SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 142
100 DICAS PARA ACERTAR NO
       ENEM 2012/2013
         PARTE 10
         E AÍ, GOSTARAM?
ACABARAM-SE AS DICAS, E AGORA É
 TORCER PARA QUE ALGUMA DELAS
   CAIA NO SEU ENEM... SUCESSO
 SERÁ TODO SEU..SE VOCE LEVOU A
                SÉRIO
          VOCE VAI VER...
           Prof. MARIO FERNANDO DE MORI
DICA 91: 100 ANOS DA GUERRA
         DOS BÁLCÃS
1. Fatores que contribuíram para a eclosão
                 do conflito:

            1.1. Imperialismo


         • Inglaterra X Alemanha
“Como faremos para apertar as mãos?”
Na charge, a rivalidade naval entre a Alemanha e a Grã-
                       Bretanha.
1.2. Disputa colonial na África e Ásia
  por mercados e matérias-primas;
1.3. Conflitos nacionalistas

• Pan–eslavismo, liderado pela Rússia contra
        o Império Austro-Húngaro;

• Pan–germanismo, liderado pela Alemanha;


•   Revanchismo francês, devido à perda da
          Alsácia-Lorena, em 1870.
•1.4. Tensões no Marrocos e nos
               Bálcãs;

   •1.5. Assassinato do arquiduque
 austríaco Francisco Ferdinando, na
                Bósnia.
  Arquiduque Francisco
Ferdinando e sua esposa
Sofia, uma hora antes do
atentado em Sarajevo, em
   28 de junho de 1914.
Ilustração feita em
     1914 mostra o
atentado em Sarajevo
   contra o herdeiro
 austríaco Francisco
Ferdinando. Veja que
 sua esposa também
   será baleada pelo
       terrorista.
2. A política de alianças e a “paz armada”
Percebendo o inevitável conflito, inicia-se a corrida armamentista;

• Formação de dois blocos militares
3.Inicia-se a guerra
          (28 de julho/1914)
•O império Austro-
Húngaro declara
guerra à Sérvia;


• A Rússia mobiliza-
se contra os Austro-
húngaros e alemães;
•A Alemanha ataca a Bélgica (neutra) para
   chegar à França (Plano Schlieffen),
        generalizando o conflito.




Com a invasão das tropas alemãs, a população belga foi obrigada a
                          fugir do país.
3.1. A guerra de movimento

3.2. A guerra de posição (trincheiras)

3.3. 1917: Dois fatos marcantes

• Saída da Rússia, devido à Revolução
Socialista (Tratado de Brest-Litovsk - 1918);

• Entrada dos Estados Unidos.
Na primeira Guerra, ocorreu a estreia de armas
mortíferas: o tanque e o avião. Os aviões eram biplanos
(com duas asas ) e atingiam uma velocidade de até
200km/h. O tanque foi uma invenção inglesa, excelente
para enfrentar as trincheiras.
Tropas norte-
   americanas
    escoltam
   prisioneiros
alemães no final
   da Primeira
Guerra Mundial.
3.4. O Programa dos 14 Pontos: a
tentativa de paz sem vencedores;

4. O fim da guerra e os “Tratados
             de Paz”:

    • O Kaiser Guilherme II abdica e a
 Alemanha, transformada numa república,
assina o armistício (11 de novembro/1918).
•O Tratado de Versalhes: 440 artigos que
  humilharam a Alemanha, com indenizações,
devolução de territórios, desmilitarização etc.

•Surgimento de novos países: Tchecoslováquia,
  Hungria, Polônia, Iugoslávia, entre outros,
   desmembrando impérios como o Austro-
                   Húngaro.

 •Criação da Liga das Nações (1919), sem as
  participações dos Estados Unidos e União
                  Soviética.
Soldados
                        britânicos em ação
     Representantes dos países
envolvidos no Tratado de Versalhes.
  À esquerda, o primeiro-ministro
 britânico, David Lloyd George. No
 centro, o primeiro-ministro francês
  George Clemenceau. À direita, o
     presidente norte-americano
          Woodrow Wilson.
5. A supremacia mundial dos Estados Unidos
                 (fatores)
   •A neutralidade
durante a maior parte
      do conflito,
fornecendo produtos e
   empréstimos aos
  países da Entente;

   • A dependência
europeia pós-guerra e
    o consequente
 aumento de divisas.
Charge ironiza os vencedores da guerra: o inglês
David Lloyd-George, o francês Georges Clemenceau
e o americano Woodrow Wilson redefinem o mapa do
mundo.
Tanque
Renault usado      Bala de
 na Primeira    canhão usada
    Guerra       na Primeira
   Mundial.        Guerra.
Soldados à frente e, ao
    fundo, um tanque
       britânico.
Canhões em campo
aberto preparando-se
     para agir.
General Pershing,       Marechal von
  comandante das    Hindenburg, sob cujo
tropas americanas   comando estiveram os
                    alemães ao final das
    na Europa.           operações.
Carros blindados numa estrada. O
   aspecto desses carros mostra
   como era incipiente o uso da
  mecanização que mais tarde se
          generalizaria.
Soldados em repouso, numa
trincheira, aguardam o momento
 de entrar novamente em ação.
Já na I Guerra Mundial muitas
 cidades foram duramente castigadas
   pelos bombardeios. Aqui vemos o
aspecto a que os Alemães reduziram a
      cidade francesa de Ypres.
Comboio alemão de
tanques durante a
     guerra.
Comboio aliado
transportando provisões
   durante a guerra.
Aviões alemães num campo
 de pouso, à espera para
       decolagem.
Canhão
 utilizado
na Primeira
  Grande
  Guerra
 Mundial.
Uma cidade totalmente
 destruída durante a
       guerra.
Mapa da Europa durante a
    I Guerra Mundial.
“A humanidade é louca! Deve ser
    louca para fazer o que está
fazendo. Que massacre! Que cenas
de horror e carnificina. Não consigo
  encontrar palavras para traduzir
 minhas impressões. O inferno não
 pode ser tão terrível. Os homens
           estão loucos!”
   Soldado francês, pouco antes de morrer, vítima da guerra.
QUESTÃO SIMULADA SOBRE O
          TEMA 91
A região dos Bálcãs foi um importante foco de tensão. Ali, ocorreram diversos confrontos armados
     que acabaram deflagrando a Primeira Guerra Mundial, o que justifica a ideia de que os Bálcãs
     eram 'um barril de pólvora'. Na primeira Guerra dos Bálcãs (1912), o Império turco perdeu suas
     possessões nesta região ao ser derrotado pela Liga Balcânica (Sérvia, Bulgária, Montenegro,
     Romênia e Grécia) com o apoio da Rússia. A segunda Guerra dos Bálcãs (1913) foi travada entre a
     Sérvia e Bulgária na disputa desses mesmos territórios. A Paz de Bucareste deu a vitória aos
     sérvios.
A respeito da REGIÃO BALCÂNICA e DA GUERRA CITADA, PODE-SE AFIRMAR QUE:
1 – A Primeira Guerra Mundial ocorreram nas frentes ocidentais, em trincheiras e fortificações (separadas
     pelas "Terras de Ninguém", que era o espaço entre cada trincheira, onde vários cadáveres ficavam à
     espera do recolhimento) do Mar do Norte até a Suíça. As batalhas davam-se em invasões dinâmicas, em
     confrontos no mar, e pela primeira vez na história, no ar.
2 – A região dos conflitos, a balcânica, é uma área entrincheirada com grandes produções de petróleo, e um
     mosaico cultural, e esses dois fatos foram os causadores desta batalha do início do séc. XX;
3 - Três impérios europeus foram destruídos e consequentemente desmembrados: Alemão, o Austro-Húngaro
     e o Russo. Nos Bálcãs e no Médio Oriente o mesmo ocorreu com o Império Turco-Otomano.
4 – Os conflitos entre sérvios e muçulmanos, que marcaram a região no final do séc. XX, foi originado nas
     migrações dos árabes mouros para esta região da Europa, onde aspectos culturais dos mesmos estão
     presentes.
ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA:
a) Todas estão corretas
b) Somente 1 e 3 estão corretas
c) Somente 2 e 3
d) Somente 1,3,4 estão corretas
e) Somente 2 e 4 estão corretas
DICA 92: 10 ANOS DOS
ATENTADOS EM BALI
CHOQUE de
CIVILIZAÇÕES
A VITÓRIA do TERROR?
   Entrevistador: O senhor não gosta da expressão
           "choque de civilizações". Por quê?
     Said: (...) são inúmeros os problemas. Para
       começar, ela trata as civilizações como se
    fossem entidades fechadas, lacradas, alheias a
     qualquer tipo de troca (...). Por fim, a idéia de
         choque de civilizações tem um aspecto
      caricatural muito nocivo, como se enormes
       entidades chamadas "Ocidente" e o "Islã"
    estivessem num ringue, lutando para ver qual é
     a melhor. (intelectual palestino Edward Said)
                -Revista Veja, 25/06/2003.
   1095-1291 – Cruzadas
Incentivados pelo papa, cristãos rumam para o Oriente
Médio para conquistar Jerusalém e a Terra Santa dos
                      muçulmanos.
             1991 - Guerra do Golfo
   Iraque invade o vizinho Kwait, provocando reação
              militar dos Estados Unidos.
             2001 - 11 de Setembro
 Liderados por Osama bin Laden, terroristas islâmicos
seqüestram aviões nos Estados Unidos e projetam as
 aeronaves contra alvos em Nova York e Washington,
            causando mais de 3.000 mortes.
            2003 - Guerra do Iraque
Estados Unidos invadem o Iraque e derrubam o ditador
                   Saddam Hussein.
 Em meio à luta contra o terror detonada
    pelo 11 de Setembro, o presidente
 americano George W. Bush referiu-se à
  empreitada da coalização ocidental no
  Oriente Médio e no Afeganistão como
              uma "cruzada".
  "O terrorismo continua atuando, não
 devido a seu poder ideológico ou físico,
   mas porque as nações que dele são
 vítimas não conseguem detê-lo". (A.M.
  Rosenthal. "O Globo", 02/08/96, p. 07)
Alguns atentados
21 de julho de 1972, Belfast
• Mortos: 11 pessoas
• Feridos: 130 pessoas
• Culpados: braço armado
   do Exército Republicano
   Irlandês (IRA)
• A mais famosa ação
   terrorista do braço armado
   do IRA, o principal grupo
   radical do Ocidente. As
   dez bombas e oito carros-
   bomba detonados em
   Belfast.
5 de setembro de 1972, Munique
• Mortos: 11 inocentes, 5
  terroristas e um policial.
• Culpados: palestinos
  da facção Setembro
  Negro.
• A maior tragédia da
  história das Olimpíadas
  e o maior atentado em
  defesa       da    causa
  palestina.
26 de fevereiro de 1993, Nova York
• Mortos: 6 pessoas.
•Feridos: cerca de
  1.000 pessoas.
•Culpados:      radicais
  muçulmanos
  liderados por Ramzi
  Ahmed Yousef, ligado
  à rede Al Qaeda.
• A explosão de um
  furgão recheado com
  meia tonelada de
  bombas matou e feriu
  americanos.
20 de março de 1995, Tóquio
• Mortos: 12 pessoas.
• Feridos: 5.700 pessoas.
• Culpados: integrantes da
   seita Aum Shirinkyo.
• Uma nuvem de gás Sarin
   invadiu o metrô lotado e
   provou como as grandes
   metrópoles do mundo estão
   vulneráveis ao terror. Desta
   vez, os fanáticos não eram
   muçulmanos,      mas     sim
   membros de um culto
   apocalíptico.
19 de abril de 1995, Oklahoma City
• Mortos:   166 pessoas.
•Feridos:      centenas de
  pessoas.
•Culpados: extremistas de
  direita ligados a milícias.
•Quando uma van recheada
  de explosivos caseiros
  rasgou um prédio do
  governo ao meio na
  pacata      e    interiorana
  Oklahoma        City,      as
  suspeitas logo recaíram
  sobre homens de barba e
  turbante e Corão na mão.
  Os     assassinos       eram
  brancos e americanos.
11 de setembro de 2001, N. Y.,
  Washington e sul da Pensilvânia
•Mortos: mais de 3.000
  inocentes e 19 terroristas.
•Feridos:     milhares    de
  pessoas.
•Culpados:           radicais
  muçulmanos ligados à
  rede Al Qaeda.
•O maior atentado terrorista
  da     História:    quatro
  boeings seqüestrados.
   Número oficial de mortos no World Trade Center:
                             2819
       Fragmentos de pele e ossos coletados: 19 858
               Número de corpos identificados: 1102
           Número de pedestres mortos pela queda de
                         destroços: 10
                           Policiais mortos: 23
                          Bombeiros mortos: 343
   Faixa etária média das vítimas do atentado: 36 anos
   Pessoas resgatadas com vida dos escombros, todas
             no dia seguinte ao atentado: 18
    144 anéis, 437 relógios, 77 colares, 119
        brincos e 80 pulseiras foram recolhidos nos
        escombros, entre 65 000 objetos pessoais.
   Viagens de caminhões carregados de entulho:
                     108 444
       Duração do incêndio no subsolo: 101 dias
   O impacto de cada um dos aviões equivaleu à
      explosão de 1 000 toneladas de dinamite
   As cédulas de dólares recolhidas nos destroços
        encheram 60 sacos de lixo de 100 litros
  Dos cofres do banco Nova Scotia,
    localizados no subsolo do WTC, foram
   retiradas 3 800 barras de ouro pesando
 10,8 toneladas e avaliadas em 110 milhões
  de dólares e 848 toneladas de lingotes de
   prata que valem 120 milhões de dólares
 Dinheiro incinerado nos cofres do Bank of
        America: 11 milhões de dólares
     Carros encontrados nas garagens
            subterrâneas: 1 350
12 de outubro de 2002, Bali
              (Indonésia)
•  Mortos: mais de 200
  pessoas.
• Feridos: mais de 300
  pessoas.
•    Culpados:          radicais
  muçulmanos ligados à rede
  Al Qaeda.
• O terror islâmico atacou
  jovens turistas e surfistas
  estrangeiros,      arrasando
  boates, lojas, cafés e bares
  na ilha. Entre os mortos
  estavam cidadãos de vinte
  nacionalidades diferentes.
23 de outubro de 2002, Moscou
•Mortos: 118 inocentes e
   54 terroristas.
• Feridos: 146 pessoas.
•Culpados: muçulmanos
   separatistas            da
   Chechênia.
•No segundo ato da peça
   em cartaz no Palácio da
   Cultura, os fuzis dos
   chechenos        renderam
   público e atores. Vladimir
   Putin       ordenou      a
   sangrenta invasão do
   teatro. Sua população o
   apoiou.
15 e 20 de novembro de 2003,
               Istambul
•Mortos: 52
•Feridos: mais de 450.
•Culpados: A Al Qaeda
  assumiu a autoria das
  duas ações.
•No    sábado,     dia    15,
  terroristas        suicidas
  explodirem diante de
  duas      sinagogas      de
  Istambul, matando 25
  pessoas.      Cinco    dias
  depois,     carros-bombas
  explodiram na agência
  central do banco inglês
  HSBC.
11 de março de 2004, Madri
• Mortos: 200 pessoas.
• Feridos: mais de 1.500
   pessoas.
•Culpados:          terroristas
   islâmicos.
•Uma série de bombas
   explodiram num intervalo
   de cinco minutos, entre
   7h39 e 7h44 de uma
   quinta-feira. Dez bombas
   escondidas em mochilas
   dentro        de      trens
   metropolitanos.
3 de setembro de 2004, Beslan
      (Ossétia do Norte, Rússia)
•  Mortos: mais de 200, a
   maioria crianças.
• Feridos: 700 feridos.
•     Culpados:      terroristas
   islâmicos    chechenos      e
   árabes.
• Três dezenas de terroristas,
   sitiaram 1.200 pessoas
   durante três dias numa
   escola. Das vítimas, 70%
   eram crianças, professores
   e pais. As forças policiais
   russas invadiram a escola e
   a maioria dos terroristas foi
   morta.
7 de julho de 2005, Londres
• Mortos: 50.
• Feridos: mais de 700.
•Culpados: reivindicou o
   ataque o Grupo da Al
   Qaeda na Organização
   da Jihad na Europa.
•Pouco antes das 9h da
   manhã, quatro bombas
   explodiram           com
   pequenos intervalos.
QUESTÃO SIMULADA SOBRE O
         TEMA 92
Indonésia lembra dez anos dos atentados de Bali: Cerimônias foram
   realizadas sob forte esquema de segurança. Ataque terrorista mais
   sangrento da Indonésia foi realizado por membros do movimento
   Jemaah Islamiyah
A RESPEITO DOS ATENTADOS, DA IMAGEM ACIMA, PODE-SE DIZER
1 - Ketika Nurani Bicara ("Quando a Consciência Fala", em tradução livre), com tiragem de
    dez mil exemplares, narra a história de Ali Imron, de jovem muçulmano a terrorista
    condenado. O objetivo da publicação é alertar os jovens do país sobre o perigo do
    extremismo islâmico.
2 - Ali Imron cumpre atualmente sentença de prisão perpétua pelo ataque. Ele só não foi
    condenado à morte porque se mostrou arrependido e aceitou colaborar com a polícia.
3 - Os atentados de 2002 contra os espaços noturnos Sari Club e Paddy's Bar, na zona de
    Kuta, na ilha de Bali, levados a cabo pelo grupo Jemaah Islamiyah, ligado à Al-Qaida,
    causaram a morte a 202 pessoas, entre as quais 88 australianos.
4 – Os atentados acima destacados tem relações com os do dia 11 de setembros às Torres do
    World Trade Center, nos EUA, uma dos maiores já feitos por um grupo extremista como a
    Al Qaeda.
5 – Os atentados foram comandados por Bin Laden, que se utilizou do jovem Ali Imron como
    seu braço forte, que atuou como um mensageiro divino, devido às tensas relações entre
    os EUA e a Indonésia.
ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA:
a) Todas estão corretas
b) Somente 1,3,4,5 estão corretas
c) Somente 2,3,4 e 5 estão corretas
d) Somente 1,2,3,4 estão corretas
e) Somente 2,4,5 estão corretas
DICA 93: O ABORTO EM DEBATE : CRIME OU
       NÃO SE PRATICADO CONTRA
             ANENCÉFALOS?
Direito à Vida
Quando começa   a   vida
      humana?




