Universidade Federal de Mato Grosso do Sul                     Campus de NaviraíCurso de Formação de Professores em Histór...
Surgimento e importância da história indígena O surgimento e o desenvolvimento da ideia de que os indígenas possuem  hist...
Etno-história, etnografia histórica, antropologia histórica, história antropológica,                                histór...
holística baseada inicialmente no diálogo da História com os quatro campos da   antropologia de tradição boasiana.Instigan...
historiadores passaram a dar mais visibilidade à historicidade e às vozes dos   indígenas. Em fins da década de 1990 houv...
Dissertações produzidas na linha de história indígena no PPGH da UFGD/UFMS                                  (2001-2011)   ...
Sugestões de leitura para uma iniciação em história indígena1. ALVES DA SILVA, Cleube; EREMITES DE OLIVEIRA, Jorge. Fontes...
15. NEVES, Walter A. (Org.). Dossiê “Antes de Cabral: Arqueologia Brasileira”.    Revista USP, São Paulo, n.44, 2v, 2000.1...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Palestra jorge eremites

808 visualizações

Publicada em

Palestra Jorge Eremites de Oliveira

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
808
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
103
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Palestra jorge eremites

  1. 1. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Campus de NaviraíCurso de Formação de Professores em História e Cultura Indígena A história indígena em Mato Grosso do Sul: desafios, avanços e perspectivas Jorge Eremites de Oliveira Universidade Federal da Grande Dourados Faculdade de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Antropologia Laboratório de Arqueologia, Etnologia e Etno-história 1
  2. 2. Surgimento e importância da história indígena O surgimento e o desenvolvimento da ideia de que os indígenas possuem história (e não apenas etnografia ou cultura fossilizada no tempo e espaço), que são sujeitos históricos e a entrada dos povos indígenas no campo de estudo dos historiadores no Brasil e em Mato Grosso do Sul ainda são bastante recentes. A história dos povos indígenas é importante para a compreensão da história das sociedades nacionais americanas e disso resulta na necessidade de descolonização da História e de outras ciências sociais no Ocidente. Ou nas palavras de Pedro Ignacio Schmitz (1998: 2005), falando sobre Mato Grosso do Sul: “Quem conta hoje a história de Mato Grosso do Sul não tem o direito de colocar o início da colonização na chegada do conquistador europeu, quer este seja de origem espanhola, quer portuguesa. Tanto o Planalto como o Pantanal estavam ocupados desde muitos milênios. Populações variadas tinham chegado a estes espaços e desenvolvido técnicas, estruturas sociais e culturas adaptadas aos diversos ambientes”. A história indígena no Brasil e em outros países americanos O desenvolvimento das pesquisas sobre a história indígena nos Estados Unidos, México, Guatemala, Peru, Argentina etc., e o legado dos quatro campos da antropologia cultural americana (antropologia sociocultural [cultural ou social], antropologia física, antropologia linguística e arqueologia) para o método da etno-história. O desenvolvimento das pesquisas sobre a história indígena no Brasil: o diálogo entre antropologia e história e o questionamento sobre as comemorações oficiais dos 500 anos do “descobrimento da América”, em 1992, e dos 500 anos do “descobrimento do Brasil”, em 2000, sob impacto da obra História dos índios no Brasil, organizada por Manuela Carneiro da Cunha (1992). No Brasil, a história indígena geralmente tem sido proposta para ser concebida de suas maneiras: (1) como o transcurso dos povos ameríndios dentre ou fora de uma visão emic, quer dizer, na perspectiva da própria narrativa e interpretação que os indígenas fazem sobre sua história; (2) como o estudo processual da trajetória histórica e sociocultural dos povos nativos da América, isto é, da interpretação (etic) que os cientistas sociais (arqueólogos, etnólogos, etno- historiadores etc.) fazem sobre a história dos povos ameríndios desde tempos pré-coloniais. Os povos indígenas entraram definitivamente no campo de estudo dos historiadores no Brasil? 2
