SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
•   Camila Dantas;
•   Francisca Daiane;
•   Jeferson Romário;
•   Jeferson Magalhães;
•   José Evandro;
•   Maria Milena Rebouças;
•   Marcilio Oliveira;
•   Regisandro de Andrade;
A linguagem C foi criada por Dennis Ritchie, em 1972, no centro
  de Pesquisas da Bell Laboratórios. Sua primeira utilização importante
  foi a reescrita do Sistema Operacional UNIX, que até então era escrito
  em assembly.
        Em meados de 1970 o UNIX saiu do laboratório para ser
liberado para as universidades. Foi o suficiente para que o
sucesso da linguagem atingisse proporções tais que, por volta
de 1980, já existiam várias versões de compiladores C
oferecidas por várias empresas, não sendo mais restritas
apenas ao ambiente UNIX, porém compatíveis com vários
outros sistemas operacionais.
        O C é uma linguagem de propósito geral, sendo
adequada à programação estruturada. No entanto é mais
utilizada escrever compiladores, analisadores léxicos, bancos de
dados, editores de texto, etc..
A linguagem C pertence a uma família de linguagens cujas
características são:




:
• A linguagem C surgiu com o objetivo principal de facilitar a criação
  de programas extensos com um menor número de erros.

•   Na maioria das linguagens os seus objetivos a atingir são:
•   *COBOL: Processamentos de registros
•   *PASCAL: Ensino de técnicas de programação
•   *FORTRAN: Calculo científico

• Na linguagem C não há nenhuma área de destino em particular,
  habitualmente se denomina por GENERAL PURPOSE está é uma
  das vantagens pois tem a capacidade de adaptar qualquer
  desenvolvimento num projeto , como sistemas operativos, interfaces
  gráficas , processamento de registros ,dentre outras.
Sistemas operativos



                                   Interfaces gráfica




      Processamento de registros
Um programa de linguagem C é constituído, por uma ou
várias funções, assim cada função contem um nome único
delimitados por um par de chavetas”{ }”possuindo um conjunto de
expressões, comandos de controle e chamadas a outras funções.
         O programa só começa a ser executado depois de
colocarmos a função MAIN no início do programa.
• Palavras Chaves Palavras Chaves
•         A tabela a seguir apresenta as 32 palavras-chaves
   existentes em C e definidas como padrão ANSI. Alguns
   compiladores podem fazer uso de outras palavras-chaves
   (palavras reservadas) que não estão presentes na lista abaixo.
   As palavras-chaves são escritas sempre em letras minúsculas.
• *printf (mostra a mensagem no ecrã);

• *system (executa o
• programa);

• * #include (tem como função incluir funções da
  biblioteca necessária para o programa);
• /* meu primeiro programa em linguagem c */

• #include<stdio.h>

• Void main()
• {
  • printf(“Bem vindo a aula de programação em C!!n”);
  • Getchar();
• }
• A linguagem C é considerada uma
   linguagem de nível médio, visto a oferecer
   elementos de uma linguagem de alto nível.
   Sendo muito utilizada em programação de
   sistemas (compiladores).
 • O código fonte tem como objetivo fazer
   com que o programador descreva o
   programa de forma nítida as pessoas.

• VAMOS PROGRAMAR EM C GALERA !!
Linguagem C história e aplicações

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tutorial dev cpp 001 - criação, leitura e alteração de arquivos
Tutorial dev cpp   001 - criação, leitura e alteração de arquivosTutorial dev cpp   001 - criação, leitura e alteração de arquivos
Tutorial dev cpp 001 - criação, leitura e alteração de arquivosFlávio Freitas
 
Gerador de Código-Objeto - Compiladores
Gerador de Código-Objeto - CompiladoresGerador de Código-Objeto - Compiladores
Gerador de Código-Objeto - CompiladoresAnderson Favaro
 
Linguagem C (UFRPE)
Linguagem C (UFRPE)Linguagem C (UFRPE)
Linguagem C (UFRPE)guest14543db
 
Aula01 introducao operacoes
Aula01   introducao operacoesAula01   introducao operacoes
Aula01 introducao operacoesYuri Passos
 
Introdução a Linguagem de Programação
Introdução a Linguagem de ProgramaçãoIntrodução a Linguagem de Programação
Introdução a Linguagem de ProgramaçãoJessica Ribeiro
 
Algoritmos e Programação: Apresentação da ferramenta de programação. Comandos...
Algoritmos e Programação: Apresentação da ferramenta de programação. Comandos...Algoritmos e Programação: Apresentação da ferramenta de programação. Comandos...
Algoritmos e Programação: Apresentação da ferramenta de programação. Comandos...Alex Camargo
 
