistema EsqueléTico
 
Histol tecidos conjuntivos
Histol tecidos conjuntivosHistol tecidos conjuntivos
Histol tecidos conjuntivos
 
INTRODUÇÃO A ANATOMIA DAPELE E SISTEMA ESQUELÉTICO.
INTRODUÇÃO A ANATOMIA DAPELE E SISTEMA ESQUELÉTICO.INTRODUÇÃO A ANATOMIA DAPELE E SISTEMA ESQUELÉTICO.
INTRODUÇÃO A ANATOMIA DAPELE E SISTEMA ESQUELÉTICO.
 
Osteologia humana - anatomia humana
Osteologia humana - anatomia humanaOsteologia humana - anatomia humana
Osteologia humana - anatomia humana
 
Histologia tecido conjuntivo e tecido osseo odonto.pptx
Histologia tecido conjuntivo e tecido osseo odonto.pptxHistologia tecido conjuntivo e tecido osseo odonto.pptx
Histologia tecido conjuntivo e tecido osseo odonto.pptx
 
Tecidos conjuntivos especiais
Tecidos conjuntivos especiaisTecidos conjuntivos especiais
Tecidos conjuntivos especiais
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
 
Aula 1 noções de anatomia
Aula 1   noções de anatomiaAula 1   noções de anatomia
Aula 1 noções de anatomia
 

Último

doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
ccursog
 
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
SusanaMatos22
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed FísicaPrincipios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
AllanNovais4
 
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
DiegoFernandes857616
 
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdfCartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Camila Lorranna
 
Pompoarismo - uma abordagem para a saúde
Pompoarismo - uma abordagem para a saúdePompoarismo - uma abordagem para a saúde
Pompoarismo - uma abordagem para a saúde
FernandaCastro768379
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
BeatrizLittig1
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
sidneyjmg
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
jhordana1
 
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagemHistoria de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
sidneyjmg
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 

Último (12)

doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
 
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed FísicaPrincipios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
 
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
 
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdfCartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
 
Pompoarismo - uma abordagem para a saúde
Pompoarismo - uma abordagem para a saúdePompoarismo - uma abordagem para a saúde
Pompoarismo - uma abordagem para a saúde
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
 
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagemHistoria de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 

