Tórax, 63                                                      Abdome, 97                                                 ...
1- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO1- NOME DA INCIDÊNCIA descreve a posição/incidência a ser           ...
3.   Transportar água, eletrólitos, hormônios e enzimas4.   Proteger contra doenças                                       ...
O décimo e último sistema corporal é o tegumentar, composto de pelee                                                      ...
Composição: A carapaça externa da maioria dos ossos é compostadetecido ósseo duro ou denso conhecido como osso compacto, o...
Os centros primário e secundário de calcificação endocondral estão       movimento extremamente limitado e, nos adultos, s...
11- PRINCíPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO                    12 - PRINCíPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA...
Uma radiografia é um filme ou outro material de base que possui uma13- PRINCíPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO...
15- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO                  16- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RA...
17- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO                18- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADI...
19- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO                  20- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RA...
entretanto, que em um sentido real uma incidência axial deve ser         Incidências submentovértice (SMV) e vértice subme...
Ipsi lateral significa estar do mesmo lado do corpo ou de parte dele;23- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇ...
às vezes para descrever a eversão de estresse25- PRINCÍPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO                 (esfo...
27- PRINCÍPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO                 Rotação é virar ou rodar parte do corpo ao redor d...
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Liv r xpg01a 62 ptpcr
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Liv r xpg01a 62 ptpcr

477 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
477
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Liv r xpg01a 62 ptpcr

  1. 1. Tórax, 63 Abdome, 97 Membro Superior, 117 Porção Proximal do Úmero e Cintura 6- Escapular, 167 7- Membro Inferior, 195 8- Porção Proximal do Fêmur e Cintura Pélvica, 247 9- Coluna Cervical e Torácica, 273 10- Coluna Lombar, Sacro e Cóccix, 307 11- Arcabouço Torácico, Esterno e Costelas, 335 12- Crânio e Ossos do Crânio, 353 IE Ossos da Face, 379 13- Seios Paranasais, Mastóides e Osso Temporal, 415 14- Sistema Gastrointestinal Alto, 441 15- Sistema Gastrointestinal Baixo, 479 16- Vesícula Biliar e Duetos Biliares, 519 17- O Sistema Urinário, 539 18- Mamografia, 575 19- Traumatismo e Radiografia Portátil, 593 20- Radiologia Pediátrica, 629 21- Angiografia e Procedimentos Intervencionistas, 665 22- Tomografia Computadorizada, 699 23- Procedimentos Diagnósticos Adicionais, 725 24- Outras Modalidades Diagnósticas e Terapêuticas, 755 Bibliografia, 784 Apêndice (A) Resultados de Pesquisas por Incidência e Região, 785 Apêndice (B) Chave de Respostas: Radiografias para Crítica, 799 Índice AlfabetoCONTEÚDOPrincípios, Terminologia e Proteção contra Radiação
  2. 2. 1- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO1- NOME DA INCIDÊNCIA descreve a posição/incidência a ser 2- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃOradiografada, inclusive o nome correto da incidência (se necessário). A ANATOMIA GERAL, SISTÊMICA E ESQUELETICA E ARTROLOGIA2- PATOLOGIAS DEMONSTRADAS fornecem um resumo das condições A. Anatomia Geralou patologias que podem ser evidenciadas pelo exame e/ou pela Anatomia é a ciência da estrutura do corpo humano, enquanto aincidência. Esse resumo ajuda o técnico a compreender o propósito fisiologiado exame e quais as estruturas ou tecidos que devem ser estuda as funções do organismo ou como suas partes funcionam.Noevidenciados mais claramente. indivíduo3- BOXE DE RESUMO DA INCIDÊNCIA mostra todas as incidências vivo, é impossível estudar anatomia sem estudar também algumabásicas ou especiais mais comumente concebidas para determinada fisiologia.parte do corpo. O realce em vermelho é a incidência descrita na O estudo radiográfico do ser humano, entretanto, é basicamente umpágina. estudo da anatomia de vários sistemas, com menor ênfase na fisiologia.4- FATORES TÉCNICOS descrevem os fatores técnicos relacionados Conseqüentemente, neste livro, serão enfatizadas as anatomias dosà incidência em questão. Os fatores técnicos incluem o tamanho do sistemasfilme recomendado para o adulto de porte médio; se o filme deve e a posição dos órgãos nas radiografiasser colocado no sentido transversal ou longitudinal em relação aopaciente; se for necessário ou não usar uma grade; e o alcance em ORGANIZAÇÃO ESTRUTURALkVp para a referida incidência. O corpo humano tem diversos níveis de organização estrutural. O nível mais5- TÉCNICAS E DOSE resumem uma técnica inicial para a incidência elementar de organização é o nível químico. Todas as substânciasno caso de um adulto de porte médio e a dose aproximada para o químicaspaciente e o tamanho do campo de exposição. Isso é apresentado em necessárias para a manutenção da vida são compostas de átomos,milirads de dose cutânea, dose na linha média e dose específica em ligadosórgão radiossensível. Ver no Capo 1, pág. 54-61, uma discussão mais de várias maneiras para formar as moléculas. Várias substânciascompleta das doses dos pacientes. químicas na formas de moléculas se organizam para formar as células.6-ICONE DO RECEPTOR DE IMAGEM mostra a imagem visual dotamanho relativo do filme (cm) e a orientação (transversal ou Célulaslongitudinal), localização do bloqueador da identidade do paciente, A célula é a unidade básica estrutural e funcional de todo sertamanho relativo do campo de colimação; a localização dos humano.marcadores D e E e a localização recomendada do controle Cada parte do corpo, seja músculo, osso, cartilagem, gordura, nervo,automático de exposição, se este for usado. pele ou sangue, é composto de células.7- USO DE PROTETORES descreve quais protetores devem ser Tecidosempregados para determinada incidência. Ver Capo 1, pág. 59, para Os tecidos são grupos de células semelhantes entre si, que,obter mais informações sobre protetores específicos para cada área. juntamente com a matriz extracelular, possuem uma função específica. Os quatro8- POSiÇÃO DO PACIENTE indica a posição geral do corpo para a tiposincidência. básicos de tecidos são: 1-Epiteía /:Tecido que cobre as superfícies internas e externas do9- POSiÇÃO DA PARTE fornece uma descrição detalhada e clara de corpo, incluindo a superfície interna dos vasos e órgãos, como ocomo o corpo do paciente deve ser posicionado em relação ao filme estômago e os intestinose/ou a mesa. O ícone do RC, E8, é incluído para todas as incidências 2. Conjuntivo: Tecidos que unem e sustentam as várias estruturasnas quais o RC é essencial como um lembrete para o técnico prestar 3. Muscular:Tecidos que compõem a substância dos músculosatenção ao RC durante o processo de posicionamento para essa 4. Nervoso: Tecidos que compõem a substância dos nervos e centrosincidência. nervosos.10- RAIO CENTRAL descreve a localização precisa do RC em relação Órgãosao filme e à parte do corpo do paciente. À distância focofilme Quando vários tecidos se unem para realizar uma função específica,(DFoFi) mínima é mencionada. Ver no Capo 1, pág. 35, as vantagens o resultado é um órgão. Os órgãos geralmente possuem formatosde aumentar a DFoFi de 40 polegadas (100 cm) para 44 ou 48 específicos. Exemplos de órgãos dopolegadas (110 a 120 cm) para os procedimentos gerais em mesa. corpo humano são rins, coração, fígado, pulmões, estômago e cérebro.11- COLlMAÇÃO descreve a colimação do campo de raios Xrecomendada para a incidência em questão. Sistemas Um sistema consiste em um grupo ou uma associação de órgãos que12-RESPIRAÇÃO descreve as necessidades em termos de respiração possuem uma função similar ou comum. O trato urinário, compostopara a incidência em questão. pelos rins, ureteres, bexiga e uretra, é um exemplo de um sistema do corpo humano. Há 10 sistemas orgânicos13- critérios radiográficos descrevem o processo de avaliação/crítica individuais que compõem todo o corpo.em quatro etapas que deve ser completado para cada imagemradiográfica. Esse processo é dividido em quatro categorias de Organismoinformação: (1) estruturas que devem ser evidenciadas; (2) Os 10 sistemas do corpo funcionando juntos constituem o organismoevidências de posicionamento correto; (3) colimação e localização do totalRC corretas; e (4) fatores aceitáveis de exposição. - um ser vivo.14-FOTOGRAFIA DA POSiÇÃO mostra a posição correta do corpo eda parte em relação ao RC e ao filme. 3PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO15- IMAGEM RADIOGRÁFICA mostra uma radiografia corretamenteposicionada e exposta da incidência em questão. Anatomia Sistêmica SISTEMAS DO CORPO16- DESENHO ANATÕMICO indica e interpreta as partes anatômicas o corpo humano é uma unidade estrutural e funcional composta deespecíficas visíveis na imagem radiográfica mostrada na página. 10 unidades menores denominadas sistemas. Esses 10 sistemas são (1) esquelético, (2) circulatório, (3) digestivo, (4) respiratório, (5) urinário, (6) reprodutor, (7) nervoso, (8) muscular, (9) endócrino e (10) teguentar Sistema Esquelético O sistema esquelético é um importante sistema a ser estudado pelo técnico/radiologista. É composto por 206 ossos distintos e suas cartilagens e articulações associadas. O estudo dos ossos é denominado osteologia, enquanto o estudo das articulações é a artrologia. As quatro funções do sistema esquelético são: 1. Sustentar e proteger o corpo 2. Permitir os movimentos por interação com os músculos para formar alavancas 3. Produzir células sangüíneas 4. Armazenar cálcio Sistema Circulatório O sistema circulatório é composto dos órgãos cardiovasculares - coração, sangue e vasos sangüíneos - e do sistema linfático linfonodos, vasos linfáticos e glândulas linfáticas. As seis funções do sistema circulatório são: Distribuir oxigênio e nutrientes para todas as células do organismo 2. Retirar escórias e dióxido de carbono das células
  3. 3. 3. Transportar água, eletrólitos, hormônios e enzimas4. Proteger contra doenças 5 - PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO5. Evitar sangramentos pela formação de coágulos sangüíneos 5Sistema Nervoso6. Auxiliar a regular a temperatura corporal O sistema nervoso é composto pelo cérebro, medula espinhal, nervos,Sistema Digestivo gânglios e órgãos sensoriais especiais como os olhos e os ouvidos.O sistema digestivo inclui o canal alimentar e alguns órgãos A função do sistema nervoso é regular as atividades corporais comacessórios. O canal alimentar é composto por boca, impulsos elétricos que correm pelos vários nervos.faringe, esôfago, estômago, intestinos delgado e grosso eânus. Os órgãos acessórios da digestão Sistema Muscularincluem as glândulas salivares, fígado, vesícula biliar e pâncreas. O sistema muscular inclui todos os tecidos musculares do organismoA dupla função do sistema digestivo é: e é1. Preparar o alimento para ser absorvido pelas células, através subdivido em três tipos: (1) esquelético, (2) visceral e (3) cardíaco.de numerosos processos físicos e químicos de degradação A maior parte da massa muscular do organismo é composta de4-Eliminar escórias sólidas do organismo musculatura esquelética, que é estriada e está sob controle voluntário. Os músculos voluntários atuam em conjunto com o esqueleto para permitir que haja movimento. Cerca de 43% do peso corporal humano são compostos de músculo voluntário, ou estriado esquelético. A musculatura visceral, que é lisa e involuntária, é encontrada nas paredes dos órgãos internos ocos, como os vasos sangüíneos, o estômago e os intestinos. Esses músculos são chamados de involuntórios , porque sua contração não depende do controle voluntário ou consciente. O músculo cardíaco é encontrado apenas nas paredes do coração e é involuntário, apesar de estriado. As três funções do tecido muscular são: Permitir o movimento, tal como a locomoção do organismo ou o movimento de substâncias através do canal alimentar 2. Manter a postura 3. Produzir calor Sistema Endócrino O sistema endócrino inclui todas as glândulas desprovidas de ductos do organismo. Essas glândulas incluem os testículos, os ovários, o pâncreas, as adrenais, o timo, as paratireóides, a tireóide, a pineal e a hipófise. A placenta atua como uma glândula endócrina temporária. Os hormônios, que são secretados pelas glândulas endócrinas, são liberados diretamente na corrente sangüínea. A função do sistema endócrino é regular as atividades corporais através de vários hormônios carreados pelo sistema cardiovascular.4-PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃOSistema RespiratórioO sistema respiratório é composto de dois pulmões e uma série depassagens que ligam os pulmões à atmosfera externa ao corpo.As estruturas que compõem essas passagens do exterior aos alvéolosno interior dos pulmões é nariz, boca, faringe, laringe, traquéiae árvore brônquica.As três funções do sistema respiratório são:Fornecer oxigênio ao sangue e, em última análise, às células 2.Eliminar o dióxido de carbono do sangue3. Auxiliar na regulação do balanço ácido-básico sangüíneoSistema UrinárioO sistema urinário inclui os órgãos que produzem, coletam eeliminam aurina.Os órgãos envolvidos no sistema urinário são rins, ureteres, bexiga euretra.As quatro funções do sistema urinário são:1. Regular a composição química do sangue2. Eliminar escórias do organismo3. Regular o balanço e o volume hidro eletrolítico4. Manter o equilíbrio ácido-básico do organismoSistema ReprodutorO sistema reprodutor, ou genital, inclui os órgãos que produzem,transportam e armazenam células germinativas. Os testículos 6 - PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃOnos homens e os ovários nas mulheres produzem células Anatomia Esqueléticagerminativas maduras. Como grande parte da radiografia para diagnóstico envolve o exameOs órgãos de transporte e armazenamento no homem incluem deo ducto deferente, a próstata e o pênis. Os órgãos da reprodução ossos e articulações, a osteologia (estudo dos ossos) e a artrologiadas mulheres são o útero, as trompas uterinas e a vagina. (estudo).A função do sistema reprodutor é a reprodução do organismo. (das articulações) são assuntos importantes para o técnico/radiologista. Sistema Tegumentar
  4. 4. O décimo e último sistema corporal é o tegumentar, composto de pelee 7 - PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃOtodas as estruturas derivadas dela. Essas estruturas derivadas Esqueleto Apendicularincluem pêlos, A segunda divisão do esqueleto é a porção apendicular. Essaunhas, glândulas sudoríparas e glândulas sebáceas. divisãoA pele é um órgão essencial à vida. De fato, a pele é o maior órgão é composta por todos os ossos dos membros superiores e inferioresdo corpo (extremidades) e as cinturas escapular e pélvica (regiões coloridashumano, cobrindo uma superfície de aproximadamente 7.620 cm2 no doadulto esqueleto na Fig. 1.13). No esqueleto apendicular do adulto existemmédio. 