6 protista

2.915 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.915
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
536
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

6 protista

  1. 1. Reino Protista
  2. 2. <ul><li>A diversidade de organismos pertencentes ao reino Protista torna-se particularmente evidente, pois ele contém desde as formas microscópicas unicelulares, como as amibas e as paramécias, até às algas castanhas gigantes, que chegam a ter 60 metros de comprimento. </li></ul><ul><li>Não existe grande consenso relativamente aos grupos de organismos a incluir no reino Protista. </li></ul><ul><li>A multicelularidade evoluiu várias vezes, dando origem não só aos seres facilmente classificáveis mas também a outros organismos cujas características levantaram algumas limitações à sua colocação num ou noutro reino dos eucariontes. </li></ul>
  3. 3. - Onde se colocam, por exemplo, as algas, grupo constituído por organismos unicelulares e por organismos multicelulares?
  4. 4. <ul><li>Os protistas encontram-se em quase todos os lugares onde há água. </li></ul><ul><li>São importantes constituintes do plâncton, comunidade de organismos, na maioria microscópicos, que flutuam passivamente ou se deslocam perto da superfície dos oceanos, rios e lagos. </li></ul><ul><li>Encontram-se também protistas em habitats terrestres suficientemente húmidos, bem como em simbiose nos fluidos do corpo ou nas células do hospedeiro. </li></ul>
  5. 5. A tabela seguinte inclui alguns filos de protistas organizados em três categorias. Categorias Filos Exemplos Algumas características Protozoários (semelhantes a animais) __ __ Amiba Paramécia Podem formar pseudópodes Possuem cílios Algas (semelhantes a plantas) __ __ Chlorophyta Phaeophyta Rhodophyta Diatomáceas Euglena Espirogira Bodelha Coralina Carapaças com 2 valvas siliciosas Flagelados verdes, sem parede celular Algas verdes: unicelulares, coloniais e formas multicelulares Algas castanhas: todas unicelulares incluindo algas gigantes Algas vermelhas: a maioria apresenta multicelularidade Protistas (semelhantes a fungos) Mixomicetos Constituídos por uma massa citoplasmática multinucleada
  6. 6. Protozoários <ul><li>No contexto da classificação em cinco reinos, Protozoários é um termo impróprio, pois significa (proto = primeiro + zoo = animais). </li></ul><ul><li>Contudo ele persiste, informalmente, para designar um grupo de eucariontes unicelulares heterotróficos que ingerem alimentos, um modo de nutrição semelhante ao dos animais. </li></ul><ul><li>As dimensões dos protozoários oscilam entre três e setecentos micrómetros. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Vivem em ambientes húmidos, alguns são imóveis, outros deslocam-se por flagelos, por cílios ou por pseudópodes. </li></ul><ul><li>As amibas movimentam-se e captam o alimento utilizando expansões celulares, de duração temporária, os pseudópodes ( do grego pseudos = falso + podos = pés). </li></ul><ul><li>Os pseudópodes envolvem as partículas alimentares, formando vesículas fagocítadas para onde são largadas enzimas. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Constituem-se assim vacúolos digestivos onde se realiza a digestão intracelular. </li></ul><ul><li>Possuem ainda um vacúolo contráctil que mantém o equilíbrio hídrico da célula por acumulação e expulsão do excesso de água. </li></ul>
  9. 9. Vacúolo contráctil
