SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
ROTEIRO DE AUDIÊNCIAS TRABALHISTAS
Existem 4 tipos de audiências na justiça do trabalho, sendo elas audiência INICIAL
(Conciliação, nomeação de perito, etc), UNA (Concentração dos atos conciliatórios e
instrutórios na mesma audiência.), Instrução (geralmente precede uma audiência
inicial) e Julgamento (Prolação da sentença).
FUNDAMENTO JURÍDICO: Inicial, instrução e julgamento art. 846, CLT. UNA art.
852-C e seguintes CLT.
DICA: 1. Leia atentamente a intimação para as audiências, pois nesta consta o tipo de
audiência a ser realizada, se há necessidade de testemunhas ou não, quais documentos a
levar, além do horário e local das audiências.
AUDIÊNCIA UNA
Este roteiro focará somente na audiência UNA, por ser a mais corriqueira e que
concentra a maior parte dos atos processuais.
A audiência UNA geralmente é designada para ações cujo rito é o Sumaríssimo (valor
da causa de 2 a 40 salários mínimos. Art. 852-A e ss CLT).
1) Na data e horário marcado o juiz apregoará as partes para adentrar a sala de
audiência, e aqui vai uma dica, evite ficar em outros locais da vara, pois
chamada uma, duas vezes, se não comparecer na sala de audiência o juiz pode
decretar a revelia (reclamada) e ou arquivamento (reclamante). Ler OJ 245, SDI-
I, TST. Caso o juiz atrase por 15 minutos pode o advogado se retirar da vara,
porém peticionar avisando do atraso. Art. 815, § único CLT.
2) Ao adentrar na sala de audiências, atentar para o local onde as partes sentam, o
reclamante senta na mão esquerda do juiz, a reclamada na mão direita.
3) Entregar os documentos e OAB para o servidor responsável ao lado do juiz.
4) O juiz perguntará se há acordo e aqui o advogado que tem mais jogo de cintura
leva. Dica: Primeiramente, avalie a qualidade das provas e os pedidos
formulados, se for reclamante, considere se suas testemunhas poderão provar o
alegado, se são de confiança, se não inventarão fatos (totalmente antiético), se
vão se portar bem ante a pressão, etc. Verificar também o conjunto probatório da
reclamada, se as testemunhas são passíveis de contradita, se os documentos
acostados são verdadeiros, e dentro dessa dica deixo outra dica, só faça acordo
após ver a defesa.
EXEMPLO E ACORDO: Uma causa cujo valor é de 10 mil. O advogado do
reclamante deve ir com dois valores em mente, o que realmente quer e o que
usará para negociar. Se o reclamante quer no mínimo 6 mil, NUNCA fale esse
valor de imediato, e sim um valor aproximado, como no caso 8 mil, nisso a
empresa vai oferecer 5 mil, o reclamante pede novamente os 8 mil se a
reclamada não aceitar, para fim de conversa, ofereça 6 mil, algumas reclamadas
podem ficar nos 5 mil, porém algumas podem aceitar por entender a vantagem
de 8 para 6 mil.
5) Após a tentativa de conciliação, exitosa o juiz ditará os termos do acordo, nesse
caso é sempre pedir para constar 50% de multa em caso de descumprimento, e
se houver parcelamento, o vencimento antecipado das vincendas.
6) Caso não ocorra o acordo, o juiz vai fixar os pontos controvertidos (que serão
debatidos na instrução), pedindo a defesa para entregar ao reclamante, momento
em que abrirá prazo para manifestação do advogado em réplica. Aqui segue uma
réplica simples e genérica que eu uso: “Excelência, reitero os termos da inicial
impugnando todos os pedidos e teses, além dos documentos acostados”.
ATENÇÃO: Se houver alguma preliminar arguida, é de bom grado o advogado
do reclamante se manifestar sobre tal, como exemplo, exceção de incompetência
relativa em razão do território. Exemplo de réplica: “Excelência, a ré arguiu
exceção de incompetência territorial, porém não merece ser acolhida pois,
considerando os princípios protetivos do direito do trabalho, bem como fácil e
amplo acesso ao judiciário pelo empregador, além da hipossuficiência vez que a
