SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
UFPB – PRG _____________________________________________________________X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 



            4CCHLADLCVMT06.P 
           ETNIA E PRECONCEITO: AS REPRESENTAÇÕES INDÍGENAS NOS LIVROS DIDÁTICOS 
                                                     (1)                           (3) 
                       Maria Olívia de Queiroz Borba  , Wilma Martins de Mendonça 
                  Centro de Ciências Humanas Letras e Artes Centro de Ciências Clássicas e 
                                          Vernáculas/MONITORIA 


          Resumo: 
          Estudo  bibliográfico  das  representações  e  imagens  ameríndias  presentes  nos  livros  didáticos 
          brasileiros,  com  o  objetivo  de  observar  as  maneiras  e  os  modos  com  os  quais  os  autores 
          dessas  obras  tratam  a  temática  indígena  que,  posteriormente,  serão  retrabalhadas  pelo 
          professor em sala de aula. 

          Palavras­chaves: Indianismo, Etnia, Etnocentrismo. 

          Você não pode se esquecer de onde você 
           é e nem de onde você veio, porque assim você 
          sabe quem você é e para onde você vai. 
          Ailton Krenak 

                   O presente  artigo é fruto de uma investigação teórica procedida durante o período em 
          que  exercemos  as  atividades  acadêmicas,  concernentes  ao  Projeto  de  Monitoria  implantado 
          pela Universidade Federal da Paraíba. 
          Voltado  para  a  temática  da  representação  indígena  nos  livros  didáticos,  esse  trabalho 
          enfrentou  algumas  adversidades,  oriundas  da  escassez  de  obras  críticas,  não  obstante  a 
          importância  do  tema.  A  partir  dessa  constatação,  parece­nos  imprescindível  o  realce  de 
          algumas obras que além de se debruçarem sobre o tema ameríndio, o fazem de maneira crítica 
          admirável. Entre essas obras, podemos citar: A organização social dos Tupinambás (1989), 
          de Florestan Fernandes; História dos índios no Brasil (1992), de Manuela Carneiro Cunha; A 
          questão indígena na sala de aula (1993), compêndio organizado por Aracy Lopes da Silva e 
          Memórias de nós : da nossa ancestralidade indígena, de Wilma Martins de Mendonça. 
                   Reconhecendo  a  importância  dessa  temática,  num  país  formado  por  uma  gritante 
          diversidade, causa­nos admiração a precariedade do conhecimento que a sociedade brasileira 
          tem  a  respeito  da  etnia  indígena,  apesar  dessa  humanidade  constituir­se  como  nossa 
          ancestralidade  primeira.  Tal  carência  discursiva,  contudo,  não  vem  sendo  discutida,  nem 
          mesmo  numa  perspectiva  simplista  ou  acrítica,  salvo  alguns  poucos,  porém,  muito  bons 
          trabalhos, como os acima citados. Antes, qualquer brasileiro acredita conhecer muito a respeito 
          de  sua  origem.  Se  indagado  a  respeito  da  formação  de  sua  população,  facilmente  sabe 
          determiná­la como descendência de índios, negros e brancos europeus. É que não há dúvidas 
          quanto  a  esse  entendimento, foi  matéria  corrente,  debatida  na  escola,  e  é  certo  que  se  pode 
          comprovar na evidência de traços físicos, de hábitos; de toda a cultura miscigenada. 
                     O  que  parece  faltar  é,  talvez,  ainda  mais  informações,  ou  que  se  descortine  o  véu 
          que esconde, ou omite, as versões outras de nossa História, em especial as versões indígenas, 
          bastante  diferentes  das  versões  oficiais  das  quais  se  nutrem  os  textos  didáticos.  Para  nós,  o 
          descortínio desses discursos silenciados faria toda  uma diferença no quadro político­social no 
          qual se embatem as gentes brasileiras. Assim é que se faz necessário pensar, refletir sobre o 
          nosso  percurso  histórico  e,  nessa  reflexão,  mensurar  a  importância  da  cultura  indígena  em 
          nossa sociedade. 
                     Se,  pouco  sabemos  de  nós  mesmos,  de  nossa  formação  étnica,  isso  se  deve  aos 
          interesses  dos  grupos  dominantes  que,  nesses  quinhentos  anos,  tentam  encobrir  a  barbárie 
          que se abateu sobre a nossa terra com o processo da conquista e colonização em nosso solo. 
          Dessa  ignorância  inicial,  deriva  todo  o  nosso  desconhecimento  de  como  vivem/sofrem,  na 
          atualidade,  os  nossos  povos  indígenas  e  de  como  enfrentam  os  preconceitos,  postos  em 
          circulação pelos europeus, e constantemente retomados por nós, seus descendentes. 
                     Nessa compreensão, é importante ressaltar o papel exercido pela Escola que, longe 
          de  informar  e  formar  seus  educandos,  termina  por  divulgar  uma  gama  de  preconceitos  e 
          estereótipos,  legitimando,  assim,  as  imagens  indígenas  contidas  nos  livros  didáticos.  Dessa 
          forma, a Escola ao invés de se tornar o espaço privilegiado por onde o conhecimento transita, 
          transforma­se  num  espaço  de  alienação  docente  e  discente.  Não  é  demais  ressaltar,  que  a 
__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 
   (1)                           (3) 
          Monitor(a) Bol sista  Prof(a) Orientador(a)/Coordenador(a).
Escola se constitui como um aparelho ideológico do Estado, segundo alerta Althussser (1985), 
e,  por  isso  mesmo,  é,  a  um  só  tempo,  espaço  de  formação  e  divulgação  dos  valores  sociais 
gerais e, dialeticamente, locus de desinformação, de preconceito e hostilidade às minorias de 
nosso país. 
            Para  essa  ambigüidade  escolar,  contribui,  de  forma  exemplar,  os  livros  didáticos. 
Agentes  poderosos  criados  pela  indústria  livresca,  os  textos  didáticos  tornaram­se  objetos 
primordiais  de  uso  nas  escolas,  instrumentos  pelos  quais  as  informações  concretizam­se  e 
“facilitam” a aprendizagem. Não obstante diversos entre si, tais textos  são  de uma  acentuada 
homogeneidade no que tange à cultura indígena, no que se refere ao nosso passado. Objetos 
dessa análise, os livros didáticos representam um importante instrumento de aferição do nosso 
desconhecimento acerca do nosso passado e das nossas etnias. Assim é que nos propomos a 
verificar  nos  manuais  da  disciplina  História  do  Brasil,  comumente  utilizados  nas  escolas,  a 
forma  como  são  elaboradas  as  imagens  dos  índios,  expostos  nessas  obras,  e  qual  o 
tratamento a eles dispensado. 
            Inicialmente,  apresentamos  uma  observação  feita  pela  professora  Norma  Telles, 
estudiosa da história indígena e de sua representação nos livros didáticos, para quem é notória 
a constatação neles de um evidente descompasso entre sua feição e seu objetivo de informar: 

Ao  examinar  alguns  manuais  que  há  mais  de  dez  anos  servem  as  nossas  escolas, 
constatamos  que,  em  geral,  são  obras  cheias  de  preconceitos  e  estereótipos;  possuem  uma 
vontade  excessiva  de  adaptar  o  real  a  desígnios  convencionais,  até  conservadores, 
prendendo­se  a  um  modelo  ideal  de  como  as  coisas  deveriam  ser  e,  assim,  esvaziando  a 
história, os episódios narrados e os grupos étnicos envolvidos (TELLES, 1984, p. 62). 