Geração de código linguagem c
Geração de código   linguagem cGeração de código   linguagem c
Geração de código linguagem cJefferson Bessa
 

Mais procurados (20)

Linguagem C clecioamerico
Linguagem C clecioamericoLinguagem C clecioamerico
Linguagem C clecioamerico
 
Introducao a LPC
Introducao a LPCIntroducao a LPC
Introducao a LPC
 
Tutorial dev cpp 001 - criação, leitura e alteração de arquivos
Tutorial dev cpp   001 - criação, leitura e alteração de arquivosTutorial dev cpp   001 - criação, leitura e alteração de arquivos
Tutorial dev cpp 001 - criação, leitura e alteração de arquivos
 
Gerador de Código-Objeto - Compiladores
Gerador de Código-Objeto - CompiladoresGerador de Código-Objeto - Compiladores
Gerador de Código-Objeto - Compiladores
 
Linguagem C (UFRPE)
Linguagem C (UFRPE)Linguagem C (UFRPE)
Linguagem C (UFRPE)
 
Apresentação Linguagem C
Apresentação Linguagem CApresentação Linguagem C
Apresentação Linguagem C
 
TDC2014 SP - C/C++ - Modularização de Código C
TDC2014 SP - C/C++ - Modularização de Código CTDC2014 SP - C/C++ - Modularização de Código C
TDC2014 SP - C/C++ - Modularização de Código C
 
Compiladores 1
Compiladores 1Compiladores 1
Compiladores 1
 
C sharp lesson1
C sharp lesson1C sharp lesson1
C sharp lesson1
 
Aula01 introducao operacoes
Aula01   introducao operacoesAula01   introducao operacoes
Aula01 introducao operacoes
 
Introdução a Linguagem de Programação
Introdução a Linguagem de ProgramaçãoIntrodução a Linguagem de Programação
Introdução a Linguagem de Programação
 
Curso de Linguagem C
Curso de Linguagem CCurso de Linguagem C
Curso de Linguagem C
 
Compiladores
CompiladoresCompiladores
Compiladores
 
Ud2
Ud2Ud2
Ud2
 
15. introducao ao c++
15. introducao ao c++15. introducao ao c++
15. introducao ao c++
 
O compilador dev c++
O compilador dev c++O compilador dev c++
O compilador dev c++
 
Algoritmos e Programação: Apresentação da ferramenta de programação. Comandos...
Algoritmos e Programação: Apresentação da ferramenta de programação. Comandos...Algoritmos e Programação: Apresentação da ferramenta de programação. Comandos...
Algoritmos e Programação: Apresentação da ferramenta de programação. Comandos...
 
Geração de código linguagem c
Geração de código   linguagem cGeração de código   linguagem c
Geração de código linguagem c
 
Linguagens de programação
Linguagens de programaçãoLinguagens de programação
Linguagens de programação
 
Linguagens de programação
Linguagens de programaçãoLinguagens de programação
Linguagens de programação
 

Semelhante a Linguagem C história e aplicações

paradigmasdlsksmmskskkekekekekedmmmdmdmmf.pdf
paradigmasdlsksmmskskkekekekekedmmmdmdmmf.pdfparadigmasdlsksmmskskkekekekekedmmmdmdmmf.pdf
paradigmasdlsksmmskskkekekekekedmmmdmdmmf.pdfAndreiaCristinaFlore
 
Linguagen..
Linguagen..Linguagen..
Linguagen..essa
 
IES GF - Linguagem de Programação Estruturada - Parte 1
IES GF - Linguagem de Programação Estruturada - Parte 1IES GF - Linguagem de Programação Estruturada - Parte 1
IES GF - Linguagem de Programação Estruturada - Parte 1Ramon Mayor Martins
 
Linguagens de programação 03-12-09
Linguagens de programação   03-12-09Linguagens de programação   03-12-09
Linguagens de programação 03-12-09essa
 
Linguagens de programação 03-12-09
Linguagens de programação   03-12-09Linguagens de programação   03-12-09
Linguagens de programação 03-12-09essa
 
055 A 094 Material Auxiliar Para Curso AvançAdo I Msp430
055 A 094   Material Auxiliar Para Curso AvançAdo I Msp430055 A 094   Material Auxiliar Para Curso AvançAdo I Msp430
055 A 094 Material Auxiliar Para Curso AvançAdo I Msp430Texas Instruments
 
Noções Básicas do Software dos Computadores Digitais
Noções Básicas do Software dos Computadores DigitaisNoções Básicas do Software dos Computadores Digitais
Noções Básicas do Software dos Computadores DigitaisHenry Raúl González Brito
 
