SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
JOSÉ ROBERTO BATOCHIO
ADVOGADOS ASSOCIADOS
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 13ª VARA
CRIMINAL FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE CURITIBA/PR
"El juicio es un mecanismo delicado
como un aparato de relojería: basta
cambiar la posición de una ruedecilla
para que el mecanismo resulte
desequilibrado e comprometido".1
Ação Penal n.º 5046512-94.2016.4.04.7000/PR
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA e MARISA LETÍCIA
LULA DA SILVA, já qualificados nos autos da ação penal em epígrafe, vêm, por seus
advogados infra-assinados, à presença de Vossa Excelência, respeitosamente, expor e
requerer o que segue.
I. NÃO RECONHECIMENTO DA COMPETÊNCIA E DA LEGITIMIDADE DO JUÍZO
Primeiramente, necessário salientar que os Peticionários não
reconhecem a competência do Juízo da 13ª Vara Criminal de Curitiba para a
condução e julgamento do presente feito, pois ainda estão sub judice exceções de
suspeição e incompetência opostas pela Defesa.
1
CARNELUTTI, Francesco. Derecho Procesal Civil y Penal, México: Episa, 1997, p. 342.
JOSÉ ROBERTO BATOCHIO
ADVOGADOS ASSOCIADOS
II. A INICIATIVA PROBATÓRIA DO JUÍZO
Outrossim, em 23.11.2016, Vossa Excelência, agindo de ofício
na instrução do presente feito, requisitou à 10ª Vara Federal de Brasília/DF
informações acerca da fase atual de ações penais que tramitam perante aquele Juízo em
desfavor do Primeiro Peticionário, bem como o encaminhamento de cópia das
respectivas denúncias (evento 264).
Em resposta, a 10ª. Vara Federal de Brasília/DF encaminhou a
este Juízo informações processuais a respeito de duas ações penais que lá tramitam em
desfavor do Primeiro Peticionário, bem como cópia da denúncia e do aditamento
referente à ação penal n.º 0042543-76.2016.4.01.3400 e, ainda, cópia da denúncia
referente à ação penal n.º 16093-96.2016.4.01.3400 (evento 278).
No entanto, data venia, tais documentos devem ser
desentranhados, (i) seja porque ferem o sistema acusatório, (ii) seja porque não
encontram ligação com o objeto da presente ação penal.
Senão, vejamos.
III. DA VIOLAÇÃO AO SISTEMA ACUSATÓRIO E DE MAIS UM ATO QUE DEMONSTRA AGIR
O JUIZ NO PAPEL DE ACUSADOR
De longa data o Peticionário demonstra que Vossa Excelência
perdeu a necessária imparcialidade para julgá-lo. Nessa linha, eis alguns fatos que foram
devidamente comprovados:
(i) buscas e apreensões na residência e escritório do Primeiro Peticionário e de
seus familiares, com fundamentação destoante das disposições legais de
regência e antecipação de juízo de valor sobre os fatos postos em controvérsia;
(ii) sua condução coercitiva sem prévia intimação, com manifesta infringência
ao disposto no artigo 260 do Código de Processo Penal;
(iii) determinação da interceptação telefônica dos terminais de titularidade do
Primeiro Peticionário, familiares e advogados, com afronta às regras da Lei n.
JOSÉ ROBERTO BATOCHIO
ADVOGADOS ASSOCIADOS
9.296/96 e à garantia constitucional da inviolabilidade das comunicações
(CF/88, artigo 5º, XII);
(iv) monitoramento da estratégia da defesa técnica, em afronta aberta ao
princípio maior da ampla defesa (CF/88, artigo 5º, LV) e do livre exercício da
própria advocacia;
(v) ilícito levantamento do sigilo de diálogos interceptados e gravados, decisum
que, sobre ser ilegal, denota fins estranhos ao processo;
(vi) usurpação da competência do Supremo Tribunal Federal ao divulgar e fazer
juízo de valor sobre diálogos mantidos com autoridades detentoras de foro
especial por prerrogativa de função na Corte Excelsa;
(vii) exteriorização de juízo de condenação preconcebida ao prestar informações
ao STF;
(viii) confissão expressa da ilegalidade por si próprio cometida, com
subsequente pedido de escusas ao STF;
(ix) infinitas e sucessivas prorrogações de competência, com dedicação
exclusiva de Vossa Excelência à cognição dos feitos relativos à Operação
"Lava-Jato", em afronta ao artigo 5º, XXXVII, da Constituição Federal;
(x) proximidade com setores da imprensa, que promovem o vazamento
sistemático de atos processuais e dados pessoais do Peticionário;
(xi) participação em eventos organizados por inimigos políticos que se opõem
ao Primeiro Peticionário, hostilizando-o;
(xii) edição de 03 (três) livros que tem por tema a pessoa de Vossa Excelência e
a Operação "Lava-Jato" — com a presença do magistrado em pelo menos um
dos lançamentos, corroborando o conteúdo da obra inclusive em relação às
acusações feitas ao Primeiro Peticionário;
(xiii) pessoal, direto e completo envolvimento nos atos da fase investigatória, a
contaminar sua imparcialidade para decidir a causa.
(xiv) antecipação de juízo de valor condenatório em decisão que recebeu a
denúncia que deflagrou a ação penal.
Não bastasse, os fatos que demonstram a ausência de um
julgamento justo e imparcial para os Peticionários se avolumam a cada dia. A própria
condução das audiências de instrução também serve para corroborar esse cenário,
máxime quando Vossa Excelência acusa a Defesa de atuar de forma “retórica” e “sem
argumentos”.
JOSÉ ROBERTO BATOCHIO
ADVOGADOS ASSOCIADOS
Como exposto acima, desta feita, a Defesa se depara com
iniciativa probatória de Vossa Excelência ao requisitar informações e cópia de ações
penais que tramitam perante a 10ª. Vara Federal de Brasília.
Essa situação, à toda evidência, colide com o sistema acusatório
adotado pelo direito pátrio.
De fato, a despeito de o art. 156 do Código de Processo Penal
possibilitar a produção de provas de ofício pelo Magistrado, tem-se que tal possibilidade
fere de morte o sistema acusatório, atribuindo a este verdadeiro papel inquisitorial,
contrariando o disposto na Constituição da República (art. 129, I).
A assunção dos papéis de julgador e de investigador pelo
magistrado é incompatível, pois afeta a necessária – e imprescindível – imparcialidade
do juiz.
A esse respeito, luminosa a percepção de AURY LOPES JR.:
"Fica evidente a insuficiência de uma separação inicial de atividades se,
depois, o juiz assume um papel claramente inquisitorial. O juiz deve manter
uma posição de alheamento, afastamento da arena das partes, ao longo de
todo o processo. Deve-se descarregar o juiz de atividades inerentes às partes,
para assegurar sua imparcialidade. Nesse contexto, o art. 156 do CPP funda
um sistema inquisitório, pois representa uma quebra da igualdade, do
contraditório, da própria estrutura dialética do processo. Como decorrência,
fulminam a principal garantia da jurisdição, que é a imparcialidade do
julgador. Está desenhado um processo inquisitório." (destacou-se)2
Com a maestria que lhe é habitual, também lecionou NEREU
GIACOMOLLI, destacando, igualmente, que a iniciativa probatória judicial culmina o
processo inquisitivo:
"Parte-se do devido processo, engendrado pela convencionalidade e
constitucionalidade, razão de ser da delimitação funcional dos sujeitos no
processo penal. Montero Aroca afirma que o denominado processo inquisitivo
2
LOPES JR. Aury. Bom para quê(m)? Boletim IBCCRIM, ano 188, Julho/2008. Disponível em:
<http://www.ibccrim.org.br/boletim_artigo/3684-Bom-para-quem> Acesso em: nov. 2016
JOSÉ ROBERTO BATOCHIO
ADVOGADOS ASSOCIADOS
(contraditio in terminis, por não se tratar de processo) nunca foi um
verdadeiro processo, não havendo processo se o acusador é, ao mesmo tempo,
juiz ou assume poderes materiais, inclusive de realizar prova de ofício. (...)
Nesse modelo acusatório incumbe à acusação e não ao magistrado a
proposição e a produção da prova condenatória. A única admissibilidade