           A História do Brasil contada nos livros didáticos mais comuns, de uso mais difundido 
nas  escolas,  é  uma  história  fortemente  posicionada  sob  uma  ótica  européia,  branca  e  cristã. 
Todos  os  fatos  e  acontecimentos  que  marcaram  o  passar  do  tempo  em  nosso  país,  desde  o 
ano  de  1500  até  hoje,  são  narrados  por  um  olhar  nitidamente  europeu.  O  estudante  acaba 
sendo  “convidado”  a  apreender  noções  unilaterais  de  determinados  feitos,  que  lhe  limitam  o 
exercício  da  crítica  e  o  fazem  enveredar  por  um  caminho  tendente  ao  preconceito,  no  que 
tange à diversidade cultural. Um exemplo claro consiste na noção frequentemente veiculada do 
“descobrimento” da terra “desconhecida” (porém, já habitada há muito tempo) e sua “conquista” 
pelos  brancos  portugueses  (manifestada  pela  prática  exploratória  de  inúmeras  riquezas 
naturais e pelo desrespeito e matança imposta aos seus habitantes). 
           Pode­se, pelo visto, afirmar que os manuais didáticos estão permeados de ideologias 
dominantes  e  etnocentrismos,  que  situam  a  cultura  indígena  como  subalterna,  enquanto 
reafirmam  o  valor  quase  “sagrado”  da  cultura  ocidental.  Nestes  termos  expressa­se,  ainda, 
Norma Telles: 

Os  autores  de  manuais  sistematicamente  desconhecem  a  relação  entre  os  vários  grupos 
envolvidos na formação da sociedade brasileira, assim como desconhecem a contribuição que 
a  Antropologia  poderia  prestar  à  questão.  Uma  história  que  só  enfatiza  certos  aspectos  da 
cultura ocidental, omitindo ou silenciando outras culturas, é uma história etnocêntrica (TELLES, 
1993, p. 75). 

            Igual  parcialidade  narrativa,  não  menos  restrita  que  a  anterior,  recai  sobre  o 
tratamento prestado diretamente à etnia indígena por esses manuais. Não é difícil o estudante 
chegar a formar em si idéias difusas e preconceituosas acerca de certa preguiça e ociosidade 
associadas à imagem dos índios, bem como,  que ele seja levado a reconhecê­los (os índios) 
sob  um  aspecto  genérico,  entendendo­os,  muitas  vezes,  improdutivos,  ou  mais  comumente, 
como “selvagens”, apenas. 
            Não só a insuficiência de informações consistentes e fundamentadas, mas também a 
distorção  propositada  dos  fatos  que  têm  marcado  a  nossa  trajetória  histórica  – distorção  esta 
estimulada  pelos  discursos  dos  vencedores  em  que  um  grupo  dominante  objetiva  o 
subjulgamento de outros a sua autoridade e prestígio – justificam os enganos a que os estudos 
dos  manuais  remetem  os  estudantes.  Como  conseqüência  disso,  observa­se  que  essa  visão 
atinge  o  pensamento  geral  de  grande  parte  da  sociedade  brasileira  (em  especial  aqueles  a 
quem  foi  oportunizado  o  estudo,  ainda  que  por  curto  período).  Vê­se,  portanto,  que,  desses
“saberes”  fortemente  influenciados  pelo  etnocentrismo  se  originaram  os  conhecimentos  do 
povo.  Nessa  perspectiva  lacunar,  os  textos  didáticos  também  subtraem  do  educando  a 
aprendizagem  de  formas  outras  de  sociabilidade  humana,  de  relação  com  o  sagrado,  de 
convívio  fraterno  com  a  natureza  e,  principalmente,  sonegam  não  apenas  o  conhecimento 
acerca da diversidade humana, mas da nossa própria diversidade. 
            Deste modo, é necessário que esclareçamos: os  povos indígenas representam uma 
forma  outra  de  sociabilidade  humana,  marcada  pela  vivência  comunitária  e  pela  igualdade  e 
respeito ao humano. Existiram e existem ainda diversas sociedades ameríndias, cada uma com 
sua forma específica de vivência, língua, costumes e rituais próprios. Como traços essenciais, 
essas  comunidades  têm  em  comum  o  respeito  à  natureza,  o  desprezo  ao  trabalho  e  uma 
acentuadíssima religiosidade. São sociedades igualitárias, caracterizadas pela divisão sexual e 
de  faixa  hetária  do  trabalho  e  pelo  curto  tempo  destinado  às  lidas  (no  máximo  quatro  horas 
diárias), num profundo antagonismo ao modelo do Capitalismo. Distantes da  volúpia do lucro, 
esses  povos  organizam­se  através  do  vínculo  de  parentesco.  A  generosidade  é  um  dos  mais 
fortes  de  seus  lemas,  “condição  do  prestígio  político  e  condição  para  a  vida  numa  aldeia” 
(SILVA, 1993, p. 139). 
            Não  parece  adequada  a  postura  adotada  pelos  manuais  que  encerram  uma  ótica 
genérica  referente  aos  índios,  já  que  não  lhes  prestam  devida  individualização  ou  vinculação 
tribal, determinante de sua origem. Muitas vezes, de forma parcial, os índios só são apontados 
como  “cordiais”,  ou  não  selvagens,  quando  aliados  dos  brancos,  e,  ainda,  como  “inimigos”, 
quando opositores do “progresso” europeu pretendido. Acerca disso, afirma a professora Aracy 
Lopes: 
Os livros didáticos costumam contribuir para a divulgação dessa falsa idéia, ou seja, a do índio 
genérico. Quando lemos sobre os povos indígenas, aprendemos sobre a oca e taba; o pajé ou 
morubixaba;  Tupã  e  o  Tacape.  E  assim  por  diante.  Essas  informações  tomam  por  modelo 
algumas  das  sociedades  Tupi  habitantes  da  Costa  brasileira  por  ocasião  do  início  da 
colonização.  Sabemos  hoje  que  a  organização  social  e,  principalmente,  a  cosmologia  dos 
povos  Tupi  são  muito  complexas  e  a  Antropologia  brasileira  faz  hoje  um  grande  esforço  – 
através  de  prolongadas  pesquisas  de  campo  –  para  chegar  a  uma  compreensão  satisfatória 
dessa  realidade.  A  visão  de  alguns  clássicos  livros  didáticos  é,  pois, falsamente  generalizada 
(apresenta algumas informações fragmentadas e, muitas vezes desatualizadas, como “retrato” 
de toda e qualquer sociedade indígena (SILVA, 1993,p. 138). 
            Por  não  se  fazer  a  devida  distinção  quanto  à  diversidade  dos  povos  indígenas, 
termina­se  por  se  subtrair  a  possibilidade  de  acompanhar  suas  singulares  trajetórias  no 
decurso do tempo. 
            Quanto à ociosidade e à preguiça atribuídas aos  índios, também aqui se constata a 
eminência  de  um  outro  equívoco.  Essas  noções  foram  difundidas  por  ocasião  de  conflitos  e 
guerrilhas  havidas  entre  os  brancos  e  indígenas,  quando  da  conquista  e  exploração  da  terra 
brasileira. Os europeus, defrontando­se com os modos plurais de organização social indígena, 
e  percebendo  que  estes  não  se  constituíam  à  sua  imagem,  reagiram  violenta  e 
etnocentricamente. Por não obterem êxito no intento de escravização indígena, impulsionaram 
a criação de um imaginário desqualificado para lhes atribuir. Portanto, permanecer com visões 
parciais como as acima citadas, é não poder reconhecer a  marca da contingência própria das 
realidades históricas. 
            Outro  atributo  imposto  à  comunidade  vermelha  que  merece  destaque  é  o  que 
considera  o  índio  “improdutivo”.  Também  este  estereótipo  tem  fulcro  nas  diferenças  culturais 
que  distanciam  os  modos  da  vida  européia,  dos  da  vida  ameríndia.  Os  livros  didáticos 
caracterizam  a  economia  dos  grupos  indígenas  em  termos  de  “atraso”,  como  “bastante 
primitiva”  e  marcada  pela  insuficiência  de  recursos.  Na  contramão  dessa  visão,  insurge­se  o 
criador da Antropologia Política Pierre Clastres: 