empresa tem mais condições financeiras de arcar com as custas de se locomover
do que o reclamante, deve este processo ser julgado nesta vara”.
7) Passa a fase de réplica, o juiz vai pedir para a reclamada sair e vai recolher o
depoimento do reclamante, geralmente os juízes dispensam, mas como
advogado do reclamante é importante ouvir a reclamada se ela tiver vínculo com
os fatos, pois daí pode se retirar a confissão espontânea dela. Ouvido o
reclamante o juiz mandará a reclamada entrar e colher o seu depoimento. O
Advogado do reclamante não poderá fazer perguntas para o mesmo, assim como
o da reclamada para seu preposto, somente um pode perguntar para a parte
adversa.
8) Colhido os depoimentos, o juiz chama a testemunha da reclamada (ou vice e
versa, depende do juiz), e nesse momento o advogado adverso deve estar atento
para saber contraditar, pois no momento que a testemunha adentrar na sala e for
qualificada deve o advogado arguir a contradita, não pode esperar o juiz fazer a
primeira pergunta, exemplo de contradita: “Excelência, pela ordem, gostaria de
contraditar a testemunha”. O juiz vai perguntar “por qual motivo doutor?”. “Por
amizade intima Excelência, a testemunha é madrinha da filha da reclamante”. O
juiz vai perguntar para a testemunha se procede, se a testemunha negar, poderá o
advogado utilizar de outra testemunha (se tiver) para instruir a contradita e
comprovar os fatos, pode ser testemunha da parte contrária, como no exemplo
acima, da reclamante, assim se essa testemunha do reclamante for chamada para
instruir a contradita, não poderá sair da sala novamente, perdendo o reclamante
uma testemunha.
DICA: muito se tem dúvida quanto as testemunhas que não comparecem e quais
possibilidades de designar nova audiência. Simples: se o rito for ordinário,
arrolar na inicial as testemunhas a serem ouvidas, se não comparecerem em
audiência o juiz de ofício o a requerimento da parte poderá pedir a sua condução
coercitiva remarcando nova audiência para sua oitiva. Art. 825, § único CLT.
Se o rito for Sumário, o ideal é antes de entrar com a ação o advogado fornecer a
testemunha um convite, assinado por esta, e juntar nos autos, pois se no dia da
audiência esta não comparecer, comprovando o convite, o juiz designará nova
audiência. Art. 852- CLT.
9) Acolhida ou não a contradita, o juiz vai compromissar a testemunha e colher seu
depoimento, abrindo para que cada advogado faça as perguntas que achar
melhor. Se o juiz indeferir as perguntas, protesta para que conste em ata,
geralmente os juízes pedem para constar no final, por isso é importante anotar as
perguntas indeferidas. Um direito do advogado que é pouco usado é o da palavra
pela ordem para esclarecer alguma coisa pendente em audiência, como, por
exemplo, a testemunha que não entendeu a pergunta do juiz e responde que não
sabe ou não entendeu, podendo o advogado pedir pela ordem para explicar a
pergunta a sua testemunha.
10) Qualquer incidente em que o advogado seja privado de exercer o pleno direito
de defesa de seu cliente deve ser constado em ata através do protesto.
11) Passada a fase instrutória, o juiz perguntará as partes se há razões finais a fazer,
podendo o advogado utilizar-se de 10 minutos para tal ou requerer prazo para
fazer posteriormente.
12) O juiz tentará mais uma vez a conciliação e não havendo, encerra-se a instrução.
Roteiro elaborado por Tiago Cunha Pereira OAB/SP 333.562, advogado em
Indaiatuba/SP.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2132 - MANIFESTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE PROVAS - NOVO CPC
2132 - MANIFESTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE PROVAS - NOVO CPC 2132 - MANIFESTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE PROVAS - NOVO CPC
2132 - MANIFESTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE PROVAS - NOVO CPC Consultor JRSantana
 