Linguagem de programação da internet
Linguagem de programação da internetLinguagem de programação da internet
Linguagem de programação da internetVictor Barreto
 
Linguagem C Entendendo a Programação
Linguagem C Entendendo a ProgramaçãoLinguagem C Entendendo a Programação
Linguagem C Entendendo a ProgramaçãoMonike Santos
 
Apostila linguagem c
Apostila linguagem cApostila linguagem c
Apostila linguagem corvel
 
C++ introducao
C++ introducaoC++ introducao
C++ introducaoSedu
 
Int. sistemas de informação iii
Int. sistemas de informação iiiInt. sistemas de informação iii
Int. sistemas de informação iiiRay Fran Pires
 
Introdução à Computação Aula 09 - Algoritmos (Linguagens de Programação)
Introdução à Computação Aula 09 - Algoritmos (Linguagens de Programação)Introdução à Computação Aula 09 - Algoritmos (Linguagens de Programação)
Introdução à Computação Aula 09 - Algoritmos (Linguagens de Programação)Leinylson Fontinele
 

Semelhante a Linguagem C história e aplicações (20)

Mini Curso de C
Mini Curso de CMini Curso de C
Mini Curso de C
 
Apostila c
Apostila cApostila c
Apostila c
 
paradigmasdlsksmmskskkekekekekedmmmdmdmmf.pdf
paradigmasdlsksmmskskkekekekekedmmmdmdmmf.pdfparadigmasdlsksmmskskkekekekekedmmmdmdmmf.pdf
paradigmasdlsksmmskskkekekekekedmmmdmdmmf.pdf
 
Linguagen..
Linguagen..Linguagen..
Linguagen..
 
IES GF - Linguagem de Programação Estruturada - Parte 1
IES GF - Linguagem de Programação Estruturada - Parte 1IES GF - Linguagem de Programação Estruturada - Parte 1
IES GF - Linguagem de Programação Estruturada - Parte 1
 
Linguagens de programação 03-12-09
Linguagens de programação   03-12-09Linguagens de programação   03-12-09
Linguagens de programação 03-12-09
 
Linguagens de programação 03-12-09
Linguagens de programação   03-12-09Linguagens de programação   03-12-09
Linguagens de programação 03-12-09
 
055 A 094 Material Auxiliar Para Curso AvançAdo I Msp430
055 A 094   Material Auxiliar Para Curso AvançAdo I Msp430055 A 094   Material Auxiliar Para Curso AvançAdo I Msp430
055 A 094 Material Auxiliar Para Curso AvançAdo I Msp430
 
Noções Básicas do Software dos Computadores Digitais
Noções Básicas do Software dos Computadores DigitaisNoções Básicas do Software dos Computadores Digitais
Noções Básicas do Software dos Computadores Digitais
 
Paradigmas de Linguagem
Paradigmas de LinguagemParadigmas de Linguagem
Paradigmas de Linguagem
 
Linguagem de programação da internet
Linguagem de programação da internetLinguagem de programação da internet
Linguagem de programação da internet
 
Linguagem C Entendendo a Programação
Linguagem C Entendendo a ProgramaçãoLinguagem C Entendendo a Programação
Linguagem C Entendendo a Programação
 
Apostila linguagem c
Apostila linguagem cApostila linguagem c
Apostila linguagem c
 
Apostila linguagem c
Apostila linguagem cApostila linguagem c
Apostila linguagem c
 
Seminário: C++
Seminário: C++Seminário: C++
Seminário: C++
 
C++ introducao
C++ introducaoC++ introducao
C++ introducao
 
Int. sistemas de informação iii
Int. sistemas de informação iiiInt. sistemas de informação iii
Int. sistemas de informação iii
 
Programação C - Aula 1
Programação C - Aula 1Programação C - Aula 1
Programação C - Aula 1
 
Introdução à Computação Aula 09 - Algoritmos (Linguagens de Programação)
Introdução à Computação Aula 09 - Algoritmos (Linguagens de Programação)Introdução à Computação Aula 09 - Algoritmos (Linguagens de Programação)
Introdução à Computação Aula 09 - Algoritmos (Linguagens de Programação)
 
C hardware
C hardwareC hardware
C hardware
 

Mais de Milena Rebouças

Mais de Milena Rebouças (14)

Biologia desmatamento
Biologia desmatamentoBiologia desmatamento
Biologia desmatamento
 
Postura profissional
Postura profissionalPostura profissional
Postura profissional
 