126 ossos separados.As quatro funções do sistema tegumentar são: ESQUELETO APENDICULAR DO ADULTO1. Regular a temperatura corporal Cintura escapular Clavículas 22. Proteger o corpo Escápula 23. Eliminar escórias através da transpiração Membros superiores Úmero 24. Receber certos estímulos como temperatura, pressão e dor Ulna 2OSTEOLOGIA Rádio 2O esqueleto do adulto é formado por 206 ossos distintos, que com - Ossos carpais 16põem Ossos metacarpais 10a estrutura de todo o organismo. Determinadas cartilagens, como as Falanges 28encontradas nas extremidades Cintura pélvica Ossos do quadril 2dos ossos longos, também são incluídas como parte do esqueleto. Membros inferiores Fêmur 2Esses ossos Tíbia 2e cartilagens são unidos por ligamentos e oferecem superfícies de Tíbia 2fixação aos Tíbia 2músculos. Como os músculos e ossos precisam combinar- se para Ossos tarsais 14permitir o Ossos metatarsais 10movimento corporal, esses dois sistemas são às vezes designadoscoletivamente Falanges 28como sistema locomotor. O esqueleto adulto humano é dividido em Total de Osso no Esqueleto Apendicular 126esqueleto axiale esqueleto apendicular.Esqueleto Axial Total de ossos no adulto – 206 ossos separados.O esqueleto axial inclui todos os ossos localizados no eixo central (Isso inclui os 2 ossos sesamóides dos membros inferiores nosdo corpo ou próximo a joelhos, as patelas).este. O esqueleto axial do adulto consiste em 80 ossos e incluicrânio, coluna vertebral, Fig. 1.15 Ossos sesamóides.costelas e esterno (regiões coloridas do esqueleto na Fig. 1.12). Incidência tangencial (base do primeiro pododáctilo).Cabeça CrânioCabeça Ossos da faceOsso Hióide Ossos SesamóidesOssículo da audição (pequeno osso em cada ouvido) Os ossos sesamóides são um tipo especial de ossoColuna vertebral Cervical pequeno e de formaColuna vertebral Torácica ovalada encontrados nos tendões (muitos próximos àsColuna vertebral Lombar articulações) e que estãoColuna vertebral Sacral presentes no desenvolvimento fetal, porém não sãoColuna vertebral Coccígea considerados parte do esqueletoTórax Esterno axial ou apendicular, exceto pelas duas patelas, queTórax Costela são os maiores ossos sesamóides.Total de ossos no esqueleto do adulto Os outros ossos sesamóides mais comuns estão localizados na sola do pé, na base do primeiro pododáctilo (Figs. 1.14 e 1.1 5). Nos membros superiores, eles são mais comumente encontrados nos tendões próximos à superfície palmar da mão e na base dos quirodáctilos. Outros podem ser encontrados em qualquer articulação dos membros superiores ou inferiores. Qualquer osso sesamóide pode sofrer fratura por trauma, sendo necessário o estudo radiográfico. CLASSIFICAÇÃO DOS OSSOS Cada um dos 206 ossos do corpo pode ser classificado de acordo com a sua forma: F i g. 1 . 1 4 O s s o s sesamóide na base p o s t e r i o r d o pr i m e i r o pododáctilo. *-Ossos longos *-Ossos curtos *-Ossos planos *-Ossos irregulares Ossos Longos Os ossos longos são formados por um corpo (diáfise) e duas Fig.1.16 Osso longo (úmero). extremidades. Os ossos longos são encontrados apenas no esqueleto apendicular. (A Fig. 1.16 mostra uma radiografia de úmero, um osso longo típico do braço.) 8 - PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO
  5. 5. Composição: A carapaça externa da maioria dos ossos é compostadetecido ósseo duro ou denso conhecido como osso compacto, oucórtex,que é a camada externa. O osso compacto possui poucos espaçosintercelularesvazios e serve para proteger e sustentar todo o osso. Cartilagem articularO corpo (diáfise) contém uma camada mais espessa de osso com -pacto que (hialina)tem como objetivo ajudar na resistência ao estresse provoca do pelopeso sobre ele.No interior do osso compacto e especialmente nas duas extremidadesdecada osso longo encontramos o osso esponjoso ou trabecular. O ossotrabecular Osso esponjosoé muito poroso e geralmente contém a medula óssea vermelha,responsável pelaprodução das hemácias.A diáfise de um osso longo é oca. Essa porção oca é conhecida como ((contém a medulacavidade medular. No adulto, a cavidade medular geralmente abriga a -medula óssea vermelha)).óssea amarela gordurosa. Uma membrana fibrosa densa, o periósteo,cobre o osso,exceto na cartilagem das superfícies articula es. As superfíciesarticulares são recobertas por uma camada de cartilagem hialina.Hialina, que quer dizer transparente ou clara, é um tipo comum de Periósteocartilagemou tecido conjuntivo. Seu nome deve-se ao fato de não ser visívelpelas técnicasde coloração comuns, sendo portanto "clara" ou transparente nos Osso compactoestudos laboratoriais.Essa cartilagem é encontrada em muitos lugares, incluindo asextremidades dos ossos longos, onde são chamadas de cartilagens articulares.O periósteo é essencial para o crescimento, o reparo e a nutrição doosso. Cavidade medularOs ossos são abundantemente supridos de vasos sangüíneos que Forame nutridorneles penetram a partir doperiósteo. Próximo ao centro do corpo dos ossos longos, uma artéria (contém a medula -nutrícia passa .obliquamente através do osso compacto do forame nutrício para a óssea amarela)cavidade medular.Ossos Curtos Artérias nutridorasOs ossos curtos são aproximadamente cubóide e são encontrados Corpoapenas nospunhos e nos calcanhares. Os ossos curtos são formados Fig. 1.17 Osso longo.principalmente por (intracartilaginosa).tecido esponjoso e cobertos superficialmente por uma fina lâmina deosso Ossificação Intramembranosa A ossificação intramembranosa ocorrecompacto. 05 oito ossos carpais de cada punho e 05 sete ossos rapidamente nos ossos que são necessários para a proteção, comotarsais de nascada pé são todos ossos curtos. suturas dos ossos planos na calvária, que são os centros de crescimentoOssos Planos no desenvolvimento ósseo precoce.Os ossos planos consistem em duas lâminas de osso compacto com Ossificação Endocondral A ossificação endocondral ocorre de for maosso muito mais vagarosa do que a intramembranosa e ocorre na maioresponjoso e medula óssea entre elas. Alguns exemplos de ossos parteplanossão do esqueleto, principalmente nos ossos longos.os que compõem a calvária (tampa do crânio), o esterno, as Centros Primário e Secundário de Ossificação Endocondralcostelase a O primeiro centro de ossificação é chamado de centro primário eescápula.O estreito espaço entre as superfícies interna e externa ocorredos na região central do corpo ósseo. O centro primário de ossificaçãoossosplano do crânio é conhecido como díploe. Os ossos planos nos ossosproporcionam proteção para o conteúdo interno e amplo superfícies em crescimento é chamado de diáfise. Esta se torna o corpo quandopara o ossoa fixação de músculos. está inteiramente desenvolvido.Ossos Irregulares Os centros secundários de ossificação surgem próximo àsOs ossos que possuem formas peculiares estão reunidos na categoria extremidades dosfinal ossos longos. A maioria dos centros secundários surge após ocomo ossos irregulares. As vértebras, os ossos faciais, os ossos da nascimento,base do enquanto a maioria dos centros primários surge antes do nascimento.crânio e os ossos da pelve são exemplos de ossos irregulares. Cada centro secundário de ossificação é chamado de epífise. As epífisesProdução de Células Sangüíneas distal doNos adultos, as hemácias são produzidas pela medula óssea fêmur e proximal da tíbiasão as primeiras a surgir e podem estarvermelha de presentescertos ossos planos e irregulares, como o esterno, as costelas, as no nascimento do recém-nascido a ter mo. As placas cartilaginosas,vértebras chamadase a pelve. de placas epifisárias, são encontradas entre a diáfise e cada epífise até que o crescimento do esqueleto esteja completo.O crescimento em comprimento dos ossos resulta do crescimento longitudinal das placas cartilaginosas epifisárias. A isso se segue uma ossificação progressiva através do desenvolvimento endocondral até toda a cartilagem ser substituída por osso e9 - PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO todo o crescimento do esqueleto estar completo. Esse processo deDESENVOLVIMENTO DOS OSSOS fusãoO processo pelo qual os ossos se formam no corpo é conhecido epifisária dos ossos longos ocorre progressivamente da puberdadecomo ossificação. O esqueleto do embrião é composto por até a totalmembranas maturidade, em torno dos 25 anos de idade. Entretanto, o tempo quefibrosas e por cartilagem hialina. A ossificação tem início cerca da cada ossosexta demora em completar seu crescimento varia de acordo com assemana de gestação e se continua até a idade adulta. diferentes regiões do corpo. Além disso, o esqueleto femininoFormação Óssea normalmente torna-se maduro mais rapidamente que o esqueletoDois tipos de formação óssea são conhecidos. Quando o osso masculino. Extensos diagramas quesubstitui listam os padrões normais de crescimento ósseo estão disponíveis.membranas, a ossificação é chamada de intramembranosa. Quando o Demonstração Radiográfica do Crescimento Ósseoosso A Fig. 1.22 mostra uma radiografia do joelho de uma criança de 6substitui uma cartilagem, a ossificação é chamada de endocondral anos de idade.