87
Quando  começa   a   vida
 humana?




                            88
88
Quando começa a vida
             humana?
Código Civil Brasileiro
“Art. 2º – A personalidade civil da pessoa começa com o nascimento
com vida; mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do
nascituro”.
Lei da Biosegurança
“Art. 3o Para os efeitos desta Lei, considera-se: (...) X – clonagem
terapêutica: clonagem com a finalidade de produção de células-tronco
embrionárias para utilização terapêutica; XI – células-tronco
embrionárias: células de embrião que apresentam a capacidade de se
transformar em células de qualquer tecido de um organismo. (...)
Art. 5o É permitida, para fins de pesquisa e terapia, a utilização de
células-tronco embrionárias obtidas de embriões humanos produzidos
por fertilização in vitro e não utilizados no respectivo procedimento,
atendidas as seguintes condições: I – sejam embriões inviáveis; ou II
– sejam embriões congelados há 3 (três) anos ou mais, na data da
publicação desta Lei, ou que, já congelados na data da publicação
desta Lei, depois de completarem 3 (três) anos, contados a partir da
data de congelamento.


89
Quando começa a vida
        humana?
     Parecer do MPF      na   ADIn   3510/DF     –   Lei   da
     Biosegurança
     “1. O conceito jurídico do início da vida não se esgota
     no campo do direito civil. (...)
     2.    A   petição    inicial    dessa   ação,   calcada
     exclusivamente em fundamentos de ordem científica,
     sustenta que a vida há, desde a fecundação, para que
     se preserve sua inviolabilidade.
     5. Não há, pois, enfoques contraditórios: enquanto no
     plano do direito constitucional considera-se a vida em
     si, para protegê-la desde a fecundação no enfoque do
     direito civil o nascimento com vida é que enseja
     aconteçam as relações interpessoais: considerações
     outras.
     6. Pela procedência do pleito”.


                                                           90
90
Quando começa a vida
     humana?




                            91
91
ABORTO




              92
92
Aborto no Mundo




                       93
93
Aborto nos Eua




                      94
94
Aborto nos Eua: Roe vs. Wade (1973)




                                       95
95
Aborto nos Eua: Roe vs. Wade
            (1973)
Por 7 votos a 2, a Suprema Corte decidiu que: (1) os Estados possuem
interesses legítimos em assegurar que a prática do aborto não coloquem
em risco a vida da mulher; (2) o direito à privacidade abrange o direito de
a mulher decidir se interrompe ou não a gravidez; (3) o direito de
interromper a gravidez não é absoluta, podendo ser limitado pelos
interesses legítimos do Estado em manter padrões médicos apropriados e
em proteger a vida humana em potencial; (4) o embrião não está incluído
dentro da definição de “pessoa”, tal como usada na décima quarta
emenda; (5) antes do fim do primeiro trimestre da gravidez, o Estado não
pode interferir na decisão de abortar ou não; (6) ao fim do primeiro
trimestre até o período de tempo em que o feto se tornar viável, o Estado
pode regular o procedimento do aborto somente se tal regulação se
relacionar à preservação da vida ou da saúde da mãe; (7) a partir do
momento em que o feto se tornar viável, o Estado pode proibir o aborto
completamente, a não ser naqueles casos em que seja necessário
preservar a vida ou a saúde da mãe.                                     96
96
Aborto nos Eua: Recente
     decisão




                               97
97
Aborto no Brasil
Código Penal Brasileiro:
Aborto provocado pela gestante ou com seu consentimento
Art. 124 - Provocar aborto em si mesma ou consentir que outrem lho
provoque: Pena - detenção, de um a três anos.
Aborto provocado por terceiro
Art. 125 - Provocar aborto, sem o consentimento da gestante: Pena -
reclusão, de três a dez anos.
Art. 126 - Provocar aborto com o consentimento da gestante: Pena -
reclusão, de um a quatro anos.
Parágrafo único. Aplica-se a pena do artigo anterior, se a gestante não é
maior de quatorze anos, ou é alienada ou debil mental, ou se o
consentimento é obtido mediante fraude, grave ameaça ou violência
Forma qualificada
Art. 127 - As penas cominadas nos dois artigos anteriores são aumentadas
de um terço, se, em conseqüência do aborto ou dos meios empregados
para provocá-lo, a gestante sofre lesão corporal de natureza grave; e são
duplicadas, se, por qualquer dessas causas, lhe sobrevém a morte.     98
98
Aborto no Brasil


     Art. 128 - Não se pune o aborto praticado por médico:
     Aborto necessário
     I - se não há outro meio de salvar a vida da gestante;
     Aborto no caso de gravidez resultante de estupro
     II - se a gravidez resulta de estupro e o aborto é
     precedido de consentimento da gestante ou, quando
     incapaz, de seu representante legal.




                                                          99
99
Aborto no Brasil



      O caso do feto anencéfalo




                                  100
100
Aborto no Brasil



        O caso do feto anencéfalo
      Conceito de Anencefalia:
      anencefalia é uma malformação congênita que se caracteriza
      geralmente pela ausência da abóbada craniana e massa
      encefálica reduzida.

      O feto anencefálico é considerado pela resolução do
      Conselho Federal de Medicina nº 1.752, de 8 de setembro de
      2004, como "natimorto cerebral", já que ele não possui
      viabilidade vital por ausência de cérebro.
                                                            101
101
Aborto no Brasil



        O caso do feto anencéfalo
      Conceito de Anencefalia:
      anencefalia é uma malformação congênita que se caracteriza
      geralmente pela ausência da abóbada craniana e massa
      encefálica reduzida.