  10. 10. <ul><li>As paramécias estão provavelmente entre os protozoários com estrutura celular mais complexa e especializada. </li></ul><ul><li>Os cílios nestes organismos existem em toda a parte externa do corpo e, batendo em ritmo regular, permitem a deslocação através da água. </li></ul><ul><li>Os cílios provocam também correntes de água que conduzem partículas para o sulco oral , por onde o alimento é ingerido. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Ao sulco oral segue-se uma goteira, a citofaringe , por onde passam as partículas alimentares até serem incluídas no citoplasma por endocitose, constituindo-se vacúolos digestivos. </li></ul><ul><li>Nestes vacúolos são lançadas enzimas que intervêm na digestão desses alimentos. </li></ul><ul><li>Os produtos solúveis difundem-se para o citoplasma e os outros são expelidos em certas regiões localizadas á superfície do corpo. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Além dos vacúolos digestivos, existem dois grandes vacúolos contrácteis que se expandem e contraem alternadamente. </li></ul><ul><li>Estes vacúolos são responsáveis pela osmorregulação, isto é, regulação e equilíbrio hídrico na célula. </li></ul><ul><li>O excesso de água é drenado para as vesículas do vacúolo que, por contracção, a expelem para o exterior. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>No citoplasma, em posição mais ou menos central na célula, é também possível observar dois tipos de núcleos: </li></ul><ul><li>- um maior, o macronúcleo ou núcleo vegetativo, é responsável pelo metabolismo celular, o outro, chamado micronúcleo ou núcleo germinativo, é responsável, na reprodução sexuada, por mecanismos de recombinação genética. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Após o processo sexuado, os indivíduos podem reproduzir-se assexuadamente por divisão binária durante várias gerações. </li></ul><ul><li>Na paramécia este tipo de reprodução é mais frequente que a reprodução sexuada. </li></ul>
  15. 15. Paramécia
  16. 16. Reprodução assexuada Por divisão binária Reprodução sexuada por conjugação entre dois indivíduos
  17. 17. Outros protozoários <ul><li>Trypanossoma – flagelado que provoca no Homem a doença do sono. </li></ul><ul><li>Exemplo: Trypanossoma gambiense tem como hospedeiro a mosca tsé-tsé, que suga o sangue de um indivíduo doente e transmite o parasita a outros indivíduos. </li></ul><ul><li>Este parasita possui um flagelo que lhe permite movimentos ondulados. </li></ul>
  18. 20. <ul><li>Plasmodium – protozoário que provoca a malária. </li></ul><ul><li>Exemplo: O plasmodium vivax tem como hospedeiro intermediário a fêmea do mosquito Anopheles . O parasita infecta e destrói os glóbulos vermelhos que atinge, causando arrepios e temperaturas elevadas. </li></ul>
  19. 21. Plasmodium Glóbulos vermelhos
  20. 22. Imagem ao microscópio
  21. 23. <ul><li>Concluindo, o grupo dos Protozoários é constituído por organismos unicelulares, eucariontes, heterotróficos, que ingerem alimentos de um modo semelhante ao dos animais, podendo deslocar-se por pseudópodes, por cílios ou por flagelos. </li></ul>
  22. 24. Algas <ul><li>As algas são organismos simples, principalmente aquáticos, unicelular ou multicelulares com baixo grau de diferenciação, com clorofilas e carotenoídes, sendo consideradas semelhantes a plantas. </li></ul>
  23. 25. Morfologia e importância das algas <ul><li>Algumas algas são verdes, mas há-as de cores variadas, como castanho - douradas, castanho – esverdeadas e mesmo vermelhas. </li></ul><ul><li>Diversas características, como a natureza dos diferentes pigmentos fotossintéticos, tipo de substâncias de reserva e a composição da parede celular permitem considerar várias divisões de algas, algumas das quais estão referidas na tabela seguinte. </li></ul>
  24. 26. Divisão Pigmentos fotossintéticos Natureza das substâncias de reserva Parede celular (componentes) Habitat Chlorophyta (Algas verdes) Clorofila a, clorofila b. Carotenóides Amido Celulose Frequentemente em águas doces. Algumas marinhas Phaeophyta (Algas castanhas) Clorofila a, clorofila c. Carotenóides, incluindo a fucoxantina. Laminarina Matriz de celulose e algina Quase todas marinhas, em águas frias do oceano. Rhodophyta (Algas vermelhas) Clorofila a, clorofila d. Carotenóides. Ficobilinas. Amido Celulose Frequentemente marinhas, algumas de água doce. Muitas espécies tropicais.