2. sistemas de sustentação pdf

  • 1. SISTEMAS DE SUSTENTAÇÃO ESQUELÉTICO E ARTICULAR CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE INSTITUTO CENECISTA DE ENSINO SUPERIOR DE SANTO ÂNGELO PRONATEC- CURSO TÉCNICO EM CITOPATOLOGIA Disciplina de Anatomia e Fisiologia Prof. Ieda Dorneles-iedabiomed@gmail.com
  • 2. SISTEMAS DE SUSTENTAÇÃO ESQUELÉTICO • Sustentação ao corpo, • Proteção aos os órgãos internos • Fornece pontos de apoio para a fixação dos músculos. • Armazenamento. • Produção. • Ele constitui-se de peças ósseas (ao todo 208 ossos no indivíduo adulto) e cartilaginosas articuladas, que formam um sistema de alavancas movimentadas pelos músculos.
  • 3. • O esqueleto humano pode ser dividido em duas partes: • 1-Esqueleto axial: formado pela caixa craniana, coluna vertebral caixa torácica. • 2-Esqueleto apendicular: compreende a cintura escapular, formada pelas escápulas e clavículas; cintura pélvica, formada pelos ossos ilíacos (da bacia) e o esqueleto dos membros (superiores ou anteriores e inferiores ou posteriores).
  • 4. Esqueleto axial • Caixa craniana • Possui os seguintes ossos importantes: frontal, parietais, temporais, occipital, esfenóide, nasal, lacrimais, malares ("maçãs do rosto" ou zigomático), maxilar superior e mandíbula (maxilar inferior).
  • 5. • no osso esfenóide existe uma depressão denominada de sela turca onde se encontra uma das menores e mais importantes glândulas do corpo humano - a hipófise, no centro geométrico do crânio. • Fontanela ou moleira é o nome dado à região alta e mediana, da cabeça da criança, que facilita a passagem da mesma no canal do parto; após o nascimento, será substituída por osso.
  • 6.
  • 7.
  • 8. Coluna vertebral • É uma coluna de vértebras que apresentam cada uma um orifício, que se sobrepõem constituindo um canal que aloja a medula nervosa ou espinhal; é dividida em regiões típicas que são: coluna cervical (região do pescoço), coluna torácica, coluna lombar, coluna sacral, coluna cocciciana (coccix).
  • 10.
  • 11.
  • 12. Caixa torácica • osso esterno e costelas, que são em número de 12 de cada lado, sendo: • 7 primeiras verdadeiras (se inserem diretamente no esterno), • 3 falsas (se reúnem e depois se unem ao esterno), • e 2 flutuantes (com extremidades anteriores livres, não se fixando ao esterno).
  • 13.
  • 14. Esqueleto apendicular MMSS • membro superior: é composto de braço, antebraço, pulso e mão. • O osso do braço – úmero– articula-se no cotovelo com os ossos do antebraço: rádio e ulna. • O pulso constitui-se de ossos pequenos e maciços, os carpos. • A palma da mão é formada pelos metacarpos e os dedos, pelas falanges.
  • 15. Esqueleto apendicular MMII • Cada membro inferior compõe-se de coxa, perna, tornozelo e pé. O osso da coxa é o fêmur, o mais longo do corpo. No joelho, ele se articula com os dois ossos da perna: a tíbia e a fíbula. • A região frontal do joelho está protegida por um pequeno osso circular: a patela. • Ossos pequenos e maciços, chamados tarsos, formam o tornozelo. A planta do pé é constituída pelos metatarsos e os dedos dos pés (artelhos), pelas falanges.
  • 16. CINTURAS • Os membros estão unidos ao corpo mediante um sistema ósseo que toma o nome de cintura ou de cinta. • A cintura superior se chama cintura torácica ou escapular(formada pela clavícula e pela escápula ; • a inferior se chama cintura pélvica, constituída pelo sacro - osso volumoso resultante da fusão de cinco vértebras, por um par de ossos ilíacos e pelo cóccix, formado por quatro a seis vértebras rudimentares fundidas. • A primeira sustenta o úmero e com ele todo o braço; a segunda dá apoio ao fêmur e a toda o membro inferior.
  • 19. Junturas e articulações • Juntura é o local de junção entre dois ou mais ossos. • Algumas junturas, como as do crânio, são fixas; nelas os ossos estão firmemente unidos entre si. • Em outras junturas, denominadas articulações, os ossos são móveis e permitem ao esqueleto realizar movimentos.
  • 20. Ligamentos • Os ossos de uma articulação mantêm-se no lugar por meio dos ligamentos, cordões resistentes constituídos por tecido conjuntivo fibroso. Os ligamentos estão firmemente unidos às membranas que revestem os ossos.