      O feto anencefálico é considerado pela resolução do
      Conselho Federal de Medicina nº 1.752, de 8 de setembro de
      2004, como "natimorto cerebral", já que ele não possui
      viabilidade vital por ausência de cérebro.
                                                            102
102
Aborto no Brasil



      O caso do feto anencéfalo: ADPF 54/2004



                                 Luís Roberto Barroso




                                                        103
103
Aborto no Brasil


      O caso do feto anencéfalo: ADPF 54/2004

      Argumento da petição inicial:




                                                104
104
Aborto no Brasil


      O caso do feto anencéfalo: ADPF 54/2004

      Pedido:




                                                105
105
Aborto no Brasil

      O caso do feto anencéfalo: ADPF 54/2004

      A polêmica liminar do Min. Marco Aurélio:




                                                  106
106
Aborto no Brasil


          O caso do feto anencéfalo: ADPF 54/2004
  No Pleno, a liminar foi cassada por maioria, vencidos o Min. Marco Aurélio,
  relator, Carlos Brito, Celso de Mello e Sepúlveda Pertence, que referendavam
  integralmente a liminar.

  A ação, porém, foi conhecida por 7 votos a 4.

  Votaram a favor do cabimento da ADPF: Marco Aurélio, Carlos Brito, Celso de
  Mello, Sepúlveda Pertence, Gilmar Mendes, Joaquim Barbosa e Nelson Jobim.

  Votaram contra o cabimento da ADPF: Carlos Veloso, Ellen Gracie, Cezar Peluso
  e Eros Grau.

  Já adiantaram a opinião favorável ao aborto do feto anencefálico: Marco Aurélio,
  Joaquim Barbosa, Carlos Brito, Celso de Mello, Sepúlveda Pertence
                                                                           107
107
  Já se manifestaram contra o aborto: Ellen Gracie, Cezar Peluso
QUESTÃO SIMULADA SOBRE O
             TEMA 93
 •      Desde o Egito Antigo, as mulheres evitam gravidezes por meio de abortos. Tão antigas quanto essas práticas
       são as discussões em relação ao momento em que um embrião pode ser considerado uma vida. No atual caso
        dos bebês anencéfalos, esses debates se intensificaram. Vários argumentam contra o aborto, em proteção a
       uma suposta vida. Porém, a liberdade materna de escolha, nesse caso, deve sobressair, pois são as mães que
        arcarão com uma gravidez inviável, cujo feto morrerá rapidamente. O transtorno psicológico é extremamente
                      grande quando a mãe se vê obrigada a engravidar e, em seguida, enterrar o “filho”.
  •      O início da vida não pode ser considerado como o momento em que o o espermatozóide fecunda o ovócito,
           como muitos “antiabortistas” alegam. O zigoto, até as três primeiras semanas, pode se dividir, durante o
         desenvolvimento embrionário, e originar outros embriões. Isso torna o argumento de “o início da vida como
      sendo imediamente após a união dos gametas” contraditório, pois uma “vida” deu origem a outras. Assim como a
      morte é representada pelo fim da atividade cerebral, o início da vida deve coincidir com o desenvolvimento de tal
      atividade. Logo, não faz sentido considerar vida antes do desenvolvimento encefálico, como acontece em casos
                                                       de anencefalia.
•     A mais penalizada por essa gravidez é a mãe, que se vê obrigada pelo estado e por parte da sociedade a levar a
      diante uma gravidez inviável, mesmo que isso traga sérias consequências negativas para a sua vida. Não é nada
         fácil para uma mãe continuar com uma gestação como essa. Todo esse transtorno poderia ser evitado se o
         Estado desse liberdade a ela de escolher, não sendo, assim, obrigada a recorrer a métodos alternativos que
                                     podem prejudicá-la, ou correr o risco de ser presa.
  •      É fundamental uma reflexão, pois, do sofrimento dessa gestante. Apoiar o aborto em casos como esse, com
      bebês anencéfalos, não é apoiar a destruição de uma vida, e sim apoiar pela vida de quem realmente continuará
                                                           a viver.
                                           •   COMENTÁRIO DA REDAÇÃO
    •     Sua redação está muito boa. Só não gostei muito da introdução, na qual acho que você escreveu demais,
        desenvolvendo o tema antes do tempo. Não entendi também por que usou haspas na palavra filho. Por outro
       lado, o argumento de que o zigoto ainda não pode ser considerado um ser-vivo só porque "se divide em outras
        vidas" pareceu-me fraco. Outra: o uso do verbo sobressair , a meu ver está inadequado. Melhor seria usar o
                                                      verbo prevalecer.
DICA 94:O BRASIL QUE RECEBE
IMIGRANTES: DOS VIZINHOS DO SUL,
         ATÉ OS DO NORTE
QUESTÃO SIMULADA SOBRE O
          TEMA 94
Brasil é quarto país da América Latina que mais recebe imigrantes internacionais: Cerca de
     0,4% da população nasceu fora do território nacional, indica estudo da ONU;
1 - O Brasil tem sua população composta por 0,4% de imigrantes mundiais, o que corresponde a 760
     mil dos 190 milhões de habitantes.
 2 - A nação da região que mais recebe imigrantes de outros países na América Latina é a Argentina,
     com 1,4 milhões de pessoas nascidas longe de suas fronteiras.
3 - A Venezuela vem em segundo lugar, com um milhão de imigrantes. Esses números representam,
     segundo o estudo, cerca de 3,5% das suas populações.O terceiro lugar pertence ao México, que
     tem 0,7% da sua população composta por pessoas nascidas em outros países.
4 - Juntos, os países da América Latina e do Caribe possuem um total de 7,5 milhões de imigrantes
     internacionais, quantidade que corresponde a 1,3% de toda a população da região.
5 – As migrações para o Brasil seguem a linha do desenvolvimento por que passa o país, que acaba
     sendo atração para os vizinhos fronteiriços e outros do continente, na sua porção sul.
ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA:
a) Todas estão corretas
b) Somente 1,3,4,5 estão corretas
c) Somente 2,3,4 e 5 estão corretas
d) Somente 1,2,3,4 estão corretas
d) Somente 2,4,5 estão corretas
DICA 95:A ERA VARGAS – MARCA DA
       HISTÓRIA DO BRASIL
1 - O PERÍODO PROVISÓRIO (1930 – 1934):
                 • Decretos-lei.
         • Nomeação de interventores.
    • Atrelamento de sindicatos ao governo.
• Criação do Ministério do Trabalho, Indústria e
      Comércio (a cargo de Lindolfo Collor).
   • Criação de leis trabalhistas: 8hs diárias,
      salário mínimo, aposentadoria, férias,
                  estabilidade...
  • Revolução Constitucionalista (SP – 1932):
    – Oligarquia paulista insatisfeita com exclusão do poder.
     – Classe média urbana insatisfeita com autoritarismo
                             varguista.
• Símbolo da luta: MMDC
  (sigla retirada de estudantes
   mortos em manifestações,
     cujos sobrenomes eram
  Martins, Miragaia, Dráusio e
             Camargo).
    • Objetivo: constituição.
• Resultado: vitória militar de
     Vargas e convocação de
   eleições para a Assembléia
     nacional constituinte em
               1933.
2 - O PERÍODO CONSTITUCIONAL (1934
                 – 1937):
        • A constituição de 1934:
           – Voto secreto, obrigatório, direto.
       – Voto feminino (excluindo-se analfabetos).
                   – Justiça eleitoral.
                   – Corporativismo.
           – Confirmação de leis trabalhistas.
           – Mandato presidencial de 4 anos.
  – 1º presidente eleito indiretamente: Getúlio Vargas.
  – Intervenção do Estado na exploração de minérios.
• Formação de 2 correntes políticas antagônicas
   influenciadas pela conjuntura internacional.

       • AIB (Ação Integralista Brasileira):
                        – Grupo fascista.
                     – Plínio Salgado (líder).
 – Condenavam o capitalismo financeiro internacional (associado
             aos judeus) mas não a propriedade privada.
   – Totalitarismo, unipartidarismo e Estado centralizado forte.
                – Lema: “Deus, Pátria e Família”.
                      – Saudação: ANAUÊ
– Apoiados por setores da Igreja (combate ao “comunismo
    ateu”), classe média alta, empresários capitalistas e
      imigrantes ou descendentes de imigrantes ítalo-
    germânicos radicados especialmente no RS e SC.
• ANL (Aliança Nacional Libertadora):
     – Aliança de esquerda reunindo comunistas,
 socialistas, democratas e simpatizantes de esquerda
                        em geral.
            – Luís Carlos Prestes (líder).
  – Defendiam o não pagamento da dívida externa,
  reforma agrária e respeito às liberdades individuais
 (direito de greve, imprensa livre...), nacionalização de
       empresas estrangeiras e governo popular;


• Getúlio coloca a ANL na ilegalidade
               (Jul/1935).
Nov/1935 - Intentona Comunista: tentativa de golpe
   por membros da ANL. Mal organizada, fracassou
     rapidamente. Seus líderes (incluindo Prestes)
                   foram presos.




                                           OLGA
                                         BENÁRIO
• 1937: Divulgação do “Plano Cohen”
    (suposto plano comunista para tomar o
                    poder).
• Congresso é fechado e eleições suspensas.

    3 - O ESTADO NOVO (1937 – 1945):
    • Nova constituição (1937): POLACA
             (constituição fascista).
• Estado de Emergência permanente – plenos
        poderes ao presidente e a polícia.
     • Congresso fechado – decretos-lei.
            • Proibição de greves.
• Censura permanente (DIP –
       Departamento de Imprensa e
                Propaganda).
      • Prisão de qualquer opositor.
       • Apoio das forças armadas.
         • Simpatia ao fascismo.
• Ausência de qualquer partido (até a AIB foi
                  fechada).
     • 1938 - Intentona Integralista:
              – Golpe fracassado da AIB.
                   – Líderes presos.
         – Plínio Salgado exila-se em Portugal.
• Política internacional pragmática:
   – Exploração de rivalidades para obter vantagens para
                           o Brasil.
              – Projeto de industrialização.
 • 1942: Navios brasileiros são afundados
           por submarinos alemães.
• Brasil declara guerra ao Eixo (ALE + ITA +               FAB
                      JAP).
   • 1943: Edição da CLT (controle dos
                 trabalhadores).
    • 1944: FEB (Força Expedicionária
     Brasileira) desembarca na Itália com
      aproximadamente 25 mil homens.
                                                           FEB
• Luta contra o nazifascismo estabelece
  contradição interna: ditadura lutando ao lado
         das “forças pró-democracia”.
 • Diversos setores sociais começam a pedir
  democracia interna (entre eles a UNE, criada
  em 1937, os meios de comunicação, apesar
                 da censura...).
• Vargas convoca eleições para 1945, acaba
    com a censura e anistia presos políticos.
      Vargas cria 2 partidos políticos, o PTB e o PSD, para agradar aos trabalhadores e a elite,
                respectivamente, além de permitir a formação de partidos oposicionistas.
                  • Surge o “Queremismo”, apoiado discretamente por Vargas.
• Vargas aproxima-se até dos comunistas para
                permanecer no poder.
 • Propõe uma “Lei Anti-Truste” que desagrada
                       os EUA.
  • Em 1945, é afastado do poder pelo exército
      (influenciado pelos EUA), que temia uma
    nova tentativa golpista do presidente. Vargas
           retorna para São Borja e é eleito
    posteriormente senador por dois estados ao
               mesmo tempo (RS e SP).
• José Linhares (presidente do STF) assume o
          poder até que as eleições tivessem
    transcorrido e o novo presidente assumisse.