Réplica em Ação Indenizatória
Réplica em Ação IndenizatóriaRéplica em Ação Indenizatória
Réplica em Ação IndenizatóriaConsultor JRSantana
 
Recursos Trabalhistas
Recursos TrabalhistasRecursos Trabalhistas
Recursos TrabalhistasCesar Machado
 
Aryanna manfredini manual de prática trabalhista
Aryanna manfredini   manual de prática trabalhistaAryanna manfredini   manual de prática trabalhista
Aryanna manfredini manual de prática trabalhistaFabio Frank Soares
 
Coletânea de exercícios teoria geral do processo (1)
Coletânea de exercícios teoria geral do processo  (1)Coletânea de exercícios teoria geral do processo  (1)
Coletânea de exercícios teoria geral do processo (1)Leonardo Chagas
 
Direito Processual do Trabalho para Concurso TST
Direito Processual do Trabalho para Concurso TSTDireito Processual do Trabalho para Concurso TST
Direito Processual do Trabalho para Concurso TSTEstratégia Concursos
 
Contrato de Empreitada - Direito Civil - Contratos
Contrato de Empreitada - Direito Civil - ContratosContrato de Empreitada - Direito Civil - Contratos
Contrato de Empreitada - Direito Civil - Contratoslerroyt
 
Modelo Destituir advogado
Modelo Destituir advogadoModelo Destituir advogado
Modelo Destituir advogadoNathalia_uny
 
Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e Intervenção de Terceiros)
Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e  Intervenção de Terceiros)Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e  Intervenção de Terceiros)
Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e Intervenção de Terceiros)Antonio Pereira
 
Processo do Trabalho - Recursos
Processo do Trabalho - RecursosProcesso do Trabalho - Recursos
Processo do Trabalho - Recursosdireitoturmamanha
 
Recurso Especial em Agravo de Instrumento
Recurso Especial em Agravo de InstrumentoRecurso Especial em Agravo de Instrumento
Recurso Especial em Agravo de InstrumentoConsultor JRSantana
 
2131 - CONTRARRAZÕES DE APELAÇÃO - NOVO CPC
2131 - CONTRARRAZÕES DE APELAÇÃO - NOVO CPC2131 - CONTRARRAZÕES DE APELAÇÃO - NOVO CPC
2131 - CONTRARRAZÕES DE APELAÇÃO - NOVO CPCConsultor JRSantana
 

Mais procurados (20)

2132 - MANIFESTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE PROVAS - NOVO CPC
2132 - MANIFESTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE PROVAS - NOVO CPC 2132 - MANIFESTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE PROVAS - NOVO CPC
2132 - MANIFESTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE PROVAS - NOVO CPC
 
Teoria geral dos recusos
Teoria geral dos recusosTeoria geral dos recusos
Teoria geral dos recusos
 
Réplica em Ação Indenizatória
Réplica em Ação IndenizatóriaRéplica em Ação Indenizatória
Réplica em Ação Indenizatória
 
Modelo contestação guarda curadora
Modelo contestação guarda curadoraModelo contestação guarda curadora
Modelo contestação guarda curadora
 
Recursos Trabalhistas
Recursos TrabalhistasRecursos Trabalhistas
Recursos Trabalhistas
 
Aryanna manfredini manual de prática trabalhista
Aryanna manfredini   manual de prática trabalhistaAryanna manfredini   manual de prática trabalhista
Aryanna manfredini manual de prática trabalhista
 
Coletânea de exercícios teoria geral do processo (1)
Coletânea de exercícios teoria geral do processo  (1)Coletânea de exercícios teoria geral do processo  (1)
Coletânea de exercícios teoria geral do processo (1)
 
Direito Processual do Trabalho para Concurso TST
Direito Processual do Trabalho para Concurso TSTDireito Processual do Trabalho para Concurso TST
Direito Processual do Trabalho para Concurso TST
 
TRT ES - PROVA COMENTADA
TRT ES - PROVA COMENTADATRT ES - PROVA COMENTADA
TRT ES - PROVA COMENTADA
 
Processo do trabalho
Processo do trabalhoProcesso do trabalho
Processo do trabalho
 
Recursos Proc Civl
Recursos Proc CivlRecursos Proc Civl
Recursos Proc Civl
 
Recursos no novo código de processo civil
Recursos no novo código de processo civilRecursos no novo código de processo civil
Recursos no novo código de processo civil
 
Contrato de Empreitada - Direito Civil - Contratos
Contrato de Empreitada - Direito Civil - ContratosContrato de Empreitada - Direito Civil - Contratos
Contrato de Empreitada - Direito Civil - Contratos
 
Modelo Destituir advogado
Modelo Destituir advogadoModelo Destituir advogado
Modelo Destituir advogado
 
Modelo de Razões de Apelação
Modelo de Razões de ApelaçãoModelo de Razões de Apelação
Modelo de Razões de Apelação
 
Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e Intervenção de Terceiros)
Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e  Intervenção de Terceiros)Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e  Intervenção de Terceiros)
Processo Civil (Litisconsórcio, Assistência e Intervenção de Terceiros)
 
Modelo de apelacao
Modelo de apelacaoModelo de apelacao
Modelo de apelacao
 
Processo do Trabalho - Recursos
Processo do Trabalho - RecursosProcesso do Trabalho - Recursos
Processo do Trabalho - Recursos
 
Recurso Especial em Agravo de Instrumento
Recurso Especial em Agravo de InstrumentoRecurso Especial em Agravo de Instrumento
Recurso Especial em Agravo de Instrumento
 
2131 - CONTRARRAZÕES DE APELAÇÃO - NOVO CPC
2131 - CONTRARRAZÕES DE APELAÇÃO - NOVO CPC2131 - CONTRARRAZÕES DE APELAÇÃO - NOVO CPC
2131 - CONTRARRAZÕES DE APELAÇÃO - NOVO CPC
 