  3. 3. Etno-história, etnografia histórica, antropologia histórica, história antropológica, história indígena...  História indígena, antropologia histórica, história antropológica, etnografia histórica ou etno-história? Sobre o que, afinal de contas, estamos a falar? História indígena é o mesmo que etno-história ou história nativa americana?  A palavra etno-história, grafada em inglês como ethnohistory e em espanhol como etnohistoria, vem do grego (etno + história) e foi usada pela primeira vez no início do século XX por Clarck Wisler nos Estados Unidos.  Segundo o arqueólogo estadunidense Bruce G. Trigger, autor do artigo Ethohistory: problems and prospects, publicado na revista Ethnohistory (n. 29, v. 1, 1982), “a etno-história é uma perspectiva de método interdisciplinar para o conhecimento da história dos povos nativos das Américas”. Mas para o antropólogo espanhol, radicado no Paraguai, Bartomeu Melià, em ensaio denominado Del Guaraní de la historia a la historia del Guaraní”, publicado no Correo Semanal (Asunción, n. 27, 1991), “a etno-história Guarani é a história entendida pelos próprios Guarani, quem sabe seus tempos e os entende”. Eis aqui certa controvérsia entre emic e etic que chegou a gerar polêmica entre alguns historiadores em Mato Grosso do Sul. Um pouco sobre etno-história e algo mais  O surgimento do campo (na perspectiva bourdiana) da etno-história no âmbito da antropologia cultural americana e os debates sobre seu conceito e sua aplicabilidade nas décadas de 1950, 1960 e 1970, muitos dos quais aconteceram na revista Ethnohistory.  O desconhecimento da etno-história no Brasil em decorrência de duas grandes escolas que influenciaram/influenciam a antropologia brasileira contemporânea: antropologia francesa e antropologia social britânica (ou estruturalismo/perspectivismo x processualismo/antropologia histórica?).  A influência da antropologia no trabalho dos historiadores europeus: do movimento inicial dos Annales à nova história cultural francesa e à micro- história italiana.  Os povos indígenas no imaginário brasileiro: homogeneidade x diversidade; fossilização no tempo x dinâmica sociocultural; etnografia x história; diacronia x sincronia; aculturação e perda de identidade étnica.  Minha posição hoje: em defesa da pluralização de tradições etnográficas e historiográficas para romper com o areacentrismo acadêmico e para produzir uma outra história indígena possível, a partir, sobretudo, de uma perspectiva 3
  4. 4. holística baseada inicialmente no diálogo da História com os quatro campos da antropologia de tradição boasiana.Instigando a discussão sobre a interpretação de fontes escritas de interesse à história indígena “Corre que [os Guató] praticam a poligamia. Disso, entretanto, não pude certificar-me. Cheguei a perguntar a um guató, encontrado em companhia de três mulheres, em sua canoa, se todas elas lhe pertenciam. Respondeu-me que sim. Indaguei, então, se não queria dar-me uma. Cuidou ele, por sua vez, de saber se eu trouxera a minha comigo. Diante de minha resposta negativa, acrescentou-me que, se eu a tivesse trazido, poderíamos fazer uma troca. Nada me prova, porém, que, dessas três mulheres, duas não fossem suas parentas ou amigas, de modo que talvez não passasse de ironia sua afirmação, quando lhe dirigi a primeira pergunta” (FLORENCE, Hercules. 