                                                JOSÉ
                                                  LINHARES
3 - CARACTERÍSTICAS GERAIS DO GOVERNO
                            VARGAS:
• POPULISMO – tipo de governo que possui as seguintes
   características: autoritarismo, estatismo, corporativismo,
     culto ao líder combinado com concessões parciais a
     camada mais pobre da população visando obter seu
  apoio. Ocorreu na América Latina entre os anos 30 e 50,
     e tem em Getúlio Vargas, no Brasil, Juan Domingo
     Perón, na Argentina e Lázaro Cardenas, no México
              seus mais notórios representantes.
     • O Estado era o “mediador” dos conflitos sociais.
  • Nacionalismo econômico, com criação de empresas
                    estatais e obras públicas.
    • Intervenção do Estado na economia, inspirado no
            modelo do “New Deal” norte-americano.
• Controle dos trabalhadores
  com criação de leis (a CLT,
     é um exemplo disso) e
  atrelamento dos sindicatos.
    • Utilização intensa de
  propaganda governamental
   e censura, com a criação
   da DIP (Departamento de
   Imprensa e Propaganda),
      que cuidadosamente
  “fabrica” a imagem do “pai
        do trabalhador”.
• Incentivo ao mercado interno.
  • Recuperação do preço do café (queima de estoque).
• Incentivos a indústria nacional (especialmente a de base
    durante a II Guerra Mundial), com a criação da CSN
 (Companhia Siderúrgica Nacional) e a nacionalização de
                   refinarias de petróleo.
QUESTÃO SIMULADA SOBRE O
          TEMA 95
O governo Vargas tornou-se sinônimo de intervenção estatal. Embora essa política
   intervencionista tenha adquirido força no Estado Novo, pode ser percebida durante
   toda a chamada Era Vargas.
Sobre a Era Vargas, é correto afirmar:
a) O Departamento de Imprensa e Propaganda, embora impusesse limitações à imprensa,
   seguiu a orientação do estado, sem propaganda do governo e sem influência sobre a
   opinião pública.
b) O governo, na questão agrícola, extinguiu diversos institutos, entre eles o do Açúcar e do
   Álcool, o do Pinho, o do Mate e o do cacau, e centralizou as ações do Ministério da
   Agricultura.
c)   Os principais opositores do governo foram facilmente cooptados pela política
   governamental de conciliação e políticos com visões opostas, como Luiz Carlos Prestes e
   Plínio Salgado, atuaram como ministros de Vargas.
d) O movimento sindical passou a ser tutelado já no início do primeiro governo Vargas, com
   a Lei de Sindicalização (março de 1931) e, em decorrência, o sindicato tornou-se um
   colaborador do Estado, com o objetivo de intermediação e atenuação do conflito entre
   capital e trabalho.
e) O Brasil, com a implantação do Estado Novo, conseguiu a tão sonhada paz social, e o
   governo Vargas implantou, pela via da conciliação política, um governo de coalizão entre
   socialistas e integralistas.
DICA 96:O GOVERNO JK – E O
BRASIL DESENVOLVIMENTISTA
JUSCELINO
     KUBITSCHEK


50 anos de governo de J.K.;
30 anos de sua morte.
BRASIL EM MUTAÇÃO

• Transição do meio rural para a
             industria.
     • Slogan: 50 anos em 5;
 • Juscelino político moderado
 não se importava com a origem
         do investimento.
CONSTRUIR PARA CRESCER
 • J.K. viajou o mundo vendendo
     suas idéias e durante seu
    governo U$ 2 bi entraram no
                 país.
• Coalizão no Congresso lhe dava
   maioria que aprovou seu plano
             de governo.
• Plano de Metas: obras de base;
industrias; exploração de matérias
  primas; bens de produção e de
   consumo; construção da nova
              capital.
ANOS DOURADOS
 • Nos primeiros anos euforia do
         desenvolvimento.
      • O numero de estradas
    pavimentas aumentou 300%.
   • A quantidade de industrias
          cresceu 3 vezes;
• Empregos multiplicados por 10.
• PIB cresceu 8% ao ano;
   • Salário Mínimo reajustado
             anualmente.
 • Renda per capita subiu 34%.
• Brasil campeão da copa de 58
        com Pelé e Garrincha.
    • A Bossa Nova com João
  Gilberto, Tom Jobim e Vinicius
              de Moraes.
CUSTOS DO CRESCIMENTO

 • Alto Custo das obras públicas
      pagas com empréstimos;
    • Endividamento do Estado
   internamente e externamente.
• Inflação disparou a 31% ao ano.
• Gastança na
  construção de Brasília
   erguida em 03 anos e
         10 meses.
• Uso irregular de verbas
         públicas.
QUEM PAGA A CONTA
 • Desvalorização do salário e
             greves.
• Empresários indignados com
          baixo crédito.
• UDN denunciava corrupção e
     tentava instaurar CPIs.
• O Estado atolado em dívidas
        recorreu ao FMI.
• J.K. realizou suas metas,
    mas a um custo muito
               alto.
    • Legado de dívidas,
  inflação, dependência do
     capital estrangeiro e
       déficit na balança
           comercial.
• J.K. deixou de herança a
   capacidade de liderar e
    administrar conflitos.
• Seu maior erro teria sido
    não unir a política de
 crescimento a um modelo
    econômico estável e
       responsável.
CRONOLOGIA
   • 1902- No dia 12 de setembro
        nasce em Diamantina.
 • 1922- Ingressa na faculdade de
     Medicina em Belo Horizonte.
• 1934- elege-se deputado federal.
  • 1940- assume a prefeitura de
           Belo Horizonte.
• 1946- deputado federal Constituinte.
      • 1950- Elege-se governador.
    • 1955- Elege-se Presidente da
   República tomando posse no ano
                 seguinte.
    • 1960- Em 21 de abril inaugura
                 Brasília.
  • 1961- Transmite o cargo a Jânio
                 Quadros.
• 1964- Com o golpe militar parte
           para o exílio.
    • 1967- retorna ao Brasil.
• 1974- Lança o primeiro volume
     de suas memórias “ Meu
      Caminho para Brasília”.
• 1976- Morre em acidente na Via
               Dutra.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo - Primeira Guerra Mundial (1914-1918) - História Pensante.
Resumo - Primeira Guerra Mundial (1914-1918) - História Pensante.Resumo - Primeira Guerra Mundial (1914-1918) - História Pensante.
Resumo - Primeira Guerra Mundial (1914-1918) - História Pensante.História Pensante
 
A segunda guerra mundial 1940 - 1941 - urss
A segunda guerra mundial   1940 - 1941 - urssA segunda guerra mundial   1940 - 1941 - urss
A segunda guerra mundial 1940 - 1941 - ursshistoriando
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundialFatima Freitas
 
Em tempos de guerra
Em tempos de guerraEm tempos de guerra
Em tempos de guerraOnoél Neves
 
2° guerra mundial
2° guerra mundial2° guerra mundial
2° guerra mundialceufaias
 
A 2ª Guerra Mundial 3ªFase C
A 2ª Guerra Mundial 3ªFase CA 2ª Guerra Mundial 3ªFase C
A 2ª Guerra Mundial 3ªFase Cluisant
 
Ii Guerra Mundial Pf
Ii Guerra Mundial   PfIi Guerra Mundial   Pf
Ii Guerra Mundial Pfguest2c92ec
 
II GUERRA MUNDIAL E GUERRA FRIA
II GUERRA MUNDIAL E GUERRA FRIAII GUERRA MUNDIAL E GUERRA FRIA
II GUERRA MUNDIAL E GUERRA FRIAmarlete andrade
 
Fases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra MundialFases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra MundialRui Neto
 
I guerra mundial 2010
I guerra mundial 2010I guerra mundial 2010
I guerra mundial 2010dianalove15
 
Segunda guerra e guerra fria
Segunda guerra e guerra friaSegunda guerra e guerra fria
Segunda guerra e guerra friaIsabel Aguiar
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialSylvio Bazote
 
Armas e veículos usadas na 1ºguerra mundial joao.a - enzo 9ºd
Armas e veículos usadas na 1ºguerra mundial  joao.a - enzo 9ºdArmas e veículos usadas na 1ºguerra mundial  joao.a - enzo 9ºd
Armas e veículos usadas na 1ºguerra mundial joao.a - enzo 9ºdSusana Simões
 
A Ii Guerra Mundial
A Ii Guerra MundialA Ii Guerra Mundial
A Ii Guerra Mundial124b
 
Geopolitica 2015 aula 2 heartland e 2 guerra mundial
Geopolitica 2015 aula 2 heartland e 2 guerra mundialGeopolitica 2015 aula 2 heartland e 2 guerra mundial
Geopolitica 2015 aula 2 heartland e 2 guerra mundialEddieuepg
 

Mais procurados (20)

Resumo - Primeira Guerra Mundial (1914-1918) - História Pensante.
Resumo - Primeira Guerra Mundial (1914-1918) - História Pensante.Resumo - Primeira Guerra Mundial (1914-1918) - História Pensante.
Resumo - Primeira Guerra Mundial (1914-1918) - História Pensante.
 
A segunda guerra mundial 1940 - 1941 - urss
A segunda guerra mundial   1940 - 1941 - urssA segunda guerra mundial   1940 - 1941 - urss
A segunda guerra mundial 1940 - 1941 - urss
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Em tempos de guerra
Em tempos de guerraEm tempos de guerra
Em tempos de guerra
 
2° guerra mundial
2° guerra mundial2° guerra mundial
2° guerra mundial
 
A 2ª Guerra Mundial 3ªFase C
A 2ª Guerra Mundial 3ªFase CA 2ª Guerra Mundial 3ªFase C
A 2ª Guerra Mundial 3ªFase C
 
Avaliação história
Avaliação históriaAvaliação história
Avaliação história
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
Ii Guerra Mundial Pf
Ii Guerra Mundial   PfIi Guerra Mundial   Pf
Ii Guerra Mundial Pf
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
A Primeira Guerra Mundial
A Primeira Guerra MundialA Primeira Guerra Mundial
A Primeira Guerra Mundial
 
II GUERRA MUNDIAL E GUERRA FRIA
II GUERRA MUNDIAL E GUERRA FRIAII GUERRA MUNDIAL E GUERRA FRIA
II GUERRA MUNDIAL E GUERRA FRIA
 
Fases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra MundialFases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra Mundial
 
I guerra mundial 2010
I guerra mundial 2010I guerra mundial 2010
I guerra mundial 2010
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
Segunda guerra e guerra fria
Segunda guerra e guerra friaSegunda guerra e guerra fria
Segunda guerra e guerra fria
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
Armas e veículos usadas na 1ºguerra mundial joao.a - enzo 9ºd
Armas e veículos usadas na 1ºguerra mundial  joao.a - enzo 9ºdArmas e veículos usadas na 1ºguerra mundial  joao.a - enzo 9ºd
Armas e veículos usadas na 1ºguerra mundial joao.a - enzo 9ºd
 
A Ii Guerra Mundial
A Ii Guerra MundialA Ii Guerra Mundial
A Ii Guerra Mundial
 
Geopolitica 2015 aula 2 heartland e 2 guerra mundial
Geopolitica 2015 aula 2 heartland e 2 guerra mundialGeopolitica 2015 aula 2 heartland e 2 guerra mundial
Geopolitica 2015 aula 2 heartland e 2 guerra mundial
 

Destaque (20)

.
..
.
 
.
..
.
 
Feed back =8ºanos (ilumismo, indp. eua, revolução francesa)
Feed back =8ºanos (ilumismo, indp. eua, revolução francesa)Feed back =8ºanos (ilumismo, indp. eua, revolução francesa)
Feed back =8ºanos (ilumismo, indp. eua, revolução francesa)
 
Descolonização áfrica e asia
Descolonização áfrica e asiaDescolonização áfrica e asia
Descolonização áfrica e asia
 
.
..
.
 