  • 21. Sistema ósseo • Classificação dos ossos • Os ossos são classificados de acordo com a sua forma em: • Longos: têm duas extremidades ou epífises; o corpo do osso é a diáfise; entre a diáfise e cada epífise fica a metáfise. A diáfise é formada por tecido ósseo compacto, enquanto a epífise e a metáfise, por tecido ósseo esponjoso. Exemplos: fêmur, úmero.
  • 22. • Curtos: têm as três extremidades praticamente equivalentes e são encontrados nas mãos e nos pés. • São constituídos por tecido ósseo esponjoso. Exemplos: calcâneo, tarsos, carpos.
  • 23. • Planos ou Chatos: são formados por duas camadas de tecido ósseo compacto, tendo entre elas uma camada de tecido ósseo esponjoso e de medula óssea Exemplos: esterno, ossos do crânio, ossos da bacia, escápula
  • 24.
  • 25. periósteo • Revestindo o osso compacto na diáfise, existe uma delicada membrana - o periósteo - responsável pelo crescimento em espessura do osso e também pela consolidação dos ossos após fraturas (calo ósseo). • As superfícies articulares são revestidas por cartilagem.
  • 26. • Entre as epífises e a diáfise encontra-se um disco ou placa de cartilagem nos ossos em crescimento, tal disco é chamado de disco metafisário (ou epifisário) e é responsável pelo crescimento longitudinal do osso.
  • 27.
  • 28. • O interior dos ossos é preenchido pela medula óssea, que, em parte é amarela, funcionando como depósito de lipídeos, e, no restante, é vermelha e gelatinosa, constituindo o local de formação das células do sangue, ou seja, de hematopoiese. • O tecido hemopoiético é popularmente conhecido por "tutano".As maiores quantidades de tecido • hematopoético estão nos ossos da bacia e no esterno. Nos ossos longos, a medula óssea vermelha é encontrada principalmente nas epífises.
  • 29. TECIDOS QUE FORMAM O ESQUELETO • Tecido ósseo- Osteócitos Osteoblastos Osteoclastos Matriz óssea • Tecido cartilaginoso Cartilagem hialina Cartilagem elástica Fibrocartilagem ou cartilagem fibrosa
  • 30. TECIDO ÓSSEO • Alto grau de rigidez e resistência a pressão • Função esta relacionada a proteção e sustentação • Alavanca e apoio para os músculos • Armazenam substâncias como cálcio e fósforo • Com o envelhecimento tecido adiposo se acumula sustituindo a medula vermelha por adipócitos • A extrema rigidez é resultado da interação entre o componente orgânico e o componente mineral da matriz óssea, e sua nutrição é feita por canais.
  • 31. Osteócitos • os osteócitos estão localizados em cavidades ou lacunas dentro da matriz óssea. • Destas lacunas formam-se canalículos que se dirigem para outras lacunas, tornando assim a difusão de nutrientes possível graças à comunicação entre os osteócitos. Os osteócitos têm um papel fundamental na manutenção da integridade da matriz óssea.
  • 32. Osteoblastos: • sintetizam a parte orgânica da matriz óssea, composta por colágeno tipo I, glicoproteínas e proteoglicanas. • concentram fosfato de cálcio, participando da mineralização da matriz. • . Possuem sistema de comunicação intercelular semelhante ao existente entre os osteócitos. • Os osteócitos originam-se de osteoblastos, quando estes são envolvidos completamente por matriz óssea.
  • 33. Osteoclastos • os osteoclastos participam dos processos de absorção e remodelação do tecido ósseo. • São células gigantes e multinucleadas, extensamente ramificadas, derivadas de monócitos que atravessam os capilares sangüíneos. • Nos osteoclastos jovens, o citoplasma apresenta uma leve basofilia que vai progressivamente diminuindo com o amadurecimento da célula, até que o citoplasma finalmente se torna acidófilo (com afinidade por corantes ácidos). Dilatações dos osteoclastos, através da sua ação enzimática, escavam a matriz óssea, formando depressões conhecidas como lacunas de Howship.
  • 34. Matriz óssea A matriz óssea é composta por uma parte orgânica e uma parte inorgânica cuja composição é dada basicamente por íons fosfato e cálcio formando cristais de hidroxiapatita. A matriz orgânica, quando o osso se apresenta descalcificado, cora-se com os corantes específicos do colágeno (pois ela é composta por 95% de colágeno tipo I).
  • 35.
  • 36. Tipos de tecido • A classificação baseada no critério histológico admite apenas duas variantes de tecido ósseo: • o tecido ósseo compacto ou denso e o tecido ósseo esponjoso ou lacunar ou reticulado. • Essas variedades apresentam o mesmo tipo de célula e de substância intercelular, diferindo entre si apenas na disposição de seus elementos e na quantidade de espaços medulares.