  25. 27. Divisão Chlorophyta <ul><li>O grupo das algas verdes é extremamente variado. </li></ul><ul><li>Sendo a maior parte aquáticas, podem também viver em ambientes terrestres húmidos, como troncos de árvores ou no solo. </li></ul><ul><li>Apresentam grande diversidade de formas, desde unicelulares como Chlamydomonas , as formas coloniais como Volvox ou multicelulares como a Spirogyra . </li></ul>
  26. 28. Chlamydomonas
  27. 29. Volvox
  28. 30. Espirogyra
  29. 31. <ul><li>As clorófitas têm especial interesse porque as suas características indicam que devem ter ancestrais das plantas. </li></ul><ul><li>Assim, por exemplo, tal como as plantas: </li></ul><ul><li>- apresentam clorofila a e b e carotenóides; </li></ul><ul><li>- a substância de reserva é o amido; </li></ul><ul><li>- a maioria apresenta celulose nas paredes celulares. </li></ul>
  30. 32. Curiosidade <ul><li>Muito parecidas com a Chlamydomonas, há uma outra alga verde do género Chlorella que pode encontrar-se em águas doces e águas salgadas, ou mesmo no solo. Recentemente esta alga tem sido muito investigada como fonte de alimento humano e de outros animais, tendo sido mesmo cultivada em vários países, como os Estados Unidos, Alemanha e Japão. </li></ul>
  31. 33. Chlorella
  32. 34. Filo Phaeophyta <ul><li>As algas castanhas (do grego phaios = castanho) ou castanho – esverdeadas são multicelulares e a maior parte são marinhas. </li></ul><ul><li>Têm tamanhos variados, desde formas microscópicas a formas que podem atingir 60 metros de comprimento, podendo encontra-se presas às rochas ou flutuando à superfície dos mares. </li></ul>
  33. 35. <ul><li>A cor castanha é-lhes dada pela fucoxantina. Mas, além deste pigmento, as Feófitas têm também clorofila a e c que se encontram mascaradas pela fucoxantina. </li></ul><ul><li>Um género bem conhecido é o Sargassum , que pode encontrar-se na nossa costa, sendo particularmente abundante numa região do oceano Atlântico, mar dos sargaços, que fica entre os Açores e as Baamas. </li></ul><ul><li>As algas castanhas constituem a base de alimentação de muitos animais marinhos. </li></ul><ul><li>Algumas são procuradas para a extracção de algina, substância muito usada na indústria de doces e sorvetes. </li></ul>
  34. 36. Sargassum
  35. 37. Divisão Rhodophyta <ul><li>A maioria das algas vermelhas vive em águas marinhas, encontrando-se em muitos mares tropicais, mas há também espécies em águas doces e outras que vivem no solo. </li></ul><ul><li>A cor vermelha que estas algas apresentam é devida à ficoeritrina, pigmento que pertence ao grupo das ficobilinas, encontradas somente em cianobactérias e algas vermelhas. </li></ul>
  36. 38. <ul><li>Os pigmentos acessórios que possuem permitem-lhes viver em profundidade onde não é encontrado nenhum outro organismo fotossintético. </li></ul><ul><li>Dado que a clorofila a ocorre juntamente com as ficobilinas em cianobactérias, possivelmente algumas cianobactérias estabeleceram relações com células heterotróficas ancestrais e, por evolução, originaram-se algas vermelhas. </li></ul>
  37. 39. <ul><li>As Rodófitas são utilizadas para a extracção do ágar, tendo grande importância económica. Este polissacarídeo é usado para fazer cápsulas gelatinosas, sendo também utilizado em material dentário. </li></ul><ul><li>É ainda a base de cosméticos e de vários meios utilizados em laboratórios e instituições médicas como meios de cultura para o crescimento de células. </li></ul><ul><li>Investigações recentes, envolvendo diversas categorias de algas, indicam que estes seres contêm várias substâncias de potencial valor medicinal. </li></ul>