Destaque

INFOGRÁFICO: 10 Dicas de Perguntas em Audiência | Prof Alberto Bezerra
INFOGRÁFICO: 10 Dicas de Perguntas em Audiência | Prof Alberto BezerraINFOGRÁFICO: 10 Dicas de Perguntas em Audiência | Prof Alberto Bezerra
INFOGRÁFICO: 10 Dicas de Perguntas em Audiência | Prof Alberto BezerraAlberto Bezerra
 
Resumo esquemático de processo do trabalho ives gandra martins - 2006
Resumo esquemático de processo do trabalho   ives gandra martins - 2006Resumo esquemático de processo do trabalho   ives gandra martins - 2006
Resumo esquemático de processo do trabalho ives gandra martins - 2006Guilherme Henrique Silva Couto
 
Petições Previdenciárias volume 1
Petições Previdenciárias volume 1Petições Previdenciárias volume 1
Petições Previdenciárias volume 1Carlos-Sarmento
 
Lista de-petições-cíveis-novo cpc-completa
Lista de-petições-cíveis-novo cpc-completaLista de-petições-cíveis-novo cpc-completa
Lista de-petições-cíveis-novo cpc-completanovocpc
 
Apostila (material completo)
Apostila (material completo)Apostila (material completo)
Apostila (material completo)studante1972
 
Petição inicial trabalhista
Petição inicial trabalhistaPetição inicial trabalhista
Petição inicial trabalhistaNOELYSANTOS
 
Manual forense previdenciã¡rio (1)
Manual forense previdenciã¡rio (1)Manual forense previdenciã¡rio (1)
Manual forense previdenciã¡rio (1)Ilídia Direito
 
Ação trabalhista danos morais acidente + doença(padrão)
Ação trabalhista  danos morais   acidente + doença(padrão)Ação trabalhista  danos morais   acidente + doença(padrão)
Ação trabalhista danos morais acidente + doença(padrão)Vivian Nemeth
 
E-Book Cultura Livre: Como a Mídia Usa a Tecnologia e a Lei para Barrar a Cri...
E-Book Cultura Livre: Como a Mídia Usa a Tecnologia e a Lei para Barrar a Cri...E-Book Cultura Livre: Como a Mídia Usa a Tecnologia e a Lei para Barrar a Cri...
E-Book Cultura Livre: Como a Mídia Usa a Tecnologia e a Lei para Barrar a Cri...Instituto Desenvolve T.I
 
Para TST, ajuda-alimentação com desconto não é salário-utilidade
Para TST, ajuda-alimentação com desconto não é salário-utilidadePara TST, ajuda-alimentação com desconto não é salário-utilidade
Para TST, ajuda-alimentação com desconto não é salário-utilidaderomeromelosilva
 
PROCESSO JUDICIAL (ação judicial trabalhista - 2ª ata)
PROCESSO JUDICIAL (ação judicial trabalhista - 2ª ata)PROCESSO JUDICIAL (ação judicial trabalhista - 2ª ata)
PROCESSO JUDICIAL (ação judicial trabalhista - 2ª ata)Jerbialdo
 
Roteiro do processo eletrônico na Justiça Trabalhista
Roteiro do processo eletrônico na Justiça TrabalhistaRoteiro do processo eletrônico na Justiça Trabalhista
Roteiro do processo eletrônico na Justiça TrabalhistaAna Amelia Menna Barreto
 
Rt 775-2010 (mhag e outros - ceo - multa contratual - danos morais)
Rt 775-2010 (mhag e outros - ceo - multa contratual - danos morais)Rt 775-2010 (mhag e outros - ceo - multa contratual - danos morais)
Rt 775-2010 (mhag e outros - ceo - multa contratual - danos morais)Luciano Athayde Chaves
 
DPP - procedimento comum - sumaìrio e sumaríssimo
DPP - procedimento comum - sumaìrio e sumaríssimoDPP - procedimento comum - sumaìrio e sumaríssimo
DPP - procedimento comum - sumaìrio e sumaríssimodireitoturmamanha
 
ANÁLISE JULGADO - DANOS MORAIS
ANÁLISE JULGADO - DANOS MORAISANÁLISE JULGADO - DANOS MORAIS
ANÁLISE JULGADO - DANOS MORAISCarla Viola
 
Trabalho - Dissidio individual
Trabalho - Dissidio individualTrabalho - Dissidio individual
Trabalho - Dissidio individualdireitoturmamanha
 

Destaque (20)