  • 37. • O tecido ósseo esponjoso apresenta espaços medulares mais amplos, sendo formado por várias trabéculas, que dão aspecto poroso ao tecido. • O tecido ósseo compacto praticamente não apresenta espaços medulares, existindo, no entanto, além dos canalículos, um conjunto de canais que são percorridos por nervos e vasos sangüíneos: canais de Volkmann e canais de Havers. Por ser uma estrutura inervada e irrigada, os ossos apresentam grande sensibilidade e capacidade de regeneração.
  • 38. • Os canais de Volkmann partem da superfície do osso (interna ou externa),possuindo uma trajetória perpendicular em relação ao eixo maior do osso. • Esses canais comunicam- se com os canais de Havers, que percorrem o osso longitudinalmente e que podem comunicar-se por projeções laterais.
  • 39. • Ao redor de cada canal de Havers, pode-se observar várias lamelas concêntricas de substância intercelular e de células ósseas. Cada conjunto deste, formado pelo canal central de Havers e por lamelas concêntricas é denominado sistema de Havers ou sistema haversiano. Os canais de Volkmann não apresentam lamelas concêntricas.
  • 40. Então.... • Canais de Harvers: São canais que correm paralelos à superfície do osso, contendo os osteócitos, e sua função é levar oxigênio e nutrientes e remover os produtos do catabolismo. • Canais de volkmann: São canais que interligam transversalmente o sistema Harvesiano aos vasos sanguíneos do periósteo e do endósteo.
  • 41. • Os tecidos ósseos descritos são os tecidos mais abundantes dos ossos: • externamente temos uma camada de tecido ósseo compacto; • internamente, de tecido ósseo esponjoso. • Os ossos são revestidos externa e internamente por membranas denominadas periósteo e endósteo, respectivamente.
  • 42. • Ambas as membranas são vascularizadas e suas células transformam-se em osteoblastos. Portanto, são importantes na nutrição e oxigenação das células do tecido ósseo e como fonte de osteoblastos para o crescimento dos ossos e reparação das fraturas. Além disto, nas regiões articulares encontramos as cartilagens fibrosas. • Por ser uma estrutura inervada e irrigada, os ossos apresentam grande sensibilidade e capacidade de regeneração.
  • 43. • o interior dos ossos está a medula óssea, que pode ser: • vermelha: formadora de células do sangue e plaquetas (tecido reticular ou hematopoiético): constituída por células reticulares associadas a fibras reticulares. • amarela: constituída por tecido adiposo (não produz células do sangue).
  • 44.
  • 45.
  • 46. • o recém-nascido, toda a medula óssea é vermelha. Já no adulto, a medula vermelha fica restrita aos ossos chatos do corpo (esterno, costelas, ossos do crânio), às vértebras e às epífises do fêmur e do úmero (ossos longos). Com o passar dos anos, a medula óssea vermelha presente no fêmur e no úmero transforma-se em amarela.
  • 47. TECIDO CARTILAGINOSO • O tecido cartilaginoso é uma forma especializada de tecido conjuntivo de consistência rígida. função de:  Suporte de tecidos moles,  Revestimento de superfícies articulares onde  Absorção de choques,  Facilitação de deslizamentos,  formação e crescimento dos ossos longos.
  • 48.  A cartilagem é um tipo de tecido conjuntivo composto exclusivamente de células chamadas condrócitos e de uma matriz extracelular altamente especializada. • É um tecido avascular, não possui vasos sanguíneos, sendo nutrido pelos capilares do conjuntivo envolvente (pericôndrio) ou através do líquido sinovial das cavidades articulares
  • 49. • As cartilagens (exceto as articulares e as peças de cartilagem fibrosa) são envolvidas por uma bainha conjuntiva que recebe o nome de pericôndrio, o qual continua gradualmente com a cartilagem por uma face e com o conjuntivo adjacente pela outra. As cartilagens basicamente se dividem em três tipos distintos: • 1) cartilagem hialina; • 2) fibrocartilagem ou cartilagem fibrosa; • 3) cartilagem elástica.
