Trabalho elaborado por Ana Carolina nº3 Polyana Ribeiro nº25 Taxas de gravidez e aborto em Portugal O aborto
<ul><li>A Direcção-Geral da Saúde fez um inquérito sobre a prática do aborto, ao qual responderam 29 hospitais e maternida...
<ul><li>No período de 1993-1995, registaram-se anualmente cerca de 10.000 (dez mil) abortos nos hospitais do Estado, dos q...
<ul><li>O deputado José Magalhães apresenta ainda os números da justiça. No período de 1993-1995, o número de abortos regi...
<ul><li>Destes números conclui-se que há uma enorme diferença entre as estatísticas dos hospitais e as da justiça. Por est...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Carolina; Polyanna PTT

264 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
264
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Carolina; Polyanna PTT

  1. 1. Trabalho elaborado por Ana Carolina nº3 Polyana Ribeiro nº25 Taxas de gravidez e aborto em Portugal O aborto
  2. 2. <ul><li>A Direcção-Geral da Saúde fez um inquérito sobre a prática do aborto, ao qual responderam 29 hospitais e maternidades, mas destes 10 afirmaram não fazer abortos. Os que responderam indicaram que entre 1984-1994 realizaram-se 716 abortos legais e, nesse mesmo período, morreram 46 mulheres nas instituições de saúde públicas devido a complicações pós-aborto clandestino. Acresce que foram assistidas 684 mulheres por complicações pós-aborto clandestino, sem resultar em morte. O Director-Geral de Saúde considerou que estes dados eram parcelares e incompletos. </li></ul>Qual é a realidade estatística de aborto em Portugal ?
  3. 3. <ul><li>No período de 1993-1995, registaram-se anualmente cerca de 10.000 (dez mil) abortos nos hospitais do Estado, dos quais mais de 4.000 (quatro mil) foram abortos espontâneos, cerca de 3.000 são &quot;não especificados&quot; (não se sabe a causa), à volta de 2.000 são abortos retidos (feto morto e não expulso), e cerca de 250 (duzentos e cinquenta) são abortos legais, sendo o número de abortos ilegais que os hospitais admitem praticar curiosamente semelhante ao dos legais, cerca de 250. </li></ul>Qual é a realidade estatística de aborto em Portugal ?
  4. 4. <ul><li>O deputado José Magalhães apresenta ainda os números da justiça. No período de 1993-1995, o número de abortos registados pelas autoridades policiais foi, respectivamente, de 43, 39 e 26 em cada um desses anos. O número de processos crime entre 1985 e 1995 oscilou entre 3 e 10 por ano, e o número de condenados entre 2 e 13. </li></ul>Qual é a realidade estatística de aborto em Portugal ?
  5. 5. <ul><li>Destes números conclui-se que há uma enorme diferença entre as estatísticas dos hospitais e as da justiça. Por este motivo, os defensores da despenalização pretendem &quot;legalizar&quot; a realidade, ou seja, despenalizar, por lei, o que já é despenalizado, de facto. </li></ul><ul><li>Há um sentimento generalizado e até cristão no sentido de perdoar às mulheres que abortam. Poucos as querem denunciar, perseguir e condenar. Com efeito, é o crime que regista menos acusações e condenações de todos os crimes contra as pessoas. </li></ul><ul><li>É preferível continuar a ser assim, mantendo a criminalização o seu importante efeito pedagógico e dissuasor, ou aceitar a despenalização, conduzindo ao aborto muitas mulheres que não poriam essa hipótese por ser considerado crime e penalizado como tal? </li></ul>

×