válida é da atuação ex officio do magistrado para garantir e proteger os
direitos e a liberdade do imputado, como guardião das liberdades. A função do
juiz no processo é analisar a admissibilidade dos meios de prova e da
metodologia probatória, avaliando o que for produzido nos autos."3
(destacou-
se)
Nessa senda, EUGÊNIO PACELLI DE OLIVEIRA destaca a violação
não só ao sistema acusatório, mas também à paridade de armas.
"Nesse ponto, o princípio acusatório imposto pela Constituição Federal de
1988, no qual foram delimitadas as funções do juiz e as atribuições do
Ministério Público, deverá funcionar como um redutor e/ou controlador da
aplicação do mencionado dispositivo, em face da imparcialidade que deve
nortear a atuação judicial. (...) Falamos, agora, na imparcialidade no que se
refere à atuação concreta do juiz no processo, de modo a impedir que este
adote postura tipicamente acusatória no processo, quando, por exemplo,
entender deficiente a atividade desenvolvida pelo ministério Público. O juiz
não poderá desigualar as forças produtoras da prova no processo, sob pena de
violação dos princípios constitucionais do contraditório e da ampla defesa,
ambos reunidos na exigência de igualdade e isonomia de oportunidades e
faculdades processuais."4
(destacou-se)
Nesse sentido, também é o entendimento de GERALDO PRADO:
"Quem procura sabe ao certo o que pretende encontrar e isso, em termos de
processo penal condenatório, representa uma inclinação ou tendência
perigosamente comprometedora da imparcialidade do julgador. Desconfiado
da culpa do acusado, investe o juiz na direção da introdução de meios provas
que sequer foram consideradas pelo órgão de acusação, ao qual, nestas
circunstancias, acaba por substituir. Mais do que isso, o mesmo tipo de
comprometimento psicológico objeto das reservas quanto ao poder do próprio
juiz iniciar o processo, aqui igualmente se verificará, na medida em que o juiz
se fundamentara, normalmente, nos elementos de prova que ele mesmo
incorporou ao feito, por considerar importantes para o deslinde da questão, o
que afastará da desejável posição de seguro distanciamento das partes e de
seus interesses contrapostos, posição esta apta a permitir a melhor ponderação
e conclusão."5
(destacou-se)
3
GIACOMOLLI. Nereu José. O devido Processo Penal. São Paulo: Atlas, 2014, p. 181.182
4
OLIVEIRA, Eugênio Paccelli. Curso de processo penal. São Paulo: Atlas, 2014, p. 338.
5
PRADO, Guilherme. Sistema acusatório: a conformidade constitucional das leis processuais penais. 3. ed.
Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2005. p. 137.
JOSÉ ROBERTO BATOCHIO
ADVOGADOS ASSOCIADOS
Veja-se que, sob o mesmo entendimento, decidira o E. Tribunal
Regional Federal da 4ª Região:
“Cabe à acusação, preleciona o jurista Fernando da Costa Tourinho Filho,
´provar a existência do fato e demonstrar sua autoria. Também lhe cabe
demonstrar o elemento subjetivo que se traduz por dolo ou culpa. Se o réu
goza de presunção de inocência, é evidente que a prova do crime, quer a parte
objecti, quer a parte subjecti, deve ficar a cargo da acusação` (Processo
Penal. 14.ed. Saraiva: São Paulo, 1993. v. III, p. 213). Assim, não tendo o
Ministério Público Federal arcado com o ônus material de provar a imputação
penal atribuída ao réu na denúncia, encargo que lhe é conferido pelo art. 156,
1ª parte, do CPP, deve ser reformada a r. sentença condenatória em relação
aos crimes dos arts. 334, § 1º, alínea "c", e 288, ambos do CP.” (TRF4, ACR
2005.04.01.009927-8, OITAVA TURMA, Relator PAULO AFONSO BRUM
VAZ, D.E. 10/01/2007)
----------------------------------------------------------------------------------------------
PENAL. PROCESSUAL PENAL. APROPRIAÇÃO INDÉBITA
PREVIDENCIÁRIA. ARTIGO 168-A C/C ARTIGO 71, AMBOS DO CÓDIGO
PENAL. PRINCÍPIO ACUSATÓRIO. ARTIGO 156, CAPUT E INCISO II, DO
CÓDIGO PENAL. INSUFICIÊNCIA DE PROVAS DA AUTORIA DELITIVA.
ABSOLVIÇÃO. ARTIGO 386, VII, DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL. 1.
Em face do princípio acusatório que deve reger o processo penal brasileiro, a
iniciativa e consequente ônus probatório deve ficar prioritariamente nas mãos
das partes e apenas supletivamente nas mãos do órgão jurisdicional. 2. O
artigo 156, II, do Código Penal expressa que a determinação, por parte do
magistrado, de diligências, antes de proferida a sentença, é permitida nos
casos em que se pretende dirimir dúvida sobre ponto relevante, o que não se
confunde com substituir a atividade do órgão acusatório, o qual, in casu, não
requereu a produção de nenhuma prova que corroborasse a sua tese. 3. Se o
Ministério Público Federal não se desincumbiu de provar a imputação penal
consubstanciada na denúncia, ônus que lhe é atribuído pelo artigo 156, 1ª
parte, do Código de Processo Penal, impõe-se absolvição do réu, forte no
artigo 386, VII, do referido diploma legal. (TRF4, ACR 0000322-
82.2008.404.7116, OITAVA TURMA, Relator VICTOR LUIZ DOS SANTOS
LAUS, D.E. 23/05/2013)
Dessa forma, resta evidente que, ao agir de ofício, determinando a
juntada das referidas denúncias – que, conforme se verá, sequer guardam relação com
os autos –, Vossa Excelência, vênia concedida, afrontou o preceito constitucional do
sistema acusatório. Ao assumir o papel de juiz-acusador, demonstra-se, mais uma
vez, a perda da necessária imparcialidade para julgar os aqui Peticionários.
JOSÉ ROBERTO BATOCHIO
ADVOGADOS ASSOCIADOS
IV. DA AUSÊNCIA DE RELAÇÃO ENTRE A PRESENTE AÇÃO PENAL E AQUELAS QUE
TRAMITAM PERANTE A 10ª VARA FEDERAL DE BRASÍLIA.
Primeiramente, é preciso recordar que a ação penal nº 0042543-
76.2016.4.01.3400 foi distribuída à Justiça Federal do Distrito Federal após r. decisão
proferida pelo Eminente Ministro Teori Zavascki declinando a competência do Excelso
Supremo Tribunal Federal. Naquela oportunidade, a Suprema Corte fez consignar que
essa demanda não tem conexão com os processos da Lava Jato que tramitam perante
este Juízo.
Para maior clareza, confira-se o seguinte trecho da r. decisão
proferida pelo Eminente Ministro Teori Zavascki:
(...)
Não bastasse, é preciso reafirmar que os temas tratados nas ações
penais 0042543-76.2016.4.01.3400 e 0016093-96.2016.4.01.3400 são distintos daqueles
JOSÉ ROBERTO BATOCHIO
ADVOGADOS ASSOCIADOS
tratados na presente ação penal, não havendo fundamento jurídico que justifique seu
acautelamento nos presentes autos.
Relativamente à primeira ação penal supramencionada,
acrescente-se, ainda, esta já se encontra em fase mais avançada, tendo a Defesa
apresentado Resposta à acusação, no bojo da qual foram desconstruídas todas as
acusações feitas ao Primeiro Peticionário. Também, em audiências realizadas nos dias
08.11.2016 e 28.11.2016, as testemunhas ouvidas nada imputaram ao Primeiro
Peticionário e foram de encontro ao teor da denúncia.
V. DOS PEDIDOS
Dessa forma, é a presente para requerer o desentranhamento das
denúncias acostadas no evento 278, vez não guardarem qualquer ligação com o objeto
destes autos.
Caso Vossa Excelência assim não entenda, o que se aventa pela
condescendência dialética, requer-se seja expedido novo ofício ao juízo da 10ª Vara
Criminal Federal do Distrito Federal para que sejam encaminhados para estes autos os
vídeos e áudios relativos aos termos de depoimento já prestados pelas testemunhas
arroladas — os quais ainda não estão disponíveis para acesso da defesa.
É o que fica postulado.
Termos em que,
Pedem deferimento.
Curitiba (PR), 05 de dezembro de 2016.
ROBERTO TEIXEIRA
OAB/SP 22.823
CRISTIANO ZANIN MARTINS
OAB/SP 172.730
JOSÉ ROBERTO BATOCHIO
OAB/SP 20.685
JUAREZ CIRINO DOS SANTOS
OAB/PR 3.374