  • 50. Cartilagem hialina • Essa cartilagem forma o esqueleto inicial do feto; é a precursora dos ossos que se desenvolverão a partir do processo de ossificação endocondral. • Na criança, a cartilagem hialina funciona como placa de crescimento epifisário e essa placa continua funcional enquanto o osso estiver crescendo em comprimento. No osso longo do adulto, a cartilagem hialina está presente somente na superfície articular. • No adulto, também está presente como unidade esquelética na traquéia, nos brônquios, na laringe, no nariz e nas extremidades das costelas (cartilagens costais).
  • 51.
  • 52. Cartilagem elástica • Sua matriz contém fibras elásticas e lâminas de material elástico, além das fibrilas de colágeno e da substância fundamental; • maior elasticidade à cartilagem; • A presença desse material elástico (elastina) confere a esse tipo de cartilagem uma cor amarelada, quando examinado a fresco; • A cartilagem elástica pode estar presente isoladamente ou formar uma peça cartilaginosa junto com a cartilagem hialina;
  • 53.
  • 54. Fibrocartilagem ou Cartilagem fibrosa • é um tecido com características intermediárias entre o conjuntivo denso e a cartilagem hialina. • as numerosas fibras colágenas constituem feixes, que seguem uma orientação aparentemente irregular entreos condrócitos ou um arranjo paralelo ao longo dos condrócitos em fileiras. Essa orientação depende das forças que atuam sobre a fibrocartilagem. Os feixes colágenos colocam-se paralelamente às trações exercidas sobre eles. Na fibrocartilagem não existe pericôndrio..
  • 55. • discos intervertebrais, • sínfise púbica, • nos discos articulares das articulações dos joelhos • certos locais onde os tendões se ligam aos ossos. • Geralmente, a presença de fibrocartilagem indica que naquele local o tecido precisa resistir à compressão e ao desgaste.
  • 56.
  • 57. Crescimento • A cartilagem possui dois tipos de crescimento: aposicional e intersticial. • Crescimento aposicional é a formação de cartilagem sobre a superfície de uma cartilagem já existente. As células empenhadas nesse tipo de crescimento derivam do pericôndrio. O crescimento intersticial ocorre no interior da massa cartilaginosa. Isso é possível porque os condrócitos ainda são capazes de se dividir e porque a matriz é distensível.
  • 58. E por isso que .... As orelhas e o nariz NUNCA param de crescer!!!!!
  • 60. SISTEMA ARTICULAR • Articulação é a conexão entre duas ou mais peças esqueléticas (ossos ou cartilagens) o que faz CONTATO! • crescimento ósseo ocorra e que certas partes do esqueleto mudem de forma durante o parto. Além disto, capacitam que partes do corpo se movimentem em resposta a contração muscular.
  • 61. CLASSIFICAÇÃO DAS ARTICULAÇÕES • a- Quanto a duração; • b- Quanto a maneira de fixação aos ossos; • c- Quanto a natureza do tecido interposto; • d- Quanto ao número de eixos. • e- Quanto ao número de ossos.
  • 62. • 2.1.A - QUANTO A DURAÇÃO • -Temporárias (Ex. Linha epifisiária) • -Permanentes (Ex. Articulação do ombro) • 2.1.B - QUANTO A MANEIRA DE FIXAÇÃO AOS OSSOS • -Continuidade (Ex. Disco intervertebral) • -Contigüidade (Ex. Articulação do cotovelo) • 2.1.C - QUANTO A NATUREZA DO TECIDO INTERPOSTO • - Fibrosas (IMÓVEIS) • - Cartilaginosas ou cartilagíneas (SEMI-MÓVEIS) • - Sinoviais (MÓVEIS)
  • 63.
  • 64.
  • 65.
  • 66. • A mobilidade exige livre deslizamento de uma superfície óssea contra outra e isto é impossível quando entre elas interpõe-se um meio de ligação, seja fibroso ou cartilagíneo. • Para que haja o grau desejável de movimento, em muitas articulações, o elemento que se interpõe às peças que se articulam é um líquido denominado sinóvia, ou líquido sinovial. Líquido sinovial
  • 67. • além da presença deste líquido, as articulações sinoviais possuem três outras características básicas: • cartilagem articular, • cápsula articular • cavidade articular.
  • 68. • a cápsula articular é uma membrana conjuntiva que envolve a articulação sinovial. • Apresenta-se com duas camadas: a membrana fibrosa (externa) e a membrana sinovial (interna). • A membrana fibrosa é mais resistente e pode estar reforçada, em alguns pontos, por ligamentos , destinados a aumentar sua resistência. Em muitas articulações sinoviais, todavia, existem ligamentos independentes da cápsula articular e em algumas, como na do joelho, aparecem também ligamentos intra-articulares.