100 DICAS ENEM PARTE 03
100 DICAS ENEM PARTE 03100 DICAS ENEM PARTE 03
100 DICAS ENEM PARTE 03
 
2º Va Grupo 02
2º Va   Grupo 022º Va   Grupo 02
2º Va Grupo 02
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Ma
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º MaO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Ma
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Ma
 
.
..
.
 
.
..
.
 
.
..
.
 
Grupo 02
Grupo 02Grupo 02
Grupo 02
 
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
 
100 DICAS ENEM PARTE 08
100 DICAS ENEM PARTE 08100 DICAS ENEM PARTE 08
100 DICAS ENEM PARTE 08
 
100 DICAS ENEM PARTE 04
100 DICAS ENEM PARTE 04100 DICAS ENEM PARTE 04
100 DICAS ENEM PARTE 04
 
.
..
.
 
Grupo 01
Grupo 01Grupo 01
Grupo 01
 
100 DICAS ENEM PARTE 07
100 DICAS ENEM PARTE 07100 DICAS ENEM PARTE 07
100 DICAS ENEM PARTE 07
 
Aula De Sociologia Do Professor Mario
Aula De Sociologia Do Professor MarioAula De Sociologia Do Professor Mario
Aula De Sociologia Do Professor Mario
 
A formação do império feudal 7º anos
A formação do império feudal   7º anosA formação do império feudal   7º anos
A formação do império feudal 7º anos
 

Semelhante a 100 DICAS ENEM PARTE 10

Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º anoAula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano7 de Setembro
 
3series cap32primeira guerra2
3series cap32primeira guerra23series cap32primeira guerra2
3series cap32primeira guerra2Gabriel Lopes
 
3series cap32primeira guerra2
3series cap32primeira guerra23series cap32primeira guerra2
3series cap32primeira guerra2cleitonboss
 
Aula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptx
Aula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptxAula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptx
Aula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptxGerson Coppes
 
Alua Primeira Guerra Mundial 1914 - 1918
Alua Primeira Guerra Mundial 1914 - 1918Alua Primeira Guerra Mundial 1914 - 1918
Alua Primeira Guerra Mundial 1914 - 1918edusantacecilia
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial Andrea Silva
 
Primeira guerra mundial 1914 1918
Primeira guerra mundial 1914 1918Primeira guerra mundial 1914 1918
Primeira guerra mundial 1914 1918Alan
 
Primeira Guerra Mundial.ppt
Primeira Guerra Mundial.pptPrimeira Guerra Mundial.ppt
Primeira Guerra Mundial.pptssusere15b8d
 
Primeira Guerra Mundial.ppt
Primeira Guerra Mundial.pptPrimeira Guerra Mundial.ppt
Primeira Guerra Mundial.pptIdevan Santos
 
Imperialismo e primeira Guerra mundial..
Imperialismo e primeira Guerra mundial..Imperialismo e primeira Guerra mundial..
Imperialismo e primeira Guerra mundial..JsicaFernandesDosSan
 
I GUERRA MUNDIAL (versão 2017)
I GUERRA MUNDIAL (versão 2017)I GUERRA MUNDIAL (versão 2017)
I GUERRA MUNDIAL (versão 2017)Valéria Shoujofan
 

Semelhante a 100 DICAS ENEM PARTE 10 (20)

Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º anoAula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
 
3series cap32primeira guerra2
3series cap32primeira guerra23series cap32primeira guerra2
3series cap32primeira guerra2
 
3series cap32primeira guerra2
3series cap32primeira guerra23series cap32primeira guerra2
3series cap32primeira guerra2
 
3series cap32primeira guerra2
3series cap32primeira guerra23series cap32primeira guerra2
3series cap32primeira guerra2
 
1 guerra mundial
1 guerra mundial1 guerra mundial
1 guerra mundial
 
1guerra mundial
1guerra mundial1guerra mundial
1guerra mundial
 
Aula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptx
Aula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptxAula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptx
Aula 3 [3-2022] - A caminho da guerra.pptx
 
Alua Primeira Guerra Mundial 1914 - 1918
Alua Primeira Guerra Mundial 1914 - 1918Alua Primeira Guerra Mundial 1914 - 1918
Alua Primeira Guerra Mundial 1914 - 1918
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
Primeira guerra mundial 1914 1918
Primeira guerra mundial 1914 1918Primeira guerra mundial 1914 1918
Primeira guerra mundial 1914 1918
 
Primeira Guerra Mundial.ppt
Primeira Guerra Mundial.pptPrimeira Guerra Mundial.ppt
Primeira Guerra Mundial.ppt
 
Primeira Guerra Mundial.ppt
Primeira Guerra Mundial.pptPrimeira Guerra Mundial.ppt
Primeira Guerra Mundial.ppt
 
A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
 
Imperialismo e primeira Guerra mundial..
Imperialismo e primeira Guerra mundial..Imperialismo e primeira Guerra mundial..
Imperialismo e primeira Guerra mundial..
 
PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
PRIMEIRA GUERRA MUNDIALPRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
 
I Guerra Mundial
I Guerra MundialI Guerra Mundial
I Guerra Mundial
 
A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
 
I GUERRA MUNDIAL (versão 2017)
I GUERRA MUNDIAL (versão 2017)I GUERRA MUNDIAL (versão 2017)
I GUERRA MUNDIAL (versão 2017)
 
I guerra-mundial
I guerra-mundialI guerra-mundial
I guerra-mundial
 
1ª guerra mundial
1ª guerra mundial1ª guerra mundial
1ª guerra mundial
 

Mais de ProfMario De Mori

100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM
100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM
100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEMProfMario De Mori
 
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS ProfMario De Mori
 
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS ProfMario De Mori
 
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS ProfMario De Mori
 
Aula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anosAula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anosProfMario De Mori
 
Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE ProfMario De Mori
 
Aula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosAula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosProfMario De Mori
 
Aula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosAula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosProfMario De Mori
 
Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE ProfMario De Mori
 
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 9º anos
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 9º anosAula ATLAS GEOGRÁFICO 9º anos
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 9º anosProfMario De Mori
 
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 1º anos
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 1º anosAula ATLAS GEOGRÁFICO 1º anos
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 1º anosProfMario De Mori
 
GEOLOGIA E RELEVO DO BRASIL
GEOLOGIA E RELEVO DO BRASIL GEOLOGIA E RELEVO DO BRASIL
GEOLOGIA E RELEVO DO BRASIL ProfMario De Mori
 
FUSOS HORÁRIOS NO MUNDO E BRASIL - CREI
FUSOS HORÁRIOS NO MUNDO E BRASIL - CREI FUSOS HORÁRIOS NO MUNDO E BRASIL - CREI
FUSOS HORÁRIOS NO MUNDO E BRASIL - CREI ProfMario De Mori
 
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDOSOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDOProfMario De Mori
 

Mais de ProfMario De Mori (20)

100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM
100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM
100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM
 
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
 
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS
 
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS
 
100 DICAS ENEM PARTE 11
100 DICAS ENEM PARTE 11100 DICAS ENEM PARTE 11
100 DICAS ENEM PARTE 11
 
100 DICAS ENEM PARTE 05
100 DICAS ENEM PARTE 05100 DICAS ENEM PARTE 05
100 DICAS ENEM PARTE 05
 
100 DICAS ENEM PARTE 02
100 DICAS ENEM PARTE 02100 DICAS ENEM PARTE 02
100 DICAS ENEM PARTE 02
 
100 DICAS ENEM PARTE 01
100 DICAS ENEM PARTE 01100 DICAS ENEM PARTE 01
100 DICAS ENEM PARTE 01
 
Aula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anosAula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anos
 
Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE
 
Aula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosAula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anos
 
Aula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosAula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anos
 
Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE
 
Aula atlas 2º anos
Aula atlas 2º anosAula atlas 2º anos
Aula atlas 2º anos
 
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 9º anos
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 9º anosAula ATLAS GEOGRÁFICO 9º anos
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 9º anos
 
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 1º anos
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 1º anosAula ATLAS GEOGRÁFICO 1º anos
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 1º anos
 
GEOLOGIA E RELEVO DO BRASIL
GEOLOGIA E RELEVO DO BRASIL GEOLOGIA E RELEVO DO BRASIL
GEOLOGIA E RELEVO DO BRASIL
 
FUSOS HORÁRIOS NO MUNDO E BRASIL - CREI
FUSOS HORÁRIOS NO MUNDO E BRASIL - CREI FUSOS HORÁRIOS NO MUNDO E BRASIL - CREI
FUSOS HORÁRIOS NO MUNDO E BRASIL - CREI
 
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDOSOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
 
CARTOGRAFIA - 1º ANOS
CARTOGRAFIA - 1º ANOS CARTOGRAFIA - 1º ANOS
CARTOGRAFIA - 1º ANOS
 

Último

Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 

Último (20)

Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 

100 DICAS ENEM PARTE 10

  • 1. 100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM 2012/2013 PARTE 10 E AÍ, GOSTARAM? ACABARAM-SE AS DICAS, E AGORA É TORCER PARA QUE ALGUMA DELAS CAIA NO SEU ENEM... SUCESSO SERÁ TODO SEU..SE VOCE LEVOU A SÉRIO VOCE VAI VER... Prof. MARIO FERNANDO DE MORI
  • 2. DICA 91: 100 ANOS DA GUERRA DOS BÁLCÃS
  • 3.
  • 4. 1. Fatores que contribuíram para a eclosão do conflito: 1.1. Imperialismo • Inglaterra X Alemanha
  • 5. “Como faremos para apertar as mãos?” Na charge, a rivalidade naval entre a Alemanha e a Grã- Bretanha.
  • 6. 1.2. Disputa colonial na África e Ásia por mercados e matérias-primas;
  • 7. 1.3. Conflitos nacionalistas • Pan–eslavismo, liderado pela Rússia contra o Império Austro-Húngaro; • Pan–germanismo, liderado pela Alemanha; • Revanchismo francês, devido à perda da Alsácia-Lorena, em 1870.
  • 8. •1.4. Tensões no Marrocos e nos Bálcãs; •1.5. Assassinato do arquiduque austríaco Francisco Ferdinando, na Bósnia. Arquiduque Francisco Ferdinando e sua esposa Sofia, uma hora antes do atentado em Sarajevo, em 28 de junho de 1914.
  • 9. Ilustração feita em 1914 mostra o atentado em Sarajevo contra o herdeiro austríaco Francisco Ferdinando. Veja que sua esposa também será baleada pelo terrorista.
  • 10. 2. A política de alianças e a “paz armada” Percebendo o inevitável conflito, inicia-se a corrida armamentista; • Formação de dois blocos militares
  • 11. 3.Inicia-se a guerra (28 de julho/1914) •O império Austro- Húngaro declara guerra à Sérvia; • A Rússia mobiliza- se contra os Austro- húngaros e alemães;
  • 12. •A Alemanha ataca a Bélgica (neutra) para chegar à França (Plano Schlieffen), generalizando o conflito. Com a invasão das tropas alemãs, a população belga foi obrigada a fugir do país.
  • 13.
  • 14. 3.1. A guerra de movimento 3.2. A guerra de posição (trincheiras) 3.3. 1917: Dois fatos marcantes • Saída da Rússia, devido à Revolução Socialista (Tratado de Brest-Litovsk - 1918); • Entrada dos Estados Unidos.
  • 15. Na primeira Guerra, ocorreu a estreia de armas mortíferas: o tanque e o avião. Os aviões eram biplanos (com duas asas ) e atingiam uma velocidade de até 200km/h. O tanque foi uma invenção inglesa, excelente para enfrentar as trincheiras.
  • 16. Tropas norte- americanas escoltam prisioneiros alemães no final da Primeira Guerra Mundial.
  • 17. 3.4. O Programa dos 14 Pontos: a tentativa de paz sem vencedores; 4. O fim da guerra e os “Tratados de Paz”: • O Kaiser Guilherme II abdica e a Alemanha, transformada numa república, assina o armistício (11 de novembro/1918).
  • 18. •O Tratado de Versalhes: 440 artigos que humilharam a Alemanha, com indenizações, devolução de territórios, desmilitarização etc. •Surgimento de novos países: Tchecoslováquia, Hungria, Polônia, Iugoslávia, entre outros, desmembrando impérios como o Austro- Húngaro. •Criação da Liga das Nações (1919), sem as participações dos Estados Unidos e União Soviética.
  • 19. Soldados britânicos em ação Representantes dos países envolvidos no Tratado de Versalhes. À esquerda, o primeiro-ministro britânico, David Lloyd George. No centro, o primeiro-ministro francês George Clemenceau. À direita, o presidente norte-americano Woodrow Wilson.
  • 20. 5. A supremacia mundial dos Estados Unidos (fatores) •A neutralidade durante a maior parte do conflito, fornecendo produtos e empréstimos aos países da Entente; • A dependência europeia pós-guerra e o consequente aumento de divisas.
  • 21. Charge ironiza os vencedores da guerra: o inglês David Lloyd-George, o francês Georges Clemenceau e o americano Woodrow Wilson redefinem o mapa do mundo.
  • 22.
  • 23. Tanque Renault usado Bala de na Primeira canhão usada Guerra na Primeira Mundial. Guerra.
  • 24. Soldados à frente e, ao fundo, um tanque britânico.
  • 25. Canhões em campo aberto preparando-se para agir.
  • 26. General Pershing, Marechal von comandante das Hindenburg, sob cujo tropas americanas comando estiveram os alemães ao final das na Europa. operações.
  • 27. Carros blindados numa estrada. O aspecto desses carros mostra como era incipiente o uso da mecanização que mais tarde se generalizaria.
  • 28. Soldados em repouso, numa trincheira, aguardam o momento de entrar novamente em ação.
  • 29. Já na I Guerra Mundial muitas cidades foram duramente castigadas pelos bombardeios. Aqui vemos o aspecto a que os Alemães reduziram a cidade francesa de Ypres.
  • 30. Comboio alemão de tanques durante a guerra.
  • 32. Aviões alemães num campo de pouso, à espera para decolagem.
  • 33. Canhão utilizado na Primeira Grande Guerra Mundial.
  • 34. Uma cidade totalmente destruída durante a guerra.
  • 35. Mapa da Europa durante a I Guerra Mundial.
  • 36. “A humanidade é louca! Deve ser louca para fazer o que está fazendo. Que massacre! Que cenas de horror e carnificina. Não consigo encontrar palavras para traduzir minhas impressões. O inferno não pode ser tão terrível. Os homens estão loucos!” Soldado francês, pouco antes de morrer, vítima da guerra.
  • 37. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 91 A região dos Bálcãs foi um importante foco de tensão. Ali, ocorreram diversos confrontos armados que acabaram deflagrando a Primeira Guerra Mundial, o que justifica a ideia de que os Bálcãs eram 'um barril de pólvora'. Na primeira Guerra dos Bálcãs (1912), o Império turco perdeu suas possessões nesta região ao ser derrotado pela Liga Balcânica (Sérvia, Bulgária, Montenegro, Romênia e Grécia) com o apoio da Rússia. A segunda Guerra dos Bálcãs (1913) foi travada entre a Sérvia e Bulgária na disputa desses mesmos territórios. A Paz de Bucareste deu a vitória aos sérvios. A respeito da REGIÃO BALCÂNICA e DA GUERRA CITADA, PODE-SE AFIRMAR QUE: 1 – A Primeira Guerra Mundial ocorreram nas frentes ocidentais, em trincheiras e fortificações (separadas pelas "Terras de Ninguém", que era o espaço entre cada trincheira, onde vários cadáveres ficavam à espera do recolhimento) do Mar do Norte até a Suíça. As batalhas davam-se em invasões dinâmicas, em confrontos no mar, e pela primeira vez na história, no ar. 2 – A região dos conflitos, a balcânica, é uma área entrincheirada com grandes produções de petróleo, e um mosaico cultural, e esses dois fatos foram os causadores desta batalha do início do séc. XX; 3 - Três impérios europeus foram destruídos e consequentemente desmembrados: Alemão, o Austro-Húngaro e o Russo. Nos Bálcãs e no Médio Oriente o mesmo ocorreu com o Império Turco-Otomano. 4 – Os conflitos entre sérvios e muçulmanos, que marcaram a região no final do séc. XX, foi originado nas migrações dos árabes mouros para esta região da Europa, onde aspectos culturais dos mesmos estão presentes. ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA: a) Todas estão corretas b) Somente 1 e 3 estão corretas c) Somente 2 e 3 d) Somente 1,3,4 estão corretas e) Somente 2 e 4 estão corretas
  • 38. DICA 92: 10 ANOS DOS ATENTADOS EM BALI
  • 40. Entrevistador: O senhor não gosta da expressão "choque de civilizações". Por quê?  Said: (...) são inúmeros os problemas. Para começar, ela trata as civilizações como se fossem entidades fechadas, lacradas, alheias a qualquer tipo de troca (...). Por fim, a idéia de choque de civilizações tem um aspecto caricatural muito nocivo, como se enormes entidades chamadas "Ocidente" e o "Islã" estivessem num ringue, lutando para ver qual é a melhor. (intelectual palestino Edward Said) -Revista Veja, 25/06/2003.
  • 41. 1095-1291 – Cruzadas Incentivados pelo papa, cristãos rumam para o Oriente Médio para conquistar Jerusalém e a Terra Santa dos muçulmanos.  1991 - Guerra do Golfo Iraque invade o vizinho Kwait, provocando reação militar dos Estados Unidos.  2001 - 11 de Setembro Liderados por Osama bin Laden, terroristas islâmicos seqüestram aviões nos Estados Unidos e projetam as aeronaves contra alvos em Nova York e Washington, causando mais de 3.000 mortes.  2003 - Guerra do Iraque Estados Unidos invadem o Iraque e derrubam o ditador Saddam Hussein.
  • 42.  Em meio à luta contra o terror detonada pelo 11 de Setembro, o presidente americano George W. Bush referiu-se à empreitada da coalização ocidental no Oriente Médio e no Afeganistão como uma "cruzada".  "O terrorismo continua atuando, não devido a seu poder ideológico ou físico, mas porque as nações que dele são vítimas não conseguem detê-lo". (A.M. Rosenthal. "O Globo", 02/08/96, p. 07)
  • 44. 21 de julho de 1972, Belfast • Mortos: 11 pessoas • Feridos: 130 pessoas • Culpados: braço armado do Exército Republicano Irlandês (IRA) • A mais famosa ação terrorista do braço armado do IRA, o principal grupo radical do Ocidente. As dez bombas e oito carros- bomba detonados em Belfast.
  • 45. 5 de setembro de 1972, Munique • Mortos: 11 inocentes, 5 terroristas e um policial. • Culpados: palestinos da facção Setembro Negro. • A maior tragédia da história das Olimpíadas e o maior atentado em defesa da causa palestina.
  • 46. 26 de fevereiro de 1993, Nova York • Mortos: 6 pessoas. •Feridos: cerca de 1.000 pessoas. •Culpados: radicais muçulmanos liderados por Ramzi Ahmed Yousef, ligado à rede Al Qaeda. • A explosão de um furgão recheado com meia tonelada de bombas matou e feriu americanos.
  • 47. 20 de março de 1995, Tóquio • Mortos: 12 pessoas. • Feridos: 5.700 pessoas. • Culpados: integrantes da seita Aum Shirinkyo. • Uma nuvem de gás Sarin invadiu o metrô lotado e provou como as grandes metrópoles do mundo estão vulneráveis ao terror. Desta vez, os fanáticos não eram muçulmanos, mas sim membros de um culto apocalíptico.
  • 48. 19 de abril de 1995, Oklahoma City • Mortos: 166 pessoas. •Feridos: centenas de pessoas. •Culpados: extremistas de direita ligados a milícias. •Quando uma van recheada de explosivos caseiros rasgou um prédio do governo ao meio na pacata e interiorana Oklahoma City, as suspeitas logo recaíram sobre homens de barba e turbante e Corão na mão. Os assassinos eram brancos e americanos.
  • 49. 11 de setembro de 2001, N. Y., Washington e sul da Pensilvânia •Mortos: mais de 3.000 inocentes e 19 terroristas. •Feridos: milhares de pessoas. •Culpados: radicais muçulmanos ligados à rede Al Qaeda. •O maior atentado terrorista da História: quatro boeings seqüestrados.
  • 50.
  • 51. Número oficial de mortos no World Trade Center: 2819  Fragmentos de pele e ossos coletados: 19 858  Número de corpos identificados: 1102  Número de pedestres mortos pela queda de destroços: 10  Policiais mortos: 23  Bombeiros mortos: 343  Faixa etária média das vítimas do atentado: 36 anos  Pessoas resgatadas com vida dos escombros, todas no dia seguinte ao atentado: 18
  • 52. 144 anéis, 437 relógios, 77 colares, 119 brincos e 80 pulseiras foram recolhidos nos escombros, entre 65 000 objetos pessoais.  Viagens de caminhões carregados de entulho: 108 444  Duração do incêndio no subsolo: 101 dias  O impacto de cada um dos aviões equivaleu à explosão de 1 000 toneladas de dinamite  As cédulas de dólares recolhidas nos destroços encheram 60 sacos de lixo de 100 litros
  • 53.  Dos cofres do banco Nova Scotia, localizados no subsolo do WTC, foram retiradas 3 800 barras de ouro pesando 10,8 toneladas e avaliadas em 110 milhões de dólares e 848 toneladas de lingotes de prata que valem 120 milhões de dólares  Dinheiro incinerado nos cofres do Bank of America: 11 milhões de dólares  Carros encontrados nas garagens subterrâneas: 1 350
  • 54. 12 de outubro de 2002, Bali (Indonésia) • Mortos: mais de 200 pessoas. • Feridos: mais de 300 pessoas. • Culpados: radicais muçulmanos ligados à rede Al Qaeda. • O terror islâmico atacou jovens turistas e surfistas estrangeiros, arrasando boates, lojas, cafés e bares na ilha. Entre os mortos estavam cidadãos de vinte nacionalidades diferentes.