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Excelentíssimo senhor doutor juiz de direito da xx
Excelentíssimo senhor doutor juiz de direito da xxExcelentíssimo senhor doutor juiz de direito da xx
Excelentíssimo senhor doutor juiz de direito da xxaalizinha
 
Petição da defesa tenta evitar decisão monocrática
Petição da defesa tenta evitar decisão monocráticaPetição da defesa tenta evitar decisão monocrática
Petição da defesa tenta evitar decisão monocráticaMarcelo Auler
 
Alegações finais Paulo Okamotto
Alegações finais Paulo OkamottoAlegações finais Paulo Okamotto
Alegações finais Paulo OkamottoAquiles Lins
 
Desembargador Camanho de Assis suspende a censura à Folha
Desembargador Camanho de Assis suspende a censura à FolhaDesembargador Camanho de Assis suspende a censura à Folha
Desembargador Camanho de Assis suspende a censura à FolhaMarcelo Auler
 
PT pede que STF proíba ou regulamente Condução Coercitiva
PT pede que STF proíba ou regulamente Condução CoercitivaPT pede que STF proíba ou regulamente Condução Coercitiva
PT pede que STF proíba ou regulamente Condução CoercitivaMiguel Rosario
 
Defesa de Lula cobra no STF julgamento de Power Point de Dallagnol no CNMP
Defesa de Lula cobra no STF julgamento de Power Point de Dallagnol no CNMPDefesa de Lula cobra no STF julgamento de Power Point de Dallagnol no CNMP
Defesa de Lula cobra no STF julgamento de Power Point de Dallagnol no CNMPEditora 247
 
Petição e 9 relatório unificado
Petição e 9 relatório unificadoPetição e 9 relatório unificado
Petição e 9 relatório unificadoEditora 247
 
Lava Jato diz que ida de delações a SP não muda processo contra Lula
Lava Jato diz que ida de delações a SP não muda processo contra LulaLava Jato diz que ida de delações a SP não muda processo contra Lula
Lava Jato diz que ida de delações a SP não muda processo contra LulaR7dados
 
Reforma do CPP - breves comentários
Reforma do CPP - breves comentáriosReforma do CPP - breves comentários
Reforma do CPP - breves comentáriosAntonio Pereira
 
Quer sentar aqui, dr. Promotor? - SILVA JR., Nelmon J.
Quer sentar aqui, dr. Promotor? - SILVA JR., Nelmon J.Quer sentar aqui, dr. Promotor? - SILVA JR., Nelmon J.
Quer sentar aqui, dr. Promotor? - SILVA JR., Nelmon J.Autônomo
 
Comentários à Reforma Do Código De Processo Penal
Comentários à Reforma Do Código De Processo PenalComentários à Reforma Do Código De Processo Penal
Comentários à Reforma Do Código De Processo Penalmaria do carmo cota
 
Prova ilícita
Prova ilícitaProva ilícita
Prova ilícita121212jvjv
 
2108 - REVOGAÇÃO DE PRISÃO - CPC Atualizado
2108 - REVOGAÇÃO DE PRISÃO - CPC Atualizado2108 - REVOGAÇÃO DE PRISÃO - CPC Atualizado
2108 - REVOGAÇÃO DE PRISÃO - CPC AtualizadoConsultor JRSantana
 
10 apelação (contra razões)
10 apelação (contra razões)10 apelação (contra razões)
10 apelação (contra razões)adv bastos
 
Lewandowski nega que Estéfano Menudo vá para o semiaberto
Lewandowski nega que Estéfano Menudo vá para o semiaberto Lewandowski nega que Estéfano Menudo vá para o semiaberto
Lewandowski nega que Estéfano Menudo vá para o semiaberto Portal NE10
 
Decisão ministro Ricardo Lewandowski
Decisão ministro Ricardo LewandowskiDecisão ministro Ricardo Lewandowski
Decisão ministro Ricardo LewandowskiEditora 247
 
MPF declina de competência para o Mppe decidir sobre denúncia contra antiga c...
MPF declina de competência para o Mppe decidir sobre denúncia contra antiga c...MPF declina de competência para o Mppe decidir sobre denúncia contra antiga c...
MPF declina de competência para o Mppe decidir sobre denúncia contra antiga c...Jamildo Melo
 
STF mantém decisão que deu a Lula acesso a mensagens da Lava Jato
STF mantém decisão que deu a Lula acesso a mensagens da Lava JatoSTF mantém decisão que deu a Lula acesso a mensagens da Lava Jato
STF mantém decisão que deu a Lula acesso a mensagens da Lava JatoLuís Carlos Nunes
 
Roteiro simples para audiências trabalhistas (1)
Roteiro simples para audiências trabalhistas (1)Roteiro simples para audiências trabalhistas (1)
Roteiro simples para audiências trabalhistas (1)Mariana Regina De Sá
 

Mais procurados (20)

Excelentíssimo senhor doutor juiz de direito da xx
Excelentíssimo senhor doutor juiz de direito da xxExcelentíssimo senhor doutor juiz de direito da xx
Excelentíssimo senhor doutor juiz de direito da xx
 
Petição da defesa tenta evitar decisão monocrática
Petição da defesa tenta evitar decisão monocráticaPetição da defesa tenta evitar decisão monocrática
Petição da defesa tenta evitar decisão monocrática
 
Alegações finais Paulo Okamotto
Alegações finais Paulo OkamottoAlegações finais Paulo Okamotto
Alegações finais Paulo Okamotto
 
Lula
LulaLula
Lula
 
Desembargador Camanho de Assis suspende a censura à Folha
Desembargador Camanho de Assis suspende a censura à FolhaDesembargador Camanho de Assis suspende a censura à Folha
Desembargador Camanho de Assis suspende a censura à Folha
 