  6. 6. Os centros primário e secundário de calcificação endocondral estão movimento extremamente limitado e, nos adultos, são consideradasbem demonstrados imóveis e assinalados. ou articulações sinartrodaisCentros Primários Os centros primários de crescimento ósseomostram o ossobem-desenvolvido e incluem a região diafisária (corpo).Centros Secundários Os centros secundários de crescimento ósseosão asepífises, observadas na porção distal do fêmur e nas porçõesproximais da tíbia e fíbula. Essas epífises estão separadas do osso principal por umespaço,ou articulação, denominado placa epifisária. Ela é feita decartilagem, nãovisualizada pelas radiografias devido à falta de cálcio nessas áreasduranteessa fase do crescimento. Por esse motivo, essas placas epifisáriasdesaparecemcompletamente à medida que são substituídas por cálcio no fim docrescimento ósseo.10- PRINCíPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃOArtrologia (Articulações)o estudo das articulações é chamado de artrologia. É importantecompreenderque nem todas as articulações realizam movimento. Na verdade, osdois primeiros tipos de articulações a serem descritas são imóveis ou sãoarticulações de movimentos ligeiros unidas por várias faixas fibrosas ou porcartilagem. Essasarticulações estão mais adaptadas ao crescimento, em vez demovimento. Osegundo grupo de articulações inclui a maioria das articulações doorganismo, quesão adaptadas para o movimento.CLASSIFICAÇÃO DAS ARTICULAÇÕESFuncionalÀs vezes as articulações são classificadas conforme sua função, emvez da suacapacidade de movimento. Os três tipos funcionais mais comuns são:Sinartroses - Articulações imóveisAnfiartroses - Movimentos limitadosDiartroses - Articulação de movimentação livreEstruturalÀs vezes, todas as articulações do corpo são classificadas conformeas trêsClasses funcionais a seguir. Entretanto, o sistema primário declassificaçãodas articulações, conhecido como NOMINA ANA TOMICA e usado poreste livro,é uma classificação estrutural baseada no tipo de tecido que separaasextremidades do osso.As três classificações estruturais estãobaseadas nos trêstipos de tecido que separam os limites ósseos das diferentesarticulaçõesEssas três classificações segundo o tipo de tecido, juntamente comas suassubclasses, são demonstradas a seguir:Articulações fibrosas1. Sindesmoses2. Sutura3. GonfoseArticulações cartilaginosas 1. Sínfise2. SincondroseArticulações sinoviaisArticulações FibrosasAs articulações fibrosas selam uma cavidade articular. Os ossosadjacentes,que estão em íntimo contato entre si, são mantidos unidos pelotecidoconjuntivo fibroso. Os três tipos de articulações fibrosas são asindesmose,que são ligeiramente móveis; as suturas, que são imóveis; e asgonfoses, quesão um tipo único de articulação com movi mentos muito limitados(Fig. 1.23).1. SindesmosesA única verdadeira sindesmose no corpo (como classificada pelaNOMINA ANA).(TOMICA) é a articulação tibio fibular distal.* Os ligamentos fibrososunem a tíbiadistal com a fíbula nessa articulação, que é ligeira mente móvel ouanfiartrodal.2. SuturasAs suturas são encontradas entre os ossos do crânio. Esses ossosmantêm contato entre si por meio de limites encadeados ou serrilhados e sãomantidos juntos pelos feixes de tecido fibroso ou ligamentos. Por tanto, essas articulaçõespossuem um
  7. 7. 11- PRINCíPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO 12 - PRINCíPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃOArticulações CartilaginosasAs articulações cartilaginosas também vedam uma cavidade, e as 2. Gínglimoarticulações dos As superfícies articulares de um gínglimo são moldadas entre si a fimossos são firmemente unidas por uma cartilagem. Assim como as dearticulações permitirem apenas movimentos de extensão e de flexão. A cápsulafibrosas, elas permitem movimentos discretos ou nenhum movimento. articular fibrosa nesse tipo de articulação é fina nas superfíciesAlém disso, onde aessas articulações são também sinartrodiais ou anfiartrodiais e são dobradura ocorre, mas fortes ligamentos colaterais fazem uma forteunidas por dois contençãotipos de cartilagem, as sínfisese as sincondroses. óssea nas margens laterais da cápsula fibrosa.1. Sínfises Exemplos dessas articulações são as interfalangianas (lF), tantoO aspecto essencial de uma articulação do tipo sínfise é a presença nos quirodáctilos como nos pododáctilos, na articulação do joelho ede um disco na articulação do tornozelo.largo e plano de fibrocartilagem entre duas superfícies ósseascontíguas. Esses 3. Articulação trocóide (pivô)discos de fibrocartilagem formam almofadas relativamente grossas A articulação trocóide é formada por um processo ósseo semelhanteque são capazes ade serem comprimidas ou deslocadas, permitindo dessa forma a um eixo que é cercado por um anel de ligamentos e/ou estruturasesses ossos alguns ósseas.movimentos, o que faz essas articulações serem anfiartrodiais Isso permite movimentos de rotação em torno de um único eixo.(movimentos discretos). Exemplos dessas articulações são as radioulnares proximal e distalExemplos dessas sínfises são os discos intervertebrais (entre os docorpos vertebrais) antebraço, que exibem seu movimento axial no movimento de rotaçãoe a sínfise púbica (entre os dois ossos púbicos da pelve). da mão e do punho.2. Sincondroses Outro exemplo é a articulação entre a primeira e a segunda vértebrasUma sincondrose típica é uma forma temporária de articulação em cervicais. O dente do eixo (C2) forma um pivô e o arco anterior doque a atlascartilagem hialina de conexão (que nos ossos longos é chama da de (C1), combinado com os ligamentos posteriores, forma um anel.p/oco epífísórío)é convertida em osso na idade adulta. Esses tipos temporários de 4. Articulações elipsóides (condilares)articulação de Na articulação elipsóide ou condilar, o movimento ocorrecrescimento são considerados sinartrodiais ou imóveis. basicamenteExemplos dessas articulações são as placas epifisárias entre as em um plano, combinado com um leve grau de rotação em um eixoepífises e as nosdiáfises (corpos) dos ossos longos e na união dos três ossos da ângulos retos ao plano de movimento primário. O movimentopelve, que formam rotacionalo acetábulo para a articulação do quadril. é de alguma forma limitado por ligamentos e tendões associados. Esse tipo de articulação permite, portanto, basicamente quatro movi -Articulações Sinoviais mentos:A terceira classificação das articulações é as sinoviais,que são livre - flexão e extensão e abdução e adução. O movimento de circunduçãomente móvel, também ocorre e resulta da associação seqüencial dos movimentosa maioria delas nos membros superiores e inferiores, caracterizadas de flexão,por uma abdução, extensão e adução.cápsula fibrosa contendo em seu interior líquido sinovial. As Exemplos de articulações elipsóides são as segunda e quintaterminações articulações metacarpo falangianas (MCF), a articulação do punho eósseas que formam a articulação sinovial podem ter contato entre si as articulaçõesmas são metatarso falangianas (MTF).completamente separadas e contêm um espaço articular e umacavidade, permitindo 5. Articulações selaresque essas articulações tenham movimentos de grande amplitude. As O termo se/ar descreve bem essa estrutura articular nas terminaçõesarticulações dos ossos com forma côncavo-convexa ou em oposição a uma outrasimoviais são geralmente diartrodiaisou livremente móveis. (Fig. 1.30). (Duas estruturas semelhantes a uma sela encaixam-se(Exceções a isso são uma na outra.)as articulações sacrilíaca da pelve, que são anfiartrodiais ou de Os movimentos dessa articulação selar, tipo biaxial, são os mesmosmovimentos discretos.) das articulações elipsóides, que são flexão, extensão, adução,As terminações expostas desses ossos contêm uma fina camada abduçãoprotetora de cartilagem e circundução.articular hialina. A cavidade articular, que contém um líquido O melhor exemplo de uma verdadeira articulação selar é a primeirasinovial lubrificante e articulação carpometacarpiana (CMe) do polegar.viscoso, é fechada e coberta por uma cápsula fibrosa, reforçadapelos ligamentosacessórios. Esses ligamentos limitam o movimentoem direções indesejadas. A superfície interna da cápsula fibrosa é aresponsávelpela secreção do líquido sinovial lubrificante.Tipos de Movimento das Articulações SinoviaisAs articulações sinoviais ocorrem em um número considerável evariável e sãoagrupadas segundo os seis tipos de movimento que são permitidos.Elasestão listadas em ordem dos movimentos menores para os maismóveis.O nome preferível aparece antes, seguido pelos termos antigos ousinônimos emparênteses. (Isso é adotado em todo este livro.)1. Articulações planas (deslizantes)Esse tipo de articulação sinovial permite o menor movimento, que,como o próprionome sugere, é um movimento de deslizamento entre duassuperfícies articulares.Exemplos dessas articulações são as intermetacarpais,carpometacarpais entercarpais das mãos e dos punhos.