Sindromedown
SindromedownSindromedown
Sindromedown
 
Juscelino Kubitschek plano de metas
Juscelino Kubitschek plano de metasJuscelino Kubitschek plano de metas
Juscelino Kubitschek plano de metas
 
Monteiro lobato
Monteiro lobato Monteiro lobato
Monteiro lobato
 
Monteiro lobato
Monteiro lobato Monteiro lobato
Monteiro lobato
 
Software livre
Software livre Software livre
Software livre
 
S2 b desenvolvimento de sistemas [reparado]
S2 b   desenvolvimento de sistemas [reparado]S2 b   desenvolvimento de sistemas [reparado]
S2 b desenvolvimento de sistemas [reparado]
 
ORGÃO QUE TRABALHAM COM DEFICIENTES
ORGÃO QUE TRABALHAM COM DEFICIENTESORGÃO QUE TRABALHAM COM DEFICIENTES
ORGÃO QUE TRABALHAM COM DEFICIENTES
 
dia das bruxas
dia das bruxasdia das bruxas
dia das bruxas
 
Triste fim policarpo
Triste fim policarpoTriste fim policarpo
Triste fim policarpo
 
Apresentaçaõ de redes atual
Apresentaçaõ de redes atualApresentaçaõ de redes atual
Apresentaçaõ de redes atual
 
Android
AndroidAndroid
Android
 
Capitalismo comercial
Capitalismo comercialCapitalismo comercial
Capitalismo comercial
 

Último

Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxalessandraoliveira324
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 

Último (20)

Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 

Linguagem C história e aplicações

  • 1.
  • 2. Camila Dantas; • Francisca Daiane; • Jeferson Romário; • Jeferson Magalhães; • José Evandro; • Maria Milena Rebouças; • Marcilio Oliveira; • Regisandro de Andrade;
  • 3. A linguagem C foi criada por Dennis Ritchie, em 1972, no centro de Pesquisas da Bell Laboratórios. Sua primeira utilização importante foi a reescrita do Sistema Operacional UNIX, que até então era escrito em assembly. Em meados de 1970 o UNIX saiu do laboratório para ser liberado para as universidades. Foi o suficiente para que o sucesso da linguagem atingisse proporções tais que, por volta de 1980, já existiam várias versões de compiladores C oferecidas por várias empresas, não sendo mais restritas apenas ao ambiente UNIX, porém compatíveis com vários outros sistemas operacionais. O C é uma linguagem de propósito geral, sendo adequada à programação estruturada. No entanto é mais utilizada escrever compiladores, analisadores léxicos, bancos de dados, editores de texto, etc..
  • 4. A linguagem C pertence a uma família de linguagens cujas características são: :
  • 5. • A linguagem C surgiu com o objetivo principal de facilitar a criação de programas extensos com um menor número de erros. • Na maioria das linguagens os seus objetivos a atingir são: • *COBOL: Processamentos de registros • *PASCAL: Ensino de técnicas de programação • *FORTRAN: Calculo científico • Na linguagem C não há nenhuma área de destino em particular, habitualmente se denomina por GENERAL PURPOSE está é uma das vantagens pois tem a capacidade de adaptar qualquer desenvolvimento num projeto , como sistemas operativos, interfaces gráficas , processamento de registros ,dentre outras.
  • 6. Sistemas operativos Interfaces gráfica Processamento de registros
  • 7. Um programa de linguagem C é constituído, por uma ou várias funções, assim cada função contem um nome único delimitados por um par de chavetas”{ }”possuindo um conjunto de expressões, comandos de controle e chamadas a outras funções. O programa só começa a ser executado depois de colocarmos a função MAIN no início do programa. • Palavras Chaves Palavras Chaves • A tabela a seguir apresenta as 32 palavras-chaves existentes em C e definidas como padrão ANSI. Alguns compiladores podem fazer uso de outras palavras-chaves (palavras reservadas) que não estão presentes na lista abaixo. As palavras-chaves são escritas sempre em letras minúsculas.
  • 8. • *printf (mostra a mensagem no ecrã); • *system (executa o • programa); • * #include (tem como função incluir funções da biblioteca necessária para o programa);
  • 9.
  • 10. • /* meu primeiro programa em linguagem c */ • #include<stdio.h> • Void main() • { • printf(“Bem vindo a aula de programação em C!!n”); • Getchar(); • }
  • 11. • A linguagem C é considerada uma linguagem de nível médio, visto a oferecer elementos de uma linguagem de alto nível. Sendo muito utilizada em programação de sistemas (compiladores). • O código fonte tem como objetivo fazer com que o programador descreva o programa de forma nítida as pessoas. • VAMOS PROGRAMAR EM C GALERA !!