PT pede que STF proíba ou regulamente Condução Coercitiva
PT pede que STF proíba ou regulamente Condução CoercitivaPT pede que STF proíba ou regulamente Condução Coercitiva
PT pede que STF proíba ou regulamente Condução Coercitiva
 
Defesa de Lula cobra no STF julgamento de Power Point de Dallagnol no CNMP
Defesa de Lula cobra no STF julgamento de Power Point de Dallagnol no CNMPDefesa de Lula cobra no STF julgamento de Power Point de Dallagnol no CNMP
Defesa de Lula cobra no STF julgamento de Power Point de Dallagnol no CNMP
 
Petição e 9 relatório unificado
Petição e 9 relatório unificadoPetição e 9 relatório unificado
Petição e 9 relatório unificado
 
Lava Jato diz que ida de delações a SP não muda processo contra Lula
Lava Jato diz que ida de delações a SP não muda processo contra LulaLava Jato diz que ida de delações a SP não muda processo contra Lula
Lava Jato diz que ida de delações a SP não muda processo contra Lula
 
Reforma do CPP - breves comentários
Reforma do CPP - breves comentáriosReforma do CPP - breves comentários
Reforma do CPP - breves comentários
 
Quer sentar aqui, dr. Promotor? - SILVA JR., Nelmon J.
Quer sentar aqui, dr. Promotor? - SILVA JR., Nelmon J.Quer sentar aqui, dr. Promotor? - SILVA JR., Nelmon J.
Quer sentar aqui, dr. Promotor? - SILVA JR., Nelmon J.
 
Comentários à Reforma Do Código De Processo Penal
Comentários à Reforma Do Código De Processo PenalComentários à Reforma Do Código De Processo Penal
Comentários à Reforma Do Código De Processo Penal
 
Prova ilícita
Prova ilícitaProva ilícita
Prova ilícita
 
2108 - REVOGAÇÃO DE PRISÃO - CPC Atualizado
2108 - REVOGAÇÃO DE PRISÃO - CPC Atualizado2108 - REVOGAÇÃO DE PRISÃO - CPC Atualizado
2108 - REVOGAÇÃO DE PRISÃO - CPC Atualizado
 
10 apelação (contra razões)
10 apelação (contra razões)10 apelação (contra razões)
10 apelação (contra razões)
 
Lewandowski nega que Estéfano Menudo vá para o semiaberto
Lewandowski nega que Estéfano Menudo vá para o semiaberto Lewandowski nega que Estéfano Menudo vá para o semiaberto
Lewandowski nega que Estéfano Menudo vá para o semiaberto
 
Decisão ministro Ricardo Lewandowski
Decisão ministro Ricardo LewandowskiDecisão ministro Ricardo Lewandowski
Decisão ministro Ricardo Lewandowski
 
MPF declina de competência para o Mppe decidir sobre denúncia contra antiga c...
MPF declina de competência para o Mppe decidir sobre denúncia contra antiga c...MPF declina de competência para o Mppe decidir sobre denúncia contra antiga c...
MPF declina de competência para o Mppe decidir sobre denúncia contra antiga c...
 
STF mantém decisão que deu a Lula acesso a mensagens da Lava Jato
STF mantém decisão que deu a Lula acesso a mensagens da Lava JatoSTF mantém decisão que deu a Lula acesso a mensagens da Lava Jato
STF mantém decisão que deu a Lula acesso a mensagens da Lava Jato
 
Roteiro simples para audiências trabalhistas (1)
Roteiro simples para audiências trabalhistas (1)Roteiro simples para audiências trabalhistas (1)
Roteiro simples para audiências trabalhistas (1)
 

Semelhante a Defesa questiona iniciativa probatória do juiz em ação contra Lula

Memorial apelação d asentença de Moro
Memorial apelação d asentença de MoroMemorial apelação d asentença de Moro
Memorial apelação d asentença de MoroMarcelo Auler
 
pETIÇÃO JANOT bETINHO gOMES
pETIÇÃO JANOT bETINHO gOMESpETIÇÃO JANOT bETINHO gOMES
pETIÇÃO JANOT bETINHO gOMESPortal NE10
 
Manifestação da República do Paraná contra Lula
Manifestação da República do Paraná contra LulaManifestação da República do Paraná contra Lula
Manifestação da República do Paraná contra LulaMiguel Rosario
 
Decio lima e ana paula lima
Decio lima e ana paula limaDecio lima e ana paula lima
Decio lima e ana paula limaMiguel Rosario
 
Representação por excesso de prazo min. gilmar mendes - dep. jorge solla
Representação por excesso de prazo   min. gilmar mendes - dep. jorge sollaRepresentação por excesso de prazo   min. gilmar mendes - dep. jorge solla
Representação por excesso de prazo min. gilmar mendes - dep. jorge sollaConversa Afiada
 
Esa.2013.01(deontologia jurã­dica)
Esa.2013.01(deontologia jurã­dica)Esa.2013.01(deontologia jurã­dica)
Esa.2013.01(deontologia jurã­dica)Ítalo Melo de Farias
 
Direito processual civil todo 3º ano furg
Direito processual civil   todo 3º ano furgDireito processual civil   todo 3º ano furg
Direito processual civil todo 3º ano furgPedro Trassantes
 
Desjudicialização: avanços, desafios e novas demandas.
Desjudicialização: avanços, desafios e novas demandas.Desjudicialização: avanços, desafios e novas demandas.
Desjudicialização: avanços, desafios e novas demandas.IRIB
 
Advogados publicam manifesto e lançam campanha
Advogados publicam manifesto e lançam campanhaAdvogados publicam manifesto e lançam campanha
Advogados publicam manifesto e lançam campanhaPolibio Braga
 
STF suspende mais duas ações penais da Lava Jato contra Lula
STF suspende mais duas ações penais da Lava Jato contra LulaSTF suspende mais duas ações penais da Lava Jato contra Lula
STF suspende mais duas ações penais da Lava Jato contra LulaLuís Carlos Nunes
 
Habeas corpus de Henrique Alves: 0805054-39.2017.4.05.0000
Habeas corpus de Henrique Alves: 0805054-39.2017.4.05.0000Habeas corpus de Henrique Alves: 0805054-39.2017.4.05.0000
Habeas corpus de Henrique Alves: 0805054-39.2017.4.05.0000Portal NE10
 
A nova interpretação do princípio da proibição da prova ilícita
A nova interpretação do princípio da proibição da prova ilícitaA nova interpretação do princípio da proibição da prova ilícita
A nova interpretação do princípio da proibição da prova ilícitaPedro Trassantes
 
Sentença stf vereador robson - bananal - sp
Sentença stf   vereador robson - bananal - spSentença stf   vereador robson - bananal - sp
Sentença stf vereador robson - bananal - spdouglasvelasques
 

Semelhante a Defesa questiona iniciativa probatória do juiz em ação contra Lula (20)

Defesa de Lula
Defesa de LulaDefesa de Lula
Defesa de Lula
 
Memorial apelação d asentença de Moro
Memorial apelação d asentença de MoroMemorial apelação d asentença de Moro
Memorial apelação d asentença de Moro
 
Memorial Lula
Memorial LulaMemorial Lula
Memorial Lula
 
pETIÇÃO JANOT bETINHO gOMES
pETIÇÃO JANOT bETINHO gOMESpETIÇÃO JANOT bETINHO gOMES
pETIÇÃO JANOT bETINHO gOMES
 
Romerio juca 2
Romerio juca 2Romerio juca 2
Romerio juca 2
 
MPF LULA
MPF LULAMPF LULA
MPF LULA
 
Manifestação da República do Paraná contra Lula
Manifestação da República do Paraná contra LulaManifestação da República do Paraná contra Lula
Manifestação da República do Paraná contra Lula
 
