GRUPO SANTANA 
Mary Elizabeth C. Bernardes-de- 
Oliveira 
(Ponte 1993; Ponte & Ponte 
Filho,1996)
• 1.1 INTRODUÇÃO 
• O conteúdo gimnospérmico da Formação Crato é 
estudado aqui tendo em vista a identificação 
taxonômica...
OBJETIVOS 
Os estudos dos gimnospermas dessa unidade justifica-se por se 
tratar de um registro fitofossilífero eocretáceo...
A formação Crato representa a implantação de um sistema lacustre com vários 
corpos d'água amplos e rasos, que preservou u...
• Material estudado 
O material fóssil estudado 
procede da formação Crato, e 
constituído de calcários 
laminados paralel...
• Método estudado 
. 
• Foi realizado uma viagem de 
campo de 5 dias (17/01/05 a 
22/01/05),durante os quais foram 
feitas...
Método do laboratório 
Na preparação as amostras foram numeradas e 
catalogadas , já na preparação química foram tratadas ...
• Nos trabalhos anteriores mencionados, tem sido 
encontrada grande variedade de formas vegetais, 
representadas pelas cla...
A sistemática paleobotânica tenta ajustar-se ao sistema de 
classificação dos vegetais da sistemática botânica. A 
diferen...
É estimada a presença de pelo menos 70-80 táxons, dos quais 65% 
de gimnospermas, 25% angiospermas e 10% pteridófitos; 
As...
Esta vegetação paleotropical única foi claramente adaptada a diferentes 
ambientes
Os fosseis vegetais da Formação Crato são importantes pelo seu grau 
de preservação , com muitos casos órgãos vegetais em ...
Gimnosperma Eocretacea da Formação Crato, bacia do Araripe, Nordeste do Brasil
Gimnosperma Eocretacea da Formação Crato, bacia do Araripe, Nordeste do Brasil
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Gimnosperma Eocretacea da Formação Crato, bacia do Araripe, Nordeste do Brasil

406 visualizações

Publicada em

Slide desenvolvido a partir do artigo do GRUPO SANTANA .
coordenado por Mary Elisabeth.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
406
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gimnosperma Eocretacea da Formação Crato, bacia do Araripe, Nordeste do Brasil

  1. 1. GRUPO SANTANA Mary Elizabeth C. Bernardes-de- Oliveira (Ponte 1993; Ponte & Ponte Filho,1996)
  2. 2. • 1.1 INTRODUÇÃO • O conteúdo gimnospérmico da Formação Crato é estudado aqui tendo em vista a identificação taxonômica de alguns componentes, nas quais se desenvolveu a flora com base em seus dados morfológicos e anatômicos.
  3. 3. OBJETIVOS Os estudos dos gimnospermas dessa unidade justifica-se por se tratar de um registro fitofossilífero eocretáceo onde esse grupo vegetal ainda constituía elemento predominante na flora. No brasil, o documentário de macrofósseis vegetais em rochas sedimentares eocretáceas é relativamente escasso. Entretanto os fitofósseis encontrados nas camadas de calcário laminado e nas camadas areno-calcarias gozam de enorme importância por sua grande diversidade e preservação especial a muitos órgãos vegetais conectados.
  4. 4. A formação Crato representa a implantação de um sistema lacustre com vários corpos d'água amplos e rasos, que preservou um excelente registro fossilifeco incluindo ostracódios, conchostráceos, insetos, aracnídeos, biválvios, gastrópodes, actinopterideos, anuros, crocodilo, pterossauros, lagarto, aves, coprólitos, algas, pteridófitas, gimnospermas, angiospermas e seus palinomorfos (Neuman et al, 2002).
  5. 5. • Material estudado O material fóssil estudado procede da formação Crato, e constituído de calcários laminados paralelos e uniformes, neles os fosseis são preservados como impressos e moldes. O material vegetal foi coletado e foi identificado, foi calorificado e mantido e incorporado a coleção de um laboratório de Paleobotânicas da USP/SP.
  6. 6. • Método estudado . • Foi realizado uma viagem de campo de 5 dias (17/01/05 a 22/01/05),durante os quais foram feitas coletadas de matérias fosseis em Nova Olinda (CE ) e também foram feitas visitas aos museus : • Paleontológico de Santana do Cariri (CE) • Museu dos Fósseis em Crato (CE) • Museu nacional de Rio de Janeiro onde foram examinadas os amostras da formação Crato.
  7. 7. Método do laboratório Na preparação as amostras foram numeradas e catalogadas , já na preparação química foram tratadas com ácidos nítrico(HNO3) e hidróxido de potássio (Koh) deludido na agua destilada.
  8. 8. • Nos trabalhos anteriores mencionados, tem sido encontrada grande variedade de formas vegetais, representadas pelas classes: • ESFENÓFITAS • LICÓFITAS • NICÓFITAS • GYMNOSPERMA • GNETALES • ANGIOSPERMOPERMA
  9. 9. A sistemática paleobotânica tenta ajustar-se ao sistema de classificação dos vegetais da sistemática botânica. A diferença da sistemática botânica, e paleobotânica está baseada em materiais vegetais preservado de modo fragmentar, geralmente, órgãos isolados ou fragmentos deles e, excepcionalmente de afinidades botânica.
  10. 10. É estimada a presença de pelo menos 70-80 táxons, dos quais 65% de gimnospermas, 25% angiospermas e 10% pteridófitos; As gimnospermas, constituem o grupo vegetal mais abundante do eocretaceo da bacia do Araripe. 65% 25% 10%
  11. 11. Esta vegetação paleotropical única foi claramente adaptada a diferentes ambientes
  12. 12. Os fosseis vegetais da Formação Crato são importantes pelo seu grau de preservação , com muitos casos órgãos vegetais em conexão orgânica chegando, as vezes, a apresentar planos completos. Apesar desta vantagem, analises anatômicos de seus exemplares não foram devidamente explorados. As gimnospermas constituem o grupo vegetal mais abundante na bacia do Araripe durante o cretáceo inferior, como também acontecia no cenário global. A composição paleofloristica da Formação, a insere dentre a região equatorial, numa área extracontinental próxima da África e com características climáticas de aridez, diferentes a da borda ocidental da América do Sul, mais úmida.

×