  • 55. 23 de outubro de 2002, Moscou •Mortos: 118 inocentes e 54 terroristas. • Feridos: 146 pessoas. •Culpados: muçulmanos separatistas da Chechênia. •No segundo ato da peça em cartaz no Palácio da Cultura, os fuzis dos chechenos renderam público e atores. Vladimir Putin ordenou a sangrenta invasão do teatro. Sua população o apoiou.
  • 56. 15 e 20 de novembro de 2003, Istambul •Mortos: 52 •Feridos: mais de 450. •Culpados: A Al Qaeda assumiu a autoria das duas ações. •No sábado, dia 15, terroristas suicidas explodirem diante de duas sinagogas de Istambul, matando 25 pessoas. Cinco dias depois, carros-bombas explodiram na agência central do banco inglês HSBC.
  • 57. 11 de março de 2004, Madri • Mortos: 200 pessoas. • Feridos: mais de 1.500 pessoas. •Culpados: terroristas islâmicos. •Uma série de bombas explodiram num intervalo de cinco minutos, entre 7h39 e 7h44 de uma quinta-feira. Dez bombas escondidas em mochilas dentro de trens metropolitanos.
  • 58. 3 de setembro de 2004, Beslan (Ossétia do Norte, Rússia) • Mortos: mais de 200, a maioria crianças. • Feridos: 700 feridos. • Culpados: terroristas islâmicos chechenos e árabes. • Três dezenas de terroristas, sitiaram 1.200 pessoas durante três dias numa escola. Das vítimas, 70% eram crianças, professores e pais. As forças policiais russas invadiram a escola e a maioria dos terroristas foi morta.
  • 59.
  • 60.
  • 61.
  • 62. 7 de julho de 2005, Londres • Mortos: 50. • Feridos: mais de 700. •Culpados: reivindicou o ataque o Grupo da Al Qaeda na Organização da Jihad na Europa. •Pouco antes das 9h da manhã, quatro bombas explodiram com pequenos intervalos.
  • 63.
  • 64.
  • 65. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 92 Indonésia lembra dez anos dos atentados de Bali: Cerimônias foram realizadas sob forte esquema de segurança. Ataque terrorista mais sangrento da Indonésia foi realizado por membros do movimento Jemaah Islamiyah
  • 66. A RESPEITO DOS ATENTADOS, DA IMAGEM ACIMA, PODE-SE DIZER 1 - Ketika Nurani Bicara ("Quando a Consciência Fala", em tradução livre), com tiragem de dez mil exemplares, narra a história de Ali Imron, de jovem muçulmano a terrorista condenado. O objetivo da publicação é alertar os jovens do país sobre o perigo do extremismo islâmico. 2 - Ali Imron cumpre atualmente sentença de prisão perpétua pelo ataque. Ele só não foi condenado à morte porque se mostrou arrependido e aceitou colaborar com a polícia. 3 - Os atentados de 2002 contra os espaços noturnos Sari Club e Paddy's Bar, na zona de Kuta, na ilha de Bali, levados a cabo pelo grupo Jemaah Islamiyah, ligado à Al-Qaida, causaram a morte a 202 pessoas, entre as quais 88 australianos. 4 – Os atentados acima destacados tem relações com os do dia 11 de setembros às Torres do World Trade Center, nos EUA, uma dos maiores já feitos por um grupo extremista como a Al Qaeda. 5 – Os atentados foram comandados por Bin Laden, que se utilizou do jovem Ali Imron como seu braço forte, que atuou como um mensageiro divino, devido às tensas relações entre os EUA e a Indonésia. ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA: a) Todas estão corretas b) Somente 1,3,4,5 estão corretas c) Somente 2,3,4 e 5 estão corretas d) Somente 1,2,3,4 estão corretas e) Somente 2,4,5 estão corretas
  • 67. DICA 93: O ABORTO EM DEBATE : CRIME OU NÃO SE PRATICADO CONTRA ANENCÉFALOS?
  • 68.
  • 69.
  • 70.
  • 71.
  • 72.
  • 73.
  • 74.
  • 75.
  • 76.
  • 77.
  • 78.
  • 79.
  • 80.
  • 81.
  • 82.
  • 83.
  • 84.
  • 85.
  • 87. Quando começa a vida humana? 87
  • 88. Quando começa a vida humana? 88 88
  • 89. Quando começa a vida humana? Código Civil Brasileiro “Art. 2º – A personalidade civil da pessoa começa com o nascimento com vida; mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro”. Lei da Biosegurança “Art. 3o Para os efeitos desta Lei, considera-se: (...) X – clonagem terapêutica: clonagem com a finalidade de produção de células-tronco embrionárias para utilização terapêutica; XI – células-tronco embrionárias: células de embrião que apresentam a capacidade de se transformar em células de qualquer tecido de um organismo. (...) Art. 5o É permitida, para fins de pesquisa e terapia, a utilização de células-tronco embrionárias obtidas de embriões humanos produzidos por fertilização in vitro e não utilizados no respectivo procedimento, atendidas as seguintes condições: I – sejam embriões inviáveis; ou II – sejam embriões congelados há 3 (três) anos ou mais, na data da publicação desta Lei, ou que, já congelados na data da publicação desta Lei, depois de completarem 3 (três) anos, contados a partir da data de congelamento. 89
  • 90. Quando começa a vida humana? Parecer do MPF na ADIn 3510/DF – Lei da Biosegurança “1. O conceito jurídico do início da vida não se esgota no campo do direito civil. (...) 2. A petição inicial dessa ação, calcada exclusivamente em fundamentos de ordem científica, sustenta que a vida há, desde a fecundação, para que se preserve sua inviolabilidade. 5. Não há, pois, enfoques contraditórios: enquanto no plano do direito constitucional considera-se a vida em si, para protegê-la desde a fecundação no enfoque do direito civil o nascimento com vida é que enseja aconteçam as relações interpessoais: considerações outras. 6. Pela procedência do pleito”. 90 90
  • 91. Quando começa a vida humana? 91 91
  • 92. ABORTO 92 92
  • 94. Aborto nos Eua 94 94
  • 95. Aborto nos Eua: Roe vs. Wade (1973) 95 95
  • 96. Aborto nos Eua: Roe vs. Wade (1973) Por 7 votos a 2, a Suprema Corte decidiu que: (1) os Estados possuem interesses legítimos em assegurar que a prática do aborto não coloquem em risco a vida da mulher; (2) o direito à privacidade abrange o direito de a mulher decidir se interrompe ou não a gravidez; (3) o direito de interromper a gravidez não é absoluta, podendo ser limitado pelos interesses legítimos do Estado em manter padrões médicos apropriados e em proteger a vida humana em potencial; (4) o embrião não está incluído dentro da definição de “pessoa”, tal como usada na décima quarta emenda; (5) antes do fim do primeiro trimestre da gravidez, o Estado não pode interferir na decisão de abortar ou não; (6) ao fim do primeiro trimestre até o período de tempo em que o feto se tornar viável, o Estado pode regular o procedimento do aborto somente se tal regulação se relacionar à preservação da vida ou da saúde da mãe; (7) a partir do momento em que o feto se tornar viável, o Estado pode proibir o aborto completamente, a não ser naqueles casos em que seja necessário preservar a vida ou a saúde da mãe. 96 96
  • 97. Aborto nos Eua: Recente decisão 97 97
  • 98. Aborto no Brasil Código Penal Brasileiro: Aborto provocado pela gestante ou com seu consentimento Art. 124 - Provocar aborto em si mesma ou consentir que outrem lho provoque: Pena - detenção, de um a três anos. Aborto provocado por terceiro Art. 125 - Provocar aborto, sem o consentimento da gestante: Pena - reclusão, de três a dez anos. Art. 126 - Provocar aborto com o consentimento da gestante: Pena - reclusão, de um a quatro anos. Parágrafo único. Aplica-se a pena do artigo anterior, se a gestante não é maior de quatorze anos, ou é alienada ou debil mental, ou se o consentimento é obtido mediante fraude, grave ameaça ou violência Forma qualificada Art. 127 - As penas cominadas nos dois artigos anteriores são aumentadas de um terço, se, em conseqüência do aborto ou dos meios empregados para provocá-lo, a gestante sofre lesão corporal de natureza grave; e são duplicadas, se, por qualquer dessas causas, lhe sobrevém a morte. 98 98
  • 99. Aborto no Brasil Art. 128 - Não se pune o aborto praticado por médico: Aborto necessário I - se não há outro meio de salvar a vida da gestante; Aborto no caso de gravidez resultante de estupro II - se a gravidez resulta de estupro e o aborto é precedido de consentimento da gestante ou, quando incapaz, de seu representante legal. 99 99
  • 100. Aborto no Brasil O caso do feto anencéfalo 100 100
  • 101. Aborto no Brasil O caso do feto anencéfalo Conceito de Anencefalia: anencefalia é uma malformação congênita que se caracteriza geralmente pela ausência da abóbada craniana e massa encefálica reduzida. O feto anencefálico é considerado pela resolução do Conselho Federal de Medicina nº 1.752, de 8 de setembro de 2004, como "natimorto cerebral", já que ele não possui viabilidade vital por ausência de cérebro. 101 101
  • 102. Aborto no Brasil O caso do feto anencéfalo Conceito de Anencefalia: anencefalia é uma malformação congênita que se caracteriza geralmente pela ausência da abóbada craniana e massa encefálica reduzida. O feto anencefálico é considerado pela resolução do Conselho Federal de Medicina nº 1.752, de 8 de setembro de 2004, como "natimorto cerebral", já que ele não possui viabilidade vital por ausência de cérebro. 102 102
  • 103. Aborto no Brasil O caso do feto anencéfalo: ADPF 54/2004 Luís Roberto Barroso 103 103
  • 104. Aborto no Brasil O caso do feto anencéfalo: ADPF 54/2004 Argumento da petição inicial: 104 104
  • 105. Aborto no Brasil O caso do feto anencéfalo: ADPF 54/2004 Pedido: 105 105
  • 106. Aborto no Brasil O caso do feto anencéfalo: ADPF 54/2004 A polêmica liminar do Min. Marco Aurélio: 106 106
  • 107. Aborto no Brasil O caso do feto anencéfalo: ADPF 54/2004 No Pleno, a liminar foi cassada por maioria, vencidos o Min. Marco Aurélio, relator, Carlos Brito, Celso de Mello e Sepúlveda Pertence, que referendavam integralmente a liminar. A ação, porém, foi conhecida por 7 votos a 4. Votaram a favor do cabimento da ADPF: Marco Aurélio, Carlos Brito, Celso de Mello, Sepúlveda Pertence, Gilmar Mendes, Joaquim Barbosa e Nelson Jobim. Votaram contra o cabimento da ADPF: Carlos Veloso, Ellen Gracie, Cezar Peluso e Eros Grau. Já adiantaram a opinião favorável ao aborto do feto anencefálico: Marco Aurélio, Joaquim Barbosa, Carlos Brito, Celso de Mello, Sepúlveda Pertence 107 107 Já se manifestaram contra o aborto: Ellen Gracie, Cezar Peluso
  • 108. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 93 • Desde o Egito Antigo, as mulheres evitam gravidezes por meio de abortos. Tão antigas quanto essas práticas são as discussões em relação ao momento em que um embrião pode ser considerado uma vida. No atual caso dos bebês anencéfalos, esses debates se intensificaram. Vários argumentam contra o aborto, em proteção a uma suposta vida. Porém, a liberdade materna de escolha, nesse caso, deve sobressair, pois são as mães que arcarão com uma gravidez inviável, cujo feto morrerá rapidamente. O transtorno psicológico é extremamente grande quando a mãe se vê obrigada a engravidar e, em seguida, enterrar o “filho”. • O início da vida não pode ser considerado como o momento em que o o espermatozóide fecunda o ovócito, como muitos “antiabortistas” alegam. O zigoto, até as três primeiras semanas, pode se dividir, durante o desenvolvimento embrionário, e originar outros embriões. Isso torna o argumento de “o início da vida como sendo imediamente após a união dos gametas” contraditório, pois uma “vida” deu origem a outras. Assim como a morte é representada pelo fim da atividade cerebral, o início da vida deve coincidir com o desenvolvimento de tal atividade. Logo, não faz sentido considerar vida antes do desenvolvimento encefálico, como acontece em casos de anencefalia. • A mais penalizada por essa gravidez é a mãe, que se vê obrigada pelo estado e por parte da sociedade a levar a diante uma gravidez inviável, mesmo que isso traga sérias consequências negativas para a sua vida. Não é nada fácil para uma mãe continuar com uma gestação como essa. Todo esse transtorno poderia ser evitado se o Estado desse liberdade a ela de escolher, não sendo, assim, obrigada a recorrer a métodos alternativos que podem prejudicá-la, ou correr o risco de ser presa. • É fundamental uma reflexão, pois, do sofrimento dessa gestante. Apoiar o aborto em casos como esse, com bebês anencéfalos, não é apoiar a destruição de uma vida, e sim apoiar pela vida de quem realmente continuará a viver. • COMENTÁRIO DA REDAÇÃO • Sua redação está muito boa. Só não gostei muito da introdução, na qual acho que você escreveu demais, desenvolvendo o tema antes do tempo. Não entendi também por que usou haspas na palavra filho. Por outro lado, o argumento de que o zigoto ainda não pode ser considerado um ser-vivo só porque "se divide em outras vidas" pareceu-me fraco. Outra: o uso do verbo sobressair , a meu ver está inadequado. Melhor seria usar o verbo prevalecer.