  8. 8. Uma radiografia é um filme ou outro material de base que possui uma13- PRINCíPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO imagem processada de uma determinada região anatômica do paciente6. Articulações esferóides (produzidaAs articulações esferóides permitem grande liberdade de pela ação dos raios X no filme).movimentos. Radiografar: É a produção de radiografias e/ou outras formas deO osso distal que compõe a articulação é capaz de mover-se ao redor imagensde um número infinito de eixos que possuam um centro em comum. radiográficas.Radiografia VS. filme de raios X: Na prática, os termosQuanto mais profunda a articulação, mais limitado será o radiografiamovimento. Uma articulação mais profunda, no entanto, é e filme de raios X (ou apenas filme) são freqüentemente usados semmais forte e mais estável. Por exemplo, a articulação do quadril distinção(coxofemoral) é muito mais forte e estável do que a articulação entre si. O filme de raios X refere-se especificamente à parte físicado ombro, mas a capacidade de movimentos é bem mais limitada do materialno quadril.Os movimentos das articulações esferóides são flexão, onde a imagem radiográfica será exposta. O termo radiografia incluiextensão,abdução, adução, circundução e rotação medial e lateral. o filme e aOs dois exemplos de articulações esferóides são as articulações do imagem.Imagens radiográficas: As imagens radiográficas podem serquadril (coxofemoral) e dos ombros. obtidas, vistas e armazenadas como cópias físicas (radiografias) ou comoSUMÁRIO DA CLASSIFICAÇÃO DAS ARTICULAÇÕES imagens digitais,Classificação das Articulações Classificação da Mobilidade Tipos de que podem ser manipuladas, vistas e armazena das digitalmente. Fig. Movimentos 1.33 ExameArticulações Fibrosas Anfiartrodial (ligeiramente - radiográfico. Exame ou procedimento radiográficoSindesmoses móveis) Um técnico/radiologista é mostrado posicionando o paciente para umSuturas Sinartrodial (imóvel) - exame de rotina de tóraxGonfoses Movimentos muito limitados - 1-Posicionamento da parte do corpo e alinhamento do raio central (RC)Articulações Cartilaginosas - 2. Seleção de medidas de proteção contra a radiaçãoSínfises Anfiartrodial (ligeiramente - 3-Seleção dos fatores de exposição (técnica radiográfica) no painel móveis) de controleSincondroses Sinartrodial (imóvel) - 4-Instrução do paciente para respirar e, em seguida, início da exposiçãoArticulações Sinoviais Diartrodial (livremente Plana 5-Revelação do filme móveis), (deslizante) Posição anatômica com exceção das articulações Em posição vertical, braços aduzidos (para baixo), palmas para a sacroilíacas (articulações Gínglimo (em frente, cabeça e pés sinoviais dobradiça) virados exatamente para a frente. Essa posição corporal específica é com movimentos muito usada como limitados referência para outros termos de posicionamento (Fig. 1.34). [anfiartrodiais]) Observação: Quando se T r o c ó i d e ( p i v ô )r e f e r i r a u m a p a r t e e s p e c í f i c a d o c o r p o e m r e l a ç ã o a o u t r a s p a r t e s , o técnico/radiologista sempre precisa pensar na pessoa em posição ortostática e Elipsóide anatômica, mesmo quando ( condilar) for descrever as partes de um paciente que está deitado; caso contrário, pode ocorrer Selar confusão ao realizar a descrição.Exame das radiografias: Uma regra (em sela) geral para se estudar uma radiografia é exibi-Ia de forma que o paciente fique de frente para o observador, Esferóide (em com o paciente em posição anatômica. Isso será mais bem descrito b la e soquete) adiante neste capítulo. Fig. 1.34 Posição anatômicaNOTA: A artrologia, o estudo das articulações, continua ao longodeste texto como anatomia específica, incluindo todas asarticulações do corpo humano, e será estudada mais detalhadamentenos próximos capítulos.14- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃOB. TERMINOLOGIA RADIOGRÁFICAO posicionamento radiográfico refere-se ao estudo do posicionamentodopaciente para demonstrar radiograficamente ou visualizar partesespecíficas docorpo nos filmes. É essencial que cada pessoa que planeja trabalharcomo técnico/radiologista compreenda claramente o emprego correto daterminologia deposicionamento. Esta parte do Cap. 1 relaciona, descreve e ilustraos termos maiscomumente usados de acordo com a terminologia de posicionamentoe incidênciaconforme aprovada e publicada pelo American Registry of RadiologicTechnologists (ARRT).* Além disso, esses termos são compatíveiscom aquelesusados no Canadá, de acordo com a Canadian Association of MedicalRadiationTechnologists (CAMRT), com exceção do termo "visão".(Consultarsumário de termosque podem ser usados erroneamente no fim desta seção.) Ao longodo texto, o usode posições denominadas (nomes próprios de pessoas quedescreveram primeiro umaposição específica ou procedimento) é referido como um método,como métodos deTowne, Waters e Caldwell. Tanto o ARRT quanto a CAMRT concordamcom o uso donome de um método entre parênteses após o termo de incidência oude posição.Fig. 1.32 Radiografia de tórax.Termos GeraisRadiografia
  9. 9. 15- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO 16- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃOPlanos Corpóreos, Cortes e LinhasOs termos de posicionamento que descrevem os ângulos do raio PLANOS DO CRÂNIOcentral (RC) ou as relações entre as partes do corpo são Plano da base do crâniofreqüentemente relacionados aos planos imaginários que passam Esse plano transverso preciso é formado pela conexão de linhas dasatravés do corpo em posição anatômica. O estudo de uma TC margens infra-orbitárias (limite inferior das órbitas ósseas) às(tomografia computadorizada) e de uma RM (ressonância magnética) margensenfatiza a anatomia seccional, que também envolve os planos superiores do meato acústico externo (MAE, a abertura externa doprimários ouvido).e os cortes descritos a seguIar. Algumas vezes, também é chamado de plano antropológico ou planoPLANO: SUPERFíCIE EM LINHA RETA QUE -- UNE DOIS PONTOS horizontalQuatro planos comuns são usados em radiologia: de Frankfort, como usado em ortodontia e em topografia cranianaPlano sagitalUm plano sagital é qualquer plano longitudinal que para medir edivide localizar pontos cranianos específicos ou estruturas.o corpo em uma parte direita e uma parte esquerda. O planomediossagital, Plano de ocusãopor vezes chamado também de plano medi ano, é um plano Esse plano horizontal é formado pelas superfícies de mordedura dossagital que passa pela linha média dividindo o corpo em duas partes dentes superiores e inferiores com a mandíbula fechada (usado comoiguais, umuma direita e uma esquerda. Ela passa aproximadamente através da piano de referência da cabeça nas radiografias dentais e de crânio).sutura Superfícies e Partes do Corposagital do crânio. Qualquer piano paralelo ao plano mediano ou TERMOS PARA AS PORÇÕES POSTERIORmediossagital E ANTERIOR DO CORPOé chamado de piano sagital.Plano caronal Posterior ou dorsalUm plano coronal é qualquer plano longitudinal que divida o corpo Refere-se à metade dorsal do paciente, ou aquela parte do corpoem observadapartes anterior e posterior.O plano mediocoronal divide o corpo em quando vemos uma pessoa de costas; inclui as plantas dos pés e opartes anteriores e posteriores iguais. É denominado plano coronal dorso dasporque mãos na posição anatômicapassa aproximadamen te através da sutura coronal do crânio.Qualquer plano Anterior ou ventralparalelo ao plano mediocoronal ou frontal é denominado plano Refere-se à metade frontal do paciente, ou aquela parte do corpocoronal. observadaPlano horizontal (axial) quando vemos uma pessoa de frente; inclui o dorso dos pés e asUm plano horizontal (axial) é qualquer plano transverso que passa palmasatravés das mãos na posição anatômicado corpo em ângulo reto ao plano longitudinal, dividindo o corpo emporções TERMOS PARA SUPERFíCIES DAS MÃOS E DOS PÉSsuperior e inferior. Três termos são usados em radiologia para descrever superfíciesPlano oblíquo específicasUm plano oblíquo é um plano longitudinal ou transverso que está dos membros superiores e inferiores como descritos a seguir:anguladoou inclinado e não paralelo aos planos sagital, coronal ou horizontal. PlantarCORTE: UMA SUPERFíCIE DE "CORTE" OU "FATIA" Refere-se à região plantar ou à superfície posterior do péCortes longitudinais - sagital, coronal e oblíquoEsses cortes são feitos longitudinalmente na direção do eixo Dorsolongitudinal Pé: Refere- se à parte de cima ou à superfície anterior do pé Mão:do corpo ou de qualquer uma de suas partes, independentemente da Refere-se àposição do corpo (em pé ou deitado).Os cortes longitudinais podem parte de trás ou à parte posterior da mão. Observação: Os termosser dorso ou dorsalfeitos nos planos sagital, coronal ou oblíquo. em geral referem-se à parte posterior ou vertebral do corpo.Cortes transversais ou axiais Entretanto, quandoOs cortes são feitos em ângulo reto ao longo de qualquer ponto do usado em relação aos pés, o dorso refere-se especificamente àeixo superfícielongitudinal do corpo ou de qualquer uma de suas partes. Imagens superior, ou aspecto anterior, do pé em oposição à sola, mas, para asagital, mão,coronal e axial: As imagens por TC e de RM são obtidas nessas três à parte de trás ou posterior é a superfície oposta à palma.incidências ou orientações comuns. (Cortes de RM são mostrados daFig. 1.37 até a Fig. 1.39.) Palmar (volar) Refere-se à palma da mão; na posição anatômica, é o mesmo que superfície anterior ou ventral da mão. Fig. 1.42 Superfícies dorsal e palmar da mão.