INFOGRÁFICO: 10 Dicas de Perguntas em Audiência | Prof Alberto Bezerra
INFOGRÁFICO: 10 Dicas de Perguntas em Audiência | Prof Alberto BezerraINFOGRÁFICO: 10 Dicas de Perguntas em Audiência | Prof Alberto Bezerra
INFOGRÁFICO: 10 Dicas de Perguntas em Audiência | Prof Alberto Bezerra
 
Manual completo audiencia_trabalhista
Manual completo audiencia_trabalhistaManual completo audiencia_trabalhista
Manual completo audiencia_trabalhista
 
Resumo esquemático de processo do trabalho ives gandra martins - 2006
Resumo esquemático de processo do trabalho   ives gandra martins - 2006Resumo esquemático de processo do trabalho   ives gandra martins - 2006
Resumo esquemático de processo do trabalho ives gandra martins - 2006
 
Modelos de peças no novo cpc
Modelos de peças no novo cpcModelos de peças no novo cpc
Modelos de peças no novo cpc
 
Petições Previdenciárias volume 1
Petições Previdenciárias volume 1Petições Previdenciárias volume 1
Petições Previdenciárias volume 1
 
Lista de-petições-cíveis-novo cpc-completa
Lista de-petições-cíveis-novo cpc-completaLista de-petições-cíveis-novo cpc-completa
Lista de-petições-cíveis-novo cpc-completa
 
Apostila (material completo)
Apostila (material completo)Apostila (material completo)
Apostila (material completo)
 
Petição inicial trabalhista
Petição inicial trabalhistaPetição inicial trabalhista
Petição inicial trabalhista
 
Manual forense previdenciã¡rio (1)
Manual forense previdenciã¡rio (1)Manual forense previdenciã¡rio (1)
Manual forense previdenciã¡rio (1)
 
Ação trabalhista danos morais acidente + doença(padrão)
Ação trabalhista  danos morais   acidente + doença(padrão)Ação trabalhista  danos morais   acidente + doença(padrão)
Ação trabalhista danos morais acidente + doença(padrão)
 
E-Book Cultura Livre: Como a Mídia Usa a Tecnologia e a Lei para Barrar a Cri...
E-Book Cultura Livre: Como a Mídia Usa a Tecnologia e a Lei para Barrar a Cri...E-Book Cultura Livre: Como a Mídia Usa a Tecnologia e a Lei para Barrar a Cri...
E-Book Cultura Livre: Como a Mídia Usa a Tecnologia e a Lei para Barrar a Cri...
 
Apostila complementar
Apostila complementarApostila complementar
Apostila complementar
 
Para TST, ajuda-alimentação com desconto não é salário-utilidade
Para TST, ajuda-alimentação com desconto não é salário-utilidadePara TST, ajuda-alimentação com desconto não é salário-utilidade
Para TST, ajuda-alimentação com desconto não é salário-utilidade
 
PROCESSO JUDICIAL (ação judicial trabalhista - 2ª ata)
PROCESSO JUDICIAL (ação judicial trabalhista - 2ª ata)PROCESSO JUDICIAL (ação judicial trabalhista - 2ª ata)
PROCESSO JUDICIAL (ação judicial trabalhista - 2ª ata)
 
Roteiro do processo eletrônico na Justiça Trabalhista
Roteiro do processo eletrônico na Justiça TrabalhistaRoteiro do processo eletrônico na Justiça Trabalhista
Roteiro do processo eletrônico na Justiça Trabalhista
 
Rt 775-2010 (mhag e outros - ceo - multa contratual - danos morais)
Rt 775-2010 (mhag e outros - ceo - multa contratual - danos morais)Rt 775-2010 (mhag e outros - ceo - multa contratual - danos morais)
Rt 775-2010 (mhag e outros - ceo - multa contratual - danos morais)
 
Manual civeis-especiais
Manual civeis-especiaisManual civeis-especiais
Manual civeis-especiais
 
DPP - procedimento comum - sumaìrio e sumaríssimo
DPP - procedimento comum - sumaìrio e sumaríssimoDPP - procedimento comum - sumaìrio e sumaríssimo
DPP - procedimento comum - sumaìrio e sumaríssimo
 
ANÁLISE JULGADO - DANOS MORAIS
ANÁLISE JULGADO - DANOS MORAISANÁLISE JULGADO - DANOS MORAIS
ANÁLISE JULGADO - DANOS MORAIS
 
Trabalho - Dissidio individual
Trabalho - Dissidio individualTrabalho - Dissidio individual
Trabalho - Dissidio individual
 