1977 [1826/1827]. Viagem fluvial do Tietê ao Amazonas pelas Províncias Brasileiras de São Paulo, Mato Grosso e Grão- Pará (1825-1829). Trad. de F. A. Machado & V. Florence. Assis, Museu de Arte de São Paulo Florence, 1977, p.48). “Não sendo imprevidentes, tomam [os Guató] o cuidado de plantar vários vegetais nos capões que não ficam submersos pelas inundações periódicas, para dessas plantações, em que predominam as bananeiras, tirarem o necessário proveito oportunamente. São celeiros estabelecidos convenientemente nas paragens que eles percorrem anualmente e que satisfazem não só as necessidades de que os estabeleceu, como também de todos os viajantes que por ali passam” (RONDON, Candido Mariano da Silva. 1949 [1900-1906]. Relatório dos trabalhos realizados de 1900-1906 pela Comissão de Linhas Telegráficas do Estado de Mato-Grosso... Rio de Janeiro, Departamento de Imprensa Nacional, p.158). Sobre a história indígena em Mato Grosso do Sul Até a década fins da década de 1980 praticamente não se falava em história indígena em Mato Grosso, mas este quadro passou a mudar, e muito, a partir da década de 1990 com a contribuição de três importantes pesquisadores: Pedro Ignacio Schmitz (arqueólogo, antropólogo sociocultural, historiador, geógrafo, filósofo e teólogo), Bartomeu Meliá (antropólogo sociocultural, historiador, filósofo e teólogo) e Antônio Jacó Brand (antropólogo sociocultural e historiador). Com isso houve uma espécie de gradual redescobrimento ou desencobrimento da história dos povos indígenas no estado, quando 4
  5. 5. historiadores passaram a dar mais visibilidade à historicidade e às vozes dos indígenas. Em fins da década de 1990 houve a criação, em Dourados, na época do antigo CEUD/UFMS, atual UFGD, do Programa de Pós-Graduação em História, onde há uma linha de pesquisa chamada História Indígena. Este foi um marco importante para a historiografia sul-mato-grossense e também para a etnologia indígena e a antropologia no estado, uma região que outrora foi área de estudo de renomados antropólogos: Alfred Métraux (1942, 1963), Claude Lévi-Strauss (1996 [1955]), Darcy Ribeiro (1986 [1980]), Max Schmidt (1942 [1905]) e Roberto Cardoso de Oliveira (1968, 1976) e tantos outros. Mas como e porque isso aconteceu logo em Dourados? A criação, em fins de 2010, do PPGAnt (Programa de Pós-Graduação em Antropologia) na UFGD. Dilemas, avanços e perspectivas em Mato Grosso do Sul Como se dá a formação, em nível de graduação e pós-graduação, dos profissionais de história em Mato Grosso do Sul e até mesmo no Brasil? Porque historiadores que atuam no estado tem uma preocupação maior com a história indígena no tempo presente e menos no tempo pretérito? De um ponto de vista teórico-metodológico, quais seriam os dilemas, avanços e perspectivas para a história indígena em Mato Grosso do Sul? Há mesmo uma necessidade de descolonizar a História enquanto campo de atuação dos historiadores? O que os povos indígenas esperam no estado dos antropólogos, historiadores, educadores, linguistas, sociólogos, advogados etc.? Os eixos temáticos do PPGH/UFGD: 1) As questões ecológicas e socioculturais pertinentes às relações entre povos indígenas e seus respectivos territórios, sobretudo os processos relacionados à dinâmica de ocupação e uso dos recursos naturais, bem como às formas de humanização da natureza e os processo de territorialização. 2) Os processos de conquista e colonização que causaram assimilações, mudanças socioculturais e desterritorializações de muitos povos indígenas por parte das sociedades envolventes e seus antecessores europeus. 3) A situação indígena contemporânea e sua relação com as sociedades nacionais e com o próprio Estado. 4) A situação indígena contemporânea e sua relação com as sociedades nacionais e com o próprio Estado. 5