  10. 10. 17- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO 18- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃOIncidências Radiográficas Posições do CorpoIncidência é um termo de posicionamento que descreve a direção ou Em radiologia, o termo posição é usado de duas formas,trajetória do RC da fonte de raios X quando estes atravessam o pa - a primeira como uma posição geral do corpo, como descritociente, a seguir, e a segunda como uma posição específica do corpo (p. 19).projetando uma imagem no filme. POSiÇÕES GERAIS DO CORPO As oito posições gerais do corpo mais comumente usadas emTERMOS COMUNS DE INCIDÊNCIA radiologia são:Incidência póstero-anterior (PA) Decúbito dorsalÉ a incidência do RC de trás para a frente. Deitado de costas, com a face anterior do corpo para cimaA combinação desses dois termos, posterior e anterior, em uma única Decúbito ventralpalavra é abreviada como PA. O RC penetra na superfície posterior e Deitado de frente, com a face anterior do corpo para baixosai na superfície anterior (incidência em PA). Obtém-se uma PA (a cabeça pode estar virada para um lado)verdadeira Eretaquando não há rotação intencional precisando o RC estar Na posição vertical, em pé ou sentado com o tronco eretoperpendicularao plano coronal do corpo e paralelo ao plano sagital, a menos que Decúbito (reclinado)algum Deitado em qualquer posição (decúbito)termo que qualifique como oblíqua ou em rotação seja usado para . Decúbito Dorsal: Deitado sobre o dorsoindicar . Decúbito Ventral: Deitado sobre o abdomeem contrário . Decúbito Lateral: Deitado de ladoIncidência ântero-posterior (AP) (lateral esquerda ou direita)É uma incidência do RC de frente para trás, o oposto de PA.A combinação desses dois termos, anterior e posterior, em uma única Trendelenburg*palavra descreve a direção do RC, que penetra na superfície anterior Uma posição de decúbito na qual a cabeça fica em um nívele mais baixo do que os pés sai pela superfície posterior (incidência em AP) Obtém-se uma AP Posição de Sim (posição de semidecúbito ventral)verdadeira quando não há rotação intencional, a menos que algum É uma posição de decúbito oblíquo em que o paciente setermo que qualifique seja também usado indicando que seja uma deita sobre o lado anterior esquerdo com a perna esquerdaincidência oblíqua esticada e o joelho direito parcialmente fletido A posição de Sim modificada é usada para a inserção deIncidências oblíquas AP ou PA um tubo retaI para enema baritado (ver Cap. 15).É uma incidência em AP ou em PA dos membros superiores ou Posição de Fowlertinferiores É uma posição de decúbito em que o corpo é inclinado deque seja oblíqua ou rodada, não sendo uma AP ou PA verdadeira. Por forma que a cabeça esteja em um nível superior ao dos pésesse motivo, é preciso haver um adjetivo indicando para que ladoestá Posição de litotomiarodada, como rotação medial ou lateral (de AP ou PA, conforme a É uma posição de decúbito dorsalna qual os joelhos e oposição quadril ficam fletidos e a coxa abduzida e rodadaanatômica) (Figs. 1.45 e 1.46). externamente, apoiada pelo suporte para os tornozelosIncidências médio-lateral e látero-medialUma incidência lateral descrita segundo a trajetória do RC Doisexem plos são as incidências médio-lateral do tornozelo (Fig. 1.47)e látero-medial do punho (Figo 1.48). A determinação do lado medialou lateral é novamente baseada na posição anatômica do paciente.
  11. 11. 19- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO 20- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃOPOSiÇÕES ESPECíFICAS DO CORPO Posição de decúbitoAlém das posições gerais do corpo, a segunda parte do assunto A palavra decúbito significa literalmente "deitado", ou a posiçãoposição é usada em radiologia em referência a algumas posições presumida como estando deitado. Essa posição do corpo, queespecíficas do corpo descritas pela parte do corpo restrita ao significa aparado em uma superfície horizontal, é designadafilme (oblíquas e laterais) ou pela superfície onde o paciente segundo a superfície onde o corpo se encontra deitado. Issoestá deitado (decúbito). portanto refere-se ao paciente deitado em uma das seguintes superfícies do corpo: costas (dorsal), frente (ventral) ou ladoPosição lateral (lateral esquerda ou direita). No posicionamento radiográfico,Refere-se ao lado, ou à visão lateral o decúbito é sempre usado com umaSão as posições laterais específicas como a parte restrita ao filme, fonte horizontal de raios X.ou à parte do corpo onde o RC incide (Figs. 1.55 e 1.56). Uma As posições em decúbito são fundamentais para a detecção de níveisposição hidroaéreos ou ar livre nas cavidades do corpo, como tórax oulateral verdadeira estará sempre a 90° ou perpendicular ou em abdome,ângulo onde o ar se mobiliza para a porção superior da cavidade.reto à verdadeira incidência AP ou PA. Se não for uma lateralverdadeira, Posição de decúbito lateral direito ou esquerdo (incidência AP ou será uma posição oblíqua. PA) Nessa posição, o paciente deita-se de lado e a fonte de raios X éPosição oblíqua posicionada horizontalmente de anterior para posterior (AP) (Fig.É uma posição angulada em que nem o plano sagital nem o plano 1.61)coronaldo corpo são perpendiculares ou em ângulo reto com o filme ou de posterior para anterior (PA) (Fig. 1.62)As posições oblíquas do tórax, abdome ou pelve são descritas pela A posição AP ou PA entre parênteses é importante comoparte restrita ao filme, ou à parte do corpo onde o RC incide. especificação do termo para denotar a direção do RC.Posições oblíquas posteriores esquerda e direita (OPE e OPD) Essa posição serve tanto para o decúbito lateral esquerdo (Fig. 1.61)Descreve uma posição oblíqua específica em que o aspecto como para o decúbito lateral direito (Fig. 1.62). Isso é designadoPosterior esquerdo ou direito do corpo é restrito ao filme de acordo com o lado dependente (o lado na posição inferior).(Figs. 1.57 e 1.58) O feixe de raios X sai na face direita ou Observação: Isso é semelhante à posição de decúbito lateral, excetoesquerda do corpo Observação: Essas também poderiam pela fonte emissora de raios X, que é direcionada horizontalmente,ser denominadas incidências oblíquas AP porque o RC tornando-a uma posição de decúbito lateral (incidência AP ou PA).penetra na superfície anterior e sai posteriormente. Isso, entretanto,não é uma descrição completa e também exige uma discriminação Posição de decúbito dorsal (lateral esquerda ou direita)específica da posição, como posição OPO ou OrE. Por esse motivo, Nessa posição, o paciente está deitado de costas sobre umaao longo do livro, as oblíquas serão referidas como posições e não superfície com o feixe de raios X direcionado horizontalmente,como incidências.Todavia, as oblíquas de membros inferiores e saindo do corpo do lado mais próximo do filme (Fig. 1.63).superiores são corretamente descritas como oblíquas AP ou PA, A posição é denominada de acordo com a superfície sobre a qualmas precisam de uma descrição adicional como rotação medial ou o paciente está deitado (dorsal ou ventral) e pelo lado mais próximolateral do filme (direito ou esquerdo). Observação: É semelhante à posição (Figs. 1.45 e 1.46). de decúbito dorsal, exceto pelo fato de que o feixe de raios X está direcionado horizontalmente e sai pelo lado do corpo, indicando quePosições oblíquas anteriores direita e esquerda (OAD e OAE) essa é uma posição lateral de decúbito dorsal.Referem-seàquelas posições oblíquas em que o aspecto anterior direito ou Posição de decúbito ventral (lateral direito ou esquerdo)esquerdo do Nessa posição, o paciente está deitado na superfície ventralcorpo é restrito ao filme e pode ser na posição ereta ou nas posições (anterior),gerais com os raios X direcionados horizontalmente, saindo do lado maisde decúbito (Figs. 1.59 e 1.60). Observação: Essas também podem próximo ao filme (Fig. 1.64). A posição é designada de acordo com aser descritas superfície na qual o paciente está deitado (ventral ou dorsal) e comcomo incidências oblíquas em PA se uma especificação da posição o lado mais próximo ao filme (direito ou esquerdo).for adicionada,como posição em OAD ou OAE. Não é correto o uso desses termosoblíquos ouabreviações OrE, oro, OAD ou OAE sozinhos como incidências porqueelesnão descrevem a direção ou caminho do RC-. 21- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO Termos de Incidência Adicionais de Uso Especial A seguir veremos alguns termos adicionais comumente usados para descrever incidências. Esses termos, como mostram suas definições, também se referem à trajetória ou incidência do RC e são portanto incidências, em vez de posições. Incidência axial O termo axial refere-se ao eixo longo de uma estrutura ou parte (em torno da qual o corpo gira ou é disposto). O termo súpero- inferior ou cefalocaudal descreve uma posição axial verdadeira em que o RC é direcionado ao longo do eixo axial ou à linha central do corpo humano da cabeça (superior ou cefálica) aos pés (inferior ou caudal) (Fig. 1.65). Aplicação especial - Axial AP ou PA: No posicionamento radiográfico, o termo axial é usado para descrever qualquer ângulo do RC maior que 10 graus ao longo do eixo longitudinal do corpo.* Deve se notar,