  • 109. DICA 94:O BRASIL QUE RECEBE IMIGRANTES: DOS VIZINHOS DO SUL, ATÉ OS DO NORTE
  • 110. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 94 Brasil é quarto país da América Latina que mais recebe imigrantes internacionais: Cerca de 0,4% da população nasceu fora do território nacional, indica estudo da ONU; 1 - O Brasil tem sua população composta por 0,4% de imigrantes mundiais, o que corresponde a 760 mil dos 190 milhões de habitantes. 2 - A nação da região que mais recebe imigrantes de outros países na América Latina é a Argentina, com 1,4 milhões de pessoas nascidas longe de suas fronteiras. 3 - A Venezuela vem em segundo lugar, com um milhão de imigrantes. Esses números representam, segundo o estudo, cerca de 3,5% das suas populações.O terceiro lugar pertence ao México, que tem 0,7% da sua população composta por pessoas nascidas em outros países. 4 - Juntos, os países da América Latina e do Caribe possuem um total de 7,5 milhões de imigrantes internacionais, quantidade que corresponde a 1,3% de toda a população da região. 5 – As migrações para o Brasil seguem a linha do desenvolvimento por que passa o país, que acaba sendo atração para os vizinhos fronteiriços e outros do continente, na sua porção sul. ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA: a) Todas estão corretas b) Somente 1,3,4,5 estão corretas c) Somente 2,3,4 e 5 estão corretas d) Somente 1,2,3,4 estão corretas d) Somente 2,4,5 estão corretas
  • 111. DICA 95:A ERA VARGAS – MARCA DA HISTÓRIA DO BRASIL
  • 112. 1 - O PERÍODO PROVISÓRIO (1930 – 1934): • Decretos-lei. • Nomeação de interventores. • Atrelamento de sindicatos ao governo. • Criação do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio (a cargo de Lindolfo Collor). • Criação de leis trabalhistas: 8hs diárias, salário mínimo, aposentadoria, férias, estabilidade... • Revolução Constitucionalista (SP – 1932): – Oligarquia paulista insatisfeita com exclusão do poder. – Classe média urbana insatisfeita com autoritarismo varguista.
  • 113. • Símbolo da luta: MMDC (sigla retirada de estudantes mortos em manifestações, cujos sobrenomes eram Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo). • Objetivo: constituição. • Resultado: vitória militar de Vargas e convocação de eleições para a Assembléia nacional constituinte em 1933.
  • 114. 2 - O PERÍODO CONSTITUCIONAL (1934 – 1937): • A constituição de 1934: – Voto secreto, obrigatório, direto. – Voto feminino (excluindo-se analfabetos). – Justiça eleitoral. – Corporativismo. – Confirmação de leis trabalhistas. – Mandato presidencial de 4 anos. – 1º presidente eleito indiretamente: Getúlio Vargas. – Intervenção do Estado na exploração de minérios.
  • 115. • Formação de 2 correntes políticas antagônicas influenciadas pela conjuntura internacional. • AIB (Ação Integralista Brasileira): – Grupo fascista. – Plínio Salgado (líder). – Condenavam o capitalismo financeiro internacional (associado aos judeus) mas não a propriedade privada. – Totalitarismo, unipartidarismo e Estado centralizado forte. – Lema: “Deus, Pátria e Família”. – Saudação: ANAUÊ
  • 116. – Apoiados por setores da Igreja (combate ao “comunismo ateu”), classe média alta, empresários capitalistas e imigrantes ou descendentes de imigrantes ítalo- germânicos radicados especialmente no RS e SC.
  • 117. • ANL (Aliança Nacional Libertadora): – Aliança de esquerda reunindo comunistas, socialistas, democratas e simpatizantes de esquerda em geral. – Luís Carlos Prestes (líder). – Defendiam o não pagamento da dívida externa, reforma agrária e respeito às liberdades individuais (direito de greve, imprensa livre...), nacionalização de empresas estrangeiras e governo popular; • Getúlio coloca a ANL na ilegalidade (Jul/1935).
  • 118. Nov/1935 - Intentona Comunista: tentativa de golpe por membros da ANL. Mal organizada, fracassou rapidamente. Seus líderes (incluindo Prestes) foram presos. OLGA BENÁRIO
  • 119. • 1937: Divulgação do “Plano Cohen” (suposto plano comunista para tomar o poder). • Congresso é fechado e eleições suspensas. 3 - O ESTADO NOVO (1937 – 1945): • Nova constituição (1937): POLACA (constituição fascista). • Estado de Emergência permanente – plenos poderes ao presidente e a polícia. • Congresso fechado – decretos-lei. • Proibição de greves.
  • 120. • Censura permanente (DIP – Departamento de Imprensa e Propaganda). • Prisão de qualquer opositor. • Apoio das forças armadas. • Simpatia ao fascismo. • Ausência de qualquer partido (até a AIB foi fechada). • 1938 - Intentona Integralista: – Golpe fracassado da AIB. – Líderes presos. – Plínio Salgado exila-se em Portugal.
  • 121. • Política internacional pragmática: – Exploração de rivalidades para obter vantagens para o Brasil. – Projeto de industrialização. • 1942: Navios brasileiros são afundados por submarinos alemães. • Brasil declara guerra ao Eixo (ALE + ITA + FAB JAP). • 1943: Edição da CLT (controle dos trabalhadores). • 1944: FEB (Força Expedicionária Brasileira) desembarca na Itália com aproximadamente 25 mil homens. FEB
  • 122. • Luta contra o nazifascismo estabelece contradição interna: ditadura lutando ao lado das “forças pró-democracia”. • Diversos setores sociais começam a pedir democracia interna (entre eles a UNE, criada em 1937, os meios de comunicação, apesar da censura...). • Vargas convoca eleições para 1945, acaba com a censura e anistia presos políticos. Vargas cria 2 partidos políticos, o PTB e o PSD, para agradar aos trabalhadores e a elite, respectivamente, além de permitir a formação de partidos oposicionistas. • Surge o “Queremismo”, apoiado discretamente por Vargas.
  • 123. • Vargas aproxima-se até dos comunistas para permanecer no poder. • Propõe uma “Lei Anti-Truste” que desagrada os EUA. • Em 1945, é afastado do poder pelo exército (influenciado pelos EUA), que temia uma nova tentativa golpista do presidente. Vargas retorna para São Borja e é eleito posteriormente senador por dois estados ao mesmo tempo (RS e SP). • José Linhares (presidente do STF) assume o poder até que as eleições tivessem transcorrido e o novo presidente assumisse. JOSÉ LINHARES
  • 124. 3 - CARACTERÍSTICAS GERAIS DO GOVERNO VARGAS: • POPULISMO – tipo de governo que possui as seguintes características: autoritarismo, estatismo, corporativismo, culto ao líder combinado com concessões parciais a camada mais pobre da população visando obter seu apoio. Ocorreu na América Latina entre os anos 30 e 50, e tem em Getúlio Vargas, no Brasil, Juan Domingo Perón, na Argentina e Lázaro Cardenas, no México seus mais notórios representantes. • O Estado era o “mediador” dos conflitos sociais. • Nacionalismo econômico, com criação de empresas estatais e obras públicas. • Intervenção do Estado na economia, inspirado no modelo do “New Deal” norte-americano.
  • 125. • Controle dos trabalhadores com criação de leis (a CLT, é um exemplo disso) e atrelamento dos sindicatos. • Utilização intensa de propaganda governamental e censura, com a criação da DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda), que cuidadosamente “fabrica” a imagem do “pai do trabalhador”.
  • 126. • Incentivo ao mercado interno. • Recuperação do preço do café (queima de estoque). • Incentivos a indústria nacional (especialmente a de base durante a II Guerra Mundial), com a criação da CSN (Companhia Siderúrgica Nacional) e a nacionalização de refinarias de petróleo.
  • 127. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 95 O governo Vargas tornou-se sinônimo de intervenção estatal. Embora essa política intervencionista tenha adquirido força no Estado Novo, pode ser percebida durante toda a chamada Era Vargas. Sobre a Era Vargas, é correto afirmar: a) O Departamento de Imprensa e Propaganda, embora impusesse limitações à imprensa, seguiu a orientação do estado, sem propaganda do governo e sem influência sobre a opinião pública. b) O governo, na questão agrícola, extinguiu diversos institutos, entre eles o do Açúcar e do Álcool, o do Pinho, o do Mate e o do cacau, e centralizou as ações do Ministério da Agricultura. c) Os principais opositores do governo foram facilmente cooptados pela política governamental de conciliação e políticos com visões opostas, como Luiz Carlos Prestes e Plínio Salgado, atuaram como ministros de Vargas. d) O movimento sindical passou a ser tutelado já no início do primeiro governo Vargas, com a Lei de Sindicalização (março de 1931) e, em decorrência, o sindicato tornou-se um colaborador do Estado, com o objetivo de intermediação e atenuação do conflito entre capital e trabalho. e) O Brasil, com a implantação do Estado Novo, conseguiu a tão sonhada paz social, e o governo Vargas implantou, pela via da conciliação política, um governo de coalizão entre socialistas e integralistas.
  • 128. DICA 96:O GOVERNO JK – E O BRASIL DESENVOLVIMENTISTA
  • 129. JUSCELINO KUBITSCHEK 50 anos de governo de J.K.; 30 anos de sua morte.
  • 130. BRASIL EM MUTAÇÃO • Transição do meio rural para a industria. • Slogan: 50 anos em 5; • Juscelino político moderado não se importava com a origem do investimento.
  • 131. CONSTRUIR PARA CRESCER • J.K. viajou o mundo vendendo suas idéias e durante seu governo U$ 2 bi entraram no país. • Coalizão no Congresso lhe dava maioria que aprovou seu plano de governo.
  • 132. • Plano de Metas: obras de base; industrias; exploração de matérias primas; bens de produção e de consumo; construção da nova capital.
  • 133. ANOS DOURADOS • Nos primeiros anos euforia do desenvolvimento. • O numero de estradas pavimentas aumentou 300%. • A quantidade de industrias cresceu 3 vezes; • Empregos multiplicados por 10.
  • 134. • PIB cresceu 8% ao ano; • Salário Mínimo reajustado anualmente. • Renda per capita subiu 34%. • Brasil campeão da copa de 58 com Pelé e Garrincha. • A Bossa Nova com João Gilberto, Tom Jobim e Vinicius de Moraes.
  • 135. CUSTOS DO CRESCIMENTO • Alto Custo das obras públicas pagas com empréstimos; • Endividamento do Estado internamente e externamente. • Inflação disparou a 31% ao ano.
  • 136. • Gastança na construção de Brasília erguida em 03 anos e 10 meses. • Uso irregular de verbas públicas.
  • 137. QUEM PAGA A CONTA • Desvalorização do salário e greves. • Empresários indignados com baixo crédito. • UDN denunciava corrupção e tentava instaurar CPIs. • O Estado atolado em dívidas recorreu ao FMI.
  • 138. • J.K. realizou suas metas, mas a um custo muito alto. • Legado de dívidas, inflação, dependência do capital estrangeiro e déficit na balança comercial.
  • 139. • J.K. deixou de herança a capacidade de liderar e administrar conflitos. • Seu maior erro teria sido não unir a política de crescimento a um modelo econômico estável e responsável.
  • 140. CRONOLOGIA • 1902- No dia 12 de setembro nasce em Diamantina. • 1922- Ingressa na faculdade de Medicina em Belo Horizonte. • 1934- elege-se deputado federal. • 1940- assume a prefeitura de Belo Horizonte.
  • 141. • 1946- deputado federal Constituinte. • 1950- Elege-se governador. • 1955- Elege-se Presidente da República tomando posse no ano seguinte. • 1960- Em 21 de abril inaugura Brasília. • 1961- Transmite o cargo a Jânio Quadros.
  • 142. • 1964- Com o golpe militar parte para o exílio. • 1967- retorna ao Brasil. • 1974- Lança o primeiro volume de suas memórias “ Meu Caminho para Brasília”. • 1976- Morre em acidente na Via Dutra.