Não mais podemos falar em inferioridade [...] das sociedades primitivas: elas demonstram uma 
capacidade  de  satisfazer  suas  necessidades  pelo  menos  igual  àquela  de  que  se  orgulha  a 
sociedade industrial e técnica (CLASTRES, 1978, p.134). 
           Diante  desse  contexto  textual,  cabe­nos  o  espinhoso  trabalho  de  rever  e  refazer 
nossas  visões  acerca  do  nosso  mundo  indígena.  Para  tanto,  contamos,  hoje,  com  o  próprio 
discurso  ameríndio  que  vê,  na  Educação  e  na  Escola,  as  saídas  para  a  anomia  e  desordem 
social do nosso país. Para Daniel Munduruku, indígena, filósofo e Mestre em Ciências Sociais,
há  possibilidades,  sim,  de  a  Escola  formar  os  seus  educandos,  bastando  para  isso  que  ela 
ofereça  aos  seus  alunos  as  condições  para  que  eles  adquiram  auto­estima,  sabendo, 
verdadeiramente, de onde vieram para que assim, possam respeitar a si e ao Outro. Segundo 
Munduruku, o método escolar a ser empregado deve ser aquele construído a partir dos valores 
humanos  mais  expressivos,  como  os  valores  da  liberdade,  do  respeito  e  do  silêncio.  Assim 
sendo,  a  Escola  deixará  de  ver  seu  aluno  como  mero  depositário  de  conhecimentos,  muitas 
vezes distorcidos, para vê­lo como um ser humano integral (MUNDURUKU, 2000, p. 97). 


REFERÊNCIAS 

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos de Estado. Rio de Janeiro: Graal, 1985. 

CLASTRES,  Pierre.  A  Sociedade  contra  o  Estado:  pesquisas  de  antropologia  política. 
Tradução de Theo Santiago. Rio de Janeiro: F. Alves, 1978. 

CUNHA, Manuela Carneiro. História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 
1992. 

DEIRÓ,  Maria  de  Lourdes  Chagas.  As  belas  mentiras:  a  ideologia  subjacente  aos  textos 
didáticos. São Paulo: Moraes, 1978. 

FERNANDES Florestan. A organização social dos Tupinambá. São Paulo: Hucitec, 1989. 

GRUPIONI,  Luis  Donisete  Benzi.  Índios  no  Brasil.  Brasília:  Ministério  da  Educação  e  do 
Desporto, 1994. 

KRENAC, Ailton. O eterno retorno do encontro. In: NOVAES, Adauto (Org.). A outra margem 
do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. 

MENDONÇA,  Wilma  Martins.  Memórias  de  nós:  da  nossa  ancestralidade  indígena.  In: 
SCHNEIDER,  Liane;  MACHADO,  Charliton  (Org.).  Mulheres  no  Brasil:  resistência,  lutas  e 
conquistas. João Pessoa: UFPB, 2006, p. 81­96. 

MUNDURUKU,  Daniel.  O  banquete  dos  deuses:  conversa  sobre  a  origem  da  cultura 
brasileira. São Paulo: Angra, 2000. 

SILVA, Aracy Lopes. A questão indígena na sala de aula. São Paulo: Brasiliense, 1993. 

TELLES, Norma. Cartografia brasilis ou: Esta história está mal contada. In:  SILVA, Aracy Lopes 
(Org.). Op. cit., p. 73­89.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Culturas e História Indígena no Currículo Escolar
Culturas e História Indígena no Currículo EscolarCulturas e História Indígena no Currículo Escolar
Culturas e História Indígena no Currículo Escolarguest243097
 
03 chapeuzinho vermelho negra
03 chapeuzinho vermelho negra03 chapeuzinho vermelho negra
03 chapeuzinho vermelho negraprimeiraopcao
 
A importancia do estudo das mitologias
A importancia do estudo das mitologiasA importancia do estudo das mitologias
A importancia do estudo das mitologiasEduardo Gehrke
 
Ressignificando a história
Ressignificando a históriaRessignificando a história
Ressignificando a históriaprimeiraopcao
 
Presenças africanas
Presenças africanasPresenças africanas
Presenças africanasprimeiraopcao
 
Ciência, tecnologia e relações étnico-raciais
Ciência, tecnologia e relações étnico-raciaisCiência, tecnologia e relações étnico-raciais
Ciência, tecnologia e relações étnico-raciaisVitor Vieira Vasconcelos
 
05 cultura e identidades indígenas
05 cultura e identidades indígenas05 cultura e identidades indígenas
05 cultura e identidades indígenasprimeiraopcao
 
HISTÓRIA DA AFRICA
HISTÓRIA DA AFRICAHISTÓRIA DA AFRICA
HISTÓRIA DA AFRICAculturaafro
 
Inclusao da historia cultura afro-brasileira e indigena nos currículos
Inclusao da historia cultura afro-brasileira e indigena nos currículosInclusao da historia cultura afro-brasileira e indigena nos currículos
Inclusao da historia cultura afro-brasileira e indigena nos currículosWilson
 
Literatura negra infanto juvenil
Literatura negra infanto juvenilLiteratura negra infanto juvenil
Literatura negra infanto juvenilJuciara Brito
 
Antropologia e Educação
Antropologia e EducaçãoAntropologia e Educação
Antropologia e EducaçãoIrmão Jáder
 

Mais procurados (20)

C.A. 02
C.A. 02C.A. 02
C.A. 02
 
Plano de aula tati
Plano de aula tatiPlano de aula tati
Plano de aula tati
 
Historia da Africa
Historia da AfricaHistoria da Africa
Historia da Africa
 
Culturas e História Indígena no Currículo Escolar
Culturas e História Indígena no Currículo EscolarCulturas e História Indígena no Currículo Escolar
Culturas e História Indígena no Currículo Escolar
 
03 chapeuzinho vermelho negra
03 chapeuzinho vermelho negra03 chapeuzinho vermelho negra
03 chapeuzinho vermelho negra
 
A importancia do estudo das mitologias
A importancia do estudo das mitologiasA importancia do estudo das mitologias
A importancia do estudo das mitologias
 
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidianoPlano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
 
Ressignificando a história
Ressignificando a históriaRessignificando a história
Ressignificando a história
 
Presenças africanas
Presenças africanasPresenças africanas
Presenças africanas
 
Monografia Noêmia Pedagogia 2009
Monografia Noêmia Pedagogia 2009Monografia Noêmia Pedagogia 2009
Monografia Noêmia Pedagogia 2009
 
Monografia Ângela Pedagogia 2009
Monografia Ângela Pedagogia 2009Monografia Ângela Pedagogia 2009
Monografia Ângela Pedagogia 2009
 
Ciência, tecnologia e relações étnico-raciais
Ciência, tecnologia e relações étnico-raciaisCiência, tecnologia e relações étnico-raciais
Ciência, tecnologia e relações étnico-raciais
 
05 cultura e identidades indígenas
05 cultura e identidades indígenas05 cultura e identidades indígenas
05 cultura e identidades indígenas
 
Literatura afrobrasileira
Literatura afrobrasileiraLiteratura afrobrasileira
Literatura afrobrasileira
 
HISTÓRIA DA AFRICA
HISTÓRIA DA AFRICAHISTÓRIA DA AFRICA
HISTÓRIA DA AFRICA
 
Inclusao da historia cultura afro-brasileira e indigena nos currículos
Inclusao da historia cultura afro-brasileira e indigena nos currículosInclusao da historia cultura afro-brasileira e indigena nos currículos
Inclusao da historia cultura afro-brasileira e indigena nos currículos
 
cultura afro
cultura afrocultura afro
cultura afro
 
Literatura negra infanto juvenil
Literatura negra infanto juvenilLiteratura negra infanto juvenil
Literatura negra infanto juvenil
 
Antropologia e Educação
Antropologia e EducaçãoAntropologia e Educação
Antropologia e Educação
 
Africa tecnologia
Africa tecnologiaAfrica tecnologia
Africa tecnologia
 

Destaque

Casarte sin-gafas-y-sin-lentillas
Casarte sin-gafas-y-sin-lentillasCasarte sin-gafas-y-sin-lentillas
Casarte sin-gafas-y-sin-lentillasDiego Tondonia
 