  12. 12. entretanto, que em um sentido real uma incidência axial deve ser Incidências submentovértice (SMV) e vértice submentoniana (VSM)direcionada ao longo ou paralela ao eixo longitudinal do corpo ou Essasda parte. O termo semi-axial descreve mais precisamente qual quer incidências são para o crânio e para a mandíbula.Para a incidênciaângulo ao longo do eixo que não seja verdadeiramente ao longo submentovértice (SMV), o RC penetra abaixo do queixo ou mento eou paralelo do eixo longitudinal. Entretanto, em nome de outras sai peloreferências, o termo incidência axial será usado ao longo do texto vértice ou topo do crânio (Fig. 1.77).A incidência vértice para descrever tanto a incidência axial como a semi-axial como submentoniana (VSM)definido acima e ilustrado nas Figs. 1.65 a 1.67. é oposta à última e me nos comum, entrando pelo topo do crânio e saindoIncidências axiais ínfero-superior e súpero-inferior abaixo da mandíbula (sem ilustração).As incidências infere-superiores são freqüentemente feitas para osombros e o quadril, onde o RC penetra abaixo ou inferiormente e saiacima ou superiormente (Fig. 1.67). O contrário a isso é a incidênciasúpero-inferior, como na incidência especial para os ossos nasais(Fig. 1.65).Incidência tangencialSignifica tocando a curva ou a superfície em apenas um pontoEsse termo especial de incidência é usado para descrever aincidênciaque simplesmente toca uma parte do corpo para projetá-Ia em seuperfile distante de outras estruturas do corpo: Exemplos: A seguir, temostrêsexemplos ou aplicações do termo incidência tangencial como definidoacima:Incidência do arco zigomático (Fig. 1.68). Incidência para trauma decrânio a fim de demonstrar uma fratura depressiva (Fig. 1.69).Incidência especial da patela (Fig. 1.70).Incidência axial AP - posição lordóticaEsse é um tipo específico de incidência AP de tórax paraDemonstrar os ápices pulmonares. É também comumentechamado de incidência ápico-Iordótica. Nesse caso, é o eixolongitudinal do corpo que está angulado, em vez do RCO termo lordótico vem de lordose, um termo que denota acurvatura das colunas cervical e lombar. (Ver Figs. 1.84 e 1.85.)Quando o paciente assume essa posição (Fig. 1.71), a curvaturalombar lordótica está exagerada, tornando esse termo descritivopara essa incidência especial de tórax.22- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃOIncidência transtorácica lateral (posição lateral direita)É uma incidência lateral através do tóraxRequer um termo específico de posicionamento (posição lateraldireita ou esquerda) para se indicar qual o ombro. Observação: Essaéuma adaptação especial do termo incidência, significando que o RCpassa através do tórax mesmo que não seja incluída a sua entradanem seu local de saída. Na prática, é uma incidência lateral deombrocomum e é referida como lateral transtorácica de ombro direito ouesquerdo.Incidências dorsoplantar e plantodorsalEsses são termos secundários para as incidências AP e PA do pé.Dorsoplantar (DP) descreve a via do RC da superfície dorsal(anterior) para a superfície plantar (posterior) do pé (Fig. 1.73).A incidência plantodorsal especial para o osso do calcanhar(calcâneo)é chamada de incidência plantodorsal axial (PD) porque o RCanguladopenetra a superfície plantar do pé e sai pela superfície dor sal (Fig.1.74).Observação: Lembre-se, o termo dorso para o pé refere-se àsuperfície anterior(Fig. 1.4 1).Incidências parietoacantial e acantioparietalPara a incidência parietoacantial, o RC penetra pelo osso parietal docrânio e sai no acântio (junção entre o nariz e o lábio superior),(Fig. 1.75).O RC em direção oposta descreve a incidência acantioparietal (Fig.1.76).Tais incidências para os ossos da face são também conhecidas comoPA de Waters e PA de Waters reversa.
  13. 13. Ipsi lateral significa estar do mesmo lado do corpo ou de parte dele;23- PRINCIPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO contralateral é o lado oposto. Exemplo: O polegar direito e o há lux são ipsilaterais; o joelhoTermos de Relação direito eA seguir, foram emparelhados termos de posicionamento a mão esquerda são contra laterais.e/ou anatômicos descrevendo as relações das partes docorpo com seus significa dos opostos: Termos Descritivos das Curvaturas da ColunaMedial versus lateral: Lordose versus cifoseEm direção versus distante do centro, ou do plano mediano. Ambos os termos descrevem uma curvatura da frente paraNa posição anatômica, o aspecto medial de qualquer parte trás da coluna.do corpo é à parte "de dentro" mais próxima ao plano mediano A lordose é uma convexidade anterior mais comum nae a parte lateral é a mais distante do plano mediano ou linha região da coluna lombar.média do corpo. Exemplos: Na posição anatômica, o polegar A cifose é uma convexidade posterior, geralmente naestá no aspecto lateral da mão. A parte lateral do abdome e região da coluna torácica.do tórax é distante do plano mediano. EscolioseProximal versus distal A escoliose é uma curvatura lateral, ou "lado a lado" da coluna.O proximal está próximo da origem ou do início, e distal está (Ver Capo 8, sobre coluna vertebral, para mais informações sobredistante do mesmo. Em relação aos membros superiores e esses termos.)inferiores, pro ximal e distal devem significar as partes maispróximas ou distantes do tronco, da origem ou início do membro.Exemplos: O cotovelo é proximal ao punho. A articulação dodedo mais próxima à palma é chamada de articulação interfalangianaproximal (IFP), e a articulação próxima da parte final do dedo échamada de articulação interfalangiana distal (lFD). (Ver Cap. 4.)Cefálico versus caudalCefálico significa em direção, enquanto caudal significa distante dacabeça.O ângulo cefálico é qualquer ângulo em direção à cabeça (Figs. 1.79e1.81). (Cerólico significa literalmente cabeça ou em direção àcabeça.)O ângulo caudado é qualquer ângulo em direção aos pés ou distanteda cabeça (Fig. 1.80). (Caudal ou caudado deriva de cauda, que literalmente significa "rabo".)Na anatomia humana, os termos cefálico e caudado também podemser descritos como superior (em direção à cabeça) e inferior(em direção aos pés).Observação: Conforme mostrado nas ilustrações, esses termos sãocorretamente empregados para descrever a direção do RC para todasas incidências axiais ao longo de toda a extensão do corpo, nãoapenasincidências da cabeça.24- PRINCÍPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃOInterior versus exteriorInterior significa estar dentro de algo, próximo ao centro, eExterior significa estar situado sobre ou próximo do exterior.O prefixo intra significa estar situado dentro ou na parte deDentro (por exemplo, intravenoso: estar dentro da veia).O prefixo inter significa estar situado entre algo (por exemplo,intercostal: localizado entre as costelas).O prefixo exo significa estar fora ou externamente (por exemplo),exocárdico: algo em desenvolvimento ou situado fora do coração).Superficial versus profundoSuperficial está próximo à superfície da pele; profundo estálonge da mesma.Exemplo: O corte transverso desenhado na Fig. 1.83 mostraque o úmero é profundo quando comparado à pele do braço.Outro exemplo é um tumor ou lesão superficial, localizado próximoà superfície, comparado a um tumor profundo ou lesão, localizado mais profundamente dentro do corpo ou parte dele.Ipsilateral versus contralateral