Decio lima e ana paula lima
Decio lima e ana paula limaDecio lima e ana paula lima
Decio lima e ana paula lima
 
Representação por excesso de prazo min. gilmar mendes - dep. jorge solla
Representação por excesso de prazo   min. gilmar mendes - dep. jorge sollaRepresentação por excesso de prazo   min. gilmar mendes - dep. jorge solla
Representação por excesso de prazo min. gilmar mendes - dep. jorge solla
 
Esa.2013.01(deontologia jurã­dica)
Esa.2013.01(deontologia jurã­dica)Esa.2013.01(deontologia jurã­dica)
Esa.2013.01(deontologia jurã­dica)
 
Voto 2608-2014 (1)
Voto 2608-2014 (1)Voto 2608-2014 (1)
Voto 2608-2014 (1)
 
Direito processual civil todo 3º ano furg
Direito processual civil   todo 3º ano furgDireito processual civil   todo 3º ano furg
Direito processual civil todo 3º ano furg
 
Desjudicialização: avanços, desafios e novas demandas.
Desjudicialização: avanços, desafios e novas demandas.Desjudicialização: avanços, desafios e novas demandas.
Desjudicialização: avanços, desafios e novas demandas.
 
Advogados publicam manifesto e lançam campanha
Advogados publicam manifesto e lançam campanhaAdvogados publicam manifesto e lançam campanha
Advogados publicam manifesto e lançam campanha
 
STF suspende mais duas ações penais da Lava Jato contra Lula
STF suspende mais duas ações penais da Lava Jato contra LulaSTF suspende mais duas ações penais da Lava Jato contra Lula
STF suspende mais duas ações penais da Lava Jato contra Lula
 
Habeas corpus de Henrique Alves: 0805054-39.2017.4.05.0000
Habeas corpus de Henrique Alves: 0805054-39.2017.4.05.0000Habeas corpus de Henrique Alves: 0805054-39.2017.4.05.0000
Habeas corpus de Henrique Alves: 0805054-39.2017.4.05.0000
 
Edison lobão
Edison lobãoEdison lobão
Edison lobão
 
A nova interpretação do princípio da proibição da prova ilícita
A nova interpretação do princípio da proibição da prova ilícitaA nova interpretação do princípio da proibição da prova ilícita
A nova interpretação do princípio da proibição da prova ilícita
 
Excecao01
Excecao01Excecao01
Excecao01
 
Sentença stf vereador robson - bananal - sp
Sentença stf   vereador robson - bananal - spSentença stf   vereador robson - bananal - sp
Sentença stf vereador robson - bananal - sp
 

Mais de Nossa Política

CUT/Vox Populi: Lula venceria todos os adversários no 1º e 2º turno de 2018
CUT/Vox Populi: Lula venceria todos os adversários no 1º e 2º turno de 2018CUT/Vox Populi: Lula venceria todos os adversários no 1º e 2º turno de 2018
CUT/Vox Populi: Lula venceria todos os adversários no 1º e 2º turno de 2018Nossa Política
 
Moro não apagou os grampos dos advogados de Lula
Moro não apagou os grampos dos advogados de LulaMoro não apagou os grampos dos advogados de Lula
Moro não apagou os grampos dos advogados de LulaNossa Política
 
Recibos de pagamento de locação do triplex
Recibos de pagamento de locação do triplexRecibos de pagamento de locação do triplex
Recibos de pagamento de locação do triplexNossa Política
 
Subprocuradora-geral da República aponta parcialidade de Moro
Subprocuradora-geral da República aponta parcialidade de MoroSubprocuradora-geral da República aponta parcialidade de Moro
Subprocuradora-geral da República aponta parcialidade de MoroNossa Política
 
Operação Quadro Negro: Delação contra Beto Richa
Operação Quadro Negro: Delação contra Beto RichaOperação Quadro Negro: Delação contra Beto Richa
Operação Quadro Negro: Delação contra Beto RichaNossa Política
 
Magistrados de SP: 99,88% ultrapassam o teto salarial
Magistrados de SP: 99,88% ultrapassam o teto salarialMagistrados de SP: 99,88% ultrapassam o teto salarial
Magistrados de SP: 99,88% ultrapassam o teto salarialNossa Política
 
Em 1993, o TCU expunha os malfeitos de Doria à frente da Embratur
Em 1993, o TCU expunha os malfeitos de Doria à frente da EmbraturEm 1993, o TCU expunha os malfeitos de Doria à frente da Embratur
Em 1993, o TCU expunha os malfeitos de Doria à frente da EmbraturNossa Política
 
CUT/Vox Populi: Para 94% Temer é o pior presidente da história do Brasil
CUT/Vox Populi: Para 94% Temer é o pior presidente da história do BrasilCUT/Vox Populi: Para 94% Temer é o pior presidente da história do Brasil
CUT/Vox Populi: Para 94% Temer é o pior presidente da história do BrasilNossa Política
 
Íntegra da denúncia da PGR contra Michel Temer
Íntegra da denúncia da PGR contra Michel TemerÍntegra da denúncia da PGR contra Michel Temer
Íntegra da denúncia da PGR contra Michel TemerNossa Política
 
CUT/VOX Populi: Lula atinge 50% e bateria todos os adversários
CUT/VOX Populi: Lula atinge 50% e bateria todos os adversáriosCUT/VOX Populi: Lula atinge 50% e bateria todos os adversários
CUT/VOX Populi: Lula atinge 50% e bateria todos os adversáriosNossa Política
 
Temer anuncia o fim do Farmácia Popular
Temer anuncia o fim do Farmácia PopularTemer anuncia o fim do Farmácia Popular
Temer anuncia o fim do Farmácia PopularNossa Política
 
Governo Golpista: Um ano de retrocessos
Governo Golpista: Um ano de retrocessosGoverno Golpista: Um ano de retrocessos
Governo Golpista: Um ano de retrocessosNossa Política
 
CUT/Vox Populi: Lula seria eleito em 1º turno em 2018
CUT/Vox Populi: Lula seria eleito em 1º turno em 2018CUT/Vox Populi: Lula seria eleito em 1º turno em 2018
CUT/Vox Populi: Lula seria eleito em 1º turno em 2018Nossa Política
 
[Despacho] Justiça manda retirar falsa propaganda da Previdência do ar
[Despacho] Justiça manda retirar falsa propaganda da Previdência do ar[Despacho] Justiça manda retirar falsa propaganda da Previdência do ar
[Despacho] Justiça manda retirar falsa propaganda da Previdência do arNossa Política
 
PT protocola representação contra delegados federais
PT protocola representação contra delegados federaisPT protocola representação contra delegados federais
PT protocola representação contra delegados federaisNossa Política
 
Campanha “Gente Boa Também Mata”: só a TV Globo levou R$ 3,2 milhões
Campanha “Gente Boa Também Mata”: só a TV Globo levou R$ 3,2 milhõesCampanha “Gente Boa Também Mata”: só a TV Globo levou R$ 3,2 milhões
Campanha “Gente Boa Também Mata”: só a TV Globo levou R$ 3,2 milhõesNossa Política
 