CEONET Introduction & Overview
CEONET Introduction & OverviewCEONET Introduction & Overview
CEONET Introduction & OverviewPoonam Sagar
 
BUENOS AIRES BESUCH
BUENOS AIRES BESUCHBUENOS AIRES BESUCH
BUENOS AIRES BESUCHmirtangel
 
Guia de estudios para la materia de teleprocesos 15 b
Guia de estudios para la materia de teleprocesos 15 bGuia de estudios para la materia de teleprocesos 15 b
Guia de estudios para la materia de teleprocesos 15 bmanuelcucosta
 
Tibb m3 u4-reporte_recursosweb2.0_personal_actividadopcional
Tibb m3 u4-reporte_recursosweb2.0_personal_actividadopcionalTibb m3 u4-reporte_recursosweb2.0_personal_actividadopcional
Tibb m3 u4-reporte_recursosweb2.0_personal_actividadopcionalBlanca Tirado
 
Amazon Repricing More sales,More Buy Box, More Time - XSellco
Amazon Repricing  More sales,More Buy Box, More Time - XSellcoAmazon Repricing  More sales,More Buy Box, More Time - XSellco
Amazon Repricing More sales,More Buy Box, More Time - XSellcoDaytodayebay
 
Communiqué de presse Manuel Valls
Communiqué de presse Manuel VallsCommuniqué de presse Manuel Valls
Communiqué de presse Manuel Vallstdeszpot
 
Tutorial de Twitter para Principiantes
Tutorial de Twitter para PrincipiantesTutorial de Twitter para Principiantes
Tutorial de Twitter para PrincipiantesJavier Cejudo
 
Shephard/Phillips TMAU webinar 09/12
Shephard/Phillips TMAU webinar 09/12Shephard/Phillips TMAU webinar 09/12
Shephard/Phillips TMAU webinar 09/12meboresearch
 
Lugares bíblicos para visitar
Lugares bíblicos para visitarLugares bíblicos para visitar
Lugares bíblicos para visitarYeshiva Torah
 
Act 5.3 teoía valor colaborativa Equipo 1
Act 5.3 teoía valor colaborativa  Equipo 1Act 5.3 teoía valor colaborativa  Equipo 1
Act 5.3 teoía valor colaborativa Equipo 1Ulrich Von Lichtenstien
 

Destaque (20)

Casarte sin-gafas-y-sin-lentillas
Casarte sin-gafas-y-sin-lentillasCasarte sin-gafas-y-sin-lentillas
Casarte sin-gafas-y-sin-lentillas
 
CEONET Introduction & Overview
CEONET Introduction & OverviewCEONET Introduction & Overview
CEONET Introduction & Overview
 
60 0717 no temáis
60 0717 no temáis60 0717 no temáis
60 0717 no temáis
 
Trabaja en la red inmobiliaria mariatomasa.com
Trabaja en la red inmobiliaria mariatomasa.comTrabaja en la red inmobiliaria mariatomasa.com
Trabaja en la red inmobiliaria mariatomasa.com
 
El genio de la lampara
El genio de la lamparaEl genio de la lampara
El genio de la lampara
 
PM Kölle putzmunter.pdf
PM Kölle putzmunter.pdfPM Kölle putzmunter.pdf
PM Kölle putzmunter.pdf
 
Conoce Jerez
Conoce JerezConoce Jerez
Conoce Jerez
 
BUENOS AIRES BESUCH
BUENOS AIRES BESUCHBUENOS AIRES BESUCH
BUENOS AIRES BESUCH
 
Guia de estudios para la materia de teleprocesos 15 b
Guia de estudios para la materia de teleprocesos 15 bGuia de estudios para la materia de teleprocesos 15 b
Guia de estudios para la materia de teleprocesos 15 b
 
Tibb m3 u4-reporte_recursosweb2.0_personal_actividadopcional
Tibb m3 u4-reporte_recursosweb2.0_personal_actividadopcionalTibb m3 u4-reporte_recursosweb2.0_personal_actividadopcional
Tibb m3 u4-reporte_recursosweb2.0_personal_actividadopcional
 
Duhalde
DuhaldeDuhalde
Duhalde
 
Caixa Econômica Federal
Caixa Econômica  FederalCaixa Econômica  Federal
Caixa Econômica Federal
 
Linfen
Linfen Linfen
Linfen
 
STI Summit 2011 - DB vs RDF
STI Summit 2011 - DB vs RDFSTI Summit 2011 - DB vs RDF
STI Summit 2011 - DB vs RDF
 
Amazon Repricing More sales,More Buy Box, More Time - XSellco
Amazon Repricing  More sales,More Buy Box, More Time - XSellcoAmazon Repricing  More sales,More Buy Box, More Time - XSellco
Amazon Repricing More sales,More Buy Box, More Time - XSellco
 
Communiqué de presse Manuel Valls
Communiqué de presse Manuel VallsCommuniqué de presse Manuel Valls
Communiqué de presse Manuel Valls
 
Tutorial de Twitter para Principiantes
Tutorial de Twitter para PrincipiantesTutorial de Twitter para Principiantes
Tutorial de Twitter para Principiantes
 
Shephard/Phillips TMAU webinar 09/12
Shephard/Phillips TMAU webinar 09/12Shephard/Phillips TMAU webinar 09/12
Shephard/Phillips TMAU webinar 09/12
 
Lugares bíblicos para visitar
Lugares bíblicos para visitarLugares bíblicos para visitar
Lugares bíblicos para visitar
 
Act 5.3 teoía valor colaborativa Equipo 1
Act 5.3 teoía valor colaborativa  Equipo 1Act 5.3 teoía valor colaborativa  Equipo 1
Act 5.3 teoía valor colaborativa Equipo 1
 

Semelhante a 4 cchladlcvmt06

Ensino de história e diversidade étnica cultural
Ensino de história e diversidade étnica culturalEnsino de história e diversidade étnica cultural
Ensino de história e diversidade étnica culturalmontorri
 
OT Currículo e histórias indígena, africana e afro-brasileira
OT Currículo e histórias indígena, africana e afro-brasileiraOT Currículo e histórias indígena, africana e afro-brasileira
OT Currículo e histórias indígena, africana e afro-brasileiraClaudia Elisabete Silva
 
Identidades brasileiras
Identidades brasileiras Identidades brasileiras
Identidades brasileiras Fabiana Vallina
 
Relações Étnico Raciais Patos de Minas 2003-2008
Relações Étnico Raciais Patos de Minas 2003-2008Relações Étnico Raciais Patos de Minas 2003-2008
Relações Étnico Raciais Patos de Minas 2003-2008Lara Luisa
 
Povoado cruz contribuições aos estudos dos quilombos
Povoado cruz   contribuições aos estudos dos quilombosPovoado cruz   contribuições aos estudos dos quilombos
Povoado cruz contribuições aos estudos dos quilombosAlunos da UNEB
 
Os mitos e lendas na dinâmica das religiões de matriz africana.
Os mitos e lendas na dinâmica das religiões de matriz africana.Os mitos e lendas na dinâmica das religiões de matriz africana.
Os mitos e lendas na dinâmica das religiões de matriz africana.Aline Sesti Cerutti
 
Ensino de história e diversidade cultural ricardo oriá
Ensino de história e diversidade cultural   ricardo oriáEnsino de história e diversidade cultural   ricardo oriá
Ensino de história e diversidade cultural ricardo oriáEduardo Dantas
 
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdfLEANDROSPANHOL1
 
Colonização, Quilombos Modos e Significados - Antônio Bispo.pdf
Colonização, Quilombos Modos e Significados - Antônio Bispo.pdfColonização, Quilombos Modos e Significados - Antônio Bispo.pdf
Colonização, Quilombos Modos e Significados - Antônio Bispo.pdfAnaClaraFreitas21
 