  14. 14. às vezes para descrever a eversão de estresse25- PRINCÍPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO (esforço valgo) da articulação do calcanhar. O varo significa "joelho travado" e descreve a curvaturaTermos Relacionados aos Movimentos da parte interna ou voltada para a linha média. O termoo grupo final de termos relacionados ao posicionamento que todo esforço varo é às vezes utilizado para descrever atécnico/radiologista deve saber refere-se à variedade de movimentos. inversão de estresse aplicada à articulação do calcanhar.A maioria deles está listada em pares descrevendo movimentos em Observação: Os termos valgo e varo são também usadosdireções opostas. para descrever a perda de alinhamento dos fragmentos ósseos. (Ver fratura, termo 6, Cap. 19.)Flexão versus extensãoAo fletir ou estender uma articulação, o ângulo entre as partes Rotação medial (interna) versus rotação lateral (externa) Diminui ou aumenta. A rotação medial é a rotação ou desvio de parte do corpo,Alfexão diminui o ângulo da articulação (ver os exemplos da movendo o aspecto anterior da parte para dentro, ouFlexão do joelho, do cotovelo e do punho) (Fig. 1.86). para o plano mediano.A extensão aumenta o ângulo conforme as partes do corpo se A rotação lateral é a rotação anterior voltada para fora,flexionam para uma posição retificada. Isso é válido para as ou para longe da linha média.articulações do joelho, cotovelo e punho, como demonstrado. Observação: Lembre-se, no posicionamento radiográfico esses termos descrevem o movimento do aspectoHiperextensão anterior da parte a ser rodada. Assim, nos movimentosEstender uma articulação além do seu estado natural. do antebraço (Fig. 1.93), o aspecto anterior do antebraçoHiperextensão anormal: A hiperextensão do cotovelo ou do move-se medialmente ou internamente na rotação medialjoelho ocorre quando a articulação é estendida além de e lateralmente ou externamente na rotação medial eseu estado retificado ou natural. Esse não é um movimento lateralmente ou externamente na rotação lateral. Outronatural para essas duas articulações e resulta em lesão ou trauma. exemplo são as oblíquas medial e lateral do joelho,Flexão normal e hiperextensão da coluna: A flexão é o ato em que a parte anterior do joelho é rodada medialmentede dobrar, e a extensão é o retorno à posição retificada ou e lateralmente tanto nas incidências AP como em PA (Cap. 6).natural. Uma curvatura para trás além de sua posição deneutralidade é a hiperextensão. Na prática, entretanto, ostermos flexão e extensão são comumente empregados paraexpressar uma flexão extrema e as incidências de hiperextensãoda coluna (Fig. 1.87).Híperextensão normal do punho: Um segundo exemplo parao uso especial do termo hiperextensão é no punho, paraavaliação do canal ou túnel carpal. Nessa posição, opunho é hiperestendido além da posição neutra. Essemovimento também é denominado dorsiflexão (ou flexãoposterior) (Fig. 1.88, esquerda).Flexão aguda do punho: Uma flexão aguda ou completa dopunho é necessária para algumas incidências tangenciais para visualizar a ponte do carpo na face posterior do punho(Fig. 1.88, direita).Desvio ulnar versus desvio radial do punhoDesvio significa literalmente "para o lado" ou "sair do padrãoou curso". Desvio ulnar significa virar ou dobrar a mão e opunho a partir de seu estado natural em direção ao lado ulnar,e desvio radial significa voltar o punho para o lado radial.Observação: Edições passadas deste livro, bem como outrasreferências sobre posicionamento, definiram esses movimentosdo punho como movimentos de flexão radial e ulnar porque elesdescrevem os movimentos de flexão específica voltados tantopara a ulna como para o rádio Entretanto, a comunidademédica, incluindo os ortopedistas, comumente usa os termosdesvio radial e ulnar para os movimentos dos punhos. Estaedição também alterou essa termino logia para movimentosde desvio ulnar e radial a fim de evitar confusões e assegurara coerência com outras referências médicas.26- PRINCÍPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃODorsiflexão versus flexão plantar do péDorsiflexão do pé: diminuir o ângulo (flexão) entre o dorso (topo dopé) e a parte inferior da perna, movendo o pé e os dedos para cimaFlexão plantar do pé: esticar a articulação do calcanhar, movendo opé e os dedos para baixo a partir da posição normal; flexionar oudiminuir o ângulo voltado para a superfície plantar (posterior) do péObservação: Veja a página anterior para comparar a dorsiflexão do punho (Fig. 1.88) com a dorsiflexão do pé (Fig. 1.90)Eversão versus inversãoEversão é um movimento de estresse para fora com O pé através daarticulação do calcanhar.Inversão é um movimento de estresse para dentro aplicado ao pésem a rotação da perna.A superfície plantar (sola) do pé é virada ou rodada para fora doplanomediano (a sola aparece em uma direção mais lateral) para a versão e voltado para o plano mediano na inversão (Figs. 1.91 e 1.92).A perna não roda, e um estresse é aplicado aos aspectos media I elateral da articulação do calcanhar para a avaliação de umapossível maior abertura do espaço articular (encaixe do calcanhar).Valgo versus varoO valgo descreve a curvatura da parte para fora ou sedistanciando da linha média do corpo. Valgo é usado
  15. 15. 27- PRINCÍPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO Rotação é virar ou rodar parte do corpo ao redor de seu eixo. A parte do corpo está rodada 3r de uma incidência PA no exemploAbdução versus adução da Fig. 1.100.Abdução é o movimento lateral do braço ou perna se distanciandodo corpo. Outra aplicação para esse termo é a abdução dos Observação: Note que nenhuma inclinação ocorre no eixoquirodáctilos e dos pododáctilos, o que significa afastáIos entre si. longitudinal da cabeça, estando ainda alinhada ou paralelaAdução é o movimento do braço ou perna em direção ao corpo, ao eixo longitudinal de todo o corpo.a fim de aproxima-lo do centro ou da linha média.A adução dos quirodáctilos e dos pododáctilos significa movê-Iosjuntos ou aproxima-los entre si.Observação: Um auxílio de memória é associar o d de em direçãocom o d de adução.Supinação versus pronaçãoSupinação é o movimento de rotação da mão para a posiçãoanatômica(a palma para cima em decúbito dorsal ou para a frente na posiçãoortostática).Esse movimento gira o rádio e o antebraço lateralmente ao longo deseu eixo.Pronação é a rotação da mão em uma posição oposta à anatômica(palma voltada para baixo ou para trás).Observação: Para ajudar a lembrar esses termos, relacione-osaos decúbito dorsal e ventral. Decúbito dorsol e supinoçãosignificam que a face e a palma da mão estão voltadas paracima, e decúbito ventral ou pronoção significam que a facee a palma estão voltadas para baixo.Protração versus retraçãoA protração é o movimento de avanço em relação à posiçãonormal. A retração é o movimento retrógrado ou acondição de levar para trás. Exemplo: A protração é omovimento de avanço da mandíbula (levar o queixopara a frente) ou de avançar com os ombros. A retraçãoé o oposto disso, mover a mandíbula para trás ou retrairos ombros, como nas posturas militares.28- PRINCÍPIOS, TERMINOLOGIA E PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃOElevação versus depressãoElevação é levantar, elevar ou mover uma parte superiormente.Depressão é rebaixar, descer ou mover uma parte inferiormente.Exemplo: Os ombros são elevados quando a pessoa os encolhe,em sinal de indiferença. Deprimir os ombros implica abaixa-las.CircunduçãoCircundução significa mover ao redor em forma de círculo.Esse termo descreve movimentos seqüenciais de flexão,abdução, extensão e adução, resultando em um movimentosemelhante ao de um cone em qualquer articulação que permitaesses quatro movimentos (por exemplo, dedos, punho, braço, perna).Inclinação versus rotaçãoInclinação é um movimento inclinado em relação ao eixo longitudinal.Na Fig. 1.99, por exemplo, a parte do corpo está posicionadaobliquamente ou inclinada 15° e rodada 1 5° de forma que oRC não fique alinhado ou paralelo ao eixo longitudinal e o eixo longitudinal da cabeça não fique alinhado com o eixo longitudinaldo corpo.Observação: A inclinação de 15° e a rotação de 15° da cabeçasão necessárias para a incidência tangencial da arcozigamático,a fim de distingui-lo de outras estruturas do crânio.

×