Semelhante a Guia completo para audiências UNA na Justiça do Trabalho

XIII EXAME DA OAB- SIMULADO DE ÉTICA PROFISSIONAL - Prof.MORGADO
XIII EXAME DA OAB- SIMULADO DE ÉTICA PROFISSIONAL - Prof.MORGADOXIII EXAME DA OAB- SIMULADO DE ÉTICA PROFISSIONAL - Prof.MORGADO
XIII EXAME DA OAB- SIMULADO DE ÉTICA PROFISSIONAL - Prof.MORGADO'Roberto Morgado
 
Aula petição inicial e requisitos - 2006 - i
Aula   petição inicial e requisitos - 2006 - iAula   petição inicial e requisitos - 2006 - i
Aula petição inicial e requisitos - 2006 - iDeeh Bora
 
Novo Rito do Tribunal do Juri Idecrim
Novo Rito do Tribunal do Juri IdecrimNovo Rito do Tribunal do Juri Idecrim
Novo Rito do Tribunal do Juri Idecrimidecrim
 
Curso procedimentos cpp
Curso procedimentos cppCurso procedimentos cpp
Curso procedimentos cppLizandra Nunes
 
A teoria da perda de uma chance
A teoria da perda de uma chanceA teoria da perda de uma chance
A teoria da perda de uma chanceallaymer
 
005-Dissídios Individuais; Procedimentos; IAFG; AR; MS
005-Dissídios Individuais; Procedimentos; IAFG; AR; MS005-Dissídios Individuais; Procedimentos; IAFG; AR; MS
005-Dissídios Individuais; Procedimentos; IAFG; AR; MSDaniel Carvalho
 
Direito processual civil todo 3º ano furg
Direito processual civil   todo 3º ano furgDireito processual civil   todo 3º ano furg
Direito processual civil todo 3º ano furgPedro Trassantes
 
Vi exame tipo 1
Vi exame tipo 1Vi exame tipo 1
Vi exame tipo 1SAMPALEO
 
A dois passos do paraíso - Professor Geraldo Furtado de Araújo Neto
A dois passos do paraíso - Professor Geraldo Furtado de Araújo NetoA dois passos do paraíso - Professor Geraldo Furtado de Araújo Neto
A dois passos do paraíso - Professor Geraldo Furtado de Araújo NetoWagson Filho
 
Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)
Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)
Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)Helíssia Coimbra
 
As Mudanças no Código de Processo Penal
As Mudanças no Código de Processo PenalAs Mudanças no Código de Processo Penal
As Mudanças no Código de Processo Penalidecrim
 

Semelhante a Guia completo para audiências UNA na Justiça do Trabalho (20)

XIII EXAME DA OAB- SIMULADO DE ÉTICA PROFISSIONAL - Prof.MORGADO
XIII EXAME DA OAB- SIMULADO DE ÉTICA PROFISSIONAL - Prof.MORGADOXIII EXAME DA OAB- SIMULADO DE ÉTICA PROFISSIONAL - Prof.MORGADO
XIII EXAME DA OAB- SIMULADO DE ÉTICA PROFISSIONAL - Prof.MORGADO
 
16 07 sim-aud_trab
16 07 sim-aud_trab16 07 sim-aud_trab
16 07 sim-aud_trab
 
Aula petição inicial e requisitos - 2006 - i
Aula   petição inicial e requisitos - 2006 - iAula   petição inicial e requisitos - 2006 - i
Aula petição inicial e requisitos - 2006 - i
 
Novo Rito do Tribunal do Juri Idecrim
Novo Rito do Tribunal do Juri IdecrimNovo Rito do Tribunal do Juri Idecrim
Novo Rito do Tribunal do Juri Idecrim
 
2a fase recursos aula 2 - apelação-aos alunos(2)
2a fase   recursos aula 2 - apelação-aos alunos(2)2a fase   recursos aula 2 - apelação-aos alunos(2)
2a fase recursos aula 2 - apelação-aos alunos(2)
 
PROVIDENCIAS PRELIMINARES
PROVIDENCIAS PRELIMINARESPROVIDENCIAS PRELIMINARES
PROVIDENCIAS PRELIMINARES
 
Processo nos tribunais trabalhistas
Processo nos tribunais trabalhistasProcesso nos tribunais trabalhistas
Processo nos tribunais trabalhistas
 
Curso procedimentos cpp
Curso procedimentos cppCurso procedimentos cpp
Curso procedimentos cpp
 
A teoria da perda de uma chance
A teoria da perda de uma chanceA teoria da perda de uma chance
A teoria da perda de uma chance
 