IDENTIDADE AFRO.pptx pedagogia apresentação
IDENTIDADE AFRO.pptx pedagogia apresentaçãoIDENTIDADE AFRO.pptx pedagogia apresentação
IDENTIDADE AFRO.pptx pedagogia apresentaçãoantoniocarlosim35
 
Cultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoCultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoGeraa Ufms
 
POR UMA EDUCAÇÃO INTERCULTURAL
POR UMA EDUCAÇÃO INTERCULTURALPOR UMA EDUCAÇÃO INTERCULTURAL
POR UMA EDUCAÇÃO INTERCULTURALInstituto Uka
 
11 cultura afro brasileira e cultura indígena
11 cultura afro brasileira e cultura indígena11 cultura afro brasileira e cultura indígena
11 cultura afro brasileira e cultura indígenaprimeiraopcao
 
cultura afro-brasileira
cultura afro-brasileiracultura afro-brasileira
cultura afro-brasileiraculturaafro
 
Intérprete Bilíngue na educação Indígena.pptx
Intérprete Bilíngue na educação Indígena.pptxIntérprete Bilíngue na educação Indígena.pptx
Intérprete Bilíngue na educação Indígena.pptxVitorSantos789411
 

Semelhante a 4 cchladlcvmt06 (20)

Ensino de história e diversidade étnica cultural
Ensino de história e diversidade étnica culturalEnsino de história e diversidade étnica cultural
Ensino de história e diversidade étnica cultural
 
OT Currículo e histórias indígena, africana e afro-brasileira
OT Currículo e histórias indígena, africana e afro-brasileiraOT Currículo e histórias indígena, africana e afro-brasileira
OT Currículo e histórias indígena, africana e afro-brasileira
 
Identidades brasileiras
Identidades brasileiras Identidades brasileiras
Identidades brasileiras
 
Relações Étnico Raciais Patos de Minas 2003-2008
Relações Étnico Raciais Patos de Minas 2003-2008Relações Étnico Raciais Patos de Minas 2003-2008
Relações Étnico Raciais Patos de Minas 2003-2008
 
Povoado cruz contribuições aos estudos dos quilombos
Povoado cruz   contribuições aos estudos dos quilombosPovoado cruz   contribuições aos estudos dos quilombos
Povoado cruz contribuições aos estudos dos quilombos
 
Inf historia 9
Inf historia 9Inf historia 9
Inf historia 9
 
Os mitos e lendas na dinâmica das religiões de matriz africana.
Os mitos e lendas na dinâmica das religiões de matriz africana.Os mitos e lendas na dinâmica das religiões de matriz africana.
Os mitos e lendas na dinâmica das religiões de matriz africana.
 
Ensino de história e diversidade cultural ricardo oriá
Ensino de história e diversidade cultural   ricardo oriáEnsino de história e diversidade cultural   ricardo oriá
Ensino de história e diversidade cultural ricardo oriá
 
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
66hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh6649.pdf
 
Inf historia 3
Inf historia 3Inf historia 3
Inf historia 3
 
Colonização, Quilombos Modos e Significados - Antônio Bispo.pdf
Colonização, Quilombos Modos e Significados - Antônio Bispo.pdfColonização, Quilombos Modos e Significados - Antônio Bispo.pdf
Colonização, Quilombos Modos e Significados - Antônio Bispo.pdf
 
IDENTIDADE AFRO.pptx pedagogia apresentação
IDENTIDADE AFRO.pptx pedagogia apresentaçãoIDENTIDADE AFRO.pptx pedagogia apresentação
IDENTIDADE AFRO.pptx pedagogia apresentação
 
Cultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoCultura negra e educação
Cultura negra e educação
 
A lei 11.64508_e_o_livro_didatico_de_his
A lei 11.64508_e_o_livro_didatico_de_hisA lei 11.64508_e_o_livro_didatico_de_his
A lei 11.64508_e_o_livro_didatico_de_his
 
A lei 11.64508_e_o_livro_didatico_de_his
A lei 11.64508_e_o_livro_didatico_de_hisA lei 11.64508_e_o_livro_didatico_de_his
A lei 11.64508_e_o_livro_didatico_de_his
 
POR UMA EDUCAÇÃO INTERCULTURAL
POR UMA EDUCAÇÃO INTERCULTURALPOR UMA EDUCAÇÃO INTERCULTURAL
POR UMA EDUCAÇÃO INTERCULTURAL
 
11 cultura afro brasileira e cultura indígena
11 cultura afro brasileira e cultura indígena11 cultura afro brasileira e cultura indígena
11 cultura afro brasileira e cultura indígena
 
cultura afro-brasileira
cultura afro-brasileiracultura afro-brasileira
cultura afro-brasileira
 
RACISMO1.pptx
RACISMO1.pptxRACISMO1.pptx
RACISMO1.pptx
 
Intérprete Bilíngue na educação Indígena.pptx
Intérprete Bilíngue na educação Indígena.pptxIntérprete Bilíngue na educação Indígena.pptx
Intérprete Bilíngue na educação Indígena.pptx
 

Mais de Geraa Ufms

Dissenso e consenso em terras do oeste resumo
Dissenso e consenso em terras do oeste   resumoDissenso e consenso em terras do oeste   resumo
Dissenso e consenso em terras do oeste resumoGeraa Ufms
 
Educação e ação afirmativa injustiças simbólicas e injustiças economicas
Educação e ação afirmativa injustiças simbólicas e injustiças economicasEducação e ação afirmativa injustiças simbólicas e injustiças economicas
Educação e ação afirmativa injustiças simbólicas e injustiças economicasGeraa Ufms
 
Educação e ação afirmativa injustiças simbólicas e injustiças economicas
Educação e ação afirmativa injustiças simbólicas e injustiças economicasEducação e ação afirmativa injustiças simbólicas e injustiças economicas
Educação e ação afirmativa injustiças simbólicas e injustiças economicasGeraa Ufms
 
Educação e ações afirmativas: injustiças simbólicas e a injustiças econômica
Educação e ações afirmativas: injustiças simbólicas e a injustiças econômicaEducação e ações afirmativas: injustiças simbólicas e a injustiças econômica
Educação e ações afirmativas: injustiças simbólicas e a injustiças econômicaGeraa Ufms
 
A expressão das formas indirectas de racismo na infância
A expressão das formas indirectas de racismo na infânciaA expressão das formas indirectas de racismo na infância
A expressão das formas indirectas de racismo na infânciaGeraa Ufms
 
ESTEREÓTIPOS, PRECONCEITOS, AXÉ-MUSIC E PAGODE
ESTEREÓTIPOS, PRECONCEITOS, AXÉ-MUSIC E PAGODEESTEREÓTIPOS, PRECONCEITOS, AXÉ-MUSIC E PAGODE
ESTEREÓTIPOS, PRECONCEITOS, AXÉ-MUSIC E PAGODEGeraa Ufms
 
Dissertacao turma2006 brunoborda
Dissertacao turma2006 brunobordaDissertacao turma2006 brunoborda
Dissertacao turma2006 brunobordaGeraa Ufms
 
Allysson fernandesgarcia
Allysson fernandesgarciaAllysson fernandesgarcia
Allysson fernandesgarciaGeraa Ufms
 
Artigocoranaesaboiavf 1
Artigocoranaesaboiavf 1 Artigocoranaesaboiavf 1
Artigocoranaesaboiavf 1 Geraa Ufms
 
2010 marcellade holandap_ddasilva
2010 marcellade holandap_ddasilva2010 marcellade holandap_ddasilva
2010 marcellade holandap_ddasilvaGeraa Ufms
 
Genero e Diversidade na Escola - Formação de Professoras/es em Gênero, Sexual...
Genero e Diversidade na Escola - Formação de Professoras/es em Gênero, Sexual...Genero e Diversidade na Escola - Formação de Professoras/es em Gênero, Sexual...
Genero e Diversidade na Escola - Formação de Professoras/es em Gênero, Sexual...Geraa Ufms
 