Em resolução, PT nega apoio a candidaturas na Câmara e no Senado
Em resolução, PT nega apoio a candidaturas na Câmara e no SenadoEm resolução, PT nega apoio a candidaturas na Câmara e no Senado
Em resolução, PT nega apoio a candidaturas na Câmara e no SenadoNossa Política
 
Prefeito baiano entrega chaves de cidade a Deus
Prefeito baiano entrega chaves de cidade a DeusPrefeito baiano entrega chaves de cidade a Deus
Prefeito baiano entrega chaves de cidade a DeusNossa Política
 
Temer quer que você trabalhe até morrer
Temer quer que você trabalhe até morrerTemer quer que você trabalhe até morrer
Temer quer que você trabalhe até morrerNossa Política
 
PSOL protocola impeachment de Michel Temer
PSOL protocola impeachment de Michel TemerPSOL protocola impeachment de Michel Temer
PSOL protocola impeachment de Michel TemerNossa Política
 

Mais de Nossa Política (20)

CUT/Vox Populi: Lula venceria todos os adversários no 1º e 2º turno de 2018
CUT/Vox Populi: Lula venceria todos os adversários no 1º e 2º turno de 2018CUT/Vox Populi: Lula venceria todos os adversários no 1º e 2º turno de 2018
CUT/Vox Populi: Lula venceria todos os adversários no 1º e 2º turno de 2018
 
Moro não apagou os grampos dos advogados de Lula
Moro não apagou os grampos dos advogados de LulaMoro não apagou os grampos dos advogados de Lula
Moro não apagou os grampos dos advogados de Lula
 
Recibos de pagamento de locação do triplex
Recibos de pagamento de locação do triplexRecibos de pagamento de locação do triplex
Recibos de pagamento de locação do triplex
 
Subprocuradora-geral da República aponta parcialidade de Moro
Subprocuradora-geral da República aponta parcialidade de MoroSubprocuradora-geral da República aponta parcialidade de Moro
Subprocuradora-geral da República aponta parcialidade de Moro
 
Operação Quadro Negro: Delação contra Beto Richa
Operação Quadro Negro: Delação contra Beto RichaOperação Quadro Negro: Delação contra Beto Richa
Operação Quadro Negro: Delação contra Beto Richa
 
Magistrados de SP: 99,88% ultrapassam o teto salarial
Magistrados de SP: 99,88% ultrapassam o teto salarialMagistrados de SP: 99,88% ultrapassam o teto salarial
Magistrados de SP: 99,88% ultrapassam o teto salarial
 
Em 1993, o TCU expunha os malfeitos de Doria à frente da Embratur
Em 1993, o TCU expunha os malfeitos de Doria à frente da EmbraturEm 1993, o TCU expunha os malfeitos de Doria à frente da Embratur
Em 1993, o TCU expunha os malfeitos de Doria à frente da Embratur
 
CUT/Vox Populi: Para 94% Temer é o pior presidente da história do Brasil
CUT/Vox Populi: Para 94% Temer é o pior presidente da história do BrasilCUT/Vox Populi: Para 94% Temer é o pior presidente da história do Brasil
CUT/Vox Populi: Para 94% Temer é o pior presidente da história do Brasil
 
Íntegra da denúncia da PGR contra Michel Temer
Íntegra da denúncia da PGR contra Michel TemerÍntegra da denúncia da PGR contra Michel Temer
Íntegra da denúncia da PGR contra Michel Temer
 
CUT/VOX Populi: Lula atinge 50% e bateria todos os adversários
CUT/VOX Populi: Lula atinge 50% e bateria todos os adversáriosCUT/VOX Populi: Lula atinge 50% e bateria todos os adversários
CUT/VOX Populi: Lula atinge 50% e bateria todos os adversários
 
Temer anuncia o fim do Farmácia Popular
Temer anuncia o fim do Farmácia PopularTemer anuncia o fim do Farmácia Popular
Temer anuncia o fim do Farmácia Popular
 
Governo Golpista: Um ano de retrocessos
Governo Golpista: Um ano de retrocessosGoverno Golpista: Um ano de retrocessos
Governo Golpista: Um ano de retrocessos
 
CUT/Vox Populi: Lula seria eleito em 1º turno em 2018
CUT/Vox Populi: Lula seria eleito em 1º turno em 2018CUT/Vox Populi: Lula seria eleito em 1º turno em 2018
CUT/Vox Populi: Lula seria eleito em 1º turno em 2018
 
[Despacho] Justiça manda retirar falsa propaganda da Previdência do ar
[Despacho] Justiça manda retirar falsa propaganda da Previdência do ar[Despacho] Justiça manda retirar falsa propaganda da Previdência do ar
[Despacho] Justiça manda retirar falsa propaganda da Previdência do ar
 
PT protocola representação contra delegados federais
PT protocola representação contra delegados federaisPT protocola representação contra delegados federais
PT protocola representação contra delegados federais
 
Campanha “Gente Boa Também Mata”: só a TV Globo levou R$ 3,2 milhões
Campanha “Gente Boa Também Mata”: só a TV Globo levou R$ 3,2 milhõesCampanha “Gente Boa Também Mata”: só a TV Globo levou R$ 3,2 milhões
Campanha “Gente Boa Também Mata”: só a TV Globo levou R$ 3,2 milhões
 
Em resolução, PT nega apoio a candidaturas na Câmara e no Senado
Em resolução, PT nega apoio a candidaturas na Câmara e no SenadoEm resolução, PT nega apoio a candidaturas na Câmara e no Senado
Em resolução, PT nega apoio a candidaturas na Câmara e no Senado
 
Prefeito baiano entrega chaves de cidade a Deus
Prefeito baiano entrega chaves de cidade a DeusPrefeito baiano entrega chaves de cidade a Deus
Prefeito baiano entrega chaves de cidade a Deus
 
Temer quer que você trabalhe até morrer
Temer quer que você trabalhe até morrerTemer quer que você trabalhe até morrer
Temer quer que você trabalhe até morrer
 
PSOL protocola impeachment de Michel Temer
PSOL protocola impeachment de Michel TemerPSOL protocola impeachment de Michel Temer
PSOL protocola impeachment de Michel Temer
 

