Imagem e Subjetividade em Bakhtin

1.288 visualizações

Publicada em

O que realmente as imagens querem dizer? Será que o que vemos é realmente o real? ou as imagens provocam diversos significados?

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.288
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Imagem e Subjetividade em Bakhtin

  1. 1. Imagem e Subjetividade Em Bakhtinhttp://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/
  2. 2. “As imagens são formas privilegiadas de se condensar e veicular representações sociais. A subjetividade está definitivamente a ela ligada, uma só imagem podem me dizer várias coisas e representações. Ela reorganiza o nosso imaginário”. Foto: Raimundo Soares/Cuiabá ( texto :http://subjetividade.wordpress.com/)http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/
  3. 3. (BAKHTIN, 1997, p. 57). A cada instante, vivo distintamente todas asfronteiras do outro, posso captá-lo por inteiro com a visão e o tato; vejo otraçado que lhe delimita a cabeça, o corpo contra o fundo do mundo exterior;no mundo exterior, o outro se mostra por inteiro à minha frente e minha visãopode esgotá-lo enquanto objeto entre os outros objetos, sem que nada venhaultrapassar o limite de sua configuração, venha romper sua unidade plástico-pictural, visível e tangível . http://www.revistaeutomia.com.br/ Um céu? Um horizonte? Foto: Raimundo Soares.http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/ Face na web cam. Rondonópolis-MT
  4. 4. (BAKHTIN, 1997, p.101).Estou por inteiro dentro da minha vida e, se eu de alguma maneira pudessever o exterior da minha vida, esse exterior se integraria imediatamente à minhavivência interna, a enriqueceria de um modo imanente, ou seja, deixaria deser exterioridade que, de fora, proporciona acabamento à minha vida,deixaria de ser a fronteira eventual de um finito estético que meproporcionaria, de fora, meu próprio acabamento. http://www.revistaeutomia.com.br Um bicho? Um peixe boi? Um porco? Foto: Raimundo Soares.http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/ Tronco de uma árvore. Cuiabá-MT
  5. 5. A passagem da imagem para o símbolo revela a profundidade e aperspectiva do sentido. [...] A imagem deve ser compreendida pelo queela é e pelo que significa. O conteúdo do símbolo autêntico apareceatravés do encadeamento mediador de um sentido que foicorrelacionado com a ideia da totalidade universal (do conjuntouniversal cósmico e humano). O mundo tem um sentido — “a imagemdo mundo manifestada na palavra” (Pasternak)http://www.revistaeutomia.com.br Um jardim? Foto: Raimundo Soares.http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/ Campo de futebol. Rondonópolis-MT
  6. 6. O homem não pode juntar a si mesmo num todo exterior relativamente concluído, porque vive a sua vida na categoria de seu eu. Não é por falta de material no plano de sua visão externa — ainda que sua insuficiência seja considerável- mas por falta de um principio valorativo interno que lhe permitisse, de dentro de si, ter uma abordagem para sua expressividade externa. Espelho, fotografia, auto-observação nada mudarão. Na melhor das hipóteses, obtém-se uma falsificação, um produto estético criado de modo interesseiro, a partir do outro possível, desprovido de autonomia (BAKHTIN, 1997, p. 55). http://www.revistaeutomia.com.br Uma árvore, um bicho na árvore? Foto: Raimundo Soares.http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/ Mangueira. Itaituba-PA
  7. 7. Tudo o que tenha a ver comigo me é dado em um tom emocional-volitivo, porque tudo é dado a mim como um momento constituinte do evento do qual eu estou participando. Se eu penso em um objeto, eu entro numa relação com ele que tem o caráter de um evento em processo. Em sua correlação comigo, um objeto é inseparável de sua função no processo (Bakhtin, 1923/2003b, p.51). http://pepsic.bvsalud.org/ Um enfeite? Utilitário? Foto: Raimundo Soares.http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/ Pilão. Rondonópolis-MT
  8. 8. ” (BAKHTIN, 1997, p.47). O homem tem uma necessidade estética absoluta do outro, da sua visão e da sua memória; memória que o junta e o unifica e que é a única capaz de lhe proporcionar um acabamento externo. Nossa individualidade não teria existência se o outro não a criasse. A memória estética é produtiva: ela gera o homem exterior pela primeira vez num novo plano da existência. http://www.revistaeutomia.com.br/ Um macaco? Um monstro? Foto: Raimundo Soares.http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/ Tronco cerrado. Rondonópolis-MT
  9. 9. A imagem aproxima ou distancia. Defini-la, interpretá-la, só depende de você Fonte das frases: http://www.revistaeutomia.com.br/volumes/Ano2-Volume2/especial-destaques/destaques-linguistica/Palavras-e-imagens-imagens-e-palavra.pdfhttp://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/

×