João Pacheco de Oliveira; Carlos Augusto da Rocha Freyre: A presença indigena...
João Pacheco de Oliveira; Carlos Augusto da Rocha Freyre: A presença indigena...João Pacheco de Oliveira; Carlos Augusto da Rocha Freyre: A presença indigena...
João Pacheco de Oliveira; Carlos Augusto da Rocha Freyre: A presença indigena...Geraa Ufms
 
Lélio Loureiro da Silva: As representações dos Kaiowá-Ñandeva no Jornal O Pro...
Lélio Loureiro da Silva: As representações dos Kaiowá-Ñandeva no Jornal O Pro...Lélio Loureiro da Silva: As representações dos Kaiowá-Ñandeva no Jornal O Pro...
Lélio Loureiro da Silva: As representações dos Kaiowá-Ñandeva no Jornal O Pro...Geraa Ufms
 
Eva Maria Luiz Ferreira: A participação do índios kaiowá e guaraná como traba...
Eva Maria Luiz Ferreira: A participação do índios kaiowá e guaraná como traba...Eva Maria Luiz Ferreira: A participação do índios kaiowá e guaraná como traba...
Eva Maria Luiz Ferreira: A participação do índios kaiowá e guaraná como traba...Geraa Ufms
 

Mais de Geraa Ufms (20)

Dissenso e consenso em terras do oeste resumo
Dissenso e consenso em terras do oeste   resumoDissenso e consenso em terras do oeste   resumo
Dissenso e consenso em terras do oeste resumo
 
Dossie 1
Dossie 1Dossie 1
Dossie 1
 
Educação e ação afirmativa injustiças simbólicas e injustiças economicas
Educação e ação afirmativa injustiças simbólicas e injustiças economicasEducação e ação afirmativa injustiças simbólicas e injustiças economicas
Educação e ação afirmativa injustiças simbólicas e injustiças economicas
 
Educação e ação afirmativa injustiças simbólicas e injustiças economicas
Educação e ação afirmativa injustiças simbólicas e injustiças economicasEducação e ação afirmativa injustiças simbólicas e injustiças economicas
Educação e ação afirmativa injustiças simbólicas e injustiças economicas
 
Educação e ações afirmativas: injustiças simbólicas e a injustiças econômica
Educação e ações afirmativas: injustiças simbólicas e a injustiças econômicaEducação e ações afirmativas: injustiças simbólicas e a injustiças econômica
Educação e ações afirmativas: injustiças simbólicas e a injustiças econômica
 
A expressão das formas indirectas de racismo na infância
A expressão das formas indirectas de racismo na infânciaA expressão das formas indirectas de racismo na infância
A expressão das formas indirectas de racismo na infância
 
ESTEREÓTIPOS, PRECONCEITOS, AXÉ-MUSIC E PAGODE
ESTEREÓTIPOS, PRECONCEITOS, AXÉ-MUSIC E PAGODEESTEREÓTIPOS, PRECONCEITOS, AXÉ-MUSIC E PAGODE
ESTEREÓTIPOS, PRECONCEITOS, AXÉ-MUSIC E PAGODE
 
Dissertacao turma2006 brunoborda
Dissertacao turma2006 brunobordaDissertacao turma2006 brunoborda
Dissertacao turma2006 brunoborda
 
Allysson fernandesgarcia
Allysson fernandesgarciaAllysson fernandesgarcia
Allysson fernandesgarcia
 
Artigocoranaesaboiavf 1
Artigocoranaesaboiavf 1 Artigocoranaesaboiavf 1
Artigocoranaesaboiavf 1
 
000749267
000749267000749267
000749267
 
2010 marcellade holandap_ddasilva
2010 marcellade holandap_ddasilva2010 marcellade holandap_ddasilva
2010 marcellade holandap_ddasilva
 
413 1559-1-pb
413 1559-1-pb413 1559-1-pb
413 1559-1-pb
 
N21a03
N21a03N21a03
N21a03
 
N21a03
N21a03N21a03
N21a03
 
V22n4a06
V22n4a06V22n4a06
V22n4a06
 
Genero e Diversidade na Escola - Formação de Professoras/es em Gênero, Sexual...
Genero e Diversidade na Escola - Formação de Professoras/es em Gênero, Sexual...Genero e Diversidade na Escola - Formação de Professoras/es em Gênero, Sexual...
Genero e Diversidade na Escola - Formação de Professoras/es em Gênero, Sexual...
 
João Pacheco de Oliveira; Carlos Augusto da Rocha Freyre: A presença indigena...
João Pacheco de Oliveira; Carlos Augusto da Rocha Freyre: A presença indigena...João Pacheco de Oliveira; Carlos Augusto da Rocha Freyre: A presença indigena...
João Pacheco de Oliveira; Carlos Augusto da Rocha Freyre: A presença indigena...
 
Lélio Loureiro da Silva: As representações dos Kaiowá-Ñandeva no Jornal O Pro...
Lélio Loureiro da Silva: As representações dos Kaiowá-Ñandeva no Jornal O Pro...Lélio Loureiro da Silva: As representações dos Kaiowá-Ñandeva no Jornal O Pro...
Lélio Loureiro da Silva: As representações dos Kaiowá-Ñandeva no Jornal O Pro...
 
Eva Maria Luiz Ferreira: A participação do índios kaiowá e guaraná como traba...
Eva Maria Luiz Ferreira: A participação do índios kaiowá e guaraná como traba...Eva Maria Luiz Ferreira: A participação do índios kaiowá e guaraná como traba...
Eva Maria Luiz Ferreira: A participação do índios kaiowá e guaraná como traba...
 