Defesa questiona iniciativa probatória do juiz em ação contra Lula

  • 1. JOSÉ ROBERTO BATOCHIO ADVOGADOS ASSOCIADOS EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 13ª VARA CRIMINAL FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE CURITIBA/PR "El juicio es un mecanismo delicado como un aparato de relojería: basta cambiar la posición de una ruedecilla para que el mecanismo resulte desequilibrado e comprometido".1 Ação Penal n.º 5046512-94.2016.4.04.7000/PR LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA e MARISA LETÍCIA LULA DA SILVA, já qualificados nos autos da ação penal em epígrafe, vêm, por seus advogados infra-assinados, à presença de Vossa Excelência, respeitosamente, expor e requerer o que segue. I. NÃO RECONHECIMENTO DA COMPETÊNCIA E DA LEGITIMIDADE DO JUÍZO Primeiramente, necessário salientar que os Peticionários não reconhecem a competência do Juízo da 13ª Vara Criminal de Curitiba para a condução e julgamento do presente feito, pois ainda estão sub judice exceções de suspeição e incompetência opostas pela Defesa. 1 CARNELUTTI, Francesco. Derecho Procesal Civil y Penal, México: Episa, 1997, p. 342.
  • 2. JOSÉ ROBERTO BATOCHIO ADVOGADOS ASSOCIADOS II. A INICIATIVA PROBATÓRIA DO JUÍZO Outrossim, em 23.11.2016, Vossa Excelência, agindo de ofício na instrução do presente feito, requisitou à 10ª Vara Federal de Brasília/DF informações acerca da fase atual de ações penais que tramitam perante aquele Juízo em desfavor do Primeiro Peticionário, bem como o encaminhamento de cópia das respectivas denúncias (evento 264). Em resposta, a 10ª. Vara Federal de Brasília/DF encaminhou a este Juízo informações processuais a respeito de duas ações penais que lá tramitam em desfavor do Primeiro Peticionário, bem como cópia da denúncia e do aditamento referente à ação penal n.º 0042543-76.2016.4.01.3400 e, ainda, cópia da denúncia referente à ação penal n.º 16093-96.2016.4.01.3400 (evento 278). No entanto, data venia, tais documentos devem ser desentranhados, (i) seja porque ferem o sistema acusatório, (ii) seja porque não encontram ligação com o objeto da presente ação penal. Senão, vejamos. III. DA VIOLAÇÃO AO SISTEMA ACUSATÓRIO E DE MAIS UM ATO QUE DEMONSTRA AGIR O JUIZ NO PAPEL DE ACUSADOR De longa data o Peticionário demonstra que Vossa Excelência perdeu a necessária imparcialidade para julgá-lo. Nessa linha, eis alguns fatos que foram devidamente comprovados: (i) buscas e apreensões na residência e escritório do Primeiro Peticionário e de seus familiares, com fundamentação destoante das disposições legais de regência e antecipação de juízo de valor sobre os fatos postos em controvérsia; (ii) sua condução coercitiva sem prévia intimação, com manifesta infringência ao disposto no artigo 260 do Código de Processo Penal; (iii) determinação da interceptação telefônica dos terminais de titularidade do Primeiro Peticionário, familiares e advogados, com afronta às regras da Lei n.
  • 3. JOSÉ ROBERTO BATOCHIO ADVOGADOS ASSOCIADOS 9.296/96 e à garantia constitucional da inviolabilidade das comunicações (CF/88, artigo 5º, XII); (iv) monitoramento da estratégia da defesa técnica, em afronta aberta ao princípio maior da ampla defesa (CF/88, artigo 5º, LV) e do livre exercício da própria advocacia; (v) ilícito levantamento do sigilo de diálogos interceptados e gravados, decisum que, sobre ser ilegal, denota fins estranhos ao processo; (vi) usurpação da competência do Supremo Tribunal Federal ao divulgar e fazer juízo de valor sobre diálogos mantidos com autoridades detentoras de foro especial por prerrogativa de função na Corte Excelsa; (vii) exteriorização de juízo de condenação preconcebida ao prestar informações ao STF; (viii) confissão expressa da ilegalidade por si próprio cometida, com subsequente pedido de escusas ao STF; (ix) infinitas e sucessivas prorrogações de competência, com dedicação exclusiva de Vossa Excelência à cognição dos feitos relativos à Operação "Lava-Jato", em afronta ao artigo 5º, XXXVII, da Constituição Federal; (x) proximidade com setores da imprensa, que promovem o vazamento sistemático de atos processuais e dados pessoais do Peticionário; (xi) participação em eventos organizados por inimigos políticos que se opõem ao Primeiro Peticionário, hostilizando-o; (xii) edição de 03 (três) livros que tem por tema a pessoa de Vossa Excelência e a Operação "Lava-Jato" — com a presença do magistrado em pelo menos um dos lançamentos, corroborando o conteúdo da obra inclusive em relação às acusações feitas ao Primeiro Peticionário; (xiii) pessoal, direto e completo envolvimento nos atos da fase investigatória, a contaminar sua imparcialidade para decidir a causa. (xiv) antecipação de juízo de valor condenatório em decisão que recebeu a denúncia que deflagrou a ação penal. Não bastasse, os fatos que demonstram a ausência de um julgamento justo e imparcial para os Peticionários se avolumam a cada dia. A própria condução das audiências de instrução também serve para corroborar esse cenário, máxime quando Vossa Excelência acusa a Defesa de atuar de forma “retórica” e “sem argumentos”.
  • 4. JOSÉ ROBERTO BATOCHIO ADVOGADOS ASSOCIADOS Como exposto acima, desta feita, a Defesa se depara com iniciativa probatória de Vossa Excelência ao requisitar informações e cópia de ações penais que tramitam perante a 10ª. Vara Federal de Brasília. Essa situação, à toda evidência, colide com o sistema acusatório adotado pelo direito pátrio. De fato, a despeito de o art. 156 do Código de Processo Penal possibilitar a produção de provas de ofício pelo Magistrado, tem-se que tal possibilidade fere de morte o sistema acusatório, atribuindo a este verdadeiro papel inquisitorial, contrariando o disposto na Constituição da República (art. 129, I). A assunção dos papéis de julgador e de investigador pelo magistrado é incompatível, pois afeta a necessária – e imprescindível – imparcialidade do juiz. A esse respeito, luminosa a percepção de AURY LOPES JR.: "Fica evidente a insuficiência de uma separação inicial de atividades se, depois, o juiz assume um papel claramente inquisitorial. O juiz deve manter uma posição de alheamento, afastamento da arena das partes, ao longo de todo o processo. Deve-se descarregar o juiz de atividades inerentes às partes, para assegurar sua imparcialidade. Nesse contexto, o art. 156 do CPP funda um sistema inquisitório, pois representa uma quebra da igualdade, do contraditório, da própria estrutura dialética do processo. Como decorrência, fulminam a principal garantia da jurisdição, que é a imparcialidade do julgador. Está desenhado um processo inquisitório." (destacou-se)2 Com a maestria que lhe é habitual, também lecionou NEREU GIACOMOLLI, destacando, igualmente, que a iniciativa probatória judicial culmina o processo inquisitivo: "Parte-se do devido processo, engendrado pela convencionalidade e constitucionalidade, razão de ser da delimitação funcional dos sujeitos no processo penal. Montero Aroca afirma que o denominado processo inquisitivo 2 LOPES JR. Aury. Bom para quê(m)? Boletim IBCCRIM, ano 188, Julho/2008. Disponível em: <http://www.ibccrim.org.br/boletim_artigo/3684-Bom-para-quem> Acesso em: nov. 2016