005-Dissídios Individuais; Procedimentos; IAFG; AR; MS
005-Dissídios Individuais; Procedimentos; IAFG; AR; MS005-Dissídios Individuais; Procedimentos; IAFG; AR; MS
005-Dissídios Individuais; Procedimentos; IAFG; AR; MS
 
contestacaonovo
contestacaonovocontestacaonovo
contestacaonovo
 
Direito processual civil todo 3º ano furg
Direito processual civil   todo 3º ano furgDireito processual civil   todo 3º ano furg
Direito processual civil todo 3º ano furg
 
AULA 08 OAB XX PRODESSO CIVIL ESTRATÉGIA
AULA 08 OAB XX PRODESSO CIVIL ESTRATÉGIAAULA 08 OAB XX PRODESSO CIVIL ESTRATÉGIA
AULA 08 OAB XX PRODESSO CIVIL ESTRATÉGIA
 
Vi exame tipo 1
Vi exame tipo 1Vi exame tipo 1
Vi exame tipo 1
 
Vi exame tipo 1
Vi exame tipo 1Vi exame tipo 1
Vi exame tipo 1
 
A dois passos do paraíso - Professor Geraldo Furtado de Araújo Neto
A dois passos do paraíso - Professor Geraldo Furtado de Araújo NetoA dois passos do paraíso - Professor Geraldo Furtado de Araújo Neto
A dois passos do paraíso - Professor Geraldo Furtado de Araújo Neto
 
Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)
Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)
Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)
 
Questões Prejudiciais e Exceções
Questões Prejudiciais e ExceçõesQuestões Prejudiciais e Exceções
Questões Prejudiciais e Exceções
 
As Mudanças no Código de Processo Penal
As Mudanças no Código de Processo PenalAs Mudanças no Código de Processo Penal
As Mudanças no Código de Processo Penal
 
Aula
AulaAula
Aula
 

Último

637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 

Último (20)