4 cchladlcvmt06

  • 1. UFPB – PRG _____________________________________________________________X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA  4CCHLADLCVMT06.P  ETNIA E PRECONCEITO: AS REPRESENTAÇÕES INDÍGENAS NOS LIVROS DIDÁTICOS  (1)  (3)  Maria Olívia de Queiroz Borba  , Wilma Martins de Mendonça  Centro de Ciências Humanas Letras e Artes Centro de Ciências Clássicas e  Vernáculas/MONITORIA  Resumo:  Estudo  bibliográfico  das  representações  e  imagens  ameríndias  presentes  nos  livros  didáticos  brasileiros,  com  o  objetivo  de  observar  as  maneiras  e  os  modos  com  os  quais  os  autores  dessas  obras  tratam  a  temática  indígena  que,  posteriormente,  serão  retrabalhadas  pelo  professor em sala de aula.  Palavras­chaves: Indianismo, Etnia, Etnocentrismo.  Você não pode se esquecer de onde você  é e nem de onde você veio, porque assim você  sabe quem você é e para onde você vai.  Ailton Krenak  O presente  artigo é fruto de uma investigação teórica procedida durante o período em  que  exercemos  as  atividades  acadêmicas,  concernentes  ao  Projeto  de  Monitoria  implantado  pela Universidade Federal da Paraíba.  Voltado  para  a  temática  da  representação  indígena  nos  livros  didáticos,  esse  trabalho  enfrentou  algumas  adversidades,  oriundas  da  escassez  de  obras  críticas,  não  obstante  a  importância  do  tema.  A  partir  dessa  constatação,  parece­nos  imprescindível  o  realce  de  algumas obras que além de se debruçarem sobre o tema ameríndio, o fazem de maneira crítica  admirável. Entre essas obras, podemos citar: A organização social dos Tupinambás (1989),  de Florestan Fernandes; História dos índios no Brasil (1992), de Manuela Carneiro Cunha; A  questão indígena na sala de aula (1993), compêndio organizado por Aracy Lopes da Silva e  Memórias de nós : da nossa ancestralidade indígena, de Wilma Martins de Mendonça.  Reconhecendo  a  importância  dessa  temática,  num  país  formado  por  uma  gritante  diversidade, causa­nos admiração a precariedade do conhecimento que a sociedade brasileira  tem  a  respeito  da  etnia  indígena,  apesar  dessa  humanidade  constituir­se  como  nossa  ancestralidade  primeira.  Tal  carência  discursiva,  contudo,  não  vem  sendo  discutida,  nem  mesmo  numa  perspectiva  simplista  ou  acrítica,  salvo  alguns  poucos,  porém,  muito  bons  trabalhos, como os acima citados. Antes, qualquer brasileiro acredita conhecer muito a respeito  de  sua  origem.  Se  indagado  a  respeito  da  formação  de  sua  população,  facilmente  sabe  determiná­la como descendência de índios, negros e brancos europeus. É que não há dúvidas  quanto  a  esse  entendimento, foi  matéria  corrente,  debatida  na  escola,  e  é  certo  que  se  pode  comprovar na evidência de traços físicos, de hábitos; de toda a cultura miscigenada.  O  que  parece  faltar  é,  talvez,  ainda  mais  informações,  ou  que  se  descortine  o  véu  que esconde, ou omite, as versões outras de nossa História, em especial as versões indígenas,  bastante  diferentes  das  versões  oficiais  das  quais  se  nutrem  os  textos  didáticos.  Para  nós,  o  descortínio desses discursos silenciados faria toda  uma diferença no quadro político­social no  qual se embatem as gentes brasileiras. Assim é que se faz necessário pensar, refletir sobre o  nosso  percurso  histórico  e,  nessa  reflexão,  mensurar  a  importância  da  cultura  indígena  em  nossa sociedade.  Se,  pouco  sabemos  de  nós  mesmos,  de  nossa  formação  étnica,  isso  se  deve  aos  interesses  dos  grupos  dominantes  que,  nesses  quinhentos  anos,  tentam  encobrir  a  barbárie  que se abateu sobre a nossa terra com o processo da conquista e colonização em nosso solo.  Dessa  ignorância  inicial,  deriva  todo  o  nosso  desconhecimento  de  como  vivem/sofrem,  na  atualidade,  os  nossos  povos  indígenas  e  de  como  enfrentam  os  preconceitos,  postos  em  circulação pelos europeus, e constantemente retomados por nós, seus descendentes.  Nessa compreensão, é importante ressaltar o papel exercido pela Escola que, longe  de  informar  e  formar  seus  educandos,  termina  por  divulgar  uma  gama  de  preconceitos  e  estereótipos,  legitimando,  assim,  as  imagens  indígenas  contidas  nos  livros  didáticos.  Dessa  forma, a Escola ao invés de se tornar o espaço privilegiado por onde o conhecimento transita,  transforma­se  num  espaço  de  alienação  docente  e  discente.  Não  é  demais  ressaltar,  que  a  __________________________________________________________________________________________________________________________________________________________  (1)  (3)  Monitor(a) Bol sista  Prof(a) Orientador(a)/Coordenador(a).
  • 2. Escola se constitui como um aparelho ideológico do Estado, segundo alerta Althussser (1985),  e,  por  isso  mesmo,  é,  a  um  só  tempo,  espaço  de  formação  e  divulgação  dos  valores  sociais  gerais e, dialeticamente, locus de desinformação, de preconceito e hostilidade às minorias de  nosso país.  Para  essa  ambigüidade  escolar,  contribui,  de  forma  exemplar,  os  livros  didáticos.  Agentes  poderosos  criados  pela  indústria  livresca,  os  textos  didáticos  tornaram­se  objetos  primordiais  de  uso  nas  escolas,  instrumentos  pelos  quais  as  informações  concretizam­se  e  “facilitam” a aprendizagem. Não obstante diversos entre si, tais textos  são  de uma  acentuada  homogeneidade no que tange à cultura indígena, no que se refere ao nosso passado. Objetos  dessa análise, os livros didáticos representam um importante instrumento de aferição do nosso  desconhecimento acerca do nosso passado e das nossas etnias. Assim é que nos propomos a  verificar  nos  manuais  da  disciplina  História  do  Brasil,  comumente  utilizados  nas  escolas,  a  forma  como  são  elaboradas  as  imagens  dos  índios,  expostos  nessas  obras,  e  qual  o  tratamento a eles dispensado.  Inicialmente,  apresentamos  uma  observação  feita  pela  professora  Norma  Telles,  estudiosa da história indígena e de sua representação nos livros didáticos, para quem é notória  a constatação neles de um evidente descompasso entre sua feição e seu objetivo de informar:  Ao  examinar  alguns  manuais  que  há  mais  de  dez  anos  servem  as  nossas  escolas,  constatamos  que,  em  geral,  são  obras  cheias  de  preconceitos  e  estereótipos;  possuem  uma  vontade  excessiva  de  adaptar  o  real  a  desígnios  convencionais,  até  conservadores,  prendendo­se  a  um  modelo  ideal  de  como  as  coisas  deveriam  ser  e,  assim,  esvaziando  a  história, os episódios narrados e os grupos étnicos envolvidos (TELLES, 1984, p. 62).  A História do Brasil contada nos livros didáticos mais comuns, de uso mais difundido  nas  escolas,  é  uma  história  fortemente  posicionada  sob  uma  ótica  européia,  branca  e  cristã.  Todos  os  fatos  e  acontecimentos  que  marcaram  o  passar  do  tempo  em  nosso  país,  desde  o  ano  de  1500  até  hoje,  são  narrados  por  um  olhar  nitidamente  europeu.  O  estudante  acaba  sendo  “convidado”  a  apreender  noções  unilaterais  de  determinados  feitos,  que  lhe  limitam  o  exercício  da  crítica  e  o  fazem  enveredar  por  um  caminho  tendente  ao  preconceito,  no  que  tange à diversidade cultural. Um exemplo claro consiste na noção frequentemente veiculada do  “descobrimento” da terra “desconhecida” (porém, já habitada há muito tempo) e sua “conquista”  pelos  brancos  portugueses  (manifestada  pela  prática  exploratória  de  inúmeras  riquezas  naturais e pelo desrespeito e matança imposta aos seus habitantes).  Pode­se, pelo visto, afirmar que os manuais didáticos estão permeados de ideologias  dominantes  e  etnocentrismos,  que  situam  a  cultura  indígena  como  subalterna,  enquanto  reafirmam  o  valor  quase  “sagrado”  da  cultura  ocidental.  Nestes  termos  expressa­se,  ainda,  Norma Telles:  Os  autores  de  manuais  sistematicamente  desconhecem  a  relação  entre  os  vários  grupos  envolvidos na formação da sociedade brasileira, assim como desconhecem a contribuição que  a  Antropologia  poderia  prestar  à  questão.  Uma  história  que  só  enfatiza  certos  aspectos  da  cultura ocidental, omitindo ou silenciando outras culturas, é uma história etnocêntrica (TELLES,  1993, p. 75).  Igual  parcialidade  narrativa,  não  menos  restrita  que  a  anterior,  recai  sobre  o  tratamento prestado diretamente à etnia indígena por esses manuais. Não é difícil o estudante  chegar a formar em si idéias difusas e preconceituosas acerca de certa preguiça e ociosidade  associadas à imagem dos índios, bem como,  que ele seja levado a reconhecê­los (os índios)  sob  um  aspecto  genérico,  entendendo­os,  muitas  vezes,  improdutivos,  ou  mais  comumente,  como “selvagens”, apenas.  Não só a insuficiência de informações consistentes e fundamentadas, mas também a  distorção  propositada  dos  fatos  que  têm  marcado  a  nossa  trajetória  histórica  – distorção  esta  estimulada  pelos  discursos  dos  vencedores  em  que  um  grupo  dominante  objetiva  o  subjulgamento de outros a sua autoridade e prestígio – justificam os enganos a que os estudos  dos  manuais  remetem  os  estudantes.  Como  conseqüência  disso,  observa­se  que  essa  visão  atinge  o  pensamento  geral  de  grande  parte  da  sociedade  brasileira  (em  especial  aqueles  a  quem  foi  oportunizado  o  estudo,  ainda  que  por  curto  período).  Vê­se,  portanto,  que,  desses