  • 69. • cavidade articular é o espaço existente entre as superfícies articulares, estando preenchido pelo líquido sinovial • Ligamentos e cápsula articular: manter a união entre os ossos, • impedem o movimento em planos indesejáveis e • limitam a amplitude dos movimentos considerados normais.
  • 70. Membrana sinovial • A membrana sinovial é a mais interna das camadas da cápsula articular. • abundantemente vascularizada e inervada, • encarregada da produção da sinóvia (líquido sinovial), • funções: lubrificar e nutrir as cartilagens articulares. • O volume de líquido sinovial presente em uma articulação é mínimo, somente o suficiente para revestir delgadamente as superfícies articulares e localiza-se na cavidade articular
  • 71. Movimentos das articulações sinoviais • As articulações fibrosas e cartilagíneas tem um mínimo grau de mobilidade. • Assim, a verdadeira mobilidade articular é dada pelas articulações sinoviais. • a direção do eixo de movimento é sempre perpendicular ao plano no qual se realiza o movimento em questão. • Assim, todo movimento é realizado em um plano determinado e o seu eixo de movimento é perpendicular àquele plano.
  • 72. Flexão e extensão • flexão e extensão são movimentos angulares, ou seja, neles ocorre uma diminuição ou um aumento do ângulo existente entre o segmento que se desloca e aquele que permanece fixo. • Quando ocorre a diminuição do ângulo diz-se que há flexão; quando ocorre o aumento, realizou-se a extensão, exceto para o pé.
  • 73.
  • 74. Adução e abdução • adução e abdução que são movimentos nos quais o segmento é deslocado, respectivamente, em direção ao plano mediano ou em direção oposta, isto é, afastando-se dele. Para os dedos prevalece o plano mediano do membro. Os movimentos da adução e abdução desenvolvem-se em plano frontal e seu eixo de movimento é ântero-posterior.
  • 75. Rotação • rotação que é o movimento em que o segmento gira em torno de um eixo longitudinal (vertical). Assim, nos membros, pode-se reconhecer uma rotação medial, quando a face anterior do membro gira em direção ao plano mediano do corpo, e uma rotação lateral, no movimento oposto. A rotação é feita em plano horizontal e o eixo de movimento, perpendicular a este plano é vertical
  • 76. Circundução É o resultado do movimento combinatório que inclui a adução, extensão, abdução, flexão e rotação. Neste tipo de movimento, a extremidade distal do segmento descreve um círculo e o corpo do segmento, um cone, cujo vértice é representado pela articulação que se movimenta.
  • 77.
  • 78.
  • 79. CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO NÚMERO DE EIXOS • NÃO AXIAL - Planas (deslizamento) -coluna • UNI-AXIAL - Gínglimo (flexão/extensão) (EIXO TRANSVERSAL) Trocóide (rotação medial/lateral) (EIXO LONGITUDINAL) • BI-AXIAL Condilar (flexão/extensão; adução/abdução) (EIXOS TRANSVERSAL e SAGITAL). Selar (flexão/extensão; adução/abdução) (EIXOS TRANSVERSAL e SAGITAL). • TRI-AXIAL Esferóide (Circundução) (TODOS OS EIXOS) (flexão/extensão; adução/abdução; rotação medial/lateral)
  • 80. CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO NÚMERO DE ELEMENTOS • - SIMPLES- 2 ossos • - COMPOSTA (ou complexa) 3 ou mais ossos Complexidade de organização • Quando apenas dois ossos entram em contato numa articulação sinovial diz-se que ela é simples (por exemplo, a articulação do ombro); • Quando três ou mais ossos participam da articulação ela é denominada composta (a articulação do cotovelo envolve três ossos: úmero, ulna e rádio).
  • 81. • As articulações sinoviais são muito inervadas. Isso nos dá a Sensação de posição. • Os nervos são derivados dos que suprem a pele adjacente ou os músculos que movem as articulações. • As terminações nervosas sensíveis a dor são numerosas na membrana fibrosa da cápsula e nos ligamentos e são sensíveis ao estiramento e à torção destas estruturas.
  • 82. Mas o principal tipo de sensibilidade é a propriocepção. Das terminações proprioceptoras da cápsula – fusos neurotendinosos – partem impulsos que interpretados no sistema nervoso central informam sobre a posição relativa dos ossos da articulação, do grau e direção de movimento. As vezes, essas informações são inconscientes, e atuam em nível de medula espinhal para controle dos músculos que agem sobre a articulação.