CESG - CCDRN - Luis Miguel Ferreira

1.130 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Turismo
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.130
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

CESG - CCDRN - Luis Miguel Ferreira

  1. 1.
  2. 2. 2<br />As Políticas Regionais como Motor de Inovação nos Serviços<br />Ana Teresa T. Lehmann, Vice-Presidente da CCDR-N<br />11 de Maio de 2009 | Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto | <br />
  3. 3. 3<br />Planeamento Estratégico<br />Norte 2015 - Diagnóstico Prospectivo, Visão e Prioridades Regionais<br />Programação de Políticas Públicas<br />Pacto Regional para a Competitividade do Norte de Portugal - A Agenda da Inovação<br />O Sector dos Serviços na Economia da Região do Norte<br />Instrumentos de Financiamento do QREN para o Sector dos Serviços <br />Pólos de Competitividade e Outros Clusters<br />
  4. 4. 4<br />Planeamento Estratégico<br />Norte 2015 - Diagnóstico Prospectivo, Visão e Prioridades Regionais<br />
  5. 5. 5<br />Visão e Prioridades Estratégicas Norte 2015<br />A Região do Norte será, em 2015, capaz de gerar um nível de produção de bens e serviços transaccionáveis que permita recuperar a trajectória de convergência a nível Europeu, assegurando, de forma sustentável, acréscimos de rendimento e de emprego da sua população e promovendo, por essa via, a coesão económica, social e territorial.<br />Objectivos estratégicos<br />I. Norte I.TEC<br />II. Norte S.CORE<br />III. Norte E.QUALITY<br />Intensificação tecnológica das indústrias tradicionais (têxtil/vestuário/calçado; madeira/mobiliário), a que será necessário adicionar outros factores de competitividade enfatizando a qualidade industrial (moda, design, atenção a evolução dos mercados e gosto dos consumidores) e um maior domínio dos canais de comercialização/distribuição;<br />Intensificação tecnológica pela via do aumento considerável do peso de actividades ainda emergentes (tecnologias da informação, comunicação e electrónica: biotecnologia, com aplicações/ interfaces em ramos como o alimentar ou o da saúde;<br />Intensificação tecnológica sob forma de desenvolvimento de uma plataforma de prestação de serviços de elevado valor acrescentado, muitos deles transaccionáveis, como o podem ser muitos dos novos serviços na área da saúde ou da I&D.<br />
  6. 6. 6<br />II. Programação de Políticas Públicas<br />Pacto Regional para a Competitividade do Norte de Portugal<br />
  7. 7. 7<br />PACTO REGIONAL PARA A COMPETITIVIDADE15 AGENDAS REGIONAIS PRIORITÁRIAS<br />
  8. 8. 8<br />Agenda Regional da Inovação<br />Plano de Acção para a Inovação no<br />Norte de Portugal 2008-2010<br />
  9. 9. 9<br />Plano de Acção para a Inovação<br />
  10. 10. 10<br />7 objectivos específicos<br />OE1 - Incremento do esforço tecnológico regional<br />OE2 - Clusterizar iniciativas externas<br />OE3 – Interacções<br />OE4 - Difundir a aplicação de “Tecnologias de Largo Espectro”<br />OE5 - Fomentar a emergência de sectores intensivos em tecnologia<br />OE6 - Promover a intensificação tecnológica de sectores de especialização com tradição<br />OE7 - Novas actividades intensivas em activos culturais e ambientais<br />
  11. 11. 11<br />Linhas de Acção<br />
  12. 12. 12<br />Linhas de Acção (cont.)<br />
  13. 13. 13<br />O SECTOR DOS SERVIÇOS NA ECONOMIA DA REGIÃO DO NORTE <br />
  14. 14. 14<br />Número de Pessoas ao Serviço em Estabelecimentos por NUTS II, segundo o sector de actividade principal (CAE-Rev. 2.1), 2006<br />Unidade: N.º<br />Fonte: DGEEP, MTSS<br />
  15. 15. 15<br />Valor Acrescentado Bruto por NUTS II segundo o sector de actividade principal (CAE-Rev. 2.1), 2006<br />Unidade: milhões de Euros<br />Fonte: INE, Contas Regionais.<br />
  16. 16. 16<br />Número de pessoas ao serviço em algumas actividades de serviços prestados às empresas por NUTS II, segundo a actividade (CAE-Rev. 2.1), 2006<br />Unidade: Nº.<br />Fonte: INE, Inquéritos aos Serviços Prestados às Empresas e Sistema de Contas Integradas das Empresas.<br />
  17. 17. 17<br />IV. Instrumentos de Financiamento do qren para o sector dos serviços<br />
  18. 18. 18<br />Sistemas de Incentivos ao Investimento das Empresas -<br />
  19. 19. 19<br />Sistemas de Incentivos ao Investimento das Empresas - Calendário<br />Concursos Abertos (1º Semestre):<br />
  20. 20. 20<br />Sistemas de Incentivos ao Investimento das Empresas - Calendário<br />2º Semestre – Calendário Indicativo:<br />
  21. 21. 21<br />V. PÓLOS de competitividade E OUTROS CLUSTERS <br />
  22. 22. 22<br />Pólos de Competitividade e Outros Clusters da Região do Norte<br />Pólos de Competitividade e Tecnologia<br /><ul><li>Health Cluster Portugal – Associação do Pólo de Competitividade da Saúde
  23. 23. Pólo de Competitividade da Moda
  24. 24. Pólo de Competitividade e Tecnologia Agro-Industrial: Alimentos, Saúde e Sustentabilidade
  25. 25. Pólo de Competitividade e Tecnologia das Indústrias de Base Florestal
  26. 26. Pólo de Competitividade e Tecnologia Automóvel e Mobilidade
  27. 27. PRODUTECH - Pólo das Tecnologias de Produção</li></ul>Outros Clusters<br /><ul><li>Cluster das Indústrias Criativas
  28. 28. Cluster Vinhos da Região Demarcada do Douro
  29. 29. Cluster das Empresas de Mobiliário de Portugal
  30. 30. Cluster Conhecimento e Economia do Mar</li></li></ul><li>Obrigada pela vossa atenção.<br />Ana Teresa T. Lehmann, Vice-Presidente da CCDR-N<br />11 de Maio de 2009 | Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto|<br />23<br />

×