  • 3. “saberes”  fortemente  influenciados  pelo  etnocentrismo  se  originaram  os  conhecimentos  do  povo.  Nessa  perspectiva  lacunar,  os  textos  didáticos  também  subtraem  do  educando  a  aprendizagem  de  formas  outras  de  sociabilidade  humana,  de  relação  com  o  sagrado,  de  convívio  fraterno  com  a  natureza  e,  principalmente,  sonegam  não  apenas  o  conhecimento  acerca da diversidade humana, mas da nossa própria diversidade.  Deste modo, é necessário que esclareçamos: os  povos indígenas representam uma  forma  outra  de  sociabilidade  humana,  marcada  pela  vivência  comunitária  e  pela  igualdade  e  respeito ao humano. Existiram e existem ainda diversas sociedades ameríndias, cada uma com  sua forma específica de vivência, língua, costumes e rituais próprios. Como traços essenciais,  essas  comunidades  têm  em  comum  o  respeito  à  natureza,  o  desprezo  ao  trabalho  e  uma  acentuadíssima religiosidade. São sociedades igualitárias, caracterizadas pela divisão sexual e  de  faixa  hetária  do  trabalho  e  pelo  curto  tempo  destinado  às  lidas  (no  máximo  quatro  horas  diárias), num profundo antagonismo ao modelo do Capitalismo. Distantes da  volúpia do lucro,  esses  povos  organizam­se  através  do  vínculo  de  parentesco.  A  generosidade  é  um  dos  mais  fortes  de  seus  lemas,  “condição  do  prestígio  político  e  condição  para  a  vida  numa  aldeia”  (SILVA, 1993, p. 139).  Não  parece  adequada  a  postura  adotada  pelos  manuais  que  encerram  uma  ótica  genérica  referente  aos  índios,  já  que  não  lhes  prestam  devida  individualização  ou  vinculação  tribal, determinante de sua origem. Muitas vezes, de forma parcial, os índios só são apontados  como  “cordiais”,  ou  não  selvagens,  quando  aliados  dos  brancos,  e,  ainda,  como  “inimigos”,  quando opositores do “progresso” europeu pretendido. Acerca disso, afirma a professora Aracy  Lopes:  Os livros didáticos costumam contribuir para a divulgação dessa falsa idéia, ou seja, a do índio  genérico. Quando lemos sobre os povos indígenas, aprendemos sobre a oca e taba; o pajé ou  morubixaba;  Tupã  e  o  Tacape.  E  assim  por  diante.  Essas  informações  tomam  por  modelo  algumas  das  sociedades  Tupi  habitantes  da  Costa  brasileira  por  ocasião  do  início  da  colonização.  Sabemos  hoje  que  a  organização  social  e,  principalmente,  a  cosmologia  dos  povos  Tupi  são  muito  complexas  e  a  Antropologia  brasileira  faz  hoje  um  grande  esforço  –  através  de  prolongadas  pesquisas  de  campo  –  para  chegar  a  uma  compreensão  satisfatória  dessa  realidade.  A  visão  de  alguns  clássicos  livros  didáticos  é,  pois, falsamente  generalizada  (apresenta algumas informações fragmentadas e, muitas vezes desatualizadas, como “retrato”  de toda e qualquer sociedade indígena (SILVA, 1993,p. 138).  Por  não  se  fazer  a  devida  distinção  quanto  à  diversidade  dos  povos  indígenas,  termina­se  por  se  subtrair  a  possibilidade  de  acompanhar  suas  singulares  trajetórias  no  decurso do tempo.  Quanto à ociosidade e à preguiça atribuídas aos  índios, também aqui se constata a  eminência  de  um  outro  equívoco.  Essas  noções  foram  difundidas  por  ocasião  de  conflitos  e  guerrilhas  havidas  entre  os  brancos  e  indígenas,  quando  da  conquista  e  exploração  da  terra  brasileira. Os europeus, defrontando­se com os modos plurais de organização social indígena,  e  percebendo  que  estes  não  se  constituíam  à  sua  imagem,  reagiram  violenta  e  etnocentricamente. Por não obterem êxito no intento de escravização indígena, impulsionaram  a criação de um imaginário desqualificado para lhes atribuir. Portanto, permanecer com visões  parciais como as acima citadas, é não poder reconhecer a  marca da contingência própria das  realidades históricas.  Outro  atributo  imposto  à  comunidade  vermelha  que  merece  destaque  é  o  que  considera  o  índio  “improdutivo”.  Também  este  estereótipo  tem  fulcro  nas  diferenças  culturais  que  distanciam  os  modos  da  vida  européia,  dos  da  vida  ameríndia.  Os  livros  didáticos  caracterizam  a  economia  dos  grupos  indígenas  em  termos  de  “atraso”,  como  “bastante  primitiva”  e  marcada  pela  insuficiência  de  recursos.  Na  contramão  dessa  visão,  insurge­se  o  criador da Antropologia Política Pierre Clastres:  Não mais podemos falar em inferioridade [...] das sociedades primitivas: elas demonstram uma  capacidade  de  satisfazer  suas  necessidades  pelo  menos  igual  àquela  de  que  se  orgulha  a  sociedade industrial e técnica (CLASTRES, 1978, p.134).  Diante  desse  contexto  textual,  cabe­nos  o  espinhoso  trabalho  de  rever  e  refazer  nossas  visões  acerca  do  nosso  mundo  indígena.  Para  tanto,  contamos,  hoje,  com  o  próprio  discurso  ameríndio  que  vê,  na  Educação  e  na  Escola,  as  saídas  para  a  anomia  e  desordem  social do nosso país. Para Daniel Munduruku, indígena, filósofo e Mestre em Ciências Sociais,
  • 4. há  possibilidades,  sim,  de  a  Escola  formar  os  seus  educandos,  bastando  para  isso  que  ela  ofereça  aos  seus  alunos  as  condições  para  que  eles  adquiram  auto­estima,  sabendo,  verdadeiramente, de onde vieram para que assim, possam respeitar a si e ao Outro. Segundo  Munduruku, o método escolar a ser empregado deve ser aquele construído a partir dos valores  humanos  mais  expressivos,  como  os  valores  da  liberdade,  do  respeito  e  do  silêncio.  Assim  sendo,  a  Escola  deixará  de  ver  seu  aluno  como  mero  depositário  de  conhecimentos,  muitas  vezes distorcidos, para vê­lo como um ser humano integral (MUNDURUKU, 2000, p. 97).  REFERÊNCIAS  ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos de Estado. Rio de Janeiro: Graal, 1985.  CLASTRES,  Pierre.  A  Sociedade  contra  o  Estado:  pesquisas  de  antropologia  política.  Tradução de Theo Santiago. Rio de Janeiro: F. Alves, 1978.  CUNHA, Manuela Carneiro. História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras,  1992.  DEIRÓ,  Maria  de  Lourdes  Chagas.  As  belas  mentiras:  a  ideologia  subjacente  aos  textos  didáticos. São Paulo: Moraes, 1978.  FERNANDES Florestan. A organização social dos Tupinambá. São Paulo: Hucitec, 1989.  GRUPIONI,  Luis  Donisete  Benzi.  Índios  no  Brasil.  Brasília:  Ministério  da  Educação  e  do  Desporto, 1994.  KRENAC, Ailton. O eterno retorno do encontro. In: NOVAES, Adauto (Org.). A outra margem  do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.  MENDONÇA,  Wilma  Martins.  Memórias  de  nós:  da  nossa  ancestralidade  indígena.  In:  SCHNEIDER,  Liane;  MACHADO,  Charliton  (Org.).  Mulheres  no  Brasil:  resistência,  lutas  e  conquistas. João Pessoa: UFPB, 2006, p. 81­96.  MUNDURUKU,  Daniel.  O  banquete  dos  deuses:  conversa  sobre  a  origem  da  cultura  brasileira. São Paulo: Angra, 2000.  SILVA, Aracy Lopes. A questão indígena na sala de aula. São Paulo: Brasiliense, 1993.  TELLES, Norma. Cartografia brasilis ou: Esta história está mal contada. In:  SILVA, Aracy Lopes  (Org.). Op. cit., p. 73­89.