  • 5. JOSÉ ROBERTO BATOCHIO ADVOGADOS ASSOCIADOS (contraditio in terminis, por não se tratar de processo) nunca foi um verdadeiro processo, não havendo processo se o acusador é, ao mesmo tempo, juiz ou assume poderes materiais, inclusive de realizar prova de ofício. (...) Nesse modelo acusatório incumbe à acusação e não ao magistrado a proposição e a produção da prova condenatória. A única admissibilidade válida é da atuação ex officio do magistrado para garantir e proteger os direitos e a liberdade do imputado, como guardião das liberdades. A função do juiz no processo é analisar a admissibilidade dos meios de prova e da metodologia probatória, avaliando o que for produzido nos autos."3 (destacou- se) Nessa senda, EUGÊNIO PACELLI DE OLIVEIRA destaca a violação não só ao sistema acusatório, mas também à paridade de armas. "Nesse ponto, o princípio acusatório imposto pela Constituição Federal de 1988, no qual foram delimitadas as funções do juiz e as atribuições do Ministério Público, deverá funcionar como um redutor e/ou controlador da aplicação do mencionado dispositivo, em face da imparcialidade que deve nortear a atuação judicial. (...) Falamos, agora, na imparcialidade no que se refere à atuação concreta do juiz no processo, de modo a impedir que este adote postura tipicamente acusatória no processo, quando, por exemplo, entender deficiente a atividade desenvolvida pelo ministério Público. O juiz não poderá desigualar as forças produtoras da prova no processo, sob pena de violação dos princípios constitucionais do contraditório e da ampla defesa, ambos reunidos na exigência de igualdade e isonomia de oportunidades e faculdades processuais."4 (destacou-se) Nesse sentido, também é o entendimento de GERALDO PRADO: "Quem procura sabe ao certo o que pretende encontrar e isso, em termos de processo penal condenatório, representa uma inclinação ou tendência perigosamente comprometedora da imparcialidade do julgador. Desconfiado da culpa do acusado, investe o juiz na direção da introdução de meios provas que sequer foram consideradas pelo órgão de acusação, ao qual, nestas circunstancias, acaba por substituir. Mais do que isso, o mesmo tipo de comprometimento psicológico objeto das reservas quanto ao poder do próprio juiz iniciar o processo, aqui igualmente se verificará, na medida em que o juiz se fundamentara, normalmente, nos elementos de prova que ele mesmo incorporou ao feito, por considerar importantes para o deslinde da questão, o que afastará da desejável posição de seguro distanciamento das partes e de seus interesses contrapostos, posição esta apta a permitir a melhor ponderação e conclusão."5 (destacou-se) 3 GIACOMOLLI. Nereu José. O devido Processo Penal. São Paulo: Atlas, 2014, p. 181.182 4 OLIVEIRA, Eugênio Paccelli. Curso de processo penal. São Paulo: Atlas, 2014, p. 338. 5 PRADO, Guilherme. Sistema acusatório: a conformidade constitucional das leis processuais penais. 3. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2005. p. 137.
  • 6. JOSÉ ROBERTO BATOCHIO ADVOGADOS ASSOCIADOS Veja-se que, sob o mesmo entendimento, decidira o E. Tribunal Regional Federal da 4ª Região: “Cabe à acusação, preleciona o jurista Fernando da Costa Tourinho Filho, ´provar a existência do fato e demonstrar sua autoria. Também lhe cabe demonstrar o elemento subjetivo que se traduz por dolo ou culpa. Se o réu goza de presunção de inocência, é evidente que a prova do crime, quer a parte objecti, quer a parte subjecti, deve ficar a cargo da acusação` (Processo Penal. 14.ed. Saraiva: São Paulo, 1993. v. III, p. 213). Assim, não tendo o Ministério Público Federal arcado com o ônus material de provar a imputação penal atribuída ao réu na denúncia, encargo que lhe é conferido pelo art. 156, 1ª parte, do CPP, deve ser reformada a r. sentença condenatória em relação aos crimes dos arts. 334, § 1º, alínea "c", e 288, ambos do CP.” (TRF4, ACR 2005.04.01.009927-8, OITAVA TURMA, Relator PAULO AFONSO BRUM VAZ, D.E. 10/01/2007) ---------------------------------------------------------------------------------------------- PENAL. PROCESSUAL PENAL. APROPRIAÇÃO INDÉBITA PREVIDENCIÁRIA. ARTIGO 168-A C/C ARTIGO 71, AMBOS DO CÓDIGO PENAL. PRINCÍPIO ACUSATÓRIO. ARTIGO 156, CAPUT E INCISO II, DO CÓDIGO PENAL. INSUFICIÊNCIA DE PROVAS DA AUTORIA DELITIVA. ABSOLVIÇÃO. ARTIGO 386, VII, DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL. 1. Em face do princípio acusatório que deve reger o processo penal brasileiro, a iniciativa e consequente ônus probatório deve ficar prioritariamente nas mãos das partes e apenas supletivamente nas mãos do órgão jurisdicional. 2. O artigo 156, II, do Código Penal expressa que a determinação, por parte do magistrado, de diligências, antes de proferida a sentença, é permitida nos casos em que se pretende dirimir dúvida sobre ponto relevante, o que não se confunde com substituir a atividade do órgão acusatório, o qual, in casu, não requereu a produção de nenhuma prova que corroborasse a sua tese. 3. Se o Ministério Público Federal não se desincumbiu de provar a imputação penal consubstanciada na denúncia, ônus que lhe é atribuído pelo artigo 156, 1ª parte, do Código de Processo Penal, impõe-se absolvição do réu, forte no artigo 386, VII, do referido diploma legal. (TRF4, ACR 0000322- 82.2008.404.7116, OITAVA TURMA, Relator VICTOR LUIZ DOS SANTOS LAUS, D.E. 23/05/2013) Dessa forma, resta evidente que, ao agir de ofício, determinando a juntada das referidas denúncias – que, conforme se verá, sequer guardam relação com os autos –, Vossa Excelência, vênia concedida, afrontou o preceito constitucional do sistema acusatório. Ao assumir o papel de juiz-acusador, demonstra-se, mais uma vez, a perda da necessária imparcialidade para julgar os aqui Peticionários.
  • 7. JOSÉ ROBERTO BATOCHIO ADVOGADOS ASSOCIADOS IV. DA AUSÊNCIA DE RELAÇÃO ENTRE A PRESENTE AÇÃO PENAL E AQUELAS QUE TRAMITAM PERANTE A 10ª VARA FEDERAL DE BRASÍLIA. Primeiramente, é preciso recordar que a ação penal nº 0042543- 76.2016.4.01.3400 foi distribuída à Justiça Federal do Distrito Federal após r. decisão proferida pelo Eminente Ministro Teori Zavascki declinando a competência do Excelso Supremo Tribunal Federal. Naquela oportunidade, a Suprema Corte fez consignar que essa demanda não tem conexão com os processos da Lava Jato que tramitam perante este Juízo. Para maior clareza, confira-se o seguinte trecho da r. decisão proferida pelo Eminente Ministro Teori Zavascki: (...) Não bastasse, é preciso reafirmar que os temas tratados nas ações penais 0042543-76.2016.4.01.3400 e 0016093-96.2016.4.01.3400 são distintos daqueles
  • 8. JOSÉ ROBERTO BATOCHIO ADVOGADOS ASSOCIADOS tratados na presente ação penal, não havendo fundamento jurídico que justifique seu acautelamento nos presentes autos. Relativamente à primeira ação penal supramencionada, acrescente-se, ainda, esta já se encontra em fase mais avançada, tendo a Defesa apresentado Resposta à acusação, no bojo da qual foram desconstruídas todas as acusações feitas ao Primeiro Peticionário. Também, em audiências realizadas nos dias 08.11.2016 e 28.11.2016, as testemunhas ouvidas nada imputaram ao Primeiro Peticionário e foram de encontro ao teor da denúncia. V. DOS PEDIDOS Dessa forma, é a presente para requerer o desentranhamento das denúncias acostadas no evento 278, vez não guardarem qualquer ligação com o objeto destes autos. Caso Vossa Excelência assim não entenda, o que se aventa pela condescendência dialética, requer-se seja expedido novo ofício ao juízo da 10ª Vara Criminal Federal do Distrito Federal para que sejam encaminhados para estes autos os vídeos e áudios relativos aos termos de depoimento já prestados pelas testemunhas arroladas — os quais ainda não estão disponíveis para acesso da defesa. É o que fica postulado. Termos em que, Pedem deferimento. Curitiba (PR), 05 de dezembro de 2016. ROBERTO TEIXEIRA OAB/SP 22.823 CRISTIANO ZANIN MARTINS OAB/SP 172.730 JOSÉ ROBERTO BATOCHIO OAB/SP 20.685 JUAREZ CIRINO DOS SANTOS OAB/PR 3.374