  38. 40. <ul><li>Algumas algas mostram também um potencial considerável como antibiótico e insecticidas. </li></ul><ul><li>Na grande diversidade de algas são ainda de referir as Euglenas e as Diactomáceas pelas características particulares que se apresentam. </li></ul><ul><li>As euglenas , seres unicelulares comuns em tanques, possuem algumas características semelhantes às dos animais e outras semelhantes a características das plantas. </li></ul><ul><li>Não apresentam parede celular e cada uma tem um flagelo. </li></ul>
  39. 41. <ul><li>Têm cloroplastos que utilizam quando estão em presença da luz, realizando fotossíntese. </li></ul><ul><li>Quando se encontram num local escuro podem viver heterotróficamente, ingerindo partículas por fagocitose. </li></ul><ul><li>As diatomáceas são organismos unicelulares fotossintéticos que abundam quer no plâncton marinho, quer no plâncton de água doce. </li></ul><ul><li>Estas algas têm parede celular impregnada de sílica hidratada, formando carapaças. </li></ul>
  40. 42. Euglena
  41. 43. Diatomáceas
  42. 44. <ul><li>Carapaças de diatomáceas acumuladas nos fundos marinhos durante centenas de anos originaram extensas camadas conhecidas por “terra de diatomáceas”, que pode ser utilizada como isoladora em filtrações e mesmo com material de construção. </li></ul>
  43. 45. Reprodução nas algas <ul><li>Verifica-se com frequência que a Primavera, com o aumento da temperatura, os charcos começam a povoar-se de algumas algas que se reproduzem activamente por multiplicação vegetativa e, em certos casos, formam esporos móveis (zoósporos) que permitem uma dispersão rápida. </li></ul>
  44. 46. <ul><li>Por variação de temperatura ou, por exemplo, por evaporação rápida da água onde se encontram, criam-se novas condições no habitat, que podem ser inadequadas à vida do organismo. </li></ul><ul><li>Nestas situações formam-se esporos, ou mesmo zigotos, que asseguram a sobrevivência dos seres durante este período. </li></ul><ul><li>A ocorrência de reprodução sexuada pode também ser desencadeada por alterações da quantidade de nutrientes do meio, variação do fotoperíodo ou outros factores. </li></ul>
  45. 47. Ciclo de vida da Spirogyra
  46. 49. <ul><li>A conjugação é morfologicamente isogâmica (neste processo, os conteúdos de cada uma das células funcionam como gâmetas, não apresentam qualquer diferenciação, relativamente as células vegetativas). </li></ul><ul><li>Há anisogamia funcional (um dos gâmetas se movimenta e o outro se mantém imóvel. </li></ul><ul><li>A meiose é pós-zigótica . </li></ul><ul><li>Há alternância de fases nucleares (como existem entidades de núcleo haplóide alternam com as de núcleo diplóide). </li></ul><ul><li>É um ser haplonte (como o ser apresenta meiose pós-zigótica, todo o ciclo de vida decorre na fase haplóide, e só o ovo ou zigoto pertence à fase diplóide). </li></ul>
  47. 50. Protistas semelhantes aos fungos <ul><li>Estes protistas têm sido muitas vezes classificados no Reino Fungi mas têm algumas características amibóides, como, por exemplo, a nutrição por fagocitose. </li></ul><ul><li>Faremos somente referência aos mixomicetos. </li></ul><ul><li>Estes organismos são constituídos por uma massa citoplasmática chamada plasmódio, a qual tem volume de vários centímetros cúbicos e contém milhares ou milhões de núcleos. </li></ul>
  48. 52. <ul><li>O plasmódio digere material do substrato em que se move, podendo passar por movimentos amibóides através de pedaços de seda ou papel de filtro e sair inalterado. </li></ul><ul><li>Bactérias, leveduras e plantas em decomposição são o seu alimento mais comum. </li></ul><ul><li>Se o meio em que os plasmódios vivem começar a secar, ou se houver escassez de alimento, formam-se esporângios idênticos aos dos fungos, os quais têm cores diversas conforme as espécies. </li></ul>

×