  6. 6. Dissertações produzidas na linha de história indígena no PPGH da UFGD/UFMS (2001-2011) Passos para elaboração de um projeto de pesquisa (sugestão aos interessados) 1. Realização de pesquisa bibliográfica e leitura das obras levantadas. 2. A definição do assunto a ser pesquisado (delimitação da problemática e recorte espaço-temporal), por vezes a transformar um problema social em um problema científico a ser pesquisado. 3. A localização das fontes de pesquisa (sobretudo quando se trata de fontes textuais) e formas de acesso às comunidades quando se tratar de um estudo com base na oralidade, tradição oral, memória social etc. 4. A elaboração do projeto de pesquisa e a definição de: 1) tema; 2) justificativa ou relevância; 3) objetivos gerais e específicos; 4) metodologia ou caminho teórico- metodológico a seguir; 5) cronograma de atividades; 6) referências bibliográficas. 5. O desenvolvimento da pesquisa nos prazos estabelecidos (geralmente de 24 a 30 meses) e a divulgação dos resultados finais dos estudos realizados (conclusão da monografia e publicações). 6
  7. 7. Sugestões de leitura para uma iniciação em história indígena1. ALVES DA SILVA, Cleube; EREMITES DE OLIVEIRA, Jorge. Fontes textuais e etnoistória: possibilidades de novas abordagens para uma história indígena no estado do Tocantins. Revista do Museu Antropológico, Goiânia, n.8, v.1, p.77-84, 2005.2. BRAND, Antonio Jacó. O impacto da perda da terra sobre a tradição Kaiowá/Guarani: os difíceis caminhos da palavra. Tese (Doutorado em História) – PPGH, PUCRS, Porto Alegre, 1997.3. CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo, FAPESP/SMC/Companhia das Letras, 1992.4. CAVALCANTE, Thiago Leandro V. Etno-história e história indígena: questões sobre conceitos, métodos e relevância da pesquisa. História, São Paulo, n.30, v.1, p.349-371, 2011.5. CELESTINO DE ALMEIDA, Maria Regina. Os índios na história do Brasil. Rio de Janeiro, Editora FGV, 2010.6. EREMITES DE OLIVEIRA, Jorge. A História Indígena em Mato Grosso do Sul: dilemas e perspectivas. Territórios & Fronteiras, Cuiabá, n.2, v.2, p.115- 124, 2001.7. EREMITES DE OLIVEIRA, Jorge. Sobre os conceitos e as relações entre história indígena e etnoistória. Prosa, Campo Grande, n.3, v.1, p.39-47, 2003.8. FUNARI, Pedro Paulo A. Arqueologia. São Paulo, Ática, 1988.9. GRUPIONI, Luís Donisete B. (Org.). Índios no Brasil. Brasília, MEC, 1994.10. LE GOFF, J. (Org.). A História Nova. 2ª ed. Trad. de E. Brandão. São Paulo, Martins Fontes, 1993.11. MALDI, Denise. A teia da memória – proposta teórica para a construção de uma etnohistória. Cuiabá, Editora UFMT, 1993.12. MELIÀ, Bartomeu. El Paraguay inventado. Asunción: Centro de Estudios “Antonio Guasch”, 1997.13. MONTEIRO, John Manuel. Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo, Companhia das Letras, 1995.14. SILVA, Aracy L.; GRUPIONI, Luiz Donizete B. (Orgs.). A temática indígena na escola. Novos subsídios para professores de 1° e 2° graus. Brasília, MEC/MARI/UNESCO, 1995. 7
  8. 8. 15. NEVES, Walter A. (Org.). Dossiê “Antes de Cabral: Arqueologia Brasileira”. Revista USP, São Paulo, n.44, 2v, 2000.16. PACHECO DE OLIVEIRA, João. Ensaios em antropologia histórica. Prefácio de Roberto C. de Oliveira. Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 1999.17. SCHMITZ, Pedro Ignacio. Arqueologia em Mato Grosso do Sul: dois projetos, dois resultados. Fronteiras, Campo Grande, v.2, n.4, p.203-223, 1998.18. SILVA ROIZ, Diogo. A população indígena na historiografia de Mato Grosso do Sul: o caso do programa de pós-graduação em História da UFMS, campus de Dourados. Revista História & Perspectivas, Uberlândia, v.23, n.43, p.251-302, 2010. 8

×