637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 

Guia completo para audiências UNA na Justiça do Trabalho

  • 1. ROTEIRO DE AUDIÊNCIAS TRABALHISTAS Existem 4 tipos de audiências na justiça do trabalho, sendo elas audiência INICIAL (Conciliação, nomeação de perito, etc), UNA (Concentração dos atos conciliatórios e instrutórios na mesma audiência.), Instrução (geralmente precede uma audiência inicial) e Julgamento (Prolação da sentença). FUNDAMENTO JURÍDICO: Inicial, instrução e julgamento art. 846, CLT. UNA art. 852-C e seguintes CLT. DICA: 1. Leia atentamente a intimação para as audiências, pois nesta consta o tipo de audiência a ser realizada, se há necessidade de testemunhas ou não, quais documentos a levar, além do horário e local das audiências. AUDIÊNCIA UNA Este roteiro focará somente na audiência UNA, por ser a mais corriqueira e que concentra a maior parte dos atos processuais. A audiência UNA geralmente é designada para ações cujo rito é o Sumaríssimo (valor da causa de 2 a 40 salários mínimos. Art. 852-A e ss CLT). 1) Na data e horário marcado o juiz apregoará as partes para adentrar a sala de audiência, e aqui vai uma dica, evite ficar em outros locais da vara, pois chamada uma, duas vezes, se não comparecer na sala de audiência o juiz pode decretar a revelia (reclamada) e ou arquivamento (reclamante). Ler OJ 245, SDI- I, TST. Caso o juiz atrase por 15 minutos pode o advogado se retirar da vara, porém peticionar avisando do atraso. Art. 815, § único CLT. 2) Ao adentrar na sala de audiências, atentar para o local onde as partes sentam, o reclamante senta na mão esquerda do juiz, a reclamada na mão direita. 3) Entregar os documentos e OAB para o servidor responsável ao lado do juiz. 4) O juiz perguntará se há acordo e aqui o advogado que tem mais jogo de cintura leva. Dica: Primeiramente, avalie a qualidade das provas e os pedidos formulados, se for reclamante, considere se suas testemunhas poderão provar o alegado, se são de confiança, se não inventarão fatos (totalmente antiético), se vão se portar bem ante a pressão, etc. Verificar também o conjunto probatório da reclamada, se as testemunhas são passíveis de contradita, se os documentos
  • 2. acostados são verdadeiros, e dentro dessa dica deixo outra dica, só faça acordo após ver a defesa. EXEMPLO E ACORDO: Uma causa cujo valor é de 10 mil. O advogado do reclamante deve ir com dois valores em mente, o que realmente quer e o que usará para negociar. Se o reclamante quer no mínimo 6 mil, NUNCA fale esse valor de imediato, e sim um valor aproximado, como no caso 8 mil, nisso a empresa vai oferecer 5 mil, o reclamante pede novamente os 8 mil se a reclamada não aceitar, para fim de conversa, ofereça 6 mil, algumas reclamadas podem ficar nos 5 mil, porém algumas podem aceitar por entender a vantagem de 8 para 6 mil. 5) Após a tentativa de conciliação, exitosa o juiz ditará os termos do acordo, nesse caso é sempre pedir para constar 50% de multa em caso de descumprimento, e se houver parcelamento, o vencimento antecipado das vincendas. 6) Caso não ocorra o acordo, o juiz vai fixar os pontos controvertidos (que serão debatidos na instrução), pedindo a defesa para entregar ao reclamante, momento em que abrirá prazo para manifestação do advogado em réplica. Aqui segue uma réplica simples e genérica que eu uso: “Excelência, reitero os termos da inicial impugnando todos os pedidos e teses, além dos documentos acostados”. ATENÇÃO: Se houver alguma preliminar arguida, é de bom grado o advogado do reclamante se manifestar sobre tal, como exemplo, exceção de incompetência relativa em razão do território. Exemplo de réplica: “Excelência, a ré arguiu exceção de incompetência territorial, porém não merece ser acolhida pois, considerando os princípios protetivos do direito do trabalho, bem como fácil e amplo acesso ao judiciário pelo empregador, além da hipossuficiência vez que a empresa tem mais condições financeiras de arcar com as custas de se locomover do que o reclamante, deve este processo ser julgado nesta vara”. 7) Passa a fase de réplica, o juiz vai pedir para a reclamada sair e vai recolher o depoimento do reclamante, geralmente os juízes dispensam, mas como advogado do reclamante é importante ouvir a reclamada se ela tiver vínculo com os fatos, pois daí pode se retirar a confissão espontânea dela. Ouvido o reclamante o juiz mandará a reclamada entrar e colher o seu depoimento. O Advogado do reclamante não poderá fazer perguntas para o mesmo, assim como o da reclamada para seu preposto, somente um pode perguntar para a parte adversa.
  • 3. 8) Colhido os depoimentos, o juiz chama a testemunha da reclamada (ou vice e versa, depende do juiz), e nesse momento o advogado adverso deve estar atento para saber contraditar, pois no momento que a testemunha adentrar na sala e for qualificada deve o advogado arguir a contradita, não pode esperar o juiz fazer a primeira pergunta, exemplo de contradita: “Excelência, pela ordem, gostaria de contraditar a testemunha”. O juiz vai perguntar “por qual motivo doutor?”. “Por amizade intima Excelência, a testemunha é madrinha da filha da reclamante”. O juiz vai perguntar para a testemunha se procede, se a testemunha negar, poderá o advogado utilizar de outra testemunha (se tiver) para instruir a contradita e comprovar os fatos, pode ser testemunha da parte contrária, como no exemplo acima, da reclamante, assim se essa testemunha do reclamante for chamada para instruir a contradita, não poderá sair da sala novamente, perdendo o reclamante uma testemunha. DICA: muito se tem dúvida quanto as testemunhas que não comparecem e quais possibilidades de designar nova audiência. Simples: se o rito for ordinário, arrolar na inicial as testemunhas a serem ouvidas, se não comparecerem em audiência o juiz de ofício o a requerimento da parte poderá pedir a sua condução coercitiva remarcando nova audiência para sua oitiva. Art. 825, § único CLT. Se o rito for Sumário, o ideal é antes de entrar com a ação o advogado fornecer a testemunha um convite, assinado por esta, e juntar nos autos, pois se no dia da audiência esta não comparecer, comprovando o convite, o juiz designará nova audiência. Art. 852- CLT. 9) Acolhida ou não a contradita, o juiz vai compromissar a testemunha e colher seu depoimento, abrindo para que cada advogado faça as perguntas que achar melhor. Se o juiz indeferir as perguntas, protesta para que conste em ata, geralmente os juízes pedem para constar no final, por isso é importante anotar as perguntas indeferidas. Um direito do advogado que é pouco usado é o da palavra pela ordem para esclarecer alguma coisa pendente em audiência, como, por exemplo, a testemunha que não entendeu a pergunta do juiz e responde que não sabe ou não entendeu, podendo o advogado pedir pela ordem para explicar a pergunta a sua testemunha. 10) Qualquer incidente em que o advogado seja privado de exercer o pleno direito de defesa de seu cliente deve ser constado em ata através do protesto.
  • 4. 11) Passada a fase instrutória, o juiz perguntará as partes se há razões finais a fazer, podendo o advogado utilizar-se de 10 minutos para tal ou requerer prazo para fazer posteriormente. 12) O juiz tentará mais uma vez a conciliação e não havendo, encerra-se a instrução. Roteiro elaborado por Tiago Cunha Pereira OAB/SP 333.562, advogado em Indaiatuba/SP.